Celebrate the Little Victories

coach_JoelFamilyWeb

by Joel Comiskey

Paul said, in 2 Corinthians 10:12: We do not dare to classify or compare ourselves with some who commend themselves. When they measure themselves by themselves and compare themselves with themselves, they are not wise.

I’ve discovered that many pastors feel condemned as they compare their churches to the fast-growing majority world cell churches. God is doing an amazing work in those areas, but many parts of the world (e.g., North America, Europe, Australia) the church is living in a post-Christian era, and the growth is very slow.

I received an email from one pastor of a cell church in England. He wrote, “One of the things that strikes me is that evangelism in Latin America and several other nations seems to be much easier through cells than here in England and in Europe. Inviting someone to a cell in some nations/places sounds so easy. From your experience, do you have any tips on how we can be more effective in evangelizing through cells?”

I shared with him a few tips, but my response was simply one of encouragement: “I think you’re hitting on an important point. Evangelism is more difficult in the western world and cell evangelism isn’t easy.”

I’ve discovered that I need to offer lots of encouragement to those pastors that I coach. They need to be lifted up and to remember to celebrate the little victories and not to compare themselves with others. Referring to the church in America, Barna and Leonard Sweet have said:

  • 75% of churches today are dying or declining
  • 24% are growing by playing musical saints
  • 1% of churches today are growing by reaching lost people!

Tom Clegg in his book, Lost in America, says that half of all U.S. churches fail to add one new person through conversion growth in a year’s time. He goes on to say that three times as many churches in America are closing (3,750 per year) as are opening (1,350 per year).

I shared these things with one pastor I was coaching because I wanted him to remember his context and for him to celebrate the little victories. Rick and his church were befriending non-Christians and inviting non-Christians, but he was discouraged because few were converted in the cells. Several months later, this same pastor received an email from one of the cell leaders “We had the blessed opportunity to lead a new visitor, Jessica, to salvation and to a new life in Jesus Christ!!! Praise the Lord! The Lord moved in an amazing way in that she asked us straight out if we could help her become a Christian.”

Are you rejoicing in the evangelistic victories in your church, even though they might not numerous? Remember not to compare yourselves with others. Just make you are doing the best you can to reach out to those who don’t know Jesus through cell church ministry.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma Tradução de Google. O real (melhor) tradução será publicado no site na quinta-feira (amanhã)

Celebrar as vitórias pequenas

por Joel Comiskey

Paulo disse, em 2 Coríntios 10:12: Não ousamos classificar ou comparar-nos com alguns que se louvam. Quando eles se medem por si mesmos e se comparam consigo mesmos, eles não são sábios.

Eu descobri que muitos pastores se sentem condenados como eles se comparam as suas igrejas para as de crescimento rápido igrejas em células mundo maioria. Deus está fazendo um trabalho incrível nessas áreas, mas muitas partes do mundo (por exemplo, América do Norte, Europa, Austrália), a igreja está vivendo em uma era pós-cristã, eo crescimento é muito lento.

Eu recebi um email de um pastor de uma igreja em células, na Inglaterra. Ele escreveu: “Uma das coisas que me impressiona é que a evangelização na América Latina e vários outros países parece ser muito mais fácil através de células que aqui na Inglaterra e na Europa. Convidar alguém para uma célula em alguns países / lugares soa tão fácil. A partir de sua experiência, você tem alguma dica sobre como podemos ser mais eficaz na evangelização através de células? ”

Eu compartilhei com ele algumas dicas, mas a minha resposta foi simplesmente um dos encorajamento: “Eu acho que você está batendo em um ponto importante. Evangelismo é mais difícil no mundo ocidental e evangelismo celular não é fácil.

Eu descobri que eu preciso para oferecer lotes de encorajamento para aqueles pastores que eu treino. Eles precisam ser levantado e lembrar-se de comemorar as pequenas vitórias e não se comparar com os outros. Referindo-se à Igreja na América, Barna e Leonard Sweet ter dito:

  • 75% das igrejas hoje estão morrendo ou em declínio
  • 24% estão crescendo, jogando santos musicais
  • 1% de igrejas hoje estão crescendo, alcançando os perdidos!

Tom Clegg em seu livro, Lost in America, diz que metade de todas as igrejas norte-americanas não conseguem acrescentar uma nova pessoa através do crescimento de conversão no período de um ano. Ele continua a dizer que três vezes o número de igrejas na América estão fechando (3.750 por ano) como estão abrindo (1.350 por ano).

Eu compartilhei estas coisas com um pastor eu estava treinando porque eu queria que ele se lembrar de seu contexto e para ele para comemorar as pequenas vitórias. Rick e sua igreja foram fazer amizade com os não-cristãos e convidando os não-cristãos, mas ele estava desanimado porque poucos foram convertidos nas células. Vários meses depois, este mesmo pastor recebeu um e-mail de um dos líderes de célula “Tivemos a oportunidade abençoada para liderar um novo visitante, Jessica, para a salvação e para uma nova vida em Jesus Cristo !!! Louve o Senhor! O Senhor mudou-se de forma surpreendente em que ela pediu-nos para fora se pudéssemos ajudá-la a se tornar um cristão”.

Você está se regozijando nas vitórias evangelísticas em sua igreja, mesmo que eles não poderiam numerosas? Lembre-se não para comparar-se com os outros. Apenas certifique que você está fazendo o melhor que puder para alcançar aqueles que não conhecem a Jesus por meio do ministério igreja em células.

Spanish blog:

Celebra las pequeñas victorias

Por Joel Comiskey

Pablo dijo en 2 Corintios 10:12: Porque no nos atrevemos a contarnos ni a compararnos con algunos que se alaban a sí mismos; pero ellos, midiéndose a sí mismos por sí mismos, y comparándose consigo mismos, no son juiciosos.

He descubierto que muchos pastores se sienten condenados al comparar sus iglesias con las iglesias celulares mundiales de crecimiento rápido. Dios está haciendo un trabajo increíble en esas áreas, pero muchas partes del mundo (por ejemplo, América del Norte, Europa, Australia) la iglesia está viviendo en una era post-cristiana, y el crecimiento es muy lento.

He recibido un correo electrónico de un pastor de una iglesia celular en Inglaterra. Él escribió: “Una de las cosas que me sorprende es que la evangelización en América Latina y varias otras naciones parece ser mucho más fácil a través de las células que aquí en Inglaterra y en Europa. Invitar a alguien a una célula en algunas naciones/lugares suena tan fácil. Desde su experiencia, ¿Tiene algún consejo sobre cómo podemos ser más eficaces en la evangelización a través de las células? ”

Compartí con él algunos consejos, pero mi respuesta fue simplemente una de aliento: “Creo que estás golpeando en un punto importante. El evangelismo es más difícil en el mundo occidental y el evangelismo celular no es fácil.

He descubierto que tengo que ofrecer mucho aliento a aquellos pastores que entreno. Tienen que ser levantados y recordados para celebrar las pequeñas victorias y no compararse con los demás. En referencia a la iglesia en América, Barna y Leonard Sweet han dicho:

  • El 75% de las iglesias de hoy están muriendo o declinando
  • El 24% están creciendo al jugar santos musicales
  • El 1% de las iglesias de hoy están creciendo alcanzando a los perdidos.

Tom Clegg en su libro, Perdidos en América, dice que la mitad de todas las iglesias de los Estados Unidos han fallado en añadir una nueva persona a través del crecimiento de conversión en el plazo de un año. Él continúa diciendo que tres veces el número de iglesias en América están cerrando (3.750 por año) y se están abriendo (1.350 por año).

Compartí estas cosas con un pastor que estaba entrenando, porque le quería recordar su contexto y para él celebrar los pequeños triunfos. Rick y su iglesia ofrecieron amistad a los inconversos e invitando a los inconversos, pero se desanimó porque pocos se convirtieron en las células. Varios meses más tarde, este mismo pastor recibió un correo electrónico de uno de los líderes de las células “¡Hemos tenido la bendita oportunidad de dirigir una nueva visitante, Jessica, a la salvación y a una nueva vida en Jesucristo!!! ¡Alabado sea el Señor! El Señor se movió de una manera asombrosa en que ella nos preguntó directamente si podíamos ayudarle a convertirse a Cristo”.

¿Estás lleno de gozo por las victorias de la evangelización en su iglesia, a pesar de que no son numerosos? Recuerde que no debe compararse usted mismo con los demás. Sólo asegúrese de que estás alcanzando lo mejor que puedas llegar a aquellos que no conocen a Jesús a través del ministerio de la iglesia celular.

Evangelism within the Cell

coach_mario2016speaking

by Mario Vega, www.elim.org.sv

When equipping people for evangelism, it’s important to remember that most people believe the gospel message because they have heard it from a friend, relative or acquaintance.  Conversion usually happens after a person has heard the gospel many times over a period of time. In other words, the more Christians an unbeliever comes in contact with, the more probability that person will end up becoming a Christian.

Another important principle is that people usually receive Jesus because of the actions of other Christians rather than mere words.

