Fear of Being a Leader

coach_mario2016speaking

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Eugenia was one of the first cell leaders I personally trained. Eugenia did not miss any of the training meetings. At the end of the course, I announced to the new group of leaders that soon I would tell them what cell they would start leading.

A few days later Eugenia came looking for me in my small office and burst into tears. Between tears she asked me to please not give her a cell. She did not feel capable of being a leader. She cried  inconsolably, so I told her not to worry. I told her that if she thought she did not have the qualities to be a leader that I would not force her to be one. She calmed down and went away satisfied. But on the next day Eugenia came back again, crying inconsolably. She told me that she had not been able to sleep the night before. She said she felt like she had said no to God and so she was now willing to be a leader.

She received her cell and started to exercise her leadership role. The big surprise happened one Sunday. I was at the entrance of the church when I saw a bus full of guests arriving. As it stopped in front of the church, Eugenia was the first one to step down. She was full of joy and explained to me that that bus full of people were the guests of her cell. Eugenia became the first woman leader who alone took a bus full of guests to the celebration. She turned out to be an excellent leader after overcoming her personal fears. The only thing that limited her was her own fear.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Medo de Ser um Líder

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Eugenia foi uma dos primeiros líderes de célula que eu treinei pessoalmente. Eugenia não perdeu nenhuma das reuniões de treinamento. No final do curso, eu anunciei ao novo grupo de líderes que logo eu lhes diria qual célula eles iriam começar a liderar.

Poucos dias depois, Eugenia veio me procurar no meu pequeno escritório e explodiu em lágrimas. Entre lágrimas, ela me pediu para não lhe dar uma célula. Ela não se sentia capaz de ser uma líder. Ela chorou inconsolavelmente, então eu disse a ela para não se preocupar. Eu disse a ela que se ela pensou que não tinha as qualidades para ser uma líder, eu não iria forçá-la a ser uma. Ela se acalmou e saiu satisfeita. Mas no dia seguinte, Eugenia voltou, chorando inconsolavelmente mais uma vez. Ela me disse que não tinha conseguido dormir na noite anterior. Ela disse que sentiu como se tivesse dito não a Deus e por isso agora estava disposta a ser uma líder.

Ela recebeu sua célula e começou a exercer seu papel de liderança. A grande surpresa aconteceu num domingo. Eu estava na entrada da igreja quando vi um ônibus cheio de convidados chegando. Quando parou na frente da igreja, Eugenia foi a primeira a descer. Ela estava cheia de alegria e explicou-me que aquele ônibus cheio de pessoas eram os convidados de sua célula. Eugenia se tornou a primeira mulher líder que sozinha levou um ônibus cheio de convidados para o culto de celebração. Ela acabou sendo uma excelente líder depois de superar seus medos pessoais. A única coisa que a limitava era seu próprio medo.

Spanish blog:

El temor a ser líder

por Mario Vega

Eugenia fue parte de los primeros líderes de célula que capacité personalmente. Eugenia no faltó a ninguna de las reuniones de entrenamiento. Al final del curso les anuncié al nuevo grupo de líderes que próximamente les indicaría la célula que comenzarían a atender.

Unos días después Eugenia me buscó en mi pequeña oficina y se echó a llorar. Entre lágrimas me pidió que por favor no le diera una célula. Ella no se sentía capaz de ser una líder. Ella lloraba de una manera inconsolable, de manera que le dije que no se preocupara. Que si ella pensaba no tener las cualidades para ser una líder que no la obligaría a que lo fuera. Ella se tranquilizó y se retiró satisfecha. Pero, al día siguiente, Eugenia volvió a llegar otra vez llorando desconsoladamente. Ella me dijo que no había podido dormir la noche anterior. Que al decirme que no podía ser líder sintió como que era a Dios a quien le decía que no. Así que ahora sí estaba dispuesta a ser líder.

Ella recibió su célula y comenzó a ejercer su rol de lideresa. La gran sorpresa ocurrió un día domingo. Yo estaba en la entrada de la iglesia cuando vi llegar un autobús lleno de invitados. Al detenerse frente a la iglesia Eugenia fue la primera en bajar. Ella iba llena de alegría y me explicó que ese bus lleno de personas eran los invitados de su célula. Eugenia se convirtió en la primera mujer líder que llevó ella sola un autobús lleno de invitados a la celebración.

Ella resultó ser una excelente líder después de superar sus temores personales. Lo único que la limitaba era su propio temor.

The Training of New Leaders

coach_mario2016speaking

By Mario Vega, www.elim.org.sv

When a person is born again, he experiences deep gratitude for God’s work of salvation.  That gratitude is expressed in a fervent desire to serve God. In those early days, the person is ready to serve in any role out of pure gratitude. The desire to serve God is a symptom of spiritual health. When a person is ungrateful and doesn’t want to serve, often the reason is because of unconfessed sin, unsound doctrine, or not being in fellowship in the body of Christ. Whatever the cause, it is not normal for a Christian to lack desire to serve God.

Cell churches have in their favor that natural desire of believers to serve their savior. Cell leadership is a place to serve. The pastor does not need to force things. Becoming a cell leader should be presented as the natural step for every believer and not as an exceptional challenge for certain privileged people. That is why the equipping track must go from conversion to leadership. The training to become a leader should be the continuation of the training that every new believer receives.

