How we do Lifegroups

coach_markspeeter

Mark Speeter, lead pastor and founder of Antioch Fullerton, www.antiochfullerton.com

Here are two guiding scriptural principles we use: 1) When people meet with Jesus, they get transformed.  2) People get discipled and transformed by seeing other people follow Jesus.

Therefore, we want Lifegroups to be a place where we don’t just talk about God, but we meet with Him too. We want to worship passionately, call people to read and obey scripture, and invite them to confess sin and be accountable. And have fun too!. It’s in these environments people encounter God and learn how to meet with Jesus.

With that in mind and Acts 2:42-47 as a model, here are some elements of a typical Lifegroup night:

  • Connection/Food/icebreaker: Lightens the mood, breaks down walls, connects new people
  • Vision: Cast vision EVERY Lifegroup: Reach UP to God, IN to one another, and OUT to those who don’t know Jesus.
  • Announcements: Church/Lifegroup events
  • Worship: A time to meet with Jesus and exercise spiritual gifts.  When this happens, we consistently see hearts open, tears shed, and people get connected to the body.
  • Discussion: Reading scripture and practically discussing its implications
  • Break up guys/guys ladies/ladies: Opportunity for vulnerability, prayer, and application
  • Follow up and Discipleship: After Lifegroup, we follow up with guests.  The goal is to integrate people into Lifegroup and a discipleship relationship with more mature member(s) of the group (if they’re ready).

What does discipleship look like?  

  • Years ago, a college student named Rocky came to my Lifegroup.  He was hungry for God, so I gave him vision for meeting weekly for discipleship if he would do the same with others.  We began to “do life together” – I took him into my time with Jesus, played sports with him, evangelized with him, did mission trips together, etc.  Eventually, he got vulnerable, and I walked him through some tools to be set free.  We consistently went back to scripture on all areas of life, and showed how it worked out in my life.  He grew into a leader, began to disciple others, and eventually led leaders; I walked him through each step of the process.  Years later, I have seen over 7 generations of discipleship through Rocky. And who knows the number of people impacted through him!?
  • Busyness: For busy seasons of life, get creative on how to use Lifegroup night.
  • The depth of our discipleship determines the depth of maturity and leadership development.

The goal isn’t a structure, but to follow Jesus and make disciples together. Be encouraged: it can be slow, but eventually bears exponential fruit!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Como nós fazemos a célula

Mark Speeter, pastor principal e fundador da Antioch Fullerton, www.antiochfullerton.com

Aqui estão dois princpios bblicos orientadores que usamos: 1) Quando as pessoas se encontram com Jesus, elas são transformadas. 2) Pessoas são discipuladas e transformadas ao verem outras pessoas seguindo Jesus.

Portanto, queremos que as células sejam um lugar onde não falamos apenas de Deus, mas também nos encontramos com Ele; onde nós adoramos apaixonadamente; chamamos as pessoas para ler e obedecer as escrituras, e as convidamos a confessar o pecado e serem responsáveis (e se divertirem!). São nesses ambientes que as pessoas encontram Deus e aprendem a se encontrar com Jesus.

Com isso em mente e com o modelo de Atos 2:42-47, aqui estão alguns elementos de uma tpica noite de célula:

  • Comunhão/Comida/Quebra Gelo: Melhora o humor, quebra as barreiras, conecta novas pessoas.
  • Visão: apresentar a visão em toda célula: alcançar a Deus, uns aos outros, e aqueles que ainda não conhecem Jesus.
  • Avisos: Eventos da igreja e da célula.
  • Louvor/Adoração: Um tempo para se encontrar com Jesus e exercitar os dons espirituais. Nesse momento, nós vemos corações abertos, lágrimas caindo, e pessoas sendo conectadas ao Corpo.
  • Ministração/Discussão: Ler as escriturar e discutir, de forma prática, suas implicações.
  • Dividir em grupos, de homens com homens e mulheres com mulheres: Oportunidade para ser vulnerável, orar e aplicar a Palavra.
  • Acompanhamento e Discipulado: Depois da célula, nós fazemos um acompanhamento com os convidados. O objetivo é integrar as pessoas na célula e em um relacionamento de discipulado com os membros mais maduros do grupo (se estiverem prontos).

Como é o discipulado?

