Youth Ministers

coach_JoelFamilyWeb

By Joel Comiskey

Excerpts from Youth in Cell Ministry

Effective youth cells expect everyone to be a minister. They embrace the apostle’s exhortation in the last book of the Bible, “To him who loves us and has freed us from our sins by his blood, and has made us to be a kingdom and priests to serve his God and Father—to him be glory and power for ever and ever! Amen” (Revelation 1:5-6).

This is one main reason why Jesus chose the small group atmosphere to impart knowledge to his own youth cell. Christ wanted the information to be disseminated into the lives of his disciples, so as he journeyed with them each day for three years, he not only taught them, but asked them to interact with others and apply his teachings. Sometimes Jesus would allow them to make mistakes in order to teach them important lessons and offer practical application of his teachings (Matthew 14:22ff).

Young people hear many sermons, but those messages are often difficult to apply until they are discussed. Small groups allow for discussion about how truth can be implemented in students’ lives. For example, if the church teaching is about witnessing for Christ, a student in a small group can talk about particular ways he can share Jesus with his classmates. The teaching moves from an impersonal, platform presentation to the small group and into the student’s lifestyle.

Many youth are not challenged. They are caught up in the vicious cycle of low expectations. They are not asked to do the hard things. No one expects much of them, and they even expect less of themselves. Cells are uniquely positioned to challenge youth to grow in their faith, develop relationships, disciple other youth, and reach a lost world for Jesus.

Alex and Brett Harris wrote a successful series of blogs called The Myth of Adolescence that eventually turned into a bestselling book entitled Do Hard Things: A Teenage Rebellion Against Low Expectations. They point out that teens desire deeper meaning and should be challenged to fulfill their dreams.

The Holy Spirit is able to do amazing things through young people who trust in him and are willing to step out. A cell church pastor in Africa, referring to student leaders, said, “While they may be young the Holy Spirit in them is no child.” The same Holy Spirit works just as powerfully in youth as he does in adults.

Thayana, one of the youth pastors over cell groups in a Foursquare church in Belem, Brazil, is helping to break the mold of traditional youth ministry and showing others that youth can accomplish a lot. Thayana led her first small group at the Foursquare church in Belem when she was fourteen. She excitedly talked about Jesus at her school—inviting her friends to her cell group. Her group led so many people to Jesus and water baptism that in one year it had multiplied into two groups and then two more the next year. By the time she was sixteen, she already had five small groups under her care. When Thayana was nineteen, she became one of the network pastors. There are now more than 200 small groups from the one she started. She personally supervises a network of eighty-three cells.

Thayana is exceptional in her leadership and coaching skills. She is also in a church that allows youth to thrive. All Christians are encouraged to actively participate in cell ministry. In fact, youth cell ministry stands against the idea that only the youth pastor does all the work while the rest of the youth sit and listen—and perhaps engage in a few programs.

Special deals this week:

10.95 for print edition (free shipping)

2.99 for kindle edition

2.99 for PDF edition

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Ministros Jovens

Por Joel Comiskey

Excertos de Youth in Cell Ministry (Jovens no Ministério Celular, em tradução livre)

Células de jovens que são eficazes esperam que todos sejam um ministro. Elas abraçam a exortação do apóstolo no último livro da Bblia: “Aquele que nos ama, e pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados, 6. e nos fez reis, sacerdotes para Deus, seu Pai, a ele seja glória e domnio pelos séculos dos séculos. Amém” (Apocalipse 1:5-6).

Esta é uma das principais razões pelas quais Jesus escolheu a atmosfera do pequeno grupo para transmitir conhecimento à sua própria célula juvenil. Cristo queria que a informação fosse disseminada na vida de seus discpulos, então conforme ele viajou com eles todos os dias durante três anos, ele não só os ensinou, mas pediu-lhes para interagir com os outros e aplicar seus ensinamentos. Às vezes, Jesus permitia que eles cometessem erros para ensiná-los lições importantes e oferecer aplicação prática de seus ensinamentos (Mateus 14:22).

