Principles for Dynamic Lessons

angel

by Ernesto Humeniuk, www.oikoslatino.org

What not to do

1. Don’t discuss the sermon. Although cells should follow the same theme of the Sunday sermon, the purpose of the meeting should not be a discussion of the sermon. Why? Because hopefully there will be people in the group who were not there on Sunday!

2. Don’t preach. And the goal is to get people to interact with the Bible and not the pastor’s message. Remember that the cell lesson is not the time for the cell leader to preach his or her own mini-sermon. This is always a temptation for those who previously followed the Sunday school model of ministry.

3. Entering into obscure details of a passage and bully people to enter into those hidden truths. The focus should be the application of the Bible and what those verses say to our daily lives. The goal is transformation rather than information. The cell leaders may occasionally, but not always, digress from the passage if he or she feels there are important needs in the group.

Form a system for preparing great lessons

You must decide who will prepare the cell lesson. It’s not difficult to do and doesn’t require much time. Some pastors prefer to do it themselves, and I think this is a good idea. After all, the pastor should know that through the lesson, the members are applying his sermon to their daily lives. The lesson not only brings cohesion of doctrine but it also prevents people from following their own "pet ideas" and favorite issues. Some pastors like to ask a team member to prepare the lesson, and this works great for some. However, for someone else to do it, the pastor has to determine the preaching themes and lesson outline well in advance.

Dynamic Lessons

Put the date, theme, and biblical text in the header (this makes it easier for the leader to follow). I recommend dividing the lesson in three parts:

  • Presence of Christ
  • Power of Christ
  • Purpose of Christ

Some prefer the four Es:

  • Encounter
  • Exaltation
  • Edification
  • Evangelism

Suggest an icebreaker for the first part. This helps unite the group. In the worship part, don’t try to imitate the Sunday worship. It’s best to choose simple songs that people already know. Write out the words, so people can follow along. If you don’t have people in the group with musical talent (e.g., guitar, piano), just use a CD player of pre-recorded music.

During the lesson time, make sure people know that the goal is to edification (building each other up). Everyone should participate because there is not just one "builder." The lesson questions should not primarily concentrate on knowledge but application. Some questions are way too complex and require an intimate knowledge of the Bible to answer–avoid this type question.

Finally, during last part, make sure the group has a vision to reach a lost world for Jesus.

You will develop expertise as you go, so don’t feel like you need to know everything right away. I do hope that these principles will point you in the right direction.

Ernesto

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Princípios para Palavras Dinâmicas

por Ernesto Humeniuk, www.oikoslatino.org

O que não fazer

1. Não discuta o sermão. Apesar de as células deverem seguir o mesmo tema do sermão de domingo, o propósito da reunião não deve ser uma discussão do sermão. Por quê? Porque esperançosamente haverá pessoas no grupo que não estavam no domingo!

2. Não pregue. O objetivo é levar as pessoas a interagirem com a Bíblia e não com a mensagem do pastor. Lembre-se de que a palavra da célula não é o momento para o(a) líder de célula pregar seu próprio mini-sermão. Essa é sempre uma tentação para aqueles que anteriormente seguiam o modelo de ministério da escola dominical.

3. Entrar nos detalhes obscuros de uma passagem e intimidar pessoas a entrarem dentro daquelas verdades escondidas. O foco deve ser a aplicação da Bíblia e o que aqueles versículos dizem para nossa vida diária. O objetivo é a transformação, ao invés da informação. Os líderes de célula podem ocasionalmente, mas nem sempre, desviar-se da passagem se ele ou ela sente que há necessidades importantes no grupo.

Forme um sistema para preparar ótimas palavras

Você deve decidir quem vai preparar a palavra da célula. Não é difícil de fazer e não exige muito tempo. Alguns pastores preferem fazê-lo eles mesmos, e eu acho que essa é uma boa ideia. Afinal, o pastor deve saber que através da palavra da célula, os membros estão aplicando o seu sermão para suas vidas diárias. A palavra não só traz coesão de doutrina mas também impede as pessoas de seguirem suas próprias "ideias de estimação" e assuntos favoritos. Alguns pastores gostam de pedir para um membro da equipe preparar a palavra, e isso funciona muito bem para alguns. No entanto, para outra pessoa fazê-lo, o pastor deve determinar os temas da pregação e o esboço da palavra da célula com bastante antecedência.

Palavras Dinâmicas

Coloque a data, o tema e o texto bíblico no cabeçalho (isso torna mais fácil para o líder acompanhar). Eu recomendo dividir a palavra em três partes:

  • Presença de Cristo
  • Poder de Cristo
  • Propósito de Cristo

Alguns preferem os quatro Es:

  • Encontro
  • Exaltação
  • Edificação
  • Evangelismo

Sugira um quebra-gelo para a primeira parte. Isso ajuda a unir o grupo. Na parte da adoração, não tente imitar a adoração de domingo. É melhor escolher músicas simples que as pessoas já conhecem. Escreva as palavras, para que as pessoas possam acompanhar. Se você não tem pessoas no grupo com talento musical (por exemplo violão, piano), apenas use um tocador de CD ou música pré-gravada.

Durante a hora da palavra, certifique-se de que as pessoas saibam que o objetivo é a edificação (edificar um ao outro). Todos devem participar porque não há só um "construtor". As perguntas da palavra não devem se concentrar principalmente no conhecimento, mas na aplicação. Algumas perguntas são complexas demais e exigem um conhecimento profundo da Bíblia para responder– evite esse tipo de pergunta.

Finalmente, durante a última parte, certifique-se de que o grupo tem uma visão de alcançar o mundo perdido para Jesus.

Você desenvolverá precisão conforme caminha, então não sinta como se você tivesse que saber tudo imediatamente. Eu realmente espero que esses princípios te apontem para a direção certa.

Ernesto

Spanish blog:

El bosquejo de la reunión del grupo celular

by Ernesto Humeniuk, www.oikoslatino.org

1. Lo que no hay que hacer.

Las células deben seguir el mismo tema o el mismo texto principal del sermón del pastor, pero el objetivo de la reunión no debe ser una discusión con respecto al sermón, ya que puede ser que haya personas en el grupo que no hayan asistido a la celebración el domingo anterior. El objetivo es hacer que las personas interactúen con la Biblia y no con el sermón.

Los lideres de célula no deben hacer del encuentro de célula un momento de predicación o enseñanza. Esto es particularmente tentador para aquellos cuyo único modelo anterior fue la Escuela Bíblica Dominical. Ese paradigma puede ser cambiado solo por medio de la formación de un nuevo modelo. Citar muchos pasajes bíblicos y entrar en todos los detalles del contexto del pasaje analizado va a intimidar a los no cristianos o nuevos creyentes que participan del grupo. El enfoque debe ser un pasaje o versículo de la Biblia y lo que esos versículos dicen a nuestras vidas hoy. Orar por las necesidades unos por otros y por los incrédulos debe ser más importante aún que la enseñanza en sí. Los líderes de célula pueden ocasionalmente, pero no siempre, salirse del tema indicado, dependiendo de las necesidades del grupo y de la dirección del Espíritu Santo.

2. Forme un sistema para preparar buenos temas.

Decida quién preparará el bosquejo de la reunión, no es difícil hacerlo y no requiere mucho tiempo, pero algunas personas tienen mayor facilidad que otras para hacer esto. Algunos pastores prefieren hacerlo ellos mismos ya que es algo vital para el ministerio de la iglesia, el mensaje del pastor es aplicado a la vida, esto crea unidad y cohesión en todo el sistema y previene a aquellos lideres con mentalidad independiente de desviar sus grupos para cuestiones paralelas o doctrinas predilectas. Otros pastores se dan cuenta que no son tan buenos y le piden a algún miembro del equipo que haga este trabajo. Determine el tema del texto a considerar con bastante tiempo de antelación, entregue el bosquejo de la reunión a los lideres por e-mail, fax, puestos en casilleros, etc.

3. Bosquejos dinámicos

Coloque la fecha, el tema y el texto bíblico claramente en el encabezamiento. Prepare la reunión en base a «Presencia de Cristo, poder de Cristo, propósito de Cristo» o a las cuatro «E» (Encuentro, exaltación, edificación, evangelismo). En la primera parte sugiera un rompehielos que ayude al grupo a ir uniéndose en propósito. En la parte de edificación busque alabanzas que sean buenas para el grupo, sin la ocurrencia de imitar la celebración del domingo. La adoración en el grupo debe ser breve y con canciones fáciles y, si es posible, que estén impresas para que todos participen. Si en el grupo no hay personas con talento musical, utilice CD’s con canciones pre-grabadas. Es importante que el grupo pueda edificarse mutuamente con palabras de aliento, consejo, advertencia, etc. Recordemos que allí no hay un edificador ( el líder de célula) sino que el grupo se edifica el uno al otro. Las preguntas del texto no deben ser para conocimiento sino para aplicación. No son buenas las preguntas que requieran conocimiento previo de la Biblia, eso hará que los invitados se sientan incómodos. En la parte final de la reunión, usted debe asegurarse que el grupo no es «uno que se mira al ombligo» sino que tiene la visión de alcanzar a los perdidos para Cristo, que es Su propósito.

