Taking God Seriously Enough to Have Fun

By Scott Boren, The Center for Community and Mission  (www.scottboren.blogspot.com) , Twitter@mscottboren

I have an intense personality, the kind that seemed to put me in leadership positions as a teenager. On the bus to football games in middle school, I would yell out “think about the game” while others were goofing off. When I felt led to commit to vocational ministry, I don’t think many were surprised. All of the pastors and ministry leaders I had worked with were intense, and my personality fit the perceived intensity of the job.

So I worked hard at ministry.

Then in my early twenties, I got involved with cell church leaders. I thought I knew the meaning of intense, focused, serious leadership types, but the cell church pastors and leaders I met took seriousness to another level. When I was 22, I sat in a meeting with an internationally-known cell church trainer, and my brain started hurting from his level of focus.

So I thought hard about ministry.

After that, I learned how Yongii Cho, the pastor of the world’s largest church, prayed three hours a day. Joel Comiskey performed extensive research (reported in his book Home Cell Group Explosion) that demonstrated how the amount of time a small group leader prayed had a direct impact upon the life of the group.

So I prayed hard about ministry.

I’m not saying that the ministry leaders who influenced me were too serious. All I know is that I was too serious, or, better stated, I took myself too seriously. I put the weight of the small group and the people we were ministering to outside the group squarely on my shoulders. I wanted to have a great group, to reach people for Christ, to raise up new leaders, and to multiply my group.

It was as if I wanted these outcomes more than God did, which meant that I was leading as if God was not actually involved in my group. I took myself too seriously, but I did not take God seriously enough. This is truly serious work we do, but how we are serious makes all the difference.

The real issue is that God’s way of bringing about these outcomes in my group always seems to come about differently (and more slowly) than what I expect or want. I was too serious about my expectations of my group and not serious enough about God. I lived under the notion that leadership is about control, about my ability to make things happen for God. And with this mindset, there is no room for fun.

It’s remarkable to me how children wanted to be with Jesus (Mt 19:13ff; Mk 10:13ff, Lk 18:15ff). However, the disciples tried to keep them away. To them the kingdom work was too serious to have any room for people who were not old enough to understand it. But Jesus rebuked the disciples and was “indignant.” Children don’t willing want to be with those who are overly serious and intense. They were drawn to Jesus and Jesus wanted to be with them. Then he said “anyone who will not receive the kingdom of God like a little child will never enter it.” Do we take Jesus seriously enough to know that we don’t have to act seriously? We don’t outgrow the need to be a child before God just because we take on the responsibility of leadership.

This means that we have space to have fun because the pressure does not lie on us as leaders to make our groups flourish. God is at work! If we keep this truth before us, we create space for God to do what we cannot do.

On ways to make space in your group for fun, see my book Leading Small Groups in the Way of Jesus, chapter 7.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Levando Deus a Sério o Suficiente para se Divertir

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission (O Centro para Comunidade e Missão, em tradução livre) (www.scottboren.blogspot.com), Twitter @ mscottboren

Eu tenho uma personalidade intensa, do tipo que parece ter me colocado em posições de liderança quando adolescente. No ônibus indo para os jogos de futebol antes de entrar no ensino médio, eu gritava “pense no jogo” enquanto outros faziam farra. Quando me senti levado a me comprometer com o ministério vocacional, não acho que muitos ficaram surpresos. Todos os pastores e líderes ministeriais com quem trabalhei eram intensos, e minha personalidade se encaixava na intensidade percebida do trabalho.

Então eu trabalhei duro no ministério.

Então, aos vinte e poucos anos, me envolvi com líderes de igrejas celulares. Eu achava que sabia o significado de tipos de liderança intensos, sérios e focados, mas os pastores e líderes da igreja em células que conheci levavam essa seriedade a outro nível. Quando eu tinha 22 anos, sentei-me em uma reunião com um treinador de igrejas em células conhecido internacionalmente, e meu cérebro começou a doer devido ao nível de concentração dele.

Então eu pensei muito sobre o ministério.

Depois disso, aprendi como Yongii Cho, o pastor da maior igreja do mundo, orava três horas por dia. Joel Comiskey realizou uma extensa pesquisa (relatada em seu livro Home Cell Group Explosion) que demonstrou como a quantidade de tempo que um líder de um pequeno grupo orava tinha um impacto direto na vida do grupo.

Então eu orei muito pelo ministério.

Não estou dizendo que os líderes do ministério que me influenciaram eram sérios demais. Tudo o que sei é que eu era muito sério ou, melhor dizendo, eu me levava a sério demais. Coloquei o peso do pequeno grupo e das pessoas que estávamos ministrando para fora do grupo diretamente em meus ombros. Eu queria ter um grande grupo, para alcançar pessoas para Cristo, para levantar novos líderes e para multiplicar meu grupo.

Era como se eu quisesse esses resultados mais do que Deus, o que significava que eu estava liderando como se Deus não estivesse realmente envolvido em meu grupo. Eu me levei a sério demais, mas não levei Deus a sério o suficiente. Este é um trabalho realmente sério que fazemos, mas como somos sérios em relação a ele faz toda a diferença.

A verdadeira questão é que a maneira de Deus produzir esses resultados em meu grupo sempre parece ocorrer de forma diferente (e mais lentamente) do que o que eu espero ou desejo. Eu era sério demais sobre as minhas expectativas em relação ao meu grupo, e não era sério o suficiente sobre Deus. Eu vivia sob a noção de que liderança é sobre o controle, sobre a minha capacidade de fazer as coisas acontecerem para Deus. E com essa mentalidade, não há espaço para diversão.

