What if I Fall?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

Have you watched an child  move through the stages of development eventually learning how to walk? Someone once said that the reason children are born small is so that they don’t have far to fall. The fact is that a toddler learns to walk by crawling, rolling, stretching, wobbling, and falling. Can you imagine trying to teach a toddler to walk by giving them a book, a PowerPoint presentation, or showing them a video? If they could understand any of them, could they really hold still long enough to hear the whole lesson?

My six-month old grandson is slowly trying to push himself across the floor. He stands on shaky legs if you hold him in an upright position. His main method of learning is by placing things in his mouth. Today he learned that strawberries are not always sweet and his faced expressed his reaction.

Surely, I am stating the obvious. A baby learns to walk by trial and error, by doing and falling. That is how people learn to lead as well. I don’t say “walk” to my grandson and then let him go. Neither would I tell a new believer to lead a group without step by step support.

This week a man called me to ask about the Life Group that meets in our home. He said that he is not worthy to attend. When he shared how angry he was with God because of the death of his child, I understood some of his reservation. While he has tried to attend our Sunday celebration, I do realize that this man will need help before he is ready to lead others in a cell setting. However, this same person asked me to invite his friend to the Life Group. . He had tried to get this person to attend without him. Interesting, he is already on the road of leadership development.

Some of the members of our group have difficulty reading out loud. Some are introverted and quiet. However, I recall a time recently when I had to hand the notes to one of them and asked them to read the questions. This person did an excellent job even though they would never think they could lead. During a group meeting, I work to involve everybody in the conversation, sometimes even limiting the participation of those who are most talkative. It is amazing to hear some of the insights of people who do not normally share.

Is there really any better method to learn than by doing and falling?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

E Se Eu Cair?

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Você já assistiu uma criança avançando pelos estágios de desenvolvimento e, eventualmente, aprendendo a andar? Alguém disse uma vez que a razão pela qual as crianças nascem pequenas é para que elas não tenham que cair do alto. O fato é que uma criança aprende a caminhar rastejando, rolando, se esticando, balançando e caindo. Você pode imaginar tentar ensinar uma criança a andar dando-lhe um livro, uma apresentação em PowerPoint, ou mostrando-lhe um vídeo? Se elas pudessem entender qualquer uma dessas coisas, elas conseguiriam realmente esperar o suficiente para ouvir toda a lição?

Meu neto de seis meses está tentando lentamente se empurrar através do chão. Ele fica com as pernas trêmulas se você segurá-lo em uma posição vertical. Seu principal método de aprendizagem é colocar as coisas em sua boca. Hoje ele aprendeu que os morangos nem sempre são doces e seu rosto expressou sua reação.

Certamente, estou afirmando o óbvio. Um bebê aprende a andar por tentativa e erro, fazendo e caindo. É assim que as pessoas aprendem a liderar também. Eu não digo “ande” para o meu neto e depois o deixo ir. Muito menos diria a um novo convertido para liderar um grupo sem um apoio de passo a passo.

Esta semana um homem me chamou para perguntar sobre o Grupo de Vida (célula) que se reúne em nossa casa. Ele disse que não é digno de participar. Quando ele compartilhou quão zangado estava com Deus por causa da morte de seu filho, eu entendi o motivo de suas reservas. Embora ele tenha tentado assistir a nossa celebração de domingo, eu percebo que este homem vai precisar de ajuda antes de estar pronto para liderar outras pessoas em um ambiente celular. No entanto, esse mesmo homem me pediu para convidar seu amigo para o Grupo de Vida. Ele tinha tentado fazer com que essa pessoa comparecesse sem ele. Interessante, ele já está no caminho do desenvolvimento da liderança.

Alguns dos membros do nosso grupo têm dificuldade em ler em voz alta. Alguns são introvertidos e quietos. No entanto, eu me lembro de um momento recentemente quando tive que entregar as notas para um deles e pedi-lhe para ler as perguntas. Esta pessoa fez um excelente trabalho mesmo que nunca pensasse que poderia liderar. Durante uma reunião de grupo, eu trabalho para envolver todos na conversa, às vezes até mesmo limitando a participação daqueles que são mais falantes. É incrível ouvir algumas das percepções de pessoas que normalmente não compartilham.

Existe realmente algum método melhor para aprender do que fazendo e caindo?

Spanish blog:

¿Qué pasa si me caigo?

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

¿Has visto a un niño moverse a través de las etapas del desarrollo eventualmente aprendendo a caminar? Alguien dijo una vez que la razón por la cual los niños nacen pequeños es para que no tengan mucho que caer. El hecho es que un niño pequeño aprende a caminar gateando, rodando, estirándose, bamboleando y cayéndose. ¿Se puede imaginar tratando de enseñar a un niño pequeño a caminar dándoles un libro, una presentación en PowerPoint o mostrándoles un video? Si ellos pudieran entender cualquiera de ellos, ¿Podrían realmente mantenerse quietos lo suficiente para escuchar toda la lección?

Mi nieto de seis meses está tratando lentamente de empujarse por el suelo. Se pone de pie en las piernas temblorosas si usted lo mantiene en una posición vertical. Su principal método de aprendizaje es poner las cosas en su boca. Hoy se enteró de que las fresas no siempre son dulces y su cara expresó su reacción.

Seguramente, estoy declarando lo obvio. Un bebé aprende a caminar por ensayo y error, por hacer y por caer. Así es como la gente aprende a liderar también. No le digo “camina” a mi nieto y luego lo dejo ir. Tampoco diría a un nuevo creyente que dirija a un grupo sin apoyo paso a paso.

Esta semana un hombre me llamó para preguntarme acerca del Grupo de Vida que se reúne en nuestra casa. Dijo que no es digno de asistir. Cuando compartió lo airado que estaba con Dios por la muerte de su hijo, entendí algunas de sus reservas. Mientras él ha tratado de asistir a nuestra celebración del domingo, me doy cuenta de que este hombre va a necesitar ayuda antes de que esté listo para dirigir a otros en un entorno celular. Sin embargo, esta misma persona me pidió que invitara a su amigo al Grupo de Vida. Había intentado que esa persona asistiera sin él. Interesante, ya está en el camino del desarrollo del liderazgo.

Algunos de los miembros de nuestro grupo tienen dificultades para leer en voz alta. Algunos son introvertidos y callados. Sin embargo, recuerdo un tiempo reciente cuando tuve que entregar las notas a uno de ellos y les pedí que leyeran las preguntas. Esta persona hizo un trabajo excelente a pesar de que nunca pensaría que podría dirigir el grupo. Durante una reunión de grupo, trabajo para involucrar a todos en la conversación, a veces incluso limitando la participación de aquellos que son más habladores. Es increíble escuchar algunas de las ideas de personas que normalmente no comparten.

¿Hay realmente un mejor método para aprender, aparte de hacer y caer?

Bill

Leaders Are Free to Listen to The Lord

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

When we formed our prototype groups a few years ago, we worked hard to maintain a similar structure and format to our meetings. It was important to develop a mindset for relational ministry that would last after the initial phases. Today, our groups maintain the general format of Welcome (icebreaker question), Worship (songs are prepared ahead), Word (application of the text from the Sunday sermon), and Witness/Work (connecting the Word to our unchurched friends and family). Although the general format is the same for each group, leaders have the freedom and responsibility to adjust their group experience to meet the needs of the their group.

As I wrote the paragraph above I thought of the many ways that group leaders adjust the components to meet the needs of their groups. A Ladies’ Group prepares songs for their group and even does studies that don’t follow the Sunday sermon. A Men’s Group does not sing but they worship with the Word and prayer. A Youth Group selects music that fits their culture and adjusts the study to apply to the lives of our youth. Application of the Word of God to life is paramount to every group. Each group utilizes the gifts of the spirit to minister to and with one another. Most important, every group is committed to reaching their Oikos with the love of Christ and to introduce them to people in their groups.

Group leaders who understand the principles of cell ministry need to be able to adjust the cell meeting to fit the needs of their group. The principles of cell ministry are what matter not the precise plan that I have written. I want our people to minister to one another, to apply the Word of God to their lives, and to build relationships with the unchurched in their Oikos. I want the groups to get to know the people that others in their group care about reaching for Christ. I want them to be free to meet needs even if that means veering from the prescribed plan and maybe even jettisoning it completely.

Last week one of the leaders of a Girls Youth Group talked about how she changed the whole plan to minister to some specific needs of people in her group. Inside I started to say whoa and then I thought about the incredible ministry time that they had and I quickly affirmed what she had done. God is in control, not me. I trust the leaders to listen to the needs of their group and to listen to the Lord.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Os Líderes São Livres Para Ouvirem o Senhor

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Quando formamos nossos grupos protótipos há alguns anos atrás, trabalhamos duro para manter uma estrutura e um formato semelhantes em nossas reuniões. Era importante desenvolver uma mentalidade para um ministério relacional que duraria após as fases iniciais. Hoje, nossos grupos mantêm o formato geral de Boas-vindas (pergunta quebra-gelo), Adoração (louvores preparados antecipadamente), Palavra (aplicação do texto do sermão dominical) e Testemunhos/Obra (conectando a Palavra aos nossos amigos e família não convertidos). Embora o formato geral seja o mesmo para cada grupo, os líderes têm a liberdade e a responsabilidade de ajustar sua experiência de grupo para atender às necessidades de seu grupo.

