Let Go of the Rope

rob

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

As a kid, a group of individuals (yes, notice that word again—group) were teaching me how to water ski. Huddled safely inside a dry boat, they shouted brief directions. Some of these directives I heard and others I didn’t hear as the water splashed against my head and face.

One defiant command was “Whatever you do, don’t let go of the rope!” Oh, this happened to you as well?! No need to finish the story. Let’s just say that my adherence to the command caused me great pain as my body was violently pulled through the water. My final report is succinct. I didn’t let go of that rope until the boat came to a stop. The “group” was doubled over in laughter.
I’ve made a mistake in my ministry many times. I’ve “not let go of the rope” hoping that a certain cell leader and/or a fellow pastor on the team might “come around,” be “fruitful,” resolve his demons of the past, “catch the vision,” treat others with love, or simply “do the job she was hired to do.”

Author and speaker Henry Cloud would equate letting go of the rope to a “necessary ending.” He writes, “We have an incredible tolerance for pain, especially if we think it ‘might get better.’ So, we tell ourselves little lies like ‘It will turn around’ or ‘It’s not always like this.’ So we make it through the day, and another, until the days turn into years.”

Cloud encourages a leader to be cognizant of his/her concern for the other person and the truth. One day, the “necessary ending” conversation will take place. He states, “Commit yourself to being honest and clear, and don’t drag it out through a labyrinth of explanations, excuses, and less-than-honest patronization. Plan to just be nice and tell it the way it is, with a lot of compassion. Kind but true.”

Maybe God is saying, “It’s time to let go of the rope.” Maybe God is asking us to consider a “necessary ending.”

Learn from my mistake.

Rob

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Solte a Corda

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Quando criança, um grupo de indivduos (sim, perceba aquela palavra novamente—grupo) estava me ensinando a praticar esqui aquático. Encolhidos com segurança dentro de um barco seco, eles gritavam breves instruções. Algumas dessas diretivas eu ouvi e outras eu não ouvi conforme a água espirrava contra a minha cabeça e rosto.

Um comando desafiador era "Faça o que fizer, não solte a corda!" Oh, isso aconteceu com você também?! Não há necessidade de terminar a história. Vamos apenas dizer que a minha adesão ao comando me causou grande dor, uma vez que meu corpo foi violentamente puxado através da água. Meu relatório final é sucinto. Eu não deixei aquela corda até que o barco parou. O "grupo" caiu em gargalhadas.

Eu cometi erros no meu ministério muitas vezes. Eu "não soltei a corda" na esperança de que um certo lder de célula e/ou um pastor companheiro na equipe pudesse "chegar", ser "frutfero", resolver seus demônios do passado, "captar a visão", tratar os outros com amor, ou simplesmente "fazer o trabalho que foi contratado(a) para fazer".

O autor e palestrante Henry Cloud compararia “largar a corda” com um "final necessário". Ele escreve: "Nós temos uma tolerância incrvel para a dor, especialmente se pensarmos que ‘poderia ficar melhor’. Então, dizemos a nós mesmos pequenas mentiras como ‘isso vai mudar’ ou ‘não é sempre assim’. Então aguentamos por um dia, e outro, até que os dias se transformem em anos".

Cloud incentiva um lder a ser consciente de sua preocupação com a outra pessoa e da verdade. Um dia, a conversa "final necessário" terá lugar. Ele afirma: "Comprometa-se a ser honesto e claro, e não estenda isso através de um labirinto de explicações, desculpas, e condescendência menos que honesta. Planeje apenas ser bom e contar as coisas do jeito que são, com muita compaixão. Amável, mas verdadeiro".

Talvez Deus esteja dizendo: "É hora de soltar a corda". Talvez Deus esteja nos pedindo para considerar um "final necessário".

Aprenda com o meu erro.

Rob

Spanish blog:

Suelta la Cuerda

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com
 
Cuando era niño, un grupo de individuos (s, note esa palabra nuevamente-grupo) me estaban enseñando esqu acuático. Agrúpense de forma segura dentro de un barco seco, gritaban algunas instrucciones breves. Pude escuchar algunas de estas directrices, otras no, pues el agua salpicaba contra mi cabeza y cara.
Una orden muy desafiante era “¡Hagas lo que hagas, no sueltes la cuerda!” ¿¡Ah, esto te ha sucedido a ti!? No hay necesidad de terminar la historia. Digamos que mi obediencia a la orden me causó un gran dolor cuando mi cuerpo era violentamente jaloneado del agua. Mi historia al final es sucinta. No solté esa cuerda hasta que el barco se detuvo. El “grupo” se doblaba de la risa.
Muchas veces he cometido un error en mi ministerio. “No he soltado  la cuerda” con la esperanza que un determinado lder de la célula y / o un compañero pastor en el equipo pueda “entrar en razón”, ser “fructfero”, resolver sus demonios del pasado, “captar la visión”, tratar a los demás con amor, o simplemente “hacer el trabajo para el que fue contratado”.
El autor y orador Henry Cloud equivaldra soltar la cuerda con un “final necesario”. Él escribe, “Tenemos una increble tolerancia para el dolor, especialmente si pensamos que ‘podra mejorar’. Por lo tanto, nos decimos mentiritas como ‘Va a cambiar’ o ‘No siempre es as’. Y as pasa un da, y luego otro, hasta que los das se convierten en años”.
 
Cloud, alienta al lder a ser consciente de su interés por la otra persona y por la verdad. Un da, la conversación que conducirá al “final necesario” se llevará a cabo. Él afirma: “Comprométete a ser honesto y claro, y no arrastres la conversación a través de un laberinto de explicaciones, excusas, y menos aún, de una deshonesta condescendencia. Planea ser simplemente amable y di las cosas tal como son, con mucha compasión. Amable pero sincero”.
   
Tal vez Dios está diciendo: “Es hora de soltar la cuerda”. Tal vez Dios nos está pidiendo que consideremos un “final necesario”.
 
Aprende de mi error.

Rob

1 thought on “Let Go of the Rope

Leave a Reply

Your email address will not be published.