The Most Important Thing in Your Small Group System

coaches_JimEgil

By Jim Egli, www.jimegli.com, author and pastor of Vineyard Church in Urbana, Illinois

If you are the senior leader of your church, you are probably wondering: What is the most important element in creating a thriving small group system? Twenty years ago I started doing statistical research to discover the answer to that question.  It began with my doctoral studies and the research continues to this day. Most recently Joel Comiskey and I again surveyed over 2000 home group leaders in 4 different languages—English, Spanish, Portuguese, and Mandarin to see what creates thriving groups.

Again, the analysis of the data revealed the same thing that the previous ten rounds of data collection showed. The single most important element in the long-term growth of your small groups is the active, ongoing coaching of your group leaders.

Coaching means supportive people are looking out for all of your leaders. They are meeting with them, encouraging them, praying for them, and helping them solve their problems.

Getting a great coaching system in place takes a lot of work. It’s fairly easy to diagram an organizational chart and plug names into it. But training quality coaches, and keeping in touch with them to help them fulfill their vital role requires a lot of thought, planning, and energy. Because of the effort it requires, some churches have abandoned having a coaching system. And, other churches have decided to just hire staff to do the job.  The thought is, “Surely paid staff will take their job more seriously and be easier to supervise than volunteer coaches.”

So in this round of research we asked the group leaders this question to see if paid staff, in fact, do a better job than volunteers.

Here is how they answered.

  • The coach or supervisor that oversees our group is:
  • No one oversees our group – 16%
  • A volunteer – 57%
  • A paid staff person (full or part-time) – 17%
  • I don’t know the status of the person – 10%

As you might guess, the groups overseen by “no one” are the least healthy. Which do you think are the healthiest? The research revealed that the groups overseen by volunteer coaches are both the healthiest and fastest growing. Apparently, volunteer coaches overall do a better job than paid staff in encouraging, supporting and helping group leaders.

I am not saying that it is easy. Most really important things are not easy. It takes time and effort to create a great system of volunteer coaches. But it’s the most important thing in the ongoing health of your leaders, your small groups, and ultimately your church.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Coisa Mais Importante em Seu Sistema Celular

Por Jim Egli, Ph.D., Pastor de Liderança e Missões, www.jimegli.com

Se você é o líder principal de sua igreja, você provavelmente está se perguntando: qual é o elemento mais importante na criação de um sistema próspero de pequenos grupos? Vinte anos atrás eu comecei a fazer uma pesquisa estatística para descobrir a resposta para essa pergunta. A pesquisa começou com meus estudos de doutorado e continua até hoje. Mais recentemente, eu e Joel Comiskey pesquisamos novamente mais de 2000 líderes de células em 4 línguas diferentes: inglês, espanhol, português e mandarim, para descobrir o que faz com que os grupos sejam prósperos.

Mais uma vez, a análise dos dados revelou a mesma coisa que os dez ciclos anteriores de coleta de dados mostrou. O elemento mais importante no crescimento a longo prazo dos pequenos grupos é o treinamento ativo e contínuo de seus líderes.

O treinamento significa que pessoas de apoio estão cuidando de todos os seus líderes. Elas se encontram com eles, os encorajam, oram por eles e os ajudam a resolver seus problemas.

Instalar um bom sistema de treinamento exige muito trabalho. É muito fácil fazer um diagrama organizacional e colocar os nomes nos lugares. Mas desenvolver treinadores com qualidade e se manter em contato com eles para ajudá-los a cumprir o seu papel vital requer bastante reflexão, planejamento e energia. Por causa do esforço necessário, algumas igrejas têm abandonado a ideia de ter um sistema de treinamento. E outras igrejas decidiram simplesmente contratar uma equipe para fazer esse trabalho. O pensamento é: “certamente uma equipe remunerada vai levar seu trabalho mais a sério e será mais fácil de fiscalizar do que treinadores voluntários”.

Então neste período da pesquisa, nós fizemos essa pergunta aos líderes de grupos para ver se uma equipe paga de fato tem um melhor desempenho do que voluntários.

Aqui está o que eles responderam:

O treinador ou supervisor que supervisiona nosso grupo é:

  • Ninguém supervisiona nosso grupo – 16%
  • Um voluntário – 57%
  • Uma pessoa contratada da equipe (meio período ou período integral) – 17%
  • Eu não conheço a posição da pessoa – 10%

Como você pode imaginar, os grupos supervisionados por “ninguém” são os menos saudáveis. Quais você acha que são os mais saudáveis? A pesquisa revelou que os grupos supervisionados por treinadores voluntários são os mais saudáveis e os que crescem mais rápido. Aparentemente, treinadores voluntários em geral fazem um trabalho melhor do que a equipe que é paga em encorajar, apoiar e ajudar os líderes de célula.

Eu não estou dizendo que isso é fácil. A maioria das coisas importantes não são fáceis. Leva tempo e esforço para criar um bom sistema de treinadores voluntários. Contudo, essa é a coisa mais importante na saúde atual de seus líderes, de seus pequenos grupos e, finalmente, de sua igreja.

Spanish blog:

Lo más importante en el sistema de los grupos celulares

Por Jim Egli, PhD., Liderazgo y Pastor de Misiones, www.jimegli.com

Si usted es el líder principal de su iglesia, probablemente te preguntas: ¿Cuál es el elemento más importante en la creación de un sistema próspero en los grupos celulares? Hace veinte años que empecé a hacer investigación de estadística para descubrir la respuesta a esa pregunta. Comencé con mis estudios de doctorado y la investigación continúa hasta nuestros días. Recientemente, Joel Comiskey y yo examinamos más de 2000 líderes de grupos en 4 diferentes idiomas: inglés, español, portugués y mandarín para ver lo que crea en los grupos.

Una vez más, el análisis de los datos reveló la misma cosa que las diez rondas anteriores de la recolección de datos mostrados. El elemento más importante en el crecimiento a largo plazo de los pequeños grupos es el entrenador activo y continuo de los líderes del grupo.

El entrenamiento significa gente de apoyo que están mirando hacia fuera para todos sus líderes. Ellos se están reuniendo con ellos, animándolos, orando por ellos, y ayudando a resolver sus problemas.

Conseguir un buen sistema de entrenamiento en su lugar toma un montón de trabajo. Es bastante fácil para diagramar una organización de nombres e introducirla a ellos. Pero la formación de entrenadores de calidad, y mantenerse en contacto con ellos para que puedan cumplir su función vital requiere una gran cantidad de pensamientos, planificación, y energía. Debido al esfuerzo que requiere, algunas iglesias han abandonado tener un sistema de entrenamiento. Y, otras iglesias han decidido simplemente contratar personal para hacer el trabajo. El pensamiento es: “Ciertamente personal pagado se toman su trabajo más en serio y es más fácil de supervisar que a los entrenadores voluntarios”.

Así que en esta ronda de la investigación preguntamos a los líderes de grupos esta pregunta para ver si el personal pagado, de hecho, hace un mejor trabajo que los voluntarios.

Aquí es cómo respondieron.

El entrenador o supervisor que supervisa nuestro grupo es:

  • Nadie supervisa nuestro grupo – 16%
  • Un voluntario – 57%
  • El personal pagado (a tiempo completo o parcial) – 17%
  • No sé el estado de la persona – 10%

Como se puede pensar, los grupos supervisados por “nadie” son los menos saludables. ¿Cuáles crees que son los más sanos? La investigación reveló que los grupos supervisados por entrenadores voluntarios son a la vez los más sanos y de mayor crecimiento. Al parecer, los entrenadores voluntarios en general hacen un mejor trabajo que el personal pagado en alentar, apoyar y ayudar a los líderes del grupo.

No estoy diciendo que es fácil. La mayoría de las cosas realmente importantes no son fáciles. Se necesita tiempo y esfuerzo para crear un gran sistema de entrenadores voluntarios. Pero es lo más importante en la salud continua de sus líderes, sus pequeños grupos, y en última instancia su iglesia.

As with Adults

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

By Daphne Kirk, www.daphnekirk.org

I have a phrase “as with adults,” which is used to help leaders see what is needed for the emerging generation. I do understand that within this concept adaptations must be made due to age and developmental considerations. Yet, the basic principle can help every Pastor know what is required for his children and young people. Let’s look at applying this principle in disciple making and equipping.

Children and young people need systematic equipping in just the same way as the adults. Too often equipping them is an ad hoc, month by month decision as new resources come in. Yet, equipping them must be intentional and we need to prepare them like we do adults. This is what happens in an educational system and needs to happen in the church.

The Pastor is the vision caster, the one who is guiding the “ship.”  Thus, he needs to have oversight of the equipping of the emerging generation. The reality is that they will “emerge” into adults. By answering “what are we looking for in the adults?” it can be relatively easy to mirror that for the children and young people. So, for example if a Pastor’s vision is to have a church where people hear clearly from God, then this needs to be activated in childhood and continue into youth so that by adulthood it is lifestyle.   This vision casting through all generations creates cohesiveness, unity and health in the cells.

