Right Motivation Takes You To The End

Alvaro Cesar Ramirez , Senior Pastor at Comunidade Batista da Restauração, Belo Horizonte, Brazil, www.cbrd.com.br;  www.leaodatribodejuda.com

I have seen some anointed skillful pastors give up on cell church ministry because of wrong motivations. When the motivation is not correct, passion and vision leaks too fast. Some pastors want to do cell ministry because their motivation is to have a big church. They will eventually quit and give up! When problems come, they won’t persevere.

Fulfilling the great commission requires the right motivation. Making disciples and focusing on a harvest of souls should be the fuel for any pastor who wants to do cell ministry. Otherwise the challenges along the way will be too much.

Persistence and passion walk hand in hand. Doing cell ministry requires  a lot of persistence, mainly in the first years of transitioning. Until members understand that cell church is a life style, the lead pastor will frequently have to review the principles of cell church ministry, and this requires persistence.

Often fruit doesn’t come right away. Sometimes growth is not what was expected and other times key members simply don’t embrace the vision. Persistence must run in the veins of the lead pastor.

It is vital for the lead pastor not to skip any of the steps when transitioning. In Exodus 13:17 The Lord did not take the people along the shorter way because it was closer. Rather God chose the longer route. Short-cuts are an enemy of cell church ministry. Trying to make the way shorter, in order to get faster results, is never the right choice. If the heart of the lead pastor is only about “results,” he will eventually give up. Persistence is about taking the long way. It is about working on the hearts of the members until they all understand that is about making disciples who will make other disciples.

It has been five years since we started  transitioning our church to cell ministry, and we now have 122 cells. I still struggle with passing on the vision, and some leaders sometimes want to give up. But  one thing I have really understood, “The Right Motivation Will Lead You to the End!”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Motivação Certa Leva Você Até o Fim

Alvaro Cesar Ramirez, Pastor Sênior da Comunidade Batista da Restauração, Belo Horizonte, Brasil, www.cbrd.com.brwww.leaodatribodejuda.com

Eu tenho visto alguns pastores habilidosos ungidos desistirem do ministério da igreja celular devido a motivações erradas. Quando a motivação não é correta, a paixão e a visão escapam muito rápido. Alguns pastores querem fazer o ministério celular porque a sua motivação é ter uma grande igreja. Eles acabarão por largar e desistir! Quando surgirem problemas, eles não perseverarão.

Cumprir a grande comissão requer a motivação correta. Fazendo discípulos e concentrando-se em trabalhar duro para uma colheita de almas deve ser o combustível para qualquer pastor que queira fazer o ministério celular. Caso contrário, os desafios ao longo do caminho serão demais.

Persistência e paixão caminham de mãos dadas! Fazer o ministério das células exige muita persistência, principalmente nos primeiros anos de transição. Até que os membros compreendam que a igreja celular é um estilo de vida, o pastor principal frequentemente terá que rever os princípios do ministério da igreja celular, e isso requer persistência.

Muitas vezes, o fruto não vem imediatamente! Às vezes, o crescimento não é o que se esperava e outras vezes os membros-chave simplesmente não abraçam o visão. A persistência deve correr nas veias do pastor principal.

É vital para o pastor principal não ignorar nenhuma das etapas durante a transição. Em Êxodo 13:17, o Senhor não levou as pessoas ao longo do caminho mais curto porque estava mais perto. Em vez disso, Deus escolheu a distância mais longa. Os atalhos são um inimigo do ministério da igreja celular. Tentar tornar o caminho mais curto, para obter resultados mais rápidos, nunca é a escolha certa. Se o coração do pastor principal é apenas sobre “resultados”, ele acabará por desistir. A persistência é sobre o longo caminho. Trata-se de trabalhar nos corações dos membros até que todos entendam que é tudo sobre fazer discípulos que irão fazer outros discípulos.

Foram cinco anos desde que começamos a transição de nossa igreja para o ministério celular, e agora temos 122 células. Continuo a lutar com a transmissão da visão, e alguns líderes às vezes querem desistir. Mas uma coisa que eu realmente entendi, “A Motivação Correta Levará Você (Eu) Até o Fim!”

Spanish blog:

La motivación correcta te lleva hasta el final.

Álvaro César Ramírez, Pastor Principal en Comunidade Batista da Restauração, Belo Horizonte, Brasil, www.cbrd.com.brwww.leaodatribodejuda.com

He visto a algunos pastores habilidosos y muy ungidos renunciar al ministerio de la iglesia celular debido a motivaciones equivocadas. Cuando la motivación no es correcta, la pasión y la visión se acaban demasiado rápido. Algunos pastores quieren hacer un ministerio celular porque su motivación es tener una iglesia grande . ¡Eventualmente renunciarán y se rendirán! Cuando surjan problemas, no perseverarán.

Cumplir la gran comisión requiere de la motivación correcta. Hacer discípulos y concentrarse en el trabajo demandante para una cosecha de almas, debe ser el combustible para cualquier pastor que quiera desarrollar un ministerio celular, de lo contrario, los desafíos en el camino serán demasiado.

La persistencia y la pasión caminan de la mano. Desarrollar el ministerio celular requiere de mucha perseverancia, principalmente en los primeros años de transición. Hasta que los miembros entiendan que la iglesia celular es un estilo de vida, el pastor principal frecuentemente tendrá que revisar los principios del ministerio de la iglesia celular, y esto requiere mucha persistencia.

¡Muchas veces el fruto no llega de inmediato! A veces, el crecimiento no es lo que se esperaba y en otras ocasiones los miembros clave simplemente no adoptan la visión. La persistencia debe correr en las venas del pastor principal.

Es vital que el pastor principal no omita ninguno de los pasos al momento de la transición. En Éxodo 13:17, el Señor no tomó a la gente por el camino más corto porque estaba más cerca, más bien Dios eligió la distancia más larga. ¡Los atajos son un enemigo del ministerio de la iglesia celular! Tratar de hacer que el camino sea más corto, para obtener resultados más rápidos, nunca es la opción correcta. Si el corazón del pastor principal se basa solo en los “resultados”, eventualmente se dará por vencido. La persistencia trata de tomar el  camino largo, se trata de trabajar en los corazones de los miembros hasta que todos comprendan que se trata de hacer discípulos que hacen más  discípulos.

Han pasado cinco años desde que comenzamos a hacer la transición de nuestra iglesia al ministerio celular, y ahora tenemos 122 células. Sigo luchando con la transmisión de la visión, y algunos líderes a veces quieren rendirse. Pero hay una cosa que realmente he entendido: “¡La motivación correcta te conducirá hasta el final!”

Counting the Cost of Cell Ministry

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

Some pastors rush to become cell churches because it’s the latest and greatest thing to do, like adding a  new programs such as  AWANA, Evangelism Explosion, Vacation Bible School, or a new program from their denomination.

Programs normally have a built-in life-cycle which can be discontinued after a semester, one year, or when the church decides to change programs. Many pastors approach starting cell church ministry in a programmatic way. They want to take it out of the box, set it up, and then delegate others to make it work. They view the cell church strategy as a technique or program that can be used for a time and then discontinued.

Cell church is not another program. It’s a way of life that focuses on people. Cell church ministry asks potential leaders to go through a specified training. Those who become cell leaders (or part of the leadership team) need on-going coaching. Pastors need to realize this and count the cost to make sure training and coaching takes place.

When a church moves forward with a vision, there will always be people who attack it. Whenever a leader goes in a particular direction and asks people to follow, some will resist, preferring another direction or keeping things just as they are.

It’s one thing for the senior leader to be on board, but it’s also critical that every member of the leadership team also supports the vision. When this happens, a team can go forward together. Cell church is really all about leadership development and the leadership team is the steering wheel of the cell church. If the leadership team is united and guiding the cell church vision, there’s a good chance the rest of the church will follow.

Some churches even lose people in the process. Ramon Justamente is a southern Baptist pastor in Florida. He counted the cost to become a cell church by studying the literature and visiting various cell churches (he and his wife even visited our cell church in Quito, Ecuador in 1999). He was totally convinced he should transition his church.

