The Cell Church Philosophy

coach_mario2016speaking

By Mario Vega, www.elim.org.sv

In contrast to traditional churches where believers have a passive and consumer role, cell churches are committed to helping each member become actively involved  both the cell and the celebration. The believer is seen as one who should take care of his brothers and dedicates himself to encourage them by his example so that they take on leading roles. The nature of the cell church is that everyone participates. Each one develops his or her own gift for the edification of the body. So being a cell church implies an essential change in the philosophy of how one understands being a church and the role that corresponds to each believer. In essence, it is the transition from a priestly system to an evangelical one. That is, to move from a theological model where the pastor is a mediator between God and the congregation to a model in which each person goes directly to God without the need of a mediator and sees himself responsible for caring for his brothers.

The issue is not only about adopting a working methodology with cells but to make a change of mentality regarding how the church is understood and the role of each one of the members. The change should not only take place in the pastor but also in the congregation.  The pastor needs to formulate the  values, open spaces of participation, delegate to others, and then encourage those who are already ministering.  As the pastor succeeds in transferring the new philosophy to his members, he will succeed in multiplying disciples who assume leadership responsibilities.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Filosofia da Igreja em Células

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Em contraste com as igrejas tradicionais onde os crentes têm um papel passivo e consumidor, as igrejas em células estão empenhadas em ajudar cada membro a se envolver ativamente tanto na célula como no culto de celebração. O crente é visto como alguém que deve cuidar de seus irmãos e se dedica a incentivá-los pelo seu exemplo para que assumam papéis de liderança. A natureza da igreja em células é que todos participam. Cada um desenvolve seu próprio dom para a edificação do Corpo. Portanto, ser uma igreja celular implica uma mudança essencial na filosofia de como se entende ser uma igreja e o papel que corresponde a cada crente. Em essência, é a transição de um sistema sacerdotal para um evangélico. Ou seja, passar de um modelo teológico onde o pastor é um mediador entre Deus e a congregação para um modelo em que cada pessoa vai diretamente a Deus sem a necessidade de um mediador e é ele próprio responsável por cuidar de seus irmãos.

A questão não é apenas adotar uma metodologia de trabalho com células, mas fazer uma mudança de mentalidade sobre como a igreja é compreendida e o papel de cada um dos membros. A mudança não deve acontecer apenas com o pastor, mas ele deve transferí-la para a congregação através da pregação e do ensino. O pastor precisa formular os valores, abrir espaços de participação, delegar a outros e, então, incentivar aqueles que já estão ministrando. Conforme o pastor consegue transferir a nova filosofia para seus membros, ele terá sucesso na multiplicação de discípulos que assumem responsabilidades de liderança. Trata-se de mudar a maneira como o Cristianismo é compreendido.

Spanish blog:

La filosofía de la iglesia celular

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Contrario a las iglesias tradicionales donde los creyentes poseen un rol pasivo y de consumidores, las iglesias celulares se empeñan en que cada miembro se involucre activamente en responsabilidades tanto en la celebración como en las casas. El creyente es visto como alguien que debe tomar cuidado de sus hermanos y se decida a animarlos con su ejemplo para que asuman roles protagónicos.

La naturaleza de la iglesia celular es la de una amplia participación de sus miembros. Cada uno desarrolla su propio don para edificación del cuerpo. De manera que ser una iglesia celular implica un cambio esencial en la filosofía de cómo se entiende el ser iglesia y el papel que le corresponde a cada creyente. En el fondo, se trata del paso de un sistema sacerdotalista a uno evangélico. Es decir, pasar de un modelo teológico en donde el pastor es un mediador entre Dios y la congregación a un modelo en el cual cada persona va directamente a Dios sin necesidad de mediador y se ve responsable por cuidar de sus hermanos.

Como puede verse, el asunto no es solamente de adoptar una metodología de trabajo con células sino de realizar un cambio de mentalidad con respecto a cómo se entiende la iglesia y el papel de cada uno de los miembros. El cambio no solamente debe darse en el pastor sino que éste debe trasladarlo a la congregación con sus enseñanzas, la formulación de valores, el abrir espacios de participación, la delegación y el ánimo a los que ya trabajan. En la medida que el pastor tenga éxito en trasladar la nueva filosofía a sus miembros, tendrá éxito en multiplicar discípulos que asuman responsabilidades de liderazgo. Es cambiar la manera cómo se entiende el cristianismo.

A Simple Tool for Engaging Every Small Group Member in Ministry  

coaches_JimEgil

By Jim Egli, Practical Small Group & Multisite Insights & Free Resources: www.jimegli.com

There is a simple tool that my wife Vicki and I have used repeatedly in leading small groups to help us engage every member in ministry. Typically after a group has been going for at least 3 weeks we pass out a piece of paper that looks like this:

SMALL GROUP INVOLVEMENT SIGN-UP SHEET

“Under his (Christ’s) direction, the whole body is fitted together perfectly. As each part does its own special work, it helps the other parts grow, so that the whole body is healthy and growing and full of love.” (Ephesians 4:16, NLT)

Each small group at our church is like a family. Together we experience Jesus’ love and share it with others. Each person in the group plays an important role and the group grows “as each part does its own special work.” We want each person to serve in ways that they find enjoyable and rewarding as they contribute to the life of the group.

Please indicate any ways that you would be willing to serve. It is fine to try something out and decide later that you do not want to do it or that you would like to do something else instead. As the group grows and changes we can easily change roles.

Coordination Roles:

____    Small Group Leader or Co-leader

____    Small Group Apprentice (willing to serve as an assistant in preparation for leading my own Small Group in the future)

____    Small Group Assistant (willing to serve as an assistant to the leaders)

____    Meal Coordinator

____    Worship Leader (arranging for weekly worship in the group)

____    Children’s Ministry Coordinator (arranging childcare as needed)

____    Fun Coordinator (planning fun events every month or so)

____    Outreach Organizer

____    Other: ___________________________________________________________

Serving:

Please indicate which of the following you are willing to do either often or occasionally.

Often   Occasional

____         ____   Lead the Icebreaker Question

____         ____   Lead the Bible Discussion

____         ____   Host the meeting or a party

____         ____   Lead the ministry/prayer time

____         ____   Help with the children’s ministry

____         ____   Lead worship

____         ____   Other: _________________________________________________

Your name: ____________________________________________________________

Have people complete this one-page sheet at the group and immediately pass it in. Do not let them take it home. It will get lost and never make its way back to you!

Point out to people that you might not necessarily involve them in they way that they choose because multiple people might choose the same thing, or there might be other considerations.

We have repeatedly found that almost everyone will sign up for something that is appropriate for them and that fits their current passions, gifts, and spiritual maturity.

Because as Ephesians 4 says the body of Christ is healthy and growing as EVERY part does its work. Everyone in your group can be involved and help your group thrive and grow.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Uma Ferramenta Simples para Engajar Cada Membro do Pequeno Grupo no Ministério

Por Jim Egli, Practical Small Group & Multisite Insights & Free Resources: www.jimegli.com

Há uma ferramenta simples que minha esposa Vicki e eu usamos repetidamente na liderança de pequenos grupos para nos ajudar a envolver cada membro no ministério. Normalmente, depois um grupo estar funcionando há pelo menos 3 semanas, nós passamos uma folha de papel que se parece com isto:

FOLHA DE INSCRIÇÃO PARA O ENVOLVIMENTO NO PEQUENO GRUPO

“Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função” (Efésios 4:16).

Cada pequeno grupo em nossa igreja é como uma família. Juntos, experimentamos o amor de Jesus e o compartilhamos com os outros. Cada pessoa no grupo desempenha um papel importante e o grupo cresce “na medida em que cada parte realiza a sua função”. Queremos que todos sirvam de maneiras que achem agradáveis e gratificantes conforme contribuem para a vida do grupo.

Por favor, indique qualquer forma que você estaria disposto a servir. Não tem problema tentar algo e decidir depois que você não quer mais fazer isso, ou que você gostaria de fazer outra coisa. À medida que o grupo cresce e muda, podemos mudar facilmente os papeis.

