Learning from the Dones

scott

by M. Scott Boren, The Center for Community and Mission, www.mscottboren.com,
Twitter@mscottboren

The “dones” confess that they are done with the church. Many times they are former church leaders and have been highly committed to the life of the church. But now they have come to a place where they no longer find value in the church. They have moved on.

Of course, I’ve heard how pastors often respond to such people. They are backsliders. They are not committed to the cause of the Kingdom. They are being conformed to the pattern of this world. Of the confession that they are “no longer being fed” but the church is just a cover up for some sin that they don’t want anyone to know about.

And while this might be true, my question is this: What if the Spirit of God wants to speak to the church through the “dones”? What if the dones might be a voice that can teach us some things about what it means to be God’s people.

This is a crucial thing for us to learn as church leaders. Often we assume that the Spirit speaks to the center of church leadership for the sake of the fringes. But the Spirit is also speaking through the fringes back to the center. In other words, the Spirit shapes the formal leadership of the church through dialogue, feedback, pushback and even talk back from the fringes. The dones might not have the whole truth. Their decision to walk away from the church might be influenced by the flesh. But I believe that the Spirit of God has something to say through them.

This means that the way forward is not for us to sit in our boardrooms and try to come up with a method to attract the dones. That’s the kind of the thinking that they are done with. They are tired of trying to make the programs and strategies of the pastors work.

This can even be the case with small group strategies. Over the last 25 years, we have talked about the importance of community, life together, and living out the one anothers of the New Testament. But when pastors get together to talk about small groups, we turn them into a method, a program, a strategy to make the church work better. And then the volunteers in our churches become cogs in the system to make groups work. It’s a subtle problem.

But the voice of the dones can help us see how easily we can turn people into objects. They are tired of it.

And if we don’t listen now, we will see the number of dones on the rise.

Small groups then are not a way to recruit or even serve the dones. That misses the point. Small groups are arenas where we can learn to live in love (Eph 4:1-3). And while we are doing this, we can enter into dialogue with the dones (or those who are almost done) and discover a new way forward.

Scott

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo com os “Fartos”

por M. Scott Boren, The Center for Community and Mission (“O Centro para Comunidade e Missão”, tradução livre) , www.mscottboren.com, Twitter@mscottboren

Os “fartos” confessam que eles estão fartos da igreja. Muitas vezes eles são ex-lderes da igreja e já foram altamente comprometidos com a vida da igreja. Mas agora eles chegaram a um lugar onde não encontram mais valor na Igreja. Eles se mudaram.

É claro, eu ouvi como os pastores costumam responder a tais pessoas. Eles são apóstatas. Eles não estão comprometidos com a causa do Reino. Eles estão conformados com o padrão deste mundo. Da confissão de que eles já “não estão sendo alimentados”, mas a igreja é apenas um encobrimento para algum pecado que eles não querem que ninguém saiba.

E enquanto isso pode ser verdade, a minha pergunta é a seguinte: E se o Esprito de Deus quer falar com a igreja através dos “fartos“? E se os fartos forem uma voz que pode nos ensinar algumas coisas sobre o que significa ser o povo de Deus?

Isso é uma coisa importante para nós aprendermos como lderes da igreja. Muitas vezes assumimos que o Esprito fala com o “centro” da liderança da igreja por causa das “beiradas”. Mas o Esprito também está falando através das “beiradas” de volta para o “centro”. Em outras palavras, o Esprito molda a liderança formal da igreja através do diálogo, feedback, reações negativas e até mesmo falando através das beiradas. Os fartos podem não ter toda a verdade. Sua decisão de se afastarem da igreja pode ter sido influenciada pela carne. Mas eu acredito que o Esprito de Deus tem algo a nos dizer através deles.

Isto significa que o caminho a ser seguido não é para nós sentarmos em nossas salas de reuniões e tentarmos chegar a um método para atrairmos os fartos. Esse é o tipo de pensamento do qual eles são fartos. Eles estão cansados de tentar fazer os programas e estratégias dos pastores funcionarem.

