Is It Okay to Have Fun on Sunday?

bill

By Bill Mellinger, Crestline First Baptist

"Remember the Sabbath day by keeping it holy.” Exodus 20:8 NIV

For the last twenty-five years, I have gotten great enjoyment from working as a referee on youth and adult soccer matches. This has been some of my most enjoyable exercise. I get to enjoy one of my favorite sports right from the center of the action. In addition, I have gotten a lot of exercising while not realizing how much I was running. I definitely prefer running on a soccer field during a match to running on the streets or a track. This has also been great spiritual refreshment for me as well. While I am officiating, I am doing a lot of praying. Sure, there can be some serious misbehavior that I have to guide, but I also have the time to talk a lot with the Lord.

Growing up in a Mennonite (very conservative) family, we did not go to movies, dance or do you yard work on Sunday. In fact, we did not do most of these things at all, except the yard work. I am sure that the Pharisees would have praised our Sunday activities. No, we did not go out to eat after worship.

When the Lord told us to "Remember the Sabbath day by keeping it holy,” did He mean that we could not have fun on the Sabbath? What do you do to keep the Sabbath holy? It seems like Jesus taught that the Sabbath was supposed to refresh us and enable us to serve the Lord in a special way on a special day. Isn’t it okay to have fun on the Sabbath as long as we are doing something that honors God? Shouldn’t what we do refresh us and prepare us for service to the Lord?

People are very busy. I am very busy. We all have numerous responsibilities and stresses in our lives. The work of the Lord is exhausting. One of the most dangerous things we can do is attempting to do the work of the Lord without the power of the Lord. God created with a need for refreshment/rest every seven days. When we try to circumvent this need, we become spiritually vulnerable, physically weary, and relationally drained. There is no excuse for workaholism in the ministry. God does not expect that of us. He created us to rest each week.

What does rest look like for you? It may be a day of reading a good book and enjoying your family. Perhaps it is a day quietly praying and listening to God’s counsel. Maybe, it can even be found on a soccer field while exercising and having fun. The key is to make sure that we are taking the time to enjoy the Lord and to be refreshed by Him.

Don’t be so prideful or egotistical to think that the ministry needs you so much that you have to work every day. Jesus rested and He instructed the disciples to rest. They even went off on a boat, while he walked on the water. Wow! That sounds like fun!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Não É Bom Se Divertir no Domingo?

Por Bill Mellinger, Primeira Igreja Batista de Crestline

“Lembra-te do dia de sábado, para santificá-lo.” Êxodo 20:8 NVI

Durante os últimos vinte e cinco anos, eu tenho tido grande prazer de trabalhar como árbitro em partidas de futebol de jovens e adultos. Este tem sido um dos meus exercícios mais agradáveis. Eu posso desfrutar de um dos meus esportes favoritos bem do centro da ação. Além disso, eu tenho me exercitado bastante, sem perceber o quanto eu estava correndo. Eu definitivamente prefiro correr em um campo de futebol durante um jogo do que correr nas ruas ou numa pista. Isto tem sido também uma grande renovação espiritual para mim. Enquanto estou nesse ofício, eu também oro bastante. Claro, pode haver alguma má conduta grave que eu precise orientar, mas eu também tenho muito tempo para falar com o Senhor.

Crescendo em uma família menonita (muito conservadora), nós não íamos ao cinema, não dançávamos ou fazíamos jardinagem no domingo. Na verdade, nós não fazíamos absolutamente nada disso tudo, exceto o trabalho de jardinagem. Eu tenho certeza de que os fariseus teriam elogiado as nossas atividades de domingo. Não, nós não saíamos para comer após o culto.

Quando o Senhor nos disse "Lembra-te do dia de sábado, para santificá-lo", Ele quis dizer que nós não poderíamos nos divertir no Sábado? O que você faz para manter o Sábado santo? Parece que Jesus ensinou que o propósito do dia sabático era para nos dar refrigério e permitir-nos servir ao Senhor de uma maneira especial em um dia especial. Não está tudo bem nos divertirmos no sábado, enquanto nós estamos fazendo algo que honra a Deus? O que nós fazemos não deveria nos refrescar e preparar-nos para o serviço ao Senhor?

As pessoas estão muito ocupadas. Eu estou muito ocupado. Todos nós temos inúmeras responsabilidades e tensões em nossas vidas. A obra do Senhor é desgastante. Uma das coisas mais perigosas que podemos fazer é tentar fazer a obra do Senhor sem o poder do Senhor. Deus criou com a necessidade de renovo/descanso a cada sete dias. Quando nós tentamos contornar essa necessidade, nos tornamos vulneráveis espiritualmente, cansados fisicamente, e relacionalmente drenados. Não há desculpa para o vício em trabalho no ministério. Deus não espera isso de nós. Ele nos criou para descansar toda semana.

O que significa descansar para você? Pode ser um dia para ler um bom livro e desfrutar de sua família. Talvez seja um dia para orar tranquilamente e ouvir o conselho de Deus. Talvez, isso pode até ser encontrado em um campo de futebol enquanto se exercita e se diverte. A chave é ter certeza de que estamos tendo tempo para desfrutarmos do Senhor e para sermos renovados por Ele.

Não seja tão orgulhoso ou egoísta para pensar que o ministério precisa tanto de você que você precisa trabalhar todos os dias. Jesus descansou e Ele instruiu os discípulos a descansarem. Eles até saíram em um barco, enquanto Ele caminhou sobre a água. Uau! Isso parece divertido!

Bill

Spanish blog:

No está bien divertirse el domingo?

Por Bill Mellinger, Primera Iglesia Bautista

"Acuérdate del día de reposo para santificarlo." Éxodo 20: 8

Durante los últimos veinticinco años, he conseguido gran placer de trabajar como árbitro en partidos de fútbol para jóvenes y adultos. Este ha sido parte de mi ejercicio más agradable. Tengo la oportunidad de disfrutar de uno de mis deportes favoritos desde el centro de la acción. Además, hago una gran cantidad de ejercicio, sin darme cuenta de lo mucho que estaba corriendo. Yo definitivamente prefiero correr en un campo de fútbol durante un partido que correr en las calles o una pista. Esto también ha sido un gran refrigerio espiritual para mí también. Mientras estoy oficiando, estoy orando. Seguro, puede haber algo de mala conducta que tengo que guiar, pero también tengo el tiempo para hablar con el Señor.

Crecer en una la familia menonita (muy conservadora), no íbamos al cine, a bailar o trabajo en el jardín el domingo. De hecho, no hacíamos la mayoría de estas cosas, excepto en el trabajo en el jardín. Estoy seguro de que los fariseos habrían alabado nuestras actividades dominicales. No, no fuimos a comer después de la adoración.

Cuando el Señor nos dijo "Acuérdate del día de reposo para santificarlo", quiso decir que no podíamos divertirnos en el día de reposo ¿Qué se hace para mantener el día de reposo sagrado? Parece que Jesús enseñó que el día de reposo era para refrescarnos y permitirnos servir al Señor de una manera especial en un día especial. ¿Está bien divertirse en el día de reposo, siempre y cuando estamos haciendo algo que honra a Dios? ¿No debería ser lo que nos refresca o nos prepara para el servicio al Señor?

La gente está muy ocupada. Estoy muy ocupado. Todos tenemos muchas responsabilidades y tensiones en nuestras vidas. La obra del Señor es agotadora. Una de las cosas más peligrosas que podemos hacer está tratar de hacer el trabajo del Señor sin el poder del Señor. Dios creó con una necesidad de refrigerio/descanso cada siete días. Cuando tratamos de eludir esta necesidad, nos volvemos vulnerables espiritualmente, físicamente cansados, y relacionalmente drenados. No hay excusa para la adicción al trabajo en el ministerio. Dios no espera eso de nosotros. Él nos creó para descansar cada semana.

¿Cuál es tu tipo de descanso? Puede ser un día de lectura de un buen libro y disfrutar de su familia. Tal vez es un día en silencio orando y escuchando el consejo de Dios. Tal vez, incluso se puede encontrar en un campo de fútbol haciendo ejercicio y en la diversión. La clave es asegurarse de que estamos tomando el tiempo para disfrutar al Señor y se refresquen por Él.

No seas tan orgulloso ni egoísta en pensar que el ministerio te necesita tanto que usted tiene que trabajar todos los días. Jesús descansó y Él instruyó a los discípulos a descansar. Incluso se fueron en un barco, mientras que él caminó sobre el agua. ¡Excelente! ¡Eso suena divertido!

