The Man-Made Program Myth

coach_andrewmasonBy Andrew Mason. Andrew is the Executive Pastor of Discipleship Communities at Emmanuel, a multi-site church in the twin cities of Minneapolis-St. Paul. He is Founder of SmallGroupChurches.com, an influential small group community, linking pastors and leaders to like-minded resources, events and organizations. Andrew resides in Minnesota with his wife Camille and their two sons.

As a young Pentecostal man, I was in love with Jesus and inspired by stories of revival that changed lives and nations. I must admit, when I first heard about the concept of cell ministry, I wasn’t very intrigued.

It didn’t sound like spontaneous, life-giving, Spirit-led ministry to me. To be honest, it sounded like a boring, man-made program. At first glance, cell ministry didn’t have a lot of sizzle to me.

One of the discovery moments came from research Jim Egli had been a part of, which stated that out of the 550 verses recorded about Christ’s ministry in the Gospel of Mark, 282 showed Jesus spending time with the crowds while 268 showed him spending time with the twelve. That’s almost 49% of His ministry time “focused on a few” in order to start the most expansive human organization in all of history.

As I began to learn more, I also noticed that many of the mega-churches around the world that were experiencing revival were also cell churches! People were being radically saved, people were being healed, set free and miracles were taking place as disciples were developed and multiplied.

All of this was confronting an event-driven, American church mindset In me that valued crowds above all else. There is nothing wrong with crowds, but the church is meant to have more than “crowds” as its only expression.

As I began to adopt cell principles as a Youth Pastor (and continued with it for more than 15 years now with adults too), I can think of no greater vehicle that God has used to stretch me in growing in the love of God for others than cell-based community. Not only am I more in touch with other’s needs, I have more opportunities to minister to those needs in a variety of ways. It’s in this dynamic where I find myself closer to Jesus in my walk with Him and I get to see Him do mighty works of transformation in peoples’ lives more often than I did before.

As a groups pastor I have had the blessing of hearing many reports of Jesus moving in the groups that I’ve served. Even in that, I still enjoy hosting my group with my wife, Camille, in our own home to this day. I love the fellowship, eating dinner together, discussing the Word and I thoroughly enjoy worshiping and praying together as group. I love seeing the growth in people as they increase their participation in worship and prayer. It’s exciting to see the gifts of the Spirit in activation when someone shares a prophetic word during prayer, or we pray for healing in a person’s body and they are touched and made whole through the power of Jesus!

I believe it’s vital to pass this on to the next generation in a way that releases vision in their heart for the excitement of the kingdom. In an age of church event production, celebrity pastors and digital content, the next generation needs to be activated to develop an authentic faith in Christ through circles, not just rows.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

O Mito do Programa Feito pelo Homem

Por Andrew Mason, Fundador do www.SmallGroupChurches.com

Como um jovem pentecostal, eu estava apaixonado por Jesus e inspirado por histórias de renascimento que mudaram vidas e nações. Devo admitir, quando ouvi sobre o conceito do ministério de células pela primeira vez, eu não fiquei muito intrigado.

Ele não soou como um ministério espontâneo, vivificante e guiado pelo Espírito para mim. Para ser sincero, soava como um programa chato criado pelo homem. À primeira vista, o ministério de células não me chamava muito a atenção.

Um dos momentos da descoberta veio da pesquisa de que Jim Egli havia participado, que afirmava que dos 550 versículos registrados sobre o ministério de Cristo no Evangelho de Marcos, 282 mostravam Jesus passando tempo com as multidões, enquanto 268 mostravam-no passando tempo com os doze. Isso é quase 49% do Seu tempo “focado em poucos” com o objetivo de iniciar a organização humana mais expansiva em toda história.

Conforme passei a saber mais, também percebi que muitas das mega-igrejas ao redor do mundo que estavam experimentando renascimento também eram igrejas em células! As pessoas estavam sendo radicalmente salvas, curadas, libertas e milagres estavam acontecendo quando discípulos eram desenvolvidos e multiplicados.

Tudo isso estava confrontando uma mentalidade da Igreja americana orientada em eventos em mim, que valorizava multidões acima de tudo. Não há nada de errado com as multidões, mas a igreja deve ter mais do que “multidões” como sua única expressão.

Quando eu comecei a adotar os princípios das células como um pastor de jovens (e continuei com isso por mais de 15 anos agora com adultos também), não consigo pensar num veículo melhor que Deus tenha usado para me estimular a crescer no Seu amor pelos outros do que numa comunidade baseada em células. Eu não estou apenas mais em contato com as necessidades das pessoas, também tenho mais oportunidades de ministrar essas necessidades numa variedade de formas. É nessa dinâmica que me encontro mais perto de Jesus na minha caminhada com Ele, e consigo vê-Lo fazer trabalhos poderosos de transformação na vida das pessoas com mais frequência do que eu via antes.

