Awakening the Vision of Discipleship

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

Charles Finney wrote: “Revival is a return to obeying God.” In fact, all spiritual awakening constitutes a break with previous traditions and behaviors. The heart of the cell is to make disciples who, in turn, make other disciples. But, many churches continue to place numerical growth as the core of their effort. There is no doubt that cell ministry has the essential component of evangelism, which produces growth. But if time passes by and you don’t focus on making effective disciples who make disciples, the expansion will cease and the church will stagnate.

For a renewal in cell ministry to occur, a turning from  false motivations must take place. There has to be a break with the idea that the main purpose is numerical growth and then to start focusing on making disciples as the essential goal. This reorientation of goals is the fundamental element that makes the difference between stagnation and the constant renewal of passion. Evangelism without discipleship will end in stagnation. But discipleship not only ensures evangelism but also leads new believers to a solidification of their Christian experience. Effective cell ministry is about building with blocks of stones a building that will last over time.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Despertando a Visão do Discipulado

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Charles Finney escreveu: “O avivamento é um retorno para a obediência à Deus”. Na verdade, todo despertar espiritual constitui uma ruptura com tradições e comportamentos anteriores. O coração das células é fazer discípulos que, por sua vez, façam outros discípulos. Contudo, muitas igrejas continuam a colocar o crescimento numérico como o núcleo do seu esforço. Não há dúvida de que o ministério celular tem o componente essencial do evangelismo, que produz crescimento. Mas se o tempo passar e você não adiciona a esse crescimento o elemento de fazer discípulos efetivos, a expansão cessará e a igreja vai se estagnar.

Para que ocorra uma renovação no ministério celular, deve-se encorajar uma interrupção nas motivações que o conduzem. Deve haver uma quebra com a ideia de que o objetivo principal é o crescimento numérico para se concentrar em fazer os discípulos como o objetivo essencial. Essa reorientação dos objetivos é o elemento fundamental que faz a diferença entre a estagnação do trabalho e a constante renovação da paixão. O evangelismo sem discipulado terminará em estagnação. Mas o discipulado não só garante o evangelismo, mas também leva os novos convertidos a uma solidificação de sua experiência cristã. Trata-se de construir com blocos de pedras um edifício que sobreviverá ao tempo.

Spanish blog:

El despertar hacia el discipulado

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Charles Finney escribió: «El avivamiento es un regreso a la obediencia a Dios». Por ese motivo, todo despertar espiritual constituye una ruptura con las tradiciones y conductas anteriores. El corazón del trabajo celular es hacer discípulos que, a su vez, hagan a otros discípulos. Pero, muchas iglesias continúan colocando como el centro de su esfuerzo el crecimiento numérico. No hay duda que el trabajo celular posee el componente esencial del evangelismo, el cual, produce crecimiento. Pero si con el paso del tiempo a ese crecimiento no se le añade un hacer discípulos efectivo la expansión cesará y la iglesia se estancará.

Para que se produzca una renovación en el trabajo celular se debe fomentar una ruptura en las motivaciones que lo impulsan. Una ruptura con la idea de que la finalidad principal es el crecimiento en número para enfocarse en el hacer discípulos como la meta esencial. Esa reorientación de metas es el elemento fundamental que hace la diferencia entre el estancamiento del trabajo o la renovación constante de la pasión. El evangelismo sin discipulado terminará en estancamiento. Pero el discipulado no solamente asegura el evangelismo sino que conduce a los nuevos creyentes a una solidificación de su experiencia cristiana. Es construir con bloques de piedras un edificio que perdurará con el tiempo.

Re-igniting the passion in cell ministry

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

Every visitation from God represents a break with the religious order. John the Baptist broke with the external ceremonies and focused on authentic repentance. Jesus broke with the Sabbath and other traditions to focus on compassion for the needy. God often brings his people back to the essentials, to what is truly important to himself and what is  revealed in his word. Charles Finney defined revival as “returning to obedience to God.”  When an awakening occurs, it is because people shake off accumulated traditions to go back to the basics, to return to obedience to God.

Adopting the cell model means setting aside the traditions that have accumulated for two thousand years (which have resulted in what is now called the church) to return to the New Testament model. Breaking with traditions is what stirs the initial cell passion and love for cell ministry. Sadly, movements tend to become institutional. Things become institutionalized when they lose their initial excitement and start becoming mechanical. To preserve the passion, one needs to go back to the source: to God word.  We find in Scripture  the renewal and freshness that we need to continue to obey God and not lose our first love. The Holy Spirit is the person who will sustain us continually until we complete our task.

Korean blog (click here)

Spanish blog:

Avivando la pasión en el trabajo celular

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Toda visitación de Dios representa una ruptura con el orden religioso. Juan el Bautista rompió con las ceremonias externas y se enfocó en un auténtico arrepentimiento. Jesús rompió con el sábado y otras tradiciones para enfocarse en la compasión por el necesitado. Como puede verse, era un regreso a lo esencial; lo que era verdaderamente importante para Dios. Eso, ha sido revelado en su palabra. Charles Finney definía el avivamiento como «un regreso a la obediencia a Dios». Cuando se produce un despertamiento es porque las personas se sacuden las tradiciones acumuladas para volver a lo esencial; para volver a la obediencia a Dios.

