The healing power of listening

By Mario Vega, www.elim.org.sv v

In the JCG blogs, we’ve learned a lot about the importance of listening and learning how to listen. I have another story to tell. This happened when I was just beginning in the ministry. I was single and a very young pastor. One day one of the most faithful among the young ladies of the church came to talk with me. She began telling me how she had been sexually abused as a child. When I heard the nature of her problem, it really impacted me. It was the first time I had listened to an abuse victim.

While she continued her story I was very worried because I knew that at some point she would ask for my advice and counseling. The problem was that I did not know how to help her. It was the first time in my life that I had a case like this before me. At one point in her story she broke down in tears. That worried me even more, because I wanted to help her, but I did not know how. She continued her story, and I knew that she was about to finish and I would have to give her my advice, but I did not know how.

She finished her story, dried her tears with a handkerchief and then said: “Thank you very much for listening to me. I feel better already; I thank you for giving me your attention. I needed someone to hear me. God bless you.” Then, she got up with a smile and said goodbye to me. I was surprised not only by the drama of her story but also by the great benefit she had received by the simple act of having someone listen to her. The entire time she was talking I had not interrupted her. Often the best way we can counsel people is by diligent listening.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Poder Curativo de Escutar

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

Nos blogs do JCG, aprendemos muito sobre a importância de ouvir e aprender a ouvir. Eu tenho outra história para contar. Isso aconteceu quando eu estava apenas começando no ministério. Eu era solteiro e um pastor muito jovem. Um dia uma das mais fiéis entre as moças da igreja veio falar comigo. Ela começou a me contar como foi abusada sexualmente quando criança. Quando ouvi a natureza do seu problema, isso realmente me impactou. Foi a primeira vez que ouvi uma vítima de abuso.

Enquanto ela continuava sua história, eu estava muito preocupado porque sabia que em algum momento ela pediria meu conselho e aconselhamento. O problema era que eu não sabia como ajudá-la. Foi a primeira vez na minha vida que tive um caso como este diante de mim. Em um ponto de sua história, ela desmoronou em lágrimas. Isso me preocupou ainda mais, porque eu queria ajudá-la, mas não sabia como. Ela continuou sua história, e eu sabia que ela estava prestes a terminar e eu teria que dar-lhe o meu conselho, mas eu não sabia como.

Ela terminou sua história, secou as lágrimas com um lenço e disse: “Muito obrigado por me ouvir. Já me sinto melhor; Eu agradeço por me dar sua atenção. Eu precisava de alguém para me ouvir. Deus te abençoe”. Então, ela se levantou com um sorriso e disse adeus para mim. Fiquei surpreso não só pelo drama de sua história, mas também pelo grande benefício que ela recebera pelo simples ato de ter alguém que a ouvisse. O tempo todo em que ela estava falando eu não a interrompi. Muitas vezes, a melhor maneira de aconselhar as pessoas é ouvindo atentamente.

Spanish blog:

El poder sanador de escuchar

Por Mario Vega, www.elim.org.sv

En este blog se han relatado varios casos en los cuales se ha destacado la importancia de saber escuchar. Pero para reafirmar esa importancia, tengo una historia más que relatar. Esto ocurrió cuando apenas iniciaba el ministerio. Yo era un pastor muy joven y soltero. Un día llegó a platicar conmigo una de las señoras jóvenes más fieles de la iglesia. Ella comenzó a relatarme la manera en que había sido abusada sexualmente cuando era niña. Cuando escuché la naturaleza de su problema me causó un impacto. Era la primera vez que escuchaba a una víctima de abuso.

Mientras ella continuaba su relato yo estaba muy preocupado porque sabía que en algún momento ella me pediría mi consejo y asesoría. El problema era que yo no sabía cómo ayudarla. Era primera vez en mi vida que tenía uno de esos casos frente a mí. En un momento de su relato ella rompió en llanto. Eso me preocupó aún más, pues deseaba ayudarla, pero no sabía cómo. Ella continuó su relato hasta llegar al momento en que nos encontrábamos. Sabía que ella estaba por terminar y yo tendría que darle mi asesoramiento, pero no sabía cómo.

Ella finalizó su relato, secó sus lágrimas con un pañuelo y luego me dijo:

¾ Muchas gracias por haberme escuchado. Ya me siento mejor, le agradezco haberme dado su atención. Necesitaba que alguien me oyera. Dios le bendiga¾

Luego, se levantó con una sonrisa y se despidió de mí. Yo me quedé sorprendido no solamente por el drama de su historia sino también por el gran beneficio que ella había recibido solamente por haber sido escuchada. Solo agrego que todo el tiempo que ella estuvo hablando nunca la interrumpí. No dije ninguna palabra en realidad. Solamente la escuché.

Leave a Reply

Your email address will not be published.