Take a Day Off

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

I overworked one spring to the point of exhaustion. I didn’t faithfully keep my day off, didn’t take care of my body, and eventually caught bronchitis. I had a teaching commitment at the time that I couldn’t cancel. I remember the sleepless nights wheezing and coughing, knowing that I had to teach the next day. As I look back at those exhausting days, I now realize that I tried to cram way too much work into a limited time period and ended up imbalanced.

God made the human body to run effectively for only six days out of the week—not seven. Genesis 2:2–3 declares, “By the seventh day God had finished the work he had been doing; so on the seventh day he rested from all his work. And God blessed the seventh day and made it holy, because on it he rested from all the work of creating that he had done.”

I don’t believe that we need to rest on one specific day (e.g., Saturday or Sunday). Pastors, for example, are busiest on Sundays, and have a hard time resting on that day. Whatever day you choose, the goal is to truly rest on that day.

Your 24-hour day of rest should not have a lot of rules and regulations (e.g., can’t do this, can’t do that, etc.). You will need to do some work, for example, to survive—like washing the dishes and taking out the trash. But as much as possible try to avoid the regular, job-related work that you do the other six days of the week. Leviticus 23:7–8 says, “On the first day hold a sacred assembly and do no regular work. For seven days present an offering made to the Lord by fire. And on the seventh day hold a sacred assembly and do no regular work.” The emphasis is on “regular work.” On your day off you should cease to do those things that are part of your normal work load. Give yourself a break and do only those things that help you relax and feel refreshed.

On my day off, for example, I try to avoid anything and everything that sounds like normal work. I only read books that are non-work related. I don’t check my email on my day off, and as a family we don’t answer the phone. My wife and I have both agreed not to talk about stressful, work-related topics between ourselves on our day off. I want to rest my mind—not engage it with the problems and stresses of the other six days. I do sleep a lot, take walks, and enjoy family, food, and anything that is restful.

Remember that after six days, we just naturally run out of gas. If we go against God’s norms, we’ll eventually pay a costly price. I don’t believe any of us are so indispensable that we can neglect our own bodies and souls by not taking a day off.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Tire um dia de folga

Por Joel Comiskey

Eu sobrecarregava uma primavera até o ponto de exaustão. Eu não mantive fielmente meu dia de folga, não cuidei do meu corpo e, eventualmente, peguei bronquite. Eu tinha um compromisso de ensino no momento em que não consegui cancelar. Lembro-me das noites sem dormir engasgando e tossindo, sabendo que eu tinha que ensinar no dia seguinte. Enquanto olho para esses dias cansativos, agora percebo que tentei trabalhar muito em um período de tempo limitado e acabei desequilibrado.

Deus fez o corpo humano correr efetivamente por apenas seis dias fora da semana – e não sete. Gênesis 2: 2-3 declara: “No sétimo dia, Deus havia concluído o trabalho que fazia; Assim, no sétimo dia, ele descansou de todo o seu trabalho. E Deus abençoou o sétimo dia e o fez santo, porque nisto descansou de todo o trabalho de criar o que tinha feito “.

Eu não acredito que precisamos descansar em um dia específico (por exemplo, sábado ou domingo). Os pastores, por exemplo, estão mais ocupados aos domingos, e têm dificuldade em descansar naquele dia. Seja qual for o dia que você escolher, o objetivo é realmente descansar nesse dia.

Seu dia de descanso de 24 horas não deve ter muitas regras e regulamentos (por exemplo, não pode fazer isso, não pode fazer isso, etc.). Você precisará fazer algum trabalho, por exemplo, para sobreviver – como lavar a louça e tirar o lixo. Mas, tanto quanto possível, tente evitar o trabalho regular, relacionado ao trabalho que você faz nos outros seis dias da semana. Levíticos 23: 7-8 diz: “No primeiro dia, mantenha uma assembleia sagrada e não faça nenhum trabalho regular. Por sete dias apresente uma oferta feita ao Senhor por fogo. E no sétimo dia mantenha uma assembleia sagrada e não faça nenhum trabalho regular. “A ênfase é no “trabalho regular “. No seu dia de folga, você deve deixar de fazer as coisas que fazem parte da sua carga de trabalho normal. Dê uma pausa e faça apenas as coisas que ajudam você a relaxar e se sentir atualizado.

No meu dia de folga, por exemplo, tento evitar tudo e qualquer coisa que pareça um trabalho normal. Eu só leio livros que não são relacionados ao trabalho. Não verifico meu e-mail no meu dia de folga e, como família, não atendemos o telefone. Minha esposa e eu concordamos em não falar de tópicos estressantes e relacionados ao trabalho entre nós no nosso dia de folga. Eu quero descansar a minha mente – não engajá-la com os problemas e tensões dos outros seis dias. Eu durmo muito, faço caminhadas e aprecio a família, a comida e tudo o que é de repouso.

Lembre-se de que, após seis dias, simplesmente ficamos sem gás. Se nos opormos às normas de Deus, acabaremos pagando um preço dispendioso. Eu não acredito que nenhum de nós é tão indispensável que podemos negligenciar nossos próprios corpos e almas ao não tirar um dia de folga

Spanish blog:

Tómate  un día libre

Por Joel Comiskey

En una primavera me sobrecargé  hasta llegar al punto del agotamiento. No guardé de manera fiel mi día libre, no cuidé mi cuerpo, y con el tiempo una bronquitis me atrapó. En ese momento tenia un compromiso para enseñanzar, el cual no podía cancelar. Recuerdo esas noches sin dormir mientras estaba temblando y tosiendo, sabiendo que tenía que enseñar al día siguiente. Ahora, al mirar hacia atrás y recordar esos días agotadores, me doy cuenta de que traté de hacer demasiado trabajo en un limitado período de tiempo y todo terminó en desequilibrio.

Dios hizo que el cuerpo humano funcionará de manera eficaz por sólo seis días de la semana, no siete. Génesis 2: 2-3 declara: “Al llegar el séptimo día, Dios descansó porque había terminado la obra que había emprendido. Dios bendijo el séptimo dia, y lo santificó, porque en ese día descansó de toda su obra creadora”.

No creo que necesitamos descansar en un día específico (por ejemplo, el sábado o el domingo). Los pastores, por ejemplo, están más ocupados los domingos y tienen dificultades para descansar ese día. Cualquiera que sea el día que elijas, el objetivo es que realmente descanses ese día.

Tu día de descanso de 24 horas no debería tener muchas reglas y regulaciones (por ejemplo, no puedes hacer esto, no puedes hacer eso, etc.). Tendrás que hacer algún trabajo, por ejemplo, para sobrevivir, como lavar los platos y sacar la basura. Pero, en la medida de lo posible, trata de evitar el trabajo, relacionado con el trabajo que realizas los otros seis días de la semana. Levítico 23: 7-8 dice: “El primer día celebraran una fiesta solemne en su honor; ese día no harán ningún trabajo. Durante siete días presentaran al Señor ofrendas por fuego, y el septimo día celebraran una fiesta solemne en su honor; ese día no harán ningún trabajo.” El énfasis está en “ningún trabajo.” En tu día libre debes dejar de hacer las cosas que son parte de tu carga de trabajo normal. Darse un respiro y hacer sólo aquellas cosas que te ayudan a relajarte y sentirte fresco.

En mi día libre, por ejemplo, trato de evitar cualquier cosa y todo lo que suene parecido a trabajo diario. Sólo leo libros que no están relacionados con el trabajo, no reviso mi correo electrónico, y como familia hemos acordado no contestar el teléfono. Mi esposa y yo también hemos acordado no hablar de temas estresantes, relacionados con el trabajo en nuestro día libre. Quiero descansar mi mente, no comprometerme con los problemas y las tensiones de los otros seis días. Duermo mucho, tomo paseos, y disfruto de la familia, la comida y todo lo que sea relajante.

Recuerda que después de seis días, naturalmente nos quedamos sin gasolina. Si vamos en contra de las normas de Dios, al final pagaremos un precio muy alto. No creo que ninguno de nosotros sea tan indispensable que podamos descuidar nuestros propios cuerpos y almas al no tomar un día libre.

Long-term Leadership

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Satan hates pastors and leaders. They are his primary target. Peter Wagner argues in Prayer Shield (pp. 66-75) that pastors and Christian leaders are attacked more frequently because:

  1. Pastors have more responsibilities and accountability
  2. Pastors are more subject to temptation
  3. Pastors are more targeted by spiritual warfare
  4. Pastors have more influence on others
  5. Pastors have more visibility

The same is true for cell leaders, supervisors, and church planters because they are also caring for the flock and influencing others. Today I read the headline, “Popular Megachurch Pastor Busted in Prostitution Sting.” These headlines are becoming commonplace. Wagner writes, “Over the past couple decades, an alarming number of pastors have dropped out of the ministry for two main reasons: pastoral burnout and sexual immorality. The numbers have reached epidemic proportions” (Prayer Shield, p.17). A 2016 USA study  by the Josh McDowell and George Barna found, “Most pastors (57%) and youth pastors (64%) admit they have struggled with porn, either currently or in the past.” The shocking finding was that 21 percent of youth pastors and 14 percent of pastors admit they currently struggle with using porn.

As leaders in Christ’s church, what can we do to protect ourselves and reverse this trend? Allow me to suggest three things:

  1. Prioritize prayer. I’m referring here to two things: First, make sure you have a dynamic quiet time each day. Second, develop a prayer shield of people who are committed to praying for you.
  2. Prioritize your spouse and family. John Maxwell once said, “Success is having those closest to you love and respect you the most.” Don’t allow spouse and family to take a back seat to ministry.
  3. Prioritize rest. Are you taking a day off? How about regular vacations? What about getting enough sleep each night? I remember one missionary boasting that he never took a day off. This is nothing to boast about. Leaders who come away frequently to rest are more energized in ministry. God is a God of rest. He commanded his people in the Old Testament to rest one day out of the week, along with required festivals where no “regular work” was permitted. He required these things because he knew his human creation  needed to be recharged.

Ministry in general is demanding, and so is cell ministry. But spiritual disciplines and family priorities come before ministry. They are the leader’s wellspring and keys to long-term success. When pastors and cell leaders fail to receive Christ’s living water and do not come away to rest frequently, Satan has an opportunity to deceive and destroy.

