Equipping the Family Circle

joel

By Joel Comiskey, excerpts from Children in Cell Ministry (now available at http://store.joelcomiskeygroup.com/chincemidifu.html)

While it’s important to help parents to get involved in children’s ministry in the local church, it’s even more important that parents care for their children at home.

Parents are on the front lines in modeling Christianity to their children and letting them see up-close that Jesus is alive through their lifestyles. Christian education expert, Lawrence O. Richards,  researched children from Christian homes who continued to follow Jesus, he noted, “Somehow the parents’ faith was caught, and even those who had all the right information about God and could score perfect papers on a test about what He is like did not feel they knew Him unless they sensed that somehow God was real to mom and dad.” This idea of being “real to mom and dad” is the frontline witness to children and what will have a far greater impact than all the preaching and teaching combined.

Attending church on Sunday and cell group during the week will help adults grow in the Lord, but it’s their daily lives lived out before their children that will make the difference. Christian education cannot be very effective without the co-operation of the home. Values rub off on children. The unspoken word, the casual remark, and the behavior of parents make deep impressions upon children

What children see in those early years is more important than what they hear. They learn more from what adults do than from what adults say; they are sensitive to the hidden curriculum. Educators call this “informal education. In the early years, informal education primarily takes place in the home and has more of a direct impact than the formal teaching offered in church or schools. Informal education is the lifelong process in which attitudes, values, skills, and knowledge are acquired from daily experience and educational resources in the child’s environment. The common phrase “values are more caught than taught” is a reference to the informal education children experience in families and other social networks and are absorbed into their behaviors and foundational attitudes.

The church’s role is to prepare the parents to live the Christian lives in front of their children, rather than expecting the church to do it for them.

Those times that children wake up and see their mom or dad reading God’s Word, interceding for a lost world, or listening to worship music will make a lasting impression on the child. The opposite is also true. If they rarely see their parents spending time with God, they will not be encouraged to do it themselves. Or at least they won’t consider the quiet time as being a priority. Worse yet, if they hear their parents teaching others about the priority of the quiet time but then see a double standard at home, they will be turned off to the gospel.

Children need to discover through observation that religion is not just for Sunday at church: God is important to the adults they love all week long at home and at work.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Equipando o Círculo Familiar

Por Joel Comiskey, excertos de Children in Cell Ministry (As Crianças no Ministério Celular, em tradução livre) (agora disponível em http://store.joelcomiskeygroup.com/chincemidifu.html)

Embora seja importante ajudar os pais a se envolverem no ministério infantil da igreja local, é ainda mais importante que os pais cuidem de seus filhos em casa.

Os pais estão na linha de frente na tarefa de modelar o cristianismo para os seus filhos e deixá-los verem de perto que Jesus está vivo através de seu estilo de vida. Lawrence O. Richards, especialista em educação cristã, estudou crianças de lares cristãos que continuaram a seguir a Jesus, e ele observou: “De alguma forma a fé dos pais era capturada pelos filhos, e mesmo aqueles que tinham todas as informações corretas sobre Deus e poderiam acertar perfeitamente todas as perguntas em um teste sobre como Ele é, não sentiam que O conheciam a menos que eles percebessem que de alguma forma Deus era real para sua mãe e seu pai” (trecho em tradução livre). Essa ideia de ser “real para sua mãe e seu pai” é o testemunho mais importante para as crianças e é o que terá um impacto muito maior do que toda a pregação e ensino juntos.

Frequentar a igreja aos domingos e a célula durante a semana vai ajudar os adultos a crescerem no Senhor, mas é a sua vida cotidiana vivida diante de seus filhos que vai fazer a diferença. A educação cristã não pode ser muito eficaz sem a cooperação da casa. Os valores passam para as crianças. A palavra não dita, a observação casual e o comportamento dos pais deixam impressões profundas nos filhos.

O que as crianças veem nesses primeiros anos é mais importante do que o que elas ouvem. Elas aprendem mais com o que os adultos fazem do que com o que eles dizem; elas são sensíveis ao currículo oculto. Os educadores chamam isso de “educação informal”. Nos primeiros anos, a educação informal ocorre principalmente em casa e tem um impacto mais direto do que o ensino formal oferecido na igreja ou nas escolas. A educação informal é um processo ao longo da vida em que as atitudes, valores, habilidades e conhecimento são adquiridos a partir da experiência diária e de recursos educacionais no ambiente da criança. A frase comum “valores são capturados mais do que ensinados” é uma referência à educação informal que as crianças experimentam nas famílias e em outros ambientes sociais e é absorvida em seus comportamentos e atitudes fundamentais.

O papel da Igreja é preparar os pais para viverem vidas cristãs na frente de seus filhos, em vez de esperarem que a igreja faça isso por eles.

Aqueles momentos em que as crianças acordam e veem sua mãe ou pai lendo a Palavra de Deus, intercedendo por um mundo perdido, ou ouvindo uma música de adoração vai deixar uma impressão duradoura sobre elas. O oposto também é verdadeiro. Se elas raramente veem seus pais passando tempo com Deus, elas não vão ser encorajadas a fazerem isso. Ou pelo menos elas não vão considerar o tempo de silêncio como uma prioridade. Pior ainda, se ouvirem seus pais ensinando os outros sobre a prioridade do momento a sós com Deus, mas depois elas percebem um padrão de comportamento duplo em casa, elas serão desencorajadas para o evangelho.

As crianças precisam descobrir através da observação que a religião não é apenas para o domingo na igreja: Deus é importante para os adultos que elas amam durante toda a semana em casa e no trabalho.

Spanish blog:

Equipando el Círculo Familiar
Por Joel Comiskey, extractos de la Infancia en el Ministerio Celular (ahora disponible en la página web http://store.joelcomiskeygroup.com/chincemidifu.html)

Si bien es importante ayudar a los padres a involucrarse en el ministerio de los niños en la iglesia local, y aún es más importante que los padres se preocupen por sus hijos en el hogar.

Los padres están en las líneas del frente modelando el cristianismo a sus hijos y dejando que ellos vean que Jesús está vivo a través de sus estilos de vida.  El experto en educación cristiana, Lawrence O. Richards, investigo a los niños desde los hogares cristianos que siguen a Jesús, y el señaló, “la fe de los padres de alguna manera fue capturada, e incluso todos los que tenían toda la información correcta acerca de Dios y tomaron una prueba de lo que es Él y no sintieron que lo conocían solo si de alguna manera Dios era real para mamá y papá. “Esta idea de ser” “real para mamá y papá” es el testigo de primera línea para los niños y lo que va a tener mucho mayor impacto que toda la predicación y la enseñanza combinada.

Asistir a la iglesia el domingo y el grupo celular durante la semana ayudará a los adultos a crecer en el Señor, pero si su vida cotidiana viene antes que sus hijos eso hará la diferencia. La educación cristiana no puede ser muy eficaz sin la cooperación del hogar. Los valores contagian a los niños. La palabra no dicha, la observación casual, y el comportamiento de los padres hace impresiones profundas en los niños.

Lo que los niños ven en esos primeros años es más importante que lo que escuchan. Ellos aprenden más de lo que hacen los adultos que de lo que dicen los adultos; son sensibles al currículo oculto. Los educadores llaman a esto “la educación informal”. En los primeros años, la educación informal tiene lugar principalmente en el hogar y cuenta con un impacto más directo que la enseñanza formal ofrecida en la iglesia o en las escuelas. La educación informal es el proceso de la vida en la que las actitudes, valores, habilidades y conocimientos se adquieren por la experiencia diaria y en los recursos educativos en el entorno del niño. La frase común es “los valores son atrapados más fácil más que enseñados” es una referencia a la educación informal, lo experimentan en las familias y otras redes sociales y se absorben en sus comportamientos y actitudes fundamentales.

El papel de la iglesia es la de preparar a los padres a vivir la vida cristiana en frente de sus hijos, en lugar de esperar a la iglesia que lo haga por ellos.

Aquellos tiempos en que los niños se despiertan y ven a su mamá o papá leyendo la Palabra de Dios, intercediendo por un mundo perdido, o escuchando música de adoración hará una impresión duradera en el niño. Lo opuesto también es cierto. Si rara vez ven a sus padres pasando tiempo con Dios, no van a ser alentados a hacerlo ellos mismos. O al menos no van a considerar el tiempo de silencio como una prioridad. Peor aún, si escuchan a sus padres enseñando a otros acerca de la prioridad del tiempo de silencio, pero luego ven un doble estándar en el hogar, ellos se apagarán al evangelio.

Los niños tienen que descubrir a través de la observación de que la religión no es sólo para el domingo en la iglesia: Dios es importante para los adultos que aman toda la semana en el hogar y en el trabajo.

 

Key Principles When Equipping Children

joel

By Joel Comiskey, excerpts from Children in Cell Ministry (now available at http://store.joelcomiskeygroup.com/chincemidifu.html)

Equipping children varies from church to church, depending on doctrine, denomination, and values. Equipping also varies with regard to methodology (e.g., variety of Encounter retreats, one-on-one, classroom instruction, and so forth). Yet there are important principles that should be kept in mind when ministering to children.

Storytelling

Ministry to children needs to be based squarely on God’s Word with the goal of transformation, rather than simply information. But how is that best done? How can we make the Bible relevant to children?

