Neglecting Key Parts of the Life Group

coaches_robLAY-web

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

It is a fact that there are Life group leaders who need help in maintaining vital parts of the group in the cell meeting. Some are new leaders and some do not have a clear vision of the overall cell meeting. In any case,  it is important for the cell Pastor to give specific guidelines to the leader through a detailed cell track. It should start with Ice Breaker suggestions, Worship suggestions, Word time with at least three questions that applies God’s Word to everyday life, and suggestions to do the Works time, which means evangelistic efforts for the cell. As the cell leader is matures, this cell order track can be softer and more flexible.

Another problem can be spending too much time in one of the parts of the cell meeting. Some cells spend a lot of time on the Ice Breaker and Worship time. People love to share their stories, talk about themselves, and sing and worship God for long periods–mainly in Latin culture countries. The Word gets only a short time and Works is completely neglected.

It is important that cell reports be filled out with all that happens in the cell, so the Supervisor can detect deficiencies and kindly make suggestions for corrections to these leaders.

Help us God!

Robert Lay

Cell Church Ministry Brazil

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Negligenciando Momentos Importantes da Célula

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

É um fato que existem líderes de célula que precisam de ajuda para manter partes vitais do grupo na reunião celular. Alguns são líderes novos e alguns não têm uma visão clara geral da reunião da célula. Em qualquer caso, é importante que o pastor responsável dê orientações específicas ao líder através de um trilho celular detalhado. Deve começar com sugestões de quebra-gelo, sugestões de adoração, tempo de palavra com pelo menos três questões que aplicam a Palavra de Deus ao cotidiano e sugestões para fazer o tempo de Obras, que significa esforços evangelísticos para a célula. À medida que o líder da célula vai amadurecendo, esse trilho de ordem celular pode ser mais suave e mais flexível.

Outro problema pode ser passar muito tempo em uma única parte da reunião celular. Algumas células gastam muito tempo no momento do quebra-gelo e da adoração. As pessoas adoram compartilhar suas histórias, conversar sobre si mesmas e cantar e adorar a Deus por longos períodos – principalmente nos países de cultura latina. Para o momento da palavra é dedicado apenas um curto período de tempo e o momento Obras é completamente negligenciado.

É importante que os relatórios das células sejam preenchidos com tudo o que acontece na célula, para que o supervisor possa detectar deficiências e fazer sugestões gentis para correções para esses líderes.

Ajude-nos, Deus!

Robert Lay

Ministério Igreja em Células Brasil

Spanish blog:

Descuidando puntos clave en la célula.

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

Es un hecho que hay líderes celulares que necesitan ayuda para mantener puntos vitales en la célula. Algunos líderes son nuevos y otros no tienen una visión clara de la célula en general. En cualquier caso, es importante que el Pastor provea  lineamientos específicos al líder a través de un detallado curso célular. Este debería comenzar con sugerencias para romper el hielo, sugerencias en la adoración, en el tiempo de la enseñanza, hacer al menos tres preguntas que apliquen la Palabra de Dios a la vida diaria y dando sugerencias para hacer Obras, lo que significa hacer esfuerzos evangelísticos en la célula. A medida que el líder de la célula madura, este curso celular puede ser más ligero y más flexible.

Otro problema puede ser, usar demasiado tiempo en uno de los puntos de la célula. Algunas células usan mucho tiempo en romper el hielo  y en el momento de adoración. A las personas les encanta compartir sus historias, hablar de sí mismos, cantar y adorar a Dios por largos períodos – principalmente en los países de cultura latina. La Enseñanza recibe sólo un período corto y las Obras (evangelismo) son completamente descuidadas.

Es importante que los informes de la célula se llenen con todo lo que sucede en esta, así el supervisor puede detectar deficiencias y amablemente hacer sugerencias para corregir a los líderes.

¡Dios, Ayúdanos!

Robert Lay

Cell Church Ministry Brasil

Avoiding the mini-service syndrome

coach_mario2016speaking

Mario Vega, www.elim.org.sv

The main obstacle leaders face when leading cell groups is the so-called “mini-service syndrome.” Some leaders have the tendency to reproduce in the house what is observed in the church building. For example, instead of natural worshiping together as brothers and sisters in a small group, the leader develops a praise and worship exactly like the Sunday service. Instead of a participatory gospel teaching, the leader preaches as if he were preaching on Sunday morning.

Of course, it’s understandable why this happens. One can understand the strong influence exerted by the service model on the cell, as well as the leader’s longing to become a preacher. Yet, converting the cell into a mini-service ruins the essential purposes of fellowship, edification and evangelization. It ruins the the fellowship that should be achieved by the fraternal exchange in a small meeting, the edification that comes from the communal study of the word of God, and the evangelization that is produced more by relational outreach rather than speeches.

The leader must understand the nature of the cell and understand that there are other spaces where he can develop his interest to become a preacher. But, the space of the cell must be reserved to make new disciples who make other disciples. That will not be achieved if the leader monopolizes all functions and becomes the center of the cell. The leader must be a facilitator and a motivator of collective participation. At that point lies the success of the cell and all the cell work.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evitando a Síndrome do Mini-Serviço

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Os principal obstáculo que os líderes enfrentam na liderança de células é a chamada “síndrome do mini-serviço”. Alguns líderes têm a tendência de reproduzir na célula o que ele ou ela vê no prédio da igreja. Por exemplo, em vez de adorar naturalmente juntos como irmãos e irmãs em um pequeno grupo, o líder desenvolve louvores e adoração exatamente como no culto de domingo. Em vez de um ensinamento do evangelho participativo, o líder prega como se ele estivesse pregando no culto.

Claro, é compreensível por que isso acontece. Pode-se compreender a forte influência exercida pelo modelo do culto na célula, bem como o desejo do líder de se tornar um pregador. No entanto, transformar a célula em um mini-culto arruina os propósitos essenciais da comunhão, edificação e evangelização. Isso arruina a comunhão que deve ser alcançada pela comunhão fraterna em uma pequena reunião, a edificação que vem do estudo comunal da Palavra de Deus e a evangelização que é mais produzida pelo evangelismo relacional do que em discursos.

O líder deve entender a natureza da célula e entender que existem outros espaços onde ele pode desenvolver seu interesse em ser um aprendiz de pregador. Contudo, o espaço da célula deve ser reservado para fazer novos discípulos que façam outros discípulos. Isso não será alcançado se o líder monopolizar todas as funções e se tornar o centro da célula. O líder deve ser um facilitador e um motivador da participação coletiva. É nesse ponto que está o sucesso da célula e todo a obra celular.

Spanish blog:

Evitando el síndrome del mini-culto

por Mario Vega, www.elim.org.sv

El principal obstáculo que enfrentan los líderes para mantenerse dentro del programa de la célula es el llamado “síndrome del mini-culto”. Con él no solamente se deforma el programa de la célula sino su espíritu mismo, pues el líder tiende a reproducir en la casa lo que ve en el edificio de la iglesia. En lugar de una alabanza en que se haga participar a los invitados, desarrolla una alabanza semejante a la del culto. En lugar de una enseñanza participativa del evangelio, se dedica a predicar como si fuera un pastor.

Se puede entender la fuerte influencia que ejerce el modelo del culto sobre la célula, como también el anhelo del líder de convertirse en un predicador. Pero, al alejarse del programa de la célula echa a perder los propósitos esenciales que son el de la comunión, la edificación y la evangelización. La comunión que debería lograrse por el intercambio fraterno en una reunión pequeña, la edificación que viene por el estudio comunitario de la palabra de Dios y la evangelización que se produce más por la forma de vida que por los discursos.

El líder debe comprender muy bien la naturaleza de la célula y comprende que existen otros espacios en donde puede desarrollar su interés de ser un aprendiz de predicador. Pero, el espacio de la célula debe ser reservado para formar nuevos discípulos que hagan a otros discípulos. Eso no se logrará si el líder acapara todas las funciones y se convierte en el centro de la célula. El líder debe ser un facilitador y un motivador de la participación colectiva. En ese punto reside el éxito de la célula y de todo el trabajo celular.

Asking Powerful Questions in Cell

By Twyla Brickman,

[I, Joel Comiskey, am excited to present Twyla, who has been part of the Cell Church movement for over thirty years, Twyla and her husband, Les, have ministered in Nairobi, Kenya since 2008. She is the creator of the well-known “Boot Camp” (now called Exploring Cell Life) and other cell resources. The following blog is an excerpt from her “The Cell En-CELL-clopedia,” a work of almost 1,000 pages in downloadable pdf format for easy use available at www.strategiccell.com.]

Questions are a big part of any cell gathering. During the Welcome, you kick off the cell by asking an icebreaker question. During the Word, you ask questions to make personal application.  However, your interaction with your cell can’t be scripted! You never know what they may share, to what statements you’ll need to respond, or additional questions you may need to ask to probe that lead into ministry.

Besides the formal questions you ask in cell, as a Cell Leader you are also calling and meeting with your cell members weekly in order to get to know them and provide pastoral care. Asking closed questions won’t get the job done! Only using open-ended questions will you truly be able to find out about them, their lives, needs, concerns, feelings, ideas, etc.

