Remember When You Fell In Love?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist; www.crestlinefbc.com

I have counseled well over two hundred couples preparing for marriage. Each couple is excited about their future and crazy in love with their future husband or wife. One of the questions I ask them to share with me is, “What are three things you enjoy doing together?” I want them to remember to be romantic and do those things long after the wedding bells fade.

Too many couples forget what they did at first after they get married. They stop making themselves look good for their partner. They stop going out for a “date” and soon they become “married singles.” Jobs, children, and bills, all become more important. Couples need to learn that the things they did at first are even more important after marriage. Romance is just as important a year after the wedding, at 40, 55, or 85 as it was when you were dating.

When Jesus looked at the church of Ephesus in Revelation 2, he saw a church that had done a lot of service, which persevered through hardships, and even recognized false teachers. However, Jesus saw that they had “forsaken their first love,” and he counseled them to do the things they did when they first accepted His love.

My heart has been breaking because I have watched another marriage move to failure because of the forsaking of the first love. We are all vulnerable to slowly giving into sin and losing our love for Christ. Every marriage can move to a place of disenchantment and even bitterness. As we stop loving, we become vulnerable to the affairs and other temptations that pull us away. Do what Jesus said! Remember! Repent! Do the things you did at first. This is true in marriage and it is true in our relationship with the Lord.

At the beginning of a New Year, you have the opportunity to make changes in your life. Will you do the things you did at first with Jesus? Will you let him “break” you so that you can become more fruitful? Have you recognized how far you may have fallen from the Lord? God wants to bless you from the tree of life! Remember! Repent! Do!

Korean blog (click here)

Portuguese:

Você se Lembra Quando se Apaixonou?

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Eu aconselhei mais de duzentos casais em preparação para o casamento. Cada casal está entusiasmado com seu futuro e louco de amor pelo seu futuro marido ou esposa. Uma das perguntas que eu peço a eles para compartilhar comigo é: “Quais são as três coisas que vocês gostam de fazer juntos?” Eu quero que eles se lembrem de serem românticos e que façam essas coisas muito depois que os sinos do casamento desaparecerem.

Muitos casais esquecem o que fizeram no início, depois de se casarem. Eles param de fazer-se ter um bom visual para o seu parceiro. Eles pararam de sair para uma encontro e logo se tornam “solteiros casados”. Empregos, filhos e contas, todos se tornam mais importantes. Os casais precisam aprender que as coisas que fizeram no início são ainda mais importantes após o casamento. O romance é tão importante um ano depois do casamento, aos 40, 55 ou 85, quanto era quando vocês namoravam.

Quando Jesus olhou para a igreja de Éfeso em Apocalipse 2, viu uma igreja que havia feito muita obra, que perseverava através de dificuldades, e que até mesmo reconheceu falsos mestres. No entanto, Jesus viu que eles “abandonaram seu primeiro amor”, e os aconselhou a fazer as coisas que fizeram quando aceitaram o Seu amor pela primeira vez.

Spanish blog:

Recuerdas cuando te enamoraste?

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

He aconsejado a más de doscientas parejas preparándose para el matrimonio. Cada pareja está entusiasmada con su futuro y muy enamorados de su futuro esposo o esposa. Una de las preguntas que les pido que compartan conmigo es: “¿Cuáles son las tres cosas que más disfrutan hacer juntos?” Quiero que recuerden que deben ser románticos y hacer estas cosas mucho después de que las campanas de la boda se desvanezcan.

Demasiadas parejas olvidan lo que hicieron al principio, después de casarse. Dejan de querer verse bien para su pareja, dejan de tener  “citas” y pronto se convierten en “solteros casados”. El trabajos, los niños y las cuentas se vuelven más importantes. Las parejas necesitan aprender que las cosas que hicieron al principio son aún más importantes después del matrimonio. El romance es tan importante un año después de la boda, a los 40, 55 u 85 años, como lo era cuando salían.

Cuando Jesús miró a la iglesia de Éfeso en Apocalipsis 2, vio una iglesia que había hecho un gran servicio, que perseveró a pesar de las dificultades e incluso reconoció a los falsos maestros. Sin embargo, Jesús vio que habían “abandonado su primer amor” y les aconsejó que hicieran lo hecho cuando aceptaron su amor por primera vez.

Mi corazón se duele porque he visto a otro matrimonio ir hacia el fracaso, debido a la renuncia del primer amor. Todos somos vulnerables a ceder lentamente al pecado y perder nuestro amor por Cristo. Cada matrimonio puede moverse a un lugar de desencanto e incluso de amargura; cuando dejamos de amar, nos volvemos vulnerables a asuntos y otras tentaciones que nos separan. Haz lo que dijo Jesús! ¡Recuerda! ¡Arrepientete! Haz las cosas que hiciste al principio. Esto es cierto en el matrimonio y es una realidad en nuestra relación con el Señor.

Al inicio de un año nuevo, tienes la oportunidad de hacer cambios en tu vida. ¿Harás las cosas que hiciste al principio con Jesús? ¿Lo dejarás “entrar” para que puedas ser más fructífero? ¿Has reconocido cuán lejos has caído del Señor? ¡Dios quiere bendecirte desde el árbol de la vida! ¡Recuerda! ¡Arrepientete! ¡Hazlo!

Have A Party For Jesus

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist; www.crestlinefbc.com

As I read Steve Cordle’s blog this week I thought to myself, “yes, this what worship should be like. We should “Party with a Purpose” every time we gather for worship.”  Isn’t that why we call the second wing of the church, “Celebration”? We are not just trying to have another “c” word to go with “cell.” Worship is a celebration of the incarnation, death and resurrection of Jesus Christ.

Christmas like Easter is one of the best times for people to invite their friends and family members to attend worship. With Christmas Eve coming on Sunday, it is a perfect time to invite someone to celebrate with you. Who have you been praying for in your cell group to come to Christ? Invite them to a Christmas Celebration. In countries where Christmas is celebrated, there are already some familiar messages about Jesus. People can sense the giving spirit. They may even want to make their celebrations more meaningful. Invite them to attend. Have you invited them into your home? Now invite them to celebrate Christmas with you.

Does your church have any special Christmas Celebrations? Are you doing a Christmas musical? Do you have a special Children’s Program? Will you be doing a Candlelight Christmas Eve Celebration? What unique things will your church be doing to celebrate the birth of Jesus Christ? Invite an unchurched friend or loved one to attend.

If you are a church leader, pray about your celebrations this Christmas. In fact, pray about all of your worship celebrations. Pray that God would be glorified; that people would experience the presence of Jesus Christ when they attend; that active members would be welcoming of guests; and that God would draw people to Himself through your worship experiences.

Have a party for Jesus every time you worship. We have reason to party. Think of it! Heaven celebrates when one sinner repents (Luke 15:7 and 10). If Heaven has a party each time a sinner repents. If God celebrates every time a prodigal returns home. We have reason to celebrate every time we gather because we have come home and we have repented.

Most of us worship on Sunday because the resurrection of Jesus Christ was on a Sunday. That gave the early church reason to celebrate like never before. Have a party for Jesus. When you do, invite the people you know, whom you are praying for, to come to the party. Make it something they will enjoy and something that will draw them into the presence of God. Have a party!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Faça Uma Festa Para Jesus

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Conforme eu li o blog de Steve Cordle desta semana, pensei que era como deveria ser o culto. Devemos “Festejar com um propósito” toda vez que nos reunimos para adoração. Não é por isso que chamamos a segunda asa da igreja de “Celebração”? Estamos apenas tentando usar outra palavra “c” que combine com “célula”. A adoração é uma celebração da encarnação, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

O Natal, assim como a Páscoa, é um dos melhores momentos para as pessoas convidarem seus amigos e familiares a participar do culto. Com a véspera de Natal chegando no domingo, é um momento perfeito para convidar alguém para celebrar com você. Por quem você orou em seu grupo de células para vir a Cristo? Convide-os para uma celebração de Natal. Nos países onde o Natal é celebrado, já existem algumas mensagens familiares sobre Jesus. As pessoas podem sentir o espírito doador. Elas podem até querer tornar suas celebrações mais significativas. Convide-os a participar. Você os convidou para dentro de sua casa? Agora, convide-os a comemorar o Natal com você.

Sua igreja tem alguma celebração especial de Natal? Você está fazendo um musical de Natal? Você tem um programa infantil especial? Você estará fazendo uma celebração da véspera de Natal a luz de velas? Que coisas únicas sua igreja estará fazendo para comemorar o nascimento de Jesus Cristo? Convide um amigo ou amado que não tem igreja para participar.

Se você é um líder da igreja, ore sobre suas celebrações neste Natal. Na verdade, ore por todas as suas celebrações de adoração. Ore para que Deus seja glorificado; que as pessoas experimentem a presença de Jesus Cristo quando comparecerem; que os membros ativos acolham os convidados; e que Deus desenhe as pessoas para si mesmo através de suas experiências de adoração.