In the church we make a distinction between member and leader,  but in the heart of the new believer there is no such difference. If becoming a leader is presented to the believer as a natural step, just like  water baptism, the person will proceed forward very naturally.  Yes, it has a lot to do with how leadership training is presented, so the more naturally it is presented, the more naturally people will proceed to become leaders. And in this way, the church will always have people willing to join the ranks of leadership.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Treinamento de Novos Líderes

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Quando uma pessoa nasce de novo, experimenta uma profunda gratidão pela obra de salvação de Deus. Essa gratidão é expressa em um fervoroso desejo de servir a Deus. Nesses primeiros dias, a pessoa está pronta para servir em qualquer papel por pura gratidão. O desejo de servir a Deus é um sintoma de saúde espiritual. Quando uma pessoa é ingrata e não quer servir, muitas vezes a razão é o pecado não confessado, doutrina errada, ou não haver companheirismo no corpo de Cristo. Qualquer que seja a causa, não é normal para um cristão a falta desejo de servir a Deus.

As igrejas em células têm em seu favor o desejo natural dos convertidos de servir ao seu salvador. A liderança celular é um lugar para servir. O pastor não precisa forçar as coisas. Tornar-se um líder de célula deve ser apresentado como o passo natural para cada crente e não como um desafio excepcional para alguns privilegiados. É por isso que o caminho para a liderança (trilho de treinamento) deve ir da conversão à liderança. O treinamento para se tornar um líder deve ser a continuação do treinamento que cada novo convertido recebe.

Na igreja fazemos uma distinção entre membro e líder, mas no coração do novo convertido não há tal diferença. Se se tornar um líder é apresentado a ele como um passo natural, assim como o batismo nas águas, a pessoa vai caminhar para alcançá-lo. Sim, tem muito a ver com a forma como o treinamento de liderança é apresentado, portanto, quanto mais naturalmente for apresentado, mais naturalmente as pessoas se tornarão líderes. E desta forma, a igreja sempre terá pessoas dispostas a juntarem-se às posições da liderança.

Spanish blog:

El entrenamiento de nuevos líderes

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Cuando una persona nace de nuevo experimenta profundo agradecimiento por la obra de salvación recibida. Esa gratitud se expresa en un deseo ferviente de servir a Dios. No importa cuál sea el rol en el que se le sirva, lo importante es hacerlo. Es un síntoma de salud espiritual el deseo de servir a Dios. Aquellas personas que no lo experimentan es porque algo está mal en sus vidas. Pudiera ser un pecado no confesado, el no poseer una sana doctrina o no gozar de la comunión con los hermanos. Cualquiera sea la causa, no es normal que un cristiano no posea el deseo de servir a Dios.

Las iglesias celulares tienen a su favor ese deseo natural de los creyentes por servir a su salvador. El liderazgo celular es un espacio de servicio, consecuentemente, el pastor no necesita forzar las cosas. El llegar a ser líder de célula debe ser presentado como el paso natural de todo creyente y no como un desafío excepcional para algunos privilegiados. Es por eso que la ruta del líder debe ir desde la conversión hasta el liderazgo. El entrenamiento para ser líder debe ser la continuación de la formación que todo nuevo creyente recibe.

Es dentro de la iglesia donde se hace diferencia entre miembro y líder. Pero, en el corazón del nuevo creyente no existe esa diferencia. Si el ser líder se le presenta como un paso natural, al igual que el bautismo en agua, la persona procederá a darlo. Tiene mucho que ver la manera cómo se presenta el entrenamiento para líderes. Mientras más naturalmente se presente más naturalmente las personas procederán a convertirse en líderes. De esa manera, la iglesia siempre tendrá personas dispuestas a alistarse en las filas del liderazgo.

The Cell Church Philosophy

coach_mario2016speaking

By Mario Vega, www.elim.org.sv

In contrast to traditional churches where believers have a passive and consumer role, cell churches are committed to helping each member become actively involved  both the cell and the celebration. The believer is seen as one who should take care of his brothers and dedicates himself to encourage them by his example so that they take on leading roles. The nature of the cell church is that everyone participates. Each one develops his or her own gift for the edification of the body. So being a cell church implies an essential change in the philosophy of how one understands being a church and the role that corresponds to each believer. In essence, it is the transition from a priestly system to an evangelical one. That is, to move from a theological model where the pastor is a mediator between God and the congregation to a model in which each person goes directly to God without the need of a mediator and sees himself responsible for caring for his brothers.

The issue is not only about adopting a working methodology with cells but to make a change of mentality regarding how the church is understood and the role of each one of the members. The change should not only take place in the pastor but also in the congregation.  The pastor needs to formulate the  values, open spaces of participation, delegate to others, and then encourage those who are already ministering.  As the pastor succeeds in transferring the new philosophy to his members, he will succeed in multiplying disciples who assume leadership responsibilities.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Filosofia da Igreja em Células

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Em contraste com as igrejas tradicionais onde os crentes têm um papel passivo e consumidor, as igrejas em células estão empenhadas em ajudar cada membro a se envolver ativamente tanto na célula como no culto de celebração. O crente é visto como alguém que deve cuidar de seus irmãos e se dedica a incentivá-los pelo seu exemplo para que assumam papéis de liderança. A natureza da igreja em células é que todos participam. Cada um desenvolve seu próprio dom para a edificação do Corpo. Portanto, ser uma igreja celular implica uma mudança essencial na filosofia de como se entende ser uma igreja e o papel que corresponde a cada crente. Em essência, é a transição de um sistema sacerdotal para um evangélico. Ou seja, passar de um modelo teológico onde o pastor é um mediador entre Deus e a congregação para um modelo em que cada pessoa vai diretamente a Deus sem a necessidade de um mediador e é ele próprio responsável por cuidar de seus irmãos.

