God Is the Center of the Cell

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

God created man to have fellowship with him, and so God visited Adam in the garden of Eden. The fellowship continued until the moment when man sinned. From then on, God began his efforts to reestablish fellowship with his creation. Initially he tried to do it by selecting Abraham. God established a covenant with Abraham and his offspring based on altars and animal sacrifices. From the patriarchs, he established a new people, the nation of Israel. Some centuries later through Moses, God gave them the law to live in holiness, and  so he could dwell among them. In fact, the tabernacle was designed to be at the center of the Israelite camp.

But God’s people sinned again and again, and the tabernacle of God had to be taken out of the camp. Later, Solomon built the temple for the dwelling of God in the midst of his people. But, in the deportation, Ezekiel the prophet could see how the glory of God left the temple and his people due to their repeated sins. But, God did not renounce his desire to dwell among his people.

God sent his only son, not only to dwell among men but also to become a man. By taking human nature, God decided to unite with man forever; that’s why his name is Emmanuel. When He ascended to the father, Jesus continued to be present in the midst of his people, his church, which is his mystical body. Wherever two or three meet in his name, he is always present. The presence of God in the midst of men is a reality in every cell. God’s desire comes true every time his people come together; he has fellowship with us when we have fellowship with one another. In each cell it is a wonderful reality that is repeated as many times as the believers come together in his name.

 Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Deus É O Centro Da Célula

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Deus criou o homem para ter comunhão com ele, e Deus visitou Adão no jardim do Éden. A irmandade continuou até o momento em que o homem pecou. A partir de então, Deus começou seus esforços para restabelecer a comunhão com sua criação. Inicialmente ele tentou fazê-lo selecionando Abraão. Deus estabeleceu uma aliança com Abraão e sua prole com base em altares e sacrifícios de animais. Dos patriarcas, ele estabeleceu um novo povo, a nação de Israel. Alguns séculos depois, através de Moisés, Deus lhes deu a lei para viver em santidade, e assim ele poderia habitar entre eles. De fato, o tabernáculo foi projetado para estar no centro do campo israelita.

Mas o povo de Deus pecou uma e outra vez, e o tabernáculo de Deus teve que ser retirado do campo. Mais tarde, Salomão construiu o templo para a habitação de Deus no meio do seu povo. Mas, na deportação, Ezequiel, o profeta, podia ver como a glória de Deus deixou o templo e seu povo devido aos seus pecados repetidos. Mas, Deus não renunciou ao desejo de habitar entre seu povo.

Deus enviou seu único filho, não só para habitar entre os homens, mas também para se tornar um homem. Ao tomar a natureza humana, Deus decidiu se unir com o homem para sempre; é por isso que o nome dele é Emmanuel. Quando Ele ascendeu ao pai, Jesus continuou a estar presente no meio do seu povo, a sua igreja, que é o seu corpo místico. Onde dois ou três se encontram em seu nome, Ele está sempre presente. A presença de Deus no meio dos homens é uma realidade em cada célula. O desejo de Deus se torna realidade toda vez que seu povo se junta; Ele tem comunhão conosco quando temos comunhão uns com os outros. Em cada célula é uma realidade maravilhosa que é repetida tantas vezes quanto os crentes se juntam em seu nome.

Spanish blog:

Dios en el centro de la célula

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Dios creó al hombre para tener comunión con él. Dios visitaba a Adán en el jardín, en Edén. La comunión continuó hasta el momento en que el hombre pecó. A partir de entonces, Dios inició sus esfuerzos para restablecer su comunión con su creación. Inicialmente trató de hacerlo seleccionando a un hombre justo. Él era Abraham y estableció relación con él y sus hijos por medio de sacrificios en los altares que construyeron. De los patriarcas formó un nuevo pueblo que fue Israel. Algunos siglos después, a través de Moisés, les entregó la ley para que vivieran en santidad y él pudiera morar entre ellos. De hecho, el tabernáculo fue diseñado para estar al centro del campamento israelita.

Pero, el pueblo pecó muchas veces y el tabernáculo de Dios tuvo que ser sacado del campamento. Posteriormente, Salomón construyó el templo para morada de Dios en medio de su pueblo. Pero, en la deportación, el profeta Ezequiel pudo ver cómo la gloria de Dios abandonaba el templo y a su pueblo a causa de sus repetidos pecados. Pero, Dios no renunció a su deseo de morar con su pueblo. Fue así como envió a su único hijo. Esta vez Dios no solamente vino a morar entre los hombres sino que se hizo hombre. Al tomar la naturaleza humana, Dios decidió unirse para siempre con el hombre; por eso su nombre es Emmanuel. Al ascender al padre, Jesús continuó presente en medio de su pueblo, su iglesia, que es su cuerpo místico. Dondequiera que se reúnan dos o tres en su nombre él está siempre presente. La presencia de Dios en medio de los hombres es una realidad en cada célula. El deseo de Dios se hace realidad cada vez que su pueblo se reúne; él tiene comunión con nosotros cuando nosotros tenemos comunión los unos con los otros. En cada célula es una maravillosa realidad que se repite todas las veces que los creyentes lo deseen.

Jesus is the Reason for the Season

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

The angels in Luke 2 couldn’t contain the good news about an extraordinary babe in the manger. And this season we celebrate the God-man who came to give us:

Knowledge: Jesus gave us true knowledge of the Father. He portrayed a loving, caring Father–so different from the impersonal deities of that time period. Jesus showed us that God is love. In fact, He loved the world so much He came down Himself to die for the sins of the world.

Purpose: The incarnation, death, and resurrection of Jesus gives us reason to live. Christ’s birth and death sets us free to live holistic, joyful lives. We are not a freak accident of nature. Rather, God has a perfect plan for each of us, and one day we will live forever with Him in heaven.

Dignity: Christ’s birth among the lowly reminds us that God desires to reach all of His creation. While on earth, Jesus demonstrated his love for the oppressed, the impoverished, the sick, and those on the margins of society. Jesus gave new dignity to women. Christ’s birth gives new new confidence and hope.

Christmas is all about Christ, and it’s a privilege to share this knowledge with others. Christmas is a great time to invite people to the cell group to focus on  Jesus, enjoy a meal, or reach out through meeting needs as a group.

Since cell church is a two wing ministry, the cells come together to celebrate Christ and to invite those who don’t know Jesus. This year, Christmas eve is December 24, so it’s a great opportunity to exalt Jesus and share the good news that Christ came to rescue men and women from death to life.

In December, let’s talk about focusing on Jesus in cell and celebration. We will only blog for two weeks and then take a break from December 17, 2017 to January 07, 2018. We’ll cover:

  • December 03-09. Exalting Jesus in the cell. Jesus loves sinners and he would be honored to have a special house party in his name where non-Christians would be present. Or maybe a gift exchange while honoring the greatest gift, Christ’s coming to this earth
  • December 10-16.  Celebrating Jesus in the larger gathering. Sunday celebration is a great time to invite pre-Christians who feel obligated to attend a religious Christian service. Cell members can also participate in honoring Jesus during the celebration service by inviting people and taking part in the service.

Feel free to share about how you are honoring Jesus this year.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Jesus É A Razão Da Temporada

Por Joel Comiskey

Os anjos em Lucas 2 não poderiam conter as boas notícias sobre um bebê extraordinário na manjedoura. E nesta temporada celebramos o Deus-homem que veio nos dar:

Conhecimento: Jesus nos deu o verdadeiro conhecimento do Pai. Ele retratou um pai amoroso e atencioso – tão diferente das divindades impessoais desse período de tempo. Jesus nos mostrou que Deus é amor. Na verdade, Ele amou o mundo tanto que Ele mesmo desceu Ele para morrer pelos pecados do mundo.

Objetivo: a encarnação, a morte e a ressurreição de Jesus nos dá razão para viver. O nascimento e a morte de Cristo nos libertam para viver uma vida holística e alegre. Não somos um acidente raro da natureza. Pelo contrário, Deus tem um plano perfeito para cada um de nós, e um dia viveremos para sempre com Ele no Céu.

Dignidade: o nascimento de Cristo entre os humildes nos lembra que Deus deseja alcançar toda a Sua criação. Enquanto estava na terra, Jesus demonstrou seu amor pelos oprimidos, os empobrecidos, os doentes e os que estão à margem da sociedade. Jesus deu nova dignidade às mulheres. O nascimento de Cristo dá nova confiança e esperança.

O Natal é tudo sobre Cristo, e é um privilégio compartilhar esse conhecimento com os outros. O Natal é uma ótima ocasião para convidar as pessoas para o grupo celular a se concentrar em Jesus, desfrutar de uma refeição ou alcançar as necessidades da reunião como um grupo.

Uma vez que a igreja celular é um ministério de duas asas, as células se juntam para celebrar Cristo e convidar aqueles que não conhecem Jesus. Este ano, a véspera de Natal é 24 de dezembro, por isso é uma ótima oportunidade para exaltar a Jesus e compartilhar as boas novas de que Cristo veio resgatar homens e mulheres da morte à vida.

Em dezembro, vamos falar sobre focar em Jesus na célula e no culto de celebração. Nós só teremos o blog por duas semanas e depois daremos uma pausa de 17 de dezembro de 2017 a 07 de janeiro de 2018. Vamos abordar:

  • 03 a 09 de dezembro. Exaltando Jesus na célula. Jesus ama os pecadores e Ele ficaria honrado em ter uma festa especial da casa em Seu nome onde os não-cristãos estarão presentes. Ou talvez uma troca de presentes enquanto honra o maior presente, a vinda de Cristo a esta terra.
  • 10 a 16 de dezembro. Comemorando Jesus na reunião maior. A celebração do domingo é um ótimo momento para convidar pré-cristãos que se sentem obrigados a participar de um culto religioso cristão. Os membros da célula também podem participar na honra de Jesus durante o serviço de celebração, convidando as pessoas e participando do culto.

Sinta-se livre para compartilhar sobre como você está honrando Jesus neste ano.

Spanish blog:

Jesús es la razón de la celebración 

por Joel Comiskey

Los ángeles en Lucas 2, no podían contener las buenas noticias sobre un bebé extraordinario que estaba en el pesebre. Y esta temporada celebramos al Dios-hombre que vino a darnos:

Conocimiento: Jesús nos dio el verdadero conocimiento del Padre. Representó a un Padre amoroso y afectuoso, tan diferente de las deidades impersonales de ese tiempo. Jesús nos mostró que Dios es amor; de hecho, Él amó tanto al mundo que descendió para morir por los pecados del mundo.

Propósito: la encarnación, la muerte y la resurrección de Jesús nos da una razón para vivir. El nacimiento y la muerte de Cristo nos hace libres para tener vidas holísticas y alegres. No somos un extraño accidente de la naturaleza, más bien, Dios tiene un plan perfecto para cada uno de nosotros, y un día viviremos para siempre con Él en el cielo.

