Important Principles of Discipleship Equipping (part 2)

angel

by Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Canary Islands, Spain

In order to have excellent discipleship equipping in the cell church, I think the following is a necessity:

A Fatherly Teaching

Romans 12:7 “If it is teaching, let him teach.” The meaning of “teaching” in this verse has the connotation of a father teaching a son. In other words, Paul is saying: If anyone has the gift of teaching, let him teach like a father that teaches his children. There are many that teach the Word but are not utilizing the “gift of teaching.” It is good to have knowledge, and I think we should have as much knowledge as possible, but as we give out that knowledge, it should be under the anointing of the Holy Spirit. If the knowledge you have is not under the Spirit, it will not edify. There is a lot of teaching that is just a transfer of knowledge, but it will not edify. In fact, it will not cause transformational change in the disciple. Those with the gift of teaching have the capacity of making the Word of God useful because it causes the Word to rebuke, correct, and train in righteousness as II Timothy 3:16 shows us. If a teacher does not do that, then he is not using the gift of teaching. Ray C. Stedman, a well-known pastor, said the following: “It is possible for a Christian to teach in his own ability, rather than in the spiritual anointing that comes with the gift of teaching. He can share a lot of information and knowledge but his teaching lacks power to bless and make his/hers students grow spiritually.” The teacher must build his/hers students as a father develops his sons ( I Cor. 2:10-16; II Tim. 2:2; I Tim. 5:17; I John 2:20, 27).

A Decentralized Teaching

Many churches have a centralized teaching. We had it that way at the beginning, but soon we realized we were strangling our training because people do not have much free time, and it became difficult to meet with them. We began to lose many of them. That led us to evaluate what we were doing and what we could do better. The Lord showed us Acts 5:42, “Day after day, in the temple courts and from house to house, they never stopped teaching and proclaiming the good news that Jesus is the Christ.” We realized that the church in Jerusalem had a decentralized teaching method and structured very much like a cell church. So we got busy, and we created a teaching for teachers to enable the person with the gift of teaching to start teaching in a way best suited for the cell church. Today we have over fifty homes where we train future leaders. Decentralization resulted in the multiplication of training centers.

Create a Culture of Training

If all the leaders, or a good number of them are directly involved in training, soon you have created a culture of training, and a very productive atmosphere of teaching. But in order for a leader to be involved in teaching in homes or cells, we must free him from his duties in the local church. Some leaders are so busy in the church that they do not have the time to train other leaders. Yet there are some things in the church that must be prioritized, and one of them is training. In my church, leaders know that they are not expected to attend any other activity of the church that takes place at the same time as the training. On the other hand, training is a discipline that requires all of the leader’s energy, which means that you have to constantly remind the leader of the importance of training and oversee their time so they do not get involved in activities that will rob them of time to train. Paul was watchful of Timothy and that is why he wrote II Timothy 4:2 “Preach the Word; be prepared in season and out of season; correct, rebuke and encourage with great patience and careful instruction.”

Comments?

Angel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Princípios importantes de Equipar o Discipulado (parte 2)

por Angel Manuel Hernandez,www.misionmoderna.com, Ilhas Canárias, Espanha

Para se ter um excelente discipulado equipado na igreja em células, penso que a seguinte lista é uma necessidade:

Um Ensinamento Paternal

Romanos 12:7 (…) ” Se é ensinar, ensine.” O significado de “ensinar” neste verso tem uma conotação de um pai ensinando um filho. Em outras palavras, Paulo está dizendo: Se alguém tem o dom de ensinar, então deixe-os ensinar como um pai ensina seu filho. Muitos ensinam a Palavra mas não utilizam o ” dom do ensino”.  É bom ter o conhecimento, e  eu penso que devemos conhecer o máximo possível, mas quando passamos, quando damos este conhecimento, deve ser sob a unção do Espírito Santo. Se o conhecimento não está sob a unção do Espírito, não vai edificar. Muitos ensinam apenas transferindo conhecimento, o que não edifica. De fato, não vai acontecer uma mudança transformacional no discípulo. Aqueles que tem o dom do ensino tem a capacidade the fazer a Palavra de Deus útil porque causa a palavra para repreender, corrigir e treinar em Justiça como vemos em II Timóteo 3:16. Se um mestre nãos faz isso, então ele não esta usando o dom do ensino. Ray C. Stedman, um pastor bem conhecido, disse o seguinte: ” É possível que um cristão ensine com sua própria habilidade, em vez de sob a unção do Espírito que vem com o dom do ensino. Ele pode compartilhar muita informação e conhecimento mas seu ensino tem falta de poder para abençoar e fazer com que seus alunos cresçam espiritualmente.” O mestre deve construir/ conquistar seus alunos assim como um pai desenvolve seus filhos. ( I Co 2:10-16; II Tm 5:17; I João 2:20-27).

Um Ensino Descentralizado

Muitas igrejas tem um ensino centralizado. Nós tínhamos assim no começo, mas logo percebemos que estávamos estrangulando nossa formação, porque as pessoas não tem muito tempo disponível, e assim tornava-se muito difícil encontrá-los. Nós começamos a perder muitos por isso.  Isso nos levou à avaliar o que estávamos fazendo e o que poderíamos melhorar. O Senhor nos mostrou Atos 5:42: ” Todos os dias, no tempo e de casa em casa, não deixavam de ensinar e proclamar que Jesus é o Cristo.” Nós percebemos então que a igreja em Jerusalém tinha um método de ensino descentralizado e estruturado de uma maneira muito parecida como uma igreja em célula. Então nós começamos o trabalho, e criamos uma formação para os professores, capacitando a pessoa com dom de ensino para ensinar de uma forma melhor adequada para a igreja em célula. Hoje temos mais de cinquenta casas nas quais ocorre o treinamento de futuros líderes. A descentralização resultou na multiplicação de centros de treinamento.

Crie uma Cultura de Formação/ Treinamento

Se todos os líderes, ou um bom número deles estejam diretamente envolvidos no treinamento, logo você terá uma cultura de formação, e uma atmosfera muito produtiva para o ensino. Mas, em ordem para que o líder se envolva no treinamento nos lares ou nas células, temos que liberá-lo de seus deveres na igreja local. Alguns  líderes ficam tão ocupados na igreja que não tem tempo para treinar outros líderes. Ainda assim há algumas coisas na igreja que devem ser priorizadas, e o treinamento/formação é uma delas. Na minha igreja,os  líderes sabem que não são esperados para atender nenhuma atividade na igreja que tenha o mesmo horário que o treinamento. Por outro lado, o treinamento/formação é uma disciplina que requer toda energia do líder, o que significa que terá que constantemente lembrar o líder da importância do treinamento e supervisionar seus horários para que ele não se envolva em atividades que vão roubar o tempo deles treinarem. Paulo foi vigilante de Timóteo e por isso que escrever em II Timóteo 4: 2 ” Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda paciência e doutrina”

Comentários?

Angel

Spanish blog:

Principios importantes en la capacitación

Para tener una buena capacitación de líderes dentro de una Iglesia celular del Yo encuentro siglo XXI, creo que es necesaria:

Un enseñanza paternal

“Romanos 12:7 …el que enseña, en la enseñanza”. La palabra enseñanza en este texto, arrastra el significado de “instruir como un padre a un hijo”. En otras palabras, Pablo está diciendo, “Si uno tiene el don de maestro, que enseñe como un padre enseña a sus hijos”. Hay muchos maestros de la palabra que lo que usan son sus conocimientos y no el don. Es bueno tener conocimiento, todo el que se pueda, pero ese conocimiento debe ser sometido al don, a la manifestación del Espíritu Santo a través de ese don. Cuando un conocimiento no es sometido al don, no edifica. Hay mucha enseñanza que es sólo conocimiento, no edifica, no provoca ningún cambio o acción. El don tiene la capacidad de hacer que la palabra de Dios sea útil, porque hace que la palabra redarguya, corrija, instruir en justicia, hace mas perfecto al los creyentes, los prepara para hacer buenas obras (2Tim. 3:16-17). Si un maestro no hace esto, no está usando el don de maestro. El conocido Pastor Ray C. Stedman dijo: “es posible que un cristiano tenga el talento para enseñar, pero que no tenga el don espiritual de la enseñanza. Él podría dar mucha información y conocimiento de hechos sobre la lección a su clase, pero a su enseñanza le faltaría el poder de bendecir, de hacer avanzar espiritualmente a sus estudiantes”. El maestro debe edificar a los oyentes, como un padre edifica a sus hijos (1Cor. 2:10-16; 2Ti. 2:2; 1Tim 5:17; 1Jun 2:20, 27).

Una enseñanza descentralizada

Muchas Iglesia tienen una enseñanza centralizada en las instalaciones de la Iglesia. Nosotros lo tuvimos así, pero al poco tiempo nos dimos cuenta que estábamos estrangulando la capacitación. Porque la disponibilidad de tiempo de la gente, es muy limitada. Se nos hacía muy difícil poder reunirlos y estábamos perdiendo a muchos. Y esto nos llevó a preguntarnos ¿que hacemos? Y el Señor nos mostró el texto de “Hechos 5:42 Y todos los días, en el templo y por las casas, no cesaban de enseñar y predicar a Jesucristo”. De este texto dedujimos que la Iglesia primitiva tenía la capacitación descentralizada, y estructurada de una manera celular. Así que nos pusimos manos a la obra y creamos un curso de docentes, que capacita a los líderes que tienen el don enseñanza, para poder impartir la capacitación de forma celular. Y hoy tenemos más de cincuenta hogares donde se capacita a los futuros líderes. Y el efecto de la descentralización, es una multiplicación de centros de capacitación.

