Shepherds Love Sheep

jeff

by Jeff Tunnell

People learn to love others after the Holy Spirit brings the new birth and a witness of being family.  Some of the members of the body rise up to lead others motivated by their love and servant’s heart.  These are the shepherds that will care for the flock of God, willingly, as exhorted by Peter. (1 Peter 5:1-4)

Let us empower them to aid the maturing process of His flock.  Flocks are small enough for each sheep to know the master’s voice as he calls them by name. (John 10:1-5)  This is a sweet picture of a cell group with its own leader.

Clan leaders, father figures, elders, tribal leaders and other well known trusted guides in a community are sought out and relied upon for senior wisdom about living.  When the gospel comes to these men & women, salvation can sweep through the families, especially those living in group cultures.  Reliable and responsible in the past and now with their hearts surrendered to Christ, many become natural shepherds for God’s flock.

Others of all ages receive training to arrive at and accomplish what God has birthed within their spirit (heart).  With a strong desire to serve by leading, they become equipped to accept the call of God.

Cell leaders are responding to the heart of God for His people.  They are not reduced to Bible study guides or weekly babysitters for immature believers.  They are mature, respected, Holy Spirit indwelled shepherds who will give their lives for the sheep.  Willingly they serve, offering up major portions of their time.  They develop the gifts of the Spirit and grow in their faith in order to better lead others who are hungering for the sweet grass of God’s pasture.

We esteem them highly. We esteem you highly.  You are the contemporary demonstration of Psalm 23!

Jeff

Korean blog (click here)

Portuguese:

Pastores Amam Ovelhas

por Jeff Tunnell

As pessoas aprendem a amar os outros depois que o Espírito Santo traz o novo nascimento e um testemunho de família. Alguns dos membros do Corpo, motivados por seu amor e coração de servo, se levantam para liderar os outros. Esses são os pastores que vão cuidar do rebanho de Deus, de bom grado, como exortados por Pedro (1 Pedro 5:1-4).

Nós devemos capacitá-los para auxiliar o processo de amadurecimento do seu rebanho. Rebanhos são pequenos o suficiente para cada ovelha conhecer a voz do mestre quando ele as chama pelo nome (João 10:1-5). Esta é uma imagem doce de uma célula com o seu próprio líder.

Líderes de clãs, figuras paternas, anciãos, líderes tribais e outros guias confiáveis bem conhecidos em uma comunidade são procurados e confiados pelas pessoas em busca de sabedoria antiga sobre a vida. Quando o evangelho vem a estes homens e mulheres sábios, a salvação pode correr através das famílias, especialmente naquelas que vivem em culturas de grupo. Confiáveis e responsáveis no passado e agora com o coração rendido a Cristo, muitos se tornam pastores naturais para o rebanho de Deus.

Outras pessoas de todas as idades recebem treinamento para alcançar e realizar o que Deus fez nascer no seu espírito (coração). Com um forte desejo de servir liderando, elas são equipadas para aceitar o chamado de Deus.

Líderes de célula estão respondendo ao coração de Deus pelo Seu povo. Eles não são reduzidos a guias de estudo da Bíblia ou a babás semanais para os crentes imaturos. Eles são maduros, respeitados, pastores em que o Espírito Santo habita, que dão suas vidas pelas ovelhas. Eles servem de boa vontade, ofertando grandes porções de seu tempo. Eles desenvolvem os dons do Espírito Santo e crescem na sua fé, a fim de conduzir melhor os outros que estão famintos para a grama doce das pastagens de Deus. 

Nós os temos em alta estima. Nós te temos em alta estima. Você é a demonstração contemporânea do Salmo 23!

Jeff

Spanish:

Los pastores aman las ovejas

Por Jeff Tunnell

La gente aprende a amar a los demás después de que el Espíritu Santo trae el nuevo nacimiento y un testigo de ser familia. Algunos de los miembros del cuerpo se levantan para dirigir a otros motivados por su amor y su corazón de siervo. Estos son los pastores que cuidan el rebaño de Dios, dispuestos como lo exhortado por Pedro. (1 Pedro 5: 1-4)

Vamos a darles la posibilidad de ayudar al proceso de maduración de su rebaño. Los rebaños son lo suficientemente pequeños para que cada oveja conozca la voz del maestro cuando él los llama por su nombre. (Juan 10: 1-5) Esta es una imagen dulce de un grupo celular con su propio líder.

Los líderes del clan, figuras paternas, ancianos, líderes tribales y otras guías de confianza conocidos en una comunidad son buscados y se confían en su sabiduría de alto nivel acerca de la vida. Cuando el evangelio viene a estos hombres y mujeres, la salvación puede barrer a través de la familia, especialmente los que viven en las culturas de grupo. Son fiables y responsable en el pasado y ahora con sus corazones entregados a Cristo, muchos se convierten en pastores naturales para el rebaño de Dios.

Otros de todas las edades reciben entrenamiento para llegar a lograr lo que Dios ha dado a luz dentro de su espíritu (corazón). Con un fuerte deseo de servir por los que dirigen, ellos se equipan para aceptar el llamado de Dios.

Los líderes celulares están respondiendo al corazón de Dios para su pueblo. Ellos no se reducen a las guías de estudio bíblico o niñeras semanales para los creyentes inmaduros. Ellos son maduros, respetado, pastores donde more el espíritu santo los cuales darán su vida por las ovejas. Dispuestos a servir, ofreciendo porciones importantes de su tiempo. Ellos desarrollan los dones del Espíritu y crecen en su fe para dirigir mejor a los demás que están hambrientos de la hierba dulce de los pastos de Dios.

Les estimamos altamente. te estimamos altamente. ¡Usted es la manifestación contemporánea del Salmo 23!

Jeff

The Leader Doing the Work of the Ministry

mario

by Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

The main job of the ministers is to enable the saints to do the work of the ministry (Ephesians 4: 11-12). Doing the work of the ministry involves the edification, evangelization and fellowship. These three components are present in a balanced cell. The old separation between clergy and laity is completely foreign to the teaching of the New Testament, which teaches the universal priesthood of all believers

Granted, there are Ministers dedicated full time to the work of the ministry. And there are Christians who develop their priesthood in all areas of life: family, work, society, etc. (all areas where they move and where they become light of the earth). They are not dedicated exclusively to the work of the ministry as full-time ministers in the church; but they do live every day from the perspective of being salt in the midst of a lost world.

The cells are the best environment for all Christians to exercise their God-given gifts. In the cell, believers build each other up, exhort one-another, confess their faults and correct each other with the word of God. Cell ministry allows each believer to practice the universal priesthood as each believer expand his or her knowledge of God by applying Scripture. Thus, the church extends its evangelistic arms reaching out to others who still do not know Jesus. The gospel goes from house to house and continues generating new leaders who will continue the work of the ministry.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Líder Fazendo a Obra do Ministério

por Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

A principal tarefa dos ministros é capacitar os santos para fazer a obra do ministério (Efésios 4:11-12). Fazer a obra do ministério envolve edificação, evangelização e comunhão. Esses três componentes estão presentes em uma célula equilibrada. A antiga separação entre clérigos e leigos é completamente estranha ao ensinamento do Novo Testamento, que ensina o sacerdócio universal de todos os convertidos.