Dignidad: el nacimiento de Cristo entre los humildes nos recuerda que Dios desea alcanzar toda su creación. Mientras estuvo en la tierra, Jesús demostró su amor por los oprimidos, los pobres, los enfermos y los marginados de la sociedad; Jesús le dio nueva dignidad a las mujeres. El nacimiento de Cristo nos da una nueva confianza y esperanza.

La Navidad se trata de Cristo, y es un privilegio compartir este conocimiento con otros. La Navidad es un buen momento para invitar a las personas al grupo celular y enfocarnos en Jesús, disfrutar de una comida o discutir las necesidades de la reunión en grupo.

Como la iglesia celular es un ministerio de dos áreas, las células se unen para celebrar a Cristo e invitar a aquellos que aun no le conocen. Este año, la víspera de Navidad es el 24 de diciembre, por lo que es una gran oportunidad para exaltar a Jesús y compartir las buenas nuevas de que Cristo vino a rescatar a hombres y mujeres de la muerte para vida.

En diciembre, hablemos de centrarnos en Jesús en nuestra célula y en los servicios de celebración. Solo publicaremos blogs por dos semanas y luego tomaremos un descanso del 17 de diciembre de 2017 al 7 de enero de 2018. Cubriremos:

  • Diciembre 03-09. Exaltando a Jesús en la célula. Jesús ama a los pecadores y se sentiría honrado de tener una fiesta especial en su nombre donde los no cristianos estén presentes. O tal vez un intercambio de regalos mientras se honra el mayor regalo, el regreso de Cristo a esta tierra.
  • Diciembre 10-16. Celebrando a Jesús en la reunión más grande. La celebración del domingo es un buen momento para invitar a los pre-cristianos que se sienten obligados a asistir a un servicio cristiano religioso. Los miembros de la célula también pueden participar honrando a Jesús durante el servicio de celebración invitando a las personas y participando en el servicio.

Siéntete libre de compartir acerca de cómo honras a Jesús este año.

Permanent Versus Rotating Hosts

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Should cells rotate or is it best to have one “permanent” place? There are solid arguments for both sides. I don’t believe there is one right answer. Some believe that the Scripture teaches that cells must rotate on a regular basis. Yes, Scripture does say, “Day after day, in the temple courts and from house to house, they never stopped teaching and proclaiming the good news that Jesus is the Christ” (Acts 5:42). But is this verse prescriptive or descriptive? In other words, is God commanding a pattern to follow (prescriptive) or simply describing the reality of the early church? It seems to me that this verse is more descriptive because Paul also referred to stationary house churches:

  • the church in the house of Mary (Acts 12:12
  • the church in the house of Aquila and Priscilla (1 Corinthians 16:19)
  • the church in the house of Nympha (Colossians 4:15)
  • the church in the home of Archippus (Philemon 2)

It seems that the early house churches both rotated from house to house and enjoyed a more or less permanent location.

Rotation works well because it helps other members to share the hosting load and creates new opportunities for evangelism. But having one place is also a good idea because it capitalizes on the giftedness of one host (i.e., if you have a gifted host, why move the group around?), helps everyone to remember where the cell meets, and more effectively reaches the people of one particular area.

My own Life group rotates between my house, Brent’s house, and Jose’s restaurant where we meet in an outside, secluded table. Sharing the load works well for us, but in other situations, it’s best to meet in one home, especially if the person or couple has God-given gifts that enhance their role as host.

For example, those with the gift of helps, service, pastor, giving, or mercy normally make great hosts. And I believe that God has placed an abundance of the gifts of helps and service in the body of Christ. Those hosts who possess “hospitality type” gifts make excellent “permanent” hosts. Yet, I also believe that all Christians should grow in hospitality and learn to become better hosts.

The Elim Church uses both permanent hosts and rotating cells. Mario writes,

Here at the Elim Church we have both types of meetings, and both have been a blessing. Rotating cells work well to reach new spheres of influence because they move from one house to another. The fact that the cell is a novelty in a home becomes an element of attraction for the neighbors.

On the other hand, permanent cells, even though they maintain their sphere of influence without any variation, they have the virtue of consistency. This type of cell has more extensive follow-up on the same people each week and provide more opportunities for neighborhood people to attend.

What has worked best for you? Feel free to share here.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Anfitriões Permanente Versus Anfitriões Rotativos

por Joel Comiskey

As células devem girar ou é melhor ter um lugar “permanente”? Existem argumentos sólidos para ambos os lados. Não acredito que haja uma resposta certa. Alguns acreditam que a Escritura ensina que as células devem girar regularmente. Sim, a Escritura diz: “Todos os dias, no templo e de casa em casa, não deixavam de ensinar e proclamar que Jesus é o Cristo.(Atos 5:42). Mas esse versículo é prescritivo ou descritivo? Em outras palavras, Deus está comandando um padrão a seguir (prescritivo) ou simplesmente descrevendo a realidade da Igreja Primitiva? Parece-me que este versículo é mais descritivo porque Paulo também se referiu às igrejas de casas estacionárias:

  • a igreja na casa de Maria (Atos 12:12)
  • a igreja na casa de Aquila e Priscilla (1 Coríntios 16:19)
  • a igreja na casa de Ninfa (Colossenses 4:15)
  • a igreja na casa de Arquipo (Filemom 2)

Parece que as primeiras igrejas domésticas giraram de casa em casa e desfrutavam de um local mais ou menos permanente.

A rotação funciona bem porque ajuda outros membros a compartilhar a carga de hospedagem e cria novas oportunidades para o evangelismo. Mas ter um lugar também é uma boa ideia, porque ele capitaliza o dom de um anfitrião (ou seja, se você tem um anfitrião com dons, por que mover o grupo?), Ajuda a todos a lembrar onde a célula se encontra, e mais efetivamente alcança as pessoas de uma determinada área.

Meu próprio grupo de células gira entre minha casa, a casa de Brent e o restaurante de José, onde nos encontramos em uma mesa externa e isolada. O compartilhamento da carga funciona bem para nós, mas em outras situações, é melhor se encontrar em uma casa, especialmente se a pessoa ou casal tem dons dados por Deus que aumentam seu papel de anfitrião.

Por exemplo, aqueles com o dom de ajuda, serviço, pastor, doação ou misericórdia geralmente fazem ótimos anfitriões. E eu acredito que Deus colocou uma abundância dos dons de ajuda e serviço no corpo de Cristo. Os anfitriões que possuem dons de tipo “hospitalidade” fazem excelentes anfitriões “permanentes”. No entanto, eu também acredito que todos os cristãos devem crescer na hospitalidade e aprender a se tornar melhores hospedeiros.

A Igreja Elim usa tanto anfitriões permanentes quanto células rotativas. Mario escreve:

Aqui, na Igreja de Elim, temos dois tipos de reuniões, e ambos tem sido uma benção. As células rotativas funcionam bem para alcançar novas esferas de influência porque se mudam de uma casa para outra. O fato de que a célula é uma novidade em uma casa se torna um elemento de atração para os vizinhos.

Por outro lado, as células permanentes, embora mantenham sua esfera de influência sem qualquer variação, têm a virtude da consistência. Este tipo de célula tem um acompanhamento mais extenso nas mesmas pessoas por semana e oferece mais oportunidades para as pessoas do bairro participarem.

O que funcionou melhor para você? Sinta-se livre para compartilhar aqui.

Spanish blog:

Anfitriones permanentes o rotativos

Por Joel Comiskey

¿Deben rotar las células o es mejor tener un lugar “permanente”? Hay argumentos sólidos para ambos lados. No creo que haya una respuesta correcta. Algunos creen que las Escrituras enseñan que las células deben rotar regularmente. Sí, las Escrituras dicen: “Y todos los días, en el templo y por las casas, no cesaban de enseñar y predicar a Jesucristo” (Hechos 5:42). Pero, ¿este versículo es prescriptivo o descriptivo? En otras palabras, ¿está Dios ordenando un patrón a seguir (prescriptivo) o simplemente describiendo la realidad de la iglesia primitiva? Me parece que este versículo es más descriptivo, porque Pablo también se refirió a iglesias de casas estacionarias:

  • la iglesia en la casa de María (Hechos 12:12
  • la iglesia en la casa de Aquila y Priscila (1 Corintios 16:19)
  • la iglesia en la casa de Ninfas (Colosenses 4:15)
  • la iglesia en el hogar de Arquipo (Filemón 2)

Parece que las primeras iglesias en casas rotaron de casa en casa y disfrutaron de una ubicación más o menos permanente.

La rotación funciona bien porque ayuda a otros miembros a compartir la carga de alojamiento y crea nuevas oportunidades de evangelismo. Pero tener un solo lugar también es una buena idea, porque saca provecho de los dones de un anfitrión (es decir, si tienes un anfitrión con dones, ¿por qué mover al grupo?), Ayuda a todos a recordar dónde se encuentra la célula y llega más efectivamente al personas de un área en particular.

Mi grupo celular rota entre mi casa, la casa de Brent y el restaurante de José, donde nos encontramos en una mesa aislada y al aire libre. Compartir la carga funciona bien para nosotros, pero en otras situaciones, lo mejor es reunirse en una casa, especialmente si la persona o la pareja tiene dones de Dios que mejoran su papel como anfitrión.

Por ejemplo, aquellos con el don de ayuda, servicio, pastorado, ofrenda o misericordia normalmente son grandes anfitriones. Y creo que Dios ha puesto una abundancia de los dones de ayuda y servicio en el cuerpo de Cristo. Aquellos anfitriones que poseen dones de “hospitalidad” son excelentes anfitriones “permanentes”. Sin embargo, también creo que todos los cristianos deben crecer en hospitalidad y aprender a ser mejores anfitriones.

La Iglesia Elim implementa anfitriones permanentes y rotativos en sus células. Mario escribe:

Aquí en la Iglesia Elim tenemos ambos tipos de reuniones, y ambas han sido una bendición. Las células rotativas funcionan bien para alcanzar nuevas esferas de influencia porque se mueven de una casa a otra. El hecho de que la célula sea una novedad en el hogar se convierte en un elemento de atracción para los vecinos.

Por otro lado, las células permanentes, a pesar de que mantienen su esfera de influencia sin ninguna variación, tienen la virtud de la consistencia. Este tipo de célula tiene un seguimiento más extenso de las mismas personas cada semana y brinda más oportunidades para que la gente del vecindario asista.

¿Qué funcionó mejor para ti? No dudes en compartir tu experiencia aquí.

God is Calling His Church to be Hospitable

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

I admire hospitable people. I’m referring to those who are always willing to open their homes and sacrifice for others. That’s what I want to be like. Why? Because that’s what God is like. God loves people  and is in constant community with the other members of the Trinity. He calls the church His family and promotes love above all other characteristics. In fact, he said that by our love the world would know that we are his disciples.

Hospitality is hard. My wife and I have been leading Life groups for the last 20 years. Most of that time, we’ve not only led the group but hosted it in our home. I think it’s better to have a permanent host, but that has not been our experience. It’s difficult when people leave late and clean-up awaits. It’s hard  when thinking about the many tasks on my plate to be hospitable. Yet, my prayer is that the Trinity would make me more like him.