Each of these principles should be taught in the discipleship equipping (training track) and constantly reinforced.

Cells provide an ideal atmosphere to connect with friends and relatives. Since cell ministry is developed weekly, there are more chances for people to hear the gospel message. Since the foundation of the cells is relational, unbelievers can meet Christians when attending the house meeting. The atmosphere is relational, and unbelievers have the opportunity not only to hear the gospel message but also to visibly see it through the cell members.

It is important to equip cell members in these principles so that they might reach out to friends and relatives, as well as to show by their actions that Jesus lives.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evangelismo Dentro da Célula

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Ao equipar as pessoas para o evangelismo, é importante lembrar que a maioria das pessoas acredita na mensagem do Evangelho porque elas têm ouvido sobre ele por um amigo, parente ou conhecido. A conversão geralmente acontece após uma pessoa ter ouvido do Evangelho muitas vezes ao longo de um período de tempo. Em outras palavras, quanto maior a quantidade de cristãos que um descrente entra em contato, maior é a probabilidade de que essa pessoa acabe se tornando um cristão.

Outro princípio importante é que as pessoas geralmente recebem Jesus por causa das ações de outros cristãos, em vez de por meras palavras.

Cada um destes princípios deve ser ensinado no equipamento do discipulado (trilho de treinamento) e reforçado constantemente.

As células proporcionam um ambiente ideal para se conectar com amigos e parentes. Já que o ministério celular é desenvolvido semanalmente, há mais chances para que as pessoas ouçam a mensagem do Evangelho. Como o fundamento das células é relacional, os incrédulos podem conhecer os cristãos ao participar da reunião doméstica. A atmosfera é relacional e os incrédulos têm a oportunidade não só de ouvir a mensagem do Evangelho, mas também de vê-la visivelmente através dos membros da célula.

É importante equipar os membros da célula nestes princípios para que eles possam alcançar os amigos e parentes, bem como mostrar por suas ações que Jesus vive.

Spanish blog: 

El evangelismo dentro de la célula

por Mario Vega

El entrenamiento para el evangelismo es parte de la formación de los líderes de célula. Ese entrenamiento se base en las verdades descubiertas por el evangelismo, por ejemplo, que la mayor parte de personas creen al evangelio por haberlo escuchado de un amigo, familiar o conocido. Que las conversiones se producen después de escuchar el evangelio varias veces. Que a mayor cantidad de personas cristianas se conocen aumentan las probabilidades que se termine creyendo. Que las personas creen más por la obras de los cristianos que por sus palabras.

Cada uno de estos principios cobran vigencia dentro del trabajo celular, ya que es allí donde las personas pueden conectar a sus amigos y parientes. Dado que el trabajo celular se realiza semanalmente, aumentan las ocasiones en que las personas pueden escuchar el evangelio. Dado que la base de las células es relacional, las personas pueden conocer a más cristianos cuando participan de la reunión en casa. El ambiente es el adecuado y las condiciones se prestan no solo para conocer a otros cristianos sino también para que sus obras se hagan visibles.

Es importante que los líderes puedan tener una conciencia de estos y otros principios para que de manera intencional fomenten las conductas y estilos de vida de los miembros de la célula para dar un testimonio eficaz del evangelio.

Blessing List – A Simple, Powerful Tool to Activate Your Cell Members in Effective Outreach

coaches_JimEgil

By Jim Egli, www.jimegli.com, author and pastor of Vineyard Church in Urbana, Illinois

Over my years of leading cell groups, the most powerful tool that I have found for focusing members on praying and reaching out together is a simple sheet of paper called a Blessing List.

My version of the Blessing List looks like this. It is a simple, laminated piece of paper, that has this written on it:

Blessing List

Loving and Praying People into Openness to Jesus

Level 1 – Churched Unbelievers

Level 2 – Seekers

Level 3 – Open to the Message

Level 4 – Open to the Messenger

Level 5 – Distorted or Unaware

Level 6 – Hostile

You can find a free sample Blessing List at my website at: http://jimegli.com/wp-content/uploads/2013/10/Blessing_List.pdf

When you present this to your group, say something like: “All of us have friends and loved ones that need Jesus but don’t know him yet. We want to pray together for some of these people, inviting God to bless them and make Jesus’ love real to them. Who is one person you know that needs to come to know Jesus that you would like us to join you in praying for?”

As each person shares a person’s name, ask them to give a rough estimate from 1 to 6 as to how close or open the person is to accepting Jesus.  Then write their name on the laminated Blessing List using an erasable marker. The reason why we laminate the paper and use an erasable marker is so that we move the person’s name up on the 1 to 6 scale as God works in their life.

The biggest challenge in creating the list is that many people will want you to write five or six names on it. But limit people to one or two. Otherwise you end up with an overwhelming number of names. It is better to be focused.

The best time to pray for your Blessing List is right after your icebreaker time. Change up how you do this. Some weeks you can take a couple minutes to pray together for these friends as a group, other weeks have people break up into smaller groups to pray for their loved ones.

I could tell you many wonderful stories of people coming to Christ who were prayed for on our lists. One that is special to me is an older woman named Georgia who was in our group last year. She had prayed for her mother to come to know Christ for over 40 years, but her mom did not make a decision for Jesus until Georgia’s small group members joined her in praying for her mom.

Do you have a way of helping your cell group pray and work together to reach their friends and love ones? If you need a simple, powerful tool, I encourage you to try using a Blessing List.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Lista de Bênçãos – Uma Ferramenta Simples e Poderosa para Ativar os Membros de Sua Célula em Evangelismo Eficaz

Por Jim Egli, www.jimegli.com, autor e pastor da Vineyard Church em Urbana, Illinois

Durante meus anos liderando células, a ferramenta mais poderosa que eu encontrei para fazer com que os membros se concentrem em orar e evangelizar juntos é uma simples folha de papel chamada de Lista das Bênçãos.

Minha versão da Lista das Bênçãos se parece com isso. É uma folha simples e laminado de papel, que tem isso escrito nele:

Lista das Bênçãos

Amando e Orando Para Que as Pessoas se Abram Para Jesus.

Nível 1 – Descrentes na Igreja

Nível 2 – Caçadores

Nível 3 – Abertos à Mensagem

Nível 4 – Abertos ao Mensageiro

Nível 5 – Distorcidos ou Ignorantes

Nível 6 – Hostis

Você pode encontrar uma amostra gratuita da Lista de Bênçãos em meu website: http://jimegli.com/wp-content/uploads/2013/10/Blessing_List.pdf

Quando você apresentar isto ao seu grupo, diga algo como: “Todos nós temos amigos e entes queridos que precisam de Jesus, mas que não o conhecem ainda. Queremos orar juntos por algumas dessas pessoas, convidando Deus para abençoá-las e fazer com que o amor de Jesus seja real para elas. Quem é uma pessoa que você sabe que precisa conhecer Jesus por quem você gostaria que nos juntássemos a você em oração? ”

À medida que cada pessoa compartilha o nome de alguém, peça-lhes para darem uma estimativa aproximada de 1 a 6 de quão fechada ou aberta essa pessoa está para aceitar Jesus. Em seguida, escreva o seu nome na Lista das Bênçãos usando um marcador apagável. A razão pela qual laminamos o papel e usamos um marcador apagável é para que possamos mover o nome da pessoa para cima na escala de 1 a 6, conforme Deus trabalha em sua vida.

O maior desafio na criação da lista é que muitas pessoas vão querer que você escreva cinco ou seis nomes. Mas limite as pessoas com uma ou duas. Caso contrário, você acaba com um número esmagador de nomes. É melhor ficar focado.

O melhor momento para orar por sua Lista de Bênçãos é logo após o seu tempo de quebra-gelo. Mude como você faz isso. Em algumas semanas você pode tirar alguns minutos para vocês orarem juntos por esses amigos como um grupo, em outras semanas divida as pessoas em grupos menores para orarem por seus entes queridos.

Eu poderia lhe contar muitas histórias maravilhosas de pessoas que vieram para Cristo e que antes receberam orações em nossas listas. Uma história que é especial para mim é a de uma mulher mais velha chamada Georgia que estava no nosso grupo no ano passado. Ela tinha orado para que sua mãe conhecesse a Cristo há mais de 40 anos, mas sua mãe não tomou uma decisão por Jesus até que os membros do pequeno grupo da Geórgia se unissem a ela em oração por sua mãe.

Você tem uma maneira de ajudar a sua célula a orar e a trabalhar em unidade para alcançar seus amigos e entes queridos? Se você precisa de uma ferramenta simples e poderosa, eu te encorajo a tentar usar uma Lista de Bênçãos.

Spanish blog:

Lista de bendición – una herramienta simple y poderosa para activar los miembros de la célula en un alcance efectivo

Por Jim Egli, www.jimegli.com, autor y pastor de la Iglesia del viñedo en Urbana, Illinois

Durante mis años dirigiendo grupos celulares, la herramienta más poderosa que he encontrado para enfocar los miembros en la oración y llegar juntos es una simple hoja de papel que se llama una lista de Bendición.

