Cells and Neighborhoods

mario

by Mario Vega, http://www.elim.org.sv/

A while ago, I went to visit a friend of many years in a crowded neighborhood of El Salvador. As we talked, I heard Christian songs from a nearby meeting. I looked out the window to see what was happening and my friend explained to me that the singing was coming from a cell group that gathered almost directly in front of his house. Then I realized that it was Saturday, the night that Elim cells gather.

My friend then told me that another cell would soon start down the street from his house. I inquired about the “other cell,” and he said that a new cell had multiplied down the street and this group was going to meet at a slightly different time, so that it wouldn’t interfere with the one already taking place. Then I asked why the new cell didn’t meet in another neighborhood, and my friend explained that there were already cell groups meeting in those neighborhoods around his house. After talking to him, I realized that all the neighborhoods around his house were completely filled with Elim cell groups. People see cell meetings as something completely normal that every week meetings are conducted in the homes of neighbors. People are invited, children attend, and people know where they can find prayer and guidance.

After 27 years of cell work, new generations are being born in those communities where the cells are an integral part of the neighborhood. The cells are part of the neighborhood’s culture and framework. That is, a new culture, the culture of Christ, is being forged in the city. As neighbors reach out and win people, they are then added to the cell groups and see cell life as normal and natural. In fact, even before their conversion, the neighbors hear and witness cell activity. After their conversion, they become connected to a living body of Jesus Christ.

Comments?

Mario

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Células e Vizinhanças

por Mario Vega

Um tempo atrás, fui visitar um amigo de longa data em uma vizinhança populosa de El Salvador. Enquanto conversávamos, ouvi o som de músicas cristãs de uma reunião próxima da onde estávamos. Eu olhei pela janela para ver o que estava acontecendo e meu amigo me explicou que os cânticos vinham de uma célula que se reunia quase na frente de sua casa. Então me toquei que era Sábado, a noite que as células de Elim acontecem.

Meu amigo então falou que outra célula iria começar logo, descendo a rua de sua casa. Eu perguntei a respeito desta “outra célula”, e ele me disse que esta nova célula tinha multiplicado-se para a rua debaixo e que este grupo iria se reunir em um horário um pouquinho diferente, para que não interferisse na célula que já estava acontecendo. Então perguntei por quê a nova célula não se reunia em outra vizinhança, e meu amigo me explicou que já tinham outras células se reunindo nas vizinhanças aos redores. Depois de conversar com ele, entendi que todas as vizinhanças ao redor de sua casa estavam completamente cheias de células da Elim.  As pessoas vêem as reuniões de células como algo completamente normal, toda semana reuniões são conduzidas nos lares da vizinhança. Pessoas são convidadas, crianças frequentam, e todos sabem onde podem encontrar oração, refúgio e ajuda.

Depois de 27 anos de trabalho com células novas gerações estão nascendo nessas comunidades onde as células são uma parte integrada à vizinhança. As células são parte do quadro e da cultura da vizinhança. Ou seja, uma nova cultura, a cultura de Cristo está sendo forjada na cidade. Enquanto vizinhos alcançam e ganham pessoas, elas são integradas nas células e elas vêem a vida celular como normal e natural. Na verdade, mesmo antes de se converterem, os vizinhos já escutam e testemunham as atividades da célula. Depois de suas conversões passam a estar conectados com o Corpo Vivo de Jesus Cristo.

Comentários?

Mario

Spanish blog:

Las células y los vecindarios

por Mario Vega
Un da por la tarde fui a visitar a un amigo de hace muchos años en un barrio populoso de El Salvador. Mientras platicábamos comencé a escuchar cantos cristianos de una reunión cercana. Me asomé por la ventana para ver y mi amigo me explicó que se trataba de una célula que realizan casi frente a su casa. Hasta ese momento ca en la cuenta que era sábado, el da en que nuestras células se reúnen.