Tenha uma festa para Jesus toda vez que você adorar. Temos motivos para nos divertir. Pense nisso! O Céu celebra quando um pecador se arrepende (Lucas 15: 7 e 10). Se o Céu tem uma festa cada vez que um pecador se arrepende e se Deus comemora sempre que um pródigo volta para casa, temos razões para celebrar cada vez que nos reunimos porque chegamos em casa e nos arrependemos.

A maioria de nós adora no domingo porque a ressurreição de Jesus Cristo foi em um domingo. Isso deu o motivo da Igreja Primitiva para comemorar como nunca antes. Tenha uma festa para Jesus. Quando você fizer isso, convide as pessoas que você conhece, por quem você está orando, para comparecer à festa. Faça algo que eles vão gostar e algo que os atrairá para a presença de Deus. Tenha uma festa!

Spanish blog:

Ten una fiesta para Jesús

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Mientras leía el blog de Steve Cordle esta semana, pensé que eso es lo que debería ser la adoración. Deberíamos tener “Una fiesta con Propósito” cada vez que nos reunamos para adorar. ¿No es por eso que llamamos a la segunda área de la iglesia, “Celebración”? Solo estamos tratando de tener otra palabra inicie con “c” para que vaya en conjunto con “célula”. La adoración es una celebración de la encarnación, la muerte y la resurrección de Jesucristo.

La Navidad al igual que la Pascua es uno de los mejores momentos para que la gente invite a sus amigos y familiares a asistir a la adoración. Siendo Nochebuena en un domingo, este se convierte en el momento perfecto para invitar a alguien a celebrar contigo. ¿Por quién has estado orando en tu célula para venir a Cristo? Invítalos a una celebración de Navidad. En los países donde se celebra la Navidad, ya hay algunos mensajes familiares sobre Jesús. La gente puede sentir el espíritu de dar, Incluso pueden querer que sus celebraciones sean más significativas. Invítalos a asistir, ¿Los has invitado a tu casa? Ahora invítalos a celebrar la Navidad contigo.

¿Tiene tu iglesia alguna celebración especial en Navidad? ¿Haces un musical navideño? ¿Tienes un programa especial para niños? ¿Harás una Celebración de la Nochebuena a la luz de las velas? ¿Qué cosas únicas hará tu iglesia para celebrar el nacimiento de Jesucristo? Invita a un amigo o a un ser querido que no vaya a la iglesia para que pueda asistir a la celebración.

Si eres un líder de la iglesia, ora por las celebraciones esta Navidad. De hecho, ora por todas tus celebraciones de adoración. Ora para que Dios sea glorificado; que las personas experimenten la presencia de Jesucristo cuando asistan; para que los miembros activos hagan sentir bienvenidos a los invitados; y que Dios lleve a las personas hacia Él a través de las experiencias de adoración.

Haz una fiesta para Jesús cada vez que adores. Tenemos motivos para festejar, ¡Piénsalo! El cielo celebra cuando un pecador se arrepiente (Lucas 15: 7 y 10). Si el Cielo tiene una fiesta cada vez que un pecador se arrepiente, si Dios celebra cada vez que un hijo pródigo regresa a casa. Nosotros tenemos motivos para celebrar cada vez que nos reunimos, porque hemos llegado a casa y nos hemos sido perdonados.

La mayoría de nosotros tenemos los servicios de celebración el domingo porque la resurrección de Jesucristo fue un domingo. Eso le dio a la iglesia primitiva razón para celebrar como nunca antes. Haz una fiesta para celebrar a Jesús y cuando lo hagas, invita a la gente que conoces, a las personas por las que estás orando. Haz que sea algo que disfrutarán y algo que los atraiga a la presencia de Dios. ¡Ten una fiesta!

Come To My House

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist; www.crestlinefbc.com

A Life Group leader came into my office to talk about his ministry. He got married in January and moved into a rental home in our neighborhood in April. This past week, a young Marine from their Life Group finished boot camp and he and his wife entertained him in their home. Every week they are meeting with another young person in their home to help her grow in Christ. Their house is small, but they have opened it up to their Life Group. As he reported on his Life Group, he shared how much they are enjoying opening up their home and welcoming people into it for dinner and fellowship.

We do a lot in worship to try to help people connect with the Lord and to encourage one another. However, I remind them often that Sunday worship is not a time that is conducive to relationship building with others. Most people are looking at the back of someone’s head and there is very little time for conversation. Life Groups in homes provide the opportunity for relationships that go beyond the niceties of a “Hello. How are you?”

We all know that the Bible talks a lot about loving one another. How do I really love you if I don’t spend any time with you? What better place to connect with you then to have you into my home or for me to visit in yours? Hebrews 13:1-2 in the NIV ties loving one another with entertaining. “Keep on loving one another as brothers and sisters. Do not forget to show hospitality to strangers, for by so doing some people have shown hospitality to angels without knowing it.”

Our Life Group is told not to knock when they arrive for meetings at our home. We want them to come on in without hesitation. My wife is great at hospitality and she works to make the home special for their arrival as well as welcoming each person. The people in our group even have “refrigerator rights.” They serve one another coffee, ice cream, cake and other desserts. Some arrive right after work and share whatever was prepared for dinner that night. Like the leader who met me in my office, we enjoy opening our home to others.

Many in our community have small homes with very little room for entertaining. The space is not what matters; it is the hospitality in that space that matters. All of us have invited someone to come to worship. But think about the invitation from your guest’s point of view. If you have never invited them into your home, why would they want to attend some “strange meeting” in a church that they do not know? Invite someone into your home. You may find out that you really enjoy it.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Venha Para A Minha Casa

Bill Mellinger, Crestline First Baptist; www.crestlinefbc.com

Um líder do Grupo da Vida entrou no meu escritório para falar sobre seu ministério. Ele se casou em janeiro e mudou-se para uma casa de aluguel em nosso bairro em abril. Na semana passada, um jovem fuzileiro naval de seu Grupo de Vida terminou o campo de treinamento e ele e sua esposa entretinham ele em sua casa. Todas as semanas eles estão se encontrando com outra jovem em sua casa para ajudá-la a crescer em Cristo. Sua casa é pequena, mas eles a abriram para o Grupo de Vida. Como ele relatou no seu Grupo de Vida, ele compartilhou o quanto eles estão gostando de abrir sua casa e dar as boas-vindas a pessoas para jantar e para companheirismo.

Fazemos muita adoração para tentar ajudar as pessoas a se conectar com o Senhor e encorajar-se mutuamente. No entanto, lembro-lhes muitas vezes que a adoração dominical não é um tempo que seja propício para a construção de relacionamento com os outros. A maioria das pessoas está olhando para trás da cabeça de alguém e há muito pouco tempo para a conversa. Grupos de vida em casas oferecem a oportunidade de relacionamentos que vão além das sutilezas de um “Olá. Como você está?”

Todos sabemos que a Bíblia fala muito sobre amar uns aos outros. Como eu realmente amo você se eu não passar algum tempo com você? Qual melhor lugar para se conectar com você, então, para você entrar em minha casa ou para eu visitar a sua? Hebreus 13: 1-2 na NVI amarra amar um ao outro com o entretenimento. “Permaneça o amor fraternal.
Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos.”

Nosso grupo de vida é informado para não bater quando eles chegam para reuniões em nossa casa. Queremos que eles entrem sem hesitação. Minha esposa é ótima na hospitalidade e ela trabalha para tornar a casa especial para sua chegada, bem como acolher cada pessoa. As pessoas do nosso grupo ainda têm “direitos de refrigerador”. Eles servem um ao outro café, sorvete, bolo e outras sobremesas. Alguns chegam logo após o trabalho e compartilham o que foi preparado para o jantar naquela noite. Como o líder que me encontrou no meu escritório, nós gostamos de abrir nossa casa para os outros.

Muitos na nossa comunidade têm pequenas casas com muito pouco espaço para se divertir. O espaço não é o que importa; é a hospitalidade nesse espaço que importa. Todos nós convidamos alguém a vir a adorar. Mas pense no convite do ponto de vista do seu convidado. Se você nunca os convidou para sua casa, por que eles iriam querer participar de uma “reunião estranha” em uma igreja que eles não conhecem? Convide alguém para sua casa. Você pode descobrir que você realmente gosta disso

Spanish blog:

Ven a mi casa

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Un líder de célula vino a mi oficina para hablar sobre su ministerio. Se casó en enero y en abril mudó a una casa de alquiler en nuestro vecindario. La semana pasada, un joven Marine de su célula terminó el campamento de entrenamiento y él y su esposa lo recibieron en su casa. Cada semana se reúnen con otra persona joven en su hogar para ayudarla a crecer en Cristo. Su casa es pequeña, pero la abrieron a su célula. Mientras me informaba sobre su célula, compartió cuánto disfrutan abrir su casa y darle la bienvenida a la gente para cenar y para crear compañerismo.

Hacemos mucho en la adoración, para tratar de ayudar a las personas a conectarse con el Señor y animarse unos a otros. Sin embargo, les recuerdo a menudo que la adoración del domingo no es un momento propicio para la construcción de relaciones con los demás. La mayoría de las personas mira la parte posterior de la cabeza de alguien y hay muy poco tiempo para conversar. Los grupos celulares en los hogares brindan la oportunidad de establecer relaciones que van más allá de las sutilezas de un “Hola”. ¿Cómo estás?”