I remember when we first planted the church in Moreno Valley, CA, using our house as the launching pad. I struggled with the constant barrage of people in our home and the resulting messiness. I found it hard to practice hospitality and was on my knees a lot, asking God for patience and grace to deal with certain people.  God continually had to remind me that my home and possessions are not my own. They belong to Him, and He wants to use them to bless others.

In today’s society, hospitality is becoming a lost art. People are often possessed by their possessions, insist on their personal time, and open their homes less and less.

In New Testament times, hospitality portrayed the message of God’s love through the new family of God. Because the early church met in homes, hospitality was a natural and necessary practice. It helped to foster family-like ties among believers and provided a setting in which to shape and to reinforce a new identity.

Paul encourages the church in Rome to practice hospitality (Romans 12:13), the writer of Hebrews reminds believers not to neglect hospitality (Hebrews 13:1-3), and Peter challenges the community to offer hospitality ungrudgingly (1 Peter 4:9). Hospitality, in each of these passages, is a concrete expression of love for the household of God and beyond to strangers, just as we see in the Old Testament.

Such hospitality was not only practical, but was seen as actually participating in the gospel ministry. John the apostle says, “You are faithful in what you are doing for the brothers, even though they are strangers to you. . . . It was for the sake of the Name that they went out, receiving no help from the pagans. We ought therefore to show hospitality to such men so that we may work together for the truth” (3 John 1:5-8).

God is calling us, his church, to open our hearts and homes to others. Let’s be hospitable, like the Trinity.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Deus Está Chamando Sua Igreja Para Ser Hospitaleira

por Joel Comiskey

Admiro pessoas hospitaleiras. Estou me referindo àquelas que sempre estão dispostas a abrir suas casas e se sacrificar pelos outros. É assim que eu quero ser. Por quê? Porque é assim que é Deus. Deus ama as pessoas e está em constante comunidade com os outros membros da Trindade. Ele chama a igreja de Sua família e promove o amor acima de todas as outras características. Na verdade, Ele disse que, pelo nosso amor, o mundo saberia que somos seus discípulos.

A hospitalidade é difícil. Minha esposa e eu lideramos grupos de vida nos últimos 20 anos. Na maioria das vezes, nós não apenas lideramos o grupo, mas hospedamos em nossa casa. Penso que é melhor ter um anfitrião permanente, mas essa não foi nossa experiência. É difícil quando as pessoas vão embora tarde e espera-se a limpeza. É difícil quando penso em muitas tarefas para ser hospitaleiro. No entanto, minha oração é que a Trindade me faça mais como Ele.

Lembro-me quando plantamos a igreja em Moreno Valley, CA, usando nossa casa como plataforma de lançamento. Eu lutei com a constante barragem de pessoas em nossa casa e a bagunça resultante. Eu achei difícil praticar hospitalidade e estava sempre de joelhos, pedindo a Deus paciência e graça para lidar com certas pessoas. Deus continuamente teve que me lembrar que minha casa e pertences não são meus. Eles pertencem a Ele, e Ele quer usá-los para abençoar os outros.

Na sociedade de hoje, a hospitalidade está se tornando uma arte perdida. As pessoas são muitas vezes possuídas por suas posses, insistem em seu tempo pessoal e abrem suas casas cada vez menos.

Nos tempos do Novo Testamento, a hospitalidade retratou a mensagem do amor de Deus através de Sua nova família. Porque a Igreja Primitiva se encontrava em casas, a hospitalidade era uma prática natural e necessária. Isso ajudou a promover laços familiares entre os crentes e proporcionou um cenário para moldar e reforçar uma nova identidade.

Paulo encoraja a igreja em Roma a praticar a hospitalidade (Romanos 12:13), o escritor de Hebreus lembra aos fiéis que não negligenciem a hospitalidade (Hebreus 13: 1-3) e Pedro desafia a comunidade a oferecer hospitalidade sem arrependimento (1 Pedro 4: 9 ). A hospitalidade, em cada uma dessas passagens, é uma expressão concreta de amor para a família de Deus e além de estranhos, tal como vemos no Antigo Testamento.

Essa hospitalidade não era apenas prática, mas era vista como realmente participar do ministério evangélico. João, o apóstolo, diz: “Amado, procedes fielmente em tudo o que fazes para com os irmãos, e para com os estranhos, Que em presença da igreja testificaram do teu amor; aos quais, se conduzires como é digno para com Deus, bem farás; Porque pelo seu Nome saíram, nada tomando dos gentios.

Portanto, aos tais devemos receber, para que sejamos cooperadores da verdade.” (3 João 1:5-8)

Deus está nos chamando, sua Igreja, para abrir nossos corações e casas para os outros. Vamos ser hospitaleiros, como a Trindade.

Spanish blog:

Dios está llamando a su iglesia a ser hospitalaria

Por Joel Comiskey

Admiro a la gente hospitalaria. Me refiero a aquellos que siempre están dispuestos a abrir sus hogares y sacrificarse por los demás; así es como quiero ser. ¿Por qué? Porque así es Dios. Dios ama a las personas y está en comunidad constante con los otros miembros de la Trinidad. Él llama a la iglesia su familia y promueve el amor por encima de todas las demás características. De hecho, dijo que por nuestro amor el mundo sabría que somos sus discípulos.

Ser hospitalarios es difícil, mi esposa y yo hemos estado dirigiendo grupos celulares durante los últimos 20 años. La mayor parte de ese tiempo, no solo hemos liderado el grupo sino que lo hemos alojado en nuestro hogar; creo que es mejor tener un anfitrión permanente, pero esa no ha sido nuestra experiencia. Es difícil cuando la gente sale tarde y la limpieza espera. Es difícil cuando pienso en las muchas tareas que tengo al ser hospitalario, sin embargo, mi oración es que la Trinidad me hará más como él.

Recuerdo cuando plantamos la iglesia en Moreno Valley, California, usando nuestra casa como la plataforma de lanzamiento. Luché con el aluvión constante de personas en nuestra casa y el desorden resultante. Me resultó difícil practicar la hospitalidad y estaba de rodillas, pidiéndole a Dios paciencia y gracia para tratar con ciertas personas. Dios continuamente tuvo que recordarme que mi hogar y posesiones no son mías, le pertenecen a Él, y Él quiere usarlas para bendecir a otros.

En la sociedad actual, la hospitalidad se está convirtiendo en un arte perdido. Las personas a menudo están poseídas por sus posesiones, insisten en su tiempo personal y abren sus hogares cada vez menos.

En los tiempos del Nuevo Testamento, la hospitalidad representaba el mensaje del amor de Dios a través de la nueva familia de Dios. Debido a que la iglesia primitiva se reunía en los hogares, la hospitalidad era una práctica natural y necesaria. La hospitalidad ayudó a fomentar lazos familiares entre los creyentes y proporcionó un entorno en el que moldeaba y reforzaba una nueva identidad.

Pablo alienta a la iglesia en Roma a practicar la hospitalidad (Romanos 12:13), el escritor de Hebreos les recuerda a los creyentes que no descuiden la hospitalidad (Hebreos 13: 1-3), y Pedro desafía a la comunidad a ofrecer hospitalidad a manos abiertas (1 Pedro 4: 9) La hospitalidad, en cada uno de estos pasajes, es una expresión concreta de amor por la familia de Dios y aún más por los extraños, tal como lo vemos en el Antiguo Testamento.

Tal hospitalidad no solo era práctica, sino que se la veía como una participación en el ministerio del evangelio. El apóstol Juan dice: “Te comportas fielmente en todo lo que haces por los hermanos, aunque no los conozcas.”. . . . Ellos salieron por causa del Nombre, sin nunca recibir nada de los paganos. Por lo tanto, debemos brindarles hospitalidad, y así colaborar con ellos en la verdad.” (3 Juan 1: 5-8).

Dios nos esta llamando, a su iglesia, para abrir nuestros corazones y hogares a otros. Seamos hospitalarios, como la Trinidad.

Hospitality in House to House Ministry

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Material things have a tendency to dominate, rather than serve. People start focusing on the things rather than the purpose for them. Jesus said, “Watch out! Be on your guard against all kinds of greed; life does not consist in an abundance of possessions” (Luke 12:15). When God graciously gives a nice home or apartment to a believer, it’s not only for personal consumption but to use for others.

One reason cell ministry doesn’t grow more rapidly is because of the lack of hospitality. People are not willing to open their homes for cell groups. But this problem also plagued the early church, and Peter addresses the issue in 1 Peter 4:9, “Offer hospitality to one another without grumbling” (1 Peter 4:9). The early church depended on hospitable members to open their homes and some were grumbling about it, rather than joyfully welcoming others.

The word hospitality means “be friendly; generous reception and entertainment of guests, visitors, or strangers.” Synonyms are: warm reception, welcome, helpfulness, neighborliness, warmth, kindness, congeniality, generosity, entertainment, food. All believers can improve their hospitality–their generosity, neighborliness, and entertainment of guests. But those who open their homes for cell groups have a special opportunity to offer hospitality.

The role of the host is one of the most under-appreciated aspects of cell ministry. We hear a lot about the cell leader, coach, and pastor but preciously little about the host. Yet, hosting a cell meeting can make or break cell ministry. An effective host creates a welcoming atmosphere that draws people back. Hosts allow the cell leader to focus on the people present and relieves him or her from all the additional hosting work.

Is there a gift of hospitality? Some writers think so. I’m not sure if such a gift exists, but I do believe that certain spiritual gifts make it easier to host a cell group. For example, those with the gift of helps, service, pastor, giving, or mercy normally make great hosts. And I believe that God has placed an abundance of the gifts of helps and service in the body of Christ. Those hosts who possess “hospitality type” gifts make excellent “permanent” hosts. Yet, I also believe that all Christians should grow in hospitality and learn to become better hosts.

In November, let’s talk about hospitality and the role of hosting the cell meeting. We’ll cover:

  • (November 05-11) The biblical base. The Bible is full of references to hospitality and the since the early church met in homes, hospitality was very important.
  • (November 12-18).  Benefits of hospitality. These include learning to become more like Jesus, reaching to friends and neighbors, and learning to give rather than just receive.
  •  (November 19-25).  Obstacles to hospitality. These include: busyness, getting caught up in an impersonal society, and esteeming things rather than service to the body of Christ.
  • (November 26-December 02). The role of the host or hostess in cell ministry. Is it better to have one permanent host? Rotate?

Feel free to share about hospitality in cell ministry here.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Hospitalidade No Ministério de Casa em Casa

Por Joel Comiskey

As coisas materiais tendem a dominar, em vez de servir. As pessoas começam a se concentrar nas coisas e não no propósito para elas. Jesus disse: “Cuidado! Cuide-se contra todos os tipos de ganância, a vida não consiste em abundância de bens” (Lucas 12:15). Quando Deus graciosamente dá um bom lar ou apartamento para um crente, não é apenas para consumo pessoal, mas para uso para outros.