Storytelling is one of the best ways to teach children, and there are a lot of stories in the Bible. Like Jesus, children love to hear and tell stories. I remember how my own children would love to hear my mother weave a story together that would have my kids enthralled. They just listened and marveled at how their grandmother could tell a story about them but with other names and characters and always bring it back to a moral principle. When they became older, such stories didn’t hold the same magic, but when they were younger, they couldn’t get enough stories from their grandmother.

Action

Children unravel a lot of who they are through spontaneous play. We might view them as whittling away their time with idle play, but those spontaneous role playing times are critical in their learning about life and applying knowledge they receive from others.

We need to feed their dreams and encourage their play. After teaching a Bible story, it’s a good idea to allow the children to act it out. Giving them this opportunity will help them achieve a balance between inner and outer experience and provide an important sense of self-esteem.

Wise teachers explain the Bible stories but then allow the children to internalize the message through play acting. And this can take place in cell, celebration, as well as discipleship equipping.

Spirituality

Some act as if spirituality is reserved only for adults. But what about children? Are they spiritual as well? Actually, spirituality comes quite naturally for children, whereas adults often struggle more in the area of spirituality.

Ralph Neighbour remembers a story from the 1990s when Lorna Jenkins directed the children’s cells at FCBC. A man came in a wheel chair, asking for prayer. The adults prayed fervently for him, without any observable healing. The adults drifted into the kitchen for refreshments, leaving the man and an 8-year-old girl behind. The child stared at the man and finally said, “Well, why don’t you get up and walk?” The Spirit of God fell on him at that moment and he rose up and walked into the kitchen. Astonished, the adults asked, “What happened?” “It was the little girl! She told me to walk.” When the adults queried the girl, she simply said, “Well, you all prayed for him. So I just told him to walk because he was healed.”

Those leading children in cell ministry or teaching them in the discipleship equipping should get the children involved in praying for one another, listening to the voice of God, speaking out what they hear, and evangelizing those who don’t know Jesus.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Princípios-chave Para Equipar Crianças

Por Joel Comiskey, excertos de Children in Cell Ministry (As Crianças no Ministério Celular, em tradução livre) (agora disponível em http://store.joelcomiskeygroup.com/chincemidifu.html)

O treinamento de crianças varia de igreja para igreja a depender da doutrina, denominação e dos valores. O treinamento também varia em relação à metodologia (por exemplo, variedade de retiros do tipo Encontro, um a um, instrução em sala de aula, e assim por diante). No entanto, existem princípios importantes que devem ser mantidos ao ministrar às crianças.

Contação de Histórias

A ministração para crianças precisa ser baseada diretamente sobre a Palavra de Deus com o objetivo de transformação, ao invés de simplesmente passar informações. Mas como isso pode ser feito da melhor forma? Como podemos tornar a Bíblia relevante para as crianças?

Contar histórias é uma das melhores maneiras de ensinar as crianças e há um monte de histórias na Bíblia. Como Jesus, as crianças gostam de ouvir e contar histórias. Eu me lembro como meus próprios filhos gostavam de ouvir minha mãe tecer uma história com eles, e isso fazia com que eles ficassem encantados. Eles apenas ouviam e ficavam maravilhados com a forma como a sua avó conseguia contar uma história sobre eles, mas com outros nomes e personagens e sempre trazer um princípio moral. Quando eles ficaram mais velhos essas histórias não tinham a mesma mágica, mas quando eles eram mais jovens não conseguiam ouvir tantas histórias quanto queriam de sua avó.

Ação

As crianças desvendam muito de quem elas são através da brincadeira espontânea. Podemos achar que elas estão desperdiçando seu tempo com jogos inúteis, mas aqueles momentos de brincadeiras espontâneas são fundamentais em seu aprendizado sobre a vida e na aplicação do conhecimento que elas recebem das outras pessoas.

Nós precisamos alimentar seus sonhos e incentivar as suas brincadeiras. Depois de ensinar uma história da Bíblia, é uma boa ideia permitir que as crianças a encenem. Dar-lhes esta oportunidade irá ajudá-las a alcançar um equilíbrio entre a experiência interna e externa e fornecer um importante senso de autoestima.

Os professores sábios explicam as histórias da Bíblia, mas depois permitem que as crianças interiorizem a mensagem através de uma encenação. E isso pode ocorrer na célula, no culto de celebração, bem como no treinamento de discipulado.

Espiritualidade

Algumas pessoas agem como se a espiritualidade estivesse reservada apenas para os adultos. Mas e as crianças? Elas também são espirituais? Na verdade, a espiritualidade vem naturalmente para as crianças, enquanto os adultos muitas vezes lutam mais nessa área.

Ralph Neighbour se lembra de uma história dos anos 1990, quando Lorna Jenkins dirigia as células das crianças na FCBC. Um homem veio em uma cadeira de rodas pedindo oração. Os adultos oraram fervorosamente por ele, sem qualquer sinal observável de cura. Os adultos foram para a cozinha para comer e beber alguma coisa, e deixaram para trás o homem e uma menina de 8 anos de idade. A criança encarou o homem e finalmente disse: "Bom, por que você não se levanta e anda?" O Espírito de Deus caiu sobre ele naquele momento e ele se levantou e andou até a cozinha. Espantados, os adultos perguntaram: "O que aconteceu?" "Foi a menina! Ela me disse para andar". Quando os adultos questionaram a menina, ela simplesmente disse: "Bem, vocês todos oraram por ele. Então eu só falei para ele andar, porque ele estava curado". 

Aqueles que lideram as crianças no ministério celular ou que as ensinam no treinamento do discipulado devem fazer com que elas se envolvam em orar uns pelos outros, ouvir a voz de Deus, falar o que ouvem, e em evangelizar aqueles que não conhecem a Jesus.

Spanish blog:

Principios clave cuando equipas a los niños
Por Joel Comiskey, extractos de la Infancia en el Ministerio Celular (ahora disponible en http://store.joelcomiskeygroup.com/chincemidifu.html)

Equipar a los niños varía de iglesia a otra, dependiendo de la doctrina, denominación y valores. Equipar también varía con respecto a la metodología (por ejemplo, la variedad de retiros, uno-a-uno, instrucción en el aula, y así sucesivamente). Sin embargo, hay principios importantes que se deben tener en cuenta al ministrar a los niños.

Contar Historias

El ministerio a los niños debe basarse en un ángulo recto en la Palabra de Dios, con el objetivo de la transformación, en lugar de simplemente información. Pero, ¿cómo se hace eso mejor? ¿Cómo podemos hacer que la Biblia sea relevante para los niños?

Contando historias es una de las mejores maneras de enseñar a los niños, y hay muchas historias en la Biblia. Como Jesús, los niños les encanta escuchar y contar historias. Recuerdo como mis propios hijos les encantaba oír a mi madre tejer una historia juntos que cautivaría a mis hijos. Ellos sólo escucharon y estaban maravillados de cómo su abuela podía contar una historia acerca de ellos, pero con otros nombres y personajes y siempre traer de vuelta un principio moral. Cuando se hicieron mayores, estas historias no tenían la misma magia, pero cuando eran más jóvenes, no eran suficientes las historias de su abuela.

Acción

Los niños descifran mucho de lo que ellos son a través del juego espontáneo. Podríamos verlos como desarticular su tiempo con el juego de inactividad, pero aquellos juegos espontáneos a veces criticamos en su aprendizaje sobre la vida y en la aplicación de los conocimientos que reciben los demás.

Tenemos que alimentar sus sueños y animarles en su juego. Después de la enseñanza de una historia Bíblica, es una buena idea permitir a los niños que la actúen. Al darles esta oportunidad le ayudará a lograr un equilibrio entre la experiencia interior y exterior y proporcionará un importante sentido a su autoestima.

Maestros sabios explican las historias de la Biblia, pero luego permiten a los niños interiorizar el mensaje a través de la actuación. Y esto puede tener lugar en la célula, la celebración, así como el equipamiento del discipulado.

Espiritualidad

Algunos actúan como si la espiritualidad está reservada sólo para los adultos. Pero ¿Qué pasa con los niños? ¿Son espirituales también? En realidad, la espiritualidad es bastante natural para los niños, mientras que los adultos a menudo tienen dificultades más en el área de la espiritualidad.

Ralph Neighbour me recuerda una historia en la década de 1990 cuando Lorna Jenkins dirigía las células de los niños en el FCBC. Un hombre llegó en una silla de ruedas, pidiendo oración. Los adultos oraron fervientemente por él, sin ningún tipo de curación observable. Los adultos fueron a la cocina para tomar un refrigerio, dejando al hombre con una niña de 8 años. La niña miró al hombre y finalmente dijo: "Bueno, ¿Por qué no te levantas y caminas?" El Espíritu de Dios cayó sobre él en ese momento y él se levantó y se dirigió a la cocina. Atónitos, los adultos preguntaron: "¿Qué pasó?" “!Fue la niña!” Ella me dijo que caminara. "Cuando los adultos consultaron a la niña, ella simplemente dijo:" Bueno, todos ustedes oraron por él. Así que sólo le dije que caminara porque Él ya había sido sanado".

Aquellos que llevan a los niños al ministerio celular o les enseñan del equipamiento del discipulado deben envolver a los niños a participar en la oración por los demás, escuchando la voz de Dios, hablando de lo que oyen, y evangelizando a los que no conocen a Jesús.