Todos sabemos que la Biblia habla mucho sobre amarnos los unos a los otros. ¿Cómo te amo realmente si no paso tiem contigo? ¿Qué mejor lugar para relacionarnos que teniendote  en mi casa o yo visitando la tuya? Hebreos 13: 1-2 en la NVI une el amor a los demás con el recibimiento en los hogares. “Continúen amándose unos a otros como hermanos y hermanas. No olviden mostrar hospitalidad a los extraños, porque al hacerlo, algunas personas han mostrado su hospitalidad a los ángeles sin saberlo”.

A nuestra célula se le dice que no toque cuando lleguen a las reuniones en nuestra casa. Queremos que entren sin dudarlo. Mi esposa es excelente con la hospitalidad y ella trabaja para hacer que la casa sea especial para la llegada de todos, así como para dar la bienvenida a cada persona. Las personas de nuestra célula, incluso tienen “derechos de refrigerador”, se sirven café, helado, pastel y otros postres. Algunos llegan justo después del trabajo y comparten lo que fue preparado para la cena esa noche. Al igual que el líder que se reunió conmigo en mi oficina, nos gusta abrir nuestro hogar a los demás.

Muchos en nuestra comunidad tienen casas pequeñas con muy poco espacio para el recibimiento. El espacio no es lo que importa; es la hospitalidad en ese espacio lo que importa. Todos nosotros hemos invitado a alguien a venir a adorar, pero piense en la invitación desde el punto de vista del invitado. Si nunca los han invitado a su casa, ¿por qué querrían asistir a una “reunión extraña” en una iglesia que no conocen? Invita a alguien a tu casa. Podrías descubrir que realmente lo disfrutarás.

Friendship As Lifestyle Takes Persistence

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist; www.crestlinefbc.com

I have a friend who is on and off the streets and has been in and out of prison consistently for the nine years that I have known him. He has made bad choices with women, alcohol, money, and his temper. Sadly, he went to prison more than once because of the lies of another. We have had conversations about Jesus, his anger and alcohol issues, his artwork, dreams he has for a bicycle business, and his desire to make something of his life.

We have maintained our friendship through meetings in jail, extended stays on the church property or in the building, and even when I had to shut him up when he was angry or too drunk to reason properly. Two weeks ago, he showed up on the church property with an old recreational vehicle that had not been licensed in ten years. It is his new home on wheels. Of course, he did not have the money to get it licensed. Yes. He is a friend, so we helped him with the registration. I have seen growth in him. In fact, he moved his RV to a local business where another friend has asked him to do security. Together we are trying to stand with this man as he addresses his demons.

What does this have to do with cell ministry? Joel Comiskey reminded us this week, “Cell ministry is a lifestyle. This demands persistent determination. The journey might start because of the great examples of growing worldwide cell church but it will only continue due to heartfelt convictions based on the biblical foundations.”

My relationship with my friend is a reflection of my heartfelt conviction that Jesus has called me into a personal relationship with Him and with the people around me. I stay the course with cell ministry and my friend, even when it is tough and costs me personal sacrifices. I believe in our calling to make disciples and sometimes it takes a long time to become a mature disciple of Christ.

Cell ministry is not a fad for me. I would love to have explosive growth like some of the churches we read about. However, God has not called us to explosive growth; He has called us to be faithful. God wants us to love one another, disciple one another, use our spiritual gifts to build up one another,and together to share the love of Jesus with our world. What we do to minister to one another through our Life groups (cells) is a commitment to friendship that is not about a program or numbers. It is all about caring for someone like my friend and praying that one day we will see God fully living in the people we love.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Amizade Como Um Estilo de Vida Exige Persistência

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Eu tenho um amigo que entra e sai das ruas e entra e sai da prisão de forma consistente durante os nove anos que eu o conheço. Ele fez escolhas ruins com mulheres, álcool, dinheiro e com seu temperamento. Infelizmente, ele foi para a prisão mais de uma vez por causa de mentiras de outra pessoa. Tivemos conversas sobre Jesus, sua raiva e problemas de álcool, sua arte, sobre os sonhos que ele tem para um negócio de bicicletas e seu desejo de fazer algo de sua vida.

Mantivemos nossa amizade através de reuniões na prisão, estadias prolongadas na propriedade da igreja ou no prédio, e até mesmo quando eu tive que calá-lo quando ele estava com raiva ou muito bêbado para raciocinar corretamente. Duas semanas atrás, ele apareceu na propriedade da igreja com um veículo recreativo antigo que não havia sido licenciado em dez anos. É a sua nova casa sobre rodas. Claro, ele não tinha o dinheiro para torná-lo licenciado. Sim. Ele é um amigo, então nós o ajudamos com o registro. Tenho visto crescimento nele. Na verdade, ele mudou seu trailer para um negócio local onde outro amigo pediu que ele fizesse a segurança. Juntos, estamos tentando permanecer com esse homem enquanto ele lida com seus demônios.

O que isso tem a ver com o ministério celular? Joel Comiskey nos lembrou esta semana: “O ministério celular é um estilo de vida. Isso exige determinação persistente. A jornada pode começar devido aos ótimos exemplos de crescentes igrejas em células ao redor do mundo, mas só irá continuar devido a convicções sinceras baseadas nas bases bíblicas”.

Meu relacionamento com meu amigo é um reflexo da minha sincera convicção de que Jesus me chamou para um relacionamento pessoal com ele e com as pessoas que me rodeavam. Eu permaneço em curso com o ministério celular e com meu amigo, mesmo quando é difícil e isso me custa sacrifícios pessoais. Eu acredito em nosso chamado para fazer discípulos e às vezes leva tempo para se tornar um discípulo maduro de Cristo.

O ministério da célula não é uma moda para mim. Eu adoraria ter um crescimento explosivo como algumas das igrejas que lemos. No entanto, Deus não nos chamou para um crescimento explosivo; Ele nos chamou para sermos fiéis. Deus quer que nos amemos uns aos outros, que discipulemos uns aos outros, que usemos nossos dons espirituais para construir uns aos outros e que, juntos, possamos compartilhar o amor de Jesus com o nosso mundo. O que fazemos para ministrar um ao outro através dos nossos grupos Vida (células) é um compromisso com a amizade que não está relacionado a um programa ou números. É tudo sobre cuidar de alguém como meu amigo e orar para que um dia vejamos Deus vivendo plenamente nas pessoas que amamos.

Spanish blog:

La amistad como estilo de vida necesita de persistencia

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Tengo un amigo que deambula por las calles y ha estado dentro y fuera de la cárcel constantemente, durante los nueve años que tengo de conocerlo. Él ha tomado malas decisiones con mujeres, el alcohol, dinero y con su temperamento. Lamentablemente, fue a prisión más de una vez debido a las mentiras de otro. Hemos tenido conversaciones acerca de Jesús, sus problemas de ira y alcohol, sus obras de arte, los sueños que tiene para un negocio de bicicletas y su deseo de hacer algo de su vida.

Hemos mantenido nuestra amistad a través de reuniones en la cárcel, estancias prolongadas en la propiedad de la iglesia o en el edificio, e incluso cuando tuve que callarlo cuando estaba enojado o demasiado borracho para razonar adecuadamente. Hace dos semanas, se presentó en la propiedad de la iglesia con un viejo vehículo recreativo, que no había sido registrado en diez años. Claro que no tenía el dinero para obtener la licencia y por supuesto siendo el un amigo, le ayudamos con el registro. Esta es su nueva casa sobre ruedas. He visto crecimiento en él, de hecho, trasladó su RV a un negocio local, donde otro amigo le pidió que trabajará en el área de seguridad. Juntos, tratamos de apoyar a este hombre, mientras el enfrenta a sus demonios.

¿Qué tiene esto que ver con el ministerio celular? Joel Comiskey nos recordó esta semana: “El ministerio celular es un estilo de vida. Esto exige una determinación persistente. El viaje podría comenzar con la ayuda de los grandes ejemplos de la creciente iglesia celular mundial, pero sólo continuará gracias a las convicciones de corazón, basados en los fundamentos bíblicos “.

Mi relación con mi amigo es un reflejo de mi sincera convicción de que Jesús me ha llamado a una relación personal con Él y con la gente que me rodea. Me quedo con el curso del ministerio celular y con mi amigo, incluso cuando es difícil y me tome sacrificios personales. Creo en nuestro llamamiento a hacer discípulos y a veces toma mucho tiempo convertirse en un discípulo maduro en Cristo.

