How to Pray

coaches_angel

by Angel Hernandez, http://misionmoderna.com/

Prayer takes us beyond what we can do with our hands and feet. Jesus said, in “John 14:13, And whatsoever ye shall ask in my name, that will I do, that the Father may be glorified in the Son.” Then why is it when we pray the opposite seems to happen? Did Jesus deceive us? No, he did not. The problem is with our prayers.

Jesus said we should ask the Father in his name, in the name of Jesus. Asking in the name of Jesus is not a formality or a magic phrase, it is more than that, it is an attitude of prayer. Asking in the name of Jesus is more than saying, “In the name of Jesus, Amen.” Rather, it is bringing our prayers first to the cross of Calvary, even if this means sighing, lamentation, and suffering. Jesus prayed so intensely that his sweat became like drops of blood (Luke 22:44). He tells us, “So far you have asked nothing in my name; Ask and you shall receive … (John 16:24).

Dr. Joel Comiskey in his book, “An Appointment with the King,” says the language of prayer follows three rules:

  1. Understand the will of God
  2. Ask according to his will
  3. Prayer fervently

It is curious that the most impressive story about the vigil of prayer of Jesus in Gethsemane is the hardest story in the life of Jesus, Luther called it “the struggle of Gethsemane” (Matthew 26: 36-46). It was a sad night for Jesus (Matthew 26:38). Everyone must go through such a moment. The mystics called it “the dark night of the soul. Judaism calls it “the eclipse of God” because it is a time where God appears to be absent.

That’s why Jesus said watch with me. We can see in the example of Jesus that he longed for his disciples to pray with him. Jesus had that need. Praying with others destroys all sense of loneliness, helplessness, and anguish (Luke 22:44). Some theologians believe that despair and discouragement were the obstacles that made the disciples not pray with Jesus. After all, Jesus had revealed to them his departure and this was a big blow for them.

Even though they had followed the Master without fear or trembling; they were now trembling and discouraged. Someone said, “Immediate danger can activate us, but danger without hope paralyzes us and even submerges us into a dream-like state.”

As we gather together and pray for one another through dark, deep moments, remember that it doesn’t mean that we have to spend a lot of time in prayer for those struggling. Jesus asked for one hour (Matthew 26:40). We must pray for each other and do it fervently.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Como Orar

por Angel Hernandez, http://misionmoderna.com/

A oração nos leva além do que podemos fazer com nossas mãos e pés. Jesus disse em João 14:13: “E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho”. Então porque razão quando oramos o oposto parece acontecer? Será que Jesus nos enganou? Não, ele não nos enganou. O problema são as nossas orações.

Jesus disse que devemos pedir ao Pai em seu nome, em nome de Jesus. Pedir em nome de Jesus não é uma formalidade ou uma frase mágica, é mais do que isso, é uma atitude de oração. Pedir em nome de Jesus é mais do que dizer: “Em nome de Jesus, amém”. Pelo contrário, é levar nossas orações primeiro à cruz do Calvário, mesmo que isso signifique gemer, lamentar e sofrer. Jesus orou tão intensamente que o seu suor tornou-se como gotas de sangue (Lucas 22:44). Ele nos diz: “Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis” (João 16:24).

Em seu livro An Appointment with the King (“Um Compromisso com o Rei”, em tradução livre), o Dr. Joel Comiskey diz que a linguagem da oração segue três regras:

  1. Entenda a vontade de Deus
  2. Peça de acordo com Sua vontade
  3. Ore fevorosamente

É curioso que a história mais impressionante sobre a viglia de oração de Jesus no Getsêmani é a história mais difcil na vida de Jesus; Lutero chamou de “a luta do Getsêmani” (Mateus 26:36-46). Foi uma noite triste para Jesus (Mateus 26:38). Todos devem passar por um momento como esse. Os msticos chamaram isso de “a noite sombria da alma”. O judasmo chama isso de “o eclipse de Deus”, porque é um tempo em que Deus parece estar ausente.

