Negotiating Authority and Submission

by Dr. Bill Beckham

Determining who leads (authority) and who follows (submission) is a major issue in every area of life. In Thailand deciding who is over and who is under is a social art that is codified in language. The Thai language has multiple pronouns for this negotiating dance. Each person has a set of pronouns to use to refer to self in submission and another set of pronouns to refer to self in authority. In addition, another set of pronouns is used when referring to other people in submission or authority. These pronouns are adjusted according to the categories of age, status and power. It is claimed that a Thai can walk into a large gathering and almost immediately determine the pronouns to use with each person according to their proper category. Christians in every culture do the same thing, but without the special pronouns.

Most people react negatively to the authority/submission process because it feels like someone is over and someone is under. This is why genuine submission must be first of all an attitude of the heart, then it becomes an act of the will. In Ephesians 5:21, Paul encourages us to “be subject to one another (an act) out of reverence for Christ (an attitude)”. When submission is primarily an act or command, we are caught up in endless negotiation deciding who is to submit, and who is in authority.

This authority/submission negotiation takes place in the home, workplace, church, groups and individual relationships. In marriage, we often negotiate the letter of authority/submission in the roles of husband and wife, rather than the spirit. Invariably we become either combative, defensive, resentful or weary in this legalistic dance. We submit or exercise authority, but we don’t really submit or exercise authority “out of reverence for Christ”. Like obedience, partial submission is total non-submission. It is impossible to be submissive in a biblical sense without being submissive in attitude. Consequently, we need to spend more time encouraging each other in the spirit of submission rather than monitoring acts of non-submission.

Paul’s theological picture of Incarnation in Philippians 2:5-8 is a powerful example of submission from the heart.

“In your relationships with one another, have the same mindset as Christ Jesus: Who, being in very nature God, did not consider equality with God something to be used to his own advantage; rather, he made himself nothing by taking the very nature of a servant, being made in human likeness. And being found in appearance as a man, he humbled himself by becoming obedient to death—even death on a cross!”

The following words and concepts reveal Christ’s attitudes for living within God’s authority/submission parameters.

ACCEPTANCE: Hold on to your true nature/identity in Christ.

ADVANTAGE:   Refuse to take advantage of personal rights.

KENOSIS:          Empty self of self-rights.

SERVANT:         Operate with a servant heart in every relationship.

HUMILITY:         Have an attitude of humility.

OBEDIENCE:    Follow Jesus’ heart of obedience.

DEATH:              Die in order to be submissive, and in order to exercise loving authority.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Negociando Autoridade e Submissão

Por Dr. Bill Beckham

Determinar quem lidera (autoridade) e quem segue (submissão) é uma questão importante em todas as áreas da vida. Na Tailândia, decidir quem está acima e quem está abaixo é uma arte social que está codificada na língua. A língua tailandesa tem múltiplos pronomes para essa dança de negociação. Cada pessoa tem um conjunto de pronomes para se referir a si mesmo em submissão e outro conjunto de pronomes para se referir a si mesmo em autoridade. Além disso, outro conjunto de pronomes é usado quando se refere a outras pessoas em submissão ou autoridade. Esses pronomes são ajustados de acordo com as categorias de idade, status e poder. Alega-se que um tailandês pode entrar em uma grande reunião e quase imediatamente determinar os pronomes para usar com cada pessoa de acordo com sua própria categoria. Cristãos em todas as culturas fazem a mesma coisa, mas sem os pronomes especiais.

A maioria das pessoas reage negativamente ao processo de autoridade / submissão porque parece que alguém está acima e alguém está abaixo. É por isso que a submissão genuína deve ser, antes de mais nada, uma atitude do coração, e então se torna um ato de vontade. Em Efésios 5:21, Paulo nos encoraja a “sujeitar uns aos outros (um ato), por temor a Cristo (uma atitude)”. Quando a submissão é primariamente um ato ou comando, somos apanhados em intermináveis negociações, decidindo quem deve se submeter e quem está com autoridade.
 
Esta negociação de autoridade / submissão ocorre em casa, no local de trabalho, na igreja, nos grupos e nos relacionamentos individuais. No casamento, muitas vezes negociamos autoridade / submissão nos papéis de marido e mulher, em vez de no espírito. Invariavelmente nos tornamos combativos, defensivos, ressentidos ou cansados nessa dança legalista. Nós nos submetemos ou exercemos autoridade, mas não nos submetemos ou exercemos autoridade realmente “em reverência a Cristo”. Como obediência, a submissão parcial é a total não-submissão. É impossível ser submisso em um sentido bíblico sem ser submisso em atitude. Consequentemente, precisamos passar mais tempo incentivando um ao outro no espírito de submissão, em vez de monitorar os atos de não-submissão.

