Avoiding the Mentality of the “Dones”

robert

by Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil

It is easy to understand the situation of faithful church members getting bored because of years and years of the same thing. In my observation the dones comprise 10 to 15% of those faithful people who do all the work to keep the structure of the machine-church running. This is no fun. Programs and events have a limit to them. They wear out and seem to have little or no results. Cell churches, on the other hand, offer every believer the opportunity to serve in a cell, where every member is a priest, and where every house is a church. Winning people, training/discipling, and then sending them out leaves no room for boredom.

There is another problem, though. Some cell systems over-work their people, over burden them, and eventually burn them out. The result is family, health, and financial problems. What is the answer? The major focus in all of this should be to focus ministry efforts and energy in people and not in programs that repeat themselves over and over until people are done. The basic goal of the church should be to reach out to people. God so loved people. He sent His Son to save people. The Holly Spirit fills people. God uses people in contrast to programs. When we concentrate on people, boredom flees. Why? Because every person is different, there are always new experiences, and ministry gives us exciting challenges.

Let’s always remember that the church is a dynamic movement, and not a static monument. People get tired in spending their time and money in preserving monuments. Instead they prefer to invest their time and money in expanding movements. And pastors should avoid extremes, so that they themselves to not become done with ministry through burning out.

Help us God!

Robert M. Lay
Cell Church Ministry Brazil

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evitando a Mentalidade dos “Fartos

por Robert Lay, Ministério da Igreja em Células no Brasil

É fácil compreender a situação dos membros fiéis da igreja ficando entediados por causa de anos e anos da mesma coisa. Na minha observação os fartos compreendem de 10 a 15% dessas pessoas fiéis que fazem todo o trabalho para manter a estrutura da máquina da igreja funcionando. Isso não é divertido. Programas e eventos tem um limite para eles. Eles se desgastam e parecem ter pouco ou nenhum resultado. As igrejas em células, por outro lado, oferecem a cada convertido a oportunidade de servir em uma célula, onde cada membro é um sacerdote e onde cada casa é uma igreja. Ganhar pessoas, treinar/discipular e depois enviá-las não deixa espaço para o tédio.

No entanto, há outro problema. Alguns sistemas celulares dão muito trabalho para seu povo, sobrecarregam as pessoas e, eventualmente, as esgotam. Os resultados são problemas familiares, de saúde e financeiros. Qual é a resposta? O foco principal em tudo isso deveria ser o de concentrar os esforços e a energia do ministério em pessoas, e não em programas que se repetem mais e mais até que as pessoas fiquem fartas. O objetivo básico da igreja deveria ser alcançar pessoas. Deus amou tanto as pessoas. Ele enviou Seu Filho para salvar pessoas. O Espírito Santo enche as pessoas. Deus usa pessoas em contraste com programas. Quando nos concentramos nas pessoas, o tédio foge. Por quê? Porque cada pessoa é diferente, há sempre novas experiências, e o ministério nos dá desafios emocionantes.

Vamos sempre lembrar que a igreja é um movimento dinâmico, e não um monumento estático. As pessoas se cansam de gastar seu tempo e dinheiro em conservar monumentos. Em vez disso, elas preferem investir seu tempo e dinheiro em expandir movimentos. E os pastores devem evitar os extremos, para que eles mesmos não fiquem fartos do ministério por conta do esgotamento. 

Ajude-nos, Deus!

Robert M. Lay
Ministério da Igreja em Células no Brasil

Spanish blog:

Evitando la mentalidad de los "hastiados"
Por Roberto Lay, Iglesia Celular del Ministerio Brasil

Es fácil de comprender la situación de los fieles miembros de la iglesia sintiéndose aburridos debido a años y años de lo mismo. En mi observación los hastiados comprenden el 10 a 15% de esas personas fieles que hacen todo el trabajo para mantener la estructura de la máquina-iglesia en funcionamiento. Esto no es divertido. Los programas y eventos tienen un límite para ellos. Se desgastan y parecen tener poco o ningún resultado. Las iglesias celulares, por otro lado, ofrecen a todo creyente la oportunidad de servir en una célula, donde cada miembro es un predicador, y donde cada casa es una iglesia. Ganar gente, formación/discipulado y luego enviarlos fuera no deja lugar para el aburrimiento.

Hay otro problema, sin embargo. Algunos sistemas de células sobre trabajan a su gente, les dan sobre carga, y con el tiempo los agotan. El resultado es la familia, la salud y los problemas financieros. ¿Cuál es la respuesta? El enfoque principal en todo esto debe ser concentrarse en los esfuerzos del ministerio y de la energía en la gente y no en los programas que se repiten una y otra vez hasta que las personas se hastían. El objetivo básico de la iglesia debe ser alcanzar a la gente. Dios amó tanto a las personas. Él envió a su Hijo para salvarlos. El Espíritu los llena. Dios usa la gente en contraste con los programas. Cuando nos concentramos en las personas, el aburrimiento huye. ¿Por Qué? Porque cada persona es diferente, siempre hay nuevas experiencias, y el ministerio nos da retos apasionantes.

Recordemos siempre que la iglesia es un movimiento dinámico, y no un monumento estático. La gente se cansa de usar su tiempo y dinero en monumentos conservantes. En cambio ellos prefieren invertir su tiempo y dinero en la expansión de los movimientos. Y los pastores deben evitar los extremos, para que ellos mismos no se hastíen con el ministerio a través del agotamiento.

¡Ayúdanos a Dios!

Robert M. Lay
Iglesia Celular del Ministerio Brasil

Stopping the Rise of the Dones

scott

by M. Scott Boren, The Center for Community and Mission, www.mscottboren.com,
Twitter@mscottboren

Yesterday, I was sitting with our kids eating Danishes at a coffee shop. Two of the kids were have a discussion about something ridiculous, about which they were both correct. After going back and forth, I said, “What difference does this make?” And then my oldest, who is 12 said, “Yeah, it’s like arguing whether scissors is better than rock.” (For those who are reading this in translation, this reference might not be obvious as a common kids game is called Rock, Paper, Scissors.)

In my interaction with the dones, one of the things that I’ve found that people are done with is the pointless bandwagons we jump on in the church. We argue about new ideas regarding church strategy like the survival of God’s kingdom depends upon it. It’s as if the latest revelation about how the church should run is the new magical answer for church success. And of course, if we don’t implement that new program now, then the church will not survive.

It’s like we are arguing for scissors being more important than rock. I used to be one of those making this argument. I assumed that finding the magical elixir was going to turn the corner in our church. I thought if we just figured out the right group strategy that it would take us to the next level. And I’ve served under pastors who made the same assumption.

This is exhausting!

The dones I’ve talked with are done with all of the new ideas about how we make the church work better. They are done with doing the work of our new ideas.

One of the early statements commonly made by small group innovators was “The only thing that is constant around here is change.” I remember talking with an honest, experienced small group leader in an internationally renowned cell church where this statement had become a mantra back in the early 1990s. He told me that he had stepped down from leading a group and being a coach. When I probed as to why, he told me that all of those in charge were in love with their new ideas and strategies. He just wanted to live in community with his group. He intimated that he was feeling burned out and used by all the work he was having to do in order to pull of the cell church. He was done with leadership even though he was not done with the church.

I’m not saying that innovation is not needed. Of course we need new ideas. What I am saying is this: If we don’t want to have more “dones” on our hands, we had better pay attention to our people. We need to treat people as “persons” not worker bees who are there to pull off our ministry ideas.

To be honest, this is one of the reasons I wrote the book Leading Small Groups in the Way of Jesus. I was observing too many exhausted leaders and I was looking for a way of leading groups that embraced the grace to empower us to lead as we “make every effort to enter into his rest” (Heb 4:9-11).

If we want to put a stop to the rise of dones, we may very well need different ways of leading. Something to consider.

Scott

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Parando o Aumento dos Fartos

por M. Scott Boren, The Center for Community and Mission (“O Centro para Comunidade e Missão”, tradução livre), www.mscottboren.com, Twitter@mscottboren

Ontem, eu estava sentado com os nossos filhos comendo doces dinamarqueses em um café. Duas das crianças estavam discutindo sobre algo ridículo, sobre o qual ambos estavam corretos. Depois de idas e vindas, eu disse: “Que diferença isso faz?” E então meu filho mais velho, que tem 12 anos, disse: “Sim, é como discutir se tesoura é melhor do que pedra” (Para aqueles que estão lendo isso na tradução, esta é uma referência a um jogo comum de crianças chamado de Pedra, Papel, Tesoura).

Na minha interação com os fartos, uma das coisas que eu descobri da qual as pessoas estão fartas são os movimentos sem sentido que nós participamos na igreja. Nós argumentamos sobre novas ideias em relação à estratégia da igreja como se a sobrevivência do Reino de Deus dependesse disso. É como se a mais recente revelação sobre como a igreja deve ser executada é a nova resposta mágica para o sucesso da igreja. E, claro, se não implementarmos esse novo programa agora, então a igreja não vai sobreviver.

