How to Find the Best Team

by Joshua David Lopez Grajeda, Doctor in Ministry from Dallas Theological Seminary has served as pastor for 25 years and is lead pastor of North Nazareth Church, a growing cell church in Guatemala City, Guatemala.

I often hear group leaders and counselors say, “Where are all that have graduated from the Leadership School or Training Route? Why aren’t they serving? What are all the supposed trained leaders doing that they do not get involved in the vision? As pastors we tend to have some frustration because we would like to see many, if not all the people involved in the small group ministry. But in many cases, this does not happen. What can we do?

I asked myself this question many times, and in some occasions, I encouraged the discouraged and in the worst case, I scolded the idlers. The problem is that those who do not collaborate do not reach the meetings and the ones who are working end up receiving the exhortation. However, I discovered something that helped me a lot. I found that Nehemiah was a man of prayer and goals, organized, motivated, planned, and provided a climate of trust and teamwork. Achieving goals, winning people for Christ and involving people in a vision always require certain skills.

In chapter three of the book of Nehemiah, we read about essential principles for leadership. Nehemiah tried to involve all the inhabitants of the city in the reconstruction of the wall. The religious leaders set the example. Among those who got involved were men and women, artisans, intellectuals, perfumers, goldsmiths, government leaders and business people. Everyone was mixing mud and carrying bricks. Well, not all, because, “The people of Tekoa reconstructed the next section of the wall, although the nobles did not want to collaborate with the leaders” (Nehemiah 3: 5). It seems that the “nobles” thought that they were too good to do this kind of work. Getting to move bricks was inferior to their position.

In every visionary project we will find people like that. People who are selfish, vain, critical or simply think that they are too good to get involved. In the small group vision, we will always find two kinds of people: those who work and those who avoid it. What Nehemiah did when he confronted apathy? He focused on those who wanted to work. This is a good lesson. Instead of trying to spend effort with the apathetic, focus on those who want to work. As you work with those who are willing, you will grow in your own enthusiasm. 

Sometimes we spend our time trying to involve the lazy, apathetic and those who do not want to work. The solution is to focus our energies with those who are willing to work.  If you want to achieve the goals for this year, worry about those who want to get involved; work with those who want to work. However, this does not mean that you should not love those who do not want to get involve … but do not let them knock you down.

Here is another principle: leaders love everyone, but they move with those who move. I realized that when we persist with those who work, two things happen: first, we find the ideal team to carry out the vision and, second, the apathetic ones end up getting involved because the enthusiasm is contagious. Do not be discouraged, work with the best team–those involved.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Como Encontrar a Melhor Equipe

por Joshua David Lopez Grajeda, Doutor em Ministério pelo Seminário Teológico de Dallas, serve como pastor há 25 anos e é o pastor principal da North Nazareth Church, uma igreja em células crescente da Cidade de Guatemala, Guatemala.

Eu frequentemente ouço líderes de célula e conselheiros dizerem: “Onde estão todos os que se formaram na Escola de Liderança ou no Trilho de Treinamento? Por que nem todos trabalham? O que os supostos líderes treinados estão fazendo que não se envolvem na visão?”. Como pastores nós tendemos a ter alguma frustração porque gostaríamos de ver muitas, senão todas as pessoas envolvidas no ministério de pequenos grupos, mas em muitos casos, isso não acontece. O que podemos fazer?

Eu me fiz essa pergunta muitas vezes e, em algumas ocasiões, encorajei os desencorajados e, no pior dos casos, repreendi os ociosos. O problema é que aqueles que não colaboram não vão às reuniões e os que estão trabalhando acabam recebendo a exortação. No entanto, descobri algo que me ajudou muito. Descobri que Neemias era um homem de oração e objetivos, organizado, motivado, planejava tudo e proporcionava um clima de confiança e trabalho em equipe. Atingir metas, conquistar pessoas para Cristo e envolver pessoas em uma visão sempre requer certas habilidades.

No capítulo três do livro de Neemias, há uma jóia para a liderança. Neemias tentou envolver todos os habitantes da cidade na reconstrução do muro. Os líderes religiosos dão o exemplo. Entre aqueles que se envolveram estavam homens e mulheres, artesãos, intelectuais, perfumistas, ourives, líderes governamentais e empresários. Todo mundo estava misturando lama e carregando tijolos. Bem, nem todos, porque ” O trecho seguinte foi reparado pelos homens de Tecoa, mas os nobres dessa cidade não quiseram se juntar ao serviço, rejeitando a orientação de seus supervisores” (Neemias 3: 5). Parece que os “nobres” achavam que eram bons demais para fazer esse tipo de trabalho. Mover tijolos era algo inferior à sua posição.