A simple working definition of a closed question is one that can be answered with “yes” or “no”. In a closed question you are really making a statement that you want either confirmed or denied. So often you may do this without even realizing it, but you will not gain new information. The conversation does not go anywhere since you have asked a question that requires only a one-word answer. Sometimes we kill the discussion or conversation ourselves without realizing it due to the use of closed questions!

In contrast to closed questions, open-ended questions require an explanation. It can’t be answered with “yes” or “no”. The person answering is required to think, disclose more of themselves, and provide a fuller answer. How can you be sure you are asking open-ended questions? Begin the question with HOW, WHY, DESCRIBE, TELL ABOUT, or WHAT. Such a question will illicit a deeper response.

Here are some sample Open Questions:

  • Tell me a little more about that.
  • What was significant to you about that experience?
  • How’s school going?
  • What’s been happening in your life during the last week?
  • Describe your feelings as a result of that conversation.
  • Why do you think it hurt you so badly?

To go even deeper, use a Direct question that points straight to the heart of the issue:

  • Who benefits most from that course of action?
  • How does that response line up with Scripture?

Ownership Questions focus on taking responsibility or being proactive:

  • What do YOU think the answer is?
  • How might your actions have contributed to the problem?
  • What do you think God is trying to form in your character in this situation?

Revealing Questions help us look at a situation in a fresh way:

  • What is God’s heart for this person right now? How does He see them?
  • If you could do anything in this area, with unlimited resources, what would it be?

It’s a learned skill, so keep practicing! You will get what you ask for…just be sure you’re asking the right kinds of questions!

You do not have because you do not ask. James 4:2b

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Fazendo Perguntas Poderosas na Célula

Por Twyla Brickman

[Eu, Joel Comiskey, estou animado para apresentar Twyla, que faz parte do movimento da Igreja em Células há 30 anos. Twyla e seu marido Les têm ministrado em Nairóbi, Quênia, desde 2008. Ela é a criadora do famoso “Boot Camp” (“Campo de Treinamento”, em tradução livre, agora chamado de “Exploring Cell Life”- “Explorando a Vida Celular”, em tradução livre) e outros recursos celulares. O seguinte blog é um trecho de “The Cell En-CELL-clopedia”, um trabalho de quase 1.000 páginas em formato pdf para download para uso fácil, disponível no site www.strategiccell.com]

As perguntas são uma grande parte de qualquer reunião celular. Durante as “Boas-vindas”/Recepção, você inicia a célula fazendo uma pergunta de quebra-gelo. Durante a Palavra, você faz perguntas para fazer uma aplicação pessoal. No entanto, sua interação com sua célula não pode ser engessada! Você nunca sabe o que eles podem compartilhar, quais as afirmações que você precisará responder, ou perguntas adicionais que você precisará fazer para explorar essa liderança no ministério.

Além das perguntas formais que você faz na célula, como líder de célula você também deve ligar e se reunir semanalmente com seus membros da célula para conhecê-los e fornecer cuidados pastorais. Fazer perguntas fechadas não vai funcionar! Somente usando perguntas abertas você realmente poderá descobrir sobre eles, suas vidas, necessidades, preocupações, sentimentos, ideias, etc.

Uma definição simples de uma questão fechada é aquela que pode ser respondida com “sim” ou “não”. Em uma pergunta fechada, você está realmente fazendo uma declaração que deseja que seja confirmada ou negada. Muitas vezes, você pode fazer isso sem sequer perceber, mas você não ganhará novas informações. A conversa não chega a lugar algum, pois você fez uma pergunta que exige uma resposta de apenas uma palavra. Às vezes, matamos a discussão ou a conversa, sem perceber isso devido ao uso de perguntas fechadas!

Em contraste com perguntas fechadas, questões abertas requerem uma explicação. Elas não podem ser respondidas com “sim” ou “não”. A pessoa que responde é obrigada a pensar, revelar mais de si mesma e fornecer uma resposta mais completa. Como você pode ter certeza de que está fazendo perguntas abertas? Comece a pergunta com COMO, POR QUE, DESCREVA, FALE SOBRE ou O QUE. Tal questão irá exigir uma resposta mais profunda.

Aqui estão alguns exemplos de Questões Abertas:

  • Fale-me um pouco mais sobre isso.
  • O que foi significante para você nessa experiência?
  • Como está a escola?
  • O que aconteceu na sua vida na última semana?
  • Descreva os sentimentos que você teve com essa conversa.
  • Por que você acha que isso te machuca tanto?

Para ir ainda mais profundo, use uma pergunta Direta que aponte diretamente para o coração da questão:

  • Quem se beneficia mais desse tipo de ação?
  • Como essa resposta se alinha com as Escrituras?

Perguntas de Propriedade se concentram em assumir a responsabilidade ou ser proativo:

  • Qual você acha que é a resposta?
  • Como as suas ações podem ter contribuído para o problema?
  • O que você acha que Deus está tentando formar em seu caráter nessa situação?

Perguntas reveladoras ajudam-nos a olhar para uma situação de forma diferente:

  • O que está no coração de Deus para essa pessoa agora? Como ele a vê?
  • Se você pudesse fazer qualquer coisa nessa área com recursos ilimitados, o que você faria?

Isso é uma habilidade aprendida, então continue praticando! Você receberá o que você pedir… Apenas tenha certeza de que está fazendo o tipo certo de perguntas!

Não têm, porque não pedem. Tiago 4:2b

Spanish blog:

Haciendo preguntas poderosas en la célula

Por Twyla Brickman

[Yo, Joel Comiskey, estoy emocionado de presentar a Twyla, que ha sido parte del movimiento de la Iglesia Celular por más de treinta años, Twyla y su esposo, Les, han ministrado en Nairobi, Kenia desde 2008. Ella es la creadora del reconocido “Boot Camp” (ahora llamado Exploring Cell Life) y otros recursos celulares. El siguiente blog es un extracto de su “The Cell En-CELL-clopedia”, una obra de casi 1.000 páginas en formato pdf descargable para su fácil uso, disponible en www.strategiccell.com.]

Las preguntas son una gran parte de cualquier célula. Durante la bienvenida, inicia haciendo preguntas para romper el hielo; durante la Palabra, haz preguntas para hacer aplicaciones personales. ¡Sin embargo, tu interacción con la célula no debe estar planeada! Ya que no conoces lo que los miembros podrían compartir, las opiniones a las que tendrás que responder, o las preguntas adicionales que necesitaras contestar.

Además de las preguntas formales que haces en la célula, como líder debes llamar y reunirte con los miembros de esta en la semana, para poder conocerles y para proveerles atención pastoral. ¡Hacer preguntas cerradas no hará que cumplas con tú tarea! solo haciendo preguntas abiertas serás verdaderamente capaz de conocer acerca de ellos, de sus vidas, necesidades, preocupaciones, sentimientos, ideas, etc.

Una simple definición para una pregunta cerrada es, una que se puede responder con “sí” o un “no”. En una pregunta cerrada lo que realmente estás haciendo es una declaración de que deseas ya sea una confirmación o negación. Muy a menudo harás esto incluso sin notarlo, pero así no obtendrás nueva información. La conversación no va a ninguna parte; ya que has hecho una pregunta que requiere sólo una respuesta de una palabra. ¡A veces nosotros mismos matamos la discusión o la conversación sin darnos cuenta, debido al uso de preguntas cerradas!

En contraste con las preguntas cerradas, las preguntas abiertas requieren de una explicación. No se puede responder con “sí” o “no”. La persona que responde tiene que pensar, revelar más de sí mismo y dar una respuesta más completa. ¿Cómo puede estar seguro de que está haciendo preguntas abiertas? Empieza la pregunta con un CÓMO, POR QUÉ, DESCRIBA, CUENTEME ACERCA DE, ó QUÉ. Dicha pregunta dará paso a una respuesta más profunda.

Aquí hay algunos ejemplos, Preguntas Abiertas:

  • Cuéntame un poco más sobre eso.
  • ¿Qué significó para ti esa experiencia?
  • ¿Cómo va la escuela?
  • ¿Qué ha estado sucediendo en tu vida durante la última semana?
  • Describe tus sentimientos como resultado de esa conversación.
  • ¿Por qué crees que te duele tanto?

Para ir aún más profundo, utiliza una pregunta directa que señala directamente al corazón del problema:

  • ¿Quién se beneficia más de ese curso de acción?
  • ¿Cómo se ajusta esa respuesta con la Escritura?

Las preguntas de propiedad se centran en asumir la responsabilidad o ser proactivos:

  • ¿Cuál piensas que es la respuesta?
  • ¿Cómo han contribuido tus acciones al problema?
  • ¿Qué crees que Dios está tratando de formar en tu carácter con esta situación?

Las preguntas reveladoras nos ayudan a mirar la situación de una manera fresca:

  • ¿Cómo es el corazón de Dios con esta persona en este momento? ¿Cómo los ve El?
  • Si pudieras hacer algo en esta área, con recursos ilimitados, ¿cuál sería?

