Avoiding the mini-service syndrome

coach_mario2016speaking

Mario Vega, www.elim.org.sv

The main obstacle leaders face when leading cell groups is the so-called “mini-service syndrome.” Some leaders have the tendency to reproduce in the house what is observed in the church building. For example, instead of natural worshiping together as brothers and sisters in a small group, the leader develops a praise and worship exactly like the Sunday service. Instead of a participatory gospel teaching, the leader preaches as if he were preaching on Sunday morning.

Of course, it’s understandable why this happens. One can understand the strong influence exerted by the service model on the cell, as well as the leader’s longing to become a preacher. Yet, converting the cell into a mini-service ruins the essential purposes of fellowship, edification and evangelization. It ruins the the fellowship that should be achieved by the fraternal exchange in a small meeting, the edification that comes from the communal study of the word of God, and the evangelization that is produced more by relational outreach rather than speeches.

The leader must understand the nature of the cell and understand that there are other spaces where he can develop his interest to become a preacher. But, the space of the cell must be reserved to make new disciples who make other disciples. That will not be achieved if the leader monopolizes all functions and becomes the center of the cell. The leader must be a facilitator and a motivator of collective participation. At that point lies the success of the cell and all the cell work.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evitando a Sndrome do Mini-Serviço

By Mario Vega, www.elim.org.sv

Os principal obstáculo que os lderes enfrentam na liderança de células é a chamada “sndrome do mini-serviço”. Alguns lderes têm a tendência de reproduzir na célula o que ele ou ela vê no prédio da igreja. Por exemplo, em vez de adorar naturalmente juntos como irmãos e irmãs em um pequeno grupo, o lder desenvolve louvores e adoração exatamente como no culto de domingo. Em vez de um ensinamento do evangelho participativo, o lder prega como se ele estivesse pregando no culto.

Claro, é compreensvel por que isso acontece. Pode-se compreender a forte influência exercida pelo modelo do culto na célula, bem como o desejo do lder de se tornar um pregador. No entanto, transformar a célula em um mini-culto arruina os propósitos essenciais da comunhão, edificação e evangelização. Isso arruina a comunhão que deve ser alcançada pela comunhão fraterna em uma pequena reunião, a edificação que vem do estudo comunal da Palavra de Deus e a evangelização que é mais produzida pelo evangelismo relacional do que em discursos.

O lder deve entender a natureza da célula e entender que existem outros espaços onde ele pode desenvolver seu interesse em ser um aprendiz de pregador. Contudo, o espaço da célula deve ser reservado para fazer novos discpulos que façam outros discpulos. Isso não será alcançado se o lder monopolizar todas as funções e se tornar o centro da célula. O lder deve ser um facilitador e um motivador da participação coletiva. É nesse ponto que está o sucesso da célula e todo a obra celular.

Spanish blog:

Evitando el sndrome del mini-culto

por Mario Vega, www.elim.org.sv

El principal obstáculo que enfrentan los lderes para mantenerse dentro del programa de la célula es el llamado “sndrome del mini-culto”. Con él no solamente se deforma el programa de la célula sino su espritu mismo, pues el lder tiende a reproducir en la casa lo que ve en el edificio de la iglesia. En lugar de una alabanza en que se haga participar a los invitados, desarrolla una alabanza semejante a la del culto. En lugar de una enseñanza participativa del evangelio, se dedica a predicar como si fuera un pastor.

Se puede entender la fuerte influencia que ejerce el modelo del culto sobre la célula, como también el anhelo del lder de convertirse en un predicador. Pero, al alejarse del programa de la célula echa a perder los propósitos esenciales que son el de la comunión, la edificación y la evangelización. La comunión que debera lograrse por el intercambio fraterno en una reunión pequeña, la edificación que viene por el estudio comunitario de la palabra de Dios y la evangelización que se produce más por la forma de vida que por los discursos.

El lder debe comprender muy bien la naturaleza de la célula y comprende que existen otros espacios en donde puede desarrollar su interés de ser un aprendiz de predicador. Pero, el espacio de la célula debe ser reservado para formar nuevos discpulos que hagan a otros discpulos. Eso no se logrará si el lder acapara todas las funciones y se convierte en el centro de la célula. El lder debe ser un facilitador y un motivador de la participación colectiva. En ese punto reside el éxito de la célula y de todo el trabajo celular.

Leave a Reply

Your email address will not be published.