I don’t think Ramon was ready for what happened next: four hundred people left the church. Yet, Ramon believed God had called him to cell church ministry, and he wasn’t going to back down.

When I held a seminar in his church ten years after the transition, I saw a vibrant cell church. God has not only won back far more than four hundred who had left, but the people were excited, motivated, and serving Jesus with zeal and passion.  I spoke on how to transition a church, and Ramon gave his testimony.

If Ramon was just “testing the waters” he would have only lasted a few months. His commitment to the vision and values of cell church ministry helped him to “weather” the violent storms and stay afloat when things got rough. Ramon’s church is now a great model for those doing cell ministry in Florida.

Pastors who have successfully planted or transitioned to the cell church model have done their homework and are ready to stick with it for the long haul. Have you counted the cost?  Are you committed long term?

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Contando o Custo do Ministério das Células

Por Joel Comiskey

Alguns pastores apressam-se a se tornar igrejas celulares porque é a última e melhor coisa a fazer, como a adição de novos programas, como AWANA, Evangelismo Explosão, Vacation Bible School (Escola Bíblica de Férias) ou um novo programa de sua denominação.

Os programas normalmente possuem um ciclo de vida incorporado que pode ser descontinuado após um semestre, um ano ou quando a igreja decide mudar de programa. Muitos pastores abordam o início do ministério da igreja celular de forma programática. Eles querem tirá-lo da caixa, configurá-lo e, em seguida, delegar outros para fazê-lo funcionar. Eles vêem a estratégia da igreja celular como uma técnica ou programa que pode ser usado por um tempo e depois descontinuado.

A igreja celular não é outro programa. É um modo de vida que se concentra nas pessoas. O ministério da igreja celular pede que líderes potenciais passem por um treinamento específico. Aqueles que se tornam líderes de células (ou parte da equipe de liderança) precisam de treinamento contínuo. Os pastores precisam perceber isso e contar o custo para se certificar de treinamento e equipamento.

Quando uma igreja avança com uma visão, sempre haverá pessoas que a atacam. Sempre que um líder vai em uma direção particular e pede às pessoas que sigam, algumas resistirão, preferindo outra direção ou mantendo as coisas exatamente como elas são.

É uma coisa para o líder sênior estar a bordo, mas também é crítico que cada membro da equipe de liderança também suporte a visão. Quando isso acontece, uma equipe pode avançar juntos. Igreja celular é realmente tudo sobre desenvolvimento de liderança, e a equipe de liderança é o volante da igreja celular. Se ela estiver unida e guiando a visão da igreja celular, há uma boa chance de o resto da igreja seguir.

Algumas igrejas até perdem as pessoas no processo. Ramon Justamente é um pastor batista do sul na Flórida. Ele contava o custo para se tornar uma igreja celular, estudando literatura e visitando várias igrejas celulares (ele e sua esposa até visitaram nossa igreja celular em Quito, Equador em 1999). Ele estava totalmente convencido de que ele deveria mudar sua igreja.

Não acho que Ramon estivesse pronto para o que aconteceu depois: quatrocentas pessoas deixaram a igreja. No entanto, Ramon acreditava que Deus o havia chamado para o ministério da igreja celular,
e ele não iria recuar.

Quando realizei um seminário em sua igreja dez anos após a transição, vi uma igreja celular vibrante. Deus não só ganhou mais de quatrocentos que partiram, mas as pessoas estavam entusiasmadas, motivadas e servindo a Jesus com zelo e paixão. Falei sobre a transição de uma igreja, e Ramon deu seu testemunho.

Se Ramon estivesse “testando as águas”, ele só duraria alguns meses. Seu compromisso com a visão e os valores do ministério das igrejas celulares o ajudaram a “resistir” às violentas tempestades e manter-se a flutuar quando as coisas ficaram difíceis. A igreja de Ramon é agora um ótimo modelo para aqueles que fazem o ministério celular na Flórida.

Os pastores que plantaram com sucesso ou fizeram a transição para o modelo da igreja celular fizeram seus trabalhos de casa e estão prontos para ficar com ele para o longo prazo. Você contou o custo? Você está comprometido por longo prazo?

Spanish blog:

Considerando el costo del Ministerio Celular

Por Joel Comiskey

Algunos pastores se apresuran en convertir su congregaciones en iglesias celulares porque es lo más nuevo, lo más grande, así también agregan nuevos programas como AWANA, Explosión Evangelistica, Escuela Biblica en Vacaciones o un nuevo programa de su  denominación.

Los programas normalmente tienen un ciclo de vida incorporado que se puede descontinuar después de un semestre, un año o cuando la iglesia decide cambiar de programa. Muchos pastores se acercan a el ministerio de la iglesia celular de una manera programática. Quieren presentarlo, configurarlo y luego delegar a otros para que lo hagan funcionar. Ven el modelo de la iglesia celular como una técnica o programa que se puede utilizar por un tiempo y que luego se puede suspende.

La iglesia celular no es programa un más, es una forma de vida que se centra en las personas. El ministerio de la iglesia celular le pide a los líderes potenciales que realicen una capacitación específica. Aquellos que se convierten en líderes celulares (o parte del equipo de liderazgo) necesitan entrenamiento continuo. Los pastores deben darse cuenta de esto y tener en cuenta el costo para asegurarse de que entrenen y capaciten.

Cuando una iglesia avanza con una visión, siempre habrá personas que la atacarán. Cada vez que un líder va en una dirección particular y le pide a la gente que lo siga, algunos se resistirán, van a preferir ir en otra dirección o simplemente  mantener todo de la misma manera.

Una cosa es que el líder principal esté a bordo, pero también es fundamental que cada miembro del equipo de liderazgo también apoye la visión. Cuando esto sucede, un equipo puede avanzar. La iglesia celular realmente tiene que ver con el desarrollo del liderazgo y el equipo de liderazgo es el volante de la iglesia celular. Si el equipo de liderazgo está unido y guía la visión de la iglesia celular, hay una buena probabilidad de que el resto de la iglesia lo siga.

Algunas iglesias incluso pierden miembros en el proceso. Ramón Justamente es un pastor bautista sureño en Florida. Experimentó el costo de convertirse en una iglesia celular, estudiando la literatura y visitando varias iglesias celulares (él y su esposa incluso visitaron nuestra iglesia celular en Quito, Ecuador en 1999). Estaba totalmente convencido de que debería hacer la transición de su iglesia.

No creo que Ramón estuviera preparado para lo que sucedió a continuación: cuatrocientas personas abandonaron la iglesia. Sin embargo, Ramón creía que Dios lo había llamado al ministerio de la iglesia celular, y él no iba a retroceder.

Cuando tuve un seminario en su iglesia diez años después de la transición, vi una vibrante iglesia celular. Dios no solo ha ganado más de cuatrocientos de los que se habían ido, sino que la gente estaba emocionada, motivada y sirviendo a Jesús con celo y pasión. Hablé sobre cómo hacer una transición a una iglesia y Ramón dio su testimonio.

Si Ramón solo estaba “probando las aguas”, solo habría durado unos pocos meses. Su compromiso con la visión y los valores del ministerio de la iglesia celular lo ayudó a “resistir” las tormentas violentas y mantenerse a flote cuando las cosas se pusieron difíciles. La iglesia de Ramón, ahora es un gran modelo para quienes desarrollan el ministerio celular en Florida.

Los pastores que han plantado o hecho la transición con éxito al modelo de la iglesia celular, han hecho su tarea y están listos para seguirlo a largo plazo. ¿Has calculado el costo? ¿Estás comprometido a largo plazo?

What is the Proper Motivation for Persistence?

coach_mario2016speakingMario Vega, www.elim.org.sv

Many of the people who start working with the cell system do so because they expect their churches to grow in numbers. When that does not happen, they think that the system does not work and look for other alternatives or new models. But, the main reason for doing cell ministry is not growth. The essential purpose is the mobilization of believers to exercise their universal priesthood, to edify one another, to evangelize, and to develop their particular gifts.