Uma razão pela qual o ministério celular não cresce mais rapidamente é devido à falta de hospitalidade. As pessoas não estão dispostas a abrir suas casas para grupos de células. Mas este problema também atormentou a igreja primitiva, e Pedro aborda o problema em 1 Pedro 4: 9, “Ofereça hospitalidade uns aos outros sem resmungar” (1 Pedro 4: 9). A igreja primitiva dependia de membros hospitaleiros para abrir suas casas e alguns estavam resmungando sobre isso, ao invés de acolher alegremente os outros.

A palavra hospitalidade significa “ser amigável, recepção generosa e entretenimento de convidados, visitantes ou estranhos”. Os sinônimos são: recepção calorosa, dar boas-vindas, utilidade, vizinhança, calor, gentileza, congenialidade, generosidade, entretenimento, comida. Todos os crentes podem melhorar sua hospitalidade – sua generosidade, vizinhança e entretenimento dos convidados. Mas aqueles que abrem suas casas para grupos celulares têm uma oportunidade especial para oferecer hospitalidade.

O papel do hospedeiro é um dos aspectos mais subestimados do ministério celular. Nós ouvimos muito sobre o líder da célula, treinador e pastor, mas muito pouco sobre o anfitrião. No entanto, hospedar uma reunião celular pode fazer ou quebrar o ministério das células. Um anfitrião eficaz cria uma atmosfera acolhedora que atrai as pessoas de volta. Os anfitriões permitem que o líder da célula se concentre nas pessoas presentes e o alivia de todo o trabalho de hospedagem adicional.

Existe um dom de hospitalidade? Alguns escritores pensam assim. Não tenho certeza se tal dom existe, mas acredito que certos dons espirituais tornam mais fácil hospedar um grupo de células. Por exemplo, aqueles com o dom de ajuda, serviço, pastoral, de doação ou de misericórdia geralmente fazem ótimos anfitriões. E eu acredito que Deus colocou uma abundância dos dons de ajuda e serviço no corpo de Cristo. Os anfitriões que possuem dons de tipo “hospitalidade” fazem excelentes anfitriões “permanentes”. No entanto, eu também acredito que todos os cristãos devem crescer na hospitalidade e aprender a se tornar melhores hospedeiros.

Em novembro, vamos falar sobre hospitalidade e o papel de hospedagem da reunião celular. Vamos abordar:

  • (05-11 de novembro) A base bíblica. A Bíblia está cheia de referências à hospitalidade e, desde que a igreja primitiva se encontrou em casas, a hospitalidade era muito importante.
  • (12 a 18 de novembro). Benefícios da hospitalidade. Estes incluem aprender a se tornar mais como Jesus, alcançando amigos e vizinhos e aprendendo a dar em vez de apenas receber.
  • (19-25 de novembro). Obstáculos à hospitalidade. Estes incluem: ocupação, ficar preso em uma sociedade impessoal e estimar as coisas em vez de servir ao corpo de Cristo.
  • (26 de novembro a 02 de dezembro). O papel do anfitrião ou da anfitriã no ministério celular. É melhor ter um anfitrião permanente? Alternar?

Sinta-se livre para compartilhar sobre hospitalidade no ministério celular aqui.

Spanish blog:

Hospitalidad en el Ministerio de Casa en Casa

Por Joel Comiskey

Las cosas materiales tienden a dominar, en lugar de servir. La gente comienza a enfocarse en las cosas, más que en el propósito de estas. Jesús dijo: “¡Cuidado! Guardaos de toda avaricia, porque la vida del hombre no consiste en la abundancia de los bienes que posee” (Lucas 12:15). Cuando Dios amablemente le da a un creyente un hogar o un agradable departamento, no es solo para consumo personal, sino para los demás.

Una razón por la cual el ministerio celular no crece más rápido es por la falta de hospitalidad, la gente no está dispuesta a abrir sus hogares para grupos celulares. Pero este problema también plagó a la iglesia primitiva, y Pedro aborda el problema en 1 Pedro 4: 9, “Hospedaos los unos a los otros sin murmuraciones” (1 Pedro 4: 9). La iglesia primitiva dependía de miembros hospitalarios para abrir sus hogares y algunos se quejaban al respecto, en lugar de dar la bienvenida a los demás.

La palabra hospitalidad significa “ser amable, recepción generosa y entretenimiento de invitados, visitantes o extraños”. Los sinónimos son: cálida recepción, bienvenida, amabilidad, vecindad, cordialidad, amabilidad, simpatía, generosidad, entretenimiento, comida. Todos los creyentes pueden mejorar su hospitalidad: su generosidad, la buena vecindad y el entretenimiento de los huéspedes. Pero aquellos que abren sus hogares para grupos celulares tienen una oportunidad especial de ofrecer hospitalidad.

El papel del anfitrión es uno de los aspectos menos apreciados del ministerio celular. Escuchamos mucho sobre el líder de la célula, el entrenador y el pastor, pero poco sobre el anfitrión. Sin embargo, organizar una reunión celular puede desarrollar o romper el ministerio celular. Un anfitrión eficaz crea una atmósfera acogedora que atrae a la gente, los anfitriones permiten que el líder de la célula se centre en las personas presentes y lo libera de todo el trabajo de alojamiento adicional.

¿Hay un don de hospitalidad? Algunos escritores piensan así. No estoy seguro de si existe tal don, pero sí creo que ciertos dones espirituales hacen que sea más fácil albergar un grupo celular. Por ejemplo, aquellos con el don de ayuda, servicio, pastor, ofrenda o misericordia normalmente son grandes anfitriones. Y creo que Dios ha puesto una abundancia de los dones de ayuda y servicio en el cuerpo de Cristo. Aquellos anfitriones que poseen regalos como “hospitalidad” son excelentes anfitriones “permanentes”. Sin embargo, también creo que todos los cristianos deben crecer en hospitalidad y aprender a ser mejores anfitriones.

En noviembre, hablemos de la hospitalidad y el papel de organizar la reunión celular. Si deseas recibir los blogs diarios en tu correo electrónico, presiona aquí. Cubriremos:

  • (Noviembre 05-11) La base bíblica. La Biblia está llena de referencias de hospitalidad y ya que la iglesia primitiva se reunió en los hogares, la hospitalidad era muy importante.
  • (Noviembre 12- 18). Beneficios de la hospitalidad. Estos incluyen aprender a ser más como Jesús, llegar a amigos y vecinos, y aprender a dar en lugar de solo recibir.
  • (Noviembre 19-25). Obstáculos a la hospitalidad. Estos incluyen: ocupaciones, quedar atrapados en una sociedad impersonal y estimar las cosas en lugar de servir al cuerpo de Cristo.
  • (Noviembre 26-  Diciembre 02). El papel del anfitrión o anfitriona en el ministerio celular. ¿Es mejor tener un anfitrión permanente? ¿Es mejor rotar de anfitrión?

Comparte sobre la hospitalidad en el ministerio celular aquí­.

Feeding the Vision

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

We need to be restored continually in our vision for cell ministry.  Why? Because yesterday’s vision will not sustain today’s ministry.  In other words, vision leaks.

Most likely maintaining a cell vision is easier for me than you. I’m constantly connected to holistic small group themes. I write about cell themes, coach pastors in cell ministry, speak in cell-based churches, lead a non-profit cell church ministry, and even lead a Wednesday night Life group.

How do you keep your vision strong for cell-based ministry?

One reason we write these blogs is to feed your cell vision. Other ways to renew your cell vision are: books, articles, videos, conferences, and even cell coaching. If you are a lead pastor, are you in a cell group? Leading one? This will also help you stay connected.

Cell church ministry is a marathon, rather than a 50-yard dash. Here are some key ways to renew your vision:

  • Bible reading. The Bible is chalked full of material to stimulate your cell vision. My book, Biblical Foundations for Cell-Based Ministry (2012) and Making Disciples in the 21st Century Church (2013), talk a lot about the biblical base for cell ministry.
  • Resources (books, articles, blogs, etc.). Are you feeding your cell vision by reading cell resources? I’ve put together a list of “must read” books on cell ministry (click here). How many have you read on the list? Do you have a plan to read them? They will help fuel your vision. The same is true with cell blogs, articles, small group resources, and so forth. I’m glad you’re reading this blog and hope you continue!
  • Seminars, conferences, and network gatherings. Cell conferences offer information to inspire your vision and provide opportunities to interact with pastors and leaders who are on the same journey. Do you have plans to attend a seminar or conference in 2017? 2018? (check out the JCG seminars). I’m always impressed with pastors who organize themselves into networks after a seminar for the purpose of encouragement and strengthening their cell vision.
  • Coaching. Having a personal coach is a great way to keep your vision strong and growing. A coach will hold you accountable, listen, encourage, offer resources, and suggest ways to improve. Some coaches charge a fee whole others do it for free. Our book, You Can Coach, looks at the different coaching options and how to coach (maybe God is calling you to coach someone else!). Along with the many free resources, we also offer fee-based coaching at JCG.
  • Personal Experience. Sometimes the best way to renew your vision is to lead a cell group or become a member of a cell. Being in the battle will keep your vision focused. If you haven’t begun your cell journey, maybe you could ask a nearby pastor to allow you to attend one of their cells or pastoral team meetings.

Can you think of other ways to keep your cell vision strong? Share them here.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Alimentando a Visão

Por Joel Comiskey

Precisamos ser restaurados continuamente em nossa visão para o ministério celular. Por quê? Porque a visão de ontem não vai sustentar o ministério de hoje. Em outras palavras, a visão vaza.

Provavelmente, manter uma visão celular é mais fácil para mim do que para você. Estou constantemente ligado a temas holísticos de pequenos grupos. Eu escrevo sobre temas celulares, treino pastores no ministério celular, falo em igrejas baseadas em células, lideramos um ministério de igreja celular sem fins lucrativos e até lideramos um grupo de vida de quarta-feira à noite.

Como você mantém sua visão forte para o ministério baseado em células?

Uma razão pela qual escrevemos esses blogs é alimentar sua visão celular. Outras formas de renovar sua visão celular são: livros, artigos, vídeos, conferências e até mesmo treinamento celular. Se você é o pastor principal, você está em um grupo de células? Liderando um? Isso também o ajudará a permanecer conectado.

