Developing Teams in Cell Leadership

robert

by Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil

I have been a pastor for fifteen years prior to becoming a cell church pastor. In our traditional seminary training we did not receive any training about shared leadership or team leadership for pastoral care. We were trained to be good leaders in the lone ranger mode. The main concept was to become a good pastor, good counselor and a good preacher. The main purpose of training was to develop great leaders, with as much theological knowledge as possible. A sound theology would prevent the institutional church to fall into heresy. But ironically, the greatest heresies were produced by scholars, academics and theologians!

On the other hand, if we are willing to unlearn and relearn with Jesus, we will see the opposite. He gave little formal theological training to his prototype leadership cell. His main concern was to, in practical ways, teach his disciples the new Kingdom values. He brought these truths from His Father and then lived them out in every day training, as he as in contact with people. His goal was to teach them to serve, and have them understand they needed each other. They would form bodies of Christ after He would be gone. They would have to care for each other, living in small groups in basic Christian communities called Ekklesia

In the New Testament the Ekklesia church, was a one another, giving and taking movement, not a monument, watched and cared for by one solitary guard, the pastor.
In  1 John 2:12-14 we see how fathers take care of young man, and young man take care of children. In a good cell that is the case. No leader leads alone. He has a core of “fathers” that help him. Mature, or on the way of maturity, cell members that take up shared responsibilities with the leader.

Let us relearn with Jesus. Help us God!

Robert

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Desenvolvendo Equipes na Liderança Celular

por Robert Lay, Ministério da Igreja em Células Brasil, www.celulas.com.br

Eu fui pastor por quinze anos antes de me tornar um pastor de igreja em células. Em nossa formação no seminário tradicional, não recebemos qualquer treinamento sobre liderança compartilhada ou liderança em equipe para o cuidado pastoral. Fomos treinados para sermos bons líderes no modo de cavaleiro solitário. O conceito principal era se tornar um bom pastor, um bom conselheiro e um bom pregador. O principal objetivo do treinamento era desenvolver grandes líderes, com o máximo de conhecimento teológico possível. Uma teologia gritante impediria a igreja institucional de cair em heresia. Mas, ironicamente, as maiores heresias foram produzidas por estudiosos, acadêmicos e teólogos!

Por outro lado, se estamos dispostos a desaprender e reaprender com Jesus, veremos o oposto. Ele deu pouca formação teológica formal para seu protótipo de liderança celular. Sua principal preocupação era, de maneira prática, ensinar a seus discípulos os novos valores do Reino. Ele trouxe essas verdades de Seu Pai e, em seguida, viveu essas verdades em todos os dias de treinamento, conforme ele tinha contato com as pessoas. Seu objetivo era ensinar-lhes a servir e fazê-los entender que eles precisavam uns dos outros. Eles formariam corpos de Cristo depois que Ele fosse embora. Eles teriam que cuidar uns dos outros, vivendo em pequenos grupos nas comunidades cristãs básicas chamadas Ekklesia.

No Novo Testamento, a igreja Ekklesia era um movimento de “uns aos outros”, doando e recebendo, e não um monumento assistido e cuidado por um guarda solitário, o pastor. Em 1 João 2:12-14, vemos como os pais cuidam dos jovens e os jovens cuidam de crianças. Esse é o caso em uma boa célula. Nenhum líder lidera sozinho. Ele tem um núcleo de “pais” que o ajudam. Maduros ou no caminho da maturidade, os membros da célula ocupam responsabilidades compartilhadas com o líder.

Vamos reaprender com Jesus. Ajude-nos Deus!

Robert

Spanish blog:

Desarrollando equipos en el liderazgo celular
Por Roberto Lay, Iglesia Celular Ministerio Brasil, www.celulas.com.br

He sido pastor durante quince años antes de convertirme en un pastor de la iglesia celular. En nuestra formación en el seminario tradicional no recibimos ningún tipo de formación sobre el liderazgo compartido o liderazgo de equipos para el cuidado pastoral. Fuimos entrenados para ser buenos líderes en el modo de llanero solitario. El concepto principal era llegar a ser un buen pastor, buen consejero y un buen predicador. El principal objetivo del entrenamiento fue el desarrollar grandes líderes, con la mayor cantidad de conocimiento teológico como sea posible. El sonido de la teología impediría la iglesia institucional a caer en la herejía. Pero, irónicamente, las más grandes herejías fueron producidas por los estudiosos, académicos y teólogos.

Por otro lado, si estamos dispuestos a desaprender y volver a aprender con Jesús, vamos a ver lo contrario. Él dio poca formación teológica al prototipo que fue su equipo celular de liderazgo. Su principal preocupación fue, de manera práctica, enseñar a sus discípulos los nuevos valores del Reino. Él trajo estas verdades de Su Padre y luego vivió en cada día del entrenamiento, mientras que en él estaba en contacto con la gente. Su objetivo era enseñarles a servir, y hacerles entender que se necesitaban mutuamente. Ellos formarían los cuerpos de Cristo después de que Él se haya ido. Ellos tendrían que cuidarse el uno al otro, viviendo en pequeños grupos en las comunidades cristianas llamados Ekklesia

En el Nuevo Testamento la iglesia Ekklesia, era una entre sí, dando y tomando el movimiento, no un monumento, vigilada y cuidada por un guardia solitario, el pastor. En 1 Juan 2: 12-14 vemos cómo los padres se ocupan de los jóvenes y los jóvenes se ocupan de los niños. En una buena célula este es el caso. Ningún líder dirige solo. Él tiene un núcleo de “padres” que le ayudan. Maduro, o en el camino a la madurez, los miembros de la célula ocupan las responsabilidades compartidas con el líder.

Vamos a reaprender con Jesús. Ayúdanos Dios!

Robert

Relationship and Task

jeff

by Jeff Tunnell

Team ministry is strong ministry.  The strength of a cell is that each person contributes his or her ability, creating a team where if one person is removed, the cell continues to function.

Leadership pride is a prescription for failure.  If there is only one leader of a cell and they hold the position with an attitude of singular ability, then be sure that ‘Pride goes before destruction, and haughtiness before a fall.” (Proverbs 16:18 NLT)  The highly unfortunate result of pride is the very negative effects upon innocent followers.  Shared leadership is best.

In a presentation with Master Leaders, Jon Gordon, author of the Energy Bus, spoke about how leadership is not about what you do as the leader, but about what you can inspire, encourage, and empower others to accomplish. He mentioned the fact that leaders bring out the best in other people by sharing the best from within themselves. In other words, great leaders develop a team. They empower others. In the same Master Leader’s presentation, author and clinical psychologist Henry Cloud pinpointed two key traits about leadership. He mentioned that great leaders know how to balance relationship and task. Effective leaders not only develop people, but they also accomplish a mission. They balance relationship and task.

And how can we best do this? By developing a team. Don’t do it yourself. Keep it simple, share leadership, and involve the body for maximum benefits.

Jeff

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Relacionamento e Tarefa

por Jeff Tunnell

O ministério em equipe é um ministério forte. A força de uma célula é que cada um contribua com a sua capacidade, criando uma equipe de forma que se uma pessoa é removida, a célula continua a funcionar.

O orgulho da liderança é uma receita para o fracasso. Se houver apenas um líder de uma célula e ele mantém a posição com uma atitude de ter uma habilidade singular, tenha certeza de que “O orgulho vem antes da destruição; o espírito altivo, antes da queda” (Provérbios 16:18 NVI). O resultado altamente infeliz do orgulho são os efeitos muito negativos sobre os seguidores inocentes. A liderança compartilhada é melhor.