Há ministros que se dedicam em tempo integral para a obra do ministério, e há cristãos que desenvolvem seu sacerdócio em todas as áreas de suas vidas: família, trabalho, sociedade, etc. (todas as áreas em que eles se movem e onde se tornam luz do mundo). Eles não se dedicam exclusivamente à obra do ministério como os ministros em tempo integral da igreja; mas eles vivem todos os dias a partir da perspectiva de ser sal no meio de um mundo perdido.

As células são o melhor ambiente para todos os cristãos exercerem seus dons dados por Deus. Na célula os convertidos edificam uns aos outros, exortam uns aos outros, confessam suas falhas e corrigem uns aos outros com a Palavra de Deus. O ministério celular permite que cada convertido pratique o sacerdócio universal conforme expande seu conhecimento de Deus ao aplicar as Escrituras. Assim, a Igreja estende os seus braços evangelísticos, alcançando aqueles que ainda não conhecem a Jesus. O Evangelho segue de casa em casa e continua gerando novos líderes que vão continuar a obra do ministério.

Spanish blog:

El líder haciendo la obra del ministerio

por Mario Vega

El propósito de los ministros es capacitar a los santos para que hagan la obra del ministerio (Efesios 4:11-12). Hacer la obra del ministerio implica los componentes de la edificación, evangelización y comunión. Precisamente los tres componentes que están presentes en una célula equilibrada. La antigua separación entre clérigos y laicos es un pensamiento inverso a la enseñanza del Nuevo Testamento que presenta el involucramiento de todos los laicos en la obra del ministerio. Cada cristiano ejerciendo el sacerdocio universal de los creyentes.

Existen los ministros dedicados a tiempo pleno a la obra del ministerio. Y existen los cristianos que desarrollan su sacerdocio en todas las áreas de la vida: la familia, el trabajo, la sociedad, es decir, en todos los ámbitos donde se mueven y donde llegan a ser luz de la tierra. No están dedicados exclusivamente a la obra del ministerio como los ministros de tiempo pleno; pero, sí viven cada día desde la perspectiva de ser sal en medio de un mundo perdido.

Las células es el ambiente donde los cristianos ejercen sus dones y la gracia que Dios les ha conferido. Se edifican mutuamente, se exhortan, se confiesan sus faltas y se corrigen mutuamente con la palabra de Dios. En el ejercicio del sacerdocio universal los cristianos se fortalecen y amplían su conocimiento de Dios pues aprenden, haciendo. De esa manera, la iglesia extiende sus brazos evangelizadores alcanzando a otros que aún no conocen a Jesús. El evangelio pasa de casa en casa y continúa generando nuevos líderes que continuarán con la obra del ministerio.

The Cells Is The Church

ralph

by Ralph Neighbour

A seminary professor in California greeted me with these words: “I have heard about you. You are encouraging Sunday School classes to meet in homes, right? Don’t you think that is dangerous? That may lead to false doctrines being taught.”

I winced, realizing he was preparing future pastors with that ignorant view of the cell movement. He was imprisoned in a mental paradigm that was impenetrable. His whole world would collapse if he saw “church” as Basic Christian Communities functioning outside his little cubicle called “church.” He did not know he was trapped in the doctrine of the Nicolaitans, separating clergy from laity, unknowingly limiting the life of the true body of Christ.

The traditional churchman thinks of an audience gathered in pews as the most significant meeting of the week. Small groups are merely “holding tanks” for the sheep, necessary for them to make some close friends so they will not be so attracted to leave the fold for another competitive pasture down the road. Example: the pastor of the largest church in Texas specifically instructs his small group pastor to develop the groups as a feeder to the main event in the former basketball arena–not for maturing new believers. He specifically instructed him not to make them home cells.

The ministry of all body members is to first penetrate the unreached by living in pairs in their homes, eating and drinking with them and offering their peace (Like 10). They are then to invite these searchers to observe their home group “prophesying” (described in 1 Cor. 14:3 as “strengthening, encouraging and comforting”). They are then to disciple  in the cell, through the levels of being a little child, a young man, to become a father (1 John 2:12-14).

This is the authentic life of Christ’s body! Tragically, 98% of the traditional “church”  and a high percentage of small groups never experience anything even close to this experience as described in 1 Cor. 14:24-25.

The traditional church cannot understand that THE CELL IS THE CHURCH! Nor, how the Kingdom of God is demonstrated not with words but with supernatural power. Their admirable focus on the written word falls short. Like the Pharisees, they search the scriptures thinking they bring life but miss out on the reality of the Presence and Power manifested by the indwelling Christ in cell life.

How sad!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Célula É A Igreja

por Ralph Neighbour

Um professor de seminário na Califórnia me cumprimentou com estas palavras: "Eu ouvi falar de você. Você está incentivando as classes da Escola Dominical a se reunirem em casa, certo? Você não acha que isso é perigoso? Isso pode levar ao ensinamento de falsas doutrinas".

Eu estremeci, percebendo que ele estava preparando futuros pastores com essa visão ignorante do movimento celular. Ele estava preso em um paradigma mental que era impenetrável. Todo o seu mundo entraria em colapso se ele visse a "Igreja" como comunidades cristãs básicas funcionando fora do seu pequeno cubículo chamado "igreja." Ele não sabia que estava preso na doutrina dos nicolaítas, separando o clero do leigo e, sem saber, limitando a vida do verdadeiro Corpo de Cristo.

O homem da igreja tradicional vê uma plateia reunida em bancos como a reunião mais significante da semana. Os pequenos grupos estão meramente contendo o rebanho e são necessários para que os membros façam alguns amigos próximos, para que não se sintam atraídos a deixar o aprisco em busca de outro pasto competitivo no caminho. Por exemplo: o pastor da maior igreja no Texas especificamente instrui seu pastor de pequenos grupos a desenvolver os grupos como um alimentador para o evento principal na antiga arena de basquete – e não para o amadurecimento dos novos convertidos. Ele especificamente o instruiu a não torná-las células de origem.

O ministério de todos os membros do corpo é primeiro penetrar os não alcançados através da vivência em pares em suas casas, comendo e bebendo com eles e oferecendo-lhes a sua paz (como 10 pessoas). Depois, eles vão convidar essas pessoas a observar seu grupo “profetizando" (descrito em 1 Coríntios 14:3 como "edificação, encorajamento e consolação"). Então, eles vão discipular na célula, através dos níveis de ser uma criança, um jovem, para se tornar um pai (1 João 2:12-14).

Esta é a autêntica vida do Corpo de Cristo! Tragicamente, 98% da "igreja" tradicional e uma alta porcentagem de pequenos grupos nunca experimentam qualquer coisa perto dessa experiência como está descrita em 1 Coríntios 14:24-25.

A igreja tradicional não consegue entender que a CÉLULA É A IGREJA! Nem como o Reino de Deus é demonstrado não com palavras, mas com poder sobrenatural. Seu foco admirável na palavra escrita é insuficiente. Como os fariseus, eles examinam as Escrituras pensando que elas trazem vida, mas perdem a realidade da presença e do poder manifestado por Cristo que habita na vida celular.

Que triste! 

Ralph

Spanish blog:

Las células son la Iglesia

Por Ralph Neighbour

Un profesor del seminario en California me saludó con estas palabras: "He oído hablar de ti. Estás animando a las clases de la Escuela Dominical a reunirse en casas, ¿no? ¿No crees que es peligroso? Eso puede llevar a que sean enseñadas falsas doctrinas".