Conforme eu escrevia o parágrafo acima, eu pensei sobre as muitas maneiras que os líderes de célula ajustam os componentes para satisfazer as necessidades de seus grupos. Um grupo de mulheres prepara canções para seu grupo e até faz estudos que não seguem o sermão do domingo. Um grupo de homens não canta, mas eles adoram com a palavra e a oração. Um grupo de jovens seleciona músicas que se encaixam em sua cultura e ajusta o estudo para se aplicar às suas vidas. A aplicação da Palavra de Deus à vida é primordial para cada grupo. Cada grupo utiliza os dons do espírito para ministrar uns aos outros. Mais importante ainda, eles estão empenhados em alcançar os círculos relacionais (Oikos) de cada membro com o amor de Cristo e apresentá-los às pessoas do grupo.

Os líderes de célula que entendem os princípios do ministério celular precisam ser capazes de ajustar a reunião celular para atender às necessidades de seu grupo. Os princípios do ministério celular são o que não importa, e não o plano preciso que eu escrevi. Quero que nosso povo sirva uns aos outros, aplique a Palavra de Deus em suas vidas e construa relacionamentos com os não convertidos em seus Oikos. Eu quero que os grupos conheçam as pessoas com as quais os membros se preocupam para que elas alcancem a Cristo. Eu quero que eles sejam livres para atender às necessidades, mesmo que isso signifique se afastar do plano prescrito e talvez até mesmo descartá-lo completamente.

Na semana passada, uma das líderes de um Grupo de Moças Jovens falou sobre como ela mudou todo o plano para ministrar a algumas necessidades específicas das pessoas de seu grupo. Dentro de mim comecei a dizer “uau” e então eu pensei sobre o tempo de ministério incrível que elas tiveram e eu rapidamente dei respaldo ao que ela tinha feito. Deus está no controle, não eu. Confio nos líderes para escutarem as necessidades de seu grupo e para ouvirem o Senhor.

Spanish blog:

Los líderes son libres de escuchar al Señor

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Cuando formamos nuestros grupos de prototipos hace unos años atrás, trabajamos duro para mantener una estructura y formato similar a nuestras reuniones. Era importante desarrollar una mentalidad para el ministerio relacional que duraría después de las fases iniciales. Hoy en día, nuestros grupos mantienen el formato general de Bienvenida (pregunta del rompehielos), Adoración (canciones preparadas por adelantado), Palabra (aplicación del texto de la predicación dominical) y Testimonios/ Trabajo (conectando la Palabra a nuestros amigos y familia sin iglesia). Aunque el formato general es el mismo para cada grupo, los líderes tienen la libertad y la responsabilidad de ajustar su experiencia grupal para satisfacer las necesidades de su grupo.

Al escribir el párrafo anterior, pensé en las muchas maneras en que los líderes de grupo ajustan los componentes para satisfacer las necesidades de sus grupos. Un Grupo de Damas prepara canciones para su grupo e incluso hace estudios que no siguen la predicación dominical. Un grupo de hombres no canta, sino que adoran con la Palabra y la oración. Un grupo de jóvenes selecciona música que se adapta a su cultura y ajusta el estudio para aplicarlo a las vidas de nuestros jóvenes. La aplicación de la Palabra de Dios a la vida es primordial para cada grupo. Cada grupo utiliza los dones del espíritu para ministrar entre sí. Lo más importante es que cada grupo está comprometido a alcanzar a sus Oikos con el amor de Cristo y a presentarlos a las personas de sus grupos.

Los líderes de grupo que entienden los principios del ministerio celular deben ser capaces de ajustar la reunión celular para adaptarse a las necesidades de su grupo. Los principios del ministerio celular son lo que no importa el plan exacto que he escrito. Quiero que nuestro pueblo se ministre unos a otros, que aplique la Palabra de Dios en sus vidas y que establezca relaciones con los inconversos en su Oikos. Quiero que los grupos conozcan a la gente ya que otros en su grupo se preocupan de alcanzar a Cristo. Quiero que sean libres para satisfacer las necesidades, incluso si eso significa cambiar el plan prescrito y tal vez incluso deshacerse de él por completo.

La semana pasada, uno de los líderes de un grupo juvenil de chicas habló sobre cómo cambió todo el plan para ministrar a algunas necesidades específicas de las personas de su grupo. En el interior empecé a decir wow y luego pensé en el tiempo de ministerio increíble que tenían y rápidamente afirmó lo que había hecho. Dios está en control, no yo. Confío en que los líderes escuchen las necesidades de su grupo y escuchen al Señor.

Bill

Fog and Rearview Mirrors

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

This week we have had fog almost every evening. Fog on a mountain road can be very dangerous. The curves are dangerous enough in the dark but even more precarious when you can only see a few feet in front of you. We drove some of our students home from the Youth Life Group and I could barely see in my rearview mirror because of the fog. One of the girls has such a steep drive that I was sure we were going to back off the driveway and careen down the hill. It didn’t help that I remembered her mother doing just that with their Jeep. Do you ever feel that your ministry is in a fog without a rearview mirror?

Just like we need to be able to see where we are going when driving, it helps to plan where we are going in ministry. I don’t make New Year’s resolutions but I do like to take the time at the end of the year to evaluate where we have been and to give some thought to what we may need to change in the future. My leadership team evaluates me at the end of each year. This is a time for them to encourage me for some of the growth that we have experienced and to look for areas that may need improvement. I have found these times of evaluation to be inspiring and even deeply moving. Rather than fearing the evaluation, I look forward to them. Sometimes they even come with financial rewards as well.

How clearly can you see where you need to go this year? Have you take time to evaluate the successes, weaknesses and challenges of the last year? Have your cell leaders taken inventory? Have they looked back as well as looked to the future. Moving forward without planning is a little like driving in a fog without a rearview mirror. You and your groups are vulnerable to making mistakes or just pulling off the road and stopping because you have not planned as a team for the future.

We all know that resolutions get quickly forgotten. Good planning and wise counsel can help you in the foggiest of times. Solomon has some good thoughts about planning. Proverbs 15:22 “Plans fail for lack of counsel, but with many advisers they succeed.” Proverbs 16:3 “Commit to the LORD whatever you do, and he will establish your plans.” Proverbs 19:21 “Many are the plans in a person’s heart, but it is the LORD’s purpose that prevails.” Proverbs 20:18 “Plans are established by seeking advice; so if you wage war, obtain guidance.”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Neblina e Espelhos Retrovisores

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Essa semana tivemos nevoeiro quase todas as noites. Nevoeiro em uma estrada de montanha pode ser muito perigoso. As curvas são bastante perigosas no escuro, mas ainda mais precárias quando você só pode ver alguns metros na frente de você. Nós estávamos levando alguns de nossos estudantes para casa depois da célula e eu mal podia enxergar no meu espelho retrovisor por causa da névoa. Uma das meninas dirigiu tão bruscamente que eu estava certo de que íamos sair da estrada e descer colina abaixo. Não ajudou que eu me lembrasse de sua mãe fazendo exatamente isso com seu Jeep. Você já sentiu que seu ministério está em uma névoa sem um espelho retrovisor?

Assim como precisamos ser capazes de ver onde estamos indo ao dirigir, ajuda planejar onde vamos no ministério. Eu não faço resoluções de Ano Novo, mas eu gosto de tirar um tempo no final do ano para avaliar onde estamos e para pensar um pouco sobre o que pode ser necessário mudar no futuro. Minha equipe de liderança me avalia no final de cada ano. Este é um tempo para eles me encorajarem para o crescimento que temos experimentado e para procurar áreas que podem precisar de melhoria. Eu descobri que esses momentos de avaliação são inspiradores e até mesmo profundamente comoventes. Em vez de temer a avaliação, eu a aguardo com expectativa. Às vezes, eles ainda vêm com recompensas financeiras.

Quão claramente você pode ver onde precisa ir neste ano? Você tem tempo para avaliar os sucessos, fraquezas e desafios do ano passado? Os seus líderes de célula fizeram um inventário? Eles olharam para trás, bem como para o futuro? Avançar sem planejamento é um pouco parecido como dirigir em um nevoeiro sem um espelho retrovisor. Você e suas células são vulneráveis a cometer erros ou apenas sair da estrada e parar porque vocês não planejaram o futuro como uma equipe.

Todos nós sabemos que as resoluções são esquecidas facilmente. Um bom planejamento e conselhos sábios podem e ajudar nos períodos mais nebulosos. Salomão tem alguns bons pensamentos sobre o planejamento. Provérbios 15:22: “Onde não há conselho, frustram-se os projetos; mas com a multidão de conselheiros se estabelecem”. Provérbios 16:3: “Entrega ao Senhor as tuas obras, e teus desígnios serão estabelecidos”. Provérbios 19:21: “Muitos são os planos no coração do homem; mas o desígnio do Senhor, esse prevalecerá”. Provérbios 20:18: “Os projetos se confirmam pelos conselhos; assim, pois, com prudência faze a guerra”.

