Liberating Gang Members through Cell Ministry

coach_mario2016speaking

Mario Vega, www.elim.org.sv

The main problem in El Salvador is violent gangs. Elim church is confident that the gang members can be saved by the gospel of Jesus. That has produced the conversion of many of them in cells. But in addition to conversion, the former gang members need a job to rebuild their lives. Many of them have a criminal record or have been arrested and cannot find a job. The cells they attend help them by supporting them in various ways. But, as the number of conversions increases, it is becoming more difficult for cells to be able to help everyone.

In view of this, we must recognize that the church is not an entity that can generate jobs indefinitely. Those who generate jobs are businessmen. For the same reason, the church makes alliances with socially conscious businessmen who open the doors of opportunity so that these young people, once born again, can have a job. Only by building alliances can the church complete the social insertion of these marginalized young people. This principle can be used in different contexts and problems. The church must not withdraw in its four walls; rather, it must participate with others to do a more effective job of evangelizing and helping those in need.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Libertando Membros de Gangues Através do Ministério Celular

By Mario Vega

O principal problema em El Salvador são as gangues violentas. A Igreja Elim confia em que os membros das gangues podem ser salvos pelo evangelho de Jesus. Isso produziu a conversão de muitos deles nas células. Mas, além da conversão, os ex-membros das gangues precisam de um trabalho para reconstruir suas vidas. Muitos deles têm antecedentes criminais ou foram presos e não conseguem encontrar emprego. As células que eles frequentam ajudam, apoiando-os de várias maneiras. Mas, à medida que o número de conversões aumenta, torna-se cada vez mais difícil para as células poderem ajudar todos.

Em vista disso, devemos reconhecer que a igreja não é uma entidade que pode gerar empregos indefinidamente. Quem que gera emprego são os empresários. Pelo mesmo motivo, a igreja faz alianças com homens de negócios socialmente conscientes que abrem as portas da oportunidade para que esses jovens, uma vez nascidos de novo, possam ter um emprego. Somente ao construir alianças a igreja pode completar a inserção social desses jovens marginalizados. Este princípio pode ser usado em diferentes contextos e problemas. A igreja não deve se fechar nas quatro paredes; em vez disso, deve participar com os outros para fazer um trabalho mais eficaz de evangelizar e ajudar os necessitados.

Spanish blog:

La iglesia celular y su trabajo ciudadano

por Mario Vega

El principal problema en El Salvador es el de las pandillas violentas. La iglesia Elim tiene seguridad de que los miembros de pandillas pueden ser salvados por el evangelio de Jesús. Eso ha producido la conversión de muchos de ellos en las células. Pero, además de la conversión, los ex miembros de pandillas necesitan un trabajo para rehacer sus vidas. Muchos de ellos tienen antecedentes penales o han estado presos y no pueden encontrar un trabajo. Las células a las que asisten les ayudan apoyándoles de diversas maneras. Pero, en la medida que aumenta la cantidad de conversiones, cada vez es más difícil para las células el poder ayudar a todos.

Ante ello, hay que reconocer que la iglesia no es una entidad que pueda generar empleos de manera indefinida. Quienes generan empleos son los empresarios. Por la misma razón, la iglesia hace alianzas con empresarios con conciencia social que abren las puertas de oportunidad para que estos jóvenes, ya nacidos de nuevo, puedan tener un empleo. Solamente por la construcción de alianzas es que la iglesia puede completar la inserción social de estos jóvenes marginados. Este principio, puede ser utilizado en contextos y ante problemas diferentes. La iglesia no debe retraerse en sus cuatro paredes, debe tener una participación ciudadana que la haga ser más efectiva en su trabajo evangelizador e iluminar a la sociedad en todas las áreas.

My Mistake:  Being Slow to Resolve Conflict

coaches-rob3Web

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

In the first year of our existence as a church family, we experienced zero conflict.  Yes, that is a big statement and one that is hard to believe.  It is, however, true.  Eventually, I began to understand the phrase “motion causes friction.”  Conflict seeped into our church family.

I was slow to resolve conflict. This was a mistake on my part.  I thought the conflict would go away.  When “it” hung around, I hired a “hit man.”  As John Maxwell says, “It’s the Al Capone Remedy.”  This means I would ask a fellow pastor or even cell leader to handle the conflict.  Therefore, I wouldn’t have to deal directly with conflict, and everything would march down the road of “Biblical community” just fine.   Indeed, sometimes the conflict was resolved without any involvement on my part.  Other times, I was simply in denial and lacked the courage to lead well during conflictive times.

We choose to avoid confronting conflict because of fear.  Here are some fears that most of us wrestle with in this context:

  • Fear of being disliked
  • Fear of being misunderstood
  • Fear of rejection
  • Fear of making things worse
  • Fear of the unknown.

I had to learn through God’s grace, love and strength to eradicate these fears through the Holy Spirit within me.  I had to choose faith in Him over fear.  I would like to believe that I have made progress in leading through conflict.  Certainly, I don’t wake up in the morning looking forward to dealing with conflict.  I’m sure the same is true for you.

Years ago, I heard this phrase:  It is more rewarding to resolve a conflict than it is to dissolve a relationship.   Give it some thought.

Learn from my mistake.

Rob

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Meu Erro: Ser Lento em Resolver Conflitos

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

No primeiro ano da nossa existência como uma igreja familiar, nós não experimentamos nenhum conflito. Sim, essa é uma grande declaração e uma difícil de se acreditar. É, no entanto, verdade. Eventualmente, eu comecei a acreditar na frase “o movimento causa fricção.” O conflito se infiltrou na nossa igreja familiar.

Eu era devagar para resolver conflitos. Isso foi um erro da minha parte. Eu pensava que o conflito iria embora. Quando isso acontecia, eu chamava um “homem de sucesso”. Como John Maxwell diz, “É o Remédio de Al Capone.” Isso significa que eu perguntaria para um companheiro pastor ou mesmo um líder de célula para lidar com o conflito. Portanto, eu não teria que lidar diretamente com ele, tudo caminharia para a estrada da “Comunidade Bíblica” perfeitamente. De fato, às vezes o conflito se resolvia sem nenhum envolvimento meu. Outras vezes, eu estava simplesmente em negação e faltava a coragem para lidar bem durante momentos conflituosos.

Nós escolhemos evitar confrontar o conflito por causa do medo. Aqui estão alguns medos que a maioria de nós lutávamos nesse contexto:

  • Medo de sofrer antipatia
  • Medo de ser incompreendido
  • Medo de rejeição
  • Medo de tornar as coisas piores
  • Medo do desconhecido

Eu tive que aprender por meio da graça, do amor e da força de Deus para erradicar esses medos através do Espírito Santo dentro de mim. Eu tive que escolher a fé nEle em vez do medo. Eu gostaria de acreditar que eu obtive progresso em liderar através do conflito. Certamente eu não acordo na manhã ansioso por lidar com ele. Eu tenho certeza que é a mesma verdade com você.