Perseverance is motivated by expectations. When the pastor has the correct motivation, he will continue to persevere as long as he perceives that believers are growing in the quality of their spiritual lives, even when numerical growth does not happen. It is much better to have the same number of people who mature and deepen in their faith than to have lots of believers with a superficial spirituality.

Of course, it is not about choosing one thing or another. I am convinced that every church that conscientiously develops the cell system will have a significant spiritual development of their members and will also inevitably grow in number. It is almost impossible for a healthy cell church not to grow. But, God must bring the growth and he is sovereign. Not all church will become mega churches. When pastor begins to see the people enjoying community through cell life, an over-concern with numbers will disappear. Spiritual maturity will take its place. Although persistence is necessary to achieve results, the important question is what results are expect? Numbers or discipleship? That is the fundamental question that will define your perseverance.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Qual é a Motivação Correta para a Persistência?

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Muitas das pessoas que começam a trabalhar com o sistema celular fazem isso porque esperam que suas igrejas cresçam em números. Quando isso não acontece, elas pensam que o sistema não funciona e buscam outras alternativas ou novos modelos. Contudo, o principal motivo para o ministério celular não é o crescimento. O propósito essencial é a mobilização dos crentes para exercer seu sacerdócio universal, edificar uns aos outros, evangelizar e desenvolver seus dons particulares.

A perseverança é motivada pelas expectativas. Quando o pastor tem a motivação correta, ele continuará a perseverar enquanto perceber que os crentes estão crescendo na qualidade de suas vidas espirituais, mesmo quando o crescimento numérico não acontece. É muito melhor ter o mesmo número de pessoas que amadurecem e aprofundam a fé do que ter muitos crentes com uma espiritualidade superficial.

Claro, não se trata de escolher uma coisa ou outra. Estou convencido de que toda igreja que desenvolve conscientemente o sistema celular terá um desenvolvimento espiritual significativo de seus membros e também inevitavelmente crescerá em número. É quase impossível que uma igreja celular saudável não cresça. Mas Deus deve trazer o crescimento e ele é soberano. Nem toda igreja se tornará uma mega igreja. Quando o pastor começa a ver as pessoas que desfrutam de comunidade através da vida celular, a preocupação com números desaparecerá. A maturidade espiritual ocupará seu lugar. Embora a persistência seja necessária para obter resultados, a questão importante é quais são os resultados esperados? Números ou discipulado? Essa é a questão fundamental que vai definir a sua perseverança.

Spanish blog:

La persistencia para alcanzar resultados

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Buena parte de las personas que comienzan a trabajar con el sistema celular lo hacen porque esperan que sus iglesias crezcan en número. Cuando eso no se produce piensan que el sistema no funciona y buscan otras alternativas o nuevos modelos. Pero, el sentido principal del trabajo celular no es el crecimiento en sí mismo. El propósito esencial es la movilización de los creyentes para que ejerciten su sacerdocio universal, se edifiquen unos a otros, evangelicen y desarrollen sus dones particulares.

La perseverancia entonces, es determinada de acuerdo a las expectativas que se posean. Las personas continuarán perseverando en la medida que perciban que los creyentes crecen en calidad de vida espiritual aun cuando el crecimiento en número no se produzca. Es mucho mejor tener la misma cantidad de personas pero que maduran y profundizan su fe que tener muchos creyentes con una espiritualidad superficial.

Por supuesto que no se trata de escoger entre una y otra cosa. Estoy convencido que toda iglesia que trabaja a conciencia el sistema celular tendrá un desarrollo espiritual de sus miembros significativo y, además, crecerá numéricamente de manera inevitable. Es casi imposible que una iglesia celular sana no crezca. Pero, a cada uno, como Dios desea. No todos se convertirán en mega iglesias. Cuando se disfruta la vida celular en comunidad el número dejará de ser ambicionado. La madurez espiritual tomará su lugar. La persistencia es necesaria para alcanzar resultados. Pero ¿qué resultados son los que esperas? ¿Los numéricos o los de discipulado? Esa es la pregunta fundamental que definirá tu perseverancia.

Failure IS An Option, but Quitting is NOT!

By Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.org

In 2007, I met with my cell pastor and asked what kind of group I should start, after taking a short leadership hiatus. He encouraged me to begin a women’s group for 30-somethings. At the time, we had no groups for that age group. That day I left our meeting with a mission; I was going to follow all the cell principles and begin this explosive cell group that was desperately needed. It was time to prove whether this cell group idea was really going to work. I picked my day and time and spoke to a couple of church friends. We met and after one month, it was me and one other young lady. I had done everything that was taught in Cell Leader Training by Joel Comiskey. Yet, after four months, it was me and one other young lady. (Sometimes just me!) I was ready to throw in the towel!

We are taught all our lives that failure is not an option. When we fail, we tend to beat ourselves up and often want to give up or quit. This is certainly true in cell ministry. Failure takes place on every level of cell ministry. Leaders fall, ministries go under and people walk away, but when God has called us, we can fail, but we must not quit. Cell ministry is a marathon, not a sprint, and there are no overnight solutions. Jesus spent three years with the disciples to raise them up to be who He had designed them to be. Look at your cell ministry in the same way: disciple, build and equip your congregation to pioneer cell ministry in your church and community.

Whatever you do, don’t compare your failures to someone else’s success. We can’t imagine what one church has gone through to have the large numbers of cells that they have and what it took for them to reach that amount. Rejoice with them and continue with the vision and mission God has given to you. After all, comparison is the killer of contentment!

Going back to how this started. God pushed me not to quit and push through to the other side. After four lonely months, my group exploded! We had 12 ladies coming each week. The group multiplied in a matter of months and then again within the next year. After three years, we were 12 groups strong! God did it, and reminded me that we may fail at times, but we must not quit.

I have fought the good fight, I have finished the race, I have kept the faith. – II Timothy 4:7

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

A Falha É Uma Opção, Mas Desistir NÃO É!

Por Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.com

Em 2007, conheci meu pastor celular e perguntei qual o tipo de grupo que eu deveria começar, depois de ter um curto hiatus de liderança. Ele me encorajou a começar um grupo de mulheres para 30 anos. Na época, não tínhamos grupos para essa faixa etária. Naquele dia eu deixei nosso encontro com uma missão; Eu seguiria todos os princípios da célula e começaria esse grupo de células explosivas que era desesperadamente necessário. Era hora de provar se essa ideia de grupo celular realmente funcionaria. Escolhi meu dia e hora e falei com alguns amigos da igreja. Nós nos conhecemos e depois de um mês, fui eu e uma outra jovem. Eu tinha feito tudo o que foi ensinado no Cell Leader Training (Treinamento de Líder de Célula, em tradução livre) por Joel Comiskey. No entanto, depois de quatro meses, fui eu e uma outra jovem. (Às vezes, apenas eu!) Eu estava pronto para jogar a toalha!

Nós ensinamos todas as nossas vidas que o fracasso não é uma opção. Quando falhamos, tendemos a vencer e muitas vezes queremos desistir ou sair. Isso certamente é verdade no ministério celular. A falha ocorre em todos os níveis de ministério celular. Os líderes caem, os ministérios passam e as pessoas se afastam, mas quando Deus nos chamou, podemos falhar, mas não devemos parar. O ministério da célula é uma maratona, não uma simples corrida, e não há soluções durante a noite. Jesus passou três anos com os discípulos para criá-los para ser quem Ele os havia projetado para ser. Olhe para o ministério celular da mesma maneira: discípulo, construa e equipe sua congregação para o ministério das células pioneiras em sua igreja e comunidade.

Faça o que fizer, não compare suas falhas com o sucesso de outra pessoa. Não podemos imaginar o que uma igreja passou para ter o grande número de células que ela tem e o que demorou para alcançar esse valor. Alegre-se com ela e continue com a visão e missão que Deus lhe deu. Afinal, a comparação é o assassino do contentamento!

