Roadblocks to Success with Relational Evangelism (part 1)

By Randall Neighbour, www.randallneighbour.com

Reaching people for Christ is far more than an obligation for a follower of Christ and the cell group in which he or she belongs. Evangelism is a lot like rocket fuel. The more we share Christ with others, see fruit, and disciple new believers to do the same thing, the more energized we become… and as the old hymn goes, “the things of this world become strangely dim.” Why? Because we understand that this world’s challenges and trappings are worth pursuing.

So what gets in the way of reaching people for Christ successfully in the context of a cell group? There are two main roadblocks to success, the first being humility.

When I ask unchurched non-believers what their greatest criticism is with Christians in general, it’s “They think that just because they’ve found God they don’t need anything from anyone. Their faith has made them arrogant.”

Learning this made me take a good look at my life and lifestyle. It was then I realized how they might say the same thing about me. I would often serve unbelievers to show them Christ or ask them how I might serve them, but I rarely asked an unbeliever for help with a weak area of my life or to get something tough accomplished I could not do by myself. Most of the time, I reached out to a fellow cell group member or a brother in Christ but even that was rare. I didn’t want to appear to be needy or weak. In other words, I lacked humility. Ugh.

Pick any spot in the Gospels and you’ll read about the way Jesus interacted with people. He asked for favors all the time! In fact, he asked a number of people he’d just met if he could go home with them for a meal. And he taught his disciples to do the same thing to show them how to lead a life of humility that produced fruit.

So let me encourage you to take a good hard look at your life like I did. How often do you ask non-family members when you need an extra hand around the house, a ride to the airport, help with a concern or issue, or to learn something new?

Genuine friendships—the kind that last a lifetime and are rare—are characterized by mutual support in many areas of life. My lifelong friends have seen me cry, laugh, get angry, go through tough times, have celebrated with me, have helped me in sacrificial ways, and I’ve done the same for them.

This is one of the things required for relational evangelism to flourish. Being humble enough to ask an unbeliever for relationship-appropriate help in an area of your life or a task that needs to be accomplished. It shows the person you consider them a real friend, not an acquaintance or someone you’ve befriended only to reach for Christ.

Go out and ask an unbeliever to serve you in some appropriate way and reciprocate or return the favor. Someone in a new friendship must start the “I owe you one” thing so it might as well be you!

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Esta é uma tradução do google. A tradução normal será postada quando recebida.

Roadblocks ao sucesso com Evangelism relacional (parte 1)

Por Randall Vizinho, www.randallneighbour.com

Alcançar as pessoas para Cristo é muito mais do que uma obrigação para um seguidor de Cristo eo grupo de células em que ele ou ela pertence. Evangelismo é muito parecido com combustvel de foguetes. Quanto mais compartilhamos Cristo com os outros, vemos fruto e discpamos os novos crentes a fazerem a mesma coisa, mais energizados nos tornamos … e, como diz o velho hino, “as coisas deste mundo se tornam estranhamente fracas”. Porque nós compreendemos que os desafios e as armadilhas deste mundo valem a pena prosseguir.

Então, o que atrapalha o alcance das pessoas para Cristo com sucesso no contexto de um grupo de células? Existem dois obstáculos principais para o sucesso, sendo o primeiro a humildade.

Quando pergunto aos não-crentes sem igreja qual é a sua maior crtica com os cristãos em geral, é “Eles pensam que só porque descobriram que Deus não precisam de nada de ninguém. Sua fé os tornou arrogantes.

Aprender isso me fez dar uma boa olhada na minha vida e estilo de vida. Foi então que eu percebi como eles poderiam dizer a mesma coisa sobre mim. Eu freqüentemente servia aos incrédulos para mostrar a Cristo ou perguntar-lhes como eu poderia servi-los, mas eu raramente pedi um incrédulo para ajudar com uma área fraca da minha vida ou para conseguir algo duro realizado que eu não poderia fazer por mim. Na maioria das vezes, eu estendia a mão para um companheiro grupo de célula membro ou um irmão em Cristo, mas mesmo que era raro. Eu não queria parecer estar necessitado ou fraco. Em outras palavras, eu não tinha humildade. Ugh.

Escolha qualquer ponto nos Evangelhos e você vai ler sobre a maneira como Jesus interagiu com as pessoas. Ele pediu favores o tempo todo! Na verdade, ele perguntou a um número de pessoas que ele tinha acabado de conhecer se ele poderia ir para casa com eles para uma refeição. E ele ensinou seus discpulos a fazerem a mesma coisa para mostrar-lhes como levar uma vida de humildade que produziu frutos.