El ministerio celular no es una moda para mí. Me encantaría tener un crecimiento explosivo como algunas de las iglesias de la que leemos. Sin embargo, Dios no nos ha llamado al crecimiento explosivo; nos ha llamado a ser fieles. Dios quiere que nos amemos unos a otros, que nos discípulemos unos a otros, que usemos nuestros dones espirituales para edificarnos unos a otros, y que juntos compartamos el amor de Jesús con nuestro mundo. Lo que hacemos para ministrar unos a otros a través de nuestros grupos de Vida (células) es un compromiso con la amistad, que no se trata de un programa o números. Se trata de cuidar a alguien como mi amigo y orar para que un día veamos a Dios viviendo plenamente en la gente que amamos.

How Long Does It Take To Transition? I Will Let You Know When We Finish

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

Ten years ago I sat down with a leader in our church that had a desire for our church to become a cell church. I was the new pastor who had just arrived from planting a church in Arizona. He had actually tried to transition the church into cell ministry while there was an interim pastor. Unfortunately, the church wasn’t ready for his leadership and the cell ministry became a point of contention.

That leader introduced me to Joel Comiskey and we began a consulting relationship with Joel. I remember Joel discussing the pace for transition. I still remember telling him that I wanted to move fast. We started studying and evaluating the ministry and Joel said he would see what pace we could do as we progressed. He must have known that we would have to go a lot slower than I wanted so we began our journey.

Some things went rather quickly. The leadership voted to hire Joel as our consultant. We talked about being a relational church. The leaders read Scott Boren’s book, “The Relational Way: From Small Structures to Holistic Life Connections.” We even decided that our vision was “to be a relational church that is sold out for Jesus.” With these baby steps behind us, I thought it was time to start a prototype group. The group was made up of ten people who would all be potential leaders. I planned to launch at least five new cells within three months of forming the prototype.

As we began the prototype, I began preaching on being a relational church and we proceeded to restructure the entire ministry. The same leader I mentioned above and the interim pastor had worked together to setup an entirely different organizational structure that actually paved the way for the transition to cell ministry. However, things did not move as fast as I expected. In spite of my church planting mentality, I had enough experience to see that we could not force the change. Slowly, we developed new groups. I mean very slowly. In helped that I am very relational in ministry and I was able to start shaping a new emphasis in what God wanted to do through us.

Nearly, ten years after that first meeting, I continue to work to transition the church. Some exciting ministry has occurred over the years. One life group (cell) began a ministry with the poor in our community that has expanded into a full-blown outreach called Mountain Help. Our youth have a couple of cells that are connecting with troubled youth in our community. We are on the verge of purchasing a coffee house to provide a place where community happens so people can come to know Christ in a relational setting. Slowly, we are transitioning. I thank God and Joel that we did not move as fast as I wanted to move ten years ago. What about you?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Quanto Tempo Leva Para a Transição? Eu Deixarei Você saber Quando Terminar

Bill Mellinger,  www.crestlinefbc.com

Dez anos atrás, sentei-me com um líder em nossa igreja que desejava que ela se tornasse uma igreja celular. Eu era o novo pastor que acabava de chegar depois de plantar uma igreja no Arizona. Ele realmente tentou transitar a igreja para o ministério celular, enquanto havia um pastor interino. Infelizmente, a igreja não estava preparada para sua liderança e o ministério celular tornou-se um ponto de disputa.

Esse líder me apresentou a Joel Comiskey e começamos uma relação de consultoria com Joel. Lembro-me de Joel discutindo o ritmo da transição. Ainda me lembro de lhe dizer que queria avançar rapidamente. Começamos a estudar e a avaliar o ministério e Joel disse que veria o ritmo que poderíamos levar conforme progredíamos. Ele deve ter sabido que teríamos que ir muito mais lentamente do que eu queria, então começamos nossa jornada.

Algumas coisas foram bastante rápidas. A liderança votou para contratar Joel como nosso consultor. Falamos sobre ser uma igreja relacional. Os líderes leram o livro de Scott Boren, “The Relational Way: From Small Structures to Holistic Life Connections” (em tradução livre, O Camilnho Relacional: De Estruturas Pequenas a  Conexões de Vida Holísticas). Nós até decidimos que nossa visão era “ser uma igreja relacional que está entregue para Jesus”. Com esses passos de bebê atrás de nós, eu pensei que era hora de começar um grupo protótipo. O grupo era composto por dez pessoas que seriam líderes potenciais. Eu planejei lançar pelo menos cinco células novas dentro de três meses de formação do protótipo.

Quando começamos o protótipo, comecei a pregar sobre ser uma igreja relacional e procedemos a reestruturar todo o ministério. O mesmo líder que mencionei acima e o pastor interino trabalharam juntos para configurar uma estrutura organizacional inteiramente diferente que realmente abriu o caminho para a transição para o ministério celular. No entanto, as coisas não se moveram tão rápido quanto eu esperava. Apesar da mentalidade de plantação de minha igreja, tive experiência suficiente para ver que não poderíamos forçar a mudança. Lentamente, desenvolvemos novos grupos. Quero dizer, muito devagar. O que ajudou foi que eu sou muito relacional no ministério e pude começar a dar forma a uma nova ênfase no que Deus quis fazer através de nós.

Quase dez anos depois da primeira reunião, continuo trabalhando para a transição da igreja. Algum ministério emocionante ocorreu ao longo dos anos. Um grupo de vida (célula) iniciou um ministério com os pobres em nossa comunidade, que se expandiu para um alcance abrangente chamado Mountain Help. Nossa juventude tem algumas células que estão se conectando com jovens problemáticos em nossa comunidade. Estamos à beira de comprar uma casa de café para fornecer um lugar onde a comunhão aconteça para que as pessoas possam conhecer Cristo em um ambiente relacional. Lentamente, estamos em transição. Agradeço a Deus e ao Joel por não nos movemos tão rápido quanto queria mudar há dez anos. E você?

Spanish blog:

¿Cuánto tiempo se necesita para completar la transición? Te haré saber cuándo terminemos

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Hace diez años me senté con un líder en nuestra iglesia, que tenía el deseo de que nuestra iglesia se convirtiera en una iglesia celular. Yo era un pastor nuevo que acababa de llegar de plantar una iglesia en Arizona. En realidad él ya había intentado hacer la transición de la iglesia al ministerio celular, mientras había un pastor interino. Desafortunadamente, la iglesia no estaba lista para su liderazgo y el ministerio celular se convirtió en un punto de discordia.

Ese líder me presentó a Joel Comiskey e iniciamos una relación de consultoría con Joel. Recuerdo a Joel hablando del ritmo de la transición, todavía recuerdo haberle dicho que quería que la transición fuera rápida. Comenzamos a estudiar y evaluar el ministerio y Joel dijo que vería qué ritmo podríamos tomar a medida que avanzábamos. Joel debió saber que tendríamos que ir mucho más despacio de lo que yo quería. Así iniciamos nuestro viaje.

Algunas cosas se dieron bastante rápido. La directiva votó para contratar a Joel como nuestro consultor. Hablamos de ser una iglesia relacional; los tambien líderes leyeron el libro de Scott Boren,  “The Relational Way: From Small Structures to Holistic Life Connections.” Incluso decidimos que nuestra visión era “ser una iglesia relacional que se  por Jesús”. Con estos pequeños pasos, pensé que era hora de comenzar una célula de prototipo. La célula estaba formada por diez personas, en la que todos serian líderes potenciales. Planeé lanzar por lo menos cinco nuevas células en el plazo de tres meses, después de formar el prototipo de célula.

Cuando comenzamos el prototipo, comencé a predicar sobre ser una iglesia relacional y procedimos a reestructurar todo el ministerio. El mismo líder que mencioné antes y el pastor interino ya habían trabajado juntos para establecer una estructura organizacional completamente diferente, que en realidad allanó el camino para la transición al ministerio celular. Sin embargo, las cosas no se movieron tan rápido como esperaba. A pesar de mi mentalidad de plantar iglesias, tuve suficiente experiencia para ver que no podíamos forzar el cambio. Lentamente desarrollamos nuevos grupos y quiero decir, muy lentamente. Me fue de mucha ayuda, que soy muy relacional en el ministerio y pude empezar a dar forma a un nuevo énfasis en lo que Dios quería hacer a través de nosotros.

Casi diez años después de ese primer encuentro, continúo trabajando para la transición de la iglesia. Un emocionante ministerio se ha dado durante estos años. Un grupo celular inicio un ministerio con los más vulnerables en nuestra comunidad y este se ha expandido en un alcance completo, llamado Mountain Help. Nuestra juventud tiene un par de células que se relacionan con jóvenes con problemas en nuestra comunidad. Estamos a punto de comprar un café para proporcionar un lugar donde se puedan relacionar y que para que la gente pueda llegar a conocer a Cristo en un entorno relacional. Lentamente, estamos en transición. Doy gracias a Dios y a  Joel por no movernos tan rápido como yo quería hacerlo, diez años atrás. ¿Qué hay acerca de ti?

Cell Phones Are Everywhere

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

I love to walk up to an older person that is texting and comment about “these kids and their phones.” We need to work on our etiquette with cell phones. How many times have you been in a meeting or a conversation and someone “rudely” answers their cell just because it rang? Or how often does someone get caught in a text message when they are talking with you. Who says that we have to answer the phone just because it rings? What gives the phone so much power and importance that we actually interrupt a conversation or a meeting to talk to a small electronic box?

