What can we expect from Children in a Cell Group Church?

daphne

By Lorna Jenkins

How much spiritual insight can we expect from children who are growing up in the community of the church?  I suspect it is a great deal more then we expect or encourage.  Some parents and leaders seem to expect that children will be spiritually inactive until well into their teenage years.  This idea is based on the well-known stages of intellectual understanding, which are taught in our training colleges.
But spiritual understanding is not the same as intellectual understanding.  Long before children can explain or rationalize their own feelings and aspirations, they can experience thoughts and pictures, which draw them towards God with increasing clarity.  This inner life makes it possible for children to worship and pray in direct encounters with God.  Their imagination is their God-given tool, which bypasses the rational tools of explanation.  They know He is there and they want to talk with Him.

If we can regard Jesus as a natural and developed child at the age of twelve, we may get some clues about what we may reasonably expect from our children, especially those growing up in a community of faith.  In Luke 2: 41-51 we read the curious and unique story of Jesus as a child.  He was not a superhuman child.  He had set aside his Godhead to accept the limitations of human life, even the restrictions of childhood.

Jesus’ reply to his parents was that he must be about his Father’s business.  He had a sense of mission.  He knew that he had a destiny from God and he had to keep that in focus.  He seemed to be surprised that his parents were unaware of that.  Maybe their stories of his miraculous birth made him expect more understanding from them.  Or maybe simply their role as parents ought to have prepared them for the idea that their son would have a relationship with God and he had a purpose written on his life.

Based on Jesus’ example of spiritual maturity, I would expect that by the age of twelve, children ought to have a personal relationship with God as their Father which is an important part of their life experience.  I would also expect that they might have the beginning of an idea that God has a purpose for their lives.  It may be a very shapeless and unformed picture at that moment, but they expect that one day God will make it clear. 
With this in mind, children can continue to explore, to talk to God as their friend, to seek his help and forgiveness when they need it, to look for opportunities to talk about him and to pray for others.  That kind of personal vision will hold them close to God for many years to come.  It cannot come second-hand.  They need to know it for themselves.

We cannot impose this kind of God-consciousness on children if it isn’t there.  No amount of instruction will produce a relationship.  We need to bring them close to the Father and let them discover Him for themselves.  Once children discover that God is real  and active in their lives, and that He loves them no matter what, they begin to discover what a great Father they have.

Lorna

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O que nós podemos esperar das Crianças numa Igreja em Células?

Por Lorna Jenkins

Quanta compreensão espiritual nós podemos esperar de crianças que estão crescendo na comunidade da igreja? Eu suspeito que seja muito mais do que esperamos ou incentivamos. Alguns pais e lderes parecem esperar que as crianças fiquem espiritualmente inativas até chegar em seus anos de adolescência. Esta ideia baseia-se nos estágios bem conhecidos de compreensão intelectual, que são ensinados em nossas escolas de formação.

Contudo, a compreensão espiritual não é a mesma que a compreensão intelectual. Muito antes de as crianças poderem explicar ou racionalizar os seus próprios sentimentos e aspirações, elas podem experimentar pensamentos e imagens, que as atraem para Deus com clareza cada vez maior. Esta vida interior torna possvel que as crianças adorem e orem em encontros diretos com Deus. Sua imaginação é sua ferramenta dada por Deus, que ignora as ferramentas racionais da explicação. Elas sabem que Ele está lá e elas querem falar com Ele.

Se nós podemos considerar Jesus como uma criança natural e desenvolvida com a idade de doze anos, podemos conseguir algumas pistas sobre o que podemos esperar razoavelmente de nossas crianças, especialmente aquelas que crescem em uma comunidade de fé. Em Lucas 2: 41-51 lemos a história curiosa e sem igual de Jesus como uma criança. Ele não era uma criança super-humana. Ele deixou de lado sua divindade para aceitar as limitações da vida humana, até mesmo as restrições da infância.

A resposta de Jesus para seus pais era que ele devia tartar dos negócios de seu Pai. Ele tinha um senso de missão. Ele sabia que ele tinha um destino de Deus e que ele tinha que manter isso em foco. Ele parecia estar surpreso por seus pais não estarem cientes disso. Talvez as histórias de seus pais sobre seu nascimento milagroso o tenha feito esperar mais compreensão da parte deles. Ou talvez simplesmente o seu papel como pais deveria tê-los preparado para a idéia de que seu filho teria um relacionamento com Deus e que ele tinha um propósito escrito em sua vida.