Paris and Beyond: Sound the Alarm!

daphne

by Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

For many years we have been traveling around the world and urging the church to prepare the emerging generation “for such a time as this.”  We have been sounding the alarm that the time is coming when those things that can be shaken, will be shaken.  As we read the news of the Middle East and of Paris in particular, we need to ask ourselves how the church has prepared the children and young people to live victoriously through these troubled times.  Drawing pictures, making models, and watching DVD’s will not do this.  Matthew 24 is our curriculum and Acts our model.

The church in the west is already under threat as laws change,  the 10 commandments are taken down, and prayer is forbidden in the school and on the football fields.

It is time to Wake up before it is too late.

We will be e held responsible by God for the generation coming after us.

Cells much embrace this upcoming generation if they are going to have the support and accountability they need. Increasingly we will need each other as times get even tougher. And if we need each other, how much more do children need a community who will cheer them on.  Let’s remember that the New Testament Church was under attack. It was a persecuted church, and it embraced the children in the homes.

There can be no better model than the Biblical one. I make no apology if this blog sounds desperate. Why? Because it is! I’m desperate to see church leaders and cell leaders open their arms and like Jesus say, “Let the children come to me.”  In many nations children are being martyred as you read this and refusing to denounce the Name of Jesus. They CAN stand.  We must raise our expectations and prepare them, not for the future, but “for such time as this”!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Paris e Além: Soem o Alarme!

por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Por muitos anos nós temos viajado por todo o mundo e exortado a igreja a preparar a geração emergente "para tempos como esses". Nós estamos soando o alarme de que o tempo está chegando em que aquelas coisas que podem ser abaladas, serão abaladas. Ao lermos as notícias do Oriente Médio e de Paris, em particular, temos de nos perguntar como a Igreja tem preparado as crianças e os jovens para viverem vitoriosamente nestes tempos difíceis. Tirar fotos, fazer modelos e assistir a DVDs não vai fazer isso. Mateus 24 é o nosso currículo e Atos é o nosso modelo. 

A igreja no Ocidente já está sob ameaça à medida que as leis mudam, os 10 mandamentos são derrubados, e a oração é proibida na escola e nos campos de futebol.

É hora de acordar, antes que seja tarde demais.

Nós seremos responsabilizados por Deus pela geração que virá após nós.

As células devem abraçar esta nova geração para ter o apoio e prestação de contas que precisam. Nós vamos precisar cada vez mais uns dos outros à medida que os tempos ficam ainda mais difíceis. E se nós precisamos uns dos outros, quanto mais as crianças precisam de uma comunidade que vai animá-las. Vamos lembrar que a Igreja do Novo Testamento estava sob ataque. Era uma Igreja perseguida, e ela abraçou as crianças nos lares.

Não pode haver melhor modelo do que o bíblico. Não peço desculpas se este blog soa desesperado. Por quê? Porque ele é! Estou desesperada para ver os líderes da Igreja e líderes de célula abrindo seus braços e dizendo como Jesus: "Deixai vir a mim as crianças ". Em muitos países as crianças estão sendo martirizadas enquanto você lê isso e elas se recusaram a denunciar o Nome de Jesus. Elas PODEM se posicionar. Nós devemos elevar as nossas expectativas e preparar as crianças, não para o futuro, mas "para tempos como esses"!

Spanish blog:

París y más allá: ¡Suena la alarma!

Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Durante muchos años hemos estado viajando por el mundo y urgiendo a la iglesia para preparar la generación emergente "para un tiempo como este". Hemos estado haciendo sonar la alarma de que la hora viene para esas cosas que se agitan puedan ser agitadas. Al leer las noticias del Medio Oriente y de París, en particular, tenemos que preguntarnos cómo iglesia si hemos preparado a los niños y a los jóvenes a vivir victoriosamente a través de estos tiempos difíciles. Dibujando imágenes, haciendo modelos, y viendo películas no va a hacer esto. Mateo 24 es nuestro plan de estudios y Hechos nuestro modelo.

La iglesia en el oeste ya se encuentra amenazada a medida que cambian las leyes, los 10 mandamientos han sido derribados y la oración está prohibida en la escuela y en los campos de fútbol.

Es hora de despertar antes de que sea demasiado tarde.

Nosotros seremos responsabilizados por Dios por la generación que viene detrás de nosotros.

Las células deben abrazar esta próxima generación si van a contar con el apoyo y la responsabilidad que necesitan. También vamos a necesitarnos los unos a otros cuando las cosas se ponen aún más difícil. Y si nos necesitamos los unos a otros, ¡Cuánto más los niños necesitan una comunidad que vaya a animarlos! Recordemos que la Iglesia del Nuevo Testamento estuvo bajo ataque. Era una iglesia perseguida, y abrazó a los niños en los hogares.

No puede haber un modelo mejor que el bíblico. No me disculpo si este blog suena desesperado. ¿Por qué? ¡Porque lo es! Estoy desesperada por ver a los líderes de la iglesia y a los líderes de las células abrir sus brazos y, como dijo Jesús: "Dejad que los niños vengan a mí". En muchos países los niños están siendo martirizados mientras usted lee esto y se niegan a denunciar el Nombre de Jesús. Ellos pueden estar de pie. ¡Debemos elevar nuestras expectativas y prepararlos, no para el futuro, sino "para este momento"!

Daphne

What If?

daphne

by Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

WHAT IF…

What if we responded to children in the following ways: 

-We decided they were too young to be put into the education system … because it would mean providing age appropriate materials?
-We did not teach them the basic skills of life … because we must allow them the freedom to “be children
-We did not give them a family … because the adults did not want to be distracted by their presence.
-We did not provide basic health care … because it costs us too much.
-We did not give them appropriate attention… because we don’t know how to relate to them.
-We did not equip them for the next stage of life… because we will do it when they get to that stage.
-We never read a parenting book or searched for help … because we were too busy being the best adults we could be.

WHAT IF?

-What a mess we would have in the teen and adult years. We would have the children removed from our care and would be labeled abusers.

WHAT IF …  the church said that children cannot be in cells:

"Because…it would mean providing age appropriate materials; we must allow them the freedom to be children; we do not want to be distracted by their presence; it costs us; we don’t know how to relate to them; we will do it when they get to the next stage; we are too busy being the best adults we can be." Read Matthew 18 and you might just find Jesus calls it “abuse”

Come on church – we can do this! We are here to help you. Send an email and we will be on our way “for of such is the kingdom of heaven”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

E  se?

por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

E SE…

E se nós respondêssemos às crianças das seguintes maneiras:

  • Nós decidimos que elas eram jovens demais para serem colocadas no sistema de ensino… porque isso significaria fornecer materiais apropriados para sua idade? 
  • Nós não lhes ensinamos as habilidades básicas da vida… porque devemos permitir-lhes a liberdade de "ser criança" 
  • Nós não demos a elas uma família… porque os adultos não queriam se distrair com a sua presença. 
  • Nós não lhes fornecemos cuidados básicos de saúde… porque nos custa muito caro. 
  • Nós não demos a devida atenção a elas… porque não sabemos como nos relacionar com elas. 
  • Nós não as preparamos para a próxima fase da vida… porque vamos fazer isso quando elas chegarem nessa fase. 
  • Nós nunca lemos um livro sobre parentalidade ou procuramos ajuda… porque estávamos muito ocupados sendo os melhores adultos que poderíamos ser.

E SE?

  • Que confusão teríamos nos anos de adolescência e na fase adulta. Nós faríamos com que as crianças fossem removidas do nosso cuidado e elas seriam rotuladas de abusivas.

E SE… a igreja dissesse que as crianças não podem ficar nas células:

"Porque… isso significaria fornecer materiais apropriados para a sua idade; nós devemos permitir que elas tenham a liberdade de serem crianças; nós não queremos nos distrair com a presença delas; isso nos custa; nós não sabemos nos relacionar com elas; nós vamos fazer isso quando elas chegarem à próxima fase; nós estamos muito ocupados sendo os melhores adultos que podemos ser". Leia Mateus 18 e você pode descobrir que Jesus chama isso de "desprezo".

Vamos lá igreja – nós podemos fazer isso! Nós estamos aqui para ajudar vocês. Nos envie um e-mail e nós estaremos a caminho “porque deles é o reino dos céus”.

Spanish blog:

¿Y sí?
Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Y sí…

¿Y si le respondemos a los niños de las siguientes maneras:

• Decidimos que eran demasiado jóvenes para ser puesto en el sistema educativo … porque significaría que debemos proveer materiales apropiados para su edad.
• No les enseñamos las habilidades básicas de la vida … porque debemos permitirles la libertad de "ser niños"
• No les dimos una familia … porque los adultos no querían distraerse con su presencia.
• No les brindamos atención básica de la salud … porque es muy costosa.
• No les dimos la debida atención … porque no sabemos cómo relacionarnos con ellos.
• No los equipamos para la siguiente etapa de la vida … porque lo haremos cuando lleguen a esa etapa.
• Nunca leímos un libro para padres o buscaron ayuda … porque estábamos demasiado ocupados siendo los mejores los adultos que podríamos ser.

¿Y sí?

• Qué lío tendríamos con los adolescentes y adultos. Los niños serian retirados de nuestro cuidado y nos etiquetarían como abusadores.