Papéis de Coordenação:

____    Líder ou Co-Líder de Pequeno Grupo

____    Aprendiz de Pequeno Grupo (disposto a servir como um assistente em preparação para liderar meu próprio Pequeno Grupo no futuro)

____    Assistente de Pequeno Grupo (disposto a servir como um assistente dos líderes)

____    Coordenador da Refeição

____    Líder de Adoração (organizando semanalmente a adoração do grupo)

____    Coordenador do Ministério Infantil (organizando o cuidado infantil conforme a necessidade)

____    Coordenador da Diversão (planejando eventos divertidos a cada mês)

____    Organizador de Evangelismo

____    Outros: ___________________________________________________________

Servir:

Por favor, indique qual dos seguintes você está disposto a fazer, com frequência ou ocasionalmente.

Com Frequência   Ocasionalmente

____         ____   Liderar a Questão do Quebra-Gelo

____         ____   Liderar a Discussão Bíblica

____         ____   Ser anfitrião da reunião ou de uma festa

____         ____   Liderar o momento de ministração/oração

____         ____   Ajudar no ministério infantil

____         ____   Liderar a adoração

____         ____   Outros: _________________________________________________

Seu nome: ____________________________________________________________

Peça às pessoas que preencham esta folha no grupo e imediatamente a devolvam. Não deixe que a levem para casa. Ela vai ser perdida e nunca mais vai votar para você!

Deixe claro para as pessoas que você pode não necessariamente envolvê-las no que escolheram, porque várias pessoas podem ter escolhido a mesma coisa ou pode haver outras considerações.

Nós descobrimos repetidamente que quase todo mundo vai se inscrever para algo que é apropriado para eles e que se encaixa em suas paixões, dons e maturidade espiritual.

Porque como Efésios 4 diz que o Corpo de Cristo é saudável e cresce à medida que CADA parte faz o seu trabalho. Todos em seu grupo podem ser envolvidos e ajudar seu grupo a prosperar e crescer

Spanish blog:

Una herramienta sencilla para involucrar a cada miembro de un pequeño grupo en el Ministerio

Jim Egli, Prácticos pequeños grupos & Información de grupos & Recursos Gratuitos: www.jimegli.com

Hay una herramienta sencilla que mi esposa Vicki y yo hemos usado repetidamente en dirigir los pequeños grupos para ayudarnos a involucrar a cada miembro en el ministerio. Por lo general, después de que el grupo se ha estado reuniendo por al menos 3 semanas, pasamos un pedazo de papel que se parece a esto:

HOJA DE INSCRIPCIÓN PARA PEQUEÑOS GRUPOS

Bajo su dirección (de Cristo), todo el cuerpo se ajusta perfectamente. Como cada parte hace su trabajo especial, ayuda a las otras partes a crecer, de modo que todo el cuerpo esté sano y creciendo y lleno de amor. “(Efesios 4:16, NLT)

Cada grupo pequeño en nuestra iglesia es como una familia. Juntos experimentamos el amor de Jesús y lo compartimos con otros. Cada persona en el grupo juega un papel importante y el grupo crece “Así cada parte hace su propio trabajo especial” Queremos que cada persona sirva de formas que encuentran agradable y gratificante, ya que contribuyen a la vida del grupo.

Por favor indique cualquier manera que usted estaría dispuesto a servir. Está bien probar algo y decidir más tarde que no quieres hacerlo o que te gustaría hacer otra cosa en su lugar. A medida que el grupo crece y cambia, podemos cambiar fácilmente los roles.

Roles de Coordinación:

____      Líder de Grupo Pequeño o Co-Líder

____      Aprendiz de Grupo Pequeño (dispuesto a servir como asistente en preparación para dirigir su propio Grupo Pequeño en el futuro)

____      Asistente de grupo pequeño (dispuesto a servir como asistente de los líderes)

____      Coordinador de comidas

____      Líder de Adoración (haciendo arreglos para el culto semanal en el grupo)

____      Coordinador del Ministerio de Niños (haciendo arreglos para el cuidado de niños según sea necesario)

____      Coordinador de Diversión (planificación de eventos divertidos cada mes)

____      Organizador de Alcance

____      Otro: ___________________________________________________________

Servicio:

Por favor indique cuál de los siguientes está dispuesto a hacer ya sea a menudo u ocasionalmente.

Frecuentemente              Ocasionales

____                                      ____      Dirigir la pregunta del rompehielos

____                                      ____      Dirigir la discusión de la Biblia

____                                      ____      Organizar la reunión o una fiesta

____                                      ____      Dirigir el ministerio / tiempo de oración

____                                      ____      Ayudar con el ministerio de los niños

____                                      ____      El culto principal

____                                      ____      Otro: _________________________________________________

Tu nombre: ____________________________________________________________

Haga que la gente complete esta hoja en el grupo e inmediatamente pásela. No permita que se la lleven a la casa. Se perderá y nunca volverá a usted.

Señale a la gente que usted no puede necesariamente involucrarlos en la forma que ellos eligen porque varias personas pueden elegir la misma cosa, o puede haber otras consideraciones.

Hemos encontrado repetidamente que casi todo el mundo se inscribirá para algo que es apropiado para ellos y que se ajuste a sus pasiones actuales, los dones y la madurez espiritual.

Así como en Efesios 4 dice que el cuerpo de Cristo es saludable y crece, así como CADA parte hace su trabajo. Todos en su grupo pueden estar involucrados y ayudar a su grupo a crecer y crecer.

Jim

The Single Most Important Thing in Leading a Small Group

coaches_JimEgil

By Jim Egli, www.jimegli.com, author and pastor of Vineyard Church in Urbana, Illinois

What is the single most important thing in leading a small group?

Joel Comiskey and I recently surveyed over 1800 small group leaders from around the world to discover what makes small group grow. One thing emerged as most important. Here it is: Quit doing everything yourself and involve others!

Expressed as one-word verbs, there are four key actions that fuel small group growth. They are pray, reach, care, and empower. Each of these is important, but the one that the statistical analysis pointed to as most important is empower.

Small group leaders that involve their members in leadership and ministry in their group have groups that grow significantly factor.

Here are the ten specific questions that we asked leaders related to empowering. They responded to each of them on a five point scale indicating: never, seldom, occasionally, often, or very often.

  • I make a special effort to notice small group members’ gifts and abilities so that I can involve them in ministry in our group.
  • At one of our typical small group meetings, several people may lead different parts of the meeting.
  • When the church offers small group leader training, I seriously consider whom I should encourage to attend.
  • I meet every week or two with an intern or apprentice whom I am preparing to lead their own group some day.
  • I am constantly looking for small group leadership potential among the members of the group.
  • When I minister to a member in a time of need, I take an intern or apprentice with me in order to teach practical ministry skills.
  • I talk to members of my group about their leadership potential.
  • Other people besides me lead the Bible study portion of our small group meetings.
  • I encourage members to take risks and to try new things in ministry and group leadership.
  • I like to lead the entire small group meeting myself. (This final question was “reverse loading” meaning that it inversely correlated to group health and growth.)

Do you want a vibrant, growing group? If so, take some time this week to pray and think about how you can best involve your members in leadership and ministry.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Coisa Mais Importante ao Liderar um Pequeno Grupo

Jim Egli, Practical Small Group & Multisite Insights & Free Resources: www.jimegli.com

O que é a coisa mais importante ao liderar um pequeno grupo?

Joel Comiskey e eu recentemente pesquisamos mais de 1800 líderes de pequenos grupos de todo o mundo para descobrir o que faz um pequeno grupo crescer. Uma coisa surgiu como a mais importante. Aqui está: Pare de fazer tudo sozinho e envolva os outros!

Expressas como verbos, existem quatro ações-chave que estimulam o crescimento de pequenos grupos. Eles são: orar, alcançar, cuidar e capacitar. Cada um deles é importante, mas o que a análise estatística apontou como o mais importante é capacitar.

Líderes de pequenos grupos que envolvem seus membros na liderança e no ministério têm grupos que crescem significativamente.

Aqui estão as dez perguntas específicas que fizemos aos líderes relacionadas com a capacitação. Eles responderam a cada uma delas em uma escala de cinco pontos indicando: nunca, raramente, ocasionalmente, frequentemente, ou muito frequentemente.