El adoptar el modelo celular significa dejar de lado las tradiciones que se han acumulado durante dos mil años (que han dado como resultado lo que hoy se entiende por iglesia) para volver al modelo del Nuevo Testamento. Esa ruptura en las tradiciones es la que provoca el ardor del primer amor en el trabajo celular. Pero, todo movimiento tiende a convertirse en una institución. Las cosas se institucionalizan cuando van perdiendo su ardor y van volviéndose mecánicas. Para conservar la pasión, se necesita volver a la fuente: a la palabra de Dios. Allí se encuentra la renovación y la frescura que necesitamos para continuar con perseverancia obedeciendo su palabra. El Espíritu Santo es la persona que nos sostendrá fielmente hasta culminar nuestra tarea.

Portuguese blog:

Reacendendo a paixão no ministério celular

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Toda visitação de Deus representa uma ruptura com a ordem religiosa. João Batista rompeu com as cerimônias externas e se centrou no arrependimento autêntico. Jesus rompeu com o Sábado e outras tradições para se concentrar na compaixão pelos necessitados. Deus muitas vezes traz seu povo de volta ao essencial, para o que é realmente importante para si mesmo, para as coisas reveladas em sua palavra. Charles Finney definiu o avivamento como “retornar à obediência de Deus”. Quando ocorre um despertar é porque as pessoas se livram das tradições acumuladas para voltar ao básico; para retornar à obediência de Deus.

Adotar o modelo celular significa deixar de lado as tradições que se acumularam há dois mil anos (que resultaram no que agora é chamado de igreja) para retornar ao modelo do Novo Testamento. Essa ruptura com as tradições é o que agita a paixão inicial da célula e o amor pelo ministério celular. Infelizmente, os movimentos tendem a se tornar instituições. As coisas se tornam institucionalizadas quando perdem sua emoção inicial e começam a se tornar mecânicas. Para preservar a paixão, é preciso voltar para a fonte: para a Palavra de Deus. Encontramos na Palavra de Deus a renovação e o frescor que precisamos para continuar a obedecer a Deus e não perder o primeiro amor. O Espírito Santo é a pessoa que nos sustentará fielmente até completarmos a nossa tarefa.

Understanding God’s Will through the Word of God

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

In order to be effective, the cell leader must be dependent on God. Ministry such as evangelism, caring, and discipling others to be new leaders can only be done effectively when listening to Jesus and following his instructions. But, how can we hear the voice of God?

This is a question that Christians often ask. Usually, people expect God to speak to them through signs, dreams, visions, angels, or another person who is presumed to be a prophet. Although all things are possible for God, in the New Testament we find that such means were not usual in the revelation of God’s will. What we do find is the Holy Spirit using the Word of God to help people understand and do his will.

Developing the ability to discern the will of God through the reading of the Bible and the discernment of the Holy Spirit is the key to knowing his will and following it. Someone said that 90% of the revelation of God’s will is received through the Bible. When the cell leader develops that habit, he will not have much trouble discerning the voice of Jesus. But, like any habit, constant repetition is needed until it becomes a lifestyle.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Compreendendo a Vontade de Deus Através de Sua Palavra

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Para ser eficaz, o líder da célula deve ser dependente de Deus. O ministério, assim como evangelizar, cuidar e discipular os outros a serem novos líderes, só pode ser feito de forma eficaz ao ouvir Jesus e seguir Suas instruções. Mas, como podemos ouvir a voz de Deus?

Esta é uma questão que os cristãos frequentemente perguntam. Geralmente, as pessoas esperam que Deus fale com elas através de sinais, sonhos, visões, anjos ou outra pessoa que se supõe ser um profeta. Embora todas as coisas sejam possíveis para Deus, no Novo Testamento encontramos que tais meios não eram habituais na revelação da vontade de Deus. O que achamos é o Espírito Santo usando a Palavra de Deus para ajudar as pessoas a entender e fazer a vontade dEle.

Desenvolver a capacidade de discernir a vontade de Deus através da leitura da Bíblia e do discernimento do Espírito Santo é a chave para conhecer Sua vontade e segui-la. Alguém disse que 90% da revelação da vontade de Deus é recebida através da Bíblia. Quando o líder da célula desenvolve esse hábito, ele não terá muitos problemas em discernir a voz de Jesus. Mas, como qualquer hábito, a repetição constante é necessária até se tornar um estilo de vida.

Spanish blog:

El líder escuchando a Jesús

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Para poder ser efectivo en su trabajo el líder de célula necesita poseer dependencia de Dios. Sus ejes de trabajo tales como la oración, el evangelismo, el cuidar y el discipular a otros para que sean nuevos líderes son cosas que solamente se pueden realizar bien escuchando a Jesús y siguiendo sus instrucciones. Pero ¿cómo podemos escuchar la voz de Dios?

Esta es una pregunta que los cristianos formulan con frecuencia. Usualmente, las personas esperan que Dios les hable por medio de señales, sueños, visiones, ángeles u otra persona que se presume profeta. Si bien, todas las cosas son posibles para Dios, en el Nuevo Testamento encontramos que tales medios no eran usuales en la revelación de la voluntad de Dios. Lo que sí encontramos es al Espíritu Santo hablando y, sobre todo, las Escrituras siendo utilizadas para comprender su voluntad.

El desarrollar la capacidad de discernir la voluntad de Dios por medio de la lectura de la Biblia y el discernimiento del Espíritu Santo es la clave para conocer su voluntad y seguirla. Alguien dijo que el 90% de la revelación de la voluntad de Dios la recibimos por medio de la Biblia. Cuando el líder de célula desarrolla ese hábito, no tendrá mayores problemas para discernir la voz de Jesús. Pero, como todo hábito, se necesita la repetición constante hasta que se convierte en un estilo de vida.