É como se nós estivéssemos discutindo sobre se a tesoura é mais importante do que a pedra. Eu costumava ser uma das pessoas que participava dessa discussão. Eu presumia que encontrar o elixir mágico ia alterar positivamente as coisas na nossa igreja. Eu pensava que se nós descobríssemos a estratégia de grupo certa, ela nos levaria para o próximo nível. E eu servi sob pastores que fizeram a mesma suposição.

Isso é cansativo!

Os fartos com que eu falei estão fartos de todas as novas ideias sobre como nós fazemos a igreja funcionar melhor. Eles são fartos de fazer o trabalho das nossas novas ideias.

Uma das primeiras declarações comumente feitas por inovadores de pequenos grupos era “A única coisa que é constante por aqui é a mudança”. Eu lembro de ter falado com um líder de grupo pequeno honesto e experiente em uma igreja em células de renome internacional em que esta declaração se tornou um mantra no início dos anos 90. Ele me disse que tinha deixado de liderar um grupo e ser um treinador. Quando eu sondei o motivo, ele me disse que todos os responsáveis estavam apaixonados por suas novas ideias e estratégias. Ele só queria viver em comunidade com o seu grupo. Ele insinuou que ele estava se sentindo esgotado e usado por todo o trabalho que ele estava tendo que fazer a fim de levar a igreja em células. Ele estava farto da liderança, embora ele não estivesse farto da igreja.

Eu não estou dizendo que a inovação não é necessária. É claro que nós precisamos de novas ideias. O que estou dizendo é o seguinte: Se não queremos ter mais “fartos” em nossas mãos, é melhor nós prestarmos atenção ao nosso povo. Precisamos tratar as pessoas como “pessoas” e não como abelhas trabalhadoras que estão lá para realizar nossas ideias do ministério.

Para ser honesto, esta é uma das razões pelas quais eu escrevi o livro Leading Small Groups in the Way of Jesus (“Liderando Pequenos Grupos na Maneira de Jesus”, tradução livre). Eu estava observando muitos líderes exaustos e procurando uma maneira de liderar grupos que compreendesse a graça de nos capacitar para liderar conforme nós “fazemos todos os esforços para entrar no seu descanso” (Hb 4: 9-11).

Se queremos acabar com o aumento dos fartos, nós podemos muito bem precisar de diferentes formas de liderar. Algo a considerar.

Scott

Spanish blog:

Deteniendo  el aumento de los hastiados

Por M. Scott Boren, El Centro para la Comunidad y Misión, www.mscottboren.com, Twitter@mscottboren

Ayer estaba sentado con mis hijos comiendo unos panecillos en una cafetería. Dos de los niños estaban teniendo una discusión sobre algo ridículo, de la que ambos estaban correctos. Después de ir y venir, les dije: “¿Qué diferencia hace esto?” entonces el mayor, que tiene 12 dijo: “Sí, es como discutir si las tijeras es mejor que la piedra”. (Para los que están leyendo esto en una traducción, esta referencia podría no ser obvia como un juego de niños común que se llama Piedra, Papel o Tijera).

En mi interacción con los hastiados, una de las cosas que he encontrado que las personas están hastiadas son las carrozas sin sentido que saltamos en la iglesia. Argumentamos sobre nuevas ideas con respecto a la estrategia de la iglesia como si la supervivencia del reino de Dios depende de ello. Es como si la última revelación sobre cómo la iglesia debe funcionar es la nueva respuesta mágica para el éxito de la iglesia. Y por supuesto, nosotros no implementamos ese nuevo programa ahora, entonces la iglesia no sobrevivirá.

Es como que estamos discutiendo que las tijeras son más importante que la piedra. Yo solía ser uno de los que hacían este argumento. Supuse que al encontrar este elixir mágico iba a cambiar nuestra iglesia. Pensé que si conseguíamos la estrategia de grupo correcta esta nos llevaría al siguiente nivel. Y yo he servido bajo pastores que supusieron lo mismo.

¡Esto es agotador!

Los hastiados, he hablado con los hastiados con todas las nuevas ideas acerca de cómo hacer el trabajo de la iglesia mejor. Ellos están hastiados con la realización de hacer nuestras nuevas ideas.

Una de las primeras declaraciones comúnmente hechas por los innovadores de los grupo pequeños fue “La única cosa que es constante por aquí es el cambio”. Recuerdo haber hablado con un honesto, experimentado líder de grupos pequeños en una iglesia celular de renombre internacional donde esta declaración se había convertido en un mantra al principios de los 90. Me dijo que había renunciado a dirigir un grupo y ser su entrenador. Cuando pregunte por qué, me dijo que todos los responsables estaban enamorados con sus nuevas ideas y estrategias. Él sólo quería vivir en comunidad con su grupo. Él me dio a entender que se iba a cansar y usar todo el trabajo que tenía que hacer con el fin de sacar adelante la iglesia celular. Él estaba hastiados con el liderazgo pero no con la iglesia.

No estoy diciendo que la innovación no es necesaria. Por supuesto que necesitamos nuevas ideas. Lo que estoy diciendo es esto: Si no quiere tener más “hastiados” en nuestras manos, es mejor prestar atención a nuestro pueblo. Tenemos que tratar a las personas como “personas” y como abejas obreras que están allí para sacar adelante las ideas del ministerio.

Para ser honesto, esta es una de las razones por las que escribí el libro Dirigiendo Grupos Pequeños en el Camino de Jesús. Yo estaba observando muchos líderes agotados y yo estaba buscando una forma con los líderes de grupos en como abrazar la gracia para darnos  poder al dirigir “hacemos todo lo posible para entrar en su reposo” (Hebreos 4: 9-11).

Si queremos poner un fin al aumento de los hastiados, necesitaremos diferentes formas de liderazgo. Es algo a considerar.

Scott

Learning from the Dones

scott

by M. Scott Boren, The Center for Community and Mission, www.mscottboren.com,
Twitter@mscottboren

The “dones” confess that they are done with the church. Many times they are former church leaders and have been highly committed to the life of the church. But now they have come to a place where they no longer find value in the church. They have moved on.

Of course, I’ve heard how pastors often respond to such people. They are backsliders. They are not committed to the cause of the Kingdom. They are being conformed to the pattern of this world. Of the confession that they are “no longer being fed” but the church is just a cover up for some sin that they don’t want anyone to know about.

And while this might be true, my question is this: What if the Spirit of God wants to speak to the church through the “dones”? What if the dones might be a voice that can teach us some things about what it means to be God’s people.

This is a crucial thing for us to learn as church leaders. Often we assume that the Spirit speaks to the center of church leadership for the sake of the fringes. But the Spirit is also speaking through the fringes back to the center. In other words, the Spirit shapes the formal leadership of the church through dialogue, feedback, pushback and even talk back from the fringes. The dones might not have the whole truth. Their decision to walk away from the church might be influenced by the flesh. But I believe that the Spirit of God has something to say through them.

This means that the way forward is not for us to sit in our boardrooms and try to come up with a method to attract the dones. That’s the kind of the thinking that they are done with. They are tired of trying to make the programs and strategies of the pastors work.

This can even be the case with small group strategies. Over the last 25 years, we have talked about the importance of community, life together, and living out the one anothers of the New Testament. But when pastors get together to talk about small groups, we turn them into a method, a program, a strategy to make the church work better. And then the volunteers in our churches become cogs in the system to make groups work. It’s a subtle problem.

But the voice of the dones can help us see how easily we can turn people into objects. They are tired of it.

And if we don’t listen now, we will see the number of dones on the rise.

Small groups then are not a way to recruit or even serve the dones. That misses the point. Small groups are arenas where we can learn to live in love (Eph 4:1-3). And while we are doing this, we can enter into dialogue with the dones (or those who are almost done) and discover a new way forward.

Scott

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo com os “Fartos”

por M. Scott Boren, The Center for Community and Mission (“O Centro para Comunidade e Missão”, tradução livre) , www.mscottboren.com, Twitter@mscottboren

Os “fartos” confessam que eles estão fartos da igreja. Muitas vezes eles são ex-líderes da igreja e já foram altamente comprometidos com a vida da igreja. Mas agora eles chegaram a um lugar onde não encontram mais valor na Igreja. Eles se mudaram.

É claro, eu ouvi como os pastores costumam responder a tais pessoas. Eles são apóstatas. Eles não estão comprometidos com a causa do Reino. Eles estão conformados com o padrão deste mundo. Da confissão de que eles já “não estão sendo alimentados”, mas a igreja é apenas um encobrimento para algum pecado que eles não querem que ninguém saiba.

E enquanto isso pode ser verdade, a minha pergunta é a seguinte: E se o Espírito de Deus quer falar com a igreja através dos “fartos“? E se os fartos forem uma voz que pode nos ensinar algumas coisas sobre o que significa ser o povo de Deus?

