Leadership, Trust, and Fun

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

There is little as serious as the things of God. After all, we are talking about the encounter with the transcendent God and his gospel that is to be proclaimed throughout the world. The testimony of Isaiah before God (see Is 6) or the vision of John recounted in Revelation 4 are enough to highlight that if you are going to lead others along the path of the Gospel it is a life and death business.

On top of this, if you look around our world, it does not take long to see how dire things are. We live in a world that is in serious need of help; actually it is in serious need of more than a little fix here or there. We need God to intervene because what is needed is so far beyond what we can do that it is overwhelming if we look at it too long. There is no time to waste; there is the work of the ministry to be done.

The question before us is not whether we should or should not invest in this serious work. There is no debate about that. The question is “how” we should invest in this work? This is serious work that must not be done seriously. When we take our work seriously, then we do so as if what we are doing depends upon us, as opposed to trusting in God. This work is so serious that we must realize that the fact that we are involved in it, at all, is hilarious. The work that I am called to do is so absurdly important that my minor contribution to it is actually quite funny.

Who am I, after all, to think that I am going to change the world? Or even make a dent? Jesus already did that through the cross and resurrection. I “get” to join in the work that God has already done. This is so beyond me, it makes me smile. The only thing that I can do is trust.

I’m not saying that the things of God are to be treated with triviality. I’m merely saying that if we catch a vision of the “foolishness of the cross” (1 Cor 1:18) then we will see that God is working in ways that are beyond what we can directly do about it.

This is not about having a strategy to “have fun” in our groups or with those we are ministering to in the world. There are a million ways to have fun with other people, and if we need a list of options for doing so, we will turn that list into another “serious strategy,” turning it into something that is not actually fun. Having fun with others is about being with others, trusting that God is at work in the midst of their lives, and is at work in me.

The fact that the gospel fun is not the opposite of gospel seriousness. If you truly understand just how serious the gospel is you will be free to have more fun because you are free to trust. Don’t try to have fun with others in your group, whether in a meeting or in other points of relational connection. Put your trust in God and lead out of that trust. The fun will arise.

But if you need something practical to do, eat together. There is little that makes space for conversation and laughter like food.

On ways to make space in your group for fun, see my book Leading Small Groups in the Way of Jesus, chapter 7.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Liderança, Confiança e Diversão

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission (O Centro para Comunidade e Missão, em tradução livre) (www.scottboren.blogspot.com), Twitter@mscottboren

Há poucas coisas mais sérias que as coisas de Deus. Afinal, estamos falando sobre o encontro com o transcendente de Deus, do evangelho que deve ser proclamado por todo o mundo. O testemunho de Isaías diante de Deus (ver Is. 6) ou a visão de João narrada em Apocalipse 4 são suficientes para destacar que, se você vai conduzir outros ao longo do caminho do Evangelho, trata-se de um negócio de vida e de morte.

Além disso, se você olhar ao redor do nosso mundo, não demora muito para ver como as coisas estão terríveis. Vivemos em um mundo que tem uma séria necessidade por ajuda; na verdade, ele necessita urgentemente de mais do que um pequeno conserto aqui ou ali. Precisamos que Deus intervenha porque o que é necessário está tão além do que podemos fazer que se torna esmagador se olharmos por muito tempo. Não há tempo a perder; existe o trabalho do ministério a ser feito.

A questão diante de nós não é se devemos ou não investir neste trabalho sério. Não há debate sobre isso. A questão é “como” devemos investir neste trabalho. Este é um trabalho sério que não deve ser feito seriamente. Quando levamos nosso trabalho seriamente, o fazemos então como se ele dependesse de nós, em vez de confiar em Deus. Este trabalho é tão sério que devemos perceber que só o fato de estarmos envolvidos nele é, de certa forma, hilário. O trabalho que sou chamado a fazer é tão absurdamente importante que a minha mais leve contribuição a ele é na verdade um pouco engraçada.

Quem sou eu, afinal, para pensar que vou mudar o mundo? Ou até mesmo fazer uma pequena mudança? Jesus já fez isso através da cruz e da ressurreição. Eu consigo me juntar ao trabalho que Deus já fez. Isso está tão além de mim que me faz sorrir. A única coisa que posso fazer é confiar.

Não estou dizendo que as coisas de Deus devem ser tratadas com trivialidade. Estou simplesmente dizendo que, se obtivermos uma visão da “loucura da cruz” (1 Coríntios 1:18), veremos então que Deus está trabalhando de maneiras que estão além do que podemos fazer diretamente.