Mi amigo me explicó que más tarde comenzara la otra célula un poco más abajo. -¿Cuál otra célula?- Le pregunté. Entonces me explicó que para no interferirse, los hermanos haban acordado horarios diferentes para realizar sus reuniones. Entonces le pregunté por qué no hacan la otra reunión en otra calle. Él me explicó que en las otras calles también haba células. Después de detallarme las cosas comprend que el barrio estaba totalmente tomado por las células y que ellas son parte de la vida de la comunidad. Las personas ven completamente normal que cada semana se realicen las reuniones en las casas de sus vecinos. Las personas son invitadas, los niños asisten a sus células, las personas saben adonde pueden encontrar oración y orientación.

Después de 27 años de trabajo celular, hay nuevas generación que están naciendo en esas comunidades donde las células son parte integrada de la vecindad. Las células son parte de las caractersticas del barrio. Una cultura nueva de qué es la iglesia se está fraguando en la ciudad. Cuando los vecinos vayan siendo alcanzados por la gracia del Señor, irán añadiéndose a una iglesia que ve como completamente normal el reunirse en las casas. Estas nuevas personas lo saben aun antes de su conversión y consideran las reuniones en las casas como parte del “ser” cristiano.

Comentarios?

Mario

From Cell to Celebration

bill

by Bill Joukhadar

www.cells-church.com

Cells that are effective in outreaching unchurched friends need to keep in mind the advantages of their ‘not-yet’ believer friends encountering a broader experience of Christian community in the church through participating in weekly celebration services.

Although this may seem to be a daunting proposition, there are ways of interesting your unchurched friends to get a satisfying taste of the ‘celebration’ component of the life of your church. Remember: Cells and celebration are designed for each other – they are mutually complementary for the building of healthy believers, community, and the Kingdom of God!

Consider these suggestions for helping your unchurched friends integrate from cell to celebration:

  • Explain to them how cell and celebration are designed to work together
  • Promote the advantages of celebration: Gifted teaching/preaching, gifted platform presentations (music/song/testimonies), etc.
  • Mention that a larger diversity of nationalities and cultures are in celebration (interesting personalities, with a diversity of skills and experiences). Make sure you introduce them to people who are warm and friendly
  • Invite them to a Big-church social event
  • Explain to them the format of the service (what happens, and why)
  • Point out the many opportunities that exist for serving in some meaningful way
  • Offer to take them to celebration, and sit with them (together with others from your cell)
  • Stay close to them throughout the transition – watch out for them, keep them safe

Our unchurched friends can gain a greater appreciation of the Christian life through their exposure to both cell and celebration – don’t limit their growth by containing them in your cell.

Bill Joukhadar,
Founding Director,
Cells-church Consultants International

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Integração das pessoas que não vão à igreja, da célula para o Culto de Celebração

Por Bill Joukhadar

www.cells-church.com

Células que são efetivas em alcançar amigos sem igreja/ não cristãos precisam manter em sua mente as vantagens de ter amigos que “ainda” não são convertidos, encontrando uma experiência mais ampla na Comunidade Cristã através da participação semanal dos cultos de celebração.

Embora isto possa parecer uma proposta difcil, existem maneiras de interessar seus amigos sem igreja a ter uma experiência satisfatória do componente da vida da igreja que é a ‘Celebração’. Lembre-se: Células e culto de Celebração foram designados um para o outro- eles são mutuamente complementares em formar cristãos saudáveis, unidade e Reino de Deus!

Considere estas sugestões para ajudar seus amigos sem igreja a serem integrados da célula para o Culto de Celebração:

  • Explique-os como a célula e o Culto de celebração foram designados para trabalharem juntos.
  • Promova as vantagens da Celebração: Ensino/Pregação ungida, apresentações no púlpito ungidas ( músicas/ cânticos/ Testemunhos),etc.
  • Mencione que um grande número de diversas nacionalidades e culturas estão na Celebração ( personalidades interessantes, com uma diversidade de habilidades e experiências). Tenha certeza de apresentá-los para pessoas que são calorosas e simpáticas.
  • Convide-os para um grande evento social da igreja.
  • Explique-os o formato do culto ( o que acontece e porque)
  • Pontue as diversas oportunidades que existem em servir de uma maneira importante
  • Ofereça para levá-los ao Culto e sente-se com eles (junto com outros da sua célula)
  • Fique perto deles durante toda a transição- esteja perto, cuidando e os protegendo.