Como um pastor de grupos eu tive a benção de ouvir muitos relatos de Jesus se movendo nos grupos que eu servia. Mesmo assim, eu ainda gosto de hospedar meu grupo com minha esposa, Camille, na nossa própria casa até hoje. Eu amo a comunhão, jantar juntos, discutir a Palavra e eu aprecio muito adorar e orar juntos como um grupo. Eu amo ver o crescimento das pessoas quando elas aumentam a participação na adoração e na oração. É emocionante ver os dons do Espírito ativos quando alguém compartilha uma palavra profética durante a oração, ou quando oramos por uma cura no corpo de alguém e eles são tocados e feitos inteiros através do poder de Jesus.

Eu acredito que é vital transmitir isso para a próxima geração de forma a liberar a visão em seus corações pelo entusiasmo do reino. Numa era de produção de eventos na igreja, pastores celebridades e conteúdo digital, a próxima geração precisa ser ativada para desenvolver uma fé autêntica em Cristo através de círculos, não apenas de fileiras.

Spanish blog:

El mito del programa hecho por el hombre

Por Andrew Mason, fundador de www.SmallGroupChurches.com

Como un joven Pentecostal, estaba enamorado de Jesús e inspirado por historias de avivamiento que cambiaron vidas y naciones. Debo admitir que, cuando escuché por primera vez sobre el concepto de ministerio celular, no estaba muy intrigado.

No sonaba como un ministerio espontáneo, vivificante y dirigido por el Espíritu para mí. Para ser honesto, sonaba como un programa aburrido, hecho por el hombre. A primera vista, el ministerio celular no me molestó mucho.

Uno de los momentos de descubrimiento provino de la investigación de la que Jim Egli había participado, que afirmaba que de los 550 versos grabados sobre el ministerio de Cristo en el Evangelio de Marcos, 282 mostraban a Jesús pasando tiempo con la multitud, mientras que 268 lo mostraban pasando con los doce. Eso es casi el 49% de su tiempo en el ministerio “centrado en unos pocos” para iniciar la organización humana más expansiva de toda la historia.

Cuando comencé a aprender más, también noté que muchas de las mega iglesias de todo el mundo que estaban experimentando un avivamiento también eran iglesias celulares. Las personas fueron salvadas radicalmente, las personas fueron sanadas, puestas en libertad y se produjeron milagros a medida que los discípulos se desarrollaban y se multiplicaban.

Todo esto se enfrentó a una mentalidad de la iglesia estadounidense impulsada por eventos en mí, que valoraba a las multitudes por encima de todo lo demás. No hay nada de malo en las multitudes, pero se supone que la iglesia tiene más que “multitudes” como su única expresión.

Cuando comencé a adoptar los principios de la célula como Pastor Juvenil (y continué con esto durante más de 15 años ahora con adultos también), no puedo pensar en ningún vehículo mejor que Dios haya usado para esforzarme en crecer en el amor de Dios por los demás, que la comunidad basada en células. No solo estoy más en contacto con las necesidades de los demás, sino que tengo más oportunidades para atender esas necesidades de diversas maneras. Es en esta dinámica donde me encuentro más cerca de Jesús en mi caminar con Él y puedo verlo haciendo obras poderosas de transformación en la vida de las personas con más frecuencia que antes.

Como pastor de células, he tenido la bendición de escuchar muchos informes de Jesús moviéndose en los grupos a los que he servido. Incluso en eso, todavía disfruto alojando a mi grupo con mi esposa, Camille, en nuestra propia casa hasta hoy. Me encanta la comunión, cenar juntos, hablar sobre la Palabra y disfruto mucho adorando y orando juntos como célula. Me encanta ver el crecimiento en las personas a medida que aumentan su participación en la adoración y la oración. ¡Es emocionante ver los dones del Espíritu en activación cuando alguien comparte una palabra profética durante la oración, o oramos por la sanidad en el cuerpo de una persona y se conmueve y se completa mediante el poder de Jesús!

Creo que es vital transmitir esto a la próxima generación de una manera que libere la visión en su corazón de la emoción del reino. En una época de producción de eventos eclesiásticos, pastores de celebridades y contenido digital, la próxima generación debe activarse para desarrollar una fe auténtica en Cristo a través de círculos, no solo de filas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.