Isso é uma coisa importante para nós aprendermos como líderes da igreja. Muitas vezes assumimos que o Espírito fala com o “centro” da liderança da igreja por causa das “beiradas”. Mas o Espírito também está falando através das “beiradas” de volta para o “centro”. Em outras palavras, o Espírito molda a liderança formal da igreja através do diálogo, feedback, reações negativas e até mesmo falando através das beiradas. Os fartos podem não ter toda a verdade. Sua decisão de se afastarem da igreja pode ter sido influenciada pela carne. Mas eu acredito que o Espírito de Deus tem algo a nos dizer através deles.

Isto significa que o caminho a ser seguido não é para nós sentarmos em nossas salas de reuniões e tentarmos chegar a um método para atrairmos os fartos. Esse é o tipo de pensamento do qual eles são fartos. Eles estão cansados de tentar fazer os programas e estratégias dos pastores funcionarem.

Isso pode até ser o caso de estratégias de pequenos grupos. Ao longo dos últimos 25 anos nós temos falado sobre a importância da comunidade, da vida juntos, e de viver o “uns aos outros” do Novo Testamento. Mas quando os pastores se reúnem para falar sobre grupos pequenos, nós os transformamos em um método, um programa, uma estratégia para fazer a igreja funcionar melhor. E então os voluntários em nossas igrejas se tornam engrenagens no sistema para fazer os grupos funcionarem. É um problema sutil.

Mas a voz dos fartos pode nos ajudar a vermos quão facilmente nós podemos transformar as pessoas em objetos. Eles estão cansados disso.

E se nós não ouvirmos agora, vamos ver o número de fartos crescer.

Assim, os pequenos grupos não são uma forma de recrutar ou mesmo de servir os fartos. Esse não é o ponto. Pequenos grupos são arenas onde podemos aprender a viver em amor (Efésios 4: 1-3). E enquanto nós estamos fazendo isso, podemos entrar em diálogo com os fartos (ou aqueles que são quase fartos) e descobrir um novo caminho a seguir.

Scott

Spanish blog:

Aprendiendo de los “hastiados”

Por M. Scott Boren, El Centro para la Comunidad y Misión, www.mscottboren.com, Twitter@mscottboren

Los “hastiados” confiesan que están hastiados con la iglesia. Muchas veces son los ex líderes de la iglesia y han sido altamente comprometidos con la vida de la iglesia. Pero ahora han llegado a un lugar donde ya no encuentran valor en la iglesia. Han seguido adelante.

Por supuesto, he oído cómo los pastores a menudo responden a esas personas. Son reincidentes. Ellos no están comprometidos a la causa del Reino. Ellos se conforman con el modelo de este mundo. De la confesión en la cual ellos “ya no se alimentan” pero la iglesia es sólo un encubrimiento por algún pecado que no quieren que nadie sepa.

Y si bien esto puede ser cierto, mi pregunta es la siguiente: ¿Y si el Espíritu de Dios quiere hablar a la iglesia a través de los “hastiados”? ¿Y si los hastiados podrían ser la voz que nos puede enseñar algunas cosas acerca de lo que significa ser el pueblo de Dios?

Esto es algo crucial para que aprendamos como líderes de la iglesia. A menudo se asume que el Espíritu habla al centro de liderazgo de la iglesia por el bien de las franjas. Pero también el Espíritu está hablando a través de las franjas que dan vuelta al centro. En otras palabras, el Espíritu da forma al liderazgo formal de la iglesia a través del diálogo, la retroalimentación, e incluso hablar de nuevo de la franja. Los hastiados talvez no tienen toda la verdad. Su decisión de alejarse de la iglesia podría estar influenciada por la carne. Pero creo que el Espíritu de Dios tiene algo que decir a través de ellos.

Esto significa que el camino a seguir no es para que nos sentemos en nuestras salas de juntas y tratemos de llegar a un método para atraer a los hastiados. Ese es el tipo de pensamiento que ellos están hastiados. Ellos están cansados ​​de tratar de hacer que los programas y las estrategias de los pastores funcionen.

Esto incluso puede ser el caso de las estrategias de grupos pequeños. En los últimos 25 años, hemos hablado de la importancia de la comunidad, la vida en comunión, y vivir como los otros en el Nuevo Testamento. Pero cuando los pastores se reúnen para hablar de los pequeños grupos, nos convertimos en un método, un programa, una estrategia para hacer funcionar la iglesia mejor. Y entonces los voluntarios en nuestras iglesias se convierten en dientes en el sistema para que los grupos funcionen. Es un problema sutil.

Pero la voz de los hastiados puede ayudarnos a ver con qué facilidad podemos convertir a las personas en objetos. Están cansados ​​de la misma.

Y si no escuchamos ahora, vamos a ver el número de hastiados en aumento.

Los pequeños grupos no son una forma de reclutar o incluso servir a los hastiados. Esto no alcanza el punto. Los grupos pequeños son ámbitos donde podemos aprender a vivir en el amor (Ef 4: 1-3). Y mientras estamos haciendo esto, podemos entrar en un diálogo con los hastiados (o aquellos que están casi hastiados) y descubrir una nueva forma de avanzar.

Scott

Each Member is Important in the Cell Church

mario

by Mario Vega, www.elim.org.sv

Developing new leaders is critical in cell ministry. An essential element of developing new leaders is to allow the cell members to perform significant tasks within the cell group. I’m referring to allowing members to: open in prayer, welcome the guests, lead the singing, and teach the cell’s lesson. The leader who generates new leaders gets all the believers and members of his cell constantly involved.

Cell involvement not only refers to those tasks performed within the cell group but also outside of it. Effective leaders also get members involved in inviting friends, mobilizing members to attend the celebration services, visiting new converts, visiting the sick, participating in social outreach, and so forth. The cell model demands high levels of activity by the Christian members. In other words, it is about fulfilling the work of the ministry (Eph. 4: 11-12).

With all of this proactive activity within the model of the New Testament church, there is no possibility that people could have a passive and observer attitude, unless that is what they want. In the cell model there is always a need for working hands, knees to pray, and mouths to edify and evangelize. Every week is a new challenge and a new experience. It is very hard that someone in those conditions will feel that their participation in a local church has ended.

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Ministério de Cada Membro na Igreja em Células

por Mario Vega, www.elim.org.sv

O desenvolvimento de novos líderes é fundamental no ministério celular. Um elemento essencial do desenvolvimento de novos líderes é permitir que os membros da célula realizem tarefas significativas dentro da célula. Estou me referindo a permitir que os membros: iniciem com a oração, recebam os convidados, liderem as canções e ensinem a palavra/lição da célula. O líder que gera novos líderes faz com que todos os crentes e membros de sua célula estejam constantemente envolvidos.

O envolvimento celular não se refere apenas a essas tarefas executadas dentro da célula, mas também fora dela. Líderes eficazes também deixam os membros envolvidos em convidar amigos, mobilizar os membros para participarem dos cultos de celebração, visitar novos convertidos, visitar os doentes, participar de evangelismo social, e assim por diante. O modelo celular exige altos níveis de atividade pelos membros cristãos. Em outras palavras, trata-se de cumprir a obra do ministério (Efésios 4: 11-12).

Com toda essa proatividade dentro do modelo da Igreja do Novo Testamento, não há nenhuma possibilidade de que as pessoas tenham uma atitude passiva e observadora, a menos que elas queiram isso. No modelo celular há sempre uma necessidade de mãos para trabalhar, joelhos para orar e bocas para edificar e evangelizar. Cada semana é um novo desafio e uma nova experiência. É muito difícil que alguém nessas condições sinta que a sua participação em uma igreja local foi encerrada.

Mario

Spanish blog:

El trabajo de cada miembro en la iglesia celular

por Mario Vega

La formación de nuevos líderes es una de las claves del trabajo celular. Un elemento esencial de ello es el permitir que los candidatos a nuevos líderes realicen actividades significativas dentro de la célula. Algunas de esas asignaciones son: hacer la oración de inicio, dar la bienvenida, dirigir los cantos, impartir la lección de la célula. El líder que se esfuerza por generar nuevos líderes es el que procura la participación de todos los miembros creyentes de su célula de manera constante.

El ambiente que eso provoca es el de un trabajo compartido. Pero, no solamente se trata de compartir elementos del programa sino también de otro tipo de funciones que se realizan fuera de la célula, como por ejemplo, la invitación de los amigos, la movilización hacia la celebración, la visita a los nuevos convertidos, el hacer misericordia a los necesitados, etc. El modelo celular demanda de altos niveles de actividad por parte de los miembros cristianos. En otras palabras, se trata de cumplir con la obra del ministerio (Ef. 4:11-12).

Con tal actividad dentro del modelo de la iglesia del Nuevo Testamento, no existe la posibilidad que las personas tengan una actitud pasiva y de observadores. A menos que así lo deseen. En el modelo celular siempre se necesitan manos para trabajar, rodillas para orar y bocas para edificar y evangelizar. Cada semana es un nuevo reto y una nueva experiencia. Es difícil que alguien en esas condiciones vaya a sentir que su participación ha terminado en una iglesia local.