Nossos amigos sem igreja podem ganhar uma grande apreciação da vida Cristã através da exposição de ambos célula e culto de celebração – não limite-os em crescer se contentando apenas com a freqüência na sua célula.

Bill Joukhadar, Diretor Fundador, Consultoria Internacional de Igrejas em células.

Spanish blog:

La integración de los no creyentes de la célula a la celebración

Por Bill Joukhadar

www.cells-church.com

Las células que son eficaces en contactos directos en amigos sin iglesia deben tener en cuenta las ventajas de sus ‘aún no’ amigos no creyentes que encuentran una experiencia más amplia de la comunidad cristiana en la iglesia a través de la participación en los servicios de la celebración semanal.

Aunque esto puede parecer una proposición de enormes proporciones, hay formas de interesar a tus amigos que no tienen iglesia y que pueden darte una idea satisfactoria del componente de vida en la “celebración” de tu iglesia. Recuerde: Las células y la celebración están diseñados el uno para el otro – son mutuamente complementarios para la edificación de los creyentes sanos, la comunidad, y el Reino de Dios.

Considere estas sugerencias para ayudar a sus amigos sin iglesia a integrarse de la célula a la celebración:

  • Explqueles cómo la célula y la celebración están diseñados para trabajar juntos
  • Promueve las ventajas de la celebración: dones de enseñanza/predicación, presentaciones de plataforma (música/canción/testimonios), etc.
  • Menciónale que hay una mayor diversidad de nacionalidades y culturas, y se encuentran en la celebración (personalidades interesantes, con una diversidad de habilidades y experiencias). Asegúrese de introducirlos a gente que sea cálida y amable.
  • Invtalos a un evento social de la iglesia.
  • Explqueles el formato del servicio (lo que sucede, y por qué)
  • Señale las oportunidades que existen para servir de una manera significativa.
  • Ofrézcales llevarlos a la celebración, y siéntate con ellos (junto con otras personas de tu célula)
  • Permanezca cerca de ellos durante toda la transición – cuida de ellos, mantenlos a salvo

Nuestros amigos sin iglesia pueden obtener una mayor apreciación de la vida cristiana a través de su exposición tanto en la célula como en la celebración – no limites su crecimiento manteniéndolos en la célula.

Bill Joukhadar, Director Fundador de  Consultores Internacionales de la Iglesia celular

Integration: From Cell to Celebration

jim

by Jim Wall

Both cell and celebration gatherings are critical parts of dispensing hope to a hopeless world. I’ve noticed that our celebration services typically sees two types of first time attenders.

The Type A visitor is the one who walks about three steps into our lobby and stops dead in his tracks. He stands there looking at everything going on around him. He isn’t just taking it all in; he is debating whether or not to run away! You can almost read his thoughts as he stands there. “What have I gotten myself into? Will I find anyone in this crowd that I know? If not, will I meet anyone that I like? Is there anyone here like me?” Assuming he makes it into the sanctuary, any differences in the worship style from his past leave him feeling unsure of what’s going on. Nobody likes that feeling.

The Type B visitor is the one who got invited to a cell gathering first. After several weeks of making friends in that small group setting, he decides to accept the group’s no-pressure invitation to attend a celebration gathering with them. As he enters the lobby, he is surrounded by people he knows and trusts. They have prepared him for what he is going to see. He has been assured that he won’t be put on the spot by anyone nor pressured to speak publically, give money or do anything he doesn’t want to do. He walks in like he owns the place. He thoroughly enjoys the experience and can’t stop talking about what he heard and saw while they have lunch together afterward.

The next time the Type A visitor is invited by a neighbor or co-worker to attend church he replies, “ Thanks, but I’ve been to church. It isn’t for me.” The next time the Type B visitor is invited he says, “Sure! I can’t wait to see what’s going to happen this Sunday!”

Is your cell group inviting unchurched people to your cell gatherings? Once trust is formed are you bringing those folks to your celebration gatherings? Cells and celebrations, working in concert, are a powerful partnership for the transformation of lives in Christ.