Active Learning

jeffby Jeff Tunnell

Cell lessons give the teaching/preaching ministry of the church a most blessed opportunity to multiply the effectiveness of message content. Every minister in the pulpit should know that about 80% of what is transmitted verbally will be lost in the first 3 hours of leaving the event.

“What I hear, I forget;
What I see, I remember;
What I do, I understand.” – Chinese proverb

A related comment from Bobbi DiPorter’s ‘Quantum Learning’ is that we learn:

  • 10% of what we read
  • 20% of what we hear
  • 30% of what we see
  • 50% of what we see and hear
  • 70% of what we say
  • 90% of what we say and do

Active learning engages the whole person, not just the intellectual mind. When people try to do things and fail or succeed, emotions are triggered, and these have a significant effect on how we remember. So when you are teaching or persuading someone, and particularly if you want them to remember things, get them actively involved.

This is the great advantage of leadership producing a cell lesson in which applications are initiated within the first week of delivering the message. Each cell leader is empowered to multiply the message to a new a level of effectiveness, assisting the body of Christ to grow in significant obedience to the vision of the local church.

Invest time and effort in the preparation of cell lessons and your leaders will be grateful for being regarded as an important part of your team.

Jeff

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendizagem Ativa

por Jeff Tunnell

As lições da célula dão ao ministério de ensino/pregação da igreja uma oportunidade mais abençoada para multiplicar a eficácia do conteúdo da mensagem. Todo ministro no púlpito deveria saber que aproximadamente 80% do que é transmitido verbalmente será perdido nas primeiras 3 horas após deixar o evento.

“O que eu ouço, eu esqueço”

O que eu vejo, eu lembro;

O que eu faço, eu entendo.” – Provérbio chinês

Um comentário relacionado do “Quantum Learning” de Bobbi DiPorter é que nós aprendemos:

  • 10% do que nós lemos
  • 20% do que nós ouvimos
  • 30% do que nós vemos
  • 50% do que nós vemos e ouvimos
  • 70% do que nós dizemos
  • 90% do que nós dizemos e fazemos

A aprendizagem ativa envolve a pessoa como um todo, e não apenas a mente intelectual. Quando as pessoas tentam fazer coisas e falham ou têm sucesso, as emoções são acionadas, e essas têm um efeito significativo na forma como nos lembramos. Então quando você está ensinando ou persuadindo alguém, e particularmente se você quer que eles se lembrem das coisas, faça com que se envolvam ativamente.

Esta é a grande vantagem da liderança produzir uma lição de célula em que as aplicações são iniciadas na primeira semana da entrega da mensagem. Cada líder de célula é empoderado para multiplicar a mensagem a um novo nível de eficácia, auxiliando o corpo de Cristo a crescer em obediência significativa para a visão da igreja local.

Invista tempo e esforço na preparação das lições de célula e seus líderes serão gratos por terem sido considerados como uma parte importante de sua equipe.

Jeff

Spanish blog:

Aprendizaje Activo

Por Jeff Tunnell

Las lecciones celulares dan al ministerio de enseñanza / predicación de la iglesia una oportunidad de bendición para multiplicar la eficacia del contenido del mensaje. Cada ministro en el púlpito debe saber que aproximadamente el 80% de lo que se transmite verbalmente se perderá en las primeras 3 horas después de que las personas salgan del evento.

“Lo que oigo, lo olvido;

Lo que veo, lo recuerdo;

Lo que hago, lo entiendo”.- Proverbio chino

Un comentario relacionado con el “Aprendizaje Cuántico” de Bobbi DiPorter es que aprendemos:

  • 10% de lo que leemos
  • 20% de lo que oímos
  • 30% de lo que vemos
  • 50% de lo que vemos y oímos
  • 70% de lo que decimos
  • 90% de lo que decimos y hacemos

El aprendizaje activo involucra a toda la persona, no sólo la mente intelectual. Cuando las personas tratan de hacer cosas y fracasan o tienen éxito, las emociones se disparan, y esto tiene un efecto significativo en la forma cómo recordamos. Así que cuando estás enseñando o persuadiendo a alguien, y sobre todo si quieres que recuerden las cosas, haz que participen activamente.

Esta es la gran ventaja de que el liderazgo produzca una lección celular en la que se inician las aplicaciones dentro de la primera semana de haber entregado el mensaje. Cada líder de célula está empoderado para multiplicar el mensaje a un nuevo nivel de eficacia, ayudando al cuerpo de Cristo a crecer en obediencia significativa hacia la visión de la iglesia local.

Invierte tiempo y esfuerzo en la preparación de las lecciones celulares, y tus líderes estarán agradecidos por ser considerados una parte importante de tu equipo.

Jeff

Accountability–an Essential Ingredient

steve

by Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

“Will this be on the test?” All teachers have heard this question from their students. Translated, it means “Can I safely ignore this part of the lesson?” After all, if it’s not going to be on the test, why bother with it?

The beauty of basing the cell group on the weekend teaching is that we can build into our churches a “hear and obey” mentality. That is, people hear the teaching from the scripture on the weekend, then go to their groups to focus on applying it.

However, if we really expect the members to act on what they hear in the cell, we need to help them by following up the following week. Jesus taught his disciples, then sent them out to minister, then debriefed with them after they returned. We can do the same thing with our cell members by:

1. Ask action-oriented questions which challenge the members to act.

2. Limit questions which prompt cerebral conversation and focus on life-application instead. Do not settle for an exchange of opinions, seek to provoke personal sharing. I’d much rather hear “I always wanted to…”, rather than “The problem with society today is…” Some examples include:

-“Of the three action points pastor shared, which is easiest for you to do? Which is hardest?”

-Key action-oriented questions. Pick out one or two on the main action points of the sermon and craft a question which will challenge people to apply them.
“Share about a time you did this…”
“What will you do this week about this?”
“What obstacle will you have to face in order to do this?”
3. Ask follow-up questions from the previous week. Include questions like, “How did it go last week with your [actions step]”. This opens the door for members to share exciting reports of faith in action.
A meeting gets more inspiring when we hear stories about members taking risks for Christ and seeing Him work in their lives. It also creates an expectation that they will indeed follow through on their decisions

Comments?

Steve

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Prestação de Contas—um ingrediente essencial

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

“Isso vai cair na prova?” Todos os professores já ouviram essa pergunta de seus alunos. Traduzido, isso quer dizer “Eu posso ignorar essa parte da aula com segurança?”. Afinal, se não vai cair na prova, por que se preocupar com isso?

A beleza de basear o grupo de célula no ensinamento do final de semana é que nós podemos construir em nossas igrejas uma mentalidade de “ouça e obedeça”. Ou seja, as pessoas ouvem o ensino da Escritura no fim de semana, e então vão para os seus grupos para se concentrar em sua aplicação.

No entanto, se nós realmente esperamos que os membros ajam conforme o que ouviram na célula, nós precisamos ajudá-los dando continuidade na semana seguinte. Jesus ensinou aos seus discípulos, depois enviou-os para ministrar, e então os interrogou depois que eles voltaram. Nós podemos fazer o mesmo com nossos membros de célula:

1. Faça perguntas orientadas para ação que desafiem os membros a agir.

2. Limite questões que incitem conversas cerebrais e, no lugar, mantenha o foco na aplicação pessoal. Não se contente com uma troca de opiniões, procure provocar o compartilhamento pessoal. Eu prefiro ouvir “Eu sempre quis…”, ao invés de “O problema com a sociedade de hoje é…”. Alguns exemplos incluem:

– “Dos três pontos de ação que o pastor compartilhou, qual é mais fácil para você fazer? Qual é mais difícil?”

– Questões-chave orientadas para ação. Escolha um ou dois dos principais pontos de ação da pregação e crie uma questão que vai desafiar as pessoas a aplicá-los.

“Compartilhe sobre uma vez que você fez isso…”

“O que você vai fazer sobre isso nessa semana?”

“Qual obstáculo você terá de enfrentar a fim de fazer isso?”

3. Faça perguntas de acompanhamento da semana anterior. Inclua questões como, “Como foi na última semana com seu [passos de ação que tomou]”. Isso abre a porta para que os membros compartilhem relatos emocionantes de fé em ação.

Uma reunião se torna mais inspiradora quando nós ouvimos histórias sobre membros que estão se arriscando por Cristo e vendo Ele trabalhar em suas vidas. Isso também cria uma expectativa de que eles de fato vão seguir adiante em suas decisões.