The same can be said of disciple making.  Of course if parents are following Jesus their first consideration must be to disciple their children to do the same (this is not the task of the church) I wonder why any child who has grown in a Christian family is not making disciples by the age of thirteen!

Children from non christian families need the basics of the faith and to need to be discipled.  Sadly many churches make no provision for those who know nothing of the Bible and those who have read it faithfully during childhood. Intentional equipping will ensure both grow.

Be intentional, be focused and ensure the entire church—each generation–follows the vision, goals and strategies God has given you. He has trusted you with a generation that can complete the great commission. There is no greater honor.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Wesley or Whitefield?

Por Daphne Kirk

Eu tenho uma frase ”como com adultos”, que é usada para ajudar líderes a verem o que é preciso para a geração emergente. Eu compreendo que dentro deste conceito adaptações devem ser feitas devido à idade e considerações de desenvolvimento. No entanto, o princípio básico pode ajudar todo o pastor que é necessário para suas crianças e jovens. Vamos olhar para a aplicação deste princípio em fazer discípulos e equipá-los.

As crianças e os jovens precisam de treinamento sistemático na mesma forma que os adultos. Frequentemente equipá-los é um ad hoc, mês a mês a decisão como novos recursos vêm. No entanto, equipá-los deve ser intencional e precisamos prepará-los como nós fazemos com adultos. Isto é o que acontece em um sistema educacional e precisa acontecer na igreja.

O pastor é o lançador da visão, aquele que está guiando o “navio”. Assim, ele precisa ter a supervisão do equipamento da geração emergente. A realidade é que eles vão “emergir” como adultos. Respondendo “o que estamos procurando nos adultos?” pode ser relativamente fácil para refletir aquilo para as crianças e jovens. Então, por exemplo, se a visão de um pastor é ter uma igreja onde pessoas ouvem claramente de Deus, então isso precisa ser ativado na infância e continuar na juventude para que na fase adulta seja um estilo de vida. Esse lançamento de visão através de todas as gerações cria coesão, unidade e saúde nas células.

O mesmo pode ser dito sobre fazer discípulos. É claro que se os pais estão seguindo Jesus sua primeira consideração deve ser discipular suas crianças a fazerem o mesmo (essa não é a tarefa da igreja). Eu me pergunto por que qualquer criança que cresceu em uma família cristã não está fazendo discípulos aos treze anos!

Crianças de famílias não cristãs precisam dos fundamentos da fé e precisam ser discipuladas. Infelizmente muitas igrejas não fazem nenhuma provisão para aqueles que nada sabem da Bíblia e aqueles que leram fielmente durante a infância. Equipar intencionalmente garante crescimento a ambos.

Seja intencional, seja focado e garanta que a igreja inteira—cada geração— siga a visão, metas e estratégias que Deus te deu. Ele confiou a você a geração que pode completar a grande comissão. Não há honra maior.

Spanish blog:

Wesley o Whitefield?

Por Daphne Kirk

Tengo una frase “al igual que con los adultos”, que se utiliza para ayudar a los líderes ver lo que se necesita para la generación emergente. Yo entiendo que dentro de este concepto se deben hacer adaptaciones debido a la edad y las consideraciones de desarrollo. Sin embargo, el principio básico puede ayudar a cada pastor a saber lo que se requiere para sus niños y jóvenes. Veamos la aplicación de este principio en la formación de discípulos y equipamiento.

Los niños y los jóvenes necesitan equipamiento sistemático exactamente de la misma manera que los adultos. Con demasiada frecuencia, equipándolos para que sean formados, mes a mes, como la toma de nuevos recursos. Sin embargo, equipándolos debe ser intencional y tenemos que prepararlos como lo hacemos con los adultos. Esto es lo que ocurre en un sistema educativo y que tiene que suceder en la iglesia.

El Pastor es el lanzador de la visión, el que está guiando el “barco”. Por lo tanto, se necesita tener la supervisión del equipamiento de la generación emergente. La realidad es que van a “emerger” en los adultos. Al contestar “¿Qué es lo que buscamos en los adultos?” Puede ser relativamente fácil de reflejar, para los niños y los jóvenes. Así, por ejemplo, si la visión de un pastor es tener una iglesia donde la gente oye claramente de Dios, entonces esto necesita ser activado en la infancia y continuar en la juventud, de modo que en la edad adulta es el estilo de vida. Esta visión de fundición a través de todas las generaciones crea cohesión, unidad y salud en las células.

Lo mismo puede decirse de los hacedores de discípulos. Por supuesto, si los padres están siguiendo a Jesús su primera consideración debe ser discipular a sus hijos a hacer lo mismo (esto no es la tarea de la iglesia) Me pregunto por qué un niño que ha crecido en una familia cristiana no está haciendo discípulos a la edad de ¡trece años!

Los niños de familias inconversas necesitan fundamentos de la fe y necesitan ser discipulados. Lamentablemente muchas iglesias no prevén para aquellos que no saben nada de la Biblia y los que lo han leído con fidelidad durante la infancia. El equipamiento intencional, además garantizara el crecimiento.

Ser intencional, estar concentrado y garantizar la iglesia, cada generación entera – sigue la visión, los objetivos y las estrategias que Dios le ha dado. Él le ha confiado con una generación que puede completar la gran comisión. No hay mayor honor.

Daphne

Three Ideas to Engage Your Lead Pastor as the Cell Group Champion

coach_andrewmasonBy Andrew Mason, associate pastor at Real Life Church, www.enjoyreallife.com

 As an Associate Pastor who has oversight of cell groups at my church, I see a large part of my responsibility as assisting the Lead Pastor to be at the center of our discipleship strategy. This is more of an art than a science, because the Lead Pastor has many demands on their schedule that no other staff or leader has.

In order to position the Lead Pastor properly, you must find ways to get beneath the surface of systems, memos and bullet points. You have to be creative at keeping the cell group vision connected to their life in a real way while they’re navigating board meetings, budgets, conflict resolution, community relations and more.

Here are Three Ideas To Engage Your Lead Pastor as the Cell Group Champion

  1. Develop a Church Wide Alignment Series

Chances are, your Lead Pastor loves to communicate. They typically have a topic brewing inside of them that they desire to deliver to everyone’s heart. Tap into their passion by helping them to create a corporate immersion into their message.

In the last two years, I’ve worked with my Lead Pastor to create two of these experiences with his own material that integrates the cell group ministry as well. We’ve developed a six-week message series, his own accompanying video series that can be used in the cell groups, along with a daily devotional that also includes the cell group curriculum.

While this process is a lot of work, it really allows my Lead Pastor to engage his heart into what the groups will be going through. It makes it very natural for him to lead the cell group strategy versus giving him a script to follow.

  1. Drip-Feed the Lead Pastor Discipleship Content

 Every 3-4 months I try to pass along cell group resources to my Lead Pastor that I come across.

Once a year I’ll try to buy him a book. The last two that I bought him were Biblical Foundations for the Cell-Based Church by Joel Comiskey and Tribe by Sebastian Junger. The first book was filled with theology he could use for his messages. The second was a non-Christian book that confronted the dangers of individualism, a cultural dynamic we deal with regularly in North America.

I’ll also pass along online videos I come across or research with empirical data on the value of cell groups in churches and so on.

  1. Provide Bite-Size Experiences for the Lead Pastor

 Knowing my Lead Pastor is very busy, I invite him to visit a cell group one time at the beginning of one of our cell group promotions and talk about it for the first 2 minutes of his sermon that week. This is a digest-able task that keeps him connected to the cell group vision but doesn’t over-tax his schedule.

I pray this article provokes you to spend some time thinking of some practical and creative ways to engage the Lead Pastor in the Cell Group Ministry.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Três Ideias para Engajar seu Pastor Principal como o Defensor de Células

Por Andrew Mason,pastor associado na Igreja Real Life,www.enjoyreallife.com

Como um pastor associado que tem a supervisão dos grupos de células na minha igreja, eu vejo que uma grande parte da minha responsabilidade é auxiliar o pastor principal para estar no centro da nossa estratégia de discipulado. Isso é mais uma arte do que uma ciência, porque o pastor principal  tem muitas demandas em sua programação que nenhuma outra equipe ou líder tem.

A fim de posicionar o pastor principal corretamente, você deve encontrar maneiras de passar sob a superfície de sistemas, memorandos e tópicos importantes. Você tem que ser criativo em manter a visão celular ligada à sua vida do seu pastor principal de uma forma real, enquanto ele está dirigindo reuniões do conselho, orçamentos, resolução de conflitos, relações com a comunidade e muito mais.