My Take on the “Dones” (part two)

jeff

By Stephen Williams, Lead Pastor Bend Community Church.org & CEO of Prepare the Way Ministries (www.PrepareTheWay.us)

In part 1, we looked at the general issue of people of all ages being “done” with church. Today, we will focus on the younger generation. I feel that one reason for this “done” mentality is that many Christians in America are not experiencing relationships that reflect the nature of the triune God. This is happening not only across all age groups but pervasively within the younger generation today. Fuller professors Kara Powell and Chap Clark wrote a book, Sticky Faith, in which they detail this disturbing trend of younger Christians leaving the church at an alarming rate. Depending on the study, statistics show 50-70% of youth leaving church when they leave home. One of their main points is that Christian youth benefit greatly from having 5 positive adult Christian role models engaged in their lives. This helps them “stick” with the faith into adulthood.

The small-group focused church is a key way that can help to reverse this exodus from the faith. The main reason this model can help is that it focuses on deeper, consistent relationships and the time to truly make disciples. Both of these are frequently lacking in the typical large group focused model in churches today.

We are trying to do several things in our church model to help connect youth with adults. First, we encourage family-oriented small group worship time in our Sunday small groups. Second, the adult leaders of each of our cells are encouraged to spend time regularly with teens. For example, I’m coaching another member of our group who is about to multiply. He has 3 boys in his family. I meet at his house when his whole family is around and take half my time with him in preparing to launch their group and half my time catching up with his boys, particularly the oldest who is 16. I’m also including them in planning our outings as a church. We’ve ended up organizing some paintball outings and great church camp out activities that the teens of our church love to participate in. What we are finding is that by engaging the youth in our church they are staying engaged in their faith and I pray, helping them launch successfully into adulthood with a solid Christian worldview that won’t be shaken.

Whether adults or youth, I believe a key factor in keeping people engaged is simply time. It comes down to effectively making disciples who are reflecting the nature of God, the triune relational Godhead. I pray that the Lord would continue to stir all of us up to continually be honing our church models to help everyone be known, know Christ, and reflect His nature well.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Minha Opinião Sobre os “Fartos”, parte 2.

Por Stephen Williams, Pastor Principal na Bend Community Church.org e Diretor Executivo dos “Ministérios Preparai o Caminho” (tradução livre) – (www.PrepareTheWay.us)

Na parte 1, nós olhamos para a questão geral das pessoas de todas as idades ficando “fartas” da igreja. Hoje, vamos nos concentrar na geração mais jovem. Eu sinto que uma das razões para essa mentalidade “farta” é que muitos cristãos na América não estão experimentando relacionamentos que refletem a natureza do Deus trino. Isso está acontecendo não só em todas as faixas etárias, mas de modo mais penetrante dentro da geração mais jovem. Os professores Kara Powell e Chap Clark escreveram um livro, Sticky Faith (“Fé Grudenta”- tradução livre), onde detalham esta tendência preocupante dos cristãos mais jovens que saem da igreja a um ritmo alarmante. De acordo com o estudo, as estatísticas mostram que 50 a 70% dos jovens saem da igreja quando saem de casa. Um dos seus pontos principais é que a juventude cristã se beneficia muito em ter 5 adultos cristãos como modelos positivos envolvidos em suas vidas. Isso os ajuda a “grudar” com a fé na vida adulta.

A igreja focada nos grupos pequenos é uma forma-chave que pode ajudar a reverter esse êxodo da fé. A principal razão pela qual este modelo pode ajudar é que ele se concentra em relacionamentos mais profundos e consistentes e no tempo para verdadeiramente fazer discípulos. Ambos estão frequentemente em falta hoje no modelo típico de igrejas focadas no grupo grande.

Nós estamos tentando fazer várias coisas em nosso modelo de igreja para ajudar a conectar os jovens com os adultos. Em primeiro lugar, nós encorajamos um tempo de adoração orientado para a família em nossos pequenos grupos de domingo. Em segundo lugar, os líderes adultos de cada uma de nossas células são incentivados a passar um tempo regularmente com os adolescentes. Por exemplo, eu estou treinando um membro do nosso grupo que está prestes a multiplicar. Ele tem três meninos em sua família. Eu vou até sua casa quando toda sua família está por perto e tomo metade do meu tempo com ele na preparação para lançar seu grupo e metade do meu tempo conversando com seus meninos, especialmente com o mais velho que tem 16 anos. Eu também estou incluindo-os no planejamento de nossos passeios como uma igreja. Nós acabamos organizando alguns passeios de paintball e um grande acampamento da igreja de atividades que os adolescentes de nossa igreja gostam de participar. O que estamos descobrindo é que ao envolver os jovens em nossa igreja eles permanecem engajados em sua fé e eu oro, ajudando-os a entrar com sucesso na vida adulta com uma visão de mundo cristã sólida que não será abalada.

Sejam adultos ou jovens, eu acredito que um fator chave em manter as pessoas envolvidas é simplesmente tempo. Tudo se resume a fazer efetivamente discípulos que estão refletindo a natureza de Deus, o Deus trino relacional. Eu oro para que o Senhor continue a agitar todos nós para estarmos continuamente aprimorando nossos modelos de igreja para ajudar todos a serem conhecidos, conhecerem a Cristo e refletirem bem Sua natureza.

Spanish blog:

Mi opinión sobre los “hastiados”, parte 2

Por Stephen Williams, Pastor la iglesia comunitaria.org y Jefe Executivo del Ministerio Preparando el Camino “Prepare The Way” (www.PrepareTheWay.us)

En la parte 1, nos fijamos en general con el detalle de la gente de todas las edades estando “hastiados” con la iglesia. Hoy en día, nos concentraremos en la generación más joven. Creo que una de las razones para esta mentalidad de “hastiados” es que muchos cristianos en los Estados Unidos no están experimentando relaciones que reflejan la naturaleza de un Dios trino. Esto está sucediendo no sólo en todos los grupos de edad, pero penetrante dentro de la generación más joven de hoy en día. Profesores Fuller Kara Powell y Chap Clark escribieron un libro, La Fe que se pega (Sticky Faith), en el que detallan esta perturbadora tendencia de los cristianos más jóvenes yéndose de la iglesia a un ritmo alarmante. Según el estudio, las estadísticas muestran un 50-70% de los jóvenes yéndose de la iglesia cuando se van de su casa. Uno de sus principales puntos es que los jóvenes cristianos se benefician enormemente de tener 5 modelos adultos positivos cristianos que  participan en sus vidas. Esto les ayuda a “pegarse” con la fe en la edad adulta.

El pequeño grupo concentró a la iglesia como una forma clave que pueden ayudar a revertir este éxodo de la fe. La razón principal que este modelo puede ayudar es que se concentra en las relaciones más profundas, constantes y el tiempo para realmente hacer discípulos. Ambos carecen con frecuencia típicamente en el grupo grande en el modelo centrado en las iglesias hoy.

Estamos tratando de hacer varias cosas en nuestro modelo de iglesia para ayudar a conectar a los jóvenes con los adultos. En primer lugar, animamos a las familias con una fundación del grupo pequeño a tener un tiempo de adoración en nuestros grupos pequeños el Domingo. En segundo lugar, alentamos a los líderes adultos que cada una de nuestras células debe pasar tiempo regularmente con los adolescentes. Por ejemplo, yo estoy entrenando a otro miembro de nuestro grupo que está a punto de multiplicarse. Él tiene 3 hijos en su familia. Me reúno en su casa cuando toda su familia esta alrededor y tomo la mitad de mi tiempo con él, en la preparación para lanzar su grupo y la mitad de mi tiempo poniendo al día a sus muchachos, especialmente el más grande que tiene 16. También estoy incluyéndolos en la planificación de nuestras salidas como una iglesia. Terminamos organizando algunas excursiones de paintball y un gran campo de actividades fuera de la iglesia en la que los adolescentes de nuestra iglesia participan muy contentos. Lo que estamos encontrando es que mediante la participación de los jóvenes en nuestra iglesia están mantenimiento el compromiso en su fe y oró, ayudándolos a lanzar con éxito a la edad adulta con una cosmovisión cristiana sólida la cual no  será sacudida.

Ya sea que los adultos o jóvenes, creo que un factor clave en mantener a las personas que participan es simplemente el tiempo. Llega al punto donde se están haciendo efectivamente discípulos que están reflejando la naturaleza de Dios, una relación trina. Sigo orando para que el Señor continúe revolviendo todo, y que continúe perfeccionando nuestros modelos de la iglesia para ayudar a todos a ser conocidos, conocer a Cristo, y reflexionar bien en su naturaleza.

My Take on the “Dones” (part one)

jeff

By Stephen Williams, Lead Pastor Bend Community Church.org & CEO of Prepare the Way Ministries (www.PrepareTheWay.us)

God has designed us to reflect His nature and when we aren’t doing that, we feel spiritually dissatisfied. If a church model is not reflecting the nature of God by effectively making disciples, then people will likely feel like something is missing. Many churches, especially in America, are focusing the majority of their time and finances almost exclusively on the large group gathering.

