Listening: Its Importance

By Ralph Neighbour

Over the last few weeks I have been observing a home cell leader who begins each session with his laptop open. He is married to the instructions given to him by the church office. First of all, the announcements of upcoming events are presented, followed by a brief prayer. Then each person is given a scripture passage to read. After going around the circle with the Verse by verse reading, there is a devotional presented by him. 20 minutes into the session not a single person has shared a thing about life the past week or any special issues needing ministry. It is obvious this cell group has an agenda and it is not the needs of the people present.

Further, if someone in the group begins to share, it is obvious the leader considers this an interruption of what has been planned. Even in the time of fellowship around snacks that follows the breakup of the meeting, this leader seems buried in his own thoughts. I am now waiting for an opportunity to suggest to him the cell group is not going to succeed unless he learns how to listen.

After all the years I have taught leaders how to steer a group it has been something of a shock to me to realize how other churches totally ignore the basic principles that every leader must learn – the first being how to listen! I fault the poor training of cell leaders in this church for the conduct of this person.

Back in 1990 when I went to Singapore we created a special room with cameras mounted in the ceiling so we could record group leaders as a part of their training. Many were shocked when we would play back the tapes. They had no idea how preoccupied they were with their own agenda rather than being sensitive to the needs of others in the room. The visual proof of how they were functioning made a change in their leadership. They were motivated to learn how to listen as a result of that experience.

We have all had the experience of speaking to someone and noticing their eyes are betraying they are not hearing fully what is being spoken. They are so intent on what they will say next that they are not absorbing what is arriving in their ears. Such a person may be totally unaware of their behavior. It may be an acquired pattern going back to childhood. Perhaps they were blocking out harsh words from an angry parent way back then, words too painful to allow a spot inside their memories. They grew up blocking out intake as a defense mechanism.

The over talker in a home cell drives everybody up the wall, but seldom do we realize is that this is only another way of not listening. As long as the person is talking they do not have to listen. It is important for training of leaders to have a strong focus on this issue.

I learned that years ago and added to the equipping of the leaders a simple technique. I have them create a diagram on a notepad as the group is sharing together showing each person’s Space in the circle. Each time a person speaks an arrow is drawn, directed to the person being addressed. At the end of the evening the people who speak the most have the most arrows. And in addition, I have them darken the arrow if they are talking too long. With this diagram in hand, they can approach the over talker and show them how much Time they took. The leader can then say to this person, “Notice on this diagram that Mary barely spoke at all. I need you to help me. In our next group meeting I want you to be sensitive to who it is not speaking at all. I want you to become a gate keeper for me. Let me explain to you what a gatekeeper is. It is a listening person who opens the gate for a silent person to speak. So next week when you observe someone not speaking, instead of making your own comment, turned to that person and say, “Mary, what are your thoughts about this?” Then at the end of the evening let’s get together and talk about what you did and why.”

This has been quite effective in helping people learn how to listen. Try it and see what you think!

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

A Importância de Ouvir

Por Ralph Neighbour

Nas últimas semanas tenho observado um líder de célula doméstica que começa cada sessão com o laptop aberto. Ele é casado com as instruções dadas a ele pelo escritório da igreja. Primeiro de tudo, os anúncios dos próximos eventos são apresentados, seguidos de uma breve oração. Então cada pessoa recebe uma passagem das Escrituras para ler. Depois de rodar o círculo com a leitura versículo por versículo, há um devocional apresentado por ele. 20 minutos após o início da reunião, nem uma única pessoa compartilhou algo sobre a vida na semana passada ou quaisquer questões especiais que precisem de ministração. É óbvio que essa célula tem uma agenda que não é guiada pelas necessidades das pessoas presentes.

Além disso, se alguém do grupo começar a compartilhar, é óbvio que o líder considera isso uma interrupção do que foi planejado. Mesmo no tempo de comunhão com lanches acontece ao término da reunião, esse líder parece estar enterrado em seus próprios pensamentos. Agora estou esperando por uma oportunidade para sugerir a ele que a célula não terá sucesso a menos que ele aprenda a ouvir.

Depois de todos os anos que ensinei aos líderes como orientar um grupo, foi uma espécie de choque para mim perceber como outras igrejas ignoram totalmente os princípios básicos que todo líder deve aprender – o primeiro é como ouvir! Eu culpo a má formação de líderes de células nesta igreja específica pela conduta desse líder.

Em 1990, quando eu fui para Cingapura, criamos uma sala especial com câmeras montadas no teto para que pudéssemos registrar os líderes do grupo como parte de seu treinamento. Muitos ficaram chocados quando colocamos as fitas. Eles não tinham ideia de como estavam preocupados com sua própria agenda, em vez de serem sensíveis às necessidades dos outros na sala. A prova visual de como eles estavam funcionando trouxe uma mudança em sua liderança. Eles foram motivados a aprender a ouvir como resultado dessa experiência.

Todos nós já tivemos a experiência de falar com alguém e perceber que seus olhos os estão traindo e que eles não estão ouvindo totalmente o que está sendo falado. Eles estão tão focados no que dirão em seguida que não estão absorvendo o que está chegando aos seus ouvidos. Essas pessoas podem estar totalmente inconscientes de seu comportamento. Isso pode ser um padrão adquirido desde a infância. Talvez estivessem bloqueando palavras duras de um pai irritado naquela época, palavras muito dolorosas para permitir um lugar dentro de suas memórias. Eles cresceram bloqueando a entrada como um mecanismo de defesa.

O que fala em excesso na célula doméstica leva todo mundo para cima do muro, mas raramente percebemos que isso é apenas outra maneira de não ouvir. Enquanto a pessoa estiver falando, ela não precisa ouvir. É importante que o treinamento de líderes tenha um forte foco nessa questão.