Aqui estão Três Ideias para Engajar seu Pastor Principal como Defensor de Células

  1. Desenvolva Uma Série de Alinhamento Para Toda a Igreja 

A chances são de que o pastor principal goste de se comunicar. Eles normalmente têm um tópico fermentando dentro deles que eles desejam entregar ao coração de todos. Dê uma força a essa paixão, ajudando-o a criar uma imersão corporativa em sua mensagem.

Nos últimos dois anos, eu trabalhei com o meu pastor principal para criar duas dessas experiências com o seu próprio material, que também integra o ministério celular. Nós desenvolvemos uma série de mensagens de seis semanas, sua própria série de vídeo auxiliar, que pode ser usada nos grupos celulares, juntamente com uma devocional diária, que também inclui o currículo dacélula.

Já que esse processo é de muito trabalho, isso realmente permite meu pastor principal engajar seu coração no que as células estarão passando. Torna-se muito natural para ele liderar a estratégia do grupo de células, ao invés de lhe dar um roteiro a seguir.

  1. Abasteça o pastor principal com conteúdo de discipulado

A cada 3-4 meses eu tento passar recursos que eu encontro sobre grupos de célula para o meu pastor principal.

Uma vez no ano, eu irei tentar comprar um livro pra ele. Os últimos dois que eu comprei foram Biblical Foundations for the Cell-Church (Fundamentos Bíblicos para a Igreja de Base Celular, em tradução livre) do Joel Comiskey e Tribe (Tribo, em tradução livre) de Sebastian Junger. O primeiro livro era composto com a teologia que ele poderia usar para suas mensagens. O segundo era um livro de um não-cristão que enfrentou os perigos do individualismo, uma dinâmica cultural que lidamos com regularidade na América do Norte.

Eu também vou passar para ele vídeos on-line que eu encontro ou pesquiso, com dados empíricos sobre o valor de células em igrejas e assim por diante.

  1. Promova pequenas experiências para o pastor principal

Sabendo que o meu pastor principal é muito ocupado, eu o convido a visitar uma célula uma vez, na inauguração de uma de nossas células, e falar sobre isso nos primeiros 2 minutos do seu sermão daquela semana. Esta é uma tarefa fácil  que o mantém ligado à visão do grupo de células, mas não sobrecarrega sua agenda.

Eu oro para que este artigo te estimule a gastar um tempo pensando em algumas maneiras práticas e criativas de engajar seu pastor principal no ministério de células.

Spanish blog:

Tres ideas para involucrar a su pastor principal como el Grupo celular campeón.

Por Andrew Mason, Pastor asociado de la iglesia vida real, www.enjoyreallife.com

Como Pastor Asociado que tiene control de los grupos celulares en mi iglesia, veo una gran parte de mi responsabilidad al ayudar como pastor principal para estar en el centro de nuestra estrategia de discipulado. Esto es más arte que una ciencia, porque el pastor principal tiene muchas demandas en su horario que ningún otro personal o líder tiene.

En orden de posicionar el pastor principal correctamente, debe encontrar maneras de conseguirse debajo de la superficie de los sistemas, memos y viñetas. Tienes que ser creativo en el mantenimiento de la visión en el grupo celular conectando la vida de una manera real mientras están navegando reuniones de la junta, presupuestos, resolución de conflictos, relaciones con la comunidad y más.

Aquí les doy tres ideas para involucrar a su pastor principal como el Grupo celular campeón.

  1. Desarrolla una Iglesia ancha en Series de alineación

Es probable que tu pastor principal ame la comunicación. Por lo general tienen un tema dentro de ellos que desean entregar a cada uno corazón. Aprovecha su pasión por ayudar a crear una inmersión corporativa en su mensaje.

En los últimos dos años, he trabajado con mi pastor principal para crear dos de estas experiencias con su propio material al integrar el ministerio celular. Hemos desarrollado una serie de mensajes de seis semanas, su propia serie de video que acompaña que se puede utilizada en los grupos celulares, junto con un devocional diario, que también incluye el plan de estudios de grupos celulares.

Si bien este proceso es mucho trabajo, esto permite que mi pastor principal participe con su corazón en lo que los grupos van a ir a través. Esto hace que sea muy natural para él el dirigir la estrategia de grupos celulares dándole un guión a seguir.

  1. La gota alimenta el contenido del Pastor al Discipulado

Cada 3-4 meses intento pasar los recursos del grupo celular a mi pastor principal.

Una vez al año trato de comprarle un libro. Los dos últimos años le compré el libro Fundamentos bíblicos de la Iglesia basado en células por Joel Comiskey y Tribu por Sebastian Junger. El primer libro estaba llenó de teología que podía utilizar para sus mensajes. El segundo era un libro no cristiano que enfrentó los peligros del individualismo, una dinámica cultural que nos ocupamos de forma regular en América del Norte.

Yo también voy a pasar los videos en línea que me encuentro o de investigación con los datos empíricos sobre el valor de los grupos celulares en las iglesias y así sucesivamente.

  1. Proporciona experiencias de tamaño de un bocado para el pastor principal

Conociendo que mi pastor principal está muy ocupado, lo invite a visitar un grupo celular una vez al comienzo de una de nuestras promociones del grupo celular y hable durante los primeros 2 minutos de su predicación esa semana. Esta es una tarea compendio-poder que lo mantiene conectado con la visión de los grupos celulares, pero no sobre-impuesto a su agenda.

Oro para que este artículo provoque que pase algún tiempo meditando en algunas formas prácticas y creativas para involucrar al pastor principal en el Ministerio del grupo celular.

Andrew

Three Realities for Lead Pastors and Cell Groups

coach_andrewmason

By Andrew Mason, associate pastor at Real Life Church, www.enjoyreallife.com

It is a pleasant fiction to think that a cell group ministry can soar in a church by delegating all of the responsibility to an Associate Pastor. A similar line of reasoning would contend that the Lead Pastor doesn’t need to worship because they have hired a worship leader to do that. Of course nobody would make a statement like that about worship, but often we send a similar message about discipleship when a Lead Pastor doesn’t position himself or herself as the Cell Group Champion.

If a culture of disciple-making cells is going to take root in a church, it’s critical for the Lead Pastor to champion the cause.

There are many factors to support this paradigm, but I’d briefly like to share Three Realities for Lead Pastors and Discipleship…

  1. Jesus was the Cell Group Champion of the New Testament Church

Jesus was the greatest cell group leader ever. He took twelve people and launched the fastest-growing, most expansive organization in human history. Jesus kept his cell group in a kingdom mindset by sending them out two-by-two to develop more cells (Luke 9:1-2, Luke 10:1). Jesus’ last words to His followers were to replicate His model by going and making disciples of all the nations (Matt. 28:19). The fruit of his leadership was an unstoppable, multiplying cell church (Acts 2:42-47).

It’s obvious that cell group discipleship was not a chore to Jesus. Rather, it was a central part of His mission. Lead Pastors make themselves more like Jesus when they become the Cell Group Champion for their church.

  1. The Lead Pastor Has the Greatest Clout in the Church

The Lead Pastor garners the most attention and examination from everyone in the church. To neglect leveraging the Lead Pastor’s influence for growing disciples would be a waste of kingdom currency.

One of the ways the Lead Pastor can focus his or her clout is by rallying core influencers in the church for the cause of making disciples. All of the key leaders must have their shoulder to the plow of cell group ministry in order for it to have teeth in the congregation. The Lead Pastor is the vital connection to making this happen.

  1. The Weekend Message is the Most Valuable Real Estate in the Church for Communication

When it comes to vision and strategy, there is no greater vehicle to steer the corporate body than the Lead Pastor’s weekly sermon. If the Lead Pastor doesn’t position themselves as the Cell Group Champion, the church will miss out on a critical discipleship opportunity in the weekly worship gathering.

The Lead Pastor’s messages should be peppered with promotion for upcoming events and dates related to cell group ministry, testimonies of changed lives through cell group ministry and stories of personal experiences in cell group ministry.

There are more factors than can be listed. As you can see though, these three realities alone make a strong case for the Lead Pastor as the Cell Group Champion.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Três Realidades para Pastores Principais e Células

Por Andrew Mason, pastor associado na Igreja Real Life,www.enjoyreallife.com

É uma ficção agradável pensar que um ministério de células é capaz de decolar em uma igreja, delegando toda a responsabilidade para um pastor associado. A mesma linha de raciocínio afirma que os pastores principais não precisam adorar, porque eles contrataram um líder de louvor para fazer isso. É claro que ninguém faria uma afirmação como essa sobre a adoração, mas muitas vezes nós enviamos uma mensagem semelhante a essa sobre o discipulado quando um pastor principal não se posiciona como o defensor do grupo celular.

Se uma cultura de células que fazem discípulos vai criar raízes em uma igreja, é fundamental para o pastor principal defender a causa.