Anos atrás eu ouvi essa frase: É mais recompensador resolver um conflito do que é dissolver um relacionamento. Pense nisso.

Aprenda com o meu erro.

Rob

Spanish blog:

“Mi error: ser lento en resolver un conflicto”

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

En el primer año de nuestra existencia como familia de la iglesia, experimentamos cero conflictos. Sí, esa es una declaración grande y una que es difícil de creer. Sin embargo, es cierto. Con el tiempo, comencé a entender la frase “el movimiento causa fricción”. El conflicto se infiltró en nuestra familia de la iglesia.

Yo era lento para resolver el conflicto. Esto fue un error de mi parte. Pensé que el conflicto desaparecería. Cuando “el conflicto” se quedo, y contrate a un sicario. Como John Maxwell dijo: “Es el Remedio Al Capone”. Esto significa que pediría a un pastor compañero o líder de la célula que manejara el conflicto. Por lo tanto, no tendría que lidiar directamente con el conflicto, y todo marcharía por el camino de la “comunidad bíblica” muy bien. De hecho, a veces el conflicto se resolvió sin ninguna participación de mi parte. Otras veces, yo estaba simplemente en la negación y no tenía el coraje de dirigir bien durante los tiempos conflictivos.

Elegimos evitar los enfrentamientos y conflictos debido al miedo. Aquí hay algunos temores que la mayoría de nosotros luchamos con en este contexto:

  • Miedo a no ser gustado
  • Miedo a ser malentendido
  • Miedo al rechazo
  • Miedo a empeorar las cosas
  • Miedo a lo desconocido.

Tuve que aprender a través de la gracia de Dios, el amor y la fuerza a erradicar en estos temores a través del Espíritu Santo dentro de mí. Tuve que elegir la fe en Él por miedo. Me gustaría creer que he progresado en la dirección a través del conflicto. Ciertamente, no me despierto en la mañana con ganas de lidiar con el conflicto. Estoy seguro que lo mismo te pasa a ti.

Hace años, escuché esta frase: Es más gratificante resolver un conflicto de lo que es disolver una relación. Dale un poco de reflexión.

Aprende de mi error.

Rob

Know the Limits 

coaches_steveCordleCropped

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

 Healthy churches have a way of attracting unhealthy people. The same is true for healthy groups. And that is a good sign! It means people see God through you and are coming to Him for hope.

Yet, it takes just one significantly unhealthy person to derail a group. It can be difficult for leaders to know how to both care for the troubled individual’s need and for the health of the group.

To keep the needs of an individual from destroying a group, the leader needs to clear on what the group can provide and what it can’t. A healthy cell is supportive, but it is not a support group.

For example, if a person cannot make it through a cell meeting without long speeches about her divorce, she needs help in finding a divorce recovery group. The leader and members can help her do that. There she will be able to process the issues of her divorce more deeply, while just making occasional mention of it in the cell meeting.

Some people are too broken to be able to function in a normal cell. For example, the behavior of some addicts will be destructive to the group. After the addict gets help in a recovery group, then he will be more able to function in a cell.

Cells are just not for perfect people. We’re all broken to some degree. But leaders need to have a clear understanding of what the cell can do and what it can’t.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Conheça os Limites

Por Steve Cordlewww.crossroadsumc.org

Igrejas saudáveis têm uma maneira de atrair pessoas não saudáveis. O mesmo é verdade para grupos saudáveis. E isso é um bom sinal! Isso significa que as pessoas veem Deus através de você e estão vindo a Ele por esperança.

No entanto, é preciso apenas uma pessoa significativamente não saudável para descarrilar um grupo. Pode ser difícil para os líderes saberem como cuidar da necessidade do indivíduo problemático e da saúde do grupo.

Para impedir que as necessidades de um indivíduo destruam um grupo, o líder precisa limpar o que o grupo pode fornecer e o que ele não pode. Uma célula saudável é solidária, mas não é um grupo de apoio.

Por exemplo, se uma pessoa não consegue ficar em uma reunião da célula sem fazer longos discursos sobre seu divórcio, ela precisa de ajuda para encontrar um grupo de recuperação de divórcio. O líder e os membros podem ajudá-la a fazer isso. Lá, ela poderá processar as questões de seu divórcio mais profundamente, ao mesmo tempo em que menciona isso ocasionalmente na reunião celular.

Algumas pessoas estão muito machucadas para poderem ficar bem em uma célula normal. Por exemplo, o comportamento de algumas pessoas viciadas será destrutivo para o grupo. Depois que essa pessoa obtiver ajuda em um grupo de recuperação, ela será mais capaz de funcionar em uma célula.

As células não são apenas para pessoas perfeitas. Estamos todos machucados até certo ponto. Mas os líderes precisam ter uma compreensão clara do que a célula pode e do que não pode fazer.

Spanish blog:

Conoce los límites

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Las iglesias saludables tienen una manera de atraer a la gente enferma. Lo mismo ocurre con los grupos sanos. ¡Y eso es una buena señal! Significa que las personas ven a Dios a través de ustedes y están viniendo a Él para tener esperanza.

Sin embargo, se necesita sólo una persona significativamente enferma para descarrilar a un grupo. Puede ser difícil para los líderes saber cómo cuidar tanto la necesidad del individuo con problemas como la salud del grupo.

Para mantener las necesidades de un individuo lejos de destruir un grupo, el líder tiene que aclarar en lo que el grupo puede proporcionar y lo que no puede. Una célula sana es de apoyo, pero no es un grupo de apoyo.

Por ejemplo, si una persona no puede hacerlo a través de una reunión celular sin largos discursos sobre su divorcio, necesita ayuda para encontrar un grupo de recuperación de divorcio. El líder y los miembros pueden ayudarla a hacer eso. Allí ella será capaz de procesar los temas de su divorcio más profundamente, mientras que acaba de hacer mención ocasional de ello en la reunión celular.

Algunas personas están demasiado rotas para poder funcionar en una célula normal. Por ejemplo, el comportamiento de algunos adictos será destructivo para el grupo. Después de que el adicto obtiene ayuda en un grupo de recuperación, entonces será más capaz de funcionar en una célula.

Las células no son para personas perfectas. Estamos todos rotos en algún grado. Pero los líderes necesitan tener un claro entendimiento de lo que la célula puede hacer y lo que no puede.

Dealing with Common Group Problems

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey, coaching available here (free first session available for those interested in receiving coaching)

I had a recent opportunity to visit specific groups and meet with leaders. Between visiting the groups and meeting with the leaders, I noticed four specific problems. These problems are common to all cell groups worldwide. In fact, I’ve noticed them all over the world.