A questão não é apenas adotar uma metodologia de trabalho com células, mas fazer uma mudança de mentalidade sobre como a igreja é compreendida e o papel de cada um dos membros. A mudança não deve acontecer apenas com o pastor, mas ele deve transferí-la para a congregação através da pregação e do ensino. O pastor precisa formular os valores, abrir espaços de participação, delegar a outros e, então, incentivar aqueles que já estão ministrando. Conforme o pastor consegue transferir a nova filosofia para seus membros, ele terá sucesso na multiplicação de discípulos que assumem responsabilidades de liderança. Trata-se de mudar a maneira como o Cristianismo é compreendido.

Spanish blog:

La filosofía de la iglesia celular

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Contrario a las iglesias tradicionales donde los creyentes poseen un rol pasivo y de consumidores, las iglesias celulares se empeñan en que cada miembro se involucre activamente en responsabilidades tanto en la celebración como en las casas. El creyente es visto como alguien que debe tomar cuidado de sus hermanos y se decida a animarlos con su ejemplo para que asuman roles protagónicos.

La naturaleza de la iglesia celular es la de una amplia participación de sus miembros. Cada uno desarrolla su propio don para edificación del cuerpo. De manera que ser una iglesia celular implica un cambio esencial en la filosofía de cómo se entiende el ser iglesia y el papel que le corresponde a cada creyente. En el fondo, se trata del paso de un sistema sacerdotalista a uno evangélico. Es decir, pasar de un modelo teológico en donde el pastor es un mediador entre Dios y la congregación a un modelo en el cual cada persona va directamente a Dios sin necesidad de mediador y se ve responsable por cuidar de sus hermanos.

Como puede verse, el asunto no es solamente de adoptar una metodología de trabajo con células sino de realizar un cambio de mentalidad con respecto a cómo se entiende la iglesia y el papel de cada uno de los miembros. El cambio no solamente debe darse en el pastor sino que éste debe trasladarlo a la congregación con sus enseñanzas, la formulación de valores, el abrir espacios de participación, la delegación y el ánimo a los que ya trabajan. En la medida que el pastor tenga éxito en trasladar la nueva filosofía a sus miembros, tendrá éxito en multiplicar discípulos que asuman responsabilidades de liderazgo. Es cambiar la manera cómo se entiende el cristianismo.

Learning from History

coach_mario2016speaking

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The passage from 1 Corinthians 14: 26-33 is a true window through time that allows us to see how the first Christians held their meetings. We read, “How is it then, brethren? Whenever you come together, each of you has a psalm, has a teaching, has a tongue, has a revelation, has an interpretation. Let all things be done for edification.  If anyone speaks in a tongue, let there be two or at the most three, each in turn, and let one interpret. But if there is no interpreter, let him keep silent in church, and let him speak to himself and to God. Let two or three prophets speak, and let the others judge.  But if anything is revealed to another who sits by, let the first keep silent. For you can all prophesy one by one, that all may learn and all may be encouraged. And the spirits of the prophets are subject to the prophets. For God is not the author of confusion but of peace. ”

The mention of the “church” in this passage is often interpreted as a service in a building. But we must remember that the early church did not have such buildings and that what was called “church” were the meetings in the houses. We have in this passage a description of the primitive cells. It is clear that all the attendees could participate. Notice the expressions “each one of you” and “one by one”.  We also need to remember that each person in the house church had different gifts: revelation, interpretation and prophecy. Each member participated in the meetings with his or her own gift (s).

Even though each had a different gift, there was no conflict within the cell. Everything was done without confusion and in peace. Each member with his gift submitted to the others to achieve the greater purpose of edifying each other. These lessons from history teach us that in the cell we must encourage the participation of each member with his or her own gift. This is how people will be edified and grow spiritually.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo com a História

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

A passagem de 1 Coríntios 14:26-33 é uma verdadeira janela através do tempo que nos permite ver como os primeiros cristãos realizavam suas reuniões. Nós lemos: “Portanto, que diremos, irmãos? Quando vocês se reúnem, cada um de vocês tem um salmo, ou uma palavra de instrução, uma revelação, uma palavra em língua ou uma interpretação. Tudo seja feito para a edificação da igreja. Se, porém, alguém falar em língua, devem falar dois, no máximo três, e alguém deve interpretar. Se não houver intérprete, fique calado na igreja, falando consigo mesmo e com Deus. Tratando-se de profetas, falem dois ou três, e os outros julguem cuidadosamente o que foi dito. Se vier uma revelação a alguém que está sentado, cale-se o primeiro. Pois vocês todos podem profetizar, cada um por sua vez, de forma que todos sejam instruídos e encorajados. Os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Pois Deus não é Deus de desordem, mas de paz”.

A menção da “igreja” nesta passagem é muitas vezes interpretada como um culto em um prédio. Mas devemos lembrar que a Igreja Primitiva não tinha tais edifícios e que o que se chamava “igreja” eram as reuniões nas casas. Nós temos nessa passagem uma descrição das células primitivas. Está claro que todos os participantes podiam participar. Observe as expressões “cada um de vocês” e “um por um”. Também precisamos lembrar que cada pessoa na igreja doméstica tinha dons diferentes: revelação, interpretação e profecia. Cada membro participava das reuniões com o seu próprio dom.

Mesmo que cada um tivesse um dom diferente, não havia conflito dentro da célula. Tudo era feito sem confusão e em paz. Cada membro com seu dom se submetia aos outros para alcançarem o propósito maior de edificar uns aos outros. Essas lições da História nos ensinam que na célula devemos incentivar a participação de cada membro com seu próprio dom. É assim que as pessoas serão edificadas e crescerão espiritualmente.