In August, let’s talk about these three qualities. We’ll cover:

  • August 06-12. Soul care through personal time with Jesus; let’s talk about the daily need for the quiet time and developing a prayer shield. Personal growth with Jesus is the foundation of all effective ministry.
  • August 13-19. No blogging
  • August 20-26. Soul care through day off and vacation time. Pastors and leaders need to be refreshed through the discipline of rest. I’m referring to day off, vacations, and getting enough sleep.
  • August 27-September 02. Prioritizing those relationships closest to the pastor or the leader. There’s always the danger in prioritizing ministry to the neglect of spouse and children.

What have you been learning about long-term leadership? Feel free to comment here .

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Liderança a Longo Prazo

Por Joel Comiskey

Satanás odeia pastores e líderes. Eles são o principal alvo dele. Peter Wagner argumenta em Prayer Shield que pastores e líderes cristãos são atacados com mais freqüência porque:

  • Os pastores têm mais responsabilidades e prestação de contas
  • Os pastores estão mais sujeitos à tentação
  • Os pastores são mais alvo da guerra espiritual
  • Os pastores têm mais influência sobre os outros
  • Os pastores têm mais visibilidade (pp. 66-75)

O mesmo é verdade para líderes de célula, supervisores e implantadores de igrejas, porque eles também estão cuidando do rebanho e influenciando os outros. Hoje eu li a manchete, “Pastor Megachurch Popular Busted in Prostitution Sting” (Pastor de Mega Igreja Pego em Segmento de Prostituição, em tradução livre). Essas manchetes estão se tornando comuns. Wagner escreve: “Ao longo das últimas duas décadas, um número alarmante de pastores abandonaram o ministério por dois motivos principais: burnout pastoral e imoralidade sexual. Os números atingiram proporções epidêmicas” (Prayer Shield, p.17).

Um estudo dos EUA de 2016 dos Josh McDowell e George Barna descobriu: “A maioria dos pastores (57%) e pastores juvenis (64%) admitem ter lutado com a pornografia, atualmente ou no passado”. A descoberta chocante foi que 21 por cento dos jovens pastores e 14 por cento dos pastores admitem que atualmente lutam com o uso de pornografia.

Como líderes na igreja de Cristo, o que podemos fazer para nos proteger e reverter essa tendência? Permita-me sugerir três coisas:

  1. Priorize a oração. Estou me referindo aqui a duas coisas: Primeiro, certifique-se de ter um tempo de silêncio dinâmico a cada dia. Em segundo lugar, desenvolva um escudo de oração de pessoas que estão empenhadas em orar por você.
  2. Priorize seu cônjuge e sua famí­lia. John Maxwell disse uma vez: “O sucesso é ter mais próximos os que você ama e respeita mais”. Não permita que o cônjuge e a família tomem um assento traseiro no ministério.
  3. Priorize o descanso. Você está tirando um dia de folga? Que tal as férias regulares? O que é fazer o suficiente para descansar todas as noites? Lembro-me de um missionário se vangloriando de que ele nunca tirou um dia de folga. Isso não é para se gabar. Os líderes que se afastam freqüentemente para descansar são mais energizados no ministério. Deus é um Deus de descanso. Ele ordenou ao seu povo no Antigo Testamento que descansasse um dia fora da semana, juntamente com os festivais necessários onde não era permitido “trabalho regular”. Ele exigiu essas coisas porque ele sabia que sua criação precisava ser recarregada.

O ministério celular é exigente. E é uma maratona. As disciplinas espirituais e as prioridades familiares vêm antes do ministério. Elas são a fonte do líder e as chaves para o sucesso a longo prazo. Quando pastores e líderes de célula não conseguem receber a água viva de Cristo e não se afastam para descansar com frequência, Satanás tem a oportunidade de enganar e destruir.

Em agosto, vamos falar sobre essas três qualidades. Vamos cobrir:

  • 06-12 de agosto. Cuidado da alma através do tempo pessoal com Jesus; Vamos conversar sobre a necessidade diária do tempo de silêncio e desenvolver um escudo de oração. O crescimento pessoal com Jesus é o fundamento de todo o ministério efetivo.
  • 13-19 de agosto. Não há blogs
  • 20 a 26 de agosto. Cuidado da alma durante o dia de folga e o tempo de férias. Pastores e líderes precisam ser atualizados através da disciplina de descanso. Estou me referindo a dias de folga, férias e dormir o suficiente.
  • 27 de agosto a 02 de setembro. Priorizando os relacionamentos mais próximos do pastor ou do líder. Há sempre o perigo de priorizar o ministério à negligência do cônjuge e dos filhos.

O que você tem aprendido sobre a liderança de longo prazo? Não hesite em comentar aqui.

Spanish blog:

Liderazgo a Largo Plazo

por Joel Comiskey

Satanás odia a los pastores y a los líderes. Ellos son su objetivo principal. Peter Wagner argumenta en Prayer Shield (Escudo de Oración) que los pastores y lí­deres cristianos son atacados con más frecuencia ya que:

  • Los pastores tienen más responsabilidades
  • Los pastores estan más expuestos a la tentación
  • Los pastores son más el blanco de la guerra espiritual
  • Los pastores tienen más influencia en los demás
  • Los pastores están bajo la mirada de todos (pp. 66-75)

Lo mismo ocurre con los lí­deres celulares, los supervisores y los fundadores de iglesias, porque están al cuidado del rebaño y también están influenciando a los demás. Hoy he leído el titular, “Pastor de Popular Mega-iglesia arrestado por participar en red de prostitución.” Estos titulares se están convirtiendo en algo común.

Wagner escribe: “Durante las últimas dos décadas, un número alarmante de pastores han abandonado el ministerio; esto ha sucedido principalmente por dos razones: el agotamiento pastoral y la inmoralidad sexual, los números han alcanzado proporciones epidémicas” (Escudo de Oración, p.17). En un estudio en los Estados Unidos, realizado por Josh McDowell y George Barna, se encontró con que “la mayoría de los pastores (57%) y los pastores de jóvenes (64%) admiten que ya sea ahora o en el pasado han luchado con la pornografía”. El sorprendente hallazgo fue que el 21 por ciento de los pastores de jóvenes y el 14 por ciento de los pastores admiten que actualmente luchan con el uso de pornografía.

Como líderes en la iglesia de Cristo, ¿qué podemos hacer para protegernos y revertir esta tendencia? Permítanme sugerir tres cosas:

  1. Da prioridad a la oración. Me refiriendo a dos situaciones: Primero, asegúrate de tener un tiempo de silencio dinámico cada día. Segundo, desarrolla un escudo de oración de personas que estén  comprometidas a orar por ti.
  2. Da prioridad a tu cónyuge y familia. John Maxwell dijo una vez: “El éxito es tener a los más cercanos a ti, los que te quieran y te respeten más”. No permitas que tu cónyuge y familia tomen un asiento trasero en el ministerio.
  3. Da prioridad al descanso. ¿Te estas tomando un día libre? ¿ unas vacaciones? ¿Qué hay de descansar lo suficiente cada noche? Recuerdo un misionero alardeando que él nunca se tomó un día libre; esto no es algo para jactarse. Los líderes que con frecuencia se toman un momento para descansar, tienen más energía para trabajar en el ministerio. Dios es un Dios de reposo. Él ordenó a su pueblo en el Antiguo Testamento que descansarán un día en la semana, junto con los fiestas donde no se permitía “trabajo regular”. Él requirió estas cosas porque sabía que su creación necesitaba ser recargada.

El ministerio celular es exigente; es maratónico. Las disciplinas espirituales y las prioridades familiares vienen antes del ministerio. Estas son la fuentes del líder y las claves del éxito a largo plazo. Cuando los pastores y los líderes celulares no reciben el agua viva de Cristo y no vienen a descansar con frecuencia, Satanás tiene la oportunidad de engañar y destruir.

En agosto, hablemos de estas tres cualidades. Cubriremos:

  • 06-12 de agosto. Cuidado del alma a través del tiempo personal con Jesús; Hablaremos de la necesidad diaria de un momento de tranquilidad y el desarrollo de un escudo de oración. El crecimiento personal con Jesús es el fundamento de todo ministerio efectivo.
  • 13-19 de agosto. No habrá blogs
  • 20-26 de agosto. Cuidado del alma durante los días libres y las vacaciones. Pastores y líderes necesitan ser refrescados a través de la disciplina del descanso. Me estoy refiriendo a días libres, vacaciones, y dormir lo suficiente.
  • 27 de agosto – 02 de septiembre. Priorizar las relaciones más cercanas al pastor o al líder. Siempre existe el peligro de dar prioridad al ministerio por el descuido de el cónyuge e hijos.

¿Qué ha estado aprendiendo acerca del liderazgo a largo plazo? Siéntete libre de comentar aquí.

Generosity and Open Sharing

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Generosity and open sharing should be a trademark for all those in Christ’s church, but more specifically to this blog, all those involved in cell-based ministry.

There are certain key principles that connect those in the cell church movement, like  the importance of meeting in both large and small groups and the role of the pastor to develop lay people to do the work of the ministry, rather than doing it personally. But house to house ministry is not a secretive, hidden philosophy that only certain people can understand or implement.

Sadly, certain pastors would like for others to believe that they have the only correct formula that everyone should follow. The human tendency to be superior and to exclude others is as old as the fall of mankind in the book of Genesis. Certain models have fallen into this trap and erect walls and barriers around a few of their formulas.

This mentality has saddened me in the cell church because God’s principles must be freely shared, and they should be open for all and for everyone to experience. I think of the Elim Church. Elim is a very generous cell church that welcomes people to taste and see, use their resources, study their system, and take what’s best. They do have distinctions, like each cell nucleus having a weekly planning meeting to prepare for the Saturday cell groups. But you’ll never hear Elim talking about their planning meeting as a “secret formula” that separates them from everyone else, or makes them better than other cell churches. Rather, in humility, Elim chooses to emphasize common cell church principles and especially the biblical values that undergird cell ministry.

