Cells and Neighborhoods

mario

by Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

A while ago, I went to visit a friend of many years in a crowded neighborhood of El Salvador. As we talked, I heard Christian songs from a nearby meeting. I looked out the window to see what was happening and my friend explained to me that the singing was coming from a cell group that gathered almost directly in front of his house. Then I realized that it was Saturday, the night that Elim cells gather.

My friend then told me that another cell would soon start down the street from his house. I inquired about the “other cell,” and he said that a new cell had multiplied down the street and this group was going to meet at a slightly different time, so that it wouldn’t interfere with the one already taking place. Then I asked why the new cell didn’t meet in another neighborhood, and my friend explained that there were already cell groups meeting in those neighborhoods around his house. After talking to him, I realized that all the neighborhoods around his house were completely filled with Elim cell groups. People see cell meetings as something completely normal that every week meetings are conducted in the homes of neighbors. People are invited, children attend, and people know where they can find prayer and guidance.

After 27 years of cell work, new generations are being born in those communities where the cells are an integral part of the neighborhood. The cells are part of the neighborhood’s culture and framework. That is, a new culture, the culture of Christ, is being forged in the city. As neighbors reach out and win people, they are then added to the cell groups and see cell life as normal and natural. In fact, even before their conversion, the neighbors hear and witness cell activity. After their conversion, they become connected to a living body of Jesus Christ.

Comments?

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Células e Vizinhanças

por Mario Vega

Um tempo atrás, fui visitar um amigo de longa data em uma vizinhança populosa de El Salvador. Enquanto conversávamos, ouvi o som de músicas cristãs de uma reunião próxima da onde estávamos. Eu olhei pela janela para ver o que estava acontecendo e meu amigo me explicou que os cânticos vinham de uma célula que se reunia quase na frente de sua casa. Então me toquei que era Sábado, a noite que as células de Elim acontecem.

Meu amigo então falou que outra célula iria começar logo, descendo a rua de sua casa. Eu perguntei a respeito desta “outra célula”, e ele me disse que esta nova célula tinha multiplicado-se para a rua debaixo e que este grupo iria se reunir em um horário um pouquinho diferente, para que não interferisse na célula que já estava acontecendo. Então perguntei por quê a nova célula não se reunia em outra vizinhança, e meu amigo me explicou que já tinham outras células se reunindo nas vizinhanças aos redores. Depois de conversar com ele, entendi que todas as vizinhanças ao redor de sua casa estavam completamente cheias de células da Elim.  As pessoas vêem as reuniões de células como algo completamente normal, toda semana reuniões são conduzidas nos lares da vizinhança. Pessoas são convidadas, crianças frequentam, e todos sabem onde podem encontrar oração, refúgio e ajuda.

Depois de 27 anos de trabalho com células novas gerações estão nascendo nessas comunidades onde as células são uma parte integrada à vizinhança. As células são parte do quadro e da cultura da vizinhança. Ou seja, uma nova cultura, a cultura de Cristo está sendo forjada na cidade. Enquanto vizinhos alcançam e ganham pessoas, elas são integradas nas células e elas vêem a vida celular como normal e natural. Na verdade, mesmo antes de se converterem, os vizinhos já escutam e testemunham as atividades da célula. Depois de suas conversões passam a estar conectados com o Corpo Vivo de Jesus Cristo.

Comentários?

Mario

Spanish blog:

Las células y los vecindarios

por Mario Vega
Un día por la tarde fui a visitar a un amigo de hace muchos años en un barrio populoso de El Salvador. Mientras platicábamos comencé a escuchar cantos cristianos de una reunión cercana. Me asomé por la ventana para ver y mi amigo me explicó que se trataba de una célula que realizan casi frente a su casa. Hasta ese momento caí en la cuenta que era sábado, el día en que nuestras células se reúnen.

Mi amigo me explicó que más tarde comenzaría la otra célula un poco más abajo. -¿Cuál otra célula?- Le pregunté. Entonces me explicó que para no interferirse, los hermanos habían acordado horarios diferentes para realizar sus reuniones. Entonces le pregunté por qué no hacían la otra reunión en otra calle. Él me explicó que en las otras calles también había células. Después de detallarme las cosas comprendí que el barrio estaba totalmente tomado por las células y que ellas son parte de la vida de la comunidad. Las personas ven completamente normal que cada semana se realicen las reuniones en las casas de sus vecinos. Las personas son invitadas, los niños asisten a sus células, las personas saben adonde pueden encontrar oración y orientación.

Después de 27 años de trabajo celular, hay nuevas generación que están naciendo en esas comunidades donde las células son parte integrada de la vecindad. Las células son parte de las características del barrio. Una cultura nueva de qué es la iglesia se está fraguando en la ciudad. Cuando los vecinos vayan siendo alcanzados por la gracia del Señor, irán añadiéndose a una iglesia que ve como completamente normal el reunirse en las casas. Estas nuevas personas lo saben aun antes de su conversión y consideran las reuniones en las casas como parte del “ser” cristiano.

Comentarios?

Mario

From Cell to Celebration

bill

by Bill Joukhadar

www.cells-church.com

Cells that are effective in outreaching unchurched friends need to keep in mind the advantages of their ‘not-yet’ believer friends encountering a broader experience of Christian community in the church through participating in weekly celebration services.

Although this may seem to be a daunting proposition, there are ways of interesting your unchurched friends to get a satisfying taste of the ‘celebration’ component of the life of your church. Remember: Cells and celebration are designed for each other – they are mutually complementary for the building of healthy believers, community, and the Kingdom of God!

Consider these suggestions for helping your unchurched friends integrate from cell to celebration:

  • Explain to them how cell and celebration are designed to work together
  • Promote the advantages of celebration: Gifted teaching/preaching, gifted platform presentations (music/song/testimonies), etc.
  • Mention that a larger diversity of nationalities and cultures are in celebration (interesting personalities, with a diversity of skills and experiences). Make sure you introduce them to people who are warm and friendly
  • Invite them to a Big-church social event
  • Explain to them the format of the service (what happens, and why)
  • Point out the many opportunities that exist for serving in some meaningful way
  • Offer to take them to celebration, and sit with them (together with others from your cell)
  • Stay close to them throughout the transition – watch out for them, keep them safe

Our unchurched friends can gain a greater appreciation of the Christian life through their exposure to both cell and celebration – don’t limit their growth by containing them in your cell.

Bill Joukhadar,
Founding Director,
Cells-church Consultants International

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Integração das pessoas que não vão à igreja, da célula para o Culto de Celebração

Por Bill Joukhadar

www.cells-church.com

Células que são efetivas em alcançar amigos sem igreja/ não cristãos precisam manter em sua mente as vantagens de ter amigos que “ainda” não são convertidos, encontrando uma experiência mais ampla na Comunidade Cristã através da participação semanal dos cultos de celebração.

Embora isto possa parecer uma proposta difícil, existem maneiras de interessar seus amigos sem igreja a ter uma experiência satisfatória do componente da vida da igreja que é a ‘Celebração’. Lembre-se: Células e culto de Celebração foram designados um para o outro- eles são mutuamente complementares em formar cristãos saudáveis, unidade e Reino de Deus!

Considere estas sugestões para ajudar seus amigos sem igreja a serem integrados da célula para o Culto de Celebração:

  • Explique-os como a célula e o Culto de celebração foram designados para trabalharem juntos.
  • Promova as vantagens da Celebração: Ensino/Pregação ungida, apresentações no púlpito ungidas ( músicas/ cânticos/ Testemunhos),etc.
  • Mencione que um grande número de diversas nacionalidades e culturas estão na Celebração ( personalidades interessantes, com uma diversidade de habilidades e experiências). Tenha certeza de apresentá-los para pessoas que são calorosas e simpáticas.
  • Convide-os para um grande evento social da igreja.
  • Explique-os o formato do culto ( o que acontece e porque)
  • Pontue as diversas oportunidades que existem em servir de uma maneira importante
  • Ofereça para levá-los ao Culto e sente-se com eles (junto com outros da sua célula)
  • Fique perto deles durante toda a transição- esteja perto, cuidando e os protegendo.

Nossos amigos sem igreja podem ganhar uma grande apreciação da vida Cristã através da exposição de ambos célula e culto de celebração – não limite-os em crescer se contentando apenas com a freqüência na sua célula.