Existem muitos fatores que sustentam esse ideal, mas eu gostaria de compartilhar brevemente Três Realidades para Pastores Principais e Discipulado

  1. Jesus foi o defensor dos grupos celulares da Igreja do Novo Testamento

Jesus foi o melhor líder de célula que existiu. Ele pegou doze pessoas e abriu a organização mais expansiva e de mais rápido crescimento da história da humanidade. Jesus manteve seu grupo celular com uma mentalidade do Reino, enviando-os dois a dois, para gerarem mais células (Lucas 9:1-2, Lucas 10:1). As últimas palavras de Jesus para Seus seguidores foi para que eles repetissem Seu modelo: ir e fazer discípulos de todas as nações (Mateus 28:19). O fruto de sua liderança foi uma igreja em células crescente e imparável (Atos 2:42-47). É óbvio que o grupo celular e discipulado não foi uma tarefa árdua para Jesus.Pelo contrário, essa era uma parte central de sua missão. Pastores principais se tornam mais como Jesus, quando eles se tornam o defensor do grupo celular para a sua igreja.

  1. O pastor principal tem o maior poder de influência na igreja

O pastor principal acumula a maior atenção e análise de todos na igreja. Negligenciar o poder de influência do pastor principal para formar discípulos seria um desperdício de moeda do Reino. Uma das maneiras de o pastor principal conseguir focar a sua influência é reunir influenciadores principais na igreja para a causa de fazer discípulos. Todos os principais líderes devem oferecer o seus ombros para o cultivo do ministério celular, a fim de terem autoridade na congregação. O pastor principal é a conexão vital para fazer isso acontecer.

  1. A mensagem do fim de semana é a forma mais valiosa para comunicação
    Quando se trata de visão e estratégia, não há maior veículo para dirigir o corpo do que sermão semanal do pastor principal. Se o pastor principal não se posiciona como o defensor do grupo celular, a igreja vai perder uma oportunidade importante de discipulado no culto semanal. As mensagens do pastor principal devem promover e estimular os próximos eventos e datas relacionadas com ministério de células, conter testemunhos de vidas transformadas através do ministério de células e histórias de experiências pessoais no ministério de células.

Existem mais fatores que podem ser listados. Porém, como você pode ver, apenas estas três realidades são um forte argumento para o pastor principal como defensor do grupo celular.

Spanish blog:

Tres realidades para los pastores y los grupos celulares

Por Andrew Mason, pastor asociado de la iglesia vida real, www.enjoyreallife.com

Es una ficción agradable pensar que un ministerio de células puede elevarse en una iglesia al delegar toda la responsabilidad a un pastor asociado. Un razonamiento similar podría sostener que el pastor principal no necesita adorar porque han contratado a un líder de adoración para hacer eso. Por supuesto, nadie haría una declaración así a la adoración, pero a menudo enviamos un mensaje similar sobre el discipulado cuando un pastor principal no se posiciona a sí mismo como el Grupo Celular campeón.

Si un cultivo de células que hace discípulos va a echar raíces en una iglesia, es crítico para el pastor principal defender la causa.

Hay muchos factores que apoyan este paradigma, pero me gustaría compartir brevemente tres realidades para los pastores y discípulos …

  1. Jesús fue el campeón del grupo celular en la Iglesia del Nuevo Testamento

Jesús fue el líder más grande de la célula en la existencia. Tomó doce personas y puso en marcha el más rápido crecimiento, la organización más extensa en la historia humana. Jesús mantuvo su grupo de células en un estado mental del reino enviándolos de dos en dos para desarrollar más células (Lucas 9: 1-2, Lucas 10: 1). Las últimas palabras de Jesús a sus seguidores eran que replicaran su modelo de ir y hacer discípulos a todas las naciones (Mateo 28:19). El fruto de su liderazgo era imparable, multiplicando grupos celulares (Hechos 2: 42-47).

Es obvio que el grupo celular del discipulado no era una tarea para Jesús. Más bien, era una parte central de su misión. Los pastores se hacen más como Jesús cuando se convierten en campeones de grupo de la iglesia celular para su iglesia.

  1. El pastor principal tiene la influencia más grande en la Iglesia

El pastor principal gana la mayor atención y la examinación de todos los miembros de la iglesia. Descuidar el aprovechamiento de la influencia del pastor principal para los discípulos de crecimiento sería un desperdicio en el reino.

Una de las formas en que el Pastor puede enfocar su influencia es reuniendo influyentes en la iglesia por la causa de hacer discípulos. Todos los líderes clave deben tener su hombro en el arado del ministerio de células con el fin de que tenga los dientes en la congregación. El pastor es la conexión vital para hacer que esto suceda.

  1. El mensaje del fin de semana del mensaje es el más valioso de los inmuebles en la Iglesia para la Comunicación

Cuando se trata de la visión y la estrategia, no hay mayor vehículo para dirigir la entidad corporativa que la predicación semanal del pastor principal. Si el pastor principal no se posiciona a sí mismos como el Campeón del grupo celular, la iglesia perderá la oportunidad crítica del discipulado en la reunión de adoración semanal.

Los mensajes del pastor principal deben sazonar con promoción los próximos eventos y las fechas relacionadas con el ministerio celular, los testimonios de vidas cambiadas a través del ministerio celular y las historias de experiencias personales en el ministerio de grupos celulares.

Hay más factores que se pueden enumerar. Como se puede ver, sin embargo, estas tres realidades por sí solas constituyen un buen fundamento para el pastor principal como el campeón del grupo celular.

Do What I Say Ignore What I Don’t Do

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

A couple of weeks ago, I received an e-mail from a man who used to live in our town. He told me that one of his friends is moving to our area and he told him to look up our church. A second e-mail came requesting help to unload a 26ft. moving truck. I made an announcement on Sunday asking for people to help. Today some of the guys from our church went to help and I joined them.

Some years ago, our church plant ran a capital for a new sanctuary. Like many churches we talked about the importance of equal sacrifice not equal giving. Can you imagine what it would have said if I stood before the congregation asking for their sacrifice and I gave nothing?

One pastor I knew challenged his congregation to tell people about Jesus Christ. He regularly asked his people to invite their friends to church or to witness to their neighbors.  However, I noticed that he never invited anyone to church nor did he ever witness to his neighbors.

According to 1 Corinthians 12, 14, and Romans 12, we all have spiritual gifts given to us from the Holy Spirit to build up the body of Christ. None of us is given all the gifts. In fact, a fairly small number of us have the gift of evangelism. Nevertheless, we are all supposed to do the work of an evangelist. The disciples had different gifts, experience, and personalities. Jesus sent them out by two’s to preach, heal and cast out demons. Even Judas Iscariot was sent out. Jesus gave the Great Commission to all believers. None of us should sit out this important work.

If a cell is the basic unit of the Body of Christ and we believe that every Christian as well the unchurched will gain from participation in a cell, then should the Lead Pastor participate in a cell? Shouldn’t everyone on the staff lead a cell or at least participate in one? Don’t we all need the opportunity to engage in biblical community? Are any of us so important that we don’t need to be actively involved in discipling others and growing in our relationship with Christ. Can a pastor tell the church to do something that they are not doing themselves? Why would you?

When I see a mess on the floor in our fellowship area, I will pick it up. Is this micromanagement? Someone may say it is, but it doesn’t seem right to ask someone else to do something that I am not willing to do. Jesus said that we should all be servants. It doesn’t seem right to invite the church to be involved in a cell and not be personally involved as well.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

 

 

Faça O Que Eu Digo, Ignore O Que Eu Não Faço

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Duas semanas atrás eu recebi um e-mail de um homem que costumava a viver em nossa cidade. Ele disse que um amigo seu está se mudando para nossa área e que ele falou para seu amigo procurar nossa igreja. Um segundo e-mail veio pedindo ajuda para descarregar um caminhão. Eu fiz um anúncio no domingo pedindo para as pessoas ajudarem. Hoje alguns homens da nossa igreja foram ajudar e eu me juntei a eles.

Alguns anos atrás a nossa igreja levantou um capital para construir um novo templo. Como muitas igrejas nós falamos sobre a importância de todos fazerem um sacrifício. Você pode imaginar como seria se eu ficasse diante da congregação e lhes pedisse para fazerem um sacrifício e eu não desse nada?

Um pastor que eu conhecia desafiou sua congregação a falar de Jesus Cristo para as pessoas. Ele pedia regularmente para suas ovelhas convidarem seus amigos para irem à igreja ou para testemunharem para seus vizinhos. Contudo, eu notei que ele nunca convidava ninguém para a igreja nem testemunhava para seus vizinhos.