Mi versión de la Lista de bendición se parece a esto. Es simple, lamina una pieza de papel, que tenga esto escrito:

Lista de Bendición

Amar y Orar por personas en La apertura a Jesús

Nivel 1 – incrédulos de iglesia

Nivel 2 – Solicitantes

Nivel 3 – Abierto al mensaje

Nivel 4 – Abierto al Mensajero

Nivel 5 – distorsionado o sin conocimiento

Nivel 6 – Hostil

Puedes encontrar ejemplos de una lista bendición en mi sitio web en: http://jimegli.com/wp-content/uploads/2013/10/Blessing_List.pdf

Cuando presentas esto a tu grupo, di algo como: “Todos tenemos amigos y seres queridos que necesitan a Jesús, pero no lo conocen todavía. Queremos orar juntos por algunas de estas personas, invitando a Dios a que los bendiga y hacer que el amor de Jesús sea real para ellos. ¿Quién es una persona que conoces que tiene que llegar a conocer a Jesús y que te gustaría unirlo a vosotros en la oración?”

A medida que cada persona comparte el nombre de una persona, pídeles que te den un estimado aproximado de 1 a 6 en que tan cerrada o abierta es esta persona en aceptar a Jesús. Luego, escribe su nombre en la lista de Bendición usando un marcador borrable. La razón por la que debes laminar el papel es para utiliza un marcador borrable y mover el nombre de la persona para arriba en la escala de 1 a 6 como Dios obra en su vida.

El mayor reto es la creación de la lista y mucha gente va a querer escribir cinco o seis nombres en ella. Pero limita a la gente a uno o dos. De lo contrario terminaras con un número abrumador de nombres. Es mejor estar concentrado.

El mejor momento para orar por la lista de Bendición es justo después de la hora del rompehielos. Cambia la forma de hacerlo. Algunas semanas puedes tomar un par de minutos en orar juntos por estos amigos como grupo, otras semanas sepáralos en grupos más pequeños para orar por sus seres queridos.

Podría contarte muchas historias maravillosas de gente que viene a Cristo que recibieron oración por nuestras listas. Una que es muy especial para mí es una mujer mayor llamada Georgia que estaba en nuestro grupo el año pasado. Ella había orado por su madre para venir a conocer a Cristo por más de 40 años, pero su madre nunca tomo una decisión para Jesús hasta que el grupo de Georgia se unió en oración por ella.

¿Tienes una manera de ayudar a tu grupo celular a orar y trabajar juntos para llegar a tus amigos y seres queridos? Si necesitas una herramienta sencilla, potente, te animo a utilizar la Lista de Bendición.

Jim

5 Fun Questions to Mobilize Your Cell Members in Relational Outreach

coaches_JimEgil

By Jim Egli, www.jimegli.com, author and pastor of Vineyard Church in Urbana, Illinois

Most of your cell members aren’t doing evangelism because they have a wrong idea of what it is, so they feel inadequate and unequipped to do it.

I have found five fun questions that totally change perspectives and move members into effective outreach.

Write these five questions on a whiteboard, handout, or piece of newsprint. Have people discuss them in pairs, then discuss them as a group. You will be amazed at how encouraging and empowering the discussion is as people learn from their own experience practical, biblical principles for reaching their friends and relatives.

Here are the questions:

1. What is the first thing that comes to your mind when you hear the word “evangelism”?
2. Who was most influential in bringing you to Christ? What was that person’s relationship to you?
3. What did that person do that influenced you?
4. What did they say?
5. How did they make you feel?

After people discuss their answers with someone next to them, talk through them one by one with your group. I have done this many times with groups and every time the same truths emerge. Point these truths out to your own group as these realities reveal themselves through your discussion.

1. Most people have the wrong idea of what “evangelism” is. This is clear because most people’s mental construct or paradigm (the first thing that comes to their mind) is talking to strangers on the street or door-to-door about Jesus.
2. However, almost everyone was brought to Christ, not by a stranger, but by a friend, coworker, or relative. In fact, probably no one in your group was led to Christ by a stranger. (It’s great to lead strangers to Christ but it’s the exception, not the rule, so your members should focus their prayers and love on people that they know.)
3. Most people are influenced to Christ by simple acts of love. It was people who cared about them, encouraged them, listened to them, and invested in them. (Simple, practical things that they can easily do for the people that they live, work with, and go to school with every day.)
4. Most people can’t remember what the people said, or the words that they spoke were simply an invitation to church or to a cell group meeting.
5. Above all these people made them feel loved. They did not condemn, cajole, or belittle them.

These five questions will guide members to discover that the most effective evangelism is done by ordinary people like them who love, serve, care about, and actively reach out to people that don’t know Jesus.

You can end your discussion time by reading John 1:35-49. Just like Andrew and Philip simply reached out to a relative and a friend, and it totally changed the direction of these men’s lives, so they too can just need to serve, pray for, and invite those they know into learning more about Jesus.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

5 Perguntas Divertidas para Mobilizar seus Membros de Célula no Evangelismo Relacional

Por Jim Egli, www.jimegli.com, autor e pastor da Igreja Vineyard em Urbana, Illinois

A maioria dos seus membros de célula não está evangelizando porque eles têm a ideia errada do que isso é, então eles se sentem inadequados e não equipados para fazê-lo.

Eu descobri cinco perguntas divertidas que mudam perspectivas completamente e movem membros para o evangelismo eficaz.

Escreva essas cinco perguntas em um quadro, folha, ou em um pedaço de papel de jornal. Tenha pessoas para discuti-los em pares, em seguida discuta-os como um grupo. Você ficará admirado pelo quão encorajadora e empoderadora a discussão é conforme as pessoas aprendem por suas próprias experiências práticas e princípios bíblicos para alcançar seus amigos e parentes.

Aqui estão as perguntas:

  1. Qual é a primeira coisa que vem à sua mente quando você ouve a palavra “evangelismo”?
  2. Quem foi que mais te influenciou em trazê-lo para Cristo? Qual era o relacionamento dessa pessoa com você?
  3. O que essa pessoa fez que te influenciou?
  4. O que ela disse?
  5. O que ela te fez sentir?

Após as pessoas discutirem suas respostas com alguém próximo a elas, converse com elas uma por uma com seu grupo. Eu fiz isso muitas vezes com grupos e todas as vezes as mesmas verdades emergem. Aponte essas verdades para o seu próprio grupo conforme essas realidades se revelam através de sua discussão.

  1. A maioria das pessoas tem a ideia errada do que o “evangelismo” é. Isso é claro porque a construção mental ou paradigma da maioria das pessoas (a primeira coisa que vem à sua mente) é conversar com estranhos na rua ou de porta em porta sobre Jesus.
  2. No entanto, quase todos foram trazidos para Cristo, não por um estranho, mas por um amigo, colega de trabalho, ou parente. Na verdade, provavelmente nenhum do seu grupo foi levado para Cristo por um estranho. (É ótimo levar estranhos para Cristo mas é a exceção, não a regra, então seus membros devem focar suas orações e amor nas pessoas que eles conhecem.)
  3. A maioria das pessoas é influenciada para Cristo por simples atos de amor. Foram as pessoas que se importaram com eles, as encorajaram, ouviram, e investiram nelas. (Coisas simples e práticas que elas podem facilmente fazer pelas pessoas com quem elas vivem, trabalham, e vão para a escola todos os dias.)
  4. A maioria não consegue lembrar o que as pessoas disseram, ou as palavras que elas disseram eram simplesmente um convite para a igreja ou para uma reunião de célula.
  5. Acima de tudo isso as pessoas fizeram com que elas se sentissem amadas. Elas não as condenaram, persuadiram ou as desprezaram.

Essas cinco perguntas irão guiar os membros a descobrirem que o evangelismo mais eficaz é feito por pessoas comuns como eles que amam, servem, se preocupam, e ativamente alcançam aquelas que não conhecem Jesus.

Você pode terminar seu momento de discussão lendo João 1:35-49. Assim como André e Filipe simplesmente estenderam a mão a um parente e um amigo, e isso mudou totalmente a direção da vida desses homens, então eles também podem apenas precisar servir, orar e convidar os que conhecem para aprender mais sobre Jesus.

Spanish blog: 

5 preguntas divertidas para movilizar a los miembros de tu célula a una Extensión Relacional

Por Jim Egli, www.jimegli.com, autor y pastor de la Iglesia El viñedo en Urbana, Illinois

La mayoría de los miembros de la célula no están haciendo el evangelismo porque tienen una idea equivocada de lo que es, pero se sienten inadecuados y no equipados para hacerlo.

He encontrado cinco preguntas divertidas que cambian totalmente las perspectivas y mueve a los miembros en un alcance efectivo.

Escribe estas cinco preguntas en una pizarra, folleto, o un pedazo de papel. Has que en parejas discutan las preguntas, luego discútelas en grupo. Usted se sorprenderá en que tan animados y potencial es la discusión y que la gente aprende de su propia experiencia, principios bíblicos para llegar a sus amigos y parientes.