Es una habilidad que se debe de aprender, así que sigue practicando! Obtendrás lo que pides… ¡sólo asegúrate de que estas haciendo el tipo correcto de preguntas!

No tenéis lo que deseáis, porque no pedís. Santiago 4: 2b

Listening to Others

By Twyla Brickman,

[I, Joel Comiskey, am excited to present Twyla, who has been part of the Cell Church movement for over thirty years, Twyla and her husband, Les, have ministered in Nairobi, Kenya since 2008. She is the creator of the well-known “Boot Camp” (now called Exploring Cell Life) and other cell resources. The following blog is an excerpt from her “The Cell En-CELL-clopedia,” a work of almost 1,000 pages in downloadable pdf format for easy use available at www.strategiccell.com.]

He who gives an answer before he hears, it is folly and shame to him.  Proverbs 18:13

Listening to God may seem hard, especially in the beginning, as you learn to lead cell. However, listening in one direction is not all there is. You must listen in a second direction at the same time! Yes, even as you are leading cell and listening to God, you are also listening to Cell Members share!

Obviously, listening to people does not carry the same weight as listening to God. However, you are not listening to Cell Members for cues on how to lead the cell. YOU are the one leading, as you are being led by the Lord. Listening to people does not mean that just because someone wants to go down a “bunny trail”, you need to let them take the cell off-topic in the name of “listening to them”. Don’t hand over the reigns to a person in the cell. They do not need to share a monologue for thirty minutes. Likewise, just because some Cell Members don’t want to share deeply, doesn’t mean that you listen to them and have a nice superficial discussion in cell. So then, what does it mean to listen to the people?

Even more than a skill learned, though, listening to both others and God requires death to self. You can’t be focused on yourself at the same time that you are attempting to listen. If you are unprepared to lead the cell, overly consumed with what you are supposed to be doing next, insecure, worried about what the Cell Members think about you, then you will not be able to listen to others, or the Lord. Get beyond yourself in order to hear clearly.

Becoming a good listener pays off in all of our relationships, whether it is listening to a boss, friends, a spouse, children, family members, someone you are experiencing conflict with, or Cell Members. Here are a few listening tips when listening to people:

  • Start by listening instead of talking!
  • Listen attentively, actively.
  • Listen without thinking about what you are going to say next.
  • Listen so you can repeat back to the person what you heard them say.
  • Listen so as to gain true understanding of what they are expressing in words.
  • Watch and listen for such things as dreams, passions, or values.
  • Pay attention if you get any “red flags” or strong emotions.
  • Watch and listen for anything in body language, tone, tears, or emotions that are not necessarily expressed with words. It’s still part of the message!
  • Listen so you can ask focused questions to draw them out more.
  • Follow your curiosity to ask deeper questions.

If Jesus chose to function exclusively according to what He heard the Father say, then shouldn’t we? Come to cell with your “big Dumbo” ears to listen to both God and others. Model for and encourage your cell members to do the same!

…Be quick to hear, slow to speak…James 1:19

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Ouvindo os Outros

Por Twyla Brickman

[Eu, Joel Comiskey, estou animado para apresentar Twyla, que faz parte do movimento da Igreja em Células há 30 anos. Twyla e seu marido Les têm ministrado em Nairóbi, Quênia, desde 2008. Ela é a criadora do famoso “Boot Camp” (“Campo de Treinamento”, em tradução livre, agora chamado de “Exploring Cell Life”- “Explorando a Vida Celular”, em tradução livre) e outros recursos celulares. O seguinte blog é um trecho de “The Cell En-CELL-clopedia”, um trabalho de quase 1.000 páginas em formato pdf para download para uso fácil, disponível no site www.strategiccell.com]

Quem responde antes de ouvir, comete insensatez e passa vergonha. Provérbios 18:13

Ouvir Deus pode parecer difícil, especialmente no início, à medida que você aprende a liderar células. No entanto, ouvir em uma direção não é tudo o que existe. Você deve ouvir em uma segunda direção ao mesmo tempo! Sim, mesmo quando você está liderando a célula e ouvindo Deus, você também deve ouvir os membros da célula!

Obviamente, ouvir pessoas não tem o mesmo peso que ouvir Deus. No entanto, você não está ouvindo membros da célula por sugestões sobre como liderar a célula. VOCÊ é o líder, você que está sendo liderado pelo Senhor. Ouvir às pessoas não significa que apenas porque alguém quer descer uma “trilha de coelho”, você precisa deixá-los tirar a célula do tópico só para poder “escutá-los”. Não entregue os reinos a uma pessoa da célula. Eles não precisam compartilhar um monólogo por trinta minutos. Da mesma forma, apenas porque alguns membros da célula não querem compartilhar profundamente, não significa que você vai escutá-los e ter uma discussão superficial na célula. Então, o que significa ouvir as pessoas?

Mais do que uma habilidade aprendida, ouvir às pessoas e a Deus exige a morte de si mesmo. Você não pode se concentrar em si próprio ao mesmo tempo em que está tentando ouvir. Se você não está preparado para liderar a célula, está excessivamente consumido com o que deveria fazer em seguida, inseguro, preocupado com o que os membros da célula pensam sobre você, então você não poderá ouvir os outros e nem o Senhor. Vá além de si mesmo para ouvir claramente.

Tornar-se um bom ouvinte compensa em todos os nossos relacionamentos, seja ouvindo um chefe, amigos, cônjuge, filhos, membros da família, alguém com quem você está enfrentando conflitos ou membros da célula. Aqui estão algumas dicas de escuta para ouvir pessoas:

  • Comece ouvindo ao invés de falar!
  • Ouça atentamente e ativamente;
  • Ouça sem pensar sobre o que você vai dizer em seguida;
  • Ouça para que você possa repetir para a pessoa o que a ouviu dizendo;
  • Ouça para ganhar um entendimento verdadeiro sobre o que estão expressando em palavras;
  • Olhe e ouça em busca de sonhos, paixões e valores;
  • Preste atenção se você perceber alguma “bandeira vermelha” ou emoções fortes;
  • Olhe e ouça em busca de algum sinal de linguagem corporal, tonalidade, lágrimas ou emoções que não são necessariamente expressadas com palavras. Isso tudo ainda faz parte da mensagem!
  • Ouça para que você possa fazer perguntas direcionadas para puxá-los mais;
  • Siga sua curiosidade para fazer perguntas profundas.

Se Jesus escolheu funcionar exclusivamente de acordo com o que Ele ouviu o Pai dizer, então não devemos fazer isso também? Venha para a célula com seus ouvidos grandes de “Dumbo” para ouvir Deus e outros. Seja um modelo e incentive os membros da sua célula a fazer o mesmo!

…Seja pronto para ouvir, tardio para falar… Tiago 1:19

Spanish blog:

Escuchando a los demás

Por Twyla Brickman

[Yo, Joel Comiskey, estoy emocionado de presentar a Twyla, que ha sido parte del movimiento de la Iglesia Celular por más de treinta años, Twyla y su esposo, Les, han ministrado en Nairobi, Kenia desde 2008. Ella es la creadora del reconocido “Boot Camp” (ahora llamado Exploring Cell Life) y otros recursos celulares. El siguiente blog es un extracto de su “The Cell En-CELL-clopedia”, una obra de casi 1.000 páginas en formato pdf descargable para su fácil uso, disponible en www.strategiccell.com.]

Es necio y vergonzoso responder antes de escuchar. Proverbios 18:13 (NVI)

A medida que aprendes a conducir la célula, especialmente al principio, escuchar a Dios puede parecer difícil. Sin embargo, escuchar en una dirección no lo es todo. ¡Debes escuchar en una segunda dirección al mismo tiempo! Sí, incluso mientras estás liderando la célula y escuchando a Dios, también estarás escuchando compartir a los miembros de la célula!

Obviamente, escuchar a las personas no tiene el mismo peso que escuchar a Dios. Sin embargo, no estás escuchando a los miembros de la célula para que te den pistas sobre cómo dirigir la célula. Tú eres el que guía, asi como tú eres guiado por el Señor. Escuchar a las personas no significa que sólo porque alguien quiere ir en círculos, es necesario dejar que lleven a la célula fuera del tema, con la intención de que ” ellos sean escuchados”. No entregues las riendas de la célula a una persona, no necesitan compartir un monólogo durante treinta minutos. Del mismo modo, sólo porque algunos miembros de la célula no quieran compartir de manera profunda, no significa que tienes que escuchar y tener una agradable y superficial discusión con ellos. Entonces, ¿qué significa escuchar a la personas?

Aún más que una habilidad adquirida, escuchar a los demás y a Dios requiere la muerte a sí mismo. No puedes concentrarte en ti mismo al mismo tiempo que estás intentando escuchar. Si no estás preparado para dirigir la célula, estas excesivamente consumido por lo que se supone que vas a hacer después, inseguro, preocupado por lo que piensan los miembros de la célula acerca de ti. Así no podrás escuchar a los demás ni al Señor. Debes ir más allá de ti mismo para escuchar claramente.