Spanish blog:

Niebla y retrovisores

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Esta semana hemos tenido niebla casi todas las noches. La niebla en una carretera de montaña puede ser muy peligrosa. Las curvas son bastante peligrosas en la oscuridad, pero aún más precarias cuando sólo puedes ver unos pocos metros delante de ti. Condujimos a algunos de nuestros estudiantes a casa del Grupo de vida de Jóvenes y podía ver muy poco por el retrovisor debido a la niebla. Una de las chicas tenía una unidad tan empinada que estaba seguro de que íbamos a salirnos bajando la colina. No me ayudó recordar a su madre haciendo eso con su Jeep. ¿Alguna vez ha sentido que su ministerio se está nublando sin un retrovisor?

Al igual que tenemos que ser capaces de ver a dónde vamos cuando conducimos, ayuda a planificar hacia dónde vamos en el ministerio. No hago resoluciones de Año Nuevo, pero me gusta tomar el tiempo al final del año para evaluar dónde hemos estado y para reflexionar sobre lo que puede que tengamos que cambiar en el futuro. Mi equipo de liderazgo me evalúa al final de cada año. Este es un tiempo para que me alienten por algo del crecimiento que hemos experimentado y para buscar áreas que pueden necesitar mejoras. He encontrado que estos tiempos de evaluación son inspiradores e incluso profundamente conmovedores. En lugar de temer la evaluación, los espero con interés. A veces incluso vienen con recompensas financieras también.

¿Con cuánta claridad puede ver dónde tiene que ir este año? ¿Ha tomado tiempo para evaluar los éxitos, debilidades y desafíos de este año que paso? ¿Han tenido sus líderes celulares inventario? Han mirado hacia atrás, así como miró hacia el futuro. Avanzar sin planificación es un poco como conducir en la niebla sin un retrovisor. Usted y sus grupos son vulnerables a cometer errores o simplemente dejar el camino y detenerse porque no han planeado como un equipo para el futuro.

Todos sabemos que las resoluciones se olvidan rápidamente. Buena planificación y consejo sabio puede ayudarle en los tiempos más nublados. Solomon tiene buenos pensamientos sobre la planificación. Proverbios 15:22 “Los planes fracasan por falta de consejo, pero con muchos consejeros tienen éxito”. Proverbios 16: 3 “Confía al SEÑOR lo que hagas, y él establecerá tus planes.” Proverbios 19:21 “Muchos son los planes en el corazón de una persona, pero es el propósito del SEÑOR que prevalece.” Proverbios 20:18 “Los planes se establecen por consejo, por lo que, si usted hace la guerra, obtenga orientación.”

Bill

Who Is Beside You?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

In 1 Thessalonians 5:11, we are challenged to “encourage one another and build each other up.” In verse 12 “to acknowledge those who work hard among you.” Then in verse 14, we are urged to  “encourage the disheartened.” Literally, the word for encourage is to call to one’s side. Sometimes it is actually translated to plead with someone like when Jairus pleaded with Jesus to heal his daughter. Jesus uses the word in his blessing for those who mourn in “for they will be comforted” (Matthew 5:4). The strength of encouragement is in the act of coming alongside of another. I think that one of the strengths of the cell structure is that we are constantly calling people to our side.

When I am coaching my cell leaders, I want to come by their side and encourage them personally and in their work. One question I ask every time we meet is how I can help them. I listen to the good things that are happening in their cells and I listen to their challenges. I don’t try to give them advice, instead I want stand at their side and encourage what they are doing. The best way I can do this is to pray with them and for them.

As we near the end of the year, we are thinking about the coming of the Jesus our Messiah who came to be with us. He is God with us. When Jesus ascended to Heaven, he told us that he was sending the Holy Spirit to come alongside of us. The Comforter, the encourager, is with us and helps us to serve the Lord and one another. God the Spirit calls us to his side and then encourage us to call people to our side. This should be the work we do when we are coaching; when we are meeting in a cell; when we are ministering to someone who does not yet know Christ.

When our second son began playing soccer, he was more concerned with the other players than he was with scoring. More than once, a player from the other team would fall to the ground and instead of taking advantage of the moment, he would stop and help the other child to his feet. He understood the role of calling someone to his side. For the strongly competitive, he would have been ridiculed. I like the picture I see of him assisting even a competitor. This is the work we are to do for our cell leaders. Maybe our best coaching is a hug and a prayer at another’s side. What do you think?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Quem está ao seu lado?

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Em 1Tessalonicenses 5:11, nós somos desafiados a “encorajar uns aos outros e edificar uns aos outros”. No verso 12 diz para “ter consideração para com os que se esforçam no trabalho entre vocês”. E no verso 14, somos exortados a “encorajar os desanimados”. Literalmente, a palavra “encorajar” é chamar para perto. Na verdade, algumas vezes ela é traduzida como “implorar para alguém”, como quando Jairo implorou para Jesus curar sua filha. A força do encorajamento está no ato de chamar para perto. Jesus usa a palavra em sua bênção para aqueles que choram “porque eles serão consolados” (Mateus 5: 4). Eu acredito que um dos fortes da estrutura celular é que nós estamos constantemente chamando as pessoas para perto de nós.

Quando eu treino meus líderes de célula, eu quero estar ao lado deles e encorajá-los pessoalmente em seus trabalhos. Uma pergunta que eu faço toda vez que nós encontramos é “como eu posso ajudá-los”. Eu ouço sobre as coisas boas que estão acontecendo em suas células e escuto seus desafios. Eu não tento dar conselhos á eles, ao invés disso eu desejo estar ao lado deles e encorajar aquilo que eles estão fazendo. A melhor maneira que eu posso fazer isso é orar com eles e por eles.

Como estamos próximos do fim do ano, nós estamos pensando sobre a vinda de Jesus, nosso Messias, que veio para nós. Ele é Deus conosco. Quando Jesus ascendeu ao céu, Ele nos disse que enviaria o Espírito Santo para ficar ao nosso lado. O Consolador, o Encorajador, está conosco e nos ajuda a servir o Senhor e uns aos outros. O Espírito de Deus nos chama para perto e então nos encoraja a chamarmos pessoas para perto de nós. Este deve ser o trabalho que fazemos quando estamos treinando; quando nos reunimos em uma célula; quando estamos ministrando alguém que ainda não conhece Cristo.

Quando o nosso segundo filho começou a jogar futebol, ele se preocupava mais com os outros jogadores do que com a pontuação. Mais de uma vez, um jogador do outro time caía no chão e, ao invés de tirar vantagem do momento, ele parava e ajudava a outra criança. Ele entendeu a função de trazer alguém para perto. Para alguém muito competitivo, ele teria sido ridicularizado. Eu gosto da imagem que tenho dele ajudando até mesmo um competidor. Este é o trabalho que devemos fazer com os nossos líderes de células. Talvez o nosso melhor treino seja um abraço e uma oração ao lado de outro. O que você acha?

Spanish blog:

¿Quién está a tu lado?

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

En 1 Tesalonicenses 5:11, nos desafían a “animarnos unos a otros y edificaos los unos a otros”. En el versículo 12 “para reconocer a los que trabajan duro entre ustedes”. Luego, en el versículo 14, se nos insta a “animar a los desanimados”. Literalmente, la palabra para animar es llamar a un lado. A veces se traduce realmente para abogar con alguien como cuando Jairo le rogó a Jesús que sanara a su hija. Jesús usa la palabra en su bendición para los que lloran “porque ellos serán consolados” (Mateo 5: 4). La fuerza del estímulo está en el acto de venir al lado de otro. Creo que una de las fortalezas de la estructura celular es que estamos constantemente llamando a la gente a nuestro lado.

Cuando estoy entrenando a los líderes de mi célula, quiero estar a su lado y animarlos personalmente y en su trabajo. Una pregunta que hago cada vez que nos reunimos es cómo puedo ayudarlos. Escucho las cosas buenas que están sucediendo en sus células y escucha sus desafíos. No trate de darles consejos, sino que quiero estar a su lado y animar a lo que están haciendo. La mejor manera que puedo hacer esto es orar con ellos y por ellos.

Al acercarnos al final del año, estamos pensando en la venida del Jesús nuestro Mesías que vino a estar con nosotros. Él es Dios con nosotros. Cuando Jesús subió al Cielo, nos dijo que estaba enviando al Espíritu Santo para que viniera al lado de nosotros. El Consolador, el animador, está con nosotros y nos ayuda a servir al Señor y a los demás. Dios el Espíritu nos llama a su lado y nos anima a llamar a la gente a nuestro lado. Este debe ser el trabajo que hacemos cuando estamos entrenando; Cuando nos encontramos en una célula; Cuando estamos ministrando a alguien que aún no conoce a Cristo.

Cuando nuestro segundo hijo comenzó a jugar al fútbol, ​​estaba más preocupado con los otros jugadores que con anotar el gol. Más de una vez, un jugador del otro equipo cayó al suelo y en lugar de aprovechar el momento, se detuvo y ayudó al otro niño a ponerse en pie. Comprendía el papel de llamar a alguien a su lado. Para el fuertemente competitivo, habría sido ridiculizado. Me gusta la imagen que veo de él ayudando incluso a un competidor. Este es el trabajo que debemos hacer para nuestros líderes celulares. Tal vez nuestro mejor entrenamiento sea un abrazo y una oración al lado de otro. ¿Qué piensas?

