Don’t Neglect the Witness Time

coach_JoelFamilyWebBy Joel Comiskey, coaching available here (free first session available for those interested in receiving coaching)

We’ve been talking this month about community and evangelism and how both are essential in cell ministry. We’ve seen how evangelism actually strengthens community in the group.

As I’ve led cells over the years, I’ve been so blessed by the transparency and community that takes place. Yet, if we don’t actively reach out, that same community and transparency can grow stagnant. But how do we promote evangelism in the cells? I have to admit that it’s easy to forget to emphasize the fourth W (Witness) and often over-extended the first three (Welcome, Worship, and Word). And I think I can generalize by saying “many” cells don’t sufficiently emphasize the Witness time.

If this is true in your own group, why don’t you change the order of the four Ws and start the meeting with the Witness time. Begin the group by asking people to share about who they are praying for to receive Jesus and what they’re doing to reach those people. Place a chair in the center of the circle and ask each person to pray for the new person who will fill that chair. Be sure to also pray for some kind of outreach activity. In this way you will show prioritize the members how important outreach is in the cell. I include a lot of suggestions for the Witness time in my book:

Share: Make Christ Real to Others

Comments?

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Não Negligencie o Momento de Testemunho

Por Joel Comiskey

Nós temos falado este mês sobre a comunidade e evangelismo e como eles são ambos essenciais no ministério celular. Vimos o evangelismo realmente fortalecer a comunidade no grupo.

Como eu tenho liderado células ao longo dos anos, eu tenho sido tão abençoado pela transparência e comunidade que ocorre. No entanto, se não ativamente alcançarmos isso, essa mesma comunidade e transparência podem crescer estagnadas. Mas como promovemos o evangelismo nas células? Tenho que admitir que é fácil esquecer de enfatizar o Testemunho e muitas vezes isso se extende aos três primeiros (Receber bem, Adoração e Palavra). E eu acho que posso generalizar dizendo que “muitas” células não enfatizam suficientemente o tempo de Testemunho.

Se isso é verdade no seu próprio grupo, por que não muda a ordem das coisas e começa a reunião com o momento de Testemunho. Comece o grupo pedindo que as pessoas compartilhem sobre quem estão orando para receber Jesus e o que estão fazendo para alcançá-las. Coloque uma cadeira no centro do círculo e peça a cada pessoa para orar pela nova pessoa que preencherá essa cadeira. Certifique-se de orar também por algum tipo de atividade de alcance. Desta forma, você mostrará prioridade aos membros sobre como o alcance é importante na célula. Eu incluo um monte de sugestões para o momento de Testemunho em meu livro:

Compartilhar Compartilhando Cristo Com O Próximo

Comentários?

Joel

Spanish blog:

No descuides el tiempo del testimonio

Por Joel Comiskey

Hemos estado hablando este mes acerca de la comunidad, el evangelismo y cómo ambos son esenciales en el ministerio celular. Hemos visto cómo el evangelismo realmente fortalece la comunidad en el grupo.

Así como he dirigido las células a través de los años, he sido tan bendecido por la transparencia y la comunidad que tiene lugar. Sin embargo, si no nos acercamos activamente, esa misma comunidad y transparencia pueden crecer estancadas. Pero, ¿cómo promovemos el evangelismo en las células? Tengo que admitir que es fácil olvidarse de enfatizar las cuatro palabras clave (Testimonio) ya menudo extender las tres primeras (Bienvenida, Adoración y Palabra). Y creo que puedo generalizar diciendo que “muchas” células no enfatizan suficientemente el tiempo del testimonio.

Si esto es cierto en su propio grupo, ¿por qué no cambia el orden de las cuatro palabras clave que inicia la reunión con el tiempo del testimonio? Comience el grupo pidiendo a las personas que compartan acerca de quién están orando para recibir a Jesús y lo que están haciendo para alcanzar a esas personas. Coloque una silla en el centro del círculo y pida a cada persona que ore por la nueva persona que llenará esa silla. Asegúrese de orar también por algún tipo de actividad de extensión. De esta manera mostrará priorizar a los miembros la importancia de la extensión en la célula. Incluyo muchas sugerencias para el tiempo del testimonio en mi libro:

Comparte: Haz a Cristo Real para los demás

¿Comentarios?

Joel

Roadblocks to Success with Relational Evangelism (part 2)

By Randall Neighbour, www.randallneighbour.com

[In my last blog I discussed the first roadblock, which is humility. You should read part 1 if you’ve not read it yet!]

The second roadblock to relational evangelism for most cell group members is a lack of personal transparency to help build a spiritual contrast for the unbeliever. Many Christians are reluctant to share their spiritual struggles and revelations with friends who are not yet Christ-followers because they feel the unbeliever won’t understand what is being shared. This is actually quite true. The unbeliever will probably not understand. They do not have the intimacy with their Creator that you possess and are working daily to deepen. And that’s what makes sharing your struggles and what God is teaching you so powerful!

When a Christian only shares deep spiritual things with other believers whom he feels will truly understand what he’s saying, he is keeping the focus on himself. This not-so-obvious selfish mindset does not bring others to Christ. What changes the heart and mind of an unbeliever? Hearing a Christian talking about victories in Christ and their struggles to “work out” the free gift of salvation! Sharing the ebbs and flows of your Christian walk shows them that you are walking in humility, you don’t have a now-perfect and spotless life, and you are someone with whom the unbeliever can identify.

During the first months of a new friendship with an unbeliever, I avoid asking my unchurched friends about what they currently believe about God. It too often sets us up for a game of spiritual ping-pong. You tell me what you believe; I tell you what I believe. Then we decided to agree to disagree for the sake of our friendship. After experiencing this little game a couple of times, I decided to take a different approach until it was evident the unbeliever was aware that my relationship with Christ is significantly different than his or her current perception of God and how he relates to us.

For example, on Monday mornings I go into my office at my tent-making job where I interact with a number of unbelievers. At the coffee station, someone will usually ask me how my weekend went and if I did anything fun. I’m quick to tell them about my ongoing home renovation projects (they’ll never be completed) and I add, “I also had a huge ‘aha!’ moment about God on Sunday morning. Is that something that interests you?”

If they tell me they’re not interested, I know they are not ready to hear what I’m learning about God and we should talk about other things first. If they tell me they are interested, I very briefly share what I’ve learned and what it means to me. It’s a two-sentence response  for a couple of reasons: First, we’re at work and time is valuable. And second, the objective is to take a casual conversation and open an opportunity for a totally different conversation at another time that is more appropriate and usually requested by the unbeliever. They will say something like, “You know what you shared with me last week (or last month or last year) at the coffee maker? I’d like to talk to you more about that when you have time.”

Relational evangelism is not walking up to people you hardly know and sharing the Four Spiritual Laws or the Roman’s Road with them. It’s sharing your faith walk (the ups and the downs) over the course of time so the unbeliever can see that you possess Christ within you and they do not have this within them yet. This is being the witness our world needs!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Bloqueios Para Ter Sucesso no Evangelismo Relacional (parte 2)

Por Randall Neighbour, www.randallneighbour.com

[Em meu último blog, eu falei sobre o primeiro bloqueio, que é a humildade. Você deve ler a parte 1 se ainda não leu!]

O segundo obstáculo ao evangelismo relacional para a maioria dos membros da célula é a falta de transparência pessoal para ajudar a construir um contraste espiritual para o descrente. Muitos cristãos estão relutantes em compartilhar suas lutas e revelações espirituais com amigos que ainda não são seguidores de Cristo porque sentem que o incrédulo não entenderá o que está sendo compartilhado. Isso realmente é verdadeiro. O não-convertido provavelmente não entenderá. Eles não têm a intimidade com seu Criador que você possui e estão trabalhando diariamente para se aprofundar. E isso é o que torna a partilha de suas lutas e do que Deus está lhe ensinando tão poderoso!

Quando um cristão só compartilha coisas espirituais profundas com outros crentes que ele sente que realmente entenderão o que ele está dizendo, ele está mantendo o foco em si mesmo. Essa mentalidade egoísta e não tão óbvia não traz outras pessoas para Cristo. O que muda o coração e a mente de um descrente? Ouvir um cristão falar sobre suas vitórias em Cristo e suas lutas para “exercitar” o dom gratuito da salvação! Compartilhar os altos e baixos de sua caminhada cristã mostra-lhes que você está andando em humildade, que você não tem uma vida perfeita e impecável, e que você é alguém com quem o descrente pode se identificar.

Durante os primeiros meses de uma nova amizade com um não-convertido, eu evito perguntar sobre o que ele acredita atualmente sobre Deus. Isso muitas vezes nos prepara para um jogo de ping-pong espiritual. Você me diz o que você acredita e eu lhe digo o que eu acredito. Então decidimos concordar em discordar por causa da nossa amizade. Depois de experimentar este pequeno jogo algumas vezes, eu decidi tomar uma abordagem diferente até que se tornasse evidente que o incrédulo estava ciente de que o meu relacionamento com Cristo é significativamente diferente da sua percepção atual de Deus e de como Ele se relaciona conosco.

Por exemplo, nas manhãs de segunda-feira eu vou para o meu escritório no meu trabalho onde eu interajo com alguns descrentes. No momento do café, alguém geralmente me pergunta como foi meu fim de semana e se eu fiz algo divertido. Eu sou rápido para dizer-lhes sobre meus projetos em curso de renovação de casa (eles nunca serão concluídos) e eu acrescento: “Eu também tive um enorme momento ‘Aha!’ sobre Deus na manhã de domingo. Isso é algo que lhe interessa?”