Hice una mueca, con esto veo que él está preparando futuros pastores con ese ignorante punto de vista del movimiento celular. Él fue encarcelado en un paradigma mental que es impenetrable. Todo su mundo se vendría abajo si veía la "iglesia" como Comunidades Cristianas en Base a funcionar fuera de su pequeño cubículo llamado "iglesia". No sabía que el estaba atrapado en la doctrina de los nicolaítas, que separa el clero de los laicos, sin saberlo, limitando la vida del verdadero cuerpo de Cristo.

El clérigo tradicional piensa en una audiencia reunida en bancos como el encuentro más importante de la semana. Los grupos pequeños son más que "tanques" para las ovejas, necesaria para que puedan tomar algunos amigos cercanos para que no sean tan atraídos a abandonar el redil por otros pastos competitivos en el camino. Ejemplo: el pastor de la iglesia más grande de Texas instruye específicamente a su pastor de grupo celular para desarrollar los grupos como un alimentador para el evento principal en el antiguo estadio de baloncesto – no para la maduración de los nuevos creyentes. Él les ordenó específicamente a no hacer las células en casa.

El ministerio de todos los miembros del cuerpo es alcanzar primero a los no alcanzados por vivir en parejas en sus casas, para comer y beber con ellos y ofreciendo su paz (como 10). Es para invitar a estos buscadores a observar su grupo base "profetizando" (descrito en 1 Cor. 14: 3 como "el fortalecimiento, alentador y reconfortante"). Ellos están para discipular en la célula, a través de los niveles de ser un niño, un joven, de ser padre (1 Juan 2: 12-14).

¡Esta es la auténtica vida del cuerpo de Cristo! Trágicamente, el 98% de la "iglesia" tradicional y un alto porcentaje de pequeños grupos que nunca experimentan nada ni siquiera cerca de esta experiencia que se describe en 1 Cor. 14: 24-25.

¡La iglesia tradicional no puede entender que la célula es la iglesia! Tampoco, ¿cómo se demuestra el Reino de Dios no con palabras sino con poder sobrenatural? Su admirable enfoque en la palabra escrita se queda corto. Como los fariseos, buscan las Escrituras pensando en que traen vida, pero perder en la realidad de la presencia y poder se manifiesta por la presencia de Cristo en la vida celular.

¡Qué triste!

Ralph

The True Meaning of the Church

ralph

by Ralph Neighbour

When the average Christian hears the word “church” the immediate mental image is either a building or a large room in a religious structure with a platform and a preacher. Example: people say, “Are you going to church today?” This is a typical illegitimate use of the word. The question refers either to the building or the public gathering conducted there.

“Church” is not a Bible word. It comes from the German Kirk, defining a religious edifice. It is a bastard term birthed in the fourth century to define religious structures. Adolf Schlatter (1852–1938), Evangelical theologian and professor at Greifswald, Berlin and Tübingen, refused to use the term in any of his books, substituting “Community” for the word.

Jesus introduced the word ecclesia in Matthew 16 and then in chapter 18, used it for the second and last time. In the first reference, He described its mission: kicking down the gates of hell. In the second reference, he instructs how an ecclesia would deal with disputes between its members. Two members should settle issues together or invite a trusted third person into the negotiation. If that were to fail, it was to be presented to the ecclesia as the Supreme Court for a decision. The term ecclesia must refer to a community small enough for close fellowship to exist between all members.

That is why Christ’s body should be viewed “Cell” by “Cell.” Each is a basic Christian community where the intimacy Jesus described is present.

I had not earlier in my ministry grasped the size of “church” Jesus had in mind! How large could the gathering be Jesus used in Matthew to refer to ecclesia? It was obviously small enough for each member to be intimately connected with two persons in conflict.

I began to see that the 12 disciples were actually the prototype size for Jesus’ ecclesia. Twelve is approximately the number of people who can relate intimately to one another.
“Cell” defines the “Basic Christian Community,” the ecclesia, not the word “church.”

Jesus taught the ecclesia to “love (agape) one another.” 52 more times in the New Testament, we are called to consider how to connect to “one another.” The expression of dismembered body parts, sitting in rows, is described by the word “church.” The authentic “one another” life is found in the “cell.” The first word is cold, impersonal. The second word denotes what Paul called for in Philippians 2: “Look not only to your own interests, but also to the interests of others.”

 The biblical description of life together in the ecclesia demands an intimate family of God, not an impersonal assembly of God. The destruction done to the authentic ecclesia by the use of the word “church” to describe it is massive! Let us join Schlatter and refuse to use it!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Verdadeiro Significado da Igreja

por Ralph Neighbour

Quando um cristão ouve a palavra “igreja” a imagem que vem imediatamente à mente ou é de um prédio ou de um salão grande em uma estrutura religiosa com uma plataforma e um pregador. Exemplo: as pessoas dizem “Você vai à igreja hoje?”. Esse é um típico uso ilegítimo da palavra. A pergunta refere-se ou à construção ou à reunião pública realizada lá.

“Igreja” não é uma palavra bíblica. Ela vem da palavra alemã kirk, que define um edifício religioso. É um termo bastardo nascido no século IV para definir estruturas religiosas. Adolf Schlatter (1852-1938), teólogo evangélico e professor em Greifswald, Berlim e Tübingen, recusou-se a usar o termo em qualquer um dos seus livros, substituindo a palavra por "comunidade".

Jesus introduziu a palavra ecclesia em Mateus 16 e depois a usou pela segunda e última vez no capítulo 18. Na primeira referência, Ele descreveu sua missão: derrubar as portas do inferno. Na segunda referência, ele instruiu como uma ecclesia deveria lidar com disputas entre seus membros. Dois membros devem resolver suas questões juntos ou devem convidar uma terceira pessoa de confiança para a negociação. Se isso falhar, a questão deve ser apresentada para a ecclesia, que deveria decidir como o Supremo Tribunal de Justiça. O termo ecclesia refere-se a uma comunidade pequena o suficiente para que exista comunhão profunda entre todos os membros.

É por isso que o Corpo de Cristo deve ser visto “célula” por “célula”. Cada uma é uma comunidade cristã básica onde a intimidade que Jesus descreveu está presente.

Eu não consegui compreender cedo no meu ministério o tamanho da “igreja” que Jesus tinha em mente! Quão grande poderia ser a reunião que Jesus usou em Mateus para se referir à ecclesia? Era obviamente pequena o suficiente para que cada membro pudesse estar intimamente conectado com duas pessoas em conflito.

Eu comecei a ver que os 12 discípulos eram na verdade o tamanho protótipo para a ecclesia de Jesus. Doze é aproximadamente o número de pessoas que podem se relacionar profundamente umas com as outras.
 “Célula” define a “Comunidade Cristã Básica”, a ecclesia, e não a palavra “igreja”.

Jesus ensinou a ecclesia a "amar (ágape) uns aos outros". Nós somos chamados mais 52 vezes no Novo Testamento a considerarmos como nos conectar "uns aos outros". A expressão de partes do corpo desmembradas, sentadas em fileiras, é descrita pela palavra "igreja". A vida autêntica de "uns aos outros" é encontrada na "célula". A primeira palavra é fria, impessoal. A segunda palavra indica o que Paulo pediu em Filipenses 2:4 "Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros".