¿Y sí … la iglesia, dijera que los niños no pueden estar en las células:

"Porque … eso significaría proveer materiales apropiados para su edad; les debemos permitir la libertad de ser niños, no queremos ser distraídos por su presencia; nos cuesta; no sabemos cómo relacionarnos con ellos, lo haremos cuando lleguen a la siguiente etapa; estamos demasiado ocupados siendo los mejores los adultos que podemos ser". Lee Mateo 18 y podrías encontrar a lo que Jesús llama "abuso"

Vamos iglesia – ¡Podemos hacer esto! Estamos aquí para ayudarte. Enviar un correo electrónico y estaremos en contacto "porque de los tales es el reino de los cielos"

Training Leaders for Children’s Cell Groups

mario

by Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

When we are speaking of children’s cells, quite often people ask me if the leaders who take care of them are also children. The answer is no. The reason for that is that the leader needs to be a mature person who is able to take responsibility for a group of children. Let us not forget that the responsibility for the safety and care of children in the cell rests on the leader and consequently he cannot be a minor.

Moreover, working with children requires a God-given calling and additional training. In fact, in Elim, the training to become a children’s cell leader is eight months longer than for an adult cell leader. Besides taking the Leader´s Route, which everyone takes, the candidate for a children’s cell leader requires the completion of the Training Centre of Christian Educators (CEFEC). It is during this course that the potential leader learns about pedagogy, the theology of children, and the laws that regulate working with children in the country (policies and protocols of child protection).

Becoming a children’s cell leader is not child’s play. We do, however, allow children and youth to help an adult leader, and we encourage the younger ones to stay involved in the work until they reach the minimum age to start the Leader’s Route.

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Treinando Líderes para Células Infantis

por Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

Quando estamos falando de células infantis, muitas vezes as pessoas me perguntam se os líderes que cuidam delas também são crianças. A resposta é não. A razão para isso é que o líder precisa ser uma pessoa madura que seja capaz de assumir a responsabilidade por um grupo de crianças. Não nos esqueçamos de que a responsabilidade pela segurança e cuidado das crianças na célula está sobre o líder e, consequentemente, ele não pode ser menor de idade.

Além disso, trabalhar com crianças requer um chamado feito por Deus e um treinamento adicional. De fato, na Igreja Elim, o treinamento para se tornar líder de célula infantil é oito meses mais longo do que para liderar uma célula de adultos. Além de fazer o Trilho de Liderança (“Rota do Líder”) que todos devem fazer, o candidato a líder de célula infantil precisa concluir o Centro de Formação de Educadores Cristãos (CFEC). É durante este curso que o líder em potencial aprende sobre pedagogia, teologia de crianças, e as leis que regulam a trabalhar com crianças no país (políticas e protocolos de proteção à criança).

Tornar-se líder de célula infantil não é brincadeira de criança. Nós permitimos, no entanto, que as crianças e jovens ajudem um líder adulto, e nós encorajamos os mais jovens a ficarem envolvidos no trabalho até que atinjam a idade mínima para começar o Trilho de Liderança

Mario

Spanish blog:

Formando líderes para las células infantiles

por Mario Vega

Al hablar de células infantiles, con cierta frecuencia me preguntan si los líderes que las atienden son también niños. La respuesta es no. La razón de ello es que se necesita que el líder sea una persona madura, capaz de asumir la responsabilidad de un grupo de niños. No hay que olvidar que la responsabilidad por la seguridad y el cuidado de los niños en la célula recae sobre el líder y, consecuentemente, no puede ser un menor de edad.

Por otra parte, el trabajo con los niños requiere de vocación y el conocimiento de aspectos adicionales al trabajo con adultos. De hecho, en Elim, la capacitación para ser líder de célula infantil es ocho meses más extensa que para ser líder de células de adultos. Además de cursar la Ruta del Líder que toda persona recibe, el candidato a líder de célula infantil debe asistir también al Centro de Formación de Educadores Cristianos (CEFEC). En ese lugar se capacita a las personas en temas de pedagogía y teología infantil, en las leyes que norman el trabajo con niños en el país, en políticas y protocolos de protección a la niñez.

Como puede verse, el ser líder de célula infantil no es cosa de niños. No obstante, no se desecha el entusiasmo que los niños muestran para asumir posiciones de liderazgo. Se les permite ayudar bajo la supervisión de un líder adulto y se le anima a mantenerse involucrado en el trabajo hasta alcanzar la edad mínina requerida para iniciar la Ruta del Líder.

There’s No Junior Holy Spirit

brian

By Brian Kannel, lead pastor at http://www.yorkalliance.org/ and author of Follow Me 

“I just don’t know if I could concentrate with children in the group.”

“I don’t do well interacting with kids.”

“It’s hard for me to be honest when there are kids in the room.”

“I couldn’t invite my friends to a group that has children in it.”

“Honestly, I just don’t like kids.”

It’s probably the cynic in me, but whenever I hear reasons like this for why people don’t want to be in a cell group with children (which I’ve heard lots of times after 15 years of intergenerational cell ministry), I always have the same internal response. Thankfully, I usually have enough restraint not to verbalize it, but I almost always think it. It goes like this: I take their sentence, whatever it is, and I begin to replace “kids” or “children” with some other demographic group. Single moms. Older folks. Bald-headed, middle aged men. Athletes. Fat people. Skinny people. Left-handed slow pitch softball players. Whatever group of people comes to mind in the moment. And at some point in that mental process, a faint smile comes to my face. (Usually around the time I get to how hard it is to be honest when there are left-handed slow pitch softball players in the room. Who can’t relate to that??) The smile comes as I think about how hilariously offensive it is to make such statements, which seem so logical at the time, about any other group of people in the church.

And interestingly, Jesus never once said “Let the bald-headed, middle aged men come to me.” On a quite personal level I’m quite glad it was implied in the gospel message, but it doesn’t change the fact that He never actually said it. But, of course, He did say it about the children. (Matthew 19:14)

There have been volumes written on the “how” of children within intergenerational groups, and it’s a vitally important topic. However, in the brief space I have left, let me specifically address the “why:”

  1. Children teach us to pray. Nothing is more disarming and moving than the prayer of a child. Jesus called us to have faith like children, and hearing kid’s pray is a great path to developing that faith.
  2. Children are honest. They haven’t learned to put on the “mask” of appropriate behavior, so what you see is what you get. A great model for the rest of us “appropriate folks” in the group.
  3. Children express pure love. One of our deepest needs is to be loved, and no one expresses the deep love of God for us as sincerely and extravagantly as children.
  4. Children are evangelistic. When a child experiences something great, it’s in their nature to tell everyone else about it. So, when they truly experience Jesus, you can bet the whole neighborhood is going to find out about it!

And maybe most importantly, the Holy Spirit doesn’t come in a “junior” size! I love having kids in our group because when they accept Jesus as their Savior, they get a full-size portion of the Holy Spirit in their little bodies! I can’t even number the times that I’ve heard directly from Jesus through the mouth of a child. God can and does speak in profound ways through children—if we’ll take the time to listen.

By the way, the same might be true for left-handed slow pitch softball players. But I wouldn’t know—I could never be honest with one of them in the room.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Não há Espírito Santo Júnior

Por Brian Kannel, pastor principal na http://www.yorkalliance.org/ e autor de Siga-me

• “Eu não sei se eu poderia me concentrar com crianças no grupo”
• “Eu não interajo bem com crianças.”
• “É difícil para mim ser honesto quando há crianças na sala.”
• “Eu não conseguiria convidar meus amigos para um grupo que tenha crianças.”
• “Honestamente, eu não gosto de crianças.”

É provavelmente o cinismo em mim, mas sempre que eu ouço razões como estas para as pessoas não quererem estar em um grupo de células com crianças (o que eu ouvi muitas vezes depois de 15 anos de ministério de células intergeracional), eu sempre tenho a mesma resposta interna. Felizmente, eu costumo ter contenção suficiente para não verbalizá-la, mas eu quase sempre penso nela. É assim: eu pego a frase delas, qualquer que seja, e começo a substituir “crianças” por algum outro grupo demográfico. Mães solteiras. Os mais velhos. Homens carecas de meia idade. Atletas. Pessoas gordas. Pessoas magras. Jogadores de softball canhotos. Seja qual for o grupo de pessoas que vem à mente no momento. E em algum momento nesse processo mental, um leve sorriso vem para o meu rosto. O sorriso vem conforme eu penso sobre o quão hilariamente ofensivo é fazer tais afirmações, que parecem tão lógicas no momento, sobre qualquer outro grupo de pessoas na igreja.

E curiosamente, Jesus nunca disse “Deixai os carecas de meia idade virem a mim.” Em um nível bastante pessoal eu estou bem contente que isso ficou implícito na mensagem do evangelho, mas não muda o fato de Ele nunca ter dito isso. Mas, é claro, Ele disse isso sobre as crianças (Mateus 19:14)

Muito foi escrito sobre o “como” das crianças dentro de grupos intergeracionais, e é um tema de vital importância. No entanto, no curto espaço que me resta, deixe-me abordar especificamente o “porquê:”

Crianças nos ensinam a orar. Nada é mais irresistível e tocante do que a oração de uma criança. Jesus nos chamou para ter fé como crianças, e ouvir a oração de uma criança é um grande caminho para o desenvolvimento dessa fé.

Crianças são honestas. Elas não aprenderam a colocar a “máscara” do comportamento apropriado, então o que você vê é o que você recebe. Um ótimo modelo para o resto de nós, “pessoas apropriadas”, do grupo.

Crianças expressam amor puro. Uma das nossas necessidades mais profundas é ser amado, e nenhum expressa o amor profundo de Deus por nós tão sincera e extravagantemente como crianças.