Convertirse en un buen oyente vale la pena en todas nuestras relaciones, ya sea escuchando a un jefe, amigos, un cónyuge, hijos, familiares, alguien con quien estés experimentando conflictos o con miembros de la célula. Éstos son algunos consejos para escuchar, cuando escuchas a los demás:

  • Comienza por escuchar en vez de hablar!
  • Escucha sin pensar en lo que vas a decir a continuación.
  • Escucha para que puedas repetir a la persona lo que escuchaste.
  • Escucha para obtener una verdadera comprensión de lo que están expresando en palabras.
  • Observa y escucha elementos, como sueños, pasiones o valores.
  • Presta atención si recibes alguna “señal de alerta” o emociones fuertes.
  • Observa y escucha cualquier señal en el lenguaje corporal, tono, lágrimas o emociones que no se expresan necesariamente con palabras. ¡Esto sigue siendo parte del mensaje!
  • Escucha para que puedas hacer preguntas específicas y asi obtener más información.
  • Sigue tu curiosidad para hacer preguntas más profundas.

Si Jesús escogió actuar exclusivamente de acuerdo con lo que Él escucho decir al Padre, ¿entonces por qué nosotros no? Ven a la célula con tus “grandes orejas de Dumbo” para escuchar tanto a Dios como a los demás. ¡Moldea y anima a los miembros de la célula a hacer lo mismo!

…Todos deben estar listos para escuchar, y lentos para hablar… Santiago 1:19 (NVI)

 

Vital Components 

coaches_jeffTun2011

By Jeff Tunnell

Have you heard the phrase, “the cell is the church but the church is more than one cell”?  For many, the cell group is their main participation in the body of Christ each week. It is the point of their fellowship and worship in a group. This is where they mature and find a place of ministry, themselves being used by the Holy Spirit.

For these reasons it is important that none of the activities of the cell meeting are bypassed or disregarded. We all need time to listen to others and to be heard in an atmosphere of fellowship. The life of worship together is the moment we focus together on the goodness of our God. Listening to His word and discussing its meaning strengthens us and feeds us, since it’s the bread of life. Ministering to one another by the giftings of the Holy Spirit brings pointed relief in a world of struggle.  And leaving the meeting with an outward focus on spreading the gospel is a healthy outcome.

These vital components of living together in the body of Christ do not require equal time in each meeting.  When we are led by the generosity of the Holy Spirit, He will show us what needs to be emphasized. Sometimes we find ourselves filled with God’s presence in worship, and we will remain there a little longer. Other times we may find powerful discussion of His word will take a little longer. We need not be religious in our application of the vital components. However, we need to remain mindful of the importance of each part, excluding none.

We value the importance of each cell group existing as the church!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Componentes Vitais

Por Jeff Tunnell

Você já ouviu a frase: “a célula é a igreja, mas a igreja é mais do que uma célula”? Para muitos, a célula é a principal participação no corpo de Cristo todas as semanas. É o ponto de sua irmandade e adoração em um grupo. Aqui é onde eles amadurecem e encontram um lugar de ministério, sendo eles mesmos usados pelo Espírito Santo.

Por estas razões, é importante que nenhuma das atividades da reunião celular seja ignorada ou desconsiderada. Todos nós precisamos de tempo para ouvir os outros e sermos ouvidos em uma atmosfera de comunhão. A vida de adoração juntos é o momento em que nos concentramos na bondade de nosso Deus. Ouvir a Sua Palavra e discutir o seu significado nos fortalece e nos alimenta, pois é o pão da vida. Ministrar uns aos outros com os dons do Espírito Santo traz alívio em um mundo de lutas. E fazer com que a reunião tenha um foco externo em espalhar o evangelho é um resultado saudável.

Esses componentes vitais de viver juntos no corpo de Cristo não requerem um tempo igual em cada reunião. Quando somos liderados pela generosidade do Espírito Santo, Ele nos mostrará o que precisa ser enfatizado. Às vezes, nos encontramos cheios da presença de Deus na adoração, e permaneceremos nesse momento um pouco mais. Outras vezes, podemos encontrar uma discussão poderosa sobre Sua palavra que levará um pouco mais de tempo. Não precisamos ser religiosos em nossa aplicação desses componentes vitais. No entanto, precisamos permanecer conscientes da importância de cada parte, sem excluir alguma.

Valorizamos a importância de cada célula existente como a igreja!

Spanish blog:

Componentes Vitales

Por Jeff Tunnell

¿Has escuchado la frase “la célula es la iglesia, pero la iglesia es más que una célula?. Para muchos, cada semana, la célula es su principal participación en el cuerpo de Cristo. Es su punto de compañerismo y de adoración. Aquí es donde maduran y encuentran un lugar de ministerio, siendo ellos mismos usados por el Espíritu Santo.

Por estas razones es importante que ninguna de las actividades de la célula sean ignoradas o menospreciadas. Todos necesitamos tiempo para escuchar a los demás y para ser escuchados en una atmosfera de compañerismo. La vida de adorar juntos, es el momento en el cual nos concentramos en la bondad de nuestro Dios. Escuchar Su palabra y discutir su significado nos fortalece y nos alimenta, ya que esta es el pan de vida. Ministrándonos unos a otros por los dones del Espíritu Santo, que traen consigo alivio en mundo de dificultades. Y así dejan a la célula un enfoque externo en la difusión del evangelio siendo este un resultado saludable.

Los componentes vitales de vivir juntos en el cuerpo de Cristo no requieren igual periodo de tiempo en cada reunión. Cuando somos guiados por la generosidad del Espíritu Santo, Él nos mostrara los componentes que necesitamos enfatizar. En ocasiones, nos encontraremos llenos de la presencia de Dios en la adoración y permaneceremos ahí un poco más; en otras ocasiones, estaremos en medio de un poderoso debate acerca de Su palabra y eso nos tomara un poco más. No tenemos que ser religiosos en la aplicación de los componentes vitales, sin embargo, necesitamos permanecer conscientes de la importancia de cada componente, no excluyendo ninguno.

Valoramos la importancia de cada célula existente, como la iglesia.

God Is in Disruptive Problems

coaches_scottBoren

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

[the following blog is adapted from Grouping Your Church in the Way of Jesus. Secure your free copy of the e-book at www.mscottboren.org/books]

Problems in our group disrupt the status quo. They interrupt our plans. They cause stress. And they force us to adjust. Many times, leaders assume that the goal is to return to the status quo and get back to a place where we are in control. Instead we need to learn to see the problem as an opportunity for God to disrupt with his presence.

For instance, think about this on an individual level. When we read the Bible and see that God is called “Father,” for some this is a good thing because they have or had good, faithful fathers. For many others, however, this is a hopeless expression. The name Father does not stir up positive images. Their experience here on earth has looped them into a perpetually limited understanding of what it means for God to be Father.

Only if God redefines Father according to the way that the Father is Father can we understand who God the Father is. Only if God breaks into our loop from the outside can we see God for who God is. This applies to both those with good earthly fathers and those with horrible father experiences. God’s Fatherhood is analogous to faithful fatherhood in this life, but it is as different as life on the moon would be from life on earth.

The Church Father Hilary stated, “God cannot be apprehended except through himself.” To extend this to the way we lead a group through problems, we cannot see the way that God would call us to lead except through God himself being with us to show us how to lead. We are not leading in the way of Jesus by compiling our best ideas about leading and then going about the work. We are not left to ourselves to figure out God’s plan for our group to solve the problem. We need God’s disruptive presence to show us something we do not expect. Just as Jesus disrupted people’s expectations when he came 2000 years ago, the way of Jesus depends upon Jesus breaking into our loop to show us the way to be with God and with one another.

Jesus disrupted normal patterns through weakness, becoming the servant of servants, and dying on a cross. God came to be with the world. He did not come to fix the world, even when people asked him to fix it. He did not embrace the mentality of doing something for others so that they might consume his spiritual services. He instead invited them to be with him and be with others.

This disruption is not something we plan so that we can go from one level of triumph to the next. Often we are most aware of God’s interruptive presence when we hit a wall, when we face problems. Our groups are not working like we wish they would. The strategies we have learned through various models just don’t pan out. Then we cry out to God and the Spirit leads us into a kind of death. And from this death, the Spirit brings resurrection.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Deus Age nos Problemas Perturbadores

Por Scott Boren, O Centro para Comunidade e Missão (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter @mscottboren

[O blog seguinte foi adaptado do livro “Grouping Your Church in the Way of Jesus” {Agrupando Sua Igreja no Caminho de Jesus, em tradução livre}. Garanta sua cópia gratuita do e-book em www.mscottboren.org/books].

Problemas no nosso grupo perturbam o “status quo”. Eles interrompem nossos planos. Eles causam estresse. E eles nos obrigam a fazer ajustes. Muitas vezes, os líderes assumem que o objetivo é retornar ao status quo, ao estado normal, e voltar para um lugar onde estamos no controle. Em vez disso, precisamos aprender a ver o problema como uma oportunidade para Deus entrar com Sua presença.