Em uma apresentação com Master Leaders, Jon Gordon falou sobre como a liderança não é sobre o que você faz como o líder, mas sobre o que você pode inspirar, incentivar e capacitar outras pessoas para que elas realizem. Ele mencionou o fato de que os líderes trazem para fora o melhor nas outras pessoas ao compartilhar o melhor de dentro de si. Em outras palavras, os grandes líderes desenvolvem uma equipe. Eles empoderam outras pessoas. Na mesma apresentação dos Master Leaders, o autor e psicólogo clínico Henry Cloud identificou dois traços fundamentais sobre a liderança. Ele mencionou que os grandes líderes sabem como equilibrar relacionamento e tarefa. Os líderes eficazes não só desenvolvem pessoas, mas também cumprem uma missão. Eles equilibram o relacionamento e a tarefa.

E como podemos fazer isso melhor? Através do desenvolvimento de uma equipe. Não faça tudo sozinho. Mantenha as coisas simples, compartilhe a liderança e envolva o corpo para o máximo de benefícios. 

Jeff

Spanish blog:

Relaciones y Tareas
Por Jeff Tunnell

El ministerio en equipo es un fuerte ministerio. La fuerza de una célula es que cada persona aporta su capacidad, creando un equipo en el que si una persona se retira, la célula continúa funcionando.

El orgullo del liderazgo es una receta para el fracaso. Si sólo hay un líder en la célula y él o ella mantiene la posición con una actitud de habilidad singular, a continuación, asegúrese de que ‘El orgullo va antes de la destrucción, y la soberbia precede a la caída". (Proverbios 16:18 NVI) El desafortunado resultado del orgullo son los efectos negativos sobre los seguidores inocentes. El liderazgo en equipo es el mejor.

En una presentación con líderes Maestro, Jon Gordan habló sobre cómo el liderazgo no se trata de lo que haces como líder, pero en lo que puedes inspirar, animar y empoderar a otros a lograr. Él mencionó el hecho de que los líderes sacan lo mejor en otras personas al compartir lo mejor desde el interior de sí mismos. En otras palabras, los grandes líderes se desarrollan en equipo. Empoderan a otros. En la presentación del mismo líder principal, escritor y psicólogo clínico Henry Cloud identifico dos rasgos clave sobre liderazgo. Mencionó que los grandes líderes saben cómo equilibrar las relaciones y tareas. Los líderes eficaces no sólo desarrollan las personas, sino que también tienen una misión. Se equilibran en relaciones y tareas.

¿Y cómo es la mejor manera de hacer esto? Desarrollando un equipo. No lo haga usted mismo. Debe ser sencillo, compartir el liderazgo y envolver el cuerpo para máximos beneficios.

Jeff

Developing New Leaders

mario

by Mario Vega, www.elim.org.sv

Multiplication is critical in cell ministry.  As cells multiply, more room for Christians to exercise their ministry is available and more people are reached for the gospel. The influence of the church all over the city expands and above all, more disciples are made for Jesus Christ in a New Testament house to house church model.

But multiplication cannot take place unless there is a multiplication of leadership. The development of new leaders primarily rests upon current leadership. Like in many areas of life, a person only learns how to be a leader through practice. It is necessary for leaders to open up room for participation in order to delegate apprentices with meaningful functions within the cell. Although the leader guides the cell, his leadership should be focused on the development of new leaders. His task is to open a space of participation for core members. Thus, the best cell groups develop teams of ministers. The host, the leader assistant, and a secretary in charge of filling out the cell report forms part of that team. The idea is to provide the widest possible participation of those in the cell, with the goal of developing new leaders.

The leader’s role is not to monopolize all functions within the cell; on the contrary, it is about delegating as much as possible so that others can participate in the work of the ministry.

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Desenvolvendo Novos Líderes por Mario Vega, www.elim.org.sv

A multiplicação é crucial no ministério celular. Conforme as células multiplicam, fica disponível mais espaço para os cristãos exercerem seu ministério e mais pessoas são alcançadas para o Evangelho. A influência da igreja por toda a cidade se expande e, acima de tudo, mais discípulos são feitos para Jesus Cristo em uma igreja no modelo do Novo Testamento de casa em casa.

Mas a multiplicação não pode ocorrer a menos que haja uma multiplicação da liderança. O desenvolvimento de novos líderes cabe principalmente à liderança atual. Como em muitas áreas da vida, uma pessoa só aprende a ser um líder através da prática. É necessário que os líderes abram espaço para a participação, a fim de delegar aprendizes com funções significativas dentro da célula. Embora o líder guie a célula, a sua liderança deve ser focada no desenvolvimento de novos líderes. Sua tarefa é abrir um espaço de participação para os membros do núcleo. Assim, as melhores células desenvolvem equipes de ministros. O anfitrião, o líder assistente e um secretário encarregado de preencher o relatório celular fazem parte dessa equipe. A ideia é proporcionar a mais ampla participação possível das pessoas da célula, com o objetivo de desenvolver novos líderes.

O papel do líder não é monopolizar todas as funções dentro da célula; pelo contrário, é delegar o máximo possível para que outros possam participar da obra do ministério.

Mario

Spanish blog:

El propósito del trabajo celular es la multiplicación. En la medida que las células se multiplican se abren espacios para que los cristianos puedan ejercer la obra del ministerio, se alcanzan a más personas con el evangelio, se expande la influencia de la iglesia en la ciudad y más creyentes vuelven al modelo de la iglesia del Nuevo Testamento.

Pero, la multiplicación no se puede producir si antes no se ha producido la multiplicación de líderes. La generación de nuevos líderes es una responsabilidad de los líderes ya en funciones. Al igual que muchas cosas en la vida, se aprende a ser líder solamente por la práctica. Es necesario que los líderes puedan abrir esos espacios de participación para los aprendices delegándoles funciones significativas dentro de la célula. Aunque el líder es quien conduce la célula, su liderazgo debe estar en función del desarrollo de nuevos líderes. Su tarea es la de abrir la participación de los miembros del núcleo de la célula. Con ese fin, la célula debe estructurar su equipo interno de trabajo. Ese equipo esta formado por el anfitrión, el asistente del líder y un secretario encargado de llenar los formularios de reporte de la célula. La idea es la de otorgar la mayor participación posible para la formación, en la práctica, de nuevos líderes.

La función del líder no es la de acaparar todas las funciones dentro de la célula, por el contrario, es la de delegar al máximo posible a fin que otras personas participen de la obra del ministerio.

Four Faults to Observe and Correct in Leaders

angel

by Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Canary Islands, Spain

In 1 Samuel 15, we read about the life of Saul, the king of Israel. We can learn key defects in the life of Saul. These same problems are common in leadership today.

The first of these defects is personal gain. Like many leaders, Saul was seeking fame and honor. In contrast, great leadership must always prioritize the work of God, as John the Baptist said, in John 3:30, "He must increase, but I must decrease." Great leaders desire that Christ’s body grows and not their own fame and glory (2 Cor 12:15).

The second defect is letting people do what they want. In 1 Samuel 15:15, Saul said "Because the people spared the best of the sheep and cows" This attitude of Saul is the attitude of many leaders who try to avoid trouble by allowing people to do whatever they want to do. This attitude is sin, because the one who leads will also have to answer before God for his or her leadership.

The third defect is to be influenced by the people. Saul said in 1 Samuel 15:24, " I feared the people and obeyed their voice." Great leaders first and foremost hear God’s voice and walk in God’s will.

The fourth and last of the defects is to "be strong with the weak and weak with the strong." Saul said in 1 Samuel 15:20, "I have brought Agag the king of Amalek, and have utterly destroyed the Amalekites." Saul was weak with the king of Amalek, but overly controlling with the weak people. This is a form of corruption and an unfair treatment of people.

May God help us to overcome these defects of leadership,

Ángel Manuel Hernández Gutierrez

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Quatro Falhas para Observar e Corrigir nos Líderes

por Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Ilhas Canárias, Espanha

Em 1 Samuel 15, lemos sobre a vida de Saul, o rei de Israel. Podemos aprender defeitos fundamentais na vida de Saul. Estes mesmos problemas são comuns na liderança atualmente.

