People Want to Experience God

By Joel Comiskey, check out  coaching 

One Intervarsity campus group was consumed with finding ways to attract non-believers. The social events weren’t working, in spite of all the invitations and planning. Finally, one of the exasperated workers said, “I’m going to bring my non-Christian friend to the prayer meeting tonight.” The campus leader was fearful of what might happen. Would the unbeliever be turned off by the reading of Scripture, Christian worship, and deep sharing?

The unbeliever came to the meeting and enjoyed every moment of it. He was thrilled to see people worshipping. He liked the deep sharing. He tasted authenticity, and it was good! As they pondered what happened, they came to see that their non-Christian friends were hungry for God and for authentic relationships. They didn’t want the high powered, impersonal programs. They wanted to experience people praying, reading Scripture, and worshipping God.

One of the surprising discoveries that Jim Egli and I discovered in our book Groups that Thrive is that worship is not a barrier to visitors, even though they might not be familiar with the songs. The presence of God experienced in worship can be felt by these new people and it helps draw them to the group and to Christ.

Groups that thrive focus on Jesus. When people experience Christ’s presence and love, they sit-up and take notice.  The most effective evangelism is to lift up Jesus and allow Jesus to minister to people. In fact, we recommend including as much worship as possible. Bring God into the picture and you’ll welcome unbelievers.

People will join the group because they want to experience God; they have prayer requests and other needs; they are hungry for support from caring people and God.  By not including worship, the newcomers might decide that the group is not worth their time. They get social interaction anywhere—a Starbucks, work, or hanging out with a friend. But where can they go to find God? Most likely that’s why they came to the group. Don’t hide Jesus. Let him be the focus of group activity.

Antioch Community Church, based out of Waco, Texas, began as a youth movement on the Baylor University campus and now plants churches worldwide, focusing on young people whose goal is to reach a lost world for Jesus. All their groups worship God and ask him to minister to those present. One youth group leader described one of her group meetings:

Each youth that walked through the door at the life group was in tears during worship as we prayed over them, spoke prophetic words over their lives, and listened to their hearts. One student’s head was healed, another girl decided to give her life to the Lord fully for the first time, and all were deeply touched by Jesus.

Granted, not all groups are as dynamic as this one, but we do need to proactively makes God the focus of group activity so that believers and unbelievers experience his presence.

Korean blog 

Portuguese blog:

As Pessoas Querem Experimentar Deus

por Joel Comiskey

Um grupo de campus da Intervarsity foi se consumindo ao tentar encontrar maneiras de atrair os não-crentes. Os eventos sociais não estavam funcionando, apesar de todos os convites e planejamento. Finalmente, um dos trabalhadores exasperados disse: “Vou trazer meu amigo não cristão para a reunião de oração hoje à noite”. O líder do campus temia o que poderia acontecer. Será que o incrédulo ficaria desinteressado pela leitura da Palavra, adoração cristã e compartilhamento profundo?

O incrédulo veio à reunião e aproveitou cada momento dela. Ele ficou emocionado ao ver as pessoas adorando. Ele gostou do compartilhamento profundo. Ele experimentou a autenticidade, e foi bom! Ao ponderarem o que aconteceu, eles perceberam que seus amigos não-cristãos estavam famintos por Deus e por relacionamentos autênticos. Eles não queriam os programas impessoais de alta potência. Eles queriam experimentar as pessoas orando, lendo as Escrituras e adorando a Deus.

Uma das descobertas surpreendentes que Jim Egli e eu fizemos em nosso livro Groups that Thrive (“Grupos que Prosperam”, em tradução livre) é que a adoração não é uma barreira para os visitantes, mesmo que eles não estejam familiarizados com as músicas. A presença de Deus experimentada na adoração pode ser sentida por essas novas pessoas e ajuda a atraí-las para o grupo e para Cristo.

Grupos que prosperam se concentram em Jesus. Quando as pessoas experimentam a presença e o amor de Cristo, elas se sentam e prestam atenção. O evangelismo mais eficaz é elevar Jesus e permitir que Ele ministre às pessoas. Na verdade, recomendamos incluir o máximo de adoração possível. Traga Deus para a cena e você receberá bem os incrédulos.

As pessoas se juntarão ao grupo porque querem experimentar Deus; elas têm pedidos de oração e outras necessidades; estão com fome de apoio se outras pessoas e de Deus. Ao não incluir a adoração, os recém-chegados podem decidir que o grupo não vale o seu tempo. Eles têm interação social em qualquer lugar – um Starbucks, trabalho ou sair com um amigo. Mas onde eles podem ir para encontrar Deus? O mais provável é que é por isso que eles vieram ao grupo. Não esconda Jesus. Deixe que ele seja o foco da atividade em grupo.