Aquí están las preguntas:

  1. ¿Cuál es la primera cosa que viene a tu mente cuando escuchas la palabra “evangelismo”?
  2. ¿Quién fue más influyente en traerte a Cristo? ¿Cuál era la relación de esa persona con usted?
  3. ¿Qué hizo esa persona para influenciarte?
  4. ¿Qué te dijeron?
  5. ¿Cómo te sientes?

Después que las personas discuten las respuestas con alguien al lado de ellos, habla a través de ellos uno por uno en su grupo. He hecho esto muchas veces con grupos y cada vez las mismas verdades emergen. Señalan estas verdades a su propio grupo ya que estas realidades se revelan a través de la discusión.

  1. La mayoría de la gente tiene una idea equivocada de lo que es “el evangelismo”. Esto es claro porque la mayoría de las personas construyen mentalmente un paradigma (la primera cosa que viene a la mente) está hablando con extraños en la calle o puerta a puerta hablando sobre Jesús.
  2. Sin embargo, casi todo el mundo fue llevado a Cristo, no por un desconocido, pero por un amigo, compañero de trabajo, o un pariente. De hecho, probablemente nadie en su grupo fue llevado a Cristo por un desconocido. (Es muy bueno traer extraños a Cristo, pero es la excepción y no la regla, por lo que sus miembros deben concentrar sus oraciones y amor en las personas que conocen).
  3. La mayoría de las personas se ven influenciados a Cristo por simples actos de amor. Era gente que se preocupaba por ellos, los animó, escúchelos, e invierte en ellos. (Cosas sencillas y prácticas que se pueden hacer fácilmente por las personas que viven, trabajan, e ir a la escuela todos los días).
  4. La mayoría de la gente no puede recordar lo que dijeron las personas, o las palabras a las que se referían eran simplemente una invitación a la iglesia o en una reunión de un grupo de células.
  5. Por encima de todas estas personas les hacía sentirse amado. Ellos no condenan, engatusan, o menospreciarlos.

Estas cinco preguntas guiarán a los miembros a descubrir que el evangelismo más efectivo se hace por la gente común que ellos aman, sirven, se preocupan, y activamente atienden a personas que no conocen a Jesús.

Puede terminar su tiempo de meditación con la lectura de Juan 1: 35-49. Al igual que Andrés y Felipe, simplemente se acercó a un pariente y un amigo, y cambió por completo el sentido de la vida de estos hombres, para que ellos también pueden simplemente tenga que servir, orar, e invitar a sus conocidos en aprender más acerca de Jesús.

The Cell Church and the Evangelists

coach_mario2016speaking

by Mario Vega, www.elim.org.sv

The cell system has the ability to gather hundreds or thousands of people each week in houses. The number of people reached by cells is similar to that which evangelists can gather in their evangelistic events. It is a broad and constant evangelistic effort. Does a cell church need evangelists when it has such broad results without the costs of having major events? The answer is yes. The ministry of evangelists is not a human occurrence but a gift that the Lord Jesus has given to His church. Given that the New Testament church met in houses, it is clear that the entire biblical model is the Evangelist serving the cell church.

In fact, the results of an evangelist are better capitalized when the church is a cell church. The reason is that the cell church is better prepared to take better care of the new converts than a traditional church. What can a traditional church do with 300 new conversions in a single day event with an evangelist?

However, for a cell church, taking care of 300 new believers is easy: they are distributed among the cells. If the church has 100 cells it corresponds to an average of 3 new converts per cell. This is an easy number to handle and because of the cells character it can disciples those new converts continually.

That’s the way God designed his church. There may be other ways to win people for Jesus. But if we want to follow the New Testament model, evangelists work best when the church is a cell church.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Igreja em Células e os Evangelistas

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

O sistema celular tem a habilidade de reunir centenas ou milhares de pessoas nas casas toda semana. O número de pessoas alcançadas através das células é semelhante ao que evangelistas conseguem reunir em seus eventos evangelísticos. É um esforço evangelístico amplo e constante. Uma igreja em células precisa de evangelistas quando ela tem resultados tão amplos sem os custos de realizar grandes eventos? A resposta é sim. O ministério de evangelistas não é um acontecimento humano, mas um dom que o Senhor Jesus deu para a Sua Igreja. Levando em conta que a igreja do Novo Testamento se encontrava nas casas, é claro que o modelo bíblico inteiro é o evangelista que serve na igreja em células.

De fato, os resultados de um evangelista são capitalizados melhor quando a igreja é uma igreja em células. A razão é que a igreja em células é mais preparada para cuidar melhor dos novos convertidos  do que uma igreja tradicional. O que uma igreja tradicional faz com 300 novas conversões, em um único dia, com um evento evangelístico?

Contudo, para uma igreja em células, cuidar de 300 novos crentes é fácil: eles são distribuídos entre as células. Se a igreja tem 100 células, isso corresponde a uma média de 3 novos convertidos por célula. Esse é um número fácil de lidar e, por causa do caráter da célula, os novos convertidos poderão ser discipulados continuamente.

Essa é a forma que Deus projetou Sua igreja. Podem haver outras maneiras de ganhar pessoas para Jesus. Mas se nós queremos seguir o modelo do Novo Testamento, evangelistas trabalham melhor quando a igreja é uma igreja em células.

Spanish blog: 

La iglesia celular y los evangelistas

por Mario Vega

El sistema celular es capaz de reunir a cientos o miles de personas cada semana en las casas. La cantidad de personas alcanzadas por las células es similar a la que los evangelistas pueden reunir en sus eventos evangelizadores. Es un esfuerzo evangelizador amplio y constante. ¿Una iglesia celular necesita de evangelistas cuando tiene tan amplios resultados y sin los costos de los grandes eventos? La respuesta es sí. El ministerio de evangelista no es una ocurrencia humana sino un don que el Señor Jesús ha otorgado a su iglesia. Teniendo en cuenta que la iglesia del Nuevo Testamento se reunía en las casas, es evidente que el modelo bíblico completo es el evangelista sirviendo a la iglesia celular.

En realidad, los resultados del evangelista se aprovechan mucho mejor cuando la iglesia es celular. La razón es que la iglesia celular está preparada para atender a los nuevos conversos de mejor manera que una iglesia tradicional. ¿Qué puede hacer una iglesia tradicional con 300 nuevas conversiones en un solo día de evento con un evangelista? En cambio, para una iglesia celular, atender a 300 nuevos creyentes es fácil: se les distribuye entre las células. Si la iglesia tiene 100 células le corresponde un promedio de 3 nuevos conversos por célula. Una cantidad muy fácil de manejar y que por el carácter de las células se convierte en un cuidado permanente y discipulador.

Esa es la manera cómo Dios diseñó su iglesia. Pueden existir otras maneras de ganar a las personas para Jesús. Pero, si queremos seguir el modelo del Nuevo Testamento, invita a un evangelista.

Reach Out with Relationships

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

By Daphne Kirk, www.daphnekirk.org

I am a strong advocate for Biblical generational community. However, however I am also an advocate for homogeneous outreach where necessary. The Body of Christ is multi-generational, but society does not necessarily live or think that way.

Deciding where relationships in the cell are focused, where cell members have connection. or where members have a passion to reach out, is probably a good place to start when deciding on outreach. I say “when” because I am assuming that every cell is striving to reach out just as the Head of the Church did when on earth. It was and is, by His Spirit, still His lifestyle.

Families would be a natural outreach – very often links with children’s friends provide a natural connection. Most families are happy if the children are catered for and content within the context of the occasion.

Women or Men reaching others through activities such a football, fishing, etc., but this would require some researching of the leisure activities of men / women that the cell is wanting to reach. Another idea is determining an hobby of one of the cell members and then finding others who are interested in that same hobby or activity.

Sadly, we often overlook children and young people when thinking about outreach. Yet most people come to Jesus under the age of 15, and it would seem an ideal place to begin by, again, using existing relationships to make a regular visit to the local park with balloons to entertainment.

Above all the outreach needs to have some on-going element to it. This can either be through existing relationships, continuing with relationships made at the outreach or through regular outreaches with the same people or at the same time and place. Intentional relationships are the key. It is the key to people’s hearts, and the key for the Kingdom.

How can a cell be a cell if it is not winning those He died for? He commanded us to go – and make disciples. Now is the time.

Daphne

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evangelize com Relacionamentos

Por Daphne Kirk

Eu sou uma forte defensora da comunidade de gerações bíblicas. Entretanto, eu também sou uma defensora do alcance homogêneo quando necessário. O Corpo de Cristo é multigeracional, mas a sociedade, não necessariamente, vive ou pensa dessa forma.

Decidir onde os relacionamentos na célula estão focados, onde os membros de célula tem uma conexão, ou onde os membros tem uma mesma paixão para evangelizar, é provavelmente um bom lugar para começar quando se está decidindo sobre o evangelismo. Eu digo “quando” porque eu estou supondo que cada célula esteja se esforçando para alcançar o que o Cabeça da Igreja fazia quando na estava na Terra. Esse era e ainda é, pelo Seu Espírito, Seu estilo de vida.

