Learning from My Mistakes

coach_JoelFamilyWeb

by Joel Comiskey

I (we) failed miserably in trying to transition the El Batán Church in Quito, Ecuador to the cell church strategy back in 1993. I was beaten and bruised in the process but in hindsight, we went about it all wrong. We thought we could make the change very quickly. “After all,” we thought, “Cell ministry was the hottest ministry in the church and had clearly closed the back door. The church had grown from 500 people to 950 and cell ministry was a key reason for the success.” But we were a church with cells within a program-oriented church. Some board members directed cherished programs in the church, and we had not done our homework about their reaction.

The lead pastor at the time, Porfirio Ludeña, presented the idea to the board on that night in 1993, and the church board pushed back. Hard. They even tried to “teach us a lesson” of what was really important in the church. I went away wounded and hurt. One board member was the founder of a city-wide counseling ministry housed in our church, and when we presented our cell church ideas, he felt threatened.

With hindsight, I now realize we could have done far more to work with this board member one-on-one, showing him how making disciples in cells would have helped his counseling ministry, rather than replacing it.  Nor had we as a pastoral team fully transitioned to cell ministry. At least one pastoral team member wasn’t convinced that cell ministry was the way to proceed at El Batán. Yet I wanted it badly and I pushed it. Since then, I’ve come to realize that cell church ministry is not a program to be pushed and decided on. It must be lived. Those leading the church must understand the why of cell ministry, buy into the biblical base, and plan for a long-term transition.

We should have started by transitioning the pastoral team, so that all of us we’re 100% involved in cell ministry and coaching the different homogenous groups in the church. At the time it was still “my ministry,” and although I was trying to get other pastors involved, we had a long way to go.  Then we could have slowly convinced hold-out board members one-on-one about the benefits of cell ministry. We should have avoided a one-time board decision about whether to emphasize cell ministry. We could have done a lot more behind the scenes work, remembering that “Everything takes longer than you expect; even when you expect it to take longer than you expect.”

Successful transition to cell-based ministry needs to be lived out by those in leading the church. The leaders need to then reach out to the power-brokers with love and tender care, getting them involved in cell ministry, rather than pushing for a one-time decision. People need time to process ideas and reach their own conclusions. The adoption of new ideas takes time and there is always potential for conflict. Although I was hurt by the mistakes at El Batán, I learned valuable lessons that remain with me today.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo com Meus Erros

Por Joel Comiskey

Eu falhei (nós falhamos) terrivelmente ao tentar fazer a transição da Igreja El Batán em Quito- Equador para a estratégia de igreja em células em 1993. Eu apanhei e fui ferido no processo, mas olhando em retrospectiva, nós fizemos tudo errado. Nós pensamos que poderamos fazer a mudança muito rapidamente. “Afinal,” nós pensamos, “o ministério celular era o ministério mais quente na igreja e tinha claramente fechado a porta de sada. A igreja tinha crescido de 500 pessoas para 950 pessoas e o ministério celular foi uma das principais razões para o sucesso”. Mas nós éramos uma igreja com células dentro de uma igreja orientada por programas. Alguns membros do conselho lideravam programas muito queridos na igreja, e nós não tnhamos feito a nossa lição de casa sobre a reação deles.

O pastor principal na época, Porfirio Ludeña, apresentou a ideia ao conselho naquela noite em 1993, e os membros do conselho andaram para trás. Difcil. Eles até tentaram nos “ensinar uma lição” sobre o que era realmente importante na igreja. Eu fui embora ferido e magoado. Um dos membros do conselho era o fundador de um ministério de aconselhamento espalhado por toda a cidade, que tinha a sede em nossa igreja, e quando apresentamos nossas idéias sobre a igreja em células, ele se sentiu ameaçado.

Em retrospectiva, agora percebo que poderamos ter feito muito mais trabalhando no particular com este membro do conselho, mostrando-lhe como fazer discpulos em células teria ajudado o seu ministério de aconselhamento, ao invés de substitu-lo. Nós como uma equipe pastoral também não tnhamos feito totalmente a transição para o ministério celular. Pelo menos um membro da equipe pastoral não estava convencido de que o ministério celular era a melhor maneira de proceder em El Batán. No entanto, eu queria muito e forcei a transição. Desde então, eu percebi que o ministério da igreja em células não é um programa para ser empurrado e decidido. Ele deve ser vivido. Aqueles que conduzem a igreja devem entender o porquê do ministério celular, devem abraçar a base bblica e fazer um planejamento para uma transição a longo prazo.