As crianças são evangelísticas. Quando uma criança experimenta algo grande, é de sua natureza contar para todo mundo sobre isso. Então, quando eles verdadeiramente experimentam Jesus, você pode apostar que o bairro inteiro vai descobrir!

E talvez o mais importante, o Espírito Santo não vem em um tamanho “júnior”! Eu amo ter crianças no nosso grupo, pois quando aceitam Jesus como seu Salvador, elas recebem uma porção de tamanho completo do Espírito Santo em seus corpos pequenos! Eu não posso nem contar as vezes que eu ouvi diretamente de Jesus através da boca de uma criança. Deus pode e fala de maneiras profundas através das crianças- isso se nós tivermos tempo para ouvir.

A propósito, o mesmo pode ser verdade para jogadores de softball canhotos. Mas eu não sei, eu nunca poderia ser honesto com um deles no quarto.

Spanish blog:

No Hay Júnior Espíritu Santo
Por Brian Kannel, pastor principal en http://www.yorkalliance.org/ y autor de Sígueme

• "Yo no sé si yo podría concentrarme con los niños en el grupo"

• "Yo no soy muy interactivo con los niños"

• "Es difícil para mí ser honesto cuando hay niños en el cuarto"

• "No puedo invitar a mis amigos a un grupo que tiene niños"

• "Honestamente, no me gustan los niños"

Es probablemente el cínico en mí, pero cada vez que oigo razones como esta del por qué la gente no quiere estar en un grupo de células con los niños (que he oído muchas veces después de 15 años en el ministerio celular intergeneracional), siempre tengo la misma respuesta interna. Afortunadamente, por lo general tengo suficiente moderación para no verbalizar, pero casi siempre lo pienso. Dice así: tomo su condena, sea lo que sea, y empiezo a sustituir a "niños" con algún otro grupo demográfico. Las madres solteras. La gente mayor. Los calvos, hombres de mediana edad. Atletas. Gente gorda. Gente delgada. Jugadores Zurdos de softbol de lanzamiento lento. Sea cual sea el grupo de personas que viene a la mente en este momento. Y en algún momento de ese proceso mental, una leve sonrisa viene a mi cara. (Por lo general, en torno a la vez cuando llego a lo difícil que es ser honesto cuando hay jugadores zurdos de softball de lanzamiento lento en la habitación. ¿Quién no puede relacionarse con eso ??) La sonrisa viene cuando pienso en que tan ofensivo es hacer tales declaraciones, que parecen tan lógico en ese momento, sobre cualquier otro grupo de personas en la iglesia.

Y curiosamente, Jesús nunca dijo una vez: "Dejad que los hombres calvos, de mediana edad vengan a mí". En un nivel muy personal estoy bastante contento por lo implícito que es el mensaje del evangelio, pero eso no cambia el hecho de que Él en realidad nunca lo dijo. Pero, por supuesto, él hablo de los niños. (Mateo 19:14).

Ha habido volúmenes escritos en el "cómo" de los niños dentro de los grupos intergeneracionales, y es un tema de vital importancia. Sin embargo, en el breve espacio que me queda, permítanme abordar específicamente el "por qué".

  1. Los niños nos enseñan a orar. Nada es más desarmante y en movimiento que la oración de un niño. Jesús nos llama a tener fe como niños, y el escuchar la oración de un niño es un gran camino para el desarrollo de la fe.
  2. Los niños son honestos. No han aprendido a ponerse la "máscara" de un comportamiento adecuado, así que lo que ves es lo que obtienes. Un gran modelo para el resto de nosotros, son "personas adecuadas" en el grupo.
  3. Los niños expresan amor puro. Una de nuestras necesidades más profundas es ser amado, y nadie expresa el profundo amor de Dios por nosotros tan sincero y extravagante como los niños.
  4. Los niños son evangelistas. Cuando un niño experimenta algo grande, está en su naturaleza el decirle a todos los demás al respecto. Así que, cuando realmente experimentan a Jesús, usted puede apostar que todo el vecindario se va dar cuenta de lo que sucedió.

Y tal vez lo más importante es, que el Espíritu Santo no viene en un tamaño "junior" Me encanta tener niños en nuestro grupo porque cuando aceptan a Jesús como su Salvador, ellos reciben una porción completa del Espíritu Santo en sus pequeños cuerpos. Ni siquiera puedo contar las veces que he escuchado directamente de Jesús a través de la boca de un niño. Dios puede y habla de manera profunda a través de los niños, si vamos a tomar el tiempo para escucharle.

Por cierto, el mismo podría ser cierto para los jugadores zurdos de softbol de lanzamiento lento. Pero yo no sé, yo nunca podría ser honesto con uno de ellos en la habitación.

Brian

Taking the Long View

brian

By Brian Kannel, lead pastor at http://www.yorkalliance.org/ and author of Follow Me 

We began cell ministry at York Alliance Church in 1999. Our cells (we call them LIFE groups) were almost completely intergenerational by their design—there were older folks, younger folks, middle age parents, and yes, kids. At the time, we developed a quite sophisticated set of materials for our “Kidslot” time, which we required that every single person in the group lead on a rotating basis, regardless of whether or not they preferred to spend time with children. Each week, the last worship song would be completed, we would pray over our kids, and then a thundering herd would jump up and run excitedly out of the room—most weeks followed by two adults trudging behind them with a bit of trepidation.

Over the last 16 years, we’ve relaxed in a variety of ways. The available “Kidslot” material is quite minimal by design, as we work to encourage relational connections between adults and kids. Not every group has kids in it anymore, although the vast majority still do. And while every person is still encouraged/required to be in Kidslot now and then, we don’t ask folks who struggle to engage children to lead in Kidslot—rather, they’re simply encouraged to be helpers.

But something else has happened over those 16 years: the “kids” from those early Kidslots have grown up. They’re high school and college graduates. They’re paying actual taxes. They’re growing ironic beards and wearing skinny jeans. And they’re having kids of their own. Oh, and by the way, many of them are doing all of these things as a part of the church. Not 100%, of course, but far above the national average, at least according to the statistics that I’ve seen. They’re leading worship, serving in Children’s Ministry, serving as youth leaders, and believe it or not, many of them are leading their own LIFE groups!

Having survived hundreds of those early Kidslots, it’s hard for me to imagine that some of those crazy kids from LIFE group are the same people as the godly young adults that I see today. I can assure you that nothing profound was happening in those Kidslot times. I never once witnessed an angelic vision or saw flames of fire dancing on their little heads. Like so much of our spiritual journey, the transformation of Jesus mainly took place in the midst of the mundane faithfulness of every day living. As adults, we committed ourselves to the values of one another, the glory of Jesus, His Word, and the world around us—and we modeled those values to our kids. They were loved by “grandma’s and grandpa’s” and “aunts and uncles” that had no blood relationship with them. They looked up in the stands at their game, or in the audience at their choral concert, and they found a group of adults who had become like family to them. In fact, I don’t think it’s overstating the case to say it this way: They saw Jesus.

There were times that having kids in our cell groups has been difficult. There have been loving but tense conversations about parenting, innumerable spills to clean up, loud interruptions, and of course, that time that I stopped bouncing the baby in my arms as the worship song ended, only to find my white shirt stained yellow from the leaky diaper.

But even with all of that, I would never trade what we’ve received in return. In the moment it might have been tough, but when we take the long view, a generation of Jesus-followers is more than worth it.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Olhando a Longo Prazo

Por Brian Kannel, pastor principal em http://www.yorkalliance.org

Nós começamos o ministério de células na York Alliance Church em 1999. As nossas células (nós as chamamos de grupos VIDA) eram quase completamente intergeracionais; havia pessoas mais velhas, pessoas mais jovens, pais de meia-idade, e sim, crianças. Na época, nós desenvolvemos um conjunto bastante sofisticado de materiais para o nosso tempo com as crianças, e era exigido que cada pessoa do grupo guiasse o momento de uma forma rotativa, independentemente se eles preferiam ou não passar tempo com as crianças. Toda semana nós cantávamos a última canção de adoração, nós orávamos por nossas crianças e, em seguida, um bando trovejante pulava e corria animadamente para fora da sala – na maioria das semanas, as crianças eram seguidas de dois adultos marchando atrás delas com um pouco de receio.

Ao longo dos últimos 16 anos, nós relaxamos de diversas formas. O material disponível para as crianças é mínimo no formato, à medida que nós trabalhamos para incentivar conexões relacionais entre adultos e crianças. Agora nem todos os grupos tem crianças, embora a grande maioria ainda tenha. E, embora cada pessoa ainda seja incentivada/requisitada a fazer parte do momento das crianças, nós não pedimos para pessoas que tem dificuldade para se envolver com crianças para liderarem no momento das crianças. Em vez disso, elas são simplesmente encorajadas a serem ajudantes.

Mas algo além aconteceu ao longo desses 16 anos: as crianças daqueles primeiros momentos infantis cresceram. Eles estão formados no ensino médio e na faculdade. Eles estão pagando impostos reais. Estão deixando crescer barbas engraçadas e estão vestindo jeans justo. E eles estão tendo seus próprios filhos. Ah, e por falar nisso, muitos deles estão fazendo todas essas coisas fazendo parte da igreja. Não 100% deles, é claro, mas muito acima da média nacional, pelo menos de acordo com as estatísticas que eu vi. Eles estão liderando a adoração, servindo no Ministério Infantil, servindo como líderes de jovens, e acredite ou não, muitos deles estão liderando seus próprios grupos VIDA! 