Encontraremos pessoas assim em todo projeto visionário. Pessoas que são egoístas, vaidosas, críticas ou simplesmente pensam que são boas demais para se envolver em algo que os outros podem fazer bem. Na visão de pequenos grupos, sempre encontraremos dois tipos de pessoas: aqueles que trabalham e aqueles que evitam. O que Neemias fez com os apáticos foi concentrar-se naqueles que queriam trabalhar. Essa é uma boa lição. Em vez de tentar gastar esforço com o apático, concentre-se naqueles que querem trabalhar; não se desgaste, trabalhe com os entusiastas, com aqueles que abraçaram a visão, aqueles que querem trabalhar.

Às vezes passamos nosso tempo tentando envolver os preguiçosos, apáticos e aqueles que não querem trabalhar. A solução é concentrar nossas energias naqueles que estão dispostos a trabalhar. Não perca a visão, nem deixe a vida ficar amarga porque Neemias não perdeu tempo tentando motivá-los. Se você quer alcançar as metas para este ano, preocupe-se com aqueles que querem se envolver; trabalhe com quem quer trabalhar. No entanto, isso não significa que você não deve amar aqueles que não querem se envolver… Mas não deixe que eles te derrubem.

Aqui está outro princípio: os líderes amam a todos, mas eles se movem com aqueles que também se movem. Percebi que quando persistimos com quem trabalha, duas coisas acontecem: primeiro, encontramos o time ideal para realizar a visão e, segundo, os apáticos acabam se envolvendo porque o entusiasmo é contagiante. Não desanime, trabalhe com a melhor equipe, com os envolvidos.

Spanish blog:

Construya El Equipo

Por Joshua David López Grajeda, doctor en ministerio del Seminario Teológico de Dallas, ha servido como pastor durante 25 años y es el pastor principal de la Iglesia North Nazareth, una iglesia celular en crecimiento en la ciudad de Guatemala, Guatemala.

A veces ponemos mucha atención al enorme proyecto que tenemos por delante, pero primero debemos construir el equipo que levantará esa obra. Un proyecto puede ser enorme, pero debe organizarse en forma sencilla.  Nehemías vio cómo su gente estaba agrupada y aprovechó la manera como estaban asociadas entre sí y de ese modo formó un equipo de trabajo por afinidad. Luego los motivó para trabajar en levantar secciones del muro que se proponía construir y terminó una enorme obra de construcción.  

Una de las cosas que experimenté en el inicio de la visión celular en mi iglesia fue que muy pocos abrazaban la visión.   Hay muchas maneras de involucrar a las personas, pero lo primero que debemos hacer es detenernos a observar.  Nehemías lo hizo: “…y observé los muros de Jerusalén que estaban derribados…” (Nehemías 2:13).  La principal motivación para involucrar personas es trasladar la visión. Tenemos que reconstruir vidas destruidas. En nuestro vecindario abundan familias destruidas por el divorcio, la falta de empleo, el temor, los vicios, y toda clase de pecados.  Debemos tomar conciencia que Dios nos ha puesto en nuestro vecindario para levantar vidas destruidas.

Nehemías no solo observó la situación devastadora de la ciudad, sino también prestó atención a que ya había cierta organización entre las personas. Aprovechó a la gente que ya estaba asociada entre sí, como por ejemplo los sacerdotes, los hombres de Jericó, los hijos de Hasemá y los líderes de Tecoa. Algo similar sucedió en la iglesia donde sirvo. Cuando iniciamos la transición al sistema celular, algunos me aconsejaron que quietara todos los programas que no estuvieran alineados a la visión celular. Pero he aprendido que no necesariamente debemos quitarlo todo.  Aprovechemos lo que se puede alinear a la visión antes de eliminarlo.

Nehemías puso a trabajar a las personas en el sector del muro que estaba frente a sus casas (Nehemías 3:1). Podían pensar “Estoy edificando la parte del muro que protege mi casa, voy a hacer un buen trabajo”. De la misma manera debemos hacer que las personas trabajen en su zona de interés, incluso en la zona donde viven. Debemos animarlas a que desarrollen sus propias áreas de trabajo y que el ministerio sea lo más conveniente para ellos. 

En nuestra iglesia teníamos una organización ya establecida con grupos juveniles, hombres, mujeres y niños. Me di cuenta que cada persona necesita encontrar un grupo donde pueda desenvolverse con otros que son como él o ella.  Así que conservamos estos grupos y les llamamos “Grupos Afines”.  Además, me he dado cuenta que, estos grupos se pueden multiplicar en muchos grupos pequeños con líderes a su cargo.  Cada grupo grande le llamamos un sector de células.  Cada sector está ubicado en una zona cercana a la vivienda de los líderes y los miembros de los pequeños grupos. De esta manera tenemos un equipo de líderes de células que son pastoreados a su vez por un asesor de sector de células y tenemos con ellos todo un equipo de líderes que se multiplican en otros líderes. Cuando se logra formar un equipo la gente siente que el proyecto le pertenece. Y cuando existe la idea de pertenencia usted tiene un equipo unido en la visión. Un equipo unido en una visión logra metas extraordinarias. El resto es historia.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.