  • Faço um esforço especial para notar os dons e habilidades dos membros do pequeno grupo para que eu possa envolvê-los no ministério em nosso grupo.
  • Em uma de nossas reuniões típicas do pequeno grupo, várias pessoas podem liderar diferentes partes da reunião.
  • Quando a igreja oferece um treinamento para líderes de pequenos grupos, eu considero seriamente quem devo encorajar a participar.
  • Eu encontro-me a cada uma ou duas semanas com um estagiário ou um aprendiz que eu estou preparando para liderar seu próprio grupo algum dia.
  • Estou constantemente à procura de potencial de liderança de pequenos grupos entre os membros do grupo.
  • Quando eu ministro a um membro em um momento de necessidade, eu levo um estagiário ou aprendiz comigo, a fim de ensinar habilidades práticas de ministério.
  • Falo com os membros do meu grupo sobre o seu potencial de liderança.
  • Outras pessoas além de mim lideram a parte do estudo da Bíblia de nossas reuniões do pequeno grupo.
  • Encorajo os membros a assumirem riscos e a experimentarem coisas novas no ministério e na liderança do grupo.
  • Gosto de liderar toda a reunião do pequeno grupo sozinho (esta última questão era “carga inversa”, o que significa que ela se correlaciona inversamente com a saúde e o crescimento do grupo).

Você quer um grupo vibrante e crescente? Se sim, reserve algum tempo nesta semana para orar e pensar sobre como você pode envolver seus membros na liderança e no ministério.

Spanish blog:

La Cosa Más Importante en Liderar un Pequeño Grupo

Jim Egli, Prácticos pequeños grupos & Información de grupos & Recursos Gratuitos: www.jimegli.com

¿Cuál es la cosa más importante en liderar un grupo pequeño?

Joel Comiskey y yo recientemente examinamos a más de 1800 líderes de grupos pequeños de todo el mundo para descubrir qué hace que el grupo pequeño crezca. Una cosa surgió como lo más importante. Aquí está: ¡Deja de hacer todo tú mismo e involucrar a los demás!

Expresados como verbos de una sola palabra, hay cuatro acciones clave que impulsan el crecimiento de grupos pequeños. Son orar, alcanzar, cuidar y poder. Cada uno de estos es importante, pero el que el análisis estadístico señaló como más importante es el poder.

Los líderes de grupos pequeños que involucran a sus miembros en el liderazgo y en el ministerio en su grupo tienen grupos que crecen significativamente.

Aquí están las diez preguntas específicas que les pedimos a los líderes relacionados con el empoderamiento. Ellos respondieron a cada uno de ellos en una escala de cinco puntos indicando: nunca, rara vez, ocasionalmente, a menudo, o muy a menudo.

  • Hago un esfuerzo especial para notar los dones y habilidades de los miembros de los grupos pequeños para poder involucrarlos en el ministerio de nuestro grupo.
  • En una de nuestras típicas reuniones en pequeños grupos, varias personas pueden dirigir diferentes partes de la reunión.
  • Cuando la iglesia ofrece entrenamiento para los líderes de grupos pequeños, considero seriamente a quién debo animar a asistir.
  • Me reúno cada semana o dos con un interno o aprendiz que estoy preparando para dirigir su propio grupo algún día.
  • Constantemente busco el potencial de liderazgo de los grupos pequeños entre los miembros del grupo.
  • Cuando presto servicios a un miembro en un momento de necesidad, tomo un interno o un aprendiz conmigo para enseñarle habilidades prácticas del ministerio.
  • Hablo con miembros de mi grupo sobre su potencial de liderazgo.
  • Otras personas, además de mí, dirigen la parte del estudio bíblico de nuestras reuniones de grupos pequeños.
  • Animo a los miembros a asumir riesgos y a probar cosas nuevas en el liderazgo del ministerio y del grupo.
  • Me gusta dirigir toda la reunión del grupo pequeño. (Esta última pregunta fue “carga inversa”, lo que significa que inversamente correlacionada con la salud y el crecimiento del grupo.)

¿Quieres un grupo vibrante y en crecimiento? Si es así, tome algún tiempo esta semana para orar y pensar en cómo puedes involucrar mejor a tus miembros en el liderazgo y el ministerio.

The Spirit Creates 

coaches_scottBoren

 

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

Where the Spirit of the Lord resides, there is freedom. There is no one way to do church. There is no one way to do small groups. Many churches have fallen into the trap of thinking that they have found “the” biblical model of ministry. With this belief, they succumb to pride and judgment of others who do not follow their pattern. Yet, as soon as a church camps out in one place, it will find that the Spirit leaves. The Spirit is like the wind. He is always moving. And many times, in fact most of the time, the creative work of the Spirit arises in unexpected ways at the fringes, not the center.

Church leaders and group leaders cannot succumb to the temptation that they must figure out God’s plan from the center and give that plan to the “worker bees” at the fringes. The winds of the Spirit push people to venture into new and creative paths when people start asking new questions, face new challenges, and have the freedom to explore generative options. When the Spirit comes, he comes with his wisdom, the gift of applying truth to unique situations and there is no way that the designated leaders can come up with all of the right plans. The way the Spirit wants to move depends upon the gifts, strengths, and skills that everyone brings to the table. In other words, the way that God wants to move in our groups, in our homes, workplaces and neighborhoods will generate through the prayerful creativity of the people in the group. We don’t need experts to provide magical solutions.

Of course this is risky. Most of us would rather have a clear-cut plan provided by the experts. But the best way for a group to serve one another is to let the group talk about it and come up with ideas. The best way to learn to pray together is for the group to contribute different ways of praying. And the best way to reach our friends is to collaborate about ways to build relationships so that they might see Jesus through the group. The Spirit is alive in the group and the Spirit can give us creative ways to manifest his love.

I remember going to dances as a kid and being embarrassed by my two left feet. I would lean up against the wall with the other non-dancers and look smugly upon the risk-takers on the floor, secretly wishing I could share in the fun. The words we spoke to one another were often critical of those dancing. We did not like the fact that they were enjoying themselves.

When I finally learned to dance, my two left feet did not suddenly change. I was, and still am, an awkward dancing partner. The only way I was able to learn was to admit that I did not know how to dance and get out there and try, following the lead of someone who knew the dance steps. Even more than learning the steps, I had to learn to loosen up, to let my body move with the music, following its rhythms. It isn’t always pretty, but it is a lot more fun than watching others!

Making space for everyone to contribute to the creative work of the Spirit is risky, and it is not always pretty. In fact, creativity is usually messy and unpredictable. It’s a bit like the wind, a common biblical metaphor for the Spirit.  However, if we take the risk and learn to offer our ideas to one another, knowing that some ideas are better than others, we might be surprised at the organic, spontaneous life that arises.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Espírito Cria

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

Onde o Espírito do Senhor reside, há liberdade. Não há uma maneira única de conduzir a igreja. Não há uma maneira única de conduzir os pequenos grupos. Muitas igrejas caíram na armadilha de pensar que encontraram “o” modelo bíblico de ministério. Com esta crença, eles sucumbem ao orgulho e ao julgamento de outros que não seguem seu padrão. No entanto, assim que uma igreja montar acampamento em um único lugar, ela descobrirá que o Espírito partiu. O Espírito é como o vento. Ele está sempre se movendo. E muitas vezes, de fato na maioria das vezes, a obra criadora do Espírito surge de maneiras inesperadas nas margens, não no centro.

Líderes da igreja e líderes de células não podem sucumbir à tentação de achar que devem descobrir o plano de Deus a partir do centro e dar esse plano para as “abelhas operárias” nas margens. Os ventos do Espírito levam as pessoas a se aventurarem em caminhos novos e criativos quando as elas começam a fazer novas perguntas, enfrentam novos desafios e têm a liberdade de explorar opções geradoras. Quando o Espírito vem, ele vem com sua sabedoria, o dom de aplicar a verdade à situações únicas e de forma alguma os líderes designados podem aparecer com todos os planos certos. A maneira como o Espírito quer se mover depende dos dons, forças e habilidades que todos trazem à mesa. Em outras palavras, a maneira que Deus quer mover em nossos grupos, em nossos lares, locais de trabalho e bairros vai ser gerada através da criatividade cheia de oração das pessoas da célula. Não precisamos de especialistas para fornecer soluções mágicas.