Tendo sobrevivido a centenas daqueles primeiros momentos de crianças, para mim é difícil imaginar que algumas daquelas crianças malucas dos grupos VIDA são os mesmos jovens adultos devotos que eu vejo hoje. Eu posso assegurar a vocês que nada de profundo estava acontecendo naqueles momentos com as crianças. Eu não testemunhei nenhuma vez uma visão angelical ou vi chamas de fogo dançando em suas cabecinhas. Como muito de nossa jornada espiritual, a transformação de Jesus ocorreu principalmente no meio da fidelidade comum da vida diária. Como adultos, nós nos comprometemos com os valores de “uns aos outros”, a glória de Jesus, a Sua Palavra e com o mundo ao nosso redor, e nós modelamos esses valores para as nossas crianças. Elas eram amadas por "avôs e avós" e "tios e tias" que não tinham nenhum laço de sangue com elas. Essas crianças olhavam para cima nas arquibancadas em seus jogos ou para a plateia em seus concertos do coral, e elas encontravam um grupo de adultos que tinha se tornado como uma família para elas. Na verdade, eu não acho que seja um exagero dizer dessa forma: elas viam Jesus.

Houve momentos em que ter crianças nas nossas células era difícil. Houveram conversas amorosas, mas tensas sobre parentalidade, inúmeras bagunças para limpar, interrupções barulhentas, e claro, aquele momento em que eu parei de balançar o bebê em meus braços quando a canção de adoração terminou, só para encontrar minha camisa branca manchada de amarelo da fralda vazando. 

Mas mesmo com tudo isso, eu nunca trocaria o que nós recebemos em troca. No momento pode ter sido difícil, mas quando olhamos a longo prazo, uma geração de seguidores de Jesus vale muito a pena.

Spanish blog:

Tomando la vista larga

Por Brian Kannel, Pastor Principal en http://www.yorkalliance.org

Nosotros comenzamos el ministerio celular en la Iglesia Alianza York en 1999. Nuestras células (las llamamos Grupos de Vida) fueron casi completamente intergeneracional por su diseño, había gente mayor, gente joven, padres de mediana edad, y sí, los niños. En el momento, desarrollamos un conjunto muy sofisticado de materiales para nuestro tiempo con "los niños", lo que nos requiere que cada persona en el grupo lidere en forma rotativa, independientemente de que si o no prefieren pasar tiempo con los niños. Cada semana, la última canción de adoración se completaría, queremos orar por nuestros hijos, y luego una manada atronadora sería saltar y correr con entusiasmo fuera del cuarto -la mayoría de semanas son seguidas de dos adultos caminando penosamente detrás de ellos con un poco de miedo.

En los últimos 16 años, nos relajamos en una variedad de maneras. La disponibilidad de material para el "tiempo de los niños" es mínima por diseño, a medida que trabajamos para fomentar las conexiones relacionales entre adultos y niños. No todos los grupos tienen niños, aunque la gran mayoría todavía tienen. Y mientras cada persona todavía se anima / requerido para estar en el tiempo de los niños de vez en cuando, no pedimos a la gente que lucha por involucrarse a los niños a dirigir el tiempo de los niños -más bien, son simplemente se les anima a ser ayudantes.

Pero algo más ha sucedido en estos 16 años: los "niños" de esos primeros tiempos de niños han crecido. Son los graduados de la secundaria y de la universidad. Están pagando impuestos reales. Están creciendo barbas irónicas y vistiendo jeanes ajustados. Y están teniendo hijos propios. Ah, y, por cierto, muchos de ellos están haciendo todas estas cosas como una parte de la iglesia. No es 100%, por supuesto, pero muy por encima de la media nacional, al menos según las estadísticas que he visto. Están dirigiendo la adoración, sirviendo en el ministerio de niños, sirviendo como líderes de la juventud, y lo creas o no, muchos de ellos están liderando sus propios grupos VIDA.

Habiendo sobrevivido a cientos de esos primeros tiempos de niños, es difícil para mí imaginar que algunos de esos chicos locos de los grupos de la vida son las mismas personas que los adultos jóvenes piadosos que veo hoy. Les puedo asegurar que nada profunda estaba sucediendo en esos momentos en el tiempo de los niños. Nunca presencié una visión angelical o vi llamas de danza del fuego en sus cabecitas. Al igual que gran parte de nuestro viaje espiritual, la transformación de Jesús tuvo lugar sobre todo en medio de la fidelidad de la vida diaria. Como adultos, nos comprometimos a los valores de los otros, la gloria de Jesús, Su Palabra, y el mundo que nos rodea y modelamos esos valores a nuestros hijos. Fueron amados por "la abuela y el abuelo" y "tíos y tías" que no tenía ninguna relación de sangre con ellos. Ellos observaban en las gradas en los juegos, o en la audiencia en su concierto coral, y se encontraron con un grupo de adultos que se habían convertido como una familia para ellos. De hecho, no creo que este exagerando el caso de decirlo de esta manera: Ellos vieron a Jesús.

Hubo momentos en que tener niños en nuestros grupos celulares fue difícil. Hubo conversaciones cariñosas pero tensas sobre crianza de los hijos, innumerables derrames a limpiar, interrupciones fuertes, y por supuesto, el tiempo que dejé de mecer el bebé en mis brazos hasta que la canción de adoración terminé, sólo para encontrar mi camisa blanca manchada amarilla del pañal desechable.

Pero aún con todo eso, yo nunca cambiaría lo que hemos recibido a cambio. En el momento pudo haber sido difícil, pero cuando tomamos la visión a largo plazo, una generación de seguidores de Jesús es más digno para él.

Why Must the Church Invest in Children?

mario

by Marcia Silva, Founder and pastor of children’s cell ministry at the Vine Church (10,000 children’s cells worldwide), http://www.igrejavideira.com/

Children are members of Christ’s Body

The only requirement for someone to be part of the Body is the new birth! Children are among those who believe. Just as the human body, the Body of Christ has members of various sizes. But it’s not the size that determines its value, but the fact that it is a member of the Body. Children need to be recognized as members who need care.

In Matthew 18, Jesus defines how little members of His Body should be treated:

  • And whoever receives one child such as this in my name, receives me. Mt 18: 5. We have to receive the children. This means recognizing them as members of the Body. Churches that have not received the children as part of the Body are disobeying God´s word. On the other hand, churches whose pastors take children as part of their flock, experience growth and God’s blessing.
  • Take heed that ye despise one of these little ones; because I tell you that their angels in heaven continually behold the face of my heavenly Father. Mt 18:10. To disparage is to treat with indifference, to act as if they did not exist. Our attitude should be to pray with them, to motivate them to praise and worship the Lord.
  • So then it is not the will of your heavenly Father that one of these little perish. Mt 18:14. To let them perish means not to evangelize and not properly feed them. Children have spiritual needs as well as adults, they must be met. Children need to grow inside the church knowing they are part of it. Otherwise, they will go out and seek other paths.

We are training a generation of Christ’s disciples

One of the main reasons why the Church should invest in children is because we are called to make disciples. It is important to point out that to form a generation of disciples involves forming a mindset. Before making someone a disciple of Christ, you first need to teach them how to think as a disciple. One reason why Moses’ generation did not enter the land of Canaan is that, although they were free, they had a slave mentality.

If we want to build a church of disciples, we must invest in children’s ministry because forming a mentality is a process that takes time, certainly a period that lasts throughout childhood. For, after twelve years of age, our mind is already made up.

To form conquerors implies to invest in their potential! Children have tremendous potential; we just need to believe! When God called me to work with children, I asked Him why Aluízio, my husband, had been called to form leaders, but I had been called to something so different. God’s answer surprised me and completely changed my outlook towards children, as He told me: "When you look at the kids, see leaders" The Church needs to wake up! God calls us to build a church of disciples of Christ, where each member is a priest, a leader in the house of God. And that should begin in childhood.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Por Que a Igreja Deve Investir nas Crianças?

por Marcia Silva, Fundadora e pastora do ministério celular infantil na Igreja Videira (10,000 células de crianças no mundo todo), http://www.igrejavideira.com/

As crianças são membros do Corpo de Cristo

O único requisito necessário para alguém fazer parte do Corpo é nascer de novo! As crianças estão estre os que creem.  Assim como o corpo humano, o Corpo de Cristo tem membros de vários tamanhos. Contudo, não é o tamanho que determina seu valor, mas o fato de ser um membro do Corpo. As crianças precisam ser reconhecidas como membros que precisam de cuidado.

Em Mateus 18, Jesus define como os pequenos membros de Seu corpo devem ser tratados:

  • Quem recebe uma destas crianças em meu nome, está me recebendo. Mt 18:5. Nós precisamos receber as crianças. Isso significa reconhecê-las como membros do Corpo. As igrejas que não têm recebido as crianças como parte do Corpo estão desobedecendo à palavra de Deus. Por outro lado, as igrejas cujos pastores têm as crianças como parte de seu rebanho, experimentam o crescimento e a benção de Deus.
  • Cuidado para não desprezarem um só destes pequeninos! Pois eu lhes digo que os anjos deles nos céus estão sempre vendo a face de meu Pai celesteMt 18:10. Desprezar é tratar com indiferença, agir como se eles não existissem. Nossa atitude deveria ser orar com eles, motivá-los a louvar e adorar o Senhor. 
  • Da mesma forma, o Pai de vocês, que está nos céus, não quer que nenhum destes pequeninos se perca. Mt 18:14. Deixá-los se perderem significa não evangelizá-los e não alimentá-los corretamente. As crianças têm necessidades espirituais assim como os adultos, e elas precisam ser atendidas. As crianças precisam crescer dentro da igreja sabendo que elas fazem parte dela. Se não, elas vão sair e buscar outros caminhos.