É notável para mim como as crianças queriam estar com Jesus (Mt 19:13; Mc 10:13, Lc 18:15). No entanto, os discípulos tentaram mantê-las longe. Para eles, o trabalho do reino era sério demais para ter qualquer espaço para pessoas que não tinham idade suficiente para compreendê-lo. Mas Jesus repreendeu os discípulos e ficou “indignado”. As crianças não querem estar com aqueles que são excessivamente sérios e intensos. Elas foram atraídas para Jesus e Jesus queria estar com elas. Então ele disse: “Aquele que não receber o reino de Deus como uma criança, não entrará nele.”. Nós levamos Jesus a sério o suficiente para saber que não precisamos agir seriamente? Não superamos a necessidade de sermos uma criança diante de Deus apenas porque assumimos a responsabilidade da liderança.

Isso significa que temos espaço para nos divertir porque a pressão não recai sobre nós como líderes para que nossos grupos prosperem. Deus está no trabalho! Se mantivermos esta verdade diante de nós, criamos espaço para Deus fazer o que nós não podemos fazer.

Sobre formas de criar espaço em seu grupo para diversão, veja meu livro Leading Small Groups in the Way of Jesus (Liderando Pequenos Grupos no Caminho de Jesus, em tradução livre), capítulo 7.

Spanish blog:

Tomando a Dios lo suficientemente en serio como para divertirse

Por Scott Boren, The Center for Community and Mission (www.scottboren.blogspot.com), Twitter @ mscottboren

Tengo una personalidad intensa, del tipo que parecía ponerme en posiciones de liderazgo cuando era adolescente. En el autobús cuando íbamos a los juegos de fútbol en la escuela secundaria, yo gritaba “piensa en el juego” mientras que otros estaban perdiendo el tiempo. Cuando me sentí llevado a comprometerme con el ministerio vocacional, no creo que muchos se sorprendieron. Todos los pastores y líderes ministeriales con los que había trabajado eran intensos, y mi personalidad se ajustaba a la intensidad percibida del trabajo.

Así que trabajé duro en el ministerio.

Luego, cuando tenía poco más de veinte años, me involucré con los líderes de las iglesias celulares. Pensé que sabía el significado de tipos de liderazgo intensos, enfocados y serios, pero los pastores y líderes de las iglesias celulares que conocí llevaron esa seriedad a otro nivel. Cuando tenía 22 años, me senté en una reunión con un entrenador de iglesia celular internacionalmente muy conocido, y mi cerebro comenzó a doler por el nivel de concentración.

Así que pensé mucho sobre el ministerio.

Después de eso, aprendí cómo Yongii Cho, el pastor de la iglesia más grande del mundo, oró tres horas al día. Joel Comiskey realizó una extensa investigación (reportada en su libro Home Cell Group Explosion) que demostró cómo la cantidad de tiempo que el líder de una célula ora, tiene un impacto directo en la vida del grupo.

Así que oré mucho por el ministerio.

No digo que los líderes del ministerio que me influenciaron fueran demasiado serios. Todo lo que sé es que era demasiado serio o, mejor dicho, me lo tomé demasiado en serio. Puse sobre mis hombros el peso de la célula y de las personas a las que ministramos fuera de esta. Quería tener una gran célula, para alcanzar a las personas para Cristo, para levantar nuevos líderes y para multiplicar mi célula.

Era como si quisiera estos resultados más que Dios, lo que significaba que estaba liderando como si Dios no estuviera realmente involucrado en mi célula. Me tomé muy en serio, pero no tomé a Dios lo suficientemente en serio. Este es un trabajo que hacemos realmente en serio, pero la manera de seriedad con que lo hacemos, marca la diferencia.

El verdadero problema es que la forma en que Dios logra estos resultados en mi célula, siempre parecen ser diferentes (y más lentos) de lo que espero o deseo. Era demasiado serio sobre mis expectativas de mi célula y no era lo suficientemente serio acerca de Dios. Viví bajo la noción de que el liderazgo es sobre el control, sobre mi capacidad para hacer que las cosas sucedan para Dios. Y con esta mentalidad, no hay lugar para la diversión.

Para mí es sobresaliente, cómo los niños querían estar con Jesús (Mt 19: 13ff; Mc 10: 13ff, Lc 18: 15ff). Sin embargo, los discípulos trataron de mantenerlos alejados. Para ellos, el trabajo en el reino era demasiado serio como para tener espacio para personas que no tenían la edad suficiente para comprenderlo. Pero Jesús reprendió a los discípulos y estaba “indignado”. Los niños no desean estar con aquellos que son demasiado serios e intensos; se sintieron atraídos por Jesús y él quería estar con ellos. Luego dijo: ” Que el que no recibe el Reino de Dios como un niño, no entrará en él”. ¿Tomamos a Jesús lo suficientemente en serio como para saber que no tenemos que actuar serios? No debemos de olvidar la necesidad de ser un niño ante Dios solo porque asumimos la responsabilidad del liderazgo.

Esto significa que tenemos espacio para divertirnos porque la presión no recae sobre nosotros como líderes, para hacer que nuestras células prosperen. Dios está trabajando! Si mantenemos esta verdad ante nosotros, crearemos un espacio para que Dios haga lo que nosotros no podemos hacer.

Sobre las maneras de hacer espacio en tu célula para divertirse, ve a mi libro Leading Small Groups in the Way of Jesus, (Cómo liderar grupos pequeños en la manera de Jesús), capítulo 7.

Leave a Reply

Your email address will not be published.