Voltando a como isso começou. Deus me empurrou para não sair e atravessar o outro lado. Depois de quatro meses solitários, meu grupo explodiu! Nós tivemos 12 senhoras vindo cada semana. O grupo se multiplicou em questão de meses e depois novamente no próximo ano. Depois de três anos, nós éramos 12 grupos fortes! Deus fez isso e me lembrou que podemos fracassar às vezes, mas não devemos parar.

Spanish blog:

El fallar es una opción, pero rendirse no lo es!

Por Michelle Geoffrey, www.celebrationchurch.com

En 2007, me reuní con mi pastor de células y le pregunté con qué tipo de célula debía iniciar, después de tomar una breve pausa en el liderazgo. Me animó a iniciar un grupo para mujeres de treinta y cuarenta años; en ese momento, no teníamos células para ese grupo de edad. Ese día salí de nuestra reunión con una misión; Yo iba a seguir todos los principios celulares y comenzaría esta célula explosiva que era muy necesaria. Era hora de probar si esta idea del grupo célular realmente iba a funcionar. Escogí el día y hora y hablé con un par de amigos de la iglesia, nos reunimos y después de un mes, solo estaba yo y otra jovencita. Había hecho todo lo que se enseñaba en Cell Leader Training (Entrenamiento del lider celular) de Joel Comiskey. Sin embargo, después de cuatro meses, solo estaba yo y una jovencita. (A veces sólo yo) Estaba lista para tirar la toalla!

Toda la vida nos enseñan que el fracaso no es una opción. Cuando fallamos, tendemos a regañarnos a nosotros mismos y a menudo queremos dejar de intentarlo o renunciar. Esto es realmente  cierto en el ministerio celular. El fracaso tiene lugar en todos los niveles del ministerio celular, los líderes caen, los ministerios pasan y la gente se aleja, pero cuando Dios nos ha llamado, podemos fracasar, pero no debemos renunciar. El ministerio celular es un maratón, no una carrera pequeña, y no hay soluciones de la noche a la mañana. Jesús pasó tres años con los discípulos para educarlos y para que ellos fueran lo que Él ya los habia designado ser. Observa a tu ministerio celular de la misma manera: discípula, construye y equipa a tu congregación para abrir el camino al ministerio de celular en tu iglesia y comunidad.

Hagas lo que hagas, no compares tus fracasos con el éxito de otra persona. No podemos imaginar lo que ha afrontado una iglesia para tener el gran número de células que tienen, y lo que les llevó a alcanzar esa cantidad. Alégrate con ellos y continúa con la visión y misión que Dios te ha dado. ¡Después de todo, la comparación es la asesina de la satisfacción!

Volviendo al punto de partida. Dios me animó para no rendirme y me impulsó hacia adelante. Después de cuatro solitarios meses, ¡mi grupo explotó! Teníamos 12 mujeres viniendo cada semana. El grupo se multiplicó en cuestión de meses y de nuevo en el año siguiente. ¡Después de tres años, éramos 12 fuertes grupos! Dios lo hizo, y me recordó que a veces podríamos fallar, pero no debemos renunciar.

He peleado la buena batalla, he acabado la carrera, he guardado la fe. – 2 Timoteo 4:7

Don’t Wait for the Brick

coaches-rob3Web

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

A young and successful executive was traveling down a neighborhood street, going a bit too fast in his new Jaguar.  He was watching for kids darting out from between parked cars and slowed down when he thought he saw something.  As his car passed, no children appeared.  Instead, a brick smashed into the Jag’s side door! He slammed on the brakes and spun the Jag back to the spot from where the brick had been thrown. He jumped out of the car, grabbed some kid and pushed him up against a parked car shouting, “What was that all about and who are you? Just what the heck are you doing?!!”  Building up a head of steam he went on. “That’s a new car, and that brick you threw is going to cost a lot of money. Why did you do it?!!”  “Please, mister, please. I’m sorry, I didn’t know what else to do!” pleaded the youngster.  “I threw the brick because no one else would stop.”

Tears were dripping down the boy’s chin as he pointed around the parked car.  “It’s my brother,” he said. “He rolled off the curb, fell out of his wheelchair, and I can’t lift him up.”  Sobbing, the boy asked the executive, “Would you please help me get him back into his wheelchair?  He’s hurt, and he’s too heavy for me.”  Moved beyond words, the driver tried to swallow the rapidly swelling lump in his throat.

He lifted the young man back into the wheelchair and took out his handkerchief and wiped the scrapes and cuts, checking to see that everything was going to be okay.  “Thank you and God bless you,” the grateful child said to him.

The man then watched the little boy push his brother down the sidewalk toward their home. It was a long walk back for the man to his Jaguar…a long, slow walk.  He never did repair the side door.  He kept the dent to remind him not to go through life so fast that someone must throw a brick at you to get your attention.

God whispers in your soul and speaks to your heart.  Sometimes when you don’t have time to listen, He must throw a “brick” at you.  It’s your choice:  Listen to the whisper — or wait for the brick.

“Be still [quit striving] and know that I am God…”   Psalm 46:10

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

“Não Espere Pelo Tijolo”

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Um executivo jovem e bem sucedido estava viajando por uma rua de bairro, indo um pouco rápido demais em sua nova Jaguar. Ele estava tomando cuidado com crianças que passavam pelos carros estacionados e diminuía a velocidade quando achava que via alguma coisa. À medida que seu carro passou, nenhuma criança apareceu. Em vez disso, um tijolo esmagou a porta lateral do Jaguar! Ele freiou rapidamente e virou o Jaguar de volta ao ponto de onde o tijolo tinha sido jogado. Ele pulou do carro, pegou um garoto e o empurrou contra um carro estacionado gritando: “O que foi isso e quem é você? O que diabos você está fazendo?!”. Com vapor saindo de sua cabeça, ele continuou: “Esse é um carro novo, e aquele tijolo que você jogou vai custar muito dinheiro. Por que você fez isso?”. “Por favor, senhor, por favor. Desculpe, eu não sabia mais o que fazer!”, implorou o jovem. “Eu joguei o tijolo porque ninguém mais quis parar”.

As lágrimas escorriam pelo queixo do menino enquanto ele apontava para um carro estacionado. “É meu irmão”, disse ele. “Ele desceu o meio-fio, caiu de sua cadeira de rodas e não consigo levantá-lo”. Soluçando, o menino perguntou ao executivo: “Você poderia me ajudar a levá-lo de volta à sua cadeira de rodas? Ele está machucado e ele é muito pesado para mim”. Movido e sem palavras, o motorista tentou engolir rapidamente o nó em sua garganta.

Ele levantou o jovem de volta para a cadeira de rodas, pegou seu lenço e limpou os arranhões e cortes, verificando se tudo estava bem. “Obrigado e Deus te abençoe”, disse-lhe o menino grato.

O homem então observou o menino empurrar seu irmão pela calçada em direção a sua casa. Foi uma longa caminhada de volta para o homem para o seu Jaguar… Uma caminhada longa e lenta. Ele nunca consertou a porta lateral. Ele manteve o amassado para lembrá-lo de não passar pela vida tão rápido a ponto de alguém precisar jogar um tijolo em você para chamar sua atenção.

Deus sussurra em sua alma e fala ao seu coração. Às vezes, quando você não tem tempo para ouvir, ele precisa jogar um “tijolo” em você. É sua escolha: ouça o sussurro, ou aguarde o tijolo.

“Aquietai-vos [pare de se esforçar], e sabei que eu sou Deus…” Salmos 46:10.

Spanish blog:

“No esperes por el ladrillo”

por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Un joven y exitoso ejecutivo iba manejando por una calle del vecindario, iba un poco rápido en su nuevo Jaguar. Estaba observando a los niños que salían de entre los coches estacionados y frenaba cuando pensaba que había visto algo. Cuando él paso con su coche, no aparecieron niños, en su lugar, un ladrillo se estrelló contra la puerta lateral de su ¡Jaguar!. Frenó violentamente y giró el carro de vuelta al lugar donde el ladrillo había sido arrojado. Saltó del coche, agarró a un niño y lo empujó contra un carro que estaba  estacionado, y comenzó a gritar: “¿Qué fue todo eso y quién eres? ¿Qué diablos estás haciendo? ” muy enojado continuó. “Ese es un coche nuevo, y ese ladrillo que lanzaste va a costar mucho dinero. ¿Por qué lo hiciste? ” Por favor, señor, por favor. ¡Lo siento, no sabía qué más hacer! “, Imploró el joven. “Tiré el ladrillo porque nadie más se detuvo.”