Os jovens ouvem muitos sermões, mas essas mensagens são muitas vezes difceis de aplicar até que sejam discutidas. Os pequenos grupos permitem a discussão sobre como a verdade pode ser implementada na vida dos alunos. Por exemplo, se o ensinamento da igreja é sobre testemunhar para Cristo, um estudante em um pequeno grupo pode falar sobre formas particulares de compartilhar Jesus com seus colegas. O ensino se move de uma plataforma de apresentação impessoal para o pequeno grupo e para o estilo de vida do aluno.

Muitos jovens não são desafiados. Eles estão presos no crculo vicioso de baixas expectativas. Eles não são convidados a fazer as coisas difceis. Ninguém espera muito deles, e eles esperam menos ainda de si mesmos. As células são posicionadas de forma única para desafiar a juventude a crescer em sua fé, desenvolver relacionamentos, discipular outros jovens e alcançar um mundo perdido para Jesus.

Alex e Brett Harris escreveram uma série bem-sucedida de blogs chamada The Myth of Adolescence (O Mito da Adolescência, em tradução livre), que acabou se transformando em um livro best-seller intitulado Do Hard Things: A Teenage Rebellion Against Low Expectations (Faça Coisas Difceis: Uma Rebelião Adolescente Contra Baixas Expectativas, em tradução livre). Eles apontam que os adolescentes desejam um significado mais profundo e devem ser desafiados a realizar seus sonhos.

O Esprito Santo é capaz de fazer coisas incrveis através de jovens que confiam nele e estão dispostos a dar um passo adiante. Um pastor de uma igreja em células na África, referindo-se aos lderes estudantis, disse: “Enquanto eles podem ser jovens, o Esprito Santo neles não uma criança”. O mesmo Esprito Santo funciona tão poderosamente nos jovens quanto nos adultos.

Thayana, uma entre os pastores de jovens responsáveis por células em uma igreja Quadrangular em Belém, Brasil, está ajudando a quebrar o molde do ministério tradicional de jovens e mostrar aos outros que a juventude pode realizar muito. Thayana liderou seu primeiro grupo pequeno na igreja Quadrangular em Belém quando ela tinha quatorze anos. Ela falou de forma eufórica sobre Jesus em sua escola – convidando seus amigos para sua célula. Seu grupo conduziu tantas pessoas a Jesus e ao batismo nas águas que, em um ano, ele tinha se multiplicado em dois grupos e depois em mais dois no ano seguinte. Quando ela tinha dezesseis anos, já havia cinco pequenos grupos sob seus cuidados. Quando Thayana tinha dezenove anos, ela se tornou uma das pastoras de rede. Existem agora mais de 200 pequenos grupos que surgiram do que ela começou. Ela supervisiona pessoalmente uma rede de oitenta e três células.

Thayana é excepcional em suas habilidades de liderança e treinamento. Ela também está em uma igreja que permite que os jovens prosperem. Todos os cristãos são encorajados a participar ativamente no ministério celular. Na verdade, o ministério de células jovens vai contra a ideia de que apenas o pastor faz todo o trabalho enquanto o resto dos jovens apenas senta, ouve e, talvez, se envolve em alguns programas.

Ofertas especiais desta semana:

$10,95 pela edição impressa (frete grátis na região de entrega)
$2,99 pela edição para kindle
$2.99 pela edição em PDF

Spanish blog:

Ministros Juveniles

Por Joel Comiskey

Extractos de Youth in Cell Ministry (el libro aparece en español a finales de esta semana)

Las células juveniles eficaces esperan que todos se conviertan en ministros. Ellos aceptan la exhortación del apóstol en el último libro de la Biblia: ” Al que nos ama y que por su sangre nos ha librado de nuestros pecados, al que ha hecho de nosotros un reino, sacerdotes al servicio de Dios su Padre, ¡a él sea la gloria y el poder por los siglos de los siglos! Amén.”(Apocalipsis 1: 5-6)

Esta es una de las razones principales por las que Jesús escogió la atmósfera del grupo pequeño para impartir conocimiento a su propia célula juvenil. Cristo quera que la información se difundiera en las vidas de sus discpulos, por lo que mientras caminaba con ellos cada da durante tres años, no sólo les enseñó, sino que les pidió que interactuaran con otros y aplicaran sus enseñanzas. A veces, Jesús les permita cometer errores para enseñarles lecciones importantes y ofrecer una aplicación práctica de sus enseñanzas (Mateo 14:22 y sig.).