Comentários?

Steve

Spanish blog:

Rendición de Cuentas—Un ingrediente esencial

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

“¿Entrará esto en el examen?” Todos los maestros han escuchado de sus estudiantes esta pregunta. Traducida, significa “¿Puedo ignorar esta parte de la lección?” Después de todo, si no va a estar en la prueba, ¿por qué molestarse con ello?

La belleza de basar el grupo celular en la enseñanza del fin de semana es que podemos cimentar en nuestras iglesias una mentalidad de “escuchar y obedecer”. Es decir, la gente escucha la enseñanza de la Escritura durante el fin de semana, y luego van a sus grupos para centrarse en su aplicación.

Sin embargo, si realmente esperamos que los miembros actúen conforme a lo que escuchan en la célula, tenemos que ayudarles dándoles seguimiento en la semana que sigue. Jesús enseñó a sus discípulos, luego los envió a ministrar, y cuando regresaban les preguntaba cómo les había ido, les pedía cuentas. Podemos hacer lo mismo con nuestros miembros de la célula:

1. Haciéndoles preguntas orientadas a la acción que desafíen a los miembros a actuar.
2. Limitando las preguntas que puedan inducir a conversaciones intelectuales y más bien enfocándonos en hacer aplicaciones de la vida práctica. No te conformes con un intercambio de opiniones, trata de provocar el compartir sobre aspectos personales. Prefiero escuchar “Siempre quise…”, en lugar de “El problema con la sociedad de hoy es…”. Algunos ejemplos incluyen:

– “De los tres puntos más importantes que el pastor compartió, ¿cuál te resulta el más fácil de hacer? ¿Cuál es el más difícil? ”

– Preguntas orientadas a acciones -clave. Escoge uno o dos de los principales puntos del sermón y elabora una pregunta que desafíe a las personas a aplicarlos.
“Comparte acerca de cuándo hiciste esto…”
“¿Qué vas a hacer esta semana respecto a esto?”
“¿Qué obstáculo tendrás que enfrentar para hacer esto?”

3. Haz preguntas de seguimiento sobre las semanas anteriores. Incluye preguntas como, “¿Cómo te fue la semana pasada con tus planes de acciones [paso a paso]?”. Esto abre la puerta para que los miembros compartan sus emocionantes informes de fe en acción.

Una reunión se vuelve más inspiradora cuando escuchamos historias sobre los miembros tomando riesgos para Cristo y cuando vemos que Él obra en sus vidas. También crea la expectativa de que ellos en efecto seguirán adelante con las decisiones que han tomado.

¿Comentarios?

Steve

The Priority of Evangelism in the Cell Lesson

mario

by Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

Since our guide doesn’t follow the Sunday sermon (because of the reasons I explained in last week’s blog) the contents of our lessons mainly focus on helping our guests understand the way of salvation. For this reason, we follow a well organized study of the books of the New Testament. That is, each week a verse by verse study of the gospels or a New Testament letter is followed. This study continues every week until the book is completed from start to finish.

Thus, People develop an interest in learning the content of each biblical book and know that each week will continue the sequence of the study. This helps them to discover the logic of each book and to understand in the biblical stories.

Although this is a verse by verse study, it is done in a very simple way and always with an evangelistic focus. In other words, we don’t try to do an in-depth biblical exegesis. Rather, it is a devotional reflection that leaders people face to face with God’s Word. Our approach is very practical and it seeks to present Jesus as only way for humanity.

Because of this, the study can be taught by people with no formal theological training. The guide provides all the elements for the teaching. Of course, there is room for people to nourish and apply the contents according to their particular needs and abilities. The idea is that every leader should be able to provide the teaching without hindrance or “mental obstacles.” Our guide makes it easier for the leaders to present the gospel. Even if a person were to say only what the guide says, that would be enough to fulfill the goal of reaching lost men and women for Jesus Christ.

Comments?

Mario

Korean blog:

Portuguese blog:

A Prioridade Evangelística na Palavra da Célula

por Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

Já que nosso roteiro não segue o sermão de domingo (devido às razões que eu expliquei no blog da semana passada) os conteúdos das nossas palavras focam principalmente em ajudar nossos convidados a entenderem o caminho da salvação. Por essa razão, nós seguimos um estudo bem organizado dos livros do Novo Testamento. Ou seja, a cada semana um estudo versículo por versículo dos evangelhos ou de uma carta do Novo Testamento é seguido. Esse estudo continua toda a semana até que o livro seja concluído do início ao fim.

Assim, as pessoas desenvolvem um interesse em aprender o conteúdo de cada livro bíblico e sabem que a cada semana continuará a sequência do estudo. Isso as ajuda a descobrir a lógica de cada livro e a entender as histórias bíblicas.

Apesar de ser um estudo versículo por versículo, ele é feito de uma forma muito simples e sempre com um foco evangelístico. Em outras palavras, nós não tentamos fazer uma exegese bíblica a fundo. Pelo contrário, é uma reflexão devocional que conduz as pessoas face a face com a Palavra de Deus. Nossa abordagem é muito prática e busca apresentar Jesus como o único caminho para a humanidade.

Por causa disso, o estudo pode ser ensinado por pessoas sem uma formação teológica formal. O roteiro fornece todos os elementos para o ensino. É claro, há espaço para as pessoas se nutrirem e aplicarem os conteúdos de acordo com suas necessidades e habilidades específicas. A ideia é que cada líder deve ser capaz de fornecer o ensino sem impedimentos ou “obstáculos mentais”. Nosso roteiro torna mais fácil para os líderes apresentarem o evangelho. Mesmo se uma pessoa fosse dizer apenas o que o roteiro diz, isso seria suficiente para cumprir a meta de alcançar o homem e a mulher perdidos para Jesus Cristo.

Comentários? Mario

Spanish blog:

La Evangelización Como Propósito

por Mario Vega

Dado que nuestra guía no surge del sermón del domingo (por las razones que expliqué en un blog anterior) los contenidos se definen por la idea de mostrar a los invitados el camino de salvación. Para ello, se sigue un estudio ordenado de los libros del Nuevo Testamento. Es decir, cada semana se realiza un estudio versículo a versículo de un párrafo de un evangelio o de una carta. Ese estudio continúa semana a semana hasta que se completa ese libro de principio a fin.

Las personas desarrollan así un interés por conocer el contenido de cada libro y saben que cada semana continuará la secuencia del estudio. Eso les permite encontrar la lógica de cada libro y comprender de mejor manera los argumentos o historias.

A pesar que se trata de un estudio versículo a versículo, éste es hecho de manera sencilla y todas las veces con un enfoque evangelizador. No se hace una exposición de exégesis bíblica. Es mas bien una reflexión de tipo devocional que lleva a las personas a verse frente a la palabra de Dios. El enfoque es muy práctico y busca presentar a Jesús como la salida para el drama humano.

Por su misma característica, el estudio puede ser impartido por personas que no poseen una formación teológica formal. La guía da todos los elementos para la enseñanza. Por supuesto, hay espacio para que las personas puedan nutrir los contenidos de acuerdo a su capacidad o la de la audiencia. La idea es que todo líder sea capaz de dar la enseñanza sin obstáculos. La simple lectura de la guía es una manera de presentar el evangelio. Aún si una persona dijera tan solo lo que la guía dice, sería suficiente para haber logrado la meta de evangelizar.

Cell-Based Sermon Application

randall

by Randall Neighbour

Sorry, but lead pastors write some of the worst cell guides ever! For a number of months, I invited every pastor who called our ministry to send me a recent cell guide and I offered to review it for him. With only a few exceptions, they were all too long, didn’t help people fully experience the presence, power, and purposes of Christ in their midst, and contained far too many questions, most of which were interpretive in nature. Ugh!

Joel has written about how to create an effective cell guide in ___________________, so I won’t repeat what he’s done an excellent job communicating already. But I will add this:

  • Your guides should have an icebreaker or two from which the group can choose.
  • Your guide should have a paragraph of instruction for the worship leader to keep them on the right track and supply them with creative ways to worship apart from just singing worship songs.
  • Your guides should contain 2-3 questions that provoke transparent sharing in the meeting and between members in the days between the meetings as well as a question to help members get their head into the passage and understand it.
  • Your guides should include practical challenges to “put feet” on the truth of God being shared that night. Suggestion: Give the members of the group a couple of practical assignments to complete. (The lessons learned can be shared during worship the next week)
  • Your guides should include time to pray for the lost concerning one of the many unique aspects of relational evangelism.

Writing guides that achieve this kind of interaction and missional thrust is not easy for the typical pastor. It takes a completely different skill set compared to someone who writes Bible study outlines (which is like falling out of bed for the average pastor).