Crear una cultura de capacitación

Si todos los líderes o un buen número de ellos está implicados directamente en la capacitación, se crea una cultura de capacitación, una atmósfera muy productiva de enseñanza. Pero para que los líderes pueden implicarse en la capacitación a domicilio o celular, debemos dejar de ocuparles en actividades del templo. Algunos líderes están tan implicados en actividades del Templo, que no tienen tiempo para capacitar a los nuevos. Hay cosas que en la Iglesia deben ser sagradas, intocables, y una de ellas es la capacitación. En mi Iglesia, los líderes saben que están excusados de cualquier actividad si les coincide con la capacitación. Por otro lado la capacitación es una disciplina, porque requiere esfuerzo por parte del líder para desarrollarla, eso significa que hay que estar recordándoles a los líderes permanentemente, la importancia de capacitar, y vigilando que no se enreden en otras actividades que les roben el tiempo para capacitar. Pablo estaba pendiente de timoteo en esto, por eso le escribió en “2Timoteo 4:2 Predica la Palabra; persiste en hacerlo, sea o no sea oportuno; corrige, reprende y anima con mucha paciencia, sin dejar de enseñar”.

To Adopt or Adapt?

joel

by Apostle Rafael Cruz Lora, www.concilioshekinah.org, Shekinah Church Santo Domingo, Dominican Republic

It is not easy to answer this question. Churches and experts in the cell vision have developed great discipleship equipping materials that take new believers all the way to leadership. Oftentimes, ministries feel the need to adopt these teaching materials, especially in the beginning. Ephesians 4:11-12 says, "And He Himself gave some to be apostles, some prophets, some evangelists, and some pastors and teachers, for the equipping of the saints for the work of ministry, for the edifying of the body of Christ."

A few factors helped me to developed our own brand and set of materials for our church"

1. Basic doctrine. New believers must be instructed on basic themes such as salvation, baptism, Trinity, 2nd coming of Christ among other things.

2. Discipleship. Themes include prayer, disciplines of the Christian life, and Christian character.

Five years ago we made the transition to cell-based ministry, and having a first-class discipleship equipping was necessary. Our doctrine has not change but our way of training our people has changed. We now have a new understanding of small group ministry and when we gather on Sunday, we view this as the gathering of the cell groups.

Initially we created our own discipleship equipping, but as the years have passed, we have learned to adopt, adapt and create. We have adopted some lessons with the permission of the author; we’ve adapted some new ways of teaching; and we’ve also created new material that we continually impart to our church. Our goal is to develop healthy leaders.

Be open to change and improvement as you equipping the next generation of leaders. Ask God for wisdom to choose what is right for your church.

God Bless you

Rafael

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

 Adotar ou Adaptar?

por Apóstolo Rafael Cruz Lora, www.concilioshekinah.org, Igreja Shekinah Santo Domingo, República Dominicana

Não é fácil responder essa questão. Igrejas e especialistas na visão celular têm desenvolvido ótimos materiais de equipamento para discipulado que novos crentes todo o caminho para a liderança. Muitas vezes ministérios sentem a necessidade de adotar esses materiais de ensino, especialmente no início. Efésios 4:11-12 diz, “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo.”

Alguns fatores me ajudaram a desenvolver a nossa própria marca e um conjunto de materiais para nossa igreja:

1. Doutrina básica. Novos crentes devem ser instruídos em temas básicos como a salvação, batismo, Trindade, Segunda Vinda de Jesus, entre outras coisas.

2. Discipulado. Os temas incluem oração, disciplinas da vida cristã e caráter cristão.

Há cinco anos nós fizemos a transição para o ministério baseado em células, e ter uma primeira classe de equipamento de discipulado era necessário. Nossa doutrina não mudou, mas nosso modo de treinar as pessoas sim. Agora nós temos um novo entendimento de ministério de pequenos grupos e quando nos reunimos no domingo, vemos isso como a reunião dos grupos celulares.

Inicialmente nós criamos nosso próprio equipamento de discipulado, mas com o passar dos anos, nós aprendemos a adotar, adaptar e criar. Nós adotamos algumas lições com a permissão do autor; nós adaptamos algumas novas formas de ensinar; e nós também criamos um novo material que concedemos continuamente para nossa igreja. Nosso objetivo é desenvolver líderes saudáveis.

Esteja aberto à mudança e ao aperfeiçoamento à medida que equipa a próxima geração de líderes. Peça a Deus sabedoria para escolher o que é correto para sua igreja.

Deus te abençoe.

Rafael

Spanish blog:

Adoptar o adaptar. Que es más recomendable para tu ruta de capacitación

por Rafael Cruz

No es tan fácil responder esta pregunta. Muchas iglesias y muchos expertos en la visión celular han desarrollado excelentes materiales para entrenar a los creyentes desde sus primeros pasos hasta encaminarlos al liderazgo de células. En este caso es una gran tentación y a la vez una bendición para iglesias y ministerios que no son fuertes en la enseñanza, adoptar inicialmente estos recursos didácticos.

Dios constituyó para el cuerpo de Cristo, a unos apóstoles, a otros profetas, a otros evangelistas, a otros pastores y maestros para perfeccionar a los santos para la obra del ministerio (Efesios 4:11). Adoptar en estos casos específicos pudiera ser una solución viable para muchas congregaciones.

Para la iglesia que pastoreamos hace 22 años ha sido diferente. Al experimentar la gracia de Dios y una fuerte inclinación a la enseñanza, hemos podido desarrollar nuestras propias lecciones o clases tomando en cuenta varios factores:

1. Factor doctrina básica. Entendimos que debíamos instruir a los nuevos creyentes en temas básicos como son la salvación, el bautismo en agua, la trinidad, la iglesia, segunda venida de Cristo, entre otros.
2. Factor de discipulado. Para nosotros esto implico que en nuestra ruta de capacitación incluir temas como la oración, el carácter y los principios de vida en un discípulo, como hacer otros discípulos, etc.

Escribimos 52 lecciones de enseñanza sobre el discipulado.

Debemos aclarar que aun la iglesia shekinah desarrollo esta escuela de formación de un año, fue hace 5 años aproximadamente que, al recibir y hacer la transición a la visión celular, hemos tenido que hacer reformas y cambios significativos en nuestro pensum. La doctrina es la misma, pero hemos tenido que introducir temas o lecciones que ayudan no solo a instruir discípulos, sino a entrenar líderes con relación al trabajo celular. Ejemplo de esto es que nuestra primera clase o lección para los nuevos creyentes es la celebración y la célula, la visión celular de la Iglesia.

Nuestra realidad es que inicialmente habíamos creado nuestra propia ruta de capacitación, pero con el paso del tiempo hemos combinado adoptar, adaptar y crear.

Adoptar algunas lecciones, con permiso de su autor. Adaptar ciertas dinámicas de clase y pedagogía. Y crear o seguir creando nuevos temas de enseñanzas y conferencias que hemos impartido en nuestra iglesia y que nos hemos dado cuenta que son importantes para desarrollar lideres sanos, Ejemplo, el principio de la lealtad y fidelidad.

Que es lo más recomendable? Pedir a Dios sabiduría para escoger lo más viable para su iglesia, y recordar que debe estar abierto a los cambios y mejoras en su ruta de capacitación. Dios les bendiga.

Discipleship IS Lifelong Learning

bill

by Bill Mellinger, Crestline First Baptist Church, http://www.crestlinefbc.com/

When I went to college, I remember thinking that I wanted to be a lifelong learner. Now I see how lifelong learning is also helpful for my health and my memory. The funny thing is that if I am going to live into my mid-eighties or longer, I have many years ahead of me. In fact, I still have a third of my life ahead of me. Wow! I have a lot more to learn and a lot more to do for the Lord.

I prefer the simple definition that a disciple is a learner. I want to learn how to become more like Jesus every day until I see Jesus face to face. I participate regularly in a cell, with people from our church and neighborhood because I want to keep growing and learning.

When we started our groups, we had every member go through Joel Comiskey’s Equipping Series. The training track occurred before the regular meeting. People were asked to go through the material before the meeting so that discussion was focused on their personal responses. We found that even the mature believers valued these sessions. While much of Comiskey’s Equipping is focused on foundational lessons, we must never should forget that the basics are important! Hall of Fame coach Vince Lombardi once held up a football to champion Green Bay Packers and said, “Gentleman, this is a football.” His gesture was a reminder to never forget the basics. We learn and then we must “relearn.”

More recently in my lifelong learning quest, I’ve been encouraged by Jim Putnam’s book, Real Life Discipleship. Putnam writes, “Discipleship demands intentionality and relationship—by which each person is invested in specifically.” I believe we need to see discipleship in the relationships we have with other people, the one-on-one conversations, the prayers, and the leadership opportunities. Our relationships matter and need to be focused on becoming mature in Christ.

I conclude with some thoughts from Joel’s book, Making Disciples In The Twenty-First Century Church. “Cell ministry isn’t primarily about the cell but making disciples who are molded, shaped, and transformed through the cell system. As leaders understand this process, a new, purer motivation develops that compels the pastor forward because of a new understanding of the why of cell ministry. Understanding that the cell strategy is primarily about making disciples places cell ministry within the biblical framework and encourages pastors to stop focusing on outward models and to prioritize a secure biblical anchor for ministry.”