My cell phone just beeped. I wonder if I should see what that sound was for?

While the phone interruptions bother me, I have one call that I always take. If my wife calls me, I answer the phone if I can. Since I work as a volunteer chaplain with the local Fire Department and pastor of a church, there are a very few moments when I am in the middle of such a serious crisis that I cannot answer. Even with the terrible situations I can be in, I usually can respond to my wife.

Years ago, I made a commitment to her. I told her that my first commitment is to Christ; my second commitment to her and our family; and my third commitment is to the church. To prove that commitment, I told her that I would always answer her calls if I could. I have instructed secretaries to interrupt me if my wife calls. Even in counseling sessions, if Debbie calls, I will say, “There is one call I always take. Please give me a moment to talk to my Bride.” I will usually show them the phone that has her picture identifying the caller.

How does this relate to sustaining an effective long-term ministry? How can I serve the church well if I don’t take care of my most important relationships? Staying close to the Lord and close to my wife has protected me in the midst of temptations and the spiritual battles of ministry. We share a common love for the Lord and a love for God’s people. By putting her above the church, I am saying that our relationship matters more than the people we serve. With her confidence that she is the Number One person in my life, she trusts me and is able to support me. In fact, my prayers are strengthened and thus my ministry is richer because of our commitment to one another.

Cell phones are great tools for communication and for ministry. I use my phone to tell my wife that she is important and that I love her. I also use it to connect with people who are hurting and to pray with them. However, I don’t allow my cell to interrupt a personal conversation or meeting unless the call is one I have promised to always take. Oh, and God does not need a cell phone to contact me.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Celulares estão por todo o lado

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Eu adoro andar até uma pessoa mais velha que está digitando e comentar, “essas crianças e seus telefones”. Precisamos trabalhar com nossa etiqueta com telefones celulares. Quantas vezes você esteve em uma reunião ou uma conversa e alguém “grosseiramente” responde seu celular apenas porque tocou? Ou com que frequência alguém é pego em uma mensagem de texto quando está conversando com você? Quem disse que devemos atender o telefone apenas porque tocou? O que dá ao telefone tanto poder e importância que realmente interrompemos uma conversa ou uma reunião para conversar com uma pequena caixa eletrônica?

Meu celular simplesmente tocou um sinal sonoro. Eu me pergunto se eu deveria ver para o que era esse som?

Enquanto as interrupções do telefone me incomodam, eu tenho uma ligação que eu sempre atendo. Se a minha mulher me ligar, eu respondo o telefone se puder. Como trabalho como capelão voluntário com o Departamento de Bombeiros local e como pastor de uma igreja, há poucos momentos em que estou no meio de uma crise tão grave que não posso responder. Mesmo com as terríveis situações em que posso estar, geralmente posso responder a minha esposa.

Anos atrás, fiz um compromisso com ela. Eu disse a ela que meu primeiro compromisso é para com Cristo; meu segundo compromisso é para com ela e nossa família; e meu terceiro compromisso é com a igreja. Para provar esse compromisso, eu disse a ela que sempre responderia a suas chamadas se pudesse. Eu ordenei aos secretários que me interrompessem se minha esposa chamasse. Mesmo em sessões de aconselhamento, se Debbie ligar, eu digo: “Há uma chamada que eu sempre atendo. Por favor, dê-me um momento para conversar com a minha noiva”. Geralmente, mostrarei-lhes o celular, que tem sua foto identificando quem está chamando.

Como isso se relaciona com a manutenção de um ministério eficaz a longo prazo? Como posso servir bem a igreja se eu não cuidar dos meus relacionamentos mais importantes? Permanecer perto do Senhor e perto da minha esposa me protegeu no meio das tentações e das batalhas espirituais do ministério. Compartilhamos um amor comum pelo Senhor e um amor pelo povo de Deus. Ao colocá-la acima da igreja, estou dizendo que nosso relacionamento importa mais do que as pessoas que servimos. Com sua confiança de que ela é a pessoa número um na minha vida, ela confia em mim e é capaz de me apoiar. Na verdade, minhas orações são fortalecidas e, portanto, meu ministério é mais rico devido ao nosso compromisso um com o outro.

Os telefones celulares são excelentes ferramentas para comunicação e para o ministério. Eu uso meu telefone para dizer a minha esposa que ela é importante e que eu a amo. Eu também uso isso para conectar-me com pessoas que estão sofrendo e orar com eles. No entanto, não permito que meu celular interrompa uma conversa ou reunião pessoal, a menos que a chamada seja uma promessa de sempre atender. Ah, e Deus não precisa de um telefone celular para entrar em contato comigo.

Spanish blog:

Los celulares están en todas partes

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Me encanta encontrarme con una persona mayor que está enviando mensajes de texto y comentando sobre “estos niños y sus teléfonos”. Necesitamos trabajar en nuestra educación con los celulares. ¿Cuántas veces has estado en una reunión o una conversación y alguien “groseramente” responde a su celular sólo porque sonó? O con qué frecuencia alguien es sorprendido enviando un mensaje de texto mientras habla con contigo. ¿Quién dice que tenemos que contestar el teléfono sólo porque suena? ¿Qué le da al teléfono tanto poder e importancia que realmente interrumpimos una conversación o una reunión para hablar con una pequeña caja electrónica?

Mi celular acaba de sonar. Me pregunto si debería ver por qué sonó?

Mientras que las interrupciones del teléfono me molestan, tengo una llamada que tomo siempre. Si mi esposa me llama, le contesto si es que puedo. Desde que trabajo como voluntario capellán con el Departamento de Bomberos local y pastor de una iglesia, hay muy pocos momentos en que estoy en medio de una crisis tan grave que no puedo contestar. Incluso con las situaciones terribles en las que puedo estar, normalmente puedo responder a mi esposa.

Hace años, hice un compromiso con ella. Le dije que mi primer compromiso es con Cristo; Mi segundo compromiso con ella y con nuestra familia; Y mi tercer compromiso es con la iglesia. Para demostrar ese compromiso, le dije que siempre respondería a sus llamadas si pudiera. He ordenado a las secretarias que me interrumpan si mi esposa me llama. Incluso en las sesiones de consejería, si Debbie llama, voy a decir, “Hay una llamada que siempre tomo. Por favor dame un momento para hablar con mi novia. “Normalmente les muestro el teléfono que tiene su foto identificando que ella llama.

¿Cómo se relaciona esto con mantener un ministerio eficaz a largo plazo? ¿Cómo puedo servir bien a la iglesia si no cuido mis relaciones más importantes? Permanecer cerca del Señor y cerca de mi esposa me ha protegido en medio de las tentaciones y las batallas espirituales del ministerio. Compartimos un amor común por el Señor y un amor por el pueblo de Dios. Al ponerla por encima de la iglesia, estoy diciendo que nuestra relación importa más que la gente a la que servimos. Con la seguridad de que ella es la persona número uno en mi vida, ella confía en mí y es capaz de apoyarme, mis oraciones son fortalecidas y, por lo tanto, mi ministerio es más abundante gracias a nuestro compromiso mutuo.

Los celulares son excelentes herramientas para la comunicación y para el ministerio. Yo uso mi celular para decirle a mi esposa que ella es importante y que la amo. También lo uso para conectarme con personas que están sufriendo y para orar con ellos. Sin embargo, no permito que mi celular interrumpa una conversación o reunión personal a menos que la llamada sea una que he prometido tomar siempre. Oh, y Dios no necesita un celular para ponerse en contacto conmigo.

I Have Been Blessed

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

It is hard to believe that nine years ago this month, we hired Joel Comiskey as a consultant for our church. I had been called to be pastor of Crestline First Baptist a year earlier. The church had faced some challenging times and some critical surveys showed a fair amount of unhealthiness in the church. The Natural Church Development survey clearly showed a lack of love for one another. In fact, every one of the nine traits of NCD had a seriously low score for the church.

Prior to hiring Joel, God gave me a vision for our church to become a relational church that is sold out for Jesus Christ. Soon after, I read Scott Boren’s book, “The Relational Way.” It is a great book about cell ministry that made the emphasis that the right way to do ministry is the relational way. The timing of reading this book and consulting with Joel confirmed our vision for First Baptist.

I have lost track of how many books I have read about cell ministry and the value of small groups. Joel has a list of suggested reading on his website. I have been blessed to participate in a pastor’s group that meets at Joel’s house. We have regularly dissected books from that list. Not only have I met some incredible authors through their writings, but I have also been privileged to attend some excellent conferences with Joel Comiskey, Mario Vega, Ralph Neighbour, Randall Neighbour, Scott Boren, Bill Beckham, and several others.

Crestline First Baptist is a very different church from the one that began the journey into cell ministry nine years ago. Today, people regularly meet in homes to be the living body of Christ, applying God’s word and using the gifts of the Spirit to minister to one another and our community. We have even developed a benevolent ministry that caringly offers guidance, support and training for those who desire to move toward being self-sufficient.