Bill Joukhadar, Diretor Fundador, Consultoria Internacional de Igrejas em células.

Spanish blog:

La integración de los no creyentes de la célula a la celebración

Por Bill Joukhadar

www.cells-church.com

Las células que son eficaces en contactos directos en amigos sin iglesia deben tener en cuenta las ventajas de sus ‘aún no’ amigos no creyentes que encuentran una experiencia más amplia de la comunidad cristiana en la iglesia a través de la participación en los servicios de la celebración semanal.

Aunque esto puede parecer una proposición de enormes proporciones, hay formas de interesar a tus amigos que no tienen iglesia y que pueden darte una idea satisfactoria del componente de vida en la “celebración” de tu iglesia. Recuerde: Las células y la celebración están diseñados el uno para el otro – son mutuamente complementarios para la edificación de los creyentes sanos, la comunidad, y el Reino de Dios.

Considere estas sugerencias para ayudar a sus amigos sin iglesia a integrarse de la célula a la celebración:

  • Explíqueles cómo la célula y la celebración están diseñados para trabajar juntos
  • Promueve las ventajas de la celebración: dones de enseñanza/predicación, presentaciones de plataforma (música/canción/testimonios), etc.
  • Menciónale que hay una mayor diversidad de nacionalidades y culturas, y se encuentran en la celebración (personalidades interesantes, con una diversidad de habilidades y experiencias). Asegúrese de introducirlos a gente que sea cálida y amable.
  • Invítalos a un evento social de la iglesia.
  • Explíqueles el formato del servicio (lo que sucede, y por qué)
  • Señale las oportunidades que existen para servir de una manera significativa.
  • Ofrézcales llevarlos a la celebración, y siéntate con ellos (junto con otras personas de tu célula)
  • Permanezca cerca de ellos durante toda la transición – cuida de ellos, mantenlos a salvo

Nuestros amigos sin iglesia pueden obtener una mayor apreciación de la vida cristiana a través de su exposición tanto en la célula como en la celebración – no limites su crecimiento manteniéndolos en la célula.

Bill Joukhadar, Director Fundador de  Consultores Internacionales de la Iglesia celular

Integration: From Cell to Celebration

jim

by Jim Wall

Both cell and celebration gatherings are critical parts of dispensing hope to a hopeless world. I’ve noticed that our celebration services typically sees two types of first time attenders.

The Type A visitor is the one who walks about three steps into our lobby and stops dead in his tracks. He stands there looking at everything going on around him. He isn’t just taking it all in; he is debating whether or not to run away! You can almost read his thoughts as he stands there. “What have I gotten myself into? Will I find anyone in this crowd that I know? If not, will I meet anyone that I like? Is there anyone here like me?” Assuming he makes it into the sanctuary, any differences in the worship style from his past leave him feeling unsure of what’s going on. Nobody likes that feeling.

The Type B visitor is the one who got invited to a cell gathering first. After several weeks of making friends in that small group setting, he decides to accept the group’s no-pressure invitation to attend a celebration gathering with them. As he enters the lobby, he is surrounded by people he knows and trusts. They have prepared him for what he is going to see. He has been assured that he won’t be put on the spot by anyone nor pressured to speak publically, give money or do anything he doesn’t want to do. He walks in like he owns the place. He thoroughly enjoys the experience and can’t stop talking about what he heard and saw while they have lunch together afterward.

The next time the Type A visitor is invited by a neighbor or co-worker to attend church he replies, “ Thanks, but I’ve been to church. It isn’t for me.” The next time the Type B visitor is invited he says, “Sure! I can’t wait to see what’s going to happen this Sunday!”

Is your cell group inviting unchurched people to your cell gatherings? Once trust is formed are you bringing those folks to your celebration gatherings? Cells and celebrations, working in concert, are a powerful partnership for the transformation of lives in Christ.

Jim

Korean blog (click here)

Portugues blog:

Integração: Da Célula para o Culto

Por Jim Wall

Ambos célula e culto de celebração são partes críticas em fornecer esperança para um mundo sem esperança. Eu percebi que nossos cultos de celebração, tipicamente, tem dois tipos de visitantes que estão indo pela primeira vez.

O Visitante tipo A é aquele que dá três passos dentro da recepção da igreja e de repente pára como se estivesse morto em seu próprio caminho. Ele permanece parado olhando tudo o que está acontecendo ao seu redor. Ele não está apenas percebendo o ambiente ao redor, está pensando, debatendo em seus pensamentos se deve ou não dar as costas e ir embora! Você pode quase ler seus pensamentos enquanto ele permanece lá parado: ” No que eu fui me meter? Vou encontrar alguém nesta multidão que eu conheça? Se não, vou encontrar alguém que vou gostar? Tem alguém aqui que vai gostar de mim?” Assumindo que ele finalmente consegue chegar até o salão de reuniões, qualquer diferença no estilo de adoração do esteja acostumado, vai deixá-lo com a sensação de que não tem certeza do que está acontecendo. Ninguém gosta desta sensação.

O Visitante tipo B é aquele que foi convidado para ir à célula primeiro. Depois de diversas células frequentadas, e de ter desenvolvido amizades no convívio das pessoas da célula, ele decide aceitar o convite sem pressão do grupo para ele ir no culto de celebração com eles. Quando ele entra na recepção da igreja, está cercado de pessoas que conhece e confia. Eles já o prepararam para aquilo que ele verá. Já o asseguraram que não será constrangido para falar em público, dar seu dinheiro ou qualquer outra coisa que não queira fazer. Ele entra no salão como se fosse de casa.Aproveita completamente a experiência e não consegue parar de falar sobre aquilo que ouviu e viu enquanto almoça com o pessoal da célula depois do culto de celebração.

A próxima vez que o visitante tipo A for convidado pelo seu vizinho ou colega de trabalho para ir a igreja ele irá responder: ” Obrigado, já fui à igreja e não é para mim isso”. Enquanto a próxima vez que o visitante tipo B for convidado dirá: ” Com certeza! Não posso esperar para ver o que vai acontecer neste domingo!”

A sua célula tem convidado pessoas que não vão à igreja para ir a célula? Uma vez que há confiança formada, você tem trazido essas pessoas para o culto de celebração? Células e Cultos de celebração, trabalhando em conjunto, são uma poderosa parceria para a transformação das vidas em Cristo.

Jim

Spanish blog:

Integración: De la célula a la celebración

Por Jim Wall

Tanto las reuniones de células y la celebración son zonas críticas de la dispensación de esperanza a un mundo sin esperanza. Me he dado cuenta de que nuestros servicios de celebración típicamente ven dos tipos de asistentes por primera vez.

El visitante tipo A, es el que camina cerca de tres pasos en el pasillo y se detiene en seco. Se pone de pie allí, mirando todo lo que sucede a su alrededor. Él no está simplemente tomando todo, él está debatiendo ¡si debe de correr o no! Casi puedes leer sus pensamientos mientras él está allí. “¿En qué me he metido? ¿Encontrare alguien conocido en esta multitud? Si no, ¿Conoceré a alguien que me guste? ¿Hay alguien aquí como yo? “Suponiendo que llegue al santuario, las diferencias en el estilo de adoración de su pasado lo dejan sintiéndose inseguro de lo que está pasando. A nadie le gusta esa sensación.

El visitante tipo B, es el que fue invitado a una reunión celular primero. Después de varias semanas de hacer amigos en ese ambiente de grupo pequeño, decide aceptar la invitación sin presiones del grupo para asistir a una reunión con ellos. Al entrar en el pasillo, él está rodeado de personas que conoce y confía. Ellos lo han preparado para lo que va a ver. A él le han asegurado que no va a ser puesto en un lugar por nadie ni presionado a hablar en público, dar dinero o hacer algo que no quiera hacer. Él camina adentro como fuera si el dueño del lugar. Él disfruta muchísimo la experiencia y no puede dejar de hablar de lo que oyó y vio mientras almorzaban juntos después.

La próxima vez que el visitante tipo A es invitado por un vecino o un compañero de trabajo para asistir a esa iglesia él responde: “Gracias, pero he estado en esa iglesia. No es para mí. “La próxima vez que se invita al visitante tipo B, dice, “¡Claro! ¡No puedo esperar a ver lo que va a pasar este domingo!”

