Taking care of youth cells

coach_mario2016speaking

by Mario Vega, www.elim.org.sv

Not long ago, Ernesto, a leader of a youth cell, told me that he discussed a theological matter with members of his cell group, and that they failed to reach a conclusion. But Ernesto was left with the doubt of whether his position was correct or not. After listening to him I asked, “Why are you discussing those issues in the cell?” He replied that he thought this was the subject he was supposed to teach. I pointed out that this was not the topic that was in the cell lesson guide. Then Ernesto explained to me that he did not use the established material, but instead he spoke about theological issues with the youth.

That experience reminded me of one of the important characteristics of youth: They like to scrutinize, ask questions, discuss, and challenge the status quo. Coaches must work hard to stay close to each youth cell leader and each youth cell. Coaches need to channel the concerns of youth in a positive way. Great youth coaches are not just concerned about whether the cell is properly evangelizing but also whether the youth are spending excessive time discussing points of theology. Young people are comfortable with arguments and want to defend what they believe. Because of this, they could spend hours trying to explain and defend their opinions. The coach should be careful to instruct leaders to move from one point to another and not allow the members to feel neglected. Youth cells function best when they remain focused on the main thing, which is always our need for Jesus.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Cuidando de Células de Jovens

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Não muito tempo atrás, Ernesto, um lder de uma célula de jovens, me disse que ele discutiu uma questão teológica com os membros de sua célula e que eles não conseguiram chegar a uma conclusão. Mas Ernesto ficou com a dúvida de saber se sua posição era correta ou não. Após ouvi-lo, eu perguntei: “Por que você está discutindo essas questões na célula?”. Ele respondeu que achava que esse era o assunto que ele deveria ensinar. Eu lhe apontei que este não era o tema que estava no guia da “lição” da célula. Então, Ernesto explicou que ele não usou o material estabelecido; em vez disso, ele falou sobre questões teológicas com os jovens.

Essa experiência me fez lembrar de uma das caractersticas importantes dos jovens: eles gostam de examinar, fazer perguntas, discutir e desafiar o status quo. Os treinadores devem trabalhar duro para ficar perto de cada lder de célula de jovens e de cada célula de jovens. Os técnicos precisam canalizar as preocupações dos jovens de uma forma positiva. Grandes treinadores de jovens não estão preocupados somente com se a célula está evangelizando adequadamente, mas também se os jovens estão gastando tempo excessivo discutindo pontos teológicos. Os jovens ficam confortáveis com argumentos e querem defender aquilo em que acreditam. Por conta disso, eles poderiam passar horas tentando explicar e defender suas opiniões. O treinador deve ter cuidado para instruir os lderes a irem de um ponto a outro e a não permitirem que os membros se sintam negligenciados. As células de jovens funcionam melhor quando mantém o foco sobre o principal, que é sempre a nossa necessidade de Jesus.

Spanish blog:

Cuidando de las células juveniles

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Hace poco tiempo Ernesto, un lder de una célula juvenil, me comentó que haban tenido una discusión teológica con los miembros de su célula. Al final, no llegaron a una conclusión. Pero Ernesto se quedó con la duda de si la posición que haba defendido era o no la correcta. Al escucharlo le pregunté: ¿Por qué están discutiendo esos temas en la célula? Él me respondió que esa era la enseñanza que haba impartido. Le hice ver que ese no era un tema que estuviera en la Gua de lecciones para la célula. Entonces Ernesto me explicó que él no utilizaba el material establecido sino que tocaba temas de teologa con los jóvenes.

Esa experiencia muestra una de las caracterstica de los jóvenes: les gusta escudriñar, preguntar, desafiar, discutir. Por esas razones, el trabajo de los supervisores debe ser muy cercano y tratar de canalizar esas inquietudes de manera positiva. No solo hay que velar por mantener el contenido evangelizador de las células sino también para que la parte participativa no se extienda excesivamente. Los jóvenes son amigos de los argumentos y la defensa de sus razones. Por ese motivo, podran pasar horas tratando de explicar y defender sus opiniones. El supervisor debe ser cuidadoso en instruir a los lderes para que pasen de un punto a otro sin que los jóvenes sientan que no se les puso atención o que no se les permitió exponer sus razones. Ellos deben mantenerse enfocados hacia la enseñanza fundamental, la cual, siempre es la necesidad que tenemos de Jesús.

Leave a Reply

Your email address will not be published.