Do you think you’re a rock star when it comes to writing guides? Show this blog to a number of your group members (they give far more straightforward feedback compared to leaders) and ask them if your guides measure up! If not, get some help from someone in the congregation who understands the goals of the cell meeting to mobilize the members of the group to minister to one another and collaborate in mission with one another to reach their world for Christ and disciple those they reach.

“The proof is in the pudding” as my mom says. Are your cell group gatherings exciting and life changing? Do they effectively mobilize members for ministry? Are you seeing conversion growth in the groups, not just the altar? If not, it’s time to think outside the box with your guides. It’s a great place to start the change process.

Want an example? Check out this sample from a guide written by Jim Egli and Scott Boren: http://www.touchusa.org/store/outward.pdf

Randall Neighbour is the President of TOUCH Outreach Ministries (www.touchusa.org) and the author of The Naked Truth About Small Group Ministry: When it won’t work and what to do about it. You can read more of his thoughts at www.randallneighbour.com.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aplicação do Sermão Baseado na Célula: Perdoe-me, mas os pastores principais escrevem alguns dos piores roteiros de célula de todos!

por Randall Neighbour

Por um certo número de meses, convidei todo o pastor que ligava para nosso ministério a me enviar um roteiro de célula recente, e eu me oferecia a revisá-lo para ele. Com apenas algumas exceções, eram todos longos demais, não ajudavam as pessoas a experimentar plenamente a presença, poder e propósitos de Cristo em seu meio, e continham perguntas demais, a maioria das quais eram de natureza interpretativa. Ugh!

O Joel escreveu sobre como criar um roteiro de célula eficaz em ___________________, então não vou repetir o que ele já fez um excelente trabalho comunicando. Mas eu irei adicionar o seguinte:

  • Seus roteiros devem ter um ou dois quebra-gelos que o grupo possa escolher.
  • Seu roteiro deve ter um parágrafo de instrução para o líder de louvor manter as pessoas na trilha certa e abastecê-las com formas criativas para adorar além de apenas cantar músicas de adoração. .
  • Seus roteiros devem conter de 2 a 3 perguntas que provoquem o compartilhamento transparente na reunião, e entre os membros nos dias entre as reuniões, assim como uma pergunta para ajudá-los a se concentrarem na passagem e a entendê-la.
  • Seus roteiros devem incluir desafios práticos para “pôr os pés” sobre a verdade de Deus sendo compartilhada naquela noite. Sugestão: Dê aos membros do grupo um par de atividades práticas a completar. (As lições aprendidas podem ser compartilhadas durante a adoração da próxima semana)
  • Seus roteiros devem incluir tempo para orar pelos perdidos, um dos muito únicos aspectos do evangelismo relacional.

Escrever roteiros que alcancem esse tipo de interação e impulso missionário não é fácil para o pastor típico. Isso leva um conjunto de habilidades completamente diferentes em comparação com alguém que escreve esboços de estudos da Bíblia (o que é como cair da cama para o pastor comum).

Você se acha uma estrela do rock quando se trata de escrever roteiros? Mostre esse blog para um número de membros do seu grupo (eles dão um comentário muito mais direto comparado aos líderes) e pergunte a eles se seus roteiros estão à altura! Se não estiverem, peça a ajuda de alguém da congregação que entende os objetivos da reunião da célula para mobilizar os membros do grupo a ministrarem uns aos outros, e a colaborarem na missão um com o outro para atingir seu mundo para Cristo e discipular aqueles que eles alcançam.

” A prova está no pudim” (=para provar é preciso experimentar), como minha mãe diz. Os encontros do seu grupo de célula são animadores e transformadores de vida? Eles efetivamente mobilizam os membros para a ministração? Você tem visto o crescimento de conversão nos grupos, e não só no altar? Se não, é hora de pensar além do óbvio com seus roteiros. É um ótimo lugar para começar o processo de mudança.

Quer um exemplo? Confira essa amostra de um roteiro escrito por Jim Egli e Scott Boren: http://www.touchusa.org/store/outward.pdf

Randall Neighbour é o presidente do “TOUCH Outreach Ministries” (www.touchusa.org) e o autor de “The Naked Truth About Small Group Ministry: When it won’t work and what to do about it”. Você pode ler mais de seus pensamentos em www.randallneighbour.com.

Spanish blog:

Aplicación del Sermón basado en Células: Lo siento, ¡pero los pastores principales escriben algunas de las peores guías celulares!

Por Randall Neighbour

Desde hace varios meses, he estado invitando a cada pastor que llama a nuestro ministerio para que me envíe una guía celular reciente y me he ofrecido a revisársela. Con sólo unas pocas excepciones, todas estaban demasiado largas, no ayudan a las personas a experimentar en su totalidad la presencia, el poder y los propósitos de Cristo en medio de ellos, y contenían demasiadas preguntas, la mayoría de las cuales eran de carácter interpretativo. ¡Uf! 

Joel ha escrito acerca de cómo crear una guía celular eficaz en ___________________, por lo que yo no voy a repetir lo que él ya ha comunicado excelentemente. Pero voy a añadir esto:

• Las guías deben tener uno o dos rompehielos de los que el grupo pueda elegir.

• Tu guía debe tener un párrafo de instrucciones para el líder de alabanza, para que pueda mantenerlos en el camino correcto y para ofrecerles formas creativas para adorar aparte de simplemente cantar canciones de adoración.

• Tus guías deben contener 2-3 preguntas que provoquen compartir transparentemente entre los miembros durante la reunión, y durante los días entre las reuniones; así como una pregunta que ayude a los miembros a entender y a adentrarse en el pasaje bíblico.

• Tus guías deberían incluir desafíos prácticos para “poner los pies” sobre la verdad de Dios que será  compartida esa noche. Sugerencia: Da a los miembros del grupo un par de trabajos prácticos para completar. (Las lecciones aprendidas pueden ser compartidas durante la adoración de la próxima semana).

• Tus guías deben incluir tiempo para orar por los perdidos, en relación con uno de los muchos aspectos únicos del evangelismo relacional.

Escribir guías que logran este tipo de interacción y empuje misionero no es fácil para el típico pastor. Se necesita un conjunto de habilidades completamente diferentes en comparación con alguien que escribe lineamientos para estudios bíblicos (lo cual es como caerse de la cama para el pastor promedio).

¿Crees que eres una estrella de rock cuando se trata de escribir guías? Muéstrale este blog a unos cuantos miembros de tu grupo (ellos te darán una retroalimentación más sincera en comparación con los líderes) ¡y preguntarles si tus guías están a la altura! Si no es así, consigue un poco de ayuda de alguien en la congregación que entienda los objetivos de la reunión celular para movilizar a los miembros del grupo para ministrarse unos a otros y para colaborar con otros en las misiones para alcanzar su mundo para Cristo y discipular a aquellos que alcancen.

Como dice mi mamá, “no puedes saber qué tan bueno es algo hasta que lo pruebas”. ¿Son tus reuniones de grupo celular emocionantes y cambian vidas? ¿Movilizan efectivamente a los miembros para el ministerio? ¿Estás viendo el aumento de las conversiones en los grupos, o sólo en el altar? Si no, es hora de pensar “fuera de la caja” con tus guías. Ese es un buen lugar para comenzar el proceso de cambio.

¿Quieres un ejemplar? Echa un vistazo a este ejemplar de una guía escrita por Jim Egli y Scott Boren: http://www.touchusa.org/store/outward.pdf

Randall Neighbour es el Presidente de TOUCH Outreach Ministries (Ministerios de Alcance TOQUE) (www.touchusa.org) y el autor de The Naked Truth About Small Group Ministry: When it won’t work and what to do about it. (La verdad al descubierto sobre El Ministerio de Grupos Pequeños: Cuando no va a funcionar y qué hacer al respecto.) Puedes leer más de su pensamiento en www.randallneighbour.com.

The Cell Guide: What we Do

angel

by Ernesto Humeniuk, www.oikoslatino.org

I don’t like to call the cell guide a “lesson” because it gives the idea that the leader is teaching a class, and we all know that the best cell leaders are not teachers. In fact, the best cell leaders only talk 20% of the time! Remember that people need to express themselves, ask questions, and apply God’s Word to their own lives.

What I personally do in my church is give the cell guide to each group via email each week. I normally do this on Monday, after everyone has heard the sermon on Sunday. During my sermon, I try to use as many visuals as possible, such as handing out a fill-in-the blank outline, PowerPoints of my sermon, and so forth. In this way, those listening are able to remember the main points of the message.

The guide that I send out to the groups is divided into three parts:

  • Presence of Christ
  • Power of Christ
  • Purpose of Christ

In the “Presence of Christ” section, we direct the group to have a small snack, an icebreaker question, and the vision of the cell is presented: we are the body of Christ; we are called to build each other up, evangelize, and make disciples who will eventually multiply. We then welcome Christ’s presence in our our midst through praise, prayer, and intercession.