O primeiro desses defeitos é o ganho pessoal. Como muitos líderes, Saul estava buscando fama e honra. Em contraste, uma boa liderança deve sempre priorizar a obra de Deus, como João Batista disse em João 3:30: “É necessário que ele cresça e que eu diminua”. Grandes líderes desejam que o corpo de Cristo cresça e não a sua própria fama e glória (2 Coríntios 12:15).

O segundo defeito é deixar que as pessoas façam o que querem. Em 1 Samuel 15:15, Saul disse: “porque o povo poupou ao melhor das ovelhas, e das vacas”. Essa atitude de Saul é a atitude de muitos líderes que tentam evitar problemas ao permitir que as pessoas façam o que querem fazer. Essa atitude é um pecado, porque aquele que lidera também terá de responder diante de Deus por sua liderança.

O terceiro defeito é ser influenciado pelas pessoas. Saul disse em 1 Samuel 15:24: “Porque temi ao povo, e dei ouvidos à sua voz”. Os grandes líderes, em primeiro lugar, ouvem a voz de Deus e caminham na vontade de Deus.

O quarto e último dos defeitos é "ser forte com os fracos e fraco com os fortes". Saul disse em 1 Samuel 15:20: “E trouxe a Agague, rei de Amaleque, e os amalequitas destruí totalmente”. Saul foi fraco com o rei dos amalequitas, mas excessivamente controlador com o povo fraco. Essa é uma forma de corrupção e um tratamento injusto com as pessoas.

Que Deus nos ajude a superar esses defeitos de liderança,

Ángel Manuel Hernández Gutierrez

Spanish blog:

Cuatro defectos a observar y corregir en los líderes.

por Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Canary Islands, Spain

En el capítulo 15 de 1 Samuel, podemos encontrar cuatro defectos de Saúl, que son defectos muy frecuentes en aquellos que lideran.

El primero de esos defectos es el de buscar el beneficio personal. En el caso de Saul fue la búsqueda de la fama o la honra, pero podía haber sido como en otros líderes, la busqueda de beneficios materiales, privilegios, poder, posición de autoridad, etc. El líder debe buscar siempre el beneficio del crecimiento de la obra de Dios sacrificándose a si mismo si es necesario, como dijo Juan el Bautista en Juan 3:30 Es necesario que él crezca, pero que yo mengüe”. El crecimiento de Cristo es el crecimiento de su cuerpo, de su iglesia. Menguar es perder importancia, tamaño, poder, etc. Y si para que crezca el cuerpo de Cristo es necesario menguar, esa debe ser nuestra elección por el Señor, menguar (2Cor 12:15).

El segundo de los defectos es el de “dejar de hacer, dejar pasar”. Saul dijo en 1Samuel 15:15 …porque el pueblo perdonó lo mejor de las ovejas y de las vacas…”. Esta actitud de Saúl es la de algunos líderes: .- Yo no me voy a meter en problemas cada uno haga lo que quiera. Cada uno sabrá cada uno tendrá que responder ante Dios”. Esta actitud es pecado, porque el que lidera también tiene que responder ante Dios de su liderazgo. Esta actitud es la que había en los tiempos de los jueces, los líderes no querían meterse en problemas, así que cada uno hacía lo que bien le parecía (Jue 17:6 y 21:25). El teólogo Ingles William Graham Scroggie (1877-1958), dicen que la palabra clave del libro de los jueces es “decadencia”, es decir, la pérdida poco a poco de la fuerza, la integridad, y la supremacía de Israel. La actitud de dejar hacer, dejar pasar, lleva a la decadencia.

El tercero de los defectos es el de dejarse influenciar por el pueblo. Saul dijo en “1Samuel 15:24 …temí al pueblo y consentí a la voz de ellos…”. Dios no tolera a los líderes influenciables, de hecho se burla de ellos, como vemos en el Ejemplo de Jeremías 38, donde el Rey Sedequías, manda echar en la cisterna al profeta, y luego al rato, manda sacarlo, se dejaba influenciar, por eso hacia cosas contradictorias.

El cuarto y último de los defectos es el de “ser fuerte con los débiles y débil con los fuertes”. Saúl dijo en “1Samuel 15:20 …he traído a Agag rey de Amalec, y he destruido a los amalecitas”. Fue débil con el rey de Amalec, pero fuerte con su débil pueblo. Esta es una forma de prevaricación, trato injusto de la gente, tratar a los débiles fuertemente y a los que muestran cierta confrontación débilmente.

Bendiciones de lo Alto
Ángel Manuel Hernández Gutierrez
www.misionmoderna.com

Leaders Must Speak the Truth in Love

angel

by Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Canary Islands, Spain

Leaders need to lead, even if it means telling the truth and even offending some followers. A leader must not take the easy road or lead out of convenience. In the book of Judges, there is a notable phrase that says, ““In those days there was no king in Israel: every man did that which was right in his own eyes” (Judges 17:6 and 21:25). During the time of the judges, people preferred to do their own thing (Judges 2: 16-17). And the consequences were disastrous. In fact, commentators like William Graham Scroggie (1877-1958) say the theme of the book of Judges is “decadence.” At the time of the Judges, Israel ceased to be a leader of the nations. Why? Because Israel wanted to live without a leader, fulfilling their own happiness. And this same lack of leadership led Israel to fall into the idolatry of the Canaanites.

Micah is the most notable example of this attitude. Micah, a priest, believed that material prosperity was his main priority, rather than obedience to God and his law (1 Sam. 15:22). Micah’s thinking was totally contrary to Scripture, since a true leader must be willing to exhort and rebuke people for their own good. The role of a leader, therefore, is to care for the followers as if they were his own children, as shown in Galatians 4:19, where Paul says, “My little children, of whom I travail in birth again until Christ be formed in you. ” But Micah led the people out of convenience rather than truth.

Great leaders speak the truth, even if it means that some will turn away. Remember in the book of John that many followed Christ when they saw him perform miracles. Yet, when Jesus began to speak hard truths to them, most of them abandoned him. Jesus turned to his twelve and said, “Will ye also go away?”(John 6: 67).

The best thing that can happen in life is to have a real leader or shepherd who tell us the truth. Do you have a leader like that?

Ángel Manuel Hernández Gutiérrez
www.misionmoderna.com

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Líderes Devem Dizer a Verdade em Amor

por Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Ilhas Canárias, Espanha

Os líderes precisam liderar, mesmo que isso signifique dizer a verdade e até mesmo ofender alguns seguidores. Um líder não deve pegar o caminho fácil ou conduzir por conveniência. No livro de Juízes, há uma frase notável que diz: “Naqueles dias não havia rei em Israel; cada um fazia o que parecia bem aos seus olhos” (Juízes 17:6 e 21:25). Durante o tempo dos Juízes, as pessoas preferiam fazer as coisas do seu jeito (Juízes 2:16-17). E as consequências foram desastrosas. Na verdade, comentaristas como William Graham Scroggie (1877-1958) dizem que o tema do livro de Juízes é a “decadência”. No tempo dos Juízes, Israel deixou de ser um líder das nações. Por quê? Porque Israel queria viver sem um líder, satisfazendo sua própria felicidade. E essa mesma falta de liderança levou Israel a cair na idolatria dos cananeus.

Miquéias é o exemplo mais notável desta atitude. Miquéias, um sacerdote, acreditava que a prosperidade material era sua principal prioridade, ao invés da obediência à Deus e à sua lei (1 Samuel 15:22). O pensamento de Miquéias era totalmente contrário às Escrituras, já que um verdadeiro líder deve estar disposto a exortar e a repreender as pessoas para seu próprio bem. O papel de um líder, portanto, é cuidar dos seguidores como se fossem seus próprios filhos, como mostrado em Gálatas 4:19, onde Paulo diz: “Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós”. Mas Miquéias liderou o povo por conveniência em vez de pela verdade.