Se eles me disserem que não estão interessados, eu sei que eles não estão prontos para ouvir o que eu estou aprendendo sobre Deus e nós devemos falar sobre outras coisas primeiro. Se me disserem que estão interessados, compartilho muito brevemente o que aprendi e o que isso significa para mim. É uma resposta de duas sentenças por algumas razões: primeiro, estamos no trabalho e o tempo é valioso. E em segundo lugar, o objetivo é ter uma conversa casual e abrir uma oportunidade para uma conversa totalmente diferente em outro momento que seja mais apropriado e geralmente é solicitado pelo descrente. Eles vão dizer algo como: “sabe o que você compartilhou comigo na semana passada (ou no mês passado ou no ano passado) na cafeteira? Gostaria de conversar com você sobre isso quando tiver tempo”.

O evangelismo relacional não é caminhar até pessoas que você quase não conhece e compartilhar as Quatro Leis Espirituais ou a Estrada Romana com elas. É compartilhar sua caminhada da fé (os altos e baixos) ao longo do tempo para que os não-convertidos possam ver que você possui Cristo dentro de você e que eles ainda não têm isso dentro deles. Isso é ser a testemunha que nosso mundo precisa!

Spanish blog:

Los obstáculos al éxito con el evangelismo relacional (parte 2)

Por Randall Neighbour, www.randallneighbour.com

[En mi último blog discutí el primer bloqueo, que es la humildad. ¡Deberías leer la parte 1 si aún no la ha leído!]

El segundo obstáculo para el evangelismo relacional para la mayoría de los miembros del grupo celular es la falta de transparencia personal para ayudar a construir un contraste espiritual para el incrédulo. Muchos cristianos son reacios a compartir sus luchas y revelaciones espirituales con amigos que aún no son seguidores de Cristo porque sienten que el inconverso no entenderá lo que se comparte. Esto es realmente muy cierto. El inconverso probablemente no entenderá. Ellos no tienen la intimidad con su Creador que tu posees y están trabajando diariamente para profundizar. Y eso es lo que hace que comparta tus luchas y lo que Dios te está enseñando tan poderoso.

Cuando un cristiano sólo comparte profundas cosas espirituales con otros creyentes que él siente que realmente entenderán lo que está diciendo, él está manteniendo el enfoque en sí mismo. Esta mentalidad egoísta no tan obvia no trae a otros a Cristo. ¿Qué cambia el corazón y la mente de un inconverso? ¡Escuchar a un cristiano hablando de victorias en Cristo y de sus luchas para “resolver” el regalo gratuito de la salvación! El compartir los reflujos y flujos de su caminar cristiano les muestra que están caminando con humildad, no tienen una vida ahora perfecta y sin mancha, y son alguien con quien el inconverso se puede identificar.

Durante los primeros meses de una nueva amistad con un inconverso, yo evito preguntar a mis amigos sin iglesia de lo que actualmente creen acerca de Dios. Con demasiada frecuencia nos preparamos para un juego de ping-pong espiritual. Usted me dice lo que usted cree; Te digo lo que creo. Entonces decidimos estar de acuerdo en no estar de acuerdo en aras de nuestra amistad. Después de experimentar este pequeño juego un par de veces, decidí tomar un enfoque diferente hasta que era evidente que el inconverso era consciente de que mi relación con Cristo es significativamente diferente de su percepción actual de Dios y cómo se relaciona con nosotros.

Por ejemplo, los lunes por la mañana voy a mi oficina en mi tienda de hacer trabajo donde me relaciono con un número de inconversos. En la estación de café, alguien me preguntará cómo me fue el fin de semana y si hice algo divertido. Soy rápido en decirles mis proyectos en curso de renovación de viviendas (que nunca se completará) y agrego, “También tuve un momento enorme ‘aha’ con Dios en la mañana del domingo. ¿Es eso algo que le interesa?

Si me dicen que no están interesados, sé que no están listos para escuchar lo que estoy aprendiendo acerca de Dios y debemos hablar sobre otras cosas primero. Si me dicen que están interesados, comparto brevemente lo que he aprendido y lo que significa para mí. Es una respuesta de dos oraciones por un par de razones: Primero, estamos en el trabajo y el tiempo es valioso. Y, en segundo lugar, el objetivo es tomar una conversación informal y abrir una oportunidad para una conversación totalmente diferente en otro momento que es más apropiado y por lo general solicitado por el inconverso. Ellos dirán algo como, “¿Sabes lo que compartías conmigo la semana pasada (o el mes pasado o el año pasado) en la cafetera? Me gustaría hablar más sobre eso cuando tengas tiempo.

El evangelismo relacional no es caminar hacia las personas que apenas conocen y comparten las Cuatro Leyes Espirituales o el Camino Romano con ellos. Es compartir tu camino de fe (los altibajos y las bajadas) en el transcurso del tiempo para que el inconverso pueda ver que posees a Cristo dentro de ti y ellos no tienen esto dentro de ellos todavía. ¡Este es el testimonio que nuestro mundo necesita!

Roadblocks to Success with Relational Evangelism (part 1)

By Randall Neighbour, www.randallneighbour.com

Reaching people for Christ is far more than an obligation for a follower of Christ and the cell group in which he or she belongs. Evangelism is a lot like rocket fuel. The more we share Christ with others, see fruit, and disciple new believers to do the same thing, the more energized we become… and as the old hymn goes, “the things of this world become strangely dim.” Why? Because we understand that this world’s challenges and trappings are worth pursuing.

So what gets in the way of reaching people for Christ successfully in the context of a cell group? There are two main roadblocks to success, the first being humility.

When I ask unchurched non-believers what their greatest criticism is with Christians in general, it’s “They think that just because they’ve found God they don’t need anything from anyone. Their faith has made them arrogant.”

Learning this made me take a good look at my life and lifestyle. It was then I realized how they might say the same thing about me. I would often serve unbelievers to show them Christ or ask them how I might serve them, but I rarely asked an unbeliever for help with a weak area of my life or to get something tough accomplished I could not do by myself. Most of the time, I reached out to a fellow cell group member or a brother in Christ but even that was rare. I didn’t want to appear to be needy or weak. In other words, I lacked humility. Ugh.

Pick any spot in the Gospels and you’ll read about the way Jesus interacted with people. He asked for favors all the time! In fact, he asked a number of people he’d just met if he could go home with them for a meal. And he taught his disciples to do the same thing to show them how to lead a life of humility that produced fruit.

So let me encourage you to take a good hard look at your life like I did. How often do you ask non-family members when you need an extra hand around the house, a ride to the airport, help with a concern or issue, or to learn something new?

Genuine friendships—the kind that last a lifetime and are rare—are characterized by mutual support in many areas of life. My lifelong friends have seen me cry, laugh, get angry, go through tough times, have celebrated with me, have helped me in sacrificial ways, and I’ve done the same for them.

This is one of the things required for relational evangelism to flourish. Being humble enough to ask an unbeliever for relationship-appropriate help in an area of your life or a task that needs to be accomplished. It shows the person you consider them a real friend, not an acquaintance or someone you’ve befriended only to reach for Christ.

Go out and ask an unbeliever to serve you in some appropriate way and reciprocate or return the favor. Someone in a new friendship must start the “I owe you one” thing so it might as well be you!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do google. A tradução normal será postada quando recebida.

Roadblocks ao sucesso com Evangelism relacional (parte 1)

Por Randall Vizinho, www.randallneighbour.com

Alcançar as pessoas para Cristo é muito mais do que uma obrigação para um seguidor de Cristo eo grupo de células em que ele ou ela pertence. Evangelismo é muito parecido com combustível de foguetes. Quanto mais compartilhamos Cristo com os outros, vemos fruto e discípamos os novos crentes a fazerem a mesma coisa, mais energizados nos tornamos … e, como diz o velho hino, “as coisas deste mundo se tornam estranhamente fracas”. Porque nós compreendemos que os desafios e as armadilhas deste mundo valem a pena prosseguir.

Então, o que atrapalha o alcance das pessoas para Cristo com sucesso no contexto de um grupo de células? Existem dois obstáculos principais para o sucesso, sendo o primeiro a humildade.

Quando pergunto aos não-crentes sem igreja qual é a sua maior crítica com os cristãos em geral, é “Eles pensam que só porque descobriram que Deus não precisam de nada de ninguém. Sua fé os tornou arrogantes.

Aprender isso me fez dar uma boa olhada na minha vida e estilo de vida. Foi então que eu percebi como eles poderiam dizer a mesma coisa sobre mim. Eu freqüentemente servia aos incrédulos para mostrar a Cristo ou perguntar-lhes como eu poderia servi-los, mas eu raramente pedi um incrédulo para ajudar com uma área fraca da minha vida ou para conseguir algo duro realizado que eu não poderia fazer por mim. Na maioria das vezes, eu estendia a mão para um companheiro grupo de célula membro ou um irmão em Cristo, mas mesmo que era raro. Eu não queria parecer estar necessitado ou fraco. Em outras palavras, eu não tinha humildade. Ugh.

Escolha qualquer ponto nos Evangelhos e você vai ler sobre a maneira como Jesus interagiu com as pessoas. Ele pediu favores o tempo todo! Na verdade, ele perguntou a um número de pessoas que ele tinha acabado de conhecer se ele poderia ir para casa com eles para uma refeição. E ele ensinou seus discípulos a fazerem a mesma coisa para mostrar-lhes como levar uma vida de humildade que produziu frutos.