Eu aprendi isso anos atrás e adicionei ao equipamento dos líderes uma técnica simples. Eu os faço criar um diagrama em um bloco de notas enquanto o grupo está compartilhando, mostrando o espaço de cada pessoa no círculo. Cada vez que uma pessoa fala, uma seta é direcionada para a pessoa que está sendo endereçada. No final da noite, as pessoas que falam mais têm mais flechas. E além disso, eu os faço escurecer a flecha se elas estiverem falando por muito tempo. Com este diagrama em mãos, eles podem se aproximar do falante e mostrar quanto tempo eles levaram. O líder pode então dizer a essa pessoa: “Observe neste diagrama que Maria mal falou nada. Preciso que me ajude. Em nossa próxima reunião de grupo, quero que você seja sensível a quem não está falando. Eu quero que você se torne um porteiro para mim. Deixe-me explicar-lhe o que é um porteiro. É uma pessoa de escuta que abre o portão para uma pessoa silenciosa falar. Então, na semana que vem, quando você observar alguém não falando, em vez de fazer o seu próprio comentário, vá até a pessoa e diga: ‘Maria, o que você acha disso?’ Então, no final da noite, vamos nos encontrar e falar sobre o que você fez e por quê”.

Isso tem sido bastante eficaz em ajudar as pessoas a aprenderem a ouvir. Experimente e veja o que você acha!

Spanish blog:

La escucha: su importancia

Por Ralph Neighbor

Durante las últimas semanas he estado observando a un líder de la célula familiar que comienza cada reunión con su laptop abierta. Está casado con las instrucciones que le dio la oficina de la iglesia. En primer lugar, se presentan los anuncios de los próximos eventos, seguidos de una breve oración. Entonces a cada persona se le da un pasaje de las Escrituras para leer. Después de recorrer el círculo con el versículo que lee en verso, hay un devocional presentado por él. 20 minutos después de la sesión, ni una sola persona ha compartido algo sobre la vida la semana pasada o cualquier problema especial que necesite un ministerio. Es obvio que este grupo celular tiene una agenda y no son las necesidades de las personas presentes.

 Además, si alguien en la célula comienza a compartir, es obvio que el líder considera que esto es una interrupción de lo que se ha planeado. Incluso en el momento de la comunión con los refrigerios que siguen a la ruptura de la reunión, este líder parece enterrado en sus propios pensamientos. Ahora estoy esperando una oportunidad para sugerirle que el grupo celular no va a tener éxito a menos que aprenda a escuchar.

 Después de todos los años que he enseñado a los líderes cómo dirigir una célula, me ha sorprendido ver cómo otras iglesias ignoran totalmente los principios básicos que todo líder debe aprender: ¡el primero es cómo escuchar! Culpo a la mala capacitación de los líderes celulares en esta iglesia por la conducta de esta persona.

 En 1990, cuando fui a Singapur, creamos una sala especial con cámaras montadas en el techo para poder grabar a los líderes celulares como parte de su entrenamiento. Muchos se sorprendieron cuando reproducíamos las cintas. No tenían idea de cuán preocupados estaban con su propia agenda en lugar de ser sensibles a las necesidades de los demás en la sala. La prueba visual de cómo funcionaban hizo un cambio en su liderazgo. Estaban motivados para aprender a escuchar como resultado de esa experiencia.

Todos hemos tenido la experiencia de hablar con alguien y notar que sus ojos los están traicionando que no están escuchando lo que se está hablando. Están tan concentrados en lo que dirán a continuación que no están absorbiendo lo que les llega a los oídos. Tal persona puede ser totalmente inconsciente de su comportamiento. Puede ser un patrón adquirido que se remonta a la infancia. Tal vez estaban bloqueando palabras duras de un padre enojado en aquel entonces, palabras demasiado dolorosas para permitir un lugar dentro de sus recuerdos. Crecieron bloqueando la ingesta como mecanismo de defensa.

 La persona que habla en exceso en una célula familiar los lleva a todos a la pared, pero rara vez nos damos cuenta de que esta es solo otra forma de no escuchar. Mientras la persona esté hablando, no puede escuchar. Es importante que la capacitación de los líderes tenga un fuerte enfoque en este tema.

 Aprendí eso hace años y añadí al equipamiento de los líderes una técnica simple. Les pido que creen un diagrama en un bloc de notas mientras el grupo comparte juntos y muestra el espacio de cada persona en el círculo. Cada vez que una persona habla, se dibuja una flecha, dirigida a la persona a la que se dirige. Al final de la tarde, las personas que más hablan son las que tienen más flechas. Y además, tengo que oscurecer la flecha si están hablando demasiado tiempo. Con este diagrama en la mano, pueden acercarse al que más habla y mostrarles cuánto tiempo tomaron. El líder puede entonces decirle a esta persona: “Observa en este diagrama que Maria apenas habló. Necesito que me ayudes. En nuestra próxima reunión de grupo, quiero que seas sensible con quien no habla en absoluto. Quiero que te conviertas en un guardián de la puerta. Déjame explicarte lo que es un portero. Es una persona que escucha que abre la puerta para que una persona silenciosa hable. Así que la próxima semana, cuando observes a alguien que no está hablando, en lugar de hacer tu propio comentario, acudañe a esa persona y di: “María, ¿qué piensas de esto?” Luego, al final de la velada, juntémonos y hablemos de lo que hiciste y por qué “.

  Esto ha sido bastante efectivo para ayudar a las personas a aprender a escuchar. Pruébalo y ve lo que piensas!

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.