God Is in Disruptive Problems

coaches_scottBoren

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

[the following blog is adapted from Grouping Your Church in the Way of Jesus. Secure your free copy of the e-book at www.mscottboren.org/books]

Problems in our group disrupt the status quo. They interrupt our plans. They cause stress. And they force us to adjust. Many times, leaders assume that the goal is to return to the status quo and get back to a place where we are in control. Instead we need to learn to see the problem as an opportunity for God to disrupt with his presence.

For instance, think about this on an individual level. When we read the Bible and see that God is called “Father,” for some this is a good thing because they have or had good, faithful fathers. For many others, however, this is a hopeless expression. The name Father does not stir up positive images. Their experience here on earth has looped them into a perpetually limited understanding of what it means for God to be Father.

Only if God redefines Father according to the way that the Father is Father can we understand who God the Father is. Only if God breaks into our loop from the outside can we see God for who God is. This applies to both those with good earthly fathers and those with horrible father experiences. God’s Fatherhood is analogous to faithful fatherhood in this life, but it is as different as life on the moon would be from life on earth.

The Church Father Hilary stated, “God cannot be apprehended except through himself.” To extend this to the way we lead a group through problems, we cannot see the way that God would call us to lead except through God himself being with us to show us how to lead. We are not leading in the way of Jesus by compiling our best ideas about leading and then going about the work. We are not left to ourselves to figure out God’s plan for our group to solve the problem. We need God’s disruptive presence to show us something we do not expect. Just as Jesus disrupted people’s expectations when he came 2000 years ago, the way of Jesus depends upon Jesus breaking into our loop to show us the way to be with God and with one another.

Jesus disrupted normal patterns through weakness, becoming the servant of servants, and dying on a cross. God came to be with the world. He did not come to fix the world, even when people asked him to fix it. He did not embrace the mentality of doing something for others so that they might consume his spiritual services. He instead invited them to be with him and be with others.

This disruption is not something we plan so that we can go from one level of triumph to the next. Often we are most aware of God’s interruptive presence when we hit a wall, when we face problems. Our groups are not working like we wish they would. The strategies we have learned through various models just don’t pan out. Then we cry out to God and the Spirit leads us into a kind of death. And from this death, the Spirit brings resurrection.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Deus Age nos Problemas Perturbadores

Por Scott Boren, O Centro para Comunidade e Missão (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter @mscottboren

[O blog seguinte foi adaptado do livro â€œGrouping Your Church in the Way of Jesus” {Agrupando Sua Igreja no Caminho de Jesus, em tradução livre}. Garanta sua cópia gratuita do e-book em www.mscottboren.org/books].

Problemas no nosso grupo perturbam o “status quo”. Eles interrompem nossos planos. Eles causam estresse. E eles nos obrigam a fazer ajustes. Muitas vezes, os lderes assumem que o objetivo é retornar ao status quo, ao estado normal, e voltar para um lugar onde estamos no controle. Em vez disso, precisamos aprender a ver o problema como uma oportunidade para Deus entrar com Sua presença.

Por exemplo, pense nisso em um nvel individual. Quando lemos a Bblia e vemos que Deus é chamado de “Pai”, para alguns, isso é bom porque eles têm ou tiveram pais bons e fiéis. Para muitos outros, no entanto, essa é uma expressão sem esperança. O nome Pai não suscita imagens positivas. Sua experiência aqui na Terra lhes proporcionou uma compreensão perpetuamente limitada do que significa que Deus seja Pai.

Somente se Deus redefinir o que é ser Pai de acordo com a maneira como um Pai é Pai, podemos entender quem é o Deus Pai. Somente se Deus entrar em nosso crculo, podemos ver Deus por quem Deus é. Isso se aplica tanto a pessoas com bons pais terrenos como a pessoas com horrveis experiências de pai. A paternidade de Deus é análoga à paternidade fiel nesta vida, mas é tão diferente quanto a vida na lua seria da vida na terra.

A Igreja Father Hilary afirmou: “Deus não pode ser apreendido, exceto por meio de Si mesmo”. Para estender isso à maneira como conduzimos um grupo através de problemas, nós não conseguimos ver o caminho que Deus nos chamaria a liderar, exceto se Deus estiver conosco para mostrar como liderar. Nós não estamos no caminho de Jesus por compilar nossas melhores ideias sobre liderar e depois colocá-las em prática. Não somos deixados sozinhos para descobrir o plano de Deus para a nossa célula e então resolver o problema. Precisamos da presença surpreendente de Deus para mostrar-nos algo que não esperamos. Assim como Jesus surpreendeu as expectativas das pessoas quando chegou há 2000 anos, o caminho de Jesus depende de Jesus entrar no nosso crculo para nos mostrar o caminho para estarmos com Deus e uns com os outros.