Las lágrimas caían por la barbilla del niño, mientras señalaba a un lado del coche aparcado. -Es mi hermano -dijo-. “Se bajó de la acera, se cayó de su silla de ruedas, y no puedo levantarlo.” Sollozando, el niño le preguntó al ejecutivo, “¿Podría por favor ayudarme a subirlo a su silla de ruedas? Está herido, y es demasiado pesado para mí. Movido más allá de las palabras, el conductor trató de tragar el nudo en su garganta.

Levantó al joven de nuevo en la silla de ruedas y sacó su pañuelo y limpió los rasguños y cortes, cerciorandose de que todo estuviera bien. “Gracias y que Dios le bendiga” le dijo el niño muy  agradecido.

El hombre entonces observó al niño empujar a su hermano por la acera hacia su casa. Para este hombre fue un largo camino de regreso a su Jaguar … un largo y lento camino. Nunca reparó la puerta lateral, dejó la abolladura para recordarse que no iría  por la vida tan rápido,  que alguien debe lanzarle un ladrillo para conseguir su atención.

Dios susurra a tu alma y habla a tu corazón. A veces cuando no tienes tiempo para escuchar, Él debe lanzarte un “ladrillo”. Es tu elección: escuchar el susurro – o esperar por el ladrillo.

“Estad quietos (deja de pelear) conoced que yo soy Dios… ”

Salmos 46:10

Stumbling forward

coaches_steveCordleCropped

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

“Anything worth doing is worth doing badly.” In other words, we will do some things poorly before we get the hang of it. Toddlers will fall down as they learn to walk. Skiers will take tumbles on the beginners slopes. Should they quit? Of course not! Cell ministry is one of those things worth “doing badly.”

Leaders will fail sometimes as they try to build an effective cell ministry. I’ve heard some say that it takes the average leader three attempts to get a group-based ministry up and running. I don’t know if that is true, but I know that we have made mistakes as we have implemented our group ministry.

Don’t be intimated by failure; it is not final unless you quit. Learn from each mistake and press on. Group ministry is not flashy or simple, but it is the way Jesus chose to make disciples.

Remind yourself of the power and principles of group-based discipleship and keep on going. The impact you will make on people’s lives will be nothing short of eternal.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Tropeçando Adiante

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

“Tudo o que vale a pena fazer vale a pena fazer mal”. Em outras palavras, faremos algumas coisas mal antes de pegarmos o jeito delas. As crianças pequenas cairão enquanto aprendem a caminhar. Os esquiadores irão cair nas ladeiras dos iniciantes. Eles deveriam desistir? Claro que não! O ministério celular é uma dessas coisas que valem a pena “fazer mal”.

Os líderes irão falhar às vezes enquanto tentam construir um ministério celular efetivo. Eu ouvi algumas pessoas dizerem que na média um líder leva três tentativas para criar um ministério baseado em grupos. Não sei se isso é verdade, mas sei que cometemos erros ao implementarmos o nosso ministério em grupos.

Não seja intimidado pela falha; não é o fim a menos que você desista. Aprenda com cada erro e siga adiante. O ministério em grupos não é chamativo ou simples, mas é a forma que Jesus escolheu para fazer discípulos.

Lembre-se do poder e dos princípios do discipulado baseado em grupos e vá em frente. O impacto que você fará na vida das pessoas não será menos que eterno.

Spanish blog:

Tropezando hacia adelante

por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

“Cualquier cosa que valga la pena hacer, vale la pena hacerla mal.” En otras palabras, algunas cosas las haremos mal antes de hacerlas de la manera correcta. Los niños pequeños se caerán mientras aprenden a caminar, los esquiadores se caerán en las pistas para principiantes. ¿Deberían rendirse? ¡Por supuesto que no! El ministerio celular es una de esas cosas que vale la pena “hacer mal”.

En ocasiones los líderes fracasarán, mientras tratan de construir un ministerio celular eficaz. He escuchado que algunos dicen, que el líder promedio necesita tres intentos para poner en marcha un ministerio basado en células; no sé si eso es cierto, pero sé que hemos cometido errores al implementar nuestro ministerio célular.

No te dejes intimidar por el fracaso; no es definitivo a menos que dejes de intentarlo. Aprende de cada error y sigue presionandote. El ministerio celular no es llamativo o simple, pero es la manera que Jesús eligió para hacer discípulos.

No te olvides del poder y los principios del discipulado grupal y continúa. El impacto que harás en la vida de las personas será nada menos, que eterno.

Learning from Mistakes

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, check out  coaching 

I know pastors who tried cell church ministry, failed at it, and then became cell church critics. They say, “Oh yes, I tried cell church, and it didn’t work.” Or they might say, “Cell church works great in Korea and Africa  but not here in my city.” But often these pastors didn’t keep trying. They were not willing to make mid-course corrections, such as seeking out a coach, visiting another cell church, or reading relevant cell church literature.

The reality is that we rarely get things right the first time. Often we don’t do them right the third and fourth time either. In fact, we grow and mature through the trials and errors we make. Failure is the back door to success and God will bless our efforts.  Pastors and leaders who make it in cell ministry keep pressing on and don’t give up. They practice the title of John Maxwell’s book, Failing Forward. Making mistakes is part of life.  Proverbs 24:16 says, For though a righteous man falls seven times, he rises again, but the wicked are brought down by calamity.”

The cell church training track, for example, is rarely perfected the first time. A pastor and leadership team has to make numerous auto-corrections to perfect the training track. The same is true for any part of cell ministry such as coaching, vision casting, keeping statistics, setting goals, evangelizing, and disciple-making.

Whenever I think of giving up, I’m encouraged by those who overcame failure through persistence:

  • When Thomas Edison invented the light bulb, he tried over two thousand experiments before he got it to work. A young reporter asked him how it felt to fail so many times. He said, “I never failed once. I invented the light bulb. It just happened to be a two thousand-step process.”
  • Winston Churchill failed sixth grade. He did not become prime minister of England until he was sixty-two and then only after a lifetime of defeats and setbacks. His greatest contributions came when he was a “senior citizen.”
  • Albert Einstein did not speak until he was four years old and didn’t read until he was seven. His teacher described him as “mentally slow, unsociable, and adrift forever in his foolish dreams.” He was expelled and refused admittance to the Zurich Polytechnic School.
  • After years of progressive hearing loss, by age forty-six German composer Ludwig van Beethoven had become completely deaf. Nevertheless, he wrote his greatest music—including five symphonies during his later years.

Don’t worry about failed outcomes. Worry about the chances you miss when you don’t even try. Most good things come through testing and making mid-course corrections. If you wait to try until everything is perfect, you most likely will never get there. “But wait a minute,” you might say. “I want everything to be perfect before I try.” Sorry it doesn’t work that way. We learn from our mistakes.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo com os Erros

Por Joel Comiskey

Eu sei que os pastores tentaram o ministério da igreja celular, falharam nisso e então se tornaram críticos da igreja celular. Eles dizem: “Oh sim, eu tentei a igreja celular, e isso não funcionou”. Ou eles podem dizer: “A igreja da célula funciona muito bem na Coreia e na África, mas não aqui na minha cidade”. Mas, muitas vezes, esses pastores não mantiveram tentando. Eles não estavam dispostos a fazer correções no meio do caminho, como procurar um treinador, visitar outra igreja celular ou ler literatura relevante da igreja celular.