Generosity comes from the heart of God. I’ve always been concerned about those churches that exclude rather than welcome. I love to highlight Paulo Mazonni’s church in Belo Horizonte. Each year, the Central Baptist Church holds a DNA conference in which they freely give away their resources  while inviting pastors and leaders to experience what God has done in their church. Their motivation is to freely share what has propelled them to 2200 cells and 12,000 people in their celebration services.

Robert Lay is another example of generosity. He places all PowerPoints on his website for people to freely download and use. Robert realizes that God is much bigger than one model and it’s his goal to freely resource the body of Christ.

Unlike those who separate from the larger body of Christ, the cell church movement needs to be marked by Christ’s own words, “Freely you have received; freely give” (Matthew 10:8).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Generosidade e compartilhamento aberto

Por Joel Comiskey

A generosidade e o compartilhamento aberto devem ser uma marca registrada para todos aqueles na igreja de Cristo, mas mais especificamente para este blog, todos os envolvidos no ministério baseado em células.

Existem certos princípios fundamentais que conectam aqueles no movimento da igreja celular, como a importância de se reunir em grupos grandes e pequenos e o papel do pastor para desenvolver leigos para fazer o trabalho do ministério, em vez de fazê-lo pessoalmente. Mas o ministério da casa em casa não é uma filosofia secreta e escondida que apenas algumas pessoas podem entender ou implementar.

Infelizmente, certos pastores gostariam que outros acreditassem que eles tinham a única fórmula correta que todos deveriam seguir. A tendência humana de ser superior e excluir outros é tão antiga quanto a queda da humanidade no livro de Gênesis. Certos modelos caíram nesta armadilha e erguem paredes e barreiras em torno de algumas de suas fórmulas.

Essa mentalidade me entristeceu na igreja celular porque os princípios de Deus devem ser compartilhados livremente, e devem estar abertos para todos e para todos experimentarem. Penso na Igreja de Elim. Elim é uma igreja celular muito generosa que acolhe pessoas para provar e ver, usar seus recursos, estudar seu sistema e tomar o melhor. Eles têm distinções, como cada núcleo de célula que tem uma reunião de planejamento semanal para se preparar para os grupos de células de sábado. Mas você nunca ouvirá Elim falar sobre sua reunião de planejamento como uma “fórmula secreta” que os separa de todos os outros, ou os torna melhores do que outras igrejas celulares. Em vez disso, com humildade, Elim escolhe enfatizar os princípios comuns da igreja celular e, especialmente, os valores bíblicos que sustentam o ministério das células.

A generosidade vem do coração de Deus. Sempre me preocupei com as igrejas que excluíam em vez de receber. Eu amo destacar a igreja de Paulo Mazonni em Belo Horizonte. Todos os anos, a Igreja Batista Central realiza uma conferência de DNA em que eles cedem livremente seus recursos enquanto convidam pastores e líderes a experimentar o que Deus fez em sua igreja. Sua motivação é compartilhar livremente o que os impulsionou para 2200 células e 12 mil pessoas em seus cultos de celebração.

Robert Lay é outro exemplo de generosidade. Ele coloca todos os PowerPoints em seu site para que as pessoas baixem e usem livremente. Robert percebe que Deus é muito maior do que um modelo e é seu objetivo livremente explorar o corpo de Cristo.
Ao contrário dos que se separam do corpo maior de Cristo, o movimento da igreja celular precisa ser marcado pelas próprias palavras de Cristo: “Livremente você recebeu; Livremente dê “(Mateus 10: 8).

Spanish blog:

La generosidad y el compartir

Por Joel Comiskey, Asesoramiento acá

La generosidad y el compartir  debe ser una marca registrada de todos en la iglesia de Cristo, pero más en específico de los que leen este blog y los que están envueltos en el ministerio célular.

Hay ciertos principios clave que unen a todos los que están en el movimiento célular, por ejemplo la importancia de reunirse en grupos grandes y pequeños, así también el rol del pastor de desarrollar a los miembros en general para que realicen el trabajo ministerial en lugar de hacerlo personalmente. El ministerio casa por casa no es un secreto, no es una filosofía escondida, que solo un grupo de personas puede entender e implementar.

Tristemente, a algunos pastores les gustaría hacer creer que solo ellos tienen la formula correcta, la que todos deberían seguir. La tendencia humana a ser superiores y excluir a los demás es tan antigua como la caída de la raza humana en el libro de Génesis. Ciertos modelos han caído en esta trampa y han construido muros y  barreras alrededor de estas fórmulas.

Esta mentalidad me ha hecho entristecer porque los principios de Dios deben ser compartidos libremente y deberían ser proporcionados a todos y cada uno y así poder experimentarlos. Pienso en la Iglesia Elim. Elim es una iglesia celular muy generosa que da la bienvenida a todas las personas para que puedan saborear, ver, usar sus recursos, estudiar su sistema, y tomar lo mejor de ello. Tienen distinciones, como por ejemplo, una reunión de planificación en la semana para preparar la célula del día sábado. Pero nunca escucharan que la Iglesia Elim habla de estas reuniones de planificación de manera “secreta” aparatando a los demás, o que esto los hace mejores que los otras iglesias celulares. En lugar de eso, con humildad la iglesia Elim elige enfatizar en los principios comunes de la célula y en específico los valores bíblicos que conforman el ministerio celular.

La generosidad viene del corazón de Dios. Siempre he estado consternado con las iglesias que excluyen en vez de dar la bienvenida. Me encanta el detalle de la iglesia de Paulo Mazonni en Belo Horizonte. Cada año la iglesia Bautista Central tiene una Conferencia ADN en la cual, entregan sus fuentes  y al mismo  tiempo invitan a otros pastores y líderes para que puedan experimentar lo que Dios ha hecho en la iglesia. Su motivación es compartir libremente lo que ha hecho crecer a 2200 células y 12,000 personas en sus servicios de celebración.

Robert Law es otro ejemplo de generosidad. El sube todas sus presentaciones PowerPoint en su sitio web para que todos puedan descargarlas y usarlas. Robert entiende que Dios es mucho más grande que cualquier modelo y que la meta es proveer de recursos al cuerpo de Cristo.

Contrario a otros que separan del grande cuerpo de Cristo, el movimiento de la iglesia celular necesita ser marcado por las propias palabras de Cristo, “ lo que ustedes recibieron gratis denlo gratuitamente” (Mateo 10:8)

Learning from Others

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Ecclesiastes 1:9 says, “What has been will be again, what has been done will be done again; there is nothing new under the sun.” There are very few new ideas. Most are old ideas that have been recycled. Someone said that innovation is creative copying. The great American writer, William Faulkner, once said, “Immature artists copy, great artists steal.” What Faulkner meant is that immature artists don’t do their homework. They simply copy an idea instead of reinventing it and making it their own.

We in the cell church movement are debtors to the ideas and practices of others, whether those ideas come from Jethro in Exodus 18, the apostle Paul, St. Patrick, Peter Waldo, Count Zinzendorf, John Wesley, David Cho, or Ralph Neighbour. We depend on the past and gain confidence in the future from those who have gone before us.

Some wrongly assume that David Cho, founder of Yoido Full Gospel Church, invented the modern day cell church movement. In reality, Cho stands on the shoulders of John Wesley and the Methodist movement, who were helped by the Moravians, who in turn were heavily influenced by the Pietists. And all of them stand on the New Testament’s emphasis of house to house ministry and celebration worship (Acts 2:42-46).

I just returned from a Foursquare denominational conference in Brazil. The Foursquare is undertaking the audacious task of transitioning their 20,000 churches to cell-based ministry. To do so, they are gleaning from churches outside of Brazil like Elim, Yoido Full Gospel Church, and a large Foursquare church in Honduras called “la Cosecha” (harvest). They are also learning from pastors inside Brazil like Abe Huber, Paulo Mazonni, and Aluizio Silva. They are reading books from Bill Beckham, Ralph Neighbour, and many others. Their goal is to resource their people to help them in the transition process.

Every time I read Neighbour’s Where Do We Go From Here, I learn something new. I also have other favorite cell-based authors that you can check out here. I learn a lot from cell churches around the world. For example, Celyce and I were inspired by the prayer ministry at Ministerio Sabaoth in Milan Italy during our recent conference there.

Who are your learning from and networking with? In the month of July, let’s talk about learning from others and being open to new ideas.

  • July 02-08: Why it’s important to learn from each other; no man is an island.
  • July 09-15: The danger of exclusivity; my way is the only way. We saw this in the G12 movement.
  • July 16-22: Testimonies of learning from Scripture, books, and cell churches.
  • July 23-July 29:The importance of  connecting with history in small groups (biblical values, Wesley modern day cell movement)
  •  July 30-August 05: Feeding the vision today through books, blogs, networking with churches and pastors.

Who have you been learning from and network with?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo Através dos Outros

por Joel Comiskey

Eclesiastes 1:9 diz, “O que foi é o que há de ser; e o que se fez, isso se tornará a fazer; nada há, pois, novo debaixo do sol.” Existem poucas ideias novas. A maioria são ideias antigas que foram recicladas. Alguém disse que a inovação é igual à cópia criativa. O grande escritor americano, William Faulkner, disse uma vez: “Imaturos copiam artistas, grandes artistas roubam”. O que Faulkner quis dizer é que os artistas imaturos não fazem sua lição de casa. Eles simplesmente copiam uma idéia em vez de reinventá-la e torná-la sua.

Nós, no movimento da igreja celular, somos devedores das idéias e práticas dos outros, se essas idéias vêm de Jetro em Êxodo 18, do apóstolo Paulo, de São Patrício, de Pedro Waldo, do Conde Zinzendorf, de John Wesley, de David Cho ou de Ralph Neighbour. Dependemos do passado e ganhamos confiança no futuro daqueles que nos precederam.

Alguns erroneamente assumem que David Cho, fundador da Yoido Full Gospel Church, inventou o movimento moderno da igreja celular. Na realidade, Cho ergue-se nos ombros de John Wesley e do movimento metodista, que foram ajudados pelos moravianos, que por sua vez foram fortemente influenciados pelos pietistas. E todos eles defendem a ênfase do Novo Testamento no ministério da casa em casa e no culto à celebração (Atos 2: 42-46).