O ministério da igreja celular é uma maratona, ao invés de uma corrida de 50 jardas. Aqui estão algumas maneiras principais de renovar sua visão:

  • Leitura da Bíblia. A Bíblia é cheia de material para estimular sua visão celular. Meu livro, Fundamentos Bíblicos Para Uma Igreja Baseada em Células (2012) e Fazendo Discípulos na Igreja do Século 21 (2013), falam muito sobre a base bíblica para o ministério celular.
  • Recursos (livros, artigos, blogs, etc.). Você está alimentando sua visão celular através da leitura de recursos celulares? Eu juntei uma lista de livros “obrigatórios” no ministério celular (clique aqui). Quantos você já leu da lista? Você tem um plano para lê-los? Eles ajudarão a alimentar sua visão. O mesmo acontece com blogs celulares, artigos, recursos de pequenos grupos, e assim por diante. Estou feliz por estar lendo este blog e espero que continue!
  • Seminários, conferências e reuniões de rede. As conferências de célula oferecem informações para inspirar sua visão e proporcionar oportunidades para interagir com pastores e líderes que estão na mesma jornada. Você planeja participar de um seminário ou conferência em 2017? 2018? (confira os seminários JCG). Eu sempre fico impressionado com pastores que se organizam em redes após um seminário com o propósito de encorajar e fortalecer sua visão celular.
  • Treinamento. Ter um treinador pessoal é uma ótima maneira de manter sua visão forte e crescente. Um treinador irá mantê-lo responsável, ouvir, encorajar, oferecer recursos e sugerir formas de melhorar. Alguns treinadores cobram uma taxa, outros fazem isso de graça. Nosso livro, You Can Coach (Você Pode Treinar, em tradução livre), analisa as diferentes opções de treinamento e como treinar (talvez Deus esteja chamando você para treinar alguém). Juntamente com muitos recursos gratuitos, também oferecemos coaching baseado em taxas na JCG.
  • Experiência pessoal. Às vezes, a melhor maneira de renovar sua visão é liderar um grupo de células ou se tornar um membro de uma célula. Estar na batalha manterá sua visão focada. Se você não iniciou sua jornada celular, talvez você possa pedir a um pastor nas proximidades para permitir que você assista a uma de suas células ou reuniões de equipe pastoral.

Você consegue pensar em outras maneiras de manter sua visão celular forte? Compartilhe-as aqui.

Spanish blog:

Alimentando la Visión

Por Joel Comiskey

Necesitamos ser restaurados continuamente en nuestra visión del ministerio celular. ¿Por qué? Porque la visión de ayer no sostendrá el ministerio de hoy. En otras palabras, la vista se pierde.

Lo más probable es que mantener una visión celular sea más fácil para mí, que para ti. Estoy constantemente conectado a temas holísticos de las células. Escribo sobre temas de células, entreno pastores en el ministerio celular, hablo en iglesias basadas en células, dirijo un ministerio de iglesia celular sin fines de lucro, e incluso dirijo una célula los miércoles por la noche.

¿Cómo mantienes tu visión fuerte para el ministerio basado en células?

Una de las razones por la que escribimos estos blogs, es para alimentar tu visión celular. Otras formas de renovar tu visión celular son: libros, artículos, videos, conferencias e incluso entrenamiento celular. Si tu eres un pastor principal, ¿estás en un grupo celular? Liderando uno? Esto también te ayudará a mantenerte conectado.

El ministerio de la iglesia celular es una maratón, y no una carrera de 50 yardas. Estas son algunas formas clave para renovar su visión:

  • Lectura de la Biblia: La Biblia está completamente equipada de material para estimular tu visión celular. Mis libros, Biblical Foundations for Cell-Based Ministry (2012) y Making Disciples in the 21st Century Church (2013), hablan mucho sobre la base bíblica del ministerio celular.
  • Recursos: (libros, artículos, blogs, etc.). ¿Estás alimentando tu visión celular al leer los recursos celulares? He preparado una lista de libros de “lectura obligatoria” sobre el ministerio celular (haz clic aquí). ¿Cuántos libros de los que estan en la lista has leído? ¿Tienes un plan para leerlos? Ellos ayudarán a alimentar tu visión. Lo mismo sucederá con los blogs acerca de las células, artículos, recursos celulares, etc. ¡Me alegra que estés leyendo este blog y espero que lo continúes haciendo!
  • Seminarios, conferencias y reuniones en red: Las conferencias celulares ofrecen información para inspirar tu visión y brindar oportunidades para interactuar con pastores y líderes que están en el mismo camino. ¿Tiene planes de asistir a un seminario o conferencia en 2017? 2018? (consulta los seminarios de JCG). Siempre me impresionan los pastores que se organizan en redes después de un seminario con el propósito de alentar y fortalecer su visión celular.
  • Entrenamiento: Tener un entrenador personal es una gran manera de mantener tu visión fuerte y en crecimiento. Un entrenador te hará responsable, escuchará, alentará, ofrecerá recursos y sugerirá formas de mejorar. Algunos entrenadores cobran una tarifa y otros lo hacen gratis. Nuestro libro You Can Coach, analiza las diferentes opciones de entrenamiento y cómo entrenar (¡quizás Dios te está llamando para entrenar a alguien más!). Junto con los muchos recursos gratuitos, también ofrecemos coaching basado en honorarios en JCG.
  • Experiencia personal: A veces, la mejor manera de renovar tu visión es dirigir un grupo celular o convertirse en miembro de una célula. Estar en la batalla mantendrá tu visión enfocada. Si no has comenzado tu viaje celular, tal vez podrías pedirle a un pastor cercano que te permita asistir a una de sus células o reuniones del equipo pastoral.

¿Puedes pensar en otras formas de mantener fuerte tu visión celular? Compártelas aquí.
Joel

Counting the Cost of Cell Ministry

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Some pastors rush to become cell churches because it’s the latest and greatest thing to do, like adding a  new programs such as  AWANA, Evangelism Explosion, Vacation Bible School, or a new program from their denomination.

Programs normally have a built-in life-cycle which can be discontinued after a semester, one year, or when the church decides to change programs. Many pastors approach starting cell church ministry in a programmatic way. They want to take it out of the box, set it up, and then delegate others to make it work. They view the cell church strategy as a technique or program that can be used for a time and then discontinued.

Cell church is not another program. It’s a way of life that focuses on people. Cell church ministry asks potential leaders to go through a specified training. Those who become cell leaders (or part of the leadership team) need on-going coaching. Pastors need to realize this and count the cost to make sure training and coaching takes place.

When a church moves forward with a vision, there will always be people who attack it. Whenever a leader goes in a particular direction and asks people to follow, some will resist, preferring another direction or keeping things just as they are.

It’s one thing for the senior leader to be on board, but it’s also critical that every member of the leadership team also supports the vision. When this happens, a team can go forward together. Cell church is really all about leadership development and the leadership team is the steering wheel of the cell church. If the leadership team is united and guiding the cell church vision, there’s a good chance the rest of the church will follow.

Some churches even lose people in the process. Ramon Justamente is a southern Baptist pastor in Florida. He counted the cost to become a cell church by studying the literature and visiting various cell churches (he and his wife even visited our cell church in Quito, Ecuador in 1999). He was totally convinced he should transition his church.

I don’t think Ramon was ready for what happened next: four hundred people left the church. Yet, Ramon believed God had called him to cell church ministry, and he wasn’t going to back down.

When I held a seminar in his church ten years after the transition, I saw a vibrant cell church. God has not only won back far more than four hundred who had left, but the people were excited, motivated, and serving Jesus with zeal and passion.  I spoke on how to transition a church, and Ramon gave his testimony.

If Ramon was just “testing the waters” he would have only lasted a few months. His commitment to the vision and values of cell church ministry helped him to “weather” the violent storms and stay afloat when things got rough. Ramon’s church is now a great model for those doing cell ministry in Florida.

Pastors who have successfully planted or transitioned to the cell church model have done their homework and are ready to stick with it for the long haul. Have you counted the cost?  Are you committed long term?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Contando o Custo do Ministério das Células

Por Joel Comiskey

Alguns pastores apressam-se a se tornar igrejas celulares porque é a última e melhor coisa a fazer, como a adição de novos programas, como AWANA, Evangelismo Explosão, Vacation Bible School (Escola Bíblica de Férias) ou um novo programa de sua denominação.

Os programas normalmente possuem um ciclo de vida incorporado que pode ser descontinuado após um semestre, um ano ou quando a igreja decide mudar de programa. Muitos pastores abordam o início do ministério da igreja celular de forma programática. Eles querem tirá-lo da caixa, configurá-lo e, em seguida, delegar outros para fazê-lo funcionar. Eles vêem a estratégia da igreja celular como uma técnica ou programa que pode ser usado por um tempo e depois descontinuado.

A igreja celular não é outro programa. É um modo de vida que se concentra nas pessoas. O ministério da igreja celular pede que líderes potenciais passem por um treinamento específico. Aqueles que se tornam líderes de células (ou parte da equipe de liderança) precisam de treinamento contínuo. Os pastores precisam perceber isso e contar o custo para se certificar de treinamento e equipamento.

Quando uma igreja avança com uma visão, sempre haverá pessoas que a atacam. Sempre que um líder vai em uma direção particular e pede às pessoas que sigam, algumas resistirão, preferindo outra direção ou mantendo as coisas exatamente como elas são.

É uma coisa para o líder sênior estar a bordo, mas também é crítico que cada membro da equipe de liderança também suporte a visão. Quando isso acontece, uma equipe pode avançar juntos. Igreja celular é realmente tudo sobre desenvolvimento de liderança, e a equipe de liderança é o volante da igreja celular. Se ela estiver unida e guiando a visão da igreja celular, há uma boa chance de o resto da igreja seguir.

Algumas igrejas até perdem as pessoas no processo. Ramon Justamente é um pastor batista do sul na Flórida. Ele contava o custo para se tornar uma igreja celular, estudando literatura e visitando várias igrejas celulares (ele e sua esposa até visitaram nossa igreja celular em Quito, Equador em 1999). Ele estava totalmente convencido de que ele deveria mudar sua igreja.

Não acho que Ramon estivesse pronto para o que aconteceu depois: quatrocentas pessoas deixaram a igreja. No entanto, Ramon acreditava que Deus o havia chamado para o ministério da igreja celular,
e ele não iria recuar.

Quando realizei um seminário em sua igreja dez anos após a transição, vi uma igreja celular vibrante. Deus não só ganhou mais de quatrocentos que partiram, mas as pessoas estavam entusiasmadas, motivadas e servindo a Jesus com zelo e paixão. Falei sobre a transição de uma igreja, e Ramon deu seu testemunho.

Se Ramon estivesse “testando as águas”, ele só duraria alguns meses. Seu compromisso com a visão e os valores do ministério das igrejas celulares o ajudaram a “resistir” às violentas tempestades e manter-se a flutuar quando as coisas ficaram difíceis. A igreja de Ramon é agora um ótimo modelo para aqueles que fazem o ministério celular na Flórida.

Os pastores que plantaram com sucesso ou fizeram a transição para o modelo da igreja celular fizeram seus trabalhos de casa e estão prontos para ficar com ele para o longo prazo. Você contou o custo? Você está comprometido por longo prazo?

Spanish blog:

Considerando el costo del Ministerio Celular

Por Joel Comiskey

Algunos pastores se apresuran en convertir su congregaciones en iglesias celulares porque es lo más nuevo, lo más grande, así también agregan nuevos programas como AWANA, Explosión Evangelistica, Escuela Biblica en Vacaciones o un nuevo programa de su  denominación.

Los programas normalmente tienen un ciclo de vida incorporado que se puede descontinuar después de un semestre, un año o cuando la iglesia decide cambiar de programa. Muchos pastores se acercan a el ministerio de la iglesia celular de una manera programática. Quieren presentarlo, configurarlo y luego delegar a otros para que lo hagan funcionar. Ven el modelo de la iglesia celular como una técnica o programa que se puede utilizar por un tiempo y que luego se puede suspende.