Here they are:

  1. Problem people in the group. In this particular group there were asylum seekers from a particular country, which I will not mention in this newsletter. These refugees tended to flood the Life groups, hoping to find help. They became a source of irritation to many groups which felt they were too bold in asking for money. The church had to deal with this situation, making a rule that each Life group should only have one refugee and that asking for money was off-limits. But this is just one example of problem people in groups throughout the world. Other problem people include gossipers, dysfunctional people who don’t know how to relate to others, and debaters.
  2. The tendency to give advice, rather than listening. As we visited the groups, we noticed this common problem. There was a tendency to offer counsel and to try to correct the problem after someone shared deeply. While members might have the answers, often the greatest healing comes through careful listening, rather than giving immediate answers that tend to shut people down. Now there is a time and a place to give answers. For example, approaching the person individually after the Life group is a great time to share biblical truth. Another option is after diligently listening to the person to say something like, “I hear what you are saying. I wrestled with this issue myself and Jesus showed me this Scripture. . . “
  3. Dealing with the talkers (and getting the shy to talk). Dealing with the talkers was a common problem with those leaders who signed up to talk with us. I also noticed this problem in one of the groups I visited. Yet, this is also an age-old problem in cell groups worldwide. Left unchecked, a talker can ruin the group and the leader needs to know how to deal with him or her.
  4. Neglecting key parts of the Life group (Icebreaker, worship, etc.). Two of the three Life Groups I visited were exemplary and life-giving. However, I visited one group that failed to do an icebreaker, and I felt lost. A new person would have felt the same way. Keeping the group moving and a balanced diet of Welcome, Worship, Word, and Works really helps bring life. Granted, there are times when the Spirit moves differently, but unless that happens, it’s best to follow a balanced Life group order.

In the month of June, we’ll explore this topic more in-depth. If you’d like to receive these twenty blogs in your inbox, press here. We’ll cover:

  • June 04-10: How to deal with problem people.
  • June 11-17: The tendency to give advice rather than listening.
  • June 18-24: Dealing with those who talk too much (or helping those who talk too little).
  • June 25-July 01: Following a balanced order in the Life Group–not neglecting the key parts of the Life group.

Have you noticed these problems in your own cell group? Different ones? Feel free to comment here.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do google. Quando recebemos a tradução normal, a publicaremos no site imediatamente

Lidar com problemas comuns do grupo

Por Joel Comiskey, coaching disponível aqui (primeira sessão gratuita disponível para quem está interessado em receber coaching)

Em maio, Celyce e eu ministramos durante duas semanas na Tailândia na Igreja Evangélica de Banguecoque (BCE). Juntamente com a realização de seminários e pregações, tivemos a oportunidade de visitar três grupos de vida e consultar os líderes individualmente. Os líderes foram encorajados a se inscrever para se encontrar com Celyce e eu pessoalmente em quatro dias diferentes.

Entre a visita dos grupos e o encontro com os líderes, reparei em quatro problemas específicos. Esses problemas não são exclusivos de Bangkok. Na verdade, eu notei eles em todo o mundo. Porque eles são problemas universais, eles também apareceram nos grupos Life em Bangkok.

Aqui estão eles:

  1. Problema pessoas no grupo. No caso da Tailândia, existem muitos requerentes de asilo de um país específico, o que não mencionarei neste boletim informativo. Esses refugiados tendiam a inundar os grupos da Vida, na esperança de encontrar ajuda. Eles se tornaram uma fonte de irritação para muitos grupos que achavam que eram muito ousados ​​em pedir dinheiro. O BCE teve que lidar com esta situação, estabelecendo uma regra segundo a qual cada grupo da Vida deveria ter apenas um refugiado e que pedir dinheiro estava fora dos limites. Mas este é apenas um exemplo de pessoas problemáticas em grupos em todo o mundo. Outras pessoas problemáticas incluem gossipers, pessoas disfuncionais que não sabem como se relacionar com outras pessoas e debatadores.
  2. A tendência de dar conselhos, em vez de ouvir. Ao visitar os grupos, notamos esse problema comum. Havia uma tendência para oferecer conselhos e tentar corrigir o problema depois que alguém compartilhou profundamente. Enquanto os membros podem ter as respostas, muitas vezes a maior cura vem através de uma escuta cuidadosa, ao invés de dar respostas imediatas que tendem a fechar as pessoas. Agora há um tempo e um lugar para dar respostas. Por exemplo, abordar a pessoa individualmente após o grupo Life é um ótimo momento para compartilhar a verdade bíblica. Outra opção é depois de ouvir diligentemente a pessoa para dizer algo como: “Eu ouço o que você está dizendo. Eu lutei com essa questão e Jesus me mostrou essa Escritura …”
  3. Lidando com os conversadores (e ficando tímido para falar). Lidar com os interlocutores era um problema comum com os líderes que se inscreveram para conversar conosco. Eu notei também esse problema em um dos grupos que visitei. No entanto, este também é um problema antigo em grupos de células em todo o mundo. Sem controle, um falador pode arruinar o grupo e o líder precisa saber como lidar com ele ou ela.
  4. Negligenciando partes-chave do grupo Life (quebra-gelo, adoração, etc.). Dois dos três Grupos de Vida que visitei na Tailândia foram exemplares e de vida. Eu até escrevi sobre um deles em um blog recente. No entanto, visitei um grupo que não conseguiu fazer um quebra-gelo e me senti perdido. Uma nova pessoa sentira o mesmo. Esse mesmo grupo bombardeou o tempo de adoração, e não estávamos preparados para a lição que se seguiu. Manter o grupo em movimento e uma dieta equilibrada de Bem-Vindo, Adoração, Palavra e Obras realmente ajuda a trazer a vida. Concedido, há momentos em que o Espírito se move de forma diferente, mas, a menos que isso aconteça, é melhor seguir uma ordem de grupo de Vida equilibrada.

No mês de junho, exploraremos esse tema mais profundamente. Se você quiser receber esses vinte blogs na sua caixa de entrada, pressione aqui. Vamos cobrir:

  • 04 a 10 de junho: como lidar com pessoas problemáticas.
  • 11 a 17 de junho: a tendência de dar conselhos ao invés de ouvir.
  • 18 a 24 de junho: lidar com aqueles que falam demais (ou ajudar aqueles que falam muito pouco).
  • 25 de junho a 01 de julho: seguindo uma ordem equilibrada no Grupo Vida – não negligenciando as partes-chave do grupo Vida.

Você notou esses problemas em seu próprio grupo de células? Diferentes? Não hesite em comentar aqui.

Spanish blog:

Tratando con Problemas Comunes en las Células.

En Mayo, Celyce y yo ministramos por dos semanas en Tailandia en la Iglesia Evangélica de Bangkok (ECB, por sus siglas en Ingles). Llevando a cabo seminarios y predicaciones, también tuvimos la oportunidad de visitar tres células y compartir individualmente con los líderes, quienes fueron animados a reunirse con Celyce y  conmigo personalmente en cuatro días diferentes.