Bill

Let Us Prophesy

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

1 Corinthians 14:4 NIV – “Anyone who speaks in a tongue edifies themselves, but the one who prophesies edifies the church.”

When I was in seminary, my homiletics professor signaled the importance of preaching by emphasizing that we need to be able to say, “Thus says the Lord” when we are proclaiming the Word of the Lord. I take that responsibility very seriously. I do not want to be speaking anything but the Lord’s word when I preach. I have even prayed that people will forget anything I say that is not from the Lord. Some would disagree with me, but I see my role when I preach as the work of a prophet, forth telling the Word of God. As I prophesy, I am supposed to edify the church. This is one of the main responsibilities of Apostles, Prophets, Pastors and Teachers according to Ephesians 4:11-13.

In a cell, we don’t have one preacher but many who are supposed to encourage and build up one another. When we share a word of encouragement from the Lord, isn’t that prophesying? What about when someone comes up with some counsel after seeking the Lord in prayer? Is it really that unusual to hear from the Lord when we are earnestly asking for His guidance and counsel?

Some groups fall into advice giving. We hear a prayer need and respond with what we think the person should do. That is more about sharing our opinion than it is about speaking what God wants us to say. We don’t need each other’s opinions; we need Godly counsel that comes from the Word of God and the anointing of the Holy Spirit. It doesn’t build anyone up just to give someone our opinion. In fact, maybe we should make certain that we have gone faithfully to the Lord before we even open our mouths with advice that we think is great.

Is your cell open to the Holy Spirit ministering through people in your group? If believe that God has anointed us to serve Him and one another, would it be that odd for Him to speak to someone in the group through us? I must say, I pray for Him to do that with every sermon, so why wouldn’t I want Him to speak through the people in the cell? For some of you, this is too controversial because it sounds too charismatic. We may be uncomfortable with the idea of giving a “word of knowledge.” However, don’t we believe that God speaks through His Word today? 2 Timothy 3:16 says, “All Scripture is God-breathed and is useful for teaching, rebuking, correcting and training in righteousness, so that the servant of God may be thoroughly equipped for every good work.”

I want the Holy Spirit to speak to us every time that we are together. I would much rather hear from the Lord than from the opinions of men.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Vamos Profetizar

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

1 Coríntios 14:4 (NVI) “Quem fala em língua a si mesmo se edifica, mas quem profetiza edifica a igreja.”

Quando eu estava no seminário, meu professor de homilética apontou a importância da pregação, enfatizando que precisamos ser capazes de dizer: “Assim diz o Senhor” quando estamos proclamando a Palavra dEle. Eu levo essa responsabilidade muito a sério. Eu não quero falar nada a não ser a palavra do Senhor quando prego. Tenho até orado para que as pessoas se esqueçam de tudo o que eu digo que não é do Senhor. Alguns discordam de mim, mas vejo meu papel quando prego como o trabalho de um profeta, dizendo a Palavra de Deus. Ao profetizar, eu devo edificar a igreja. Esta é uma das principais responsabilidades dos Apóstolos, Profetas, Pastores e Mestres de acordo com Efésios 4: 11-13.

Em uma célula, nós não temos um só pregador, mas muitos que devem encorajar e edificar uns aos outros. Quando compartilhamos uma palavra de encorajamento do Senhor, isso não é profetizar? E quando alguém vem com algum conselho depois de procurar o Senhor em oração? É realmente tão incomum ouvir algo da parte do Senhor quando estamos pedindo seriamente por Sua orientação e conselho?

Alguns grupos caem por apenas dar conselhos. Ouvimos uma necessidade de oração e respondemos com o que pensamos que a pessoa deveria fazer. Isso é mais compartilhar a nossa opinião do que falar sobre o que Deus quer que digamos. Não precisamos das opiniões um do outro; precisamos do conselho de Deus, que vem da Palavra e da unção do Espírito Santo. Não edificamos ninguém por simplesmente dar a nossa opinião. Na verdade, talvez devêssemos ter certeza de que somos fiel ao Senhor antes mesmo de abrirmos a boca com conselhos que achamos serem ótimos.

Sua célula está aberta para o Espírito Santo ministrar através das pessoas do grupo? Se acreditamos que Deus nos ungiu para servi-Lo e servir uns aos outros, seria tão estranho se Ele falasse com alguém do grupo através de nós? Eu confesso que, oro para que Ele faça isso em cada sermão, então por que eu não quero que Ele fale através das pessoas na célula? Para alguns de vocês, isso é muito controverso porque soa muito carismático. Podemos nos sentir desconfortáveis com a idéia de dar uma “palavra de conhecimento”. No entanto, não acreditamos que hoje Deus fala através de Sua Palavra? 2 Timóteo 3:16-17 diz: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra.” (NVI)

Eu desejo que o Espírito Santo fale conosco sempre que estivermos juntos. Eu prefiro muito mais ouvir o Senhor do que as opiniões dos homens.

Spanish blog:

Profeticemos

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

1 Corintios 14: 4 “Todo aquel que habla en lengua se edifica, pero el que profetiza edifica a la iglesia”.

Cuando estaba en el seminario, mi profesor de homilética señaló la importancia de la predicación subrayando que necesitamos ser capaces de decir: “Así dice el Señor” cuando proclamamos la Palabra del Señor. Tomo esa responsabilidad muy en serio. No quiero hablar nada más que la palabra del Señor cuando predico. Incluso he orado para que la gente olvide todo lo que digo que no es del Señor. Algunos estarían en desacuerdo conmigo, pero veo mi papel cuando predico como la obra de un profeta, diciendo la Palabra de Dios. Como yo profetizo, se supone que edificaré la iglesia. Esta es una de las principales responsabilidades de los Apóstoles, Profetas, Pastores y Maestros según Efesios 4:11-13.

En una célula, no tenemos un predicador, sino muchos que se supone que deben alentar y construir uno al otro. Cuando compartimos una palabra de aliento del Señor, ¿no es eso profetizar? ¿Qué pasa cuando alguien viene con algún consejo después de buscar al Señor en oración? ¿Es realmente inusual escuchar al Señor cuando estamos pidiendo seriamente su guía y consejo?

Algunos grupos caen en dar consejos. Escuchamos una necesidad de oración y respondemos con lo que pensamos que la persona debe hacer. Eso es más sobre compartir nuestra opinión que sobre hablar lo que Dios quiere que digamos. No necesitamos las opiniones de los demás; Necesitamos el consejo de Dios que viene de la Palabra de Dios y la unción del Espíritu Santo. No construye a nadie solo para dar a alguien nuestra opinión. De hecho, tal vez deberíamos asegurarnos de que hemos ido fielmente al Señor antes de abrir la boca con consejos que creemos que son grandes.

¿Está su célula abierta al Espíritu Santo ministrando a través de personas en su grupo? Si creemos que Dios nos ha ungido para servirle a Él y a los demás, ¿sería extraño para Él hablar con alguien del grupo a través de nosotros? Debo decir, yo oro por Él para que haga eso con cada predicación, así que ¿por qué no querría que Él hablara a través de la gente en la célula? Para algunos de ustedes, esto es demasiado polémico porque suena demasiado carismático. Podemos sentirnos incómodos con la idea de dar una “palabra de conocimiento”. Sin embargo, ¿no creemos que Dios habla a través de Su Palabra hoy? 2 Timoteo 3:16 dice: “Toda la Escritura es inspirada por Dios y útil para enseñar, para reprender, para corregir y para instruir en justicia, para que el siervo de Dios sea perfectamente preparado para toda buena obra”.

Quiero que el Espíritu Santo nos hable cada vez que estamos juntos. Preferiría escuchar al Señor que a las opiniones de los hombres.

If We Are The Body

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

In 2003, Casting Crowns popularized the song “If We Are the Body.” The song says, “(But) if we are the body, why aren’t His arms reaching? Why aren’t His hands healing? Why aren’t His words teaching? And if we are the body, why aren’t His feet going? Why is His love not showing them there is a way? Author and performer Mark Hall challenges the Church to be the living Body of Christ.

Jesus taught that the greatest commandment is to love God and to love one another (Mark 12:29-31). Paul adds that the entire law is summarized by “Love your neighbor as yourself” (Galatians 5:14). This is where the cell church shines. In a cell, we are the Body of Christ. Cell church is built on the principles of the “one anothers.” We build up one another, serve one another, carry one another’s burdens, exhort one another, confess our faults one to another, pray for one another, weep with one another, and rejoice with one another.

One of the key differences between traditional study groups and cells is the commitment to apply the Word by ministering to one another and the community through our groups. How many times have we taken significant time to pray through a need or concern of one or our members? We don’t build up one another by giving cheap advice. We take one another’s burdens to the Lord and allow the Lord to speak to us and through us.

“If we are the body,” why aren’t we building the kind of relationships that will cause people to daily experience the love of Jesus Christ? In our cells, we have the opportunity to care for one another, even the unchurched, so that people experience the love of God and His Body in tangible ways.