  • Anos atrás, um estudante universitário chamado Rocky veio na minha célula. Ele estava faminto por Deus, então dei a ele a ideia de nos encontrarmos semanalmente para um discipulado, se ele fizesse o mesmo com os outros. Nós começamos a “viver juntos” – eu o levei para o meu tempo com Jesus, pratiquei esportes com ele, evangelizei com ele, fizemos viagens de missão juntos, etc. Consequentemente, ele ficou vulnerável, e eu o conduzi, através de algumas ferramentas, a se libertar. Nós consistentemente voltávamoss às escrituras, em todas as áreas da vida, e eu lhe mostrava como isso funcionava na minha vida. Ele se tornou um lder, começou a discipular outros e, finalmente, orientar os lderes; eu o acompanhei através de cada passo do processo. Anos mais tarde, eu vi mais de 7 gerações de discipulado através do Rocky – quem sabe o número de pessoas  impactadas por ele !?
  • Ocupação: Para tempos da vida que você estiver muito ocupado, seja criativo em como fazer a célula.
  • A profundidade do nosso discipulado determina a profundidade da maturidade e desenvolvimento da liderança.

O objetivo não é uma estrutura, mas seguir Jesus e fazer discpulos juntos. Seja encorajado: pode ser lento, mas eventualmente irá dar frutos e o crescimento será exponencial!

Spanish blog:

Cómo trabajan los grupos de vida

Mark Speeter, pastor principal y fundador de Antioch Fullerton, www.antiochfullerton.com

He aqu dos principios bblicos guas que usamos: 1) Cuando la gente se reúne con Jesús, se transforman. 2) Las personas se discipulan y se transforman al ver a otras personas seguir a Jesús.

Por lo tanto, queremos que los grupos de vida sea un lugar donde no solo hablemos de Dios, también sea un lugar donde nos reunimos con Él; Adoramos apasionadamente, llamamos a la gente a leer y obedecer las escrituras, e invitamos a confesar los pecados y ser responsables (y divertirnos). Es en estos entornos la gente encuentra a Dios y aprende a reunirse con Jesús.

Con esto en mente y Hechos 2: 42-47 como modelo, aqu tenemos algunos elementos de una noche tpica del Grupo de Vida:

  • Conexión/Alimentos/rompehielos: Ilumina el estado de ánimo, rompe las paredes, conecta gente nueva
  • Visión: proyecten la visión en CADA grupo de vida: alcancen a Dios, dentro de uno a otro, y fuera de aquellos que no conocen a Jesús.
  • Anuncios: Eventos de iglesias / grupos de vida
  • Adoración: Un tiempo para reunirse con Jesús y ejercitar los dones espirituales. Cuando esto sucede, constantemente vemos corazones abiertos, lágrimas derramadas, y la gente se conecta al cuerpo.
  • Discusión: Leer las escrituras y prácticamente discutir sus implicaciones
  • Sepárense chicos/chicas/señoras: La oportunidad de vulnerabilidad, oración y aplicación
  • Seguimiento y Discipulado: Después del grupo de vida, seguimos con los invitados. El objetivo es integrar a las personas en el grupo de vida y una relación de discipulado con miembros más maduros del grupo (si están listos).

¿Cómo se ve el discipulado?

  • Hace años, un estudiante universitario llamado Rocky vino a mi grupo de vida. Tena hambre de Dios, as que le di la visión de reunirse semanalmente para el discipulado asi él hara lo mismo con otros. Comenzamos a “hacer la vida juntos”, lo llevé a mi tiempo con Jesús, practiqué deporte con él, evangelicé con él, hicimos viajes misioneros juntos, etc. Eventualmente, él se volvió vulnerable, y lo llevé a través de algunas herramientas para conseguirlo. Constantemente volvimos a las Escrituras en todas las áreas de la vida, y mostramos cómo funcionó en mi vida. Se convirtió en un lder, empezó a discipular a otros y eventualmente lideró a lderes; Lo acompañé a través de cada paso del proceso. Años más tarde, he visto más de 7 generaciones de discipulado a través de Rocky – ¿Quién sabe el número de personas impactadas a través de él?
  • Ocupación: Para las temporadas ocupadas de la vida, sea creativo en cómo usar la noche del grupo de vida.
  • La profundidad de nuestro discipulado determina la profundidad de la madurez y el desarrollo del liderazgo.

El objetivo no es una estructura, sino seguir a Jesús y hacer discpulos juntos. Anmese: puede ser lento, pero finalmente lleva fruto exponencial.

Mark

Leave a Reply

Your email address will not be published.