Claro que isso é arriscado. A maioria de nós prefere ter um plano bem definido fornecido por especialistas. Mas a melhor maneira das pessoas de um grupo servirem uns aos outros é deixar o grupo falar sobre isso e propor idéias. A melhor forma de aprenderem a orar juntos é o grupo contribuir com diferentes formas de oração. E a melhor maneira de alcançar nossos amigos é colaborar com maneiras de construir relacionamentos para que eles possam ver Jesus através do grupo. O Espírito está vivo no grupo e Ele pode nos dar maneiras criativas de manifestar seu amor.

Eu me lembro de ir dançar quando era jovem e ficar envergonhado pelos meus “dois pés esquerdos”. Eu encostava na parede com os outros que também não sabiam dançar e olhava presunçosamente para as pessoas que assumiam risco na pista, desejando secretamente poder participar da diversão. As palavras que falávamos uns aos outros eram muitas vezes críticas àqueles que dançavam. Nós não gostávamos do fato de que eles estavam se divertindo.

Quando eu finalmente aprendi a dançar, meus dois pés esquerdos não mudaram de repente. Eu era, e ainda sou, um parceiro de dança esquisito. A única maneira pela qual eu pude aprender a dançar foi admitindo que eu não sabia dançar, ir lá e tentar, seguindo a liderança de alguém que conhecia os passos de dança. Mais do que aprender os passos, eu tive que aprender a relaxar, deixar meu corpo se mover com a música, seguindo seus ritmos. Não é sempre bonito, mas é muito mais divertido do que ficar prestando atenção em outras pessoas!

Dar espaço para que todos contribuam para o trabalho criativo do Espírito é arriscado e nem sempre é bonito. Na verdade, a criatividade é geralmente confusa e imprevisível. É um pouco como o vento, uma metáfora bíblica comum para o Espírito. No entanto, se assumimos o risco e aprendemos a oferecer nossas idéias uns aos outros, sabendo que algumas idéias são melhores do que outras, podemos nos surpreender com a vida orgânica e espontânea que surge.

Spanish blog: 

El Espíritu crea

Por Scott Boren, Centro para la Comunidad y Misión (www.scottboren.blogspot.com), Twitter @ mscottboren

Donde está el Espíritu del Señor, hay libertad. No hay una sola manera de hacer la iglesia. No hay una manera de hacer pequeños grupos. Muchas iglesias han caído en la trampa de pensar que han encontrado “el” modelo bíblico del ministerio. Con esta creencia, sucumben al orgullo y al juicio de otros que no siguen su modelo. Sin embargo, tan pronto como una iglesia se acampa en un lugar, encontrará que el Espíritu se va. El Espíritu es como el viento. Siempre se está moviendo. Y muchas veces, de hecho, la mayor parte del tiempo, la obra creativa del Espíritu surge de maneras inesperadas en las franjas, no en el centro.

Los líderes de la iglesia y los líderes de grupo no pueden sucumbir a la tentación de que deben calcular el plan de Dios desde el centro y dar ese plan a las “abejas obreras” en las franjas. Los vientos del Espíritu empujan a la gente a aventurarse en caminos nuevos y creativos cuando la gente comienza a hacer nuevas preguntas, enfrenta nuevos desafíos y tiene la libertad de explorar opciones generativas. Cuando viene el Espíritu, viene con su sabiduría, el don de aplicar la verdad a situaciones únicas y no hay manera de que los líderes designados puedan tener todos los planes correctos. La manera en que el Espíritu quiere moverse depende de los dones, fortalezas y habilidades que todos traen a la mesa. En otras palabras, la forma en que Dios quiere moverse en nuestros grupos, en nuestros hogares, lugares de trabajo y vecindarios se generará a través de la creatividad orante de las personas en el grupo. No necesitamos expertos para ofrecer soluciones mágicas.

Por supuesto esto es arriesgado. La mayoría de nosotros preferiría tener un plan claro proporcionado por los expertos. Pero la mejor manera de que un grupo se sirva el uno al otro es dejando que el grupo hable de ello y proponga ideas. La mejor manera de aprender a orar juntos es que el grupo aporte diferentes formas de orar. Y la mejor manera de llegar a nuestros amigos es colaborar sobre maneras de construir relaciones para que puedan ver a Jesús a través del grupo. El Espíritu está vivo en el grupo y el Espíritu puede darnos maneras creativas de manifestar su amor.

Recuerdo ir a bailar como un niño y ser avergonzado por mis dos pies izquierdos. Me inclinaba contra la pared con los otros no bailarines y miraba con presunción a los arriesgados, secretamente deseando poder compartir la diversión. Las palabras que nos hablábamos eran a menudo críticas de los bailarines. No nos gustó el hecho de que estaban disfrutando.

Cuando finalmente aprendí a bailar, mis dos pies izquierdos no cambiaron repentinamente. Yo era, y todavía soy, un compañero de baile incómodo. La única manera que pude aprender fue admitir que no sabía bailar, salir y probar, siguiendo el ejemplo de alguien que conocía los pasos de la danza. Incluso más que aprender los pasos, tuve que aprender a aflojar, a dejar que mi cuerpo se mueva con la música, siguiendo sus ritmos. No siempre es bonito, pero es mucho más divertido que ver a los demás.

Hacer espacio para que todos contribuyan al trabajo creativo del Espíritu es arriesgado, y no siempre es bonito. De hecho, la creatividad suele ser desordenada e impredecible. Es un poco como el viento, una metáfora bíblica común para el Espíritu. Sin embargo, si tomamos el riesgo y aprendemos a ofrecer nuestras ideas el uno al otro, sabiendo que algunas ideas son mejores que otras, nos sorprendería la vida orgánica, espontánea que surge.

The Spirit Speaks through the Entire Group

coaches_scottBoren

by M. Scott Boren,  The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

When reading the New Testament, it is quite clear that the Holy Spirit worked through the early church with spiritual gifts. Paul wrote to the Corinthian church, “Now about spiritual gifts, brothers, I do not want you to be ignorant. … There are different kinds of gifts [charismata], but the same Spirit” (I Cor. 12:4). The Greek word charismata is related to the word charis, which we translate “grace.” The Holy Spirit graced the people of God with the personal empowering presence of God to enable them to act as the extension of God in the world. In other words, they were empowered by the Holy Spirit to be the body of Christ.

Even more, these gifts were given to all in the church. In talking about how the Spirit worked through individuals in the church, Paul observes, “When you come together, everyone has a hymn, or a word of instruction, a revelation, a tongue or an interpretation. All of these must be done for the strengthening of the church” (1 Cor 14:26). At that church, “everyone” participated. Edification of the people of the church through worship and gifting was not limited to those with special privileges, or those with official titles. Each one had something to contribute. Of course, the problem at Corinth was that the times of worship were out of order, but Paul in no way chides them on the fact that all of them were participating.

Such a model of everyone participating seems very foreign in expressions of the church where only people in special positions have the freedom to practice their gifts. We see this when churches only practice gifts in public worship services. Some have taken Paul’s instruction to mean that everyone in a church service should be ready to offer a gift to the body if the Spirit leads them, even if the church is quite large. But Paul did not say “you are ready to offer your gifts to others when the Spirit moves.” He said, “When you come together, everyone …” (I Cor. 14:26). Paul assumed that in his churches, everyone was participating in some form or fashion. Therefore, we must imagine that the instructions he provides regarding spiritual gifts specifically apply to small groups.

However, the model of spiritual gifts practiced in the large group setting, where very few special leaders practice their gifts, can carry over into our small groups. While we say we want all to practice their gifts, the habits that we have developed make it clear that the designated leaders are the ones who carry the burden of being gifted. The official leaders are the only ones who can do it the “right” way.