Bill

The Family Day

mario

by Mario Vega, www.elim.org.sv

The Sabbath Day principle teaches us that we need to need to suspend routine work for one day per week. God knows that human beings need rest to regain lost strength, thus He established a day of rest in an era of unceasing activity and busyness. Since Elim church began its cell ministry, we established one day a week which was called “The Family Day.” The purpose was to allow all church members to have one day a week to devote to their families. On that day there is no church activity, and people can freely use the time to devote it to deepen communication within their family.

Because the members don’t have other commitments to the church on that day, there is a temptation to place other extra activities of supervisors or zone pastors on that date. That is the reason why we have to be insisting all the time about the need to maintain a restful and work-free family day. The time that could be gained placing other activities on that date will be lost in the future when those leaders have to face fatigue or family problems. Worst still is the fact that fatigue and family conflicts can take a leader out of commission for long periods of time. When that happens, the time it takes to heal can be long and difficult.

God’s wisdom is infinite, and he was very compassionate when he established a day of rest. Experience shows that when this principle is not respected, people face serious consequences. We cannot be wiser than God and we cannot work to advance beyond what the divine principles establish. For all those reasons it is important to respect the family day.

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Dia da Família

por Mario Vega, www.elim.org.sv

O princípio do Dia do Senhor (Dia Sabático) nos ensina que nós precisamos suspender o trabalho de rotina por um dia por semana. Deus sabe que os seres humanos precisam de descanso para recuperar a força perdida e, assim, Ele estabeleceu um dia de descanso em uma época de atividade e negócios incessantes. Desde que a igreja Elim começou seu ministério de células, nós estabelecemos um dia por semana que foi chamado de "O Dia da Família". O objetivo era permitir que todos os membros da igreja tivessem um dia por semana para se dedicar a suas famílias. Neste dia não há nenhuma atividade da igreja, e as pessoas podem usar livremente o tempo para dedicar-se a aprofundar a comunicação dentro de sua família.

Como os membros não têm outros compromissos da igreja naquele dia, há uma tentação de colocar outras atividades extras de supervisores ou pastores de região nessa data. Essa é a razão pela qual temos que insistir o tempo todo sobre a necessidade de manter um dia em família tranquilo e livre de trabalho. O tempo que poderia ser economizado colocando outras atividades nessa data será perdido no futuro quando os líderes tiverem de enfrentar fadiga ou problemas familiares. Pior ainda é o fato de que a fadiga e os conflitos familiares podem tirar um líder de serviço por longos períodos de tempo. Quando isso acontece, o tempo que leva para curar pode ser longo e difícil.

A sabedoria de Deus é infinita, e Ele teve muita compaixão quando Ele estabeleceu um dia de descanso. A experiência mostra que quando este princípio não é respeitado, as pessoas enfrentam consequências sérias. Nós não podemos ser mais sábio do que Deus e não podemos trabalhar para avançar além do que os princípios divinos estabelecem. Por todas essas razões, é importante respeitar o dia da família.

Mario

Spanish blog:

El día de la familia.

El principio del día de reposo establece la necesidad de suspender la rutina de trabajo por un día a la semana. Dios sabe que el ser humano necesita tener descanso para reponer las fuerzas perdidas y, por ello, estableció un día de reposo en una era cuando en todas las culturas se trabajaba sin cesar. Desde que la iglesia Elim comenzó su trabajo celular, se estableció un día a la semana que se denominó: “El Día de la Familia”. El propósito era que los miembros de la iglesia tuvieran un día a la semana para dedicarlo a sus familias. En ese día no hay ninguna actividad de la iglesia y las personas pueden disponer libremente del tiempo para dedicarlo a profundizar la comunicación en su familia.

Por ser ese el día que los miembros no tienen otros compromisos con la iglesia, existe la tentación de colocar en esa fecha otras actividades extras de los supervisores o pastores de zona. Esa es la razón por la que todo el tiempo hay que estar insistiendo en la necesidad de respetar el día de la familia. El tiempo que se pueda avanzar colocando en esa fecha otras actividades se perderá a futuro cuando esos líderes tengan que enfrentar fatiga o problemas familiares. Lo peor de todo es que la fatiga y los conflictos en la familia pueden dejar fuera del trabajo a un líder por períodos largos de tiempo. El tiempo que se necesita para sanar el daño provocado por un trabajo interminable.

La sabiduría de Dios es infinita y él fue muy compasivo cuando estableció un día de descanso. La experiencia enseña que cuando ese principio no se respeta las personas afrontan graves consecuencias. No podemos ser más sabios que Dios y no podemos hacer avanzar el trabajo más allá que lo que los principios divinos establecen. Por todos esos motivos es importante respetar el día de la familia.

Unproductivity

brian

By Brian Kannel, lead pastor at http://www.yorkalliance.org/ and author of Follow Me

On the first Tuesday of every month, I lead our staff to be as unproductive as possible.

That might seem, on the surface to be a bad idea. Maybe a really bad idea. Maybe the kind of idea that will get one fired, or at the very least, get a firm reprimand.

However, I can honestly say that hasn’t been one other single decision that I’ve made as a leader within our little church organization that has brought as much benefit as this one has.

Each month, we close down the office for one day: we let the phones go to voicemail, we leave our to-do lists on our desk, we cancel all of our appointments, and we practice Sabbath. We rest together. We worship together. We pray together. We laugh with each other, and now and then, at each other. But most of all, we remember why we’re doing what we’re doing.

I’ve found that one of the most difficult places to maintain a vibrant faith is working for a church. Maybe it shouldn’t be, but it is. So when, five years ago, I stepped into this role of Lead Pastor, I determined that we were going to watch out for each other. We were going to make sure that ministry didn’t drive us away from Jesus. We were going to ensure that serving Him didn’t get in the way of loving Him. That’s what Staff Sabbath is all about.

It’s nothing fancy or impressive—our pastoral team passes leadership responsibility around, month to month, for guiding one another in worship and prayer. Sometimes those times are very organized; other times, they are a bit more scattered. Some months we take the afternoon to play games or watch movies. Some months we cry a lot. However, we’re always led back to Jesus. We remember, at least once each month, that He truly is worthy of all of our lives. We remember, despite the current crises, the difficult relationships, or this week’s pain-in-the-rear-end issue, that Jesus is worth it.

What has been the result? After almost five years of making this a monthly discipline, I’ve never worked with a team that I enjoy working with more than this one. One of our staff members remarked to me that our staff is a place where she can share anything that’s on her heart at any time: not just ministry struggles, but family challenges, heart issues, doubts, fears, and any other kind of life issue that might come up. We’ve become like a family to her. I totally agree.

And so, each month, we stop. We turn off the phones, and we turn our hearts toward Jesus and His love for us. One of my mantras, stolen from C.J. Mahaney, is that "the main thing is to keep the main thing the main thing." I don’t know if there’s anywhere that’s a more difficult challenge than in ministry.

So I’m glad for a day to do nothing. I’m pretty sure it’s the most productive thing we can do.

Brian

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Improdutividade

Por Brian Kannel, pastor principal em http://www.yorkalliance.org/

Na primeira terça-feira de cada mês, eu levo nossa equipe a ser tão improdutiva quanto possível.

Isso pode superficialmente parecer ser uma má ideia. Talvez uma péssima ideia. Talvez o tipo de ideia de que vai fazer alguém ser demitido, ou pelo menos receber uma advertência firme.

No entanto, eu posso dizer honestamente que não há nenhuma outra decisão que eu fiz como um líder dentro de nossa pequena organização da igreja que trouxe tantos benefícios como esta tem trazido.

Todo mês nós fechamos o escritório por um dia: nós deixamos as ligações irem para o correio de voz, nós deixamos nossas listas de afazeres em nossas mesas, cancelamos todos os nossos compromissos e nós praticamos o dia sabático. Nós descansamos juntos. Nós adoramos juntos. Nós oramos juntos. Nós rimos um com o outro e, uma vez ou outra, rimos um do outro. Mas acima de tudo, nos lembramos por que estamos fazendo o que estamos fazendo.

Eu descobri que um dos lugares mais difíceis de manter uma fé vibrante é trabalhando para uma igreja. Talvez não devesse ser, mas é. Então quando eu entrei neste papel de pastor principal há cinco anos, eu determinei que nós iríamos cuidar uns dos outros. Nós iríamos nos certificar de que o ministério não nos levaria para longe de Jesus. Nós iríamos garantir que servi-Lo não ficaria no caminho de amá-Lo. É disso que o “Sábado” da Equipe se trata.

