Good, better, best

By Steve Cordle, www.crossroadsumc.org 

Becoming a healthy cell church is not a one-time decision. It starts with a choice, and then it is sustained by hundreds of choices from that point on.

Even though we chose to become a cell-based church eighteen years ago, there have many opportunities to get pulled off-track since then. After the first year, hardly anyone told me, “I don’t think we should be a cell-based church.” Instead, members enthusiastically lobbied for us to adopt a program they saw at another church. This happened repeatedly for the first 5 years or so. It was not always easy to hold the line with a polite “no,” especially if the person making the pitch was a large donor or influential member. But I knew that if we added one program this month, then another a few months later, it would not be long before our church’s calendar was crowded and our church’s vision was cloudy.

So we have responded to all these requests by sharing the cell vision, and looking for a way for the same function to be carried out in the cell. If it cannot be, then it is simply not our calling.

There is an old saying: “Good is the enemy of best.” When it comes to disciple-making, cell groups are the best. Don’t let “good” crowd it out.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Bom, melhor e melhor ainda

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Tornar-se uma igreja em células saudável não é uma decisão de uma só vez. Começa com uma escolha que depois é sustentada por centenas de escolhas a partir desse ponto.

Embora tenhamos decidido tornar-se uma igreja baseada em células há dezoito anos, houve muitas oportunidades de sair do caminho desde então. Depois do primeiro ano, quase ninguém me disse: “Não acho que devamos ser uma igreja baseada em células”. Em vez disso, os membros tentaram nos persuadir entusiasticamente para que adotássemos um programa que viram em outra igreja. Isso aconteceu repetidamente nos primeiros 5 anos mais ou menos. Nem sempre era fácil manter a linha com um “não” educado, especialmente se a pessoa a fazer o discurso era um grande doador ou um membro influente. Mas eu sabia que se adicionássemos um programa neste mês e então outro meses depois, não demoraria muito para que o calendário de nossa igreja estivesse lotado e a visão de nossa igreja estivesse turva.

Portanto, respondemos a todos esses pedidos compartilhando a visão de célula e procurando uma maneira de colocar em prática a mesma função na célula. Se não der para ser, então simplesmente não é nosso chamado.

Spanish blog:

Bueno, mejor, y mucho mejor.

Por Steve Cordle, www.crossroadsumc.org

Convertirse en una iglesia celular saludable no es una decisión que se toma a la ligera. Comienza con una elección, y luego se sustenta en cientos de elecciones más a partir de ese momento.

A pesar de que decidimos convertirnos en una iglesia basada en células hace dieciocho años, han habido muchas oportunidades para que nos abandonemos de la pista desde entonces. Después del primer año, casi nadie me dijo: “No creo que debamos ser una iglesia basada en células”. Al contrario, los miembros presionaron con entusiasmo para que adoptáramos un programa que vieron en otra iglesia. Esto sucedió repetidamente durante los primeros 5 años más o menos. No siempre fue fácil mantener la línea con un cortés “no”, especialmente si la persona que hizo el lanzamiento era un gran donante o un miembro influyente. Pero sabía que si añadíamos un programa este mes, y luego otro unos meses más tarde, no pasaría mucho tiempo antes de que el calendario de nuestra iglesia estuviera abarrotado y la visión de nuestra iglesia fuera turbia.

Así que hemos respondido a todas estas solicitudes compartiendo la visión de la célula y buscando la manera de llevar a cabo la misma función en la célula. Si no puede ser, entonces simplemente no es nuestra vocación.

Hay un viejo dicho: “El bien es el enemigo de lo mejor”. Cuando se trata de hacer discípulos, los grupos de celulares son los mejor. No dejes que “lo bueno” lo elimine.

Leave a Reply

Your email address will not be published.