Então deixe-me encorajá-lo a dar uma boa olhada em sua vida como eu fiz. Quantas vezes você pede a membros não-familiares quando você precisa de uma mão extra ao redor da casa, um passeio ao aeroporto, ajuda com uma preocupação ou questão, ou para aprender algo novo?

Amizades genuínas – o tipo que duram toda a vida e são raras – se caracterizam pelo apoio mútuo em muitas áreas da vida. Meus amigos de toda a vida me viram chorar, rir, ficar com raiva, atravessar tempos difíceis, ter comemorado comigo, ter me ajudado de forma sacrificial, e eu fiz o mesmo por eles.

Esta é uma das coisas necessárias para que o evangelismo relacional floresça. Ser humilde o suficiente para perguntar a um incrédulo por uma ajuda apropriada ao relacionamento em uma área de sua vida ou uma tarefa que precisa ser cumprida. Ele mostra a pessoa que você considera um amigo de verdade, não um conhecido ou alguém que você befriended apenas para chegar a Cristo.

Saia e peça a um incrédulo que o sirva de alguma maneira apropriada e que retribua ou retribua o favor. Alguém em uma nova amizade deve começar o “Eu te devo uma” coisa assim que poderia muito bem ser você!

Spanish blog:

Los obstáculos al éxito con el evangelismo relacional (parte 1)

Por Randall Neighbour, www.randallneighbour.com

Alcanzar a la gente para Cristo, es mucho más que una obligación para un seguidor de Cristo y el grupo celular al que pertenece. El evangelismo es muy similar al combustible de cohetes. Cuanto más compartimos a Cristo con los demás, vemos fruto y discípulos a los nuevos creyentes para hacer lo mismo, más energizados nos convertimos … y como dice el viejo himno, “las cosas de este mundo se vuelven extrañamente oscuras”. Debido a que entendemos que los desafíos y los adornos de este mundo valen la pena.

Entonces, ¿qué se interpone en el camino a alcanzar a las personas para Cristo con éxito en el contexto de un grupo celular? Hay dos obstáculos principales para el éxito, el primero es la humildad.

Cuando le pregunto a los inconversos cuál es su mayor crítica con los cristianos en general, “Ellos piensan que sólo porque han encontrado a Dios, no necesitan nada de nadie. Su fe les ha hecho arrogantes”.

Cuando aprendí esto me hizo echar un buen vistazo a mi vida y estilo de vida. Fue entonces cuando me di cuenta de cómo podían decir lo mismo de mí. A menudo servía a los incrédulos para mostrarles a Cristo o preguntarles cómo podría servirles, pero rara vez pedía a un incrédulo que me ayudara con un área débil de mi vida o para lograr algo duro que no podía hacer yo solo. La mayoría de las veces, me dirigí a un compañero del grupo celular o un hermano en Cristo, pero incluso eso era raro. No quería parecer necesitado o débil. En otras palabras, me faltaba humildad. Ugh.

Escoge cualquier punto en los Evangelios y leerás sobre la manera en que Jesús interactuó con la gente. ¡Él pidió favores todo el tiempo! De hecho, le preguntó a una serie de personas que acababa de conocer si podía ir a casa con ellos a comer. Y enseñó a sus discípulos a hacer lo mismo para mostrarles cómo llevar una vida de humildad que produjo frutos.

Así que permítanme animarles a que echen un buen vistazo a su vida como lo hice yo. ¿Con qué frecuencia le preguntas a los miembros que no son familiares cuando necesitas una mano extra alrededor de la casa, un viaje al aeropuerto, ayuda con una preocupación o problema, o para aprender algo nuevo?

Las amistades genuinas -el tipo que duran toda la vida y son raras- se caracterizan por el apoyo mutuo en muchas áreas de la vida. Mis amigos de toda la vida me han visto llorar, reír, enojarse, pasar por tiempos difíciles, celebran conmigo, me han ayudado de manera sacrificial, y he hecho lo mismo por ellos.

Esta es una de las cosas requeridas para que el evangelismo relacional florezca. Ser lo suficientemente humilde como para pedirle a un incrédulo que le brinde ayuda para una relación apropiada en un área de su vida o una tarea que necesita ser cumplida. Muestra a la persona que los consideras un verdadero amigo, no un conocido o alguien a quien has hecho amistad sólo para alcanzar a Cristo.

Sal y pide a un inconverso que te sirva de alguna manera apropiada y te retribuya o devuelva el favor. Alguien en una nueva amistad debe comenzar el “te debo una” cosa por lo que también podría ser usted.

Small Group Planning at the Elim Church, pt 2

coach_mario2016speaking

Mario Vega, www.elim.org.sv

What the Meeting Looks Like

We allow for flexibility in our planning meetings and each one is a little different. We have found, however, most of the planning meetings follow a similar order, like the following sample order (although the time frames vary widely). By including time frames, I’m simply giving my observation of what normally takes place in a planning meeting:

• Initial prayer (5 minutes). The leader will open in prayer, ask for prayer requests, and have each person pray for one another.

• Scripture reading and encouragement. We start with God’s Word, and the leader might share something that God is laying on his or her heart in his personal devotion time (10 minutes).

• Sharing the vision. The leader reminds the group of the overall vision of making disciples through small group ministry (5 minutes)

• Results from the last planning meeting (10 minutes). Accountability is critical. The leader will ask whether people were visited, evangelized, and whether the particular tasks were completed.

• Planning for the following Saturday cell (25 minutes). This is the main part of the planning meeting and takes the most time. The leader plans for the next meeting by:

o Delegating visitation tasks. The leader will ask willing team members to visit those who have not been attending the cell.
o Team members are asked to care for new converts and start the equipping process. It’s essential that each person is cared for and taking the next step in the equipping. During the planning meeting the group talks about where each person is on his or her spiritual journey. We often have new people coming into the Saturday night cell, so we will assign someone at the planning meeting to minister to the new person.
o Decide how each core member will participate in the next cell meeting in areas such as worship, taking the offering, and leading the lesson. Each group has a number of people involved. In fact, we believe the Saturday night cell will be more productive if more people are involved, so each part of the group is delegated during the planning meeting.
o Prepare details about making sure each person has a ride to the Sunday celebration service. We want people in the small group to also attend the Sunday celebration and transportation is a problem in San Salvador.

• Personal prayer requests of those present at the planning meeting (10 minutes)

• Announcement about what’s going on in the church in general (5 minutes)

We try not to go beyond the one-hour time limit because we know people are busy. In fact, our main challenge is busyness and not prioritizing the planning meeting among the members. We have to constantly remind each core group about the importance of the planning meeting and why we are taking the time to meet together each week to plan for the Saturday night cell group.

Keeping the Vision Alive

The reason we’re convinced of the planning meeting is because we’ve noticed how it helps maintain the excitement level of the cell group and reminds people that anything worthwhile, like a cell group requires planning and prayer. We believe that the planning meeting is a key reason why our groups continue to reach out and multiply throughout the city. Our goal at Elim is to penetrate our city of San Salvador with multiplying small groups. To make that happen, we want our people to be pro-actively involved in the process.

In our mother church in San Salvador, we now have 110,000 people in our 9,000 weekly Saturday cell groups. We view our small groups as an army that is penetrating the city for Jesus. Just like a normal army, diligent planning and strategizing is a major part of the battle. We view our planning meeting in a similar way. Our people grow in their passion as they meet on Wednesday to pray, plan, and prepare to evangelize those who don’t Jesus. We want to fulfill Christ’s marching orders to make disciples of all nations until he comes again (Matthew 28:18-20).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Planejamento do Pequeno Grupo na Igreja Elim, parte 2

Por Mario Vega

Com o que a Reunião se Parece

Permitimos flexibilidade em nossas reuniões de planejamento e cada uma é um pouco diferente. No entanto, descobrimos que a maioria das reuniões de planejamento seguem uma ordem similar, como a seguinte ordem de amostra (embora os intervalos de tempo variem amplamente). Incluindo intervalos de tempo, estou simplesmente dando a minha observação do que normalmente ocorre em uma reunião de planejamento:

• Oração inicial (5 minutos). O líder abrirá em oração, pedirá pedidos de oração e cada um orará pelo outro.

• Leitura das Escrituras e encorajamento. Começamos com a Palavra de Deus, e o líder pode compartilhar algo que Deus está colocando em seu coração em seu tempo de devocional (10 minutos).

• Compartilhando a visão. O líder lembra ao grupo a visão geral de fazer discípulos através do ministério de pequenos grupos (5 minutos)

• Resultados da última reunião de planejamento (10 minutos). A responsabilidade é crucial. O líder perguntará se as pessoas foram visitadas, evangelizadas e se as tarefas particulares foram concluídas.

• Planejamento para a seguinte célula de sábado (25 minutos). Esta é a parte principal da reunião de planejamento e leva mais tempo. O líder planeja para a próxima reunião por:

-Delegar tarefas de visitação. O líder pedirá aos membros da equipe que desejam visitar os que não estiverem frequentando a célula.
-Os membros da equipe são solicitados a cuidar de novos convertidos e iniciar o processo de equipar. É essencial que cada pessoa seja cuidada e dê o próximo passo no equipamento. Durante a reunião de planejamento, o grupo fala sobre onde cada pessoa está em sua jornada espiritual. Muitas vezes temos pessoas novas entrando na célula de sábado à noite, por isso vamos atribuir alguém na reunião de planejamento para ministrar a nova pessoa.
-Decidir como cada membro central irá participar na próxima reunião de célula em áreas como adoração, recolhendo a oferta e liderando o culto. Cada grupo tem um número de pessoas envolvidas. Na verdade, acreditamos que a célula de sábado à noite será mais produtiva se mais pessoas estiverem envolvidas, então cada parte do grupo é delegada durante a reunião de planejamento.
Prepare detalhes sobre se certificar de que cada pessoa tem uma carona para o culto de celebração de domingo. Queremos que as pessoas do pequeno grupo também participem da celebração de domingo e o transporte é um problema em San Salvador.