Acabei de retornar de uma conferência denominacional Foursquare no Brasil. O Foursquare está empreendendo a audaciosa tarefa de transição de suas 20 mil igrejas para o ministério baseado em células. Para fazê-lo, eles são recolhidos de igrejas fora do Brasil como Elim, Yoido Full Gospel Church e uma grande igreja Quadrangular em Honduras chamada “la Cosecha” (colheita). Eles também estão aprendendo com pastores no Brasil como Abe Huber, Paulo Mazonni e Aluizio Silva. Eles estão lendo livros de Bill Beckham, Ralph Neighbor e muitos outros. Seu objetivo é o recurso de suas pessoas para ajudá-los no processo de transição.

Toda vez que eu leio “Where Do We Go From Here” (Para onde vamos daqui, em tradução livre), de Neighbour, aprendo algo novo. Eu também tenho outros autores de células preferenciais que você pode verificar aqui. Aprendo muito com igrejas celulares ao redor do mundo. Por exemplo, Celyce e eu fomos inspirados pelo ministério de oração do Ministério Sabaoth, em Milão, Itália, durante a nossa conferência recente.

De quem você aprende e está fazendo conexões? No mês de julho, vamos falar sobre aprender dos outros e estar abertos a novas idéias. Se você quiser receber estes vinte e cinco blogs na sua caixa de entrada, PRESSIONE AQUI.

  • 02-08 de julho: Por que é importante aprender uns com os outros; Nenhum homem é uma ilha.
  • 09-15 de julho: O perigo de exclusividade; Meu caminho é o único caminho. Vimos isso no movimento G12.
  • 16-22 de julho: Testemunhos de aprender das Escrituras, livros e igrejas celulares.
  • 23 de julho a 29 de julho: A importância de se conectar com a história em pequenos grupos (valores bíblicos, movimento celular Wesley moderno)
  • 30 de julho – 05 de agosto: Alimentando a visão hoje através de livros, blogs, redes com igrejas e pastores.

De quem você aprendeu e fez conexões? Não hesite em comentar aqui.

Spanish blog:

Aprendiendo de los demás

por Joel Comiskey

Eclesiastés 1: 9 dice: “Lo que ya ha acontecido volverá a acontecer; Lo que ya se ha hecho se volverá a hacer ¡no hay nada nuevo bajo el sol!” Hay muy pocas ideas nuevas. La mayoría son ideas antiguas que han sido recicladas. Alguien dijo que la innovación es igual a la “copia creativa”. El gran escritor estadounidense, William Faulkner, dijo: “Los artistas inmaduros copian, los grandes artistas roban”. Lo que Faulkner quiso decir, es que los artistas inmaduros no hacen su tarea. Simplemente copian una idea en lugar de reinventarla y hacerla suya.

Nosotros, en el movimiento de la iglesia celular, somos prestamistas de las ideas y prácticas de otros, ya sean éstas las ideas de Jethro en Éxodo 18, el apóstol Pablo, San Patricio, Peter Waldo, el Conde Zinzendorf, John Wesley, David Cho o Ralph Neighbor. Dependemos del pasado y ganamos confianza en el futuro de aquellos que nos han precedido.

Algunos asumen erróneamente que David Cho, fundador de la iglesia Yoido Full Gospel Church, inventó el movimiento moderno de la iglesia celular. En realidad, Cho se basa en John Wesley y el movimiento metodista, que recibieron ayuda de los moravos, que a su vez fueron fuertemente influenciados por los pietistas. Y todos ellos toman el énfasis del Nuevo Testamento en el ministerio de casa en casa y en el culto de celebración (Hechos 2: 42-46).

Acabo de regresar de una conferencia denominacional Cuadrangular en Brasil. La iglesia Cuadrangular está llevando a cabo la audaz tarea de la transición de sus 20.000 iglesias al ministerio basado en células. Para ello, están tomando el modelo de iglesias fuera de Brasil como Elim, Yoido Full Gospel Church, y una gran iglesia Cuadrangular en Honduras llamada “la Cosecha”. También están aprendiendo de los pastores de Brasil como Abe Huber, Paulo Mazonni, y Aluizio Silva. Están leyendo libros de Bill Beckham, Ralph Neighbor y muchos otros. Su objetivo es recurrir a su gente para ayudarles en el proceso de transición.

Cada vez que leo Neighbour’s Where Do We Go From Here (Ralph W. Neighbour, Jr.), aprendo algo nuevo. También tengo otros autores celulares favoritos, que puedes consultar aquí. Aprendo mucho de las iglesias celulares de todo el mundo. Por ejemplo, Celyce y yo fuimos inspirados por el ministerio de oración en el Ministerio Sabaoth en Milán, Italia, durante nuestra reciente conferencia allí.

¿De quiénes estas aprendiendo y con quienes te estas relacionando? En el mes de Julio, hablaremos acerca de aprender de los demás y estar abierto a nuevas ideas. Si quieres recibir estos veinticinco blogs en tu correo, presiona aquí­.

  • Julio 02-08: Por qué es importante aprender unos de otros; Ningún hombre es una isla.
  • Julio 09-15: El peligro de la exclusividad; Mi camino es el único camino. Vimos esto en el movimiento G12.
  • Julio 16 -22: Testimonios de aprender de la Escritura, libros e iglesias celulares.
  • Julio 23- Julio 29: La importancia de conectarse con la historia en las celulas (valores bíblicos, movimiento de células modernas de Wesley)
  • Julio 30- Agosto 05: Alimentar la visión de hoy a través de libros, blogs, redes con iglesias y pastores.

¿Con quién has estado aprendiendo y trabajando? Siéntete libre de comentar aquí.

Dealing with the Talkers

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Life groups offer a warm environment in which open sharing thrives. This is extremely positive but danger lurks as well. Some people gravitate to small groups in order to express their opinions, however negative and combative they may be. They take advantage of the warm atmosphere to unload on others, to find a vent for their insecurity. These people love to hear their own voices. No one has an opportunity to contribute while they are talking, and group members will come to resent their comments and behaviors.

Dealing with talkers is probably the greatest challenge in group meetings. I’ve said repeatedly that small group leaders shouldn’t dominate the group. This also means, however, that one or two group members must not dominate.

The facilitator must protect the group from those who dominate the meeting. Here are some practical steps to overcome this problem:

  • Sit  next to the talker in order to give less eye contact.
  • Talkers don’t need lots of encouragement. They might even feel that you, the leader, are encouraging their nonstop conversation by eye contact, nods and a listening ear. Sitting next to the person and avoiding eye contact will signal that you’re not encouraging him or her.
  • Call on other people to give their opinions. When you call on a person by name, you’re saying to the rest: “Wait your turn.” By calling on individuals by name, you’re assuming leadership responsibility and directing the conversation of the group.
  • Redirect the conversation away from the talker, if he or she pauses. Granted, this is a more drastic measure. When I share this tactic at a seminar, the crowd roars with laughter. However, leaders need to do what it takes to shield the cell group from such control.
  • Talk directly with the person. Often, talkers simply don’t understand the purpose of a small group. They sincerely think others need their constant input and spiritual wisdom. They’ve never realized the purpose of the small group is to allow everyone to participate and share. Talking directly with the person, after or before the cell group meeting will often solve the problem.
  • If the problem persists, talk to the person directly over you (e.g., supervisor, pastor). Most likely that leader has more experience in dealing with such issues and can offer valuable insight to resolve the conflict.
  • Ask the person to help you make the meeting more participatory. I gave a cell seminar in New Jersey and afterwards a  successful cell leader approached me saying, “I’ve found a great way to deal with the constant talker that works every time.” He continued, “Ask the talker to help you get others talking.”   This advice makes sense. When the talker understands the larger reason for the cell group and even how to participate in fulfilling this goal, it’s likely the person will change.
  • Clarify the rule that no one is allowed to speak a second time until everyone has had a chance to speak for the first time.

Which of the above methods have worked best for you? Or maybe you have another suggestion?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Lidando com os Conversadores

Por Joel Comiskey

As células oferecem um ambiente acolhedor em que o compartilhamento aberto prospera. Isso é extremamente positivo, mas o perigo se esconde também. Algumas pessoas se direcionam para grupos pequenos para expressar suas opiniões, por mais negativas e combativas que possam ser. Eles aproveitam a atmosfera calorosa para descarregar sobre os outros, para encontrar uma abertura para sua insegurança. Essas pessoas adoram ouvir suas próprias vozes. Ninguém tem a oportunidade de contribuir enquanto eles falam, e os membros do grupo virão a ressentir-se de seus comentários e comportamentos.

Lidar com os conversadores é provavelmente o maior desafio nas reuniões grupais. Eu disse repetidamente que os líderes de pequenos grupos não devem dominar o grupo. Isso também significa, no entanto, que um ou dois membros do grupo não devem dominar.

O facilitador deve proteger o grupo daqueles que dominam a reunião. Aqui estão algumas etapas práticas para superar esse problema:

  • Sente-se ao lado do falador para dar menos contato com os olhos.
  • Os conversadores não precisam de muitos incentivos. Eles podem até sentir que você, o líder, está encorajando sua conversa sem parar pelo contato com os olhos, acenos com a cabeça e ouvindo atentos. Sentar-se ao lado da pessoa e evitar o contato com os olhos irá sinalizar que você não está encorajando ele ou ela.
  • Convoque outras pessoas para darem suas opiniões. Quando você chama uma pessoa pelo nome, você está dizendo para o resto: “Aguarde sua vez”. Ao chamar os indivíduos por nome, você está assumindo responsabilidade de liderança e dirigindo a conversa do grupo.
  • Redirecione a conversa para longe do falante, se ele faz uma pausa. Concedida, esta é uma medida mais drástica. Quando compartilho essa tática em um seminário, a multidão gargalha. No entanto, os líderes precisam fazer o que é necessário para proteger o grupo de células desse controle.
  • Fale diretamente com a pessoa. Muitas vezes, os conversadores simplesmente não entendem o propósito de um pequeno grupo. Eles acreditam sinceramente que os outros precisam de sua contribuição constante e sabedoria espiritual. Eles nunca perceberam que o objetivo do pequeno grupo é permitir que todos participem e compartilhem. Falar diretamente com a pessoa, após ou antes da reunião do grupo celular, muitas vezes resolverá o problema.
  • Se o problema persistir, fale com a pessoa diretamente acima de você (por exemplo, supervisor, pastor). Muito provavelmente, esse líder tem mais experiência em lidar com essas questões e pode oferecer uma visão valiosa para resolver o conflito.
  • Peça à pessoa para ajudá-lo a tornar a reunião mais participativa. Eu dei um seminário sobre células em Nova Jersey e depois um líder celular bem sucedido se aproximou dizendo: “Encontrei uma ótima maneira de lidar com o falador constante que funciona todas as vezes”. Ele continuou: “Peça ao falador para ajudá-lo a fazer com que outros falem.” Este conselho faz sentido. Quando o falador entende a razão maior para o grupo de células e até mesmo como participar no cumprimento deste objetivo, é provável ele mude.
  • Torne clara a regra de que ninguém pode falar uma segunda vez até que todos tenham tido a chance de falar pela primeira vez.

