Make More Disciples by Making Less

michael

By Michael C. Mack

The best cell leader ever formed a small team that would eventually change the world. But first, Jesus called two sets of brothers: Simon Peter, Andrew, James, and John. Three of these, Peter, James, and John, became Jesus’ inner circle, his Core Team. Jesus poured his life into these three men, investing into them and modeling a life surrendered to the Father for them. He took these three away with him to pray and heal, as well as when he was transfigured. While Jesus did not ignore the other nine apostles or his other followers, he focused on these three, especially. He intentionally discipled these three and developed them into leaders.

Jesus knew something vital about leadership, discipleship, and shepherding. No one—not even Jesus—can effectively lead, disciple, or shepherd more than about two or three people. Leading, discipling, and shepherding are based on close relationships in which the leader invests into the life of those he or she is leading.

One of the reasons cell leaders burn out and cells fail is because so many leaders are trying to do way too much! Even the most extraordinary leaders—the best of the best—cannot effectively disciple a cell of eight or more! I’m not saying there is anything particularly “magical” about a core group of three and I want to be clear that I’m not advocating a new program or system for cells consisting of no more than three or four people. I’m simply pointing out that there are limits as to how many people you can really lead, shepherd, and disciple. And I believe that number is two or three.

Disciples are not produced by programs, events, or even “discipleship studies.” Disciples are made in the context of authentic community by individuals through the power of the Holy Spirit. When Jesus told his disciples to “go and make disciples” (Matthew 28:19), he wasn’t teaching them a new program or process for growing the church. He was simply commissioning his followers to continue to do what they had seen him do and what he had taught them to do—to invest their lives into the people God gave them (to be “with” them), to invite them to follow Jesus, and to teach (disciple) them in the new way of life. (Luke 6:40). I believe real discipleship happens as one person invests into the life of another person. I think most people can make this kind of investment with at most two or three people at once. In the best circumstances, these two to three should be people within your cell.

Group members often balk when faced with the proposition of deeper prayer, accountability, and especially confession in the group. And for good reason: Most cells are too big for these Biblical practices. But a core group of two or three is just right!

_____
This post is adapted from Chapter 2 of Michael’s book, The Pocket Guide to Burnout-Free Small Group Leadership, published by TOUCH Publications.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Fazendo Mais Discpulos Fazendo Menos

Por Michael C. Mack

O melhor lder de célula de todos formou um pequeno grupo que eventualmente mudou o mundo. Antes de mais nada, Jesus chamou dois pares de irmãos: Simão Pedro, André, Tiago e João. Três deles, Pedro, Tiago e João tornaram-se o núcleo de Jesus, o Grupo Central. Jesus derramou sua vida nesses três homens, investindo neles e modelando uma vida entregue ao Pai por eles. Ele levou esses três com ele  para orar e curar, assim como quando ele foi transfigurado. Enquanto Jesus não ignorou os outros nove apóstolos nem seus outros seguidores, ele focou nestes três especificamente. Ele intencionalmente discipulou esses três e os desenvolveu como lderes.

Jesus sabia algo vital sobre liderança, discipulado e pastoreado. Ninguém – nem mesmo Jesus – pode liderar, discipular ou pastorear efetivamente mais do que duas ou três pessoas. Liderar, discipular e pastorear baseia-se em relacionamentos próximos no qual os lderes investem suas vidas naqueles que estão liderando.

Um dos motivos pelos quais os lderes perdem a força e as células falham é porque muitos lderes tentam fazer muitas coisas! Mesmo os mais extraordinários lderes – o mellhor dos melhores – não podem discipular efetivamente uma célula com oito ou mais pessoas! Não estou dizendo que há algum tipo de “mágica” sobre um núcleo com três pessoas e eu quero deixar bem claro que eu não estou advogando um novo programa ou sistema para que as células não tenham mais do que três ou quatro pessoas. Estou simplesmente mostrando que existem limites em quantas pessoas vocês pode realmente liderar, pastorear e discipular. E eu creio que este número seja dois ou três.