Isso pode até ser o caso de estratégias de pequenos grupos. Ao longo dos últimos 25 anos nós temos falado sobre a importância da comunidade, da vida juntos, e de viver o “uns aos outros” do Novo Testamento. Mas quando os pastores se reúnem para falar sobre grupos pequenos, nós os transformamos em um método, um programa, uma estratégia para fazer a igreja funcionar melhor. E então os voluntários em nossas igrejas se tornam engrenagens no sistema para fazer os grupos funcionarem. É um problema sutil.

Mas a voz dos fartos pode nos ajudar a vermos quão facilmente nós podemos transformar as pessoas em objetos. Eles estão cansados disso.

E se nós não ouvirmos agora, vamos ver o número de fartos crescer.

Assim, os pequenos grupos não são uma forma de recrutar ou mesmo de servir os fartos. Esse não é o ponto. Pequenos grupos são arenas onde podemos aprender a viver em amor (Efésios 4: 1-3). E enquanto nós estamos fazendo isso, podemos entrar em diálogo com os fartos (ou aqueles que são quase fartos) e descobrir um novo caminho a seguir.

Scott

Spanish blog:

Aprendiendo de los “hastiados”

Por M. Scott Boren, El Centro para la Comunidad y Misión, www.mscottboren.com, Twitter@mscottboren

Los “hastiados” confiesan que están hastiados con la iglesia. Muchas veces son los ex lderes de la iglesia y han sido altamente comprometidos con la vida de la iglesia. Pero ahora han llegado a un lugar donde ya no encuentran valor en la iglesia. Han seguido adelante.

Por supuesto, he odo cómo los pastores a menudo responden a esas personas. Son reincidentes. Ellos no están comprometidos a la causa del Reino. Ellos se conforman con el modelo de este mundo. De la confesión en la cual ellos “ya no se alimentan” pero la iglesia es sólo un encubrimiento por algún pecado que no quieren que nadie sepa.

Y si bien esto puede ser cierto, mi pregunta es la siguiente: ¿Y si el Espritu de Dios quiere hablar a la iglesia a través de los “hastiados”? ¿Y si los hastiados podran ser la voz que nos puede enseñar algunas cosas acerca de lo que significa ser el pueblo de Dios?

Esto es algo crucial para que aprendamos como lderes de la iglesia. A menudo se asume que el Espritu habla al centro de liderazgo de la iglesia por el bien de las franjas. Pero también el Espritu está hablando a través de las franjas que dan vuelta al centro. En otras palabras, el Espritu da forma al liderazgo formal de la iglesia a través del diálogo, la retroalimentación, e incluso hablar de nuevo de la franja. Los hastiados talvez no tienen toda la verdad. Su decisión de alejarse de la iglesia podra estar influenciada por la carne. Pero creo que el Espritu de Dios tiene algo que decir a través de ellos.

Esto significa que el camino a seguir no es para que nos sentemos en nuestras salas de juntas y tratemos de llegar a un método para atraer a los hastiados. Ese es el tipo de pensamiento que ellos están hastiados. Ellos están cansados ​​de tratar de hacer que los programas y las estrategias de los pastores funcionen.

Esto incluso puede ser el caso de las estrategias de grupos pequeños. En los últimos 25 años, hemos hablado de la importancia de la comunidad, la vida en comunión, y vivir como los otros en el Nuevo Testamento. Pero cuando los pastores se reúnen para hablar de los pequeños grupos, nos convertimos en un método, un programa, una estrategia para hacer funcionar la iglesia mejor. Y entonces los voluntarios en nuestras iglesias se convierten en dientes en el sistema para que los grupos funcionen. Es un problema sutil.

Pero la voz de los hastiados puede ayudarnos a ver con qué facilidad podemos convertir a las personas en objetos. Están cansados ​​de la misma.

Y si no escuchamos ahora, vamos a ver el número de hastiados en aumento.

Los pequeños grupos no son una forma de reclutar o incluso servir a los hastiados. Esto no alcanza el punto. Los grupos pequeños son ámbitos donde podemos aprender a vivir en el amor (Ef 4: 1-3). Y mientras estamos haciendo esto, podemos entrar en un diálogo con los hastiados (o aquellos que están casi hastiados) y descubrir una nueva forma de avanzar.

Scott

Leave a Reply

Your email address will not be published.