Não é nada extravagante ou impressionante—nossa equipe pastoral passa a responsabilidade da liderança adiante, mês a mês, orientando um ao outro em adoração e oração. Às vezes, esses momentos são muito organizados; outras vezes, eles são um pouco mais desordenados. Alguns meses, nós tiramos a tarde para jogar jogos ou assistir filmes. Alguns meses nós choramos muito. No entanto, nós somos sempre levados de volta para Jesus. Nós nos lembramos, pelo menos uma vez a cada mês, de que Ele realmente é digno de tudo em nossas vidas. Nos lembramos, apesar das crises atuais, dos relacionamentos difíceis, ou da edição da dor nas costas desta semana, que Jesus vale a pena. 

Qual foi o resultado? Depois de quase cinco anos fazendo disso uma disciplina mensal, eu nunca trabalhei com uma equipe com a qual gosto de trabalhar mais do que com essa. Um dos nossos membros da equipe comentou comigo que o nosso grupo é um lugar onde ela pode compartilhar qualquer coisa que está em seu coração a qualquer momento: não apenas lutas no ministério, mas desafios familiares, problemas no coração, dúvidas, medos, e qualquer outro tipo de problema da vida que possa surgir. Nós nos tornamos como uma família para ela. Eu concordo totalmente. 

E assim, a cada mês, nós paramos. Nós desligamos os telefones e voltamos nossos corações para Jesus e Seu amor por nós. Um dos meus lemas, roubado de C.J. Mahaney, é que "a principal coisa é manter a coisa principal a principal coisa". Eu não sei se há algum lugar onde há um desafio mais difícil do que no ministério. 

Então eu estou feliz por um dia para não fazer nada. Eu tenho certeza que é a coisa mais produtiva que nós podemos fazer.

Brian

Spanish blog:

Improductividad
Por Brian Kannel, pastor principal en http://www.yorkalliance.org/

En el primer martes de cada mes, me dirijo a nuestro personal para ser tan improductivo como sea posible.

Esto puede parecer, a primera vista una mala idea. Tal vez una muy mala idea. Tal vez el tipo de idea que pudiera hacer despedir a alguien, o por lo menos, obtener una firme represión.

Sin embargo, puedo decir honestamente que no ha sido otra decisión única que he hecho como líder dentro de nuestra pequeña organización de la iglesia que ha traído tantos beneficios como esta.

Cada mes, cerramos la oficina por un día: dejamos que los teléfonos vayan al correo de voz, dejamos nuestras listas de tareas pendientes en nuestro escritorio, cancelamos todas nuestras citas, y practicamos el día de reposo. Descansamos juntos. Adoramos juntos. Oramos juntos. Nos reímos con los demás, y de vez en cuando, el uno al otro. Pero sobre todo, recordamos por qué estamos haciendo lo que estamos haciendo.

He descubierto que uno de los lugares más difíciles para mantener una fe vibrante está trabajando para una iglesia. Tal vez no debería ser, pero es. Así que, hace cinco años, entré a desempeñar el papel de Pastor Principal, decidí que íbamos de cuidarnos los unos a otros. Nos íbamos a asegurar de que el ministerio no nos alejara de Jesús. Nos íbamos a asegurar que servirle no se pondría en el camino para amarlo. Eso es lo que el día de reposo es.

No es nada lujoso o impresionante, nuestro equipo pastoral pasa responsabilidad de liderazgo alrededor, mes a mes, para guiar el uno al otro en la adoración y la oración. A veces esos momentos son muy organizados; otras veces, son un poco más dispersos. Algunos meses tomamos la tarde para jugar juegos o ver películas. Algunos meses lloramos mucho. Sin embargo, siempre estamos dirigiéndonos a Jesús. Recordamos, por lo menos una vez al mes, que él realmente es digno de toda nuestra vida. Recordamos, a pesar de la crisis actual, las relaciones difíciles, o la edición de esta semana de dolor en el cuerpo, que Jesús es digno de él.

¿Cuál ha sido el resultado? Después de casi cinco años de hacer de esto una disciplina mensual, nunca he trabajado con un equipo que le gusta trabajar más que este. Uno de nuestros miembros del personal me comentó que nuestro personal es un lugar donde se puede compartir todo lo que está en su corazón, en cualquier momento: no sólo las luchas del ministerio, sino desafíos familiares, problemas del corazón, dudas, miedos, y cualquier otro tipo de problemas que pudieran surgir en la vida. Nos hemos convertido como en una familia para ella. Estoy totalmente de acuerdo.

Y así que, cada mes, nos detenemos. Apagamos los teléfonos, y dirigimos nuestros corazones a Jesús y su amor por nosotros. Uno de mis frases, tomada de CJ Mahaney, es que "lo principal es mantener lo principal lo principal". No sé si hay un lugar más difícil a retar que el ministerio.

Así que me alegro de tener un día para no hacer nada. Estoy bastante seguro de que es la cosa más productiva que podemos hacer.

Brian

Sabbath

brian

By Brian Kannel, lead pastor at http://www.yorkalliance.org/ and author of Follow Me

Words mean something. My background is in Marketing, so I’m well aware that the choice of one word over another can dramatically change the impact and understanding of a concept. Millions of dollars have been made (and lost) over the choice of words!

When I first transitioned from the marketplace into vocational ministry, I was introduced to the concept of “the day off.” I had, of course, encountered a “day off” here and there throughout my former career, but in the church, the “day off” was different! As pastoral staff, we were to take a “day off” each week, in recognition that Sunday was a work day for us. Over time, my “day off” has shifted from Thursday to Monday to Friday, but throughout ministry, with the strong admonition and encouragement of some great mentors and coaches, I’ve strove to maintain the discipline of scheduling and guarding that “day off.”

And a “day off” it was. Off from church stuff—calls and meetings were off limits!—and off from the normal conversations and relational connections that marked the life of a pastor. It was often a day full of house stuff, family stuff, and chores. Shopping. Mowing. Trimming hedges and cleaning the garage. And please hear me—I’m not complaining! I enjoy all of these things. My “day off” rule was simple: I wouldn’t do anything that I had to do. That was for the rest of the week. The “day off” was for what I wanted to do.

It wasn’t until a few years ago, as I was reading “The Pastor: A Memoir” by Eugene Peterson, that I realized the subtle shift in language that I had unknowingly bought into. As pastors, we tend to use the term “day off” as synonymous for “Sabbath.” However, as I thought about it, the two terms aren’t quite synonyms. The “day off” was for what I wanted to do. I didn’t do anything I had to do, and I didn’t do anything that I didn’t want to do. More clearly said, it was a day for me.

“Sabbath,” however, is different. God has given me the gift of a day in which my heart has the opportunity to re-center around Jesus—His goodness, mercy, grace, and sovereign control over the world. Sabbath isn’t simply a day to “stop” doing things. Rather, it’s a day to recall the reality of Jesus in the midst of all the things. More clearly said, it’s a day for Him.

You might quote me Mark 2:27—“Sabbath was made for man.” While this isn’t the place for detailed exegesis, Jesus’ point is that we are not bound to a set of regulations in order to engage Sabbath-keeping. Rather, we have been set free to enjoy God. That’s the idea of Sabbath, and it’s the deepest need of our souls.

I still take a day off each week. But I try not to settle for simply a “day off.” My heart—and yours—needs Sabbath.

What’s your Sabbath story?

Brian

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Sábado

Por Brian Kannel, lead pastor at http://www.yorkalliance.org/

As palavras significam algo. Minha formação é em Marketing, então eu estou bem ciente de que a escolha de uma palavra sobre a outra pode mudar drasticamente o impacto e a compreensão de um conceito. Milhões de dólares foram ganhos (e perdidos) pela escolha das palavras!

Quando eu transicionei pela primeira vez do mercado para o ministério vocacional, fui apresentado ao conceito de "dia de folga". Eu tinha, é claro, encontrado um "dia de folga" aqui e ali ao longo da minha carreira anterior, mas na igreja o "dia de folga" era diferente! Como membros da equipe pastoral, nós tínhamos que ter um "dia de folga" toda semana, reconhecendo que o domingo era um dia de trabalho para nós. Com o tempo, meu "dia de folga" mudou de quinta-feira para segunda-feira e para sexta-feira, mas durante todo o ministério, com a forte admoestação e encorajamento de alguns grandes mentores e treinadores, eu tenho me esforçado para manter a disciplina de programar e guardar um "dia de folga".

