There’s No Junior Holy Spirit

brian

By Brian Kannel, lead pastor at http://www.yorkalliance.org/ and author of Follow Me 

“I just don’t know if I could concentrate with children in the group.”

“I don’t do well interacting with kids.”

“It’s hard for me to be honest when there are kids in the room.”

“I couldn’t invite my friends to a group that has children in it.”

“Honestly, I just don’t like kids.”

It’s probably the cynic in me, but whenever I hear reasons like this for why people don’t want to be in a cell group with children (which I’ve heard lots of times after 15 years of intergenerational cell ministry), I always have the same internal response. Thankfully, I usually have enough restraint not to verbalize it, but I almost always think it. It goes like this: I take their sentence, whatever it is, and I begin to replace “kids” or “children” with some other demographic group. Single moms. Older folks. Bald-headed, middle aged men. Athletes. Fat people. Skinny people. Left-handed slow pitch softball players. Whatever group of people comes to mind in the moment. And at some point in that mental process, a faint smile comes to my face. (Usually around the time I get to how hard it is to be honest when there are left-handed slow pitch softball players in the room. Who can’t relate to that??) The smile comes as I think about how hilariously offensive it is to make such statements, which seem so logical at the time, about any other group of people in the church.

And interestingly, Jesus never once said “Let the bald-headed, middle aged men come to me.” On a quite personal level I’m quite glad it was implied in the gospel message, but it doesn’t change the fact that He never actually said it. But, of course, He did say it about the children. (Matthew 19:14)

There have been volumes written on the “how” of children within intergenerational groups, and it’s a vitally important topic. However, in the brief space I have left, let me specifically address the “why:”

  1. Children teach us to pray. Nothing is more disarming and moving than the prayer of a child. Jesus called us to have faith like children, and hearing kid’s pray is a great path to developing that faith.
  2. Children are honest. They haven’t learned to put on the “mask” of appropriate behavior, so what you see is what you get. A great model for the rest of us “appropriate folks” in the group.
  3. Children express pure love. One of our deepest needs is to be loved, and no one expresses the deep love of God for us as sincerely and extravagantly as children.
  4. Children are evangelistic. When a child experiences something great, it’s in their nature to tell everyone else about it. So, when they truly experience Jesus, you can bet the whole neighborhood is going to find out about it!

And maybe most importantly, the Holy Spirit doesn’t come in a “junior” size! I love having kids in our group because when they accept Jesus as their Savior, they get a full-size portion of the Holy Spirit in their little bodies! I can’t even number the times that I’ve heard directly from Jesus through the mouth of a child. God can and does speak in profound ways through children—if we’ll take the time to listen.

By the way, the same might be true for left-handed slow pitch softball players. But I wouldn’t know—I could never be honest with one of them in the room.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Não há Esprito Santo Júnior

Por Brian Kannel, pastor principal na http://www.yorkalliance.org/ e autor de Siga-me

• “Eu não sei se eu poderia me concentrar com crianças no grupo”
• “Eu não interajo bem com crianças.”
• “É difcil para mim ser honesto quando há crianças na sala.”
• “Eu não conseguiria convidar meus amigos para um grupo que tenha crianças.”
• “Honestamente, eu não gosto de crianças.”

É provavelmente o cinismo em mim, mas sempre que eu ouço razões como estas para as pessoas não quererem estar em um grupo de células com crianças (o que eu ouvi muitas vezes depois de 15 anos de ministério de células intergeracional), eu sempre tenho a mesma resposta interna. Felizmente, eu costumo ter contenção suficiente para não verbalizá-la, mas eu quase sempre penso nela. É assim: eu pego a frase delas, qualquer que seja, e começo a substituir “crianças” por algum outro grupo demográfico. Mães solteiras. Os mais velhos. Homens carecas de meia idade. Atletas. Pessoas gordas. Pessoas magras. Jogadores de softball canhotos. Seja qual for o grupo de pessoas que vem à mente no momento. E em algum momento nesse processo mental, um leve sorriso vem para o meu rosto. O sorriso vem conforme eu penso sobre o quão hilariamente ofensivo é fazer tais afirmações, que parecem tão lógicas no momento, sobre qualquer outro grupo de pessoas na igreja.

E curiosamente, Jesus nunca disse “Deixai os carecas de meia idade virem a mim.” Em um nvel bastante pessoal eu estou bem contente que isso ficou implcito na mensagem do evangelho, mas não muda o fato de Ele nunca ter dito isso. Mas, é claro, Ele disse isso sobre as crianças (Mateus 19:14)

Muito foi escrito sobre o “como” das crianças dentro de grupos intergeracionais, e é um tema de vital importância. No entanto, no curto espaço que me resta, deixe-me abordar especificamente o “porquê:”

Crianças nos ensinam a orar. Nada é mais irresistvel e tocante do que a oração de uma criança. Jesus nos chamou para ter fé como crianças, e ouvir a oração de uma criança é um grande caminho para o desenvolvimento dessa fé.