These corporate gatherings are important, but they are not the place where deep relationships are formed. It is no wonder why so many within the church today are reaching the point of being “done.” First, let’s address the issue of the church today effectively reflecting the nature of God. Tomorrow, we’ll look at a specific demographic that has been particularly affected, youth.

From Joel Comiskey’s book, Biblical Foundations for the Cell-Based Church, “The triune nature of God describes a God who possesses mutuality within his own being. Rather than promoting an individualistic, lone ranger God, the doctrine of the trinity emphasizes life, love and movement within the Godhead.” If we are not experiencing deeper relationships within our church culture, through smaller group settings and also in loving accountability groups, then I think Christians will be missing out on an important part of experiencing and reflecting the nature of God. Sadly, many churches today are promoting an individualistic Christianity by the model of church that they have created.

One solution that we have attempted to utilize within our cell-based model is that both our time and finances are focused predominantly on the small group gathering and the accountability groups.  Our small groups meet every Sunday and birthed from those groups, we have same-gender discipleship/accountability groups that meet mid-week. Our corporate gathering is once per month. Second, in regard to our finances, the small group leaders are part-time staff and we treat each small group like a networked house church. Also, we take our offerings in the small group gathering. We have found that this model really emphasizes relational discipleship, where deep transformation can happen and be maintained. It is also very scalable and simple to reproduce.

Our model has attracted people who are feeling “done” with the traditional church model, but they may not quite realize why. We have found that those feeling “done” with church have felt more engaged in their faith by developing a tight community. There is always a temptation to revert back to the “norm” of church culture, so it is a constant goal to keep everyone empowered to use their gifts and not fall back into a consumer mentality.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Minha Opinião Sobre os “Fartos”, parte 1.

Por Stephen Williams, Pastor Principal na Bend Community Church.org e Diretor Executivo dos “Ministérios Preparai o Caminho” (tradução livre) – (www.PrepareTheWay.us)

Deus nos criou para refletirmos Sua natureza e quando não fazemos isso nos sentimos espiritualmente insatisfeitos. Se um modelo de igreja não está refletindo a natureza de Deus fazendo discípulos de forma eficaz, então as pessoas provavelmente vão sentir que algo está faltando. Muitas igrejas, especialmente na América, estão concentrando a maior parte de seu tempo e finanças quase que exclusivamente na reunião do grande grupo (culto de celebração).

Essas reuniões corporativas são importantes, mas não são o lugar onde as relações profundas são formadas. Não é de admirar por que tantas pessoas dentro da igreja hoje estão chegando ao ponto de ficarem “fartas”. Primeiro, vamos falar sobre o problema da Igreja hoje que deve refletir efetivamente a natureza de Deus. Amanhã, vamos olhar para um grupo demográfico específico que tem sido particularmente afetado: a juventude.

Do livro Fundamentos Bíblicos da Igreja Baseada em Células de Joel Comiskey: “A natureza triúna de Deus descreve um Deus que possui mutualidade dentro de seu próprio ser. Ao invés de promover um Deus solitário e individualista, a doutrina da trindade enfatiza a vida, o amor e o movimento dentro da Divindade”. Se não estamos experimentando relações mais profundas dentro da cultura da nossa igreja por meio de configurações de grupos menores e também em grupos amorosos de prestação de contas, então eu acho que os cristãos vão perder uma parte importante de experimentar e refletir a natureza de Deus. Infelizmente, muitas igrejas hoje estão promovendo um cristianismo individualista pelo modelo de igreja que eles criaram.

Uma solução que nós tentamos utilizar dentro de nosso modelo baseado em células é que tanto o nosso tempo como nossas finanças são focados principalmente na reunião dos pequenos grupos e nos grupos de prestação de contas. Nossos pequenos grupos se reúnem todos os domingos e, a partir desses grupos, nasceram grupos de discipulado/prestação de contas com pessoas do mesmo sexo que se reúnem no meio da semana. Nosso encontro geral acontece uma vez por mês. Em segundo lugar, no que diz respeito a nossas finanças, os líderes dos pequenos grupos são funcionários em tempo parcial e tratamos cada pequeno grupo como uma igreja doméstica em rede. Além disso, nós tomamos as ofertas na reunião do pequeno grupo. Nós descobrimos que este modelo realmente enfatiza o discipulado relacional, onde a transformação profunda pode acontecer e ser mantida. É também muito flexível e simples para reproduzir.

Nosso modelo tem atraído pessoas que estão se sentindo “fartas” com o modelo tradicional da Igreja, mas elas podem não perceber a razão disso. Nós descobrimos que aqueles que se sentem “fartos” com a igreja se sentiram mais envolvidos em sua fé através do desenvolvimento de uma comunidade unida. Há sempre a tentação de voltar para a “norma” da cultura da Igreja, por isso é uma meta constante manter todos habilitados a usarem seus dons e não caírem de volta em uma mentalidade consumista.

Spanish blog:

Mi opinión sobre los “hastiados”, parte 1.

Por Stephen Williams, Pastor la iglesia comunitaria.org y Jefe Executivo del Ministerio Preparando el Camino “Prepare The Way” (www.PrepareTheWay.us)

Dios nos ha diseñado para reflejar su naturaleza y cuando no estamos haciendo eso, nos sentimos espiritualmente insatisfecho. Si un modelo de iglesia no está reflejando la naturaleza de Dios al hacer discípulos, entonces la gente probablemente se sentirá como que falta algo. Muchas iglesias, especialmente en Estados Unidos, están concentrando la mayor parte de su tiempo en las finanzas casi exclusivamente en la reunión de la celebración.

Estas reuniones corporativas son importantes, pero no son el lugar donde se forman relaciones profundas. No es de extrañarse por eso que muchos dentro de la iglesia hoy en día están llegando al punto de estar  “hastiados”. En primer lugar, vamos hablar del tema de la iglesia de hoy que refleja efectivamente la naturaleza de Dios. Mañana, vamos a ver un grupo demográfico específico que particularmente ha afectado a la juventud.

Del libro de Joel Comiskey, Fundamentos Bíblicos para la Iglesia basada en la célula,  “La naturaleza trina de Dios describe a un Dios que posee la reciprocidad dentro de su propio ser. En lugar de promover un individualista, un Dios estilo el Llanero Solitario, la doctrina de la trinidad enfatiza la vida, el amor y el movimiento dentro de la Divinidad”. Si no estamos experimentando relaciones profundas dentro de nuestra cultura en la iglesia, a través de la configuración de grupos pequeños y también amando la responsabilidad de los grupos, entonces, creo que los cristianos están perdiendo una parte importante al experimentar y reflejar la naturaleza de Dios. Tristemente, muchas iglesias hoy en día están promoviendo un cristianismo individualista por el modelo de iglesia que ellos han creado.

Una de las soluciones que hemos tratado de utilizar dentro de nuestro modelo basado en células es que tanto nuestro tiempo y las finanzas se concentran principalmente en la reunión de pequeños grupos y los grupos de responsabilidad. Nuestros grupos pequeños se reúnen todos los domingos y nacieron de esos grupos, tenemos grupos de discipulado/rendición de cuentas del mismo género y se reúnen a mediados de la semana. Nuestra reunión corporativa es una vez al mes. En segundo lugar, en lo que respecta a nuestras finanzas, los líderes de grupos pequeños son el personal a tiempo parcial y se tratan a cada pequeño grupo como una iglesia en red. Además, tomamos nuestras ofrendas en la célula. Nos hemos dado cuenta que este modelo realmente destaca el discipulado relacional, donde la transformación profunda puede suceder y ser mantenida. Y también es muy escalable y fácil de reproducir.

Nuestro modelo ha atraído a personas que se sienten “hastiadas” con el modelo tradicional de la iglesia, pero talvez no saben por qué. Hemos encontrado que aquellos que se sienten “hastiados” con la iglesia se han sentido más comprometidos en su fe mediante el desarrollo de una comunidad cerrada. Siempre hay una tentación de volver a la “norma” de la cultura de la iglesia, por lo que es un objetivo constante el mantener a todos facultados para usar sus dones y no caer de nuevo en una mentalidad consumista.

Preparing a Generation “to be Done?”

daphne

by Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

A functional family mobilizes children and young people – preparing them for adult life. An education system expects them to be involved in their education, perform at the highest level they can, and is always working toward taking them to the next level. Sports, music, dancing or whatever they take part in expect them to be active, participating members.

Sadly, in most churches there is little expectation or opportunity for them to be mobilized.

Many teenagers hold a responsible position in school and their input is taken seriously. Some of them work and are expected to contribute to their work place in a responsible manner. Sadly in most churches they hold no responsibility and their input is not asked for. Yet – the values of cell church belong to them too. “Church” means every generation:

All (adults, young people and children) are ministers

All (adults, young people and children) are called to serve

All (adults, young people and children) are called to win others

All (adults, young people and children) have cell as a priority

All (adults, young people and children) are empowered for service

All (adults, young people and children) participate fully

All (adults, young people and children) are receivers and givers

All (adults, young people and children) are hearers and doers.