E era um "dia de folga". Folga da equipe da igreja: chamadas e reuniões estavam fora de questão! E folga das conversas normais e conexões relacionais que marcam a vida de um pastor. Era muitas vezes um dia cheio de coisas da casa, coisas de família e tarefas. Compras. Roçar. Aparar sebes e limpar a garagem. E por favor, ouça-me, eu não estou reclamando! Eu gosto de todas essas coisas. A regra de meu "dia de folga" era simples: eu não faria nada que eu tivesse que fazer. Isso era para o resto da semana. O "dia de folga" era para o que eu queria fazer. 

Alguns anos atrás, quando eu estava lendo "O Pastor: Uma Biografia" (tradução livre) de Eugene Peterson, eu percebi a mudança sutil na linguagem que eu tinha feito sem saber. Como pastores, nós tendemos a usar o termo "dia de folga" como sinônimo de "Sabbath"/Sábado. No entanto, depois de pensar sobre isso, vi que os dois termos não são completamente sinônimos. O "dia de folga" era para o que eu queria fazer. Eu não fazia qualquer coisa que eu tinha que fazer, e eu não fazia nada que eu não queria fazer. Colocando de uma forma mais clara, era um dia para mim.

O "Sábado", no entanto, é diferente. Deus me deu o presente de um dia em que meu coração tem a oportunidade de se voltar para Jesus—Sua bondade, misericórdia, graça e controle soberano sobre o mundo. O “Sábado” não é simplesmente um dia para "parar" de fazer as coisas. Pelo contrário, é um dia para recordar a realidade de Jesus no meio de todas as coisas. De uma forma mais clara, é um dia para Ele. 

Você pode citar Marcos 2:27: "O sábado foi feito por causa do homem". Embora este não seja o lugar para a exegese detalhada, o ponto de Jesus é que nós não estamos vinculados a um conjunto de regras para guardar o sábado. Em vez disso, nós fomos libertos para desfrutar de Deus. Essa é a idéia do “Sábado”, e é a mais profunda necessidade das nossas almas.

Eu ainda tiro um dia de folga por semana. Mas eu tento não me contentar com apenas um "dia de folga". Meu coração e o seu precisam de um “Sábado”.

Qual é a história de seu “Sábado”?

Brian

Spanish blog:

El día de reposo
Por Brian Kannel, Pastor principal en http://www.yorkalliance.org/

Las palabras significan algo. Mi formación es en comercio, así que estoy muy consciente de que la elección de una palabra sobre otra puede cambiar dramáticamente el impacto y la comprensión de un concepto. Millones de dólares se han ganado (y perdido) por la elección de palabras.

Cuando transicioné por primera vez del comercio a la vocacional pastoral, me presentaron el concepto "el día libre." Yo tuve, por supuesto, un "día libre" aquí y a lo largo de mi carrera anterior, pero en la iglesia, el "día libre" era diferente. Como equipo pastoral, tomáremos un "día libre" cada semana, en reconocimiento ya que el domingo fue un día de trabajo para nosotros. Con el tiempo, mi "día libre" ha pasado de jueves a lunes a viernes, pero en el ministerio, con la fuerte advertencia y aliento de algunos grandes mentores y entrenadores, me esfuerzo en mantener la disciplina de programación y vigilancia de un "día libre".

Y un "día libre" era. Desactivado de las cosas de la iglesia tales como llamadas y reuniones estaba fuera de los límites y fuera de las conversaciones normales y conexiones relacionales que marcaron mi vida de pastor. A menudo fue un día lleno de cosas en la casa, cosas de familia y las tareas domésticas. Salir de compras, cortar la grama, recortar los arbustos y limpiar el garaje. Y por favor, escúchame, no me estoy quejando. Disfruto todas estas cosas. La regla de mi "día libre" era simple: no haré nada que no tenga que hacer. Eso era para el resto de la semana. El "día libre" era para hacer lo que yo quisiera hacer.

No fue sino hasta hace unos años, cuando estaba leyendo "El Pastor: Una memoria" por Eugene Peterson, que me di cuenta del sutil cambio en el lenguaje que había comprado sin saberlo. Como pastores, tendemos a utilizar el término "día libre" como sinónimo del "día de reposo". Sin embargo, como lo había pensado, los dos términos no son sinónimos. El "día libre" era para lo que yo quisiera hacer. No tenía que hacer nada de lo que tenía que hacer, y yo no hacía nada que yo no quisiera hacer. Mejor dicho, era un día para mí.

"El día de reposo", sin embargo, es diferente. Dios me ha dado el regalo de un día en el que mi corazón tiene la oportunidad de volverse a concentrar en torno a Jesús, su bondad, su misericordia, su gracia y el control soberano sobre el mundo. El día de reposo no es más que un día para "detenerse" de hacer las cosas. Más bien, es un día para recordar la realidad de Jesús en medio de todas las cosas. Más claramente, dijo, es un día para Él.

Usted puede citarme en Marcos 2: 27- "El día de reposo fue hecho para el hombre" Si bien este no es el lugar para una exégesis detallada, el punto de Jesús es que no estamos obligados a un conjunto de normas con el fin de involucrar a la observancia del día de reposo. Más bien, hemos sido liberados para disfrutar de Dios. Esa es la idea del día de reposo, y es la necesidad más profunda de nuestras almas.

Todavía me tomo un día libre cada semana. Pero trato de que no sea simplemente el "día libre". Mi corazón y el tuyo necesitan del día de reposo.

¿Cuál es tu historia de tu día reposo?

Brian

Rest

joel

by Joel Comiskey

I like to get things done. That’s the way God made me. Yet, several years ago when I was planning how I could do more, the Lord convicted me to stop “doing.” God reminded me that he set aside one day for rest. God made the human body to run effectively for only six days out of the week—not seven. Genesis 2:2–3 declares, “By the seventh day God had finished the work he had been doing; so on the seventh day he rested from all his work. And God blessed the seventh day and made it holy, because on it he rested from all the work of creating that he had done.”

After those six days, we just naturally run out of gas. If we go against God’s norms, we’ll eventually pay a costly price. I don’t believe any of us are so indispensable that we can neglect our own bodies and souls by not taking a day off.

I talked to one leader who refused to take a day off because he insisted that those who he was counseling needed him too much. He felt it would be sinful to neglect the dysfunctional people who needed him. He couldn’t imagine selfishly thinking of himself and not being available 24/7 for those who needed his counsel. “But you’re not going to help them,” I told him, “if you’re frazzled and burnt out.” He didn’t accept my counsel. Yet, in reality, those who needed him so badly would be better served in the long run if he took a day off each week.

I don’t believe that we need to rest on one specific day (e.g., Saturday or Sunday). Pastors, for example, are busiest on Sundays, and have a hard time resting on that day. Whatever day you choose, the goal is to truly rest on that day.

Your 24-hour day of rest should not have a lot of rules and regulations (e.g., can’t do this, can’t do that, etc.). You will need to do some work, for example, to survive—like washing the dishes and taking out the trash. But as much as possible try to avoid the regular, job-related work that you do the other six days of the week. On your day off you should cease to do those things that are part of your normal work load. Give yourself a break and do only those things that help you relax and feel refreshed. Seek Jesus, enjoy his presence but also make sure you have fun, spend time with your wife, family, sleep, and just relax.

On my day off, for example, I try to avoid anything and everything that sounds like normal work. I only read books that are non-work related. I don’t check my email on my day off, and as a family we don’t answer the phone. My wife and I have both agreed not to talk about stressful, work-related topics between ourselves on our day off. I want to rest my mind—not engage it with the problems and stresses of the other six days. I do sleep a lot, take walks, spend time with Jesus, and enjoy family, food, and anything that is restful. If you currently take a 24-hour day off, what do you find is the greatest benefit of doing so? If you don’t take a day off, what is the number one obstacle for not taking a 24-hour day off each week?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Descanse

por Joel Comiskey

Eu gosto de fazer as coisas. Essa é a maneira que Deus me fez. No entanto, vários anos atrás, quando eu estava planejando de que forma eu poderia fazer mais, o Senhor me convenceu a parar de "fazer". Deus me lembrou de que ele separou um dia para descansar. Deus fez o corpo humano para funcionar de forma eficaz por apenas seis dias da semana—não sete. Gênesis 2:2-3 declara: “No sétimo dia Deus já havia concluído a obra que realizara, e nesse dia descansou. Abençoou Deus o sétimo dia e o santificou, porque nele descansou de toda a obra que realizara na criação”.

Após esses seis dias, nós ficamos naturalmente sem gás. Se nós formos contra as normas de Deus, vamos acabar pagando um preço caro. Eu não acredito que qualquer um de nós somos tão indispensáveis que podemos negligenciar nossos próprios corpos e almas, não tendo um dia de folga.