Jesus interrompeu os padrões normais através da fraqueza, tornando-se servo dos servos e morrendo em uma cruz. Deus veio para estar com o mundo. Ele não veio para consertar o mundo, mesmo quando as pessoas pediram que ele consertasse. Ele não abraçou a mentalidade de fazer algo para os outros para que eles pudessem consumir seus serviços espirituais. Em vez disso, convidou-os a estar com ele e a estar com os outros.

Essa “interrupção” divina não é algo que planejamos para que possamos ir de um nvel de triunfo para o próximo. Muitas vezes, somos mais conscientes da presença interrompente de Deus quando atingimos um muro, quando enfrentamos problemas. Nossos grupos não estão funcionando como desejamos. As estratégias que aprendemos através de vários modelos simplesmente não ajudam. Então clamamos a Deus e o Esprito nos leva a uma espécie de morte. E a partir desta morte, o Esprito traz ressurreição.

Spanish blog:

Dios está en los problemas perturbadores

Por Scott Boren,The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren, el siguiente blog fue adaptado de Grouping Your Church in the Way of Jesus, Obtén tu copia gratis del e-book en www.mscottboren.org/books.

Los problemas en la célula  interrumpen el status quo. Interrumpen nuestros planes. Causan estrés. Y nos fuerzan a adaptarnos. Muchas veces, los lderes asumen que el objetivo es volver al statu quo y regresar a un lugar donde estamos en control. En cambio, debemos aprender a ver el problema como una oportunidad para que Dios intervenga con su presencia.

Por ejemplo, piensa en esto en un nivel individual; cuando leemos la Biblia y vemos que Dios es llamado “Padre”, para algunos esto es algo bueno ya que tienen o han tenido padres buenos y devotos. Para muchos otros, sin embrago, esta es una expresión desesperanzadora. El nombre Padre no trae imágenes positivas. Su experiencia en la tierra los ha hecho tener una perpetua y limitada comprensión del significado de que Dios es Padre.

Sólo si Dios redefine al Padre según la manera en que el Padre es Padre, podemos entender quién es Dios el Padre. Sólo si Dios entra desde el exterior podemos ver a Dios por lo que Él es. Esto aplica para los que tienen buenos padres terrenales y para aquellos con malas experiencias paternas. La paternidad de Dios es similar a la paternidad fiel en esta vida, pero es tan diferente como la vida en la luna sera de la vida en la tierra.

La Iglesia Father Hilary declaró: “Dios no puede ser aprehendido sino por s mismo”. Para ampliar esto, a la manera, en la que lideramos a la célula a través de los problemas; no podramos ver la manera en que Dios nos llamara a liderar, excepto a través de Dios mismo, que está con nosotros para mostrarnos cómo liderar. No estamos liderando en el camino de Jesús, compilando nuestras mejores ideas acerca del liderazgo y luego trabajando con ellas. No estamos solos para averiguar el plan de Dios para nuestra célula y as resolver el problema. Necesitamos la intervención de la presencia de Dios para que nos muestre lo que no esperamos As como Jesús interrumpió las expectativas de las personas cuando él vino hace 2000 años, el camino de Jesús depende de que Jesús rompa las cadenas de nuestro corazón y as mostrarnos el camino para estar con Dios y con los demás.

Jesús altero los patrones normales por medio de la debilidad, convirtiéndose en el siervo de los siervos y muriendo en la cruz. Dios vino para estar con el mundo. Él no vino a arreglar el mundo incluso, cuando las personas le pedan que lo hiciera. Él no acepto la mentalidad de hacer algo por los demás para que estos pudieran consumir sus servicios espirituales, en lugar de eso, los invito a estar con Él y estar con los demás.

Esta interrupción no es algo que planeamos para que podamos pasar de un nivel de triunfo al siguiente. A menudo somos más conscientes de la intervención de la presencia de Dios, cuando nos topamos con una pared, cuando nos enfrentamos a problemas.

Nuestras células no están funcionando como nosotros desearamos. Las estrategias que hemos aprendido mediante diferentes modelos simplemente no dan resultado. Entonces clamamos a Dios y el Espritu nos lleva a una especie de muerte y  de esta muerte, el Espritu trae resurrección.

Leave a Reply

Your email address will not be published.