If we raise them to be spectators, sooner or later they will realize we “sold them short. ” Children raised in Christian families should be discipling others certainly by their early teens. Children and teenagers can lead cells – I have seen them as young as 8 years begin effective, trained cell leaders. They do not have to be always be removed to another venue, or room until “they are old enough”.

A while ago I was bemusing the fact that if Jesus had grown up in most churches He would be removed from the presence of the adults, His abilities would not have been recognized, and he would have not been given a place for making a difference until He was well into adulthood. A large proportion of the church is in “waiting” mode. Their only input is drawing, coloring, and crafts. In other words, they are spectators. There is no Biblical precedent for them to not be mobilized. They are an emerging end-time generation to take the gospel to the nations. They are called to be trained and discipled for such a time as this.

If they are not, it is hardly surprising that by the time they are adults, they are still not mobilized. Rather, they are done.

Daphne

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Preparando uma geração para “ficar farta”?

por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Uma família funcional mobiliza crianças e jovens, preparando-os para a vida adulta. Um sistema de ensino espera que eles estejam envolvidos na sua educação, tenham o desempenho mais alto possível, e está sempre trabalhando para levá-los para o próximo nível. Esportes, música, dança ou o que quer que eles participem espera que eles sejam ativos e membros participativos.

Infelizmente, na maioria das igrejas há pouca expectativa ou oportunidade para eles serem mobilizados.

Muitos adolescentes têm uma posição responsável na escola e sua participação é levada a sério. Alguns deles trabalham e espera-se que eles contribuam com o seu local de trabalho de forma responsável. Infelizmente na maioria das igrejas eles não possuem responsabilidade alguma e sua participação não é solicitada. No entanto, os valores da igreja em células pertencem a eles também. “Igreja” significa que cada geração:

Todos (adultos, jovens e crianças) são ministros

Todos (adultos, jovens e crianças) são chamados para servir

Todos (adultos, jovens e crianças) são chamados para ganhar outras pessoas

Todos (adultos, jovens e crianças) têm a célula como uma prioridade

Todos (adultos, jovens e crianças) são habilitados para o serviço

Todos (adultos, jovens e crianças) participam totalmente

Todos (adultos, jovens e crianças) são receptores e doadores

Todos (adultos, jovens e crianças) são ouvintes e praticantes.

Se nós os criamos para serem espectadores, mais cedo ou mais tarde eles vão perceber que nós os subestimamos. As crianças criadas em famílias cristãs certamente devem discipular outros no início da adolescência. Crianças e adolescentes podem liderar células – eu já vi crianças de 8 anos sendo líderes de célula treinados e eficazes. Eles não têm que ser sempre removidos para outro local ou sala até que “eles sejam velhos o suficiente”.

Um tempo atrás eu fiquei assombrada pelo fato de que se Jesus tivesse crescido na maioria das igrejas Ele seria removido da presença dos adultos, Suas habilidades não teriam sido reconhecidas e Ele não teria ganhado um lugar para fazer a diferença até que alcançasse a idade adulta. Uma grande parte da igreja está em modo de “espera”. Sua única participação é desenhar, colorir e fazer artesanato. Em outras palavras, eles são espectadores. Não há precedente bíblico para que eles não sejam mobilizados. Eles são uma geração emergente do fim dos tempos para levarem o evangelho às nações. Eles são chamados para serem treinados e discipulados para um tempo como este.

Se eles não forem mobilizados, não é de surpreender que quando chegarem à idade adulta eles ainda não estarão mobilizados. Em vez disso, eles estarão fartos.

Daphne

Spanish blog:

Preparando una generación “¿Para estar listos?”

Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Una familia funcional moviliza niños y jóvenes – preparándolos para la vida adulta. Se espera un sistema educativo se involucre en su educación, lleve a cabo el más alto nivel posible, y siempre está trabajando para llevarlos al siguiente nivel. Deportes, música, baile o lo que toman parte en esperar que sean activos los miembros participantes.

Lamentablemente, en la mayoría de las iglesias hay poca expectativa u oportunidad para ellos para movilizarse.

Muchos adolescentes tienen una posición responsable en la escuela y sus aportaciones se toman en serio. Algunos de ellos trabajan y se espera que contribuyan en su lugar de trabajo de una manera responsable. Lamentablemente en la mayoría de iglesias no tienen ninguna responsabilidad y no piden de su ayuda. Sin embargo, – los valores de la iglesia celular pertenecen a ellos también. “Iglesia” significa cada generación:

Todos (adultos, jóvenes y niños) son ministros

Todos (adultos, jóvenes y niños) son llamados a servir

Todos (adultos, jóvenes y niños) son llamados a ganar otros

Todos (adultos, jóvenes y niños) tienen una prioridad en la célula

Todos (adultos, jóvenes y niños) están facultados para el servicio

Todos (adultos, jóvenes y niños) participan plenamente

Todos (adultos, jóvenes y niños) son receptores y dadores

Todos (adultos, jóvenes y niños) son oidores y hacedores.

Si los criamos para ser espectadores, tarde o temprano se darán cuenta de que “los vendimos corto”. Los niños criados en familias cristianas deben discipular a otros, sin duda por su temprana adolescencia. Los niños y adolescentes pueden dirigir las células – he visto niños de tan sólo 8 años, líderes celulares capacitados. Ellos no tienen que ser removidos a otro lugar, o sala hasta que “tengan la edad suficiente”.

Hace un tiempo me aturdió el hecho de que si Jesús había crecido en la mayoría de las iglesias Él sería retirado de la presencia de los adultos, sus habilidades no serán reconocidas, y a él no se les ha dado un lugar para hacer la  diferencia hasta que esté en una edad adulta. Una gran proporción de la iglesia está en modo de “espera”. Ellos se encuentran dibujando, coloreando, y haciendo artesanía. En otras palabras, son espectadores. No hay precedente bíblico para que no se movilicen. Están surgiendo en una generación de tiempo para llevar el evangelio a las naciones. Están llamados a ser entrenados y discipulados para un tiempo como este.

Si no es así, no es de extrañarse que en el momento que son adultos, todavía no se movilicen. Más bien, estén hastiados.

Daphne

Is the Cell Church Immune from the Dones?

joel by Joel Comiskey

Josh Packard tells us that certain faithful members of the church are done with church as we know it. They are tired of sitting, listening, and giving. Or put another way, they are tired of plopping, praying, and paying. The good news is that this could be a wakeup call to reform the church and get back to New Testament Christianity. After all, the church was never designed for sitting and listening. God designed the early church as a dynamic face to face community. The New Testament church gathered as either house church networks or full-blown cell churches (Acts 2:42-46 & 1 Corinthians 14: 23).

Several bloggers have noted that cell churches can also lose people who are done with the church. This is especially true when cell churches practice the following:

Solo-pastor oriented. Cell churches can create dones when one pastor develops too much power, has to make all decisions, and is the sole focal point of growth. Effective cell church pastors, on the other hand, share the ministry, boldly develop other leaders, and depend on their team to move forward–knowing that in a multitude of counselors there is safety (Proverbs 11:14). Effective cell church pastors understand that all leadership in the New Testament was plural. They believe and practice team ministry.

Celebration Centered. The cell church was never meant to focus solely on the larger gathering. Rather, the celebration service is a time for the cells to come together, grow together, and receive new vitality. Some pastors, however, become consumed with their sermons and the worship service, while neglecting other important aspects of the cell system–like coaching and equipping. People soon realize that cells are simply a way to keep people within the four walls of the church, and some become done with the church. In reality, the lead pastor is the main coach. He must actively coach the cell leaders, supervisors, and cell pastors. Effective cell pastors also realize that unless new believers are prepared in the discipleship equipping (e.g., school of leaders, etc.), the cell church will not prepare the next generation of disciple-makers.

Leap-frogging. Wise cell pastors don’t shepherd the people personally. They care for the people through the cell leaders, supervisors, and cell pastors. The system breaks down when the pastor accepts all counseling that comes to his attention without first asking whether the person has first received care within the chain of authority established in the cell system (e.g., cell member to leader; leader to supervisor, and so forth). Effective cell pastors delegate and then respect those delegated authority lines.

Building Dependent. The New Testament church never owned a building, yet they changed the world. Some pastors become too enamored with their buildings and the fund-raising necessary to build and maintain them. I’ve seen cells dwindle and become secondary when building campaigns go into full swing. Faithful members can convert into those done with the church when they sense that the New Testament life is sacrificed at the altar of bricks and mortar. I was reminded of this as I drove this evening to Long Beach, CA on the Garden Grove 22 Freeway. I peered out my window and noticed the Crystal Cathedral, a dazzling relic that was supposed to attract people to the “church.” Yet all the crystal on that building couldn’t keep it going bankrupt and eventually selling all the real estate to the Catholic Church.

Perhaps the done phenomenon is a blessing in disguise. Perhaps Josh Packard is asking all of us to re-examine what the church was supposed to look like in the first place.