Famílias são um meio natural de alcance- muitas vezes as ligações com os amigos das crianças fornecem uma conexão natural. A maioria das famílias ficam felizes se as crianças são cuidadas e são satisfeitas dentro do contexto da ocasião.

As mulheres ou os homens podem evangelizar outras pessoas através de atividades como futebol, pescaria, etc, mas isso exigiria uma pesquisa das atividades de lazer dos homens/mulheres que a célula está querendo alcançar. Outra ideia é selecionar um hobby de um dos membros da célula e, então, encontrar outras pessoas que estejam interessadas no mesmo hobby ou atividade.

Infelizmente, muitas vezes nós ignoramos as crianças e os jovens quando pensamos no processo de alcance. No entanto, a maioria das pessoas vêm para Jesus com idade inferior a 15 anos, e um lugar ideal para começar (novamente, usando relacionamentos existentes) seria fazer uma visita regular ao parque local com balões para entretenimento.

Além de toda a divulgação é preciso ter algum elemento permanente a ela. Isto pode ser através de relações existentes, continuando com as relações feitas na divulgação ou através de evangelismos regulares, com as mesmas pessoas ou no mesmo tempo e lugar.

Relacionamentos intencionais são a chave. Eles são a chave para os corações das pessoas, e a chave para o Reino.

Como uma célula pode ser uma célula se ela não está ganhando aqueles por quem Ele morreu? Ele nos mandou ir, e fazer discípulos. Agora é a hora.

Daphne

Spanish blog:

Alcanzando con relaciones

Por Daphne Kirk, www.daphnekirk.org

Soy una firme defensora de la comunidad generacional bíblica. Sin embargo, también soy una defensora de la extensión homogénea cuando sea necesaria. El Cuerpo de Cristo es multi-generacional, pero la sociedad no necesariamente vive o piensa de esa manera.

Decidir dónde relaciones en las células se concentran, donde los miembros de la célula tienen conexión. O donde los miembros tienen una pasión para alcanzar, es probablemente un buen lugar para empezar a la hora de decidir el alcance. Digo “cuando” porque yo estoy asumiendo que cada célula está tratando de llegar al igual que la cabeza de la Iglesia lo hizo al principio. Fue y es, por su Espíritu, siendo su estilo de vida.

Las familias serían una extensión natural de alcance – muy a menudo sus vinculaciones con los amigos de los niños proporcionan una conexión natural. La mayoría de las familias son felices si los niños son atendidos dentro del contenido del contexto de la ocasión.

Las mujeres o los hombres llegan a otros a través de actividades como el fútbol, pesca, etc., pero esto requeriría alguna investigación de las actividades de ocio de los hombres/mujeres en la célula los cuales quieres alcanzar. Otra idea es determinar un pasatiempo de uno de los miembros de la célula y luego encontrar a otros que estén interesados en la misma afición o actividad.

Por desgracia, a menudo pasan por alto los niños y jóvenes cuando se piensa en el alcance. Sin embargo, la mayoría de la gente viene a Jesús cuando tienen menos de 15 años de edad, y parece un lugar ideal para empezar, de nuevo, usando las relaciones existentes para hacer una visita periódica al parque local con globos para el entretenimiento.

Por encima de todo el alcance necesitas tener algún elemento en curso a la misma. Esto puede ser a través de las relaciones existentes, continuando con las relaciones hechas en el alcance o por medio de alcances regulares con las mismas personas o al mismo tiempo y lugar.

Las relaciones intencionales son la clave. Es la clave del corazón de la gente, y la clave para el Reino.

¿Cómo puede una célula ser una célula si no es gana por los que Él murió? Él nos ordenó ir – y hacer discípulos. Ahora es el momento.

Daphne

Cell Evangelism Using Share Groups

coaches_ralphN

By Ralph Neighbour Jr

Mature Cells who regularly experience the Presence and Power of the Spirit need to be guided to structure relationships with the unreached. In our culture, one way we have found to enter new families is by using “share” groups. This is a way to connect with people who are not responsive to the shared witness of their friends.

Many years ago I pondered how to bond to those who are in the neighborhood but have no interest in “religion.” It dawned on me that everyone, with few suggestions, like to share about what they are interested in.

We first tested this with a doctor in our cell. He invited six of his patients to share an evening in his home where he would give advice about medications. The group bonded quickly as they chatted together with the doctor. At the end of the evening, I said, “We appreciate the Doc inviting us to talk about this topic. I wonder: if we came to your home for an evening, what would you like to share with us? For example, if you came to my house, we would show you how we make Swedish spaghetti.”

I continued, “”if we came to your home for an evening and you set the agenda, what would we do?”

One said, “I would show you my paintings.” Another, “My husband impersonates Elvis. He would serenade you!” Another suggested showing slides of a European vacation…

I continued, “Could we schedule a night soon to come to your home and let you share with us in these areas? We could call these one time ‘share groups.” (My heart was pumping; would it work?)

Yes! All agreed!

Through the years, many cell group teams have been successful entering the homes of acquaintances using Share Groups. I recently asked our Townhouse Association for permission to set up a web site where the 300 residents could set a date and subject for neighbors to sponsor a Share Group. From the Board Meeting, I got instant emails from fellow residents, (the approval had not yet been announced):

“I like Clint Eastwood movies. I’ll invite others to meet and watch them at my home.”

“I am from France. I can teach how to make Quiche Lorraine.”

People like to talk about themselves and their passions. When we become interested in what they are interested in, doors open wide. When we can bond to new people by caring about what they care about, friendships develop!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evangelismo Celular Usando Grupos Para Compartilhar

Por Ralph Neighbour Jr.

Células maduras que experimentam regularmente a Presença e o Poder do Espírito Santo precisam ser guiadas para estruturar relacionamentos com os não alcançados. Em nossa cultura, uma forma que descobrimos para entrar em novas famílias é usando grupos “para compartilhar”. Essa é uma maneira de se conectar com as pessoas que não são sensíveis ao testemunho que seus amigos compartilham.

Muitos anos atrás, eu pensava sobre como nos relacionar com as pessoas que estão no bairro, mas que não têm interesse em “religião”. Eu percebi que todos, com algumas sugestões, gostam de compartilhar sobre o que os interessa.

Primeiro nós testamos isso com um médico em nossa célula. Ele convidou seis de seus pacientes para irem uma noite em sua casa, onde ele daria conselhos sobre medicamentos. O grupo se conectou rapidamente conforme eles conversavam com o médico. No final da noite, eu disse: “Agradecemos o doutor por ter nos convidado para falar deste tema. Eu me pergunto: se nós fôssemos à sua casa para uma noite, o que você gostaria de compartilhar conosco? Por exemplo, se vocês fossem à minha casa, nós lhes mostraríamos como fazemos espaguete sueco”.

Eu continuei: “se nós fôssemos à sua casa uma noite e você fosse estabelecer a agenda, o que nós faríamos?”

Uma pessoa disse: “eu mostraria minhas pinturas a vocês”. Outra falou: “Meu marido imita Elvis. Ele faria uma serenata para vocês!”. Outra pessoa sugeriu mostrar slides de uma viagem à Europa…

Eu continuei: “será que nós podemos marcar uma noite em breve para irmos às suas casas e vocês compartilharem conosco sobre essas áreas? Nós podemos chamar esse tempo de ‘grupos para compartilhar’” (Meu coração estava acelerado; isso iria funcionar?).

Sim! Todos concordaram!

Através dos anos, muitas equipes de células têm sido bem sucedidas ao entrar nas casas de conhecidos utilizando os Grupos Para Compartilhar. Recentemente, eu pedi permissão à associação do nosso condomínio para criar um site onde os 300 moradores poderiam definir uma data e um assunto para os vizinhos patrocinarem um Grupo Para Compartilhar. Depois da reunião de diretoria, eu recebi e-mails de outros moradores (a aprovação ainda não tinha sido anunciada):

“Eu gosto dos filmes de Clint Eastwood. Vou convidar as pessoas para virem e assistirem os filmes na minha casa”.

“Eu sou da França. Eu posso ensinar como fazer Quiche Lorraine”.

As pessoas gostam de falar sobre si mesmas e suas paixões. Quando ficamos interessados no que elas são interessadas, as portas se abrem grandemente. Quando conseguimos nos conectar a novas pessoas ao nos preocupar com o que elas se preocupam, as amizades se desenvolvem!

Spanish blog: 

Evangelismo celular usando Grupos compartir

Por Ralph Neighbour Jr.

Las células maduras que experimentan regularmente la presencia y poder del Espíritu necesitan ser guiados para estructurar las relaciones con los inconversos. En nuestra cultura, una manera en la que hemos encontrado como introducir nuevas familias es mediante el uso de grupos “compartir”. Esta es una manera de conectarse con la gente que no responden al testimonio común de sus amigos.