Com base no exemplo de maturidade espiritual de Jesus, eu esperaria que por volta dos doze anos de idade as crianças devem ter um relacionamento pessoal com Deus como seu Pai, o que é uma parte importante de sua experiência de vida. Gostaria também de esperar que elas tenham o incio de uma idéia de que Deus tem um propósito para suas vidas. Pode ser uma imagem muito disforme e imatura no momento, mas elas esperam que um dia Deus vai esclarecê-la.

Com isso em mente, as crianças podem continuar a explorar, falar com Deus como seu amigo, buscar Sua ajuda e perdão quando elas precisam, procurar por oportunidades para falar sobre Ele e orar pelos outros. Esse tipo de visão pessoal vai mantê-las perto de Deus por muitos anos vindouros. Isso não pode vir de segunda mão. Elas precisam saber por si mesmas.

Não podemos impor este tipo de consciência de Deus sobre as crianças se ela não está lá. Nenhuma quantidade de instrução irá produzir um relacionamento. Precisamos trazê-las para perto do Pai e deixá-las descobri-Lo por si mesmas. Uma vez que as crianças descobrem que Deus é real e ativo em suas vidas, e que Ele as ama independente de qualquer coisa, elas começam a descobrir que grande Pai elas têm.

Lorna

Spanish blog:

¿Qué podemos esperar de los niños en la  Iglesia Celular?

Por Lorna Jenkins

¿Cuánta visión espiritual podemos esperar de los niños que están creciendo en la comunidad de la iglesia? Sospecho que es mucho más de lo que esperamos o animamos. Algunos padres y lderes esperan que los niños estén espiritualmente inactivos hasta llegar a sus años de adolescencia. Esta idea se basa en las etapas conocidas de la comprensión intelectual, que se imparten en nuestros centros de formación.

Pero la comprensión espiritual no es lo mismo que la comprensión intelectual. Mucho antes los niños puedan explicar o racionalizar sus propios sentimientos y aspiraciones, ellos pueden experimentar pensamientos e imágenes, lo que les atrae hacia Dios cada vez más con mayor claridad. Esta vida interior hace que sea posible para que los niños adoren y oren directamente con Dios. Su imaginación es su herramienta dada por Dios, la cual pasa por las herramientas racionales de explicación. Ellos saben que Él está all y quieren hablar con él.
Si podemos considerar a Jesús como un hijo natural y desarrollado a la edad de doce años, podemos obtener algunas pistas sobre lo que podemos esperar razonablemente de nuestros niños, especialmente aquellos que crecen en una comunidad de fe. En Lucas 2: 41-51 leemos la historia curiosa y única de Jesús como niño. Él no era un niño sobrehumano. Él haba dejado a un lado su Divinidad para aceptar las limitaciones de la vida humana, incluso las restricciones de la infancia.

La respuesta de Jesús a sus padres era que él tena que ocuparse de los negocios de su Padre. Él tena un sentido de misión. Él saba que tena el destino de Dios y tena que tener ese enfoque. Pareca estar sorprendido de que sus padres no estaban al tanto de eso. Tal vez las historias de su nacimiento milagroso le hicieron esperar más comprensión de ellos. O tal vez simplemente su papel como padres debió haberlos preparado para la idea de que su hijo tendra una relación con Dios y él tena un propósito por escrito sobre su vida.

En base a los ejemplos de madurez espiritual de Jesús, yo esperara que a la edad de doce años, los niños deben tener una relación personal con Dios como su Padre que está en una parte importante de su experiencia de la vida. También esperara que tengan el comienzo de una idea que Dios tiene un propósito para sus vidas. Puede ser una imagen muy sin forma en ese momento, pero esperara que un da Dios haga que sea más claro.
Con esto en mente, los niños pueden seguir estudiando, para hablar con Dios como su amigo, a buscar su ayuda y perdón cuando lo necesitan, para buscar oportunidades, hablar de él y orar por otros. Ese tipo de visión personal será mantenida cerca de Dios durante muchos años por venir. No puede venir de segunda mano. Ellos necesitan saberlo por s mismos.

No podemos imponer este tipo de conciencia de Dios en los niños si no está all. Ninguna cantidad de instrucción producirá una relación. Tenemos que traerlos cerca del Padre y dejar que ellos lo descubran por s mismos. Una vez que los niños descubran que Dios es real y activo en sus vidas, y que Él los ama no importa qué, ellos comenzarán a descubrir que gran padre tienen.

Lorna

Leave a Reply

Your email address will not be published.