Clear Strategies to Spend Time with Jesus

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

According to several studies, New Year’s resolutions don’t last long. One of those studies indicates that 25% of people do not even achieve their resolutions during the first week of January. Another 67% quit after the first week and only 8% of people fulfill their purpose throughout the year. Why do so many people abandon their resolutions? Because they only establish the goal they want to achieve, but not the strategy to achieve it.

When it comes to our with Jesus, a person can propose,  “I want to cultivate greater intimacy with Jesus.” That is a good goal, but it is destined to failure by 92% of those who propose it. In order to reach it, we must bear in mind that to develop greater intimacy with Jesus, more prayer and more reading of the Bible is needed. But, even that is not a good strategy. To pray and read the Bible more, we must define the time of day when we will do it and the place where we will do it.

A good New Year’s resolution would be more likely to be fulfilled if we define it this way: “During this year I will reserve from 5 to 6 AM to pray and read the Bible in my room before any other activity.” That is not only a goal, it also establishes a clear strategy to achieve it.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Estratégias Claras para Passar Tempo com Jesus

Por Mario Veja, www.elim.org.sv

De acordo com vários estudos, as resoluções de Ano Novo não duram muito. Um desses estudos indica que 25% das pessoas nem mesmo atingem suas resoluções durante a primeira semana de janeiro. Outros 67% desistem após a primeira semana e apenas 8% das pessoas cumprem seu propósito ao longo do ano. Por que tantas pessoas abandonam suas resoluções? Porque elas apenas estabelecem o objetivo que desejam alcançar, mas não a estratégia para alcançá-lo.

Quando se trata do nosso objetivo com Jesus, uma pessoa pode propor: “Eu quero cultivar maior intimidade com Jesus”. Esse é um bom objetivo, mas está destinado ao fracasso em 92% daqueles que o propõem. Para alcançá-lo, devemos ter em mente que, para desenvolver uma maior intimidade com Jesus, é necessária mais oração e mais leitura da Bíblia. Mas mesmo essa não é uma boa estratégia. Para orar e ler mais a Bíblia, devemos definir a hora do dia em que o faremos e o lugar onde o faremos.

Uma boa resolução de Ano Novo seria mais provável de ser cumprida se a definíssemos desta forma: “Durante este ano, eu reservarei das 5 às 6 da manhã para orar e ler a Bíblia no meu quarto antes de qualquer outra atividade”. Isso não é apenas um objetivo, também estabelece uma estratégia clara para alcançá-lo.

Spanish blog:

Propósito de año nuevo: más de Jesús

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Según varios estudios, las resoluciones de año nuevo no duran mucho tiempo. Uno de esos estudios indica que el 25% de las personas no logran sus propósitos ni siquiera durante la primera semana de enero. Otro 67% renuncia después de la primera semana y solamente el 8% de las personas cumple su propósito durante todo el año. ¿Por qué tantas personas abandonan sus resoluciones? Porque solamente establecen la meta que desean alcanzar, pero no el mecanismo para lograrla.

Cuando se trata de la relación con Jesús, una persona se puede proponer: “cultivar mayor intimidad con Jesús”. Esa es una buena meta, pero está destinada a no ser cumplida por el 92% de los que se la propongan. Para que se pueda alcanzar hay que tener en cuenta que para desarrollar mayor intimidad con Jesús se necesita más oración y más lectura de la Biblia. Pero, aún eso no es un buen mecanismo. Para orar y leer la Biblia más debemos definir el momento del día en que lo haremos y el lugar donde lo haremos.

Una buena resolución de año nuevo tendría más probabilidades de ser cumplida si la definiéramos así: “Durante este año apartaré de las 5 a las 6 AM para orar y leer la Biblia en mi habitación antes que cualquier otra actividad”. Esa no solo es una meta, establece también un mecanismo para lograrla.

Keeping the Freshness in the Cell

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

Cell work by its nature is cyclical. Each week the same order is repeated and each cell meeting follows a predetermined pattern. This can become a routine when it is done mechanically. When that happens, the work becomes insipid and the passion is quickly lost. A leader who is just going through the motions will not continue for a long time—he will either quit or the leaders will fall asleep and stop showing up.

To prevent this from happening, it is essential to allow the Holy Spirit to work freely in the cell. More than depending on a program, it is vital to depend on the Spirit. People’s needs can be filled only by the Spirit. Sometimes, humans cannot even perceive those needs, let alone solve them. But, the Holy Spirit through the manifestation of his gifts can do it.

The leader must develop a special sensitivity towards the intentions of the Spirit. He must create in the cell the environment for the gifts of the Spirit to operate. He must instruct the members of the cell to discover their own gifts. In this way, each cell meeting will be a new experience and both the leader and members will be encouraged to continue to bring others to the feet of Jesus.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Manter o Frescor na Célula

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

O trabalho celular por sua natureza é cíclico. Cada semana, a mesma ordem é repetida e cada reunião celular segue um padrão predeterminado. Isso pode se tornar uma rotina quando é feito mecanicamente. Quando isso acontece, o trabalho torna-se insípido e a paixão é rapidamente perdida. Um líder que está apenas passando pelos movimentos não vai continuar por um longo período de tempo – ou ele vai abandonar ou os líderes vão adormecer e parar de aparecer.

Para evitar que isso aconteça, é essencial permitir que o Espírito Santo trabalhe livremente na célula. Mais do que depender de um programa, é vital depender do Espírito. As necessidades das pessoas só podem ser preenchidas pelo Espírito. Às vezes, os humanos não conseguem nem mesmo perceber essas necessidades; muito menos resolvê-las. Mas, o Espírito Santo através da manifestação de seus dons pode fazê-lo.