Discpulos não são produzidos por programas, eventos nem “estudos de discipulados”. Discpulos são feitos no contexto de comunidade autêntica formada por indviduos através do poder do Esprito Santo. Quando Jesus disse a seus discpulos “vá e faça disccpulos” (Mateus 28:19), ele não estava ensinando-os um novo programa ou processo para crescimento da igreja. Ele estava simplesmente comissionando seus seguidores que continuassem fazendo o que ele já os tinha visto fazer e o que ele os tinha ensinado a fazer – investir suas vidas nas pessoas que Deus os deu (estar “com” eles), convidá-los a seguir Jesus e ensiná-los (discipular) em um novo modo de vida (Lucas 6:40). Eu creio que o discipulado verdadeiramente acontece quando uma pessoa investe na vida de uma outra pessoa. Eu acho que a maioria das pessoas pode fazer este tipo de investimento com pelo menos duas ou três pessoas de cada vez. Na melhor das hipóteses, esses dois ou três devem ser pessoas da sua célula.

Os membros de um grupo geralmente tropeçam quando confrontados com a proposição de uma oração profunda, responsabilidade e especialmente confissão no grupo. E por um bom motivo: a maioria das células são muito grantes para essas práticas bblicas. Mas um grupo com duas ou três pessoas é perfeito

_____
Este post foi adaptado do Captulo 2 do livro de Michael, The Pocket Guide to Burnout-Free Small Group Leadership (O Guia de Bolso para a Combustão de Pequenos Grupos de Liderança), publicado por TOUCH Publications.

Spanish blog:

Haciendo más
discpulos en hacer Menos

Por Michael C.
Mack

El mejor lder celular formó un pequeño equipo que eventualmente cambio el mundo. Pero primero, Jesús llamó a dos parejas de hermanos: Simón Pedro, Andrés, Jacobo y Juan. Tres de ellos, Pedro, Jacobo y Juan, se convirtieron en el crculo ntimo de Jesús, su equipo principal. Jesús derramó su vida en estos tres hombres, invirtiendo en ellos y el modelado una vida entregada al Padre por ellos. Tomó los tres a distancia con él para orar y sanar, as como cuando se transfiguró. Mientras que Jesús no pasó por alto los otros nueve apóstoles o sus otros seguidores, Él se concentró en estos tres, especialmente. Intencionalmente Él discipuló estos tres y los desarrolló en lderes.

Jesús saba algo vital sobre el liderazgo, el discipulado y el pastoreo. Nadie, ni siquiera Jesús – puede conducir con eficacia, discipular, o pastorear más de dos o tres personas. Liderar, discipular, y pastorear es basado en una estrecha relación en la que el lder invierte en la vida de aquellos que él o ella está dirigiendo.

Una de las razones lderes de células se agotan y las células caen es porque muchos lderes están tratando de hacer demasiado. Incluso los lderes más extraordinarios – lo mejor de lo mejor – no puede discipular efectivamente una célula de ocho o más. No estoy diciendo que haya nada en especial "mágico" acerca de un grupo de tres y yo quiero ser claro que no estoy abogando por un nuevo programa o sistema de células que consisten en no más de tres o cuatro personas.

Simplemente estoy señalando que hay lmites en cuanto a la cantidad de gente que realmente puede dirigir, pastorear, y discipular. Y creo que ese número es de dos o tres. Los discpulos no
son producidos por programas, eventos o incluso "estudios de discipulado".
Discpulos se hacen en el contexto de una comunidad auténtica de individuos a través del poder del Espritu Santo. Cuando Jesús dijo a sus discpulos: "Id y haced discpulos" (Mateo 28:19), él no les enseñaba un nuevo programa o proceso para el crecimiento de la iglesia. Simplemente Él les estaba encargando a sus seguidores a continuar haciendo lo que ellos le haban visto hacer y lo que él les haba enseñado a hacer – a invertir sus vidas en el pueblo que Dios les ha dado (a estar "con" ellos), para invitarlos a seguir a Jesús, y para enseñar (discipular) en la nueva forma de vida. (Lucas 6:40). Creo que el discipulado verdadero ocurre cuando una persona invierte en la vida de otra persona. Creo que la mayora de la gente puede hacer este tipo de inversión, con un máximo de dos o tres personas a la vez. En las mejores circunstancias, estos dos a tres deben ser personas dentro de tu célula. 

Los miembros del grupo a menudo se resisten ante la proposición de oración más profunda, la rendición de cuentas, y sobre todo la confesión en el grupo. Y por una buena razón: la mayora de las células son demasiado grandes para estas prácticas bblicas. Pero un grupo de dos o tres es excelente!

Mike

Leave a Reply

Your email address will not be published.