The second part has to do with the “power of Christ,” which is sub-divided into triads–groups of three. We ask the males and females to meet separately, so that they can share their particular needs more freely (e.g., trials, prayer requests, temptations, witnessing experiences, what God is saying in the quiet time, and so forth). Then the entire group comes back together, and we apply the Sunday sermon via specific questions. We make sure the leader doesn’t mention the Sunday sermon because there might be people in the group who were not there on Sunday. Rather, we focus on God’s Word and the passage that was covered on Sunday.

The third and final part of the program is what we call the “Purpose of Christ.” This is where the leader has the opportunity to inspire members of the group to do personal evangelism. We ask each member to write down the names of those people who are in their circle of influence. We pray for them on a regular basis. Group members report on the progress they had during the week in evangelism. In this section, we also plan social outreach to people who are in need. We also have a time of announcements, planning new outreach, and announcing future meetings.

Generally the third part of the program is one of the most neglected, so we make it a point not to overlook it because it’s part of the seven functions of the cell group: community life, evangelism, leadership training, mutual accountability, discipleship, Christ in our midst, and death to self.

Comments?

Ernesto

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Guia da Célula: O Que Nós Fazemos

por Ernesto Humeniuk, www.oikoslatino.org

Eu não gosto de chamar o guia da célula como uma “lição” porque isso dá a ideia de que o líder está ensinando a uma classe, e todos nós sabemos que os melhores líderes de célula não são professores. Na verdade, os melhores líderes de célula só falam 20% do tempo! Lembre-se que as pessoas precisam se expressar, faça perguntas, e aplique a Palavra de Deus a suas próprias vidas.

O que eu faço, pessoalmente, na minha igreja é dar o guia de célula para cada grupo via e-mail toda semana. Eu normalmente faço isso na segunda-feira, depois que todos ouviram o sermão no domingo. Durante o meu sermão, eu tento usar o máximo possível de recursos visuais, como distribuir um “preencha no espaço em branco”, PowerPoints da minha pregação, e assim por diante. Dessa forma, aqueles que estão ouvindo são capazes de lembrar dos pontos principais da mensagem.

O guia que eu mando para os grupos é dividido em três partes:

  • Presença de Cristo
  • Poder de Cristo
  • Propósito de Cristo

Na seção “Presença de Cristo”, nós direcionamos o grupo a ter um pequeno lanche, uma questão de quebra-gelo, e a visão da célula é apresentada: nós somos o corpo de Cristo; nós somos chamados a edificar uns aos outros, evangelizar, e fazer discípulos que vão se multiplicar eventualmente. Então, nós damos as boas-vindas à presença de Cristo em nosso meio através de adoração, louvor e intercessão.

A segunda parte tem a ver com o “poder de Cristo”, na qual o grupo é sub-dividido em tríades- grupos de três. Nós pedimos aos homens e mulheres que se reúnam separadamente, para que assim possam compartilhar suas necessidades particulares mais livremente (por exemplo, provações, pedidos de oração, tentações, experiências de testemunhos, o que Deus está dizendo no momento de silêncio, e assim por diante). Então todo o grupo volta a se juntar, e nós aplicamos o sermão de domingo através de perguntas específicas. Nós garantimos que o líder não mencione o sermão de domingo porque pode ter pessoas no grupo que não estavam presentes no domingo. Em vez disso, nos concentramos na Palavra de Deus e na passagem que foi citada no domingo.

A terceira e última parte do programa é o que nós chamamos de “Propósito de Cristo”. É aqui que o líder tem a oportunidade de inspirar membros do grupo a fazer evangelismo pessoal. Nós pedimos que cada membro escreva os nomes daquelas pessoas que estão em seu círculo de influência. Nós oramos por eles regularmente. Membros do grupo relatam o progresso que tiveram durante a semana em evangelismo. Nesta seção, nós também planejamos uma forma de alcance social a pessoas que estão necessitadas. Nós também temos um período de avisos, planejamento de novos momentos de alcançar as pessoas, e anunciamos futuras reuniões.

Geralmente a terceira parte do programa é uma das mais negligenciadas, por isso reforçamos que eles não devem esquecê-la porque ela faz parte das sete funções do grupo de célula: vida em comunidade, evangelismo, treinamento de liderança, prestação mútua de contas, discipulado, Cristo em nosso meio e morte para nós mesmos.

Comentários?

Ernesto

Spanish blog:

por Ernesto Humeniuk

Particularmente, no me gusta llamar a esto «lección» ya que da la idea de que el líder está para dar una clase, y todos sabemos bien que el mejor líder de célula es, precisamente, alguien que no es maestro. El mejor líder de célula es aquél que en la reunión de grupo habla solo el 20% de lo que se charla. La gente necesita expresarse, preguntar, opinar, evaluar y aplicar a su propia vida las verdades bíblicas al poderlas descubrir por si mismos, con la guía y dirección del Espíritu Santo y el instrumento que para ello es el líder de célula.

Hecha esta aclaración, lo que yo personalmente hago en mi iglesia es enviarle por e-mail el programa de la reunión del grupo para la semana. Lo hago normalmente el día lunes, luego que todos hubieran escuchado el sermón del domingo. En el mismo trato de usar todas las posibilidades de uso de los sentidos para que las personas recuerden lo más posible: bosquejo con blancos para que llenen, PowerPoint para que vean, etc.

El programa enviado se divide en «Presencia de Cristo» donde se le indica al líder tener un pequeño refrigerio, una pregunta de rompehielos y donde se repite la visión que como grupos celulares tenemos” «Somos un cuerpo básico de Cristo; edificamos, evangelizamos y equipamos con el objetivo de multiplicarnos». En una brece oración le damos la bienvenida a Cristo en nuestro medio, alabamos, oramos e intercedemos.

La segunda parte tiene que ver con el «Poder de Cristo» donde sub-dividimos a los grupos en tríadas de hombres y mujeres separados para una mayor intimidad y cada uno, en esos pequeños grupos, ora por necesidades personales, comparte tentaciones y problemas, comparte testimonios personales, menciona a quién le estuvo hablando de Cristo en la semana, qué le dijo Dios en su vida devocional, etc. Al volverse a integrar el grupo todo, se pasa a contestar las preguntas de aplicación personal del sermón, aclarándosele al líder que no se menciona el sermón del pastor por si acaso hubiese alguna persona que no estuvo el domingo en la celebración o si hubiere alguna persona invitada. Se habla del pasaje bíblico, no del sermón.

La tercera y última parte del programa es la que tiene en cuenta el «Propósito de Cristo». Aquí es donde el líder tiene la oportunidad de inspirar a los miembros del grupo para la evangelización personal. En un cartel se anotan los nombres de aquellas personas abiertas al Evangelio que están en nuestro círculo de influencia, personas a las que denominamos de «Tipo A» ( las de «Tipo B» son las reacias a escuchar acerca del Evangelio) y se ora por esas personas en forma semanal. Los miembros del grupo informan acerca de los progresos que tuvieron durante la semana al tratar de evangelizar a esas personas. En esta sección también se planifican encuentros sociales con personas no creyentes para hacer contacto. Si hay quien haya asistido al Encuentro «Juan 3:16» se le pide que practique delante del grupo lo que aprendió para así fijar el modelo. Este es el momento de anuncios, de planeamiento de actividades de alcance y de anunciar los Encuentros futuros que están planeados en la senda de equipamiento.

Generalmente la tercera parte del programa es una de las más descuidadas y a las que los lideres no prestan debida atención, por lo que tenemos que siempre enfatizar la necesidad de no pasarla por alto, ya que responde a una de las siete funciones del grupo celular: vida en comunidad, evangelismo, capacitación de liderazgo, responsabilidad mutua, discipulado, Cristo en medio nuestro y la muerte a nuestro yo.

Passionate Application

bill

 

by Bill Mellinger, Crestline First Baptist Church, http://www.crestlinefbc.com/

I attended a study group for some time that met each week to read through some material in a study book and answer questions. Usually, one person would answer a question and then the leader would move on. The members did not connect with one another or minister to one another even when personal things “accidentally” came out. There was Bible study and there was prayer, but there was no noticeable life change, and no one shared anything with a person who was far from Christ. Witness may get talked about occasionally, but it did not happen and there was little if any personal sharing. I left the group five years ago and started working to transition our church to become a relational church following the cell church model. Incidentally, the same three or four guys still meet each week for their Bible study.

In spite of the example above, I am seeing our church and community change because of the commitment to the two-winged model of cell and celebration. The text for the weekly sermon is the focus of study at the weekly cell meeting. Having preached the sermon, I prepare questions that will drive home the application of the text. Our leaders can adjust the session based on the responses of the group. There are usually more questions than are needed. I want the groups to apply the Scripture to their lives and for the group members to help one another to do that. With the four W’s, our groups cannot avoid the purposes of all believers to do worship, application of the Word and Witness using the gifts of the Spirit as they serve one another.