Por exemplo, pense nisso em um nível individual. Quando lemos a Bíblia e vemos que Deus é chamado de “Pai”, para alguns, isso é bom porque eles têm ou tiveram pais bons e fiéis. Para muitos outros, no entanto, essa é uma expressão sem esperança. O nome Pai não suscita imagens positivas. Sua experiência aqui na Terra lhes proporcionou uma compreensão perpetuamente limitada do que significa que Deus seja Pai.

Somente se Deus redefinir o que é ser Pai de acordo com a maneira como um Pai é Pai, podemos entender quem é o Deus Pai. Somente se Deus entrar em nosso círculo, podemos ver Deus por quem Deus é. Isso se aplica tanto a pessoas com bons pais terrenos como a pessoas com horríveis experiências de pai. A paternidade de Deus é análoga à paternidade fiel nesta vida, mas é tão diferente quanto a vida na lua seria da vida na terra.

A Igreja Father Hilary afirmou: “Deus não pode ser apreendido, exceto por meio de Si mesmo”. Para estender isso à maneira como conduzimos um grupo através de problemas, nós não conseguimos ver o caminho que Deus nos chamaria a liderar, exceto se Deus estiver conosco para mostrar como liderar. Nós não estamos no caminho de Jesus por compilar nossas melhores ideias sobre liderar e depois colocá-las em prática. Não somos deixados sozinhos para descobrir o plano de Deus para a nossa célula e então resolver o problema. Precisamos da presença surpreendente de Deus para mostrar-nos algo que não esperamos. Assim como Jesus surpreendeu as expectativas das pessoas quando chegou há 2000 anos, o caminho de Jesus depende de Jesus entrar no nosso círculo para nos mostrar o caminho para estarmos com Deus e uns com os outros.

Jesus interrompeu os padrões normais através da fraqueza, tornando-se servo dos servos e morrendo em uma cruz. Deus veio para estar com o mundo. Ele não veio para consertar o mundo, mesmo quando as pessoas pediram que ele consertasse. Ele não abraçou a mentalidade de fazer algo para os outros para que eles pudessem consumir seus serviços espirituais. Em vez disso, convidou-os a estar com ele e a estar com os outros.

Essa “interrupção” divina não é algo que planejamos para que possamos ir de um nível de triunfo para o próximo. Muitas vezes, somos mais conscientes da presença interrompente de Deus quando atingimos um muro, quando enfrentamos problemas. Nossos grupos não estão funcionando como desejamos. As estratégias que aprendemos através de vários modelos simplesmente não ajudam. Então clamamos a Deus e o Espírito nos leva a uma espécie de morte. E a partir desta morte, o Espírito traz ressurreição.

Spanish blog:

Dios está en los problemas perturbadores

Por Scott Boren,The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren, el siguiente blog fue adaptado de Grouping Your Church in the Way of Jesus, Obtén tu copia gratis del e-book en www.mscottboren.org/books.

Los problemas en la célula  interrumpen el status quo. Interrumpen nuestros planes. Causan estrés. Y nos fuerzan a adaptarnos. Muchas veces, los líderes asumen que el objetivo es volver al statu quo y regresar a un lugar donde estamos en control. En cambio, debemos aprender a ver el problema como una oportunidad para que Dios intervenga con su presencia.

Por ejemplo, piensa en esto en un nivel individual; cuando leemos la Biblia y vemos que Dios es llamado “Padre”, para algunos esto es algo bueno ya que tienen o han tenido padres buenos y devotos. Para muchos otros, sin embrago, esta es una expresión desesperanzadora. El nombre Padre no trae imágenes positivas. Su experiencia en la tierra los ha hecho tener una perpetua y limitada comprensión del significado de que Dios es Padre.

Sólo si Dios redefine al Padre según la manera en que el Padre es Padre, podemos entender quién es Dios el Padre. Sólo si Dios entra desde el exterior podemos ver a Dios por lo que Él es. Esto aplica para los que tienen buenos padres terrenales y para aquellos con malas experiencias paternas. La paternidad de Dios es similar a la paternidad fiel en esta vida, pero es tan diferente como la vida en la luna sería de la vida en la tierra.

La Iglesia Father Hilary declaró: “Dios no puede ser aprehendido sino por sí mismo”. Para ampliar esto, a la manera, en la que lideramos a la célula a través de los problemas; no podríamos ver la manera en que Dios nos llamaría a liderar, excepto a través de Dios mismo, que está con nosotros para mostrarnos cómo liderar. No estamos liderando en el camino de Jesús, compilando nuestras mejores ideas acerca del liderazgo y luego trabajando con ellas. No estamos solos para averiguar el plan de Dios para nuestra célula y así resolver el problema. Necesitamos la intervención de la presencia de Dios para que nos muestre lo que no esperamos Así como Jesús interrumpió las expectativas de las personas cuando él vino hace 2000 años, el camino de Jesús depende de que Jesús rompa las cadenas de nuestro corazón y así mostrarnos el camino para estar con Dios y con los demás.

Jesús altero los patrones normales por medio de la debilidad, convirtiéndose en el siervo de los siervos y muriendo en la cruz. Dios vino para estar con el mundo. Él no vino a arreglar el mundo incluso, cuando las personas le pedían que lo hiciera. Él no acepto la mentalidad de hacer algo por los demás para que estos pudieran consumir sus servicios espirituales, en lugar de eso, los invito a estar con Él y estar con los demás.

Esta interrupción no es algo que planeamos para que podamos pasar de un nivel de triunfo al siguiente. A menudo somos más conscientes de la intervención de la presencia de Dios, cuando nos topamos con una pared, cuando nos enfrentamos a problemas.

Nuestras células no están funcionando como nosotros desearíamos. Las estrategias que hemos aprendido mediante diferentes modelos simplemente no dan resultado. Entonces clamamos a Dios y el Espíritu nos lleva a una especie de muerte y  de esta muerte, el Espíritu trae resurrección.

Group Problems and Prayer

coaches_scottBoren

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

[the following blog is adapted from Grouping Your Church in the Way of Jesus. Secure your free copy of the e-book at www.mscottboren.org/books]

If there is one thing that we will encounter in groups, it is problems. The only way to avoid this is to exclude people. If we aren’t with people, then we don’t have a groups. When problems arise, the first thing to do as a leader is to remember that you are not the answer to that problem. The words of Jesus point us in the right direction:

“I am the vine. You are the branches. Anyone who abides in me and I in him this one bears much fruit for without me you are not able to do anything.” (John 15:5)

The image of the vine and the branches is one of connection and flow of life. The branch only has life as it is connected to the vine. It is a biological metaphor of relationship, of communication. Group leaders only have life as they remain, live, abide, exist in Jesus. Leaders can only give people what they need when they point them away from themselves and to Christ. Only as we live into the truth of God abiding with us are we able to do “anything.” We cannot do anything that carries forth the life of the vine without being in direct communication with that vine. The fruit of the kingdom cannot be fruit that we are able to conjure up. God’s fruit only comes out of God’s life. Jesus continues by saying, “If you remain in me and my words remain in you, whatever you want to ask for and it will be” (John 15:7).

We do not abide in Christ to get God to fix our problems. When we do this, we relate to God as if we are in a contract relationship him. Like a contract where two parties map out what each will do for the other, they sign the contract in order to protect themselves. While each will do something for the other, the contract is done for self-protection. When we pray with a contract mindset God is up there, while we am down here.

Ultimately, when we pray this way, we are asking for God to make the leader into a hero. Being that God was present as a hero doing what no human could do, many group leaders think that God expects them to be equally heroic. But we are not called to be heroic. We are called to abide in Christ so that God might do what only God can do.

Abiding is about being with God. It’s about recognizing the fact that God is with you in the midst of the problem. Your group problem may or may not be “fixed.” And it’s never fixed in the way that you want, or as quickly as you want. But the problem is an opportunity for you to be with God so that God might move in a way that is unexpected. Then the fruit of God will arise.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Problemas do Grupo e Oração

Por Scott Boren, Centro para Comunidade e Missão (www.scottboren.blogspot.com), , Twitter@mscottboren

[o seguinte blog é adaptado de Grouping Your Church in the Way of Jesus (Agrupando Sua Igreja à Maneira de Jesus, em tradução livre). Garanta sua cópia gratuita do e-book em www.mscottboren.org/books]

Se há uma coisa que encontraremos em grupos, são problemas. A única maneira de evitar isso é excluir as pessoas. Se não estamos com pessoas, então não temos grupos. Quando surgem problemas, a primeira coisa a fazer como líder é lembrar que você não é a resposta para esse problema. As palavras de Jesus nos indicam a direção correta:

Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. (João 15:5)

A imagem da videira e dos ramos é uma de conexão e fluxo de vida. O ramo só tem vida pois está conectado à videira. É uma metáfora biológica de relacionamento, de comunicação. Os líderes do grupo só têm vida enquanto permanecem, vivem, habitam, existem em Jesus. Os líderes só podem dar ao povo o que ele precisa quando o afasta de si mesmo e o aponta para Cristo. Somente enquanto vivemos na verdade de Deus que permanece conosco, somos capazes de fazer “qualquer coisa”. Não podemos fazer nada que leve a vida da videira sem estar em comunicação direta com essa videira. O fruto do reino não pode ser fruto que podemos conjurar. O fruto de Deus só sai da vida de Deus. Jesus continua dizendo: “Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito” (João 15:7).