Hace muchos años meditaba cómo unir a los que están en la vecindad, pero no tienen interés en la “religión.” Me di cuenta de que todos, con algunas sugerencias, les gusta compartir acerca de lo que les interesa.

Primero probamos esto con un médico en nuestra célula. Él invitó a seis de sus pacientes para compartir una noche en su casa donde iba a dar consejos acerca de sus medicamentos. El grupo se unió de forma rápida mientras charlaban junto con el médico. Al final de la tarde, le dije: “Apreciamos que el doctor nos invitó a hablar sobre este tema. Me pregunto: si llegamos a su casa por una noche, ¿Que te gustaría compartir con nosotros? Por ejemplo, si usted vino a mi casa, yo te mostraría cómo hacer los espaguetis suecos”.

Continué, “si llegamos a tu casa por una noche y se establece el orden del día, ¿qué haríamos?”

Uno de ellos dijo: “Te mostraría mis pinturas”. Otro, “Mi marido imita a Elvis. Él canta una serenata” Otro sugirió mostrar sus diapositivas de unas vacaciones en Europa…

Continué, “¿Podemos programar otra noche para ir a tu casa y compartir con nosotros en estas áreas? Podríamos llamar a estos grupos, grupos que comparten una sola vez “(Mi corazón latía; ¿funcionaría?).

¡Sí! ¡Todos estuvieron de acuerdo!

A través de los años, muchos equipos de grupos celulares han tenido éxito entrando en las casas en la participación de grupos. Recientemente le pedí a nuestra Asociación de vecinos la autorización para crear un sitio web donde los 300 residentes podrían fijar una fecha y en que los vecinos se patrocinan un grupo para compartir. A partir de la reunión de la Junta, recibí correos electrónicos instantáneos de los otros residentes, (la aprobación aún no se había anunciado):

“Me gustan las películas de Clint Eastwood. Voy a invitar a otros a conocer y verlas en mi casa”.

“Soy de Francia. Puedo enseñar cómo hacer quiche Lorraine”.

La gente le gusta hablar de sí mismos y de sus pasiones. Cuando nos interesamos en lo que les interesa, las puertas se abren por completo. Cuando somos capaces de unirnos a las personas nuevas por preocuparse por lo que nos importa, las amistades se desarrollan.

Ralph

Cell Evangelism and Power Encounters

coaches_ralphN

By Ralph Neighbour Jr

In Luke 10, Jesus disbursed 72 disciples to evangelize Perea, an unreached area. He sent them by threes: two persons would be empowered by His inner Presence: “Where two or three gather, I am in their midst.” 2 + Christ = 3!

This important truth seems to be forgotten by us: the unbeliever observing the Presence of Christ active in us is the source of evangelization. We do not bring a cognitive explanation to the unbeliever. We bring the evidence of the Indwelling One’s power.

A student of mine at Columbia International Seminary from India told me how he evangelized several villages each year: “We walked the streets and prayed, ‘Lord, which one of these persons will you touch?’ He would shows us a man or woman who was crippled or sick and He would say, ‘This one!” So we would fast and pray until the person was healed. Then the villagers would say, ‘Tell us about your powerful God.’ After many were converted, we formed them into a congregation and moved on.”

In 1 Cor. 14:24-25 we see this same process evidenced as all believers are anointed to prophesy in the house group. As the unbeliever observes the supernatural evidence he falls on his face saying, “God is among you!”

The contrast between “small groups” and “Christ Bodies” is precisely revealed by how unreached persons are brought to the cross.

  1. Cognitive Approach

The small group that discusses a Bible passage takes the cognitive approach. They learn about the Jordan miraculously parting, the Israelites passing over on dry land. They do not expect that within their midst God’s power might be manifested. The unbeliever does not experience God in the midst.

  1. Experiential Approach

The Christ Body assembles to share needs, hurts, strongholds with one another.

They gather to work out their salvation ( Phil. 2:12), knowing God’s power is among them to comfort, edify and encourage. Stated needs cause each believer to listen to the Spirit’s voice. They are anointed to manifest spiritual gifts. As these are shared and breakthroughs take place, seekers present are exposed to the presence of the living Christ and the Holy Spirit. Conversions are the result of experiencing God, not the ancient story of His power.

Authentic evangelism in a cell group is based on the members revealing the Presence and Power of the indwelling Christ. For this to take place, the group must first transparently share their needs. The responses must come through members manifesting the energeia of spiritual gifts. Body Life evangelism is, therefore, distinct from the tepid evangelism that relies on words alone rather than a revelation of Christ’s presence.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evangelismo Celular e Encontros de Poder

Por Ralph Neighbour Jr

Em Lucas 10 Jesus enviou 72 discípulos para evangelizar áreas não alcançadas. Ele os enviou de três em três: duas pessoas seriam capacitadas por Sua Presença viva. “Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles”; 2 + Jesus Cristo = 3!

Essa verdade tão importante parece ter sido esquecida por nós: o não convertido observando a Presença de Cristo viva em nós é a fonte da evangelização. Nós não levamos uma explicação cognitiva àquele que não é crente. Nós levamos a evidência do poder dAquele que vive em nós.

Um aluno meu da Índia no Columbia International Seminary me contou como ele evangelizava várias aldeias todos os anos: “Nós andávamos pelas ruas e orávamos: ‘Senhor, qual dessas pessoas Você vai tocar?’. Ele nos mostrava um homem ou uma mulher que era aleijado(a) ou doente e Ele dizia: ‘Este aqui!’ Então nós jejuávamos e orávamos até que a pessoa fosse curada. Então, os moradores diziam: ‘Conte-nos sobre o seu Deus poderoso’. Depois que muitos se convertiam, nós os transformávamos em uma congregação e seguíamos em frente”.

Em 1 Coríntios 14:24-25 nós vemos a evidência deste mesmo processo, pois todos os convertidos foram ungidos para profetizar no grupo doméstico. Conforme os descrentes observam a evidência sobrenatural, eles caem com seu rosto em terra, dizendo: “Deus está entre vocês!”.

O contraste entre “pequenos grupos” e “Corpos de Cristo” é revelado precisamente pela forma como os incrédulos são levados à cruz.

  1. Abordagem Cognitiva

O pequeno grupo que discute uma passagem da Bíblia utiliza a abordagem cognitiva. Eles aprendem sobre a abertura miraculosa do Jordão e a travessia em terra seca dos israelitas. Eles não esperam que o poder de Deus se manifeste em seu meio. O descrente não experimenta Deus agindo em seu meio.

  1. Abordagem Experiencial

O Corpo de Cristo se reúne para compartilhar necessidades, dores e fortalezas uns com os outros.

Eles se reúnem para exercitar sua salvação (Fp. 2:12), sabendo que o poder de Deus está no meio deles para confortar, edificar e encorajar. Declarar as necessidades faz com que cada crente ouça a voz do Espírito. Eles são ungidos para manifestar dons espirituais. Conforme elas são compartilhadas e descobertas acontecem, as pessoas presentes são expostas à presença do Cristo vivo e do Espírito Santo. As conversões são o resultado de experimentar Deus, e não de ouvir a antiga história sobre Seu poder.

O evangelismo autêntico em uma célula se baseia nos membros revelando a Presença e o Poder do Cristo que habita neles. Para que isso ocorra, o grupo deve primeiro compartilhar transparentemente suas necessidades. As respostas devem vir pelos membros manifestando a energia dos dons espirituais. O evangelismo de Vida do Corpo é, portanto, diferente do evangelismo morno que se baseia apenas em palavras em vez de uma revelação da presença de Cristo.

Spanish blog:

El Evangelismo Celular y los encuentros de poder

Por Ralph Neighbour Jr.

En Lucas 10, Jesús envió 72 discípulos a evangelizar Perea, un área no alcanzada. Los envió de tres en tres: dos personas con el poder y por Su Presencia interior: “Donde dos o tres estén reunidos, allí estaré en medio de ellos”. 2 + Cristo= 3.

Esta importante verdad parece estar olvidada por nosotros: el incrédulo observando la presencia activa de Cristo en nosotros es la fuente de la evangelización. No traemos una explicación cognitiva para el incrédulo. Traemos la evidencia del poder del que mora en el interior.

Uno de mis estudiantes de la india en el Seminario Internacional Columbia me dijo que el evangelizó varios pueblos cada año: “Caminamos por las calles y oramos. Señor, ¿cuál de estas personas tocaras”, Él nos muestra a un hombre o una mujer que era cojo o enfermo y decía: “Este” Así que ayunábamos y orábamos hasta que la persona fuera sana. Después, los aldeanos decían, “Háblanos de tu poderoso Dios”. Después que muchos fueron convertidos, formamos una congregación y seguimos al siguiente pueblo”

En 1 Cor. 14: 24-25 vemos este mismo proceso de evidencia en que todos los creyentes son ungidos a profetizan en el grupo en las casas. A medida que el creyente observa la evidencia sobrenatural que cae sobre su rostro diciendo: “Dios está entre vosotros”

El contraste entre los “pequeños grupos” y “Cuerpos de Cristo” se revela precisamente cómo las personas inconversas son llevadas a la cruz.