É por isso que Jesus disse “vigiem comigo”. Nós podemos ver no exemplo de Jesus que ele ansiava por seus discpulos orarem com ele. Jesus tinha essa necessidade. Orar com os outros destrói toda a sensação de solidão, desamparo e angústia (Lucas 22:44). Alguns teólogos acreditam que o desespero e desânimo foram os obstáculos que fizeram os discpulos não orarem com Jesus. Afinal, Jesus havia revelado a eles sua partida e isso foi um grande golpe para eles.

Mesmo que eles tivessem seguido o Mestre sem medo ou tremor; eles agora estavam tremendo e desanimados. Alguém disse: “O perigo imediato nos pode ativar, mas o perigo sem esperança nos paralisa e até mesmo nos submerge em um estado como de sonho”.

À medida que nos reunimos e oramos uns pelos outros através dos momentos sombrios e profundos, lembre-se que isso não significa que temos que gastar muito tempo em oração por aqueles que lutam. Jesus pediu durante uma hora (Mateus 26:40). Devemos orar uns pelos outros com fervor.

Spanish blog:

Cómo Orar

por Angel Hernandez

La oración hace más que nuestras manos y pies. Jesús dijo, en “Juan 14:13 Y todo lo que pidiereis al Padre en mi nombre, lo haré, para que el Padre sea glorificado en el Hijo”. Pero ¿Por qué a veces oramos y ocurre lo contrario de lo que hemos orado? ¿Nos habrá engañado Jesús? No.

El problema está en como hacemos nuestras oraciones. Jesús dijo que debemos pedir al padre en su nombre, en el nombre de Jesús. Pedir en el nombre de Jesús no es un formalismo ni una frase mágica, es más que eso, es una actitud en la oración. Pedir en el nombre de Jesús es más que decir, “en el nombre de Jesús amen”, es llevar nuestra oración por la pasión, por el camino del calvario, por el gemido, el lamento, el sufrimiento si hace falta. Jesus oró con tanta intensidad, que su sudor se convirtió en gotas de sangre (Luc 22:44). El nos dice, “hasta ahora nada habéis pedido en mi nombre; pedid, y recibiréis… (Juan 16:24).

El Dr. Joel Comiskey en su libro “Una cita con Dios”, dice que el idioma de la oración sigue tres reglas:

  • entender la voluntad de Dios
  • pedir conforme a su voluntad
  • orar fervientemente.

Es curioso que el relato mas impresionante sobre la vigilia de oración de Jesús en el Getseman, sea precisamente el relato mas duro en la vida de Jesús, Lutero la llama “la lucha de Getseman” (Mat 26:36-46). Es una noche triste para Jesús (Mateo 26:38). Todo el mundo puede pasar por un momento semejante, los msticos lo llaman “la noche oscura del alma”, el teólogo del judasmo Martin Buber lo llama “el eclipse de Dios”, porque es un momento donde parece que Dios esta ausente. Es por eso que Jesús dijo velad conmigo.

Necesitamos orar junto a otros, Jesús tuvo esa necesidad. Y es que orar junto a otro destruye todo sentimiento de soledad, de desamparo, de angustia, cosa que los discpulos no hicieron por Jesús (Lucas 22:44).

Algunos teólogos dicen que fue el sueño de la desesperanza lo que hizo que no oraran con Jesús, porque el les haba revelado su partida y eso fue para ellos como un gran golpe. Y encima el maestro al que haban seguido sin temor ni temblor, ahora está temiendo y temblando. Alguien dijo, “el peligro inmediato puede activarnos, pero el peligro sin salida nos paraliza, nos sumerge en el sueño”, dormir para huir.

No es mucho tiempo de oración el que se requiere por y para el que esta pasando por una noche oscura, Jesús pidió para el una hora (Mateo 26:40). Debemos orar los unos por los otros y hacerlo fervientemente.

Leave a Reply

Your email address will not be published.