O líder deve desenvolver uma sensibilidade especial às intenções do Espírito. Ele deve criar na célula o ambiente para que os dons do Espírito operem. Ele deve instruir os membros da célula a descobrir seus próprios dons. Desta forma, cada reunião celular será uma nova experiência e tanto o líder quanto os outros se sentirão muito encorajados a continuar trazendo as pessoas aos pés de Jesus.

Spanish blog:

Manteniendo la frescura en la célula

por Mario Vega

El trabajo celular por su naturaleza es cíclico. Cada semana se repite el mismo orden y cada reunión de célula sigue un patrón determinado de antemano. Ello puede convertirse en una rutina que se realice de manera mecánica. Cuando eso ocurre, el trabajo se vuelve insípido y pierde rápidamente la pasión. Un líder así no podrá continuar al frente de una célula por mucho tiempo, ya sea que él desista o que los miembros de la célula se duerman.

Para evitar que eso ocurra es esencial poder abrir el espacio para la manifestación del Espíritu Santo en la célula. Más que depender de un programa, es vital depender del Espíritu. Las necesidades de las personas solamente pueden ser llenadas por el Espíritu. A veces, los humanos no podemos ni siquiera percibir esas necesidades; menos resolverlas. Pero, los dones del Espíritu Santo sí pueden hacerlo.

El líder debe desarrollar una sensibilidad especial hacia las intenciones del Espíritu. Debe crear en la célula el ambiente para que operen los dones del Espíritu. Debe instruir a los miembros de la célula que para descubran sus propios dones. De esa manera, cada reunión de célula será una experiencia nueva y tanto el líder como las demás personas se sentirán muy animadas de continuar con el esfuerzo de llevar a otros a los pies de Jesús.

Jesus our Brother

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

The Christmas story is centered around the Word becoming flesh. Jesus experienced everything human beings experience. However, the God-man went one step farther and experienced life from the standpoint of those living in vulnerable, difficult circumstances. Jesus was not a man who held the position of prince, noble, rich or academic. He lived like poor people, in the most forgotten and abandoned region of the country. He could see oppression, illness, sin, and demons in action up close.

Jesus became so close to human beings that he came to empathize with the sick, the hungry, the imprisoned, the migrants, and the naked. He lived among a world of needy people—a world in which the rich and wealthy only cared for themselves. The lack of caring made Jesus angry, to the point of seeing in the needs of the poor the opportunity to please God. Everyone who does something for the needy actually does it for Christ incarnate. As he said: “for I was hungry and you gave Me food; I was thirsty and you gave Me drink; I was a stranger and you took Me in; I was naked and you clothed Me; I was sick and you visited Me; I was in prison and you came to Me” (Mt. 25: 35-37).

The meaning of the incarnation was to teach us to live a gospel of sensitivity and human solidarity as an expression of a salvation that is received by grace. The best way to reflect on the meaning of the incarnation is to develop awareness of the vulnerable and to act as Jesus desires. The cells present a space to take the first steps. After all, eternal destiny is defined by whether or not we have acted accordingly: “Assuredly, I say to you, inasmuch as you did not do it to one of the least of these, you did not do it to Me. And these will go away into everlasting punishment, but the righteous into eternal life” (Matthew 25: 45-46).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Jesus, Nosso Irmão

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

A história de Natal é centrada em torno do Verbo se tornando carne. Jesus experimentou tudo o que os seres humanos experimentam. No entanto, o Deus-homem foi um passo adiante e experimentou a vida do ponto de vista daqueles que vivem em circunstâncias vulneráveis e difíceis. Jesus não era um homem que ocupava o cargo de príncipe, nobre, rico ou acadêmico. Ele vivia como as pessoas pobres, na região mais esquecida e abandonada do país. Ele podia ver a opressão, a doença, o pecado e os demônios em ação de perto.

Jesus ficou tão perto dos seres humanos que ele teve empatia com os doentes, os famintos, os presos, os imigrantes e os nus. Ele vivia em um mundo de pessoas necessitadas – um mundo em que os ricos só cuidavam de si mesmos. A falta de cuidado deixou Jesus zangado, até o ponto de ver nas necessidades dos pobres a oportunidade de agradar a Deus. Todo mundo que faz algo pelos necessitados na verdade o faz para Cristo encarnado. Como ele disse: “Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram; necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram” (Mt 25:35-37).

O significado da encarnação foi ensinar-nos a viver um evangelho de sensibilidade e solidariedade humana como expressão de uma salvação recebida pela graça. A melhor maneira de refletir sobre o significado da encarnação é desenvolver a consciência sobre os vulneráveis e agir como Jesus deseja. As células têm um espaço para dar os primeiros passos. Afinal, o destino eterno é definido pelo fato de termos agido ou não de acordo com isso: “Digo-lhes a verdade: o que vocês deixaram de fazer a alguns destes mais pequeninos, também a mim deixaram de fazê-lo. E estes irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna” (Mt 25:45-46).

Spanish blog:

Jesús nuestro hermano

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

El verbo se hizo carne y lo hizo con el propósito de experimentar todas las vivencias del ser humano. Pero no las de cualquier ser humano sino las de aquellos que vivían las condiciones de mayor vulnerabilidad. Jesús no fue un hombre con posición de príncipe, noble, rico o académico. Él vivió como las personas pobres. En la región más olvidada y abandonada del país. Pudo ver de cerca la opresión, la enfermedad, el pecado y los demonios en acción.