Não se trata de ter uma estratégia para “se divertir” em nossos grupos ou com aqueles que estamos ministrando no mundo. Existe um milhão de maneiras de se divertir com outras pessoas, e se precisarmos de uma lista de opções para fazê-lo, transformaremos essa lista em outra “estratégia séria”, tornando-a em algo que não é engraçado na verdade. Divertir-se com os outros é sobre estar com os outros, confiando que Deus está trabalhando no meio de suas vidas, e está trabalhando em mim.

Isso significa que a diversão do evangelho não é o oposto da seriedade do evangelho. Se você entender verdadeiramente o quão sério é o evangelho, você estará livre para se divertir mais porque você é livre para confiar. Não tente se divertir com outras pessoas do seu grupo, seja em uma reunião ou em outros pontos da conexão relacional. Coloque sua confiança em Deus e conduza a partir dessa confiança. A diversão vai surgir.

Mas se você precisar de algo prático para fazer, coma junto. Há poucas coisas que abrem espaço para conversas e risadas como a comida.

Sobre formas de criar espaço em seu grupo para diversão, veja meu livro Leading Small Groups in the Way of Jesus (Liderando Pequenos Grupos no Caminho de Jesus, em tradução livre), capítulo 7.

Spanish blog:

Liderazgo, confianza y diversión

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission (www.scottboren.blogspot.com), Twitter @mscottboren

No hay nada tan serio como las cosas de Dios. Después de todo, estamos hablando del encuentro con lo trascendente de Dios; el evangelio que se proclamará en todo el mundo. El testimonio de Isaías ante Dios (ver Is 6) o la visión de Juan en Apocalipsis 4 son suficientes para resaltar que si vas a guiar a otros por el sendero del Evangelio, este es un asunto de vida o muerte.

Además de esto, si observas nuestro mundo, no tardaremos en ver cuán terribles son las cosas. Vivimos en un mundo que necesita seriamente ayuda; de hecho, necesita seriamente algo más que una pequeña corrección aquí o allá. Necesitamos que Dios intervenga porque lo que se necesita va más allá de lo que podemos hacer y es abrumador si lo pensamos demasiado tiempo. No hay tiempo que perder; hay mucho trabajo en ministerio por hacer.

La pregunta que tenemos ante nosotros no es si deberíamos o no invertir en este serio trabajo; no hay debate sobre eso. La pregunta es “cómo” deberíamos invertir en este trabajo; este es un trabajo serio que no debe hacerse serio. Cuando tomamos nuestro trabajo en serio, lo hacemos como si lo que estamos haciendo dependiera de nosotros, en lugar de confiar en Dios. Este trabajo es tan serio que debemos darnos cuenta de que el hecho de que estamos involucrados en él, en absoluto, es hilarante. El trabajo que estoy llamado a hacer es tan absurdamente importante que mi pequeña contribución es bastante graciosa.

¿Quién soy, después de todo, para pensar que voy a cambiar el mundo? ¿O incluso hacer una diferencia? Jesús ya lo hizo a través de la cruz y la resurrección. Yo “consigo” unirme al trabajo que Dios ya hizo; esto va más allá de mí, me hace sonreír. Lo único que puedo hacer es confiar.

No estoy diciendo que las cosas de Dios deben ser tratadas como triviales. Simplemente estoy diciendo que si vemos una visión de la “locura de la cruz” (1 Cor 1:18) entonces veremos que Dios está trabajando de maneras que están más allá de lo que podemos hacer directamente al respecto.

No se trata de tener una estrategia para “divertirse” en nuestras células o con aquellos a quienes ministramos en el mundo. Hay un millón de maneras de divertirse con otras personas, y si necesitamos una lista de opciones para hacerlo, convertiremos esa lista en otra “estrategia seria”, convirtiéndola en algo que no es realmente divertido. Divertirse con los demás se trata de estar con los demás, confiar en que Dios está obrando en medio de sus vidas y está obrando en mí.

Esto significa que la diversión del Evangelio no es lo opuesto a la seriedad del Evangelio. Si realmente entiendes lo serio que es el Evangelio, serás libre de divertirte más porque eres libre de confiar. No intentes divertirte con otros en tu célula, ya sea en una reunión o en otros puntos de conexión relacional. Pon tu confianza en Dios y saca esa confianza. La diversión surgirá.

Pero si necesitas algo práctico para hacer, coman juntos. Hay pocas acciones que hagan espacio para la conversación y la risa como una comida.

Sobre las maneras de hacer espacio en tu célula para divertirse, ve mi libro Leading Small Groups in the Way of Jesus (Cómo liderar grupos pequeños en la manera de Jesús), capítulo 7.

Leave a Reply

Your email address will not be published.