Nós deveramos ter começado fazendo a transição na equipe pastoral, para que todos nós estivéssemos 100% envolvidos no ministério de células e treinando os diferentes grupos homogêneos na igreja. Na época ainda era “meu ministério”, e apesar de eu estar tentando conseguir que outros pastores se envolvessem, nós tnhamos um longo caminho a percorrer. Então nós poderamos convencer lentamente os membros do conselho um a um sobre os benefcios do ministério celular. Nós deveramos ter evitado uma decisão de conselho única sobre enfatizar o ministério de células. Nós poderamos ter feito muito mais trabalho nos bastidores, lembrando-se que, “Tudo leva mais tempo do que o esperado; mesmo quando você espera que demore mais tempo do que o esperado.”

Uma transição para um ministério baseado em células de sucesso precisa ser vivida por aqueles na liderança da igreja. Os lderes precisam então alcançar os influenciadores com amor e carinho, fazendo-os se envolverem no ministério celular, em vez de empurrá-los para uma decisão de uma só vez. As pessoas precisam de tempo para processar ideias e obter suas próprias decisões. A adoção de novas ideias leva tempo e há sempre potencial para conflito. Apesar de eu estar machucado pelos erros na El Batán, eu aprendi lições valiosas que permanecem comigo hoje.

Spanish blog:

Aprendiendo de mis errores 

Por Joel Comiskey

Yo (nosotros) fracase rotundamente en el intento de hacer la transición a la Iglesia El Batán en Quito, Ecuador a la estrategia de la iglesia celular en 1993. Fui golpeado y magullado en el proceso, pero en retrospectiva, lo hicimos de manera equivocada. Pensamos que podramos hacer el cambio rápidamente. “Después de todo”, Pensamos, “El ministerio celular era el ministerio más ardiente en la iglesia y haba cerrado la puerta de atrás con claridad. La iglesia haba crecido de 500 a 950 personas y el ministerio celular era una razón clave para el éxito”. Sin embargo, éramos una iglesia con células dentro de una iglesia orientada al programa. Algunos miembros de la junta dirigan programas preciados en la iglesia, y no habamos hecho la tares sobre su reacción.

El pastor principal en el momento, Porfirio Ludeña, presentó la idea a la junta en esa noche en 1993, y la junta de la iglesia no la acepto. Difcil. Incluso trataron de “darnos una lección” de lo que era realmente importante en la iglesia. Me fui herido y lastimado. Un miembro de la junta fue el fundador de un ministerio de consejera para toda la ciudad alojada en nuestra iglesia, y cuando presentamos nuestras ideas de la iglesia celular, él se sintió amenazado.

En retrospectiva, me doy cuenta de que podramos haber hecho mucho más si hubiéramos hablado con la junta de uno-a-uno, mostrándole cómo hacer discpulos en las células habra ayudado a su ministerio de consejera, en lugar de reemplazarlo. Tampoco nosotros tuvimos un equipo pastoral totalmente transicionado al ministerio celular. Al menos un miembro del equipo pastoral no estaba convencido de que el ministerio celular era la manera de proceder en La iglesia El Batán. Sin embargo, yo lo quera tanto y lo empujé. Desde entonces, me he dado cuenta de que el ministerio de la iglesia celular no es un programa para ser empujado y decidido. Hay que vivirlo. Aquellos que dirigen la iglesia deben comprender el porqué del ministerio celular, comprar la base bblica, y un plan para una transición a largo plazo.

Deberamos haber empezado por transicionar el equipo pastoral, para que todos nosotros estuviéramos 100% involucrados en el ministerio celular y entrenando a los diferentes grupos homogéneos en la iglesia. En el momento todava era “mi ministerio”, y aunque yo estaba tratando de conseguir otros pastores para que se involucraran, tuvimos un largo camino por recorrer. Entonces podramos a ver convencido lentamente a los miembros uno a uno de los beneficios del ministerio celular. Deberamos haber evitado una decisión de la junta de una sola vez en vez de hacer hincapié en el ministerio celular. Podramos haber hecho mucho más detrás de las escenas de trabajo, recordando que “Toda toma más tiempo de lo esperado; aun cuando se espera que tome más tiempo de lo esperado”.

Una transición exitosa al ministerio basado en células tiene que ser vivido por aquellos que dirigen la iglesia. Los lderes tienen que alcanzar a los agentes de poder con amor y tierno cuidado, para involucrarlos en el ministerio celular, en lugar de empujar la decisión de una sola vez. La gente necesita tiempo para procesar las ideas y llegar a sus propias conclusiones. La adopción de nuevas ideas requiere tiempo y siempre hay posibilidades de conflicto. A pesar de que estaba herido por los errores en El Batán, he aprendido lecciones valiosas que permanecen conmigo hoy.

Leave a Reply

Your email address will not be published.