¿Está tu grupo celular invitando gente sin iglesia a sus reuniones celulares? Una vez que se forma la confianza ¿Traes esa gente a la celebración? Células y celebraciones, trabajando en conjunto, son una poderosa asociación para la transformación de la vida en Cristo.

Jim

Invite Them; Be Patient

jeff

by Jeff Tunnell

At our first high point of cell multiplication we found there were 25% more people in cells than in weekend celebrations.  Having more people in cells than celebrations was a goal of penetrating our area with the good news of Jesus and providing a place for individuals and families to discover His body without attending a traditional weekend church service.  It was working and we saw this as a signal and opportunity to invite these cell attendees to rejoice together with other like-minded cell groups in a celebration of Jesus.

Many cell members did not accept our invitations to the larger gathering for 6 months or more.  We needed to be patient because many of them were previously hurt by a church, viewed organized religion as a threat, or did not want to walk into a building where they did not already have a relationship.  When they did try the celebration services, it was easy to walk in with their cell family and find immediate acceptance as a part of the whole system of cells.

During this period I would meet Christians in our city and I would ask, “Do you attend a church?”  Then they would name the church I pastored, although they had never met me, or even knew who I was!  Shocking?  Yes!  Delightful? Indeed (after I thought about it and quieted my ego).  They were growing in their faith, part of our training track, and being shepherded by a committed cell leader.  The senior Pastor was not the center of attention for these people; Jesus and His people were.

Note: During this time, if all the cell groups came at one time, our building would not accommodate them, a wonderful problem to encounter.  I want to encourage you to fill the cells with life-giving community, equipping, and evangelism. As fruit as produced, the entire cell can bring its life to the celebration with a clear purpose.

Growth takes time, be patient.

Jeff

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Convide-os e Seja Paciente

por Jeff Tunnell

No nosso primeiro ponto alto de multiplicação de célula descobrimos que havia 25% mais pessoas nas células do que nas celebrações de fim de semana. Ter mais pessoas nas células do que nas celebrações foi uma meta de penetrar nossa área com as boas novas de Jesus e proporcionar um lugar para indivíduos e famílias descobrirem o corpo dEle sem frequentarem um culto tradicional de fim de semana. Estava funcionando e nós vimos isso como um sinal e uma oportunidade de convidar esses frequentadores de célula a se alegrarem com outros grupos celulares que pensam do mesmo jeito em uma celebração de Jesus.

Muitos membros de célula não aceitaram nossos convites à reunião maior por 6 meses ou mais. Nós precisávamos ser pacientes pois muitos deles foram machucados anteriormente por uma igreja, viam a religião organizada como uma ameça, ou não quiseram entrar em um prédio onde ainda não tinham um relacionamento. Quando eles experimentaram os cultos de celebração, foi fácil entrar com sua família da célula e encontrar aceitação imediata como uma parte do sistema todo de células.

Durante esse período eu encontrava cristãos na nossa cidade e perguntava, “Vocês frequentam uma igreja?” Eles citavam a igreja que eu pastoreava, no entanto, eles nunca me encontraram, ou nem sequer sabiam quem eu era! Chocante? Sim! Prazeroso? De fato (depois eu pensei sobre isso e aquietei o meu ego). Eles estavam crescendo em sua fé, em parte do nosso trilho de treinamento e sendo pastoreados por um líder de célula comprometido. O pastor principal não era o centro das atenções para essas pessoas; Jesus e Seu povo eram.

Nota: Durante esse tempo, se todos os grupos de célula viessem de uma só vez, nosso prédio não iria acomodá-los, um problema maravilhoso a enfrentar. Eu quero encorajá-lo a preencher as células com uma comunidade vivificante, com treinamento e evangelismo e elas irão produzir frutos por si mesmas. Então a célula inteira pode trazer sua vida para a celebração com um propósito.

Crescimento leva tempo, seja paciente.

Jeff

Spanish blog:

Invítelos y sea paciente

Por Jeff Tunnell

En nuestro primer punto de multiplicación celular nos dimos cuenta que había 25 % más gente en las células que en las celebraciones dominicales. Tener más gente en las células que en las celebraciones fue un objetivo para penetrar nuestra área con las buenas nuevas de Jesús y proporcionar un lugar para que las personas y las familias puedan descubrir su cuerpo sin asistir a un servicio tradicional de la iglesia el fin de semana. Estaba trabajando y vimos esto como una señal, la oportunidad de invitar a los asistentes a estas células para compartir juntos con otros grupos celulares.

Muchos miembros de la célula no aceptaron nuestra invitación a la reunión más grande por más de 6 meses. Teníamos que ser pacientes porque muchos de ellos fueron heridos previamente por una iglesia, vimos la religión organizada como una amenaza, o no querían entrar en un edificio en el que todavía no tenían una relación. Cuando intentaron probar los servicios de celebración, era fácil caminar con su familia celular y encontrar la aceptación inmediata como parte de todo el sistema celular.

Durante este período conocimos cristianos en nuestra ciudad y le pregunte: “¿Asiste a una iglesia?” Ellos nombraron la iglesia que yo pastoreaba, sin embargo, nunca me habían conocido, ni siquiera sabían quién era yo. ¿Impactante? ¡Sí! ¿Una delicia? De hecho (después lo pensé y calmé mi ego). Ellos estaban creciendo en su fe, formando parte de nuestra pista de entrenamiento y siendo pastoreados por un líder celular comprometido. El pastor no era el centro de atención para estas personas, Jesús y su pueblo eran.

Nota: Durante este tiempo, si todos los grupos celulares llegaran a la vez, nuestro edificio no podría acomodarles a todos, un problema maravilloso a encontrar. Quiero animarte a llenar las células con la comunidad que da vida, equipamiento, evangelismo y producirán fruto por sí mismos. Después la célula puede llevar su vida a la celebración con un propósito.

El crecimiento toma tiempo, sea paciente.

Jeff

Relationship is the Key

robert

by Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil

The New Testament Church is a movement. Movements are dynamic and there is a constant influence of the body of Christ in society through relationships. Jesus demonstrated this in his ministry by relating to people all the time. He set the pace in demonstrating how the Kingdom of God, this new transforming movement would change the world. Relationship is the key. Integration of unchurched new believers into the church, also happens through relationship. Followers of the King will always attract others to follow the King.

Today’s church functions on the paradigm of inviting people to a program they watch and enjoy together. There is little or no relationship or discipleship. Those in the program or the big gathering are often not walking together in relationship. In the cell church, there is a closeness and sense of belonging. There is a group dynamic that facilitates integration in all spheres of church life. There is a constant movement from the cell to celebration, and from celebration to the cell. The same happens with the different types of ministries. Newcomers tend to follow the flow of things with their spiritual father or mother through cell ministry.

Much patience is required to fully integrate new believers in all spheres of church life. And the reality is that in the true cell church, not everybody will participate in all events, ministries, and trainings. The most important aspect is to be connected to the body of Christ, functioning as a member of Christ’s body, and being connected all the time to its head, Jesus Christ. The New Testament church has no spectators that sit and soak. There is only body life and service together. It is the same as in the biological family where mom, dad and children grow and learn from each other.

May God help us to find our way back to the church as a relational body, in which all members relate to each other. Let’s leave the institutional church of consumers and spectators behind.

Robert M. Lay

(Cell Church Ministry Brazil)

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Relacionamento é a chave

por Robert Lay, Ministério Igreja Em Células Brasil

A igreja do Novo Testamento é um movimento. Movimentos são dinâmicos e há uma constante influência do corpo de Cristo na sociedade através de relacionamentos. Jesus demonstrou isso em seu ministério relacionando-se com pessoas o tempo todo.  Ele marcou o ritmo demonstrando como o Reino de Deus, esse novo movimento transformador, mudaria o mundo. Relacionamento é a chave. A integração de novos crentes sem igreja na igreja, também acontece através de relacionamento. Seguidores do Rei sempre atrairão outros a seguirem Ele.