Jim

Korean blog (click here)

Portugues blog:

Integração: Da Célula para o Culto

Por Jim Wall

Ambos célula e culto de celebração são partes crticas em fornecer esperança para um mundo sem esperança. Eu percebi que nossos cultos de celebração, tipicamente, tem dois tipos de visitantes que estão indo pela primeira vez.

O Visitante tipo A é aquele que dá três passos dentro da recepção da igreja e de repente pára como se estivesse morto em seu próprio caminho. Ele permanece parado olhando tudo o que está acontecendo ao seu redor. Ele não está apenas percebendo o ambiente ao redor, está pensando, debatendo em seus pensamentos se deve ou não dar as costas e ir embora! Você pode quase ler seus pensamentos enquanto ele permanece lá parado: ” No que eu fui me meter? Vou encontrar alguém nesta multidão que eu conheça? Se não, vou encontrar alguém que vou gostar? Tem alguém aqui que vai gostar de mim?” Assumindo que ele finalmente consegue chegar até o salão de reuniões, qualquer diferença no estilo de adoração do esteja acostumado, vai deixá-lo com a sensação de que não tem certeza do que está acontecendo. Ninguém gosta desta sensação.

O Visitante tipo B é aquele que foi convidado para ir à célula primeiro. Depois de diversas células frequentadas, e de ter desenvolvido amizades no convvio das pessoas da célula, ele decide aceitar o convite sem pressão do grupo para ele ir no culto de celebração com eles. Quando ele entra na recepção da igreja, está cercado de pessoas que conhece e confia. Eles já o prepararam para aquilo que ele verá. Já o asseguraram que não será constrangido para falar em público, dar seu dinheiro ou qualquer outra coisa que não queira fazer. Ele entra no salão como se fosse de casa.Aproveita completamente a experiência e não consegue parar de falar sobre aquilo que ouviu e viu enquanto almoça com o pessoal da célula depois do culto de celebração.

A próxima vez que o visitante tipo A for convidado pelo seu vizinho ou colega de trabalho para ir a igreja ele irá responder: ” Obrigado, já fui à igreja e não é para mim isso”. Enquanto a próxima vez que o visitante tipo B for convidado dirá: ” Com certeza! Não posso esperar para ver o que vai acontecer neste domingo!”

A sua célula tem convidado pessoas que não vão à igreja para ir a célula? Uma vez que há confiança formada, você tem trazido essas pessoas para o culto de celebração? Células e Cultos de celebração, trabalhando em conjunto, são uma poderosa parceria para a transformação das vidas em Cristo.

Jim

Spanish blog:

Integración: De la célula a la celebración

Por Jim Wall

Tanto las reuniones de células y la celebración son zonas crticas de la dispensación de esperanza a un mundo sin esperanza. Me he dado cuenta de que nuestros servicios de celebración tpicamente ven dos tipos de asistentes por primera vez.

El visitante tipo A, es el que camina cerca de tres pasos en el pasillo y se detiene en seco. Se pone de pie all, mirando todo lo que sucede a su alrededor. Él no está simplemente tomando todo, él está debatiendo ¡si debe de correr o no! Casi puedes leer sus pensamientos mientras él está all. “¿En qué me he metido? ¿Encontrare alguien conocido en esta multitud? Si no, ¿Conoceré a alguien que me guste? ¿Hay alguien aqu como yo? “Suponiendo que llegue al santuario, las diferencias en el estilo de adoración de su pasado lo dejan sintiéndose inseguro de lo que está pasando. A nadie le gusta esa sensación.

El visitante tipo B, es el que fue invitado a una reunión celular primero. Después de varias semanas de hacer amigos en ese ambiente de grupo pequeño, decide aceptar la invitación sin presiones del grupo para asistir a una reunión con ellos. Al entrar en el pasillo, él está rodeado de personas que conoce y confa. Ellos lo han preparado para lo que va a ver. A él le han asegurado que no va a ser puesto en un lugar por nadie ni presionado a hablar en público, dar dinero o hacer algo que no quiera hacer. Él camina adentro como fuera si el dueño del lugar. Él disfruta muchsimo la experiencia y no puede dejar de hablar de lo que oyó y vio mientras almorzaban juntos después.