La iglesia celular no es programa un más, es una forma de vida que se centra en las personas. El ministerio de la iglesia celular le pide a los líderes potenciales que realicen una capacitación específica. Aquellos que se convierten en líderes celulares (o parte del equipo de liderazgo) necesitan entrenamiento continuo. Los pastores deben darse cuenta de esto y tener en cuenta el costo para asegurarse de que entrenen y capaciten.

Cuando una iglesia avanza con una visión, siempre habrá personas que la atacarán. Cada vez que un líder va en una dirección particular y le pide a la gente que lo siga, algunos se resistirán, van a preferir ir en otra dirección o simplemente  mantener todo de la misma manera.

Una cosa es que el líder principal esté a bordo, pero también es fundamental que cada miembro del equipo de liderazgo también apoye la visión. Cuando esto sucede, un equipo puede avanzar. La iglesia celular realmente tiene que ver con el desarrollo del liderazgo y el equipo de liderazgo es el volante de la iglesia celular. Si el equipo de liderazgo está unido y guía la visión de la iglesia celular, hay una buena probabilidad de que el resto de la iglesia lo siga.

Algunas iglesias incluso pierden miembros en el proceso. Ramón Justamente es un pastor bautista sureño en Florida. Experimentó el costo de convertirse en una iglesia celular, estudiando la literatura y visitando varias iglesias celulares (él y su esposa incluso visitaron nuestra iglesia celular en Quito, Ecuador en 1999). Estaba totalmente convencido de que debería hacer la transición de su iglesia.

No creo que Ramón estuviera preparado para lo que sucedió a continuación: cuatrocientas personas abandonaron la iglesia. Sin embargo, Ramón creía que Dios lo había llamado al ministerio de la iglesia celular, y él no iba a retroceder.

Cuando tuve un seminario en su iglesia diez años después de la transición, vi una vibrante iglesia celular. Dios no solo ha ganado más de cuatrocientos de los que se habían ido, sino que la gente estaba emocionada, motivada y sirviendo a Jesús con celo y pasión. Hablé sobre cómo hacer una transición a una iglesia y Ramón dio su testimonio.

Si Ramón solo estaba “probando las aguas”, solo habría durado unos pocos meses. Su compromiso con la visión y los valores del ministerio de la iglesia celular lo ayudó a “resistir” las tormentas violentas y mantenerse a flote cuando las cosas se pusieron difíciles. La iglesia de Ramón, ahora es un gran modelo para quienes desarrollan el ministerio celular en Florida.

Los pastores que han plantado o hecho la transición con éxito al modelo de la iglesia celular, han hecho su tarea y están listos para seguirlo a largo plazo. ¿Has calculado el costo? ¿Estás comprometido a largo plazo?

Learning from Mistakes

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

I know pastors who tried cell church ministry, failed at it, and then became cell church critics. They say, “Oh yes, I tried cell church, and it didn’t work.” Or they might say, “Cell church works great in Korea and Africa  but not here in my city.” But often these pastors didn’t keep trying. They were not willing to make mid-course corrections, such as seeking out a coach, visiting another cell church, or reading relevant cell church literature.

The reality is that we rarely get things right the first time. Often we don’t do them right the third and fourth time either. In fact, we grow and mature through the trials and errors we make. Failure is the back door to success and God will bless our efforts.  Pastors and leaders who make it in cell ministry keep pressing on and don’t give up. They practice the title of John Maxwell’s book, Failing Forward. Making mistakes is part of life.  Proverbs 24:16 says, For though a righteous man falls seven times, he rises again, but the wicked are brought down by calamity.”

The cell church training track, for example, is rarely perfected the first time. A pastor and leadership team has to make numerous auto-corrections to perfect the training track. The same is true for any part of cell ministry such as coaching, vision casting, keeping statistics, setting goals, evangelizing, and disciple-making.

Whenever I think of giving up, I’m encouraged by those who overcame failure through persistence:

  • When Thomas Edison invented the light bulb, he tried over two thousand experiments before he got it to work. A young reporter asked him how it felt to fail so many times. He said, “I never failed once. I invented the light bulb. It just happened to be a two thousand-step process.”
  • Winston Churchill failed sixth grade. He did not become prime minister of England until he was sixty-two and then only after a lifetime of defeats and setbacks. His greatest contributions came when he was a “senior citizen.”
  • Albert Einstein did not speak until he was four years old and didn’t read until he was seven. His teacher described him as “mentally slow, unsociable, and adrift forever in his foolish dreams.” He was expelled and refused admittance to the Zurich Polytechnic School.
  • After years of progressive hearing loss, by age forty-six German composer Ludwig van Beethoven had become completely deaf. Nevertheless, he wrote his greatest music—including five symphonies during his later years.

Don’t worry about failed outcomes. Worry about the chances you miss when you don’t even try. Most good things come through testing and making mid-course corrections. If you wait to try until everything is perfect, you most likely will never get there. “But wait a minute,” you might say. “I want everything to be perfect before I try.” Sorry it doesn’t work that way. We learn from our mistakes.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo com os Erros

Por Joel Comiskey

Eu sei que os pastores tentaram o ministério da igreja celular, falharam nisso e então se tornaram críticos da igreja celular. Eles dizem: “Oh sim, eu tentei a igreja celular, e isso não funcionou”. Ou eles podem dizer: “A igreja da célula funciona muito bem na Coreia e na África, mas não aqui na minha cidade”. Mas, muitas vezes, esses pastores não mantiveram tentando. Eles não estavam dispostos a fazer correções no meio do caminho, como procurar um treinador, visitar outra igreja celular ou ler literatura relevante da igreja celular.

A realidade é que raramente conseguimos as coisas bem na primeira vez. Muitas vezes, não os fazemos direito na terceira e na quarta vez também. Na verdade, crescemos e amadurecemos através das tentativas e erros que cometemos. A falha é a porta de trás do sucesso e Deus abençoará nossos esforços. Pastores e líderes que fazem isso no ministério celular continuam pressionando e não desistem. Eles praticam o título do livro de John Maxwell, Failing Forward (Falhando para Frente, em tradução livre). Cometer erros é parte da vida. Provérbios 24:16 diz: “Pois, embora um homem justo cai sete vezes, ressuscita, mas os ímpios são derrubados pela calamidade”.

O trilho de treinamento da igreja celular, por exemplo, raramente é aperfeiçoado pela primeira vez. Um pastor e equipe de liderança tem que fazer numerosas auto-correções para aperfeiçoar a pista de treino. O mesmo é verdade para qualquer parte do ministério das células, como o treinamento,  a seleção da visão, a manutenção de estatísticas, a definição de objetivos, a evangelização e a formação de discípulos.

Sempre que penso em desistir, sou encorajado por aqueles que superaram o fracasso através da persistência:

  • Quando Thomas Edison inventou a lâmpada, ele tentou mais de dois mil experimentos antes de começar a trabalhar. Um jovem repórter perguntou-lhe como sentiu em falhar tantas vezes. Ele disse: “Nunca falhei uma vez sequer. Eu inventei a lâmpada. Aconteceu um processo de dois mil passos “.
  • Winston Churchill falhou na sexta série. Ele não se tornou o primeiro-ministro da Inglaterra até os sessenta e dois anos de idade, e só depois de uma vida de derrotas e contratempos. Suas maiores contribuições vieram quando ele era um “cidadão senador”.
  • Albert Einstein não falou até os quatro anos de idade e não leu até os sete. Seu professor o descreveu como “mentalmente lento, insociável e à deriva para sempre em seus sonhos tolos”. Ele foi expulso e recusou a admissão na Escola Politécnica de Zurique.
  • Após anos de perda auditiva progressiva, aos 45 anos, o compositor alemão Ludwig van Beethoven ficou completamente surdo. No entanto, ele escreveu sua maior música – incluindo cinco sinfonias- durante seus últimos anos.

Não se preocupe com resultados falhados. Preocupe-se sobre as chances que você sente quando não tenta. A maioria das coisas boas ocorrem testando e fazendo correções intermediárias. Se você esperar para tentar até que tudo seja perfeito, você provavelmente nunca chegará lá. “Mas espere um minuto”, você pode dizer. “Quero que tudo seja perfeito antes de tentar.” Desculpe, não funciona assim. Nós aprendemos com nossos erros.

Spanish blog:

Aprendiendo de los errores

Por Joel Comiskey

Conozco pastores que intentaron implementar el ministerio de la iglesia celular, fracasaron en ello, y luego se convirtieron en críticos de esta. Ellos dicen: “Oh, sí, he intentado con la iglesia celular, y no funcionó.” O podrían decir, “La iglesia celular funciona muy bien en Corea y África, pero no aquí, en mi ciudad.” Pero a menudo estos pastores no siguen intentado. No estaban dispuestos a hacer correcciones a medio camino, como buscar un entrenador, visitar otra iglesia celular o leer literatura relevante de la iglesia celular.

La realidad es que raramente hacemos las cosas bien la primera. A menudo no las hacemos bien la tercera y cuarta vez tampoco. De hecho, crecemos y maduramos a través de los ensayos y errores que cometemos. El fracaso es la puerta trasera del éxito y Dios bendecirá nuestros esfuerzos; los pastores y los líderes que logran tener éxito en el ministerio celular siguen presionando y no se rinden. Ponen en practica el título del libro de John Maxwell, Failing Forward (El lado positivo del fracaso). Cometer errores es parte de la vida. Proverbios 24:16 dice:”Porque siete veces cae el justo, y vuelve a levantarse; Mas los impíos caerán en el mal.”

La pista de entrenamiento de la iglesia celular, por ejemplo, rara vez se perfecciona la primera vez. Un pastor y su equipo de liderazgo tiene que hacer numerosas auto-correcciones para perfeccionar la pista de entrenamiento. Lo mismo ocurre para cualquier parte del ministerio celular, como capacitaciones, visión, mantener estadísticas, establecer metas, evangelizar y hacer discípulos.

Cada vez que pienso en renunciar, me siento alentado por aquellos que superaron el fracaso a través de la persistencia:

  • Cuando Thomas Edison inventó la bombilla, probó más de dos mil experimentos antes de hacelo funcionar. Un joven reportero le preguntó cómo se sentía al fallar tantas veces. Él dijo: “Nunca fracasé. Inventé la bombilla, simplemente fue un proceso de dos mil pasos “.
  • Winston Churchill repitió sexto grado. No se convirtió en primer ministro de Inglaterra hasta los sesenta y dos años y sólo después de una vida de derrotas y contratiempos. Sus mayores contribuciones llegaron cuando él era un “anciano”.
  • Albert Einstein no habló hasta que tenía cuatro años y no leyó hasta que tenía siete años. Su maestro lo describió como “mentalmente lento, inadaptado y siempre a la deriva con sus sueños tontos”. Fue expulsado y se le negó ser admitido en la Escuela Politécnica de Zurich.
  • Después de años de pérdida auditiva progresiva, a los cuarenta y seis años, el compositor alemán Ludwig van Beethoven se había quedado completamente sordo. Sin embargo, escribió su mejor música, incluyendo cinco sinfonías durante sus últimos años.