Qual dos métodos acima funcionou melhor para você? Ou talvez você tenha outra sugestão?

Spanish blog:

Tratando con los que hablan demasiado

Por Joel Comiskey

Las células ofrecen un ambiente cálido en el cual próspera el compartir libremente. Esto es extremadamente positivo, pero el peligro también acecha. Algunas personas llegan a las células para expresar sus opiniones, por más negativas y combativas que estas puedan ser. Se aprovechan de la atmósfera cálida para descargar contra los demás, para encontrar un respiradero a su inseguridad. A estas personas les encanta oír sus propias voces. Nadie tiene la oportunidad de contribuir mientras están hablando, y los miembros de la célula vendrán a resentir sus comentarios y comportamientos.

Tratar con los que hablan demasiado es probablemente el mayor desafío en las células. En repetidas ocasiones he dicho que los líderes de las células no deben dominar el grupo. Esto también significa, que uno o dos miembros de la célula no deben dominarlo.

El facilitador debe proteger a la célula de los que dominan la reunión. Estos son algunos pasos prácticos para superar este problema:

  •  Siéntate junto a la persona que habla de más para tener menos contacto visual. Las personas que hablan demasiado no necesitan mucho estímulo. Incluso pueden sentir que tú, el líder, estás animando su conversación al hacer contacto visual, asentir con la cabeza y escuchar. Sentarse junto a la persona y evitar el contacto visual indicará que no estás animándolo.
  • Dar la palabra a otras personas para que expresen sus opiniones. Cuando te diriges a una persona por su nombre, le está diciendo al resto: “Espera tu turno”. Al llamar a los individuos por su nombre, estás asumiendo la responsabilidad del liderazgo y dirigiendo la conversación de la célula.
  • Redirige la conversación lejos del que habla demasiado, si él o ella hace una pausa. Claro que, esta es una medida más drástica. Cuando comparto esta táctica en un seminario, la multitud ríe a carcajadas. Sin embargo, los líderes necesitan hacer lo necesario para proteger a la célula de tal control.
  • Hable directamente con la persona. A menudo, los que hablan demasiado simplemente no entienden el propósito de la célula. Piensan sinceramente que los demás necesitan de su constante aporte y sabiduría espiritual. Nunca han entendido que el propósito de la célula es permitir que todos participen y compartan. Hablar directamente con la persona, después o antes de la reunión a menudo resolverá el problema.
  • Si el problema persiste, habla directamente con tu superior inmediato (por ejemplo, supervisor, pastor). Lo más probable es que el líder tenga más experiencia en el trato con estos temas y puede ofrecer información valiosa para resolver el conflicto.
  • Pídele a la persona que te ayude a hacer la reunión más participativa. Di un seminario celular en Nueva Jersey y luego un exitoso líder celular se me acercó diciendo: “He encontrado una gran manera de lidiar con los hablan demasiado y siempre funciona”. Continuó: “Pídele al que habla de más que le ayude a hacer que los demás hablen”. Este consejo tiene sentido. Cuando el que habla demasiado entiende la razón más grande en la célula e incluso cómo participar en el cumplimiento de esta meta, es probable que la persona cambie.
  •  Establece la regla de que nadie puede hablar una segunda vez hasta que todos hayan tenido la oportunidad de hablar por primera vez.

¿Cuáles de los métodos anteriores han funcionado mejor para ti? ¿O tal vez tienes otra sugerencia?

Listening Brings Healing

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

When someone shares transparently in the group about struggles, hurt, or doubt, it’s best for the group to listen. When someone is facing a crisis, it’s not the moment to say, “You just need to trust in the Lord. Don’t you know that all things work together for good to those who love God, to those who are called according to His purpose?” This advice, while 100 percent correct, will actually do more harm than good to a hurting, grieving person. Before becoming ready to hear advice, the person first must know that God’s people will help bear the burden. He or she is longing for a listening ear—not a quick response of an often-quoted scripture passage.

Healing takes place in the silence of skilled listening and love. God is the sensitive Healer, and He desires that His people listen to others. Listening is so powerful; it works wonders because it causes people to feel special, loved and cared for. When someone shares a huge need, we must allow God to flow in a very special way and manifest Himself. Just be quiet. Be silent before God, and allow Jesus to minister to that person’s needs.

After the burden is shared, there should be a moment of silent understanding. As group members empathize with the person, godly counsel will ensue: “Joan, I can relate to your fears and doubts brought on by your friend’s cancer. When my brother faced brain cancer, I felt those same fears. I wrestled for days, wondering why God would allow this disease to strike my family. But then God showed me . . .” The scales of past wounds will peel away, and the new creature in Christ will appear as the cell group ministers through empathetic listening.

It’s this shared understanding that is so important: not just one person is listening, but the entire group is involved. When a person is truly listened to, grace and love follows and blesses everyone involved.

The Life group leaders should advise the group to listen, rather than quickly responding with pat answers. The leader must demonstrate, however, what she wants others to do by her own actions. People won’t necessarily follow words, but they will follow actions. Preparing a healing community may take some time, but it’s worth the wait. Healing through listening is God’s powerful tool to heal a lost and hurting world.

Listening opens the door for encouragement. Small-group leaders bring healing by tuning their ears for the slightest reason to give praise. If there’s even a hint of excellence, a great small-group leader will spot it and acknowledge it. The enemy seeks to accuse each of us through lies that discourage. He might whisper to one group member, No one respects you. You don’t know the Bible well enough. You wouldn’t dare make that comment. The small-group leader is God’s agent to offer a word of encouragement that will bless the person abundantly and help them to speak up. Listening and encouragement are so essential for healing to take place.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Ouvir Traz Cura

Por Joel Comiskey

Quando alguém compartilha transparentemente no grupo sobre lutas, feridas ou dúvidas, o melhor para o grupo é ouvir. Quando alguém está enfrentando uma crise, não é o momento para se dizer, “Você apenas deve confiar no Senhor. Você não sabe que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, àqueles que são chamados de acordo com Seu propósito?” Esse conselho, apesar de cem por cento correto,  fará mais mal do que bem para uma pessoa machucada, em luto. Antes de ficar pronto para ouvir conselhos, a pessoa deve saber primeiramente que o povo de Deus a ajudará a suportar o fardo. Ele ou ela está desejosa por um ouvido ouvinte- não por uma resposta rápida ou uma passagem da escritura frequentemente citada. A cura se estabelece no silêncio do ouvir e do amor qualificados. Deus é o Curador sensível, e Ele deseja que o seu povo ouça os outros. O ouvir é tão poderoso; ele faz maravilhas porque ele faz as pessoas se sentirem especiais, amadas e cuidadas. Quando alguém compartilha uma necessidade enorme, devemos permitir que Deus flua de uma maneira muito especial e Se manifeste. Apenas fique quieto. Seja silencioso diante de Deus, e permita que Jesus ministre as necessidades daquela pessoa.

Depois de o fardo ser compartilhado, deve haver um momento de entendimento silencioso. Conforme os membros do grupo se identificam com a pessoa, o advogado piedoso se sucederá: “Joan, eu posso me relacionar com seus medos e dúvidas trazidos pelo câncer de seu amigo. Quando meu irmão enfrentou câncer cerebral, eu senti esses mesmos medos. Eu lutei por dias, me perguntando por que Deus permitiria que essa doença atingisse minha família. Mas quando Deus me mostrou…” As escalas das feridas passadas desaparecerão, e a nova criatura de Cristo aparecerá conforme o grupo de célula ministra através do ouvir empático.

É esse entendimento compartilhado que é tão importante: não apenas uma pessoa está ouvindo, mas o grupo inteiro está envolvido. Quando uma pessoa é genuinamente ouvida, a graça e o amor seguem e abençoam todos os envolvidos.

Os líderes da célula devem aconselhar a ouvir, em vez de rapidamente responder com respostas e palmadinhas. O líder deve demonstrar, entretanto, o que a pessoa quer que os outros façam por as próprias ações dela. Preparar uma comunidade que cura pode levar algum tempo, mas vale à espera. Curar através do ouvir é a ferramenta poderosa de Deus para curar um mundo perdido e machucado.

O ouvir abre a porta para o encorajamento. Os líderes dos pequenos grupos trazem cura ajustando os seus ouvidos pela menor razão para louvar. Se houver até mesmo uma pitada de excelência, um grande líder de grupo pequeno irá detectá-lá e reconhecê-la. O inimigo busca acusar cada um de nós através de mentiras que desencorajam. Ele pode sussurrar para um membro do grupo, Ninguém te respeita. Você não conhece a Bíblia bem o suficiente. Você não deveria ousar fazer aquele comentário. O líder do pequeno grupo é o agente de Deus para oferecer uma palavra de encorajamento que abençoará a pessoa abundantemente e a ajudará a falar mais alto. O ouvir e o encorajamento são tão essenciais para a cura tomar lugar.