Our cell has started a ministry to the poor in our community because we want to be God’s hands and arms in this community. We pray over people knowing that Jesus is touching people through us. We listen to God, seek His counsel and allow God to speak through us. We are the Body of Christ.

A couple of years ago a man in our group was diagnosed with terminal cancer. We began holding our group at his home. Some meetings were held in his bedroom around his bed. Our group was there to support his wife and to carry her through the time since he went to be with the Lord. We love them both and cried as well as celebrated his life. We continue to support her as she walks the journey as a widow. We also assist her in extending God’s love to many of his friends so that some day they too will join Jeff in Heaven. Together, we are being the Body of Christ.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Nós Somos o Corpo

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Em 2002, a banda Casting Crowns tornou popular a música “Se Nós Somos o Corpo”. A música diz: “Mas se somos o corpo por quê Seus braços não estão alcançando? Por quê Suas mãos não estão curando? Por quê Suas palavras não estão ensinando? E se somos o corpo por quê Seus pés não estão indo? Por quê Seu amor não está mostrando-lhes que há um caminho?”. O autor e cantor Mark Hall desafia a Igreja a ser o Corpo vivo de Cristo.

Jesus ensinou que o maior mandamento é amar a Deus e amar uns aos outros (Marcos 12:29-31). Paulo acrescenta que toda a Lei é resumida por “Ame o próximo como a si mesmo” (Gálatas 5:14). É aí que a Igreja em Células brilha. Em uma célula, nós somos o Corpo de Cristo. A Igreja em Células é construída sobre os princípios do “uns aos outros”. Nós edificamos uns aos outros, servimos uns aos outros, carregamos os fardos uns dos outros, exortarmos uns aos outros, confessamos as nossas faltas uns aos outros, oramos uns pelos outros, chorar uns com os outros, e nos alegramos uns com os outros.

Uma das principais diferenças entre os grupos de estudos tradicionais e as células é o compromisso de aplicar a Palavra ministrando uns aos outros e à comunidade através de nossos grupos. Quantas vezes nós tiramos um tempo significativo para orar por uma necessidade ou preocupação dos nossos membros? Nós não edificamos uns aos outros dando conselhos baratos. Nós levamos os fardos uns dos outros ao Senhor e permitimos que o Senhor fale conosco e através de nós.

“Se nós somos o Corpo”, por que não estamos construindo o tipo de relacionamento que fará com que as pessoas experimentem diariamente o amor de Jesus Cristo? Em nossas células, nós temos a oportunidade de cuidar uns dos outros, mesmo dos não-cristãos, para que as pessoas experimentem o amor de Deus e Seu Corpo de maneiras tangíveis.

Nossa célula iniciou um ministério para os pobres em nossa comunidade porque nós queremos ser as mãos e os braços de Deus nessa comunidade. Nós oramos sobre as pessoas sabendo que Jesus está tocando a vida delas através de nós. Nós ouvimos a Deus, buscamos o Seu conselho e deixamos que Deus fale através de nós. Nós somos o Corpo de Cristo.

Dois anos atrás um homem em nosso grupo foi diagnosticado com câncer terminal. Nós começamos a reunir o nosso grupo em sua casa. Algumas reuniões foram realizadas em seu quarto ao redor de sua cama. Nosso grupo estava lá para apoiar sua esposa e para carregá-la depois que ele foi para o Senhor. Nós amamos os dois e choramos, da mesma forma que celebramos a sua vida. Nós continuamos a apoiá-la enquanto ela continua sua jornada como uma viúva. Nós também a ajudamos a estender o amor de Deus a muitos de seus amigos para que algum dia eles também se juntem a Jeff no Céu. Juntos, nós estamos sendo o Corpo de Cristo.

Spanish blog:

Si somos el cuerpo

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

En 2003, Casting Crowns popularizó la canción “Si somos el cuerpo”. La canción dice: “Pero si somos el cuerpo, ¿por qué no están alcanzando sus brazos? ¿Por qué no sanan sus manos? ¿Por qué no enseñan sus palabras? Y si somos el cuerpo, ¿por qué no se mueven sus pies? ¿Por qué su amor no les muestra que hay un camino? Autor e intérprete Mark Hall desafía a la Iglesia a ser el cuerpo vivo de Cristo.

Jesús enseñó que el mandamiento más grande es amar a Dios y amarse unos a otros (Marcos 12: 29-31). Pablo añade que toda ley se resume en “Ama a tu prójimo como a ti mismo” (Gálatas 5:14). Aquí es donde la iglesia celular brilla. En una célula, somos el Cuerpo de Cristo. La Iglesia Celular se construye sobre los principios del “uno al otro”. Nos edificamos unos a otros, nos servimos unos a otros, cargamos las cargas de los demás, exhortamos unos a otros, confesamos nuestros pecados unos a otros, oramos unos a otros, Y nos regocijamos los unos con otros.

Una de las principales diferencias entre los grupos de estudio tradicionales y las células es el compromiso de aplicar la Palabra al ministrar unos a otros a la comunidad a través de nuestros grupos. ¿Cuántas veces hemos tomado un tiempo significativo para orar a través de una necesidad o preocupación de uno o de nuestros miembros? No nos construimos unos a otros dando consejos baratos. Tomamos las cargas de los demás al Señor y permitimos que el Señor nos hable a nosotros a través de nosotros.

“Si somos el cuerpo”, ¿por qué no estamos construyendo el tipo de relaciones que harán que la gente experimente diariamente el amor de Jesucristo? En nuestras células, tenemos la oportunidad de cuidarnos unos a otros, incluso los no creados, para que las personas experimenten el amor de Dios y Su Cuerpo de maneras tangibles.

Nuestra célula ha comenzado un ministerio a los pobres en nuestra comunidad porque queremos ser las manos y los brazos de Dios en esta comunidad. Oramos sobre las personas sabiendo que Jesús está tocando a la gente a través de nosotros. Escuchamos a Dios, buscamos su consejo y permitimos que Dios hable a través de nosotros. Somos el Cuerpo de Cristo.

Hace un par de años un hombre de nuestro grupo fue diagnosticado con cáncer terminal. Comenzamos a reunir nuestro grupo en su casa. Algunas reuniones se celebraron en su dormitorio alrededor de su cama. Nuestro grupo estaba allí para apoyar a su esposa y apoyarla en el tiempo hasta que fue a estar con el Señor. Amamos a los dos y lloramos, así como celebramos su vida. Seguimos apoyándola mientras camina por el camino como viuda. También la ayudamos a extender el amor de Dios a muchos de sus amigos para que algún día ellos también se unan a Jeff en el Cielo. Juntos, estamos siendo el Cuerpo de Cristo.

Do What I Say Ignore What I Don’t Do

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

A couple of weeks ago, I received an e-mail from a man who used to live in our town. He told me that one of his friends is moving to our area and he told him to look up our church. A second e-mail came requesting help to unload a 26ft. moving truck. I made an announcement on Sunday asking for people to help. Today some of the guys from our church went to help and I joined them.

Some years ago, our church plant ran a capital for a new sanctuary. Like many churches we talked about the importance of equal sacrifice not equal giving. Can you imagine what it would have said if I stood before the congregation asking for their sacrifice and I gave nothing?

One pastor I knew challenged his congregation to tell people about Jesus Christ. He regularly asked his people to invite their friends to church or to witness to their neighbors.  However, I noticed that he never invited anyone to church nor did he ever witness to his neighbors.

According to 1 Corinthians 12, 14, and Romans 12, we all have spiritual gifts given to us from the Holy Spirit to build up the body of Christ. None of us is given all the gifts. In fact, a fairly small number of us have the gift of evangelism. Nevertheless, we are all supposed to do the work of an evangelist. The disciples had different gifts, experience, and personalities. Jesus sent them out by two’s to preach, heal and cast out demons. Even Judas Iscariot was sent out. Jesus gave the Great Commission to all believers. None of us should sit out this important work.

If a cell is the basic unit of the Body of Christ and we believe that every Christian as well the unchurched will gain from participation in a cell, then should the Lead Pastor participate in a cell? Shouldn’t everyone on the staff lead a cell or at least participate in one? Don’t we all need the opportunity to engage in biblical community? Are any of us so important that we don’t need to be actively involved in discipling others and growing in our relationship with Christ. Can a pastor tell the church to do something that they are not doing themselves? Why would you?

When I see a mess on the floor in our fellowship area, I will pick it up. Is this micromanagement? Someone may say it is, but it doesn’t seem right to ask someone else to do something that I am not willing to do. Jesus said that we should all be servants. It doesn’t seem right to invite the church to be involved in a cell and not be personally involved as well.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

 

 

Faça O Que Eu Digo, Ignore O Que Eu Não Faço

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Duas semanas atrás eu recebi um e-mail de um homem que costumava a viver em nossa cidade. Ele disse que um amigo seu está se mudando para nossa área e que ele falou para seu amigo procurar nossa igreja. Um segundo e-mail veio pedindo ajuda para descarregar um caminhão. Eu fiz um anúncio no domingo pedindo para as pessoas ajudarem. Hoje alguns homens da nossa igreja foram ajudar e eu me juntei a eles.