Jesús se hizo tan cercano a los seres humanos que llegó a identificarse con los enfermos, los hambrientos, los encarcelados, los migrantes, los desnudos. Un mundo lleno de necesitados y donde los que tienen condiciones mejores no hacían nada por ayudar a los primeros. Eso indignó mucho a Jesús, al punto de ver en la necesidad de los pobres la oportunidad de agradar a Dios. Todo aquel que hace algo por un necesitado en realidad lo hace por Jesús encarnado. Tal como lo dijo: Porque tuve hambre, y me disteis de comer; tuve sed, y me disteis de beber; fui forastero, y me recogisteis; estuve desnudo, y me cubristeis; enfermo, y me visitasteis; en la cárcel, y vinisteis a mí” (Mt. 25:35-37).

El sentido de la encarnación fue el de enseñarnos a vivir un evangelio de sensibilidad y solidaridad humana como expresión de una salvación que se recibe por la gracia. La mejor manera de reflexionar en el significado de la encarnación es desarrollando consciencia hacia los vulnerables y actuando como Jesús lo desea. Las células presentan un espacio para dar los primeros pasos. Después de todo, el destino eterno lo define el que hayamos actuado o no en consecuencia: “De cierto os digo que en cuanto no lo hicisteis a uno de estos más pequeños, tampoco a mí lo hicisteis. E irán éstos al castigo eterno, y los justos a la vida eterna” (Mt. 25:45-46). 

God Is the Center of the Cell

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

God created man to have fellowship with him, and so God visited Adam in the garden of Eden. The fellowship continued until the moment when man sinned. From then on, God began his efforts to reestablish fellowship with his creation. Initially he tried to do it by selecting Abraham. God established a covenant with Abraham and his offspring based on altars and animal sacrifices. From the patriarchs, he established a new people, the nation of Israel. Some centuries later through Moses, God gave them the law to live in holiness, and  so he could dwell among them. In fact, the tabernacle was designed to be at the center of the Israelite camp.

But God’s people sinned again and again, and the tabernacle of God had to be taken out of the camp. Later, Solomon built the temple for the dwelling of God in the midst of his people. But, in the deportation, Ezekiel the prophet could see how the glory of God left the temple and his people due to their repeated sins. But, God did not renounce his desire to dwell among his people.

God sent his only son, not only to dwell among men but also to become a man. By taking human nature, God decided to unite with man forever; that’s why his name is Emmanuel. When He ascended to the father, Jesus continued to be present in the midst of his people, his church, which is his mystical body. Wherever two or three meet in his name, he is always present. The presence of God in the midst of men is a reality in every cell. God’s desire comes true every time his people come together; he has fellowship with us when we have fellowship with one another. In each cell it is a wonderful reality that is repeated as many times as the believers come together in his name.

 Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Deus É O Centro Da Célula

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Deus criou o homem para ter comunhão com ele, e Deus visitou Adão no jardim do Éden. A irmandade continuou até o momento em que o homem pecou. A partir de então, Deus começou seus esforços para restabelecer a comunhão com sua criação. Inicialmente ele tentou fazê-lo selecionando Abraão. Deus estabeleceu uma aliança com Abraão e sua prole com base em altares e sacrifícios de animais. Dos patriarcas, ele estabeleceu um novo povo, a nação de Israel. Alguns séculos depois, através de Moisés, Deus lhes deu a lei para viver em santidade, e assim ele poderia habitar entre eles. De fato, o tabernáculo foi projetado para estar no centro do campo israelita.

Mas o povo de Deus pecou uma e outra vez, e o tabernáculo de Deus teve que ser retirado do campo. Mais tarde, Salomão construiu o templo para a habitação de Deus no meio do seu povo. Mas, na deportação, Ezequiel, o profeta, podia ver como a glória de Deus deixou o templo e seu povo devido aos seus pecados repetidos. Mas, Deus não renunciou ao desejo de habitar entre seu povo.

Deus enviou seu único filho, não só para habitar entre os homens, mas também para se tornar um homem. Ao tomar a natureza humana, Deus decidiu se unir com o homem para sempre; é por isso que o nome dele é Emmanuel. Quando Ele ascendeu ao pai, Jesus continuou a estar presente no meio do seu povo, a sua igreja, que é o seu corpo místico. Onde dois ou três se encontram em seu nome, Ele está sempre presente. A presença de Deus no meio dos homens é uma realidade em cada célula. O desejo de Deus se torna realidade toda vez que seu povo se junta; Ele tem comunhão conosco quando temos comunhão uns com os outros. Em cada célula é uma realidade maravilhosa que é repetida tantas vezes quanto os crentes se juntam em seu nome.

Spanish blog:

Dios en el centro de la célula

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Dios creó al hombre para tener comunión con él. Dios visitaba a Adán en el jardín, en Edén. La comunión continuó hasta el momento en que el hombre pecó. A partir de entonces, Dios inició sus esfuerzos para restablecer su comunión con su creación. Inicialmente trató de hacerlo seleccionando a un hombre justo. Él era Abraham y estableció relación con él y sus hijos por medio de sacrificios en los altares que construyeron. De los patriarcas formó un nuevo pueblo que fue Israel. Algunos siglos después, a través de Moisés, les entregó la ley para que vivieran en santidad y él pudiera morar entre ellos. De hecho, el tabernáculo fue diseñado para estar al centro del campamento israelita.