Grandes líderes falam a verdade, mesmo que isso signifique que alguns vão se virar. Lembre-se no livro de João que muitos seguiam a Cristo quando o viam fazer milagres. No entanto, quando Jesus começou a falar verdades duras para eles, a maioria deles o abandonou. Jesus voltou-se para seus doze discípulos e disse: “Quereis vós também retirar-vos?” (João 6: 67).

A melhor coisa que pode acontecer na vida é ter um líder ou pastor verdadeiros que nos dizem a verdade. Você tem um líder assim?

Ángel Manuel Hernández Gutiérrez
www.misionmoderna.com

Spanish blog:

Los líderes no pueden hacer lo que bien les parece

by Angel Manuel Hernandez, www.misionmoderna.com, Canary Islands, Spain

Los líderes deben ser liderados, no podemos dejarles hacer lo que bien les parece hacer a ellos. Dos veces se repite en Jueces el texto de “En aquellos días no había rey en Israel; cada uno hacía lo que bien le parecía” (Jueces 17:6; 21:25). La época de los jueces, fue una época que aunque se levantaron diverso líderes, la gente prefería vivir sin ellos (Jueces 2:16-17). Y las consecuencias fueron desastrosas, de hecho los comentarías como el Ingles William Graham Scroggie (1877-1958), dicen que la palabra clave del libro de los jueces es “decadencia”, es decir, la pérdida poco a poco de la fuerza, la integridad, y la supremacía de Israel. En la época de los jueces, Israel estaba dejando de ser lo que era. ¿Por qué? porque querían vivir sin líder, para poder hacer cada uno lo que bien le pareciera. Y esta actitud de falta de liderazgo les llevó a caer en la idolatría de los cananeos.

Micaía es el ejemplo más notable de esa actitud. Micaía creía que la prosperidad material venía por cumplimientos ceremoniales, no por la obediencia a los líderes o pastores (1Sam. 15:22), por eso se buscó una congregación y un líder a su conveniencia, un líder que le obedeciera a él y no al revés. Pero en el fondo se contradice, porque el sabe que un verdadero líder es como un Padre y Sacerdote, un guía (Jue. 17:10), no alguien que me dice lo que quiero oír, sino todo lo contrario, que está dispuesto a exhortarme y reprenderme cuando no hago las cosas bien. Porque esa es la función de un líder, cuidar de los discípulos como si de sus hijos se tratara, padeciéndoles en su crecimiento espiritual, como muestra “Gálatas 4:19 Hijitos míos, por quienes vuelvo a sufrir dolores de parto, hasta que Cristo sea formado en vosotros”. Pero Micaía se escogió un líder a su conveniencia, un levita, que al final resultó que ni siquiera era un verdadero levita, porque no era de la tribu de leví (Jue 17:7; 1 Rey 12:29-31). Y es que un verdadero líder trata contigo cosas que te pueden molestar, por eso un líder es muchas veces un ser incomodo.

Todo era bonito y placentero cuando el Señor hacía milagros y derramaba bendiciones sobre los discípulos, pero cuando comenzó a hablar cosas duras, la gente comenzó a huir de Él, a tal punto que le tuvo que decir a los apóstoles, en “Juan 6:67 …¿Queréis acaso iros también vosotros?”. Pero Micaía no se conformó con tener un falso líder, sino que se unió a una falsa iglesia también, una iglesia a su conveniencia, una iglesia que le dijera lo que él quería oír, que no le incomodara. Pero el Señor recriminó fuertemente esta actitud de Micaía en 1Reyes 12:29-31. Porque el que se junta sólo con quienes le aplauden, le acarician sus errores, y nunca le llaman la atención, vive ciego, va camino a su autodestrucción y no lo sabe.

Lo mejor que nos puede pasar en nuestra vida es tener un verdadero líder o pastor liderándonos, ese que nos diga lo que no queremos oír. ¿Tienes un líder así? Da gracia a Dios por él.

Bendiciones de lo Alto

Ángel Manuel Hernández Gutierrez

The High Cost of Doing It All Yourself; Part 2: The Harvest Price

jim

by Dr. Jim Wall, Executive Director, Acts 2 Network, www.acts2network.org

The first six years in the planting of Western Branch Community Church were among the most dynamic and exhilarating years of my ministry life. The seventh year was the hardest. Part 1 of this article recounts the “people price” of trying to do the work of the ministry alone. The highest price was in terms of the harvest.

That year we averaged just over 600 in weekend services. We received 300 new members. You might say that was a great year, but at the end of the year, we were still averaging 600 in weekend services. Somehow we had lost 300 people that year! We didn’t even know who they were nor why they left. They just slipped quietly out the back door. We simply didn’t have a net capable of gathering the harvest that Jesus was sending!

I knew the solution couldn’t be for me to work harder, longer hours. I was already at the edge of burnout. The solution had to come in doing ministry a better way.

What if we actually started believing and applying Ephesians 4:11-12 where Paul instructs the leaders to “equip the saints to do the work of the ministry.” That sounded good, but what would it look like if we actually did that? That’s when we met the writings of Joel Comiskey. The more we read, the more we asked, If we equipped the saints, could we gather an even greater harvest? Could we assimilate more into the body of Christ. Would those baby Christians grow to maturity in Christ? It was a clear to us the answer to all those questions was yes. But before we could begin, I had to ask myself, “What part of the harvest is being lost, because I’m still trying to do it all myself?”

As we began to train, empower and support cell leaders to assimilate the harvest into spiritual families, our back door problem slowed from a torrent to a trickle. I stopped doing all of the water baptisms. When someone came to Jesus, his/her cell leader stood with them in baptism. I stopped teaching all of the discipleship classes. We developed a growth track and trained our cell leaders to use it as spiritual parents would train their spiritual children in the knowledge of the Lord. The church began to grow again. More and more people came to know Jesus.

Last year, after 25 years of serving as Founding Senior Pastor, I stepped down to return to my first love of leading a church planting organization (www.acts2network.org). As you probably know, many churches struggle when the founder leaves. Not so when the saints have been equipped to do the work of the ministry. This year the church has already baptized more new converts than in any year previously. This year the church was included in Outreach Magazine’s “100 Fastest Growing Church in America.” Most of the growth continues to be conversion growth. To God be the Glory. They didn’t miss beat when the founder left, because I wasn’t doing it alone!

Jim

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Preço Alto de Fazer Tudo Sozinho; Parte 2: O Preço da Colheita

Dr. Jim Wall, Diretor Executivo, Acts 2 Network, www.acts2network.org

Os primeiros seis anos na implantação da Western Branch Community Church (“Filial Ocidental da Igreja da Comunidade”, tradução livre) estavam entre os anos mais dinâmicos e emocionantes da minha vida ministerial. O sétimo ano foi o mais difícil. A parte 1 deste artigo relata o "preço de pessoas" por tentar fazer a obra do ministério sozinho. O preço mais alto foi em termos da colheita.

Naquele ano, nós calculamos uma média de um pouco mais de 600 pessoas nos cultos de fim de semana. Nós recebemos 300 novos membros. Você poderia dizer que aquele foi um grande ano, mas no final do ano, nós ainda estávamos com uma média de 600 pessoas nos cultos de fim de semana. De alguma forma, nós tínhamos perdido 300 pessoas naquele ano! Nós nem sequer sabíamos quem elas eram, nem por que elas nos deixaram. Elas apenas escorregaram discretamente pela porta dos fundos. Nós simplesmente não tínhamos uma rede capaz de reunir a colheita que Jesus estava enviando!

Eu sabia que a solução não podia ser eu trabalhar mais, por mais horas. Eu já estava à beira do esgotamento. A solução tinha que vir de fazer o ministério de uma maneira melhor.