Spanish blog:

El escuchar da la sanidad

Por Joel Comiskey

Cuando alguien comparte en la célula acerca de sus luchas, dolores, o dudas lo mejor que se puede hacer, es escuchar. Cuando alguien enfrenta una crisis, no es momento para decir, “Solo necesita confiar en el Señor. No sabe que Dios dispone todas las cosas para el bien de quienes lo aman, los que Él llamó de acuerdo con su propósito?” Este consejo, siendo 100 por ciento correcto, en realidad causa más daño que bien a una persona lastimada y afligida. Antes de estar listo para escuchar consejo, primero la persona debe saber que los Hermanos le ayudaran a llevar la carga. Esta persona tiene el anhelo de ser escuchada y no recibir una respuesta rápida o un pasaje de la escritura usado con frecuencia. En el amor y en el escuchar de manera activa es donde toma lugar la sanidad. Dios es el Sanador por excelencia, y su deseo es que sus hijos escuchen a otros. El escuchar es muy poderoso; hace maravillas al lograr que las personas se sientan bienvenidas, especiales y amadas. Cuando alguno comparte una necesidad grande, debemos permitir que Dios se manifieste y que trabaje en una manera muy especial. Guarda calma. Se prudente ante Dios, y permite que Jesús ministre la necesidad de la persona.

Después de que se ha compartido el problema, tiene que haber un momento de comprensión. Conforme los miembros de la célula se familiarizan con la persona, el consejo divino surgirá: “Joan, yo me identifico con los miedos y dudas que te causa el cáncer que padece tu amigo. Cuando mi hermano tuvo cáncer en el cerebro, yo también sentí esos miedos. Luche por días, preguntándome porque Dios permitía que esta enfermedad atacara a mi familia. Pero luego Dios me mostró…” Las escamas de las heridas pasadas se desprenderán, y la nueva criatura en Cristo aparecerá a medida de que la célula ministre a través de la escucha empática.

Es esta compresión compartida, la que es tan importante: no solo una persona escucha, sino que toda la célula está involucrada.  Cuando realmente se escucha a una persona, la gracia y el amor fluyen y bendicen a todas las personas involucradas.

Los líderes deben aconsejar a la célula a que escuchen, en lugar de apresurarse a dar respuestas rápidas y sencillas. Asimismo, el líder también debe demostrar con sus propias acciones, lo que quiere que hagan los demás. Las personas no necesariamente seguirán las palabras pero si seguirán las acciones. Preparar una comunidad de sanación puede tomar tiempo, pero la espera vale la pena. La sanidad a través del escuchar es la herramienta de Dios más poderosa para curar a un mundo perdido y herido.

Escuchar abre las puertas a animar: los líderes de las células pueden alcanzar la sanidad al ajustar su oído incluso para las más mínimas razones para agradecer. Si hay tan solo un indicio de excelencia, un gran líder lo notará y lo reconocerá. El enemigo nos acusa con mentiras con las cuales busca desanimarnos. El puede susurrar al oído un miembro de la célula, Nadie te respeta. No conoces la biblia lo suficiente. No te atreverías a hacer ese comentario. El líder de la célula es el agente de Dios para ofrecer palabras de ánimo que bendecirán a la persona abundantemente y la ayudará a expresarse. El escuchar y el animar son esenciales para que la sanidad se lleve a cabo.

Dealing with Common Group Problems

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, coaching available here (free first session available for those interested in receiving coaching)

I had a recent opportunity to visit specific groups and meet with leaders. Between visiting the groups and meeting with the leaders, I noticed four specific problems. These problems are common to all cell groups worldwide. In fact, I’ve noticed them all over the world.

Here they are:

  1. Problem people in the group. In this particular group there were asylum seekers from a particular country, which I will not mention in this newsletter. These refugees tended to flood the Life groups, hoping to find help. They became a source of irritation to many groups which felt they were too bold in asking for money. The church had to deal with this situation, making a rule that each Life group should only have one refugee and that asking for money was off-limits. But this is just one example of problem people in groups throughout the world. Other problem people include gossipers, dysfunctional people who don’t know how to relate to others, and debaters.
  2. The tendency to give advice, rather than listening. As we visited the groups, we noticed this common problem. There was a tendency to offer counsel and to try to correct the problem after someone shared deeply. While members might have the answers, often the greatest healing comes through careful listening, rather than giving immediate answers that tend to shut people down. Now there is a time and a place to give answers. For example, approaching the person individually after the Life group is a great time to share biblical truth. Another option is after diligently listening to the person to say something like, “I hear what you are saying. I wrestled with this issue myself and Jesus showed me this Scripture. . . “
  3. Dealing with the talkers (and getting the shy to talk). Dealing with the talkers was a common problem with those leaders who signed up to talk with us. I also noticed this problem in one of the groups I visited. Yet, this is also an age-old problem in cell groups worldwide. Left unchecked, a talker can ruin the group and the leader needs to know how to deal with him or her.
  4. Neglecting key parts of the Life group (Icebreaker, worship, etc.). Two of the three Life Groups I visited were exemplary and life-giving. However, I visited one group that failed to do an icebreaker, and I felt lost. A new person would have felt the same way. Keeping the group moving and a balanced diet of Welcome, Worship, Word, and Works really helps bring life. Granted, there are times when the Spirit moves differently, but unless that happens, it’s best to follow a balanced Life group order.

In the month of June, we’ll explore this topic more in-depth. If you’d like to receive these twenty blogs in your inbox, press here. We’ll cover:

  • June 04-10: How to deal with problem people.
  • June 11-17: The tendency to give advice rather than listening.
  • June 18-24: Dealing with those who talk too much (or helping those who talk too little).
  • June 25-July 01: Following a balanced order in the Life Group–not neglecting the key parts of the Life group.

Have you noticed these problems in your own cell group? Different ones? Feel free to comment here.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do google. Quando recebemos a tradução normal, a publicaremos no site imediatamente

Lidar com problemas comuns do grupo

Por Joel Comiskey, coaching disponível aqui (primeira sessão gratuita disponível para quem está interessado em receber coaching)

Em maio, Celyce e eu ministramos durante duas semanas na Tailândia na Igreja Evangélica de Banguecoque (BCE). Juntamente com a realização de seminários e pregações, tivemos a oportunidade de visitar três grupos de vida e consultar os líderes individualmente. Os líderes foram encorajados a se inscrever para se encontrar com Celyce e eu pessoalmente em quatro dias diferentes.

Entre a visita dos grupos e o encontro com os líderes, reparei em quatro problemas específicos. Esses problemas não são exclusivos de Bangkok. Na verdade, eu notei eles em todo o mundo. Porque eles são problemas universais, eles também apareceram nos grupos Life em Bangkok.

Aqui estão eles:

  1. Problema pessoas no grupo. No caso da Tailândia, existem muitos requerentes de asilo de um país específico, o que não mencionarei neste boletim informativo. Esses refugiados tendiam a inundar os grupos da Vida, na esperança de encontrar ajuda. Eles se tornaram uma fonte de irritação para muitos grupos que achavam que eram muito ousados ​​em pedir dinheiro. O BCE teve que lidar com esta situação, estabelecendo uma regra segundo a qual cada grupo da Vida deveria ter apenas um refugiado e que pedir dinheiro estava fora dos limites. Mas este é apenas um exemplo de pessoas problemáticas em grupos em todo o mundo. Outras pessoas problemáticas incluem gossipers, pessoas disfuncionais que não sabem como se relacionar com outras pessoas e debatadores.
  2. A tendência de dar conselhos, em vez de ouvir. Ao visitar os grupos, notamos esse problema comum. Havia uma tendência para oferecer conselhos e tentar corrigir o problema depois que alguém compartilhou profundamente. Enquanto os membros podem ter as respostas, muitas vezes a maior cura vem através de uma escuta cuidadosa, ao invés de dar respostas imediatas que tendem a fechar as pessoas. Agora há um tempo e um lugar para dar respostas. Por exemplo, abordar a pessoa individualmente após o grupo Life é um ótimo momento para compartilhar a verdade bíblica. Outra opção é depois de ouvir diligentemente a pessoa para dizer algo como: “Eu ouço o que você está dizendo. Eu lutei com essa questão e Jesus me mostrou essa Escritura …”
  3. Lidando com os conversadores (e ficando tímido para falar). Lidar com os interlocutores era um problema comum com os líderes que se inscreveram para conversar conosco. Eu notei também esse problema em um dos grupos que visitei. No entanto, este também é um problema antigo em grupos de células em todo o mundo. Sem controle, um falador pode arruinar o grupo e o líder precisa saber como lidar com ele ou ela.
  4. Negligenciando partes-chave do grupo Life (quebra-gelo, adoração, etc.). Dois dos três Grupos de Vida que visitei na Tailândia foram exemplares e de vida. Eu até escrevi sobre um deles em um blog recente. No entanto, visitei um grupo que não conseguiu fazer um quebra-gelo e me senti perdido. Uma nova pessoa sentira o mesmo. Esse mesmo grupo bombardeou o tempo de adoração, e não estávamos preparados para a lição que se seguiu. Manter o grupo em movimento e uma dieta equilibrada de Bem-Vindo, Adoração, Palavra e Obras realmente ajuda a trazer a vida. Concedido, há momentos em que o Espírito se move de forma diferente, mas, a menos que isso aconteça, é melhor seguir uma ordem de grupo de Vida equilibrada.

No mês de junho, exploraremos esse tema mais profundamente. Se você quiser receber esses vinte blogs na sua caixa de entrada, pressione aqui. Vamos cobrir:

  • 04 a 10 de junho: como lidar com pessoas problemáticas.
  • 11 a 17 de junho: a tendência de dar conselhos ao invés de ouvir.
  • 18 a 24 de junho: lidar com aqueles que falam demais (ou ajudar aqueles que falam muito pouco).
  • 25 de junho a 01 de julho: seguindo uma ordem equilibrada no Grupo Vida – não negligenciando as partes-chave do grupo Vida.

Você notou esses problemas em seu próprio grupo de células? Diferentes? Não hesite em comentar aqui.

Spanish blog:

Tratando con Problemas Comunes en las Células.

En Mayo, Celyce y yo ministramos por dos semanas en Tailandia en la Iglesia Evangélica de Bangkok (ECB, por sus siglas en Ingles). Llevando a cabo seminarios y predicaciones, también tuvimos la oportunidad de visitar tres células y compartir individualmente con los líderes, quienes fueron animados a reunirse con Celyce y  conmigo personalmente en cuatro días diferentes.