Eu conversei com um líder que se recusava a tirar um dia de folga, porque ele insistia que as pessoas que ele estava aconselhando precisavam muito dele. Ele sentia que estaria pecando, negligenciando as pessoas disfuncionais que precisavam dele. Ele não podia imaginar pensar egoisticamente em si mesmo e não estar disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana, para aqueles que precisavam de seu conselho. "Mas você não vai ajudá-los", eu disse a ele, "se você estiver desgastado e esgotado". Ele não aceitou o meu conselho. Contudo, na realidade, aqueles que tanto necessitavam dele seriam melhor servidos a longo prazo se ele tirasse um dia de folga por semana.

Eu não acredito que nós precisamos descansar em um dia específico (por exemplo, sábado ou domingo). Os pastores, por exemplo, ficam mais ocupados aos domingos e têm dificuldade em descansar nesse dia. Seja qual for o dia que você escolher, o objetivo é realmente descansar nesse dia.

Seu dia de 24 horas de descanso não deve ter um monte de regras e regulamentos (por exemplo, não pode fazer isso, não pode fazer aquilo, etc.). Você vai precisar fazer algum trabalho, por exemplo, para sobreviver—como lavar os pratos e tirar o lixo. Todavia, tente evitar o máximo possível o trabalho relacionado com o trabalho regular que você faz nos outros seis dias da semana. No seu dia de folga você deve deixar de fazer aquelas coisas que fazem parte de sua carga de trabalho normal. Dê a si mesmo uma pausa e faça somente aquelas coisas que te ajudam a relaxar e a se sentir revigorado. Busque a Jesus, desfrute de Sua presença, mas também se certifique de que você vai ser divertir, passar tempo com sua esposa, família, dormir e relaxar. 

No meu dia de folga, por exemplo, eu tento evitar tudo e qualquer coisa que soa como o trabalho normal. Eu só leio livros que não sejam relacionados com trabalho. Eu não verifico o meu e-mail no meu dia de folga e como uma família nós não atendemos o telefone. Minha esposa e eu concordamos em não falar entre nós sobre assuntos estressantes e relacionados com o trabalho em nosso dia de folga. Eu quero descansar minha mente, não me envolver com os problemas e as tensões dos outros seis dias. Eu durmo muito, faço caminhadas, passo tempo com Jesus e desfruto da família, comida e tudo o que é repousante. Se você atualmente tira um dia de 24 horas de folga, qual você acha é o maior benefício de fazer isso? Se você não tira um dia de folga, qual é o obstáculo número um para não tirar 24 horas de folga por semana? 

Spanish blog:

Tómate un día

por Joel Comiskey

Me gusta terminar lo que hago. Así me hizo Dios. Sin embargo, algunos años atrás al estar planeando hacer más, el Señor me convenció de detenerme de “hacer.” Dios me recordó que había apartado un día para descansar. Dios hizo el cuerpo humano para que funcione bien durante seis días de la semana, no siete. En Génesis 2:2–3 declara: “Al llegar el séptimo día, Dios descansó porque había terminado la obra que había emprendido. Dios bendijo el séptimo día, y lo santificó, porque en ese día descansó de toda su obra creadora.” (NVI)

Después de seis días naturalmente ya no tenemos energías. Si vamos en contra de las normas de Dios en algún momento pagaremos un precio. No creo que ninguno de nosotros sea tan indispensable que pueda abandonar su cuerpo y alma dejando de tomar un día libre.

Platiqué con un líder que rehusaba tomar un día libre porque insistía que a quienes aconsejaba lo necesitaban demasiado. Sentía que sería pecaminoso abandonar a personas disfuncionales que lo necesitaban. Se consideraba egoísta si no podía estar constantemente disponible para quienes necesitaban de su consejo. “Pero no podrás ayudarles,” le dije, “si te agotas y terminas con tus nervios crispados.” Pero no aceptó mi consejo. Sin embargo, quienes le necesitaban podrían haber sido servidos a la larga si él se hubiera tomado un día a la semana para descansar.

No creo que debamos descansar en un día específico (ej.: sábado, domingo). Los pastores normalmente están muy ocupados los domingos y no pueden encontrar un tiempo de descanso en ese día. Cualquiera que sea el día que escoja debe ser un tiempo de verdadero descanso.

Tu día de descanso no debiera tener reglas y estipulaciones, como “no hacer esto” o “dejar de hacer aquello,” etc. Para sobrevivir necesita hacer algunas cosas, como lavar las vajillas o sacar la basura. Pero evite las tareas regulares relacionadas con el trabajo en cuanto sea posible. Pasa tiempo con Jesús, disfruta su presencia, sino también asegurase de que tiene diversión, pasa tiempo con su esposa, familia, y relajarse.

En su día libre debe cesar de hacer las cosas que son parte de la carga del trabajo regular. Debe darse un recreo y hacer aquellas cosas que le ayuden a relajarse y refrescarse.

Para mi día libre, por ejemplo, trato de evitar todo lo que suene a trabajo normal. Sólo leo libros que no estén relacionados con el trabajo. No reviso mis correos electrónicos y no contestamos al teléfono. Mi esposa y yo acordamos no hablar temas relacionados con el trabajo o que produzcan ansiedad. Deseo descansar mi mente, no atarme a problemas y ansiedades de los otros días de la semana. Duermo más. Doy caminatas, dedico tiempo con el Señor, disfruto de la familia, comida y de todo lo que de reparo. Si ya tiene la costumbre de tomar un día libre, ¿qué beneficios encuentra al hacerlo? Si no está tomando un día libre por semana, ¿cuál es el obstáculo número uno para no hacerlo?

Refreshing Rest

brian

By Brian Kannel, lead pastor at http://www.yorkalliance.org/ and author of Follow Me

What do you do when you’re totally wiped out? I don’t just mean that you’ve had a long day, but more like a long week or series of months. The kind of bone-weary that comes from too much work, too little sleep, too much stress, and too little margin.

The other day I came across John 4, the story of Jesus encountering the Samaritan woman at the well.  If you don’t know the story, it’s well worth taking a few minutes to read–grab your Bible, open a tab for Bible Gateway, or whatever. It’s a chapter that I’ve probably read 100 times. But in my bone-weary, brain-weary state, I noticed something I hadn’t really paid attention to before: When Jesus stopped at the well in Samaria, He was exhausted. (John 4:6) Probably bone-weary and brain-weary. Being able, as God and all, to see the true reality of the world around Him, I would think far more weary than I ever am. How did He respond?

He engaged this desperate woman in conversation. Honestly, the very thing I would avoid like the plague in that state. If I had seen her coming, I’m certain I would have found a reason to slip away to do some window shopping at a nearby stand, or at least would have carefully inspected the dirt on the far side of the well. Literally the last thing I would have done is start a conversation with an emotionally needy lady. Recognizing her neediness and His weariness, there are lots of ways to read their interaction–it could be that in the midst of His weariness, this was a point of temptation for Jesus in some way or another. How does He respond? By pointing to work of God in the world. By explaining the gospel to her in a way that she could understand. By loving her and valuing her in a way that likely no one else in her life ever had before.

By the time the disciples get back, the conversation is wrapping up. They know how exhausted Jesus is, so they offer Him some comfort food. "Hey Jesus—not sure why you’re talking to that woman, but how about some mashed potatoes and gravy? That makes everyone feel better." His response is striking: "I have food you don’t know about." (John 4:32) Through the narration, we’ve been privy to this entire scene, and He hasn’t had any mashed potatoes. What gives? "My nourishment comes from doing the will of God who sent me." (John 4:34)

Could it be that when we’re bone-weary and brain-weary, that numbing our hearts and minds isn’t actually what we need, but rather, we need to activate them? We, too, can have secret food. Stealthy nourishment, unknown to outside observers. Food that can bring us joy, even in the midst of that bone-weary, brain-weary state.

Rest, friend. Rest.

Brian

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Tipo de Descanso que Revigora

Por Brian Kannel, pastor principal em http://www.yorkalliance.org/

O que você faz quando você está totalmente exausto? Eu não quero dizer apenas que você teve um longo dia, mas mais como uma longa semana ou vários meses. O tipo de cansaço nos ossos que vem de muito trabalho, poucas horas de sono, muito estresse e muito pouco descanso.