We use the four W’s (Welcome, Worship, Word, Witness/Work) as an outline for all of our Life Groups. Even a group that is working through a special study follows this format because it keeps the priorities of the group in front of everyone. Every gathering needs to help people connect to one another, connect to the Lord, connect the Word to their lives and connect the group to people who are not yet connected to Christ. Application is primary in everything we do during the meeting.

Did you catch Daphne Kirk’s comment at the beginning of her blog on September 15? “I, for one, do not want to help in the hardening process!” By structuring the cell lesson on applying the text, our groups are able to take the Word to a deeper level of commitment. More than that, our groups remain relational and outreach focused. Even though we live in a small, impoverished community, we are seeing life change and our community is responding to Christ. My sermons might not be remembered, but the Word is being applied and that IS what matters. I too, “do not want to help in the hardening process!”

Passionately,

Bill Mellinger

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aplicação Apaixonada

por Bill Mellinger, Crestline First Baptist Church (Primeira Igreja Batista de Crestline), http://www.crestlinefbc.com/

Eu compareci por algum tempo a um grupo de estudo que se reunia toda semana para ler um material em um livro de estudos e responder perguntas. Geralmente, uma pessoa respondia uma pergunta e então o líder seguia em frente. Os membros não se conectavam uns com os outros ou ministravam uns aos outros, mesmo quando coisas pessoais “acidentalmente” surgiam. Havia estudo bíblico e oração, mas não havia nenhuma mudança de vida notável, e ninguém compartilhava algo com uma pessoa que estava longe de Cristo. Pode-se falar ocasionalmente sobre testemunhos, mas isso não aconteceu e houve pouco ou nenhum compartilhamento pessoal. Eu deixei o grupo há cinco anos e comecei a trabalhar para transicionar nossa igreja para se tornar uma igreja relacional seguindo o modelo de igreja em células. A propósito, os mesmos três ou quatro caras ainda se encontram toda semana para seu estudo bíblico.

Apesar do exemplo acima, eu estou vendo a nossa igreja e comunidade mudar por causa do compromisso com o modelo de duas asas de célula e celebração. O texto para o sermão semanal é o foco do estudo no encontro celular semanal. Após pregar o sermão, eu preparo questões que vão guiar a aplicação do texto. Nossos líderes podem ajustar a sessão com base nas respostas do grupo. Normalmente existem mais perguntas do que o necessário. Eu quero que os grupos apliquem as Escrituras para suas vidas e que os membros do grupo ajudem uns aos outros a fazer isso. Com os quatro W’s, nossos grupos não podem evitar os propósitos de todos os crentes de fazer adoração, aplicação da Palavra e testemunhos usando os dons do Espírito conforme eles servem uns aos outros.

Nós usamos os quatro W’s (“Welcome”- Boas-Vindas, “Worship”- Adoração, “Word”- Palavra, “Witness/Work”- Testemunho/Trabalho) como modelo para todos os nossos pequenos grupos. Mesmo um grupo que esteja trabalhando em um estudo especial segue esse formato porque ele mantém as prioridades do grupo na frente de todos. Toda reunião precisa ajudar as pessoas a se conectar uns com os outros, conectar ao Senhor, conectar a Palavra as suas vidas e conectar o grupo a pessoas que ainda não estão conectadas a Cristo. A aplicação é fundamental em tudo que nós fazemos durante o encontro.

Você pegou o comentário de Daphne Kirk no começo de seu blog em 15 de setembro? “Eu, pelo menos, não quero ajudar no processo de endurecimento!”. Ao estruturar a lição da célula em aplicar o texto, nossos grupos são capazes de levar a Palavra a um nível mais profundo de comprometimento. Mais do que isso, nossos grupos permanecem focados no relacional e no evangelismo. Ainda que nós vivamos em uma comunidade pequena, empobrecida, estamos vendo a mudança de vida e nossa comunidade está respondendo a Cristo. Minhas pregações podem não ser lembradas, mas a Palavra está sendo aplicada e isso É o que importa. Eu também, “não quero ajudar no processo de endurecimento!”

Apaixonadamente,

Bill Mellinger

Spanish blog:

Aplicación apasionada

Por Bill Mellinger, Crestline First Baptist Church, http://www.crestlinefbc.com/

Asistí a un grupo de estudio hace algún tiempo, que se reunía cada semana, para leer algún material de un libro de estudio y responder a preguntas. Por lo general, una persona respondía la pregunta y luego el líder seguía adelante. Los miembros no se conectaban entre sí o se ministraban los unos a los otros, incluso cuando asuntos personales salían a la luz “accidentalmente”. Había estudio de la Biblia y oración, pero no había un cambio de vida notable, y nadie compartía nada con una persona que estuviera muy alejada de Cristo. Ocasionalmente se hablaba de dar testimonio, pero nunca sucedió, y se compartía muy poco o nada sobre asuntos personales. Dejé el grupo hace cinco años y comencé a trabajar para hacer la transición de nuestra iglesia, para convertirse en una iglesia relacional siguiendo el modelo de la iglesia celular. Por cierto, las mismas tres o cuatro personas todavía se reúnen cada semana para su estudio de la Biblia.

A pesar del ejemplo de arriba, estoy viendo que nuestra iglesia y comunidad está cambiando por el compromiso con el modelo de dos alas de la célula y la celebración. El texto para el sermón semanal es en lo que se enfoca el estudio de la reunión semanal de la célula. Después de haber predicado el sermón, preparo preguntas que harán aterrizar la aplicación del texto. Nuestros líderes pueden ajustar la sesión sobre la base de las respuestas del grupo. Por lo general hay más preguntas de las que se necesitan. Quiero que los grupos apliquen la Escritura a sus vidas y que los miembros del grupo se ayuden unos a otros para hacerlo. Con las cuatro de W’s, nuestros grupos no pueden evitar los propósitos de todos los creyentes de adorar, de aplicar la Palabra y de dar testimonio utilizando los dones del Espíritu, al servirse los unos a los otros.

Utilizamos las cuatro de W’s (Welcome, Worship, Word, Witness/Work) (Bienvenida, Adorar, Palabra, Dar Testimonio / Trabajar) como un lineamiento para todos nuestros Grupos de Vida. Incluso un grupo que esté trabajando a través de un estudio especial sigue este formato, ya que mantiene las prioridades del grupo frente a todos. Cada reunión tiene que ayudar a las personas a conectarse entre sí, a conectarse con el Señor, a conectar la Palabra con sus vidas y a conectar al grupo de personas que aún no están conectadas con Cristo. La aplicación es primordial en todo lo que hacemos durante la reunión.

¿Entendiste el comentario de Daphne Kirk al inicio de su blog el 15 de septiembre? “¡Yo, por mi parte, no quiero ayudar en el proceso de endurecimiento!” Al estructurar la lección celular en la aplicación del texto, nuestros grupos son capaces de llevar la Palabra a un nivel más profundo de compromiso. Más que eso, nuestros grupos permanecen relacionales y enfocados en alcanzar a otros. A pesar de que vivimos en una pequeña comunidad, empobrecida, estamos viendo cambios en las vidas y nuestra comunidad está respondiendo a Cristo. Mis sermones tal vez no sean recordados, pero la Palabra se está poniendo en práctica y ESO es lo que importa. Yo también, “¡no quiero ayudar en el proceso de endurecimiento!”.

Apasionadamente,

Bill Mellinger

Flexible Planning

joel

by Joel Comiskey

When helping cell leaders prepare the lesson more effectively, two words of advice come to mind: preparation and flexibility.

Preparation

I highly recommend that the leader receives a copy of the lesson before the pastor preaches on Sunday morning. It really helps if the small group leader can listen to the pastor’s Sunday message, while envisioning how that message will apply to his or her small group. In the internet age, it’s quite easy for the lead pastor (or the one who prepares the lesson) to send out the lesson via email to each team leader on Sunday morning before the preaching. It’s also wise to print out the lesson to make it available for team members when they enter the church.

I lead a cell with other team members. Before pastor Eric preaches on Sunday at Wellspring, I download his message onto my Samsung cell phone. As Pastor Eric preaches, I follow the lesson on my phone, switch to my kindle Bible app on the phone, and also jot down notes on my “S Note” software. This gives me a head start before my Tuesday evening LIFE group.

But I also like Randall Neighbour’s advice about including a lesson copy in the bulletin so every cell member has the lesson in hand. This is great advice. Why not prepare the members as well as the leaders!

Does the pastor have to prepare the lesson? Often the main pastor will take on this responsibility, but if the pastor notices another gifted person, he may decide to give his sermon notes to that person who will then prepare the lesson. Perhaps an associate pastor could do it.