De acordo com 1 Coríntios 12, 14, e Romanos 12, todos nós temos dons espirituais que o Espírito Santo nos deu para construirmos o Corpo de Cristo. Nenhum de nós recebeu todos os dons. Na verdade, um número muito pequeno de nós recebeu o dom do evangelismo. Todavia, todos nós devemos fazer o trabalho de um evangelista. Os discípulos tinham dons, experiências e personalidades diferentes. Jesus os enviou de dois em dois para pregar, curar e expulsar os demônios. Até Judas Iscariotes foi enviado. Jesus deu a Grande Comissão para todos os convertidos. Nenhum de nós deve deixar de lado esse trabalho importante.

Se uma célula é a unidade básica do Corpo de Cristo e nós acreditamos que todos os cristãos, bem como os não convertidos, vão ganhar ao participar de uma célula, então então o pastor principal não deveria participar de uma célula? Será que todos da equipe de liderança não deveriam liderar, ou pelo menos participar de uma célula? Todos nós não deveríamos ter oportunidade de participar da comunidade bíblica? Alguém de nós é tão importante que não precisa se envolver ativamente em discipular outras pessoas e em desenvolver o nosso relacionamento com Cristo? O pastor pode falar para a igreja fazer alguma coisa que ele mesmo não faz? Por que você faria?

Quando eu vejo uma bagunça no chão da área vizinha eu tiro do chão. Isso é microgestão? Alguém pode dizer que é, mas não parece certo pedir para outra pessoa fazer algo que eu não estou disposto a fazer. Jesus disse que todos nós deveríamos ser servos. Não parece certo convidar a igreja para se envolver na célula enquanto você não se envolve pessoalmente.

Spanish blog:

Haz lo que digo ignora lo que no hago

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Hace un par de semanas, recibí un correo electrónico de un hombre que vivía en nuestra ciudad. Me dijo que uno de sus amigos se está mudando a nuestra área y él le dijo que buscara nuestra iglesia. Un segundo correo llego solicitando ayuda para descargar un camión de 26 pies. Hice un anuncio el domingo pidiendo gente para ayudar. Hoy algunos de los chicos de nuestra iglesia fueron a ayudar y me uní a ellos.

Hace algunos años, nuestra iglesia plantadora uso un capital para un nuevo santuario. Al igual que muchas iglesias hablamos de la importancia de la igualdad de sacrificio no es igual de entrega. ¿Se imaginan lo que hubiera dicho si me pusiera delante de la congregación pidiendo su sacrificio y dando nada?

Un pastor que conozco desafió a su congregación diciéndole a la gente acerca de Jesucristo. Él regularmente pedía a su gente que invitara a sus amigos a la iglesia o para dar testimonio de sus vecinos. Sin embargo, me di cuenta de que nunca invitaba a nadie a la iglesia ni llegó a ser testigo de sus vecinos.

De acuerdo a 1 Corintios 12, 14, y Romanos 12, todos tenemos dones espirituales dados a nosotros por el Espíritu Santo para la edificación del cuerpo de Cristo. A ninguno de nosotros se nos da todos los dones. De hecho, un número bastante reducido de nosotros tiene el don de evangelismo. Sin embargo, se supone que todos debemos hacer el trabajo de un evangelista. Los discípulos tenían diferentes dones, experiencia y personalidades. Jesús los envió en dos a predicar, sanar y echar fuera demonios. Incluso Judas Iscariote fue enviado. Jesús dio la Gran Comisión a todos los creyentes. Ninguno de nosotros debe sentarse a cabo de esta importante labor.

Si una célula es la unidad básica del Cuerpo de Cristo y creemos que todos los cristianos tanto como los inconversos se beneficiarán de la participación en una célula, entonces, ¿Debería el pastor principal participar en una célula? En ese caso, todo el personal dirigir una célula o al menos participar en una. No todos tenemos la oportunidad de participar en la comunidad bíblica. ¿Alguno de nosotros es tan importante que no necesitamos estar activamente involucrados en discipular a otros y crecer en nuestra relación con Cristo? Puede decir el pastor a la iglesia que haga algo que no está haciendo. ¿Porque lo harías?

Cuando veo a un desastre en el piso en nuestra área de convivencias, lo recojo. ¿Es esto micro administración? Alguien puede decir que es, pero no parece correcto pedir a otra persona que haga algo que no estás dispuesto a hacer. Jesús dijo que todos debemos ser servidores. No parece correcto invitar a la iglesia para participar en una célula y no estar involucrado personalmente también.

Bill

The Role of the Pastor in Cell Ministry

coach_mario2016speaking

by Mario Vega, www.elim.org.sv

The lead pastor’s involvement in cell ministry is essential for a properly functioning cell ministry. This involvement might be modified over time as cell ministry progresses. In the beginning, the pastor should lead the church transition to the cell model. That means training new leaders, preparing cell lessons, setting goals, encouraging hosts, and in general assuming responsibility for cell ministry.

As cell ministry develops, church growth will occur. When the church grows, it will be more difficult for the lead pastor to lead a cell or personally train the leaders. The growth might stir the pastor to assume more teaching responsibilities in other churches and denominations. But despite this, the pastor should not delegate the vision for cell ministry but continue to guide the cell vision while delegating administrative functions.

The lead pastor should have a team to help guide the church. In the team meetings, the pastor will set goals, define strategies, and plan direction. The pastor continues his role of coach and mentor to those on his team. Team members take the pastors teaching and values to guide the rest of the cell structure. In this way, the lead pastor continues to be vitally linked to the cell vision.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Pastor e seu Trabalho Celular

Por Mario Vega

O envolvimento do pastor presidente no ministério celular é essencial para que o ministério funcione corretamente. Esse envolvimento pode ser modificado ao longo do tempo à medida que o ministério celular progride. No início, o pastor deve conduzir a transição da igreja para o modelo de células. Isso significa treinar novos líderes, preparar aulas para as células, estabelecer metas, encorajar os anfitriões e, no geral, assumir responsabilidades no ministério celular.

Conforme o ministério celular  se desenvolve, vai acontecer o crescimento da igreja. Quando a igreja cresce, torna-se mais difícil para o pastor principal liderar uma célula ou treinar pessoalmente os líderes. O crescimento pode levar o pastor a assumir mais responsabilidades de ensino em outras igrejas e denominações. Mas, apesar disso, o pastor não deve delegar a visão do ministério de células, mas continuar a guiar a visão celular enquanto delega funções administrativas.

O pastor principal deve ter uma equipe para ajudar a guiar a igreja. Nas reuniões de equipe, o pastor vai estabelecer metas, definir estratégias e planejar a direção. O pastor continua seu papel de treinador e mentor para aqueles em sua equipe. Os membros da equipe usam os ensinamentos e valores do pastor para guiar o resto da estrutura celular. Desta forma, o pastor presidente continua a ser vital para a visão celular.

Spanish blog:

El pastor y su trabajo celular

El involucramiento del pastor principal es esencial para un buen trabajo celular. El involucramiento puede recibir modificaciones con el paso del tiempo y el desarrollo del mismo trabajo. Al principio, el pastor debe conducir la transición de la iglesia al modelo celular. Eso implica el entrenar a los nuevos líderes, preparar las lecciones de las células, establecer metas, animar a los anfitriones y, en general, asumir la dirección del trabajo.

En la medida que el trabajo se desarrolla el crecimiento de la iglesia se producirá. Cuando la iglesia llega a ser numerosa será un poco más difícil para el pastor principal continuar al frente de una célula o encargarse personalmente del entrenamiento de los líderes. El mismo desarrollo de la obra puede llevarle a asumir responsabilidades de enseñanza en otras iglesias y denominaciones. Pero, a pesar de ello, el pastor no debería abandonar el trabajo celular y tampoco delegar la dirección.

Aún cuando el pastor titular cuente con un equipo de pastores que le ayudan en el trabajo, las reuniones que tiene con ellos siguen teniendo como propósito el establecimiento de metas, la definición de las estrategias, la dirección del trabajo. Al mismo tiempo el pastor sigue ejerciendo su rol de entrenador y mentor; solamente que a nivel de sus pastores. Éstos a su vez trasladan las enseñanzas y valores a la estructura de trabajo. Así, el pastor principal sigue vitalmente ligado al trabajo celular.

Developing Disciple-Makers

loungeunited

By Joel Comiskey

I coached one pastor a few years ago who bought into the cell church philosophy but didn’t change his inward values. As I coached him over the months, I found that he naturally spent most of his time on the Sunday celebration service and more specifically on his sermon preparation. Cell ministry received leftover attention. When I challenged him on this, he acknowledged that he got a high from the Sunday crowd and didn’t get that same excitement from cell ministry.

Passionate cell church pastors, on the other hand, focus on how many pew sitters can be converted into disciples who will pastor home groups that will in turn evangelize and disciple others (Matthew 28:18-20). They focus on the cell infrastructure in order to align themselves with the New Testament truth that the job of the pastor is to prepare God’s people for works of service (Eph. 4:11–12).