A realidade é que raramente conseguimos as coisas bem na primeira vez. Muitas vezes, não os fazemos direito na terceira e na quarta vez também. Na verdade, crescemos e amadurecemos através das tentativas e erros que cometemos. A falha é a porta de trás do sucesso e Deus abençoará nossos esforços. Pastores e líderes que fazem isso no ministério celular continuam pressionando e não desistem. Eles praticam o título do livro de John Maxwell, Failing Forward (Falhando para Frente, em tradução livre). Cometer erros é parte da vida. Provérbios 24:16 diz: “Pois, embora um homem justo cai sete vezes, ressuscita, mas os ímpios são derrubados pela calamidade”.

O trilho de treinamento da igreja celular, por exemplo, raramente é aperfeiçoado pela primeira vez. Um pastor e equipe de liderança tem que fazer numerosas auto-correções para aperfeiçoar a pista de treino. O mesmo é verdade para qualquer parte do ministério das células, como o treinamento,  a seleção da visão, a manutenção de estatísticas, a definição de objetivos, a evangelização e a formação de discípulos.

Sempre que penso em desistir, sou encorajado por aqueles que superaram o fracasso através da persistência:

  • Quando Thomas Edison inventou a lâmpada, ele tentou mais de dois mil experimentos antes de começar a trabalhar. Um jovem repórter perguntou-lhe como sentiu em falhar tantas vezes. Ele disse: “Nunca falhei uma vez sequer. Eu inventei a lâmpada. Aconteceu um processo de dois mil passos “.
  • Winston Churchill falhou na sexta série. Ele não se tornou o primeiro-ministro da Inglaterra até os sessenta e dois anos de idade, e só depois de uma vida de derrotas e contratempos. Suas maiores contribuições vieram quando ele era um “cidadão senador”.
  • Albert Einstein não falou até os quatro anos de idade e não leu até os sete. Seu professor o descreveu como “mentalmente lento, insociável e à deriva para sempre em seus sonhos tolos”. Ele foi expulso e recusou a admissão na Escola Politécnica de Zurique.
  • Após anos de perda auditiva progressiva, aos 45 anos, o compositor alemão Ludwig van Beethoven ficou completamente surdo. No entanto, ele escreveu sua maior música – incluindo cinco sinfonias- durante seus últimos anos.

Não se preocupe com resultados falhados. Preocupe-se sobre as chances que você sente quando não tenta. A maioria das coisas boas ocorrem testando e fazendo correções intermediárias. Se você esperar para tentar até que tudo seja perfeito, você provavelmente nunca chegará lá. “Mas espere um minuto”, você pode dizer. “Quero que tudo seja perfeito antes de tentar.” Desculpe, não funciona assim. Nós aprendemos com nossos erros.

Spanish blog:

Aprendiendo de los errores

Por Joel Comiskey

Conozco pastores que intentaron implementar el ministerio de la iglesia celular, fracasaron en ello, y luego se convirtieron en críticos de esta. Ellos dicen: “Oh, sí, he intentado con la iglesia celular, y no funcionó.” O podrían decir, “La iglesia celular funciona muy bien en Corea y África, pero no aquí, en mi ciudad.” Pero a menudo estos pastores no siguen intentado. No estaban dispuestos a hacer correcciones a medio camino, como buscar un entrenador, visitar otra iglesia celular o leer literatura relevante de la iglesia celular.

La realidad es que raramente hacemos las cosas bien la primera. A menudo no las hacemos bien la tercera y cuarta vez tampoco. De hecho, crecemos y maduramos a través de los ensayos y errores que cometemos. El fracaso es la puerta trasera del éxito y Dios bendecirá nuestros esfuerzos; los pastores y los líderes que logran tener éxito en el ministerio celular siguen presionando y no se rinden. Ponen en practica el título del libro de John Maxwell, Failing Forward (El lado positivo del fracaso). Cometer errores es parte de la vida. Proverbios 24:16 dice:”Porque siete veces cae el justo, y vuelve a levantarse; Mas los impíos caerán en el mal.”

La pista de entrenamiento de la iglesia celular, por ejemplo, rara vez se perfecciona la primera vez. Un pastor y su equipo de liderazgo tiene que hacer numerosas auto-correcciones para perfeccionar la pista de entrenamiento. Lo mismo ocurre para cualquier parte del ministerio celular, como capacitaciones, visión, mantener estadísticas, establecer metas, evangelizar y hacer discípulos.

Cada vez que pienso en renunciar, me siento alentado por aquellos que superaron el fracaso a través de la persistencia:

  • Cuando Thomas Edison inventó la bombilla, probó más de dos mil experimentos antes de hacelo funcionar. Un joven reportero le preguntó cómo se sentía al fallar tantas veces. Él dijo: “Nunca fracasé. Inventé la bombilla, simplemente fue un proceso de dos mil pasos “.
  • Winston Churchill repitió sexto grado. No se convirtió en primer ministro de Inglaterra hasta los sesenta y dos años y sólo después de una vida de derrotas y contratiempos. Sus mayores contribuciones llegaron cuando él era un “anciano”.
  • Albert Einstein no habló hasta que tenía cuatro años y no leyó hasta que tenía siete años. Su maestro lo describió como “mentalmente lento, inadaptado y siempre a la deriva con sus sueños tontos”. Fue expulsado y se le negó ser admitido en la Escuela Politécnica de Zurich.
  • Después de años de pérdida auditiva progresiva, a los cuarenta y seis años, el compositor alemán Ludwig van Beethoven se había quedado completamente sordo. Sin embargo, escribió su mejor música, incluyendo cinco sinfonías durante sus últimos años.

No te preocupes por los resultados fallidos, preocúpate de las posibilidades que te pierdas cuando ni siquiera lo estas intentas. La mayoría de las cosas buenas vienen a través de pruebas y al hacer correcciones a mitad de curso. Si esperas a intentar hasta que todo sea perfecto, lo más probable es que nunca lo logres. “Pero espera un minuto”, podrías decir. “Quiero que todo sea perfecto antes de intentarlo.” Lo siento, no funciona de esa manera. Aprendemos de nuestros errores.

Embarking on a Long Journey

By Gerardo Campos, district pastor in Elim Church, www.elim.org.sv

A group of pastors visited El Salvador and were interested in the contents of Joel Comiskey’s book Passion and Persistence. They wanted to verify in person what they had read in the book.

During one of the teaching sessions about transitioning to cell ministry, one member of the visiting team said, “My people can’t make this change; it’s too much for them!”

I tried to explain that transitioning to cell ministry is a journey and people won’t make the change overnight. They will need to experience cell life. Their commitment will grow as they taste the power of community. It’s not enough just to read a book like “Passion and Persistence.” A book might provide the basic knowledge to start the cell journey, but how long will the enthusiasm last? Some start well but then become shipwrecked along the way.

I then tried to make it clear that knowledge is not enough. The transitioning leadership team would have to count the cost and be willing to change their lifestyles and really get involved.

And I also mentioned the importance of persistence in the cell journey. The persistence in this passionate journey is only possible when people have counted the cost and understand that cell ministry is biblical. At that point, cell ministry becomes a way of life based on solid biblical principles. When this happens, those transitioning are willing to continue in the cell journey until Jesus comes.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Embarcando em Uma Longa Jornada

Por Gerardo Campos, www.elim.org.sv

Um grupo de pastores visitou El Salvador e estava interessado no conteúdo do livro de Joel Comiskey Passion and Persistence (Paixão e Persistência, em tradução livre). Eles queriam verificar pessoalmente o que tinham lido no livro.

Durante uma das sessões de ensino sobre a transição para o ministério celular, um membro da equipe visitante disse: “Meu pessoal não pode fazer essa mudança; é demais para ele! ”

Eu tentei explicar que a transição para o ministério celular é uma jornada e as pessoas não farão a mudança de um dia para o outro. Eles precisarão experimentar a vida celular. Seu compromisso crescerá à medida que provar o poder da comunidade. Não basta apenas ler um livro como “Paixão e Persistência”. Um livro pode fornecer o conhecimento básico para iniciar a jornada celular, mas quanto tempo durará o entusiasmo? Alguns começam bem, mas depois se tornam naufragados ao longo do caminho.

