Introducing the G-12.3 Coaching Structure (part 2)

By Joel Comiskey, check out, Groups that Thrive and From Twelve to Three

I mentioned in last Friday’s blog about our journey at the Republic Church to find the best coaching structure (please reread Friday’s blog).

After working through our problems and combining the two foundational principles we discovered, we developed the G-12.3 concept. G-12.3 is not a fixed model that needs to be followed in a rigid, non-flexible manner. Rather, it is built upon principles which are adaptable to different situations.

In the G-12.3 structure, a full-time pastor oversees up to  twelve small group leaders, while a lay leader envisions caring for three daughter small group leaders and continues to lead an open small group. The number three is a more realistic and manageable number that gives lay volunteers a feasible goal: multiply the original small group three times and care for each one of those leaders while continuing to lead the original group.

The G-12.3 reduces the load on lay leaders to envision multiplying their small groups three times, rather than twelve. Steven L. Ogne, church planter and coaching consultant, says,

Most of the ideal systems you see described in small group seminars these days say the ratio should be one to five or even one to ten. I’ll tell you what, in my experience in our busy society, coaches are much more effective when they’re coaching one to three group leaders (Empowering Leaders through Coaching, audio tape).

The number three is not a sacred number. Pastors might, in fact, decide to ask lay leaders to care for five small group leaders. Or they might feel led to develop a G-10.5 system (staff pastors care for ten small group leaders while lay leaders care for five multiplication leaders). The G-12.3 structure is principle oriented and built upon  observations of a realistic span of care between lay leaders and multiplication leaders.

At the Republic Church, we chose three because it was  a feasible number of groups for a volunteer leader to oversee. We discovered that lay people could immediately get their hands on it. We also discovered that lay people in training to become small group leaders could grasp the vision of multiplying a small group three times and caring for those three leaders.

The number three simply reduces the coaching goal to reasonable proportions. It is not intended to be a legalistic straight-jacket on a fruitful small group leader. On the contrary, it is intended to give practical hope that it is possible to fulfill the goal of multiplying three times and someday even surpass that.

Can the Group Go Beyond Three?

After explaining the G12.3 model, I often get the question, “Who cares for the fourth leader?” By fourth leader, I mean a leader developed by a mother small group after that small group leader has already formed the network of three. The fourth small group leader should be cared for by one of the three daughter multiplication leaders.  In other words, the fourth daughter leader would continue to stay in the family, but would not be cared for directly by the parent small group leader. This would put the fourth leader in the position of a granddaughter to the parent small group leader. An important desire of a leader who already has multiplied three times is to help his or her network find their own leaders  while leading a healthy open group too.

What if a lay person wants to care for more than three? My response to this question is, “What a blessed problem!” If a lay leader wants to continue to lead his or her own small group and continue multiplying leaders beyond three, encourage him or her to “Go for it!”

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Introduzindo a Estrutura de Treinamento do G-12.3 (parte 2)

Por Joel Comiskey

Mencionei no blog da sexta-feira passada sobre nossa jornada na Republic Church (Igreja da República, em tradução livre) para encontrar a melhor estrutura de treinamento (por favor, releia o blog da sexta-feira).

Depois de resolver nossos problemas e combinar os dois princípios fundamentais que descobrimos, desenvolvemos o conceito G-12.3. O G-12.3 não é um modelo fixo que precisa ser seguido de maneira rígida e não flexível. Pelo contrário, é construído sobre princípios que são adaptáveis a diferentes situações.

Na estrutura do G-12.3, um pastor de tempo integral supervisiona até doze líderes de pequenos grupos, enquanto um líder leigo idealiza cuidar de três líderes de pequenos grupos-filhos e continua a liderar um pequeno grupo aberto. O número três é um número mais realista e gerenciável que dá aos voluntários leigos uma meta viável: multiplicar o grupo pequeno original três vezes e cuidar de cada um desses líderes, continuando a liderar o grupo original.

O G-12.3 reduz a carga nos líderes leigos para idealizarem a multiplicação de seus pequenos grupos por três vezes, ao invés de doze. Steven L. Ogne, plantador de igrejas e consultor de treinamento, diz:

A maioria dos sistemas ideais que você vê descritos em seminários de pequenos grupos hoje em dia dizem que a proporção deve ser de um a cinco ou mesmo de um a dez. Vou te contar que, na minha experiência em nossa sociedade ocupada, os treinadores são muito mais eficazes quando estão treinando um a três líderes de grupo (Capacitando Líderes através de Coaching, fita de áudio)

O número três não é um número sagrado. Os pastores podem, de fato, decidir pedir para os líderes leigos cuidarem de cinco líderes de pequenos grupos. Ou eles podem se sentir levados a desenvolver um sistema G-10.5 (os pastores da equipe cuidam de dez pequenos líderes de grupo, enquanto os líderes leigos cuidam de cinco líderes de multiplicação). A estrutura do G-12.3 é orientada para os princípios e construída a partir de observações de um período realista de cuidados entre líderes leigos e líderes de multiplicação.

Na Republic Church, escolhemos três porque era um número viável de grupos para um líder voluntário supervisionar. Descobrimos que as pessoas leigas conseguiriam imediatamente colocar as mãos nisso. Também descobrimos que os leigos em treinamento para se tornarem líderes de pequenos grupos poderiam compreender a visão de multiplicar um pequeno grupo três vezes e cuidar daqueles três líderes.