George Whitefield and John Wesley were contemporaries in seventeenth-century England. Both dedicated themselves to God’s work in the same small group (Holy Club) at Oxford University.  Both were excellent in open-air preaching. Both witnessed thousands of conversions through their ministries. Yet John Wesley left behind a strong vibrant church, while George Whitefield could point to little tangible fruit toward the end of his ministry. Why? Wesley dedicated himself to training and releasing disciple-makers who led small-groups, while Whitefield was too busy preaching and doing the work of the ministry.

Are you more like Whitefield or Wesley? What do you need to change to concentrate on making disciples who make disciples?

Though both cell and celebration are important in the cell church, I believe the cell infrastructure should guide the church. The cell church strategy focuses on preparing laypeople to become disciples who make disciples. It’s guiding people from sitting in church to helping them go through a process of training, cell involvement, and cell leadership.

The disciple oriented church, in contrast to the Sunday attraction model, focuses on the cell infrastructure. The pastor concentrates on growing the church from the inside out. Fruitfulness equals turning members into ministers that lead cell groups. Dale Galloway said it well, “The concept is that first you build leaders. The leaders build groups. Out of these groups come more leaders and a multiplication into more groups” (20-20 Vision, p. 155).

The disciple oriented strategy is straightforward and simple: concentrate on developing disciple-makers who are leading multiplying cell groups, and they will in turn reap the harvest and pastor the church. It’s the strategy that Christ gave to His disciples in Matthew 9:37–38: “The harvest is plentiful but the workers are few. Ask the Lord of the harvest, therefore, to send out workers into his harvest field.” The goal of new cells is the goal of new disciple-makers who are being equipped and sent out as harvest workers. The role of the pastor is to guide the church to concentrate on this disciple-making strategy.  

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Desenvolvendo Discipuladores

Por Joel Comiskey

Eu treinei um pastor há alguns anos que adotou a filosofia da igreja em células, mas não mudou seus valores interiores. Conforme eu o treinava ao longo dos meses, descobri que ele naturalmente gastava a maior parte de seu tempo no culto de celebração dominical, mais especificamente no preparo de seu sermão. O ministério celular recebia as sobras de sua atenção. Quando eu o desafiei sobre isso, ele reconheceu que ficava entusiasmado com a multidão dos cultos de domingo e não conseguia sentir esse mesmo entusiasmo com o ministério celular.

Pastores de igrejas em células apaixonados, por outro lado, se concentram em quantos ouvintes podem ser convertidos em discípulos que irão pastorear grupos domésticos que, por sua vez, vão evangelizar e discipular outras pessoas (Mateus 28: 18-20). Eles se concentram na infraestrutura celular a fim de alinhar-se com a verdade do Novo Testamento de que o trabalho do pastor é preparar o povo de Deus para a obra do ministério (Efésios 4: 11-12).

George Whitefield e John Wesley foram contemporâneos na Inglaterra do século XVII. Ambos se dedicaram à obra de Deus no mesmo pequeno grupo (Holy Club) na Universidade de Oxford. Ambos eram excelentes na pregação ao ar livre. Ambos testemunharam milhares de conversões através de seus ministérios. No entanto, John Wesley deixou para trás uma igreja forte e vibrante, enquanto George Whitefield tinha poucos frutos tangíveis ao fim de seu ministério. Por quê? Wesley dedicou-se a treinar e liberar discipuladores que lideraram pequenos grupos, enquanto Whitefield estava muito ocupado pregando e fazendo o trabalho do ministério.

Você é mais como Whitefield ou como Wesley? O que você precisa mudar para se concentrar em fazer discípulos que fazem discípulos?

Embora tanto a célula como o culto de celebração sejam importantes na igreja em células, eu acredito que a infraestrutura da célula deve guiar a igreja. A estratégia da igreja em células se concentra em preparar pessoas leigas para se tornarem discípulos que fazem discípulos. Isso é, guiar as pessoas que ficam apenas sentadas nos bancos da igreja para ajudá-las a passar por um processo de treinamento, envolvimento com as células e liderança celular.

A igreja orientada para o discípulo, em contraste com o modelo de atração dominical, concentra-se na infraestrutura celular. O pastor se concentra no crescimento da igreja de dentro para fora. Uma igreja frutífera é igual a transformar os membros em ministros que lideram células. Dale Galloway disse muito bem: “O conceito é que primeiro você constrói líderes. Os líderes constroem grupos. Fora desses grupos vêm mais líderes e ocorre a multiplicação em mais grupos” (Tradução livre, livro 20-20 Vision, p. 155).

A estratégia orientada para o discípulo é direta e simples: concentre-se no desenvolvimento de discipuladores que liderem células multiplicadoras, e eles, por sua vez, vão fazer a colheita e pastorear a igreja. Essa é a estratégia que Cristo deu aos Seus discípulos em Mateus 9: 37-38: “A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Peçam, pois, ao Senhor da seara que envie trabalhadores para a sua seara”. A meta de novas células é a meta dos novos discipuladores que estão sendo equipados e enviados como trabalhadores da colheita. O papel do pastor é guiar a igreja para que ela se concentre nesta estratégia de fazer discípulos.

Spanish blog:

Desarrollando hacedores de discípulos

Por Joel Comiskey

Entrene a un pastor hace unos años que adquirió la filosofía de la iglesia celular, pero no cambió sus valores interiores. Mientras lo entrené durante meses, me di cuenta que, naturalmente, el pasaba la mayor parte de su tiempo en el servicio de celebración dominical y más concretamente en la preparación de la predicación. El ministerio celular recibió la atención sobrante. Cuando le reté en esto, el reconoció que tiene una alta multitud el domingo y no consiguió que la misma emoción del ministerio celular.

Los pastores Apasionados de la iglesia celular, por el contrario, se concentran en el número de cuidadores de las bancas que se pueden convertir en discípulos de grupos de casas que a su vez evangelizan y discípulan a otros (Mateo 28: 18-20). Se concentran en la infraestructura celular con el fin de alinearse con la verdad del Nuevo Testamento que el trabajo del pastor prepara a los santos para la obra del ministerio (Ef. 4: 11-12).

George Whitefield y John Wesley fueron contemporáneos en Inglaterra del siglo XVII. Ambos se dedicaron a la obra de Dios en el mismo grupo pequeño (Club Santo) en la Universidad de Oxford. Ambos eran excelentes en la predicación al aire libre. Ambos fueron testigos de miles de conversiones a través de sus ministerios. Sin embargo, Juan Wesley dejo atrás una iglesia fuerte vibrante, mientras que George Whitefield podría apuntar a poco fruto tangible hacia el final de su ministerio. ¿Por qué? Wesley se dedicó a la formación y liberación de hacedores de discípulos que dirigieron pequeños grupos, mientras que Whitefield estaba demasiado ocupado en la predicación y hacer el trabajo del ministerio.

¿Te sientes más como Whitefield o Wesley? ¿Qué se necesita para cambiar a concentrarse en hacer discípulos que hacen discípulos?

Aunque ambos la célula y la celebración son importantes en la iglesia celular, creo que la infraestructura celular debe guiar a la iglesia. La estrategia de la iglesia celular se concentra en la preparación de los laicos para convertirse en discípulos que hacen discípulos. Esta guiando a las personas de estar sentados en la iglesia para ayudar a pasar por un proceso de formación, envolverse en las células, y el liderazgo celular.

La iglesia orientada al discípulo, en contraste con el modelo de atracción el Domingo, se concentra en la infraestructura celular. El pastor se concentra en el crecimiento de la iglesia desde adentro hacia afuera. La fecundidad se trata de convertir miembros en ministros que dirigen grupos celulares. Dale Galloway dijo muy bien: “El concepto es que en primer lugar se construyan líderes. Los líderes construyen grupos. Fuera de estos grupos vienen más líderes y la multiplicación en más grupos “(20-20 Visión, p. 155).

La estrategia orientada al discípulo es sencilla y simple: concentrarse en el desarrollo de hacedores de discípulos que están liderando la multiplicación de los grupos celulares, y ellos a su vez, recogerán la cosecha y el pastor de la iglesia. Es la estrategia que Cristo dio a sus discípulos en Mateo 9: 37-38: ” A la verdad la mies es mucha, más los obreros pocos. Rogad, pues, al Señor de la mies, que envíe obreros a su mies”. El objetivo de nuevas células es la meta de los nuevos hacedores de discípulos que están siendo equipados y enviados como obreros a la cosecha. El papel del pastor es guiar a la iglesia para concentrarse en esta estrategia de hacer discípulos.

This is a Football

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

Have you noticed that every professional sport has a high paid coach? If you follow International soccer, you will notice that every team has several coaches and one lead coach. Can you imagine the lead coach delegating coaching his team to one of his assistants? A coach may have special coaches to work on defense, offense or some special aspect of the game like goalkeeping. However, every head coach is still intimately involved in the coaching.