Comments?

Bill

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Discípulo É Aprendizagem Vitalícia

por Bill Mellinger, Primeira Igreja Batista de Crestline, http://www.crestlinefbc.com/

Quando fui para a faculdade, eu me lembro de pensar que eu queria ser um aprendiz vitalício.  Agora vejo como a aprendizagem vitalícia é também útil para a minha saúde e minha memória. O engraçado é que, se eu for viver até os meados dos anos oitenta ou mais, tenho muitos anos pela frente. Na verdade, eu ainda tenho um terço da minha vida pela frente. Wow! Eu tenho muito mais a aprender e muito mais a fazer para o Senhor.

Eu prefiro a simples definição de que um discípulo é um aprendiz. Eu quero aprender a como me tornar mais como Jesus todos os dias até que eu veja Jesus face a face. Eu participo regularmente de uma célula, com pessoas da nossa igreja e vizinhança porque eu quero continuar crescendo e aprendendo.

Quando começamos nossos grupos, fizemos cada membro passar pela Série de Equipagem do Joel Comiskey. O trilho de treinamento ocorreu antes do encontro regular. As pessoas foram convidadas a passar pelo material antes da reunião, de modo que a discussão fosse focada em suas respostas pessoais. Nós descobrimos que até os crentes maduros valorizavam essas sessões. Embora grande parte da Equipagem do Comiskey seja focada nas lições fundamentais, nunca devemos nos esquecer de que as básicas são importantes! O treinador Vince Lombardi do Hall da Fama uma vez levantou uma bola de futebol ao campeão Green Bay Packers e disse, “Cavalheiro, isso é uma bola de futebol”. Seu gesto foi uma lembrança para nunca esquecer-se do básico. Nós aprendemos e então devemos reaprender.

Mais recentemente na minha questão de aprendizagem vitalícia, tenho sido encorajado pelo livro Discipulado da Vida Real, de Jim Putnam. Putnam escreve “Discipulado exige intencionalidade e relacionamento- pelo qual cada pessoa é investida especificamente.” Eu acredito que nós precisamos enxergar discipulados nos relacionamentos que temos com outras pessoas, nas conversas um a um, nas orações, e nas oportunidades de liderança. Nossos relacionamentos são importantes e precisam ser focados em tornarem-se maduros em Cristo.

Eu concluo com alguns pensamentos do livro de Joel, Fazendo Discípulos no Século Vinte e Um. “O ministério celular não é principalmente sobre a célula, mas sobre fazer discípulos que sejam moldados, formados e transformados através do sistema celular. À medida que os líderes entendem esse processo, uma nova e mais pura motivação é desenvolvida, que compele o pastor adiante devido a um novo entendimento do porquê do ministério celular. Entender que a estratégia celular é principalmente sobre fazer discípulos coloca o ministério de células dentro do quadro bíblico, e encoraja os pastores a pararem de focar em modelos externos e a priorizar uma âncora bíblica segura para o ministério.

Comentários?

Bill

Spanish blog:

Discípulos ES Aprendizaje de por vida

Por Bill Mellinger, Crestline Primera Iglesia Bautista, http://www.crestlinefbc.com/

Cuando fui a la universidad, recuerdo pensar que quería ser un aprendiz de por vida. Ahora veo cómo el aprendizaje de por vida es también útil para mi salud y mi memoria. Lo graciosos es que si voy a vivir a los ochenta años o más, tengo muchos años por delante de mí. De hecho, todavía tengo un tercio de mi vida delante de mí. ¡Wow! Tengo mucho que aprender y mucho por hacer para el Señor.

Yo prefiero la definición simple que un discípulo es un aprendiz. Quiero aprender cómo llegar a ser más como Jesús todos los días hasta que vea a Jesús cara a cara. Participo regularmente a una célula, con la gente de nuestra iglesia y del barrio, porque quiero seguir creciendo y aprendiendo.

Cuando empezamos nuestros grupos, teníamos a todos los miembros yendo por la Serie de equipamiento de Joel Comiskey. La pista de entrenamiento se produjo antes de la reunión ordinaria. Se pidió a la gente a ir a través del material antes de la reunión para que la discusión se concentrará en sus respuestas personales. Hemos encontrado que incluso los creyentes maduros valoran estas sesiones. Aunque gran parte de Equipamiento de Comiskey se concentra en las lecciones fundamentales, nunca debemos olvidar que los fundamentos son importantes. Un entrenador muy famoso Vince Lombardi una vez levantó un balón de fútbol al campeón Green Bay Packers y dijo: “Señores, este es un partido de fútbol” Su gesto fue un recordatorio para no olvidar nunca lo básico. Aprendemos y luego debemos “volver a aprender”.

Más recientemente, en mi vida la búsqueda de aprendizaje, he sido alentado por el libro de Jim Putnam, Discipulado de la Vida Real. Putnam escribe: “El discipulado exige intencionalidad y relación en la que cada persona se invierte en forma específica.” Creo que tenemos que ver el discipulado en las relaciones que tenemos con otras personas, las conversaciones de uno -a-uno, las oraciones y las oportunidades al liderazgo. Nuestras relaciones son importantes y necesitan ser enfocados en llegar a la madurez en Cristo.

Concluyo con algunas ideas del libro de Joel, Haciendo Discípulos En La Iglesia del Siglo XXI. “El ministerio celular no es primario de la célula, sino hacer discípulos que se moldean en forma, y se transforman a través del sistema celular. Como líderes entendemos este proceso, una nueva, pura motivación que desarrolla, forza al pastor a seguir adelante debido a una nueva comprensión del porqué del ministerio celular. Entendiendo que la estrategia celular se basa principalmente en hacer discípulos, hacer ministerios celulares dentro del marco bíblico y alentar a los pastores a dejar de concentrarse en los modelos externos y dar prioridad a un anclaje seguro para el ministerio bíblico”.

¿Comentarios?

Bill

Keeping the End in View

robert

by Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil

No matter what you call it–discipleship, equipping, training, and so forth, the goal is always to take the new believer from immaturity, to maturity, and from maturity to leadership and multiplication ministry. Many discipleship materials have been written for cell churches in the last thirty years. The question to be asked in preparing an equipping/discipleship track is: Do we have a clear “end view” or image of the disciple once we are finished? Without this, we are practicing “benign neglect,” as Ralph Neighbour would say.

Normally when we set up our curriculum, we think first on the intellectual content we want our disciple to know, such as Bible knowledge. Then we might focus on skills and only later do we think about character, if there is time left. Yet the great commission tells us to teach our disciples to obey.  The problem is not being able to check if our disciples are obeying or not during the week. Many are not even aware of this fundamental factor. Our main emphasis always has been on knowledge. In discipleship equipping, the right order should be: character (obedience) first, then skills and then knowledge.

It is very important to know if our discipleship equipping delivers everything we expect our disciple to be after he or she is finished. We have to have a clear profile of how our disciple should look like. Then, we should work backwards and prepare our curriculum accordingly.

May God help us make obedient disciples that can reproduce themselves.

Comments?

Robert

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Mantendo o Final Em Vista

por Robert Lay, Ministério Igreja em Células Brasil

Não importa como você chame- discipulado, equipagem, treinamento, e assim por diante, o objetivo é sempre levar o novo crente da imaturidade à maturidade, e da maturidade à liderança e ao ministério de multiplicação. Muitos materiais sobre discipulado foram escritos para igrejas em células nos últimos trinta anos. A pergunta a se fazer na preparação de um caminho de equipagem/discipulado é: Nós temos uma clara “visão final” ou imagem do discípulo uma vez que terminamos? Sem isso, estamos praticando “negligência benigna”, como Ralph Neighbour diria.

Normalmente quando montamos nosso currículo, pensamos primeiro no conteúdo intelectual que queremos que nosso discípulo saiba, como conhecimento bíblico. Então podemos nos focar em habilidades e só depois pensamos sobre caráter, se sobrar algum tempo. No entanto, a Grande Comissão nos diz para ensinar nossos discípulos a obedecer. O problema é não ser capaz de verificar se nossos discípulos estão obedecendo ou não durante a semana. Muitos nem sequer estão cientes desse fator fundamental. Nossa principal ênfase sempre foi no conhecimento. Na equipagem de discipulado, a ordem correta deveria ser: caráter (obediência) em primeiro lugar, então habilidades e depois conhecimento.

É muito importante saber se nossa equipagem de discipulado oferece tudo que esperamos que nosso discípulo seja após ele ou ela se tornar um discípulo totalmente amadurecido. Nós precisamos ter um claro perfil de como nosso discípulo deve se parecer. Então, devemos voltar ao início e preparar nosso currículo de acordo.

Que Deus nos ajude a fazer discípulos obedientes que possam se reproduzir.

Comentários?

Robert

 

Spanish blog:

Manteniendo el final a la Vista

Por Roberto Lay, Iglesia Celular Ministerio Brasil

No importa cómo lo llames – discipulado, equipamiento, capacitación, y así sucesivamente, el objetivo es siempre tomar al nuevo creyente de la inmadurez, a la madurez, y de la madurez al liderazgo y el ministerio de multiplicación. Muchos materiales de discipulado se han escrito para las iglesias celulares en los últimos treinta años. La pregunta que debe hacerse en la preparación de una pista de equipamiento/discipulado es: ¿Tenemos claro “la vista al final” o la imagen del discípulo una vez que hemos terminado? Sin esto, estamos practicando “negligencia benigna”, como Ralph Neighbour diría.