O número três simplesmente reduz a meta de treinamento para proporções razoáveis. Não se destina a ser uma camisa de força legalista em um líder frutífero de pequeno grupo. Pelo contrário, pretende-se dar esperança prática de que é possível cumprir a meta de multiplicar três vezes e um dia até superar isso.

O Grupo Pode ir Além dos Três?

Depois de explicar o modelo G12.3, muitas vezes recebo a pergunta: “Quem cuida do quarto líder?” Por quarto líder, quero dizer um líder desenvolvido por um pequeno grupo-mãe depois que o líder do pequeno grupo já formou a rede de três. O quarto líder de pequeno grupo deve ser cuidado por um dos três líderes-filhos de multiplicação. Em outras palavras, o quarto líder-filho continuaria na família, mas não seria cuidado diretamente pelo líder-pai do pequeno grupo. Isso colocaria o quarto líder na posição de neto para o líder-pai do pequeno grupo. Um desejo importante de um líder que já se multiplicou três vezes é ajudar sua rede a encontrar seus próprios líderes enquanto lidera um grupo aberto saudável também.

E se um leigo quiser cuidar de mais de três? Minha resposta a essa pergunta é: “Que problema abençoado!” Se um líder leigo quiser continuar a liderar seu próprio grupo e continuar multiplicando líderes além dos três, incentive-o a “Ir em frente!”

Spanish blog:

Presentando la Estructura de Entrenamiento G-12.3 (parte 2)

Por Joel Comiskey, libro De Doce a Tres

Mencioné en el blog del viernes pasado sobre nuestro viaje en la Iglesia de la República para encontrar la mejor estructura de entrenamiento (vuelva a leer el blog del viernes).

Después de resolver nuestros problemas y combinar los dos principios fundacionales que descubrimos, desarrollamos el concepto G-12.3. El G-12.3 no es un modelo fijo que debe seguirse de una manera rígida, no flexible. Más bien, se basa en principios que se pueden adaptar a diferentes situaciones.

En la estructura del G-12.3, un pastor de tiempo completo supervisa hasta doce líderes celulares, mientras que un líder prevé cuidar a tres líderes y continúa liderando una célula. El número tres es un número más realista y manejable que ofrece a los voluntarios un objetivo factible: multiplicar la célula original tres veces y cuidar a cada uno de esos líderes mientras continúa liderando la célula original.

El G-12.3 reduce la carga de los líderes para visualizar la multiplicación sus células tres veces, en lugar de doce. Steven L. Ogne, plantador de iglesias y asesor de entrenamiento, dice:

La mayoría de los sistemas ideales que se ven descritos en seminarios celulares actualmente, dicen que la proporción debe ser de uno a cinco o incluso de uno a diez. Te diré que, en mi experiencia en nuestra ocupada sociedad, los entrenadores son mucho más efectivos cuando están entrenando a uno o tres líderes celulares (Empoderando a los líderes a través del coaching, cinta de audio).

El número tres no es un número sagrado. Los pastores pueden, de hecho, decidir pedirles a los líderes que cuiden a cinco líderes celulares. O pueden sentirse impulsados a desarrollar un sistema G-10.5 (los pastores del personal atienden a diez líderes celulares mientras que los líderes cuidan a cinco líderes de multiplicación). La estructura del G-12.3 está orientada a principios y se basa en observaciones de un ámbito de atención realista entre líderes y líderes de multiplicación.

En la Iglesia de la República, elegimos tres porque era una cantidad factible de células para que un líder voluntario supervisara. Descubrimos que los líderes podían ponerlo de inmediato en sus manos. También descubrimos que los miembros que se están entrenando para convertirse en líderes celulares podrían comprender la visión de multiplicar una célula tres veces y cuidar a esos tres líderes.

El número tres simplemente reduce el objetivo de entrenamiento a proporciones razonables. No pretende ser una camisa de fuerza legalista para un líder celular fructífero. Por el contrario, se pretende dar esperanza práctica de que es posible cumplir el objetivo de multiplicar tres veces y, algún día, incluso superarlo.

¿Puede el grupo ir más allá de tres?

Después de explicar el modelo G12.3, a menudo me preguntan: “¿A quién le importa el cuarto líder?”. Por cuarto líder, me refiero a un líder desarrollado por una célula madre después de que este líder celular ya haya formado la red de tres células hijas. El cuarto líder celular debe ser atendido por uno de los tres líderes de multiplicación. En otras palabras, el cuarto líder continuaría siendo parte de la familia, pero no sería atendida directamente por el líder celular. Esto colocaría al cuarto líder y su célula en la posición de nieta. Un deseo importante de un líder que ya se ha multiplicado tres veces es ayudar a su red a encontrar a sus propios líderes y al mismo tiempo liderar una célula saludable.

¿Qué pasa si un líder quiere cuidar a más de tres de células? Mi respuesta a esta pregunta es: “¡Qué bendito problema!”. Si un líder desea continuar liderando su propia célula y seguir multiplicando a los líderes más allá de tres, aliéntelo a seguir “¡Adelante!”

Leave a Reply

Your email address will not be published.