No te preocupes por los resultados fallidos, preocúpate de las posibilidades que te pierdas cuando ni siquiera lo estas intentas. La mayoría de las cosas buenas vienen a través de pruebas y al hacer correcciones a mitad de curso. Si esperas a intentar hasta que todo sea perfecto, lo más probable es que nunca lo logres. “Pero espera un minuto”, podrías decir. “Quiero que todo sea perfecto antes de intentarlo.” Lo siento, no funciona de esa manera. Aprendemos de nuestros errores.

Persistence in Cell Ministry

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Persistence. Determination. Pressing on. Successful cell church ministry is like running a marathon and not a 50-yard dash. The race requires persistence. Many begin well but don’t finish. The difference? Persistence.

Often pastors become excited about cell ministry because of the large cell churches around the world. They dream about being the next David Cho and seeing their church grow as large as Yoido Full Gospel Church. And yes, church growth is wonderful when God gives it. The problem is that often pastors take short-cuts to obtain that growth. They copy other churches, seminars, or books that promise quick growth or the latest anointing.

These instant growth schemes remind me of the difference between a tomato plant and a coconut tree. The tomato plant grows quickly and provides immediate results, but it dies at the end of one year and needs to be replanted. The coconut tree, on the other hand, is planted only once, but it lasts for a lifetime. Persistence in cell ministry that comes from belief in biblical values is like planting a coconut tree. Taking short-cuts might bring immediate results but the fruit won’t last. Are you planting a coconut tree or a tomato plant?

I know one pastor who is struggling right now in cell ministry. Some members are leaving because of the demands of cell life. But this pastor has a bedrock conviction that what he is doing is biblical. He persists because he wants to make disciples and not just hearers. In fact, he’s focused on future generations, so he’s developing children and youth cells. This pastor is planting a coconut tree. He has a dream and is willing to persist until he sees the reality.

Colin Powell, the famous U.S. general, once said, ” A dream doesn’t become reality through magic, it takes sweat, determination and hard work.” All pastors and churches fail at times, but those who succeed keep moving forward.

As I do seminars around the world, I like to give the illustration of Mario Vega handing out plaques for those who had led a cell for 25 years or more. For those who received the plaques that evening (and I happened to be present), cell ministry was a lifestyle. For these people, it would be very hard not to lead a cell group.

Don’t give up. Persistence and determination are the ingredients for cell church victory over time. You will see the breakthrough. The best is yet to come-if you persist. Let’s talk about persistence in October. We’ll cover:

  • October 01-07. Cell ministry as a lifestyle. The journey might start because of the great examples of growing worldwide cell church but it will only continue due to heartfelt convictions based on the biblical foundations.
  • October 08-14. Failure is the backdoor to success. Many, many have tried cell church and stopped. Often the reason is because they viewed cell church as a quick growth strategy and not as a long-term lifestyle based on biblical convictions. The key is learning from mistakes and not giving up.
  •  October 15-21.  Counting the cost. Asking members to take the extra time to be in a cell group, equipping, and possible coaching is a big commitment. It will take time to make this a lifestyle, especially when “the church down the street” only asks people to come to an incredible service. The good news is that faithful persistence will eventually lead to lifestyle.
  • October 22-28. Keeping leaders refreshed and pressing forward. Leaders get tired. How can they remain on the cutting edge? Many cell churches hold conference, reward cell leaders, and budget monies for materials and coaching. We’ll look at how to keep leaders and supervisors moving forward.
  • October 29-November 04.  The Best is yet to come. Through patient persistence in developing disciples, God gives the results and the fruit becomes manifest to everyone. The great cell church examples around the world didn’t happen overnight. Their persistence eventually paid off.

Feel free to share your journey about persistence in cell ministry here.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Persistência no Ministério das Células

Persistência. Determinação. Pressão. O ministério bem sucedido da igreja celular é como correr uma maratona e não uma corrida de 50 jardas. A corrida requer persistência. Muitos começam bem, mas não terminam. A diferença? Persistência.

Muitas vezes, os pastores ficam entusiasmados com o ministério celular devido às grandes igrejas celulares ao redor do mundo. Eles sonham em ser o próximo David Cho e ver sua igreja crescer tanto quanto a Igreja do Evangelho Completo de Yoido. E sim, o crescimento da igreja é maravilhoso quando Deus o dá. O problema é que muitas vezes os pastores recebem atalhos para obter esse crescimento. Eles copiam outras igrejas, seminários ou livros que prometem crescimento rápido ou a mais recente unção.

Esses esquemas de crescimento instantâneo me fazem lembrar a diferença entre um tomateiro e um coqueiro. O tomateiro cresce rapidamente e fornece resultados imediatos, mas morre no final de um ano e precisa ser replantada. O coqueiro, por outro lado, é plantado apenas uma vez, mas dura toda a vida. A persistência no ministério celular que vem da crença em valores bíblicos é como plantar um coqueiro. Pegar atalhos pode trazer resultados imediatos, mas o fruto não durará. Você está plantando um coqueiro ou um tomateiro?

Conheço um pastor que está lutando agora no ministério celular. Alguns membros estão saindo por causa das demandas da vida celular. Mas este pastor tem convicção de que o que ele está fazendo é bíblico. Ele persiste porque quer fazer discípulos e não apenas ouvintes. Na verdade, ele está focado em gerações futuras, então ele está desenvolvendo células de crianças e jovens. Este pastor está plantando um coqueiro. Ele tem um sonho e está disposto a persistir até ver a realidade.

Colin Powell, o famoso general dos EUA, disse uma vez: “Um sonho não se torna realidade através da magia, é preciso suor, determinação e trabalho árduo”. Todos os pastores e igrejas falham às vezes, mas aqueles que conseguem continuam andando em frente.

Enquanto faço seminários em todo o mundo, eu gostaria de dar a ilustração de Mario Vega distribuindo placas para aqueles que lideraram uma célula por 25 anos ou mais. Para aqueles que receberam as placas aquela noite (e eu estava presente), o ministério celular era um estilo de vida. Para essas pessoas, seria muito difícil não liderar um grupo de células.

Não desista. Persistência e determinação são os ingredientes para a vitória da igreja celular ao longo do tempo. Você verá o avanço. O melhor ainda está por vir – se você persistir.

Vamos falar sobre a persistência em outubro. Vamos abordar:

  • 01 a 07 de outubro. Ministério das células como estilo de vida. A jornada pode começar devido aos ótimos exemplos de crescente igreja celular mundial, mas só vai continuar devido a convicções sinceras baseadas nas bases bíblicas.
  • 08 a 14 de outubro. A falha é a camuflagem para o sucesso. Muitos, muitos tentaram a igreja celular e pararam. Muitas vezes, o motivo é que eles viram a igreja celular como uma estratégia de crescimento rápido e não como um estilo de vida de longo prazo com base em convicções bíblicas. A chave é aprender com erros e não desistir.
  • 15 a 21 de outubro. Contando o custo. Pedir aos membros que tomem um tempo extra para estar em um grupo de células, equipar e possivelmente treinar é um grande compromisso. Vai levar tempo para tornar este um estilo de vida, especialmente quando “a igreja na rua” apenas pede às pessoas que venham a um culto incrível. A boa notícia é que a persistência fiel acabará levando ao estilo de vida.
  • 22 a 28 de outubro. Manter os líderes atualizados e pressionados para ir em frente. Os líderes ficam cansados. Como eles podem permanecer na frente? Muitas igrejas celulares realizam conferências, recompensam líderes de célula e separam um orçamento para materiais e treinamento. Veremos como manter líderes e supervisores avançando.
  • 29 de outubro a 04 de novembro. O melhor ainda está por vir. Através da persistência paciente nos discípulos em desenvolvimento, Deus dá os resultados e o fruto se torna manifesto para todos. Os exemplos da grande igreja celular em todo o mundo não aconteceram de um dia para o outro. A sua persistência eventualmente foi recompensada.

Sinta-se livre para compartilhar sua jornada sobre a persistência no ministério celular aqui.

Spanish blog: 

La Persistencia en el Ministerio Celular

Persistencia. Determinación. Presión. El ministerio de la iglesia celular que es exitoso es parecido a correr una maratón y no una carrera de 50 yardas. La maratón requiere persistencia. Muchos comienzan bien pero no la terminan. ¿Qué hace la diferencia? La persistencia.

A menudo los pastores se entusiasman con el ministerio celular debido a las grandes iglesias celulares de todo el mundo, sueñan con ser los próximos David Cho y ver su iglesia crecer tan grande como Yoido Full Gospel Church. Y sí, el crecimiento de la iglesia es maravilloso cuando Dios lo da; el problema es que a menudo los pastores toman atajos para obtener ese crecimiento. Imitan a otras iglesias, seminarios o libros que prometen un crecimiento rápido o la última unción.

Estos esquemas de crecimiento instantáneo me recuerdan la diferencia entre una planta de tomate y una palma de coco. La planta de tomate crece rápidamente y proporciona resultados inmediatos, pero muere al final de un año y necesita ser replantada. La palma de coco, por el contrario, se siembra una sola vez, pero dura toda la vida. La persistencia en el ministerio celular, que viene de la creencia en los valores bíblicos es similar a plantar una palma de coco. Tomar atajos puede traer resultados inmediatos, pero el fruta no durará. ¿Estás plantando un planta de coco o una planta de tomate?

Conozco a un pastor que ahora mismo está luchando en el ministerio celular. Algunos miembros se están yendo debido a las demandas de la vida celular, pero este pastor tiene la convicción de que lo que está haciendo es bíblico. Él persiste porque quiere hacer discípulos y no sólo oyentes, de hecho, se ha centrado en las generaciones futuras, por lo que está desarrollando células para niños y jóvenes. Este pastor está plantando una palma de coco, él tiene un sueño y está dispuesto a persistir hasta que vea la realidad.

Colin Powell, el famoso general estadounidense, dijo una vez: “Un sueño no se convierte en realidad a través de la magia, se necesita sudor, determinación y trabajo duro”. Todos los pastores e iglesias en ocasiones fallan, pero los que tienen éxito siguen avanzando.

Al realizar seminarios en todo el mundo, me gusta dar el ejemplo  de Mario Vega, repartiendo placas de reconocimiento, para aquellos que han liderado una célula por 25 años o más. Para aquellos que recibieron las placas reconocimiento esa noche ( yo estaba presente), el ministerio celular era un estilo de vida. Para estas personas, sería muy difícil no dirigir un grupo celular.