Nós estamos treinando uma geração de discípulos de Cristo

Uma das principais razões pelas quais a Igreja deve investir nas crianças é porque nós somos chamados a fazer discípulos. É importante ressaltar que formar uma geração de discípulos envolve formar uma mentalidade. Antes de fazer com que alguém seja um discípulo de Cristo, você precisa primeiro ensiná-lo a pensar como um discípulo. Um dos motivos da geração de Moisés não ter entrado na terra de Canaã é porque, embora eles fossem livres, eles tinham uma mentalidade de escravos.

Se nós queremos construir uma igreja de discípulos, nós devemos investir no ministério infantil, porque formar uma mentalidade é um processo que leva tempo e é certamente um período que dura por toda a infância. Para que, depois dos doze anos de idade, a nossa mente já esteja formada.

Formar conquistadores implica em investir em seu potencial! As crianças têm um potencial tremendo; nós só precisamos acreditar! Quando Deus me chamou para trabalhar com crianças, eu perguntei a Ele por que Aluízio, meu marido, foi chamado para formar líderes, mas eu fui chamada para algo tão diferente. A resposta de Deus me surpreendeu e mudou completamente a minha visão sobre as crianças, Ele me disse: “Quando você olhar para as crianças, veja líderes”. A Igreja precisa acordar! Deus nos chama para construirmos uma igreja de discípulos de Cristo, onde cada membro é um sacerdote, um líder na casa de Deus. E isso deveria começar na infância.

Spanish blog:

¿Por qué la Iglesia debe invertir en los niños?
Por Marcia Silva, fundadora y pastora del ministerio celular de los niños en la Iglesia de la Viña (10.000 células de niños en todo el mundo), http://www.igrejavideira.com/

Los niños son los miembros del Cuerpo de Cristo

¡El único requisito para que alguien sea parte del Cuerpo es nacer de nuevo! Los niños se encuentran entre los que creen. Así como el cuerpo humano, el Cuerpo de Cristo tiene miembros de diferentes tamaños. Pero no es el tamaño lo que determina su valor, lo importante es que es un miembro del Cuerpo. Los niños necesitan ser reconocidos como miembros que necesitan atención.

En Mateo 18, Jesús define cómo deben ser tratados los pequeños miembros de su Cuerpo:

  • Y el que reciba a un niño como éste en mi nombre, a mí me recibe. Mt 18: 5. Tenemos que recibir a los niños. Esto significa reconocerlos como miembros del Cuerpo. Las iglesias que no han recibido los niños como parte del Cuerpo están desobedeciendo la palabra de Dios. Por otra parte, las iglesias cuyos pastores toman a los niños como parte de su rebaño, experimentan un crecimiento y la bendición de Dios.
  • Mirad que no menospreciéis a uno de estos pequeños; porque os digo que sus ángeles en los cielos ven siempre el rostro de mi Padre que está en los cielos. Mt 18:10. Desprestigiar es tratar con indiferencia, o actuar como si no existieran. Nuestra actitud debe ser para orar con ellos, para motivarlos a la alabanza y adoración al Señor.
  • Así, no es la voluntad de vuestro Padre que está en los cielos, que se pierda uno de estos pequeños. Mt 18:14. Dejarlos perecer significa no evangelizarles y no darles de comer correctamente. Los niños tienen necesidades espirituales, así como los adultos, que se deben cumplir. Los niños necesitan crecer dentro de la iglesia sabiendo que son parte de ella. De lo contrario, van a salir a buscar otros caminos.

Estamos formando una generación de discípulos de Cristo

Una de las principales razones por las que la Iglesia debería invertir en los niños es porque somos llamados a hacer discípulos. Es importante señalar que para formar una generación de discípulos implica la formación de una mentalidad. Antes de hacer a alguien un discípulo de Cristo, primero tiene que enseñarles a pensar como un discípulo. Una razón por la cual la generación de Moisés no entró en la tierra de Canaán es que, a pesar de que eran libres, tenían una mentalidad de esclavitud.

Si queremos construir una iglesia de discípulos, debemos invertir en el ministerio de los niños por que formar una mentalidad es un proceso que toma tiempo, sin duda, un período que dura toda la infancia. Porque, después de los doce años de edad, pensamos diferente.

¡El formar conquistadores implica invertir en su potencial! ¡Los niños tienen un enorme potencial; sólo tenemos que creer! Cuando Dios me llama para trabajar con los niños, yo le pregunté por qué Aluízio, mi marido, había sido llamado a formar líderes, pero yo había sido llamada a algo tan diferente. La respuesta de Dios me sorprendió y cambió completamente mi perspectiva hacia los niños, cuando Él me dijo: "Cuando veas a los niños, ve líderes" ¡La Iglesia necesita despertar! Dios nos llama a construir una iglesia de discípulos de Cristo, donde cada miembro es un pastor, un líder en la casa de Dios. Y eso debería comenzar en la infancia.

Why Must the Church Invest in Children?

mario

God works from generation to generation

by Marcia Silva, Founder and pastor of children’s cell ministry at the Vine Church (10,000 children’s cells worldwide), http://www.igrejavideira.com/

As in a relay race, where the athletes must pass on the baton to their teammate to finish their part of the race, each generation has a responsibility to pass the baton of faith to the next generation. We cannot be winners if we ignore the next generation. We should not focus only on running for the first 100 meters. We have to think about the whole race.
That’s how God works. That’s why God  calls himself the God of "generation to generation". Psalm 146: 10

The truth is that God is interested in using a generation to reach the next. Moses’ life is a great example. In Exodus we see God calling Moses to deliver His people from slavery. And God appears to him as the God of generations. Ex: 3:15 God did not just want to present Himself as the God of their fathers, but He clearly wanted to show Moses that the work he was about to accomplish would have repercussions for generations to come. God is omniscient, He knew that Pharaoh would try to negotiate with Moses, as indeed he did. Moses was tested by Pharaoh when he tried to negotiate with him the lives of children, so that they stay in Egypt.

Pharaoh said, The LORD be with you  – if I  let you go along with your children.  Clearly you are bent on evil. Ex 10:10

Moses said … “Not a hoof is to be left behind!” Ex 10:26

Moses’ response shows that he discerned his calling, which was to bring the people into the land of Canaan, and that included children. Today, we find ourselves facing a similar situation regarding the children that God entrusts to us. We know that Pharaoh symbolizes the devil, and Egypt, the world. God has given us an order as Church to go and preach the gospel to "every creature", that is, every human being, including children.

The Church has gone to many places, but the problem continues when the devil tries to negotiate the lives of children. How does he do this? Just as Pharaoh did, trying to convince pastors, leaders and parents that children do not need to go out of Egypt, they do not need salvation, that parents can go to the church meeting and leave the kids at home, in front of the television: “They are small, they do not need it now.” We negotiate with the devil when we sit every Sunday delighting with the sermons and forget that many children suffer from spiritual starvation in the local churches; when we think that working with children is an entertainment and we put anyone to distract them; when we invest in adults and give what is left to the children.

That has been the mindset of our generation. Church leadership has often negotiated salvation of children. But the time has come to change! We stand as a church to declare to the spiritual world, like Moses, that no hoof be left behind!

Korean blog (click here)

Spanish blog:

¿Por qué debe la Iglesia Invertir en los niños? Dios trabaja de generación en generación
Por Marcia Silva, fundador y pastor del ministerio celular de los niños en la iglesia Viña (10.000 células infantiles en todo el mundo), http://www.igrejavideira.com/

Como en una carrera de relevos, donde los atletas deben pasar la batuta a su compañero de equipo para terminar su parte de la carrera, cada generación tiene la responsabilidad de pasar la batuta de la fe a la siguiente generación. No podemos ser ganadores si ignoramos la próxima generación. No debemos concentrarnos sólo en los primeros 100 metros. Tenemos que pensar en toda la carrera. Así es como trabaja Dios. Es por eso que Dios se llama a sí mismo el Dios de "generación en generación".             Salmo 146: 10

La verdad es que Dios está interesado en usar una generación para alcanzar la siguiente. La vida de Moisés es un gran ejemplo. En Éxodo vemos que Dios llama a Moisés para liberar a su pueblo de la esclavitud. Y Dios se le aparece como el Dios de las generaciones. Ex: 3:15 Dios no sólo quiere presentarse como el Dios de sus padres, sino que claramente quería mostrar a Moisés que el trabajo que él estaba a punto de lograr tendría repercusiones para las generaciones venideras. Dios es omnisciente, Él sabía que el faraón trataría de negociar con Moisés, como en efecto lo hizo. Moisés fue probado por el Faraón cuando trató de negociar con él la vida de los niños, para que se mantengan en Egipto.

El faraón dijo: ¡Así sea Jehová con vosotros! ¿Cómo os voy a dejar ir a vosotros y a vuestros niños? ¡Mirad cómo el mal está delante de vuestro rostro! Ex 10:10

Moisés dijo … "No quedara ni una pezuña!" Ex 10:26

La respuesta de Moisés muestra que él discernió su vocación, que iba a llevar al pueblo a la tierra de Canaán, y que incluyó a los niños. Hoy en día, nos encontramos ante una situación similar con respecto a los niños que Dios nos confía. Sabemos que el Faraón simboliza el diablo, y Egipto, el mundo. Dios nos ha dado una orden como Iglesia de ir y predicar el evangelio a "toda criatura", es decir, todos los seres humanos, incluyendo los niños.