As funções da igreja de hoje no paradigma de convidar pessoas para um programa que eles assistam e aproveitem juntos. Há pouco ou nenhum relacionamento ou discipulado. Aqueles no programa ou na grande reunião muitas vezes não estão andando juntos em relacionamento. Na igreja em célula, há uma aproximação e senso de pertencimento. Há um grupo dinâmico que facilita integração em todas as esferas da vida da igreja. Há um constante movimento da célula à celebração, e da celebração à célula. O mesmo acontece com os diferentes tipos de ministérios. Recém-chegados tendem a seguir o fluxo das coisas com seu pai ou mãe espiritual através do ministério celular.

Muita paciência é requerida para integrar inteiramente novos crentes em todas as esferas da vida da igreja. E a realidade é que na verdadeira igreja em célula, nem todos irão participar de todos os eventos, ministérios e treinamentos. O aspecto mais importante é estar conectado ao corpo de Cristo, funcionando como um membro de Seu corpo, e estando conectado em todo tempo com sua cabeça, Jesus Cristo. A igreja do Novo Testamento não tem espectadores que sentam e absorvem. Há apenas vida e serviço juntos no corpo. É o mesmo da família biológica onde a mãe, o pai e as crianças crescem e aprendem uns com os outros.

Que o Senhor nos ajude a encontrar nosso caminho de volta à igreja como um corpo relacional, em que todos os membros se relacionam um com o outro. Vamos deixar a igreja institucional de consumidores e espectadores para trás.

Robert M. Lay (Ministério Igreja Em Células Brasil)

Spanish blog:

La relación es la clave

Por Roberto Lay, Ministerio de la Iglesia celular en Brasil

La Iglesia del Nuevo Testamento es un movimiento. Los movimientos son dinámicos y hay una influencia constante del cuerpo de Cristo en la sociedad a través de las relaciones. Jesús demostró esto en su ministerio al relacionarse con las personas todo el tiempo. Él ha marcado el ritmo y demostró cómo el Reino de Dios funciona, este nuevo movimiento transformador iba a cambiar el mundo. La relación es la clave. Integrar a los nuevos creyentes a la iglesia, también sucede a través de la relación. Los seguidores del Rey siempre atraerán a otros a seguir el Rey.

Las funciones de la iglesia de hoy en día son un paradigma de invitar a la gente a un programa que ven y disfrutan juntos. Hay poca o nada de relación o discipulado. Los que están en el programa o en la gran reunión a menudo no están caminando juntos en relación. En la iglesia celular, hay una cercanía y sentido de pertenencia. Hay una dinámica de grupo que facilita la integración en todas las esferas de la vida de la iglesia. Hay un movimiento constante de la célula a la celebración, y de la celebración a la célula. Lo mismo sucede con los diferentes tipos de ministerios. Los recién llegados tienden a seguir el flujo de las cosas con su padre o madre espiritual a través del ministerio celular.

Se requiere de mucha paciencia para integrar plenamente a los nuevos creyentes en todas las esferas de la vida de la iglesia. Y la realidad es que en la verdadera iglesia celular, no todo el mundo va a participar en todos los eventos, los ministerios, y entrenamientos. El aspecto más importante es estar conectado con el cuerpo de Cristo, que funciona como un miembro del cuerpo de Cristo, y que está conectado todo el tiempo a la cabeza, Jesucristo. La iglesia del Nuevo Testamento no tiene espectadores que se sientan y disfrutan. Solo es la vida del cuerpo y el servicio juntos. Es el mismo que en la familia biológica donde la mamá, el papá y los niños crecen y aprenden unos de otros.

Puede Dios ayudarnos a encontrar el camino de regreso a la iglesia como un cuerpo relacional, en donde todos los miembros se relacionan entre sí. Vamos a dejar la iglesia institucional de los consumidores y espectadores detrás.

Robert M. Lay
(Ministerio de la Iglesia celular en Brasil)

Every Saint a Leader; Every House a Church

mario
by Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

“Every house a church and every member a minister.” That was the theme of the 2012 Cell Church conference in Brazil, and in fact, those words were proclaimed on a banner above the door at the entrance to the conference. The motto is striking because it reflects quite accurately the vision of cell churches. Yet, like so many visions, this particular theme/vision will not be fulfilled 100%. Rather, it helps us walk toward a desired goal and stirs us to try to fulfill this goal as much as possible. Certainly the idea of a cell church is that every member’s house is a “host home” and that every member will be a cell leader. Yet in reality, we will only fulfill this dream partially.

When Elim made the transition to become a cell church, we agreed that everyone who exercised a ministry or function in the local church would have to meet the requirement of being a cell leader. We maintained this rule for many years. Then we realized that due to work, study or other things, not everyone could assume the responsibility of being a cell leader in order to help out with ministries in the church. We felt led to become more flexible with this rule, and for several years now, we’ve allowed people to be involved in church ministries who are active in a cell, but not necessarily the leader of a cell group. When we say “active,” we mean one who faithfully attends and participates in a cell but is not necessarily the leader.

Although the ideal leads us to dream of seeing every believer a cell leader, we also know that the practical reality is much different. Not everyone in a cell church will be a leader, and in fact, there will always be people who don’t want to get involved in cell ministry. But the body of Christ is so diverse that there is a place for everyone, and the gifts of the Spirit show us that we need everyone in the body of Christ to complement each other.

“Every house a church; every member a minister” is certainly a desired u utopia. But utopias are not intended to point towards impossibilities. Their purpose, rather, is to show us what’s on the horizon and point us toward a desired direction. Let us walk toward this exciting vision while realizing that we’ll never fully fulfill it.

Comments?

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Todo Santo um Líder, Toda Casa uma Igreja

por Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

“Toda casa uma igreja e todo membro um ministro”. Este foi o tema da Conferência de Igreja em Células de 2012 no Brasil, e de fato estas palavras estavam proclamadas em um banner em cima da porta de entrada da conferência. O lema é impressionante, pois reflete com bastante precisão a visão de igrejas em células. No entanto, como em tantas visões, este tema/visão específicos não será cumprido 100%. Pelo contrário,  nos ajuda a caminhar em direção a um objetivo desejado e nos desperta para tentar cumprir essa meta, tanto quanto possível. Certamente a ideia de uma igreja em células é que a casa de todos os membros seja uma “casa anfitriã” e que cada membro seja um líder de célula. Entretanto, na realidade, só vamos realizar este sonho parcialmente.

Quando Elim fez a transição para se tornar uma igreja em célula, nós concordamos que todos que exerciam um ministério ou função na igreja local teriam de exercer a função de ser um líder de célula. Nós mantivemos esta regra por muitos anos. No entanto, percebemos que por conta de trabalho, estudos ou outras questões, nem todas as pessoas poderiam assumir a responsabilidade de se tornar um líder de célula afim de ajudar em outros ministérios na igreja. Sentimos a direção de nos tornarmos mais flexíveis com esta regra, e por muitos anos, até hoje, nós permitimos pessoas que são envolvidas ativamente na célula, mas não necessariamente líderes de um grupo, se envolverem nos outros ministérios da igreja. Quando dizemos “ativamente” queremos dizer pessoas que regularmente atendem e participam da célula, mas não necessariamente a lideram.

Embora o ideal nos incline a sonhar em ver todo crente um líder de célula, nós também sabemos que a realidade prática é muito diferente. Nem todos dentro de uma igreja em células vão ser líderes, e na verdade, terão sempre pessoas que não querem se envolver no ministério de células. Mas o corpo de Cristo é tão diverso que sempre terá lugar para todos, e os dons do Espírito Santo nos mostram que precisamos de todos no corpo de Cristo e que cada um se complementa.

“Toda casa uma igreja, todo membro um ministro” é com certeza uma utopia desejada. Entretanto utopias não são intencionadas para apontar coisas impossíveis. O propósito delas, na realidade, é nos mostrar o horizonte e apontar para uma direção desejada. Vamos andar em direção a esta entusiasmada visão enquanto realizamos que nunca vamos cumpri-la por completo.

Comentários?

Mario

Spanish blog:

Todo Santo un Líder

por Mario Vega

“Cada casa una iglesia, cada miembro un ministro”. Eso era lo que decía la pancarta arriba de la entrada principal del auditorio donde se realizaría la Conferencia Anual de Iglesias Celulares de 2012 en Brasil. El lema es impactante, porque refleja con bastante precisión la visión de la iglesias celulares.