• Pedidos de oração pessoal dos presentes na reunião de planejamento (10 minutos)

• Anunciar sobre o que está acontecendo na igreja em geral (5 minutos)

Tentamos não ultrapassar o limite de uma hora porque sabemos que as pessoas são ocupadas. Na verdade, nosso principal desafio é essa ocupação e não priorizar a reunião de planejamento entre os membros. Temos de lembrar constantemente a cada grupo principal sobre a importância da reunião de planejamento e por que estamos tomando o tempo para se reunir a cada semana para planejar os grupos de células de sábado à noite.

Mantendo a Visão Viva

A razão pela qual estamos convencidos da reunião de planejamento é porque percebemos como ela ajuda a manter o nível de excitação do grupo de células e lembra às pessoas que qualquer coisa que valha a pena, como um grupo de células, requer planejamento e oração. Acreditamos que a reunião de planejamento é uma das principais razões pelas quais nossos grupos continuam se estendendo e se multiplicando por toda a cidade. Nosso objetivo na Elim é penetrar em nossa cidade de San Salvador com a multiplicação de pequenos grupos. Para que isso aconteça, queremos que nosso pessoal seja pro-ativamente envolvido no processo.

Em nossa igreja-mãe em San Salvador, temos agora 110.000 pessoas em nossos 9.000 grupos semanais de células no sábado. Nós vemos nossos pequenos grupos como um exército que está penetrando a cidade para Jesus. Assim como um exército normal, planejamento diligente e estratégias são uma parte importante da batalha. Nós vemos nossa reunião de planejamento de uma maneira similar. Nosso povo cresce em sua paixão ao se reunir na quarta-feira para orar, planejar e se preparar para evangelizar aqueles que não têm Jesus. Queremos cumprir as ordens de Cristo para fazer discípulos de todas as nações até que Ele volte (Mateus 28: 18-20).

Spanish blog:

La planificación de los grupos pequeños en la iglesia Elim, parte 2

Por Mario Vega

Cómo se ve la reunión

Nosotros permitimos flexibilidad en nuestras reuniones de planificación y cada una es un poco diferente. Hemos encontrado, sin embargo, que la mayoría de las reuniones de planificación siguen una orden similar, como el siguiente orden demuestra (aunque los marcos de tiempo varían ampliamente). Mediante la inclusión de marcos de tiempo, simplemente estoy dando mi observación de lo que normalmente tiene lugar en una reunión de planificación:

  • Oración inicial (5 minutos). El líder empezara en oración, pedirá peticiones de oración, y hará que cada persona ore por los demás.
  • Lectura y aliento de las Escrituras. Comenzamos con la Palabra de Dios, y el líder puede compartir algo que Dios está poniendo en su corazón en su tiempo de devoción personal (10 minutos).
  • Compartiendo la visión. El líder recuerda al grupo la visión general de hacer discípulos a través del ministerio en grupos pequeños (5 minutos).
  • Resultados de la última reunión de planificación (10 minutos). La rendición de cuentas es crítica. El líder preguntará si la gente fue visitada, evangelizada y si las tareas particulares fueron completadas.
  • Planificación de la siguiente célula del sábado (25 minutos). Esta es la parte principal de la reunión de planificación y toma más tiempo. El líder planea la próxima reunión:

-Delegando tareas de visitación. El líder pedirá a los miembros del equipo que deseen visitar a aquellos que no han asistido a la célula. Luego pide a los miembros del equipo que cuiden a los nuevos creyentes e inicien el proceso de equipamiento. Es esencial que cada persona esté cuidada y dando el siguiente paso en el equipamiento. Durante la reunión de planificación el grupo habla de dónde está cada persona en su viaje espiritual. A menudo tenemos gente nueva entrando en la célula en la noche del sábado, así que asignaremos a alguien en la reunión de planificación para ministrar a la nueva persona.

-Decidimos cómo cada miembro principal participará en la siguiente reunión de la célula en áreas tales como adoración, toma de la ofrenda y guía de la lección. Cada grupo tiene un número de personas involucradas. De hecho, creemos que la célula del sábado por la noche será más productiva si participan más personas, por lo que cada parte del grupo se delega durante la reunión de planificación.

-Prepare los detalles y asegúrese de que cada persona tiene un paseo al servicio de la celebración del domingo. Queremos que la gente del grupo pequeño también asista a la celebración del domingo y el transporte es un problema en San Salvador.

  • La oración personal con los presentes en la reunión de planificación (10 minutos)
  • Anuncio sobre lo que está pasando en la iglesia en general (5 minutos)

Tratamos de no ir más allá del límite de una hora porque sabemos que la gente está ocupada. De hecho, nuestro principal reto es la actividad y no priorizar la reunión de planificación entre los miembros. Tenemos que recordar constantemente a cada grupo central la importancia de la reunión de planificación y por qué estamos tomando el tiempo para reunirse cada semana para planificar el grupo celular del sábado por la noche.

Manteniendo la visión viva

La razón por la que estamos convencidos de que la reunión de planificación es importante, es, porque hemos notado cómo ayuda a mantener el nivel de emoción del grupo celular y recuerda a la gente que cualquier cosa vale la pena, como el grupo celular, requiere planificación y oración. Creemos que la reunión de planificación es una razón clave por la cual nuestros grupos continúan extendiéndose y multiplicándose por toda la ciudad. Nuestra meta en Elim es penetrar nuestra ciudad de San Salvador con la multiplicación de grupos pequeños. Para lograrlo, queremos que nuestra gente participe activamente en el proceso.

En nuestra iglesia madre en San Salvador, ahora tenemos 110,000 personas en nuestros 9,000 grupos semanales de células del sábado. Vemos a nuestros pequeños grupos como un ejército que está penetrando la ciudad para Jesús. Al igual que un ejército normal, la planificación diligente y la elaboración de estrategias son una parte importante para la batalla. Vemos nuestra reunión de planificación de una manera similar. Nuestro pueblo crece en su pasión al reunirse el miércoles para orar, planear y prepararse para evangelizar a los que no tienen a Jesús. Queremos cumplir las órdenes de Cristo de hacer discípulos en todas las naciones hasta que Él vuelva (Mateo 28: 18-20).

Small Group Planning at the Elim Church, Pt 1

coach_mario2016speaking

Mario Vega, www.elim.org.sv

Unlike many churches who transition gradually to small group ministry, we changed rather abruptly. We became completely convinced of cell based ministry after visiting David Cho’s church in Seoul, South Korea in 1986. We asked everyone to join a small group and even discontinued our small, nearby church plants in San Salvador, El Salvador, asking the pastors to become zone and district pastors in one large cell-based church. By God’s grace, the change to small group ministry worked, although in those early days we learned more from our failures than successes.

In spite of our many mistakes in those early days, we made some key decisions that continue to guide us into the present. One of those creative decisions was asking all groups to hold an extra planning meeting each week. We asked the leaders to develop a leadership team which would meet together on a different night (normally Wednesday night) to plan for the Saturday night cell group, since all of our cell meetings take place on Saturday night. When I say “leadership team,” I’m referring to anyone who was willing to make a consistent commitment to attend the Wednesday night planning meeting.

We originally did this because we noticed that our groups were not prepared for the new people who were streaming into them. We also realized that we were far too dependent on one or two leaders and not tapping into the strength of other people in the group. And then there were the many “Extra Grace Required” people in the groups and we were unprepared to deal with them.

Getting People Involved

Although we allowed anyone to attend the Wednesday night planning meeting, the reality was that the committed and faithful members actually attended. Some would call these people the core group or the nucleus of the cell.

We’ve discovered that the planning meeting allows those with a hunger to serve Jesus Christ to get involved more deeply in small group life, being able to plan, pray, and act. People feel wanted and esteemed when they are involved. The mid-week planning meeting provides the setting for that involvement to take place. The planning meeting is also the time to strategize to reach those who don’t know Jesus as Savior and Lord. It also provides the impetus to decide how to hold people accountable to make sure that evangelism took place .

We’ve learned from experience not to exalt one person. Long-term fruitfulness in the small group vision requires developing an army of leaders who are planning and praying together. The planning meeting has now become part of the culture of Elim. After almost thirty years, the small group members know that the goal of the small groups is to make disciples who make disciples and each small group plans to make this happen .

Not Another Cell Group

The Wednesday night meeting is not another “edification” meeting. We don’t want to replicate the Saturday night cell. Rather, it’s primarily a planning meeting. The purpose of the meeting is crystal clear: get ready for the Saturday night cell and make sure tasks are delegated, people are invited, and everything is well prepared.