Pero, el pueblo pecó muchas veces y el tabernáculo de Dios tuvo que ser sacado del campamento. Posteriormente, Salomón construyó el templo para morada de Dios en medio de su pueblo. Pero, en la deportación, el profeta Ezequiel pudo ver cómo la gloria de Dios abandonaba el templo y a su pueblo a causa de sus repetidos pecados. Pero, Dios no renunció a su deseo de morar con su pueblo. Fue así como envió a su único hijo. Esta vez Dios no solamente vino a morar entre los hombres sino que se hizo hombre. Al tomar la naturaleza humana, Dios decidió unirse para siempre con el hombre; por eso su nombre es Emmanuel. Al ascender al padre, Jesús continuó presente en medio de su pueblo, su iglesia, que es su cuerpo místico. Dondequiera que se reúnan dos o tres en su nombre él está siempre presente. La presencia de Dios en medio de los hombres es una realidad en cada célula. El deseo de Dios se hace realidad cada vez que su pueblo se reúne; él tiene comunión con nosotros cuando nosotros tenemos comunión los unos con los otros. En cada célula es una maravillosa realidad que se repite todas las veces que los creyentes lo deseen.

A Tireless Hostess

coach_mario2016speakingMario Vega, www.elim.org.sv

At the beginning of my ministryin Elim Santa Ana, I trained an initial group of ten leaders. The training was prolonged and I took enough time to make all the concepts clear. At the same time, I was teaching the church on the topic of cell ministry. When everything was ready I asked the church for ten volunteers to host the first groups. But even though I asked several times, only nine hosts appeared. One of the leaders had to wait until a new host appeared.

Among those first nine leaders was Hortensia. She opened the doors of her home from the beginning and continued like this for years. The cell in her house multiplied many times, maybe 40 times and gave birth to an entire zone with its respective pastor. After about 10 years of serving as hostess, I thought that what she had done for the cause of the gospel was already enough and I thought she deserved a break. I talked to her zone pastor who also agreed with me that she deserved to rest. The cell in her house moved to another home, but, the next day, she came looking for me at the church. She was crying like a little girl and said to me,

“Please, tell me what has been my sin to have the cell taken away from me.”

I explained that there was no such sin but only consideration towards her for so many years as hostess and that she deserved a break. But she told me that the cell in her house was already part of her life and that she wanted to be a hostess, always.

She got her cell back on the following week. In September 2017, the Elim Church celebrated 30 years of continual cell ministry. Hortensia was on of the people we honored, for serving as a hostess for three decades. For her, having a cell in her house is a critical part of her lifestyle, her nature as a believer in Christ. Hortensia is an admirable example of love, passion and persistence.

Korean blog (click here)

 

Portuguese blog:

Um Hospedeiro Incansável

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

No início do meu ministério em Elim Santa Ana, treinei um grupo inicial de dez líderes. O treinamento foi prolongado e eu demorei bastante tempo para deixar claros todos os conceitos. Ao mesmo tempo, eu estava ensinando a igreja sobre o tema do ministério celular. Quando tudo estava pronto, pedi à igreja dez voluntários para hospedar os primeiros grupos. Mas mesmo que eu tenha perguntado várias vezes, apenas nove anfitriões apareceram. Um dos líderes teve que esperar até aparecer um novo anfitrião.

Entre os primeiros nove líderes estava Hortensia. Ela abriu as portas de sua casa desde o início e continuou assim por anos. A célula em sua casa se multiplicou muitas vezes, talvez 40 vezes e deu à luz uma zona inteira com seu respectivo pastor. Depois de cerca de 10 anos de atuação como anfitriã, pensei que o que ela tinha feito pela causa do evangelho já era suficiente e que ela merecia uma pausa. Falei com o pastor da zona que também concordou comigo que merecia descansar. A célula em sua casa mudou-se para outra casa, mas, no dia seguinte, ela veio me procurar na igreja. Ela estava chorando como uma menina e me disse:

“Por favor, me diga qual foi meu pecado para ter a célula tirada de mim”.

Eu expliquei que não havia nenhum pecado, mas apenas uma consideração para com ela por tantos anos como anfitriã e que ela merecia uma pausa. Mas ela me disse que a célula em sua casa já era parte de sua vida e que ela queria ser uma anfitriã, sempre.

Ela voltou a sua célula na semana seguinte. Em setembro de 2017, a Igreja Elim celebrou 30 anos de ministério celular contínuo. Hortensia estava entre as pessoas que honramos, por servir como anfitriã por três décadas. Para ela, ter uma célula em sua casa é uma parte crítica de seu estilo de vida, sua natureza como crente em Cristo. Hortensia é um admirável exemplo de amor, paixão e persistência.

Spanish blog:

Una anfitriona incansable

Mario Vega, www.elim.org.sv

Al comenzar el trabajo celular en Elim de Santa Ana, capacité a un grupo inicial de diez líderes. La capacitación fue prolongada y me tomé el tiempo suficiente para que todos los conceptos quedaran claros. Paralelamente, estaba enseñando a la iglesia sobre el tema. Cuando todo estuvo listo solicité a la iglesia diez voluntarios para ser los primeros anfitriones. Pero, por más esfuerzos que hice solamente aparecieron nueve anfitriones. Uno de los líderes tuvo que esperar hasta que surgiera un nuevo anfitrión.