Entre las visitas a las células y las reuniones con los líderes, observe cuatro problemas en específico. Estos problemas no son exclusivos de Bangkok. De hecho, los he notado en todo el mundo. Y debido a que son problemas universales, también existen en Bangkok.

Estos son:

  1. Cómo tratar con personas problemáticas. En el caso de Tailandia, encontramos a solicitantes de asilo, de un país en específico, el cual no mencionaré en este boletín. Los refugiados asistían a las células de manera masiva, esperando encontrar ayuda. ECB trato con esta situación, teniendo una regla, en la cual cada célula solo podía atender a un refugiado; y el pedir dinero estaba prohibido. Este es sólo un ejemplo de personas problemáticas en las células en todo el mundo. Otras personas problemáticas son los chismosos, personas disfuncionales que no saben cómo relacionarse con los demás, y las personas a las que les gusta entrar en polémica.
  2. La tendencia de aconsejar antes de escuchar. A medida que  visitábamos las células, observamos un problema en específico. Había una tendencia a ofrecer consejería y tratar de corregir un problema antes de que el asistente lo compartiera de una manera profunda. Aunque los miembros de las células pueden tener las respuestas, con frecuencia la mayor sanidad llega a través de una escucha cuidadosa, en lugar de dar una respuesta inmediata que tiende a callar a las personas. Claro, hay un tiempo y lugar para dar respuestas. Por ejemplo, acercarse a la persona de manera individual, después de la célula es una gran oportunidad para compartir una verdad bíblica.
  3. Tratando con los que hablan mucho (y hacer que los tímidos hablen). Tratar con las personas que hablan mucho fue una temática común entre los líderes que se anotaron para hablar con nosotros. También observe este problema en uno de los grupos que visite. Sin embargo, esta es una situación longeva que se da en los grupos celulares alrededor del mundo. Pero si no se controla, estas personas pueden perjudicar la célula; de esta manera el líder debe saber cómo tratar con estas.
  4. Descuidar aspectos claves en la célula (dinámicas rompehielo, adoración, etc.). Dos de las tres células que visite en Tailandia fueron ejemplares y llenas de vida. Incluso escribí acerca de ellas en un reciente blog. Sin embargo, visite un grupo que falló en realizar una dinámica rompehielo, y me hizo sentir perdido. Un miembro nuevo en la célula se hubiera sentido de la misma manera. En la misma célula se intensifico el tiempo de adoración, y no nos sentíamos preparados para la enseñanza que se dio luego. Mantener al grupo en movimiento y en una dieta balanceada de Bienvenida, Adoración, Palabra y Obras ayudan verdaderamente a traer vida a la misma. Claro que hay momentos en el que el Espíritu se mueve de manera diferente, pero a menos que ese sea el caso, lo mejor es seguir un orden balanceado en la célula.

En el Mes de Junio, exploraremos este tema de manera más profunda. Si te gustaría recibir los veinte blogs en tu inbox, presiona aquí. Se incluiran:

  • Junio 04-10: Cómo tratar con personas problemáticas.
  • Junio 11-17: La tendencia de aconsejar antes de escuchar.
  • Junio 18-24: Tratando con los que hablan mucho (y hacer que los tímidos hablen).
  • Junio 25-Julio 01: Siguiendo un  orden equilibrado en la célula – sin descuidar  las partes clave de la misma.

¿Has observado estos problemas en tu propia célula? ¿Diferentes? No dudes en dejar tu comentario aquí.

Blessed Practices

coaches_jeffTun2011

By Jeff Tunnell

Jesus conducted a major instructional event with His Disciples in John chapter 13. We should note that Jesus first demonstrated what he was teaching, then asked his disciples if they understood what had happened, followed up with a directive, and He concluded the event by saying,

“Now that you know these things, you will be blessed if you do them.”

To be “blessed” means; to be fortunate, happier and well cared for.

In our cell lessons, practices for living are often discussed.  Encouragement to put these practices in place can be followed up during ensuing weeks to celebrate successful implementation. Building one another up by acknowledging growth in application becomes a powerful tool to motivate others.

We all desire to be “blessed”; let’s be doers of the word and not hearers only.

Jeff

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Práticas Abençoadas

Por Jeff Tunnell

Jesus realizou um grande evento de instrução com Seus discípulos em João capítulo 13. Devemos notar que Jesus primeiro demonstrou o que ele estava ensinando, e depois perguntou a seus discípulos se eles entenderam o que aconteceu, seguido de um direcionamento, e Ele concluiu o evento dizendo:

“Agora que vocês sabem estas coisas, abençoados serão se as praticarem”.

Ser “abençoado” significa; ser afortunado, mais feliz e bem cuidado.

Nas lições de nossas células, as práticas para a vida muitas vezes são discutidas. O incentivo para colocar essas práticas em ação pode ser acontecer durante as semanas seguintes para celebrar uma implementação bem-sucedida. Construir uns aos outros ao reconhecer o crescimento na aplicação torna-se uma ferramenta poderosa para motivar as pessoas.

Todos desejamos ser “abençoados”; vamos colocar a Palavra em ação e não apenas ouvi-la.

Jeff

Spanish blog:

Prácticas bendecidas

Por Jeff Tunnell

Jesús llevó a cabo un importante evento de instrucción con sus discípulos en Juan capítulo 13. Debemos tener en cuenta que Jesús primero demostró lo que estaba enseñando, luego preguntó a sus discípulos si entendían lo que había sucedido, seguido con una directiva, y concluyó el evento diciendo,

“Ahora que sabes estas cosas, serás bendecido si las haces”.

Ser “bendecido” significa; Ser afortunado, más feliz y bien cuidado.

En nuestras lecciones en el grupo celular, las prácticas para vivir son discutidas a menudo. El fomento de poner en práctica estas prácticas puede ser seguido durante las semanas siguientes para celebrar la implementación exitosa. Construirse uno al otro por el reconocimiento del crecimiento en la aplicación se convierte en una herramienta poderosa para motivar a los demás.

Todos deseamos ser “bendecidos”; Seamos hacedores de la palabra y no oidores solamente.

Jeff

Applying God’s Word in the Cell

By Robert Gutierrez, Iglesia Bautista Torre Fuerte

In our church we have decided to connect the Sunday preaching to our Small Groups for one primary reason: As individuals our hearing/ listening capacity is very poor, so even if a person is a “good listener,” he or she only retains about 7% of what was said during the preaching. A average person probably retains about 4%, so you can see why it’s important for pastors to apply their sermons in the cell lesson.

How do we do it? We add an additional portion of the Bible that connects to the preaching theme. This helps to amplify the knowledge of the theme, and the members can discuss within their group what they have learned and then apply it to their daily lives.