  1. Enfoque Cognitivo

El pequeño grupo que discute un pasaje de la Biblia adopta el enfoque cognitivo. Ellos aprenden sobre el Jordán milagrosamente despidiéndose, los hijos de Israel pasando por encima en tierra firme. No esperan que dentro de su medio el poder de Dios se manifieste. El incrédulo no experimenta a Dios en medio.

  1. Enfoque Experiencial

El Cuerpo de Cristo se reúne para compartir necesidades, dolor, fortalezas uno con otros.

Se reúnen para trabajar su salvación (Fil. 2:12), sabiendo que el poder de Dios está entre ellos para consolar, edificar y animar. Las necesidades establecidas hacen que cada creyente a escuche la voz del Espíritu. Ellos son ungidos para manifestar los dones espirituales. A medida que estos son compartidos y los avances toman lugar, los solicitantes actuales están expuestos a la presencia del Cristo vivo y el Espíritu Santo. Las conversiones son el resultado de la experiencia de Dios, no la antigua historia de su poder.

El evangelismo auténtico en un grupo de células se basa en los elementos en que revelan la presencia y el poder de la presencia de Cristo. Para que esto tome lugar, el grupo debe primero compartir de forma transparente sus necesidades. Las respuestas deben venir a través de los miembros que manifiestan las energías de los dones espirituales. La vida del cuerpo de evangelización es, por lo tanto, distinta del evangelismo que se basa sólo en las palabras en lugar de una revelación de la presencia de Cristo.

Ralph

Don’t Limit Your Evangelistic Methods

coach_JoelFamilyWeb

by Joel Comiskey

Those in the cell church world have known for a long time that the most effective way to evangelize is through friendship evangelism (or many use the term “oikos evangelism”). After all, surveys have consistently shown that the majority of converts come through a friend or relative.  Cell evangelism is most effective, therefore, when cell members invite those they come in contact with most frequently, and who God has placed in their path. In other words, God gives relationships with others, and then reaches those people through those relationships.

However, it’s important not to limit cell evangelism.  Scripture tells us to plant and water and that God will give the increase. It doesn’t mention one particular way to evangelize. Jesus evangelized through open air preaching, one-on-one relationships, and healing people. Some cells reach out through neighborhood barbeques, picnics, feeding the hungry, prayer walking, and other types of outreach events.

Relational evangelism works best in conjunction with other forms of outreach. It’s unwise to only rely on getting to know a few friends over a long period of time when the rest of the non-Christians are going to hell without Jesus.  Because people are so different, we need many ways to reach them. Some will come to Christ one way and others will respond in a different manner. All ways are important for the furtherance of the gospel.

I like to take my own cell on “treasure hunting” adventures. Just last week, we decided to do some role playing to prepare us to go out this next Wednesday. Some members felt unprepared, and I had fallen into the trap of doing too much myself on past excursions. This next Wednesday, I will be the coach and allow the members to pray with people, give out tracts, and offer food to the needy. So what is “treasure hunting?” In a nutshell, it’s attempting to discover where God is working and then reaching those people who God wants to touch (something like the person of peace). It’s helping people move one-step closer to Jesus and loving them in the process.

Food and fellowship is always a good outreach idea. Some cells are very effective with  evangelistic dinners, social events, cookouts, and parties. Jesus was always eating with people—often in their homes. The early church shared meals in the home.

Moving the cell from house to house is another excellent way to attract visitors. When a cell member hosts the meeting in his or her home, that member’s friends and family are more likely to attend. After all, many of these people have already visited the home, thus eliminating one barrier —fear of the unknown.

Every cell member should be involved in actively reaching out. Each member should exercise his or her muscles in evangelism, so that true discipleship can occur.  If we believe the goal of the cell is to make disciples who make disciples, it’s important that the potential disciples have been using their evangelistic muscles to reach out and win new people.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Não Limite Seus Métodos Evangelísticos

Por Joel Comiskey

As pessoas no mundo da igreja em células já sabem há muito tempo que a maneira mais eficaz de evangelizar é através do evangelismo de amizade (muitos usam a expressão “evangelismo de oikos”). Afinal de contas, pesquisas têm demonstrado consistentemente que a maioria dos convertidos vêm através de um amigo ou parente. Portanto, o evangelismo celular é mais eficaz quando os membros da célula convidam as pessoas com quem estão em contato com mais frequência e que Deus colocou em seu caminho. Em outras palavras, Deus nos dá a relação com as outras pessoas e, depois, alcança essas pessoas através desses relacionamentos.

No entanto, é importante não limitar o evangelismo celular. As Escrituras nos dizem para plantarmos, regarmos e Deus dará o crescimento. Elas não mencionam uma maneira especial para evangelizar. Jesus evangelizava através da pregação ao ar livre, relacionamento um a um e curando pessoas. Algumas células alcançam os perdidos através de churrascos de bairro, piqueniques, alimentando os famintos, realizando caminhadas de oração e outros tipos de eventos de divulgação.

O evangelismo relacional funciona melhor em conjunto com outras formas de divulgação. É imprudente confiar apenas em conhecer alguns amigos durante um longo período de tempo enquanto o resto dos não-cristãos estão indo para o inferno sem Jesus. Como as pessoas são tão diferentes, precisamos de muitas maneiras de alcançá-las. Algumas virão a Cristo de uma maneira e outras irão responder de uma forma diferente. Todas as maneiras são importantes para o progresso do evangelho.

Eu gosto de levar minha própria célula em aventuras de “caça ao tesouro”. Na semana passada nós decidimos fazer um jogo para nos preparar para sairmos na próxima quarta-feira. Alguns membros se sentiam despreparados, e eu já caí na armadilha de fazer muitas coisas sozinho em excursões passadas. Nessa próxima quarta-feira eu serei o treinador e vou permitir que os membros orem com as pessoas, entreguem folhetos e ofereçam alimentos aos necessitados. Então, o que é “caça ao tesouro”? Em poucas palavras, é tentar descobrir onde Deus está trabalhando e, então, chegar a essas pessoas que Deus quer tocar (algo como a pessoa de paz*). É ajudar as pessoas a darem um passo para mais perto de Jesus e amá-las no processo.

Alimentos e comunhão é sempre uma boa ideia de alcance. Algumas células são muito eficazes com jantares evangelísticos, eventos sociais, churrascos e festas. Jesus estava sempre comendo com as pessoas – muitas vezes em suas casas. A Igreja Primitiva compartilhava refeições nas casas.

Mover a célula de casa em casa é outra excelente maneira de atrair visitantes. Quando um membro da célula organiza a reunião em sua casa, os amigos e familiares deste membro são mais propensos a participar. Afinal, muitas dessas pessoas já visitaram a casa, eliminando assim uma barreira – o medo do desconhecido.

Cada membro da célula deve estar envolvido em alcançar ativamente as pessoas. Cada membro deve exercitar os seus músculos no evangelismo, de modo que o verdadeiro discipulado possa ocorrer. Se nós acreditamos que o objetivo da célula é fazer discípulos que fazem discípulos, é importante que os discípulos potenciais estejam usando seus músculos evangelísticos para alcançar e ganhar novas pessoas.

* Expressão bastante utilizada em inglês baseada em Lucas 10:6, referente à pessoa que é aberta ao Evangelho.

Spanish blog:

No limités tus métodos evangelísticos

Por Joel Comiskey

Aquellos que están en el mundo de la iglesia celular han sabido por mucho tiempo que la forma más efectiva para evangelizar es a través de la evangelización de amistad (o muchos utilizan el término “evangelismo en los oikos”). Después de todo, las encuestas han mostrado consistentemente que la mayoría de los inconversos vienen a través de un amigo o familiar. El evangelismo celular es más eficaz, por lo tanto, cuando los miembros de la célula invitan a aquellos que entran en contacto con más frecuencia, y que Dios ha puesto en su camino. En otras palabras, Dios les da las relaciones con los demás y, después, llega a esas personas a través de esas relaciones.

Sin embargo, es importante no limitar el evangelismo celular. La Escritura nos dice que plantemos y demos agua y que Dios dará el crecimiento. El no menciona una forma particular, para evangelizar. Jesús evangelizó a través de la predicación al aire libre, en las relaciones de uno-a-uno, y sanando a la gente. Algunas células obran a través de barbacoas en la vecindad, días de campo, alimentando a los hambrientos, haciendo caminatas de oración, y otros tipos de eventos de extensión.

El evangelismo relacional funciona mejor en combinación con otras formas de alcance. No es aconsejable confiar solamente en conocer a algunos amigos durante un largo período de tiempo, cuando el resto de los inconversos van al infierno sin Jesús. Porque la gente es tan diferente, necesitamos muchas maneras de llegar a ellos. Algunos vendrán a Cristo de una manera y otros responderán de una manera diferente. Todas las formas son importantes para el progreso del evangelio.