Normalmente, cuando establecimos nuestro plan de estudios, pensamos primero en el contenido intelectual que queremos que nuestros discípulos conozcan, tales como el conocimiento de la Biblia. Entonces podríamos concentrarnos en las competencias y más tarde pensamos en el carácter, y si queda tiempo. Sin embargo, la gran comisión nos dice que debemos enseñar a nuestros discípulos a obedecer. El problema no es ser capaz de comprobar si nuestros discípulos obedecen o no durante la semana. Muchos ni siquiera son conscientes de este factor fundamental. Nuestro énfasis principal ha sido siempre en el conocimiento. En el equipamiento del discipulado, el orden correcto debería ser: carácter (obediencia) en primer lugar, a continuación, habilidades y luego el conocimiento.

Es muy importante saber si nuestro equipamiento de discipulado ofrece todo lo que esperamos de nuestro discípulo a ser, después de que él o ella hayan terminado. Tenemos que tener un perfil claro de cómo nuestro discípulo debe verse. Entonces, debemos trabajar hacia atrás y preparar nuestro plan de estudios correspondiente.

Que Dios nos ayude a hacer discípulos obedientes que pueden reproducirse a sí mismos.

¿Comentarios?

Robert

A Simple Route

mario

by Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

For several years I had heard that one of the best Leader’s Routes (discipleship equipping) in the world was Little Falls Christian Centre of Pastor Harold Weitsz in South Africa. In several countries I heard this was an excellent leader’s Route that other cell churches had adopted.

To my surprise, a few years later, the same Pastor Harold Weitsz decided to invite me to teach about the cell work at his church in Johannesburg. During one of the days of the conference, we were in his office and he looked me right into the eyes and said, "I would like to know about your Leader’s Route." I knew he had one of the best routes on the planet and ours was actually a short and simple course. I was embarrassed to show him our route since I thought he was looking for something better than what he already had. I tried to excuse myself saying: "Our Route is very simple; it is not very elaborated."

My surprise was that he replied as if it were a great discovery: "Simple! That’s what we need! Something that is very simple!" he said.

Then he began to tell me how he thought that one of the difficulties of his Route was that it was not simple enough to deliver the expected results. After that, he no longer insisted on knowing our route. I think he had found what he wanted: the word “simple.” After that conversation with Pastor Harold Weitsz, I realized that a fundamental principle is that the Route should be kept simple, and I didn’t feel so embarrassed anymore for our simple route. You need something practical and easy that delivers to the new believers the basics of cell work without complications.

Comments?

Mario

[JCG note: Mario Vega’s "Leader’s Route" is available on kindle, apple, Barnes & Noble, etc. You can also purhcase the print form HERE or in PDF format HERE

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Uma Rota Simples

por Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

Por muitos anos eu ouvi que uma das melhores Rotas de Líderes (equipagem de discipulado) no mundo era Little Falls Christian Centre do Pastor Harold Weitsz na África do Sul. Em muitos países ouvi que era uma excelente Rota de Líderes que outras igrejas em células adotaram.

Para a minha surpresa, alguns anos mais tarde, o mesmo pastor Harold Weitsz decidiu me convidar para ensinar sobre o trabalho em célula na sua igreja em Joanesburgo. Durante um dos dias da conferência, estávamos no seu escritório e ele me olhou dentro dos olhos e disse: “Gostaria de saber sobre sua Rota de Líderes”. Eu sabia que ele tinha uma das melhores rotas do planeta e a nossa era na verdade um caminho simples e curto. Estava envergonhado de mostrá-lo nossa rota visto que ele estava procurando algo melhor do que ele já tinha. Eu tentei me esquivar dizendo: “Nossa Rota é muito simples; não é muito elaborada”.

Minha surpresa foi que ele respondeu como se fosse uma grande descoberta: “Simples! É disso que precisamos! Algo muito simples!” Ele disse.

Então ele começou a me falar como ele pensava que uma das dificuldades da Rota dele era que não era simples o suficiente para entregar os resultados esperados. Depois disso, ele não mais insistiu em saber da nossa rota. Eu acho que ele encontrou o que ele queria: a palavra “simples”. Depois daquela conversa com o Pastor Harold Weitsz, percebi que um princípio fundamental é que a Rota deve ser mantida simples, e eu não me sinto mais tão envergonhado pela nossa simples rota. Você precisa de algo prático e fácil para entregar aos novos converstidos, o básico do trabalho em células sem complicações.

Comentários?

Mario

Spanish blog:

Una Ruta Simple

por Mario Vega

Por varios años había escuchado que una de las mejores Rutas del Líder que había en el mundo era la de Little Falls Christian Centre del pastor Harold Weitsz en Sur África. En varios países había escuchado que se trataba de una excelente Ruta del Líder que otras iglesias celulares habían adoptado.

Para mi sorpresa, unos años después, el mismo pastor Harold Weitsz decidió invitarme para que enseñara sobre el trabajo celular en su iglesia de Johannesburgo. Durante uno de los días de enseñanza nos encontrábamos en su oficina cuando viéndome a los ojos me dijo: -Me gustaría conocer su Ruta del Líder-

Yo sabía que él tenía una de las mejores rutas del planeta y la nuestra era en realidad un curso corto y sencillo. En verdad, me daba pena que conociera nuestra ruta ya que de seguro él buscaba algo mejor que lo que ya tenía. Traté de excusarme diciéndole: -Nuestra ruta es muy simple, no es algo tan elaborado-

Mi sorpresa fue que él dijo como si fuera un gran descubrimiento: -¡Simple! ¡Eso es lo que se necesita! ¡Algo que sea muy simple!-

Luego comenzó a contarme como él pensaba que una de las dificultades de su ruta era que no era lo suficientemente simple como para dar los resultados esperados. Después de eso, ya no insistió en conocer nuestra ruta. Creo que ya había encontrado lo que deseaba: la palabra “simple”. Después de esa conversación con el pastor Harold Weitsz comprendí que un principio fundamental de la ruta es que se debe conservar sencilla y ya no me sentí tan apenado de nuestra ruta simple. Se necesita algo práctico, fácil y que entregue a los nuevos creyentes los elementos básicos del trabajo celular sin complicaciones.

[nota de Joel Comiskey Group: La Ruta de Líder de Elim está disponible en kindle, apple, etc. También, puede comprar el libro ACA o en el formato de PDF ACA.

Important Principles of Discipleship Equipping (part 1)

angel

by Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Canary Islands, Spain

In order to have good training in the cell church, an encounter in the XXI century, I think the following is a necessity:

A Simple Equipping

At the bookstores of any European airport, you will find religious and pseudo religious books. This is strange because Europe wants to project the image of a secular, non-religious continent. However, the roots of Christianity are so deep in Europe that as hard as the politicians might try, they will never erase our culture and our Christian values from society. According to J.H.H. Weiler, the real problem is a “Christ phobia.” People in Europe blame Christianity for many things such as the holocaust, the moral restrictions, excessive capitalism, imperialism, power ambitions, the political right, hindering scientific research and so forth. In spite of all this, many young Europeans find that Christianity is the only true “authentic revolution.” This means that we have people that have received salvation but have a very wrong idea of who Christ is and what His teachings are. That is one of the reasons why I think that having a clear discipleship equipping route is so important and must be kept simple and clear.

A Basic Teaching

Because of the Christ phobia so prevalent in society, many pastors teach scatter their theology in too many directions, trying unsuccessfully to rescue those that are disillusioned with Christianity. This is very dangerous because it becomes a theological cocktail that has more to do with the thinking of the world and leads people astray from the basic knowledge of Christianity. That is why our training has to be as basic as possible, so that the new convert will have strong values, and that they will be able to withstand heresy.

An Equipping that is Worth Imitating

People are tired of a Christianity of mere words or a Christianity that is based on sermons and conferences. People want to see something–not necessarily signs and miracles but a Christianity that is relevant in the life of the Christian. That is why I suggest that we need a training that will imitate a Christian lifestyle. Jesus said: “It is enough for the student to be like his teacher¨(Matthew 10:25). That only means that the training depends on imitation. It is the imitation of a lifestyle what will produce authentic disciples of Christ. We must live a life that is worth imitating if we want to create new workers and leaders. The more our life is worth imitating, the more leaders we will be able to create. That is why a person that is training leaders cannot have a secluded life, or an independent life, but must be sociable and as close as possible to the student. That was the reason why Jesus chose his 12 disciples, “so they might be with him” says Mark 3:13. They had to be with him, so they could imitate his lifestyle, because Jesus did not lead the life e of a super hero. Rather, he lived a simple life, easy to imitate. The disciples spent 24 hours a day with Jesus. Can our disciples spend 24 hours with us? Probably not because we have so many things in our lives of which we are ashamed of. Jesus had nothing in his life that he needed to hide and that is why he had success in his leadership. If we want to form many disciples, we need to get rid of the hidden dark areas of our lives. Paul writes to Timothy “A workman who does not need to be ashamed …” (II Timothy 2:15).

Comments?

