Cell Church Integration

joel
by Joel Comiskey

Back in 2003, I became acquainted with Tim, and he started attending a Life Group but would never share on a deep level. Rather, he would consistently say, I don’t want to complain because after all, there are a lot of people that are far worse than I am. Pray for them; not me. It sounded noble at first, but when I heard him continually use that phrase I began to wonder. At the same time, Tim was one of the first to volunteer for tasks in the church, which is good in itself but soon he stopped going to the cell group entirely. As the months passed, I developed a deep concern for Tim. He was performing tasks but wasn’t maturing as a disciple in the group context. We as a church believed that the cell was the best place for people to mature in community, discover their gifts, become a minister, evangelize in a group context, and prepare to disciple others through group multiplication. We as a leadership team didn’t want Tim to only focus on church tasks while not maturing emotionally and spiritually as a disciple of Jesus. At the same time, we didn’t want to snuff out Tim’s desire to serve Jesus in any way possible. What were we going to do?

And this is the dilemma of integration. Most churches don’t practice integration. They tell people to get involved in a ministry/program or a small group. You can do whatever you want. No restrictions. The cell church, on the hand, asks people to first hook into a life-giving cell and then if time allows they can perform one or more ministries in the church. We in the cell church don’t want people to hide behind tasks who are not maturing in their own walk with God.

Is this difficult to accomplish? Yes. Is it worth it? Oh yes. Take Tim’s example. We opened a new cell group with Tim in mind. He was asked to participate in the discipleship team from the beginning. Tim came alive in sharing what was happening in his own life but also in ministering to others. Getting Tim involved required a commitment to make cells the base of the church and provide new opportunities. it would be far easier not to rock the boat. However, most gains require pain. Have you experienced the pain and victory of integration? Tell us about it.

Joel

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Integração da Igreja em Célula

por Joel Comiskey

Em 2003 conheci Tim, e ele começou a comparecer a um Grupo Vida mas nunca compartilhou profundamente. Na verdade, ele constamente dizia: “Eu não quero reclamar porque, no final, há pessoas em situações piores que a minha. Ore por eles, não por mim. Parecia nobre no incio, mas quando eu o ouvia usar continuamente a frase, comecei a pensar. No mesmo tempo, Tim era um dos primeiros voluntários para as obras da igreja, o que são boas em si mesmas, mas com o tempo ele parou de ir à célula. Ao passar dos meses, cresceu em mim uma grande preocupação por Tim. Ele estava desempenhando tarefas mas não estava amadurecendo como discpulo no contexto do grupo. Como igreja cremos que a célula era o melhor lugar para as pessoas amadurecerem em comunidade, descobrir seus dons, tornarem-se ministros, evangelizar em contexto de grupo e preparar para discipular outros através da multiplicação do grupo. Nós como liderança não queramos Tim apenas com o foco nas tarefas da igreja enquanto não amadurecia emocional e espiritualmente como discpulo de Jesus. Ao mesmo tempo, não queramos que o desejo de servir Jesus desvanecesse da vida de Tim de forma alguma. O que deveramos fazer?

E este é o dilema da integração. Muitas igrejas não praticam integração. Eles dizem às pessoas para se integrarem em um ministério/programa ou grupo pequeno. Você pode fazer o que quiser. Sem restrições. A igreja em célula, por um lado, pede às pessoas que se integrem a uma célula e então se o tempo permitir eles podem fazer parte de um ou mais ministérios na igreja. Nós na igreja em célula não queremos que as pessoas se escondam atrás das tarefas que não as façam amadurecer na caminhada com Cristo.

É difcil alcançar? Sim. Vale a pena? Claro! Veja o exemplo de Tim. Iniciamos uma nova célula encabeçada por Tim. Pedimos a ele que participasse do discipulado desde o incio. Tim despertou para compartilhar o que acontecia em sua vida mas também ministrando aos outros. Envolver Tim requereu o compromisso de fazer das células a base da igreja e dar novas oportunidades. Pode não ser muito fácil não balançar o barco. Entretanto, a maioria dos ganhos requerem dor. Você já experimentou a dor e a vitória da integração? Comente a respeito.

Spanish blog:

Integración a la Iglesia Celular

Por Joel Comiskey

En el 2003, conoc a Tim, y empezó a asistir a un grupo de vida, pero nunca compartió a un nivel profundo. Más bien, él deca constantemente, yo no quiero quejarme porque después de todo, hay muchas personas que están mucho peor que yo. Ore por ellos; no yo. Sonaba noble al principio, pero cuando le o utilizar continuamente esa frase empecé a preguntarme. Al mismo tiempo, Tim fue uno de los primeros en ser voluntario para las tareas en la iglesia, lo cual es bueno en s mismo, pero pronto el dejó de ir al grupo celular en su totalidad. Con el paso de los meses, desarrollé una profunda preocupación por Tim. Él estaba realizando tareas pero no estaba madurando como discpulo en el contexto del grupo. El crea que la célula era el mejor lugar para que las personas maduraran en comunidad, descubrir sus dones, ser un ministro, evangelizar en un contexto de grupo, y prepararse para discipular a otros a través de la multiplicación del grupo. Nosotros como un equipo de liderazgo no queramos que Tim se concentrara sólo en las tareas de la iglesia, sin no madurar emocionalmente y espiritualmente como un discpulo de Jesús. Al mismo tiempo, no queremos apagar el deseo de Tim para servir a Jesús de cualquier manera posible. ¿Qué bamos a hacer?

Y este es el dilema de la integración. La mayora de las iglesias no practican la integración. Solo le dicen a la gente que se involucren en el ministerio/programa o en un grupo pequeño. Puedes hacer lo que quieras. No hay restricciones. Por su parte la iglesia celular, le pide a la gente que se conecte primero en una célula y luego, si el tiempo lo permite que realice uno o más ministerios en la iglesia. Nosotros en la iglesia celular no queremos que la gente se esconda detrás de las tareas que no están madurando en su caminar con Dios.

¿Es esto difcil de lograr? S. ¿Vale la pena? Oh, s. Tome el ejemplo de Tim. Abrimos un nuevo grupo celular pensando en Tim. Él fue invitado a participar en el equipo de discipulado desde el principio. Tim cobró vida en compartir lo que estaba sucediendo en su propia vida, y también al ministrar a otros. Mantener a Tim involucrado requirió compromiso de hacer que las células la base de la iglesia y ofrecer nuevas oportunidades. Sera mucho más fácil no hacer olas. Sin embargo, la mayora de las ganancias requieren dolor. ¿Ha experimentado el dolor y la victoria de la integración? cuéntanos.

Joel

Leave a Reply

Your email address will not be published.