We lead, most of the time, according to the model that we have observed. And to change this pattern takes effort. And patience. For me I’ve had to learn that leading in a way that makes room for the Spirit to move through others means that I often have to keep my mouth shut so that others will speak up. Then we experiment our way forward and learn what it means for “two or three” to speak in a tongue or “two or three” to prophesy and others test what is said. Then people learn that God speaks through them, not just the leaders.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Espírito Fala Através de Todo o Grupo

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

Ao ler o Novo Testamento, fica bastante claro que o Espírito Santo trabalhou através da Igreja Primitiva com dons espirituais. Paulo escreveu à igreja de Corinto: “Irmãos, quanto aos dons espirituais, não quero que vocês sejam ignorantes. […] Há diferentes tipos de dons [charismata], mas o Espírito é o mesmo” (1 Coríntios 12:1,4). A palavra grega “charismata” está relacionada com a palavra “charis”, que traduzimos como “graça”. O Espírito Santo agraciou o povo de Deus com a presença pessoal e empoderadora de Deus para capacitá-los a agir como a extensão de Deus no mundo. Em outras palavras, eles foram capacitados pelo Espírito Santo para ser o Corpo de Cristo.

Ainda mais, esses dons foram dados para todos na Igreja. Ao falar sobre como o Espírito trabalhava através dos indivíduos na igreja, Pauli observou: “Quando vocês se reúnem, cada um de vocês tem um salmo, ou uma palavra de instrução, uma revelação, uma palavra em língua ou uma interpretação. Tudo seja feito para a edificação da igreja” (1 Coríntios 14:26). Naquela igreja, “todos” participavam. A edificação do povo da igreja através da adoração e dos dons não se limitava àqueles com privilégios especiais ou àqueles com títulos oficiais. Cada um tinha algo com o que contribuir. É claro que o problema em Corinto era que os momentos de adoração estavam desordenados, mas Paulo de modo algum os repreende pelo fato de que todos eles estavam participando.

Este modelo onde todos participam parece muito estranho nas igrejas onde apenas as pessoas em posições especiais têm a liberdade de praticar seus dons. Vemos isso quando as igrejas só praticam os dons em cultos públicos. Alguns entenderam que a instrução de Paulo significa que todos na igreja devem estar prontos para oferecer um dom ao Corpo se o Espírito os conduzirem, mesmo que a igreja seja muito grande. Mas Paulo não disse “você está pronto para oferecer seus dons aos outros quando o Espírito se mover”. Ele disse: “Quando vocês se reúnem, cada um de vocês […]” (1 Coríntios 14:26). Paulo assumiu que em suas igrejas, todo mundo estava participando de alguma forma. Portanto, devemos imaginar que as instruções que ele fornece sobre os dons espirituais se aplicam especificamente aos pequenos grupos.

No entanto, o modelo de dons espirituais praticado no ambiente do grupo grande, onde pouquíssimos líderes especiais praticam seus dons, pode refletir em nossos pequenos grupos. Embora digamos que queremos que todos pratiquem seus dons, os hábitos que desenvolvemos deixam claro que os líderes designados são os que carregam o fardo de serem dotados. Os líderes oficiais são os únicos que podem fazê-lo da maneira “certa”.

Nós conduzimos, na maioria das vezes, de acordo com o modelo que observamos. E mudar esse padrão exige esforço. E paciência. Para mim, eu tive que aprender que liderar de uma maneira que dá espaço para o Espírito mover-se através de outros significa que muitas vezes tenho que manter minha boca fechada para que os outros falem. Então, nós experimentamos nosso caminho adiante e aprendemos o que significa “dois ou três” falarem em uma língua ou “dois ou três” profetizarem e outros testarem o que é dito. Assim as pessoas aprendem que Deus fala através delas, não apenas pelos líderes.

Spanish blog:

El Espíritu habla a través de todo el grupo

Por Scott Boren, Centro para la Comunidad y la Misión (www.scottboren.blogspot.com), Twitter @ mscottboren

Al leer el Nuevo Testamento, está muy claro que el Espíritu Santo trabajó a través de la iglesia primitiva con los dones espirituales. Pablo escribió a la iglesia de los corintos: “Ahora, acerca de los dones espirituales, hermanos, no quiero que ignoréis. … Hay diferentes tipos de dones [charismata], pero el mismo Espíritu “(1 Corintios 12: 4). La palabra griega charismata está relacionada con la palabra charis, que traducimos como “gracia”. El Espíritu Santo honró al pueblo de Dios con la presencia personal de Dios para que actuaran como la extensión de Dios en el mundo. En otras palabras, fueron capacitados por el Espíritu Santo para ser el cuerpo de Cristo.

Aún más, estos dones fueron dados a todos en la iglesia. Al hablar de cómo el Espíritu trabajaba a través de los individuos en la iglesia, Pablo observa: “Cuando te juntas, cada uno tiene un himno, una palabra de instrucción, una revelación, una lengua o una interpretación. Todo esto debe hacerse para el fortalecimiento de la iglesia “(1 Cor 14:26). En esa iglesia, “todos” participaron. La edificación de la gente de la iglesia a través de la adoración y la donación no se limitó a aquellos con privilegios especiales, o aquellos con títulos oficiales. Cada uno tenía algo que aportar. Por supuesto, el problema en Corinto era que los tiempos de adoración estaban fuera de orden, pero Pablo no los rechaza de ninguna manera en el hecho de que todos estaban participando.

Este modelo de participación de todos parece muy extraño en las expresiones de la iglesia donde sólo las personas en posiciones especiales tienen la libertad de practicar sus dones. Vemos esto cuando las iglesias sólo practican dones en los cultos públicos. Algunos han tomado la instrucción de Pablo para poner significado para que todos en un servicio de la iglesia deban de estar listos para ofrecer un regalo al cuerpo si el Espíritu los dirige, incluso si la iglesia es bastante grande. Pero Pablo no dijo: “Estás listo para ofrecer tus dones a los demás cuando el Espíritu se mueve”. Él dijo: “Cuando te unáis, todos …” (1 Corintios 14:26). Pablo asumió que en sus iglesias, todo el mundo estaba participando de alguna forma o manera. Por lo tanto, debemos imaginar que las instrucciones que él provee con respecto a los dones espirituales se apliquen específicamente a los pequeños grupos.

Sin embargo, el modelo de dones espirituales practicado en el gran grupo, en el que muy pocos líderes especiales practican con sus dones, puede transferirse a nuestros pequeños grupos. Aunque decimos que queremos que todos practiquen sus dones, los hábitos que hemos desarrollado aclaran que los líderes designados son los que llevan la carga de ser dotados. Los líderes oficiales son los únicos que pueden hacerlo de la manera “correcta”.

Dirigimos, la mayor parte del tiempo, según el modelo que hemos observado. Y cambiar este patrón requiere esfuerzo. Y paciencia. Para mí he tenido que aprender que liderar de una manera hace espacio para que el Espíritu se mueva a través de otros y significa que a menudo tengo que mantener la boca cerrada para que otros hablen. Entonces experimentamos nuestro camino adelante y aprendemos lo que significa que “dos o tres” hablen en una lengua o “dos o tres” para profetizar y otros prueban lo que se dice. Entonces la gente aprende que Dios habla a través de ellos, no sólo los líderes.

Learning from History

coach_mario2016speaking

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The passage from 1 Corinthians 14: 26-33 is a true window through time that allows us to see how the first Christians held their meetings. We read, “How is it then, brethren? Whenever you come together, each of you has a psalm, has a teaching, has a tongue, has a revelation, has an interpretation. Let all things be done for edification.  If anyone speaks in a tongue, let there be two or at the most three, each in turn, and let one interpret. But if there is no interpreter, let him keep silent in church, and let him speak to himself and to God. Let two or three prophets speak, and let the others judge.  But if anything is revealed to another who sits by, let the first keep silent. For you can all prophesy one by one, that all may learn and all may be encouraged. And the spirits of the prophets are subject to the prophets. For God is not the author of confusion but of peace. ”

The mention of the “church” in this passage is often interpreted as a service in a building. But we must remember that the early church did not have such buildings and that what was called “church” were the meetings in the houses. We have in this passage a description of the primitive cells. It is clear that all the attendees could participate. Notice the expressions “each one of you” and “one by one”.  We also need to remember that each person in the house church had different gifts: revelation, interpretation and prophecy. Each member participated in the meetings with his or her own gift (s).