Spanish blog:

Ventana en el tiempo

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

El pasaje de 1 Corintios 14:26-33 es una auténtica ventana en el tiempo que nos permite observar cómo los primeros cristianos realizaban sus reuniones en las casas: “¿Qué hay, pues, hermanos? Cuando os reunís, cada uno de vosotros tiene salmo, tiene doctrina, tiene lengua, tiene revelación, tiene interpretación. Hágase todo para edificación. Si habla alguno en lengua extraña, sea esto por dos, o a lo más tres, y por turno; y uno interprete. Y si no hay intérprete, calle en la iglesia, y hable para sí mismo y para Dios. Asimismo, los profetas hablen dos o tres, y los demás juzguen. Y si algo le fuere revelado a otro que estuviere sentado, calle el primero. Porque podéis profetizar todos uno por uno, para que todos aprendan, y todos sean exhortados. Y los espíritus de los profetas están sujetos a los profetas; pues Dios no es Dios de confusión, sino de paz.”

La mención que en ese pasaje se hace de la “iglesia” nos hace pensar en nuestros cultos en los edificios de nuestras congregaciones. Pero, debemos recordar que la iglesia primitiva no tenía tales edificios y que lo que se llamaba “iglesia” eran las reuniones en las casas. Tenemos en ese pasaje una descripción de las células primitivas. Es muy notorio que todos los asistentes tenían una participación, note las expresiones “cada uno de vosotros” y “todos uno por uno”. Otro elemento que hay que notar es que cada uno tenía dones diferentes: revelación, interpretación y profecía. Cada miembro participaba de la reunión con su don propio.

Además, hay que notar que a pesar de que cada uno tenía un don diferente, no había conflicto dentro de la célula. Todo se hacía sin confusión y en paz. Cada miembro con su don encajaba con los demás para lograr el gran fin de edificarse mutuamente. Esta visión a través de la ventana temporal de este pasaje nos enseña que en la célula se debe propiciar la participación de cada miembro con su don. Es la manera cómo las personas serán edificadas y tendrán salud espiritual.

The Control Trap

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

One of our pastors in an Elim branch church from abroad took control of all the activities that were carried on in his congregation. He was in charge of the worship, then continued with the preaching, then collected the offering, then dismissed the brethren, and even provided counseling to those in need. When I asked him why he did this, he answered that he had to, because there was no one else in the church that could do these things as well as he could. He felt that in order to ensure that things were flowing properly, it was better for him to assume the responsibilities. This continued for many years and finally his healthy collapsed. He ended up in the hospital suffering from various diseases.

He had been the victim of his own trap. It was true that there were few people in his church who could do things as well as he could, but this was primarily because he had not created the environment for people to learn and grow. In his desire for control and perfection, he didn’t provide the opportunities for people to effectively develop the work of the ministry. The people settled in and became passive participants until the pastor had to pay with a high price on his health.

The same thing can happen in a cell when the leader does not allow the members to develop and grow as disciples through active participation. Things will not be done perfectly in the beginning, but we should only remember that this is the path we have all traveled at some point. If people who helped us had not given us the opportunity to try, fail, and try again, we would never have learned. It is essential to provide opportunities for people so that we can generate new disciples that, in turn, will generate new cells.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Armadilha do Controle

Por Mario Vega,  www.elim.org.sv

Um de nossos pastores em uma igreja braço da Elim no exterior tomou o controle de todas as atividades que eram realizadas em sua congregação. Ele era encarregado da adoração, então continuou com a pregação, depois coletava as ofertas, dispensava os irmãos e até mesmo fornecia aconselhamento aos necessitados. Quando eu perguntei por que ele fez isso, ele respondeu que tinha que fazê-lo, porque não havia ninguém na igreja que pudesse fazer essas coisas tão bem quanto ele. Ele achava que, para garantir que as coisas fluíssem corretamente, era melhor que ele assumisse as responsabilidades. Isso continuou por muitos anos e, finalmente, sua saúde desmoronou. Ele acabou no hospital sofrendo de várias doenças.

Ele foi vítima de sua própria armadilha. É verdade que havia poucas pessoas em sua igreja que pudessem fazer as coisas tão bem quanto ele, mas isso aconteceu principalmente porque ele não criou o ambiente para que as pessoas aprendessem e crescessem. Em seu desejo de controle e perfeição, ele não forneceu as oportunidades para que as pessoas efetivamente desenvolvessem o trabalho do ministério. As pessoas se acomodaram e se tornaram participantes passivos até que o pastor teve que pagar com um alto preço em sua saúde.

A mesma coisa pode acontecer em uma célula quando o líder não permite que os membros se desenvolvam e cresçam como discípulos através da participação ativa. As coisas não serão feitas perfeitamente no começo, mas nós devemos somente recordar que este é o caminho pelo qual todos nós passamos em algum momento. Se as pessoas que nos ajudaram não nos dessem a oportunidade de tentar, fracassar e tentar novamente, nunca teríamos aprendido. É essencial proporcionar oportunidades às pessoas para que possamos gerar novos discípulos que, por sua vez, irão gerar novas células.