E se nós realmente começássemos a acreditar e aplicar Efésios 4:11-12, onde Paulo instrui os líderes a "aperfeiçoar os santos para a obra do ministério"? Isso soou bem, mas como seria se nós realmente fizéssemos isso? Foi quando nós encontramos os escritos de Joel Comiskey. Quanto mais nós liamos, mais questionávamos: Se nós aperfeiçoássemos os santos, poderíamos reunir uma colheita ainda maior? Será que podemos assimilar mais pessoas para dentro do corpo de Cristo? Aqueles cristãos bebês cresceriam até a maturidade em Cristo? Ficou claro para nós que a resposta para todas essas perguntas era sim. Mas antes que nós pudéssemos começar, eu tive que me perguntar: "Qual parte da colheita está sendo perdida porque eu ainda estou tentando fazer tudo sozinho?".

Quando nós começamos a treinar, capacitar e apoiar os líderes de células para assimilarem a colheita em famílias espirituais, nosso problema da porta de trás desacelerou de uma torrente para um gotejamento. Eu parei de fazer todos os batismos na água. Quando alguém vinha a Jesus, seu/sua líder de célula ficava com eles no batismo. Eu parei de ensinar todas as classes de discipulado. Nós desenvolvemos um trilho de crescimento e treinamos os nossos líderes de célula para usar isso como pais espirituais treinando seus filhos espirituais no conhecimento do Senhor. A igreja começou a crescer novamente. Mais e mais pessoas vieram a conhecer Jesus.

No ano passado, após 25 anos servindo como pastor fundador sênior, eu desci para voltar ao meu primeiro amor de liderar uma organização de implantação de igrejas (www.acts2network.org). Como você provavelmente sabe, muitas igrejas lutam quando o fundador as deixa. Não é assim quando os santos foram equipados para fazer o trabalho do ministério. Este ano, a igreja já batizou mais novos convertidos do que em qualquer outro ano anterior. Este ano, a igreja foi incluída na lista da Outreach Magazine (“Revista de Alcance”, tradução livre) "100 Igrejas que Crescem Mais Rápido na América". A maior parte do crescimento continua a ser o crescimento por conversões. A Deus seja a glória. Eles não perderam o ritmo quando o fundador saiu, porque eu não estava fazendo tudo sozinho!

Jim

Spanish blog:

El alto costo de hacerlo todo usted mismo; Parte 2: El precio de la cosecha

Por el Dr. Jim Wall, Director Ejecutivo, de la Red de Hechos 2, www.acts2network.org

Los primeros seis años de la plantación de Iglesia Comunitaria Western Branch fueron algunos de los años más dinámicos y emocionantes de mi vida ministerial. El séptimo año fue el más difícil. La parte 1 de este artículo relata el "precio de la gente" de tratar de hacer todo el trabajo del ministerio solo. El precio más alto fue en términos de la cosecha.

Ese año hubo un promedio de poco más de 600 asistencias en los servicios Dominicales. Hemos recibido 300 nuevos miembros. Se podría decir que fue un gran año, pero al final del año, todavía teníamos un promedio de 600 asistentes en los servicios dominicales. De alguna manera habíamos perdido 300 personas ese año. Ni siquiera sabíamos quiénes eran ni por qué se fueron. Ellos simplemente se deslizaron silenciosamente por la puerta trasera. Simplemente no teníamos una capacidad neta de recoger la cosecha que Jesús estaba enviando.

Sabía que la solución no podía ser para mí el trabajar más duro, o más horas. Yo ya estaba en el borde del agotamiento. La solución tenía que venir al hacer el ministerio de una mejor manera.

¿Qué tal si empezamos a creer y aplicar Efesios 4: 11-12?, donde Pablo instruye a los líderes a "Equipa a los santos para hacer la obra del ministerio" Eso sonaba bien, pero ¿Qué aspecto tendría si en realidad lo hiciéramos? Fue entonces cuando nos encontramos con los escritos de Joel Comiskey. Cuanto más leemos, más nos preguntamos: Si equipamos los santos, ¿Podríamos reunir una cosecha aún mayor? ¿Podríamos asimilar más en el cuerpo de Cristo?  ¿Esos bebés cristianos crecerían a la madurez en Cristo? Fue un claro para nosotros que la respuesta a todas esas preguntas fue sí. Pero antes de que pudiéramos empezar, tuve que preguntarme a mí mismo: "¿Qué parte de la cosecha se está perdiendo, porque todavía estoy tratando de hacerlo todo por mí mismo?"

Cuando comenzamos a entrenar, capacitar y apoyar a los líderes de células a asimilar la cosecha en familias espirituales, nuestro problema con la puerta trasera se desaceleró de un torrente a un goteo. Dejé de hacer todos los bautismos de agua. Cuando alguien recibió a Jesús, su líder de la célula estuvo con ellos en el bautismo. Dejé de enseñar todas las clases de discipulado. Desarrollamos una senda de crecimiento y capacitamos a nuestros líderes celulares para utilizarlo como padres espirituales los cuales entrenarían a sus hijos espirituales en el conocimiento del Señor. La iglesia comenzó a crecer de nuevo. Más y más personas llegaron a conocer a Jesús.

El año pasado, después de 25 años de servir como fundador Pastor Principal, di un paso hacia abajo para volver a mi primer amor de liderar una organización de la plantación de iglesias  (www.acts2network.org). Como usted probablemente sabe, muchas iglesias tienen dificultades cuando el fundador se va. No es así cuando los santos han sido equipados para hacer el trabajo del ministerio. Este año la iglesia ya ha bautizado más nuevos creyentes que en cualquier año anterior. Este año la iglesia fue incluida en la revista de Alcance "100 de las Iglesias con el más rápido crecimiento en América". La mayor parte del crecimiento sigue siendo el crecimiento de conversión. A Dios sea la gloria. No perdieron el ritmo cuando el fundador se fue, porque yo no lo estaba haciendo todo por mí mismo.

Jim

The High Cost of Doing It All Yourself; Part 1: The People Price

jim

by Dr. Jim Wall, Executive Director, Acts 2 Network, www.acts2network.org

The first six years in the planting of Western Branch Community Church were among the most dynamic and exhilarating years of my ministry life. The seventh year was the hardest.

God blessed dramatically in those early years. Hundreds of unchurched, unsaved people came and found Christ. 70% of our growth came from conversion growth. Unfortunately, my approach to caring for all those baby Christians was deeply flawed. You see, I came from the world where the Senior Pastor took care of the flock personally. If there was a need, it was supposed to be met by me. If there was question, it had to answered by me. If there was meeting, it couldn’t start until I arrived. If someone was in the hospital, the angels didn’t start singing the “Hallelujah Chorus” until I got there.

It all came crashing down on the day I promised a church member I’d go to the hospital to pray with her before her scheduled minor surgery. Before I got there that day, I received a call that another church member was going into emergency heart surgery—at a different hospital. As soon as I worked out a way to get to them both, the phone rang again. It was yet another church member who’s 20 year old daughter had died by her own hand during the night! What do I do now? I did what I thought I was supposed to do. I ran as hard as I could for the next several days trying to minister to them all. In the process, I failed them all. I didn’t just fail those families. I had been so busy trying to provide pastoral care to everyone, when Sunday morning came, I wasn’t adequately prepared to preach a life giving message. We won’t even talk about the level at which I was failing my marriage or my children. We won’t even address the deep level of burnout I was reaching personally. The seventh year was a hard year.

The solution came in form of our cell system; distributing the pastoral care blessing to capable, called cell leaders. But the solution couldn’t be applied until I died to self and stopped hording the blessings of ministry for myself!

The “people price” of trying to do it all yourself is incredibly high. I beg you not to pay it, nor ask those around you to pay it too. That’s not the only cost. In Part 2 of this article we’ll see the cost in terms of the harvest.

Jim

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Preço Alto de Fazer Tudo Sozinho; Parte 1: O Preço das Pessoas

Dr. Jim Wall, Diretor Executivo, Acts 2 Network, www.acts2network.org

Os primeiros seis anos na implantação da Western Branch Community Church (““Filial Ocidental da Igreja da Comunidade”, tradução livre) estavam entre os anos mais dinâmicos e emocionantes da minha vida ministerial. O sétimo ano foi o mais difícil.