We instruct our cell facilitators to simply ask the questions to the group and allow them to answer. To develop the cell lessons, we use the T4T strategy (trainers for training). With this strategy, any member in the group can give the study. The T4T strategy helps us not waste time in giving additional training or explaining how to give a Bible lesson. The leaders are responsible for training their groups in how to do it. Here’s what we do:

First Look Back (Time: 1/3)

  • Care: share a meal, refreshments, or prayer
  • Worship / Prayer
  • Asks questions about last week’s Bible study and if they obeyed and shared it with someone. Give the name of that person.
  • Ask if anyone has shared Christ.
  • Vision of our church: Acts 19:10, Acts 1:8, Matthew 28:19-20 The need to reach our OIKOS.

Look UP (Time: 1/3)

Read and discuss today’s Bible study passage

  • What did you like about the passage?
  • What was difficult about the passage?

Read the Bible passage again

  • What does this passage teach us about people?
  • What does this passage teach us about God?

Look Forward (Time: 1/3)

What are we going to do with what we just learned?

Give a quiet moment for everyone to pray in order for the Holy Spirit to guide them in answering the following questions.

  • How are you going to obey this passage?
  • With whom are you going to share this passage?
  • With whom are you going to share you testimony or God’s story?

The objective is for each group to develop a cell lesson that will transform lives, develop future leaders, and reach the lost. When the Pastor is the only one giving the Bible Study, he is detaining the potential of leaders in the church to develop for themselves and for the church to grow spiritually and in number.

At I.B.T.F. this is the way we do our Small Group study guide. It has been a great blessing because many of the people who have been trained are now giving the studies, and we are connecting the preaching in a simple, practical way. Remember as pastors, we have the commitment to equip the members who will in turn equip the church (Ephesians 4:11-12).

Robert

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Conectando a Pregação de Domingo com a Célula

Por Robert Gutierrez, Iglesia Bautista Torre Fuerte (I.B.T.F. – “Igreja Batista Torre Forte”)

Em nossa igreja nós decidimos conectar a pregação de domingo com nossos Pequenos Grupos por uma razão básica: Como indivíduos nossa capacidade de escutar/ouvir é muito pobre, então ainda que uma pessoa seja um “bom ouvinte”, ele ou ela retém apenas 7% do que foi dito durante a pregação. Uma pessoa na média retém em torno de 4%, então você pode ver o porquê é importante que os pastores apliquem seus sermões na palavra da célula.

Como nós fazemos isso? Nós acrescentamos uma porção adicional da Bíblia que se conecta ao tema da pregação. Isso ajuda a ampliar o conhecimento do tema, e os membros podem discutir dentro de seu grupo o que eles aprenderam e, depois, aplicar em suas vidas diárias.

Nós instruímos nossos facilitadores de célula a simplesmente fazer as perguntar ao grupo e permitir que eles respondam. Para desenvolver a palavra da célula, nós usamos a estratégia “T4T” (“TparaT” – treinadores para treinamento). Com essa estratégia, qualquer membro do grupo pode dar o estudo. A estratégia T4T nos ajuda a não desperdiçar tempo em dar treinamento adicional ou em explicar a como levar uma palavra da Bíblia. Os líderes são responsáveis por treinar seus grupos a como fazer isso. Aqui está o que fazemos:

  1. Primeiro Olhar para Trás (Tempo: 1/3)

Cuidado: compartilhem uma refeição, bebidas, ou oração

Adoração / Oração

  •  Faça perguntas sobre o estudo bíblico da semana anterior e se eles obedeceram e compartilharam-no com alguém. Dê o nome dessa pessoa.
  • Pergunte se alguém compartilhou Cristo.
  • Visão da nossa igreja: Atos 19:10, Atos 1:8, Mateus 28:19-20 A necessidade de alcançar nossos OIKOS.

2. Olhe para Cima (Tempo: 1/3)

Leia e discuta a passagem de estudo bíblico de hoje

  •  Do que você gostou sobre a passagem?
  • O que foi difícil sobre a passagem?

Leia a passagem da Bíblia novamente

  • O que essa passagem nos ensina sobre as pessoas?
  • O que essa passagem nos ensina sobre Deus?

3.  Olhe Adiante (Tempo: 1/3)

  O que nós vamos fazer com o que acabamos de aprender?

 Dê um momento de silêncio para que todos possam orar para que o Espírito Santo os guie para responder as seguintes perguntas.

  •  Como você vai obedecer essa passagem?
  • Com quem você vai compartilhar essa passagem?
  • Com quem você vai compartilhar seu testemunho ou história de Deus?

O objetivo é que cada grupo desenvolva uma palavra de célula que vai transformar vidas, desenvolver futuros líderes, e alcançar o perdido. Quando o Pastor é o único que dá o Estudo da Bíblia, ele está detendo o potencial dos líderes da igreja para desenvolver a si mesmos e para a igreja crescer espiritualmente e em número.

 Na I.B.T.F. essa é a forma que nós fazemos nosso guia de estudo para os pequenos grupos. Tem sido uma grande bênção porque muitas das pessoas que foram treinadas agora estão dando os estudos, e nós estamos conectando a pregação de uma forma simples e prática. Lembre-se, como pastores nós temos o compromisso de equipar os membros que, por sua vez, vão equipar a igreja.

Robert

Spanish blog:

Por Robert Gutierrez

La Importancia de Conectar el Sermón con la Enseñanza en las Células y su Desarrollo en Iglesia Bautista Torre Fuerte

En I.B.T.F. hemos decidido conectar la enseñanza del sermón con las células por una razón:

La capacidad de escuchar como individuos es muy pobre, cuando una persona escucha bien podra escuchar y retener un 7% de lo explicado en el sermón. De lo anterior podemos concluir que el promedio que una persona escucha sería un 4%; por eso la importancia de agregar a nuestro sermón diapositiva (powerpoint) y notas, con el fin de elevar hasta un 33% la capacidad de entendimiento.

Habiendo analizado la problemática que padece los miembros de la iglesia de Cristo; en IBTF hemos decidido concectar el sermón del Domingo con la enseñanza en la célula.

¿Como lo Hacemos?

Para la enseñanza en la Célula lo que hacemos es agregar una porción bíblica adicional que conecte con el tema del sermón; para su análisis, discusión y aplicación a las vidas de los miembros de las células, esto amplía el conocimiento del tema y se discute en la intimidad del grupo para su entendimiento y aplicación.

¿Cual es la dinámica del estudio en nuestras células?

La dinámica de la realización del estudio es que el facilitador solo realiza las preguntas a los miembros de la célula y estos dan las respuestas. Para desarrollar el estudio en la célula usamos la estrategia de T4T, (trainers for training) Entrenando a Entrenadores, con esta estrategia cualquier miembro de la célula puede dirigir un estudio en el grupo, y asi evitamos gastar tiempo adicional en entrenar y explicar como dar el estudio. Los líderes de las células son responsables de entrenar al que va a dirigir el estudio.