Spanish blog:

La Trampa del Control

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Uno de nuestros pastores en una iglesia filial de Elim del extranjero tomó control de todas las actividades que se realizaban en su naciente congregación. Él se encargaba de la adoración, luego seguía con la predicación, luego colectaba la ofrenda, luego despedía a los hermanos y brindaba consejería a quienes lo necesitaban. Cuando le pregunté por qué lo hacía de esa manera me respondió que porque no había en la iglesia alguien que hiciera esas cosas bien. Que para asegurar que las cosas marcharan correctamente era mejor que él asumiera las responsabilidades. Así continuó durante algunos años hasta que su salud colapsó. Terminó en el hospital aquejado de diversas enfermedades.

Él había sido víctima de su propia trampa. Era cierto que no había en su iglesia personas que hicieran las cosas correctamente, pero porque él mismo no había creado el espacio para que las personas aprendieran. En su deseo de control y perfección cerró las oportunidades a las personas para que pudieran desarrollar con eficacia la obra del ministerio. Las personas se acomodaron y se volvieron participantes pasivos hasta que el pastor tuvo que pagar con un alto precio en su salud.

Lo mismo puede ocurrir en una célula cuando el líder no permite a sus miembros desarrollar funciones importantes del programa. Las cosas no serán hechas de manera perfecta al principio, pero solo debemos recordar que es el camino que todos hemos transitado en algún momento. Si no nos hubieran dado la oportunidad de comenzar, nunca hubiéramos aprendido. Es esencial abrir el espacio para la participación de los miembros de la célula si esperamos generar nuevos discípulos que, a su vez, generarán nuevas células.

Goals for the New Year

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

The beginning of a new year is the usual time to set goals for cell ministry. Just like New Year’s resolutions, many churches set goals for growth and new leaders. But setting goals is only part of the process. When goals are emphasized excessively, there is a risk of thinking that they will be achieved by the mere fact of establishing them. But the truth is that achieving goals involves developing habits and procedures that make it possible to fulfill them. Habits include such things as making disciples as a fundamental element.

The procedures have to do with the cell work methodology that responds to defined principles, which are those that are continuously exposed, for example, through Joel Comiskey Group.

If those habits and procedures are not consistently applied, setting goals will not give the expected results, no matter how sincerely you put them in place. According to experts, 95% of people set aside their New Year’s resolutions around January 15. Similarly, cell work goals can be abandoned very early in the year. The less a church is living the New Testament lifestyle of making new disciples, the harder it will be for them to reach their goals. Even more difficult if the only thing.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Metas do Ano Novo

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

O começo de um novo ano é o momento usual para estabelecer metas para o ministério celular. Assim como as resoluções do Ano Novo, muitas igrejas estabelecem metas para crescimento e novos líderes. Mas estabelecer metas é apenas parte do processo. Quando metas são enfatizadas excessivamente, há o risco de pensar que elas serão atingidas pelo mero fato de serem estabelecidas. Mas a verdade é que alcançar metas envolve desenvolver hábitos e procedimentos que tornam possível cumpri-las. Os hábitos incluem coisas como fazer discípulos como um elemento fundamental. Os procedimentos têm a ver com a metodologia do trabalho celular que responde a princípios definidos, que são aqueles que estão continuamente expostos, por exemplo, através do Grupo Joel Comiskey.

Se esses hábitos e procedimentos não são consistentemente aplicados, estabelecer metas não dará os resultados esperados, não importa quão sinceramente você colocá-los no lugar. De acordo com especialistas, 95% das pessoas deixam de lado suas resoluções de Novo Ano por volta do dia 15 de janeiro. Igualmente, metas do trabalho celular podem ser abandonadas bem cedo no ano. Quanto menos uma igreja está vivendo o estilo de vida do Novo Testamento de fazer novos discípulos, mais difícil será para elas alcançarem suas metas. Mais difícil ainda se a única coisa que é enfatizada é a própria meta, isolada de outros princípios e valores. É apenas quando as metas são parte de um esforço integral de fazer novos discípulos que elas se tornam significantes e alcançam a probabilidade de serem cumpridas.

Spanish blog:

Las metas de principio de año

por Mario Vega

El inicio de un nuevo año es el tiempo usual para establecer nuevas metas en el trabajo celular. Al lado de los propósitos de año nuevo, muchas iglesias establecen sus metas de crecimiento junto a sus líderes. Pero el establecer metas es solamente parte del proceso para tener logros. Cuando las metas se colocan en primer lugar y se enfatizan excesivamente, se corre el riesgo de pensar que se alcanzarán por el sólo hecho de establecerlas. Pero la verdad es que alcanzar metas implica desarrollar hábitos y procedimientos que hagan posible cumplirlas. Los hábitos incluyen cosas tales como el hacer discípulos como elemento fundamental. Los procedimientos tienen que ver con la metodología del trabajo celular que responde a principios definidos, los cuales, son los que continuamente se exponen, por ejemplo, a través de Joel Comiskey Group.

Si esos hábitos y procedimientos no se aplican consistentemente, el fijar metas no dará los resultados que se esperan, por mucha sinceridad que se coloque al establecerlas. Según los expertos, el 95% de las personas dejan de lado sus propósitos de año nuevo alrededor del 15 de enero. De igual manera, las metas del trabajo celular pueden ser abandonadas muy pronto en el año. Mientras menos una iglesia tenga como estilo de vida el hacer nuevos discípulos, más difícil será que alcance sus metas. Aún más difícil si lo único que se enfatiza es la meta en sí, aislada de los otros aspectos. Solamente cuando las metas son parte de un esfuerzo integral de hacer nuevos discípulos es cuando ellas cobran sentido y alcanzan la probabilidad de ser cumplidas.

Encouraging cell leaders

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

Discouragement has no relation to spirituality. Even the most spiritual people can experience mood swings. We have no doubt about Elijah’s spirituality; however, he suffered a depression that led him to wish his own death. And this happened just after making fire come down from the sky. Sometimes  discouragement can come after a great victory.