Nós não permanecemos em Cristo para que Deus resolva nossos problemas. Quando fazemos isso, nos relacionamos com Deus como se estivéssemos em uma relação de contrato com Ele. Como um contrato em que duas partes mapeiam o que cada um fará para o outro, assinam o contrato para se protegerem. Embora cada um faça algo para o outro, o contrato é feito para auto-proteção. Quando oramos com uma mentalidade de contrato, Deus está lá em cima, enquanto estamos aqui embaixo.

No final das contas, quando oramos dessa maneira, estamos pedindo que Deus faça do líder um herói. Já que Deus estava presente como um herói fazendo o que nenhum humano poderia fazer, muitos líderes de grupo pensam que Deus espera que eles sejam igualmente heroicos. Mas não somos chamados para sermos heroicos. Somos chamados a permanecer em Cristo para que Deus possa fazer o que apenas Ele pode fazer.

Permanecer é sobre estar com Deus. Trata-se de reconhecer o fato de que Deus está com você no meio do problema. Seu problema de grupo pode ou não ser “corrigido”. E nunca é corrigido da maneira que você deseja, ou o mais rápido que deseja. Mas o problema é uma oportunidade para você estar com Deus para que Ele possa se mover de uma maneira inesperada. Então o fruto de Deus surgirá.

Spanish blog:

Problemas de grupo y oración

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission (www.scottboren.blogs­pot.com), Twitter @ mscottboren
[El siguiente blog está adaptado de Grouping Your Church in the Way of Jesus. Obtén tu copia gratuita del e-book en www.mscottboren.org/­books]

Si hay algo que vamos a enfrentar en la célula, son los problemas. La única manera de evitarlos es excluyendo a las personas. Pero si no tenemos personas, entonces no tenemos célula. Cuando los problemas surgen, lo primero que se debe hacer como líder es recordar que tú no eres la solución a ese problema. Las palabras de Jesús nos indican la dirección correcta:

“Yo soy la vid. Vosotros las ramas: el que permanece en mí, y yo en él, éste lleva mucho fruto, porque separados de mí nada podéis hacer “(Juan 15: 5).

La imagen de la vid y de las ramas es de unión y flujo de vida. La rama sólo tiene vida: ya que está conectada a la vid. Esta es una metáfora biológica de la relación y de la comunicación. Los líderes de células sólo tienen vida mientras permanezcan, vivan, esperen y existan en Jesús. Los líderes sólo pueden dar a la gente lo que necesitan cuando se alejan de sí mismos y acercan a Cristo. Sólo cuando vivimos en la verdad de Dios, que permanece con nosotros, somos capaces de hacer “cualquier cosa”. No podemos hacer nada para llevar adelante la vida de la vid sin estar en comunicación directa con ella. El fruto del reino no puede ser un fruto que podamos evocar. El fruto de Dios sólo sale de la vida de Dios. Jesús continúa diciendo: “Si permanecéis en mí y mis palabras permanecen en vosotros, pedid todo lo que queréis, y os será hecho” (Juan 15: 7).

Nosotros no permanecemos en Cristo para lograr que Dios solucione nuestros problemas. Cuando hacemos esto, nos relacionamos con Dios como si estuviéramos en una relación de contrato con él. Como un contrato en el que dos partes trazan lo que cada uno hará por el otro y así firman el contrato para protegerse. Mientras que cada uno hará algo para el otro, el contrato se hace para la protección de uno mismo. Cuando oramos con una mentalidad contractual, Dios está allá arriba, mientras nosotros nos quedamos aquí abajo.

En última instancia, cuando oramos de esta manera, estamos pidiendo a Dios que haga al líder un héroe. Dado que Dios estaba presente como un héroe haciendo lo que ningún humano podía hacer, muchos líderes de grupo piensan que Dios espera que sean igualmente heroicos. Pero no estamos llamados a ser heroicos. Estamos llamados a permanecer en Cristo para que Dios pueda hacer lo que sólo Dios puede hacer.

Estar con Dios significa permanecer en El. Se trata de reconocer el hecho de que Dios está con ustedes en medio del problema. El problema de su grupo puede o no ser “resuelto”. Y nunca se resuelve de la manera que se desea, o tan rápido como se desea. Pero el problema es una oportunidad para que estés con Dios, para que Dios se mueva de una manera inesperada. Así surge el fruto de Dios

Talk – talk – talk! Silent – silent – silent.   An opportunity for change!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

By Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Option 1

Having encountered this problem many times, my initial response is to go into groups of 3 for part of the meeting, putting the talkers in one group and the shy or quiet ones in another.   This approach puts the talkers to “battle it out” and learn listening skills from each other. Three who like talking will bring chaos or order. It is worth a try.

Similarly putting the quiet ones in a small group together means they talk–or all stay silent (not really an option when feedback to the whole group will be required).  It also gives them safety without being interrupted and overshadowed by those more bold.

Always have a time of feedback to the main group to bring cohesion and to enable the rest to hear a summary of what was said.  In this context the value of what was said in both groups will be equally honored.

Option 2

Another approach would be to get the “talker” on your side by asking him or her to help draw out the quieter ones or help to allow silence so they feel safe. In this way they will not feel criticized but honored.

Of course there may be genuine reasons why someone does not speak up. Perhaps he or she has been mocked for input in previous situations and might feel inhibited by other group members. Or there might be other internal  reasons.  Taking time to invite this person for a personal meeting outside the group is a great option. In this meeting the leader can discover how he or she feels and can listen to concerns and then take action that will bring healing.

Option 3

Another way might be to address the issue of everyone’s participation in the group and ask how the group can ensure everyone has time and opportunity to express themselves.  Brainstorm ideas and bring group  awareness of this essential dynamic.

Non – option !

One thing NOT to do is ignore the problem, hoping it will just go away.  Of course every member may be quiet for a few meetings or over talk for others, but when there is a persistent challenge, it must be dealt with in a loving way.

… and by the way, the leader must make sure that he or she is not the talker!

Daphne

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Falar – falar – falar! Silêncio – silêncio – silêncio.   Uma oportunidade para mudança!

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.com; Twitter: daphnekirk

Opção 1

Após encontrar esse problema muitas vezes, minha resposta inicial é dividir todos na célula em grupos de 3 para parte da reunião, colocando os falantes em um grupo e os tímidos ou silenciosos em outro. Essa abordagem coloca os falantes em “disputa” e eles aprendem habilidades de escuta uns com os outros. Três pessoas na célula que gostam de falar muito trarão caos ou ordem. Vale a pena tentar.

De modo semelhante, colocar os silenciosos juntos em um trio significa que eles precisam falar – ou todos ficam em silêncio (não é realmente uma opção quando todos no grupo deverão dar um feedback). Isso também lhes dá segurança, pois não serão interrompidos e ofuscados pelos mais ousados.

Sempre tenha um tempo de feedback para a célula, para trazer coesão e permitir que o restante das pessoas ouça um resumo do que foi dito. Neste contexto, o valor do que foi dito em ambos os grupos será igualmente honrado.

Opção 2

Outra abordagem seria manter o “falador” do seu lado, pedindo-lhe para ajudá-lo a envolver os mais silenciosos ou ajudar a permitir o silêncio para que eles se sintam seguros. Desta forma, eles não se sentirão criticados, mas honrados.

É claro que pode haver razões genuínas para alguém não falar. Talvez ele ou ela tenha sido zombado em situações anteriores e se sinta inibido(a) por outros membros do grupo. Ou pode haver outros motivos pessoais. Convidar essa pessoa para uma reunião particular fora da célula é uma ótima opção. Nessa reunião, o líder pode descobrir como essa pessoa se sente, pode ouvir suas preocupações e depois tomar medidas que trarão cura.

Opção 3

Outra maneira pode ser abordar a questão da participação de todos na célula e perguntar como o grupo pode garantir que todos tenham tempo e oportunidade para se expressar. Faça um brainstorming de ideias e proporcione uma consciência grupal sobre essa dinâmica essencial.

Sem opção!

Uma coisa que NÃO se deve fazer é ignorar o problema, esperando que ele simplesmente vá embora. É claro que cada membro pode ficar quieto em algumas reuniões enquanto outros podem falar demais às vezes, mas quando há um desafio persistente, ele deve ser tratado de maneira amorosa.

… e, por sinal, o líder deve certificar-se de que ele mesmo não é o falador!

Daphne

Spanish blog:

¡Hablar! !hablar! !hablar! Silencio – silencio – silencio. ¡Una oportunidad para cambiar!