Vince Lombardi was one of the great coaches of American football with the Green Bay Packers. His team suffered a crushing defeat in the closing minutes of the championship game in 1961. In July of that year, the team came together for their training camp. For six months, the team had thought about that loss and now they were ready to get working on the next season, eager to put the past behind them. Lombardi began camp with a focus on the fundamentals. Holding a football in his hand he said, “Gentlemen, this is a football.” Six months later, they won the championship they had lost the year before and the team carried Lombardi off the field on their shoulders.

While I am impressed with the success that Lombardi experienced by focusing on the fundamentals, I am more impressed that the professional athletes recognized the need for a coach to guide them to success. These athletes are incredibly experienced in their sport and are gifted beyond most of our dreams. Even so, they need a coach to lead them.
:
Just as Lombardi understood the importance of his role, I sense that coaching is one of my most important jobs. It is at the heart of my role as an equipper (Ephesians 4:11-13). As the pastor/coach, I must keep us focused on the fundamentals. I need to lift up the vision and see that we are addressing any barriers or hindrances to ministry. I am working with the best of the best and helping them to do their job well. Like Lombardi, or any professional coach, I need others who will help me to coach our leaders. But I must be actively involved.

I love helping people to grow closer to Christ and even more to see Christians helping others to grow as Christ’s disciples. Fortunately, I also get to play in the game. The mission is so important that I must coach. Isn’t that what Jesus did with the twelve, the 72, and the 120?

Leaders, this is Christ’s Body.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Isso é uma bola de futebol

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Você já reparou que todo esporte profissional tem um treinador bem pago? Se você acompanha o futebol internacional, você vai perceber que todo time tem vários treinadores e um treinador principal. Você consegue imaginar o treinador principal delegando o treinamento do seu time para um dos seus assistentes? Um treinador pode ter outros treinadores especiais para trabalhar na defesa, no ataque ou em algum aspecto especial do jogo, como o gol. No entanto, cada um desses treinadores ainda está intimamente envolvido no treinamento.

Vince Lombardi foi um dos grandes treinadores do futebol americano no Green Bay Packers. Seu time sofreu uma derrota esmagadora nos minutos finais do jogo do campeonato em 1961. Em julho daquele ano, o time se reuniu para um acampamento de treinamento. Durante seis meses o time pensou sobre aquela derrota e agora eles estavam prontos para começar a trabalhar na próxima temporada, ansiando colocar o passado para trás deles. Lombardi começou o acampamento com o foco nos fundamentos. Segurando uma bola em suas mãos ele disse: ” Senhores, isso é uma bola de futebol.” Seis meses depois, eles ganharam o campeonato que eles haviam perdido no ano anterior, e o time carregou Lombardi pra fora do campo em seus ombros.

Apesar de eu ficar impressionado com o sucesso que o Lombardi experimentou ao focar nos fundamentos, eu estou mais impressionado que os atletas profissionais reconheceram a necessidade de um treinador que os guiasse para o sucesso. Esses atletas são incrivelmente experientes em seus esportes e são dotados além da maioria dos sonhos. Mesmo assim eles precisam de um treinador para lidera-los.

Assim como Lombardi entendeu a importância do seu papel, eu sinto que treinar é um dos meus trabalhos mais importantes. Essa é a essência do meu papel como um capacitador (Efésios 4:11-13). Como pastor/treinador, eu devo nos manter focados nos fundamentos. Eu preciso levantar os olhos e ver que nós estamos tratando de qualquer barreira ou obstáculo para o ministério. Eu estou trabalhando com os melhores dos melhores e os ajudando a fazer bem o seu trabalho. Assim como Lombardi, ou qualquer treinador profissional, eu preciso de outros que irão me ajudar a treinar nossos líderes. Mas eu devo estar ativamente envolvido.

Eu amo ajudar pessoas a crescerem mais perto de Cristo e amo ainda mais de ver cristãos ajudando outros a crescerem como discípulos de Cristo. Felizmente eu também também tenho que jogar. A missão é tão importante que eu devo treinar. Não foi isso o que Jesus fez com os 12, os 72 e os 120?

Líderes, isso é o Corpo de Cristo.

Spanish blog:

Esto es una pelota de futbol

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

¿Ha notado que cada deporte profesional tiene un entrenador alto pagado? Si usted sigue el fútbol internacional, se dará cuenta de que cada equipo tiene varios entrenadores y un entrenador que dirige a todos. ¿Se imaginan al entrenador líder delegando el entrenamiento a su equipo a uno de sus asistentes? Un entrenador puede tener entrenadores especiales para trabajar en defensa, ofensa o algún aspecto especial del juego como los porteros. Sin embargo, cada entrenador está todavía íntimamente involucrado en la dirección técnica.

Vince Lombardi fue uno de los grandes entrenadores de fútbol americano con los Green Bay Packers. Su equipo sufrió una aplastante derrota en los últimos minutos de la final del campeonato en 1961. En Julio de ese año, el equipo se reunio para su campo de entrenamiento. Durante seis meses, el equipo había pensado en la pérdida y ahora estaban listo para trabajar en la próxima temporada, con ganas de poner el pasado detrás de ellos. Lombardi comenzó el campamento con un enfoque en los fundamentos. Sosteniendo una pelota de fútbol en la mano, dijo: “Señores, esto es una pelota de fútbol. “Seis meses después, ellos ganaron el campeonato que habían perdido el año anterior y el equipo llevó a Lombardi fuera del campo sobre sus hombros”.

Si bien estoy impresionado con el éxito que experimentó Lombardi, concentrándose en los fundamentos, estoy más impresionado que los atletas profesionales reconocieron la necesidad de un entrenador para guiarlos hacia el éxito. Estos atletas son muy experimentados en su deporte y están dotados al más allá que la mayoría de nuestros sueños. A pesar de ello, ellos necesitan un entrenador para guiarlos.

Del mismo modo que Lombardi entendió la importancia de su papel, siento que el entrenamiento es uno de los trabajos más importantes. Es en el corazón de mi papel como equipador (Efesios 4:11-13). Como el pastor/entrenador, tengo que mantenernos enfocados en los fundamentos. Tengo que levantar la vista y ver que estamos abordando las barreras u obstáculos para el ministerio. Estoy trabajando con lo mejor de lo mejor, para ayudarles a hacer bien su trabajo. Como Lombardi, o cualquier entrenador profesional, necesito otros que me ayuden a entrenar a nuestros líderes. Pero debo estar comprometido activamente.

Me encanta ayudar a las personas a crecer más cerca de Cristo y aún más para ver a los cristianos ayudar a los demás a crecer como discípulos de Cristo. Afortunadamente, también tengo que jugar en el juego. La misión es tan importante que debo entrenar. ¿No es eso lo que hizo Jesús con los doce, los 72 y los120?

Líderes, esto es el cuerpo de Cristo.

Bill

 

Sharing the cell vision

coach_mario2016speaking

by Mario Vega, www.elim.org.sv

The lead pastor is responsible for developing the strategic aspects of cell ministry. His strategy should not be the result of his personal ideas but of God’s purpose for the ministry. Understanding God’s purposes involves cultivating an intimate communion with him, a dependence on the Holy Spirit, and earnest meditation. Once the pastor captures God’s intentions, he then needs to develop this vision in the local church. The pastor lives and applies the vision and makes it his passion and lifestyle.

A key element of the vision is the ability to transmit it to others. A vision that is not adequately communicated may lose its effectiveness and charm. As Joel Comiskey often says, “the Pastor should not have the vision but the vision must have the Pastor.” When that happens, the passion becomes a lifestyle and is transmitted to the people, both overtly and covertly. Communicating the passion and vision is key in the relationship of the Pastor with his team members: whether they are zone pastors, coaches, or leaders.

Regular meetings of the lead Pastor with his leadership are essential for communicating the vision. Passion and vision unifies and inspires the team, and allows them to take on the established goals and answers the challenges of each day.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Compartilhando a Visão Celular

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

O pastor principal é responsável por desenvolver os aspectos estratégicos do ministério celular. Sua estratégia não deve ser o resultado das suas ideias pessoais, mas o propósito de Deus para o ministério. Entender o propósito de Deus envolve cultivar uma comunhão íntima com Ele, uma dependência no Espírito Santo, e uma meditação séria. Uma vez que o pastor capta as intenções de Deus, ele precisa desenvolver essa visão na igreja local. O pastor vive e aplica a visão e faz dela sua paixão e estilo de vida.