One of my favorite verses is Proverbs 27:17. “As iron sharpens iron, so one person sharpens another.” The pastors in my small group know that I have faced some significant challenges at First Baptist. I even wrote a doctoral thesis on spiritual warfare because of my experience here. They have been a great support system along with the coaching, reading and conferences that I have attended. I have been blessed by allowing others to sharpen me. I thank God that I have not had to walk this journey alone. I pray that you are not trying to serve the Lord without the support and growth gained through books, blogs, networking with churches and pastors.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Eu Tenho Sido Abençoado

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

É difícil acreditar que, nove anos atrás, contratamos Joel Comiskey como consultor para a nossa igreja. Eu tinha sido chamado para ser pastor da Primeira Igreja Batista de Crestline um ano antes. A igreja enfrentou alguns tempos desafiadores e algumas pesquisas críticas mostraram uma grande falta de saúde na igreja. A pesquisa do Desenvolvimento Natural da Igreja mostrou claramente a falta de amor de uns pelos outros. Na verdade, cada um dos nove traços da DNI teve uma pontuação seriamente baixa para a igreja.

Antes de contratar Joel, Deus me deu uma visão para a nossa igreja se tornar uma igreja relacional totalmente entregue para Jesus Cristo. Logo depois, eu li o livro de Scott Boren “The Relational Way” (“O Caminho Relacional”, em tradução livre). É um ótimo livro sobre o ministério celular que enfatizou que a maneira correta de fazer o ministério é o caminho relacional. A leitura deste livro e a consulta com Joel confirmaram nossa visão para a Primeira Igreja Batista.

Eu perdi o controle de quantos livros eu li sobre o ministério celular e sobre o valor dos pequenos grupos. Joel tem uma lista de leitura sugerida em seu site. Fui abençoado por participar de um grupo de pastores que se reúne na casa de Joel. Nós dissecamos regularmente livros dessa lista. Não só conheci alguns autores incríveis através dessas leituras, mas também tive o privilégio de participar de excelentes conferências com Joel Comiskey, Mario Vega, Ralph Neighbour, Randall Neighbour, Scott Boren, Bill Beckham e vários outros.

A Primeira Igreja Batista de Crestline é uma igreja muito diferente da que começou a jornada no ministério celular há nove anos. Hoje, as pessoas se reúnem regularmente nas casas para serem o Corpo vivo de Cristo, aplicando a Palavra de Deus e usando os dons do Espírito para ministrarem uns aos outros e nossa comunidade. Nós até desenvolvemos um ministério benevolente que oferece orientação, apoio e treinamento para quem deseja avançar para ser autossuficiente.

Um dos meus versos favoritos é Provérbios 27:17. “Como o ferro afia o ferro, uma pessoa afia a outra”. Os pastores do meu pequeno grupo sabem que enfrentei alguns desafios significativos na Primeira Batista. Até escrevi uma tese de doutorado sobre guerra espiritual por causa da minha experiência aqui. Eles foram um ótimo sistema de apoio, juntamente com o treinamento, a leitura e as conferências às quais assisti. Fui abençoado por permitir que os outros me afiassem. Agradeço a Deus por não ter precisado fazer esta jornada sozinho. Eu oro para que você não esteja tentando servir o Senhor sem o apoio e o crescimento obtidos através de livros, blogs e redes com igrejas e pastores.

Spanish blog:

He sido bendecido

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Es difícil creer que en este mes, hace nueve años, contratamos a Joel Comiskey como consultor para nuestra iglesia. Un año antes, yo había sido llamado a ser pastor de Crestline First Baptist. La iglesia había enfrentado tiempos difíciles y algunas críticas encuestas mostraron una buena cantidad de deterioro en la iglesia. La encuesta de  El Desarrollo Natural de la Iglesia (NCD, por sus siglas en inglés) mostró claramente una falta de amor por los demás. De hecho, cada uno de los nueve rasgos de la encuesta de NCD tenía una puntuación seriamente baja para la iglesia.

Antes de contratar a Joel, Dios me dio una visión para que nuestra iglesia se convirtiera en una iglesia relacional, que se reserva para Jesucristo. Poco después, leí el libro de Scott Boren, “The Relational Way”. Es un gran libro sobre el ministerio celular que hace énfasis en que la manera correcta de hacer ministerio, es la manera relacional. La sincronización en leer este libro y en consultar con Joel confirmó nuestra visión para First Baptist.

Perdí la cuenta de cuántos libros he leído acerca del ministerio celular y el valor de las células. Joel tiene una lista de lecturas sugeridas en su sitio web, en la que regularmente examinados los libros. He sido bendecido al poder participar en un grupo de pastores que se reúnen en casa de Joel. No sólo he conocido a algunos autores increíbles a través de sus escritos, sino que también he tenido el privilegio de asistir a excelentes conferencias con Joel Comiskey, Mario Vega, Ralph Neighbour, Randall Neighbour, Scott Boren, Bill Beckham y muchos más.

Crestline First Baptist es una iglesia muy diferente a la que inició el viaje al ministerio celular hace nueve años. Hoy en día, las personas a menudo se reúnen en los hogares para ser el cuerpo vivo de Cristo, aplicando la palabra de Dios y usando los dones del Espíritu para ministrarse unos a otros y a nuestra comunidad. Incluso hemos desarrollado un benevolente ministerio que cariñosamente ofrece orientación, apoyo y capacitación para aquellos que desean avanzar hacia la autosuficiencia.

Uno de mis versículos favoritos es Proverbios 27:17 (NVI). “El hierro se afila con el hierro, y el hombre en el trato con el hombre”. Los pastores de mi red de trabajo saben que he enfrentado algunos desafíos significativos en First Baptist; incluso escribí una tesis doctoral acerca de la guerra espiritual debido a mi experiencia en la iglesia. Todo esto ha sido un gran sitema de apoyo, junto con las capacitaciones, la lectura y las conferencias a las que he asistido. He sido bendecido al permitir que otros me afilaran. Agradezco a Dios que no he tenido que caminar este viaje solo, oro para que no estén tratando de servir al Señor sin el apoyo y el crecimiento que se obtiene a través de libros, blogs, redes con iglesias y pastores.

Onward Christian Soldier Marching As To War

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

Proverbs 27:17 NIV – “17 As iron sharpens iron, so one person sharpens another.”

What is wrong with the title of this blog? A single “s” is missing. It is the one that states that soldiers are marching, not just one. Imagine how silly and incompetent you would look if you marched into the battlefield by yourself. Strength is in the numbers and in the coordination.

Are you transitioning a traditional church into cell ministry? Get some counsel and ongoing support as you work through the process. It may take longer and be more challenging than you think. “For lack of guidance a nation falls, but victory is won through many advisers” (Proverbs 11:14).

When we began the process nearly ten years ago, we sought out the counsel and coaching of Joel Comiskey. I have been privileged to be part of a small of group of pastors that meets monthly in Joel’s home. Not only have I received the prayer support and counsel from Joel, but I have also had the encouragement of some fellow pastors who have faced similar challenges to mine. As part of our pastor/mentor group, we have read and evaluated a host of cell church books gleaning invaluable wisdom as we read and discussed the various books.

We all know the importance of Ecclesiastes 4:9-12 when discussing life in general, but do you understand the value of receiving counsel as we lead and develop cell ministry?  “Two are better than one, because they have a good return for their labor: If either of them falls down, one can help the other up. But pity anyone who falls and has no one to help them up. Also, if two lie down together, they will keep warm. But how can one keep warm alone? Though one may be overpowered, two can defend themselves. A cord of three strands is not quickly broken” (Ecclesiastes 4:9-12).

Over nine years into our transition into cell ministry, I am glad that I can continue to receive coaching from Joel and the pastors in our group. I have participated in several conferences with leaders like Bill Beckham, Ralph Neighbour, Randall Neighbour, Joel Comiskey, and Mario Vega. I continue to learn and to seek Godly counsel. I can’t imagine going into battle as a one-man army unless you have three stones, a marksman’s eye, a great slingshot and a giant named Goliath.

If you are reading this blog, you probably already understand the importance of seeking wisdom and counsel from others. Remain humble and learn. You will win victories.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Soldado Cristão Marchando Em Direção À Guerra

Pastor Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Provérbios 27:17 NVI – “Assim como o ferro afia o ferro, o homem afia o seu companheiro”.

O que há de errado com o título deste blog? Falta um “s” nele. É aquele que afirma que os soldados estão marchando, e não apenas um soldado. Imagine o quão bobo e incompetente você pareceria se marchasse para o campo de batalha sozinho. A força está nos números e na coordenação.

Você está transicionando uma igreja tradicional para o ministério celular? Tenha conselhos e apoio contínuo à medida que você trabalha no processo. A transição pode levar mais tempo e ser mais desafiadora do que você pensa. “Não havendo sábios conselhos, o povo cai, mas na multidão de conselhos há segurança” (Provérbios 11:14).