La Iglesia ha ido a muchos lugares, pero el problema continúa cuando el diablo intenta negociar con las vidas de los niños. ¿Cómo hace él esto? Así como lo hizo Faraón, tratando de convencer a los pastores, líderes y padres que los niños no tienen que salir de Egipto, que no necesitan la salvación, que los padres pueden ir a la reunión de la iglesia y dejar a los niños en casa, en frente de la televisión: "Son pequeños, no necesitan ir ahora". Negociamos con el diablo cuando nos sentamos todos los domingos deleitándonos con las predicaciones y nos olvidamos de que muchos niños sufren de hambre espiritual en las iglesias locales; cuando pensamos que el trabajo con los niños es un entretenimiento y ponemos a cualquier persona para distraerlos; cuando invertimos en los adultos y damos lo que sobra a los niños.

Esa ha sido la mentalidad de nuestra generación. El liderazgo de la Iglesia a menudo ha negociado la salvación de los niños. ¡Pero ha llegado el momento de cambiar! ¡Nos ponemos en pie como iglesia para declarar al mundo espiritual, como Moisés, que ninguna pezuña quedará atrás!

Marcia

Portuguese blog:

Por Que a Igreja Deve Investir nas Crianças? Deus trabalha de geração em geração 

por Marcia Silva, Fundadora e pastora do ministério celular infantil na Igreja Videira (10.000 células de crianças no mundo todo), http://www.igrejavideira.com/

Como em uma corrida de revezamento, onde os atletas devem passar o bastão para seu companheiro de equipe para terminar a sua parte da corrida, cada geração tem a responsabilidade de passar o bastão da fé para a próxima geração. Nós não podemos ser vencedores se ignorarmos a próxima geração. Nós não devemos nos concentrar em correr apenas para os primeiros 100 metros. Temos que pensar em toda a corrida. É assim que Deus trabalha. É por isso que Deus chama a si mesmo de o Deus da "geração em geração" – Salmos 146: 10.

A verdade é que Deus está interessado em usar uma geração para alcançar a próxima. A vida de Moisés é um grande exemplo. Em Êxodo vemos Deus chamando Moisés para libertar Seu povo da escravidão. E Deus aparece a ele como o Deus das gerações – Êxodo 3:15. Deus não queria apenas apresentar a Si mesmo como o Deus de seus pais, mas Ele claramente queria mostrar a Moisés que o trabalho que Ele estava prestes a realizar teria repercussões para as gerações vindouras. Deus é onisciente, Ele sabia que Faraó ia tentar negociar com Moisés, como de fato ele fez. Moisés foi testado pelo Faraó quando ele tentou negociar com Moisés a vida das crianças para que elas ficassem no Egito.

Faraó disse: “Seja o Senhor assim convosco, como eu vos deixarei ir a vós e a vossos filhos; olhai que há mal diante da vossa face” Êxodo 10:10.

Moisés disse… “Nem uma unha ficará!” Êxodo 10:26.
  
A resposta de Moisés mostra que ele discerniu seu chamado que era levar as pessoas para a terra de Canaã, e isso incluía crianças. Hoje, encontramo-nos perante uma situação semelhante em relação às crianças que Deus nos confia. Nós sabemos que o Faraó simboliza o diabo e o Egito simboliza o mundo. Deus nos deu uma ordem como Igreja para ir e pregar o Evangelho a "toda criatura", isto é, a todos os seres humanos, incluindo crianças.

A Igreja tem ido a muitos lugares, mas o problema continua quando o diabo tenta negociar a vida das crianças. Como ele faz isso? Assim como o Faraó fez, tentando convencer os pastores, líderes e pais de que as crianças não precisam sair do Egito, elas não precisam de salvação, que os pais podem ir para a reunião da igreja e deixar as crianças em casa na frente da televisão: "eles são pequenos, eles não precisam disso agora". Nós negociamos com o diabo quando nos sentamos todos os domingos apreciando os sermões e nos esquecemos de que muitas crianças sofrem de fome espiritual nas igrejas locais; quando pensamos que o trabalho com as crianças é um entretenimento e colocamos qualquer pessoa para distraí-las; quando investimos em adultos e damos o que sobra para as crianças. 

Essa tem sido a mentalidade da nossa geração. A liderança da Igreja frequentemente tem negociado a salvação das crianças. Mas chegou a hora de mudar! Nos posicionamos como uma Igreja para declarar ao mundo espiritual, como Moisés, que nem uma unha ficará!

The Children’s Cells Are Changing the National Reality

mario

by Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

El Salvador is currently the country with the highest murder rate in the world. The reason for so much death is because of gang violence among the youth. According to UNICEF, El Salvador has the highest rate of murders among children of any other country on the earth. Often the gangs are comprised of children killing other children. The reason why minors decide to join gangs is because they live in a situation of overwhelming humiliation. The humiliation originates because of such factors as negligence, migration of parents, poverty, abuse, and bad treatment in general. Children join gangs in search of the family they never had.

The problem of youth violence is getting worse instead of better. The country’s future is compromised by the lack of a national policy of youth violence prevention. In response, the church becomes the hope of society. The church is the one that can take in abused children, adopt them, give them emotional stability, and offer them an alternative family. The important thing is to reach these children before the gangs get to them. Currently, the Elim Church cares for approximately 28,000 children in its children’s cells. The goal is to reach 100,000 children in order to produce a significant impact. The purpose is not only to save children from eternal death but also to save them from dying early. Literally.

That’s the inspiration that moves leaders of children’s cells: the faith that the power of the gospel can fill the deep needs of children. And that children can find a community who receives them with love and understanding. We are confident that the church can change that reality and that it can do it by extending its influence through children’s cell group.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

As Células de Crianças Estão Transformando a Realidade Nacional

por Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

Atualmente, El Salvador é o país com a maior taxa de homicídios do mundo. A razão para tantas mortes é devido à violência de gangues entre os jovens. De acordo com a UNICEF, El Salvador tem a taxa mais alta de homicídios entre crianças do que qualquer outro país do mundo. Frequentemente, as gangues são compostas de crianças que matam outras crianças. A razão pela qual os menores decidem se juntar às gangues é porque eles vivem uma humilhação esmagadora. A humilhação é decorrente de fatores como negligência, migração dos pais, pobreza, abusos, e maus tratos em geral. As crianças se unem às gangues em busca da família que elas nunca tiveram.

O problema da violência entre os jovens está piorando ao invés de melhorar. O futuro do país está comprometido pela falta de uma política nacional para prevenção de violência na juventude. Em resposta a isso, a Igreja se torna a esperança da sociedade. A Igreja é quem pode pegar as crianças que sofreram abusos, adotá-las, dar-lhes estabilidade emocional e lhes oferecer uma família alternativa. O importante é alcançar essas crianças antes das gangues. Atualmente, a Igreja Elim cuida de aproximadamente 28.000 crianças em suas células infantis. O objetivo é alcançar 100.000 crianças a fim de produzir um impacto significativo. O propósito não é só salvar as crianças da morte eterna, mas também salvá-las de uma morte precoce. Literalmente.

Essa é a inspiração que move os líderes das células de crianças: a fé de que o poder do Evangelho pode preencher as profundas necessidades das crianças. E essas crianças podem encontrar uma comunidade que as recebem com amor e compreensão. Nós temos confiança de que a igreja pode mudar essa realidade e que isso pode ser feito ao estender a sua influência através das células infantis.

Spanish blog:

Las Células Infantiles Cambiando la Realidad Nacional

por Mario Vega

El Salvador es actualmente el país con mayor índice de asesinatos en el planeta. La razón de tanta muerte es la violencia de las pandillas juveniles. De acuerdo a UNICEF, El Salvador es el país donde más niños se asesinan en el mundo. Las pandillas son niños matando a otros niños. La razón por la que los menores de edad deciden ingresar a las pandillas es porque viven en una situación de humillación abrumadora. La humillación se origina en factores de riesgo tales como la negligencia, la migración de los padres, la pobreza, el abuso y, en general, el mal trato. Los niños se incorporan a las pandillas en busca de la familia que nunca tuvieron.

El problema de la violencia juvenil va empeorando en lugar de mejorar. El futuro del país se ve comprometido por la falta de una política nacional de prevención a la violencia juvenil. Ante ello, la iglesia se convierte en la esperanza de la sociedad. La iglesia es la que puede acoger a los niños maltratados para adoptarlos emocionalmente y brindarles una familia alterna antes que lo hagan las pandillas. Actualmente, la iglesia Elim atiende a un aproximado de 28,000 niños en sus células infantiles. La meta es poder llegar a los 100,000 niños con el fin de impactar de manera significativa. El propósito no solo es salvar a los niños de la muerte eterna sino también salvarlos de la muerte. Literalmente.

Esa es la inspiración que mueve a los líderes de células infantiles: la fe que el poder del evangelio puede llenar las profundas necesidades de afecto de la niñez y que la iglesia puede ser la comunidad que les reciba con amor y comprensión. Estamos seguros que la iglesia puede cambiar esa realidad y puede hacerlo extendiendo su influencia a través de las células infantiles.