Entre las visitas a las células y las reuniones con los líderes, observe cuatro problemas en específico. Estos problemas no son exclusivos de Bangkok. De hecho, los he notado en todo el mundo. Y debido a que son problemas universales, también existen en Bangkok.

Estos son:

  1. Cómo tratar con personas problemáticas. En el caso de Tailandia, encontramos a solicitantes de asilo, de un país en específico, el cual no mencionaré en este boletín. Los refugiados asistían a las células de manera masiva, esperando encontrar ayuda. ECB trato con esta situación, teniendo una regla, en la cual cada célula solo podía atender a un refugiado; y el pedir dinero estaba prohibido. Este es sólo un ejemplo de personas problemáticas en las células en todo el mundo. Otras personas problemáticas son los chismosos, personas disfuncionales que no saben cómo relacionarse con los demás, y las personas a las que les gusta entrar en polémica.
  2. La tendencia de aconsejar antes de escuchar. A medida que  visitábamos las células, observamos un problema en específico. Había una tendencia a ofrecer consejería y tratar de corregir un problema antes de que el asistente lo compartiera de una manera profunda. Aunque los miembros de las células pueden tener las respuestas, con frecuencia la mayor sanidad llega a través de una escucha cuidadosa, en lugar de dar una respuesta inmediata que tiende a callar a las personas. Claro, hay un tiempo y lugar para dar respuestas. Por ejemplo, acercarse a la persona de manera individual, después de la célula es una gran oportunidad para compartir una verdad bíblica.
  3. Tratando con los que hablan mucho (y hacer que los tímidos hablen). Tratar con las personas que hablan mucho fue una temática común entre los líderes que se anotaron para hablar con nosotros. También observe este problema en uno de los grupos que visite. Sin embargo, esta es una situación longeva que se da en los grupos celulares alrededor del mundo. Pero si no se controla, estas personas pueden perjudicar la célula; de esta manera el líder debe saber cómo tratar con estas.
  4. Descuidar aspectos claves en la célula (dinámicas rompehielo, adoración, etc.). Dos de las tres células que visite en Tailandia fueron ejemplares y llenas de vida. Incluso escribí acerca de ellas en un reciente blog. Sin embargo, visite un grupo que falló en realizar una dinámica rompehielo, y me hizo sentir perdido. Un miembro nuevo en la célula se hubiera sentido de la misma manera. En la misma célula se intensifico el tiempo de adoración, y no nos sentíamos preparados para la enseñanza que se dio luego. Mantener al grupo en movimiento y en una dieta balanceada de Bienvenida, Adoración, Palabra y Obras ayudan verdaderamente a traer vida a la misma. Claro que hay momentos en el que el Espíritu se mueve de manera diferente, pero a menos que ese sea el caso, lo mejor es seguir un orden balanceado en la célula.

En el Mes de Junio, exploraremos este tema de manera más profunda. Si te gustaría recibir los veinte blogs en tu inbox, presiona aquí. Se incluiran:

  • Junio 04-10: Cómo tratar con personas problemáticas.
  • Junio 11-17: La tendencia de aconsejar antes de escuchar.
  • Junio 18-24: Tratando con los que hablan mucho (y hacer que los tímidos hablen).
  • Junio 25-Julio 01: Siguiendo un  orden equilibrado en la célula – sin descuidar  las partes clave de la misma.

¿Has observado estos problemas en tu propia célula? ¿Diferentes? No dudes en dejar tu comentario aquí.

Life Group in Bangkok

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, coaching available here (free first session available for those interested in receiving coaching)

I’m writing here in Thailand as Celyce and I help ECB (Evangelical Church of Bangkok) become more cell based.

Celyce and I visited a Life group last night that tasted like heaven.

I was tired and still struggling from jet lag at 8 p.m. But as I looked into the eyes of people from 10 different nations, I was invigorated.

The Welcome time was simple. Each person gave an introduction. One person from Myanmar, another from Indonesia, two from South Africa, one from Japan, three from Kenya, one from Pakistan, one from India, and yes, we were there as well, the token “gringos.”  We entered into Worship. Charles, the broad smiling Kenyan, told us about how we got the hymn “What a Friend We Have in Jesus.” We sang it along with other worship choruses. Everyone had a song-sheet. We offered praise and prayer together.

David, the South African, led the Word  time. The lesson was based on the sermon I preached the previous Sunday called “Living the Light of Eternity” (1 Peter 4:7-11). David wasn’t bound to the questions. Rather, he keyed off of people’s comments. “So what does it mean for you that the end of all things is near?” “How are you using your spiritual gift in the light of his coming?” Peoples’ responses triggered additional application questions. David didn’t talk about my sermon but the biblical text. He looked at those who had not participated, and most had something to say. People felt liberty to share struggles. I was very impressed with the application of God’s Word and the diverse comments. We went away truly “edified.”

Then for the Witness time we separated into a men’s group and women’s group. The asylum seeker from Pakistan shared how God was giving him visions and dreams. The group shared how privileged they were to care for him and stand up for him in the detention center. We prayed for needs and those who needed Jesus.

Yes, I was tired when I went home, but very fulfilled. The Life group had given me new vigor and excitement. The Welcome helped me to know the people personally. The Worship  guided our focus to the throne of God. The Word time helped us to apply God’s Word. And the Witness time sent us forth refreshed and encouraged.

I’m not bound to a particular order, like the 4WS. Rather, the purpose of the Life group is to make disciples who make disciples. However, having a particular order can enhance participation and keep the group flowing and growing together to await Christ’s coming.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Célula em Bangkok

Por Joel Comiskey

Eu estou escrevendo aqui na Tailândia enquanto Celyce e eu ajudamos a ECB (Evangelical Church of Bangkok, Igreja Evangélica de Bangkok) a se tornar mais fundamentada em célula. Celyce e eu visitamos uma célula na noite passada que tinha o gostinho do Céu.

Eu estava cansado e ainda lutando contra a mudança de fuso horário às 20h. Mas conforme eu olhei para os olhos de pessoas de 10 nações diferentes, eu fui revigorado.

O momento das Boas-Vindas foi simples. Cada pessoa fez uma introdução. Uma pessoa de Myanmar, outra da Indonésia, duas da África do Sul, uma do Japão, três do Quênia, uma do Paquistão, uma da Índia e sim, nós também estávamos lá, os “gringos”.

Nós entramos na Adoração. Charles, o sorridente queniano, nos contou sobre como nós conseguimos nosso hino “What a Friend We Have in Jesus” (Que Amigo Nós Temos em Jesus). Nós cantamos junto a outros coros de adoração. Todos tinham uma folha da música. Nós adoramos e oramos juntos.

David, o sul-africano, conduziu o momento da Palavra. A lição foi baseada no sermão que eu preguei no domingo anterior chamado “Vivendo a Luz da Eternidade” (1 Pedro 4:7-11). David não estava vinculado às perguntas. Pelo contrário, ele falou pelos comentários das pessoas. “Então o que significa para você que o fim de todas as coisas está próximo?” “Como você está usando seu dom espiritual na luz de Sua vinda? “As respostas das pessoas provocaram perguntas adicionais da aplicação. David não falou sobre meu sermão, mas sobre o texto bíblico. Ele olhou para aqueles que não tinham participado, e a maioria tinha algo a dizer. As pessoas sentiam liberdade para compartilhar lutas. Fiquei muito impressionado com a aplicação da Palavra de Deus, com os diversos comentários, e que fomos verdadeiramente “edificados”.

Então, para o tempo de Testemunho, nós separamos um grupo de homens e um grupo de mulheres. O refugiado do Paquistão compartilhou como Deus estava lhe dando visões e sonhos. O grupo compartilhou como eles eram privilegiados por cuidar dele e defendê-lo no centro de detenção. Oramos por necessidades e por aqueles que precisavam de Jesus.

Sim, eu estava cansado quando eu fui para casa, mas muito satisfeito. A célula me dera novo vigor e empolgação. As Boas-vindas me ajudaram a conhecer pessoalmente as pessoas. A Adoração guiou nosso foco para o trono de Deus. O momento da Palavra nos ajudou a aplicar a Palavra de Deus. E o momento de Testemunho nos enviou revigorados e encorajados.

Eu não estou ligado a uma determinada ordem, como o 4 momentos (Boas-vindas, Adoração, Palavra e Testemunho). Pelo contrário, o propósito da célula é fazer discípulos que façam discípulos. No entanto, ter uma ordem particular pode aumentar a participação e manter o grupo fluindo enquanto crescemos juntos e aguardamos a vinda de Cristo.

Spanish blog:

Grupos de Vida en Bangkok

Por Joel Comiskey

Estoy escribiendo aquí en Tailandia ya que Celyce y yo ayudamos al ECB (Iglesia Evangélica de Bangkok) a ser más basado en células.

Celyce y yo visitamos un grupo celular anoche que sabía cómo el cielo.

Yo estaba cansado y todavía luchando el cambio de horario a las 8 p.m. Pero como miré los ojos de personas de 10 naciones diferentes, me revigoraron.

El tiempo de bienvenida fue simple. Cada persona hizo una introducción. Una persona de Miramar, otra de Indonesia, dos de Sudáfrica, una de Japón, tres de Kenia, una de Pakistán, una de India, y sí, también estuvimos allí, los gringos.

Entramos en la Adoración. Charles, el sonriente keniano, nos contó cómo conseguimos nuestro himno “Qué amigo tenemos en Jesús”. Lo cantamos junto con otros coros de adoración. Todos tenían una hoja de canciones. Ofrecíamos alabanza y oración juntos.

David, el sudafricano, dirigió el tiempo de la predicación. La lección se basó en la predicación del domingo pasado llamado “Viviendo la Luz de la Eternidad” (1 Pedro 4: 7-11). David no estaba atado a las preguntas. Más bien, dejó atrás los comentarios de la gente. “¿Qué significa para ti que el fin de todas las cosas está cerca?” “¿Cómo estás usando tu don espiritual a la luz de su venida?” Las respuestas de la gente desencadenaron preguntas adicionales sobre la aplicación. David no habló de mi predicación sino del texto bíblico. Miró a los que no habían participado, y la mayoría tenía algo que decir. La gente sentía libertad para compartir sus luchas. Yo estaba muy impresionado con la aplicación de la Palabra de Dios, los diversos comentarios, y que realmente fuimos “edificados”.