Alguns anos atrás a nossa igreja levantou um capital para construir um novo templo. Como muitas igrejas nós falamos sobre a importância de todos fazerem um sacrifício. Você pode imaginar como seria se eu ficasse diante da congregação e lhes pedisse para fazerem um sacrifício e eu não desse nada?

Um pastor que eu conhecia desafiou sua congregação a falar de Jesus Cristo para as pessoas. Ele pedia regularmente para suas ovelhas convidarem seus amigos para irem à igreja ou para testemunharem para seus vizinhos. Contudo, eu notei que ele nunca convidava ninguém para a igreja nem testemunhava para seus vizinhos.

De acordo com 1 Coríntios 12, 14, e Romanos 12, todos nós temos dons espirituais que o Espírito Santo nos deu para construirmos o Corpo de Cristo. Nenhum de nós recebeu todos os dons. Na verdade, um número muito pequeno de nós recebeu o dom do evangelismo. Todavia, todos nós devemos fazer o trabalho de um evangelista. Os discípulos tinham dons, experiências e personalidades diferentes. Jesus os enviou de dois em dois para pregar, curar e expulsar os demônios. Até Judas Iscariotes foi enviado. Jesus deu a Grande Comissão para todos os convertidos. Nenhum de nós deve deixar de lado esse trabalho importante.

Se uma célula é a unidade básica do Corpo de Cristo e nós acreditamos que todos os cristãos, bem como os não convertidos, vão ganhar ao participar de uma célula, então então o pastor principal não deveria participar de uma célula? Será que todos da equipe de liderança não deveriam liderar, ou pelo menos participar de uma célula? Todos nós não deveríamos ter oportunidade de participar da comunidade bíblica? Alguém de nós é tão importante que não precisa se envolver ativamente em discipular outras pessoas e em desenvolver o nosso relacionamento com Cristo? O pastor pode falar para a igreja fazer alguma coisa que ele mesmo não faz? Por que você faria?

Quando eu vejo uma bagunça no chão da área vizinha eu tiro do chão. Isso é microgestão? Alguém pode dizer que é, mas não parece certo pedir para outra pessoa fazer algo que eu não estou disposto a fazer. Jesus disse que todos nós deveríamos ser servos. Não parece certo convidar a igreja para se envolver na célula enquanto você não se envolve pessoalmente.

Spanish blog:

Haz lo que digo ignora lo que no hago

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Hace un par de semanas, recibí un correo electrónico de un hombre que vivía en nuestra ciudad. Me dijo que uno de sus amigos se está mudando a nuestra área y él le dijo que buscara nuestra iglesia. Un segundo correo llego solicitando ayuda para descargar un camión de 26 pies. Hice un anuncio el domingo pidiendo gente para ayudar. Hoy algunos de los chicos de nuestra iglesia fueron a ayudar y me uní a ellos.

Hace algunos años, nuestra iglesia plantadora uso un capital para un nuevo santuario. Al igual que muchas iglesias hablamos de la importancia de la igualdad de sacrificio no es igual de entrega. ¿Se imaginan lo que hubiera dicho si me pusiera delante de la congregación pidiendo su sacrificio y dando nada?

Un pastor que conozco desafió a su congregación diciéndole a la gente acerca de Jesucristo. Él regularmente pedía a su gente que invitara a sus amigos a la iglesia o para dar testimonio de sus vecinos. Sin embargo, me di cuenta de que nunca invitaba a nadie a la iglesia ni llegó a ser testigo de sus vecinos.

De acuerdo a 1 Corintios 12, 14, y Romanos 12, todos tenemos dones espirituales dados a nosotros por el Espíritu Santo para la edificación del cuerpo de Cristo. A ninguno de nosotros se nos da todos los dones. De hecho, un número bastante reducido de nosotros tiene el don de evangelismo. Sin embargo, se supone que todos debemos hacer el trabajo de un evangelista. Los discípulos tenían diferentes dones, experiencia y personalidades. Jesús los envió en dos a predicar, sanar y echar fuera demonios. Incluso Judas Iscariote fue enviado. Jesús dio la Gran Comisión a todos los creyentes. Ninguno de nosotros debe sentarse a cabo de esta importante labor.

Si una célula es la unidad básica del Cuerpo de Cristo y creemos que todos los cristianos tanto como los inconversos se beneficiarán de la participación en una célula, entonces, ¿Debería el pastor principal participar en una célula? En ese caso, todo el personal dirigir una célula o al menos participar en una. No todos tenemos la oportunidad de participar en la comunidad bíblica. ¿Alguno de nosotros es tan importante que no necesitamos estar activamente involucrados en discipular a otros y crecer en nuestra relación con Cristo? Puede decir el pastor a la iglesia que haga algo que no está haciendo. ¿Porque lo harías?

Cuando veo a un desastre en el piso en nuestra área de convivencias, lo recojo. ¿Es esto micro administración? Alguien puede decir que es, pero no parece correcto pedir a otra persona que haga algo que no estás dispuesto a hacer. Jesús dijo que todos debemos ser servidores. No parece correcto invitar a la iglesia para participar en una célula y no estar involucrado personalmente también.

Bill

This is a Football

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

Have you noticed that every professional sport has a high paid coach? If you follow International soccer, you will notice that every team has several coaches and one lead coach. Can you imagine the lead coach delegating coaching his team to one of his assistants? A coach may have special coaches to work on defense, offense or some special aspect of the game like goalkeeping. However, every head coach is still intimately involved in the coaching.

Vince Lombardi was one of the great coaches of American football with the Green Bay Packers. His team suffered a crushing defeat in the closing minutes of the championship game in 1961. In July of that year, the team came together for their training camp. For six months, the team had thought about that loss and now they were ready to get working on the next season, eager to put the past behind them. Lombardi began camp with a focus on the fundamentals. Holding a football in his hand he said, “Gentlemen, this is a football.” Six months later, they won the championship they had lost the year before and the team carried Lombardi off the field on their shoulders.

While I am impressed with the success that Lombardi experienced by focusing on the fundamentals, I am more impressed that the professional athletes recognized the need for a coach to guide them to success. These athletes are incredibly experienced in their sport and are gifted beyond most of our dreams. Even so, they need a coach to lead them.
:
Just as Lombardi understood the importance of his role, I sense that coaching is one of my most important jobs. It is at the heart of my role as an equipper (Ephesians 4:11-13). As the pastor/coach, I must keep us focused on the fundamentals. I need to lift up the vision and see that we are addressing any barriers or hindrances to ministry. I am working with the best of the best and helping them to do their job well. Like Lombardi, or any professional coach, I need others who will help me to coach our leaders. But I must be actively involved.

I love helping people to grow closer to Christ and even more to see Christians helping others to grow as Christ’s disciples. Fortunately, I also get to play in the game. The mission is so important that I must coach. Isn’t that what Jesus did with the twelve, the 72, and the 120?

Leaders, this is Christ’s Body.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Isso é uma bola de futebol

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Você já reparou que todo esporte profissional tem um treinador bem pago? Se você acompanha o futebol internacional, você vai perceber que todo time tem vários treinadores e um treinador principal. Você consegue imaginar o treinador principal delegando o treinamento do seu time para um dos seus assistentes? Um treinador pode ter outros treinadores especiais para trabalhar na defesa, no ataque ou em algum aspecto especial do jogo, como o gol. No entanto, cada um desses treinadores ainda está intimamente envolvido no treinamento.

Vince Lombardi foi um dos grandes treinadores do futebol americano no Green Bay Packers. Seu time sofreu uma derrota esmagadora nos minutos finais do jogo do campeonato em 1961. Em julho daquele ano, o time se reuniu para um acampamento de treinamento. Durante seis meses o time pensou sobre aquela derrota e agora eles estavam prontos para começar a trabalhar na próxima temporada, ansiando colocar o passado para trás deles. Lombardi começou o acampamento com o foco nos fundamentos. Segurando uma bola em suas mãos ele disse: ” Senhores, isso é uma bola de futebol.” Seis meses depois, eles ganharam o campeonato que eles haviam perdido no ano anterior, e o time carregou Lombardi pra fora do campo em seus ombros.

Apesar de eu ficar impressionado com o sucesso que o Lombardi experimentou ao focar nos fundamentos, eu estou mais impressionado que os atletas profissionais reconheceram a necessidade de um treinador que os guiasse para o sucesso. Esses atletas são incrivelmente experientes em seus esportes e são dotados além da maioria dos sonhos. Mesmo assim eles precisam de um treinador para lidera-los.

Assim como Lombardi entendeu a importância do seu papel, eu sinto que treinar é um dos meus trabalhos mais importantes. Essa é a essência do meu papel como um capacitador (Efésios 4:11-13). Como pastor/treinador, eu devo nos manter focados nos fundamentos. Eu preciso levantar os olhos e ver que nós estamos tratando de qualquer barreira ou obstáculo para o ministério. Eu estou trabalhando com os melhores dos melhores e os ajudando a fazer bem o seu trabalho. Assim como Lombardi, ou qualquer treinador profissional, eu preciso de outros que irão me ajudar a treinar nossos líderes. Mas eu devo estar ativamente envolvido.