Angel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Princípios Importantes da Equipagem do Discipulado (parte 1)

por Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Ilhas Canário, Espanha

Para se ter um bom treinamento na igreja em célula, um encontro no século XXI, eu acho que o que segue é uma necessidade:

Uma Amostra de Equipagem

Em livrarias de qualquer aeroporto Europeu você encontra livros religiosos e pseudo religiosos. Isto é entranho porque a Europa quer projetar a imagem de um continente secular e não religioso. Entretanto, as raízes do Cristianismo são tão profundas na Europa que, por mais que os políticos tentem, ele nunca apagarão nossa cultura e nossos valores Cristãos da sociedade. Segundo J.H.H. Weiler, o real problema é uma “Cristofobia”. Pessoas na Europa culpam o Cristianismo por muitas coisas, tais quais o holocausto, as restrições morais, capitalismo excessivo, imperialismo, ambições de poder, os direitos políticos, dificultadores de pesquisas científicas e mais. Apesar de tudo isso, muitos jovens Europeus acham que o Cristianismo é a única verdade “revolução autêntica”. Isto significa que nós temos pessoas que receberam a salvação mas tem uma ideia muito errada de quem Cristo é e quais são Seus ensinamentos. Esta é uma das razões pela qual eu acho que ter uma rota de equipagem para o discipulado clara é tão importante e deve ser simples e clara.

Um Ensinamento Básico

Por causa da Cristofobia tão predominante na sociedade, muitos pastores ensinam disseminar sua teologia em muitas direções, tentando, sem sucesso,resgatar aqueles que se desiludiram com o Cristianismo. Isso é muito perigoso porque se torna um coquetel teológico que tem muito mais a ver com o modo de pensar do mundo e que afasta as pessoas dos conhecimentos básicos do Cristianismo. É por isso que nosso treinamento deve ser o mais básico possível, para que o novo convertido tenha fortes valores, e que eles sejam capazes de resistir a heresia.

Uma Equipagem que Vale a Pena Imitar

As pessoas estão cansadas de um Cristianismo de meras palavras ou um Cristianismo que é baseado em sermões e conferências. Pessoas querem er algo – não necessariamente sinais e milagres mas um Cristianismo que é relevante na vida deo Cristão. É por isso que eu sugiro que precisamos de um treinamento que imitará um estilo de vida Cristão. Jesus disse: “Basta aos alunos serem como seus mestres” (Mateus 10:25). Isto apenas significa que o treinamento depende da imitação. É a imitação de um estilo de vida que produzirá discípulos autênticos de Cristo. Precisamos viver uma vida que vale a pena ser imitada se quisermos criar novos trabalhadores e líderes. Quanto mais da nossa vida valer ser apena imitada, mais líderes serão capazes de criar. É por isso que uma pessoa que está treinando líderes não pode ter uma vida reclusa, ou uma vida independente, mas deve ser sociável e o mais próximo possível dos alunos. Este foi o motivo que Jesus escolheu seus 12 discípulos, “para que eles pudessem estar com ele” diz Marcos 3:13. Eles deviam estar com ele, para que eles pudessem imitar seu estilo de vida, porque Jesus não liderou a vida de um super herói. Ao invés disso, ele viveu uma vida simples, fácil de ser imitada. Os discípulos passaram 24 horas por dia com Jesus. Os nossos discípulos podem passar 24 horas conosco? Provavelmente não porque temos muitas coisas nas nossas vidas das quais temos vergonha. Jesus não tinha nada na sua vida que ele precisava esconder e é por isso que ele teve sucesso na sua liderança. Se nós quisermos formar muitos discípulos, precisamos nos livrar das áreas escuras e escondidas das nossas vidas. Paulo escreve a Timóteo “O obreiro que não tem do que se envergonhas…”(II Timóteo 2:15).

Comentários?

Angel

Spanish blog:

Principios importantes en la capacitación

por Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com,

Para tener una buena capacitación de líderes dentro de una Iglesia celular del Yo encuentro siglo XXI, creo que es necesaria:

Una enseñanza sencilla

En las estanterías de los libros más vendidos en las librerías de los aeropuertos europeos, figuran los libros de temática religiosa o pseudoreligiosa. Sin embargo eso contrasta con la imagen que quiere dar Europa de sociedad laica y secularizada. Las raíces del cristianismo son tan profundas en Europa, que por más que lo intenten los políticos, nunca podrán borrar nuestra cultura ni nuestros valores cristianos de nuestra sociedad. Lo que si está consiguiendo este secularismo, es lo que denomina uno de los más estudiosos de la convergencia europea, J.H.H. Weiler, como cristofobia. La gente en Europa acusa al cristianismo de muchas cosas, por ejemplo de un mal comportamiento con respecto al holocausto, de restricciones morales, de excesos del capitalismo y el imperialismo, de ambiciones de poder, de ser la derecha política, de restringir la libertad o la ciencia, etc. Pero a pesar de eso, muchos jóvenes europeos, encuentran en el cristianismo la auténtica revolución. Y toda esta realidad hace que nos encontremos con unos recién convertidos, muy desinformados, con respecto a Cristo y sus enseñanzas. Esa es una de las razones por la que veo que en estos tiempos, la capacitación debe ser lo más sencilla posible.

Una enseñanza básica

Toda esta cristofobia que tiene la gente, lleva a muchos pastores a irse en pos de una teología que marche en todas las direcciones, con el fin de rescatar a los decepcionados con el cristianismo. Y eso es muy peligroso, porque crea una teología cóctel, que está ajustada y adobada al mundo de hoy, y que lleva en definitiva a apartarse del cristianismo más básico y elemental. Por eso es muy importante que la capacitación sea lo más básica posible, para que los nuevos cristianos tengan unos valores tan fuertes, que les ayude a enfrentar tanta herejía reinante.

Una enseñanza imitable

La gente está harta de un cristianismo de palabras, de un cristianismo basado en sermones y charlas. La gente quiere ver, pero no de milagros y prodigios, sino de un cristianismo verdadero en la vida de quienes lo profesan. Por eso hoy mas que nunca se hace necesaria una enseñanza basada en la imitación de un estilo de vida. Jesús dijo: ”bástale al discípulo ser como su maestro…” (Mateo 10:25), y eso no significa otra cosa, que la capacitación depende de la imitación. Es la imitación de un estilo de vida, la que crea auténticos discípulos de Cristo. Debemos tener un estilo de vida imitable si queremos crear nuevos obreros o líderes. Y cuanto más imitable sea nuestro estiló de vida, más líderes crearemos. Por eso, la vida de un formador de líderes no puede ser una vida aislada, ni independiente, debe ser lo más sociable y cercana posible. Esa fue la razón por la que Jesús escogió sus doce discípulos, “para que estuvieran con él” dice Marcos 3:13. Tenían que estar con el para poder imitar su estilo de vida. Porque Jesús no tenía un estilo de vida de súper hombre, sino un estilo de vida simple y sencillo, muy imitable. Los discípulos pasaban con Jesús prácticamente las 24 horas del día. ¿Pueden pasar los discípulos 24 horas con nosotros? Seguramente que no, porque tenemos muchas cosas de las que avergonzarnos. Sin embargo Jesús no tenía nada en sí mismo de lo que avergonzase, y ese fue el éxito de su liderazgo. Si queremos formar muchos discípulos debemos hacer desaparecer de nuestra vida todas esas cosas que nos avergüenzan, como dice 2 Timoteo 2:15 “Procura con diligencia presentarte a Dios aprobado, como obrero que no tiene de qué avergonzarse…”.

Small Group Leaders – the second level of training

joel

by Apostle Rafael Cruz Lora, www.concilioshekinah.org, Shekinah Church Santo Domingo, Dominican Republic

Many churches around the world are expecting transformation in their discipleship equipping, just like Scripture tells us in Romans 12:2: ¨Be transformed by the renewing of the mind¨ Romans 12:2.”

We as a church also experienced transformation a few years ago by taking our bible study institute and changing it into a power house of making leaders, soul winners, and passionate small group faciltators. We decided to call it ¨Carmel mountain school of ministry.¨ We divided our mountain in three levels of training:

  • Discipleship
  • Leadership
  • Theology

1st level Discipleship: at the bottom of the mountain, the new believers go from baptism to deliverance boot camps, experiencing bible learning and Holy Spirit understanding. All this is happening while the person is attending a cell group near them. The entire first level process takes about 9 months, just the amount of time a baby takes to come out of the womb and be ready for new life.

2nd level Leadership: at the midpoint in our mountain, we focus our leaders on effectiveness, growth, team building, and character development. At this level we identify and assign future supervisors. This process takes about 12 months.

3rd level, Theology: at the top of the mountain our leaders get in-depth study of theology for 12 months. After completing these exhaustive courses, our leaders are ready for missionary and pastoral positions.

As a pastor I must admit that changes are difficult, but the process has helped us grow as a church. I don’t have all the answers, but Jesus does. I don’t know everything, but Jesus does, I cannot do everything around our church, but Jesus can. I´m not capable of teaching everybody the right way, but, you guessed it, Jesus can and will.

As a church, let us not be conformed by this world but instead, let´s push the boundaries of learning to the highest levels. Let us not settle for less, but rather, let´s build communities of the King. Let´s achieve all that God has entrusted us to do. And most of all, let´s keep Jesus the center of it all.

Let us not claim that we have reached the mountain top, because we haven´t. Let´s allow Gods word to continually renew our minds.