Even though each had a different gift, there was no conflict within the cell. Everything was done without confusion and in peace. Each member with his gift submitted to the others to achieve the greater purpose of edifying each other. These lessons from history teach us that in the cell we must encourage the participation of each member with his or her own gift. This is how people will be edified and grow spiritually.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo com a História

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

A passagem de 1 Coríntios 14:26-33 é uma verdadeira janela através do tempo que nos permite ver como os primeiros cristãos realizavam suas reuniões. Nós lemos: “Portanto, que diremos, irmãos? Quando vocês se reúnem, cada um de vocês tem um salmo, ou uma palavra de instrução, uma revelação, uma palavra em língua ou uma interpretação. Tudo seja feito para a edificação da igreja. Se, porém, alguém falar em língua, devem falar dois, no máximo três, e alguém deve interpretar. Se não houver intérprete, fique calado na igreja, falando consigo mesmo e com Deus. Tratando-se de profetas, falem dois ou três, e os outros julguem cuidadosamente o que foi dito. Se vier uma revelação a alguém que está sentado, cale-se o primeiro. Pois vocês todos podem profetizar, cada um por sua vez, de forma que todos sejam instruídos e encorajados. Os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Pois Deus não é Deus de desordem, mas de paz”.

A menção da “igreja” nesta passagem é muitas vezes interpretada como um culto em um prédio. Mas devemos lembrar que a Igreja Primitiva não tinha tais edifícios e que o que se chamava “igreja” eram as reuniões nas casas. Nós temos nessa passagem uma descrição das células primitivas. Está claro que todos os participantes podiam participar. Observe as expressões “cada um de vocês” e “um por um”. Também precisamos lembrar que cada pessoa na igreja doméstica tinha dons diferentes: revelação, interpretação e profecia. Cada membro participava das reuniões com o seu próprio dom.

Mesmo que cada um tivesse um dom diferente, não havia conflito dentro da célula. Tudo era feito sem confusão e em paz. Cada membro com seu dom se submetia aos outros para alcançarem o propósito maior de edificar uns aos outros. Essas lições da História nos ensinam que na célula devemos incentivar a participação de cada membro com seu próprio dom. É assim que as pessoas serão edificadas e crescerão espiritualmente.

Spanish blog:

Ventana en el tiempo

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

El pasaje de 1 Corintios 14:26-33 es una auténtica ventana en el tiempo que nos permite observar cómo los primeros cristianos realizaban sus reuniones en las casas: “¿Qué hay, pues, hermanos? Cuando os reunís, cada uno de vosotros tiene salmo, tiene doctrina, tiene lengua, tiene revelación, tiene interpretación. Hágase todo para edificación. Si habla alguno en lengua extraña, sea esto por dos, o a lo más tres, y por turno; y uno interprete. Y si no hay intérprete, calle en la iglesia, y hable para sí mismo y para Dios. Asimismo, los profetas hablen dos o tres, y los demás juzguen. Y si algo le fuere revelado a otro que estuviere sentado, calle el primero. Porque podéis profetizar todos uno por uno, para que todos aprendan, y todos sean exhortados. Y los espíritus de los profetas están sujetos a los profetas; pues Dios no es Dios de confusión, sino de paz.”

La mención que en ese pasaje se hace de la “iglesia” nos hace pensar en nuestros cultos en los edificios de nuestras congregaciones. Pero, debemos recordar que la iglesia primitiva no tenía tales edificios y que lo que se llamaba “iglesia” eran las reuniones en las casas. Tenemos en ese pasaje una descripción de las células primitivas. Es muy notorio que todos los asistentes tenían una participación, note las expresiones “cada uno de vosotros” y “todos uno por uno”. Otro elemento que hay que notar es que cada uno tenía dones diferentes: revelación, interpretación y profecía. Cada miembro participaba de la reunión con su don propio.

Además, hay que notar que a pesar de que cada uno tenía un don diferente, no había conflicto dentro de la célula. Todo se hacía sin confusión y en paz. Cada miembro con su don encajaba con los demás para lograr el gran fin de edificarse mutuamente. Esta visión a través de la ventana temporal de este pasaje nos enseña que en la célula se debe propiciar la participación de cada miembro con su don. Es la manera cómo las personas serán edificadas y tendrán salud espiritual.

His Mighty Power Will Roll On

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

By Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com

I wonder what would happen if you asked your own cell group to name a “member” of any cell in the church. My guess is that the majority of people will name an adult.  Yet, the Body of Christ is every generation! So many have been raised with the concept that children and even young people are awaiting the early twenties to be able to have spiritual gifts. Although we might not say it in this way, the inference is that the Holy Spirit does not have the capability to give gifts to, equip and empower the emerging generation.  It is as though He is limited by the size of a person, their age and even their natural ability.  Just as we wait for a “coming of age” to equip a teenager to drive a car or a child to go to school, so subconsciously we believe that the Holy Spirit has some “divinely appointed age” when the emerging generation are capable of and ready to receive spiritual gifts. I rarely hear people doubting if God could speak through Balaams donkey – yet they are skeptical of hearing Him through a child.

Yes children and youth need empowering and direction. They need wisdom in using these gifts, but this is the same with adults. How do you do it? In much the same way as you do with adults: encouragement, releasing them to “get it wrong”, modeling and bringing a lifestyle of accountability. This would be a great start.

So….. wake up church of Jesus. Let’s not refuse to  His gifts because He chooses to reveal them through children or teenagers! Imagine a church where “each member’ or any age is helped to identify his or her spiritual gift and then use those gifts inside and outside of the group. From Generation to generation His mighty power will roll on!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do google. A tradução de Thenormal será postada assim que for recebida.

Seu Poder Absoluto Continuará!

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com

Eu me pergunto o que aconteceria se você pedisse a sua própria célula para nomear um “membro” de qualquer célula na igreja. Meu palpite é que a maioria das pessoas nomearia um adulto. No entanto, o Corpo de Cristo inclui todas as gerações! Tantas pessoas foram criadas com o conceito de que as crianças e até mesmo os jovens estão aguardando ter vinte e poucos anos para poderem ter dons espirituais. Embora não falemos dessa maneira, isso implicaria que o Espírito Santo não tem a capacidade de dar dons, equipar e capacitar a geração emergente. É como se Ele fosse limitado pelo tamanho de uma pessoa, sua idade e até mesmo sua habilidade natural. Assim como esperamos por uma “maioridade” para ensinar um adolescente a dirigir um carro ou para uma criança ir à escola, subconscientemente acreditamos que o Espírito Santo tem alguma “idade divinamente estabelecida” em que a geração emergente estará pronta e será capaz de receber dons espirituais. Eu raramente ouço pessoas duvidando que Deus poderia falar através da jumenta de Balaão; contudo elas são céticas para ouví-Lo através de uma criança.

Sim, crianças e jovens precisam ser empoderados e receber direcionamento. Eles precisam de sabedoria para usar seus dons, mas é a mesma coisa com os adultos. Como você faz isso? Da mesma forma que você faz com os adultos: incentivando, liberando-os para “errar”, sendo exemplo e trazendo um estilo de vida de prestação de contas. Isso seria um grande começo.

Então… Acorde Igreja de Jesus. Não vamos recusar Seus dons porque Ele escolhe revelá-los através de crianças ou adolescentes! Imagine uma igreja onde “cada membro” de qualquer idade é ajudado a identificar seu dom espiritual e, depois, a usar esses dons dentro e fora do pequeno grupo. De geração a geração Seu poder absoluto continuará!

Spanish blog: 

¡Su poderoso poder seguirá!

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com

Me pregunto qué pasaría si usted pidiera a su propio grupo celular nombrar un “miembro” de cualquier grupo celular de la iglesia. Pienso que la mayoría de los miembros nombrarán a un adulto. ¡Sin embargo, el Cuerpo de Cristo es cada generación! Así que muchos han sido criados con el concepto de que los niños e incluso los jóvenes están esperando a principios de sus veintes para poder tener dones espirituales. Aunque no podamos decirlo de esta manera, la inferencia es que el Espíritu Santo no tiene la capacidad de dar dones, equipar y dar poder a la generación emergente. Es como si estuviera limitado por el tamaño de una persona, su edad e incluso su capacidad natural. Al igual que esperamos por “la pronta edad ” para equipar a un adolescente para conducir un vehículo o un niño para ir a la escuela, tan inconscientemente creemos que el Espíritu Santo tiene una “edad divinamente designada” cuando la generación emergente es capaz de estar lista para recibir dones espirituales. Rara vez oigo a la gente dudar de que Dios pueda hablar a través del burro de Balaams – sin embargo, son escépticos de escucharlo a través de un niño.