Então tentei deixar claro que o conhecimento não é suficiente. A equipe de liderança em transição teria que contar o custo e estar disposta a mudar seu estilo de vida e realmente se envolver.

E também mencionei a importância da persistência na jornada celular. A persistência nesta jornada apaixonada só é possível quando as pessoas contaram o custo e entendem que o ministério celular é bíblico. Nesse ponto, o ministério celular se torna um modo de vida baseado em sólidos princípios bíblicos. Quando isso acontece, essas transições estão dispostas a continuar na jornada celular até que Jesus venha.

Spanish blog:

Embarcándonos en un viaje duradero

por Gerardo Campos, www.elim.org.sv

Visitaban El Salvador un grupo de pastores que interesados por los contenidos del libro ¨Pasión y Persistencia” de Joel Comiskey, deseaban constatar de manera presencial la vivencia ahí descrita.

Sucedió entonces que durante una de las exposiciones de los temas de enseñanza del modelo celular, uno de los integrantes del equipo ministerial visitante con asombro exclamó: ¡Esto es demasiado para las personas!

Ante lo sucedido procuré explicar lo que podría fácilmente pasarse por alto cuando se intenta hacer la transición hacia una iglesia celular. Es fácil encontrar en una librería las herramientas que proporcionan el conocimiento básico para comenzar el viaje celular. Pero ¿Cuánto tiempo durará el entusiasmo? ¿Se podría naufragar en algún momento?

Traté entonces de dejar claro que no bastaría con adquirir el conocimiento de una nueva forma de ser iglesia y hacer los cambios que se creyeran necesarios, es necesario también adquirir profundidad, ya que es una cuestión de fondo, de lograr un cambio en el estilo de vida, pasar de estar involucrado a estar comprometido.

La persistencia en este apasionante viaje solo es posible cuando damos una respuesta integral, convenciéndonos de los fundamentos bíblicos que lo sustentan, cuando en el corazón determinamos hacer del ministerio celular nuestro estilo de vida.

Grit

coaches-rob3Web

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Angela Lee Duckworth (2013) asks in a TED talk presentation, “But what if doing well in school and in life depends on much more than your ability to learn quickly and easily?” As her monologue continues, she answers this question. “One characteristic emerged as a significant predictor of success. And it wasn’t social intelligence. It wasn’t good looks, physical health, and it wasn’t IQ. It was GRIT… a passion and perseverance for very long-term goals… living like it’s a marathon, not a sprint.”

Duckworth administered high school Juniors surveys regarding this grit factor. The findings suggest that grit is the number one factor in seeing a student graduate from high school. Grit supersedes family income, test scores, and safety in schools. Comparable results were found when West Point cadets and children participating in the National Spelling Bee were surveyed. Grit was the key factor in determining if a cadet would stay in military service or if a child would advance deeper in the competition.

Grit entails resolution, fortitude and courage. While there is immense value in excellent IQ scores, raw talent, and a healthy home life, it appears that true grit wins.

Duckworth asks, “How do I build grit in kids? What do I do to teach kids a solid work ethic? How do I keep them motivated for the long run?” Her candid answer is “I don’t know.” I appreciate her honesty. She is, however, impressed with the work of Dr. Carol Dweck from Stanford University. Dweck postulates that “the ability to learn is not fixed, that it can change with your effort…This idea is called ‘growth mindset’.” Dweck explains, “When kids read and learn about the brain and how it changes and grows in response to challenge, they’re much more likely to persevere when they fail, because they don’t believe that failure is a permanent condition.”

I trust and believe in a God who created me including my mind, body, soul, and spirit. Everything I am comes from Him. With that said, pursuing a strong work ethic, perseverance, and grit are a noble pursuit for all.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Fibra

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Angela Lee Duckworth (2013) pergunta em uma apresentação de comunicação TED: “Mas e se para se sair bem na escola e na vida depender em muito mais do que em sua capacidade de aprender de forma rápida e fácil?”. Conforme seu monólogo continua, ela responde esta pergunta. “Uma característica surgiu como um importante preditor de sucesso. E não é inteligência social. Não é boa aparência, saúde física ou QI. É FIBRA… uma paixão e perseverança para objetivos a longo prazo… viver como uma maratona e não como uma corrida de velocidade”.

Duckworth realizou exames no ensino médio em relação a este fator fibra. Os achados sugerem que a fibra é o fator número um ao ver um estudante graduado do ensino médio. A fibra substitui a renda familiar, os resultados dos exames e a segurança nas escolas. Resultados comparáveis foram encontrados quando cadetes da West Point e crianças que participaram do Concurso Nacional de Ortografia foram pesquisados. A fibra foi o fator-chave para determinar se um cadete permaneceria no serviço militar ou se uma criança avançaria mais na competição.

Fibra implica resolução, fortaleza e coragem. Embora exista um valor imenso em excelentes pontuações de QI, talento bruto e vida familiar saudável, parece que a fibra verdadeira ganha.

Duckworth pergunta: “Como faço para construir essa fibra nas crianças? O que eu faço para ensinar às crianças uma sólida ética de trabalho? Como faço para mantê-las motivados a longo prazo?”. Sua resposta sincera é “Não sei”. Agradeço sua honestidade. No entanto, ela está impressionada com o trabalho da Dra. Carol Dweck da Universidade de Stanford. Dweck postula que “a capacidade de aprender não é fixa, mas pode mudar com seus esforços… Essa idéia é chamada de ‘mentalidade de crescimento'”. Dweck explica: “Quando as crianças lêem e aprendem sobre o cérebro e sobre como ele muda e cresce em resposta aos desafios, elas são muito mais propensas a perseverar quando falham, porque não acreditam que essa falha seja uma condição permanente”.

Confio e acredito em um Deus que me criou, incluindo minha mente, corpo, alma e espírito. Tudo o que eu sou vem dele. Com isso, perseguir uma forte ética de trabalho, perseverança e fibra é uma busca nobre para todos.

Spanish blog:

Determinación

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Angela Lee Duckworth (2013), pregunta en una presentación  TED: “Pero ¿y si desenvolverse bien en la escuela y en la vida depende mucho más que tu habilidad para aprender rápida y fácilmente?” Mientras su monólogo continúa, ella responde esta pregunta. “Una característica surgió, como un indicador significativo de éxito. Y no era la inteligencia social, no era una buena apariencia, salud física, y no era el CI (coeficiente intelectual). Fue la DETERMINACIÓN … una pasión y perseverancia por objetivos a muy largo plazo … viviendo como si fuera un maratón, no una pequeña carrera “.

Duckworth ha administrado encuestas en colegios secundarios sobre este factor de la determinación. Los resultados sugieren que la determinación es el factor número uno al ver a un estudiante graduarse de la escuela secundaria. La determinación  reemplaza el ingreso familiar, los resultados de las pruebas y la seguridad en las escuelas. Se encontraron resultados comparables cuando se encuestó a los cadetes de West Point y a los niños que participaban en la National Spelling Bee (Concurso de deletreo); la determinación fue el factor clave para saber si un cadete permanecería en servicio militar o si un niño avanzaría más en la competencia.

La determinación  implica resolución, fortaleza y coraje. Si bien hay un valor inmenso en excelentes calificaciones de CI, talento en bruto y una vida hogareña saludable, parece que la verdadera determinación gana.

Duckworth pregunta: “¿Cómo construyo determinación en los niños? ¿Qué hago para enseñar a los niños una sólida ética de trabajo? ¿Cómo puedo mantenerlos motivados a largo plazo? “Mi respuesta sincera es” No lo sé. “Aprecio su honestidad, sin embargo, está impresionada con el trabajo del Dra. Carol Dweck de la Universidad de Stanford. Dweck postula que “la capacidad de aprender no es fija, que puede cambiar con tu esfuerzo … Esta idea se llama” mentalidad de crecimiento “. Dweck explica:” Cuando los niños leen y aprenden sobre el cerebro y de la manera de cómo cambia y crece en respuesta a los desafíos, son mucho más propensos a perseverar cuando fallan, porque no creen que el fracaso es una condición permanente “.