Dinámica del Estudio

  1. MIRANDO HACIA ATRAS (1/3 del tiempo)

Rindiendo Cuentas (Del estudio de la semana pasada)

-¿Como ha obedecido lo que ha aprendido?

-¿Con quién compartió lo que aprendió?

-¿Con quién ha compartido la historia de Dios, o su testimonio personal?

Lanzar la Visión: Hechos 19:10 ; Hechos 1:8; Mateo 28:19-20 Alcanzar e invitar a sus OIKOS.

2. MIRAR HACIA ARRIBA (1/3 del tiempo)

(Estudio Bíblico de Hoy)

-Leer y dialogar el pasaje en estudio.

¿Que le gusto acerca de este pasaje?

¿Que le pareció difícil de este pasaje?

-Leer de nuevo el pasaje en estudio

¿Que nos enseña este pasaje acerca de las personas

¿Que nos enseña este pasaje acerca de Dios?

3. MIRANDO HACIA ADELANTE (Futuro) (1/3 del tiempo)

(Que Van Hacer Con Lo Aprendido?)

Permitir que oren individualmente en silencio los que están en la reunión para que el Espíritu Santo les muestre como responder las siguientes pregunta

¿Como obedecerá este pasaje?

¿A quién capacitará con este pasaje leído?

¿Con quién compartirá su historia o la historia de Dios?

El objetivo de las células es desarrollar un estudio que transforme vidas, que se desarrollen líderes, alcanzar los pérdidos; el estar desarrollando el pastor los estudios para las células, esta deteniendo el potencial de los posibles líderes para la multiplicación, y evitando asi que desaparezca el hombre fuerte dentro de la iglesia misma que viene a ser el pastor general.

Esta es la dinámica en los estudio de las células que tenemos en I.B.T.F., y ha sido de gran bendición porque muchos que están siendo capacitados están ya dirigiendo estudios, cuyas porciones bíblicas estan conectadas a la enseñanza del sermón . Es una manera muy práctica y sencilla para los líderes de células, sus asistentes, en llevar acabo los estudios.

Recuerde que como pastores tenemos el compromiso ante Cristo de cumplir, Efesios 4:11-12.

“Y él mismo constituyó a unos, apóstoles; a otros, profetas; a otros, evangelistas; a otros, pastores y maestros, a fin de perfeccionar a los santos para la obra del ministerio, para la edificación del cuerpo de Cristo…”

Efesios 4:11-12

Dios los bendiga

Handling Interruptions in the Cell

By Gerardo Campos, district pastor in Elim Church, www.elim.org.sv

On a Saturday when Marina Ramirez taught the lesson at an Elim cell, she never thought that a guest would interrupt her to argue in favor of the false sect that he attended. Soon the group was tempted to engage in a theological discussion that would surely derail the purpose of transformation and discipleship sought in every cell.

To prevent the group getting off track, she regained control in a kind but wise way and continued teaching the lesson. She had been trained in the equipping track to keep the group from debating theological arguments, knowing that the purpose of the cell is fellowship, edification, and evangelizing.

Pastors at Elim understand the importance of training leaders to be effective at the moment of giving the lesson. They learn that one of the principles to become a successful leader is to diligently prepare for the lessonto be able to teach with knowledge and authority and to avoid getting off track.

Of course, every lesson could generate questions that people will want to clarify in a timely manner, but it’s best to wait to the end of the meeting or during the fellowship time to give answers to questions and doubts that arise. And when doing so, the leader must show humility in the face of questions he does not know how to answer.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Lidando com interrupções na célula

Por Gerardo Campos, https://elim.org.sv/

Em um sábado quando Marina Ramirez ensinava a lição em uma célula da Elim, ela nunca pensou que um convidado a interromperia para discutir em favor da falsa seita que ele frequentava. Logo o grupo foi tentado a se engajar em uma discussão teológica que com certeza desviaria o propósito de transformação e discipulado buscado em toda célula.

Para impedir que o grupo saísse do curso, ela retomou o controle de uma maneira gentil mas sábia e continuou a ensinar a lição. Ela tinha sido treinada no trilho de treinamento a evitar que o grupo debatesse argumentos teológicos, sabendo que o propósito da célula é companheirismo, edificação e evangelismo.

Pastores na Elim compreendem a importância de treinar líderes a serem eficazes no momento de dar a lição. Eles aprendem que um dos princípios de se tornar um líder de sucesso é preparar diligentemente o estudo da semana para ser capaz de ensinar com conhecimento e autoridade e evitar sair dos trilhos.

É claro, toda as lições podem gerar perguntas que as pessoas vão querer esclarecer de uma maneira oportuna, mas é melhor esperar o fim da reunião ou durante o momento de comunhão para responder as questões que surgem. E ao fazer isso, o líder deve mostrar humildade diante das perguntas que ele não sabe como responder.

Spanish blog: 

Manejando interrupciones en la célula

Por Gerardo Campos, https://elim.org.sv/

Cuando Marina Ramírez enseñaba un día sábado en una célula de Elim jamás pensó que un invitado le interrumpiría para disentir del tema que se estudiaba y argumentar a favor de la secta a la que asistía. Pronto el grupo se sintió tentado a envolverse en una discusión teológica que seguramente descarrilaría el propósito de transformación y discipulado que se busca en cada célula.

No obstante Marina recordaba que durante su entrenamiento al liderazgo había aprendido que los componentes de la célula son el confraternizar, edificar, y evangelizar. Para evitar que el grupo terminara saliéndose de la pista de una manera amable, pero sabia, retomó el control y continuó en el camino de la enseñanza sin más interrupciones.

Los pastores en Elim comprendemos la importancia de capacitar a los líderes para que sean eficaces al momento de dar la lección. Ellos aprenden que uno de los principios para llegar a ser un líder exitoso es preparar adecuadamente el estudio de la semana, ya que de esa manera cada uno sabrá enseñar con la autoridad que el conocimiento del tema le confiere, evitando así los sorpresivos golpes de timón.

Por supuesto que toda lección podría generar interrogantes que las personas desearán que se les aclaren en el momento oportuno. Es hasta el final de la reunión o durante la confraternización que el líder ofrece respuestas a aquellas dudas que hayan surgido. Al mismo tiempo debe mostrar humildad frente a preguntas que no sabe responder.

Word Time in the Cell Meeting

coaches_robLAY-web

By Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil, www.celulas.com.br

Leaders need to be properly trained to lead the Word time. It is a time where the cell members are challenged to apply what they learned on Sunday. It should be a time of encouragement to obey God’s Word, rather than deepening or discussion of biblical knowledge. It should not be a contest of biblical knowledge. It makes no difference if the sermon is being used or any other method. By all means we are not repeating the sermon, trying to perfect it or discuss it, but our goal is to “interact” with the Word of God. The main concern should be to maximize three questions that facilitate comprehension and application of the subject.