Me gusta tener en mi propia célula aventuras de “caza de tesoro”. Apenas la semana pasada, decidimos hacer un juego de rol que nos prepare para salir este próximo miércoles. Algunos miembros se consideraron sin preparación, y yo había caído en la trampa de hacer demasiado a mí mismo en las pasadas excursiones. Este próximo miércoles, yo seré el entrenador y permitiré a los miembros a orar con la gente, dar a conocer extensiones, y ofrecer alimentos a los necesitados. Entonces, ¿qué es la “caza del tesoro?” En pocas palabras, es el intento de descubrir dónde Dios está trabajando y luego llegar a aquellas personas que Dios quiere tocar (algo así como la persona de paz). Se trata de ayudar la gente que se mueve de un paso más cerca de Jesús y amándolos en el proceso.

Los alimentos y la comunión es siempre una buena idea de alcance. Algunas células son muy eficaces con cenas evangelísticas, eventos sociales, comidas al aire libre, y las fiestas. Jesús siempre estaba comiendo con la gente, a menudo en sus hogares. La iglesia primitiva compartía comidas en el hogar.

Trasladar la célula de casa en casa es otra excelente manera de atraer a los visitantes. Cuando un miembro de la célula acoge la reunión en su casa, amigos y familiares de ese miembro son más propensos a asistir. Después de todo, muchas de estas personas ya han visitado la casa, eliminando así una barrera: el temor a lo desconocido.

Cada miembro de la célula debe estar involucrados y activo para que las informaciones lleguen. Cada miembro debe ejercitar sus músculos en el evangelismo, para que pueda ocurrir el verdadero discipulado. Si creemos que el objetivo de la célula es hacer discípulos que hagan discípulos, es importante que los discípulos potenciales estén usando sus músculos evangelísticos para alcanzar y ganar nuevas personas.

Stuck In Traffic, Oh No!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

The freeways of Southern California are some of the most crowded in the country. At times, six lanes or more in both directions can be at a standstill for hours. When I get caught in one of these giant “parking lots,” I start to think about the people in the cars around me. I wonder how many people in those cars know that Jesus died for them and that he will give them life if they believe in Him. Thousands of people in those cars are heading somewhere that each driver hopefully knows the destination and the route. How many know the way to heaven? How many are going to hell?

In these times of contemplation, I ask the Lord how we can reach the lost? I have this same question when I see a large sporting event with thousands in the stands and more watching on television. Jesus do they know you? If not, how can we reach them with all the other noise in the world? The burden for the lost can be overwhelming at times.

I confess that along with the burden for the lost, I feel concern for the Body of Christ. Are we sincerely involved in making disciples of all nations? One of the men in our cell keeps reminding me that we have a serious problem of disobedience in the American church. Once we know Christ and have our names written in the Lamb’s Book of Life, do we have a job more important than sharing Christ with the people around us, our Oikos?

Too many “mature” Christians say that they don’t know how to share the Gospel. I don’t think that you can help to share the Gospel when you develop a relationship with someone who does not know Jesus. Maybe the problem is that we are overwhelmed by the masses or we try to fish alone.

When my cell group prays for my relationship with Dennis, I don’t feel alone in the journey. When we work together to help a neighbor, I am introducing some other believers to help the neighbor see Jesus in us. Somebody has called this net fishing. The fact is, you can catch a lot more fish with a net than with one hook.

Jesus, how are we going to reach the masses? My heart is burdened for them. I hear Jesus saying to reach them one at a time getting to know them; inviting them into your home; connecting them to other believers; and really caring about them going to Heaven like Jesus does. This is a passion and a burden that is at the heart of the cell church. I think it even touches the heart of God.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Presos no Trânsito, Ah Não!

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

As autoestradas do Sul da Califórnia são algumas das mais movimentadas do país. Às vezes, seis pistas ou mais, de sentido duplo, podem ficar paradas por horas. Quando eu pego um desses “estacionamentos” gigantes, eu começo a pensar sobre as pessoas nos carros em volta de mim. Eu me pergunto quantas pessoas naqueles carros sabem que Jesus morreu por elas, e que Ele irá dar-lhes vida se eles acreditarem nEle. Milhares de pessoas nesses carros estão indo à algum lugar que cada motorista  sabe o destino e o trajeto. Quantos deles conhecem o caminho para Céu? Quantos estão indo para o inferno?

Nesses momentos de meditação, eu pergunto ao Senhor: “como nós conseguimos alcançar o perdido?” Eu faço essa pergunta quando eu vejo um grande evento esportivo com milhares de pessoas nas arquibancadas e mais outras assistindo na televisão. “Jesus, eles te conhecem?”. Se não, como nós podemos alcançá-los com todos os outros barulhos do mundo? O fardo pelos perdidos pode ser esmagador às vezes.

Eu confesso que, juntamente com o peso pelos perdidos, eu sinto preocupação com o Corpo de Cristo. Nós estamos sinceramente envolvidos em fazer discípulos de todas as nações? Um dos homens em nossa célula sempre me lembra que nós temos um sério problema de desobediência na igreja norte-americana. Uma vez que conhecemos a Cristo e temos nossos nomes escritos no Livro da Vida do Cordeiro, temos algum trabalho mais importante do que compartilhar Cristo com as pessoas ao nosso redor, no nosso círculo de relacionamentos?

Muitos cristãos “maduros” dizem que não sabem como compartilhar o evangelho. Eu não acho que você pode ajudar a compartilhar o evangelho quando você desenvolve um relacionamento com alguém que não conhece Jesus. Talvez o problema é que nós somos oprimidos pelas massas ou tentamos pescar sozinhos.

Quando minha célula ora por meu relacionamento com o Dennis, eu não me sinto sozinha na jornada. Quando nós trabalhamos juntos para ajudar um vizinho, eu estou trazendo outros crentes para ajudar o próximo a ver Jesus em nós. Alguém nomeou isso como “rede de pesca”. O fato é, você pode pegar muito mais peixes com uma rede do que um gancho.

“Jesus, como nós vamos alcançar as massas?” Meu coração está pesado por eles. Eu ouço Jesus dizendo para alcançá-los um de cada vez para conhecermos eles; convidá-los para a Sua casa; conectá-los com outros crentes; e realmente cuidar para que eles estejam indo para o Céu, como Jesus faz. Essa é uma paixão e um fardo que está no coração da igreja em células. Eu também acho que isso toca o coração de Deus.

Spanish blog: 

Detenido en el tráfico, ¡Oh No!

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Las autopistas del sur de California son algunas de las más concurridas en el país. A veces, seis o más carriles en ambas direcciones pueden estar en un punto muerto durante horas. Cuando quedó atrapado en uno de estos gigantes “estacionamientos”, me pongo a pensar en la gente en los autos a mi alrededor. Me pregunto cuántas personas en esos autos saben que Jesús murió por ellos y que les dará vida si creen en Él. Miles de personas en esos autos se dirigen en algún lugar y cada conductor conoce el destino y la ruta. ¿Cuántos saben el camino al cielo? ¿Cuántos van al infierno?

En estos momentos de contemplación, pregunto al Señor ¿Cómo podemos alcanzar a los perdidos? Tengo esta misma pregunta cuando veo un gran evento deportivo con miles de personas en las gradas y muchos viendo la televisión. Jesús ¿Ellos te conocen? Si no es así, ¿Cómo podemos alcanzarlos con todos los otros ruidos en el mundo? La carga por los perdidos puede ser abrumadora en momentos.

Confieso que, junto con la carga por los perdidos, siento preocupación por el Cuerpo de Cristo. ¿Estamos sinceramente involucrados en hacer discípulos a todas las naciones? Uno de los hombres en nuestra célula me sigue recordando que tenemos un grave problema de desobediencia en la iglesia americana. Una vez que conocen a Cristo y sus nombres son escritos en el Libro de la Vida del Cordero, tenemos un trabajo más importante que es compartir a Cristo con las personas que nos rodean, ¿nuestros Oikos?

Demasiados cristianos “maduros” dicen que no saben cómo compartir el Evangelio. No creo que usted puede ayudar a compartir el Evangelio cuando se desarrolla una relación con alguien que no conoce a Jesús. Tal vez el problema es que estamos abrumados por las masas o tratamos de pescar solo.

Cuando mi grupo celular ora por mi relación con Dennis, no me siento solo en el viaje. Cuando trabajamos juntos para ayudar a un vecino, estoy introduciendo algunos otros de ellos para ayudar al vecino a ver a Jesús en nosotros. Alguien ha llamado a esto red de pesca. El hecho es que se pueden atrapar muchos más peces con una red que con un gancho.

Jesús, ¿Cómo vamos alcanzar a las masas? Mi corazón está cargado por ellos. Escucho a Jesús diciendo alcánzalos uno a la vez conoce de ellos; invitándoles a su casa; conectándolos con otros creyentes; y realmente cuidando de ellos que van al cielo como Jesús lo hace. Esta es una pasión y una carga que está en el corazón de la iglesia celular. Creo que incluso toca el corazón de Dios.