A descrição bíblica da vida juntos na ecclesia exige uma família íntima de Deus, e não uma assembleia impessoal de Deus. A destruição feita para a ecclesia autêntica pelo uso da palavra "igreja" para descrevê-la é enorme! Vamos juntar-nos a Schlatter e recusar-nos a usá-la!

Spanish blog:

El verdadero significado de la Iglesia
Por Ralph Neighbour

Cuando el cristiano promedio oye la palabra "iglesia" la imagen mental inmediata es un edificio o una habitación grande en una estructura religiosa con una plataforma y un predicador. Ejemplo: la gente dice: "¿Vas a la iglesia hoy?" Se trata de un uso ilegítimo típico de la palabra. La pregunta se refiere tanto a la construcción o la reunión pública realizada allí.

"Iglesia" no es una palabra de la Biblia. Proviene de la palabra alemán Kirk, su definición es un edificio religioso. Es un término bastardo nacido en el siglo IV para definir estructuras religiosas. Adolf Schlatter (1852-1938), teólogo evangélico y profesor en Greifswald, Berlín y Tubinga, se negó a usar el término en sus libros, en sustitución uso la palabra "Comunidad".

Jesús introdujo la palabra ecclesia en Mateo 16 y luego en el capítulo 18, la utilizó por segunda y última vez. En la primera referencia, Él describió su misión: derribando las puertas del infierno. En la segunda referencia, se instruye cómo una ecclesia se ocuparía de las disputas entre sus miembros. Dos miembros deben resolver los problemas juntos o deben invitar a una tercera persona de confianza en la negociación. Si eso llegara a fallar, debía ser presentado a la ecclesia como el Tribunal Supremo de decisión. El término ecclesia debe referirse a una comunidad lo suficientemente pequeña como para que exista una estrecha comunión entre todos los miembros.

Es por eso que el cuerpo de Cristo debe ser visto "célula" por "célula". Cada uno es una comunidad cristiana básica, donde Jesús hablaba íntimamente.

No he captado en mi ministerio captado el tamaño de la "iglesia" que Jesús tenía en mente. ¿Qué tan grande podría ser la reunión que Jesús hizo en libro de Mateo en el cual se refirió a la ecclesia? Obviamente, fue lo suficientemente pequeña como para que cada miembro estuviera íntimamente ligado en grupo de dos.

Empecé a ver que los 12 discípulos eran en realidad el tamaño prototipo para la ecclesia de Jesús. Doce es aproximadamente el número de personas que pueden relacionarse íntimamente entre sí.
La "Célula" define la "Comunidad Cristiana Básica", la ecclesia, no la palabra "iglesia".

Jesús enseñó la ecclesia de "amor (ágape) unos a otros". 52 veces más en el Nuevo Testamento, se nos llama a considerar cómo conectarse los "unos a otros." La expresión de las partes del cuerpo desmembradas, sentados en filas, es descrito por la palabra "iglesia". La vida autentica de "unos a otros" se encuentra en la "célula". La primera palabra es fría, impersonal. La segunda palabra denota lo que Pablo pide en Filipenses 2: "Mira, no sólo por sus propios intereses, sino también por los intereses de los demás".

La descripción bíblica de la vida juntos en la ecclesia exige una relación íntima de la familia de Dios, no una asamblea impersonal de Dios. La destrucción causada a la auténtica ecclesia por el uso de la palabra "iglesia" para describirla es enorme. Unámonos a Schlatter y neguémonos a usarla

Ralph

The Heart of Jesus in the Cell

daphne

by Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

A true cell group must not ignore the command of Jesus to “go into all the world …” Jesus did not ask for a educational degree, status or specific calling. He commanded a group of 12 to be imitators of Him and to live and die in a hostile world. Some of these disciples were fishermen; all had been discipled by him; received the power of the Holy Spirit, and were sent to change the world.

The commission has not changed and the methodology has not changed!  "God had an only Son, and He made Him a missionary." – David Livingstone

A cell without mission is a cell without the heart of Jesus. Mission is what made His heart beat as a baby and what made it break on the cross. It is what committed Him to discipleship and to birth the early church. Lead a cell, multiply it, raise up a leader …. for what? To play your part in completing the Great Commission and seeing the King return. Anything less misses the mission of Jesus. 

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O coração de Jesus é o coração de uma célula

por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

Uma verdadeira célula não deve ignorar o comando de Jesus de “ir para todo o mundo…”. Jesus não pediu por um diploma educacional, status ou um chamado específico. Ele comandou um grupo de 12 para serem Seus imitadores e para viver e morrer em um mundo hostil. Alguns desses discípulos eram pescadores; todos foram discipulados por Ele; receberam o poder do Espírito Santo, e foram enviados para mudar o mundo.

A comissão e a metodologia não mudaram! “Deus tinha um único Filho, e Ele O fez um missionário” – David Livingstone.

Uma célula sem missão é uma célula sem o coração de Jesus. A missão é o que fez o coração dEle bater quando bebê e o que o partiu na cruz. É o que O comprometeu com o discipulado e com o nascimento da Igreja primitiva. Liderar uma célula, multiplicá-la, levantar um líder… Para quê? Para fazer a sua parte em completar a Grande Comissão e ver o Rei retornar. Qualquer coisa a menos perde a missão de Jesus.

Spanish blog:

El corazón de Jesús es el corazón de la célula
Por Daphne Kirk, www.gnation2gnation.com

El verdadero grupo celular no debe ignorar el mandato de Jesús de "ir por todo el mundo…" Jesús no pidió un grado educativo, estatus o una vocación específica. Él ordenó a un grupo de 12 a ser imitadores de Él y a vivir y morir en un mundo hostil. Algunos de estos discípulos eran pescadores; todos habían sido discipulados por él; recibieron el poder del Espíritu Santo, y fueron enviados a cambiar el mundo.

¡La comisión no ha cambiado y la metodología no ha cambiado! "Dios tenía un único hijo, y él lo hizo un misionero" – David Livingstone

Una célula sin misión es una célula sin el corazón de Jesús. La misión es lo que hizo que su corazón pueda latir como un bebé y lo hizo romper en la cruz. Es lo que lo compromete al discipulado y al nacimiento de la iglesia primitiva. Dirige una célula, multiplícala, levantar un líder …. ¿Para qué? Para desempeñar su papel en la realización de la Gran Comisión y ver el regreso Rey. Cualquier cosa menos no alcanza la misión de Jesús.

Daphne

The Leader as Pastor

joel

By Joel Comiskey

We’ve been talking these past few weeks about the cell as the church, and most likely you are in agreement. But isn’t it a logical conclusion to view the leader of the cell as the pastor of the house church? This concept seems strange to us today because in today’s church the offices of bishop, pastor, and elder have become formalized and official. However, in the early church, those who assumed these titles were house church leaders or overseers of various house churches. The norm in the early church was also to have a team of leaders over house churches.