O quadro teológico de Paulo da Encarnação em Filipenses 2: 5-8 é um exemplo poderoso de submissão do coração.

“Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens. E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até à morte, e morte de cruz!”
 
As seguintes palavras e conceitos revelam as atitudes de Cristo para viver dentro dos parâmetros de autoridade / submissão de Deus.

ACEITAÇÃO: Agarre-se à sua verdadeira natureza / identidade em Cristo.
VANTAGEM: Recuse-se a se aproveitar de direitos pessoais.
KENOSIS: Esvazie-se de direitos pessoais.
SERVO: Opere com um coração de servo em todo relacionamento.
HUMILDADE: Tenha uma atitude de humildade.
OBEDIÊNCIA: Siga o coração obediente de Jesus.
MORTE: Morra para ser submisso e para exercer autoridade em amor.

Spanish blog:

Negociación Autoridad y Sumisión

Por el Dr. Bill Beckham

Determinar quién dirige (autoridad) y quién sigue (sumisión) es un tema importante en cada área de la vida. En Tailandia, decidir quién ha terminado y quién está bajo es un arte social codificado en el lenguaje. La lengua tailandesa tiene múltiples pronombres para esta danza negociadora. Cada persona tiene un conjunto de palabras para referirse a sí mismo en la sumisión y otro conjunto de palabras para referirse a sí mismo en autoridad. Además, se usa otro conjunto de pronombres cuando se hace referencia a otras personas que están en la sumisión o autoridad. Estos pronombres se ajustan de acuerdo con las categorías de edad, estado y poder. Se afirma que un tailandés puede caminar en una gran reunión y determinar casi de inmediato el uso apropiado con cada persona de acuerdo con su categoría apropiada. Cristianos en todas las culturas hacen lo mismo, pero sin los pronombres especiales.

La mayoría de las personas reaccionan negativamente al proceso de autoridad / sumisión porque se siente como si alguien hubiera renunciado y alguien se haya sometido. Por eso, la sumisión genuina debe ser, ante todo, una actitud del corazón, luego se convierte en un acto de la voluntad. En Efesios 5:21, Pablo nos anima a “estar sujetos el uno al otro (un acto) por respeto a Cristo (una actitud)”. Cuando es posible actuar como un líder, nos vemos atrapados en una negociación interminable, decidiendo quién debe someterse y quién está en autoridad.

Esta negociación de autoridad / sumisión tiene lugar en el hogar, el lugar de trabajo, la iglesia, las células y las relaciones individuales. En el matrimonio, a menudo negociamos la carta de autoridad / sumisión en los roles de esposo y esposa, en lugar del espíritu. Invariablemente nos volvemos combativos, defensivos, resentidos o cansados ​​en esta danza legalista. Nosotros sometemos o ejercemos autoridad, pero realmente no sometemos o ejercemos autoridad “por respeto a Cristo”. Al igual que la obediencia, la sumisión parcial es la no sumisión total. Es imposible ser sumisos en un sentido bíblico sin ser sumisos en actitud. En consecuencia, debemos dedicar más tiempo a alentarnos unos a otros en el espíritu de sumisión en lugar de monitorear los actos de no sumisión.

El cuadro teológico de Pablo sobre la encarnación en Filipenses 2: 5-8 es un poderoso ejemplo de sumisión desde el corazón.

“Haya, pues, en vosotros este sentir que hubo también en Cristo Jesús, el cual, siendo en forma de Dios, no estimó el ser igual a Dios como cosa a que aferrarse, sino que se despojó a sí mismo, tomando forma de siervo, hecho semejante a los hombres; y estando en la condición de hombre, se humilló a sí mismo, haciéndose obediente hasta la muerte, y muerte de cruz.”

Las siguientes palabras y conceptos revelan las actitudes de Cristo para vivir dentro de los parámetros de autoridad / sumisión de Dios.

ACEPTACIÓN: Aférrate a tu verdadera naturaleza / identidad en Cristo.

VENTAJA: Negarse a aprovechar los derechos personales.

KENOSIS: el vacío de los derechos propios.

SIERVO: Operar con un corazón de siervo en cada relación.

HUMILIDAD: Tener una actitud de humildad.

OBEDIENCIA: Sigue el corazón de obediencia de Jesús.

MUERTE: Muere para ser sumiso, y para ejercer autoridad amorosa.

Leave a Reply

Your email address will not be published.