Flexibility

The lesson questions are guidelines, not laws. One of the most common errors is for the leader to ask too many discussion questions during the cell group. Some small group leaders feel obligated to cover all the questions—even if there are ten or more. Don’t do this. Choose the ones that best suit your group. For example, last Tuesday, I only used two questions from the sermon. I closed with, “What else has God showed you from this passage?” This stimulated the members to apply the message in new ways.

I’m discovering more and more that the LIFE group is all about sharing life. It’s about allowing the Holy Spirit to transform through the minister of each person. It’s not a Bible study! Yes, God’s inerrant Word undergirds everything in the life group, but as I shared last week, it’s God’s Word applied to those present.

My advice is to allow the people to leave with a hunger for more, rather than a commitment never to return to such a long, boring small group meeting. I also think it’s important to leave time for prayer, the ice-breaker, and outreach.

Comments?

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Planejamento Flexível

por Joel Comiskey

Ao ajudar líderes de célula a preparar a lição de maneira mais eficaz, duas palavras de conselho vêm à mente: preparação e flexibilidade.

Preparação

Eu recomendo altamente que o líder receba uma cópia da lição antes que o pastor pregue no domingo de manhã. Realmente ajuda se o líder de pequeno grupo puder ouvir a mensagem de domingo do pastor, enquanto visualiza como essa mensagem será aplicada ao seu pequeno grupo. Na era da internet, é muito fácil para o pastor principal (ou a pessoa que prepara a lição) enviar a lição via e-mail para cada líder de equipe no domingo de manhã antes da pregação. Também é aconselhável imprimir a lição para torná-la disponível para os membros da equipe quando entram na igreja.

Eu lidero uma célula com outros membros de equipe. Antes do pastor Eric pregar no domingo em Wellspring, eu baixo sua mensagem em meu Samsung telefone celular. Enquanto o Pastor Eric prega, eu sigo a lição no meu celular, troco para o meu aplicativo da Bíblia kindle no telefone, e também faço anotações no meu software “S Note”. Isso me dá uma vantagem antes do meu grupo de terça-feira à noite.

Mas eu também gosto do conselho de Randall Neighbour sobre incluir uma cópia da lição no boletim para que todo membro de célula tenha a lição em mãos. Esse é um ótimo conselho. Por que não preparar os membros assim como os líderes?!

O pastor tem que preparar a lição? Muitas vezes, o pastor principal vai assumir essa responsabilidade, mas se ele percebe outra pessoa talentosa, ele pode decidir dar suas anotações de sermão para a pessoa que vai, em seguida, preparar a aula. Talvez um pastor associado possa fazer isso.

Flexibilidade

As questões da lição são guias, não regras. Um dos erros mais comuns é que o líder pergunte muitas questões de discussão durante a célula. Alguns líderes de pequenos grupos se sentem obrigados a fazer todas as perguntas—mesmo se houver dez ou mais. Não faça isso. Escolha aquelas que se encaixam melhor para o seu grupo. Por exemplo, na última terça-feira, eu só usei duas perguntas do sermão. Eu terminei com “O que mais Deus te mostrou com essa passagem?”. Isso estimulou os membros a aplicar a mensagem de novas formas.

Eu estou descobrindo cada vez mais que o grupo de célula é totalmente sobre compartilhar a vida. É sobre permitir que o Espírito Santo transforme através do ministério de cada pessoa. Não é um estudo Bíblico! Sim, a Palavra de Deus inerrante sustenta tudo no grupo, mas como eu compartilhei na semana passada, é a Palavra de Deus aplicada àqueles que estão presentes.

Meu conselho é permitir que as pessoas saiam com uma fome por mais, ao invés de um comprometimento a nunca mais retornar a um encontro de pequeno grupo tão longo e chato. Eu também acho importante deixar tempo para a oração, para o quebra-gelo e o evangelismo.

Comentários?

Joel

Spanish blog:

Planificación Flexible

Por Joel Comiskey

Cuando les estoy ayudando a los líderes de células a preparar la lección de manera más efectiva, se me vienen a la mente dos consejos: preparación y flexibilidad.

Preparación

Recomiendo mucho que el líder reciba una copia de la lección antes de que el pastor predique el domingo por la mañana. Realmente es de mucha ayuda si el líder del grupo pequeño puede escuchar el mensaje del domingo de parte del pastor, mientras se imagina cómo se aplicará ese mensaje a su grupo pequeño. En la era del Internet, es muy fácil para el pastor principal (o el que prepara la lección) enviar la lección a través de correo electrónico a cada líder del equipo en la mañana del domingo antes de la predicación. También es aconsejable imprimir la lección para que esté disponible para los miembros del equipo cuando entran en la iglesia.

Dirijo una célula junto con otros miembros del equipo. Antes de que el pastor Eric predique el domingo en Wellspring, descargo su mensaje en mi Samsung telefono celular. Mientras el Pastor Eric predica, sigo la lección en mi teléfono, cambiando a mi teléfono la aplicación Kindle de  la Biblia, y también tomo notas en mi software “S Note”. Tener esto antes del martes en la tarde cuando tengo mi grupo de VIDA me da una ventaja.

Pero también me gusta el consejo de Randall Neighbour sobre incluir una copia de la lección en el boletín para que cada miembro de la célula tenga la lección a la mano. Este es un gran consejo. Entonces, ¡¿Por qué no preparar a los miembros, así como a los líderes?!

¿Tiene que preparar la lección el pastor? A menudo, el pastor principal asumirá esta responsabilidad, pero si el pastor se da cuenta de otra persona talentosa para hacerlo, podría decidir darle sus notas del sermón a esta persona para que prepare la lección. Tal vez lo podría hacer un pastor asociado.

Flexibilidad

Las preguntas de la lección son lineamientos, no leyes. Uno de los errores más comunes es que el líder haga demasiadas preguntas para discutir durante el grupo celular. Algunos líderes de grupos pequeños se sienten obligados a cubrir todas las preguntas-incluso si hay diez o más. No hagas esto. Elije las que mejor se adapten a tu grupo. Por ejemplo, el martes pasado, sólo utilicé dos preguntas del sermón. Cerré con, “¿Qué más te ha mostrado Dios en este pasaje?” Esto estimuló a los miembros a aplicar el mensaje de nuevas maneras.

Estoy descubriendo cada vez más que el grupo de VIDA trata sobre compartir vida. Se trata de permitir que el Espíritu Santo transforme a través del ministro que hay en cada persona. ¡No es un estudio de la Biblia! Sí, la Palabra infalible de Dios subyace en todo lo del grupo de vida, pero como lo compartí la semana pasada, se trata de la Palabra de Dios aplicada a los presentes.

Mi consejo es permitirles a las personas que se retiren con hambre de más, en lugar de con un compromiso de no volver jamás a una tan larga y aburrida reunión de grupo pequeño. También creo que es importante dejar tiempo para la oración, el rompehielos, y para alcanzar a otros.

¿Comentarios?

Joel

Cell Lesson Content

marioby Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

Our cell lesson guide follows the basic steps of teaching: Introduction, body and application. These three steps are clearly indicated, and the leader notices the transition from one to another. The reason for this is to avoid leaving out any of these aspects from the lesson.

The introduction connects the listener with the Scripture that will be developed. The body of the teaching provides the biblical content, usually divided into three or four points. Finally, the application takes the teaching part and applies it to the daily lives of the listeners. There is no teaching that doesn’t end with application.

By following the same format week after week, the leaders become accustomed to an orderly presentation of a theme. Over time, they not only understand the order "mentally," but also "practically." It becomes a habit because they become accustomed to doing it week after week. When this type of practical teaching become a habit, they are capable of doing the same thing with any teaching they wish to set forth.

The leaders know that every teaching must include practice application to the hearers. It’s not simply teaching of theoretical content. Rather, it must have focused application to the lives of the hearers. In this way, the lesson comes alive to the recipients, since everyone knows that we are not talking about something that only applies to people from two thousand years ago, but to the lives of people living here and now.

Comments?

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Conteúdo da Lição da Célula, por Mario Vega, http://www.elim.org.sv/
Nosso guia de lição da célula segue os passos básicos do ensino: introdução, corpo e aplicação. Estes três passos são claramente indicados, e o líder nota a transição de um para o outro. A razão disso é para evitar deixar de lado qualquer destes aspectos da lição.