While I agree that it’s a good idea to have a lead pastor or lead elder over a cell church, we must always remember that the lead pastor should not be the only one leading the church. I like to think of the lead pastor as someone who is leading a team of pastors or elders. The team of pastors/elders care for the church through the cell groups. The reality is that each cell leader is a pastor who along with a team oversees the needs of those within the cell groups, just like in the New Testament. As elders of God’s flock, cell group leaders take seriously their responsibility to pastor those who are in the group. This responsibility might include offering spiritual help, visiting the sick, counseling, or helping out with physical necessities through prayer and social ministry. Team ministry is highly valued so the responsibility doesn’t rest on just one person.

While I like to use the word facilitator to describe how the leader empowers others during the lesson time, the term facilitator doesn’t do justice to the leadership role that should be practiced toward group members. Cell group leaders need to learn to truly shepherd God’s flock within and outside the group meeting.

What do you think?

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Líder como Pastor

Por Joel Comiskey

Nós temos falado nas últimas semanas sobre a célula como a igreja, e muito provavelmente você concorda com isso. E não é uma conclusão lógica ver o líder da célula como o pastor da igreja doméstica? Este conceito parece estranho para nós hoje em dia porque na Igreja atual as funções de bispo, pastor e ancião se tornaram formais e oficiais. Contudo, na Igreja primitiva, aqueles que assumiam esses títulos eram líderes de igrejas domésticas ou supervisores de várias igrejas domésticas. A norma na Igreja primitiva também era ter uma equipe de líderes sobre as igrejas domésticas.

Enquanto eu concordo que seja uma boa ideia ter um pastor ou ancião principal sobre uma igreja em células, nós devemos sempre lembrar-nos de que o pastor principal não deve ser o único a liderar a igreja. Eu gosto de pensar sobre o pastor principal como alguém que lidera uma equipe de pastores ou anciãos. A equipe de pastores/anciãos cuida da igreja através das células. A realidade é que cada líder de célula é um pastor que, junto com uma equipe, enxerga as necessidades dos membros das células, assim como no Novo Testamento. Como anciãos do rebanho de Deus, os líderes de célula levam a sério sua responsabilidade de pastorear aqueles que estão no grupo. Essa responsabilidade pode incluir oferecer ajuda espiritual, visitar os enfermos, aconselhar ou ajudar com necessidades físicas através da oração e do ministério social. A equipe ministerial é altamente valorizada para que a responsabilidade não caia sobre uma pessoa apenas.

Enquanto eu gosto de usar a palavra facilitador para descrever como o líder capacita outras pessoas durante o momento de reflexão da célula, o termo facilitador não faz jus ao papel de liderança que deveria ser praticada com os membros do grupo. Os líderes de célula precisam aprender a verdadeiramente pastorear o rebanho de Deus dentro e fora da reunião celular.

O que você acha?

Joel

Spanish blog:

El líder como Pastor
Por Joel Comiskey

Hemos estado hablando en las últimas semanas de las células, como la iglesia, y lo más probable es que estamos de acuerdo. ¿Pero no es una conclusión lógica ver al líder de la célula como el pastor de la iglesia en la casa? Este concepto parece extraño para nosotros hoy en día debido a que en la iglesia de hoy en día están las oficinas del obispo, pastor y anciano las cuales se han convertido formales y oficiales. Sin embargo, en la iglesia primitiva, aquellos que asumían estos títulos eran líderes de la iglesia de las casas o supervisores de diferentes iglesias en las casas. La norma en la iglesia primitiva también era tener un equipo de líderes para las iglesias en las casas.

Aunque estoy de acuerdo que es una buena idea tener un pastor principal o anciano sobre una iglesia celular, debemos recordar siempre que el pastor principal no debe ser el único dirigiendo la iglesia. Me gusta pensar en el pastor principal como alguien que dirige un equipo de pastores o ancianos. El equipo de pastores/ancianos cuidan de la iglesia a través de los grupos celulares. La realidad es que cada líder de célula es un pastor, junto con un equipo que supervisan las necesidades de las personas dentro de los grupos celulares, al igual que en el Nuevo Testamento. Como ancianos de la grey de Dios, los líderes celulares toman en serio su responsabilidad de pastor con aquellos que están en el grupo. Esta responsabilidad podría incluir la oferta de ayuda espiritual, visitar a los enfermos, consejería, o ayudar con las necesidades físicas a través de la oración y el ministerio social. El ministerio en equipo es muy valorado ya que la responsabilidad no debe recaer en una sola persona.

Aunque me gusta usar la palabra facilitador para describir cómo el líder faculta a otros durante el tiempo de la lección, el término facilitador no hace justicia al papel de liderazgo que debe ser practicado hacia los miembros del grupo. Los líderes celulares necesitan aprender a pastorear el rebaño de Dios verdaderamente dentro y fuera de la reunión del grupo.

¿Qué piensas?

Joel

Experiencing Worship

rob

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Leonard Sweet writes, “Churches in the postmodern communities will be built; not around great preachers, but around great experiences.  Preaching must cease to be the “presentation of points of view” or the “representation or arguments” that can be verbalized; rather, it must become a rushing mighty wind that blows through the congregation and makes it glow with an incandescence that cannot be ignored."

“In fact, for worship in the 21st century,” write Bill Easum and Thomas Bandy, “If you can say it all with words, you’ve missed the point!  We live in an experience economy and can now turn the tide of boring, lifeless, trite worship.”

“In the course of my lifetime,” writes B. Joseph Pine, “The world has moved from an industrial economy to a service economy to an experience economy.”  John Naisbitt, who coined the term “experience economy,” explains:

Economic activity starts with raw commodities that are transformed into goods, which are then wrapped in services and eventually turned into experiences.  Each level increases the total value to the customer and, therefore, the total price…A cup of coffee requires about a penny’s worth of coffee beans (the raw commodity) and about a nickel’s worth of coffee grounds (a packaged good).  If you purchase a cup of coffee at a diner, though, you will pay around 50 cents for the service, and, at a fine restaurant, as much as $2 to $3 for the experience.

In the context of the experience economy, Pine and Gilmore display the following formula:  Customer surprise = What a customer gets to perceive. That is, What a customer expects to get.  Rather than merely meeting expectations or setting new ones, companies deliberately try to transcend expectations, to go off in new directions entirely.  Simply put, it is when a company purposively stages the unexpected.  

As a pastor, I will be the first to admit that this requires work as we consider the nuances of an experiential worship opportunity.  The goal is not to be original, but adaptive in partnering with God for life transforming experiences.

Korean blog (click here)

Portuguese blog

Adoração de Experiência

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Leonard Sweet escreve: "As igrejas nas comunidades pós-modernas serão construídas; não em torno de grandes pregadores, mas em torno de grandes experiências. A pregação deve deixar de ser a ‘apresentação de pontos de vista’ ou ‘representação ou argumentos’ que podem ser verbalizados; ao contrário, ela deve tornar-se um vento impetuoso que sopra através da congregação e faz brilhar com uma incandescência que não pode ser ignorada".

"Na verdade, para o culto no século 21", escreve Bill Easum e Thomas Bandy, "Se você pode dizer tudo com palavras, você perdeu o ponto! Nós vivemos em uma economia da experiência e agora você pode tornar a adoração chata, sem vida e banal".