Um elemento principal da visão é a habilidade de transmiti-la á outros. Uma visão que não é comunicada adequadamente pode perder sua efetividade e atratividade. Como o Joel Comiskey costuma dizer: ” o pastor não deve ter a visão, mas a visão deve ter o pastor”. Quando isso acontece, a paixão se torna um estilo de vida e é transmitida para as pessoas, tanto aberta como secretamente. Comunicar a paixão e visão é a chave no relacionamento do pastor com seus membros, sejam eles pastores de distrito, supervisores ou líderes.

Reuniões recorrentes do pastor com a sua liderança são essenciais para comunicar a visão. Paixão e visão une e inspira a equipe, e permite-lhes assumir as metas estabelecidas e responder aso desafios de cada dia.

Spanish blog:

El pastor compartiendo la visión celular

por Mario Vega, www.elim.org.sv

El pastor principal es el responsable de desarrollar los aspectos estratégicos del trabajo celular. Esos aspectos no deberían ser el resultado de sus ideas personales sino del propósito de Dios para su obra. El entender los propósitos de Dios supone cultivar una comunión íntima con él, una dependencia del Espíritu Santo y procesos de meditación sinceros. Una vez el pastor capta los designios de Dios, se convierten en una visión para ser desarrollada en la iglesia local. El pastor se apropia de esa visión y la convierte en su guía y su pasión para su trabajo.

Un elemento clave de la visión, es la habilidad para transmitirla a otras personas. Una visión que no se comunica adecuadamente puede perder su efectividad y encanto. Como bien lo dice Joel Comiskey, “el pastor no debe tener la visión sino la visión debe tener al pastor”. Cuando eso ocurre, la pasión que despierta el estar poseído por una visión provee del ánimo adecuado para transmitirla a otros. Esa comunicación se vuelve clave en la relación del pastor con sus miembros de equipo: sean pastores de zona, supervisores y líderes.

Las reuniones periódicas del pastor principal con su liderazgo son esenciales para la comunicación de la visión. Ese elemento es el que unifica e inspira al equipo, les permite asumir las metas establecidas y les ayuda a encontrar las respuestas a los retos de cada día.

Lead Pastor as Leader of Cell Ministry, part 2

coaches_JimWall

Dr. Jim Wall, Acts 2 Network, Executive Director, www.acts2network.org 

Change is hard. No matter how many blessings are promised as a result of the change, it is still hard. That’s true in every area of life. It is particularly true in churches. Christians have an amazing tendency to find a church they like and then do everything they can to keep it from changing! That’s why it often takes a deeply-loving and highly-skilled leader to bring about change, no matter how badly change is needed.

That’s just one of the many  reasons why—when a church commits to transition from a program-based approach to ministry to a cell-based approach—the senior pastor must lead the way. The journey is as much about providing loving guidance, gentle correction and strong leadership as any father has ever provided for his sons and daughters. Dad’s can’t delegate that level of leadership.

That’s why when I sensed God’s call to lead Western Branch Community Church to embrace the cell paradigm, I started one cell group. I hand selected six couples I believed to have the capacity to lead the initial wave of cell groups. We met for nearly eighteen months. We worshipped, prayed, studied and dialogued about what the cell ministry would look like in our church. When we came to unity, I preached a series of sermons in our weekend celebration services on the Biblical basis for—and the practical value of—being in a cell group. I then called on our members to join a cell group knowing we had seven cell leaders (including my wife and I) who would lead the initial wave of cells in agreement. The result was a smooth transition to the cell model. There was some resistance as we phased out programs one-by-one. But everyone knew that I was leading the charge. They believed that I had their best interest at heart. They trusted that I was following the Lord’s leading. They saw my father’s heart for them. All of that resulted in the vast majority making the change.

As our cell network grew, we added section leaders and zone leaders. In time there were many father figures in our church. Even then, the cell leaders always knew I was leading the way as I met with them all regularly for training and encouragement. You just can’t delegate being “Dad.”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Pastor Presidente como Líder do Ministério Celular, parte 2

Dr. Jim Wall, Acts 2 Network, www.acts2network.org

Mudar é difícil. Não importa quantas bênçãos são prometidas, como resultado da mudança, ainda é difícil. Isso é verdadeiro em todas as áreas da vida. Isso é particularmente verdadeiro em igrejas. Os cristãos têm uma tendência incrível para encontrar uma igreja que eles gostam e, em seguida, fazer tudo o que puderem para evitar que ela mude! É por isso que muitas vezes é necessário um líder profundamente amoroso e altamente qualificado para trazer a mudança, não importa o quanto ela seja necessária.

Isso é apenas uma das muitas razões para que quando uma igreja se compromete em transicionar de uma abordagem baseada em programas para uma abordagem de ministério em células o pastor presidente deve liderar o caminho. Nessa jornada é necessário que haja direcionamento amoroso, correção gentil e uma liderança forte como qualquer pai proporciona para seus filhos e filhas. Os pais não podem delegar esse nível de liderança.

É por isso que quando eu senti o chamado de Deus para liderar a Western Branch Community Church para abraçar o paradigma celular, eu iniciei uma célula. Eu escolhi a dedo seis casais que eu acreditava que tinham capacidade para liderar a onda inicial de células. Nós nos reunimos por quase 18 meses. Nós adoramos, oramos, estudamos e conversamos sobre como seria o ministério de células em nossa igreja. Quando chegamos à unidade, eu preguei uma série de sermões em nossos cultos de celebração de fim de semana sobre a base bíblica e o valor prático de se estar em uma célula. Depois eu pedi para nossos membros participarem de uma das células, sabendo que tínhamos sete líderes de células (incluindo minha esposa e eu), que liderariam a onda inicial de células. O resultado foi uma transição suave para o modelo celular. Houve uma certa resistência à medida que nós gradualmente eliminamos os programas um por um. Mas todos sabiam que eu estava liderando a carga. Eles acreditavam que eu tinha o melhor interesse no coração. Eles confiavam que eu estava seguindo a direção do Senhor. Eles viram o meu coração de pai para eles. Tudo isso fez com que a maioria fizesse a mudança.

Como a nossa rede celular cresceu, nós adicionamos líderes de setor e líderes de região. Na época, havia muitas figuras paternas em nossa igreja. Mesmo assim, os líderes de célula sempre souberam que eu estava liderando o caminho, porque eu sempre me reuni regularmente com todos eles para dar treinamento e incentivo. Você simplesmente não pode delegar ser “pai”.

Spanish blog:

Pastor Principal como líder del Ministerio celular

Dr. Jim Wall, de la Red hechos 2, Director Ejecutivo, www.acts2network.org

El cambio es difícil. No importa cuántas bendiciones han sido prometidas como resultado del cambio, aún es difícil. Eso es cierto en todos los ámbitos de la vida. Es particularmente cierto en las iglesias. Los cristianos tienen una tendencia sorprendente encontrar una iglesia que les gusta y luego hacer todo lo posible para evitar el cambio. Es por eso que a menudo se necesita un líder profundamente amoroso y altamente cualificado para dirigir el cambio, no importa que tan necesario sea el cambio.

Eso es sólo una de las muchas razones del porqué, cuando una iglesia se compromete a la transición de un enfoque basado en los programas de ministerio a un enfoque de la iglesia basada en células deben mostrar el camino. El viaje se trata tanto de proporcionar orientación amorosa, suave corrección y un liderazgo fuerte como cualquier padre ha proporcionado para sus hijos e hijas. El padre no puede delegar ese nivel de liderazgo.

Es por eso que cuando sentí el llamado de Dios para dirigir la Iglesia Western Branch Community para abrazar el paradigma celular, empecé un grupo de células. Tome seis parejas seleccionadas con las que creo que tienen la capacidad de dirigir la ola inicial de grupos celulares. Nos reunimos por casi dieciocho meses. Adorábamos, oramos, estudiamos y dialogamos sobre lo que el ministerio celular vería en nuestra iglesia. Cuando llegamos a la unidad, prediqué una serie de predicaciones en nuestros servicios de celebración de fin de semana sobre la base bíblica y el valor práctico de los miembros de un grupo de células. Después llame a los miembros a unirse a un grupo de células sabiendo que teníamos siete líderes celulares (incluyendo a mi esposa y a mi) que dirigiría la ola inicial de células. El resultado fue una transición suave hacia el modelo celular. Hubo cierta resistencia por etapas a medida que sacamos los programas uno por uno. Pero todos sabían que estaban llevando la carga. Se creía que tenía su mejor interés en el corazón. Ellos confiaban en que yo estaba siguiendo la dirección del Señor. Vieron el corazón de mi padre para ellos. Todo esto dio lugar a la gran mayoría de hacer el cambio.

A medida que nuestra red celular creció, añadimos líderes de sección y líderes de zona. Con el tiempo había muchas figuras paternas en nuestra iglesia. Incluso entonces, los líderes celulares siempre supieron que estaban dirigiendo de la manera como me encontré con todos ellos regularmente para la formación y el estímulo. Usted simplemente no puede delegar ser “padre”.