The planning meeting also focuses on how to multiply the Saturday cell by asking and answering such questions as: Who will lead the next cell? Has the future cell leader completed the equipping and has the supervisor and zone pastor been informed? Are they involved in the process? Who will go with the new cell leaders and form part of the new team? Where will the next cell meet? In once sense, the Wednesday night meeting takes the mystery out of cell ministry.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Planejamento dos Pequenos Grupos na Igreja Elim, parte 1

Por Mario Vega

Ao contrário de muitas igrejas que transicionam gradualmente para o ministério em pequenos grupos, nós mudamos de forma abrupta. Nós fomos totalmente convencidos depois de visitar a igreja de David Cho em Seul, na Coréia do Sul, em 1986. Nós pedimos a todos que se juntassem a um pequeno grupo e até descontinuamos nossas pequenas igrejas próximas em San Salvador, El Salvador, pedindo aos pastores que se tornassem pastores de região e de distrito em uma única grande igreja em células. Pela graça de Deus, a mudança para o ministério de pequenos grupos funcionou, embora naqueles primeiros dias tenhamos aprendido mais com nossos fracassos do que com os sucessos.

Apesar de nossos muitos erros naqueles primeiros dias, nós fizemos algumas decisões-chave que continuam a nos conduzir no presente. Uma dessas decisões criativas foi pedir a todos os grupos para realizarem uma reunião de planejamento extra semanalmente. Pedimos aos líderes que desenvolvessem uma equipe de liderança que se reunisse em uma noite diferente (normalmente na noite de quarta-feira) para planejar a célula de sábado à noite, já que todas as nossas reuniões de célula acontecem no sábado à noite. Quando digo “equipe de liderança”, estou me referindo a qualquer pessoa que estivesse disposta a assumir um compromisso consistente de participar da reunião de planejamento nas quartas-feiras à noite.

Nós fizemos isso originalmente porque percebemos que os nossos grupos não estavam preparados para as novas pessoas que estavam chegando até eles. Percebemos também que dependíamos muito de um ou dois líderes e não aproveitávamos a força de outras pessoas do grupo. Também existiam muitas pessoas no grupo que precisavam de uma “graça a mais” e estávamos despreparados para lidar com elas.

Envolvendo as Pessoas

Embora nós permitíssemos que qualquer pessoa participasse da reunião de planejamento de quarta-feira à noite, a intenção era que os membros comprometidos e fiéis realmente comparecessem. Alguns chamavam essas pessoas de grupo central ou de núcleo da célula.

Nós descobrimos que a reunião de planejamento permite que aqueles que têm fome para servir a Jesus Cristo se envolvam mais profundamente na vida em pequenos grupos, sendo capazes de planejar, orar e agir. As pessoas se sentem queridas e estimadas quando estão envolvidas. A reunião de planejamento no meio da semana fornece o cenário para que esse envolvimento ocorra. A reunião de planejamento é também o momento de elaborar estratégias para alcançar aqueles que não conhecem Jesus como Salvador e Senhor. Ela também fornece o ímpeto para decidir como responsabilizar as pessoas para garantir que o evangelismo ocorreu.

Aprendemos com a experiência a não exaltar uma pessoa. A prosperidade a longo prazo na visão dos pequenos grupos requer o desenvolvimento de um exército de líderes que estejam planejando e orando juntos. A reunião de planejamento passou a fazer parte da cultura de Elim. Depois de quase trinta anos, os membros dos pequenos grupos sabem que o objetivo dos grupos é fazer discípulos que façam discípulos e cada grupo pequeno planeja fazer isso acontecer.

Não É Outra Célula

A reunião de quarta-feira à noite não é outra reunião de “edificação”. Nós não queremos replicar a célula de sábado à noite. Em vez disso, é principalmente uma reunião de planejamento. A finalidade da reunião é cristalina: preparar-se para a célula de sábado à noite e certificar-se de que as tarefas sejam delegadas, as pessoas sejam convidadas e tudo esteja bem preparado.

A reunião de planejamento também se concentra em como multiplicar a célula de sábado, fazendo e respondendo perguntas como: Quem vai liderar a próxima célula? O futuro líder de célula completou o trilho de treinamento e o supervisor e o pastor de região foram informados? Eles estão envolvidos no processo? Quem irá com os novos líderes de célula e fará parte da nova equipe? Onde a próxima célula acontecerá? De uma vez só, a reunião de quarta-feira à noite retira o mistério do ministério celular.

Spanish blog:

La planificación de los pequeños grupos en la Iglesia Elim, parte 1

Por Mario Vega

A diferencia de muchas iglesias que han transicionado de forma gradual al ministerio en grupos pequeños, nosotros cambiamos de manera abrupta. Después de visitar la iglesia del Pastor David Cho en Seúl, Corea del Sur, en 1986, nos convencimos completamente del ministerio basado en células. Pedimos a todos que se unieran a un pequeño grupo e incluso descontinuaran nuestras pequeñas iglesias cercanas en San Salvador, El Salvador, pidiendo a los pastores que se convirtieran en Pastores de Zona y distritos en una gran iglesia basada en pequeños grupos. Por la gracia de Dios, el cambio al ministerio de grupos pequeños funcionó, aunque en esos primeros días aprendimos más de nuestros fracasos que de nuestros éxitos.

A pesar de nuestros muchos errores en esos primeros días, tomamos algunas decisiones clave que siguen guiándonos hacia el presente. Una de esas decisiones creativas fue pedir a todos los grupos que celebraran una reunión de planificación extra cada semana. Pedimos a los líderes que desarrollaran un equipo de liderazgo que se reuniría en una noche diferente (normalmente el miércoles por la noche) para planear el grupo celular del sábado por la noche, ya que todas nuestras reuniones celulares tienen lugar el sábado por la noche. Cuando digo “equipo de liderazgo”, me refiero a cualquiera que estuviera dispuesto a asumir un compromiso consistente de asistir a la reunión de planificación del miércoles por la noche.

Originalmente lo hicimos porque nos dimos cuenta de que nuestros grupos no estaban preparados para las nuevas personas que estaban fluyendo en ellos. También nos dimos cuenta de que éramos demasiado dependientes de uno o dos líderes y no aprovechando la fuerza de otras personas del grupo. Y luego había muchas personas con “Extra Gracia Requerida” en los grupos y no estábamos preparados para tratar con ellos.

Cómo involucrar a las personas

Aunque permitimos que alguien asistiera a la reunión de planificación del miércoles por la noche, la realidad era que los miembros comprometidos y fieles realmente asistieron. Algunos llamarían a estas personas el núcleo del grupo o el núcleo de la célula.

Hemos descubierto que la reunión de planificación permite a los que tienen hambre de servir a Jesucristo involucrarse más profundamente en la vida en grupos pequeños, pudiendo planear, orar y actuar. La gente se siente querida y estimada cuando está involucrada. La reunión de planificación a mitad de semana sirve de base para que esa participación tenga lugar. La reunión de planificación es también el momento de elaborar estrategias para llegar a aquellos que no conocen a Jesús como Señor y Salvador. También proporciona el ímpetu para decidir cómo hacer que las personas rindan cuentas para asegurarse de que el evangelismo tuvo lugar.

Hemos aprendido de la experiencia de no exaltar a una persona. La fecundidad a largo plazo en la visión del grupo pequeño requiere desarrollar un ejército de líderes que estén planeando y orando juntos. La reunión de planificación se ha convertido en la parte de la cultura de Elim. Después de casi treinta años, los miembros del grupo pequeño saben que el objetivo de los pequeños grupos es hacer discípulos que hagan discípulos y cada grupo pequeño planea hacer que sea posible.

No es otro grupo celular

La reunión del miércoles por la noche no es otra reunión de “edificación”. No queremos replicar la célula del sábado por la noche. Más bien, es principalmente una reunión de planificación. El propósito de la reunión es muy claro: prepárate para la célula del sábado por la noche y asegúrate de que las tareas sean delegadas, invite a la gente y todo esté bien preparado.

La reunión de planificación también se concentra en cómo multiplicar la célula del sábado pidiendo y respondiendo preguntas como: ¿Quién dirigirá la siguiente célula? ¿El futuro líder de la célula ha completado el equipamiento y ha informado al supervisor y al pastor de la zona? ¿Están involucrados en el proceso? ¿Quién irá con los nuevos líderes celulares y formará parte del nuevo equipo? ¿Dónde se reunirá la siguiente célula? En una ocasión, la reunión del miércoles por la noche saca el misterio del ministerio celular.

Planning to Evangelize

By Gerardo Campos, district pastor in Elim Church, www.elim.org.sv

In our home cells, relational evangelism is guided by the accountability that cell members have with each other.

In the district that I coordinate in Elim San Salvador,  we as a pastoral team have confirmed over and over that the leaders who continually reach their cell goals are those who also practice the discipline of meeting weekly in a mid-week planning meeting (more about the planning meeting in the Tuesday and Wednesday blogs). It’s in these core meetings that planning for evangelism takes place, as well as reviewing its effectiveness.

The planning meeting is based on four pillars:

  • Evaluate the previous meeting
  • Plan the next meeting
  • Assign responsibilities
  • Encourage members to bring guests

It is in this last point that we keep the evangelistic fire burning among the members as well as review how the process is going in reaching the lost.

Each member of the planning team shares the different experiences that each one is having in the process of evangelism as well as planning new evangelism outreach. It also gives each planning team member the opportunity to pray together for each of those on the guest list.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Planejando Evangelizar

Por Gerardo Campos, pastor de distrito na Igreja Elim, www.elim.org.sv

Em nossas células, o evangelismo relacional é guiado pela responsabilidade que os membros da célula têm uns com os outros.