Então deixe-me encorajá-lo a dar uma boa olhada em sua vida como eu fiz. Quantas vezes você pede a membros não-familiares quando você precisa de uma mão extra ao redor da casa, um passeio ao aeroporto, ajuda com uma preocupação ou questão, ou para aprender algo novo?

Amizades genunas – o tipo que duram toda a vida e são raras – se caracterizam pelo apoio mútuo em muitas áreas da vida. Meus amigos de toda a vida me viram chorar, rir, ficar com raiva, atravessar tempos difceis, ter comemorado comigo, ter me ajudado de forma sacrificial, e eu fiz o mesmo por eles.

Esta é uma das coisas necessárias para que o evangelismo relacional floresça. Ser humilde o suficiente para perguntar a um incrédulo por uma ajuda apropriada ao relacionamento em uma área de sua vida ou uma tarefa que precisa ser cumprida. Ele mostra a pessoa que você considera um amigo de verdade, não um conhecido ou alguém que você befriended apenas para chegar a Cristo.

Saia e peça a um incrédulo que o sirva de alguma maneira apropriada e que retribua ou retribua o favor. Alguém em uma nova amizade deve começar o “Eu te devo uma” coisa assim que poderia muito bem ser você!

Spanish blog:

Los obstáculos al éxito con el evangelismo relacional (parte 1)

Por Randall Neighbour, www.randallneighbour.com

Alcanzar a la gente para Cristo, es mucho más que una obligación para un seguidor de Cristo y el grupo celular al que pertenece. El evangelismo es muy similar al combustible de cohetes. Cuanto más compartimos a Cristo con los demás, vemos fruto y discpulos a los nuevos creyentes para hacer lo mismo, más energizados nos convertimos … y como dice el viejo himno, “las cosas de este mundo se vuelven extrañamente oscuras”. Debido a que entendemos que los desafos y los adornos de este mundo valen la pena.

Entonces, ¿qué se interpone en el camino a alcanzar a las personas para Cristo con éxito en el contexto de un grupo celular? Hay dos obstáculos principales para el éxito, el primero es la humildad.

Cuando le pregunto a los inconversos cuál es su mayor crtica con los cristianos en general, “Ellos piensan que sólo porque han encontrado a Dios, no necesitan nada de nadie. Su fe les ha hecho arrogantes”.

Cuando aprend esto me hizo echar un buen vistazo a mi vida y estilo de vida. Fue entonces cuando me di cuenta de cómo podan decir lo mismo de m. A menudo serva a los incrédulos para mostrarles a Cristo o preguntarles cómo podra servirles, pero rara vez peda a un incrédulo que me ayudara con un área débil de mi vida o para lograr algo duro que no poda hacer yo solo. La mayora de las veces, me dirig a un compañero del grupo celular o un hermano en Cristo, pero incluso eso era raro. No quera parecer necesitado o débil. En otras palabras, me faltaba humildad. Ugh.

Escoge cualquier punto en los Evangelios y leerás sobre la manera en que Jesús interactuó con la gente. ¡Ã‰l pidió favores todo el tiempo! De hecho, le preguntó a una serie de personas que acababa de conocer si poda ir a casa con ellos a comer. Y enseñó a sus discpulos a hacer lo mismo para mostrarles cómo llevar una vida de humildad que produjo frutos.

As que permtanme animarles a que echen un buen vistazo a su vida como lo hice yo. ¿Con qué frecuencia le preguntas a los miembros que no son familiares cuando necesitas una mano extra alrededor de la casa, un viaje al aeropuerto, ayuda con una preocupación o problema, o para aprender algo nuevo?

Las amistades genuinas -el tipo que duran toda la vida y son raras- se caracterizan por el apoyo mutuo en muchas áreas de la vida. Mis amigos de toda la vida me han visto llorar, rer, enojarse, pasar por tiempos difciles, celebran conmigo, me han ayudado de manera sacrificial, y he hecho lo mismo por ellos.

Esta es una de las cosas requeridas para que el evangelismo relacional florezca. Ser lo suficientemente humilde como para pedirle a un incrédulo que le brinde ayuda para una relación apropiada en un área de su vida o una tarea que necesita ser cumplida. Muestra a la persona que los consideras un verdadero amigo, no un conocido o alguien a quien has hecho amistad sólo para alcanzar a Cristo.

Sal y pide a un inconverso que te sirva de alguna manera apropiada y te retribuya o devuelva el favor. Alguien en una nueva amistad debe comenzar el “te debo una” cosa por lo que también podra ser usted.

Leave a Reply

Your email address will not be published.