The Pastor or the person in charge of writing the guides for edification, should also go through a training to be as simple and clear as possible with comments on the text and resulting questions. We never should take anything for granted in preparing the materials for our leaders. They need to receive everything worked out in a most simple and understandable form for life application. They do not have the time to research about what the Pastor meant or  has written. As said before it is “obedience time” to biblical truths, and not deepening of theological knowledge time.

It also is important, not to let the application turn into an “I think” affirmation. But the emphasis should be on an “I will do…” attitude. In the next cell meeting, there should be an accountability time for “I did…

Help us GOD.

Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Momento da Palavra na Reunião de Célula

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

Líderes precisam ser adequadamente treinados para conduzir o momento da Palavra. É um tempo no qual os membros da célula são desafiados em aplicar o que eles aprenderam no domingo. Deve ser um momento de encorajamento a obedecer a Palavra de Deus, em vez de aprofundar ou discutir o conhecimento bíblico. Não deve ser uma competição de conhecimento bíblico. Não faz diferença alguma se o sermão está sendo usado ou qualquer outro método. Por todas as formas nós não estamos repetindo o sermão, tentando aperfeiçoa-lo ou discuti-lo, mas nosso objetivo é “interagir” com a Palavra de Deus. A principal preocupação deve ser maximizar três perguntas que facilitam a compreensão e a aplicação do assunto.

O Pastor ou a pessoa responsável por escrever os guias para edificação devem também passar por um treinamento para ser o mais simples e claro possível com comentários sobre o texto e questões resultantes. Nós nunca devemos deixar de dar valor em preparar os materiais para os nossos líderes. Eles precisam receber tudo elaborado da forma mais simples e compreensível para aplicação da vida. Eles não têm o tempo para pesquisar sobre o que o Pastor quis dizer ou escreveu. Como dito antes é o “momento de obediência” às verdades bíblicas, e não de aprofundamento do conhecimento teológico.

Também é importante não deixar a aplicação se tornar numa afirmação de “eu acho”. Mas a ênfase deve ser em uma atitude de “eu farei…. Na próxima reunião de célula, deve haver um momento de prestação de contas para “eu fiz…

Ajude-nos DEUS.

Robert Lay, Ministério Igreja em Células Brasil

Spanish blog:

La hora de la palabra en la reunión celular

Por Robert Lay, www.celulas.com.br

Los líderes necesitan ser entrenados apropiadamente para dirigir el tiempo de la Palabra. Es un momento en el que los miembros de la célula se ven obligados a aplicar lo que aprendieron el domingo. Debe ser un tiempo de aliento para obedecer la Palabra de Dios, en lugar de profundizar o discutir el conocimiento bíblico. No debe ser un concurso de conocimiento bíblico. No hace ninguna diferencia si la predicacion está siendo usada o cualquier otro método. Por supuesto que no estamos repitiendo la predicacion, tratando de perfeccionarlo o discutirlo, pero nuestro objetivo es “interactuar” con la Palabra de Dios. La principal preocupación debe ser maximizar tres preguntas que facilitan la comprensión y la aplicación del tema.

El Pastor o la persona a cargo de escribir las guías para la edificación, también debe pasar por una formación para ser lo más simple y claro posible, con comentarios sobre el texto y las preguntas resultantes. Nunca debemos tomar nada por sentado en la preparación de los materiales para nuestros líderes. Ellos necesitan recibir todo lo que se ha elaborado de la forma más sencilla y comprensible para la aplicación de la vida. No tienen tiempo para investigar sobre lo que el Pastor ha querido decir o ha escrito. Como se ha dicho antes es “tiempo de obediencia” a verdades bíblicas, y no profundización del tiempo de conocimiento teológico. 

También es importante, no dejar que la aplicación se convierta en una afirmación “creo”. Pero el énfasis debe estar en una actitud de “Yo lo haré …”. En la siguiente reunión de la célula, debería haber un tiempo de rendición de cuentas el cual “lo hice …”

Ayúdanos a DIOS.

Robert Lay, Ministerio Celular de la Iglesia en Brasil

The Gifts of the Spirit and Cell Ministry

coach_mario2016speaking

Mario Vega, www.elim.org.sv

When we began to work with cells in Elim, we decided not to allow the exercise of the gifts of the Spirit within them. The reason was the fear of false manifestations that might cause havoc. It was safer to exercise the gifts in the celebration services, where the pastors could regulate them. And since there were no pastors present in the cell groups, we thought that it was best not to allow the exercise of gifts.

We continued this way for several decades, but as I ministered with Joel Comiskey at various conferences in different countries, I heard that he repeatedly mentioned the theme of the gifts of the Spirit within the cell. That caught my attention and I decided to read Joel’s book “The Spirit-Filled Small Group“. With that reading, I came to understand the important role that gifts have within the cell. I understood that we at Elim had made a mistake: Corinth had also misused the gifts, but Paul did not prohibit the exercise of the gifts. What he did was to instruct the church to use them correctly. Similarly, we should not prohibit the exercise of gifts in cells, but instruct leaders to learn how to administer them properly and in order.

From that moment, the door to the gifts was opened and the leaders were instructed on how to regulate them. In that way, the exercise of the gifts of the Spirit as speaking in other tongues, prophesying and the exercise of the gifts of healing have given new life to the cell. Guests know that the cell is more than the lesson, there is a dynamic intervention of the Holy Spirit and that keeps the cell full of life.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Os dons do Espírito e o Ministério Celular

Por Mario Vega.

Quando nós começamos a trabalhar com células em Elim, decidimos não permitir o exercício dos dons do Espírito dentro delas. A razão era o medo de falsas manifestações que poderiam causar confusões. Era mais seguro exercitar os dons nos cultos de celebração, onde os pastores poderiam regulá-los. E já que não havia pastores presentes nos grupos de célula, nós pensamos que era melhor não permitir o exercício dos dons.

Nós continuamos dessa maneira por várias décadas, mas conforme eu ministrava com Joel Comiskey em várias conferências em diferentes países, eu ouvi que ele mencionou repetidamente o tema dos dons do Espírito dentro da célula. Isso fisgou a minha atenção e eu decidi ler o livro de Joel “The Spirit-Filled Small Group” (em tradução livre, O Pequeno Grupo Cheio do Espírito). Com essa leitura, eu passei a entender o papel importante que os dons têm dentro da célula. Eu compreendi que nós em Elim cometemos um erro: Corinto também errou no uso dos dons, mas Paulo não proibiu seu exercício. O que ele fez foi instruir a igreja a usá-los corretamente. Do mesmo modo, nós não devemos proibir o exercício dos dons nas células, mas instruir os líderes a aprender como administrá-los adequadamente e em ordem. 