No outro dia me deparei com João 4, a história de Jesus encontrando a mulher samaritana no poço. Se você não conhece a história, vale a pena tirar alguns minutos para ler – pegue sua Bíblia, faça uma marcação na Bíblia, ou qualquer outra coisa. É um capítulo que li provavelmente umas 100 vezes. Mas no meu cansaço nos ossos, no estado de cansaço no cérebro, eu observei algo que eu realmente não tinha prestado atenção antes: Quando Jesus parou no poço em Samaria, Ele estava exausto (João 4: 6). Provavelmente com cansaço nos ossos e na mente. Uma vez que Ele era capaz, como Deus e tudo mais, de ver a verdadeira realidade do mundo ao redor dEle, eu acho que Ele estava muito mais cansado do que eu já estive. Como Ele reagiu?

Ele envolveu esta mulher desesperada numa conversa. Honestamente, eu evitaria como uma praga justamente isso naquele estado. Se eu a tivesse visto chegando, estou certo de que eu teria encontrado uma razão para escapulir para ficar como que “olhando vitrines” em uma barraca próxima, ou pelo menos teria inspecionado cuidadosamente a poeira do outro lado do poço. Literalmente, a última coisa que eu teria feito é iniciar uma conversa com uma senhora emocionalmente carente. Reconhecendo a carência dela e o cansaço dEle, há muitas maneiras de ler essa interação – pode ser que no meio de Seu cansaço, este foi um ponto de tentação para Jesus, de alguma forma ou de outra. Como é que Ele respondeu? Apontando para o trabalho de Deus no mundo. Explicando o evangelho para ela de uma forma que ela pudesse entender. Amando-a e valorizando-a de uma maneira que provavelmente ninguém mais em sua vida tenha feito antes.

No momento que os discípulos voltam, a conversa está encerrando. Eles sabem como Jesus está exausto, então eles Lhe oferecem alguma comida confortante. “Hey Jesus, não sei por que você está falando com essa mulher, mas que tal um purê de batatas e molho de carne? Isso faz com que todos se sintam melhor”. Sua resposta é surpreendente: “Eu tenho um alimento que vocês não conhecem” (João 4:32). Através da narração, nós estamos a par de toda esta cena, e Ele não tinha nenhum purê de batatas. E aí? “A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e concluir a sua obra.” (João 4:34).

Será que quando estamos cansados nos ossos e na mente, paralisar/entorpecer nossos corações e mentes na verdade não é o que nós precisamos, mas sim, nós precisamos ativá-los? Nós também podemos ter alimento secreto. Uma alimentação secreta, desconhecida para observadores externos. Alimento que pode nos trazer alegria, mesmo em meio a esse estado de cansaço físico e mental.

Descanse, amigo. Descanse.

Brian

Spanish blog:

El tipo de descanso que refresca

Por Brian Kannel, pastor principal en http://www.yorkalliance.org/

¿Qué haces cuando estás totalmente aniquilado? No sólo significa que usted ha tenido un día largo, pero más como una semana o una serie de meses. La clase de huesos cansados ​​que proviene de mucho trabajo, la falta de sueño, demasiado estrés, y muy poco margen.

El otro día me encontré con Juan 4, la historia de Jesús cuando se encontró con la mujer samaritana en el pozo. Si usted no sabe la historia, vale la pena tomarse unos minutos para leer – toma tu Biblia, abre la pestaña. Es un capítulo que probablemente he leído 100 veces. Pero en mi  estado de huesos y cerebro cansados, me di cuenta de algo que realmente no había prestado atención antes: Cuando Jesús se detuvo junto al pozo en Samaria, él estaba agotado. (Juan 4: 6) Es probable con los huesos y cerebro cansado. Siendo capaz, como Dios y todo, de ver la verdadera realidad del mundo alrededor de él, me lo pensaría mucho más cansado de lo que nunca yo he estado. ¿Cómo respondió?

El empezó una conversación con esta mujer desesperada. Honestamente, la misma cosa que me gustaría evitar es la peste en ese estado. Si yo la hubiera visto venir, estoy seguro de que habría encontrado una razón para escapar y hacer algunas compras, o al menos tendría inspeccionado cuidadosamente la suciedad alrededor del pozo. Literalmente, la última cosa que habría hecho es iniciar una conversación con una mujer emocionalmente necesitada. Reconociendo su necesidad y su cansancio, hay muchas maneras de leer su interacción – podría ser que en medio de su cansancio, se trataba de un punto de tentación de Jesús en una forma u otra. ¿Cómo él responde? Al señalar el trabajo de Dios en el mundo. Al explicar el evangelio a ella de una manera que ella pudiera entender. Por amarla y valorarla de una manera que probablemente nadie más en su vida nunca lo había hecho antes.

En el momento en que los discípulos regresaron, la conversación estaba terminando. Ellos saben que tan cansado Jesús esta, por lo que le ofrecen algo de comida y comodidad. "Oye Jesús-no sé por qué estás hablando con esa mujer, pero ¿Quieres puré de papas y salsa? Eso hace que todos se sientan mejor." Su respuesta es sorprendente: "Yo tengo una comida que usted no sabe." (Juan 4:32) A través de la narración, hemos tenido acceso a toda esta escena, y él no ha comido puré de papas. ¿Que da? "Mi alimento viene de hacer la voluntad de Dios que me ha enviado." (Juan 4:34)

Podría ser que cuando estamos con los huesos y el cerebro cansado, ese adormecimiento en  nuestros corazones y mentes en realidad no es lo que necesitamos, sino más bien, tenemos que activarlas. Nosotros también podemos tener comida secreta. Alimento Sigiloso, desconocido para los observadores externos. Alimentos que nos puede traer alegría, incluso en medio del estado de ​​huesos y cerebro cansado.
Descansa, amigo. Descansa.

Brian

The Help of Leaders

angel

by Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Canary Islands, Spain

“And Gideon said unto him, Oh, my lord, if Jehovah is with us, why then is all this befallen us? (Judges 6:13). The Angel of the Lord appears to Gideon and says to him that the Lord is with him. But Gideon replies that if the Lord is with him than why is such devastation taking place from the Midianites? Yet in the beginning of the chapter it says, “And the children of Israel did that which was evil in the sight of Jehovah: and Jehovah delivered them into the hand of Midian seven years.” (Judges 6:1).

Gideon seems to have only heard about the wonders of God’s goodness to the children of Israel but apparently no one had explained to him the judgment God brought on the Israelites because of their sin. The truth is that Israel at the time of Gideon was being judged for their sin. Scripture tells us that God corrects people because of their iniquity (Psalm 39:11). We must remember, however, that God’s punishment is corrective, rather than destructive.

We also must remember that corrective punishment never comes immediately; rather it comes when the person is ready to be corrected. And because the correction doesn’t come immediately, people think that their sin doesn’t have consequences. Most of the corrections come when we are at our best–when we are stronger. It’s during those moments that God corrects us. Yet, often during those moments we don’t remember our sin, and thus, we like Gideon will often say, “If the Lord is with us, why this has happened to us?"

And then the Lord raises up a leader to restore the life of Israel. So it is with our own lives. God uses others to restore us when we’ve fallen. It is an act of pride and arrogance to say that we don’t need anyone but the Lord to pick us up, because the Lord uses others to minister to us and pick us up, just like it’s written in Ecclesiastes 4:9-10 :“Two are better than one, because they have a good reward for their labor. For if they fall, the one will lift up his fellow; but woe to him that is alone when he falls, and does not have someone else to lift him up.”

God will restore you when you have fallen, if you’re willing to cry out to God and repent. But remember the deliverance will often come through others. Are you willing to receive God’s messenger (s) in your life?

Blessings from Above
Ángel Manuel Hernández Gutierrez
www.misionmoderna.com

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Ajuda dos Líderes

por Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Ilhas Canárias, Espanha

“Mas Gideão lhe respondeu: Ai, Senhor meu, se o Senhor é conosco, por que tudo isto nos sobreveio? ” (Juízes 6:13)

O anjo do Senhor aparece a Gideão e lhe diz que o Senhor está com ele. Mas Gideão responde que se o Senhor está com ele, então por que vem tal devastação dos midianitas? No entanto, no início do capítulo está escrito: “Porém os filhos de Israel fizeram o que era mau aos olhos do Senhor; e o Senhor os deu nas mãos dos midianitas por sete anos. ” (Juízes 6:1).

Aparentemente Gideão só tinha ouvido falar das maravilhas da bondade de Deus para os filhos de Israel, mas parece que ninguém havia explicado a ele o julgamento que Deus trouxe sobre os israelitas por causa de seu pecado. A verdade é que Israel no tempo de Gideão estava sendo julgado por seus pecados. A Escritura nos diz que Deus corrige as pessoas por causa da sua iniquidade (Salmos 39:11). Devemos lembrar, no entanto, que a punição de Deus é corretiva em vez de destrutiva.