Eu amo ajudar pessoas a crescerem mais perto de Cristo e amo ainda mais de ver cristãos ajudando outros a crescerem como discípulos de Cristo. Felizmente eu também também tenho que jogar. A missão é tão importante que eu devo treinar. Não foi isso o que Jesus fez com os 12, os 72 e os 120?

Líderes, isso é o Corpo de Cristo.

Spanish blog:

Esto es una pelota de futbol

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

¿Ha notado que cada deporte profesional tiene un entrenador alto pagado? Si usted sigue el fútbol internacional, se dará cuenta de que cada equipo tiene varios entrenadores y un entrenador que dirige a todos. ¿Se imaginan al entrenador líder delegando el entrenamiento a su equipo a uno de sus asistentes? Un entrenador puede tener entrenadores especiales para trabajar en defensa, ofensa o algún aspecto especial del juego como los porteros. Sin embargo, cada entrenador está todavía íntimamente involucrado en la dirección técnica.

Vince Lombardi fue uno de los grandes entrenadores de fútbol americano con los Green Bay Packers. Su equipo sufrió una aplastante derrota en los últimos minutos de la final del campeonato en 1961. En Julio de ese año, el equipo se reunio para su campo de entrenamiento. Durante seis meses, el equipo había pensado en la pérdida y ahora estaban listo para trabajar en la próxima temporada, con ganas de poner el pasado detrás de ellos. Lombardi comenzó el campamento con un enfoque en los fundamentos. Sosteniendo una pelota de fútbol en la mano, dijo: “Señores, esto es una pelota de fútbol. “Seis meses después, ellos ganaron el campeonato que habían perdido el año anterior y el equipo llevó a Lombardi fuera del campo sobre sus hombros”.

Si bien estoy impresionado con el éxito que experimentó Lombardi, concentrándose en los fundamentos, estoy más impresionado que los atletas profesionales reconocieron la necesidad de un entrenador para guiarlos hacia el éxito. Estos atletas son muy experimentados en su deporte y están dotados al más allá que la mayoría de nuestros sueños. A pesar de ello, ellos necesitan un entrenador para guiarlos.

Del mismo modo que Lombardi entendió la importancia de su papel, siento que el entrenamiento es uno de los trabajos más importantes. Es en el corazón de mi papel como equipador (Efesios 4:11-13). Como el pastor/entrenador, tengo que mantenernos enfocados en los fundamentos. Tengo que levantar la vista y ver que estamos abordando las barreras u obstáculos para el ministerio. Estoy trabajando con lo mejor de lo mejor, para ayudarles a hacer bien su trabajo. Como Lombardi, o cualquier entrenador profesional, necesito otros que me ayuden a entrenar a nuestros líderes. Pero debo estar comprometido activamente.

Me encanta ayudar a las personas a crecer más cerca de Cristo y aún más para ver a los cristianos ayudar a los demás a crecer como discípulos de Cristo. Afortunadamente, también tengo que jugar en el juego. La misión es tan importante que debo entrenar. ¿No es eso lo que hizo Jesús con los doce, los 72 y los120?

Líderes, esto es el cuerpo de Cristo.

Bill

 

Live the Vision

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

I am committed to having our church be a relational church that is sold out for Jesus. In simple terms, I am committed to our church being a cell church. When I first came to this church, a church leader had attempted to cast the cell vision. Unfortunately, the people did not catch the vision. They saw it as another program in competition with their present programs. Some reacted negatively to the leader and thus to the idea of cells. We have talked very little about cells and the cell church because of the negative experiences of the past.

The church leader had attempted to change the church during an interim time when there was no pastor. He was not the vision bearer for the church. Some did not agree with his leadership, and he was not the pastor. I was able to shift the direction of the church because the vision and mission of the church is my responsibility. Pastors can and should delegate ministry to the people. Our job is to equip the people for the work of the ministry (Ephesians 4:12). Incidentally, this is one of the primary dynamics of the cell church. As we equip people, we must still lead and remain involved in ministry ourselves. We must live the vision.

I still recall meeting a former member in the parking lot of the post office. He asked if we were still doing “the cell thing.” He had a very negative view of the experience and was equally disturbed by the church leader. I told him that we are working on becoming a relational church that is sold out for Jesus and so we are doing small groups to help people to develop relationships with one another and to reach out to their unchurched family and friends.

We have other cell champions, but I must remain committed to the vision for being a cell church. I attend and lead a group. I coach group leaders. I make announcements about life groups and their value. I include stories in the sermons that talk about being a relational church that is sold out for Jesus. I own this vision and it owns me.

I remain personally involved in cell ministry because it is the heart of our church. I believe that every Christian needs to be involved in discipling relationships and committed to reaching their Oikos for Christ. I am not involved to micromanage the ministry. I am involved because I need to grow closer to Christ and I need to be developing relationships with those who do not know Christ. I need to use my gifts in service to the Body.

We can delegate worship leadership, but we still need to worship. We can delegate prayer ministry to others, but we still need to pray. We can delegate all kinds of training ministries, but we still need to be involved in training someone else. Live the vision!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Viva a visão

Por Mellinger, Primeira Igreja Batista de Crestline, www.crestlinefbc.com

Eu estou empenhado em fazer da nossa igreja uma igreja relacional que é totalmente comprometida á Jesus.

Em termos simples, eu estou engajado em fazer nossa igreja ser uma igreja em células. Quando eu vim pra essa igreja pela primeira vez, um líder tinha tentado lançar a visão celular. Infelizmente, as pessoas não pegaram a visão. Eles viram isso como um outro programa, em competição com os programas atuais deles. Alguns reagiram negativamente ao líder e assim também para a idéia das células. Nós falamos muito pouco sobre as células e a igreja em células, por causa das experiências negativas do passado.

O líder da igreja tinha tentado alterar o modelo durante um período interino, quando não havia pastor. Ele não era o portador da visão para a igreja. Alguns não concordavam com sua liderança, e ele não era o pastor. Eu era capaz de mudar a direção da igreja, porque a visão e missão da igreja é minha responsabilidade. Os pastores podem e devem delegar ministério para o povo. Nosso trabalho é equipar as pessoas para o trabalho do ministério (Efésios 4:12). Aliás, esta é uma das dinâmicas primárias da igreja em células. Enquanto equipamos as pessoas, nós mesmos ainda temos que liderar e permanecer envolvidos no ministério. Devemos viver a visão.

Eu ainda recordo de encontrar um ex-membro no estacionamento da agência de correios. Ele perguntou se nós ainda estávamos fazendo “aquela coisa de células”. Ele tinha uma visão muito negativa da experiência e também tinha sido perturbado pelo líder da igreja. Eu disse a ele que nós estávamos trabalhando para nos tornarmos uma igreja relacional que é dedicada a Jesus e também estávamos fazendo pequenos grupos para ajudar as pessoas a desenvolver relacionamentos uns com os outros e para alcançar suas famílias e amigos que não vão na igreja.

Nós temos outros campeões celulares, mas eu devo permanecer comprometidos com a visão de ser uma igreja em células. Eu participo e lidero um grupo. Eu treino líderes de célula. Eu faço anúncios sobre a vida em células e seus valores. Eu incluo histórias nos sermões que falam sobre ser uma igreja relacional que é completamente comprometida para Jesus. Eu domino essa visão e essa visão me domina.
Eu permaneço pessoalmente envolvido no ministério celular porque esse é o coração da nossa igreja. Eu acredito que todo cristão precisa estar envolvido em relações de discipulado e empenhado em alcançar seus círculos de relacionamentos para Cristo. Eu não estou envolvido para administrar meticulosamente o ministério. Eu estou envolvido, porque eu preciso crescer mais perto de Cristo e eu preciso estar desenvolvendo relacionamentos com aqueles que não conhecem a Cristo. Eu preciso usar os meus dons a serviço do Corpo.

Nós podemos delegar líderes para fazer a adoração, mas nós ainda precisamos adorar. Nós podemos delegar um ministério de oração para os outros, mas nós ainda precisamos orar. Nós podemos delegar todos os tipos de ministérios de treinamento, mas nós ainda precisamos estar envolvidos no treinamento de alguém. Viva a visão!

Spanish blog:

Vive la Visión,

Bill Mellinger, Primera Bautista Crestline, www.crestlinefbc.com

Me he comprometido a que nuestra iglesia sea una iglesia relacional comprada por Jesús. En términos simples, estoy comprometido nuestra iglesia a ser una iglesia celular. Cuando llegué por primera vez a esta iglesia, un líder de la iglesia había intentado mostrarme la visión celular. Por desgracia, la gente no entendió la visión. Ellos lo vieron como otro programa en competencia con sus programas actuales. Algunos reaccionaron negativamente ante el líder y por lo tanto a la idea de las células. Hemos hablado muy poco sobre las células y la iglesia celular debido a las experiencias negativas del pasado.