In his search for death, the Lord revealed himself to Elijah, showing him that he was not alone. There were another seven thousand who remained faithful to the Lord. However, Elijah knew nothing about them. The prophet had not received a word of encouragement from any of those seven thousand. They probably thought Elijah did not need them. But, Elijah was as human as anyone and needed the encouragement we owe to each other.

History shows us how important it is to encourage people, which can make the difference between passionate dedication and discouragement. A person who is not encouraged can reach a situation of spiritual and emotional depression. A few words of encouragement, sincere thankfulness, a pat on the shoulder, an expression of appreciation can do a lot of good to cell leaders.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Encorajando os Líderes de Célula

Por Mario Vega

O desânimo não tem relação com a espiritualidade. Mesmo as pessoas mais espirituais podem experimentar mudanças de humor. Nós não temos dúvidas sobre a espiritualidade de Elias. Entretanto, ele sofreu uma depressão que o levou a desejar sua própria morte. E isso aconteceu logo depois de fazer fogo descer do céu. Às vezes o desânimo pode vir depois de uma grande vitória.

Em sua busca pela morte, o Senhor revelou-se a Elias, mostrando-lhe que ele não estava sozinho. Havia outros sete mil que permaneceram fiéis ao Senhor. Contudo, Elias não sabia nada sobre eles. O profeta não recebeu palavra alguma de encorajamento de nenhum desses sete mil. Eles provavelmente pensavam que Elias não precisava deles. Todavia, Elias era tão humano como qualquer Pietra pessoa e precisava do estímulo que devemos dar uns aos outros.

A história nos mostra como é importante encorajar as pessoas, o que pode fazer a diferença entre a dedicação apaixonada e o desânimo. Uma pessoa que não é encorajada pode atingir uma situação de depressão espiritual e emocional. Algumas palavras de encorajamento, agradecimento sincero, um tapinha no ombro e uma expressão de apreciação pode fazer muito bem para os líderes de célula.

Spanish blog:

Alentando a los líderes de células

por Mario Vega, www.elim.org.sv

El desánimo no tiene relación con la espiritualidad. Aún las personas más espirituales pueden experimentar caídas de ánimo. No tenemos dudas de la espiritualidad de Elías; no obstante, él sufrió una depresión que le llevó a desear la muerte. Eso ocurrió justo después de hacer descender fuego del cielo; algunas veces el desánimo puede llegar después de una gran victoria.

En su búsqueda de la muerte, el Señor se reveló a él  y le dijo que no estaba solo. Había otros siete mil que seguían siendo fieles al Señor. No obstante, Elías no sabía nada de ellos. El profeta no había recibido una palabra de aliento de ninguno de esos siete mil. Probablemente ellos pensaban que Elías no las necesitaba. Pero, Elías era tan humano como cualquiera y necesitaba el aliento que nos debemos los unos a los otros.

La historia nos muestra lo importante que es el alentar a las personas, eso puede hacer la diferencia entre la dedicación apasionada y el desánimo. Una persona que no es alentada puede llegar a una situación de depresión espiritual y emocional. Unas pocas palabras de aliento, un agradecimiento sincero, unas palmadas al hombro, una expresión de aprecio pueden hacer mucho bien a los líderes de célula.

God’s Work in the Cell

coach_mario2016speakingBy Mario Vega, www.elim.org.sv

The order of the cell meeting varies from church to church. The purpose of the order is to combine elements such as welcoming, worship, the word and testimony. But within those four great elements there is flexibility so that the Spirit of God can take control at any time.

I remember one of the first house meetings we held. I was facilitating the meeting. A sister began sharing about a serious health problem that prevented her from attending the celebration. As we listened to the description of her grievous illness, an elderly brother suddenly interrupted and authoritatively asked us to join hands to pray. He did not ask for permission and did not even look at me to do that action. But we all held hands and he directed the prayer. At the end, this sister had a glow on her face. She was renewed and very happy because she felt so much better.

At the next worship service this sister appeared in the building and never missed any more services. She became one of the church ‘s deaconesses. No doubt she had been supernaturally healed. That type of unplanned event is the Spirit’s work, and we need to allow him to work in the cell. Remember the gifts of Holy Spirit are bestowed upon His people and he wants to manifest his presence and power in the cell. That balance between following a cell order and space for the Spirit is the what we need to pursue in the cell.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O trabalho de Deus na Célula

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

A organização da reunião celular varia de igreja para igreja. O propósito da organização é combinar elementos como recepção, a adoração, a palavra e o testemunho. Mas dentro desses quatro grandes elementos há flexibilidade para que o Espírito de Deus possa assumir o controle a qualquer momento.

Lembro-me de uma das primeiras células que realizamos. Eu estava facilitando a reunião. Uma irmã começou a compartilhar sobre um grave problema de saúde que a impediu de participar do culto de celebração. Enquanto escutávamos a descrição de sua doença grave, um irmão idoso, de repente, a interrompeu e. com autoridade, pediu para darmos as mãos para orar. Ele não pediu permissão e nem sequer me olhou para fazer aquela ação. Mas todos nós seguramos as mãos e ele dirigiu a oração. No final, essa irmã tinha um brilho no rosto. Ela estava renovada e muito feliz porque se sentia muito melhor.