No obstante, se sabe que una visión es el sueño último que una persona o entidad persiguen. Probablemente no se alcance plenamente, pero permite caminar hacia esa meta lo más que se puede. Ciertamente el ideal de una iglesia celular sería que toda casa de sus miembros alojara una célula y que todo miembro fuese un líder. Pero, en la realidad, solo se puede tener un poco de ese sueño.

Cuando Elim hizo su transición para convertirse en una iglesia celular, se acordó que toda persona que recibiría una función en la iglesia local debería cumplir el requisito de ser líder. Esa norma se mantuvo por varios años. Después nos dimos cuenta que por razones de trabajo, estudio u otros, no todas las personas podían asumir una responsabilidad de líderes pero sí podían desarrollar sin problemas sus funciones en la celebración. De manera que hace ya un tiempo, flexibilizamos la norma y no exigimos más ser un líder sino solamente estar activo dentro del trabajo celular para poder aspirar a una función en la celebración. Estar activo significa desde ser líder hasta ser un miembro persistente que lleva invitados a una célula.

Aunque el ideal nos lleva a soñar con ver a todo santo convertido en líder, la realidad práctica nos deja ver que eso no siempre es posible. No todas las personas en una iglesia celular serán líderes. Y no faltarán aquellas personas que tampoco desean involucrarse en el trabajo de las células. Pero, el cuerpo de Cristo es tan variado que hay un lugar para todos. Los dones son muchos y los necesitamos a todos para complementarnos.

“Cada casa una iglesia, cada miembro un ministro” puede ser una utopía. Pero, las utopías no tienen como propósito señalar hacia un imposible. Su propósito es indicar el horizonte hacia el cual caminamos. Aunque no lo alcancemos plenamente, nos anima a caminar.

Integration of New Cell Members

bill

by Bill Joukhadar

www.cells-church.com

When forming a new cell it’s important to know the right ‘target audience’ we should aim for. With an availability of space in our cell, or not, an attitude of “anybody will do” should not be the rule to follow – we must look for the right people! Jesus looked for the ‘right’ people to be in His small group of disciples, and so must we.

Who fits the target audience criteria? Our target audience is any person who regularly attends our celebration services and who is not in a cell. Unchurched friends of our cell members also make up our target audience. Note well: Members of other churches must not be our target audience. We don’t want to be seen as ‘sheep stealing’ from another sheep fold. ‘Spiritual Rabbits’ who hop in and out of groups from other churches destabilizes group life.

What can we do to integrate suitable members into our cell? Consider the following…

• Live pulpit testimonies of the Lord’s transforming work in the lives of those in your group can be a powerful motivator to those in celebration

• Personal invitation (oral and written) of those in celebration, and unchurched friends to fun, friendly social events with games and food (no teaching/preaching/manipulation or pressure)

• Prayer, Patience, and Perseverance… DON’T GIVE UP ON ANYONE!

Bill Joukhadar

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Integração dos Novos Membros na Célula

por  Bill Joukhadar

www.cells-church.com

Quando formamos uma nova célula é importante saber qual será a audiência alvo certa que queremos alcançar. Tendo espaços disponíveis nas nossas células, ou não, uma atitude de “alguém vai fazer” não deve ser a regra a seguir – Nós devemos procurar as pessoas certas! Jesus procurou as pessoas certas para estarem em seu pequeno grupo de discípulos e assim também nós devemos fazer.

Quem se enquadra no critério da audiência alvo?  Nossa audiência alvo é a pessoa que regularmente frequenta os cultos de celebração mas não está inserida em uma célula. Amigos dos nossos membros da célula que não vão a igreja também são audiência alvo. Note bem: Membros de outras igrejas não devem ser nossa audiência alvo. Nós não queremos ser vistos como ladrão de ovelhas de aprisco, pescadores em aquário. ” Coelhos espirituais” que montam e desmontam grupos de outras igrejas desestabilizando a vida em comunidade.

O que podemos fazer para integrar os membros adequados na nossa célula?  Considere o seguinte:

  • Testemunhos ao vivo no púlpito, da obra transformadora do Senhor na vida daqueles que estão no seu grupo, pode ser uma poderosa motivação para aqueles que apenas vão ao culto de celebração.
  • Convites pessoais (verbalmente ou por escrito) para aqueles que vão aos cultos e os amigos sem igreja  para diversão, eventos sociáveis amigáveis com jogos e comida ( sem pregação, ensino, manipulação ou pressão)
  • Oração, Paciência e Perseverança… NÃO DESISTA DE NINGUÉM!

Bill Joukhadar

Spanish blog:

La integración de nuevos miembros a la célula

Por Bill Joukhadar

www.cells – church.com

Cuando se forma una nueva célula, es importante conocer  “público objetivo” correcto, debemos aspirar por ello. Con una disponibilidad de espacio en nuestra célula, o no, una actitud de “nadie va a hacer”, no debe ser la regla a seguir – hay que buscar a las personas adecuadas. Jesús miró a las personas “correctas” para estar en su pequeño grupo de discípulos, y así debemos hacerlo nosotros.

¿Quién se ajusta a los criterios de la audiencia? Nuestro público objetivo es cualquier persona que asiste con regularidad a nuestros cultos de celebración y que no está en una célula. Amigos inconversos de nuestros miembros de la célula también forman parte de nuestro público. Nota bien: Los miembros de otras iglesias no deben ser nuestro público. Nosotros no queremos ser vistos como “ladrones de ovejas” de otro redil. “Conejos Espirituales” que saltan dentro y fuera de los grupos de otras iglesias y desestabilizan la vida del grupo.

¿Qué podemos hacer para integrar miembros adecuados a nuestra célula? Considere lo siguiente…

• Testimonios en el púlpito en vivo, de la obra transformadora de Dios en las vidas de las personas en su grupo esto puede ser un poderoso motivador para aquellos en la celebración.

• Invitación personal (oral y escrito) para aquellos en la celebración, y los amigos inconversos a la diversión, eventos sociales con juegos y comida (no de enseñanza/predicación/manipulación o presión)

• Oración, Paciencia, Perseverancia y… no te rindas con nadie.

Bill Joukhadar

Integrating Lost People into Cell Ministry

jim

by Jim Wall

No matter where you live in the world, there are more people around you who are not part of a God-loving, Bible-believing Christian church than are. The numbers are staggering. Less than 30% of Americans attend church on a given weekend, less than 20% of Canadians, less than 5% of Europeans, etc. The cultural impact is profound. We are facing a crisis of global proportions.

The cell church movement provides an excellent solution. Many of those who have given up on church will decline your invitation to attend a weekend service. They will accept your invitation to come to your home for a gathering of friends—even when those friends are believers and some of the conversation is about spiritual matters. While there, they’ll get to see how Christians genuinely care about each other. They’ll get to see authentic Christians caring about the needs of the community around them. They’ll get to see Jesus in a deeply personal way!

Sadly, many Christians who attend cell churches find it easier to invite Christians from other churches than build bridges to the lost souls around them. As a result, 86% of American churches are smaller today than 10 years ago. Of the 14% that are growing, 13% are simply gathering the people who are leaving the shrinking churches. Only 1% of American churches are growing by conversion growth!

That’s why I teach, “Never invite a member of an area church to your cell gathering.” I tell my students it is profoundly wrong to steal sheep from other flocks to populate their own. Just as importantly, filling one set of chairs by emptying another one is not going to turn the crisis we face around!

I’m sorry if this is depressing you. There is a solution. The original Acts 2 church was born in a world that knew very little about Jesus. It turned the world upside down in one lifetime and started a movement we benefit from today. My new book, Unmuted: Restoring Your Church’s Voice (available on Amazon) explores who those early Christians were and how they made a difference in the world. It is also filled with stories of 21st century Christians who are making a difference today.

Won’t you join me in becoming part of the solution? Let’s share the hope we have found in Jesus with the hopeless all around us.

Comments?

Jim

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Fazendo a diferença: Integração da célula com as pessoas perdidas

por Jim Wall

Não importa onde você mora no mundo, há mais pessoas ao seu redor que não fazem parte de uma igreja que ama a Deus e crê na Bíblia, do que fazem. Os números são chocantes. Menos de 30% dos americanos vão à igreja em um determinado fim de semana, menos de 20% dos canadenses, menos de 5% dos europeus, etc. O impacto cultural é profundo. Nós estamos enfrentando uma crise de proporções globais.

