Ministering In A Disaster

By Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.org

In 2005, Hurricane Katrina tore through Southeast Louisiana and Mississippi in a catastrophic and unexpected way. Personally, my family and I had never left for a hurricane before and decided to leave New Orleans, like many others, twenty-four hours before Katrina hit.

After a few days, we found refuge and assistance in Houston, TX, at a local cell church, Servant of Nations, where my sister, Karen, serves on staff. In the days that followed, I asked God many times why this happened to me. I took Katrina personally; I looked through my life and tried to find the sin that had caused this event. It was eating me up inside that I could have done something differently, but instead my bad choices had destroyed New Orleans. On that Sunday, we went to church, and Pastor Izes Calheiros looked at me while preaching and said, “This storm is not about you; God is doing something!” I don’t really remember the rest of the message that day, but as she looked me right in the eyes and spoke into my spirit exactly what I had felt for days, but didn’t have the courage to say aloud. My heart was broken, but in that brokenness, the healing process began.

It took months to complete the relief work, years to rebuild the city and over a decade later, there are still scars of Hurricane Katrina and still work to be done. The city of New Orleans will never be the same again.

In the days after Katrina, Celebration Church’s cell groups met wherever they could, and some cell groups even evacuated together. It brought people through the conflict stage of cell growth in a way that had I never been seen. This growth was a beautiful thing, but I pray that we never have to go through such a catastrophic event like this again.

All over the world people face disasters that we, as cell church, can help with in many different ways. The first thing we can do is pray! Pray that those going through a disaster would have the courage to rise up and defeat the feelings of hopelessness and despair.

If you know someone in the area that has been impacted by a disaster, reach out to them. You can send messages on social media, or you can call or text them messages of hope. Let them know you are there and encourage them with your support. Try not to give “pat” answers like, “God has a plan,” “You’ll be ok,” or “Just trust the Lord.” While this may be true, it is best to listen and really hear what the person is saying. They may be angry with God or feel alone and abandoned. All of those feelings are ok, and God does have the answer to what they are facing. Just being there in whatever way you can will be of great encouragement to them. Let them know you are a safe person with whom they can share.

Find out how your home cell church is helping to minister to those who have been impacted by the disaster, and talk with your cell group to see what you can do to help. Perhaps you could collect basic relief supplies or take up an offering. Some people in your cell might have the available time and specific skills to actually be the “boots on the ground” to go with a relief team and serve in the affected community. You could have the children in your cell group draw cheerful pictures of love and hope and send them to the church with notes of encouragement. Last year in a disaster, we had a group of ladies come together and make over 500 pillowcases and fill them with pillows for all of those in need because one of the group members missed her pillow so much after her own home flooded.

Whatever you can do as a small group or a large congregation, come together as the body of Christ, and make a difference in the lives of those impacted by disaster.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Ministrando em uma catástrofe

Por Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.org

Em 2005, o furacão Katrina rasgou o sudeste da Louisiana e o Mississípi de forma catastrófica e inesperada. Pessoalmente, minha família e eu nunca mais partimos por um furacão e decidimos deixar Nova Orleans, como muitos outros, vinte e quatro horas antes do Katrina chegar.

Depois de alguns dias, encontramos refúgio e assistência em Houston, TX, em uma igreja celular local, Servant of Nations, onde minha irmã, Karen, atua na equipe. Nos dias que se seguiram, perguntei a Deus muitas vezes por que isso aconteceu comigo. Peguei Katrina pessoalmente; Olhei pela minha vida e tentei encontrar o pecado que causou esse evento. Estava me devorando dentro do que eu poderia ter feito algo diferente, mas, em vez disso, minhas más escolhas haviam destruído Nova Orleans. Naquele domingo, fomos à igreja, e a Pastora Izes Calheiros me olhou enquanto pregava e disse: “Esta tempestade não é sobre você; Deus está fazendo alguma coisa! “Eu realmente não me lembro do resto da mensagem naquele dia, mas quando ela me olhou diretamente nos olhos e falou no meu espírito exatamente o que senti por dias, mas não teve coragem de dizer em voz alta. Meu coração estava quebrado, mas naquele fracasso, o processo de cura começou.

Demorou meses para completar o trabalho de ajuda, anos para reconstruir a cidade e, mais de uma década depois, ainda há cicatrizes do furacão Katrina e ainda trabalho a ser feito. A cidade de Nova Orleans nunca mais será a mesma.

Nos dias que se seguiram a Katrina, os grupos celulares da Igreja da Celebração se encontraram onde quer que fosse possível, e alguns grupos celulares até evacuaram juntos. Isso trouxe as pessoas através do estágio de conflito do crescimento celular de uma maneira que nunca havia sido vista. Esse crescimento foi uma coisa linda, mas oro para que nunca mais venhamos passar por um evento tão catastrófico como esse novamente.

Em todo o mundo, as pessoas enfrentam desastres que nós, como igreja celular, podemos ajudar de muitas maneiras diferentes. A primeira coisa que podemos fazer é orar! Ore para que aqueles que atravessam um desastre tenham a coragem de se levantar e vencer os sentimentos de desesperança e desespero.

Se você conhece alguém na área que foi afetado por um desastre, alcance-os. Você pode enviar mensagens em mídias sociais, ou pode chamar ou enviar mensagens de esperança. Deixe-os saber que você está lá e incentivá-los com o seu apoio. Tente não dar respostas com palmadinhas nas costas como “Deus tem um plano”, “Você ficará bem” ou “Apenas confie no Senhor”. Embora isso seja verdade, é melhor ouvir e realmente escutar o que a pessoa está dizendo. Eles podem estar com raiva de Deus ou sentir-se sozinhos e abandonados. Todos esses sentimentos são ok, e Deus tem a resposta para o que eles estão enfrentando. Só estar lá de qualquer maneira que você possa será de grande incentivo para eles. Deixe-os saber que você é uma pessoa segura com quem eles podem compartilhar.