La próxima vez que el visitante tipo A es invitado por un vecino o un compañero de trabajo para asistir a esa iglesia él responde: “Gracias, pero he estado en esa iglesia. No es para m. “La próxima vez que se invita al visitante tipo B, dice, “¡Claro! ¡No puedo esperar a ver lo que va a pasar este domingo!”

¿Está tu grupo celular invitando gente sin iglesia a sus reuniones celulares? Una vez que se forma la confianza ¿Traes esa gente a la celebración? Células y celebraciones, trabajando en conjunto, son una poderosa asociación para la transformación de la vida en Cristo.

Jim

Invite Them; Be Patient

jeff

by Jeff Tunnell

At our first high point of cell multiplication we found there were 25% more people in cells than in weekend celebrations.  Having more people in cells than celebrations was a goal of penetrating our area with the good news of Jesus and providing a place for individuals and families to discover His body without attending a traditional weekend church service.  It was working and we saw this as a signal and opportunity to invite these cell attendees to rejoice together with other like-minded cell groups in a celebration of Jesus.

Many cell members did not accept our invitations to the larger gathering for 6 months or more.  We needed to be patient because many of them were previously hurt by a church, viewed organized religion as a threat, or did not want to walk into a building where they did not already have a relationship.  When they did try the celebration services, it was easy to walk in with their cell family and find immediate acceptance as a part of the whole system of cells.

During this period I would meet Christians in our city and I would ask, “Do you attend a church?”  Then they would name the church I pastored, although they had never met me, or even knew who I was!  Shocking?  Yes!  Delightful? Indeed (after I thought about it and quieted my ego).  They were growing in their faith, part of our training track, and being shepherded by a committed cell leader.  The senior Pastor was not the center of attention for these people; Jesus and His people were.

Note: During this time, if all the cell groups came at one time, our building would not accommodate them, a wonderful problem to encounter.  I want to encourage you to fill the cells with life-giving community, equipping, and evangelism. As fruit as produced, the entire cell can bring its life to the celebration with a clear purpose.

Growth takes time, be patient.

Jeff

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Convide-os e Seja Paciente

por Jeff Tunnell

No nosso primeiro ponto alto de multiplicação de célula descobrimos que havia 25% mais pessoas nas células do que nas celebrações de fim de semana. Ter mais pessoas nas células do que nas celebrações foi uma meta de penetrar nossa área com as boas novas de Jesus e proporcionar um lugar para indivduos e famlias descobrirem o corpo dEle sem frequentarem um culto tradicional de fim de semana. Estava funcionando e nós vimos isso como um sinal e uma oportunidade de convidar esses frequentadores de célula a se alegrarem com outros grupos celulares que pensam do mesmo jeito em uma celebração de Jesus.

Muitos membros de célula não aceitaram nossos convites à reunião maior por 6 meses ou mais. Nós precisávamos ser pacientes pois muitos deles foram machucados anteriormente por uma igreja, viam a religião organizada como uma ameça, ou não quiseram entrar em um prédio onde ainda não tinham um relacionamento. Quando eles experimentaram os cultos de celebração, foi fácil entrar com sua famlia da célula e encontrar aceitação imediata como uma parte do sistema todo de células.

Durante esse perodo eu encontrava cristãos na nossa cidade e perguntava, “Vocês frequentam uma igreja?” Eles citavam a igreja que eu pastoreava, no entanto, eles nunca me encontraram, ou nem sequer sabiam quem eu era! Chocante? Sim! Prazeroso? De fato (depois eu pensei sobre isso e aquietei o meu ego). Eles estavam crescendo em sua fé, em parte do nosso trilho de treinamento e sendo pastoreados por um lder de célula comprometido. O pastor principal não era o centro das atenções para essas pessoas; Jesus e Seu povo eram.

Nota: Durante esse tempo, se todos os grupos de célula viessem de uma só vez, nosso prédio não iria acomodá-los, um problema maravilhoso a enfrentar. Eu quero encorajá-lo a preencher as células com uma comunidade vivificante, com treinamento e evangelismo e elas irão produzir frutos por si mesmas. Então a célula inteira pode trazer sua vida para a celebração com um propósito.