Deus nos abençoou drasticamente naqueles primeiros anos. Centenas de pessoas sem igreja e pessoas não salvas vieram e encontraram a Cristo. 70% do nosso crescimento veio através de conversões. Infelizmente, a minha abordagem para cuidar de todos os cristãos bebês foi profundamente falha. Veja bem, eu vim da realidade onde o pastor principal cuidava do rebanho pessoalmente. Se havia uma necessidade, ela tinha que ser atendida por mim. Se existia uma pergunta, ela tinha que ser respondida por mim. Se tinha uma reunião, ela não poderia começar antes de eu chegar. Se alguém estava no hospital, os anjos não começavam a cantar o louvor Aleluia até que eu chegasse lá.

Tudo desabou no dia em que eu prometi a uma mulher membro da igreja que eu iria para o hospital orar com ela antes do horário agendado para sua pequena cirurgia. Antes de eu chegar lá naquele dia, eu recebi uma ligação dizendo que outro membro da igreja estava indo para uma cirurgia cardíaca de emergência em um hospital diferente. Assim que eu pensei numa maneira de ir para ambos, o telefone tocou novamente. Era mais um membro da igreja, cuja filha de 20 anos de idade tinha morrido por sua própria mão durante a noite! O que eu faria naquela hora? Eu fiz o que eu pensei que eu devia fazer. Eu corri o máximo que pude nos vários dias seguintes tentando ministrar a todos eles. No processo, eu falhei com todos eles. Eu não falhei apenas com aquelas famílias. Eu estava tão ocupado tentando prestar atendimento pastoral a todos que, quando chegou domingo de manhã, eu não estava suficientemente preparado para pregar uma mensagem de vida. Não vamos nem falar sobre o nível em que eu estava falhando com meu casamento ou com meus filhos. Não vamos nem mencionar o profundo nível de esgotamento que eu estava atingindo pessoalmente. O sétimo ano foi um ano difícil. 

A solução veio na forma do nosso sistema celular; distribuir a bênção pastoral para pessoas capazes, chamadas de líderes de células. Contudo, a solução não poderia ser aplicada até eu morrer para mim mesmo e parar de acumular as bênçãos do ministério para mim!

O "preço das pessoas" por tentar fazer tudo sozinho é incrivelmente alto. Eu imploro para que você não o pague, nem peça para as pessoas ao seu redor pagá-lo também. Esse não é o único preço. Na parte 2 deste artigo, vamos ver o preço em termos de colheita.

Jim

Spanish blog:

El alto costo de hacerlo todo usted mismo; Parte 1: El Precio de la gente

Por el Dr. Jim Wall, Director Ejecutivo, de la Red de Hechos 2, www.acts2network.org

Los primeros seis años de la plantación de la Iglesia Comunitaria Western Branch fueron algunos de los años más dinámicos y emocionantes de mi vida ministerial. El séptimo año fue el más difícil.

Dios bendijo dramáticamente en aquellos primeros años. Cientos de personas no salvas, sin iglesia llegaron y encontraron a Cristo. El setenta por ciento de nuestro crecimiento provino del crecimiento de la conversión. Por desgracia, mi acercamiento al cuidado de todos esos bebés cristianos era profundamente defectuoso. Ya ves, yo vengo del mundo donde el Pastor Principal cuidaba del rebaño personalmente. Si era necesario, se supone que deberían reunirse conmigo. Si había una pregunta, tendría que ser respondida por mí. Si había una reunión, no se podía empezar hasta que yo llegara. Si alguien estaba en el hospital, los ángeles no empezaban a cantar el "Coro Aleluya" hasta que yo llegase.

Todo se vino abajo el día que le prometí a un miembro de la iglesia que iría al hospital a orar por ella antes de que fuera intervenida por una cirugía menor. Antes de llegar allí ese día, recibí una llamada de que otro miembro de la iglesia estaba en la sala de emergencias para una cirugía en el corazón en un hospital diferente. Tan pronto como encontré la forma de llegar a los dos, el teléfono volvió a sonar. Fue otro miembro de la iglesia en donde su hija de 20 años de edad, había muerto por su propia mano durante la noche. ¿Qué hago ahora? Hice lo que pensé que tenía que hacer. Corrí tan fuerte como pude para los próximos días tratando de atender a todos ellos. En el proceso, les falle a todos ellos. No solo le falle a esas familias. Solamente había estado tan ocupado tratando de brindar atención pastoral a todos, que cuando llegó la mañana del domingo, no estaba preparado adecuadamente para predicar un mensaje de vida. No vamos a hablar sobre el nivel en el que estaba fallando mi matrimonio y a mis hijos. A parte el profundo nivel de desgaste físico que había alcanzado personalmente. El séptimo año fue un año duro.

La solución llegó en forma con nuestro sistema celular; distribuyendo la bendición pastoral capacitada, llamando líderes celulares. Pero la solución no podría aplicarse hasta que muriera el yo y deje de acaparar las bendiciones del ministerio para mí.

El "precio de la gente" de tratar de hacerlo todo usted mismo es increíblemente alto. Yo ruego que no lo pagues, ni pidas a los que te rodean que lo paguen también. Ese no es el único costo. En la Parte 2 de este artículo vamos a ver el costo en términos de la cosecha.

Jim

Tasks or People

bill

By Bill Mellinger, Crestline First Baptist

What is more important when you have a staff meeting? Is it the task or the people? Tasks matter, they help us to complete our mission. But, aren’t people the mission?

At the time of worship, I am focused on the message and being ready to do God’s work for the day. The challenge is that the stress of the moment can cause me to be more focused on the tasks than the people God wants me to serve. Balancing the pressures of the moment and the importance of the message are a weekly challenge for me.

I understand that Jesus took time away from the crowds. He even left the crowds wanting healing to go to other towns or to steal away to a quiet place with His Father. Christ did not meet all the needs of all the people. Nevertheless, he was sensitive to the touch of one who reached out in faith to touch the hem of his garment. He responded to faith even in a Roman soldier or a Gentile mother seeking healing of her daughter. Jesus was able to balance His mission with the tasks and people along the journey.

Can we really do the tasks of ministry when we don’t also care for the people doing those tasks? Staff meetings, coaching meetings, even cell meetings must recognize that people are coming with burdens and personal challenges that may need to be identified and shared in order to have a successful team meeting. Some of us are so task minded that we forget to pause and listen to the needs of the people we are serving with.

How do you make sure to meet the needs of your team? When thinking about the tasks, isn’t the care of your team your first task? Don’t let the customary “How are you?” just be a meaningless formality. Sincerely stop and care for one another. You will be surprised at how well the tasks will go when the team is cared for and united. We are not commanded to love the work; we are commanded to love one another. That can be and should be our most important task next to loving God.

Bill

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Tarefas ou Pessoas

Por Bill Mellinger, Primeira Igreja Batista de Crestline

O que é mais importante quando você tem uma reunião de equipe? São as tarefas ou as pessoas? Tarefas são importantes, elas nos ajudam a completar a nossa missão. Contudo, a missão não são as pessoas?

No momento da adoração, eu fico focado na mensagem e em estar pronto para fazer a obra de Deus para o dia. O desafio é que o estresse do momento pode fazer com que eu fique mais focado nas tarefas do que nas pessoas que Deus quer que eu sirva. Equilibrar as pressões do momento e a importância da mensagem são um desafio semanal para mim.

Eu entendo que Jesus passava tempo longe das multidões. Ele até deixou as multidões querendo cura para ir para outras cidades ou para se retirar a um lugar tranquilo com Seu Pai. Cristo não atendeu todas as necessidades de todas as pessoas. No entanto, ele estava sensível ao toque de quem estendeu a mão com fé para tocar a orla do seu manto. Ele respondeu a fé mesmo de um soldado romano ou de uma mãe gentia buscando a cura de sua filha. Jesus foi capaz de equilibrar a sua missão com as tarefas e as pessoas ao longo da jornada.