A Antioch Community Church, sediada em Waco, Texas, começou como um movimento de jovens no campus da Baylor University e agora planta igrejas em todo o mundo, concentrando-se em jovens cujo objetivo é alcançar um mundo perdido para Jesus. Todos os grupos deles adoram a Deus e pedem a Ele que ministre aos que estão presentes. Um líder do grupo de jovens descreveu uma de suas reuniões de grupo:

Cada jovem que passou pela porta do ao entrar para a célula estava chorando durante a adoração enquanto orávamos sobre eles, falávamos palavras proféticas sobre suas vidas e ouviamos seus corações. A cabeça de um estudante foi curada, outra garota decidiu dar sua vida ao Senhor completamente pela primeira vez, e todos foram profundamente tocados por Jesus.

É verdade que nem todos os grupos são tão dinâmicos como este, mas precisamos proativamente fazer de Deus o foco da atividade em grupo para que os crentes e incrédulos vivenciem sua presença

Spanish blog:

Las personas quiere experimentar a Dios

Por Joel Comiskey

Un grupo del campus de Intervarsity se consumió con la búsqueda de formas de atraer a los no creyentes. Los eventos sociales no estaban funcionando, a pesar de todas las invitaciones y planificación. Finalmente, uno de los trabajadores exasperados dijo: “Traeré a mi amigo no cristiano a la reunión de oración esta noche”. El líder del campus temía lo que podría pasar. ¿Podría el incrédulo ser incomodado por la lectura de las Escrituras, la adoracion cristiana y el compartir en profundidad?

Está persona vino a la reunión y disfrutó de cada momento. Estaba emocionado de ver gente adorando, le gustaba el intercambio de una manera profunda. Él sintio la autenticidad, ¡y fue bueno!. Mientras reflexionaban sobre lo sucedido, pudieron ver que sus amigos no cristianos estaban hambrientos de Dios y de tener relaciones auténticas. No querían los grandes programas impersonales; querían experimentar con las personas orando, leyendo las Escrituras y adorando a Dios.

Uno de los sorprendentes descubrimientos, que Jim Egli y yo encontramos en nuestro libro Groups that Thrive, es que la adoración no es una barrera para los invitados inconversos, aunque no estén familiarizados con las canciones; la presencia de Dios experimentada en la adoración puede ser sentida por estas nuevas personas y ayuda a atraerlos a la célula y a Cristo.

Groups that Thrive se enfoca en Jesús. Cuando las personas experimentan la presencia y el amor de Cristo, se sientan y toman nota. El evangelismo más efectivo es elevar a Jesús y permitir que Jesús ministre a las personas, de hecho, recomendamos incluir tanta adoración como sea posible. Lleva a Dios a la escena principal y asi darás la bienvenida a los no creyentes.

Las personas se unirán a la célula  porque quieren experimentar a Dios; tienen peticiones de oración y otras necesidades; ellos están hambrientos de apoyo de los cristianos y de Dios. Al no incluir la adoración, los recién llegados pueden decidir que la célula  no vale su tiempo. Ellos pueden tener interacción social en cualquier lugar: un Starbucks, el trabajo o pasando timepo con un amigo. Pero, ¿dónde pueden ir para encontrar a Dios? Es muy probable que esa sea la razón por eso que vinieron a la célula. No escondas a Jesús, deja que sea el foco de la actividad celular.

Antioch Community Church, con sede en Waco, Texas, comenzó como un movimiento juvenil en el campus de la Universidad Baylor y ahora planta iglesias en todo el mundo, centrándose en los jóvenes cuyo objetivo es alcanzar un mundo perdido para Jesús. Todoas sus células  adoran a Dios y le piden que ministre a los presentes. Un líder de una celula de jóvenes describió una de las reuniones de su grupo:

Cada joven que cruzó la puerta de la célula estuvo llorando durante la adoración cuando oramos por ellos, hablamos palabras proféticas a sus vidas y escuchamos sus corazones. La cabeza de un estudiante se curó, otra niña decidió darle su vida al Señor por primera vez, y todos se conmovieron profundamente con Jesús.

Se que no todas las células son tan dinámicas como esta, pero sí tenemos que hacer que Dios sea el foco de la actividad celular de forma proactiva para que los creyentes y los incrédulos experimenten su presencia.

Leave a Reply

Your email address will not be published.