Descubra como sua igreja celular está ajudando a ministrar a quem foi afetado pelo desastre e converse com seu grupo celular para ver o que você pode fazer para ajudar. Talvez você possa coletar suprimentos de socorro básicos ou oferecer uma oferta. Algumas pessoas na sua célula podem ter o tempo disponível e as habilidades específicas para realmente serem as “botas no chão” para ir com uma equipe de alívio e servir na comunidade afetada. Você pode fazer as crianças em seu grupo de células desenhar fotos alegres de amor e esperança e enviá-las para a igreja com notas de encorajamento. No ano passado, em um desastre, tivemos um grupo de senhoras juntas que fez mais de 500 fronhas e preencheu-as com travesseiros para todos os necessitados porque um dos membros do grupo perdeu seu travesseiro logo depois que sua própria casa inundou.

Tudo o que você pode fazer como um pequeno grupo ou uma grande congregação, se junte como o corpo de Cristo, e faça a diferença na vida daqueles afetados pelo desastre.

Spanish blog:

Ministrando en un desastre

Por Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.org

En  el 2005, el huracán Katrina atravesó el sureste de Luisiana y Mississippi de una manera catastrófica e inesperada. Personalmente, mi familia y yo nunca habíamos evacuado para un huracán y decidimos dejar Nueva Orleans, como muchos otros, veinticuatro horas antes de que Katrina tocara tierra.

Después de unos días, encontramos refugio y asistencia en Houston, TX, en una iglesia celular de la localidad, Siervo a las Naciones (Servant of Nations), en la cual mi hermana Karen sirve en el diaconado. En los días que siguieron, le pregunté a Dios muchas veces por qué me pasó esto, tomé al huracán Katrina de manera personal; busque a través de mi vida e intenté encontrar el pecado que había causado este acontecimiento. Me estaba comiendo en el interior que podría haber hecho algo diferente, pero en cambio, mis malas decisiones habían destruido Nueva Orleans. Ese domingo, fuimos a la iglesia, y la Pastora Izes Calheiros me miró mientras predicaba y dijo: “Esta tormenta no se trata acerca de ti; ¡Dios está haciendo algo! ” Sinceramente no recuerdo el resto del mensaje ese día, pero mientras me miraba a los ojos y le decía a mi espíritu exactamente lo que había sentido durante días, pero no había tenido el coraje de decirlo en voz alta. Mi corazón estaba roto, pero en ese quebranto, el proceso de sanación comenzó.

Tardaron meses en completar el trabajo de recuperación, años para reconstruir la ciudad y más de una década después, todavía hay cicatrices del huracán Katrina y aún hay trabajo por hacer. La ciudad de Nueva Orleans nunca volverá a ser la misma.

En los días posteriores a Katrina, los grupos celulares de la Iglesia de Celebration se reunieron en donde pudieron, y algunos grupos de celulares incluso evacuaron juntos. Esto trajo a las personas a través de la etapa de conflicto del crecimiento celular de una manera que nunca había visto. Este crecimiento fue algo hermoso, pero oro para que nunca tengamos que pasar por un evento tan catastrófico como este de nuevo.

En todo el mundo las personas se enfrentan a desastres  en los que nosotros, como iglesia celular, podemos ayudar de muchas maneras. ¡Lo primero que podemos hacer es orar! Oremos para que aquellos que pasan por un desastre tengan el valor de levantarse y derrotar los sentimientos de desesperanza y desesperación.

Si conoces a alguien en el área que ha sido afectado por un desastre, ponte en contacto. Tu puedes enviar mensajes en las redes sociales, llamarles o mandarles mensajes de texto llenos de esperanza. Hazles saber que estas allí para animarlos con tu ayuda. Trata de no dar respuestas como, “Dios tiene un plan”, “Todo estará bien”, o “Sólo confíe en el Señor”. Aunque esto puede ser cierto, lo mejor es escuchar y escuchar realmente lo que la persona está diciendo. Estas personas pueden estar enojadas con Dios o sentirse solos y abandonados. Todos esos sentimientos son aceptables, y solo Dios tiene la respuesta a lo que están enfrentando. El solo hecho de estar allí de cualquier manera que puedas, será de gran estímulo para ellos. Hazles saber que eres una persona confiable con la que pueden compartir.

Averigua cómo la iglesia local está ayudando a ministrar a aquellos que han sido afectados por un desastre, y habla con tus células, para ver qué pueden hacer para ayudar. Tal vez podrían recoger suministros básicos de ayuda o recoger una ofrenda. Algunas personas en su célula pueden tener el tiempo disponible y habilidades específicas para ser realmente los “los soldados en el terreno ” para ir con un equipo de ayuda y servir en la comunidad afectada.  Podrías hacer que los niños de tu célula dibujen cuadros alegres de amor y de esperanza y los envíen a la iglesia con las notas del estímulo. El año pasado, en un desastre, tuvimos un grupo de damas que se reunieron e hicieron más de 500 fundas para  500 almohadas, para todos los necesitados, ya que una de los miembros del grupo extrañaba tanto su almohada después de que su propia casa también se inundara.

Sea lo que sea que puedas hacer como célula o congregación, júntense como el cuerpo de Cristo, y hagan una diferencia en las vidas de aquellos impactados por el desastre.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *