Whatever Happened to Hospitality?

by Chuck Crismier. Chuck and his wife Kathie, are co-authors of The Power of Hospitality.  Chuck is Founder of Save America Ministries and Host of VIEWPOINT, a national issues-oriented radio broadcast heard on saveus.org, where their book is also available.

There was a time when hospitality was at the heart of the American home, when hearts and homes that practiced hospitality welded families into community with an invisible glue that let people know they belonged.  And there was a time when one of the hallmarks of the Church was “behold how they love one another.”  They broke bread together “from house to house with gladness and singleness of heart,” and the Church exploded.

Something dramatic has happened since those times— in just one generation. So widespread is this change of heart reflected in the closing of our homes that Christianity Today asked the question, “Whatever Happened to Hospitality?”  For Christians, a lack of hospitality toward strangers has crept into our churches.”  The writer laments visiting “dozens of evangelical churches and few have shown hospitality beyond a simple greeting of hello.”

There is a growing sense that hospitality is becoming discouragingly scarce as an art and as an expression of the heart. So …, Whatever happened to hospitality?

Faceless people now pass us by the hundreds without identity. We connect only of necessity for work or worship, then flee to the haven of home for personal peace, only to repeat the cycle of anonymity the next day.

Many folk are experiencing what one sociologist called “crowded loneliness” — surrounded by people but “lost in the crowd.”  There is an absence of heart connectedness.   The collective effect is the collapse of community, a conclusion now validated by both secular and spiritual observers.

Crowded loneliness is frightening—nearly inescapable in our modern world, unless you persistently give yourself to hospitality. People flee isolation and even strangerhood in their homes and workplaces for the malls.  In the mall we have a remote sense of togetherness. Even our church buildings are now being designed like malls, breeding grounds for artificial relationships – we belong to a club of strangers yearning desperately for fellowship.

Enter Facebook and the so-called social networks of digital seekers in pursuit of the “synthetic authenticity” of artificial connectedness without personal responsibility.  Facebook’s founder now calls it the new “church” for post-modern times.  Wow!

53,000 people per week are leaving through the “backdoor” of America’s churches.  Among the three basic reasons why Christians are fed up:  They do not believe the Church provides true Christian fellowship and community but is rather a “gospel country club” of Sunday back-slappers who couldn’t care less about one another after the noon hour on Sunday.  In short, American Christians increasingly feel like strangers within the Church that is supposed to be the body of Christ.

Christians, indeed all people, are crying out for genuine community.  We cannot live without it.  Is there hope for a revival of true “covenant community”?  We believe there is.  Not in crystallized religion but in Christian relationship; not in “Churchianity” but in a twenty-first century display of “the Word made flesh” dwelling among us.  It is called “hospitality.”  And hospitality means “to reach to strangers.”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Que Aconteceu Com A Hospitalidade?

por Chuck Crismier. Chuck e sua esposa Kathie são co-autores do The Power of Hospitality (O Poder da Hospitalidade, em tradução livre). Chuck é fundador da Save America Ministries (Ministérios Salve a América, em tradução livre) e anfitrião da VIEWPOINT, uma transmissão de rádio nacional orientada para os problemas, ouvida em saveus.org, onde seu livro também está disponível.

Houve um momento em que a hospitalidade esteve no coração da casa americana, quando os corações e as casas que praticavam a hospitalidade juntaram famílias à comunidade com uma cola invisível que permitiu que as pessoas soubessem que pertenciam. E houve um momento em que uma das características da Igreja era “ver como eles se amam”. Eles partiam o pão juntos “de casa em casa com alegria e sinceridade de coração”, e a Igreja explodiu.

Algo dramático aconteceu desde então – em apenas uma geração. Tão generalizada é essa mudança de coração refletida no fechamento de nossas casas que o Christianity Today (Cristianismo Hoje, em tradução livre) fez a pergunta: “O que aconteceu com a hospitalidade?”. Para os cristãos, a falta de hospitalidade em relação a estranhos penetrou em nossas igrejas. “O escritor lamenta visitar” dezenas de igrejas evangélicas e poucos mostraram hospitalidade além de um simples cumprimento de saudações “.

Há uma sensação crescente de que a hospitalidade está se tornando desencorajadora como uma arte e como uma expressão do coração. Então… O que aconteceu com a hospitalidade?

Pessoas sem rosto agora nos passam das centenas sem identidade. Nos ligamos apenas por necessidade de trabalho ou culto, depois fugimos para o refúgio do lar para a paz pessoal, apenas para repetir o ciclo de anonimato no dia seguinte.

Muitas pessoas estão experimentando o que um sociólogo chamou de “solidão lotada” – cercado de pessoas, mas “perdido na multidão”. Há uma ausência de conexão cardíaca. O efeito coletivo é o colapso da comunidade, uma conclusão agora válida pelos observadores seculares e espirituais.

A solidão lotada é assustadora – quase inescapável em nosso mundo moderno, a menos que você se entregue persistentemente à hospitalidade. As pessoas fogem do isolamento e até mesmo da estranheza em suas casas e locais de trabalho para os shoppings. No shopping, temos uma sensação remota de unidade. Até mesmo os nossos edifícios da igreja estão agora sendo projetados como shoppings, criadouros para relacionamentos artificiais – pertencemos a um clube de estranhos ansiando desesperadamente por companheirismo.

Entre no Facebook e nas chamadas redes sociais de buscadores digitais na busca da “sintética autenticidade” de conexão artificial sem responsabilidade pessoal. O fundador do Facebook agora o chama de “igreja nova” para os tempos pós-modernos. Uau!

53.000 pessoas por semana estão saindo através da porta dos fundos das igrejas dos Estados Unidos. Entre as três razões básicas pelas quais os cristãos estão fartos: eles não acreditam que a Igreja oferece uma verdadeira comunidade e irmandade cristã, mas sim um “clube country gospel” de pessoas que saem pelas portas dos fundos de domingo que não se importariam umas com as outras após a hora do meio-dia no domingo. Em suma, os cristãos americanos se sentem cada vez mais como estranhos dentro da Igreja, que é suposta ser o corpo de Cristo.

Os cristãos e de fato, todas as pessoas, estão gritando por uma comunidade genuína. Não podemos viver sem isso. Existe esperança de um avivamento da verdadeira “comunidade da aliança”? Nós acreditamos que existe. Não em uma religião cristalizada, mas no relacionamento cristão; não em na igreja dos crentes, mas em uma apresentação o século XXI “da palavra feita carne” que habita entre nós. É chamada de “hospitalidade”. E a hospitalidade significa “alcançar estranhos”.

Spanish blog:

¿Qué pasó con la hospitalidad?

Por Chuck Crismier. Chuck y su esposa Kathie, son coautores de The Power of Hospitality. Chuck es fundador de Save America Ministries y presentador de VIEWPOINT, una emisión radial orientada a temas nacionales, se puede  escuchar en saveus.org, donde su libro también está disponible.

Hubo un momento en que la hospitalidad estaba en el corazón del hogar estadounidense, cuando los corazones y las casas que practicaban la hospitalidad, unían a las familias a la comunidad con un pegamento invisible que permitía a las personas saber que pertenecían a un grupo. Y hubo un tiempo en que uno de los sellos distintivos de la Iglesia fue “vean cómo se aman los unos a los otros”, compartieron pan “de casa en casa con alegría y sencillez de corazón”, y la Iglesia creció.

Algo dramático ha sucedido desde aquellos tiempos, en solo una generación. Tan generalizado es este cambio de corazón, reflejado en el cierre de nuestros hogares, que Christianity Today se hizo la pregunta: “¿Qué pasó con la hospitalidad?” Para los cristianos, la falta de hospitalidad hacia los extraños se ha infiltrado en nuestras iglesias “. El escritor lamenta visitar “docenas de iglesias evangélicas ya que pocos han mostrado hospitalidad más allá de un simple saludo”.

Existe una creciente sensación de que la hospitalidad se está volviendo desalentadoramente escasa como arte y como expresión del corazón. Entonces … ¿Qué pasó con la hospitalidad?

Las personas sin rostro ahora nos pasan por cientos sin identidad. Nos relacionamos solo por necesidad para el trabajo o la adoración, luego huimos al refugio del hogar para tener paz personal, solo para repetir el ciclo de anonimato al día siguiente.

Mucha gente está experimentando lo que un sociólogo llamó “soledad abarrotada”, rodeados de gente pero “perdidos en la multitud”. Hay una ausencia de conexión con el corazón. El efecto colectivo es el colapso de la comunidad, una conclusión ahora validada tanto por observadores espirituales como seculares.

La soledad abarrotada es aterradora, casi ineludible en nuestro mundo moderno, a menos que nos entreguemos persistentemente a la hospitalidad. Las personas huyen del aislamiento e incluso de la extrañeza en sus hogares y lugares de trabajo para los centros comerciales. En el centro comercial tenemos un sentido remoto de unión. Incluso nuestros edificios de la iglesia ahora se están diseñando como centros comerciales, criaderos de relaciones artificiales. Pertenecemos a un club de extraños que anhelan desesperadamente ser parte del compañerismo.

Entra en Facebook y en las llamadas redes sociales de buscadores digitales en busca de “autenticidad sintética” de una conexión artificial sin responsabilidad personal. El fundador de Facebook ahora lo llama la nueva “iglesia” para los tiempos posmodernos. ¡Wow!

53,000 personas por semana se están yendo por la “puerta trasera” de las iglesias de los Estados Unidos. Entre las tres razones básicas por las que los cristianos están hartos, se encuentran: No creen que la Iglesia brinde una verdadero compañerismo y comunidad cristiana, sino que es un “club de campo evangélico” de personas desocupadas y que no se preocupan el uno del otro después del mediodía del domingo. En resumen, los cristianos estadounidenses se sienten cada vez más como extraños dentro de la Iglesia que se supone que es el cuerpo de Cristo.

Los cristianos, al igual que todas las personas, claman por una comunidad genuina, no podemos vivir sin eso. ¿Hay esperanza de un avivamiento de la verdadera “comunidad del pacto”? Creemos que si lo hay, no en la religión cristalizada sino en la relación cristiana; no en “iglesianismo” sino en una exhibición del siglo veintiuno de “la Verbo hecho carne” habitando entre nosotros. Se llama “hospitalidad”, y esta significa “llegar a los extraños”.

Leave a Reply

Your email address will not be published.