No distrito que eu coordeno na Igreja Elim San Salvador, nós como uma equipe pastoral confirmamos repetidamente que os líderes que continuamente alcançam seus objetivos celulares são aqueles que também praticam a disciplina de participar de uma reunião de planejamento celular semanal (mais sobre a reunião de planejamento nos blogs de terça-feira e quarta-feira). É nessas reuniões centrais que ocorre o planejamento para o evagelismo, bem como a revisão de sua eficácia.

A reunião de planejamento é baseada em quatro pilares:

  • Avaliar a última reunião celular
  • Planejar a próxima reunião celular
  • Atribuir responsabilidades

Encorajar os membros a trazerem convidados

É neste último ponto que nós mantemos o fogo evangelístico queimando entre os membros, e também revemos como o processo está indo no quesito “alcançar os perdidos”.

Cada membro da equipe de planejamento compartilha as diferentes experiências que cada um está tendo no processo de evangelismo, bem como revive a paixão de alcançar mais pessoas. Esse momento também dá a cada membro da equipe de planejamento a oportunidade de orarem juntos por todas as pessoas que estão na lista de convidados.

Spanish blog:

Planificando la Evangelización

Por Gerardo Campos, pastor del distrito en Elim, www.elim.org.sv

En nuestras células de hogar el evangelismo relacional mantiene su enfoque original por medio de la rendición de cuentas que los miembros de las células hacen entre sí.

En el distrito que coordino en Elim los pastores hemos confirmado que los líderes que alcanzan sus metas, entre la que está la asistencia de nuevas personas, son quienes se apegan disciplinadamente  a la realización de una reunión de planificación previa cada semana, ya que es ahí en donde ocurre una rendición de cuentas con respecto a la evangelización que cada uno de los miembros está realizando.

La reunión se desarrolla basada en cuatro pilares que son:

  • evaluar la reunión anterior
  • planificar la siguiente reunión
  • asignar responsabilidades
  • animar a los miembros a llevar invitados.

Es en este último punto en donde se busca mantener un evangelismo relacional efectivo, ya que se les pide a los miembros de la célula que describan el proceso que llevan con cada persona a la que están procurando alcanzar.

Escuchar en la reunión de planificación los diferentes momentos y las diferentes experiencias que cada uno está teniendo en el proceso de evangelización reaviva la pasión por alcanzar a más personas, a la vez que se tiene la oportunidad de orar juntos por cada una de las listas de invitados.

Welcoming Unbelievers

By Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.org

In the last few years after visiting many cell groups I discovered that there are two different types of groups; one cell group sees the world as a broken, lost place and hopes that someone goes and fixes it, the other cell group invites the broken, lost world into their cell group to bring hope and healing.  Which one are we and which one would we like to be?

I was sitting at a cell meeting with a group of senior adults and they were doing a study on Revelation and the end times.  As they discussed the many problems in our world today, they became disheartened, angry and hopeless.  At the end of the group, prayer requests were shared and everyone complained about their mean neighbors, crazy co-workers and lost family members.  When it was my turn, I asked, “Why don’t you invite them to this group?”  At that moment, by the looks I received you may have thought I grew another nose.  They were not happy with my suggestion.  I met with the leader the next week and we talked about inviting others to the cell meeting.  She agreed that they needed to be more outward focused, so at the next cell fellowship event she invited two neighbors…. And they came!  This infused the cell with new life.  One neighbor continues to come and has found hope in Jesus.  The members are now inspired to invite others!

As cell leaders, we should be the model of inviting members to the cell group, talk about it regularly, and challenge members to bring guests.  People may be hesitant to walk into a church, but they may not mind going with a friend to a party or event with the cell group.  Our cell groups need to be places where people can come and meet Jesus, ask questions and feel safe to be themselves.

At Celebration, we encourage cell groups to welcome unbelievers, look together for answers, and to have real transparency.  Allowing people to come to group as they are, ask questions about the Bible or different religions and not be gawked at or condemned.  This can be challenging at times, when the questions get difficult, but my go to answer is always, “Let’s see what the Bible says about that!”  Then we can discover it together by studying the Living Word.  When people see that cell group is a safe place, then they will be willing to open their hearts and share, as well as, invite others to the group.

The Great Commission in Matthew 28:19-20 says, “Go and make disciples…” Cell Groups are the perfect outlet to invite people that are truly seeking their purpose in this confusing and contradicting world we live in today.  No matter where you meet; in a library, coffee shop, school, retirement village, or home, people are watching and waiting for invites to join you and your cell!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Acolhendo Descrentes

Por Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.org

Nos últimos anos, depois de visitar muitas células, descobri que existem dois tipos diferentes de grupos; o primeiro tipo de células vê o mundo como um lugar quebrado, perdido e espera que alguém vá consertá-lo; o outro tipo convida o mundo quebrado e perdido para a célula para trazer esperança e cura. Qual deles nós somos e qual deles gostaríamos de ser?

Eu estava sentada em uma reunião celular com um grupo de adultos mais velhos e eles estavam fazendo um estudo sobre Apocalipse e os últimos tempos. Enquanto discutiam os muitos problemas de nosso mundo atual, tornaram-se desanimados, irritados e sem esperança. No final do grupo, os pedidos de oração foram compartilhados e todos se queixaram de seus vizinhos ruins, colegas de trabalho loucos e membros perdidos da família. Quando chegou a minha vez, eu perguntei: “Por que vocês não os convidam para este grupo?”. Eles não ficaram satisfeitos com a minha sugestão. Eu me encontrei com a líder na semana seguinte e conversamos sobre convidar outras pessoas para a reunião da célula. Ela concordou que eles precisavam ser mais focados no exterior, então no próximo evento de comunhão da célula ela convidou dois vizinhos. E eles foram! Isso encheu a célula com uma nova vida. Um vizinho continua participando e encontrou esperança em Jesus. Os membros agora estão inspirados para convidar outras pessoas!

Como líderes, devemos ser um modelo de convidar membros para a célula, falar sobre isso regularmente e desafiar os membros a trazerem convidados. As pessoas podem hesitar em entrar em uma igreja, mas elas podem não se importar em ir com um amigo para uma festa ou evento da célula. Nossas células precisam ser lugares onde as pessoas possam ir e encontrar Jesus, fazer perguntas e sentirem-se seguras para serem elas mesmas.

No Culto de Celebração, encorajamos as células a acolherem não convertidos, a buscarem respostas e a terem uma verdadeira transparência, permitindo que as pessoas venham para a célula como estão, que façam perguntas sobre a Bíblia ou religiões diferentes e não ficar chocados ou fazerem-nas se sentir condenadas. Isso pode ser desafiador às vezes, quando as perguntas ficam difíceis, mas a minha resposta é sempre: “Vamos ver o que a Bíblia diz sobre isso!” Então podemos descobri-lo juntos estudando a Palavra Viva. Quando as pessoas veem que o grupo de células é um lugar seguro, então elas estarão dispostas a abrir seus corações e compartilhar, bem como convidar outras pessoas para o grupo.

Spanish blog:

Recibiendo a los inconversos

Por Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.org

En los últimos años, después de visitar muchos grupos celulares, descubrí que hay dos tipos diferentes de grupos; Un grupo celular ve el mundo como un lugar roto, perdido y espera que alguien vaya y lo arregle, el otro grupo celular invita al mundo roto, perdido en su grupo celular para traer esperanza y sanidad. ¿Cuál de ellos somos y cuál nos gustaría ser?

Estaba sentado en una reunión celular con un grupo de adultos mayores y ellos estaban haciendo un estudio sobre el Apocalipsis y los tiempos finales. Mientras discutieron los muchos problemas en nuestro mundo de hoy en día, se desanimaron, enojaron y desesperaron. Al final del grupo, las peticiones de oración fueron compartidas y todos se quejaron de sus vecinos, compañeros de trabajo y familiares perdidos. Cuando era mi turno, les pregunté: “¿Por qué no los invitas a este grupo?” En ese momento, por las miradas que recibí, tal vez pensé que crecía otra nariz. No estaban contentos con mi sugerencia. Me reuní con el líder la semana siguiente y hablamos de invitar a otros a la reunión celular. Ella estuvo de acuerdo en que necesitaban estar más enfocados hacia el exterior, así que en el próximo evento de compañerismo celular ella invitó a dos vecinos …. ¡Y vinieron! Esto infundió la célula con una nueva vida. Un vecino sigue viniendo y ha encontrado esperanza en Jesús. ¡Los miembros ahora están inspirados para invitar a otros!

Como líderes celulares, debemos ser el modelo de invitar a los miembros al grupo celular, hablar de ello regularmente y desafiar a los miembros a traer invitados. La gente puede ser vacilante para entrar en una iglesia, pero puede que no les importe ir con un amigo a una fiesta o evento con el grupo celular. Nuestros grupos celulares necesitan ser lugares donde la gente pueda venir a conocer a Jesús, hacer preguntas y sentirse seguros para ser ellos mismos.

En la Celebración, animamos a los grupos celulares a dar la bienvenida a los inconversos, buscamos respuestas y tenemos verdadera transparencia. Permitir que la gente venga al grupo como son, haga preguntas sobre la Biblia o diferentes religiones y no se espante o se condene. Esto puede ser difícil a veces, cuando las preguntas se ponen difíciles, pero mi respuesta es siempre “veamos lo que dice la Biblia acerca de eso”. Entonces podemos descubrirlo juntos estudiando la Palabra Viviente. Cuando la gente ve que el grupo celular es un lugar seguro, entonces estarán dispuestos a abrir sus corazones y compartir, así como, invitar a otros al grupo.