No culto seguinte, esta irmã foi á igreja e nunca mais perdeu nenhum culto. Ela se tornou uma diaconisa da igreja. Sem dúvida, ela tinha sido curada de maneira sobrenatural. Esse tipo de evento não planejado é trabalho do Espírito, e precisamos permitir que Ele trabalhe na célula. Lembre-se de que os dons do Espírito Santo são concedidos ao Seu povo, e Ele quer manifestar sua presença e poder na célula. Esse equilíbrio entre seguir uma ordem da célula e dar espaço para o Espírito é o que precisamos buscar na célula.

Spanish blog:

El programa y la acción del Espíritu en la célula

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Existe un programa a desarrollar en la célula. Éste puede variar de iglesia a iglesia. El propósito del programa es combinar los elementos de bienvenida, adoración, palabra y testimonio. Pero dentro de esos cuatro grandes elementos existe flexibilidad para que el Espíritu de Dios pueda tomar el control en el momento que lo desee.

Recuerdo una de las primeras reuniones en casa que realizamos. Yo me encontraba facilitando la reunión. Una hermana comenzó a compartir sobre un problema grave de salud que le impedía asistir a la celebración. Mientras escuchábamos su descripción de su penosa enfermedad, un hermano ya anciano, de repente interrumpió y autoritariamente nos pidió que nos tomáramos de las manos para orar. Él no pidió ningún permiso y ni siquiera me volteó a ver al hacer esa acción. Pero, todos nos tomamos de las manos y él dirigió la oración. Al finalizar, la hermana tenía un brillo en su rostro. Estaba renovada y muy feliz porque decía que ella se sentía completamente bien.

En el siguiente culto de celebración la hermana apareció en el edificio y no volvió a faltar más. Llegó a ser una de las diaconisas de la iglesia. Sin duda que había sido sanada sobrenaturalmente. Ese tipo de evento no planeado responde al ejercicio de los dones que el Espíritu Santo ha otorgado a su pueblo. Esa combinación entre programa y espacio para el Espíritu es el que debe procurarse en la célula.

The Early Cells were Dynamic

coach_mario2016speaking

by Mario Vega, www.elim.org.sv

In the New Testament we find several descriptions of the meetings of the first Christians. We tend to read those passages from our twenty-first century perspective. But that is an interpretation error. We must remember that the early church had no permanent buildings.

Rather, they met in the houses. So the passages that speak of church meetings are actually descriptions of meetings in the houses, that is, what we now call cells.

Through that context and window in time we can understand passages like,  “Whenever you come together, each of you has a psalm, has a teaching, has a tongue, has a revelation, has an interpretation. Let all things be done for edification” (1 Cor. 14:26). We can observe the following characteristics:

  1. The house meeting was highly dynamic. It had highly varied components such as singing, teaching, and the exercise of the gifts of the Spirit.
  1. Everyone participated. “Each of you” speaks of each person in the home meeting. Not only some but each and every one.
  1. Each one contributed with his specific gift (tongues, revelation, interpretation, etc.).
  1. There was a common interest: to edify. “Let all things be done for edification.”

This is one of several New Testament passages that show us what a house meeting looked like.  Building up each person was central, even though were many elements to the meeting. Let’s make our cells similar.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

As Primeiras Células eram Dinâmicas

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

No Novo Testamento nós encontramos diversas descrições das reuniões dos primeiros cristãos. Nós temos a tendência de ler essa passagem da nossa perspectiva de século 21. Mas isso é um erro de interpretação. Devemos lembrar que a igreja primitiva não tinha construções permanentes.
Pelo contrário, eles se reuniam nas casas. Sendo assim, as passagens que falam de reuniões da igreja são na verdade descrições de reuniões nas casas, isto é, o que agora chamamos de células.

Nesse contexto, e na visão dessa janela no tempo, podemos entender passagens como, “Sempre que vocês se reunirem, cada um de vocês tenha um salmo, tenha um ensino, tenha uma língua, tenha uma revelação, tenha uma interpretação. Tudo seja feito para edificação ” (1 Coríntios 14:26). Podemos observar as seguintes características:

1. A célula era muito dinâmica. Nela tinha componentes muito variados, tais como o canto, o ensino e o exercício dos dons do Espírito.

2. Todos participavam. “Cada um de vocês” fala de cada pessoa na célula. Não apenas alguns, mas todos e cada um.

3. Cada um contribuía com seu dom específico (línguas, revelação, interpretação, etc.)

4. Havia um interesse comum: edificar. “Tudo seja feito para edificação”.

Esta é uma das várias passagens do Novo Testamento que nos mostra como era uma reunião em casa. Edificar cada pessoa era o principal, mesmo que fossem muitos elementos para uma reunião. Vamos fazer nossas células semelhantes.

Spanish blog:

Las células primitivas

por Mario Vega, www.elim.org.sv

En el Nuevo Testamento se encuentran varias descripciones de las reuniones de los primeros cristianos. Nosotros tenemos la tendencia a leer esos pasajes desde nuestra perspectiva del siglo veintiuno. Pero ese es un error de interpretación. Debemos recordar que la iglesia primitiva no tuvo locales para el culto sino que se reunían en las casas. De manera que los pasajes que hablan de las reuniones de la iglesia son, en realidad, descripciones de las reuniones en las casas, es decir, lo que hoy llamamos células.

A través de esa ventana en el tiempo podemos asomarnos y observar una de las descripciones de esas células primitivas: “Cuando os reunís, cada uno de vosotros tiene salmo, tiene doctrina, tiene lengua, tiene revelación, tiene interpretación. Hágase todo para edificación” (1 Co. 14:26). Podemos observar las siguientes características:

  • La reunión en casa era altamente dinámica. Poseía componente muy variados como el canto, la enseñanza, el ejercicio de los dones del Espíritu.
  • Todos participaban. “Cada uno de vosotros” habla de cada persona en la reunión en casa. No solo de unos sino de cada uno.
  • Cada quien aportaba desde su don específico. Con lengua, con revelación, con interpretación.
  • Había un interés común: edificarse. “Hágase todo para edificación.