"No curso da minha vida", escreve B. Joseph Pine, "O mundo mudou de uma economia industrial para uma economia de serviços e então para uma economia da experiência". John Naisbitt, que desenvolveu o termo "economia da experiência", explica:

A atividade econômica começa com matérias brutas que são transformadas em produtos, que são então envoltos em serviços e, eventualmente, se transformam em experiências. Cada nível aumenta o valor total para o cliente e, portanto, o preço total… uma xícara de café requer cerca de um centavo de café em grão (matéria bruta) e em torno de cinco centavos de café moído (um produto embalado). Se você comprar uma xícara de café em uma lanchonete, porém, você vai pagar cerca de 50 centavos pelo serviço e, em um restaurante fino, cerca de 2,00 a 3,00 dólares pela experiência.

No contexto da economia da experiência, Pine e Gilmore exibem a seguinte fórmula: Cliente surpresa = O que um cliente recebe por perceber. Ou seja, o que o cliente espera receber. Ao invés de simplesmente atender às expectativas ou de estabelecer novas, as empresas deliberadamente tentam transcender as expectativas, para sair inteiramente em novas direções. Simplificando, é quando uma empresa propositadamente apresenta o inesperado.

Como pastor, eu serei o primeiro a admitir que isso exige trabalho à medida que consideramos as nuances de uma oportunidade de culto de adoração de experiência. O objetivo não é ser original, mas se adaptar em parceria com Deus para ter experiências de vida transformadoras.

Spanish blog:

Experimentando la alabanza
Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Leonard Sweet escribe: "Las iglesias de las comunidades posmodernas serán construidas; no alrededor de grandes predicadores, pero alrededor de grandes experiencias. La predicación debe dejar de ser la "presentación de puntos de vista" o la "representación o argumentos" que pueden ser verbalizados; sino que debe convertirse en un viento recio que sopla a través de la congregación y hace brillar una incandescencia que no puede ser ignorada".

"De hecho, para la alabanza en el siglo 21", Bill Easum y Thomas Bandy escriben, "Si tú puedes decirlo todo con las palabras, has perdido el punto. Vivimos en una economía de la experiencia y ahora podemos cambiar el rumbo aburrido, sin vida, de la alabanza desgatada".

"En el curso de mi vida", B. Joseph Pine escribe, "El mundo ha pasado de una economía industrial a una economía de servicios a una economía de la experiencia". John Naisbitt, que acuñó el término "economía de la experiencia", explica:

La actividad económica se inicia con las materias primas que se transforman en bienes, que luego se envuelven en los servicios y, finalmente, se convierten en experiencias. Cada nivel aumenta el valor total para el cliente y, por lo tanto, el precio total … Una taza de café requiere el valor de un centavo por los granos de café (la materia prima en bruto) tiene el valor cinco centavos de café molido (un empaquetado bien). Si usted compra una taza de café en un restaurante, tendrá que pagar alrededor de 50 centavos por el servicio, y, en un buen restaurante pagara tanto como $2 a $3 por la experiencia.

En el contexto de la economía de la experiencia, Pine y Gilmore muestran la siguiente fórmula: sorprende al cliente = Lo que el cliente llega a percibir. Es decir, lo que un cliente espera obtener. En lugar de limitarse a satisfacer las expectativas o la creación de otras nuevas, las empresas deliberadamente tratan de superar las expectativas, para ir en nuevas direcciones en su totalidad. En pocas palabras, es cuando una empresa deliberadamente escenifica lo inesperado.

Como pastor, yo seré el primero en admitir que esto requiere un trabajo ya que consideramos que los matices de una oportunidad a una alabanza experiencial. El objetivo no es ser original, pero adaptable en la asociación con Dios en las experiencias transformadora de vidas.

Rob

Really? The Cell is the Church? (part 2)

bill

By Bill Mellinger, Crestline First Baptist

Did you know that Jesus only refers to the “church” two times in the Gospels? (See Matthew 16:18 and Matthew 18:17.) In Revelation 2 and 3, he also speaks to the seven “churches” of Asia. His first usage is following Peter’s anointed response to Jesus’ question, “Who do you say that I am?” His second usage is in his discussion on discipline of fellow believers. Jesus responds to Peter’s declaration that he is The Christ with, "And I tell you that you are Peter, and on this rock I will build my church, and the gates of Hades will not overcome it" (Matthew 16:18).

Peter had been called to join a band of men who learned from Jesus by watching him, listening to him, fellowshipping with him, and practicing what he taught. They were “called out” of their lifestyles to go with him and eventually to go to the world to make other disciples. Jesus had formed his first cell and on this “little pebble” he declared that he would build his church. As he describes these called out ones, Jesus says that the gates of Hell will not be able to stand against them.

Did Jesus see this small band of men as the church? Undoubtedly, he did. He describes them as a force that will be able to overcome the very place where people are held captive. These men and groups of people like them will be able to grow closer to Christ, learn to serve one another, and they will be empowered to set people free.

The cell is not just a group of people who come together in someone’s home to fellowship and care for one another. It is a force that is working together to set people free from hell. In saying that the cell is the church, does not mean that the gathered community of believers for celebration is not the church. The small group is called out to care for one another and to go and make disciples. Jesus modeled this for us with his small group.

The life group that meets in our home is part of our Oikos, our household. They were very instrumental in helping me to share Christ with members of my family, my Oikos. My brother in law, and his son are believers today because of their support and assistance. It started as we prayed for Jack and Andrew. Then Andrew came and lived with us, worked at one of the homes of someone in our group, accepted Christ through our sharing and then led his Dad to Christ.

We are called out to go out and together to set people free. The cell is the church when it is doing what Jesus did with his disciples. Let’s be the church and go break down some gates!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Sério? A Célula é a Igreja? (parte 2)

Por Bill Mellinger, Primeira Igreja Batista de Crestline

Você sabia que Jesus se refere à "igreja" apenas duas vezes nos evangelhos? (Veja Mateus 16:18 e Mateus 18:17). Em Apocalipse 2 e 3 ele também fala às sete "igrejas" da Ásia. Seu primeiro uso segue a resposta ungida de Pedro à pergunta de Jesus: "Quem dizeis que eu sou?" Seu segundo uso é em sua discussão sobre a disciplina dos companheiros convertidos. Jesus responde a declaração de Pedro de que Ele é o Cristo dizendo: “E eu lhe digo que você é Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do Hades não poderão vencê-la” (Mateus 16:18).

Pedro tinha sido chamado para participar de um grupo de homens que aprendiam com Jesus ao observá-lo, ouvi-lo, tendo comunhão com ele e praticando o que ele ensinou. Eles foram "chamados para fora" de seus estilos de vida para irem com ele e, eventualmente, para irem ao mundo a fim de fazerem outros discípulos. Jesus tinha formado sua primeira célula e sobre esta "pedrinha" ele declarou que iria construir sua igreja. Conforme ele descrevia esses que foram chamados para fora, Jesus disse que as portas do inferno não serão capazes de resistir a eles.

Será que Jesus via esse pequeno grupo de homens como a Igreja? Sem dúvida ele via. Ele os descreve como uma força que será capaz de superar o próprio lugar onde as pessoas são mantidas em cativeiro. Esses homens e os grupos de pessoas como eles serão capazes de crescer mais perto de Cristo, aprender a servir uns aos outros, e eles serão empoderados para libertar as pessoas.