Por Daphne Kirk, www.Gnation2gnation.­com; Twitter: daphnekirk

  • Opción 1

Habiendo enfrentado este problema muchas veces, mi respuesta inicial es formar grupos de 3 por un momento en la reunión, poniendo a los que hablan demasiado en un grupo y a los tímidos o tranquilos en otro. Este enfoque pone a los hablan a “luchar en contra” y a aprender habilidades de escuchar a los demás. A los tres que le gusta hablar esto les traerá orden o caos. Vale la pena intentarlo.

De manera similar, al poner a los tímidos en un grupo pequeño, significa que hablarán – o que todos permanecerán en silencio (esto no es realmente una opción cuando se necesitarán reacciones de parte de todos los miembros de la célula). Así se les da seguridad al no ser interrumpidos o eclipsados por los más extrovertidos.

Siempre ten un momento para retroalimentar a toda la célula, para aportar cohesión y permitir que el resto escuche un resumen de lo que se dijo. En este contexto, el valor de lo que se dijo en ambos grupos será igualmente apreciado.

  • Opción 2

Otro enfoque sería conseguir que el “habla demasiado” este de tu lado, pidiéndole que ayude en hacer hablar a los más tranquilos o ayudar en hacer silencio para que los demás se sientan seguros. De esta manera no se sentirán expuestos sino apreciados.

Por supuesto, puede haber razones genuinas por las que alguien no habla. Tal vez él o ella haya recibido burlas por comentarios hechos en situaciones anteriores y podría sentirse inhibido por otros miembros de la célula. O puede haber otras razones internas. Tomar el tiempo para invitar a esta persona a una reunión personal fuera de la célula es una gran opción. En esta reunión, el líder puede descubrir como él o ella se siente y puede escuchar las preocupaciones y luego tomar medidas que traigan sanidad.

  • Opción 3

Otra manera podría ser, abordar el tema de la participación de todos en la célula y preguntarse, cómo la célula puede asegurar que todos tengan el tiempo y oportunidad de expresarse. Aporta ideas y genera conciencia en la célula acerca de esta dinámica esencial.

  • ¡No es una opción!

Algo que NO se puede hacer es ignorar el problema, con la esperanza de que desaparecerá. Por supuesto, cada miembro puede estar callado por unas cuantas reuniones o hablar por encima de otros, pero cuando hay un desafío persistente, debe ser tratado de una manera amorosa.
… y por cierto, el líder debe asegurarse de que él o ella no sea el que habla demasiado!
Daphne

Dealing with the Talkers

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Life groups offer a warm environment in which open sharing thrives. This is extremely positive but danger lurks as well. Some people gravitate to small groups in order to express their opinions, however negative and combative they may be. They take advantage of the warm atmosphere to unload on others, to find a vent for their insecurity. These people love to hear their own voices. No one has an opportunity to contribute while they are talking, and group members will come to resent their comments and behaviors.

Dealing with talkers is probably the greatest challenge in group meetings. I’ve said repeatedly that small group leaders shouldn’t dominate the group. This also means, however, that one or two group members must not dominate.

The facilitator must protect the group from those who dominate the meeting. Here are some practical steps to overcome this problem:

  • Sit  next to the talker in order to give less eye contact.
  • Talkers don’t need lots of encouragement. They might even feel that you, the leader, are encouraging their nonstop conversation by eye contact, nods and a listening ear. Sitting next to the person and avoiding eye contact will signal that you’re not encouraging him or her.
  • Call on other people to give their opinions. When you call on a person by name, you’re saying to the rest: “Wait your turn.” By calling on individuals by name, you’re assuming leadership responsibility and directing the conversation of the group.
  • Redirect the conversation away from the talker, if he or she pauses. Granted, this is a more drastic measure. When I share this tactic at a seminar, the crowd roars with laughter. However, leaders need to do what it takes to shield the cell group from such control.
  • Talk directly with the person. Often, talkers simply don’t understand the purpose of a small group. They sincerely think others need their constant input and spiritual wisdom. They’ve never realized the purpose of the small group is to allow everyone to participate and share. Talking directly with the person, after or before the cell group meeting will often solve the problem.
  • If the problem persists, talk to the person directly over you (e.g., supervisor, pastor). Most likely that leader has more experience in dealing with such issues and can offer valuable insight to resolve the conflict.
  • Ask the person to help you make the meeting more participatory. I gave a cell seminar in New Jersey and afterwards a  successful cell leader approached me saying, “I’ve found a great way to deal with the constant talker that works every time.” He continued, “Ask the talker to help you get others talking.”   This advice makes sense. When the talker understands the larger reason for the cell group and even how to participate in fulfilling this goal, it’s likely the person will change.
  • Clarify the rule that no one is allowed to speak a second time until everyone has had a chance to speak for the first time.

Which of the above methods have worked best for you? Or maybe you have another suggestion?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Lidando com os Conversadores

Por Joel Comiskey

As células oferecem um ambiente acolhedor em que o compartilhamento aberto prospera. Isso é extremamente positivo, mas o perigo se esconde também. Algumas pessoas se direcionam para grupos pequenos para expressar suas opiniões, por mais negativas e combativas que possam ser. Eles aproveitam a atmosfera calorosa para descarregar sobre os outros, para encontrar uma abertura para sua insegurança. Essas pessoas adoram ouvir suas próprias vozes. Ninguém tem a oportunidade de contribuir enquanto eles falam, e os membros do grupo virão a ressentir-se de seus comentários e comportamentos.

Lidar com os conversadores é provavelmente o maior desafio nas reuniões grupais. Eu disse repetidamente que os líderes de pequenos grupos não devem dominar o grupo. Isso também significa, no entanto, que um ou dois membros do grupo não devem dominar.

O facilitador deve proteger o grupo daqueles que dominam a reunião. Aqui estão algumas etapas práticas para superar esse problema:

  • Sente-se ao lado do falador para dar menos contato com os olhos.
  • Os conversadores não precisam de muitos incentivos. Eles podem até sentir que você, o líder, está encorajando sua conversa sem parar pelo contato com os olhos, acenos com a cabeça e ouvindo atentos. Sentar-se ao lado da pessoa e evitar o contato com os olhos irá sinalizar que você não está encorajando ele ou ela.
  • Convoque outras pessoas para darem suas opiniões. Quando você chama uma pessoa pelo nome, você está dizendo para o resto: “Aguarde sua vez”. Ao chamar os indivíduos por nome, você está assumindo responsabilidade de liderança e dirigindo a conversa do grupo.
  • Redirecione a conversa para longe do falante, se ele faz uma pausa. Concedida, esta é uma medida mais drástica. Quando compartilho essa tática em um seminário, a multidão gargalha. No entanto, os líderes precisam fazer o que é necessário para proteger o grupo de células desse controle.
  • Fale diretamente com a pessoa. Muitas vezes, os conversadores simplesmente não entendem o propósito de um pequeno grupo. Eles acreditam sinceramente que os outros precisam de sua contribuição constante e sabedoria espiritual. Eles nunca perceberam que o objetivo do pequeno grupo é permitir que todos participem e compartilhem. Falar diretamente com a pessoa, após ou antes da reunião do grupo celular, muitas vezes resolverá o problema.
  • Se o problema persistir, fale com a pessoa diretamente acima de você (por exemplo, supervisor, pastor). Muito provavelmente, esse líder tem mais experiência em lidar com essas questões e pode oferecer uma visão valiosa para resolver o conflito.
  • Peça à pessoa para ajudá-lo a tornar a reunião mais participativa. Eu dei um seminário sobre células em Nova Jersey e depois um líder celular bem sucedido se aproximou dizendo: “Encontrei uma ótima maneira de lidar com o falador constante que funciona todas as vezes”. Ele continuou: “Peça ao falador para ajudá-lo a fazer com que outros falem.” Este conselho faz sentido. Quando o falador entende a razão maior para o grupo de células e até mesmo como participar no cumprimento deste objetivo, é provável ele mude.
  • Torne clara a regra de que ninguém pode falar uma segunda vez até que todos tenham tido a chance de falar pela primeira vez.

Qual dos métodos acima funcionou melhor para você? Ou talvez você tenha outra sugestão?

Spanish blog:

Tratando con los que hablan demasiado

Por Joel Comiskey

Las células ofrecen un ambiente cálido en el cual próspera el compartir libremente. Esto es extremadamente positivo, pero el peligro también acecha. Algunas personas llegan a las células para expresar sus opiniones, por más negativas y combativas que estas puedan ser. Se aprovechan de la atmósfera cálida para descargar contra los demás, para encontrar un respiradero a su inseguridad. A estas personas les encanta oír sus propias voces. Nadie tiene la oportunidad de contribuir mientras están hablando, y los miembros de la célula vendrán a resentir sus comentarios y comportamientos.

Tratar con los que hablan demasiado es probablemente el mayor desafío en las células. En repetidas ocasiones he dicho que los líderes de las células no deben dominar el grupo. Esto también significa, que uno o dos miembros de la célula no deben dominarlo.