Sí, los niños y jóvenes necesitan poder y dirección. Necesitan sabiduría en el uso de estos dones, pero esto es lo mismo con los adultos. ¿Cómo lo haces? De la misma manera que lo haces con los adultos: el estímulo, liberándolos para “equivocarse”, modelar y traer un estilo de vida de rendición de cuentas. Esto sería un gran comienzo.

Entonces … … despierta la iglesia de Jesús. ¡No rehusemos Sus dones porque Él decide revelarlos a través de niños o adolescentes! Imagínese una iglesia donde “a cada miembro” de cualquier edad se le ayude a identificar su don espiritual y usar esos dones dentro y fuera del grupo. ¡De Generación a Generación Su poderoso poder seguirá!

Empowerment through the Gifts of the Spirit

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey

In 1995, I was the special guest speaker at a church in Big Bear, California. I had just finished preaching and was standing in the reception area listening to the pastor close the service. I felt a freezing draft of air coming from a window behind me. This particular window was one of those old drop-down windows that had a latch at the top and a thin metal edge surrounding the glass. I used my left hand to unlatch the lever at the top and wham, the window fell downward like a guillotine. It fell so fast that I didn’t have time to remove my right pointer finger. The metal edge sliced right through my finger and I could literally see one end dangling by the bone.

I winced in pain and ran to get some help. Thankfully, a nearby emergency center stitched my finger back together. What a day.

In the following months, I realized afresh how much I needed that right finger to perform even the smallest tasks around the house. My other body parts had to

work overtime to perform even menial tasks. I was painfully reminded that each part of my body is essential.

The Bible tells us that we are part of Christ’s body. Paul the apostle says, “God has combined the members of the body and has given greater honor to the parts that lacked it, so that there should be no division in the body, but that its parts should have equal concern for each other. If one part suffers, every part suffers with it; if one part is honored, every part rejoices with it (1 Corinthians 12: 24–26).

How do you know what part of the body you are? You know by the gift God has given you (1 Corinthians 12). All gifts are necessary for the body to work properly. And no member is inferior to another. Why? Because the way the body works is that those who at first seem inferior are given greater honor, so as to remove the possibility of dissension. We need each other. Your contribution is just as important as the finger to the hand or the leg to the foot. When each of us is using our gift, the body functions normally. The opposite is also true. If a part of the body is not functioning, the rest feel it. We are called to empower each other and build each other up through the gifts of the Spirit.

Today, more than ever, we need to get back to the small group as the primary place to exercise spiritual gifts. It is the most natural atmosphere for everyone to participate and grow as disciples. It is also the most spontaneous and biblical place for the discovery of our spiritual gifts, which enhances ministry and the priesthood of all believers. In the loving atmosphere of a home group, especially where the gifts are working and where the Holy Spirit is operating, people grow in ministry and learn how to serve others.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Empoderamento Através dos Dons do Espírito Santo

Por Joel Comiskey

Em 1995, eu era o pregador convidado especial em uma igreja em Big Bear, Califórnia. Eu tinha acabado de pregar e estava de pé na área da recepção ouvindo o pastor encerrar o culto. Senti uma corrente de ar congelante vindo de uma janela atrás de mim. Esta janela particular era uma daquelas janelas suspensas antigas que tinham uma trava na parte superior e uma borda fina de metal ao redor do vidro. Eu usei minha mão esquerda para destravar a alavanca no topo e bang, a janela despencou como uma guilhotina. Ela caiu tão rápido que eu não tive tempo para remover o dedo indicador direito. A borda de metal passou direito pelo meu dedo e eu podia literalmente ver uma ponta pendurada pelo osso.

Eu estremeci de dor e corri para conseguir ajuda. Felizmente, havia um pronto-atendimento próximo onde costuraram a ponta do meu dedo novamente. Que dia!

Nos meses seguintes, eu percebi novamente o quanto eu precisava desse dedo para realizar até mesmo as menores tarefas em casa. As outras partes do meu corpo tiveram que trabalhar horas extras para executar as menores tarefas domésticas. Fui lembrado dolorosamente de que cada parte do meu corpo é essencial.

A Bíblia nos diz que nós fazemos parte do Corpo de Cristo.  O apóstolo Paulo diz: “Mas Deus estruturou o corpo dando maior honra aos membros que dela tinham falta, a fim de que não haja divisão no corpo, mas, sim, que todos os membros tenham igual cuidado uns pelos outros. Quando um membro sofre, todos os outros sofrem com ele; quando um membro é honrado, todos os outros se alegram com ele” (1 Coríntios 12:24-26).

Como você sabe qual parte do corpo você é? Você sabe pelo dom que Deus lhe deu (1 Coríntios 12). Todos os dons são necessários para que o corpo funcione corretamente. E nenhum membro é inferior ao outro. Por quê? Porque a maneira como o corpo funciona é que aqueles que a princípio parecem inferiores recebem maior honra, de modo a remover a possibilidade de dissensão. Nós precisamos um do outro. Sua contribuição é tão importante quanto o dedo para a mão ou a perna para o pé. Quando cada um de nós está usando nosso dom, o corpo funciona normalmente. O oposto também é verdade. Se uma parte do corpo não está funcionando, o resto sente. Somos chamados a fortalecer uns aos outros e a construir uns aos outros através dos dons do Espírito.

Hoje, mais do que nunca, precisamos voltar ao pequeno grupo como o principal lugar para exercitar os dons espirituais. É a atmosfera mais natural para que todos participem e cresçam como discípulos. É também o lugar mais espontâneo e bíblico para a descoberta de nossos dons espirituais, o que aumenta o ministério e o sacerdócio de todos os crentes. Na atmosfera amorosa de um grupo doméstico, especialmente onde os dons estão funcionando e onde o Espírito Santo está operando, as pessoas crescem no ministério e aprendem a servir aos outros.

Spanish blog:

Ministrando a través de los Dones del Espíritu

por Joel Comiskey

En 1995, yo era el invitado especial en una iglesia ubicada en Big Bear (Gran Oso), California.  Acababa de predicar y estaba parado en el área de recepción escuchando al pastor finalizar el servicio. Sentí una corriente fría que venía de la ventana atrás de mí. Esta ventana en particular, era de esas viejas ventanas que se suben y bajan, que tienen encima un seguro y un borde de metal delgado que rodea el vidrio. Usé mi mano izquierda para quitar el seguro y de golpe la ventana cayó como una guillotina. Cayó con tanta rapidez que no tuve tiempo de quitar mi dedo índice derecho. El filo de metal rebanó la punta de mi dedo y podía ver literalmente la punta del dedo colgando del hueso.

Me estremecí de dolor y corrí por ayuda. Gracias a Dios, muy cerca había un Centro de Emergencias donde me cocieron el dedo en su puesto. Qué día fue ese.

En los próximos meses, pude darme cuenta nuevamente cuánto necesitaba mi dedo derecho para realizar aún las tareas más pequeñas en la casa. Mis otras partes del cuerpo tuvieron que trabajar el doble para  realizar aún ínfimas tareas. El dolor me recordaba que cada parte de mi cuerpo es importante.

La Biblia nos dice que somos parte del cuerpo de Cristo. Todos dependemos el uno del otro bajo Cristo. Pablo el Apóstol dice: “Así Dios ha dispuesto los miembros de nuestro cuerpo, dando mayor honra a los que menos tenían, a fin de que no haya división en el cuerpo, sino que sus miembros se preocupen por igual unos por otros. Si uno de los miembros sufre, los demás comparten su sufrimiento; y si uno de ellos recibe honor, los demás se alegran con él”. (1 Corintios 12: 24–26).

¿Cómo sabes qué parte del cuerpo eres tú? Lo puedes saber a través del don que Dios te ha dado (1 Corintios 12). Todos los dones son necesarios para que el cuerpo funcione apropiadamente. Y ninguno de los miembros es inferior a los otros. ¿Por qué? Porque la manera en que funciona el cuerpo es que a aquellos que en principio parecen inferiores les es dado mayor honra, a fin de eliminar la posibilidad de discordia entre ellos. Efesios 4 lo dice de esta manera: “Más bien, al vivir la verdad con amor, creceremos hasta ser en todo como aquel que es la cabeza, es decir, Cristo.  Por su acción todo el cuerpo crece y se edifica en amor, sostenido y ajustado por todos los ligamentos, según la actividad propia de cada miembro”. (Efesios 4:15–16).

