Culturally Relevant or Simply Relevant

bill

By Bill Mellinger, Crestline First Baptist

In the year 250 a plague spread from Ethiopia to Northern Africa across to Italy and the Western world. Known as Cyprian’s Plague because as the Bishop of Carthage, Cyprian guided the Christians to care for the sick pagans. He led them to bury the dead and to care for people left on the streets to die. Although he was exiled because the Christians were blamed for the plague, Cyprian’s actions began a new era of care by the church for the pagan world. Christians changed a hostile pagan world through their love for others; risking their own lives and not caring if the people they helped were unbelievers. They showed us how we can influence our culture, even when it opposes our message; by the way we love the needy in our society.

Should we blend into our culture or does Jesus demonstrate a different way? Hasn’t Jesus always been countercultural?

With nearly every learning experience, Jesus turns the world upside down. When Jesus challenged the disciples to go the second mile with the soldier that had the authority to demand you walk one mile, he was asking them to go against the culture. Jesus calls us to be different than the world (See Luke 6:27-31). The world says destroy your enemy; Jesus tells us to love our enemy. The world says, “Eat, drink and be merry.” Jesus invites us to be great by being the servant to all. The world says, “It’s my way or the highway.” Jesus says, “Deny yourself and take up your cross.”

Jesus consistently teaches the disciples to live in a way that is often opposed to the modern culture. Jesus invited us to become part of His Body, a new community. He gives us truth that will set people free. He models how to love others even when they are persecuting you. Through the power of the Holy Spirit, He empowers us to serve the poor, the broken, the prisoner, and the arrogant. We learn how to do this in community with others who are trying to become more like Christ. As we love and serve one another, we model a radical difference from our culture.

Like the early church that cared for the sick and dying on the streets, our caring can inspire others to come to Christ. Culture may be opposed to Christ in many ways but a powerful way to reach into the culture is to live the “one another’s” in a way that cannot be ignored. In an individualistic culture, the one another’s stand out as Christians, love one another, serve one another, forgive one another, and carry one another’s burdens. The living example of Christ draws people to His Body and to Him. Maybe it is a good thing to live counter culturally.

Imagine the difference a caring community meant in the year 250 and think of what a difference we can make today regardless of what our culture looks like.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Culturalmente Relevante ou Simplesmente Relevante

Por Bill Mellinger, Primeira Igreja Batista de Crestline

No ano de 250 uma praga se espalhou da Etiópia para o Norte da África, depois para a Itália e o mundo ocidental. Ficou conhecida como Praga de Cipriano por causa do bispo de Cartago, Cipriano, que orientou os cristãos a cuidarem dos pagãos doentes. Ele os liderou a enterrarem os mortos e cuidarem das pessoas que ficaram nas ruas para morrer. Embora ele tenha sido exilado porque os cristãos foram acusados pela praga, as ações de Cipriano deram incio a uma nova era de cuidados da igreja com o mundo pagão. Os cristãos mudaram um mundo pagão hostil através do seu amor pelos outros; arriscando suas próprias vidas e não se importando se as pessoas que estavam ajudando eram incrédulas. Eles nos mostraram como podemos influenciar a nossa cultura, mesmo quando ela se opõe a nossa mensagem, pela maneira como amamos os necessitados em nossa sociedade.

Nós devemos nos misturar em nossa cultura ou Jesus demonstra uma maneira diferente? Jesus não foi sempre contracultural?

Com quase todas as experiências de aprendizagem, Jesus deixa o mundo de cabeça para baixo. Quando Jesus desafiou os discpulos a andarem a segunda milha com o soldado que tinha autoridade para exigir que eles caminhassem uma milha, ele estava pedindo-lhes para irem contra a cultura. Jesus nos chama para sermos diferentes do mundo (Ver Lucas 6:27-31). O mundo te diz para destruir seu inimigo; Jesus nos diz para amarmos o nosso inimigo. O mundo diz: "Coma, beba e seja feliz". Jesus nos convida a sermos grandes ao servir a todos. O mundo diz: "É do meu jeito ou caia fora". Jesus diz: "Negue a si mesmo e tome a sua cruz". 

Jesus ensina consistentemente os discpulos a viverem de uma forma que é muitas vezes contrária à cultura moderna. Jesus nos convidou para fazermos parte de Seu corpo, uma nova comunidade. Ele nos dá a verdade que vai libertar as pessoas. Ele dá o exemplo de como amar os outros, mesmo quando eles estão perseguindo você. Através do poder do Esprito Santo, Ele nos capacita a servir os pobres, os machucados, o prisioneiro e o arrogante. Nós aprendemos a fazer isso em comunidade com outras pessoas que estão tentando se tornarem mais semelhantes a Cristo. Conforme nós amamos e servimos uns aos outros, nós modelamos uma diferença radical de nossa cultura.