Luego, para el tiempo del testimonio, nos separamos en un grupo de hombres y grupo de mujeres. El solicitante de asilo de Pakistán compartió cómo Dios le estaba dando visiones y sueños. El grupo compartió lo privilegiados que eran al cuidarlo y defenderlo en el centro de detención. Oramos por las necesidades y los que necesitaban a Jesús.

Sí, estaba cansado cuando fui a casa, pero muy satisfecho. El grupo celular me había dado un nuevo vigor y entusiasmo. La bienvenida me ayudó a conocer personalmente a la gente. La adoración guió nuestro enfoque hacia el trono de Dios. El tiempo de la Palabra nos ayudó a aplicar la Palabra de Dios. Y el tiempo del testimonio nos envió refrescado y alentado.

No estoy obligado a un orden en particular, como el 4WS. Más bien, el propósito del grupo celular es hacer discípulos que hagan discípulos. Sin embargo, tener un orden particular puede mejorar la participación y mantener al grupo fluyendo mientras crecemos juntos y esperamos la venida de Cristo.

Effective Small Group Lessons

coach_JoelFamilyWebBy Joel Comiskey, coaching available here (free first session available for those interested in receiving coaching)

The goal of my men’s Life group is to make everyone a disciple who makes other disciples. This should be the goal of every cell group. Although I lead the group, I’m more of the coach than the leader. That is, my role is make sure everyone in the group is participating and becoming a disciple in the process.

Part of the  discipleship process is that each one leads the lesson time. To ensure this happens, we rotate each month. That is, one person rotates each month leading the Welcome time (icebreaker); another person rotates leading the worship time; another person rotates leading the Word (lesson time), and another person will rotate leading the Witness time. Are some naturally better in leading the lesson time? Yes, definitely. But the point is not to place the best person in front of the group but to make disciples by giving everyone the opportunity. Remember that people become disciples in the process of participating, rather than merely listening.

To make sure everyone succeeds in leading the lesson time, I’ve been on a quest to simplify it and make sure the questions are simple and application oriented. What could be more simple than Randall Neighbor’s three questions:

  1. What’s the main point of the passage?
  2. Can someone share something from your past or what you’re going through at the moment that makes this passage powerful or timely?
  3. What is this passage challenging you to do personally (and how can we support you)?

Anyone in the group can lead the others through these three questions. But I also like the Disciple Making Movement (DMM) questions:

  1. Read the passage several times together, perhaps in different translations. Then answer these questions.
  2. What does it say?
  3. How would I say that? (Each person tries to retell the passage or Bible story in their own words.)
  4. What must I do to obey what I have learned? “I will…” (Each person crafts an “I will” statement or two to tell how they will obey the passage this week.)

I especially like coming together the following week and starting with:

  1. With whom did you share what you learned last week?
  2. How did it go with your “I will” statements?

As you are making disciples in your own group, make sure the disciples in training succeed by giving them simple questions that apply God’s Word. And remember to aim for obedience. People hear sermons on Sunday. But do they obey what they hear? Are they living out the Christian life?

Jesus, the head of the church, has chosen small groups to make disciples who make disciples (Matthew 28:18-20). And he told his group of disciples, “teaching them to obey everything I have commanded you” (Matthew 28:20). One of Christ’s own disciples, James, summed up this thinking perfectly,  “Do not merely listen to the word, and so deceive yourselves. Do what it says” (James 1:22)

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Lições eficazes em pequenos grupos

Por Joel Comiskey

O objetivo da célula de homens é fazer de todos um discípulo que faz outros discípulos. Este deve ser o objetivo de cada grupo de células. Embora eu dirija o grupo, eu estou mais para treinador do que para líder. Ou seja, meu papel é certificar-me de que todos no grupo estão participando e se tornando um discípulo no processo.

Parte do processo de discipulado é que cada um lidera o momento da lição. Para garantir que isso aconteça, alternamos todos os meses. Ou seja, uma pessoa alterna todos os meses levando o momento de boas-vindas (quebra-gelo); outra pessoa alterna levando o momento de adoração; outra pessoa alterna levando a Palavra (momento da lição), e outra pessoa irá alternar levando o momento de Testemunhos. Alguns são naturalmente melhores em liderar o momento de lição? Sim definitivamente. Mas o ponto não é colocar a melhor pessoa na frente do grupo, mas fazer discípulos, dando a todos a oportunidade. Lembre-se de que as pessoas se tornam discípulos no processo de participação, ao invés de simplesmente ouvir.

Para garantir que todos tenham sucesso em liderar o momento de lição, estive em uma busca para simplificá-lo e certificar que as perguntas sejam simples e orientadas para aplicações. O que poderia ser mais simples do que as três perguntas de Randall Neighbor?:

  1. Qual é o ponto principal da passagem?
  2. Alguém pode compartilhar algo de seu passado ou o que você está passando no momento que torna esta passagem poderosa ou oportuna?
  3. O que esta passagem está desafiando você a fazer pessoalmente (e como podemos apoiá-lo)?

Qualquer um no grupo pode liderar os outros através destas três perguntas. Mas eu também gosto das perguntas do Movimento de Fazer Discípulos (sigla em inglês, DMM):

  1. Leia a passagem várias vezes juntos, talvez em traduções diferentes. Em seguida, responda a estas perguntas.
  2. O que ele diz?
  3. Como eu diria isso? (Cada pessoa tenta relatar a passagem ou história bíblica em suas próprias palavras.)
  4. O que devo fazer para obedecer ao que aprendi? “Eu vou …” (Cada pessoa faz uma ou duas declarações de “Eu vou” para dizer como eles vão obedecer a passagem esta semana).

Eu gosto especialmente de se reunir na semana seguinte e começando com:

  1. Com quem você compartilhou o que aprendeu na semana passada?
  2. Como foi com suas declarações de “eu vou”?

Ao fazer discípulos em seu próprio grupo, certifique-se de que os discípulos no treinamento tenham êxito dando-lhes perguntas simples que aplicam a Palavra de Deus. E lembre-se de visar a obediência. As pessoas ouvem sermões no domingo. Mas elas obedecem ao que ouvem? Estão vivendo a vida cristã?

Jesus, o chefe da igreja, escolheu pequenos grupos para fazer discípulos que fazem discípulos (Mateus 28: 18-20). E Ele disse ao seu grupo de discípulos, “ensinando-os a obedecer tudo o que eu vos tenho ordenado” (Mateus 28:20). Um dos discípulos de Cristo, Tiago, resumiu este pensamento perfeitamente: “E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos.”(Tiago 1:22)

Spanish blog:

Lecciones eficaces para los grupos pequeños

Por Joel Comiskey

La meta del grupo de vida de mis hombres es hacer de cada uno un discípulo que haga a otros discípulos. Esta debe ser la meta de cada grupo celular. Aunque soy el líder del grupo, soy más entrenador que líder. Es decir, mi papel es asegurarse de que todos en el grupo están participando y convirtiéndose en un discípulo en el proceso.

Parte del proceso del discipulado es que cada uno lleva el tiempo de la lección. Para asegurar que esto ocurra, nos rotaremos cada mes. Es decir, una persona rota cada mes dirigiendo el tiempo de bienvenida (rompehielos); Otra persona dirigiendo el tiempo de adoración; Otra persona la Palabra (tiempo de lección), y otra persona el tiempo de testimonios. ¿Son algunos naturalmente mejores en liderar el tiempo de la lección? Sí definitivamente. Pero el punto no es colocar a la mejor persona delante del grupo, sino hacer discípulos dando a todos la oportunidad. Recuerde que las personas se convierten en discípulos en el proceso de participar, en lugar de simplemente escuchar.

Para asegurarme de que todos tengan éxito en liderar el tiempo de la lección, he estado en una búsqueda para simplificarlo y asegurarme de que las preguntas sean simples y orientadas a la aplicación. ¿Qué podría ser más simple que las tres preguntas de Randall Neighbor:

  1. ¿Cuál es el punto principal del pasaje?
  2. ¿Puede alguien compartir algo de su pasado o de lo que está pasando en el momento que hace que este pasaje sea poderoso u oportuno?
  3. ¿En qué te esta desafiando este pasaje personalmente (y cómo podemos apoyarle)?

Cualquier persona en el grupo puede dirigir a los otros a través de estas tres preguntas. Pero también me gustan las preguntas del Movimiento de Discípulos (DMM):

  1. Lea el pasaje varias veces juntos, quizás en diferentes traducciones. Entonces conteste estas preguntas.
  2. ¿Qué dice?
  3. ¿Cómo diría eso? (Cada persona intenta volver a contar el pasaje o la historia bíblica con sus propias palabras.)
  4. ¿Qué debo hacer para obedecer lo que he aprendido? “Yo lo haré …” (Cada persona hace una declaración de “yo” o dos para decir cómo van a obedecer el pasaje esta semana).

Especialmente me gusta reunirme la semana siguiente y comenzar con:

  1. ¿Con quién compartió lo que aprendió la semana pasada?
  2. ¿Cómo te fue con las declaraciones de “Yo”?

Al hacer discípulos en su propio grupo, asegúrese de que los discípulos en el entrenamiento tengan éxito dándoles preguntas sencillas que apliquen la Palabra de Dios. Y recuerde apuntar a la obediencia. La gente escucha la predicación del domingo. ¿Pero obedecen lo que oyen? ¿Están viviendo la vida cristiana?

Jesús, el jefe de la iglesia, ha escogido pequeños grupos para hacer discípulos que hagan discípulos (Mateo 28: 18-20). Y dijo a su grupo de discípulos, “enseñándoles a obedecer todo lo que os he mandado” (Mateo 28:20). Uno de los discípulos de Cristo, Santiago, resumió perfectamente este pensamiento: “No te limites a escuchar la palabra, y así te engañas. Haz lo que dice “(Santiago 1:22)

Joel