Entre esos primeros nueve líderes se encontraba Hortensia. Ella abrió las puertas de su hogar desde el principio y continuó así por años. La célula en su casa se multiplicó muchas veces, quizá unas 40 veces y dio origen a toda una zona con su respectivo pastor. Después de unos 10 años de servir como anfitriona pensé que ya era bastante lo que ella había hecho por la causa del evangelio y consideré que merecía tener un descanso. Lo platiqué con su pastor de zona quien también estuvo de acuerdo conmigo en que ella merecía descansar. La célula en su casa se trasladó a otro hogar, pero, al día siguiente, llegó a buscarme a la iglesia. Ella lloraba como una niña y me decía:

– Por favor, dígame en qué he pecado para que me quite la célula-

Yo le expliqué que no había tal pecado sino solamente la consideración a sus muchos años como anfitriona y que merecía un descanso. Pero ella me dijo, que la célula en su casa ya era parte de su vida y que ella deseaba ser siempre una anfitriona.

La célula se le devolvió a la siguiente semana. En septiembre de 2017, se cumplieron 30 años de haber iniciado con el trabajo celular y Hortensia fue una de las homenajeadas por estas tres décadas sirviendo sin cesar como anfitriona. Para ella, el tener una célula en su casa es ya parte de su estilo de vida, de su naturaleza como cristiana. Un ejemplo admirable de amor, pasión y persistencia.

Hospitality Surprises

coach_mario2016speakingMario Vega, www.elim.org.sv

In 2011, I received a phone call from a man who told me he was born in the city of Santa Ana, El Salvador, but that he had lived in the United States for many years. He told me that he wanted to visit the Elim church in Santa Ana and asked if I could show him around. I agreed to meet this unknown person at a particular place in Santa Ana, and I was surprised that he was alone, waiting on the street.

We went to church and after the service, seeing that he was rediscovering the city and that he was alone, I invited him to lunch. We went to a nice restaurant where, while we ate, he began to ask me about the history of the church and about the moral failure of the founding pastor and the process of succession that had led me to become the new senior pastor. It struck me that he knew the history of Elim, but I did not ask him where he got that information from.

When we finished, I paid the check and asked if I could take him somewhere. He told me to take him to the same place where I had picked him up. Upon arriving there, I noticed that there was no one there to pick him up. It seemed mysterious to me that he wanted to stay there alone. I told him I could wait until someone came for him, but he insisted that it was not necessary. A little bit reluctant I left him in the place thinking it was strange that he would stay there alone.

A few weeks later I received a very formal letter from this same man inviting me to be a speaker at the 2012 Global Leadership Summit. The man was Jim Mellado and was the president of the Willow Creek Association that organizes the Global Leadership Summit. He never mentioned any of that during the hours we shared in Santa Ana. Although the story has no relation to meetings in the houses, it does have to do with hospitality, which is essential in cell work.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Surpresas de Hospitalidade

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Em 2011, recebi um telefonema de um homem que me disse que nasceu na cidade de Santa Ana, El Salvador, mas que viveu nos Estados Unidos por muitos anos. Ele me disse que queria visitar a igreja de Elim em Santa Ana e perguntou se eu poderia mostrá-lo. Concordei em conhecer essa pessoa desconhecida em um lugar particular em Santa Ana, e fiquei surpreso por ele estar sozinho, esperando na rua.

Nós fomos à igreja e depois do serviço, vendo que estava redescobrindo a cidade e que estava sozinho, eu o convidei para almoçar. Nós fomos a um bom restaurante onde, enquanto comemos, ele começou a me perguntar sobre a história da igreja e sobre o fracasso moral do pastor fundador e o processo de sucessão que me levou a tornar-se o novo pastor sênior. Me ocorreu que ele conhecia a história de Elim, mas não perguntei de onde ele obteve essa informação.

Quando terminamos, paguei a conta e perguntei se eu poderia levá-lo a algum lugar. Ele me disse para levá-lo para o mesmo lugar onde o peguei. Ao chegar lá, notei que não havia ninguém lá para buscá-lo. Parecia misterioso para mim que ele queria ficar lá sozinho. Eu disse a ele que eu poderia esperar até que alguém viesse a ele, mas ele insistiu que não era necessário. Um pouco relutante eu o deixei no lugar pensando que era estranho que ele ficasse lá sozinho.

Poucas semanas depois, recebi uma carta muito formal deste mesmo homem que me convidava a ser um palestrante na Cúpula Global Liderança de 2012. O homem era Jim Mellado e era o presidente da Associação Willow Creek que organiza a Cúpula Global de Liderança. Ele nunca mencionou nada disso durante as horas que compartilhamos em Santa Ana. Embora a história não tenha relação com as reuniões nas casas, isso tem a ver com a hospitalidade, o que é essencial no trabalho celular.

Spanish blog:

Sorpresas de la hospitalidad

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

En 2011 recibí una llamada telefónica de un hombre que me dijo que había nacido en la ciudad de Santa Ana, El Salvador, pero que tenía muchos años de vivir en los Estados Unidos. Me dijo que deseaba conocer la iglesia Elim en Santa Ana y me preguntó si lo podía recibir. Acordé reunirme con esta persona desconocida en un punto de la ciudad. Al llegar me extrañó que este hombre estuviera solo, esperando en la calle.

Fuimos a la iglesia y después del servicio, al ver que él andaba redescubriendo la ciudad y que estaba solo, lo invité a almorzar. Fuimos a un buen restaurante donde, mientras comíamos, él comenzó a preguntarme sobre la historia de la iglesia y cómo habíamos vivido la experiencia de caída moral del pastor fundador y el proceso de sucesión que me había llevado a convertirme en el nuevo pastor general. Me llamó la atención que él conociera la historia de Elim, pero no le pregunté de dónde había obtenido esa información.