A célula não é apenas um grupo de pessoas que se reúnem na casa de alguém para a comunhão e cuidam uns dos outros. É uma força que está trabalhando em conjunto para libertar as pessoas do inferno. Ao dizer que a célula é a Igreja, não significa que a comunidade de crentes reunidos para a celebração não seja a Igreja. O pequeno grupo é chamado para cuidar uns dos outros e para ir e fazer discípulos. Jesus foi um exemplo disso para nós com seu pequeno grupo.

O grupo de vida que se reúne em nossa casa faz parte de nossa Oikos, nosso lar. Eles foram muito úteis para me ajudar a compartilhar Cristo com os membros da minha família, minha Oikos. O meu cunhado e seu filho são convertidos hoje por causa do apoio e assistência deles. Começou quando oramos por Jack e Andrew. Então Andrew veio e conviveu conosco, trabalhou em uma das casas de alguém em nosso grupo, aceitou a Cristo através da nossa convivência e, em seguida, levou seu pai a Cristo.

Somos chamados para sairmos juntos para libertar as pessoas. A célula é a Igreja quando ela está fazendo o que Jesus fez com seus discípulos. Vamos ser a Igreja e quebrar alguns portões!

Bill

Spanish blog:

¿De Verdad? ¿La célula es la Iglesia? (parte 2)

Por Bill Mellinger, Crestline Primera iglesia Bautista

¿Sabías que Jesús sólo se refiere a la "iglesia" dos veces en los Evangelios? (Véase Mateo 16:18 y Mateo 18:17). En Apocalipsis 2 y 3, también habla a las siete "iglesias" de Asia. Su primer uso está siguiendo la respuesta de Pedro a la pregunta de Jesús: "¿Quién decís que soy?" Su segundo uso es en su discusión sobre la disciplina de los hermanos en la fe. Jesús responde a la declaración de Pedro, que él es el Cristo: "Y yo te digo que tú eres Pedro, y sobre esta piedra edificaré mi iglesia, y las puertas del infierno no prevalecerán contra ella" (Mateo 16:18).

Pedro había sido llamado para unirse a un grupo de hombres que aprendieron de Jesús mirándolo, escuchándolo, estando en comunión con él, y practicando lo que él enseñaba. Ellos fueron "llamados a salir" de su estilo de vida para ir con él y con el tiempo para ir al mundo para hacer otros discípulos. Jesús había formado su primera célula y en este "pequeño pueblo", él declaró que iba a construir su iglesia. Como él describe estos llamados afuera, Jesús dice que las puertas del infierno no podrán estar en contra de ellos.

¿Vio Jesús esta pequeña banda de hombres como la iglesia? Sin lugar a dudas, lo hizo. Los describe como una fuerza que sea capaz de superar el mismo lugar donde las personas se mantienen en cautiverio. Estos hombres y grupos de personas como ellos serán capaces de acercarnos más a Cristo, aprender a servirnos unos a otros, y ellos tendrán la facultad de liberar a la gente.

La célula no es sólo un grupo de personas que se reúnen en la casa de alguien a la comunión y se preocupan por los demás. Es una fuerza que está trabajando en conjunto para liberar a la gente del infierno. Al decir que la célula es la iglesia, no significa que la comunidad de creyentes reunidos para la celebración no es la iglesia. El pequeño grupo es llamado para cuidar los unos a otros e ir y hacer discípulos. Jesús modeló esto para nosotros con su pequeño grupo.

El grupo de vida que se reúne en nuestra casa es parte de nuestros Oikos, nuestro hogar. Eran muy instrumental en ayudarme a compartir a Cristo con los miembros de mi familia, mi Oikos. Mi cuñado, y su hijo son creyentes hoy en día a causa de su apoyo y asistencia. Comenzó con oración por Jack y Andrew. Entonces Andrew vino y vivió con nosotros, trabajó en una de las casas de alguien en nuestro grupo, aceptado a Cristo a través de nuestro compartir y luego eso llevó a su papá a Cristo.

Estamos llamados a salir y juntos liberar a la gente. La célula es la iglesia cuando se está haciendo lo que hizo Jesús con sus discípulos. ¡Vamos a ser la iglesia y vayamos a romper algunas puertas!

Bill

A Ministry Audit

steve

by Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Sometimes people assume that because we are a cell church we do not have a worship service or a building. They are confusing cell church with house church. A major difference between the two is that a cell church has a large-group worship experience, whereas a house church does not.

It is said that the cell church flies on two wings: cell and celebration. We can’t say that one is more important than the other. If you are in an airplane at 30,000 feet, which wing is most important, right or left? They are both vital if you want to stay aloft!

The way we use our time is an indicator of how deeply we believe this to be true. Try doing an internal ministry audit of your church: Which wing do you focus on the most: reviewing and creating the weekend worship service or building up your cell groups? What we value most is what gets most of our time and resources?

We will be stronger if we spend time and money training and supporting our cell group leaders. Likewise, our cell group leaders will be more spiritually healthy and motivated if they regularly attend an inspiring and high-quality worship celebration. Cell and celebration fuel one another and increase a church’s redemptive impact in its community. 

Steve

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Uma Auditoria Ministerial

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Às vezes as pessoas assumem que, por sermos uma igreja em células, nós não temos um culto de adoração ou um prédio. Eles estão confundindo igreja em células com igreja doméstica. A principal diferença entre as duas é que uma igreja em células tem uma experiência de adoração com o grande grupo (culto de celebração), ao passo que uma igreja doméstica não tem.

Diz-se que a igreja em células voa em duas asas: célula e celebração. Não podemos dizer que um é mais importante do que o outro. Se você estiver em um avião a 30.000 pés, qual é mais importante, a asa direita ou a esquerda? Ambas são vitais se você quiser ficar no ar!

A forma como usamos nosso tempo é um indicador de quão profundamente acreditamos que isso seja verdade. Tente fazer uma auditoria ministerial interna da sua igreja: Em qual asa você se concentra mais: na revisão e criação do culto do fim de semana ou na construção de suas células? O que valorizamos mais é o que tem a maior parte de nosso tempo e recursos?

Nós seremos mais fortes se gastarmos tempo e dinheiro treinando e apoiando nossos líderes de célula. Da mesma forma, os nossos líderes de célula serão mais saudáveis e motivados espiritualmente se eles frequentarem regularmente um culto de celebração de adoração inspirador e de alta qualidade. A célula e o culto celebração alimentam um ao outro e aumentam o impacto redentor de uma igreja em sua comunidade.

Steve

Spanish blog:

Una Auditoría al Ministerio
Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

A veces la gente asume que porque somos una iglesia celular no tenemos un servicio de adoración o un edificio. Ellos confunden la iglesia celular con la casa/iglesia. Una diferencia importante entre los dos es que una iglesia celular tiene una experiencia de adoración en un grupo más grande, mientras que la casa/iglesia no.

Se dice que la iglesia celular vuela en dos alas: la célula y la celebración. No podemos decir que una es más importante que la otra. Si usted está en un avión a más de 30.000 pies de altura, ¿Cuál ala es más importante?, ¿La de la derecha o la de la izquierda? ¡Ambos son de vital importancia si se quiere permanecer en el aire!

