Cell Evangelization and Church Planting

By Mario Vega, www.elim.org.sv

The first Christian communities were born from those initial families who believed in Jesus Christ.  The natural way for  Christians to meet was in their own homes. Fellowship, the teachings of Jesus, the worship, and celebration of the Lord’s Supper was done in the houses. To the extent that people believed the gospel, new houses began to host Christian meetings. The sum of those meetings in the houses in a city resulted in a community of Christians. What Paul called a church. That scene shows us that the formation of churches was something that went hand in hand with the expansion of the Gospel.

The proclamation of the gospel was equivalent to the formation of new Christian communities and new Christian communities implied a greater proclamation of the Gospel. One followed the other. That relationship has not been broken for centuries. In the case of El Salvador, the first proclamation of the Gospel was recorded around the year 1858. That was followed by years in which it was not possible to have formal churches because of the strong social control of the Catholic Church in close relationship with the conservative governments of the time. Those conditions changed around 1896 when social openings made possible the establishment of the first local church. Since then, the relationship between evangelization and church planting has continued unabated.

Then came the capacity to use mass media to preach the gospel but radio and TV did not necessarily imply a new church. TV and radio are great tools if combined with the planting of new churches. At present, there is a revival of evangelization in the houses and, with it, a return to the dynamics of church planting. We have returned to the roots of the New Testament, that is, to God´s model for his church.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Evangelização Celular e Plantação de Igrejas

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

As primeiras comunidades cristãs nasceram das famílias iniciais que acreditavam em Jesus Cristo. O caminho natural para os cristãos se encontrarem foi em suas próprias casas. Comunhão, o ensinamento do que Jesus tinha feito e dito, o culto e celebração da Ceia do Senhor eram feitos nas casas. Na medida em que as pessoas acreditavam no evangelho, as novas casas começavam a sediar as reuniões cristãs. A soma dessas reuniões nas casas de uma cidade resultava em uma comunidade de cristãos. E Paulo chamou isso de igreja. Essa cena nos mostra que a formação de igrejas era algo que andava de mãos dadas com a expansão do Evangelho.

A proclamação do evangelho era equivalente à formação de novas comunidades cristãs e novas comunidades cristãs implicavam uma maior proclamação do Evangelho. Uma coisa dependia da outra. Essa relação não foi quebrada por séculos. No caso de El Salvador, a primeira proclamação do Evangelho foi registrada por volta do ano de 1858. Isso foi seguido por anos nos quais não foi possível ter igrejas formais por causa do forte controle social da Igreja Católica que tinha uma estreita relação com os governos conservadores da época. Essas condições mudaram por volta de 1896, quando a abertura social tornou possível o estabelecimento da primeira igreja local. Desde então, a relação entre evangelização e plantação de igrejas continua inabalável.

Depois veio a capacidade de usar os meios de comunicação de massa para pregar o evangelho, mas o rádio e a TV não resultavam necessariamente numa nova igreja. TV e rádio são ótimas ferramentas se combinadas com o plantio de novas igrejas. Atualmente, há um renascimento da evangelização nas casas e, com isso, um retorno à dinâmica da plantação de igrejas. Voltamos às raízes do Novo Testamento, isto é, ao modelo de Deus para a sua Igreja.

Spanish blog:

Evangelización celular y plantación de iglesias

por Mario Vega, www.celulas.org.sv

Las primeras comunidades cristianas nacieron a partir de las familias que recibieron la fe en Jesucristo. La manera natural en que los cristianos se reunían fue en sus propios hogares. La comunión, la enseñanza de lo que Jesús había hecho y dicho, la adoración y la celebración de la cena del Señor se realizaba en las casas. En la medida en que las personas creían al evangelio, nuevas casas comenzaban a alojar reuniones cristianas. La suma de esas reuniones en las casas en una ciudad daba como resultado una comunidad de cristianos. Lo que Pablo llamaba una iglesia. Ese panorama nos deja ver que la formación de iglesias era algo que iba al lado de la expansión del evangelio.

El anuncio del evangelio equivalía a la formación de nuevas comunidades cristianas y nuevas comunidades cristianas implicaban mayor anuncio del evangelio. Lo uno implicaba lo otro. Esa relación no ha sido rota durante siglos. En el caso de El Salvador, el primer anuncio del evangelio se ha registrado alrededor del año 1858. A eso siguieron años en los cuales no fue posible lograr una iglesia constituida. Sobre todo por el fuerte control social de la iglesia católica en estrecha relación con los gobiernos conservadores de la época. Esas condiciones cambiaron a la altura de 1896 cuando la apertura social hizo posible el establecimiento de la primera iglesia local. Desde entonces, la relación entre evangelización y plantación de iglesias siguió a buen paso.

No obstante, con el advenimiento de los medios electrónicos de comunicación, evangelización no necesariamente implicaba una nueva iglesia. Se crearon conceptos como el de iglesia en la radio y el de iglesia televisada. No obstante, el fruto de tales esfuerzos no se lograba consolidar a menos que hubiese una estrecha relación entre el medio masivo y las iglesias locales. En la actualidad, existe un renacimiento de la evangelización en las casas y, con él, un regreso a la dinámica de plantación de iglesias. Hemos retornado a las raíces del Nuevo Testamento, es decir, al modelo de Dios para su iglesia.

Leave a Reply

Your email address will not be published.