El facilitador debe proteger a la célula de los que dominan la reunión. Estos son algunos pasos prácticos para superar este problema:

  •  Siéntate junto a la persona que habla de más para tener menos contacto visual. Las personas que hablan demasiado no necesitan mucho estímulo. Incluso pueden sentir que tú, el líder, estás animando su conversación al hacer contacto visual, asentir con la cabeza y escuchar. Sentarse junto a la persona y evitar el contacto visual indicará que no estás animándolo.
  • Dar la palabra a otras personas para que expresen sus opiniones. Cuando te diriges a una persona por su nombre, le está diciendo al resto: “Espera tu turno”. Al llamar a los individuos por su nombre, estás asumiendo la responsabilidad del liderazgo y dirigiendo la conversación de la célula.
  • Redirige la conversación lejos del que habla demasiado, si él o ella hace una pausa. Claro que, esta es una medida más drástica. Cuando comparto esta táctica en un seminario, la multitud ríe a carcajadas. Sin embargo, los líderes necesitan hacer lo necesario para proteger a la célula de tal control.
  • Hable directamente con la persona. A menudo, los que hablan demasiado simplemente no entienden el propósito de la célula. Piensan sinceramente que los demás necesitan de su constante aporte y sabiduría espiritual. Nunca han entendido que el propósito de la célula es permitir que todos participen y compartan. Hablar directamente con la persona, después o antes de la reunión a menudo resolverá el problema.
  • Si el problema persiste, habla directamente con tu superior inmediato (por ejemplo, supervisor, pastor). Lo más probable es que el líder tenga más experiencia en el trato con estos temas y puede ofrecer información valiosa para resolver el conflicto.
  • Pídele a la persona que te ayude a hacer la reunión más participativa. Di un seminario celular en Nueva Jersey y luego un exitoso líder celular se me acercó diciendo: “He encontrado una gran manera de lidiar con los hablan demasiado y siempre funciona”. Continuó: “Pídele al que habla de más que le ayude a hacer que los demás hablen”. Este consejo tiene sentido. Cuando el que habla demasiado entiende la razón más grande en la célula e incluso cómo participar en el cumplimiento de esta meta, es probable que la persona cambie.
  •  Establece la regla de que nadie puede hablar una segunda vez hasta que todos hayan tenido la oportunidad de hablar por primera vez.

¿Cuáles de los métodos anteriores han funcionado mejor para ti? ¿O tal vez tienes otra sugerencia?

Soccer Coaches Can Be Obnoxious

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

Do you know much about the game of soccer? It is a wonderful sport that allows people of all sizes to compete against one another. I have had the privilege to coach and referee soccer. My experience on the field as a referee has influenced my coaching and caused me to value the coaches who quietly watch a match without hollering constant instructions from the sidelines. In the middle of the field, much of what is hollered from the sidelines is just noise. This is true with youth and adult soccer. Of course, sometimes that noise gets annoying and even hostile. When that happens at a youth soccer match, the referee has to step in and stop the dissent or even the over coaching of those on the sidelines.

What does this view of soccer have to do with a cell group? As members of a cell, we are like the coach who watches the game without interruption waiting for appropriate moments like a substitution or half time to give guidance to the team. We need to listen, listen and listen some more before sharing thoughts with someone in the group. In other words, we need to avoid giving advice.

In our Group Covenant, we make a commitment to “LISTEN to each person when they speak, whether in words, actions, or attitudes.” People don’t need our advice and frankly, they probably won’t follow it when we give it. What they will listen to is our love and prayer support that we give by listening. Too many people have great ideas for what someone else should do and we are all too willing to share those ideas as advice.

When people share a problem, we need to listen. Of course, if you want people in your group to stop sharing personal issues, give them advice. Pretty soon, you will find that transparency is decreasing and people are not sharing significant personal concerns. Like the players on the field, your advice will go unheard because of the noise or it will become obnoxious and rejected.

Occasionally, someone in the group may actually say that they want to get the advice of the group. Even when this happens, the group needs to practice active listening, asking questions and hearing the issue from the view of the one sharing and avoid advice as much as possible. God may give you a word, but it is important to listen to the person sharing and listen to the Lord. Keep your advice to yourself. Oops! I just gave you some advice. LISTEN!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Treinadores de Futebol Podem Ser Desagradáveis

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Você entende muito sobre o jogo de futebol? É um esporte maravilhoso que permite que pessoas de todos os tamanhos compitam um contra o outro. Tive o privilégio de treinar e arbitrar futebol. Minha experiência no campo como um árbitro influenciou minha forma de treinar e me fez valorizar os treinadores que observam silenciosamente uma partida sem gritar instruções constantes do lado de fora. No meio do campo, muito do que é gritado das laterais é apenas barulho. Isso é real para o futebol juvenil e o adulto. E claro, às vezes esse barulho é irritante e até hostil. Quando isso acontece em um jogo de futebol juvenil, o árbitro deve intervir e parar a dissensão ou mesmo os conselhos excessivos daqueles que estão à margem.

O que essa visão do futebol tem a ver com uma célula? Como membros de uma célula, somos como o treinador que observa o jogo sem interrupção esperando momentos apropriados como uma substituição ou o meio tempo para dar orientação ao time. Precisamos ouvir, ouvir e ouvir um pouco mais antes de compartilhar pensamentos com alguém do grupo. Em outras palavras, precisamos evitar dar conselhos.

Em nosso Acordo do Grupo, nos comprometemos a “ESCUTAR a cada pessoa que falar, seja em palavras, ações ou atitudes”. As pessoas não precisam do nosso conselho e, francamente, provavelmente não irão segui-lo quando o damos. O que elas vão ouvir é o nosso apoio de amor e de oração que nós damos ao ouvir. Muitas pessoas têm grandes ideias para o que alguém deveria fazer e todos estamos dispostos a compartilhar essas ideias como conselhos.

Quando as pessoas compartilham um problema, precisamos ouvir. Se você quer que as pessoas do seu grupo parem de compartilhar problemas pessoais, dê-lhes conselhos. Em breve, você achará que a transparência está diminuindo e as pessoas não estão compartilhando preocupações pessoais significativas. Como os jogadores no campo, seu conselho ficará inaudível por causa do ruído ou se tornará desagradável e rejeitado.

Ocasionalmente, alguém do grupo pode realmente dizer que deseja obter o conselho do grupo. Mesmo quando isso acontece, o grupo precisa praticar a escuta ativa, fazer perguntas e ouvir a questão do ponto de vista de quem está compartilhando e evitar dar conselhos o máximo quanto possível. Deus pode dar uma palavra, mas é importante ouvir a pessoa compartilhar e ouvir o Senhor. Mantenha seu conselho para si mesmo. Opa! Eu acabei de te dar alguns conselhos. OUÇA!

Spanish blog:

Los entradores fútbol pueden ser fastidiosos

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

¿Conoces mucho acerca del fútbol? Es un deporte maravilloso que permite a personas de todos los tamaños competir entre sí. He tenido el privilegio de ser entrenador y árbitro de fútbol. Mi experiencia siendo árbitro ha influenciado mi manera de entrenar y ha causado que valore a los entrenadores que ven tranquilamente un partido sin gritar constantes instrucciones desde la banda. En la mitad de la cancha, la mayor parte de todo lo que se grita desde la banda, es solo ruido. Esto es pasa en el fútbol juvenil y mayor. Claro que en ocasiones ese ruido es molesto e incluso hostil. Cuando esto ocurre en un partido de fútbol juvenil, el árbitro tiene que intervenir y detener la inconformidad o incluso el exceso de instrucciones de los que están en las bandas.

¿Qué tiene que ver esta visión del fútbol con un grupo celular? Como miembros de la célula, somos como el entrenador que ve el partido sin interrupciones, esperando el momento indicado, como una sustitución o el medio tiempo para dar indicaciones al equipo. Necesitamos escuchar, escuchar y escuchar un poco más antes de compartir nuestros pensamientos con alguien en la célula. En otras palabras, necesitamos evitar dar consejo.

En nuestro Grupo Covenant, nos comprometemos a “ESCUCHAR a cada persona cuando hablan, ya sea en palabras, acciones o actitudes.” Francamente las personas no necesitan nuestro consejo, probablemente no lo sigan si se los damos.  Lo que escucharan es el amor y las oraciones que les brindaremos al escuchar.  Muchas personas tienen grandes ideas para lo que alguien más debe hacer y estamos muy dispuestos a compartir esas ideas como consejo.

Cuando las personas comparten un problema, necesitamos escuchar. Por supuesto, que si quiere que las personas en la célula dejen de compartir asuntos personales, deles consejo. Muy pronto, descubrirá que la transparencia disminuye y los miembros no compartirán problemas personales importantes. Al igual que los jugadores en la cancha, su consejo pasara inadvertido debido al ruido o será fastidioso y desechado.

En ocasiones, alguien en la célula puede realmente decir que quiere el consejo de los miembros. Incluso cuando esto sucede, la célula necesita practicar la escucha activa, hacer preguntas y escuchar el problema desde la visión de compartir y evitar el asesoramiento tanto como sea posible. Dios puede darle una palabra, pero es importante escuchar a la persona que comparte y escuchar al Señor. Mantenga su consejo para usted. ¡Vaya! acabo de darle un consejo. ¡ESCUCHE!