Crescimento leva tempo, seja paciente.

Jeff

Spanish blog:

Invtelos y sea paciente

Por Jeff Tunnell

En nuestro primer punto de multiplicación celular nos dimos cuenta que haba 25 % más gente en las células que en las celebraciones dominicales. Tener más gente en las células que en las celebraciones fue un objetivo para penetrar nuestra área con las buenas nuevas de Jesús y proporcionar un lugar para que las personas y las familias puedan descubrir su cuerpo sin asistir a un servicio tradicional de la iglesia el fin de semana. Estaba trabajando y vimos esto como una señal, la oportunidad de invitar a los asistentes a estas células para compartir juntos con otros grupos celulares.

Muchos miembros de la célula no aceptaron nuestra invitación a la reunión más grande por más de 6 meses. Tenamos que ser pacientes porque muchos de ellos fueron heridos previamente por una iglesia, vimos la religión organizada como una amenaza, o no queran entrar en un edificio en el que todava no tenan una relación. Cuando intentaron probar los servicios de celebración, era fácil caminar con su familia celular y encontrar la aceptación inmediata como parte de todo el sistema celular.

Durante este perodo conocimos cristianos en nuestra ciudad y le pregunte: “¿Asiste a una iglesia?” Ellos nombraron la iglesia que yo pastoreaba, sin embargo, nunca me haban conocido, ni siquiera saban quién era yo. ¿Impactante? ¡S! ¿Una delicia? De hecho (después lo pensé y calmé mi ego). Ellos estaban creciendo en su fe, formando parte de nuestra pista de entrenamiento y siendo pastoreados por un lder celular comprometido. El pastor no era el centro de atención para estas personas, Jesús y su pueblo eran.

Nota: Durante este tiempo, si todos los grupos celulares llegaran a la vez, nuestro edificio no podra acomodarles a todos, un problema maravilloso a encontrar. Quiero animarte a llenar las células con la comunidad que da vida, equipamiento, evangelismo y producirán fruto por s mismos. Después la célula puede llevar su vida a la celebración con un propósito.

El crecimiento toma tiempo, sea paciente.

Jeff

Relationship is the Key

robert

by Robert Lay, Cell Church Ministry Brazil

The New Testament Church is a movement. Movements are dynamic and there is a constant influence of the body of Christ in society through relationships. Jesus demonstrated this in his ministry by relating to people all the time. He set the pace in demonstrating how the Kingdom of God, this new transforming movement would change the world. Relationship is the key. Integration of unchurched new believers into the church, also happens through relationship. Followers of the King will always attract others to follow the King.

Today’s church functions on the paradigm of inviting people to a program they watch and enjoy together. There is little or no relationship or discipleship. Those in the program or the big gathering are often not walking together in relationship. In the cell church, there is a closeness and sense of belonging. There is a group dynamic that facilitates integration in all spheres of church life. There is a constant movement from the cell to celebration, and from celebration to the cell. The same happens with the different types of ministries. Newcomers tend to follow the flow of things with their spiritual father or mother through cell ministry.

Much patience is required to fully integrate new believers in all spheres of church life. And the reality is that in the true cell church, not everybody will participate in all events, ministries, and trainings. The most important aspect is to be connected to the body of Christ, functioning as a member of Christ’s body, and being connected all the time to its head, Jesus Christ. The New Testament church has no spectators that sit and soak. There is only body life and service together. It is the same as in the biological family where mom, dad and children grow and learn from each other.

May God help us to find our way back to the church as a relational body, in which all members relate to each other. Let’s leave the institutional church of consumers and spectators behind.

Robert M. Lay

(Cell Church Ministry Brazil)

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Relacionamento é a chave

por Robert Lay, Ministério Igreja Em Células Brasil

A igreja do Novo Testamento é um movimento. Movimentos são dinâmicos e há uma constante influência do corpo de Cristo na sociedade através de relacionamentos. Jesus demonstrou isso em seu ministério relacionando-se com pessoas o tempo todo.  Ele marcou o ritmo demonstrando como o Reino de Deus, esse novo movimento transformador, mudaria o mundo. Relacionamento é a chave. A integração de novos crentes sem igreja na igreja, também acontece através de relacionamento. Seguidores do Rei sempre atrairão outros a seguirem Ele.