Quando começamos o processo há quase dez anos, buscamos o conselho e o treinamento de Joel Comiskey. Tive o privilégio de fazer parte de um pequeno grupo de pastores que se reunia mensalmente na casa de Joel. Não só recebi o apoio de oração e o conselho de Joel, mas também tive o incentivo de alguns pastores que enfrentaram desafios semelhantes aos meus. Como parte do nosso grupo de pastoreio/mentoria, lemos e avaliamos uma série de livros de igrejas celulares que nos proporcionaram uma sabedoria inestimável enquanto líamos e discutíamos os vários livros.

Todos sabemos a importância de Eclesiastes 4:9-12 quando se discute a vida em geral, mas você entende o valor de receber conselhos quando lideramos e desenvolvemos o ministério celular? “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Pois se caírem, um levantará o seu companheiro; mas ai do que estiver só, pois, caindo, não haverá outro que o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará? E, se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa” (Eclesiastes 4:9-12).

Ao longo de nove anos desde a nossa transição para o ministério celular, fico feliz que eu possa continuar a receber o treinamento de Joel e dos pastores em nosso grupo. Participei de várias conferências com líderes como Bill Beckham, Ralph Neighbor, Randall Neighbour, Joel Comiskey e Mario Vega. Continuo a aprender e procurar o conselho de Deus. Não consigo imaginar entrar na batalha como um exército de um homem só, a menos que você tenha três pedras, uma boa mira, uma funda e um gigante chamado Golias.

Se você está lendo este blog, você provavelmente já entende a importância de buscar sabedoria e conselhos dos outros. Permaneça humilde e aprenda. Você ganhará vitórias.

Spanish blog:

Hacia adelante Soldado Cristiano, Marchando a la Guerra

Pastor Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Proverbios 27:17 NVI- “El hierro se afila con el hierro, y el hombre en el trato con el hombre.”

¿Que está mal con el título de este blog? Falta solo una “s”. Es la que indica que los soldados están marchando, no solamente uno. Imagínate que insensato e incompetente te verías si marcharás solo al campo de batalla. La fuerza está en el número y coordinación.

¿Estás haciendo la transición de la iglesia tradicional al ministerio celular? Busca consejo y apoyo continuo mientras avanzas en el proceso, este puede llegar a ser más largo y desafiante de lo que te puedes imaginar. “Sin dirección, la nación fracasa; el éxito depende de los muchos consejeros” (Proverbios 11:14).

Cuando nosotros iniciamos el proceso cerca de 10 años atrás, buscamos el consejo y orientación de Joel Comiskey. He sido privilegiado al ser partede un pequeño grupo de pastores que se reúnen una vez al mes en casa de Joel. No solo he recibido oraciones, consejos, y apoyo  por parte de Joel,pero también he tenido el estímulo de algunos compañeros pastores que han enfrentado desafíos similares a los míos. Como parte de nuestro grupo depastores/ mentores, hemos leído, discutido y evaluado una serie de libros de la iglesia celular que recogen sabiduría invaluable.

Todos conocemos la importancia de Eclesiastés 4: 9-12 al hablar de la vida en general, pero ¿entiendes el valor de recibir consejo mientras lideramos y desarrollamos el ministerio celular? “Más valen dos que uno, porque obtienen más fruto de su esfuerzo. Si caen, el uno levantara al otro. ¡Ay del que cae y no tiene quien lo levante!, Si dos se acuestan juntos entrarán en calor; uno solo ¿cómo va a calentarse? Uno solo puede ser vencido, pero dos pueden resistir. ¡La cuerda de tres hilos no se rompe fácilmente! “(Eclesiastés 4: 9-12).

Durante nueve años de nuestra transición al ministerio celular, me alegro de poder seguir recibiendo orientación de Joel y los pastores de nuestro grupo. He participado en varias conferencias con líderes como Bill Beckham, Ralph Neighbour, Randall Neighbour, Joel Comiskey y Mario Vega. Continúo aprendiendo y buscando consejo de Dios, no puedo imaginar entrar en la batalla con un ejército de un solo hombre a menos que tengas tres piedras, un ojo de tirador, una gran honda y un gigante llamado Goliat.

Si estás leyendo este blog, probablemente ya entiendes la importancia de buscar sabiduría y el consejo de los demás. Permanece humilde y aprende. Tú ganarás victorias.

Soccer Coaches Can Be Obnoxious

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

Do you know much about the game of soccer? It is a wonderful sport that allows people of all sizes to compete against one another. I have had the privilege to coach and referee soccer. My experience on the field as a referee has influenced my coaching and caused me to value the coaches who quietly watch a match without hollering constant instructions from the sidelines. In the middle of the field, much of what is hollered from the sidelines is just noise. This is true with youth and adult soccer. Of course, sometimes that noise gets annoying and even hostile. When that happens at a youth soccer match, the referee has to step in and stop the dissent or even the over coaching of those on the sidelines.

What does this view of soccer have to do with a cell group? As members of a cell, we are like the coach who watches the game without interruption waiting for appropriate moments like a substitution or half time to give guidance to the team. We need to listen, listen and listen some more before sharing thoughts with someone in the group. In other words, we need to avoid giving advice.

In our Group Covenant, we make a commitment to “LISTEN to each person when they speak, whether in words, actions, or attitudes.” People don’t need our advice and frankly, they probably won’t follow it when we give it. What they will listen to is our love and prayer support that we give by listening. Too many people have great ideas for what someone else should do and we are all too willing to share those ideas as advice.

When people share a problem, we need to listen. Of course, if you want people in your group to stop sharing personal issues, give them advice. Pretty soon, you will find that transparency is decreasing and people are not sharing significant personal concerns. Like the players on the field, your advice will go unheard because of the noise or it will become obnoxious and rejected.

Occasionally, someone in the group may actually say that they want to get the advice of the group. Even when this happens, the group needs to practice active listening, asking questions and hearing the issue from the view of the one sharing and avoid advice as much as possible. God may give you a word, but it is important to listen to the person sharing and listen to the Lord. Keep your advice to yourself. Oops! I just gave you some advice. LISTEN!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Treinadores de Futebol Podem Ser Desagradáveis

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Você entende muito sobre o jogo de futebol? É um esporte maravilhoso que permite que pessoas de todos os tamanhos compitam um contra o outro. Tive o privilégio de treinar e arbitrar futebol. Minha experiência no campo como um árbitro influenciou minha forma de treinar e me fez valorizar os treinadores que observam silenciosamente uma partida sem gritar instruções constantes do lado de fora. No meio do campo, muito do que é gritado das laterais é apenas barulho. Isso é real para o futebol juvenil e o adulto. E claro, às vezes esse barulho é irritante e até hostil. Quando isso acontece em um jogo de futebol juvenil, o árbitro deve intervir e parar a dissensão ou mesmo os conselhos excessivos daqueles que estão à margem.

O que essa visão do futebol tem a ver com uma célula? Como membros de uma célula, somos como o treinador que observa o jogo sem interrupção esperando momentos apropriados como uma substituição ou o meio tempo para dar orientação ao time. Precisamos ouvir, ouvir e ouvir um pouco mais antes de compartilhar pensamentos com alguém do grupo. Em outras palavras, precisamos evitar dar conselhos.

Em nosso Acordo do Grupo, nos comprometemos a “ESCUTAR a cada pessoa que falar, seja em palavras, ações ou atitudes”. As pessoas não precisam do nosso conselho e, francamente, provavelmente não irão segui-lo quando o damos. O que elas vão ouvir é o nosso apoio de amor e de oração que nós damos ao ouvir. Muitas pessoas têm grandes ideias para o que alguém deveria fazer e todos estamos dispostos a compartilhar essas ideias como conselhos.

Quando as pessoas compartilham um problema, precisamos ouvir. Se você quer que as pessoas do seu grupo parem de compartilhar problemas pessoais, dê-lhes conselhos. Em breve, você achará que a transparência está diminuindo e as pessoas não estão compartilhando preocupações pessoais significativas. Como os jogadores no campo, seu conselho ficará inaudível por causa do ruído ou se tornará desagradável e rejeitado.

Ocasionalmente, alguém do grupo pode realmente dizer que deseja obter o conselho do grupo. Mesmo quando isso acontece, o grupo precisa praticar a escuta ativa, fazer perguntas e ouvir a questão do ponto de vista de quem está compartilhando e evitar dar conselhos o máximo quanto possível. Deus pode dar uma palavra, mas é importante ouvir a pessoa compartilhar e ouvir o Senhor. Mantenha seu conselho para si mesmo. Opa! Eu acabei de te dar alguns conselhos. OUÇA!

Spanish blog:

Los entradores fútbol pueden ser fastidiosos

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

¿Conoces mucho acerca del fútbol? Es un deporte maravilloso que permite a personas de todos los tamaños competir entre sí. He tenido el privilegio de ser entrenador y árbitro de fútbol. Mi experiencia siendo árbitro ha influenciado mi manera de entrenar y ha causado que valore a los entrenadores que ven tranquilamente un partido sin gritar constantes instrucciones desde la banda. En la mitad de la cancha, la mayor parte de todo lo que se grita desde la banda, es solo ruido. Esto es pasa en el fútbol juvenil y mayor. Claro que en ocasiones ese ruido es molesto e incluso hostil. Cuando esto ocurre en un partido de fútbol juvenil, el árbitro tiene que intervenir y detener la inconformidad o incluso el exceso de instrucciones de los que están en las bandas.