O movimento da igreja em célula proporciona uma excelente solução. Muitos daqueles que desistiram da igreja irão recusar seu pedido de comparecer a um culto de fim de semana. Eles irão aceitar seu convite de ir para sua casa para uma reunião de amigos- mesmo quando esses amigos são crentes e um pouco da conversa seja sobre assuntos espirituais . Enquanto estiverem lá, eles irão perceber o quanto cristãos genuinamente se preocupam uns com os outros. Eles poderão ver cristãos autênticos se preocupando com as necessidades da comunidade ao redor deles. Poderão ver Jesus de um jeito pessoal profundo!

Infelizmente, muitos cristãos que frequentam igrejas em célula acham mais fácil convidar cristãos de outras igrejas do que construir pontes para as almas perdidas ao seu redor. Como resultado, 86% das igrejas americanas são menores hoje do que eram 10 anos atrás.  Das 14% que estão crescendo, 13% estão simplesmente ajuntando as pessoas que deixam as igrejas que encolhem. Apenas 1% das igrejas americanas estão crescendo pelo aumento da conversão!

É por isso que eu ensino, “Nunca convide um membro de uma outra igreja para sua reunião de célula.” Eu digo aos meus alunos que é profundamente errado roubar ovelha de outros rebanhos para povoar os seus. Tão importante quanto isso, preencher um conjunto de cadeiras esvaziando um outro não vai melhorar a crise que enfrentamos!

Eu sinto muito se isso está te deprimindo. Há uma solução. A igreja original de Atos 2  nasceu em um mundo que conhecia muito pouco sobre Jesus. Ela virou o mundo de ponta cabeça no período de uma vida e iniciou um movimento do qual nos beneficiamos hoje. Meu novo livro, “Unmuted”: Restoring your Church’s Voice  (disponível no Amazon) explora quem eram aqueles primeiros cristãos e como eles faziam a diferença no mundo. Também é cheio de histórias de cristãos do século 21 que estão fazendo a diferença hoje.

Você não vai se juntar a mim para se tornar parte da solução? Vamos compartilhar a esperança que nós encontramos em Jesus com aqueles sem esperança a nossa volta.

Comentários?

Jim

Spanish blog:

Haciendo la Diferencia: Integración celular con gente perdida

Por Jim Wall

No importa dónde usted viva en el mundo, hay más gente a tu alrededor que no son parte de un Dios amante, que creen en la Biblia, o son de la iglesia cristiana. Las cifras son asombrosas. Menos del 30 % de los estadounidenses van a la iglesia en un fin de semana, menos del 20% de los canadienses, menos del 5 % de los europeos, etc. El impacto cultural es profundo. Estamos frente a una crisis de proporciones mundiales.

El movimiento de la iglesia celular proporciona una excelente solución. Muchos de los que han renunciado a la iglesia van a rechazar tu invitación a asistir a un servicio del fin de semana. Ellos aceptaran tu invitación para venir a tu casa a una reunión de amigos, incluso cuando esos amigos son creyentes y algunas de las conversaciones son sobre asuntos espirituales. Una vez allí, van a llegar a ver a los cristianos como realmente se preocupan por la otra. Van a ver a los auténticos cristianos que cuidan de las necesidades de la comunidad que les rodea. Van a llegar a ver a Jesús de una manera muy personal.

Tristemente, muchos cristianos que asisten a las iglesias celulares les resulta más fácil invitar a los cristianos de otras iglesias que construir puentes para las almas perdidas que les rodean. Como resultado, el 86% de las iglesias estadounidenses son más pequeñas hoy en día que hace 10 años atrás. De los 14% que están creciendo, el 13% simplemente están reuniendo a las personas que están saliendo de las iglesias que se reducen. Y Sólo el 1% de las iglesias estadounidenses están creciendo por el crecimiento de la conversión. 

Es por eso que yo enseño, “Nunca invite a un miembro de una iglesia de la zona a tu reunión celular” Yo les digo a mis alumnos que es muy equivocado el robar las ovejas de otros rebaños para poblar tu propia manada. Igual de importante, llenar un conjunto de sillas vaciando otra, esto se va a convertir en una crisis que enfrentamos en todo.

Lo siento si esto te resulta deprimente. Hay una solución. La iglesia original de Hechos 2, nació en un mundo que sabía muy poco acerca de Jesús. Torno el mundo al revés en una sola vida y comenzó un movimiento que nos beneficiamos hoy. Mi nuevo libro: Habla: Restaurando la voz de la Iglesia (disponible en Amazon) explora quienes fueron aquellos primeros cristianos y cómo hicieron una diferencia en el mundo. También está lleno de historias de cristianos del siglo 21 que están haciendo la diferencia en la actualidad.

¿Te gustaría unirte conmigo en formar parte a la solución? Vamos a compartir la esperanza que hemos encontrado en Jesús con los desamparados a nuestro alrededor.

¿Comentarios?

Jim

Let’s Be Normal

daphne

by Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Reaching the “unchurched” must be the focus for those who follow the One who came to seek and save the lost. Cell is community, where all are welcome unconditionally, and can connect easily with cell members and with their God

Sometimes we lose our sense of “being normal” when we are in any church setting. Our language changes, the way we relax, have fun, and we can become so detached from the world around us. Those who have no experience of church, kingdom language and “customs” can feel alienated from the people who care about them.

I was in the home of some very dear Muslim friends just last week. It was time for their “prayer.” They casually said to another lady and me, “Just keep chatting” as they put their prayer mats in the middle of the living room, prayed silently. When finished they simply carried on talking to me. It was all so natural and easy.  This has occurred many times when I have been in their homes.  I thought how wonderful it would be if we as Christians could be as natural and accommodating about the One True Living God.

I was in a cell where there were two new unbelievers. The cell leader suggested a time of prayer.  They looked at each other in horror. I quietly said, “don’t worry we are just chatting to Jesus.” They smiled, relaxed, and then one of them asked “can I chat too?” He then proceeded to chat in normal language–quite a contrast to the cell members who had all adopted “Christianese” language and stance.

Another occasion we had a 10-year old boy come into the house who had never been in a church setting. His family was into drugs, etc.   We were praying when he came in.  He looked around the door and asked what we were doing. After explaining  that we were chatting to Jesus and listening to what He had to say to us, I said, “Ask Jesus how much he loves you.” This young lad stopped for about 2 seconds and then said “I know! He told me He loves me more than I need water.” Amazing!

The first time I went into a public bar to ask directions, I looked around the door and was horrified. I had no idea where to go or who to ask. It was alien territory to me. At that moment I thought that this is what it must feel like when an unchurched person comes into our midst, no idea of the songs, how to pray, when to stand, when to sit, and how to find the verses in the bible. Culture shock!

So remember that integration means that we make the initial bridges that bring outsiders into the community of God.

Daphne

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Sejamos normais!

Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Alcançar os “sem-igreja” deve ser o foco daqueles que seguem o Único, que veio para buscar e salvar o perdido. A célula é uma comunidade, onde todos são bem vindos incondicionalmente, e podem conectar-se facilmente com os membros de célula e com seu Deus.

Algumas vezes nós perdemos nosso senso de “ser normal” quando estamos em qualquer cenário da igreja. Nosso linguajar, a maneira que relaxamos e nos divertimos, muda, e podemos nos tornar muito distantes do mundo ao nosso redor. Aqueles que não tem experiência de igreja, linguagem e “costumes” do reino podem não se sentir bem vindos pelas pessoas que se importam com eles.

Eu estava na casa de alguns amigos muçulmanos muito queridos semana passada. Era a hora da “oração” deles.  Eles casualmente disseram para uma outra moça e para mim, “Apenas continuem conversando”; enquanto colocavam seus tapetes de oração no meio da sala de estar , oravam silenciosamente. Quando terminaram eles simplesmente continuaram a conversar comigo. Foi tudo tão natural e fácil. Isso ocorreu muitas vezes em que eu estava em suas casas. Eu pensei no quão maravilhoso seria se nós como cristãos pudéssemos ser tão naturais e acomodativos em relação ao nosso Único e Verdadeiro Deus Vivo.