God Bless you from Shekinah Church Santo Domingo, Pastor Rafael Cruz.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Líderes de Grupos Pequenos – o Segundo nível de treinamento

Pelo Apóstolo Rafael Cruz Lora, www.concilioshekinah.org, Igreja Shekinah Santo Domingo, República Dominicana

Muitas igrejas ao redor do mundo estão esperando transformação na equipagem do seu discipulado, como diz a Escritura em Romanos 12:2: “Transformem-se pela renovação da sua mente”.

Nós, como igreja, também experimentamos transformação há alguns anos pegando nosso instituto bíblico e transformando-o em uma casa poderosa de fazer discípulos, ganhadores de almas e facilitadores de células apaixonados. Nós decidimos chamá-lo de “Monte Carmel escola ministerial”. Dividimos nosso monte em três níveis de treinamento.

  • Discipulado
  • Liderança
  • Teologia

1o nível, Discipulado: na base da montanha, os novos convertidos vão do batismo ao campo de libertação, experimentando o aprendizado bíblico e o entendimento do Espírito Santo. Tudo isso acontece enquanto a pessoa atende a uma célula próxima a ela. Todo o processo do primeiro nível leva 9 meses, o tempo exato que um bebê leva para sair do útero e se prepara para a nova vida.

2o nível, Liderança: no ponto intermediário da montanha, focamos nossos líderes na eficiência, crescimento, formação de equipe e desenvolvimento do caráter. Neste nível nós identificamos e nomeamos futuros supervisores. Esse processo leva aproximadamente 12 meses.

3o nível, Teologia: no topo da montanha nossos líderes recebem estudos aprofundados de teologia por 12 meses. Depois de completar esses cursos exaustivos, nossos líderes estão prontos para posições missionárias e pastorais.

Como pastor devo admitir que mudanças são difíceis, mas o processo tem nos ajudado a crescer como igreja. Eu não tenho todas as respostas, mas Jesus tem. Eu não sei tudo, mas Jesus sabe, eu não posso fazer tudo ao redor da igreja, mas Jesus pode. Não sou capaz de ensinar a todos o caminho correto, mas, como você imaginou, Jesus pode e fará.

Como igreja, que não nos conformemos com este mundo mas vamos ultrapassar os limites da aprendizagem nos mais altos níveis. Que não nos conformemos com o pouco, mas ou invés disso, vamos construir comunidades para o Rei. Vamos concluir tudo o que Deus nos confiou fazer. E, além do mais, vamos manter Jesus no centro de tudo.

Não vamos dizer que alcançamos o topo da montanha porque não alcançamos. Vamos permitir que a palavra de Deus continuamente renove nossas mentes.

Deus os abençoe do Pastor Rafael Cruz, Igreja Shekinah Santo Domingo.

Spanish blog:

“Preparando Un Segundo Nivel En La Capacitación Y Entrenamiento De Líderes Celulares”

Por: Apóstol Rafael Cruz,

Iglesia Shekinah Santo Domingo, Republica Dominicana

Recientemente el Dr Joel Comiskey decía en un artículo que muchas iglesias alrededor del mundo no se están conformando con menos cuando se trata de entrenamiento y capacitación para sus líderes de grupos celulares.

¨transformaos por medio de la renovación de vuestro entendimiento¨ Romanos 12:2

Esta transformación ocurrió en nuestra iglesia hace unos años cuando decidimos cambiar nuestro instituto bíblico, por una escuela de hacedora de líderes, ganadores de almas, apasionados lideres de células. A esta escuela le llamamos Monte Carmelo. Dividimos nuestra montaña en 3 niveles de entrenamiento y capacitación: discipulado, liderazgo y teología.

1er nivel – Discipulado: en la falda de nuestra montaña los nuevos creyentes son dirigidos al bautismo y luego a liberación y sanidad interior, adquiriendo enseñanzas bíblicas y entendimiento de Espíritu Santo. Mientras les exhortamos a ser parte de un grupo celular cerca de su comunidad y a convertirse en líder celular. Este proceso tarda unos 9 meses, tal como niños dados a luz listos para su nueva vida.

2do nivel – liderazgo: a la mitad de la montaña enfocamos a nuestros líderes en efectividad, crecimiento, construir relaciones, y reconocimiento de carácter. En este nivel identificamos y asignamos supervisores. Este proceso toma unos 12 meses.

3er nivel – teología: en la cima de la montaña damos estudio más profundo de teología por un periodo de 12 meses. Luego de haber completado los exhaustivos cursos nuestros líderes están listo para ser enviados y asignados a misiones evangelisticas y pastorales.

Como pastor soy el primer en admitir que los cambios son difíciles, pero estos nos han ayudado como iglesia a crecer. Yo no tengo todas las respuestas, pero Jesús sí, yo no lo sé todo pero Jesús si, no lo puedo hacer todo en la iglesia, pero Jesús si, no soy capaz de enseñar bien a todos, pero JESUS SI.

Como iglesia no os conforméis a este siglos no dice el apóstol pablo, antes bien empujemos las fronteras del mas alto conocimiento, no seamos conformistas con lo menos y construyamos comunidades y vidas para Cristo. Logremos todo cuanto Dios nos ha confiado hacer, mantengamos a Cristo en el centro.

No digamos que hemos alcanzado la cima porque no es así. Mantengamos la palabra de Dios continuamente renovando nuestras mentes. Dios les bendiga desde la Iglesia Shekinah en Santo Domingo, República Dominicana, Pastor Rafael Cruz

First Principles of Discipleship

daphne 

by Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

The first discipleship priority of any member is family discipleship

If this is not happening:

  • Members will probably disciple others to not prioritize their children
  • Others will be “fed, trained and led on in Jesus” before their own children
  • The DNA of passing on “discipleship” of their children to the church will be replicated

If it is happening:

  • Members will intentionally disciple others to do the same
  • The DNA of Christians taking responsible for the discipleship of their children will be established in the church
  • Children and youth ministry can focus on the unchurched and those from non Christian families
  • These Biblical priorities can flow through discipleship

How can this be implemented / supported through discipleship equipping?

Discipleship equipping can be divided into two parts: Discipleship A and Discipleship B.

Discipleship A:  addresses the Biblical value of family discipleship (Every member needs this whether they have families or not).

Members then leave ‘Discipleship A’ to intentionally disciple their families.

The following ideas can be given:

  • Once a week, minimum, the family pray, read and share together.
  • A family night once in two weeks, minimum, to spend quality time together.
  • If the family has teens: once a month, minimum, one parent asks where they would like to go eat then goes with them. (The arrangement must be faithfully consistent)
  • If the family has children: Living With Jesus discipleship books can be implemented – one session once a week with one parent.  The goal is to use the questions as a tool for discussion. (Some parents with teens use the questions in Living With Jesus to provoke discussion on their “date night”)
  • Once a month minimum date night for the parents.
  • Parents to pray together daily.

Discipleship B: people return and share testimonies of the above.  Then the values of discipling others is introduced and the process implemented with family discipleship in the DNA.

Then: Members are held accountable and encouraged through equipping and through the cells.

Comments?

Daphne

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Primeiros Princípios do Discipulado

por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

A primeira prioridade do discipulado de qualquer membro é o discipulado em família.

Se isto não acontecer:

  • Membros provavelmente discipularão outros para não priorizarem seus filhos
  • Outros serão “alimentados, treinados e liderados para Jesus” antes de seus filhos
  • O DNA de passar o “discipulado” de seus filhos para a igreja sera duplicado

Se isto acontecer:

  • Membros intencionalmente discipularão outros a fazer o mesmo
  • O DNA dos Cristãos se tornando responsávies pelo discipulado de seus filhos será estabelecido na igreja
  • Crianças e ministério de jovens podem focar nos sem igreja e naqueles que não são de famílias Cristãs
  • Essas prioridades Bíblicas podem fluir através do discipulado

Como isto pode ser implementado / apoiado através da equipagem do discipulado?

Equipagem do discipulado pode ser dividida em duas partes: Discipulado A e Discipulado B.

Discipulado A: aponta o valor do discipulado em família (Cada membro precisa disso, quer suas famílias tenham ou não).

Os membros então deixam o ‘Discipulado A’ para intencionalmente discipular suas famílias.

As ideias abaixo podem ser dadas:

  • Uma vez na semana, no mínimo, a família ora, lê e compartilham juntas.
  • Uma noite para a família a cada quinzena, no mínimo, para passar tempo de qualidade juntos.
  • Se a família tem adolescents: uma vez ao mês, no mínimo, um dos pais pergunta onde eles gostariam de ir para comer e vai com eles. (A decisão deve ser consistente e fiel)
  • Se a família tem filhos: Viver com Jesus livros de discipulado podem ser implementados – uma sessão, uma vez por semana com um dos pais. O objetivo é usar as perguntas como uma ferramenta para discussão. (Alguns pais com adolescentes usam as perguntas no Viver com Jesus para gerar discussões nesta “noite especial”)
  • Uma vez por mês no mínimo, uma noite a sós para os pais.
  • Pais orarem juntos diariamente.

Discipulado B: pessoas retornam e compartilham testemunhos mencionados acima. Então os valores do discipular outros é introduzido e o processo implementado com o discipulado em família no DNA.

Então: Membros se tornam responsáveis e são encorajados através da equipagem e através das células.

Comentários?

