EXPERIENCE Worship

By Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Leonard Sweet writes, “Churches in the postmodern communities will be built; not around great preachers, but around great experiences.  Preaching must cease to be the ‘big-jug/little-jugs’ presentation of points of view or the representation or arguments that can be verbalized; rather, it must become a rushing mighty wind that blows through the congregation and makes it glow with an incandescence that cannot be ignored.”

Worship in the 21st century, writes Bill Easum and Thomas Bandy, “If you can say it all with words, you’ve missed the point!”  We live in an “experience economy” and can now turn the tide of boring, lifeless, trite worship.

“In the course of my lifetime,” writes B. Joseph Pine, “The world has moved from an industrial economy to a service economy, to an experience economy.”  John Naisbitt, who coined the term “experience economy,” explains:

Economic activity starts with raw commodities that are transformed into goods, which are then wrapped in services and eventually turned into experiences.  Each level increases the total value to the customer and, therefore, the total price…A cup of coffee requires about a penny’s worth of coffee beans (the raw commodity) and about a nickel’s worth of coffee grounds (a packaged good).  If you purchase a cup of coffee at a diner, though, you will pay around 50 cents for the service, and, at a fine restaurant, as much as $2 to $3 for the experience.

In the context of the experience economy, Pine and Gilmore display the following formula:  Customer surprise equals what a customer gets to perceive minus what a customer expects to get.  Rather than merely meeting expectations or setting new ones, companies deliberately try to transcend expectations, to go off in new directions entirely.  Simply put, it is when a company purposively stages the unexpected.

Regarding worship, the goal is not to be original, but adaptive in partnering with God for life-transforming experiences.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

“EXPERIMENTE Adoração”

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Leonard Sweet escreve: “As igrejas nas comunidades pós-modernas serão construídas não em torno de grandes pregadores, mas em torno de grandes experiências. A pregação deve deixar de ser a apresentação de pontos de vista dos grandes ou pequenos pregadores ou a representação de argumentos que podem ser verbalizados; antes, deve tornar-se um vento impetuoso que sopra através da congregação e a faz brilhar com uma incandescência que não pode ser ignorada ”.

Sobre a adoração no século 21, escreve Bill Easum e Thomas Bandy, “Se você pode dizer tudo com palavras, você entendeu errado!” Nós vivemos em uma “economia da experiência” e agora podemos reverter a adoração entediante, sem vida e banal.

“No curso da minha vida”, escreveu B. Joseph Pine, “O mundo passou de uma economia industrial para uma economia de serviços, para uma economia da experiência”. John Naisbitt, que criou o termo “economia da experiência”, explica:

A atividade econômica começa com matérias primas que são transformadas em produtos, que são então envolvidos em serviços e eventualmente transformados em experiências. Cada nível aumenta o valor total para o cliente e, portanto, o preço total… Uma xícara de café exige cerca do valor de um centavo de grãos de café (a matéria-prima) e cerca de 5 centavos do valor do café moído (um produto embalado). No entanto, se você comprar uma xícara de café em uma lanchonete, pagará cerca de 3 reais pelo serviço e, em um bom restaurante, de 5 a 7 reais pela experiência.

No contexto da economia da experiência, Pine e Gilmore exibem a seguinte fórmula: A surpresa do cliente é igual ao que um cliente chega a perceber menos o que o cliente espera obter. Em vez de apenas atender às expectativas ou estabelecer novas expectativas, as empresas deliberadamente tentam transcender as expectativas, indo inteiramente em novas direções. Simplificando, é quando uma empresa propositalmente encena o inesperado.

Em relação à adoração, o objetivo não é ser original, mas adaptável na parceria com Deus para experiências transformadoras de vida.

Spanish blog:

“EXPERIMENTA la Adoración”

Por Rob Campbell, www.cypresscreekchurch.com

Leonard Sweet escribe: “Se construirán iglesias en las comunidades posmodernas; no con grandes predicadores, sino con grandes experiencias. La predicación debe dejar de ser la presentación de puntos de vista o la representación o los argumentos que pueden ser verbalizados; más bien, debe convertirse en un viento impetuoso que sople a través de la congregación y la haga brillar con una incandescencia que no puede ser ignorada “.

En la adoración en el siglo XXI, escribe Bill Easum y Thomas Bandy: “¡Si puedes decirlo todo con palabras, has perdido el punto!”. Vivimos en una “economía de experiencia” y en ella, ahora podemos cambiar el curso de una adoración aburrida, sin sentido y trillada.

“En el transcurso de mi vida”, escribe B. Joseph Pine, “el mundo ha pasado de una economía industrial a una economía de servicios, a una economía de experiencia”. John Naisbitt, quien acuñó el término “economía de experiencia”, explica:

La actividad económica comienza con materias primas que se transforman en bienes, que luego se envuelven en servicios y finalmente se convierten en experiencias. Cada nivel aumenta el valor total para el cliente y, por lo tanto, el precio total… Una taza de café requiere aproximadamente un centavo de granos de café (el producto en bruto) y aproximadamente un centavo de café molido (un producto empacado). Sin embargo, si compra una taza de café en una cafetería, pagará alrededor de 50 centavos por el servicio y, en un buen restaurante, hasta $ 2 a $ 3 por la experiencia.

En el contexto de la economía de la experiencia, Pine y Gilmore muestran la siguiente fórmula: La sorpresa del cliente equivale a lo que un cliente puede percibir, menos lo que un cliente espera obtener. En lugar de simplemente cumplir con las expectativas o establecer nuevas, las empresas deliberadamente tratan de trascender esas expectativas, para ir por completo en nuevas direcciones. En pocas palabras, es cuando una empresa deliberadamente organiza lo inesperado.

Con respecto a la adoración, la meta no es ser original, sino saber adaptarse al asociarse con Dios para tener experiencias que transforman vidas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.