Nos necesitamos los unos a los otros. Tu contribución es tan importante como lo es el dedo para la mano, o la pierna para el pie. El cuerpo funciona normalmente cuando cada uno de nosotros utilizamos nuestro don. También es cierto que no funciona bien cuando sucede lo contrario. Si una parte del cuerpo no está funcionando, el resto del cuerpo se percata de ello. Reunirnos tanto en la célula (grupo pequeño) como en la celebración (grupo grande) es necesario para poder utilizar los dones y ministrarnos los unos a los otros. Hebreos 10:25 dice: “No dejemos de congregarnos, como acostumbran hacerlo algunos, sino animémonos unos a otros, y con mayor razón ahora que vemos que aquel día se acerca”.

Each Part United

By Geraldo Campos, www.elim.org.sv

It is important that believers in Jesus  experience the meaning of being grafted into the Christ’s body, which is the church of the living God.

An energized Christ-directed body mean the activation of each of its parts; for which the role of the cell leader as facilitator is critical in the process.

Ephesians 4:16 speaks of the joints that bind the different parts to the body together, so that each part performs a specific function. That is the task of the cell leader, facilitating in cell member with the sole purpose of helping them to achieve their vital function.

In our congregation, one of the five steps to generate new leaders is to assign each one  specific functions within the cell, such as prayer, worship and, in the case of the more developed members, the teaching.

Effective cell leaders are proactive; they do not suffer from the “lone ranger syndrome.” Rather, they apply in their leadership a simple principle, that of the apprentice:

– I perform and you watch

– I perform and you help me

– You perform and I watch

– You perform and I’ll help you

Every day we must accompany with our prayers the whole process so that the work of the Holy Spirit will make the group healthy, functional, and God-honoring.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cada Parte Unida

Por Geraldo Campos, www.elim.org.sv

É importante que os crentes em Jesus experimentem o significado de serem enxertados no corpo de Cristo, que é a Igreja do Deus vivo.

Um corpo energizado dirigido por Cristo significa a ativação de cada uma de suas partes; o papel do líder de célula como facilitador é crítico nesse processo.

Efésios 4:16 fala das juntas que unem as diferentes partes do corpo, de modo que cada parte desempenha uma função específica. Essa é a tarefa do líder da célula, facilitar os membros da célula com o único propósito de ajudá-los a alcançarem sua função vital.

Em nossa congregação, uma das cinco etapas para gerar novos líderes é atribuir a cada um funções específicas dentro da célula, como oração, adoração e, no caso dos membros mais desenvolvidos, o ensino.

Líderes de células eficazes são proativos; eles não sofrem com a “síndrome do guarda solitário”. Em vez disso, eles aplicam em sua liderança um princípio simples, o do aprendiz:

РEu executo e voc̻ assiste;

РEu executo e voc̻ me ajuda;

РVoc̻ executa e eu assisto;

РVoc̻ executa e eu vou te ajudar.

Todos os dias devemos acompanhar com nossas orações todo o processo para que a obra do Espírito Santo torne o grupo saudável, funcional e honrando a Deus.

Spanish blog:

Unidos por las articulaciones.

Se considera importante que las personas que creen en Cristo experimenten de una manera real lo que significa haber llegado a ser injertados en el mismo cuerpo, la iglesia de Cristo.

Energizar el cuerpo de Cristo significará la activación de cada uno de sus miembros; para lo cual el papel del líder de célula como facilitador del proceso se vuelve determinante.

Efesios 4:16 habla de las articulaciones que unen a los diferentes miembros al cuerpo, a fin de que estos lleven a cabo una función específica. Así la tarea de facilitación de parte de los líderes a favor de los miembros de la célula con el propósito de lograr su compromiso y función vital.

En nuestra congregación se enseña que uno de los cinco pasos para generar nuevos líderes es la asignación de funciones específicas dentro de la célula tales como la oración, la alabanza y, en el caso de los miembros más desarrollados, la enseñanza.

Los líderes celulares efectivos son proactivos, no sufren del “síndrome del llanero solitario” aplican en su liderazgo un simple principio, el del aprendiz:

  • Yo hago y tú observas
  • Yo hago y tú me ayudas
  • Tú haces y yo observo
  • Tú haces y yo te ayudo

Nuestra oración deberá acompañar día a día todo el proceso para que la obra del Espíritu Santo haga del grupo una célula saludable y funcional.

Ideas for Cell Partnership

coaches_jeffTun2011

By Jeff Tunnell

Since the goal of cell ministry is to empower each member to participate, here are some idea to make it happen:

  • Share insights about the great benefits of leading each  part of the cell.
  • Outline the benefits that will come to the new leader and others through their involvement.
  • Ask them to participate.
  • Teach them how to conduct the part you want them to lead.
  • Agree on an initial trial period, maybe 4 weeks.
  • Assure them you will remain alongside to help them succeed.
  • Show your enthusiasm and love for what you are doing.
  • Give feedback and encouragement.

Leaders recognize the abilities of others often before they see it in themselves. This is the power of observation.

We believe they can succeed before they do. This is the intuition.

A leader’s task is to motivate them to try, taking one step at a time, so they can experience the positive outcome of serving others while gaining personal growth and expansion.

Using some of these ideas may guide others to lead their own cell group, which would be a success for everyone!!

Jeff

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Ideias para a Parceria na Célula

Por Jeff Tunnell

Já que o objetivo do ministério celular é empoderar cada membro para participar, aqui estão algumas ideias para fazer isso acontecer:

  • Compartilhe idéias sobre os grandes benefícios de liderar cada momento da célula;
  • Destaque os benefícios que virão para o novo líder e para os outros através de seu envolvimento;
  • Peça-lhes que participem;
  • Ensine-os a conduzir a parte que você quer que eles conduzam;
  • Concordem com um período experimental inicial, talvez 4 semanas;
  • Assegure-os de que você permanecerá ao seu lado para ajudá-los a ter sucesso;
  • Mostre seu entusiasmo e amor pelo que você está fazendo;
  • Dê feedback e encorajamento.

Os líderes reconhecem as habilidades dos outros muitas vezes antes que eles mesmos vejam. Este é o poder da observação.

Nós acreditamos que eles podem ter sucesso antes que de fato tenham. Isso é a intuição.

A tarefa de um líder é motivá-los a tentar, dando um passo de cada vez, para que eles possam experimentar o resultado positivo de servir os outros ao mesmo tempo em que ganham crescimento e expansão pessoal.

Usar algumas dessas ideias pode guiar outras pessoas a liderarem sua própria célula, o que seria um sucesso para todos!!

Jeff

Spanish blog:

Ideas para la reunión celular

Por Jeff Tunnell

Dado que el objetivo del ministerio celular es capacitar a cada miembro para que participe, aquí comparto algunas ideas para hacer esto posible:

  • Compartir ideas acerca de los grandes beneficios de liderar cada parte de la célula.
  • Describir los beneficios que se obtendrán para el nuevo líder y otros a través de su participación.
  • Pídales que participen.
  • Enséñeles cómo llevar a cabo la parte que desea que dirijan.
  • Estén de acuerdo en un período de prueba inicial, tal vez 4 semanas.
  • Asegúrese de que usted permanecerá junto a ellos para ayudarlos a tener éxito.
  • Demuestre su entusiasmo y amor por lo que está haciendo.
  • Dar retroalimentación y aliento.

Los líderes reconocen las habilidades de otros con frecuencia antes de que ellos las vean en sí mismos. Este es el poder de la observación.

Nosotros creemos que pueden tener éxito antes de que lo hagan. Esta es la intuición.

La tarea del líder es motivarlos a intentar, dando un paso a la vez, para que puedan experimentar el resultado positivo de servir a los demás mientras ganan crecimiento y expansión personal.

¡El uso de algunas de estas ideas puede guiar a otros a dirigir su propio grupo de células, lo que sería un éxito para todos!

Jeff