Daphne

Spanish blog:

Primeros Principios del Discipulado

Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

La
primera prioridad de discipulado de cualquier miembro es en la familia

Si esto no está sucediendo:

  • Los miembros probablemente discipulan otros discípulos a no dan prioridad a sus hijos
  • Otros serán “alimentados, entrenados y dirigidos por Jesús” antes que sus propios hijos
  • El ADN de la transmisión de “discipulado” de sus hijos a la iglesia se replicará

Si lo que está sucediendo:

  • Los miembros intencionalmente discípularan a otros a hacer lo mismo
  • El ADN de los cristianos a tomar responsabilidad del discipulado de sus hijos se establecerá en la iglesia
  • Los niños y el ministerio juvenil pueden concentrarse en los no creyentes y los de familias no cristianas
  • Estas prioridades bíblicas pueden fluir a través del discipulado

¿Cómo puede esto ser implementado/apoyado a través del equipamiento del discipulado?

El
Equipamiento del Discipulado se puede dividir en dos partes: Discipulado A y B.

Discipulado

A: aborda el valor bíblico del discipulado familiar (Cada miembro necesita esto si tienen familiares o no). Luego,

los miembros dejan ‘Discipulado A’ para discipular intencionalmente sus familias.

Las siguientes ideas se pueden dar:

  • Una vez por semana, mínimo, la familia ora, lee y comparte juntos.
  • Una noche en familia una vez en dos semanas, mínimo, para pasar tiempo de calidad juntos.
  • Si la familia tiene adolescentes: una vez al mes, mínimo, uno de los padres le pregunta dónde les gustaría ir a comer e ir con ellos. (La disposición debe ser fielmente coherente)
  • Si la familia tiene niños: Conviviendo con Jesús libros de discipulado se puede implementar – una sesión una vez a la semana con uno de los padres. El objetivo es utilizar las preguntas como una herramienta para el debate. (Algunos padres con adolescentes usan las preguntas en la convivencia con Jesús para provocar debate en su “noche de cita”)
  • Una vez al mes mínimo noche para los padres.
  • Los padres deben orar juntos todos los días.

Discipulado B: la gente vuelve y comparte testimonios por lo mencionado anteriormente. A continuación, los valores de discipular a otros, se introduce y el proceso de implementar con el discipulado de la familia en el ADN.

Entonces: Los miembros son responsables y se les anima a través de equipamiento y de  las células.

¿Comentarios?

Daphne

Discipleship Equipping Principles

joel

by Joel Comiskey

Most churches pass through multiple revisions of their equipping before finding the right fit. Initial failure often happens because a church tries to copy another church’s equipping model in its entirety. Most often the church realizes eventually that the equipping model doesn’t fit its context and unique identity.

To help you avoid this landmine, I’ve extracted six principles from some of the best cell church equipping models. These principles should undergird your equipping system, although the form of your equipping will be distinct. Here is a summary of the key principles:

Principle #1: Keep the Equipping Track Simple

The best discipleship equipping is clear and simple. Most cell churches cover the following areas in their equipping:

  • Basic doctrine
  • Freedom from bondage
  • Spiritual Disciplines
  • Personal evangelism
  • Multiplication

Principle #2: Provide Action Steps with the Equipping

People learn best when they apply what they learn. Make sure that your equipping is practical, and that you have an action step for each part of your equipping.

  • First step: Basic Doctrine; action step of baptism in water
  • Second step: Freedom from Bondage; action step of confession of sin
  • Third Step: Spiritual Disciplines; action step of having a regular devotional time
  • Fourth Step: Evangelism; action step of relational evangelism and inviting a non-Christian to the group
  • Fifth Step: Cell Dynamics and Multiplication; action step of forming part of a cell team

Principle #3: Prepare a Second Level of Equipping for Small Group Leaders

Most cell churches continue to train those who have graduated from the first level and are part of a new discipleship team. To do this, they divide their equipping into at least two levels. The first level is the more basic level, which includes the five basic areas or steps mentioned above (each area is normally embodied in a manual).

The second level should include additional doctrinal courses, a spiritual warfare course, teaching on spiritual gifts, and so forth. There is a lot of room for creativity, and many excellent courses and materials are available. One cell church decided to use their denomination’s theological education by extension equipping for this second level.

Principle #4: Use Only One Equipping Path

I counsel churches to have only one discipleship equipping path—although that one path can be adapted to age specific groups. After deciding on a church-wide discipleship equipping path (ideally both first and second levels), a church should ask everyone to pass through the same equipping.

Principle #5: There Is No One Methodology for Implementing Your Equipping

Some people believe that the only way to equip new believers is one-on-one. Others disagree and prepare new believers in a group setting. Don’t confuse the equipping methodology (where or how you equip people) with the material.

I’ve noticed a great variety of methodologies for implementing the equipping, such as one-on-one, one-on-two or -three, equipping after the cell group meeting, during Sunday school hour, seminars, retreats, or a combination of all of them. I suggest teaching the equipping path during the Sunday school hour, which is often connected to the worship service. Then I propose that those who can’t attend during that time slot be given the freedom to take the same equipping before the cell starts, after the cell finishes, during a day-long equipping in a home, and any additional options to complete the equipping.

Principle #6: Continually Adjust and Improve the Equipping

You should be fine-tuning your equipping system continually. One cell church I studied had been working on their equipping for seven years; another had been in a process of development for ten, as they had been creating and recreating the tools. You will also need to adapt, adjust, and improve your equipping as you receive feedback from your members.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Princípio de Equipagem para o Discipulado

por Joel Comiskey

Muitas igrejas passam por múltiplas revisões de suas maneiras de equipar antes de encontrarem a que se aplica a elas. Falhas iniciais geralmente acontecem porque uma igreja tenta copiar o modelo de equipagem de outras igrejas completamente. Muitas vezes a igreja percebe eventualmente que o modelo de equipagem não cabe nem no seu contexto nem na sua identidade única.

Para ajudá-lo a evitar esse campo minado, extraí seis princípios dos melhores modelos de equipagem de igrejas em célula. Esses princípios devem embasar seu sistema de equipagem, embora a sua forma de equipagem seja distinta. Aqui segue um sumário dos pincípios chave:

Princípio #1: Mantenha o Caminho de Equipagem Simples

A melhor equipagem para o discipulado é clara e simples. A maioria das igrejas abordam as seguintes áreas na sua equipagem:

• Doutrina Básica

• Liberdade da Escravidão

• Disciplinas Espirituais

• Evangelismo Pessoal

• Multiplicação

Princípio #2: Forneça Planos de Ação para a Equipagem

Pessoas aprendem melhor quando eles aplicam o que aprenderam. Certifique-se que sua equipagem seja prática e que você tenha um plano de ação para cada parte da sua equipagem.

• Primeiro passo: Doutrina Básica; plano de ação para o batismo nas águas

• Segundo passo: Liberdade da Escravidão; plano de ação da confissão dos pecados

• Terceiro passo: Disciplinas Espirituais; plano de açõa de ter um tempo regular de devocional

• Quarto passo: Evangelismo; plano de ação de evangelismo relacional e convidar um não-Cristão para a célula

• Quinto passo: Dinâmicas de Célula e Multiplicação; plano de ação de formação de uma equipe de célula

Princípio #3: Prepara um Segundo Nível de Equipagem para Líderes de Células

A maioria das células continuam a treinar aqueles que terminaram o primeiro nível e que fazem parte de um novo grupo de discipulado. Para fazer isto, eles dividem sua equipagem em pelo menos dois níveis. O primeiro nível é o nível mais básico, que inclui as cinco áreas básicas ou passos mencionados acima (cada área faz geralmente parte de um manual).

O segundo nível deve incluir cursos de doutrina adicionais, um curso de batalha espiritual, ensinos sobre dons espirituais, e mais. Tem muito espaço para criatividade e muitos cursos excelentes e materiais disponíveis. Uma igreja em célula decidiu usar sua educação denominacional teológica para equipagem extensiva neste segundo nível.

Princípio #4: Use Apenas Uma Rota de Equipagem

Aconselho igrejas a terem apenas uma rota de equipagem para o discipulado – embora esta única rota pode ser adaptada para grupos etários específicos. Após decidir um uma rota de equipagem para discipulado para toda a igreja (ideal para ambos primeiro e segundo nível), uma igreja deve perguntar a todos que passem pela mesma equipagem.

Princípio #5: Não Há Uma Metodologia para Implementar Sua Equipagem

Algumas pessoas acreditam que o único modo de equipar novos crentes é o um-a-um. Outros discordam e preparam novos crentes para o modelo em grupo. Não confunda a metodologia de equipagem (onde ou como você equipa pessoas) como o material.

Tenho percebido uma grande variedade de metodologias para implementar a equipagem, como um-a-um, um-a-dois ou três, equipagem através do célula, pela escola dominical, seminários, retiros ou uma combinação de todos. Eu sugiro o ensino da rota de equipagem durante a escola dominical, que geralmente está ligado ao culto de adoração. Então eu proponho que aqueles que não podem participar durante estes horários tenham a liberdade de passar por essa equipagem antes do início da célula, depois que a célula termina, durante uma equipagem em um dia ou em outras opções adicionais para se completar essa equipagem.

Princípio #6: Ajustar Continuamente e Melhorar a Equipagem

Você deve sintonizar seu sistema de equipagem continuamente. Uma igreja em célula que eu estudei trabalhou na sua equipagem por sete anos; outra em uma processo de desenvolvimento para dez, conforme eles criavam e recriavam as ferramentas. Você também precisará adaptar, ajustar e melhorar sua equipagem ao receber feedback de seus membros.