As funções da igreja de hoje no paradigma de convidar pessoas para um programa que eles assistam e aproveitem juntos. Há pouco ou nenhum relacionamento ou discipulado. Aqueles no programa ou na grande reunião muitas vezes não estão andando juntos em relacionamento. Na igreja em célula, há uma aproximação e senso de pertencimento. Há um grupo dinâmico que facilita integração em todas as esferas da vida da igreja. Há um constante movimento da célula à celebração, e da celebração à célula. O mesmo acontece com os diferentes tipos de ministérios. Recém-chegados tendem a seguir o fluxo das coisas com seu pai ou mãe espiritual através do ministério celular.

Muita paciência é requerida para integrar inteiramente novos crentes em todas as esferas da vida da igreja. E a realidade é que na verdadeira igreja em célula, nem todos irão participar de todos os eventos, ministérios e treinamentos. O aspecto mais importante é estar conectado ao corpo de Cristo, funcionando como um membro de Seu corpo, e estando conectado em todo tempo com sua cabeça, Jesus Cristo. A igreja do Novo Testamento não tem espectadores que sentam e absorvem. Há apenas vida e serviço juntos no corpo. É o mesmo da famlia biológica onde a mãe, o pai e as crianças crescem e aprendem uns com os outros.

Que o Senhor nos ajude a encontrar nosso caminho de volta à igreja como um corpo relacional, em que todos os membros se relacionam um com o outro. Vamos deixar a igreja institucional de consumidores e espectadores para trás.

Robert M. Lay (Ministério Igreja Em Células Brasil)

Spanish blog:

La relación es la clave

Por Roberto Lay, Ministerio de la Iglesia celular en Brasil

La Iglesia del Nuevo Testamento es un movimiento. Los movimientos son dinámicos y hay una influencia constante del cuerpo de Cristo en la sociedad a través de las relaciones. Jesús demostró esto en su ministerio al relacionarse con las personas todo el tiempo. Él ha marcado el ritmo y demostró cómo el Reino de Dios funciona, este nuevo movimiento transformador iba a cambiar el mundo. La relación es la clave. Integrar a los nuevos creyentes a la iglesia, también sucede a través de la relación. Los seguidores del Rey siempre atraerán a otros a seguir el Rey.

Las funciones de la iglesia de hoy en da son un paradigma de invitar a la gente a un programa que ven y disfrutan juntos. Hay poca o nada de relación o discipulado. Los que están en el programa o en la gran reunión a menudo no están caminando juntos en relación. En la iglesia celular, hay una cercana y sentido de pertenencia. Hay una dinámica de grupo que facilita la integración en todas las esferas de la vida de la iglesia. Hay un movimiento constante de la célula a la celebración, y de la celebración a la célula. Lo mismo sucede con los diferentes tipos de ministerios. Los recién llegados tienden a seguir el flujo de las cosas con su padre o madre espiritual a través del ministerio celular.

Se requiere de mucha paciencia para integrar plenamente a los nuevos creyentes en todas las esferas de la vida de la iglesia. Y la realidad es que en la verdadera iglesia celular, no todo el mundo va a participar en todos los eventos, los ministerios, y entrenamientos. El aspecto más importante es estar conectado con el cuerpo de Cristo, que funciona como un miembro del cuerpo de Cristo, y que está conectado todo el tiempo a la cabeza, Jesucristo. La iglesia del Nuevo Testamento no tiene espectadores que se sientan y disfrutan. Solo es la vida del cuerpo y el servicio juntos. Es el mismo que en la familia biológica donde la mamá, el papá y los niños crecen y aprenden unos de otros.

Puede Dios ayudarnos a encontrar el camino de regreso a la iglesia como un cuerpo relacional, en donde todos los miembros se relacionan entre s. Vamos a dejar la iglesia institucional de los consumidores y espectadores detrás.

Robert M. Lay
(Ministerio de la Iglesia celular en Brasil)