La forma en que usamos nuestro tiempo es un indicador de cuán profundamente creemos que esto es cierto. Trate de hacer una auditoría interna en el ministerio de su iglesia: ¿En cuál ala te concentras más?  En la revisión y la creación del servicio de adoración de fin de semana o la construcción de los grupos celulares. Lo que valoramos más es lo que obtiene la mayor parte de nuestro tiempo y recursos.

Vamos a ser más fuerte si pasamos tiempo, gastamos dinero en la formación y apoyamos a nuestros líderes de grupos celulares. Del mismo modo, nuestros líderes celulares serán más espiritualmente sanos y motivados si asisten regularmente a una celebración de alta calidad donde son inspirados. La célula y la celebración se dan combustible entre sí y aumentan el impacto de la redención de una iglesia en su comunidad.

Steve

The Celebration: a gathering of house churches

joel

By Joel Comiskey

I don’t believe in independent house churches! I’m referring to those who start a house church and then separate it from the local church–a larger network of house churches. I don’t think it’s biblical. We don’t see this in the New Testament.

The house churches in the New Testament were connected. Sometimes the New Testament house churches would meet regularly–even daily (Acts 2:42-46). At other times, they met only occasionally for combined worship and teaching (I go into more detail here). Whether gathered or scattered, the primitive churches were not separate, independent entities. They were connected to a greater apostolic leadership vision. Each type of gathering–both the cell and celebration–was fully considered the ecclesia. In Ephesus, we see Paul’s pattern of teaching publically and from house-to-house (Acts 20:20). The larger group gathering can also be seen in Paul’s greeting from all the churches in Asia (1 Corinthians 16:19).

Famous Bible scholar, F.F. Bruce, comments, “Such house churches appear to have been smaller circles of fellowship within the larger fellowship of the city ecclesia.” Roger Gehring has done more research than anyone about the New Testament house churches.. His mammoth book, House Church and Mission, is the most extensive on this subject. Gehring writes, “Many NT scholars believe that both forms—small house churches and the whole church as a unit at that location—existed side by side in early Christianity.” Paul would gather this larger ecclesia to preach and teach publicly but would also minister from house-to-house.

If you are a pastor reading this blog, here is my question: do you see the Sunday celebration as a collection of house churches? Do you teach and preach on Sunday with this reality in mind? If this is not happening now in your church, are you willing to transition your church to make this a reality? If you’re a cell leader, do you see your cell as the church? Do you come to the Sunday celebration gathering to be refreshed, encouraged, and invigorated to continue pastoring your cell, your church?

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Celebração: um ajuntamento das igrejas domésticas

Por Joel Comiskey

Eu não acredito em igrejas domésticas independentes! Estou me referindo àqueles que começam uma igreja em uma casa e depois a separa da igreja local, que é uma rede maior de igrejas domésticas. Eu não acho que isso é bíblico. Nós não vemos isso no Novo Testamento.

As igrejas domésticas do Novo Testamento eram conectadas. Às vezes, as igrejas domésticas do Novo Testamento se reuniam regularmente – até mesmo diariamente (Atos 2:42-46). Em outros momentos, elas se encontravam apenas ocasionalmente para adoração e ensino (eu entro em mais detalhes aqui). Reunidas ou dispersas, as igrejas primitivas não estavam separadas, como entidades independentes. Elas estavam ligadas a uma visão de liderança apostólica maior. Cada tipo de reunião – tanto a célula como a celebração – era plenamente considerada como a ecclesia. Em Éfeso, nós vemos o padrão de Paulo de ensinar publicamente e de casa em casa (Atos 20:20). O encontro do grupo maior também pode ser visto na saudação de Paulo de todas as igrejas da Ásia (1 Coríntios 16:19).

O famoso estudioso da Bíblia, F.F. Bruce, comenta, "Tais igrejas domésticas parecem ter sido pequenos círculos de comunhão dentro da grande comunhão da ecclesia cidade". Roger Gehring desenvolveu mais estudos do que qualquer outro sobre as igrejas domésticas do Novo Testamento… Seu imenso livro, House Church and Mission (Igreja Doméstica e Missão, em tradução livre), é o mais extenso sobre este assunto. Gehring escreve: "Muitos estudiosos do NT acreditam que ambas as formas—pequenas igrejas domésticas e toda a igreja como uma unidade local—existiam lado a lado no cristianismo primitivo". Paulo reunia esta ecclesia maior para pregar e ensinar publicamente, mas também ministrava de casa em casa.

Se você é um pastor lendo este blog, aqui está a minha pergunta: você vê a celebração dominical como um conjunto de igrejas domésticas? Você ensina e prega no domingo com esta realidade em mente? Se isso não está acontecendo agora em sua igreja, você está disposto a fazer uma transição na sua igreja para que isso vire uma realidade? Se você é um líder de célula, você vê a sua célula como a igreja? Você vem para o culto de celebração dominical para ser renovado, encorajado e revigorado para continuar a pastorear a sua célula, sua igreja?

Joel

Spanish blog:

La Celebración: una reunión de la casa/iglesia
Por Joel Comiskey

¡Yo no creo en las casas/iglesias independientes! Me refiero a los que empiezan una casa/iglesia y después la separan de la iglesia local – una red más grande de la casa/iglesia. Yo no creo que sea bíblico. No vemos esto en el Nuevo Testamento.

Las casas/iglesias en el Nuevo Testamento estaban conectadas. A veces las casas/iglesias del Nuevo Testamento se reunían regularmente – incluso diariamente (Hechos 2: 42-46). En otras ocasiones, se reunían sólo ocasionalmente para el culto y la enseñanza combinada (voy a entrar en más detalles aquí). Ya sea recogido o dispersas, la iglesia primitiva no se separaban como entidades independientes. Ellos estaban conectados a una mayor visión de liderazgo apostólico. Cada tipo de reunión – tanto como la célula y la celebración – se consideró plenamente la ecclesia. En Éfeso, vemos el patrón de Pablo de enseñar públicamente de casa por casa (Hechos 20:20). La reunión del grupo más grande también se puede ver en el saludo de Pablo de todas las iglesias en Asia (1 Corintios 16:19).

El famoso estudiante de la Biblia, F.F. Bruce, comenta, "dichas casas/iglesias parecen haber sido círculos pequeños de la comunión dentro de la comunidad con la ecclesia más grande en la ciudad". Roger Gehring ha investigado más de lo que nadie ha hecho acerca de las iglesias en las casas del Nuevo Testamento. Su libro gigantesco, casas/iglesias y Misión, es la más extensa sobre este tema. Gehring escribe: "Muchos eruditos NT creen que ambas formas tanto las pequeñas casas/iglesias y toda la iglesia como una unidad en ese lado de la localización ha existido al lado del otro en el cristianismo primitivo". Pablo reunía esta ecclesia grande para predicar y enseñar públicamente, y también ministró de casa en casa.

Si usted es un pastor y estás leyendo este blog, aquí está mi pregunta: ¿Ves la celebración dominical como una colección de casas/iglesias? ¿Enseñas y predicas el domingo con esta realidad en mente? Si esto no está sucediendo ahora en tu iglesia, ¿Está dispuesto a la transición de tu iglesia para hacer esto una realidad? Si usted es un líder celular, ¿Ves tu célula como la iglesia? ¿Vienes a la celebración del Domingo a refrescarte, alentarte, fortalecerte y para seguir pastoreando tu célula, tu iglesia?

Joel