Los jóvenes escuchan muchos sermones, pero esos mensajes son a menudo difciles de aplicar hasta que se discuten. Los grupos pequeños permiten la discusión sobre cómo la verdad puede ser implementada en la vida de los estudiantes. Por ejemplo, si la enseñanza de la iglesia es sobre testificar de Cristo, un estudiante de un grupo pequeño puede hablar sobre las maneras particulares  de cómo compartir de Jesús con sus compañeros de clase. La enseñanza se mueve de una plataforma impersonal de presentación hacia el grupo pequeño hasta llegar al estilo de vida del estudiante.

Muchos jóvenes no son desafiados. Están atrapados en el crculo vicioso de las bajas expectativas. No se les pide que hagan las cosas difciles. Nadie espera mucho de ellos, e incluso ellos esperan menos de s mismos. Las células están en una posición única para desafiar a los jóvenes a crecer en su fe, desarrollar relaciones, discipular a otros jóvenes y alcanzar un mundo perdido para Jesús.

Alex y Brett Harris escribieron una exitosa serie de blogs llamada The Myth of Adolescence (El Mito de la Adolescencia) que eventualmente se convirtió en un libro bestseller titulado Do Hard Things: A Teenage Rebellion Against Low Expectations (Haz Cosas Difciles: Una rebelión Adolescente Contra las Bajas Expectativas). Ellos señalan que los adolescentes desean un significado más profundo y deben ser desafiados a cumplir sus sueños.

El Espritu Santo es capaz de hacer cosas asombrosas a través de jóvenes que confan en él y están dispuestos a sobresalir. Un pastor de una iglesia celular en África, refiriéndose a los lderes estudiantiles, dijo: “Si bien ellos pueden ser jóvenes, el Espritu Santo en ellos no es un niño”. El mismo Espritu Santo funciona igual de poderosamente en los jóvenes como en los adultos.

Thayana, uno de los pastores de la juventud a cargo de los grupos celulares en una iglesia Cuadrangular en Belem, Brasil, está ayudando a romper el molde del ministerio juvenil tradicional y está mostrando a otros que la juventud puede lograr mucho. Thayana lideró su primer grupo pequeño en la iglesia Cuadrangular en Belem cuando ella tena catorce años. Hablaba emocionada de Jesús en su escuela— invitando a sus amigos a su grupo celular. Su grupo condujo a tantas personas a Jesús y al bautismo en agua que en un año se haba multiplicado en dos grupos y luego dos más el año siguiente. Para cuando tena dieciséis años, ya tena cinco grupos pequeños bajo su cuidado. Cuando Thayana tena diecinueve años, se convirtió en una de las pastoras de la red. Ahora hay más de 200 grupos pequeños que surgieron a partir del que ella comenzó. Ella supervisa personalmente una red de ochenta y tres células.

Thayana es excepcional en su liderazgo y habilidades de supervisión. Ella también está en una iglesia que permite a los jóvenes prosperar. Todos los cristianos son animados a participar activamente en el ministerio celular. De hecho, el ministerio celular juvenil se opone a la idea de que sólo el pastor de jóvenes haga todo el trabajo mientras el resto de los jóvenes se sientan y escuchan­â€” y quizás participen en unos pocos programas

[i] Alex y Brett Harris, Do Hard Things: A Teenage Rebellion Against Low Expectations (Haz Cosas Difciles: Una Rebelión Adolescente en Contra de las Bajas Expectativas) (Colorado Springs, CO: Multnomah Books [Libros Multnomah], 2008), p. 12.

Leave a Reply

Your email address will not be published.