Será que podemos realmente fazer as tarefas do ministério quando não cuidamos das pessoas que fazem essas tarefas? As reuniões de equipe, reuniões de treinamento, até mesmo as reuniões de células devem reconhecer que as pessoas estão vindo com fardos e desafios pessoais que às vezes precisam ser identificados e compartilhados, a fim de ter uma reunião de equipe bem-sucedida. Alguns de nós somos tão atentos a tarefas que nos esquecemos de fazer uma pausa e ouvir as necessidades das pessoas com quem nós estamos servindo.

Como você se certifica de atender às necessidades de sua equipe? Ao pensar sobre tarefas, o cuidado de sua equipe não é sua primeira tarefa? Não deixe que o habitual "Como você está?" seja apenas uma formalidade sem sentido. Pare e cuide dos outros de forma sincera. Você ficará surpreso com o quão bem as tarefas vão quando a equipe está bem cuidada e unida. Nós não somos ordenados a amar o trabalho; somos ordenados a amar uns aos outros. Isso pode e deve ser a nossa tarefa mais importante depois de amar a Deus.

Bill

Spanish blog:

Tareas o Personas

Por Bill Mellinger, Primera Iglesia Bautista

¿Qué es más importante cuando tienes una reunión de personal? ¿Es la tarea o la persona? Las tareas son importantes, nos ayudan a completar nuestra misión. Pero, ¿No son las personas la misión?

En el momento de adoración, estoy concentrado en el mensaje y en estar listo para hacer la obra de Dios cada el día. El reto es que la tensión del momento puede causarme que este más centrado en las tareas que en las personas que Dios quiere que sirva. El equilibrar las presiones del momento y la importancia del mensaje son un desafío semanal para mí.

Entiendo que Jesús tomó tiempo yéndose lejos de las multitudes. Él incluso dejó las multitudes que deseaban sanidad para ir a otras ciudades o robar su tiempo, para estar en un lugar tranquilo, con su Padre. Cristo no cumplió con todas las necesidades de todas las personas. Sin embargo, él era sensible al tacto de quien extendió la mano en la fe, a tocar el borde de su manto. Él respondió a la fe incluso en un soldado romano o una madre gentil que buscaba la curación de su hija. Jesús fue capaz de equilibrar su misión con las tareas y las personas a lo largo del viaje.

¿Realmente podemos hacer las tareas del ministerio cuando no nos preocupamos también por las personas que hacen esas tareas? Las reuniones de personal, reuniones de entrenadores, incluso reuniones de células deben reconocer que la gente está viniendo con cargas y desafíos personales que pueden necesitar ser identificados y compartidos con el fin de tener una reunión de equipo exitosa. Algunos de nosotros estamos tan concentrados en la tarea que nos olvidamos de hacer una pausa y escuchar las necesidades de la gente a la cual servimos.

¿Cómo nos aseguramos que podemos satisfacer las necesidades de su equipo? Al pensar en las tareas, ¿No es el cuidado de su equipo su primera tarea? No deje el habitual "¿Cómo estás?" Ser sólo una formalidad sin sentido. Sinceramente detente y cuídense los unos a otros. Usted se sorprenderá de lo bien que las tareas saldrán cuando el equipo es cuidado y se mantiene unido. No se nos ordena a amar  la obra; se nos manda a amarnos los unos a otros. Eso puede ser y debe ser nuestra tarea más importante junto a amar a Dios.

Bill

Ranchers Need a Team

joel

by Joel Comiskey

I tell pastors that the most important thing they can do is to develop a team. And who should be on that team? Shepherds. But isn’t the lead pastor the shepherd? Yes, but as we’ve been saying in the last few weeks, the lead pastor is also a rancher. His main role is to care for those pastoring the sheep. And the best way to do this is to develop a team.

In Spanish we use the word timon to describe what I’m talking about. Timon means steering committee. The timon for a cell church pastor should be comprised of cell leaders because they are pastoring the flock, but as the church grows, the team could change to cell supervisors or coaches.

What is the main function of the team meeting? Ministry and accountability.

Ministry. I tell pastors to minister to the leaders through the Word, exhortation, and prayer. Praying for felt needs is the heart and soul of a coaching time. Ask questions of the cell leaders, listen to them, and find out what their needs are. It shouldn’t primarily be a "preaching time," but an encouragement time. Those who are shepherding the flock need refreshment, encouragement, and a listening ear. Worship, prayer, and resourcing (reading a book) might be part of the team’s ministry time.

The second thing is accountability. To shepherd the flock, we must know how each group is doing. This requires reporting. The lead pastor should ask each shepherd on the team to report on the cell (s) under his or her responsibility. What are the needs of each group? Who are the new leaders who are being prepared to lead new groups? Who is in the equipping and when will the next graduation take place? What are some cell issues that demand special attention right now? After talking about cell ministry, then the lead pastor might talk about other aspects of the ministry, but I always tell leaders to start with the cells.

I’ve been talking here to pastors, but the same truths apply to cell leaders. Each cell leader should attempt to develop a team, hold the team accountable to fulfill different roles, and regularly meet with the team. Elim asks each group to develop a team that meets on a different night during the week. Team ministry in each cell is one principal reason why the Elim has continued to reap the harvest for many, many years.

Ranchers don’t do it themselves; they develop a team.

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Fazendeiros Precisam de uma Equipe

por Joel Comiskey

Eu digo aos pastores que a coisa mais importante que podemos fazer é desenvolver uma equipe. E quem deve estar nessa equipe? Os cuidadores das ovelhas. Mas o pastor principal não é o cuidador das ovelhas? Sim, mas como temos dito nas últimas semanas, o pastor principal é também um fazendeiro. Seu papel principal é cuidar daqueles que estão pastoreando as ovelhas. E a melhor maneira de fazer isso é desenvolvendo uma equipe. Em espanhol usamos a palavra "timon" para descrever o que eu estou falando. "Timon" significa "comitê de direção". O timon de um pastor de igreja em células deve ser composto por líderes de célula, mas conforme a igreja cresce, a equipe pode mudar para supervisores ou treinadores de células.

Qual é a função principal da reunião da equipe? Ministração e prestação de contas.

Ministração. Eu falo aos pastores para ministrarem aos líderes através da Palavra, exortação e oração. Orar por necessidades sentidas é o coração e a alma de um tempo de treinamento. Faça perguntas aos líderes de célula, ouça todos eles e descubra quais são suas necessidades. Não deve ser em primeiro lugar um "tempo de pregação", mas um tempo de encorajamento. Aqueles que estão pastoreando o rebanho precisam de renovo, de encorajamento e de um ouvido atento. Adoração, oração e receber recursos (como ler um livro) pode ser parte do tempo de ministração da equipe.

A segunda coisa é a prestação de contas. Para pastorear o rebanho, é preciso saber como cada grupo está. Isso exige relatórios. O pastor principal deve pedir que cada pastor da equipe fale sobre a(s) célula(s) sob a sua responsabilidade. Quais são as necessidades de cada grupo? Quem são os novos líderes que estão sendo preparados para liderar novos grupos? Quem está sendo equipado e quando será a "formatura"? Quais são algumas das questões celulares que exigem uma atenção especial no momento? Depois de falar sobre o ministério celular, o pastor principal pode falar sobre outros aspectos do ministério, mas eu sempre digo aos líderes para começarem com as células.

Eu tenho falado aqui para pastores, mas as mesmas verdades se aplicam a líderes de célula. Cada líder de célula deve tentar desenvolver uma equipe, manter a equipe responsável para cumprir diferentes papéis e reunir-se regularmente com a equipe. A Igreja Elim pediu para cada célula desenvolver uma equipe que se reúne em uma noite diferente durante a semana. Eu acredito que esta é uma das razões principais para a Elim ter continuado a fazer a colheita por muitos, muitos anos.

Os fazendeiros não fazem tudo sozinhos; eles desenvolvem uma equipe.