La Gran Comisión en Mateo 28: 19-20 dice: “Id y haced discípulos …” Los Grupos celulares son la salida perfecta para invitar a personas que buscan verdaderamente su propósito en este confuso y contradictorio mundo en el que vivimos hoy. No importa dónde te encuentres; En una biblioteca, cafetería, escuela, pueblo de retiro, o en casa, la gente está viendo y esperando para invitar a unirse a usted y grupo celular.

Reaching the Homeless in New Orleans

By Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.org

Three years ago, Celebration asked Cell Groups to find a “cause” that the group could adopt in order to reach out to the Greater New Orleans Area. One group in particular, ran with the idea! A ladies group decided to visit a living center for homeless teenage girls. They found out what supplies were needed and how they could help with this much needed service. One of the cell members in particular developed a heart and passion for helping these young women. She began going one evening each week and having practical life classes such as, balancing a checkbook, writing a resume, learning to read, etc. Not only was the cell member helping in practical ways, she also plans regularly scheduled days for the cell members to take the girls on picnics. During these picnics they would give the girls a yummy home cooked meal and share the Gospel. Many of the girls have asked Jesus to be their Lord and Savior through this outreach. The cell member was trying to find her purpose and she found it! Without her cell leader and group, she may not have found her purpose.

Cell Ministry is a place for people to grow and look outward to see what God has planned for them before the beginning of time. This is bigger than anything we could dream up on our own. Cell groups have the opportunity to let members discover what they are passionate about and how they can use their gifts, talents and abilities to expand the Kingdom of God.

As cell leaders, we need to encourage and empower cell members to find the ministry or people group that stirs their heart and allows them to explore God’s calling on their life. (Ephesians 4:11-12) This may be connecting them to a ministry within the church to teens, children or senior adult. Maybe it is a ministry outside of the church such as a homeless shelter, prison ministry, school tutoring programs, or pregnancy counseling centers. The cell members may also have something on their heart that does not even exist, yet in the community, but together the cell group can bring a much needed ministry to the area.

I believe that we all want to see our world changed by the saving grace of Jesus. When we allow our cell groups to dream and equip them to do the work of the ministry there is nothing that we can’t do and no problem that God has not given the solution for. (Ephesians 3:20) They are all sitting together in someone’s living room, a local coffee shop or a public school waiting to be asked where, when, and who do you want to reach out to for Jesus!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Atingindo os Sem-teto em Nova Orleans

Por Michelle Geoffrey

[Eu, Joel Comiskey, tenho o prazer de apresentar Michelle Geoffrey, Coordenadora do Grupo Vida na Celebration Church (Igreja da Celebração, em tradução livre), uma igreja baseada em células em Nova Orleans, Louisiana—pastor principal Dennis Watson]

Há três anos, a Igreja da Celebração pediu para os grupos de célula acharem uma “causa” que o grupo pudesse adotar a fim de alcançar a Grande Área de Nova Orleans. Um grupo em particular correu com a ideia! Um grupo de moças decidiu visitar um centro de vida para adolescentes sem-teto. Elas descobriram quais suprimentos eram necessários e como elas poderiam ajudar com este serviço tão necessário. Uma dos membros da célula em particular desenvolveu um coração e paixão por ajudar essas mulheres jovens. Ela começou a ir uma noite a cada semana e ter aulas de vida prática, como equilibrar um talão de cheques, escrever um currículo, aprender a ler, etc. Não só era o membro da célula ajudando de forma prática, ela também planeja dias regulares para os membros da célula levar as meninas em piqueniques. Durante estes piqueniques elas dariam às meninas uma deliciosa refeição caseira e compartilhariam o Evangelho. Muitas das meninas pediram a Jesus para ser seu Senhor e Salvador através deste alcance. O membro de célula estava tentando encontrar seu propósito e ela encontrou! Sem seu líder e grupo de células, ela poderia não ter encontrado seu propósito.

O Ministério Celular é um lugar para que as pessoas cresçam e vejam o que Deus planejou para elas antes do início dos tempos. Isso é maior do que qualquer coisa que pudéssemos imaginar sozinhos. Os grupos de células têm a oportunidade de permitir que os membros descubram sobre o que eles estão apaixonados e como eles podem usar seus dons, talentos e habilidades para expandir o Reino de Deus.

Como líderes de células, precisamos incentivar e capacitar os membros da célula para encontrar o ministério ou grupo de pessoas que agita seu coração e lhes permite explorar o chamado de Deus em sua vida. (Efésios 4: 11-12) Isto pode estar conectando-os a um ministério dentro da igreja para adolescentes, crianças ou mais velhos. Talvez seja um ministério fora da igreja, como um abrigo sem teto, ministério de prisões, programas de tutoria escolar ou centros de aconselhamento de gravidez. Os membros da célula também podem ter algo em seu coração que nem sequer existe na comunidade, mas juntos o grupo de célula pode trazer um ministério muito necessário para a área.

Eu acredito que todos nós queremos ver nosso mundo mudado pela graça salvadora de Jesus. Quando permitimos que nossos grupos de células sonhem e equipem-os para fazer o trabalho do ministério, não há nada que não possamos fazer e nenhum problema que Deus não tenha dado a solução. (Efésios 3:20) Todos estão sentados juntos na sala de estar de alguém, em uma cafeteria local ou em uma escola pública esperando para ser perguntado onde, quando e quem você quer alcançar para Jesus!

Spanish blog:

Alcanzando las personas sin hogar en Nueva Orleans

Por Michelle Geoffrey

[Yo, Joel Comiskey, me complace presentar a Michelle Geoffrey, coordinadora de los Grupos de Vida en La Iglesia Celebration, una iglesia basada en grupos celulares en Nueva Orleáns, Luisiana, el pastor principal Dennis Watson]

Hace tres años, Celebration pidió a los Grupos celulares que encontraran una “causa” que el grupo podría adoptar para alcanzar al Gran Área de Nueva Orleáns. ¡Un grupo en particular, corrió con la idea! Un grupo de damas decidió visitar un centro de vida para adolescentes sin hogar. Ellos descubrieron qué los materiales eran necesarios y cómo podrían ayudar con este tan necesario servicio. Uno de los miembros del grupo celular, en particular, desarrolló un corazón y pasión por ayudar a estas mujeres jóvenes. Ella comenzó a ir una tarde cada semana y tener clases prácticas tales como, equilibrio un talonario de cheques, como hacer un currículo vitae, aprender a leer, etc. No sólo era el miembro del grupo celular que ayuda de maneras prácticas, ella planea días regularmente programados para los miembros del grupo celular para llevar a las chicas a hacer picnics. Durante estos picnics darían a las muchachas una deliciosa comida casera y compartirán el evangelio. Muchas de las chicas han pedido a Jesús que sea su Señor y Salvador a través de este medio. El miembro del grupo celular estaba tratando de encontrar su propósito y ¡ella lo encontró! Sin su líder y grupo celular, puede que no haya encontrado su propósito.

El Ministerio Celular es un lugar para que las personas crezcan y miren hacia afuera para ver lo que Dios ha planeado para ellos antes del comienzo del tiempo. Esto es más grande que cualquier cosa que podríamos soñar por nuestra cuenta. Los grupos celulares tienen la oportunidad de permitir a los miembros descubrir lo que les apasiona y cómo pueden usar sus dones, talentos y habilidades para expandir el Reino de Dios.

Como líderes celulares, debemos alentar y capacitar a los miembros de la célula para encontrar el ministerio o grupo de personas que agita su corazón y les permite explorar el llamado de Dios en su vida. (Efesios 4: 11-12) Esto puede estar conectándolos con un ministerio dentro de la iglesia a adolescentes, niños o adultos. Tal vez sea un ministerio fuera de la iglesia, como un refugio para personas sin hogar, ministerio para prisioneros, programas de tutoría escolar o centros de consejería para embarazo. Los miembros del grupo celular también pueden tener algo en su corazón que ni siquiera existe, en la comunidad, pero juntos el grupo celular puede traer un ministerio muy necesario para el área.

Creo que todos queremos ver nuestro mundo cambiado por la gracia salvadora de Jesús. Cuando permitimos a nuestros grupos celulares soñar y equiparlos para hacer el trabajo del ministerio no hay nada que no podamos hacer y ningún problema que Dios no haya dado la solución. (Efesios 3:20) Todos están sentados juntos en la sala de alguien, en una cafetería local o en una escuela pública esperando a que se les pregunte dónde, cuándo y quién quiere llegar a Jesús.

Michelle

Cell Outreach in New Orleans

By Michelle Geoffrey

[I, Joel Comiskey, am pleased to introduce Michelle Geoffrey, Life Group Coordinator at Celebration Church, a cell-based church in New Orleans, Louisiana–lead pastor Dennis Watson, celebrationchurch.org)

My cell group meets at a coffee shop in the heart of New Orleans.  Last month there was a homeless lady on the corner so one of the members bought her breakfast and invited her to join us.  As we began the meeting, we asked the lady if she would like to participate and she said, “yes.”  We listened to her story about how she had come to this place in her life and then we asked her, “Has there ever been a time when you have asked Jesus to be the Lord of your life?” She said, “I have been thinking about it, but I want to get my life together first.”  We shared what it meant to know Jesus and she prayed to know Christ that morning and expressed how Jesus was much better at getting our lives together then we were.