Eu estive em uma célula onde havia dois descrentes novos. O líder de célula sugeriu um tempo de oração. Eles olharam um para o outro horrorizados. Eu disse silenciosamente, “não se preocupem, nós apenas estamos conversando com Jesus”. Eles sorriram, relaxaram e então um deles perguntou, “posso conversar também?” Ele então começou a conversar em linguagem normal- um belo contraste com os membros de célula, que haviam adotado a língua e postura “cristãnesa.”

Em uma outra ocasião havia um garoto de 10 anos que entrou na casa  e que nunca tinha estado em um ambiente da igreja. Sua família era viciada em drogas, etc. Nós estávamos orando quando ele entrou. Ele olhou ao redor da porta e perguntou o que estávamos fazendo; depois de explicar que estávamos conversando com Jesus e ouvindo o que Ele tinha a dizer para nós, eu disse, “Pergunte a Jesus o quanto Ele te ama”. Esse jovem rapaz parou por cerca de 2 segundos e então disse, “Eu sei! Ele disse que me ama mais do que eu preciso de água”. Surpreendente!

A primeira vez que eu fui a um bar público para pedir direções, eu olhei ao redor da porta e fiquei horrorizada. Eu não tinha ideia de aonde ir ou a quem perguntar. Era território estranho para mim. Naquele momento eu pensei que é assim que deve se sentir uma pessoa sem igreja quando entra no nosso meio; não faz ideia das músicas, de como orar, quando se levantar e quando se sentar, como encontrar qualquer coisa na Bíblia etc. Um choque de cultura!

Então meu tema é… Para integrá-los nós devemos permanecer “normais” e conectados com a vida de onde eles vieram. Devemos ser aqueles que fazem a ponte que pode trazê-los mais facilmente para dentro da comunidade de Deus.

Daphne

Spanish blog:

Seamos normales

Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Alcanzar a los “sin iglesia” debe ser el énfasis para los que siguen a Aquel que vino a buscar y a salvar a los perdidos. La Célula es de la comunidad, donde todos son bienvenidos incondicionalmente, y se puede conectar fácilmente con los miembros de la célula y con Dios.

A veces perdemos nuestro sentido de “ser normales” cuando estamos en cualquier entorno de la iglesia. Nuestro lenguaje cambia, la forma en que nos relajamos, divertimos, y podemos llegar a estar tan separados del mundo que nos rodea. Los que no han experimentado la iglesia, el lenguaje reino y “costumbres” pueden sentirse alienados de las personas que se preocupan por ellos.

Yo estaba en la casa de unos amigos musulmanes muy queridos la semana pasada. Era el momento de su “oración”. Dijeron casualmente a otra señora y a mi “sigan hablando”, mientras ellos ponían sus alfombras de oración en medio de la sala, oraron en silencio. Cuando terminaron, simplemente siguieron hablando conmigo. Todo fue tan fácil y natural. Esto ha ocurrido muchas veces cuando he estado en sus casas. Pensé en lo maravilloso que sería si nosotros como cristianos podríamos ser tan naturales y complacientes acerca del único y verdadero Dios viviente.
Yo estaba en una célula donde habían 2 nuevos creyentes. El líder de la célula sugirió un tiempo de oración. Ellos se miraron con horror. En silencio dije: “no te preocupes sólo estamos conversando con Jesús” Se sonrieron, relajaron y entonces uno de ellos me preguntó “¿Puedo hablar también con él?” Luego el procedió a conversar en el lenguaje normal de – un gran contraste con los miembros de la célula que habían adoptado el lenguaje y la actitud de la “Cristiandad”.

En otra ocasión tuvimos a un niño de 10 años que entró a nuestra casa, el nunca había estado en un entorno de la iglesia. Su familia estaba en las drogas etc., Estábamos orando cuando él entró. El miró alrededor de la puerta y le preguntó lo que estábamos haciendo, después de explicarle que estábamos hablando con Jesús y escuchando lo que el tenía que decir a nosotros, le dije, “Pídele a Jesús lo mucho que te ama”. Este muchacho se detuvo durante 2 segundos y luego me dijo: ” ¡Lo sé! Me dijo que me ama más de lo que necesito agua”, ¡increíble!

La primera vez que fui a un bar público a pedir direcciones, miré alrededor de la puerta y estaba horrorizada. No tenía ni idea de dónde ir o a quién preguntar. Era un territorio extraño para mí. En ese momento pensé, esto es lo que debe sentir una persona inconversa cuando entra en medio de nosotros, ni idea de las canciones, cómo orar, cuando ponerse en pie y cuándo sentarse, cómo encontrar cualquier cosa en la Biblia, etc. ¡Un choque en la Cultura!

Así que mi tema es…. Para integrarlos debemos permanecer “normales” y conectados con la vida que vienen. Debemos ser los que hacemos el puente que puede llevarlos fácilmente a la comunidad de Dios.

Daphne

Don’t Steal Sheep

joel

by Joel Comiskey

The amazing thing about cell ministry is that lives are changed, spiritual gifts are discovered, people experience camaraderie in evangelism, and new disciple-makers are formed. When Sunday morning rolls around, those involved in cells are hungry to receive God’s Word because they are active in New Testament ministry. Naturally, those in the cell group want to invite everyone they know to experience the power of cell ministry. But should they invite everyone? No. Let me explain. Your cell ministry is for two classes of people:

  1. Those who are part of your local church.
  2. Those who are unchurched.

Allow me to be super clear here: Your cell group is not for people from other evangelical churches. This is called sheep-stealing and it’s unethical!!

If a person is part of another evangelical church, that person is under the authority and spiritual direction of that pastor and local church. If you are a cell leader, you need to respect that spiritual, God-ordained relationship and encourage that person to go back to his or her church to start a cell group or get involved in one of the church’s existing groups.

Cell members have the tendency to invite their fellow Christian friends and work associates to their own cell groups. After all, it’s easier to invite a friend and fellow Christian, rather than doing the hard work of getting to know an unbeliever or unchurched person. But filling up your cell group with Christians from other churches will eventually stagnate your cell group and cell ministry. Here’s why:

  1. The space problem. That person is filling up space in the group that should be taken by a member from your church or an unchurched person (non-Christian or person who doesn’t have a church home). Didn’t Jesus say that the harvest is plentiful? (Matthew 9). In most places around the world, there are plenty of people who need Jesus, and that’s a key reason why your group exists. I’ve seen many cells stagnate because they were dominated by people from other churches. Don’t allow this to happen!
  2. The direction problem. You can’t truly disciple a person from another church. For example, how are you going to take that person through your church’s discipleship equipping (i.e., training) that teaches your church’s doctrine, vision, and eventually leads to the person becoming a disciple-maker in one of your new cell groups? In other words, you can’t move forward with this person because he or she is already under the direction of another pastor, church, set of values, and vision (e.g., ministries, programs, doctrine, etc.)
  3. The vision problem. The person isn’t on the same page with you concerning direction, goals, and oftentimes doctrine. These differences often come up when talking about cell outreach, pastoral issues, or what is happening in your church’s Sunday celebration.
  4. The ethical problem. God has designed order and leadership in the local church (e.g., Hebrews 13:17; 1 Timothy 2&3) and you as a cell leader need to respect that order.

Granted, there are exceptions. We have found that some people “say” they attend the popular mega church, but in reality these people aren’t hooked in, don’t attend, and are sheep without a shepherd. They need to hook into a local church. Some people also attend churches who don’t preach the gospel and are not even saved. You need to get them involved in your local church. And remember that some might decide (by their own free will) to change churches and start attending both cell and celebration in your local church.

Let us remember that Jesus is desirous of reaching your city and discipling those who are part of the local church that he has established. Go after the unchurched and also diligently make disciples from your own local church. Although it might be easier to fill up your cell group with people from other churches, refuse the temptation to do so!

Comments?

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Não Roube ovelhas!