Joel

Spanish blog:

Los ganaderos necesitan un equipo
Por Joel Comiskey

Les he dicho a los  pastores que lo más importante que pueden hacer es desarrollar un equipo. ¿Y quién debería estar en ese equipo? Pastores. Pero ¿No es el pastor principal del pastor? Sí, pero como hemos venido diciendo en las últimas semanas, el pastor principal es también un ganadero. Su función principal es atender a las personas que pastorean las ovejas. Y la mejor manera de hacer esto es desarrollando un equipo. En español usamos la palabra timón para describir lo que estoy hablando. La palabra timón significa comité directivo. El timón para un pastor de la iglesia celular debe estar compuesto por líderes de células, pero a medida que la iglesia crece, el equipo podría cambiar a los supervisores de las células o a los entrenadores.

¿Cuál es la función principal de la reunión del equipo? Ministerio y la responsabilidad.

Ministerio. Les digo a los pastores que ministren a los líderes a través de la Palabra, la exhortación y la oración. Orar por las necesidades sentidas es el corazón y el alma de un tiempo de entrenamiento. Haga preguntas a los líderes de las células, escúchalos, y averigua cuáles son sus necesidades. No debe ser ante todo un "tiempo de predicación", pero un tiempo de aliento. Los que están pastoreando el rebaño necesitan un refrigerio, aliento y un oído atento. La adoración, la oración y la dotación de recursos (la lectura de un libro) podría ser parte del tiempo el ministerio del equipo.

La segunda cosa es la responsabilidad. Para pastorear el rebaño, debemos saber cómo cada grupo va. Esto requiere de la presentación de informes. El pastor principal debe pedir a cada pastor en el equipo que informen sobre la célula (s) bajo su responsabilidad. ¿Cuáles son las necesidades de cada grupo? ¿Quiénes son los nuevos líderes que se están preparando para liderar nuevos grupos? ¿Quién está en el equipamiento y cuándo tendrá lugar la próxima graduación? ¿Cuáles son algunos problemas celulares que requieren una atención especial en este momento? Después de hablar sobre el ministerio celular, después el pastor principal podría hablar de otros aspectos del ministerio, pero siempre le digo a los líderes que comiencen con las células.

He estado hablando aquí para los pastores, pero las mismas verdades se aplican a los líderes celulares. Cada líder celular debe tratar de desarrollar un equipo, mantenga el equipo responsable de cumplir diferentes roles, y reúnanse regularmente con el equipo. Elim pidió a cada grupo que desarrolle un equipo que cumpla con una noche diferente durante la semana. Creo que esta es una razón principal por la cual Elim ha seguido recogiendo la cosecha por muchos, muchos años.

Los ganaderos no lo hacen por sí mismos; ellos desarrollan un equipo.

Joel

You’ll Never Walk Alone

daphne

by Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Anyone who is a British football supporter will know the phrase “you’ll never walk alone.” This is a song sung wholeheartedly at football matches and it applies to team ministry. One of the best things about ministering as a team is comraderie and never walking alone. Allow me to share why this is true.

When you walk together, you don’t hvae to walk alone becauase:

  • you have each other’s backs
  • you have support
  • you have different skills and gifting
  • you have different perspectives
  • you have checks and balances
  • you have accountability
  • you have a shoulder to cry on and others to laugh with
  • you have prayer partners
  • you have community
  • you have some one to share with
  • you have stability
  • you have shared vision
  • you are stronger together
  • you have others who know when words are not needed
  • you don’t carry the load alone
  • you don’t have to “do it all"
  • you have friends

So why would you want to walk alone in the often lonely position of leadership? Often the reason is because:

  • you have been let down in the past
  • you feel threatened by others who might be more popular
  • you are concerned about disagreement
  • it takes longer to reach decision
  • you don’t want to be vulnerable in leadership
  • you have had “church splits” and are afraid this might happen again
  • you don’t naturally relate to others who might be on the leadership team

These are valid reasons for being fearful but I leave you with the question:  Would you rather walk alone through the storms, alone through the joys – or take “the risk” and have team leadership … and you’ll never walk alone

Daphne

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Você Nunca Andará Sozinho

por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Qualquer um que é adepto do futebol britânico vai conhecer a frase "você nunca andará sozinho". Esta é uma canção cantada de todo o coração nos jogos de futebol e se aplica à equipe ministerial. Uma das melhores coisas em ministrar como uma equipe é a camaradagem e nunca andar sozinho. Permita-me compartilhar por que isso é verdade.

Quando vocês caminham juntos, você não precisa andar sozinho por que:

·          Vocês cuidam uns dos outros
·          Você tem apoio
·          Vocês têm habilidades e dons diferentes
·          Vocês têm diferentes perspectivas

·          Vocês têm freios e contrapesos

·          Vocês têm prestação de contas
·          Vocês tem um ombro para chorar e outras pessoas com quem rir
·          Você tem companheiros de oração
·          Vocês têm comunhão
·          Você tem pessoas com quem compartilhar

·          Vocês têm estabilidade
·          Vocês têm uma visão compartilhada
·          Vocês são mais fortes juntos
·          Você tem pessoas que te conhecem mesmo sem usar palavras
·          Você não carrega a carga sozinho(a)

·          Você não precisa “fazer tudo”

·          Você tem amigos

Então, por que você iria querer andar sozinho na posição de liderança que muitas vezes é solitária? Muitas vezes, a razão é por que: 

·          Você se desapontou no passado
·          Você se sente ameaçado por outros que podem ser mais populares
·          Você está preocupado com a discordância
·          Demora mais para chegar a uma decisão
·          Você não quer ficar vulnerável na liderança
·          Você já teve divisões na igreja e tem medo de que isso aconteça novamente
·          Você não se relaciona naturalmente com outras pessoas que podem estar na equipe de liderança

Essas são razões válidas para ter medo, mas eu deixo você com a pergunta: Você prefere caminhar sozinho pelas tempestades, sozinho pelas alegrias – ou assumir "o risco" e ter uma liderança em equipe… e você nunca andará sozinho? 

Daphne

Spanish blog:

Tú nunca caminaras solo
Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Cualquier persona que es partidario del fútbol británico sabrá la frase "nunca caminarás solo". Esta es una canción cantada de todo corazón en los partidos de fútbol y se aplica al equipo ministerial. Una de las mejores cosas de ministrar el equipo es camaradería y nunca caminar solo. Permítanme compartir por qué esto es cierto.

Cuando usted camina junto, no tienes que caminar solo porque:

• Se cuidan las espaldas
• Tiene el apoyo
• Tiene diferentes habilidades y dones
• Tiene diferentes perspectivas
• Tiene frenos y contrapesos
• Tiene la responsabilidad
• Tiene un hombro para llorar y reír con los demás
• Tiene compañeros de oración
• Tiene comunidad
• Tiene a alguien con quien compartir
• Tiene estabilidad
• Tiene una visión compartida
• Eres más fuerte en conjunto
• Tiene otros que saben las palabras que no son necesarias
• No llevas la carga por ti mismo
• No tienes que "hacerlo todo"
• Tienes amigos

Entonces, ¿Por qué quieres caminar solo en la posición solitaria del liderazgo? A menudo, la razón es porque:

• Has sido defraudado en el pasado
• Te sientes amenazado por otros que podrían ser más populares
• Estás preocupado por el desacuerdo
• Se necesita más tiempo para tomar una decisión
• Usted no quiere ser vulnerable en el liderazgo
• Has tenido "divisiones de la iglesia" y temes que esto pueda suceder de nuevo
• No te relacionas naturalmente a otras personas que podrían estar en el equipo de liderazgo

Estas son razones válidas para tener miedo, pero te dejo con la pregunta: ¿Prefiere caminar solo por las tormentas, o solo a través de las alegrías – o tomar "el riesgo" y tener liderazgo de equipo… y Tu nunca caminarás solo?

Daphne