El líder de la iglesia había intentado cambiar la iglesia durante un tiempo provisional, cuando no había pastor. Él no era el portador de la visión de la iglesia. Algunos no estaban de acuerdo con su liderazgo, y él no era el pastor. Yo era capaz de cambiar la dirección de la iglesia, porque la visión y misión de la Iglesia es mi responsabilidad. Los pastores pueden y deben delegar el ministerio a las personas. Nuestro trabajo consiste en dotar a las personas para el trabajo del ministerio (Efesios 4:12). Por cierto, esta es una de las dinámicas principales de la iglesia celular. Mientras equipemos más personas, debemos dirigir y seguir participando en el ministerio a nosotros mismos. Hay que vivir la visión.

Todavía recuerdo el cumplimiento de un ex miembro en el estacionamiento de la oficina de correos. Él preguntó si todavía estábamos haciendo “la cuestión de la célula” Tenía una visión muy negativa de la experiencia y fue igualmente perturbado por el líder de la iglesia. Le dije que estamos trabajando en convertirnos en una iglesia relacional comprada por Jesús y por lo que estamos haciendo pequeños grupos para ayudar a las personas a desarrollar las relaciones con los demás y para llegar a sus familiares que no tienen iglesia y amigos.

Tenemos otros campeones de las células, pero debe seguir comprometida con la visión de ser una iglesia celular. Yo asisto y dirijo un grupo. Entreno a líderes del grupo. Hago anuncios sobre grupos de vida y su valor. Incluyo historias en los sermones que hablan de ser una iglesia relacional comprada por Jesús. Soy dueño de esta visión y es mi dueño.

Me quedo personalmente involucrado en el ministerio celular, ya que es el corazón de nuestra iglesia. Creo que cada cristiano necesita estar involucrado en relaciones de discipulado y se comprometió a alcanzar sus Oikos para Cristo. No estoy involucrado en microgestionar el ministerio. Estoy involucrado porque necesito crecer más cerca de Cristo y necesito estar desarrollando relaciones con aquellos que no conocen a Cristo. Tengo que usar mis dones al servicio.

Podemos delegar el liderazgo de la alabanza, pero todavía tenemos que adorar. Podemos delegar ministerio de oración a los demás, pero todavía tenemos que orar. Podemos delegar todo tipo de ministerios de formación, pero todavía tenemos que estar involucrados en la formación de otra persona. ¡Vive la visión!

Healthy Cells Multiply

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

Joel Comiskey has taught us a lot about the danger of putting too much focus on numerical multiplication and not enough focus on discipleship. As I look back on our successes and failures in multiplication, I see a couple of key principles. The first one is obvious. Healthy cells reproduce healthy cells. Unhealthy cells do not reproduce. Others have emphasized this principle.

Second, new leaders begin new cells. This is why it is so important to have a leader in training who the group understands will be forming a new cell when the mother cell multiplies. I would say that if a group does not have a new leader in training, they probably don’t expect to multiply. A few years ago when we started our prototype, the goal was to have the members of the group all start their own groups. As I look at our groups today, the groups that have not multiplied do not have a leader in training. Is this a merely a coincidence or an undesired result?

Thirdly, if you don’t expect to reach the unchurched, you probably won’t. Your group will love one another, encourage one another and pastor one another, but you probably won’t open yourselves up to people who do not know Christ. Without some intentionality, you won’t prepare a “Blessing List.” You won’t look for ways to connect your unchurched friends and family with the people in your cell. In fact, you may not even attempt to develop any friendships with the unchurched. However, when you are intentional about making friendships with people around you who do not know Jesus, you will find them.

Fourth, the pastor/leader must keep this vision in front of the cell and the church. Multiplication is a necessary part of life. When our cells stop multiplying, we die. The longer a cell waits to multiply, the harder it will be to give birth to a new cell. Members will feel so close to one another that they won’t want to leave to form a new cell. Intimacy will eventually hinder outsiders from feeling welcome and ultimately, the cell will grow old and die.

There are thousands of churches that say they are friendly. I think most churches believe that they are friendly. Most would long to have some new people attend and even become believers. However, most churches in America are not growing. I wonder. Could it have something to do with the principles I have mentioned above? Healthy cells multiply.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Células Saudáveis Multiplicam

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Joel Comiskey nos ensinou muito sobre o perigo de colocar muito foco na multiplicação numérica e não colocar foco o suficiente no discipulado. Quando olho para os nossos sucessos e falhas em multiplicar, eu vejo alguns princípios-chave. O primeiro é óbvio. Células saudáveis produzem células saudáveis. Células doentes não reproduzem. Outras pessoas já enfatizaram este princípio.

O segundo princípio é que novos líderes iniciam novas células. É por isso que é tão importante ter um líder em treinamento que o grupo entenda que vai formar uma nova célula quando a célula-mãe multiplicar. Eu diria que se uma célula não tem um novo líder em treinamento, ela provavelmente não espera se multiplicar. Alguns anos atrás quando nós começamos o nosso grupo protótipo, o objetivo era que todos os membros começassem suas próprias células. Quando olho para nossos grupos hoje, vejo que as células que não multiplicaram não têm um líder em treinamento. Isso é uma mera coincidência ou um resultado indesejado?

Em terceiro lugar, se você não espera alcançar os não convertidos, você provavelmente não vai conseguir alcançá-los. Os membros de seu grupo vão amar uns aos outros, encorajar uns aos outros e pastorear uns aos outros, mas vocês provavelmente não vão se abrir para as pessoas que não conhecem a Cristo. Sem intencionalidade, vocês não vão preparar uma “Lista de Bênçãos” (lista de oração). Vocês não vão procurar formas de conectar seus amigos e familiares não convertidos com as pessoas em sua célula. Na verdade, vocês podem nem tentar desenvolver qualquer amizade com quem não é cristão. No entanto, quando você é intencional sobre fazer amizade com pessoas ao seu redor que não conhecem Jesus, você vai encontrá-las.

Em quarto lugar, o pastor/líder deve manter a visão na frente da célula e da igreja. A multiplicação é uma parte necessária da vida. Quando as células do nosso corpo param de se multiplicar, nós morremos. Quanto mais tempo uma célula espera para multiplicar, mais difícil será para ela dar à luz a uma nova célula. Os membros se sentirão tão próximos uns dos outros que não vão querer sair para formar uma nova célula. A intimidade eventualmente vai impedir que as pessoas de fora se sintam bem-vindas e, por fim, a célula vai envelhecer e morrer.

Existem milhares de igrejas que se dizem amigáveis. Eu acho que a maioria das igrejas acredita que são amigáveis. A maioria gostaria de ter novas pessoas frequentando e até se convertendo. Contudo, a maioria das igrejas na América do Norte não está crescendo. Eu me pergunto: será que isso está relacionado aos princípios que eu mencionei acima? Células saudáveis multiplicam.

Spanish blog:

Células sanas se multiplican

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Joel Comiskey nos ha enseñado mucho sobre el peligro de poner demasiado énfasis en la multiplicación numérica y no lo suficiente en el enfoque del discipulado. Cuando miro hacia atrás en nuestros éxitos y fracasos en la multiplicación, veo un par de principios clave. El primero es obvio. Las células sanas reproducen células sanas. Las células enfermas no se reproducen. Otros han hecho hincapié en este principio.

En segundo lugar, los nuevos líderes comienzan nuevas células. Es por esto que es tan importante tener un líder en la formación del grupo, el cual entiende cual será la formación de una nueva célula cuando la célula madre se multiplica. Yo diría que, si un grupo no tiene un nuevo líder en formación, ellos probablemente no van a multiplicarse. Hace unos años, empezamos nuestro prototipo, el objetivo era que todos los miembros del grupo comenzaran sus propios grupos. Cuando miro a nuestros grupos de hoy en día, los grupos que no se han multiplicado no tienen un líder en formación. ¿Es esta una mera coincidencia o un resultado no deseado?

En tercer lugar, si usted no espera alcanzar a los inconversos, es probable que no lo hará. Su grupo amara los unos a otros, se animan el uno a otro y el pastor entre sí, pero es probable que no se va a abrir a las personas que no conocen a Cristo. Sin una cierta intencionalidad, no se preparará una “Lista de Bendición”. Usted no va a buscar la manera de conectar sus amigos y familiares inconversos con las personas en su célula. De hecho, puede que ni siquiera intente desarrollar cualquier amistad con los inconversos. Sin embargo, cuando se está intencionado en hacer amistades con personas a su alrededor que no conocen a Jesús, se dará cuenta de ellos.

En cuarto lugar, el pastor/líder debe mantener esta visión en la parte delantera de la célula y la iglesia. La multiplicación es una parte necesaria de la vida. Cuando nuestras células dejan de multiplicarse, morimos. Cuanto más tiempo tome una célula para multiplicarse, más difícil será dar a luz a una nueva célula. Los miembros se sienten tan cerca uno del otro que no van a querer salir para formar una nueva célula. La intimidad con el tiempo obstaculizará la sensación de bienvenida y en última instancia, la célula envejecerá y morirá.

Hay miles de iglesias que dicen que son amigables. Creo que la mayoría de las iglesias creen que son amigables. La mayoría amaría tener algunas nuevas personas asistiendo e incluso convirtiéndose en creyentes. Sin embargo, la mayoría de las iglesias en los Estados Unidos no están creciendo. Me pregunto. ¿Podría tener algo que ver con los principios que he mencionado anteriormente? Las células sanas se multiplican.