Cell Evangelism and Power Encounters

coaches_ralphN

By Ralph Neighbour Jr

In Luke 10, Jesus disbursed 72 disciples to evangelize Perea, an unreached area. He sent them by threes: two persons would be empowered by His inner Presence: “Where two or three gather, I am in their midst.” 2 + Christ = 3!

This important truth seems to be forgotten by us: the unbeliever observing the Presence of Christ active in us is the source of evangelization. We do not bring a cognitive explanation to the unbeliever. We bring the evidence of the Indwelling One’s power.

A student of mine at Columbia International Seminary from India told me how he evangelized several villages each year: “We walked the streets and prayed, ‘Lord, which one of these persons will you touch?’ He would shows us a man or woman who was crippled or sick and He would say, ‘This one!” So we would fast and pray until the person was healed. Then the villagers would say, ‘Tell us about your powerful God.’ After many were converted, we formed them into a congregation and moved on.”

In 1 Cor. 14:24-25 we see this same process evidenced as all believers are anointed to prophesy in the house group. As the unbeliever observes the supernatural evidence he falls on his face saying, “God is among you!”

The contrast between “small groups” and “Christ Bodies” is precisely revealed by how unreached persons are brought to the cross.

  1. Cognitive Approach

The small group that discusses a Bible passage takes the cognitive approach. They learn about the Jordan miraculously parting, the Israelites passing over on dry land. They do not expect that within their midst God’s power might be manifested. The unbeliever does not experience God in the midst.

  1. Experiential Approach

The Christ Body assembles to share needs, hurts, strongholds with one another.

They gather to work out their salvation ( Phil. 2:12), knowing God’s power is among them to comfort, edify and encourage. Stated needs cause each believer to listen to the Spirit’s voice. They are anointed to manifest spiritual gifts. As these are shared and breakthroughs take place, seekers present are exposed to the presence of the living Christ and the Holy Spirit. Conversions are the result of experiencing God, not the ancient story of His power.

Authentic evangelism in a cell group is based on the members revealing the Presence and Power of the indwelling Christ. For this to take place, the group must first transparently share their needs. The responses must come through members manifesting the energeia of spiritual gifts. Body Life evangelism is, therefore, distinct from the tepid evangelism that relies on words alone rather than a revelation of Christ’s presence.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evangelismo Celular e Encontros de Poder

Por Ralph Neighbour Jr

Em Lucas 10 Jesus enviou 72 discpulos para evangelizar áreas não alcançadas. Ele os enviou de três em três: duas pessoas seriam capacitadas por Sua Presença viva. “Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, a estou eu no meio deles”; 2 + Jesus Cristo = 3!

Essa verdade tão importante parece ter sido esquecida por nós: o não convertido observando a Presença de Cristo viva em nós é a fonte da evangelização. Nós não levamos uma explicação cognitiva àquele que não é crente. Nós levamos a evidência do poder dAquele que vive em nós.

Um aluno meu da Índia no Columbia International Seminary me contou como ele evangelizava várias aldeias todos os anos: “Nós andávamos pelas ruas e orávamos: ‘Senhor, qual dessas pessoas Você vai tocar?’. Ele nos mostrava um homem ou uma mulher que era aleijado(a) ou doente e Ele dizia: ‘Este aqui!’ Então nós jejuávamos e orávamos até que a pessoa fosse curada. Então, os moradores diziam: ‘Conte-nos sobre o seu Deus poderoso’. Depois que muitos se convertiam, nós os transformávamos em uma congregação e seguamos em frente”.

Em 1 Corntios 14:24-25 nós vemos a evidência deste mesmo processo, pois todos os convertidos foram ungidos para profetizar no grupo doméstico. Conforme os descrentes observam a evidência sobrenatural, eles caem com seu rosto em terra, dizendo: “Deus está entre vocês!”.

O contraste entre “pequenos grupos” e “Corpos de Cristo” é revelado precisamente pela forma como os incrédulos são levados à cruz.

  1. Abordagem Cognitiva

O pequeno grupo que discute uma passagem da Bblia utiliza a abordagem cognitiva. Eles aprendem sobre a abertura miraculosa do Jordão e a travessia em terra seca dos israelitas. Eles não esperam que o poder de Deus se manifeste em seu meio. O descrente não experimenta Deus agindo em seu meio.