One of the cell members looked uncomfortable and I could tell that she was not ready to share with this woman.  That was ok!  We were learning and growing together.  The next meeting, we debriefed about what happened and each of us felt challenged and excited about this opportunity we had to share about and then lead someone to Jesus.  Now each of us is a little more prepared to tell someone about Jesus and lead him or her in a prayer of salvation.

As this was taking place, I began to wonder how many of our cell groups were truly ready to lead someone to Jesus right there in Life Group.  Are we prepared to share our faith?  Do we know how to pray a prayer of salvation?  Are we only relying on a pastor at a worship service to do this for us?  Do we know if everyone in our group has a relationship with Jesus?  Are we a cell group that does outreaches just to do them or with the purpose of inviting non-believers to our group?  Or are we cell groups filled with believers that only discuss how lost the world is without bringing the solution?

This entire process showed me that we must be ready!  As pastors, cell leaders, or cell members, we must prepare ourselves to bring in the lost, broken and hurting and lead them through the plan of salvation that they may find healing and hope, especially in cell group.  We must arm ourselves so that we can be equipped not only to bring someone to church, but that each cell member can reach out to others in any situation.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evangelismo Celular em Nova Orleans

Por Michelle Geoffrey

[Eu, Joel Comiskey, tenho o prazer de apresentar Michelle Geoffrey, Coordenadora de Grupo Vida na Celebration Church, uma igreja em células em Nova Orleans, Louisiana– pastor principal Dennis Watson).

Minha célula se reúne em uma cafeteria no coração de Nova Orleans. No mês passado, havia uma senhora moradora de rua na esquina, então um dos membros comprou café da manhã para ela e a convidou para se juntar a nós. Quando começamos a reunião, perguntamos à senhora se ela gostaria de participar e ela disse “sim”. Ouvimos a história dela sobre como ela tinha chegado a este ponto em sua vida e então perguntamos a ela: “Houve algum momento em que você pediu a Jesus para ser o Senhor de sua vida?”. Ela disse: “Eu estive pensando nisso, mas eu quero arrumar minha vida primeiro”. Nós compartilhamos o que significava conhecer Jesus e ela orou para conhecer Cristo naquela manhã e expressamos como Jesus era muito melhor do que nós em conseguir arrumar nossas vidas.

Uma mulher entre os membros da célula parecia desconfortável e eu podia ver que ela não estava pronta para compartilhar com essa senhora. Tudo bem! Nós estávamos aprendendo e crescendo juntos. Na próxima reunião, nós discutimos sobre o que aconteceu e cada um de nós se sentiu desafiado e empolgado com esta oportunidade que tivemos para compartilhar sobre Jesus e depois conduzir alguém a Ele. Agora cada um de nós está um pouco mais preparado para contar a alguém sobre Jesus e levá-lo em uma oração de salvação.

Enquanto isso estava acontecendo, comecei a me perguntar quantos de nossas células estavam realmente prontas para levar alguém a Jesus ali no Grupo Vida. Estamos preparados para compartilhar nossa fé? Sabemos fazer uma oração de salvação? Estamos apenas confiando que um pastor em um culto de adoração fará isso por nós? Sabemos se todos no nosso grupo têm um relacionamento com Jesus? Somos uma célula que faz evangelismo apenas por fazer, ou temos o propósito de convidar os não-convertidos para o nosso grupo? Ou somos uma célula cheias de crentes que só discutem como o mundo é perdido sem trazer a solução?

Todo esse processo me mostrou que devemos estar prontos! Como pastores, líderes de células ou membros de células, devemos nos preparar para trazer os perdidos, quebrados e machucados e guiá-los através do plano de salvação para que eles possam encontrar cura e esperança, especialmente na célula. Devemos nos armar para que possamos ser equipados não só para trazer alguém para a igreja, mas para que cada membro da célula possa alcançar os perdidos em qualquer situação.

Spanish blog:

El alcance del grupo celular en Nueva Orleans

Por Michelle Geoffrey

[Yo, Joel Comiskey, me complace presentar a Michelle Geoffrey, coordinadora de los Grupos de Vida en La Iglesia Celebration, una iglesia basada en grupos celulares en Nueva Orleáns, Luisiana, el pastor principal Dennis Watson)

Mi grupo celular se reúne en una cafetería en el corazón de Nueva Orleans. El mes pasado había una señora sin hogar en la esquina, así que uno de los miembros le compró el desayuno y la invitó a unirse a nosotros. Cuando comenzamos la reunión, le preguntamos a la señora si quería participar y ella dijo “sí”. Escuchamos su historia sobre cómo había venido a este lugar en su vida y luego le preguntamos: “¿Ha habido alguna vez en que le has pedido a Jesús que sea el Señor de tu vida? “Ella dijo:” He estado pensando en eso, pero quiero arreglar mi vida primero. “Compartimos lo que significaba conocer a Jesús y ella oró para conocer a Cristo esa mañana y expresó cómo Jesús era mucho mejor en poner nuestras vidas juntos en vez de nosotros.

Uno de los miembros del grupo celular se veía incómodo y podía decir que no estaba lista para compartir con esta mujer. ¡Está bien! Estábamos aprendiendo y crecer juntos. La siguiente reunión, nos informó sobre lo que pasó y cada uno de nosotros nos sentimos desafiados y emocionados acerca de esta oportunidad que tuvimos que compartir y luego dirigir a alguien a Jesús. Ahora cada uno de nosotros está un poco más preparado para hablarle a alguien de Jesús y guiarlo en una oración de salvación.

Mientras esto sucedía, empecé a preguntarme cuántos de nuestros grupos celulares estaban realmente listos para dirigir a alguien a Jesús allí mismo en el Grupo de la Vida. ¿Estamos preparados para compartir nuestra fe? ¿Sabemos orar una oración de salvación? ¿Estamos confiando solamente en un pastor en un servicio de adoración para hacer esto por nosotros? ¿Sabemos si todos en nuestro grupo tienen una relación con Jesús? ¿Somos un grupo celular que hace extensiones sólo para hacerlas o con el propósito de invitar a los no creyentes a nuestro grupo? ¿O somos grupos celulares llenos de creyentes que sólo discuten cómo está perdido el mundo sin traer la solución?

¡Todo este proceso me mostró que debemos estar listos! Como pastores, líderes celulares o miembros de la célula, debemos prepararnos para traer a los perdidos, quebrantados y heridos y guiarlos a través del plan de salvación para que puedan encontrar sanidad y esperanza, especialmente en el grupo celular. Debemos armarnos para que podamos estar equipados no sólo para traer a alguien a la iglesia, sino que cada miembro del grupo celular pueda alcanzar a otros en cualquier situación.

Michelle

Cell Renewal

coach_mario2016speaking

Mario Vega, www.elim.org.sv

Although the human body is more or less permanent, it is also  constantly changing. Old cells s are discarded and new ones are formed. The cells lining the stomach only last for three days. Red blood cells, battered after the nearly 995 miles journey through the labyrinth of the circulatory system, live only about 120 days before being sent to their graveyard in the spleen.

Our skin is renewed approximately every two weeks. Even the bones change constantly. It is believed that the whole skeleton is renewed every ten years. If this cell renewal did not happen, humans would not live for more than a few days. Cell multiplication is the basis for the body to have life.

Similarly, home cells live as long as they can continue to multiply. For home cells to multiply, they need to have new members, which means they need to received invited guests and make room for them. Evangelism renews the cells and gives life to the entire church.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Renovação Celular

Por Mario Vega

Embora o corpo humano seja mais ou menos permanente, ele está sempre mudando. Células velhas são descartadas e novas células são formadas. As células que revestem o estômago duram apenas três dias. Os glóbulos vermelhos, desgastados após a viagem de quase 1600 quilômetros através do labirinto do sistema circulatório, vivem apenas cerca de 120 dias antes de serem enviados para o seu cemitério no baço.

A nossa pele é renovada aproximadamente a cada duas semanas. Até os ossos mudam constantemente. Acredita-se que o esqueleto inteiro é renovado a cada dez anos. Se essa renovação das células não acontecesse, os seres humanos não viveriam mais do que alguns dias. A multiplicação celular é a base para o corpo ter vida.

Da mesma forma, as células domésticas vivem enquanto conseguem continuar a se multiplicar. Para que elas se multipliquem, precisam ter novos membros, o que significa que elas precisam receber convidados e dar espaço para eles. O evangelismo renova a célula e dá vida a toda a igreja.

Spanish blog:

La renovación celular

por Mario Vega

Aunque uno vea su cuerpo como una estructura bastante permanente, gran parte de él se encuentra en constante cambio, ya que se descartan las células viejas y se forman otras nuevas. Las células que recubren el estómago solo duran tres días. Los glóbulos rojos, maltratados después del viaje de casi 1600 kilómetros a través del laberinto del sistema circulatorio, solo viven unos 120 días antes de ser enviados a su cementerio en el bazo.

Nuestra piel se renueva aproximadamente cada dos semanas. Incluso los huesos cambian constantemente, se cree que todo el esqueleto se renueva cada diez años. De no producirse esa renovación celular los seres humanos no viviríamos más que unos pocos días. La multiplicación de las células es la base para que el cuerpo tenga vida.

De igual manera, las células de hogar viven mientras puedan continuar multiplicándose. Si la multiplicación cesara ocurriría lo mismo que con las células biológicas: morirían muy pronto. Para que las células de hogar se multipliquen necesitan tener nuevos miembros y para que tengan nuevos miembros deben abrirse para recibir amigos invitados. La evangelización es la clave para la vitalidad de las células de hogar y, consecuentemente, para la iglesia misma.