¿Qué tiene que ver esta visión del fútbol con un grupo celular? Como miembros de la célula, somos como el entrenador que ve el partido sin interrupciones, esperando el momento indicado, como una sustitución o el medio tiempo para dar indicaciones al equipo. Necesitamos escuchar, escuchar y escuchar un poco más antes de compartir nuestros pensamientos con alguien en la célula. En otras palabras, necesitamos evitar dar consejo.

En nuestro Grupo Covenant, nos comprometemos a “ESCUCHAR a cada persona cuando hablan, ya sea en palabras, acciones o actitudes.” Francamente las personas no necesitan nuestro consejo, probablemente no lo sigan si se los damos.  Lo que escucharan es el amor y las oraciones que les brindaremos al escuchar.  Muchas personas tienen grandes ideas para lo que alguien más debe hacer y estamos muy dispuestos a compartir esas ideas como consejo.

Cuando las personas comparten un problema, necesitamos escuchar. Por supuesto, que si quiere que las personas en la célula dejen de compartir asuntos personales, deles consejo. Muy pronto, descubrirá que la transparencia disminuye y los miembros no compartirán problemas personales importantes. Al igual que los jugadores en la cancha, su consejo pasara inadvertido debido al ruido o será fastidioso y desechado.

En ocasiones, alguien en la célula puede realmente decir que quiere el consejo de los miembros. Incluso cuando esto sucede, la célula necesita practicar la escucha activa, hacer preguntas y escuchar el problema desde la visión de compartir y evitar el asesoramiento tanto como sea posible. Dios puede darle una palabra, pero es importante escuchar a la persona que comparte y escuchar al Señor. Mantenga su consejo para usted. ¡Vaya! acabo de darle un consejo. ¡ESCUCHE!

So What?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist;  www.crestlinefbc.com

When we began the transition to a cell church, I asked all of our groups to do sermon-based lessons. This week our youth minister asked for permission to do some lessons on identity, purity, and some other subjects related specifically to youth. We discussed the value of sermon-based groups and the more important principle of our groups being focused on biblical application.

I think that the unity developed with groups applying the sermon to their lives has been invaluable in the development of our ministry. Participants of all ages have been studying and applying the same biblical message. This focus has greatly enhanced our unity and shared vision for ministry.

A friend of mine used to tell me that whenever he taught or preached a sermon, he always asked the question “So what?” Think of any biblical text. For example, we are not that far from Easter. Let’s say that you are preaching about Simon the Cyrene carrying Jesus’ cross. You might have some great insights into this man who was able to carry the cross of Jesus. However, without answering the “So what” question you may just have an interesting story. The story takes on meaning when you are able to apply the story or message to your own life. So what? This question forces the speaker to consider how to apply the text.

I think that all groups studying and applying the same text has strengthened our church. It has meant that you could participate in any of our groups and participants would be learning the same lessons. It has also meant that only one person needed to develop the lesson material. Of course, we adapted lessons to apply to the participants. Many of the questions would be the same while some questions get changed for the youth or even for a women’s group.

Today, some of our groups use creative curriculum for their lessons. Most of our groups remain focused on sermon-based lessons. The subject material has not been our chief concern. We want people to apply the Word of God to their lives. It is great when the whole church is on the same subject. This is no longer a requirement for our groups, although it is still my preference.

The next time you prepare a lesson or a sermon, ask yourself, “So what?” What is the point of your message? How will people apply it? This questions keeps you focused on action not just entertainment. Go ahead and “So what?” this blog.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

E Daí?

Por Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Quando começamos a transição para uma igreja em células, pedi a todas as nossas células que fizessem lições baseadas no sermão. Esta semana nosso ministro de jovens pediu permissão para fazer algumas lições sobre identidade, pureza e alguns outros assuntos especificamente relacionados à juventude. Discutimos o valor das células baseadas na pregação e o princípio mais importante de nossos grupos serem focados na aplicação bíblica.

Penso que a unidade desenvolvida com as células que aplicam o sermão às suas vidas tem sido inestimável no desenvolvimento do nosso ministério. Participantes de todas as idades têm estudado e aplicado a mesma mensagem bíblica. Este enfoque aumentou muito a nossa unidade e a visão compartilhada para o ministério.

Um amigo meu costumava me dizer que sempre que ele ensinava ou pregava um sermão, ele sempre fazia a pergunta “E daí?”. Pense em qualquer texto bíblico. Por exemplo, não estamos muito longe da Páscoa. Vamos dizer que você está pregando sobre Simão de Cirene carregando a cruz de Jesus. Você pode ter algumas grandes ideias sobre este homem que foi capaz de carregar a cruz de Jesus. No entanto, sem responder à pergunta “E daí?”, você pode apenas ter uma história interessante. A história assume significado quando você é capaz de aplicar a história ou mensagem para sua própria vida. E daí? Esta questão obriga o orador a considerar como aplicar o texto.

Acho que o fato de todos os grupos estudarem e aplicarem o mesmo texto fortaleceu a nossa igreja. Isso significou que você poderia participar de qualquer um dos nossos grupos e os participantes estariam aprendendo as mesmas lições. Significou também que somente uma pessoa tinha que desenvolver o material da lição. É claro que nós adaptamos as lições para aplicar aos participantes. Muitas das perguntas permanecem as mesmas, enquanto outras são adaptadas para os jovens ou mesmo para uma célula mulheres.

Hoje, alguns de nossos grupos tem um currículo criativo para suas lições. A maioria dos nossos grupos permanece focada em lições baseadas nos sermões. O assunto não tem sido nossa principal preocupação. Queremos que as pessoas apliquem a Palavra de Deus em suas vidas. É ótimo quando toda a igreja está no mesmo assunto, mas isso não é mais um requisito para nossas células, embora ainda seja minha opção preferida.

A próxima vez que você preparar uma lição ou uma pregação, pergunte a si mesmo: “E daí?”. Qual é o ponto de sua mensagem? Como as pessoas vão aplicá-la? Essas perguntas mantêm você focado na ação, não apenas no entretenimento. Vá em frente e pergunte “E daí?” para este blog.

Spanish blog:

¿Y qué?

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Cuando comenzamos la transición a la iglesia celular, pedí a todos nuestros grupos que hicieran lecciones basadas en la predicación. Esta semana nuestro ministro juvenil pidió permiso para hacer algunas lecciones sobre identidad, pureza, y algunos otros temas relacionados específicamente con la juventud. Discutimos el valor de los grupos basados ​​en la predicación y el principio más importante de que nuestros grupos estén enfocados en la aplicación bíblica.

Creo que la unidad desarrollada con los grupos que aplican la predicación a sus vidas ha sido inestimable en el desarrollo de nuestro ministerio. Los participantes de todas las edades han estado estudiando y aplicando el mismo mensaje bíblico. Este enfoque ha mejorado mucho nuestra unidad y nuestra visión compartida en el ministerio.

Un amigo mío solía decirme que siempre que enseñaba o predicaba, siempre hacía la pregunta “¿Y qué?” Piensa en cualquier texto bíblico. Por ejemplo, no estamos tan lejos de la Pascua. Digamos que usted está predicando sobre Simón el Cirene llevando la cruz de Jesús. Usted puede tener algunas grandes ideas sobre este hombre que fue capaz de llevar la cruz de Jesús. Sin embargo, sin responder a la pregunta “¿Y qué?”, ​​Puede que tengas una historia interesante. La historia toma sentido cuando se puede aplicar la historia o el mensaje a su propia vida. ¿Y qué? Esta pregunta obliga al orador a considerar cómo aplicar el texto.

Creo que todos los grupos que estudian y aplican el mismo texto han fortalecido a nuestra iglesia. Esto significa que usted podría participar en cualquiera de nuestros grupos y los participantes estarían aprendiendo las mismas lecciones. También ha significado que sólo una persona necesita desarrollar el material de la lección. Por supuesto, hemos adaptado las lecciones para aplicar a los participantes. Muchas de las preguntas serían las mismas mientras que algunas preguntas se cambian para la juventud o incluso para un grupo de mujeres.

Hoy en día, algunos de nuestros grupos usan el currículo creativo para sus lecciones. La mayoría de nuestros grupos se concentran en las lecciones basadas en la predicación. El tema no ha sido nuestra principal preocupación. Queremos que la gente aplique la Palabra de Dios a sus vidas. Es grande cuando toda la iglesia está sobre el mismo tema. Esto ya no es un requisito para nuestros grupos, aunque sigue siendo mi preferencia.

La próxima vez que prepare una lección o un sermón, pregúntese: “¿Y qué?” ¿Cuál es el punto de su mensaje? ¿Cómo lo aplicará la gente? Esta pregunta te mantiene concentrado en la acción no sólo entretenimiento. Adelante y “¿Y qué?” Este blog.