Também é importante lembrar que a punição corretiva nunca vem imediatamente; ao contrário, ela vem quando a pessoa está pronta para ser corrigida. E porque a correção não vem de imediato, as pessoas pensam que seu pecado não tem consequências. A maioria das correções vêm quando estamos no nosso melhor – quando estamos mais fortes. É durante esses momentos que Deus nos corrige. No entanto, muitas vezes durante esses momentos nós não lembramos do nosso pecado, e assim como Gideão podemos dizer: "Se o Senhor é conosco, por que isso aconteceu para nós? ”.

E então o Senhor levanta um líder para restaurar a vida de Israel. É assim com as nossas próprias vidas. Deus usa outros para nos restaurar quando caímos. É um ato de orgulho e arrogância dizer que nós não precisamos de ninguém além do Senhor para nos levantar, porque o Senhor usa os outros para ministrar a nós e nos pegar, assim como está escrito em Eclesiastes 4: 9-10: "Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante”.

Deus vai restaurar você quando você tiver caído, se você estiver disposto a clamar a Deus e se arrepender. Mas lembre-se que a libertação muitas vezes vem através dos outros. Você está disposto a receber o mensageiro de Deus em sua vida?

Bênçãos do Alto
Ángel Manuel Hernández Gutierrez
www.misionmoderna.com

Spanish blog:

La ayuda a los líderes

“Y Gedeón le respondió: Ah, señor mío, si el Señor está con nosotros, ¿por qué nos ha sobrevenido todo esto? ¿Y dónde están todas sus maravillas, que nuestros padres nos han contado, diciendo: ¿No nos sacó el Señor de Egipto? Y ahora el Señor nos ha desamparado, y nos ha entregado en mano de los madianitas” (Jue 6:13).

El Ángel del Señor, se le aparece a Gedeón y le dice que el Señor está con él. Pero Gedeón le dice que si el Señor está con ellos porque están siendo devastados por los madianitas. Sin embargo en el comienzo del capítulo el texto dice, “los hijos de Israel hicieron lo malo ante los ojos del Señor; y el Señor los entregó en mano de Madián por siete años”. Al parecer a Gedeón le habían contado las maravillas que el Señor había hecho con el pueblo de Israel cuando los sacó de Egipto, pero no le habían contado las cosas malas que había hecho Israel, porque Gedeón no tenía ni idea de porque el Señor estaba permitiendo que fueran devastados por los madianitas. Lo cierto es que estaban siendo devastados por sus pecados. El pecado siempre es castigado, como dice “Salmos 39:11 Con castigos por el pecado corriges al hombre, Y deshaces como polilla lo más estimado de él; Ciertamente vanidad es todo hombre. Selah”. El castigo es correctivo, no viene para destruir sino para corregir, para que el pecador desista de su pecado y no vuelva a cometerlo. El castigo corrector, nunca viene inmediatamente, porque como se trata de corregir, pues viene cuando la persona puede ser corregida. Y como no viene la corrección inmediatamente pues hay quienes piensan que sus pecados no tieneN consecuencias, pobres ilusos. Dios no puede corregir a alguien mientras se encuentra caído. Primero lo tiene que levantar y después corregir. Por ejemplo, si uno de nuestros hijos hace algo en desobediencia que le causa una herida, primero lo llevamos a ser curado y después de ser curado lo corregimos. Dios es igual, primero levanta al caído, lo fortalece y luego corrige su pecado. Por eso, muchas de las correcciones vienen cuando mejor estamos, cuando más fuerte estamos, ahí nos corrige. Pero como ya no nos acordamos del pecado cometido, pues decimos como Gedeón, “si el Señor está con nosotros, ¿por qué nos ha sobrevenido todo esto?”.

Y Dios levanta un líder que restaure la vida de Israel, porque la restauración de nuestras vidas cuando hemos caído, no se puede lograr por uno mismo, necesita de la ministración de los demás. Es un acto de orgullo y arrogancia, decir que no necesito a nadie sino al Señor para levantarme, porque el Señor se vale de otros para levantarnos, como dice “Eclesiastés 4:9 Mejores son dos que uno; porque tienen mejor paga de su trabajo. 10 Porque si cayeren, el uno levantará a su compañero; pero ¡ay del solo! que cuando cayere, no habrá segundo que lo levante”. Hay quienes llevan intentando levantarse solos mucho tiempo y seguirán así, hasta que decidan pedir ayuda para que su compañero le ayude a levantarse.

Bendiciones de lo Alto

Ángel Manuel Hernández Gutierrez
www.misionmoderna.com

Healthy, Not Perfect

steve

by Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

When I was a college student considering becoming a pastor, a young associate pastor of a near-by church took me under his wing. “Stan” spent time with me discussing ministry and theology. He also invited me over for dinner sometimes, which was very welcome since I was usually cooking for myself (or trying to) at that point.

What stuck with me most at those dinners was not the substance of our theological conversations; it was the way Stan interacted with his family. I observed the way he related to his wife and two young sons especially when they were not on the best of moods. It’s one thing to discuss grace; it’s another thing to show it when your young son is irritable in front of company.

Cell ministry is relational or it is nothing. We are share our lives with each other. That includes letting those we disciple see us with our families — as we really are. That is the way God will shape them as spouses, parents and children. We would like to impress everyone with our perfect families, but we all know there is no such thing. And even if ours were perfect, that wouldn’t help anyone because their families are not perfect. What they need is to know how to live with and lead an imperfect family.

As leaders, our families are our first ministry. We are to love and disciple our families, and then love and disciple others. Our families need not be perfect in order to be in ministry, but they do need to be healthy.It doesn’t make sense for us to teach others how to live in a Christ-honoring, relational way, while not doing that ourselves at home. It’s not just hypocritical, it doesn’t work. We replicate who we are, not what we teach.

So, invest in your family. Don’t expect your family to wait until the next busy season is over for your attention. Enjoy each other.Let your people see you – imperfections and all. Don’t press your family to pretend to be what they are not. As people see you leading through the imperfections (yours and your family’s) they will be encouraged to do likewise.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Saudável, Não Perfeito

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Quando eu era um estudante universitário pensando em me tornar um pastor, um jovem pastor associado de uma igreja próxima me colocou sob sua asa. “Stan” passou um tempo comigo discutindo ministério e teologia. Ele também me convidou para jantar algumas vezes, o que foi muito bem-vindo uma vez que eu geralmente cozinhava para mim (ou tentava) naquela época.

O que mais me marcou nesses jantares não foi a substância de nossas conversas teológicas; era a maneira como Stan interagia com sua família. Eu observei a maneira como ele se relacionava com sua esposa e seus dois filhos jovens, especialmente quando eles não estavam no melhor dos humores. Uma coisa é discutir sobre graça; outra coisa é mostrá-la quando seu filho pequeno está irritado na frente da visita.

O ministério celular é relacional, ou não é nada. Nós devemos compartilhar nossas vidas uns com os outros. Isso inclui deixar aqueles que discipulamos nos verem com as nossas famílias – como realmente somos. Essa é a maneira pela qual Deus vai lhes formar como cônjuges, pais e filhos. Gostaríamos de impressionar a todos com nossas famílias perfeitas, mas todos nós sabemos que não existe tal coisa. E mesmo que a nossa fosse perfeita, isso não ajudaria ninguém porque suas famílias não são perfeitas. O que eles precisam é saber como viver e liderar uma família imperfeita.

Como líderes, nossas famílias são nosso primeiro ministério. Devemos amar e discipular as nossas famílias, e depois amar e discipular outros. Nossas famílias não precisam ser perfeitas para estarmos no ministério, mas elas precisam ser saudáveis. Não faz sentido nós ensinarmos aos outros como viver de uma forma que honra a Cristo e que é relacional, enquanto não fazemos isso em casa. Isso não é só hipócrita, como não funciona. Nós replicamos o que nós somos, não o que nós ensinamos.

Portanto, invista em sua família. Não espere que sua família espere até a próxima temporada ocupada terminar para ter sua atenção. Desfrutem uns dos outros. Deixe o seu povo te ver – imperfeições e tudo. Não pressione sua família para fingir ser o que não é. Conforme as pessoas veem você liderando através das imperfeições (suas e da sua família) elas serão incentivadas a fazer o mesmo.

Spanish blog:

Saludable, no perfecto

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Cuando era un estudiante universitario considerando convertirme en pastor, un joven pastor asociado de una iglesia cercana me tomó bajo su ala. “Stan” pasó tiempo conmigo discutiendo ministerio y teología. También me invitó a cenar en algunas ocasiones, lo que fue muy bienvenido ya que estaba normalmente cocinando para mí (o intentando) en ese punto.