A partir daquele momento, a porta aos dons foi aberta e os líderes foram instruídos em como regulá-los. Dessa forma, o exercício dos dons do Espírito como falar em outras línguas, profetizar e o exercício dos dons de cura deram nova vida à célula. Os convidados sabem que a célula é mais do que a lição; há uma intervenção dinâmica do Espírito Santo e isso mantém a célula cheia de vida.

Spanish blog:

Los dones del Espíritu y la vida de la célula

por Mario Vega

Cuando en Elim comenzamos a trabajar con células, se tomó la decisión de no permitir el ejercicio de los dones del Espíritu dentro de ellas. La razón era el temor a que se produjera alguna deformación o la interferencia de manifestaciones falsas. En la celebración los dones eran regulados por los pastores, pero dado que en la célula no se contaba con la presencia de un pastor se pensó que lo mejor era no permitir el ejercicio de los dones.

Así, se continuó durante varias décadas. Después, compartiendo con Joel Comiskey en diversas conferencias en distintos países, escuchaba que él mencionaba repetidamente el tema de los dones del Espíritu dentro de la célula. Eso me fue llamando la atención y decidí leer el libro de Joel “The Spirit-Filled Small Group.” Con esa lectura, terminé de comprender el importante papel que los dones tienen dentro de la célula. Entendí que habíamos cometido un error: en Corinto también se había hecho mal uso de los dones, pero Pablo no prohibió que se ejercitaran los dones. Lo que hizo fue instruir a la iglesia para que los usaran correctamente. De igual manera, nosotros no debíamos prohibir el ejercicio de los dones en las células sino que instruir a los líderes para que supieran administrarlos.

A partir de ese momento, se abrió la puerta a los dones y se instruyó a los líderes sobre cómo regularlos. De esa manera, el ejercicio de los dones del Espíritu como el hablar en otras lenguas, el profetizar y el ejercicio de los dones de sanidades han dado nueva vida a la célula. Los invitados saben que la célula es más que la lección, hay una intervención dinámica del Espíritu Santo y eso mantiene la célula viva.

Prayer Produces Intimacy

coaches_jeffTun2011

By Jeff Tunnell

Talking with God, about others

Talking with others, about God

Talking WITH God, WITH others

All three of the above descriptions of prayer will produce intimacy, with God and others.  Here I would like to focus on the third description; Talking WITH God, WITH others.  This opportunity occurs regularly in cell meetings.  It can be planned to happen at any point in the gathering; at the beginning as we welcome the Holy Spirit to meet with us, during the discussion when the need is present to invite God to help us with application of the Scripture being considered, or near the end of the time together.  Prayer times also arise spontaneously at the direction of the Holy Spirit and allows wonderful moments to respond.

There are multiple ways to approach talking WITH God, WITH others.  The entire group prays all at once about a particular need or issue for a minute or two without specific coordination.  The group moves into groups of three to pray prayers of agreement about something, or prays for one another around the triplet.  The leader talks with God first, and then passes the prayer moment to the next person in the circle until all have had a chance to talk with God as the rest of the group agrees with the one praying.  Everyone participates in this life-giving exchange rather than prayer being offered by a single person.

Talking with God with others generates life in the cell as each one matures in learning to pray.  These activities also produce intimacy with God and others in a way that leads to a more dynamic group that will support one another throughout the week between gatherings.

Take time to be intimate, WITH God and WITH others.

Jeff

Korean blog (Click here)

Portuguese blog: 

A Oração Produz Intimidade

Por Jeff Tunnell

Conversar com Deus sobre os outros

Conversar com os outros sobre Deus

Conversar COM Deus COM os outros

Todas as três das descrições acima da oração produzirão intimidade com Deus e com os outros. Aqui eu gostaria de me concentrar na terceira descrição: Conversar COM Deus, COM os outros. Esta oportunidade ocorre regularmente em reuniões de células. Pode ser planejado para acontecer em qualquer momento da reunião. No início, quando damos as boas-vindas ao Espírito Santo para nos encontrar, durante a discussão quando há necessidade de convidar Deus a nos ajudar com a aplicação da Escritura que está sendo considerada, ou perto do final do tempo juntos. Os momentos de oração também surgem espontaneamente na direção do Espírito Santo e permitem momentos maravilhosos.

Existem várias maneiras de abordar a conversa COM Deus, COM os outros. Todos no grupo oram juntos por uma necessidade ou uma questão particular, por um minuto ou dois sem coordenação específica. O grupo se divide em grupos de três para orar orações de concordância sobre algo, ou oram uns pelos outros no trio. O líder fala com Deus primeiro e depois passa o momento de oração para a próxima pessoa no círculo até que todos tenham tido a chance de falar com Deus à medida que o resto do grupo concorda com o que está sendo dito. Todos participam dessa troca vivificante e a oração não é oferecida por uma única pessoa.

Conversar com Deus com os outros gera vida na célula conforme cada um amadurece aprendendo a orar. Essas atividades também produzem intimidade com Deus e com os outros de modo que o grupo fica mais dinâmico e apoia uns aos outros durante a semana entre os encontros.

Tome tempo para ser íntimo, com Deus e com os outros.

Jeff

Spanish blog: 

La Oración Produce Intimidad

Por Jeff Tunnell

Hablar con Dios, acerca de los demás

Hablar con otros, acerca de Dios

Hablar con Dios, con otros

Las tres descripciones anteriores de la oración producirán intimidad, con Dios y con los demás. Aquí me gustaría concentrarme en la tercera descripción; Hablar con Dios, con otros. Esta oportunidad ocurre regularmente en las reuniones de la célula. Se puede planificar para que ocurra en cualquier momento de la reunión; Al principio, damos la bienvenida al Espíritu Santo para reunirse con nosotros, durante la discusión cuando la necesidad está presente para invitar a Dios a ayudarnos con la aplicación de la Escritura que está siendo considerada, o cerca del final del tiempo juntos. Los tiempos de oración también surgen espontáneamente en la dirección del Espíritu Santo y permiten momentos maravillosos para responder.

Hay varias formas de acercarse a hablar con Dios, con otros. Todo el grupo ora a la vez sobre una necesidad particular o problema durante un minuto o dos sin coordinación específica. El grupo se mueve en grupos de tres para orar oraciones de sobre algo, u ora unos por otros alrededor del trío. El líder habla primero con Dios y luego pasa el momento de oración a la siguiente persona en el círculo hasta que todos hayan tenido la oportunidad de hablar con Dios, ya que el resto del grupo está de acuerdo con el que está orando. Todos participan en este intercambio de vida más que en la oración ofrecida por una sola persona.

Hablar con Dios con otros genera vida en la célula, ya que cada uno madura aprendiendo a orar. Estas actividades también producen intimidad con Dios y con los demás de una manera que conduce a un grupo más dinámico que se apoyará unos a otros durante la semana entre reuniones.

Tómate tu tiempo para ser íntimo, CON Dios y CON los demás.

Jeff