Confío y creo en un Dios que me creó incluyendo mi mente, cuerpo, alma y espíritu. Todo lo que soy viene de él. Con eso dicho, perseguir una ética fuerte de trabajo, perseverencia, y determinación es una búsqueda noble para todos.

Friendship As Lifestyle Takes Persistence

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pastor Bill Mellinger, Crestline First Baptist; www.crestlinefbc.com

I have a friend who is on and off the streets and has been in and out of prison consistently for the nine years that I have known him. He has made bad choices with women, alcohol, money, and his temper. Sadly, he went to prison more than once because of the lies of another. We have had conversations about Jesus, his anger and alcohol issues, his artwork, dreams he has for a bicycle business, and his desire to make something of his life.

We have maintained our friendship through meetings in jail, extended stays on the church property or in the building, and even when I had to shut him up when he was angry or too drunk to reason properly. Two weeks ago, he showed up on the church property with an old recreational vehicle that had not been licensed in ten years. It is his new home on wheels. Of course, he did not have the money to get it licensed. Yes. He is a friend, so we helped him with the registration. I have seen growth in him. In fact, he moved his RV to a local business where another friend has asked him to do security. Together we are trying to stand with this man as he addresses his demons.

What does this have to do with cell ministry? Joel Comiskey reminded us this week, “Cell ministry is a lifestyle. This demands persistent determination. The journey might start because of the great examples of growing worldwide cell church but it will only continue due to heartfelt convictions based on the biblical foundations.”

My relationship with my friend is a reflection of my heartfelt conviction that Jesus has called me into a personal relationship with Him and with the people around me. I stay the course with cell ministry and my friend, even when it is tough and costs me personal sacrifices. I believe in our calling to make disciples and sometimes it takes a long time to become a mature disciple of Christ.

Cell ministry is not a fad for me. I would love to have explosive growth like some of the churches we read about. However, God has not called us to explosive growth; He has called us to be faithful. God wants us to love one another, disciple one another, use our spiritual gifts to build up one another,and together to share the love of Jesus with our world. What we do to minister to one another through our Life groups (cells) is a commitment to friendship that is not about a program or numbers. It is all about caring for someone like my friend and praying that one day we will see God fully living in the people we love.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Amizade Como Um Estilo de Vida Exige Persistência

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Eu tenho um amigo que entra e sai das ruas e entra e sai da prisão de forma consistente durante os nove anos que eu o conheço. Ele fez escolhas ruins com mulheres, álcool, dinheiro e com seu temperamento. Infelizmente, ele foi para a prisão mais de uma vez por causa de mentiras de outra pessoa. Tivemos conversas sobre Jesus, sua raiva e problemas de álcool, sua arte, sobre os sonhos que ele tem para um negócio de bicicletas e seu desejo de fazer algo de sua vida.

Mantivemos nossa amizade através de reuniões na prisão, estadias prolongadas na propriedade da igreja ou no prédio, e até mesmo quando eu tive que calá-lo quando ele estava com raiva ou muito bêbado para raciocinar corretamente. Duas semanas atrás, ele apareceu na propriedade da igreja com um veículo recreativo antigo que não havia sido licenciado em dez anos. É a sua nova casa sobre rodas. Claro, ele não tinha o dinheiro para torná-lo licenciado. Sim. Ele é um amigo, então nós o ajudamos com o registro. Tenho visto crescimento nele. Na verdade, ele mudou seu trailer para um negócio local onde outro amigo pediu que ele fizesse a segurança. Juntos, estamos tentando permanecer com esse homem enquanto ele lida com seus demônios.

O que isso tem a ver com o ministério celular? Joel Comiskey nos lembrou esta semana: “O ministério celular é um estilo de vida. Isso exige determinação persistente. A jornada pode começar devido aos ótimos exemplos de crescentes igrejas em células ao redor do mundo, mas só irá continuar devido a convicções sinceras baseadas nas bases bíblicas”.

Meu relacionamento com meu amigo é um reflexo da minha sincera convicção de que Jesus me chamou para um relacionamento pessoal com ele e com as pessoas que me rodeavam. Eu permaneço em curso com o ministério celular e com meu amigo, mesmo quando é difícil e isso me custa sacrifícios pessoais. Eu acredito em nosso chamado para fazer discípulos e às vezes leva tempo para se tornar um discípulo maduro de Cristo.

O ministério da célula não é uma moda para mim. Eu adoraria ter um crescimento explosivo como algumas das igrejas que lemos. No entanto, Deus não nos chamou para um crescimento explosivo; Ele nos chamou para sermos fiéis. Deus quer que nos amemos uns aos outros, que discipulemos uns aos outros, que usemos nossos dons espirituais para construir uns aos outros e que, juntos, possamos compartilhar o amor de Jesus com o nosso mundo. O que fazemos para ministrar um ao outro através dos nossos grupos Vida (células) é um compromisso com a amizade que não está relacionado a um programa ou números. É tudo sobre cuidar de alguém como meu amigo e orar para que um dia vejamos Deus vivendo plenamente nas pessoas que amamos.

Spanish blog:

La amistad como estilo de vida necesita de persistencia

Bill Mellinger, www.crestlinefbc.com

Tengo un amigo que deambula por las calles y ha estado dentro y fuera de la cárcel constantemente, durante los nueve años que tengo de conocerlo. Él ha tomado malas decisiones con mujeres, el alcohol, dinero y con su temperamento. Lamentablemente, fue a prisión más de una vez debido a las mentiras de otro. Hemos tenido conversaciones acerca de Jesús, sus problemas de ira y alcohol, sus obras de arte, los sueños que tiene para un negocio de bicicletas y su deseo de hacer algo de su vida.

Hemos mantenido nuestra amistad a través de reuniones en la cárcel, estancias prolongadas en la propiedad de la iglesia o en el edificio, e incluso cuando tuve que callarlo cuando estaba enojado o demasiado borracho para razonar adecuadamente. Hace dos semanas, se presentó en la propiedad de la iglesia con un viejo vehículo recreativo, que no había sido registrado en diez años. Claro que no tenía el dinero para obtener la licencia y por supuesto siendo el un amigo, le ayudamos con el registro. Esta es su nueva casa sobre ruedas. He visto crecimiento en él, de hecho, trasladó su RV a un negocio local, donde otro amigo le pidió que trabajará en el área de seguridad. Juntos, tratamos de apoyar a este hombre, mientras el enfrenta a sus demonios.

¿Qué tiene esto que ver con el ministerio celular? Joel Comiskey nos recordó esta semana: “El ministerio celular es un estilo de vida. Esto exige una determinación persistente. El viaje podría comenzar con la ayuda de los grandes ejemplos de la creciente iglesia celular mundial, pero sólo continuará gracias a las convicciones de corazón, basados en los fundamentos bíblicos “.

Mi relación con mi amigo es un reflejo de mi sincera convicción de que Jesús me ha llamado a una relación personal con Él y con la gente que me rodea. Me quedo con el curso del ministerio celular y con mi amigo, incluso cuando es difícil y me tome sacrificios personales. Creo en nuestro llamamiento a hacer discípulos y a veces toma mucho tiempo convertirse en un discípulo maduro en Cristo.

El ministerio celular no es una moda para mí. Me encantaría tener un crecimiento explosivo como algunas de las iglesias de la que leemos. Sin embargo, Dios no nos ha llamado al crecimiento explosivo; nos ha llamado a ser fieles. Dios quiere que nos amemos unos a otros, que nos discípulemos unos a otros, que usemos nuestros dones espirituales para edificarnos unos a otros, y que juntos compartamos el amor de Jesús con nuestro mundo. Lo que hacemos para ministrar unos a otros a través de nuestros grupos de Vida (células) es un compromiso con la amistad, que no se trata de un programa o números. Se trata de cuidar a alguien como mi amigo y orar para que un día veamos a Dios viviendo plenamente en la gente que amamos.