Al terminar, pagué la cuenta y le pregunté si podía llevarlo a algún lugar. Él me dijo que lo llevara al mismo punto donde lo había recogido. Al llegar allí, nuevamente no había nadie. Me pareció misterioso que él quisiera quedarse allí solo. Le dije que yo podía esperar hasta que llegaran por él. Pero, me insistió que no era necesario. Un poco renuente lo dejé en el lugar pensando que era extraño que se quedara allí solo.

Unas semanas después recibí una carta muy formal de parte de este mismo hombre en la cual me invitaba a ser orador de la Cumbre Mundial de Liderazgo de 2012. El hombre era Jim Mellado y era el presidente de la Asociación Willow Creek que organiza la Cumbre Mundial de Liderazgo. Nunca mencionó nada de eso durante las horas que compartimos en Santa Ana. Aunque la historia no tiene relación con las reuniones en las casas, sí la tiene con el tema de la hospitalidad, la cual, es esencial en el trabajo celular.

Promises for the Hosts

coach_mario2016speakingMario Vega, www.elim.org.sv

Ever since recorded history, it was well-known that those living in the Middle East considered it their sacred duty to welcome, feed, lodge and protect any traveler who needed help. Strangers were treated as guests and strong bonds of friendship were established with them that could even pass from father to son. In the Old Testament, hospitality was the norm, as we can see in the case of Moses’ father-n-law who welcomed Moses into his house. Later, the Greeks also considered hospitality a religious duty. Both traditions came together so that in the New Testament hospitality was adopted as a Christian duty.

The rich man in the story of Luke 16: 19-25 seriously violated the law of hospitality by not receiving Lazarus and inviting him to eat. The Lord explained how the rich man ended up condemned by his insensibility and lack of attention to others. In the Greek, the term “hospitable” (philoxenos) can be understood as a friend of strangers (Titus 1: 8; 1 Peter 4: 9). Closely connected with “hospitable” is the word “hospitality”( philoxenia), which means a love for strangers (Romans 12:13; Hebrews 13: 2)

Scriptures encourage us to be friends and lovers of those who are strangers to us. This duty has a great promise: “He who receives you receives Me, and he who receives Me receives Him who sent Me. He who receives a prophet in the name of a prophet shall receive a prophet’s reward. And he who receives a righteous man in the name of a righteous man shall receive a righteous man’s reward. And whoever gives one of these little ones only a cup of cold water in the name of a disciple, assuredly, I say to you, he shall by no means lose his reward” (Matthew 10: 40-42).

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Promessas Para Os Anfitriões

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Desde a história registrada, era bem conhecido que aqueles que viviam no Oriente Médio consideravam seu dever sagrado receber, alimentar, hospedar e proteger qualquer viajante que precisasse de ajuda. Os estranhos foram tratados como convidados e fortes vínculos de amizade foram estabelecidos com eles que poderiam até passar de pai para filho. No Antigo Testamento, a hospitalidade era a norma, como podemos ver no caso do sogro de Moisés que o acolheu em sua casa. Mais tarde, os gregos também consideravam a hospitalidade um dever religioso. Ambas as tradições se uniram para que, no Novo Testamento, a hospitalidade fosse adotada como dever cristão.

O homem rico na história de Lucas 16:19-25 violou seriamente a lei da hospitalidade ao não receber Lázaro e convidá-lo a comer. O Senhor explicou como o homem rico acabou condenado por sua insensibilidade e falta de atenção aos outros. No grego, o termo “hospitaleiro” (philoxenos) pode ser entendido como um amigo de estranhos (Tito 1: 8; 1 Pedro 4: 9). Estreitamente conectado com “hospitaleiro” é a palavra “hospitalidade” (philoxenia), que significa um amor para estrangeiros (Romanos 12:13; Hebreus 13: 2)

As Escrituras nos encorajam a ser amigos e amáveis para com aqueles que são estranhos para nós. Este dever tem uma grande promessa: “Quem vos recebe, a mim me recebe; e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou. Quem recebe um profeta em qualidade de profeta, receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá galardão de justo. E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão.” (Mateus 10:40-42)

Spanish blog:

Promesas para los anfitriones

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Desde que existe registro se sabe que en el medio oriente se ha considerado un deber sagrado el acoger, alimentar, alojar y proteger a todo viajero que se detenga delante del hogar. Los extraños eran tratados como huéspedes y se establecían con ellos fuertes lazos de amistad que podían incluso pasar de padres a hijos. La ley de Moisés recomendaba la hospitalidad y para los griegos también era un deber religioso. Ambas tradiciones se unieron para que en el Nuevo Testamento la hospitalidad se adoptara como un deber cristiano.

El rico de la historia de Lucas 16:19-25 violó gravemente la ley de la hospitalidad al no recibir a Lázaro e invitarlo a comer. El Señor explicó cómo el rico terminó condenado por su insensibilidad y falta de atenciones a los demás. En el griego el término “hospitalario” es philoxenos que se puede entender como amigo de los extraños; por ejemplo, en Tito 1:8; 1 Pedro 4:9. Por su parte hospitalidad es philoxenia, amor a los extraños, como en Romanos 12:13 y Hebreos 13:2. De manera que las Escrituras nos animan a que seamos amigos y amantes de quienes nos son extraños. Este deber posee una gran promesa: “El que a vosotros recibe, a mí me recibe; y el que me recibe a mí, recibe al que me envió. El que recibe a un profeta por cuanto es profeta, recompensa de profeta recibirá; y el que recibe a un justo por cuanto es justo, recompensa de justo recibirá. Y cualquiera que dé a uno de estos pequeñitos un vaso de agua fría solamente, por cuanto es discípulo, de cierto os digo que no perderá su recompensa” Mateo 10:40-42.