A introdução conecta o ouvinte com a Escritura que será desenvolvida. O corpo do ensino fornece o conteúdo bíblico, geralmente dividido em três ou quatro pontos. Finalmente, a aplicação pega a parte ensinada e a aplica ao dia-a-dia dos ouvintes. Não existe ensinamento que não termine com aplicação.
Ao seguir o mesmo formato semana após semana, os líderes se acostumam com uma apresentação ordenada de um tema. Com o tempo, eles não só entendem a ordem "mentalmente", mas também "praticamente". Isso se torna um hábito porque eles se acostumam a fazer isso semana após semana. Quando esse tipo de ensino prático se torna um hábito, eles são capazes de fazer o mesmo com qualquer ensinamento que desejam expor.
Os líderes sabem que qualquer ensinamento deve incluir aplicação prática aos ouvintes. Não é simplesmente ensinar um conteúdo teórico. Em vez disso, ele deve ter aplicação focada para a vida dos ouvintes. Dessa forma, a lição se torna viva aos destinatários, já que todos sabem que nós não estamos falando sobre algo que só se aplica às pessoas de dois mil anos atrás, mas às vidas de pessoas vivendo aqui e agora.
Comentários?

Mario

Spanish blog:

Contenidos de la lección de la célula.

por Mario Vega

Nuestra guía de lección de la célula sigue los pasos básicos de una enseñanza: Introducción, cuerpo y aplicación. Estos tres pasos están señalados claramente y el líder puede notar el paso de uno a otro. Esto tiene por objeto que en la enseñanza no quede ninguno de los aspectos por fuera.

La introducción relaciona al oyente con la Escritura a desarrollar. El cuerpo de la enseñanza ofrece el contenido del día, normalmente distribuido en tres o cuatro puntos. Finalmente, la aplicación toma la enseñanza del día y la aplica a los oyentes en su realidad diaria. No hay enseñanza que no termine con su respectiva aplicación.

El ejercicio de seguir este formato semana tras semana hace que los líderes vayan acostumbrándose a una presentación ordenada de un tema. Con el tiempo, este es un esquema que no solo poseen mentalmente sino que también han aprendido a usarlo en la práctica. A partir de ese momento, ellos tienen la capacidad de ordenar cualquier enseñanza que deseen impartir en otras ocasiones o necesidades.

Saben que toda enseñanza debe tener una aplicación práctica para los oyentes. No se tratará solo de una enseñanza suelta sino que irá dirigida al corazón de la vida diaria de los oyentes. Así, las enseñanzas cobran vida para quien la recibe. Pues no se le está hablando de algo que tenía que ver con las personas de hace dos milenios sino con nosotros, ahora y aquí.

Mario

When to Make the Guide Available

randall

Cell-Based Sermon Application

by Randall Neighbour

Whenever I’m asked to preach in a cell church, I always supply a cell lesson for that next week and ask them to include a copy of it in the bulletin so every cell member has it in hand while I preach. I refer to it at least once or twice while preaching instead of the silly fill-in-the-blank outlines I’ve seen used to keep people awake. I challenge the group members to read through it each day before their group meets and ask the Holy Spirit to reveal areas in which to share, confess, and encourage others.

You see, the healthiest cell groups are comprised of cell members who are spiritually and mentally prepared to fully participate in the personal application of the Word in a cell meeting… and haven’t forgotten what was preached about just a few days earlier! Did you know a sizable percentage of pastor’s wives could not remember the sermon’s content when asked just 48 hours after the services? If they’re this forgetful, we can only safely assume the percentage of “in one ear and out the other” is even higher among cell group members. Selah.

Providing a guide for the cell members each week is no easy task. In a couple of churches where I’ve served in leadership, I have worked alongside the pastor to write guides for him. He emailed me the gist of his sermon and the scriptural texts on Thursday and by Friday at lunch, I emailed him a guide he polished a bit and sent to a secretary for duplication. Took a couple of months for us to find our cadence, but it worked well for a number of years.

Why did I offer to write the guides for him each week even though he had already incorporated it into his weekly schedule so it could be available on Sunday morning for the members? That’s the topic of the next blog. I look forward to sharing it with you!

Randall Neighbour is the President of TOUCH Outreach Ministries (www.touchusa.org) and the author of The Naked Truth About Small Group Ministry: When it won’t work and what to do about it. You can read more of his thoughts at www.randallneighbour.com.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aplicação do Sermão Baseada na Célula: Quando Tornar o Guia Disponível e Para Quem Ele Deve Ser Dado

por Randall Neighbour

Sempre que me pedem para pregar em uma igreja em células, eu sempre forneço uma lição de célula para a próxima semana e eu lhes peço que incluam uma cópia da mesma no boletim, para que assim cada membro da célula a tenha em mãos enquanto eu prego. Eu me refiro a ela pelo menos uma ou duas vezes enquanto prego em vez do bobo “preencha o espaço em branco” que eu tenho visto ser usado para manter as pessoas acordadas. Eu desafio os membros do grupo que a leiam todos os dias antes do encontro de seu grupo e peçam ao Espírito Santo que revele áreas nas quais compartilhar, confessar e encorajar os outros.

Veja, os grupos de célula mais saudáveis são compostos por membros que são espiritual e mentalmente preparados para participar plenamente na aplicação pessoal da Palavra em uma reunião de célula… E que não se esqueceram do que foi pregado apenas alguns dias antes! Você sabia que uma porcentagem considerável das esposas de pastores não conseguem se lembrar do conteúdo do sermão quando perguntadas apenas 48 horas após os cultos? Se elas estão esquecidas dessa forma, podemos assumir com segurança que o percentual de “entra por um ouvido e sai pelo outro” é ainda maior entre os membros do grupo de células. Selah.

Fornecer um guia para os membros das células todas as semanas não é uma tarefa fácil. Em duas igrejas onde tenho servido na liderança, tenho trabalhado ao lado do pastor para produzir esse guias. Ele me mandou um e-mail com a essência do sermão na quinta e na sexta bem na hora do almoço, eu também mandei um para ele com um guia, que ele deu mais uma polida e mandou para um secretário para que esse email fosse duplicado. Levou uns meses para que encontrássemos nossa cadência, mas funcionou bem para os outros anos.

Porque eu me ofereceria para escrever os guias para ele todas as semanas, se ele já tinha incorporado em sua agenda semanal um tempo livre todos os domingos de manhã para os membros? Isso é assunto para o nosso próximo blog. Estou ansioso para compartilhar com vocês.

Randall Neighbour é o presidente do TOUCH Outreach Ministries (www.touchusa.org) e é o autor de: “The Naked Truth About Small Group Ministry: When it won’t work and what to do about it” (“A Verdade Nua Sobre o Ministério de Pequenos Grupos: Quando ele não funciona e o que fazer a respeito”). Você pode ler mais em www.randallneighbour.com.

Spanish blog:

Aplicación del Sermón Basado en Células: Cuándo tener disponible la guía y a quién se le debe entregar

Por Randall Neighbour

Cuando me solicitan que predique en una iglesia celular, siempre proporciono una lección celular para esa semana y les pido que incluyan una copia de la misma en el boletín para que cada miembro de la célula la tenga a la mano mientras predico. Hago referencia a la lección por lo menos una o dos veces mientras predico, en vez de citar comentarios sin importancia del bosquejo, los cuales he visto ser utilizados para mantener despiertas a las personas. Yo reto a los miembros del grupo a leerla todos los días antes de que su grupo se reúna y a pedir al Espíritu Santo que les revele las áreas con las que puedan compartir, confesar, y animar a otros.

Verás, los grupos celulares sanos están compuestos por miembros de la célula que están espiritual y mentalmente preparados para participar plenamente en la aplicación personal de la Palabra en una reunión celular… ¡y no han olvidado lo que fue predicado unos días antes! ¿Sabías que un porcentaje considerable de las esposas de los pastores no podían recordar el contenido del sermón cuando se les preguntó apenas 48 horas después de los servicios? Si son tan olvidadizas, podemos asumir con seguridad que el porcentaje de los que “por un oído les entra y por el otro les sale” es aún mayor entre los miembros del grupo celular. Selah.

Proporcionar una guía para los miembros de la célula cada semana no es tarea fácil. En un par de iglesias en las que he servido en el liderazgo, he trabajado junto con el pastor para escribir guías para él. Él me enviaba el jueves por correo electrónico lo esencial de su sermón y los textos de las Escrituras, y para el viernes a la hora del almuerzo, yo le enviaba por correo electrónico una guía que él pulía un poco, la cual enviaba a una secretaria para que la reprodujera. Nos tomó un par de meses para que pudiéramos encontrar nuestro ritmo, pero funcionó bien durante unos cuantos años.

¿Por qué me ofrecí a escribir las guías para él cada semana a pesar de que ya las había incorporado a su programación semanal para que pudieran estar disponibles para los miembros el domingo por la mañana? Ese es el tema del próximo blog. ¡Espero poder compartirlo con ustedes!

Randall Neighbour es el Presidente de TOUCH Outreach Ministries (Ministerios de Alcance TOQUE) (www.touchusa.org) y el autor de The Naked Truth About Small Group Ministry: When it won’t work and what to do about it. (La verdad al descubierto sobre El Ministerio de Grupos Pequeños: Cuando no va a funcionar y qué hacer al respecto.) Puedes leer más de su pensamiento en www.randallneighbour.com.