Learning from History

coach_mario2016speaking

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The passage from 1 Corinthians 14: 26-33 is a true window through time that allows us to see how the first Christians held their meetings. We read, “How is it then, brethren? Whenever you come together, each of you has a psalm, has a teaching, has a tongue, has a revelation, has an interpretation. Let all things be done for edification.  If anyone speaks in a tongue, let there be two or at the most three, each in turn, and let one interpret. But if there is no interpreter, let him keep silent in church, and let him speak to himself and to God. Let two or three prophets speak, and let the others judge.  But if anything is revealed to another who sits by, let the first keep silent. For you can all prophesy one by one, that all may learn and all may be encouraged. And the spirits of the prophets are subject to the prophets. For God is not the author of confusion but of peace. ”

The mention of the “church” in this passage is often interpreted as a service in a building. But we must remember that the early church did not have such buildings and that what was called “church” were the meetings in the houses. We have in this passage a description of the primitive cells. It is clear that all the attendees could participate. Notice the expressions “each one of you” and “one by one”.  We also need to remember that each person in the house church had different gifts: revelation, interpretation and prophecy. Each member participated in the meetings with his or her own gift (s).

Even though each had a different gift, there was no conflict within the cell. Everything was done without confusion and in peace. Each member with his gift submitted to the others to achieve the greater purpose of edifying each other. These lessons from history teach us that in the cell we must encourage the participation of each member with his or her own gift. This is how people will be edified and grow spiritually.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Aprendendo com a História

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

A passagem de 1 Corntios 14:26-33 é uma verdadeira janela através do tempo que nos permite ver como os primeiros cristãos realizavam suas reuniões. Nós lemos: “Portanto, que diremos, irmãos? Quando vocês se reúnem, cada um de vocês tem um salmo, ou uma palavra de instrução, uma revelação, uma palavra em lngua ou uma interpretação. Tudo seja feito para a edificação da igreja. Se, porém, alguém falar em lngua, devem falar dois, no máximo três, e alguém deve interpretar. Se não houver intérprete, fique calado na igreja, falando consigo mesmo e com Deus. Tratando-se de profetas, falem dois ou três, e os outros julguem cuidadosamente o que foi dito. Se vier uma revelação a alguém que está sentado, cale-se o primeiro. Pois vocês todos podem profetizar, cada um por sua vez, de forma que todos sejam instrudos e encorajados. Os espritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Pois Deus não é Deus de desordem, mas de paz”.

A menção da “igreja” nesta passagem é muitas vezes interpretada como um culto em um prédio. Mas devemos lembrar que a Igreja Primitiva não tinha tais edifcios e que o que se chamava “igreja” eram as reuniões nas casas. Nós temos nessa passagem uma descrição das células primitivas. Está claro que todos os participantes podiam participar. Observe as expressões “cada um de vocês” e “um por um”. Também precisamos lembrar que cada pessoa na igreja doméstica tinha dons diferentes: revelação, interpretação e profecia. Cada membro participava das reuniões com o seu próprio dom.

Mesmo que cada um tivesse um dom diferente, não havia conflito dentro da célula. Tudo era feito sem confusão e em paz. Cada membro com seu dom se submetia aos outros para alcançarem o propósito maior de edificar uns aos outros. Essas lições da História nos ensinam que na célula devemos incentivar a participação de cada membro com seu próprio dom. É assim que as pessoas serão edificadas e crescerão espiritualmente.

Spanish blog:

Ventana en el tiempo

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

El pasaje de 1 Corintios 14:26-33 es una auténtica ventana en el tiempo que nos permite observar cómo los primeros cristianos realizaban sus reuniones en las casas: “¿Qué hay, pues, hermanos? Cuando os reuns, cada uno de vosotros tiene salmo, tiene doctrina, tiene lengua, tiene revelación, tiene interpretación. Hágase todo para edificación. Si habla alguno en lengua extraña, sea esto por dos, o a lo más tres, y por turno; y uno interprete. Y si no hay intérprete, calle en la iglesia, y hable para s mismo y para Dios. Asimismo, los profetas hablen dos o tres, y los demás juzguen. Y si algo le fuere revelado a otro que estuviere sentado, calle el primero. Porque podéis profetizar todos uno por uno, para que todos aprendan, y todos sean exhortados. Y los espritus de los profetas están sujetos a los profetas; pues Dios no es Dios de confusión, sino de paz.”

La mención que en ese pasaje se hace de la “iglesia” nos hace pensar en nuestros cultos en los edificios de nuestras congregaciones. Pero, debemos recordar que la iglesia primitiva no tena tales edificios y que lo que se llamaba “iglesia” eran las reuniones en las casas. Tenemos en ese pasaje una descripción de las células primitivas. Es muy notorio que todos los asistentes tenan una participación, note las expresiones “cada uno de vosotros” y “todos uno por uno”. Otro elemento que hay que notar es que cada uno tena dones diferentes: revelación, interpretación y profeca. Cada miembro participaba de la reunión con su don propio.

Además, hay que notar que a pesar de que cada uno tena un don diferente, no haba conflicto dentro de la célula. Todo se haca sin confusión y en paz. Cada miembro con su don encajaba con los demás para lograr el gran fin de edificarse mutuamente. Esta visión a través de la ventana temporal de este pasaje nos enseña que en la célula se debe propiciar la participación de cada miembro con su don. Es la manera cómo las personas serán edificadas y tendrán salud espiritual.

Leave a Reply

Your email address will not be published.