No te rindas. La persistencia y la determinación son los ingredientes para la victoria de la iglesia celular a través del tiempo. Verás el avance. Lo mejor está por venir, si persisten. Vamos a cubrir los siguientes temas:

  • Octubre 01-07. El ministerio celular como estilo de vida. El viaje podría comenzar por los grandes ejemplos de la creciente iglesia celular mundial, pero sólo continuará debido a las convicciones de corazón basadas en los fundamentos bíblicos.
  • Octubre 08-14. El fracaso es la puerta trasera del éxito. Muchos, muchos han intentado trabajar con la iglesia celular y se detuvieron. A menudo la razón es porque vieron a la iglesia celular como una estrategia de crecimiento rápido y no como un estilo de vida a largo plazo basado en convicciones bíblicas. La clave es aprender de los errores y no darse por vencido.
  • Octubre 15-21. Cuenta el costo. Pedir a los miembros que se tomen el tiempo extra para estar en un grupo celular, equiparlos y entrenarlos, es un gran compromiso. Tomará tiempo para hacer de este un estilo de vida, especialmente cuando “la iglesia” sólo pide a la gente a venir a un servicio increíble. La buena noticia es que la persistencia fiel, conducirá al estilo de vida.
  • Octubre 22-28. Mantener a los líderes actualizados y con animos de seguir adelante. Los líderes se cansan. ¿Cómo pueden permanecer a la vanguardia? Muchas iglesias celulares celebran conferencias, recompensan a líderes de células y proporcionan dinero para materiales y entrenamiento. Veremos cómo mantener a los líderes y supervisores avanzando.
  • 29 de octubre-04 de noviembre. Lo mejor está por venir. Mediante la persistente paciencia en el desarrollo de los discípulos, Dios da los resultados y el fruto se manifiesta a todos. Los grandes ejemplos de iglesias celulares en todo el mundo no ocurrieron de la noche a la mañana. Su persistencia terminó dando resultados.

Siéntete libre de compartir tu viaje sobre la persistencia en el ministerio celular, aquí­.

Clearly Defined Cells Make More and Better Disciples

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Some people think I’m too fanatical about cells. I surprise them when I tell them I’m not passionate about cells in and of themselves. Rather, my focus is on making disciples who make disciples (helping people become more like Jesus). God’s purpose is to make disciples, and he chose to do this in a small group (Matthew 28:18-20).

The cell has all the elements necessary to raise up ministers. Effective cell leaders pastor, evangelize, train, counsel, encourage, listen, and challenge Christ followers. Those who lead cells do what pastors do.

Some churches broaden their cell definition to include Sunday school classes, the choir, elders, committees, women’s circles, and so forth. In the desire not to offend anyone, they call everything a cell group. The problem with this mentality is that discipleship suffers. A cell group, unlike many small groups, includes evangelism, leadership development, and multiplication.

Churches are tempted to label everything a small group because it’s a way to quickly adapt a church to small-group ministry, but in the end, few disciples are formed. It’s what I call faulty integration.

Discipleship also suffers when churches lower the bar and encourage their groups to meet every 15 days, break for three months in the summer, and two months in the winter. The motivation is to give busy people more time. The reality is that disciples are rarely formed in such infrequent meetings and people lose interest.

To make sure that disciples are formed, it’s important to start with a quality, holistic definition of a cell group. Here’s the one I advocate and noticed in the worldwide cell churches: Groups of three to fifteen people who meet weekly outside the church building for the purpose of evangelism, community, and spiritual growth with the goal of making disciples who make disciples, which results in the multiplication of the cell.

Multiplication simply gives the context for a disciple to minister. Big Bear Christian Center defines their cell groups in a similar way but with a different emphasis:  At the core of Big Bear Christian Center are life groups of three to fifteen people that meet weekly throughout Big Bear Bear Valley. Empowered by the Holy Spirit through prayer, their purpose is to make disciples through spiritual growth, community, and evangelism, resulting in group multiplication.

Cells have a lot of liberty with regard to where they will meet, the lesson they will follow, their homogeneity, level of participation, and what they call themselves. However, since the cell is the church and where disciples are formed, it is essential that cells maintain a high level of quality.

Cells must maintain a fine balance between quality (e.g., clear definition) and flexibility (e.g., location, name, homogeneity, lesson, participation, etc.). Like the early house churches, modern day cell churches believe the cell is the church and deserves a quality definition. Cell churches prioritize the definition of the cell because they believe it’s the best way to make disciples.

What about you? How do you define your cell groups?

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Células Claramente Definidas Fazem Mais e Melhores Discípulos

Por Joel Comiskey

Algumas pessoas pensam que eu sou muito fanático sobre células. Eu as surpreendo quando eu digo a elas que não sou apaixonado pelas células por si só. Em vez disso, meu foco é fazer discípulos que fazem discípulos (ajudando as pessoas a se tornarem mais como Jesus). O propósito de Deus é fazer discípulos, e Ele escolheu fazer isso em um pequeno grupo (Mateus 28: 18-20).

A célula possui todos os elementos necessários para criar ministros. Líderes de células eficazes pastoreiam, evangelizam, treinam, aconselham, encorajam, ouvem e desafiam os seguidores de Cristo. Aqueles que lideram as células fazem o que os pastores fazem.

Algumas igrejas ampliam sua definição celular para incluir as aulas da escola dominical, o coral, os anciãos, os comitês, os círculos femininos e assim por diante. Na intenção de não ofender ninguém, eles chamam tudo de um grupo de células. O problema com essa mentalidade é que o discipulado sofre. Um grupo de células, ao contrário de muitos pequenos grupos, inclui evangelismo, desenvolvimento de liderança e multiplicação.

As igrejas são tentadas a rotular tudo de um grupo pequeno porque é uma maneira de adaptar rapidamente uma igreja ao ministério de pequenos grupos, mas no final, poucos discípulos são formados. É o que eu chamo de integração defeituosa.

O discipulado também sofre quando as igrejas diminuem o compasso e encorajam seus grupos a se encontrarem a cada 15 dias, um intervalo de três meses no verão e dois meses no inverno. A motivação é dar às pessoas ocupadas mais tempo. A realidade é que os discípulos raramente são formados em encontros não frequentes e as pessoas perdem o interesse.

Para garantir que os discípulos se formem, é importante começar com uma definição holística de qualidade de um grupo de células. Aqui é o que eu defendo e reparei nas igrejas celulares em todo o mundo:

Grupos de três a quinze pessoas que se encontram semanalmente fora do prédio da igreja com o propósito de evangelismo, comunidade e crescimento espiritual, com o objetivo de fazer discípulos que fazem discípulos, resultam na multiplicação da célula.

A multiplicação simplesmente dá o contexto para um discípulo para ministrar. Big Bear Christian Center define seus grupos de células de forma semelhante, mas com uma ênfase diferente:

No centro do Big Bear Christian Center estão grupos de vida de três a quinze pessoas que se encontram semanalmente no Big Bear Bear Valley. Empoderados pelo Espírito Santo através da oração, seu propósito é fazer discípulos através do crescimento espiritual, da comunidade e do evangelismo, resultando em multiplicação de grupo.

As células têm muita liberdade em relação a onde elas se encontrarão, a palavra que elas seguirão, sua homogeneidade, nível de participação e como elas chamam a si mesmas. No entanto, uma vez que as células são a igreja e onde os discípulos são formados, é essencial que elas mantenham um alto nível de qualidade.

As células devem manter um equilíbrio adequado entre qualidade (por exemplo, definição clara) e flexibilidade (por exemplo, localização, nome, homogeneidade, palavra, participação, etc.). Como as primeiras igrejas domésticas, as igrejas celulares modernas acreditam que a célula é a igreja e merece uma definição de qualidade. As igrejas celulares priorizam a definição da célula porque acreditam que é a melhor maneira de fazer discípulos.

E você? Como você define seus grupos de células?

Joel

Spanish blog:

Las células claramente definidas hacen más y mejores discípulos

Por Joel Comiskey

Algunas personas piensan que soy demasiado fanático con las células. Les sorprendo cuando les digo que no soy un apasionado de las células en sí. Más bien, mi enfoque es hacer discípulos que hagan discípulos (ayudando a las personas a ser más parecidas a Jesús). El propósito de Dios es hacer discípulos, y él escogió hacer esto en una célula (Mateo 28: 18-20).

La célula tiene todos los elementos necesarios para levantar ministros. Líderes celulares eficaces pastorean, evangelizan, entrenan, aconsejan, alientan, escuchan y desafían a los seguidores de Cristo. Los que dirigen las células hacen lo que hacen los pastores.

Algunas iglesias amplían la definición de sus células para incluir las clases de la escuela dominical, el coro, los ancianos, los comités, los círculos de mujeres, etc. Con el deseo de no ofender a nadie, pero llaman a todo un grupo de células. El problema con esta mentalidad es que el discipulado sufre, un grupo de células, a diferencia de muchos grupos pequeños, incluye evangelismo, desarrollo de liderazgo y multiplicación.

Las iglesias son tentadas a etiquetar todo como un pequeño grupo, ya que esta es una manera de adaptar rápidamente una iglesia al ministerio célular, pero al final, pocos discípulos se forman. Es lo que yo llamo integración defectuosa.

El discipulado también sufre cuando las iglesias bajan las metas y animan a sus células a reunirse cada 15 días, descansar durante tres meses en el verano, y dos meses en el invierno. La motivación es dar a las personas ocupadas más tiempo, pero la realidad es que los discípulos rara vez se forman en reuniones tan poco frecuentes y la gente pierde el interés.

Para asegurarse de que se formen discípulos, es importante comenzar con una definición holística de calidad de un grupo de células. Este es con el que yo me identifico y el que he notado en las iglesias celulares mundiales:

Grupos de tres a quince personas que se reúnen semanalmente fuera del edificio de la iglesia con el propósito de evangelizar, tener comunión y crecimiento espiritual con el objetivo de formar discípulos que formen más discípulos, lo que da como resultado la multiplicación de la célula.

La multiplicación simplemente da el contexto para que un discípulo pueda ministrar. Big Bear Christian Center define sus grupos celulares de una manera similar, pero con un énfasis diferente:

En el centro de Big Bear Christian Center son grupos celulares de tres a quince personas que se reúnen semanalmente a lo largo del Big Bear Bear Valley. Empoderados por el Espíritu Santo a través de la oración, su propósito es hacer discípulos a través del crecimiento espiritual, la comunión y el evangelismo, resultando en la multiplicación celular.

Las células tienen mucha libertad con respecto a dónde se reunirán, la lección que seguirán, su homogeneidad, nivel de participación e incluso en el nombre que quieran usar. Sin embargo, ya que la célula es la iglesia y es donde se forman los discípulos, es esencial que las células mantengan un alto nivel de calidad.

Las células deben mantener un equilibrio fino entre calidad (por ejemplo, definición clara) y flexibilidad (por ejemplo, ubicación, nombre, homogeneidad, lección, participación, etc.). Al igual que las primeras iglesias en casas, las iglesias celulares modernas creen que la célula es la iglesia y merece una definición de calidad. Las iglesias celulares priorizan la definición de la célula porque creen que es la mejor manera de hacer discípulos.

¿Que hay acerca de ti ? ¿Cómo defines los grupos celulares?

Joel