Como a igreja primitiva que cuidava dos doentes e moribundos nas ruas, o nosso cuidado pode inspirar outros a virem a Cristo. A cultura pode se opor a Cristo de muitas maneiras, mas uma maneira poderosa para alcançar a cultura é viver o "uns aos outros" de uma forma que não pode ser ignorada. Em uma cultura individualista, o "uns aos outros" se destaca à medida que os cristãos amam uns aos outros, servem uns aos outros, perdoam uns aos outros e transportam as cargas uns dos outros. O exemplo vivo de Cristo atrai as pessoas para o Seu Corpo e para Ele. Talvez seja uma coisa boa viver contraculturalmente.

Imagine a diferença que uma comunidade solidária fez no ano 250 e pense na diferença que podemos fazer hoje, independentemente de como a nossa cultura é.

Spanish blog:

Culturalmente Relevante o simplemente Relevante

Por Bill Mellinger, Crestline Primera Iglesia Bautista

En el año 250 una plaga se extendió desde Etiopa hasta el norte de África a través de Italia y del mundo occidental. Conocida como la peste de Cipriano porque como el obispo de Cartago, Cipriano guio a los cristianos para cuidar a los paganos enfermos. Él los dirigió a enterrar a los muertos y atender a las personas que haban dejado en la calle para morirse. A pesar de que fue exiliado debido a que los cristianos fueron culpados por la plaga, las acciones de Cipriano comenzaron una nueva era de la atención por la Iglesia para el mundo pagano. Los cristianos cambiaron un mundo pagano hostil a través de su amor por los demás; arriesgando sus propias vidas y sin importarle si las personas que ayudaron eran inconversos. Nos mostraron cómo podemos influir en nuestra cultura, incluso cuando se opone a nuestro mensaje; por la forma en que amamos a los más necesitados de nuestra sociedad.

¿Deberamos mezclarla en nuestra cultura o Jesús demostró una manera diferente? ¿No ha sido siempre Jesús contracultural?

Con casi todas las experiencias de aprendizaje, Jesús voltio el mundo al revés. Cuando Jesús desafió a los discpulos a ir la segunda milla con el soldado que tena la autoridad para exigirles que caminaran una milla, Él les estaba pidiendo que fueran en contra de la cultura. Jesús nos llama a ser diferente que el mundo (véase Lucas 6: 27-31). El mundo dice destruye a tu enemigo; Jesús nos dice que amemos a nuestros enemigos. El mundo dice: "Come, bebe y se feliz." Jesús nos invita a ser grandes por ser el siervo de todos. El mundo dice: "Es mi manera o la carretera." Jesús dice: "Niégate a ti mismo, y  carga tu cruz."

Jesús enseña constantemente a los discpulos a vivir de una manera que a menudo se opone a la cultura moderna. Jesús nos invitó a ser parte de su cuerpo, una nueva comunidad. Él nos da la verdad que va a liberar a la gente. Él nos da ejemplo de cómo amar a los demás, incluso cuando lo perseguan. A través del poder del Espritu Santo, Él nos da el poder para servir a los pobres, a los quebrantados, a los  prisioneros, y a los arrogantes. Aprendemos cómo hacer esto en comunidad con otras personas que están tratando de ser más como Cristo. Mientras nos amamos y servimos los unos a otros, modelamos una diferencia radical de nuestra cultura.

Al igual que la iglesia primitiva que se preocupaba por los enfermos y moribundos en las calles, nuestra preocupación puede inspirar a otros a venir a Cristo. La cultura puede ser opuesta a Cristo de muchas maneras, pero una poderosa manera de llegar a la cultura es vivir los "unos a otros" de una manera que no puede ser ignorada. En una cultura individualista, el uno al otro nos destaca como cristianos, amarnos los unos a otros, servirnos los unos a otros, perdonarnos los  unos a otros, y cargar las cargas los unos a otros. El ejemplo vivo de Cristo atrae a la gente a su Cuerpo, y a él. Tal vez es una buena cosa el vivir contra culturalmente.

Imagnese la diferencia en una comunidad solidaria lo que significó en el año 250 y piensa en la diferencia que podemos hacer hoy, sin importar como sea nuestra cultura.

Leave a Reply

Your email address will not be published.