Spanish blog:

Principios Claves para el Equipamiento de Discipulado

La mayoría de las iglesias pasan a través de múltiples revisiones en su sistema de equipamiento antes de encontrar el sistema más adecuado. El fracaso inicial a menudo se presenta debido a que la iglesia intenta copiar el modelo de equipamiento de otra iglesia en su totalidad. Muy a menudo, finalmente la iglesia se da cuenta que el modelo de equipamiento no se ajusta a su contexto e identidad única.

Para ayudarte a evitar esta mina terrestre, he extraído seis principios de algunos de los mejores modelos de equipamiento de la iglesia celular. Estos principios deben apuntalar tu sistema de equipamiento, aunque la forma de tu equipamiento será distinta. Aquí les dejo un resumen de los principios claves:

Principio #1: Mantén Simple el Camino del Equipamiento

El mejor equipamiento de discipulado es claro y simple. La mayoría de las iglesias celulares cubren las siguientes áreas en su equipamiento:

  • Doctrina Básica
  • Libertad de la esclavitud
  • Disciplinas espirituales
  • Evangelismo personal
  • Multiplicación

Principio #2: Provee los Pasos a Seguir con el Equipamiento

Las personas aprenden mejor cuando ponen en práctica lo que han aprendido. Asegúrate que tu equipamiento sea práctico, y de tener un paso a seguir para cada parte de tu equipamiento.

  • Primer paso: Doctrina básica; paso a seguir es el bautismo en agua
  • Segundo paso: Libertad de la esclavitud; paso a seguir es la confesión del pecado
  • Tercer paso: Disciplinas espirituales; paso a seguir es tener un habitual tiempo devocional
  • Cuarto paso: Evangelismo; paso a seguir es tener un evangelismo relacional e invitar a un no-cristiano al grupo
  • Quinto paso: Dinámicas celulares y multiplicación; paso a seguir es formar parte de un equipo celular

Principio #3: Prepara un Segundo Nivel de Equipamiento para Líderes de Grupos Pequeños

La mayoría de iglesias celulares continúan entrenando a los que se han graduado del primer nivel y son parte de un nuevo equipo de discipulado. Para ello, dividen su equipamiento en al menos dos niveles. El primer nivel, es el nivel más básico, que incluye las cinco áreas básicas o pasos mencionados anteriormente (cada área normalmente se encuentra en un manual)

El segundo nivel debe incluir cursos doctrinales adicionales, un curso de guerra espiritual, la enseñanza sobre los dones espirituales, y así sucesivamente. Hay mucho espacio para la creatividad, y están disponibles muchos excelentes cursos y materiales. Una iglesia celular decidió utilizar la educación teológica de su denominación mediante el equipamiento extensivo para este segundo nivel.

Los que han formado parte de un equipo celular merecen un trato especial debido a su importante y fundamental papel en la iglesia. Ofréceles toda la ayuda y el equipamiento que necesiten a fin de que sean eficaces.

Principio #4: Utiliza solo una Vía de Equipamiento

Aconsejo a las iglesias a tener sólo una vía de equipamiento de discipulado—aunque esa vía se pueda adaptar a grupos de edades específicos. Después de decidir sobre una vía o camino de equipamiento de discipulado para toda la iglesia (idealmente ambos niveles primero y segundo), una iglesia debe pedirle a todos pasar por el mismo equipamiento.[iv]

Principio #5: No Hay Una Metodología para Implementar tu Equipamiento

Algunas personas creen que la única forma de equipar a los nuevos creyentes es de manera individual. Otros están en desacuerdo y preparan a los nuevos creyentes en un ambiente de grupo. No hay que confundir la metodología de equipamiento (dónde o cómo equipa a las personas) con el material.

Me he dado cuenta de una gran variedad de metodologías para la implementación del equipamiento, como de uno-a-uno, de uno-a-dos o tres, equipando después de la reunión del grupo celular, durante las horas de la escuela dominical, seminarios, retiros, o una combinación de todos ellos. Sugiero enseñar el camino del equipamiento durante la hora de la escuela dominical, que a menudo está conectada al servicio de adoración. Luego propongo que aquellos que no pueden asistir durante ese intervalo de tiempo, se les dé la libertad de tomar el mismo equipamiento antes que comience la célula, después que finalice la célula, durante todo el día en un hogar, y cualquier opción adicional a fin de completar el equipamiento.

Principio #6: Ajusta y Mejora Continuamente el Equipamiento

Usted debe estar afinando su sistema de equipamiento continuamente. Una iglesia celular que estudié había estado trabajando en su equipamiento durante siete años; otra había estado en un proceso de desarrollo de diez años, mientras estaba creando y recreando las herramientas. Tú también tendrás que adaptar, ajustar y mejorar tu equipamiento mientras recibes retroalimentación de tus miembros.

What are the Contents of the Equipping Route?

mario

by Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

When a church makes its transition to become a cell church, it selects its future leaders among the mature members it already has. This leadership reserve sustains the church in the short term. However, those who are already mature are limited. Soon this reservoir will end, and the church will need to find leaders from a different source. The church will need to start looking at new believers who will eventually mature and become the future leaders. The Equipping Route will become the natural path that all believers in the church will take to become ministers.

The Equipping Route will begin to develop a double function. On one hand it disciples all those in the church. On the other hand, it prepares future leaders of the cell groups. In our case, the Route is symmetrically divided into those two parts. The first part of our equipping route focuses on themes such as salvation, the Bible, prayer and baptism in water, and so forth. The second part highlights themes such as what is the cell, how does it multiply, how to invite friends, and so forth.

The Equipping route begins the discipleship process from the moment a person becomes a believer and continues week by week through the process of developing him or her into a leader. The transition from the first part of the equipping route to the second part is not announced. In fact, it’s imperceptible. We have purposely designed our equipping this way to instill in each believer that leadership is a natural process and a normal part of the Christian life. We believe that the “normal Christian life” is for everyone to be involved in leadership in cell ministry.

[note from Joel Comiskey Group: The Elim Equipping Route can be purchased in print form HERE or in PDF format HERE].

Comments?

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese translation:

Quais São os Conteúdos da Rota de Equipagem?

por Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

Quando uma igreja faz a sua transição para se tornar uma igreja em células, ela seleciona seus futuros líderes dentre os membros maduros que ela já tem. Esta reserva de liderança sustenta a igreja a curto prazo. Entretanto, esses que já são maduros são limitados. Logo este reservatório acabará, e a igreja precisará encontrar líderes em uma fonte diferente. A igreja precisará começar a olhar para os novos convertidos que eventualmente amadurecerão e se tornarão os futuros líderes. A Rota da Equipagem se tornará o caminho natural que todos os crentes na igreja tomarão para se tornarem ministros.

A Rota da Equipagem começará a desenvolver uma função dupla. De um lado ela discipulará todos aqueles na igreja mas do outro lado, preparará os futuros líderes da célula. No nosso caso, a Rota é dividida simetricamente dentro dessas duas partes. A primeira parte da nossa rota de equipagem foca em temas como salvação, a Bíblia, oração e batismo nas águas, e mais. Os temas de destaque são o que é a célula, como ela se multiplicam, como convidar amigos e mais.

A rota de Equipagem começa com o processo de discipulado desde o momento que a pessoa se torna um crente e continua semanalmente até que esta pessoa se torne líder de célula. É claro que a transição da primeira para a segunda parte não é anunciada, e é imperceptível. Temos desenvolvido propositalmente nossa equipagem dessa forma para inculcar em cada crente que a liderança é um processo natural e parte normal da Vida Cristã. Cremos que a “vida Cristã normal” é para todos se envolverem na liderança e no ministério de células.

Spanish translation:

Contenidos de la Ruta del Líder

por Mario Vega

Cuando una iglesia hace su transición para convertirse en una iglesia celular, selecciona a sus futuros líderes de entre los miembros maduros que ya posee. Esa será una reserva de donde se tomará el recurso humano que se vaya necesitando en los próximos tiempos. Pero, tarde o temprano, ese recurso terminará. Entonces, la iglesia se verá en la necesidad de acudir a otra fuente. Por su misma naturaleza, la iglesia tendrá que poner su mirada en los nuevos creyentes.

Se llega así a un momento cuando es necesario tomar a los nuevos creyentes y llevarlos a comprometerse como nuevos líderes. La Ruta del Líder se convierte en el camino natural que todo nuevo cristiano debe transitar para llegar a ser usado en ese campo.

La Ruta del Líder adquiere así su doble función: es el instrumento para atención de los nuevos creyentes al mismo tiempo que el curso de entrenamiento para nuevos líderes. En nuestro caso, la Ruta se divide simétricamente en esas dos partes. En la primera, se ven temas como la salvación, la Biblia, la oración, el bautismo en agua. En la segunda, se reciben contenidos como ¿qué es una célula? ¿cómo se multiplica? ¿cómo se invitan amigos? Etc.

La Ruta del Líder toma cuidado de un nuevo creyente desde el momento de su conversión y le va llevando semana a semana hasta convertirlo en un nuevo líder de célula. Por supuesto, el paso de la primera a la segunda parte no se anuncia y es imperceptible. Eso contribuye a que el candidato vea el hecho de convertirse en líder como la extensión propia de la vida cristiana. En verdad, de eso se trata. Que todo creyente vea el convertirse en un líder como la consecuencia natural de su fe.

[note from Joel Comiskey Group: The Elim Equipping Route can be purchased in print form HERE or in PDF format HERE].