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Igreja em Células está Imune aos Fartos?

por Joel Comiskey

Josh Packard nos diz que certos membros fiéis da igreja estão fartos da igreja como nós a conhecemos. Eles estão cansados de sentar, escutar e dar. Colocando de outra forma, eles estão cansados de sentar, orar e pagar. A boa notícia é que esse pode ser um chamado de despertar para reformar a igreja e voltar ao cristianismo do Novo Testamento. Afinal, a igreja nunca foi planejada para sentar e ouvir. Deus planejou a Igreja Primitiva como uma comunidade dinâmica “cara a cara”. A igreja do Novo Testamento se reunia tanto como redes de igreja doméstica como igrejas em células desenvolvidas (Atos 2:42-46 e 1 Coríntios 14:23).

Muitos blogueiros notaram que as igrejas em células também podem perder pessoas que estão fartas da igreja. Isso é especialmente verdadeiro quando as igrejas em células praticam o seguinte:

São Orientadas Por um Único Pastor. Igrejas em células podem criar fartos quando um pastor desenvolve muito poder, toma todas as decisões e é o único ponto focal de crescimento. Pastores de igrejas em células que são eficazes, por outro lado, compartilham o ministério, desenvolvem corajosamente outros líderes e dependem de sua equipe para avançar—sabendo que na multidão de conselhos há segurança (Provérbios 11:14). Pastores de igrejas em células eficazes entendem que toda a liderança no Novo Testamento era plural. Eles acreditavam e praticavam o ministério em equipe.

São Centradas no Culto de Celebração. A igreja em células nunca foi planejada para focar somente na reunião maior. Em vez disso, o culto de celebração é um momento para as células se juntarem, crescerem juntas e receberem uma nova vitalidade. Alguns pastores, no entanto, são consumidos por seus sermões e pelo culto de adoração, e negligenciam outros aspectos importantes do sistema celular—como treinar e equipar. As pessoas logo percebem que as células são simplesmente uma forma de mantê-las dentro das quatro paredes da igreja, e algumas ficam fartas da igreja. Na realidade, o pastor principal é o principal treinador. Ele deve treinar ativamente os líderes de célula, supervisores e pastores de células. Pastores de células eficazes também percebem que a menos que novos convertidos sejam preparados no equipamento de discipulado (por exemplo, escola de líderes, etc.), a igreja em células não vai preparar a próxima geração de discipuladores.

“Contornam” o Sistema. Pastores de igrejas em células que são sábios não pastoreiam as pessoas pessoalmente. Eles cuidam das pessoas através dos líderes de células, supervisores, e pastores de células. O sistema entra em colapso quando o pastor aceita todo aconselhamento que vem à sua atenção sem primeiro perguntar se a pessoa recebeu atendimento dentro da cadeia de autoridade estabelecida no sistema celular (por exemplo, membro da célula para líder; líder para supervisor, e assim por diante). Pastores de igrejas em células eficazes delegam e respeitam as linhas de autoridade delegadas.

São Dependentes do Prédio. A igreja do Novo Testamento nunca possuiu uma construção, e ainda assim eles mudaram o mundo. Alguns pastores ficam muito encantados com seus prédios e com a angariação de fundos necessários para construir e mantê-los. Eu vi células diminuírem e se tornarem secundárias quando campanhas de construção entraram em andamento. Os membros fiéis podem se tornar como os que estão fartos da Igreja quando sentem que a vida do Novo Testamento é sacrificada no altar de tijolos e argamassa. Eu me lembrei disso enquanto dirigia à noite para Long Beach – Califórnia na Via Expressa Garden Grove 22. Eu olhei pela minha janela e notei a Catedral de Cristal, uma relíquia deslumbrante que deveria atrair as pessoas para a “Igreja”. No entanto, todo o cristal no edifício não pôde evitar que fosse à falência e, eventualmente, todo o imóvel fosse vendido à Igreja Católica.

Talvez o fenômeno dos fartos seja uma benção disfarçada. Talvez Josh Packard esteja nos pedindo para reexaminarmos a forma como a igreja deveria parecer em primeiro lugar.

Joel

Spanish blog:

¿Está la iglesia celular inmune a los hastiados?

Por Joel Comiskey

Josh Packard nos dice que algunos miembros fieles de la iglesia están hastiados con la iglesia como ya sabemos. Están cansados ​​de estar sentados, escuchando y dando. O dicho de otra manera, están cansados ​​de sembrar, orar y predicar. La buena noticia es que esto podría ser una llamada de atención a la reforma de la iglesia y como regresar al cristianismo del Nuevo Testamento. Después de todo, la iglesia nunca fue diseñada para sentarse y escuchar. Dios diseñó la iglesia primitiva como una dinámica de cara a cara para la comunidad. La iglesia del Nuevo Testamento se reunieron, Si, pues, toda la iglesia se reúne en un solo lugar, (Hechos 2: 42-46 y 1 Corintios 14: 23).

Varios bloggers han notado que las iglesias celulares también pueden perder personas que están hastiadas con la iglesia. Esto es especialmente cierto cuando las iglesias celulares practican la siguiente:

Orientación de Pastor solamente. Las Iglesias celulares pueden crear hastiados cuando un pastor desarrolla mucho poder, tiene que tomar todas las decisiones, y es el único punto de crecimiento. Los pastores efectivos de la iglesia celular, por otra parte, comparten el ministerio, audazmente desarrollan otros líderes, y dependen de su equipo para seguir adelante – sabiendo que en una multitud de consejeros hay seguridad (Proverbios 11:14). Los pastores efectivos de la iglesia celular entienden que el liderazgo en el Nuevo Testamento era plural. Creen y practican el ministerio en equipo.

Concentrado a la celebración. La iglesia celular nunca tuvo la intención de concentrarse únicamente en la celebración. Más bien, el servicio de celebración es un momento para que las células se reúnan, crezcan juntos, y reciban nueva vitalidad. Algunos pastores, sin embargo, se consumen con sus predicaciones y el servicio de adoración, dejando de lado otros aspectos importantes del sistema celular – como el entrenamiento y equipamiento. La gente pronto se da cuenta de que las células son simplemente una manera de mantener a la gente dentro de las cuatro paredes de la iglesia, y algunos se convierten en hastiados de la iglesia. En realidad, el pastor principal es el entrenador principal. Él debe entrenar activamente a los líderes celulares, supervisores y pastores celulares. Los pastores celulares eficaces también se dan cuenta de que a menos que los nuevos creyentes se preparen en el equipamiento del discipulado (por ejemplo, escuela de líderes, etc.), la iglesia celular no preparara a la próxima generación de hacedores de discípulos.

Saltando. Los pastores celulares sabios no pastorean a la gente personalmente. Ellos se preocupan por la gente a través de los líderes celulares, supervisores y pastores celulares. El sistema se rompe cuando el pastor acepta todo asesoramiento que viene a su atención sin antes preguntar si la persona ha recibido primero la atención dentro de la cadena de autoridad establecida en el sistema celular (por ejemplo, miembro celular al líder; líder al supervisor, etc. ). Los pastores celulares eficaces delegan y respetan esas líneas de autoridad delegadas.

La construcción dependiente. La iglesia del Nuevo Testamento nunca fue dueño de un edificio, sin embargo, ellos cambiaron el mundo. Algunos pastores se enamoraron de sus edificios y la recaudación de fondos necesarios para construirlos y mantenerlos. He visto las células disminuir y convertirse en secundarios cuando las campañas de construcción entran en pleno apogeo. Los miembros fieles se pueden convertir en hastiados con la iglesia cuando sienten que la vida del Nuevo Testamento es sacrificado en el altar de ladrillos y mortero. Me acordé de esto mientras conducía esta tarde a Long Beach, CA en la autopista Garden Grove 22. Me asomé por la ventana y vi la Catedral de Cristal, una reliquia deslumbrante que se suponía iba a atraer gente a la “iglesia”. Sin embargo, todo el cristal en ese edificio no podía mantenerse en marcha y, finalmente fue a quiebra, donde vendieron todos los bienes inmuebles de la Iglesia Católica.

Tal vez el fenómeno de los hastiados es una bendición disfrazada. Quizás Josh Packard está pidiendo a todos que examinemos en como la iglesia debía de verse en primer lugar.

Joel

Applying the Pastor’s Teaching

mario

by Mario Vega, www.elim.org.sv

There is a well-known saying, "No one can give what he doesn’t already possess." This is very true when it comes to delivering the Word of God. No one can teach what he does not understand. Since the leader has to minister every week in the cell, he has no choice but to prepare for the occasion.

In those churches that use the Sunday sermon as the cell lesson, leaders must be very attentive to the pastor’s teaching. Their attentiveness is not only motivated because of personal edification but also because they know they will have to know how to guide the cell lesson. This personal motivation keeps cell leaders from becoming bored with the Sunday sermon and critical of not learning something "new" from the Sunday teaching. Knowing that this is the source from which they will have to generate their own teaching gives them an additional interest that makes every teaching interesting and practical.