Por Joel Comiskey

O incrível do ministério celular é que vidas são transformadas, dons espirituais são descobertos, pessoas experimentam camaradagem no evangelismo, e novos fazedores de discípulos são formados. Ao domingo pela manhã, os que estão envolvidos em células estão famintos para receber a Palavra de Deus porque estão ativos no ministério do Novo Testamento. Naturalmente, aqueles dentro do grupo de célula querem convidar a todos que conhecem a experimentar o poder do ministério celular. Mas eles deviam convidar a todos? Não. Deixe-me explicar. Seu ministério celular é voltado para duas classes de pessoas:

1 Aqueles que fazem parte da sua igreja local

2. Aqueles que não tem igreja

Permita-me ser super claro aqui: Seu grupo de célula não é para pessoas de outras igrejas evangélicas. Isso é chamado de roubo de ovelhas é não é ético!!!

Se uma pessoa faz parte de uma outra igreja evangélica, ela está debaixo da autoridade e da direção espiritual daquele pastor e igreja local. Se você é um líder de célula, você precisa respeitar esse relacionamento espiritual ordenado por Deus e encorajar essa pessoa a voltar para igreja dele ou dela e a iniciar um grupo de célula ou a envolver-se em um dos grupos existentes na igreja.

Membros de célula têm a tendência de convidar seus companheiros, amigos e colegas de trabalho cristãos para seus próprios grupos de célula. Afinal, é mais fácil convidar um amigo e companheiro cristão, do que ter o trabalho difícil de conhecer um descrente ou uma pessoa que não tem igreja. Mas encher seu grupo de célula com cristãos de outras igrejas vai eventualmente estagnar seu grupo e ministério celular. Aqui está o por quê:

  1. O problema de espaço. Essa pessoa está enchendo espaço no grupo que deveria ser ocupado por um membro da sua igreja ou por uma pessoa que não pertence a nenhuma (não cristão ou pessoa que não tem uma igreja). Jesus não disse que a seara é grande? (Mateus 9). Na maioria dos lugares ao redor do mundo, há muitas pessoas que precisam de Jesus, e esse é o motivo chave para seu grupo existir. Eu vi muitas células estagnarem por terem sido dominadas por pessoas de outras igrejas. Não permita que isso aconteça!
  2. O problema da direção. Você não pode verdadeiramente discipular uma pessoa de uma outra igreja. Por exemplo, como você vai levar aquela pessoa através do equipamento de discipulado da sua igreja (isto é, treinamento) que ensina a doutrina, a visão da sua igreja, e eventualmente leva a pessoa a tornar-se um novo fazedor de discípulos em um de seus novos grupos de célula? Em outras palavras, você não pode mover-se adiante com essa pessoa porque ele ou ela já está debaixo da direção de um outro pastor, igreja, conjunto de valores, e visão (por exemplo, ministérios, programas, doutrina, etc.)
  3. O problema da visão. A pessoa não está na mesma página que você a respeito de direção, metas, e muitas vezes de doutrina. Essas diferenças muitas vezes surgem quando se fala sobre o alcance da célula, questões pastorais, ou o que está acontecendo na celebração de domingo da sua igreja.
  4. O problema ético. Deus planejou ordem e liderança na sua igreja local (por exemplo, Hebreus 13:17; 1 Timóteo 2 e 3) e você, como um líder de célula, precisa respeitar essa ordem.

Reconhecidamente, há exceções. Nós descobrimos que algumas pessoas “dizem” que frequentam as mega igrejas populares, mas na realidade essas pessoas não estão integradas, não frequentam, e são ovelhas sem um pastor. Elas precisam se integrar a uma igreja local. Algumas pessoas também frequentam a igrejas que não pregam o evangelho e não são sequer salvas. Você precisa envolvê-las em sua igreja local. E lembre-se que algumas podem decidir (por sua própria vontade) mudar de igreja e começar a frequentar tanto a célula quanto a celebração da sua igreja local.

Vamos nos lembrar de que Jesus está desejoso por alcançar sua cidade e discipular aqueles que são parte da igreja local que Ele estabeleceu. Vá atrás dos que não têm igreja e também faça discípulos da sua própria igreja local diligentemente. Embora possa ser mais fácil encher seu grupo de célula com pessoas de outras igrejas, recuse a tentação de fazê-lo!

Comentários?

Joel

Spanish blog:

No roben ovejas

Por Joel Comiskey

Lo más sorprendente del ministerio celular es que las vidas son cambiadas, los dones espirituales son descubiertos, las personas experimentan la camaradería en el evangelismo , y los nuevos hacedores de discípulos son formados. Cuando llega el domingo por la mañana, los que participan en las células están hambrientos de recibir la Palabra de Dios, ya que son activos en el ministerio del Nuevo Testamento. Naturalmente, aquellos en el grupo celular quieren invitar a experimentar el poder del ministerio celular. Pero ¿A caso se debe invitar a todos? No. Me explico. El ministerio celular es para dos clases de personas:

1. Los que son parte de tu iglesia local.

2. Los que están sin iglesia.

Permítame ser muy claro aquí: Tu grupo celular no es para la gente de otras iglesias evangélicas. Esto se llama robar ovejas y que ¡no es ético!

Si una persona es parte de otra iglesia evangélica, esa persona está bajo la autoridad y dirección espiritual de ese pastor e iglesia local. Si usted es un líder celular, necesitas respetar esa relación espiritual, ordenado por Dios y animar a esa persona a regresar a su iglesia para iniciar un grupo de células o participar en uno de los grupos existentes de la iglesia.

Los Miembros celulares tienen la tendencia a invitar a sus amigos, compañeros cristianos y compañeros de trabajo a sus propias células. Después de todo, es más fácil invitar a un amigo y a un hermano en Cristo, en lugar de hacer el trabajo duro de traer a una persona no creyente o sin iglesia. Pero el llenar tu grupo celular con cristianos de otras iglesias con el tiempo se estancará tu grupo y ministerio celular. He aquí por qué:

1. El problema de espacio. Esa persona esta tomando espacio en el grupo que debe ser tomado por un miembro de tu iglesia o una persona sin iglesia (inconversos o personas que no tienen una iglesia). ¿No dijo Jesús que la mies es mucha? (Mateo 9). En la mayoría de lugares de todo el mundo, hay muchas personas que necesitan a Jesús, y esa es una razón clave por la que existe en su grupo. He visto muchas células estancarse porque fueron dominadas por personas de otras iglesias. No permita que esto suceda.
2. El problema de dirección. No puedes realmente discipular a una persona de otra iglesia. Por ejemplo, ¿Cómo vas a llevar a esta persona a través del equipamiento del discipulado de su iglesia (es decir, formación) que enseña la doctrina de tu iglesia, la visión, y, finalmente, conduce a la persona a convertirse en un hacedor de discípulos, en uno de sus nuevos grupos celulares? En otras palabras, no se puede seguir adelante con esta persona porque él o ella ya están bajo la dirección de otro pastor, iglesia, o conjunto de valores y la visión (por ejemplo, los ministerios, programas, doctrina, etc.)

3. El problema de la visión. La persona no está en la misma página con usted en relación con la dirección, objetivos y muchas veces la doctrina. Estas diferencias a menudo surgen cuando se habla de difusión celular, temas pastorales, o lo que está ocurriendo en la celebración dominical de tu iglesia.

4. El problema ético. Dios ha diseñado el orden y el liderazgo en la iglesia local (por ejemplo, Hebreos 13:17, 1 Timoteo 2 y 3) y usted como líder celular debe respetar ese orden.

Por supuesto, hay excepciones. Hemos encontrado algunas personas que “dicen” que asisten a las grandes iglesias, pero en realidad estas personas no asisten y son ovejas que no tienen pastor. Necesitan conectarse en una iglesia local. Algunas personas también asisten a las iglesias que no predican el evangelio y ni siquiera son salvos. Tienes que traerlos a la iglesia local. Y recuerde que algunos podrían decidir (por su propia voluntad) a cambiar de iglesia y comenzar a asistir tanto la célula como la celebración en su iglesia local.

Recordemos que Jesús está deseoso de llegar a tu ciudad y discipular a aquellos que son parte de la iglesia local que él ha establecido. Vaya por los inconversos y también con diligencia haga discípulos de su propia iglesia local. Aunque podría ser más fácil llenar su grupo celular con personas de otras iglesias, ¡rechace la tentación de hacerlo!

¿Comentarios?

Joel