Crianças são honestas. Elas não aprenderam a colocar a “máscara” do comportamento apropriado, então o que você vê é o que você recebe. Um ótimo modelo para o resto de nós, “pessoas apropriadas”, do grupo.

Crianças expressam amor puro. Uma das nossas necessidades mais profundas é ser amado, e nenhum expressa o amor profundo de Deus por nós tão sincera e extravagantemente como crianças.

As crianças são evangelsticas. Quando uma criança experimenta algo grande, é de sua natureza contar para todo mundo sobre isso. Então, quando eles verdadeiramente experimentam Jesus, você pode apostar que o bairro inteiro vai descobrir!

E talvez o mais importante, o Esprito Santo não vem em um tamanho “júnior”! Eu amo ter crianças no nosso grupo, pois quando aceitam Jesus como seu Salvador, elas recebem uma porção de tamanho completo do Esprito Santo em seus corpos pequenos! Eu não posso nem contar as vezes que eu ouvi diretamente de Jesus através da boca de uma criança. Deus pode e fala de maneiras profundas através das crianças- isso se nós tivermos tempo para ouvir.

A propósito, o mesmo pode ser verdade para jogadores de softball canhotos. Mas eu não sei, eu nunca poderia ser honesto com um deles no quarto.

Spanish blog:

No Hay Júnior Espritu Santo
Por Brian Kannel, pastor principal en http://www.yorkalliance.org/ y autor de Sgueme

• "Yo no sé si yo podra concentrarme con los niños en el grupo"

• "Yo no soy muy interactivo con los niños"

• "Es difcil para m ser honesto cuando hay niños en el cuarto"

• "No puedo invitar a mis amigos a un grupo que tiene niños"

• "Honestamente, no me gustan los niños"

Es probablemente el cnico en m, pero cada vez que oigo razones como esta del por qué la gente no quiere estar en un grupo de células con los niños (que he odo muchas veces después de 15 años en el ministerio celular intergeneracional), siempre tengo la misma respuesta interna. Afortunadamente, por lo general tengo suficiente moderación para no verbalizar, pero casi siempre lo pienso. Dice as: tomo su condena, sea lo que sea, y empiezo a sustituir a "niños" con algún otro grupo demográfico. Las madres solteras. La gente mayor. Los calvos, hombres de mediana edad. Atletas. Gente gorda. Gente delgada. Jugadores Zurdos de softbol de lanzamiento lento. Sea cual sea el grupo de personas que viene a la mente en este momento. Y en algún momento de ese proceso mental, una leve sonrisa viene a mi cara. (Por lo general, en torno a la vez cuando llego a lo difcil que es ser honesto cuando hay jugadores zurdos de softball de lanzamiento lento en la habitación. ¿Quién no puede relacionarse con eso ??) La sonrisa viene cuando pienso en que tan ofensivo es hacer tales declaraciones, que parecen tan lógico en ese momento, sobre cualquier otro grupo de personas en la iglesia.

Y curiosamente, Jesús nunca dijo una vez: "Dejad que los hombres calvos, de mediana edad vengan a m". En un nivel muy personal estoy bastante contento por lo implcito que es el mensaje del evangelio, pero eso no cambia el hecho de que Él en realidad nunca lo dijo. Pero, por supuesto, él hablo de los niños. (Mateo 19:14).

Ha habido volúmenes escritos en el "cómo" de los niños dentro de los grupos intergeneracionales, y es un tema de vital importancia. Sin embargo, en el breve espacio que me queda, permtanme abordar especficamente el "por qué".

  1. Los niños nos enseñan a orar. Nada es más desarmante y en movimiento que la oración de un niño. Jesús nos llama a tener fe como niños, y el escuchar la oración de un niño es un gran camino para el desarrollo de la fe.
  2. Los niños son honestos. No han aprendido a ponerse la "máscara" de un comportamiento adecuado, as que lo que ves es lo que obtienes. Un gran modelo para el resto de nosotros, son "personas adecuadas" en el grupo.
  3. Los niños expresan amor puro. Una de nuestras necesidades más profundas es ser amado, y nadie expresa el profundo amor de Dios por nosotros tan sincero y extravagante como los niños.
  4. Los niños son evangelistas. Cuando un niño experimenta algo grande, está en su naturaleza el decirle a todos los demás al respecto. As que, cuando realmente experimentan a Jesús, usted puede apostar que todo el vecindario se va dar cuenta de lo que sucedió.

Y tal vez lo más importante es, que el Espritu Santo no viene en un tamaño "junior" Me encanta tener niños en nuestro grupo porque cuando aceptan a Jesús como su Salvador, ellos reciben una porción completa del Espritu Santo en sus pequeños cuerpos. Ni siquiera puedo contar las veces que he escuchado directamente de Jesús a través de la boca de un niño. Dios puede y habla de manera profunda a través de los niños, si vamos a tomar el tiempo para escucharle.

Por cierto, el mismo podra ser cierto para los jugadores zurdos de softbol de lanzamiento lento. Pero yo no sé, yo nunca podra ser honesto con uno de ellos en la habitación.

Brian

Leave a Reply

Your email address will not be published.