Thus, the cell model becomes a way to avoid a critical spirit that some faithful believers may experience after decades of attending on Sunday. When a person has the opportunity to share what he or she has learned, there is never a need to leave the church; rather there is an earnest desire to receive the pastor’s teaching in order to apply it to others.

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese:

Aplicar o Ensinamento do Pastor

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Existe um ditado que diz: "Ninguém pode dar aquilo que não possui". Isto é muito verdadeiro quando se trata de entregar a Palavra de Deus. Ninguém pode ensinar aquilo que não entende. Como o líder precisa ministrar a cada semana na célula, ele não tem outra escolha além de se preparar para a ocasião.

Nas igrejas que usam o sermão de domingo como a palavra da célula, os líderes devem estar muito atentos ao ensino do pastor. Sua atenção não é só motivada pela edificação pessoal, mas também porque eles sabem que terão de saber como orientar a palavra da célula. Essa motivação pessoal não deixa os líderes de célula ficarem entediados com o sermão de domingo e críticos por não aprender algo "novo" com o ensino do domingo. Saber que esta é a fonte de onde eles terão que gerar seu próprio ensino lhes dá um interesse a mais que faz com que cada ensinamento seja interessante e prático.

Assim, o modelo celular torna-se uma maneira de evitar um espírito crítico que alguns crentes fiéis podem experimentar depois de décadas de frequentar aos domingos. Quando uma pessoa tem a oportunidade de compartilhar o que aprendeu, nunca há uma necessidade de deixar a igreja; em vez disso, há um desejo sincero de receber o ensinamento do pastor, a fim de aplicá-lo a outras pessoas.

Mario

Spanish blog:

El Líder Aprende para Enseñar

por Mario Vega

Un dicho muy conocido dice: Nadie puede dar lo que no tiene. Esto es muy cierto cuando se trata de entregar la palabra de Dios. Nadie puede enseñar lo que todavía no comprende. Dado que el líder debe enseñar todas las semanas en su célula, no le queda más opción que prepararse para la ocasión.

En el caso de las iglesias celulares que usan el sermón del domingo como lección para la célula, los líderes deben estar muy atentos a la enseñanza del pastor. No solamente por interés personal sino también porque es la enseñanza que deben reproducir en las casas. Ese interés especial de los líderes les libra de la idea que algunos tienen que ya no hay nada nuevo que puedan aprender de los sermones dominicales. El saber que esa es la fuente de donde deberán generar su propia enseñanza les otorga un interés adicional que hace que cada enseñanza resulte interesante y práctica.

De esa manera, el modelo celular se convierte en un camino para evitar la sensación de saciedad que algunos creyentes fieles pueden experimentar después de décadas asistiendo a sus iglesias. Mientras tengan la oportunidad de compartir lo aprendido, no se cansarán ni aburrirán de continuar recibiendo nuevas enseñanzas que después tendrán que compartir.

Fulfilling our Potential

steve

by Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Josh Packard’s research on the “done’s” (active, faithful church members who say they are “done” with church and drop out) says that many leave because a) they are tired of being lectured to in sermons, and b) they are tired of a passive Christianity.

The cell church philosophy of ministry has the potential to counteract these issues, but simply having cell groups or a cell structure will not make a church immune to producing “dones.” If we want to see long-term spiritual growth and vitality in our people, we need to focus on at least two targets:

1. Cultivate an awareness of the presence of God in our celebration services.

The end goal of the worship experience is for people to walk away with the awareness that they have been in God’s presence with God’s people. “Dones” won’t often walk away from where they experience the presence of God. Leaders cannot control how the Spirit of God manifests himself in a worship experience, but we can help people encounter him by:

  • pray for the presence of God to be obvious to people as they come
  • teach worship leaders to focus vertically; to be worshipping God themselves in front of the people, not trying to rally the congregation to respond a certain way – to model, not cheer-lead.
  • prepare and preach biblically-based messages every time
  • offer chances to respond to God’s presence through prayer ministry or acts of obedience

2. Activate everyone in the cell.

It is possible to hold cell meetings where one person lectures and the members are passive. Cells which activate others:

  • have leaders who always involve others in leading the meeting
  • have many designated roles in the group
  • have leaders who develop their interns
  • have an outward orientation which results in ministry opportunities for most members of the group to be in involved in reaching others

Cell church ministry is certainly geared to helping avoid “dones,” but we cannot take comfort in calling ourselves a cell church; we need to act like the Body of Christ!

Steve

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cumprindo nosso Potencial

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

A pesquisa de Josh Packard sobre os "fartos" (membros ativos e fiéis da igreja que dizem que estão "fartos" da igreja e saem) diz que muitos saem porque a) eles estão cansados de ouvir sermões, e b) eles estão cansados de um cristianismo passivo.

A filosofia de ministério da igreja em células tem o potencial de contrariar estas questões, mas simplesmente ter células ou uma estrutura celular não fará com que uma igreja fique imune de produzir "fartos". Se queremos ver crescimento espiritual e vitalidade a longo prazo em nosso povo, nós temos de nos concentrar em pelo menos dois alvos: 

1. Cultive uma consciência da presença de Deus nos cultos de celebração.

O objetivo final da experiência de adoração é que as pessoas saiam com a consciência de que elas estiveram na presença de Deus com o povo de Deus. Os "fartos" muitas vezes não vão se afastar de onde eles experimentam a presença de Deus. Os líderes não podem controlar a forma como o Espírito de Deus se manifesta em uma experiência de adoração, mas podemos ajudar as pessoas a encontrá-Lo:

  • Ore para que a presença de Deus seja óbvia para as pessoas enquanto elas vêm
  • Ensine os líderes de adoração a focarem verticalmente; eles devem adorar a Deus na frente das pessoas, e não tentar reunir a congregação para responderem de uma certa forma – modelar, e não animar.
  • Sempre prepare e pregue mensagens baseadas na Bíblia
  • Ofereça chances para responderem à presença de Deus através do ministério de oração ou por atos de obediência

 2. Ative todos na célula.

É possível realizar reuniões de célula onde uma pessoa palestra e os membros são passivos. Células que ativam os outros:

  • Têm líderes que sempre envolvem os outros na liderança da reunião
  • Têm muitas funções designadas no grupo
  • Têm líderes que desenvolvem seus líderes em treinamento
  • Têm uma orientação para o exterior que resulta em oportunidades de ministério para a maioria dos membros do grupo se envolverem em alcançar outras pessoas

O ministério de igreja em células é certamente destinado a ajudar a evitar "fartos", mas não podemos ter conforto em nos chamar de uma igreja em células; nós precisamos agir como o Corpo de Cristo!

Steve

Spanish blog:

Cumpliendo con nuestro Potencial
Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

La investigación de Josh Packard en los "hastiados" (miembros fieles y activos de la iglesia, que dicen que están "hastiados" con la iglesia y la abandonan) dice que muchos se van porque a) están cansados ​​de ser recibir regaños durante las predicaciones, y b) están cansados del cristianismo pasivo.

La filosofía de la iglesia celular en el ministerio tiene el potencial de contrarrestar estos problemas, pero simplemente tener grupos celulares o una estructura celular no va a hacer una iglesia inmune a producir "hastiados". Si queremos ver crecimiento espiritual a largo plazo y vitalidad en nuestra gente, tenemos que concentrarnos en al menos dos objetivos:

1. Cultivar la conciencia de la presencia de Dios en nuestros servicios de celebración.

El objetivo final de la experiencia de adoración es que la gente camine con la conciencia de que han estado en la presencia de Dios con el pueblo de Dios. Los "hastiados" no caminan a menudo donde experimentan la presencia de Dios. Los líderes no pueden controlar la forma en que el Espíritu de Dios se manifiesta en la experiencia de adoración, pero podemos ayudar a la gente a encontrarlo  por medio de:

• Ore por la presencia de Dios para que sea obvia para la gente, al venir.

• Enseña a los líderes de adoración a concentrarse verticalmente; en estar adorando a sí mismos a Dios delante de la gente, no tratando de reunir a la congregación para responder de cierta manera – al modelo, no el ánimo de dirigir.

• Prepara y predica mensajes basados ​​en la Biblia todo el tiempo.

• Ofrece cambios para responder a la presencia de Dios a través del ministerio de oración o actos de obediencia

2. Active a todos en la célula.

Es posible llevar a cabo reuniones celulares donde una persona enseña y los miembros son pasivos. Las células que activan otros:

• Tienen líderes que siempre se involucran con otros en la conducción de la reunión

• Tener muchos roles designados en el grupo

• Tener líderes que desarrollan sus pasantes

• Tener una orientación hacia el exterior que se traduce en oportunidades de ministerio para la mayoría de los miembros del grupo que se están involucrando en alcanzar a otros

El Ministerio de la iglesia celular sin duda está orientado para ayudar a evitar a los "hastiados", pero no podemos estar cómodos en llamarnos una iglesia celular; tenemos que actuar como el Cuerpo de Cristo.

Steve