  1. Abordagem Experiencial

O Corpo de Cristo se reúne para compartilhar necessidades, dores e fortalezas uns com os outros.

Eles se reúnem para exercitar sua salvação (Fp. 2:12), sabendo que o poder de Deus está no meio deles para confortar, edificar e encorajar. Declarar as necessidades faz com que cada crente ouça a voz do Esprito. Eles são ungidos para manifestar dons espirituais. Conforme elas são compartilhadas e descobertas acontecem, as pessoas presentes são expostas à presença do Cristo vivo e do Esprito Santo. As conversões são o resultado de experimentar Deus, e não de ouvir a antiga história sobre Seu poder.

O evangelismo autêntico em uma célula se baseia nos membros revelando a Presença e o Poder do Cristo que habita neles. Para que isso ocorra, o grupo deve primeiro compartilhar transparentemente suas necessidades. As respostas devem vir pelos membros manifestando a energia dos dons espirituais. O evangelismo de Vida do Corpo é, portanto, diferente do evangelismo morno que se baseia apenas em palavras em vez de uma revelação da presença de Cristo.

Spanish blog:

El Evangelismo Celular y los encuentros de poder

Por Ralph Neighbour Jr.

En Lucas 10, Jesús envió 72 discpulos a evangelizar Perea, un área no alcanzada. Los envió de tres en tres: dos personas con el poder y por Su Presencia interior: “Donde dos o tres estén reunidos, all estaré en medio de ellos”. 2 + Cristo= 3.

Esta importante verdad parece estar olvidada por nosotros: el incrédulo observando la presencia activa de Cristo en nosotros es la fuente de la evangelización. No traemos una explicación cognitiva para el incrédulo. Traemos la evidencia del poder del que mora en el interior.

Uno de mis estudiantes de la india en el Seminario Internacional Columbia me dijo que el evangelizó varios pueblos cada año: “Caminamos por las calles y oramos. Señor, ¿cuál de estas personas tocaras”, Él nos muestra a un hombre o una mujer que era cojo o enfermo y deca: “Este” As que ayunábamos y orábamos hasta que la persona fuera sana. Después, los aldeanos decan, “Háblanos de tu poderoso Dios”. Después que muchos fueron convertidos, formamos una congregación y seguimos al siguiente pueblo”

En 1 Cor. 14: 24-25 vemos este mismo proceso de evidencia en que todos los creyentes son ungidos a profetizan en el grupo en las casas. A medida que el creyente observa la evidencia sobrenatural que cae sobre su rostro diciendo: “Dios está entre vosotros”

El contraste entre los “pequeños grupos” y “Cuerpos de Cristo” se revela precisamente cómo las personas inconversas son llevadas a la cruz.

  1. Enfoque Cognitivo

El pequeño grupo que discute un pasaje de la Biblia adopta el enfoque cognitivo. Ellos aprenden sobre el Jordán milagrosamente despidiéndose, los hijos de Israel pasando por encima en tierra firme. No esperan que dentro de su medio el poder de Dios se manifieste. El incrédulo no experimenta a Dios en medio.

  1. Enfoque Experiencial

El Cuerpo de Cristo se reúne para compartir necesidades, dolor, fortalezas uno con otros.

Se reúnen para trabajar su salvación (Fil. 2:12), sabiendo que el poder de Dios está entre ellos para consolar, edificar y animar. Las necesidades establecidas hacen que cada creyente a escuche la voz del Espritu. Ellos son ungidos para manifestar los dones espirituales. A medida que estos son compartidos y los avances toman lugar, los solicitantes actuales están expuestos a la presencia del Cristo vivo y el Espritu Santo. Las conversiones son el resultado de la experiencia de Dios, no la antigua historia de su poder.

El evangelismo auténtico en un grupo de células se basa en los elementos en que revelan la presencia y el poder de la presencia de Cristo. Para que esto tome lugar, el grupo debe primero compartir de forma transparente sus necesidades. Las respuestas deben venir a través de los miembros que manifiestan las energas de los dones espirituales. La vida del cuerpo de evangelización es, por lo tanto, distinta del evangelismo que se basa sólo en las palabras en lugar de una revelación de la presencia de Cristo.

Ralph

Leave a Reply

Your email address will not be published.