Este es uno de varios pasajes del Nuevo Testamento que nos muestra el modelo de lo que debe ser una reunión en casa. La edificación estaba asegurada con tantos elementos que se conjugaban. Hagamos de nuestras células reuniones similares.

Mutual Edification

coach_mario2016speaking

by Mario Vega, www.elim.org.sv

Returning to the pages of the New Testament we find a very different image of the Christian church we know today. It is very noticeable that the life of the early Christians was quite active. We often find the phrase “one another”. For example, that we should love “one another” (John 13:34) and there are at least eleven verses that repeat the phrase. It also talks to us about encouraging one another (Romans 1:12), about being devoted to one another (Romans 12: 10-11), accepting one another (Romans 15: 7), admonishing one another (Romans 15:14), serving one another (Galatians 5: 13-14), bearing with one another (Ephesians 4: 2), helping one another (Ephesians 4:16) forgiving one another (Ephesians 4:32), submitting to one another (Ephesians 5: 21-22), bearing and forgiving one another (Colossians 3:13), teaching and admonishing one another (Colossians 3:16), encouraging each other (1 Thessalonians 4:18), and so on.

We see that many of the tasks that today are reserved for pastors were exercised by all believers and in a mutual way by the early Christians. The exercise of this ministry of one another occurred in the privacy of home meetings. The close relations were harnessed to build each other up. Thus, the body of Christ was edified and the church grew in gifts and grace. The cell church model provides the church with adequate space to exercise those functions that are clearly mentioned in the New Testament. These were always there; it is the church who forgot to put them into practice.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Edificação Mútua

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Voltando às páginas do Novo Testamento, encontramos uma imagem muito diferente da igreja cristã que conhecemos hoje. É muito perceptível que a vida dos primeiros cristãos foi bastante ativa. Muitas vezes encontramos a frase “uns aos outros”. Por exemplo, que nós devemos amar “uns aos outros” (João 13:34) e há pelo menos onze versículos que repetem essa frase. Ela também nos fala sobre encorajar uns aos outros (Romanos 1:12); sobre sermos dedicados uns cons os outros (Romanos 12:10-11), aceitar uns aos outros (Romanos 15:7), aconselhar uns aos outros (Romanos 15:14), servir uns aos outros (Gálatas 5:13-14), suportar uns aos outros (Efésios 4:2), ajudar uns aos outros (Efésios 4:16), perdoar uns aos outros (Efésios 4:32), sujeitar uns aos outros (Efésios 5:21-22), suportar e perdoar uns aos outros (Colossenses 3:13), ensinar e admoestar uns aos outros (Colossenses 3:16)  encorajar uns aos outros (1 Tessalonicenses 4:18) e assim por diante.

Vemos que muitas das tarefas que hoje são reservadas aos pastores foram exercidas por todos os crentes e de maneira mútua pelos primeiros cristãos.  O atividade deste ministério um com o outro aconteceu na privacidade das reuniões domésticas. As relações íntimas foram aproveitadas para construir umas às outras. Assim, o corpo de Cristo foi edificado e a igreja cresceu em dons e graça. O modelo de igreja em células fornece à igreja espaço suficiente para exercer as funções que são claramente mencionadas no Novo Testamento. Eles sempre estiveram lá; a a igreja é que esqueceu de pô-los em prática.

Spanish blog:

La edificación mutua

por Mario Vega, www.elim.org.sv

Al volver a las páginas del Nuevo Testamento encontramos una imagen de la iglesia cristiana bastante diferente a la que conocemos hoy en día. Es muy notorio que la vida de los primeros cristianos era bastante activa. Con frecuencia encontramos la expresión “los unos a los otros”. Por ejemplo, que debemos amarnos “los unos a los otros” (Juan 13:34) y hay, al menos, otros once versículos que repiten la frase. También se nos habla de confortarse los unos a los otros (Romanos 1:12), preferirse los unos a los otros (Romanos 12:10-11), recibirse los unos a los otros (Romanos 15:7), amonestarse los unos a los otros (Romanos 15:14), servirse los unos a los otros (Gálatas 5:13-14), soportarse los unos a los otros (Efesios 4:2), ayudarse los unos a los otros (Efesios 4:16), perdonarse los unos a los otros (Efesios 4:32), someterse los unos a los otros (Efesios 5:21-22), soportarse los unos a los otros (Colosenses 3:13), exhortarse los unos a los otros (Colosenses 3:16), alentarse los unos a los otros (1 Tesalonicenses 4:18), animarse los unos a los otros (1 Tesalonicenses 5:11) y un largo etcétera.

Vemos que varias de las tareas que hoy se reservan para los pastores eran ejercidas por todos los creyentes y de manera mutua por los primeros cristianos. El ejercicio de este ministerio de los unos a los otros se daba en la intimidad de las reuniones en las casas. La cercanía en las relaciones era aprovechada para edificarse mutuamente. De esa manera, el cuerpo de Cristo era edificado y la iglesia crecía en dones y gracia. El modelo celular proporciona a la iglesia el espacio adecuado para ejercer esas funciones que están claramente mencionadas en el Nuevo Testamento. Siempre estuvieron allí, es la iglesia quien olvidó llevarlas a la práctica.