Lo que se me quedó más en esas cenas no era la sustancia de nuestras conversaciones teológicas; era la manera en que Stan interactuaba con su familia. Observé la forma en que él se relacionaba con su esposa y dos hijos pequeños, especialmente cuando no estaban en el mejor de los humores. Es una cosa para hablar de la gracia; otra cosa es mostrarlo cuando su hijo está irritable en frente de la visita.

El ministerio celular es relacional o no es nada. Estamos compartiendo nuestra vida con los demás. Eso incluye permitir a los que discipulamos vernos con nuestras familias – de la manera que realmente somos. Esa es la manera en que Dios dará forma como cónyuges, padres e hijos. Nos gustaría impresionar a todos con nuestras familias perfectas, pero todos sabemos que no hay tal cosa. Y aunque la nuestra sea perfecta, esto no ayudaría a nadie porque sus familias no son perfectas. Lo que necesitan es saber cómo vivir y dirigir una familia imperfecta.

Como líderes, nuestras familias son nuestro primer ministerio. Debemos amar y discipular a nuestras familias y, después amar y discipular a otros. Nuestras familias no tienen que ser perfectas para estar en el ministerio, pero ellos necesitan para estar saludables. No tiene sentido para nosotros enseñar a los demás a cómo vivir en un Cristo honrando en forma relacional, mientras que no lo hacemos nosotros mismos en casa. No es sólo hipócrita, no funciona. Nosotros replicamos lo que somos, no lo que enseñamos.

Por lo tanto, invierte en tu familia. No esperes que tu familia espere hasta que la próxima temporada termine para tu poder dar tu atención. Disfrute los unos a otros. Deja que tu gente te vea – imperfecciones y todo. No presione a tu familia a pretender ser lo que no son. Mientras la gente te ve dirigiendo a través de las imperfecciones (las tuyas y las de tu familia) ellos se animarán a hacer lo mismo.

How Do You Do It?

bill

By Bill Mellinger, Crestline First Baptist

I have the privilege and sometimes-unnerving responsibility of serving as a volunteer chaplain with our fire department. This means that I may get called in the middle of the night for a cardiac arrest. I may have to respond to a death by suicide or even a death in a structure fire. When I receive a call, I often know little more than the address and that there has been a death. Sometimes I know that it is a teenager who has committed suicide or that it is a death by gunshot or drugs. What I know is that I will be entering a traumatic scene where first responders and family are in a severe situation. I also know that the drive to the scene will be important for me to seek God’s presence, power and wisdom to be available to whoever needs personal support.

People often ask me how I handle such difficult situations. My sincere answer is that the Lord helps me. I have to take the time to talk to the Lord as I am driving to the scene and I constantly seek His guidance as I meet and minister to the people in crisis.

Where do you get the strength to meet the demanding needs of ministry? I am reminded of the words of Isaiah 40:31 “but those who hope in the LORD will renew their strength. They will soar on wings like eagles; they will run and not grow weary, they will walk and not be faint.” We cannot do the work of the Lord without calling on the power of the Lord.

Jesus knew this fact was so important that He told the disciples to wait for the power of the Holy Spirit as he ascended to Heaven. Acts 1:8 says, “But you will receive power when the Holy Spirit comes on you; and you will be my witnesses in Jerusalem, and in all Judea and Samaria, and to the ends of the earth."

This week, we are leading a ministry with children each night. I am surprised at the number of workers that come after our group prayer time. What is it that makes us so busy that we have to get ready instead of taking time to pray? Are we so busy or so disorganized that we must work right up until the last minute of our meetings without stopping to pray and to receive the blessing of the Father?

Leaders are gifted people. By nature, we can do much in our own strength. This is a blessing and a problem. Don’t forget to seek the Lord if you are going to do the work of the Lord.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Como Você Faz Isso?

Por Bill Mellinger, Primeira Igreja Batista de Crestline

Eu tenho o privilégio e às vezes a responsabilidade enervante de servir como capelão voluntário no nosso corpo de bombeiros. Isso significa que eu posso ser chamado no meio da noite para uma parada cardíaca. Eu posso ter que responder a uma morte por suicídio ou até mesmo a uma morte em uma estrutura de fogo. Quando recebo uma ligação, frequentemente eu sei pouco mais do que o endereço e que houve uma morte. Às vezes eu sei que é um adolescente que cometeu suicídio ou que é uma morte por arma de fogo ou drogas. O que eu sei é que vou entrar em uma cena traumática onde os socorristas e a família estão em uma situação grave. Eu também sei que o caminho até a cena vai ser importante para eu buscar a presença, o poder e a sabedoria de Deus para estar disponível para quem precisar de apoio pessoal.

Muitas vezes as pessoas me perguntam como eu lido com situações tão difíceis. A minha resposta sincera é que o Senhor me ajuda. Eu tenho que usar o tempo para falar com o Senhor enquanto eu dirijo para o local e eu busco constantemente a Sua orientação conforme eu conheço e ministro às pessoas em crise. 

De onde você tira a força para responder às exigentes necessidades do ministério? Lembro-me das palavras de Isaías 40:31: “Mas os que esperam no Senhor renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão”. Nós não podemos fazer a obra do Senhor sem invocar o poder do Senhor.

Jesus sabia que esse fato era tão importante que Ele disse aos discípulos para esperarem pelo poder do Espírito Santo conforme ele subia para o céu. Atos 1:8 diz: Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra".

Essa semana nós estamos liderando uma ministração com as crianças todas as noites. Eu estou surpreso com o número de trabalhadores que vêm depois do nosso tempo de oração em grupo. O que é que nos deixa tão ocupados que nós temos que ficar prontos em vez de tirar um tempo para orar? Nós estamos tão ocupados ou tão desorganizados que temos de trabalhar até o último minuto de nossas reuniões sem parar para orar e para receber a bênção do Pai?

Líderes são pessoas com dons. Por natureza, nós podemos fazer muito em nossa própria força. Isso é uma benção e um problema. Não se esqueça de buscar o Senhor se você vai fazer a obra do Senhor.

Spanish blog:

¿Cómo lo haces?
Por Bill Mellinger, Primera Iglesia Crestline

Tengo el privilegio y, a veces, inquietante responsabilidad de servir como capellán voluntario con nuestro departamento de bomberos. Esto significa que puedo ser llamado en el medio de la noche por un paro cardíaco. Tal vez tenga que responder a una muerte por suicidio o incluso una muerte en un incendio. Cuando recibo una llamada, a menudo sé un poco más que la dirección y si se ha producido una muerte. A veces, sé que es un adolescente que se ha suicidado o que es una muerte por arma de fuego o drogas. Lo que sé es que voy a estar entrando en una escena traumática, donde los socorristas y la familia están en una situación grave. También sé que el manejo a la escena será importante para mí para buscar la presencia, poder y sabiduría de Dios para estar a disposición de quien lo necesite apoyo personal.

La gente a menudo me pregunta cómo manejo este tipo de situaciones difíciles. Mi respuesta sincera es que el Señor me ayuda. Tengo que tomar tiempo para hablar con Dios mientras estoy conduciendo a la escena y busco constantemente su dirección para ministrar a las personas en crisis.

¿De dónde sacas la fuerza para satisfacer las exigentes necesidades del ministerio? Me acuerdo de las palabras de Isaías 40:31 "pero los que esperan a Jehová tendrán nuevas fuerzas; levantarán alas como las águilas; correrán, y no se cansarán; caminarán, y no se fatigarán" No podemos hacer la obra del Señor sin invocar el poder del Señor.

Jesús sabía que este hecho era tan importante y les dijo a los discípulos que esperarán por el poder del Espíritu Santo cuando  él ascendió al cielo. Hechos 1: 8 dice: "pero recibiréis poder, cuando haya venido sobre vosotros el Espíritu Santo, y me seréis testigos en Jerusalén, en toda Judea, en Samaria, y hasta lo último de la tierra".

Esta semana, estamos dirigiendo un ministerio con los niños en la noche. Estoy sorprendido por el número de trabajadores que vienen después de nuestro tiempo de oración en grupo. ¿Qué es lo que nos hace tan ocupados que tenemos que estar listos en lugar de tomar tiempo para orar? ¿Estamos tan ocupados o tan desorganizado que debemos trabajar justo hasta el último minuto de nuestras reuniones sin dejar de orar y recibir la bendición del Padre?

Los líderes son personas con dones. Por naturaleza, podemos hacer mucho en nuestras propias fuerzas. Esto es una bendición y un problema. No te olvides de buscar al Señor, si usted va a hacer el trabajo del Señor.